SlideShare uma empresa Scribd logo
 
1 Introdução O presente projeto busca fomentar dinâmicas de desenvolvimento sustentável no município de Piracicaba e região, por intermédio da divulgação das  tecnologias sociais comunitárias  (TSC). A partir da construção de um laboratório vivo e dinâmico – o Centro de Referência em Tecnologias Sociais Comunitárias – pretende-se desenvolver ações junto à comunidades rurais e urbanas, visando a demonstração, a geração, a validação, a difusão e a capacitação em TSC, objetivando contribuir para resolução de problemas socioambientais e econômicos relevantes.
2 ONG  – Instituto Ambiente em Foco Missão: Fundada em agosto de 2007 por graduandos da USP – campus Piracicaba e qualificada como OSCIP em novembro de 2008. Em busca de sua missão, o IAF assumiu a responsabilidade legal do Coletivo Educador Pirá Sykauá 1  e a Secretaria do CONDEMA 2  de Piracicaba, além de ter participado da revisão da Agenda 21 municipal. 1   O coletivo Educador Pirá Sykauá reúne entidades, organizações e indivíduos interessados no planejamento e na execução de ações de educação ambiental no município de Piracicaba e região. 2  Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente Breve histórico: “ Contribuir para a construção de Sociedades Sustentáveis”.
3 ONG  - Área temática - TSC Histórico: A área temática Tecnologias Sociais Comunitárias (TSC) surgiu dentro do IAF em 2009, com a proposta de articular ações em torno do desenvolvimento e da difusão de tecnologias apropriadas, dos pontos de vista ambiental, econômico e sócio-cultural. Missão: “ Promover o desenvolvimento social local difundindo tecnologias sociais comunitárias por meio de um processo dinâmico de compartilhamento de experiências” Objetivo geral: Contribuir para a promoção de pequenas mudanças locais integradas que visem a construção de uma cultura popular da sustentabilidade.
4 TSC – Os 3 'A's Abundância: percepção de que os recursos são suficientes, em termos de qualidade e quantidade, quando entendidos e manejados de forma eficiente e solidária. Autonomia: no sentido de capacidade de solucionar os problemas locais sem dependências centralizadas (redes distribuídas). Auto-estima: valorização de si mesmo, como resultado do empoderamento comunitário.
5 Referências teórico-metodológicas
6 Tecnologias Sociais “ Todo o produto, método, processo ou técnica, criado para solucionar algum tipo de problema social e que atenda aos quesitos de SIMPLICIDADE, BAIXO CUSTO, FÁCIL APLICABILIDADE (e reaplicabilidade) e IMPACTO SOCIAL comprovado” (Wikipedia-pt) “ Pode-se considerar como Tecnologia Social qualquer produto, técnica ou metodologia replicável, desenvolvido na interação com comunidades e que represente efetivas soluções de trasformação social” (Rede de Tecnologias Sociais, 2009) “ As Tecnologias Sociais devem incorporar aspectos CULTURAIS, SOCIAIS e POLÍTICOS à discussão acerca da inovação tecnológia...” Descrição:
7 Tecnologias Sociais “ Desenvolver e disponibilizar tecnologias e modelos tecnológicos prontos para fomentar o desenvolvimento de comunidades...” “ ...por meio de um processo dialógico, de compartilhamento de saberes entre distintos atores em um contexto institucional favorável, buscando a resolução de um problema comum...” (DAGNINO et al., 2004) Objetivos:
8 Tecnologias Sociais ,[object Object]
Viabilização técnica:  na qual existe a consolidação de um padrão tecnológico ao mesmo tempo consistente e flexível;
Viabilização política:  na qual a TS ganha aos poucos utilidade, visibilidade, autoridade e financiamento;
Viabilização social:  na qual a tecnologia finalmente ganha escala, sendo replicada em diferentes situações a partir de uma rede complexa de DIFUSÃO, EXPERIMENTAÇÃO e APRIMORAMENTOS. As Tecnologias Sociais são viabilizadas a partir de 4 fases essenciais:
9 Tecnologias Sociais “ [As Tecnologias Sociais] só podem ser desenvolvidas em um ambiente favorável, de articulações  entre GOVERNO, ESPECIALISTAS, MOVIMENTOS SOCIAIS, ONGs e AGÊNCIAS DE FOMENTO” (Caccia  Bava, 2004) As Tecnologias Sociais enfatizam o processo compartilhado, com os atores implicados no problema, na construção de suas soluções. A organização de MUTIRÕES está no  DNA  da aplicabilidade das soluções em Tecnologias Sociais. Outros aspectos importantes:
10 Economia Solidária “ A economia solidária, em suma, é uma forma ética, recíproca e cooperativa de consumir, produzir, intercambiar, financiar, comunicar, educar, e desenvolver-se, que promove um novo modo de pensar e de viver” (Arruda, 2004) Descrição: ,[object Object]
Cooperação X Competição;
Trabalhadores são os proprietários dos meios de produção;
Partilha social da riqueza, do poder e do saber “ Pressupõe mudanças importantes no mundo do trabalho, incentivando a equidade, a democracia, a cooperação, a solidariedade, a qualidade das relações no trabalho e, mais que tudo, tendo a pessoa humana como prioridade. É uma outra possibilidade ao modo capitalista de organizar as relações sociais dos seres humanos entre si e destes com a natureza” (Paula, 2004)
11 Economia Solidária Valores: Cooperação Autogestão Autonomia Participação Democracia Emancipação
12 Economia Solidária Os valores da economia solidária materializam-se em: ,[object Object]
Associações;
Clubes de troca;
Clubes de consumo;
Clubes de crédito;
Empresas de autogestão;
Incubadoras universitárias de cooperativas populares (ITCPs);
13 Permacultura Descrição: A Permacultura é uma proposta de planejamento e de implementação de assentamentos humanos sustentáveis, criada nos anos 1970, na Austrália, por Bill Mollison e David Holmgren.  A Permacultura oferece as ferramentas para o planejamento, a implantação e a manutenção de ecossistemas cultivados no campo e nas cidades, de modo a que eles tenham a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas naturais. O termo  Permacultura  foi cunhado na união das palavras  Agricultura e Permanente.  Atualmente, porém, entendemos como  Cultura Permanente , pois a utilização de seus princípios e técnicas mostrou-se eficiente na solução de problemas, nos mais distintos campos de todo o conhecimento humano.
14 Permacultura Objetivo central: Organizar sistemas produtivos, habitacionais, educativos, econômicos, de gestão, entre outros, que, ao maximizarem os mecanismos naturais e endógenos de regulação, sejam cada vez menos dependentes de energia e de recursos externos para se manterem funcionando. Princípios éticos fundamentais: Cuidar da Terra Cuidar das pessoas Distribuição justa dos excedentes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide desafio
Slide desafioSlide desafio
Slide desafio
João Paulo moura
 
Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...
Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...
Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...
FCVSA
 
Informativo insp 11
Informativo insp   11Informativo insp   11
Informativo insp 11
Douglas Siqueira
 
Projeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolasProjeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolas
Maria Vieira
 
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
prbeiro
 
Informativo insp 47
Informativo insp   47Informativo insp   47
Informativo insp 47
Douglas Siqueira
 
Água@SP: Mapeamento de propostas e iniciativas
Água@SP: Mapeamento de propostas e iniciativasÁgua@SP: Mapeamento de propostas e iniciativas
Água@SP: Mapeamento de propostas e iniciativas
AguaSP
 
Tese Juliana Arruda_2011
Tese Juliana Arruda_2011Tese Juliana Arruda_2011
Tese Juliana Arruda_2011
Juliana Arruda
 
BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?
BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?
BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?
Nit Portal Social
 
Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...
Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...
Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...
fcmatosbh
 
Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas
Maria Vieira
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Cepagro
 
Jornal edição 114
Jornal edição 114Jornal edição 114
Jornal edição 114
Joao Rodrigues
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
Ricardo Baldini
 
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio VermelhoRevista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Camping PAERVE
 
Projeto Rio Capivari
Projeto Rio CapivariProjeto Rio Capivari
Projeto Rio Capivari
Eduardo Egisto
 

Mais procurados (16)

Slide desafio
Slide desafioSlide desafio
Slide desafio
 
Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...
Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...
Mobilização comunitária resulta em superação de problemas e acesso às tecnolo...
 
Informativo insp 11
Informativo insp   11Informativo insp   11
Informativo insp 11
 
Projeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolasProjeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolas
 
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
 
Informativo insp 47
Informativo insp   47Informativo insp   47
Informativo insp 47
 
Água@SP: Mapeamento de propostas e iniciativas
Água@SP: Mapeamento de propostas e iniciativasÁgua@SP: Mapeamento de propostas e iniciativas
Água@SP: Mapeamento de propostas e iniciativas
 
Tese Juliana Arruda_2011
Tese Juliana Arruda_2011Tese Juliana Arruda_2011
Tese Juliana Arruda_2011
 
BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?
BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?
BEBEU ÁGUA? TÁ COM SEDE?
 
Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...
Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...
Governança, Gestão das Águas e Gênero: Ensaio sobre a construção de intersecç...
 
Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
 
Jornal edição 114
Jornal edição 114Jornal edição 114
Jornal edição 114
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio VermelhoRevista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
 
Projeto Rio Capivari
Projeto Rio CapivariProjeto Rio Capivari
Projeto Rio Capivari
 

Destaque

Design
DesignDesign
Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011
Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011
Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011
CICI2011
 
Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013
Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013
Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013
Felipe Pinheiro
 
Tracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkey
Tracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkeyTracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkey
Tracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkey
Tracy Mendham
 
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem domésticaFolder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Andre Santachiara Fossaluza
 
1259449132 compostagem domestica
1259449132 compostagem domestica1259449132 compostagem domestica
1259449132 compostagem domestica
Pelo Siro
 
Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)
Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)
Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)
Amigos del Parque
 
Inspiracao e Historia da Permacultura
Inspiracao e Historia da PermaculturaInspiracao e Historia da Permacultura
Inspiracao e Historia da Permacultura
UniGaia-Brasil
 
Conservação do solo
Conservação do soloConservação do solo
Mata dos medos
Mata dos medosMata dos medos
Mata dos medos
Helena Serôdio
 
Permacultura na escola
Permacultura na escolaPermacultura na escola
Permacultura na escola
Helena Serôdio
 
Introdução à permacultura
Introdução à permaculturaIntrodução à permacultura
Introdução à permacultura
Andre Santachiara Fossaluza
 
Turismo de natureza
Turismo de naturezaTurismo de natureza
Turismo de natureza
Pedro Mar
 
Manejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na PermaculturaManejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na Permacultura
Fluxus Design Ecológico
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
Roberto Santos
 
Manual de Permacultura
Manual de PermaculturaManual de Permacultura
Manual de Permacultura
Gabolso
 
Programa de bioconstrução ACEL - Resultados
Programa de bioconstrução ACEL - ResultadosPrograma de bioconstrução ACEL - Resultados
Programa de bioconstrução ACEL - Resultados
ecocentroacel
 
Permacultura no Brasil
Permacultura no BrasilPermacultura no Brasil
Permacultura no Brasil
Lucash Martins
 
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiManejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
Sérgio Amaral
 

Destaque (20)

Design
DesignDesign
Design
 
Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011
Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011
Rafael Reinehr - CIRS - Coolméia - CICI2011
 
Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013
Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013
Vivências da Terra em Fernando de Noronha - 2013
 
Tracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkey
Tracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkeyTracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkey
Tracy's Quick and Easy Assessment Tool: SurveyMonkey
 
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem domésticaFolder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
 
1259449132 compostagem domestica
1259449132 compostagem domestica1259449132 compostagem domestica
1259449132 compostagem domestica
 
Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)
Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)
Mejores racticas ecoaldeanas apresentacao eco_vida (1)
 
Inspiracao e Historia da Permacultura
Inspiracao e Historia da PermaculturaInspiracao e Historia da Permacultura
Inspiracao e Historia da Permacultura
 
Conservação do solo
Conservação do soloConservação do solo
Conservação do solo
 
Mata dos medos
Mata dos medosMata dos medos
Mata dos medos
 
Permacultura na escola
Permacultura na escolaPermacultura na escola
Permacultura na escola
 
Introdução à permacultura
Introdução à permaculturaIntrodução à permacultura
Introdução à permacultura
 
Turismo de natureza
Turismo de naturezaTurismo de natureza
Turismo de natureza
 
Manejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na PermaculturaManejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na Permacultura
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
 
Manual de Permacultura
Manual de PermaculturaManual de Permacultura
Manual de Permacultura
 
Programa de bioconstrução ACEL - Resultados
Programa de bioconstrução ACEL - ResultadosPrograma de bioconstrução ACEL - Resultados
Programa de bioconstrução ACEL - Resultados
 
Permacultura no Brasil
Permacultura no BrasilPermacultura no Brasil
Permacultura no Brasil
 
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiManejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
 

Semelhante a Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco

1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental
1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental
1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental
Regiane Nigro
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Cemec projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamento
Cemec   projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamentoCemec   projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamento
Cemec projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamento
Cultura e Mercado
 
Curso Inovação em Projetos Culturais
Curso Inovação em Projetos CulturaisCurso Inovação em Projetos Culturais
Curso Inovação em Projetos Culturais
André Martinez
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
José Carlos Mota
 
2ª apostila 2ª série 3º bi
2ª apostila 2ª série 3º bi2ª apostila 2ª série 3º bi
2ª apostila 2ª série 3º bi
Nicholas Muraro
 
LabITA
LabITALabITA
LabITA
3Ecologias
 
Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018
Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018
Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018
MarceloGuido7
 
PROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIO
PROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIOPROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIO
PROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIO
Universidade Estadual do Ceará
 
Sustentabilidade 2.0
Sustentabilidade 2.0Sustentabilidade 2.0
Sustentabilidade 2.0
Jose Claudio Terra
 
Aula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aulaAula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aula
Giovanna Ortiz
 
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
Monitor Científico FaBCI
 
Projeto Instituto Solví
Projeto Instituto SolvíProjeto Instituto Solví
Projeto Instituto Solví
tana bassi
 
Ativos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e Limeira
Ativos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e LimeiraAtivos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e Limeira
Ativos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e Limeira
André Martinez
 
Escola da vida
Escola da vidaEscola da vida
Escola da vida
ThaGomes
 
Tecnologias sociais e design participativo v estudo
Tecnologias sociais e design participativo v estudoTecnologias sociais e design participativo v estudo
Tecnologias sociais e design participativo v estudo
Red Latinoamericana de Diseño
 
Farm School20
Farm School20Farm School20
Farm School20
Vânia Carlos
 
Projeto Lider EA
Projeto Lider EAProjeto Lider EA
Projeto Lider EA
Rcrj Rio Comprido
 
101 artigo enapegs
101 artigo enapegs101 artigo enapegs
101 artigo enapegs
John Herbert Badi Zappala
 
EcoodStop
EcoodStopEcoodStop
EcoodStop
Liana Fontana
 

Semelhante a Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco (20)

1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental
1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental
1º Encontro de Pontos de Cultura Socioambiental
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
 
Cemec projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamento
Cemec   projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamentoCemec   projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamento
Cemec projetos culturais - aula 2 - minom pinho - fontes de financiamento
 
Curso Inovação em Projetos Culturais
Curso Inovação em Projetos CulturaisCurso Inovação em Projetos Culturais
Curso Inovação em Projetos Culturais
 
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalhoLaboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
Laboratórios Cívicos Urbanos - documento de trabalho
 
2ª apostila 2ª série 3º bi
2ª apostila 2ª série 3º bi2ª apostila 2ª série 3º bi
2ª apostila 2ª série 3º bi
 
LabITA
LabITALabITA
LabITA
 
Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018
Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018
Tecnologias Sociais - Primeiro Módulo - 2018
 
PROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIO
PROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIOPROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIO
PROJETO ESCOLAR AMBIENTAL COMUNITÁRIO
 
Sustentabilidade 2.0
Sustentabilidade 2.0Sustentabilidade 2.0
Sustentabilidade 2.0
 
Aula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aulaAula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aula
 
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
A sustentabilidade e as bibliotecas comunitárias: possível implementação - De...
 
Projeto Instituto Solví
Projeto Instituto SolvíProjeto Instituto Solví
Projeto Instituto Solví
 
Ativos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e Limeira
Ativos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e LimeiraAtivos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e Limeira
Ativos Socioculturais e Interconexão - Piracicaba e Limeira
 
Escola da vida
Escola da vidaEscola da vida
Escola da vida
 
Tecnologias sociais e design participativo v estudo
Tecnologias sociais e design participativo v estudoTecnologias sociais e design participativo v estudo
Tecnologias sociais e design participativo v estudo
 
Farm School20
Farm School20Farm School20
Farm School20
 
Projeto Lider EA
Projeto Lider EAProjeto Lider EA
Projeto Lider EA
 
101 artigo enapegs
101 artigo enapegs101 artigo enapegs
101 artigo enapegs
 
EcoodStop
EcoodStopEcoodStop
EcoodStop
 

Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco

  • 1.  
  • 2. 1 Introdução O presente projeto busca fomentar dinâmicas de desenvolvimento sustentável no município de Piracicaba e região, por intermédio da divulgação das tecnologias sociais comunitárias (TSC). A partir da construção de um laboratório vivo e dinâmico – o Centro de Referência em Tecnologias Sociais Comunitárias – pretende-se desenvolver ações junto à comunidades rurais e urbanas, visando a demonstração, a geração, a validação, a difusão e a capacitação em TSC, objetivando contribuir para resolução de problemas socioambientais e econômicos relevantes.
  • 3. 2 ONG – Instituto Ambiente em Foco Missão: Fundada em agosto de 2007 por graduandos da USP – campus Piracicaba e qualificada como OSCIP em novembro de 2008. Em busca de sua missão, o IAF assumiu a responsabilidade legal do Coletivo Educador Pirá Sykauá 1 e a Secretaria do CONDEMA 2 de Piracicaba, além de ter participado da revisão da Agenda 21 municipal. 1 O coletivo Educador Pirá Sykauá reúne entidades, organizações e indivíduos interessados no planejamento e na execução de ações de educação ambiental no município de Piracicaba e região. 2 Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente Breve histórico: “ Contribuir para a construção de Sociedades Sustentáveis”.
  • 4. 3 ONG - Área temática - TSC Histórico: A área temática Tecnologias Sociais Comunitárias (TSC) surgiu dentro do IAF em 2009, com a proposta de articular ações em torno do desenvolvimento e da difusão de tecnologias apropriadas, dos pontos de vista ambiental, econômico e sócio-cultural. Missão: “ Promover o desenvolvimento social local difundindo tecnologias sociais comunitárias por meio de um processo dinâmico de compartilhamento de experiências” Objetivo geral: Contribuir para a promoção de pequenas mudanças locais integradas que visem a construção de uma cultura popular da sustentabilidade.
  • 5. 4 TSC – Os 3 'A's Abundância: percepção de que os recursos são suficientes, em termos de qualidade e quantidade, quando entendidos e manejados de forma eficiente e solidária. Autonomia: no sentido de capacidade de solucionar os problemas locais sem dependências centralizadas (redes distribuídas). Auto-estima: valorização de si mesmo, como resultado do empoderamento comunitário.
  • 7. 6 Tecnologias Sociais “ Todo o produto, método, processo ou técnica, criado para solucionar algum tipo de problema social e que atenda aos quesitos de SIMPLICIDADE, BAIXO CUSTO, FÁCIL APLICABILIDADE (e reaplicabilidade) e IMPACTO SOCIAL comprovado” (Wikipedia-pt) “ Pode-se considerar como Tecnologia Social qualquer produto, técnica ou metodologia replicável, desenvolvido na interação com comunidades e que represente efetivas soluções de trasformação social” (Rede de Tecnologias Sociais, 2009) “ As Tecnologias Sociais devem incorporar aspectos CULTURAIS, SOCIAIS e POLÍTICOS à discussão acerca da inovação tecnológia...” Descrição:
  • 8. 7 Tecnologias Sociais “ Desenvolver e disponibilizar tecnologias e modelos tecnológicos prontos para fomentar o desenvolvimento de comunidades...” “ ...por meio de um processo dialógico, de compartilhamento de saberes entre distintos atores em um contexto institucional favorável, buscando a resolução de um problema comum...” (DAGNINO et al., 2004) Objetivos:
  • 9.
  • 10. Viabilização técnica: na qual existe a consolidação de um padrão tecnológico ao mesmo tempo consistente e flexível;
  • 11. Viabilização política: na qual a TS ganha aos poucos utilidade, visibilidade, autoridade e financiamento;
  • 12. Viabilização social: na qual a tecnologia finalmente ganha escala, sendo replicada em diferentes situações a partir de uma rede complexa de DIFUSÃO, EXPERIMENTAÇÃO e APRIMORAMENTOS. As Tecnologias Sociais são viabilizadas a partir de 4 fases essenciais:
  • 13. 9 Tecnologias Sociais “ [As Tecnologias Sociais] só podem ser desenvolvidas em um ambiente favorável, de articulações entre GOVERNO, ESPECIALISTAS, MOVIMENTOS SOCIAIS, ONGs e AGÊNCIAS DE FOMENTO” (Caccia Bava, 2004) As Tecnologias Sociais enfatizam o processo compartilhado, com os atores implicados no problema, na construção de suas soluções. A organização de MUTIRÕES está no DNA da aplicabilidade das soluções em Tecnologias Sociais. Outros aspectos importantes:
  • 14.
  • 16. Trabalhadores são os proprietários dos meios de produção;
  • 17. Partilha social da riqueza, do poder e do saber “ Pressupõe mudanças importantes no mundo do trabalho, incentivando a equidade, a democracia, a cooperação, a solidariedade, a qualidade das relações no trabalho e, mais que tudo, tendo a pessoa humana como prioridade. É uma outra possibilidade ao modo capitalista de organizar as relações sociais dos seres humanos entre si e destes com a natureza” (Paula, 2004)
  • 18. 11 Economia Solidária Valores: Cooperação Autogestão Autonomia Participação Democracia Emancipação
  • 19.
  • 25. Incubadoras universitárias de cooperativas populares (ITCPs);
  • 26. 13 Permacultura Descrição: A Permacultura é uma proposta de planejamento e de implementação de assentamentos humanos sustentáveis, criada nos anos 1970, na Austrália, por Bill Mollison e David Holmgren. A Permacultura oferece as ferramentas para o planejamento, a implantação e a manutenção de ecossistemas cultivados no campo e nas cidades, de modo a que eles tenham a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas naturais. O termo Permacultura foi cunhado na união das palavras Agricultura e Permanente. Atualmente, porém, entendemos como Cultura Permanente , pois a utilização de seus princípios e técnicas mostrou-se eficiente na solução de problemas, nos mais distintos campos de todo o conhecimento humano.
  • 27. 14 Permacultura Objetivo central: Organizar sistemas produtivos, habitacionais, educativos, econômicos, de gestão, entre outros, que, ao maximizarem os mecanismos naturais e endógenos de regulação, sejam cada vez menos dependentes de energia e de recursos externos para se manterem funcionando. Princípios éticos fundamentais: Cuidar da Terra Cuidar das pessoas Distribuição justa dos excedentes
  • 28.
  • 29. Leva em conta as dimensões ambiental, sócio-cultural e econômica;
  • 30. Busca consolidar vias alternativas de comercialização de produtos, de ação social coletiva, e de participação, com vistas a redirecionar a co-evolução dos sistemas sociais com os sistemas agroambientais. (Gavioli, 2009)
  • 31. 16 Permacultura Exemplos de aplicação do design permacultural :
  • 32. 17 Fases do projeto Primeira etapa - Laboratório: Construir e consolidar o Centro de Referência em Tecnologias Sociais Comunitárias, enquanto espaço de desenvolvimento, pesquisa, validação e demonstração de tecnologias sociais para a resolução de problemas ambientais, energéticos, hídricos, habitacionais e produtivos. Segunda etapa - Comunidade: Identificar problemas e demandas em comunidades e grupos organizados em Piracicaba e região, e propor/construir soluções baseadas em tecnologias sociais.
  • 33.
  • 34. Cercas vivas e quebra ventos;
  • 35. Compostagem e vermicompostagem de resíduos orgânicos;
  • 36. Arranjos de policultivos no tempo e no espaço;
  • 37. Sistemas de irrigação de baixo consumo de energia e de água;
  • 38. Preparo e aplicação de bio-fertilizantes;
  • 39. Estratégias de manejo da biomassa;
  • 40. Capacitação, treinamento e educação ambiental (2a. etapa);
  • 42.
  • 43. Produção das mudas olerícolas, frutíferas, plantas medicinais e essências, com possibilidade de produção de excedente;
  • 44. Cúpula geodésica: resistência e leveza (fig.1);
  • 47. 20 Centro de Referência em TSC C. Cisterna para captação e armazenamento de água da chuva: A construção de uma cisterna para armazenamento de águas pluviais vai de encontro as necessidades de racionalizar o uso da água. Além de armazenar água a cisterna será utilizada para criação de peixes e o cultivo de algas, bio-enriquecendo a irrigação. D. Banheiro seco: Uma alternativa ecológica ao banheiro comum, processa biologicamente os resíduos humanos, que ao fim de um ciclo de 6 a 12 meses estão prontos para uso como fertilizante orgânico.
  • 48. 21 O espaço do centro O Centro de Referência em Tecnologias Sociais Comunitárias será implantado em uma chácara no município de Piracicaba, no mesmo espaço da casa-sede da ONG Instituto Ambiente em Foco.
  • 49. 22 Referencial metodológico A. Enfoque sistêmico: O enfoque sistêmico e o pensamento holístico englobam as questões referentes à multidimensionalidade e à transdicisplinaridade, passando de um enfoque redutor da realidade (cartesiano) para um olhar integrador e totalizante. Tendo por base a Teoria Geral de Sistemas, o enfoque sistêmico busca compreender a realidade a partir da visão de conjunto e de processos, em oposição ao pensamento clássico de análise das partes individualizadas. Em síntese, o enfoque sistêmico permite compreender os sistemas como um todo organizado, composto de limites, entradas, saídas, elementos estruturais e fluxos de matéria e de energia, que trabalham conjuntamente e de forma orgânica, criando dinâmicas de auto-regulação e gerando propriedades emergentes.
  • 50. 23 Referencial metodológico B. Pesquisa-ação e participação popular: A pesquisa-ação pode ser definida como “um tipo de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo, e no qual os pesquisadores o os participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo” (Thiollent, 1988, p.14) Cabe explicitar que dentro desta concepção, a relação entre saber formal, técnico-científico, e o saber informal, de caráter empírico, adquire centralidade e relevância, resultando na aprendizagem mútua de pesquisadores e atores populares, e na criação de novas dinâmicas de pesquisa e de inovação tecnológica, que superam o academicismo reducionista e descolado da realidade local.
  • 51. 24 Preparação para a 2a. fase Pretendemos iniciar o diálogo com organizações e entidades tais como: prefeituras municipais, associações de bairro, associações e cooperativas de produtores rurais, sindicatos de trabalhadores rurais, organismos de assistência técnica e extensão rural, escolas de ensino fundamental, médio e superior, organizações não governamentais, instituições de pesquisa, movimentos sociais, iniciativa privada, entre outros; objetivando o estabelecimento de parcerias para execução de ações voltadas ao planejamento, ao desenvolvimento, à avaliação, à implantação e à difusão de tecnologias sociais comunitárias com vistas a resolução de problemas sócio-ambientais e econômicos.