SlideShare uma empresa Scribd logo
DULCEIDA FERREIRA SAMPAIO




     FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR
                  INSERIDA NO ENSINO DE ARTES
NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ




                       Tarauacá-Acre 2012
DULCEIDA FERREIRA SAMPAIO




     FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR
                  INSERIDA NO ENSINO DE ARTES
NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ




                              Trabalho de Conclusão de Curso de Artes Visuais
                              apresentado ao Departamento de Artes Visuais do
                              Instituto de Artes da Universidade de Brasília, como
                              requisito Parcial da Licenciatura em Artes Visuais.
                              Orientadora: Profª. Elisandra Gewehr Cardoso. Co-
                              orientadora: Profª. Patrícia Colmenero Moreira de
                              Alcântara.




                       Tarauacá-Acre 2012
MEMORIAL



       Após concluir o Ensino fundamental, cursei o Ensino Médio na modalidade
magistério, na Escola de Segundo Grau Doutor Djalma da Cunha Batista, hoje
Ensino Médio. Logo que colei grau, passei em um concurso do Estado e desde já
passei a trabalhar com alunos de primeira a quarta série do Ensino Fundamental. No
ano de 2001 tive a oportunidade de ingressar no curso de Licenciatura em
Pedagogia oportunizado aos professores do quadro e comunidade pela UFAC –
Universidade Federal do Acre. Neste curso aprendi novas práticas pedagógicas,
passei a incorporar novos conceitos na prática escolar e fui aos poucos me
aperfeiçoando, concluindo o curso em 2005. Após o ano de 2005 tive a oportunidade
e ao mesmo tempo um desafio para ministrar aula na Escola Instituto São José na
disciplina de Artes. Apesar de não ter muito conhecimento da área, aceitei o desafio
e passei a me interessar pelo estudo das Artes. Nesse período fiz um curso de Pós
Graduação em planejamento e Gestão Escolar, onde incorporei mais conhecimentos
à minha prática docente.

       No ano de 2007 tive a tão sonhada oportunidade de ingressar no curso de
licenciatura em Artes pela UAB/UnB – Universidade Aberta do Brasil, onde através
deste curso passei a conhecer de forma teórica e mais aprofundada o conhecimento
das Artes, sua origem, importância e representatividade dentro do aspecto
educacional. Hoje sei que não aprendi tudo, mas tenho a plena convicção de que
não sou mais o que era. Agora com a conclusão de mais um sonho realizado, tendo
a certeza de que irei contribuir de forma significativa pautada nos princípios éticos,
educacionais e filosóficos, para proporcionar à comunidade escolar uma educação
mais qualitativa e que oportunize a todos o conhecimento da disciplina de forma
clara, objetiva e autentica.
RESUMO



          Este trabalho de conclusão se propõe investigar como vem sendo
trabalhada a festa junina nas aulas de artes no município de Tarauacá. O objetivo do
trabalho foi investigar e analisar porque os professores das escolas do município de
Tarauacá não utilizam este evento tão rico culturalmente nas aulas de arte, visto que
tal evento serve apenas para fins lucrativos e não como elemento visual e cultural.
Afinal, é uma maneira interessante de motivar os estudantes, dando-lhes
oportunidade de descobrir e construir o conhecimento. O universo a ser pesquisado
foi por meio de uma entrevista com três professores que atuam na disciplina de
Artes Visuais das Escolas de Ensino Fundamental II do município de Tarauacá,
como também baseada em autores que discutem a arte e a cultura na educação,
visto que a festa junina aborda as manifestações culturais locais. Os resultados
demonstraram que os professores não valorizam o tema em destaque por
apresentarem deficiência de construir e realizar um projeto e existem conceitos
solidificados e ultrapassados no que se refere à arte educação.




PALAVRA-CHAVE: arte na escola; festa junina; arte educação.
SUMÁRIO



INTRODUÇÃO ..................................................................................... 07
1. Arte e cultura popular .................................................................... 10
2. Festa Juninas inseridas nas aulas de artes do Ensino
Fundamental II nas escolas do município de Tarauacá................... 11
3. Alfredo Volpi: Procedimentos e a temática festa junina.............. 13
4. Pigmentos regionais: recursos naturais na confecção
das bandeirinhas juninas.................................................................... 16
5. Festa junina: avaliação da relevância............................................17
6. Síntese das respostas ao questionário......................................... 18
7. Análise de resultados...................................................................... 21
CONSIDERAÇÕES FINAIS.................................................................. 22
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................... 23
LISTA DE TABELA




Tabela 1..................................................................................................................................19




                                     LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS




PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais

UAB – Universidade Aberto do Brasil

UnB – Universidade de Brasília
7




INTRODUÇÃO



        O tema “A festa junina como manifestação da cultura popular inserida no
ensino de artes visuais nas escolas de ensino fundamental II do município da
Tarauacá”, foi escolhido após uma análise de como o mesmo vem sendo abordado
dentro do contexto escolar, tendo em vista que, nos últimos anos, vem priorizando
apenas os lucros financeiros gerados nas ‘’festas caipiras’', em nada contribuindo
para a percepção artística e cultural dos alunos, dentro do processo ensino-
aprendizagem.
        Nas escolas do município de Tarauacá, o ensino de arte ainda é visto com
certo desprestígio pelos alunos e, até mesmo, pelos próprios professores.
Geralmente é tido como uma disciplina para complementar a carga horária dentro do
ambiente escolar. Esta desvalorização reflete-se na falta de motivação e interesse
dos alunos pelos conteúdos desta disciplina. Um dos agravantes é o fato da grande
maioria dos professores não serem licenciados em Artes. Assim, formados em
outras áreas, completam sua carga horária com a disciplina de arte, levando-a à
decadência dentro do contexto escolar.
      Este trabalho visa despertar nos alunos o interesse pela arte através das
pinturas, desenho e confecção das bandeirinhas, indo além das questões
decorativas da festa junina, tendo como referência as obras de Alfredo Volpi, a fim
de levar o aluno a se manifestar artisticamente dentro do ambiente escolar das
Escolas de Ensino Fundamental II do município de Tarauacá, promovendo uma
interação entre alunos, professores e funcionários da instituição escolar. Busca-se
esclarecer, ainda, de que tal evento não deve resumir-se apenas às danças,
ornamentação e comidas típicas, mas deve-se focar também, os elementos visuais
acerca do evento, tais como as bandeirinhas e as suas cores vibrantes. Sendo que a
abordagem destes elementos poderá tornar as aulas mais atrativas e poderá
despertar o interesse dos alunos pela produção artística e a valorizar mais o ensino
de arte em sala de aula.
      Entende-se que é de grande importância para o ensino de arte, a
experimentação de técnicas simples com o intuito de trazer até o aluno a inovação
para o saber artístico, pois assim como Alfredo Volpi buscou inspiração nas festas
juninas e desenvolveu um excelente trabalho artístico utilizando as cores, com a
8




pintura em tela, o professor de arte também, poderá levar o aluno a observar o
ambiente junino e após, representar com desenho e pintura em tela o ambiente
festivo, desenvolvendo suas habilidades artísticas, mediante o aprendizado que
venha surgir no decorrer da aula.

          Diante deste contexto, faz-se necessário desenvolver um trabalho de
pesquisa voltado para o conhecimento de uma prática cultural bastante conhecida
em nosso país que é a festa junina, realizada dentro das escolas. Podem ser
explorados diversos aspectos deste evento nas diversas disciplinas do currículo,
contudo, este trabalho atem-se a explorar os elementos visuais que podem ser
trabalhados no ensino da arte.
         Os elementos culturais e visuais dos festejos juninos trabalhados dentro do
ensino de artes, no decorrer da pesquisa, foram: confecção de tintas utilizando uma
variedade de cores, obtidas através de pigmentos naturais existentes em nossa
região; a origem das fogueiras e da comemoração dos aniversários dos santos
católicos, bem como a origem das festas caipiras no Brasil. Desta forma, tem-se um
leque de possibilidades de conteúdos relevantes para as aulas de artes, que
direciona o aluno para a ampliação do aprendizado artístico, possibilitando uma
compreensão maior desta manifestação cultural.
         Dentro desta pesquisa, abre-se também um estudo voltado para o artista
plástico Alfredo Volpi e suas contribuições para a arte brasileira, pois as
bandeirinhas juninas são um elemento constante em boa parte de sua produção
artística, dando-lhes vida artística através da forma geométrica, cores e pintura em
tela, utilizando as tintas que ele mesmo produzia.
         O referido trabalho está estruturado da seguinte forma:
         Na primeira sessão aborda-se o tema Arte e Cultura Popular, expondo-se o
conceito e a importância da arte para o desenvolvimento artístico do aluno, fazendo
uma relação com a Cultura Popular.
         Na segunda sessão, apresenta-se um relato sobre a festa junina no contexto
das escolas de Ensino Fundamental II no município de Tarauacá, expondo de que
forma ela está inserida no ensino de arte e sua contribuição para o aprendizado do
aluno.
         Na terceira sessão, há um relato sobre Alfredo Volpi, procedimentos e a
temática festa junina e como ele a representou através da arte.
9




      Na quarta sessão, apresenta-se uma proposta para a inserção da festa junina
na sala de aula, fazendo uso de pigmentos regionais naturais na confecção das
bandeirinhas juninas, de modo que possa contribuir para a construção de
conhecimentos artísticos pelos alunos.
10




1. Arte e Cultura Popular




      Pode-se dizer de forma genérica que a arte é uma forma pela qual o homem
expressa suas emoções, entre elas alegria, tristeza, espanto, ou de revolta diante
dos problemas da sociedade da qual faz parte. Para Susanne Languer (1971, p.87)
a função principal da arte ‘’é objetivar o sentimento de modo que possamos
contemplá-lo e entendê-lo’’.

      A arte é uma representação do saber e da capacidade artística humana, pois
através dela o homem cria, recria, transforma e constrói sua vivência no meio social
que no qual está inserido. Para Alfredo Bosi (2000, p. 13):

                     Arte é um fazer. A arte é um conjunto de atos pelos quais se muda e se
                     transforma a matéria oferecida pela natureza e pela cultura. Nesse sentido
                     qualquer atividade humana, desde que conduzida regularmente a um fim,
                     pode chamar-se artística.

          A arte se faz presente nas mais variadas culturas, contudo, não se pode
compreender cultura se não tem o conhecimento do que é arte e sua influência no
meio social. Sobre a arte, KANDINSKY (1990, p. 27) afirma que: “toda arte é filha de
seu tempo e, muitas vezes mãe de nossos sentimentos. Cada época de uma
civilização cria uma arte que lhe é própria e que jamais se verá renascer.”

      De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais – Arte do Ensino
Fundamental (1997, p.30) “A imaginação criadora permite ao ser humano conceber
situações, fatos, ideias e sentimentos que se realizam como imagens internas, a
partir da manipulação da linguagem.” Desta forma, a arte pode desenvolver no
educando o senso crítico perceptivo através de atividade práticas como pinturas,
desenhos e esculturas e também através de estudos relacionados à história da arte,
poderá conhecer acontecimentos importantes que marcaram a história da evolução
humana.


      Diante disso, Barbosa (1998, pg. 132) explicita que:
                     Trabalhos nas escolas abrangem um grande número de interesses. Isso
                     inclui tudo aquilo que desenvolva um maior grau de conhecimento
                     ambiental; aquilo que constrói um vocabulário relacionado com experiência
                     estética e de designe; aquilo que encoraja uma resposta ampla para
                     promover um sentido de lugar. A arte aqui é importante no senti de
11



                       desenvolvimento do sentido de posse em relação ao meio ambiente. Ela é
                       usada como um meio de intensificar experiências, influenciar a percepção,
                       permitindo aos estudantes que reflitam sobre experiências adquiridas e
                       possa reprocessá-la para que faça sentido. Ela também encorajou uma
                       abordagem que enfatiza a critica, como um estudo através do qual os
                       estudantes têm sido ajudados a formar julgamentos de avaliação sobre
                       qualidade e a tentar explicá-los ou justificá-los. Esse tipo de trabalho
                       envolveu tanto o uso de uma linguagem visual como linguagem de palavras.
                       Ela mostrou como em alguns casos isto conduz a atividade onde os
                       estudantes estavam engajados a conceituar possibilidades de mudança,
                       utilizando imaginação e fantasia para criar uma nova realidade.


      Um povo torna-se conhecido pelo que pensa e realiza, ou seja, cada
sociedade é marcada por características próprias, e dentre estas características
pode-se citar a cultura popular. Esta envolve uma série de manifestações, que
nascem espontaneamente dos hábitos, dos costumes, das superstições, das
crendices, das ideias, das realizações materiais ou espirituais da população.




 2. Festa Junina inserida nas aulas de artes do Ensino Fundamental II nas
escolas do município de Tarauacá

      Nas escolas do Ensino Fundamental II no município de Tarauacá, a festa
junina vem sendo trabalhada somente com o intuito de obter lucros para as
entidades escolares.

      A festa junina é uma das manifestações populares mais esperadas no
decorrer do ano e acontece a cada mês de junho nas escolas, originada na
comemoração aos três santos católicos: Santo Antônio, São João e São Pedro,
quando professores, alunos e a comunidade em geral participam desta celebração
cultural, dando sua contribuição tanto na participação das apresentações realizadas
quanto na organização, para que tudo ocorra de acordo com o que foi planejado
para o momento festivo.

      Apesar de o evento contar com o apoio de toda comunidade escolar e se
tratar de uma manifestação cultural que vem sendo repassada de geração a
geração, a festa junina, dentro do currículo escolar não está tendo a abordagem que
merecia ter, principalmente em relação ao ensino de arte.
12




     Percebe-se um despreparo por parte dos professores de arte ao inserirem a
festa junina nas suas aulas, pois é simplesmente trabalhado com os alunos as
danças para as apresentações, a doação de ingredientes para as comidas típicas e
o recorte de bandeirolas em papel de seda para ornamentação.

      A importância da preservação dessa manifestação cultural pode estar inserida
na disciplina artes, pois se trata dos costumes e tradições cultivados e repassados a
gerações futuras, uma vez que ela necessita de um incentivo a mais para sua
preservação, fato que pode ocorrer tanto dentro da disciplina de artes como nas
demais disciplinas, se houver um planejamento pautado para a preservação desses
valores como identidade cultural.

     Um ponto importante dentro desse contexto consiste na forma simples e
objetiva que o professor de artes poderia trabalhar o tema da festa junina, em
conjunto com as demais disciplinas de maneira interdisciplinar.

     Outro fato consiste na valorização da cultura popular regional, tendo em vista
que preservar a cultura constitui um fator essencial no sentido de que as festividades
juninas no ensino de artes, colocam o aluno como sujeito e participante dessa
atividade, onde ele poderá junto com os professores e organizadores do evento
estabelecer e estreitar laços sociais além da possibilidade de trabalhar e explorar
elementos visuais.

     Na festividade junina, não pode faltar o colorido das bandeirinhas que
expressam alegria, harmonia e atratividade. Com esse simples elemento, pode-se
desenvolver com os alunos, uma pesquisa sobre Alfredo Volpi, artista plástico que
dedicou grande parte de seu trabalho com pesquisas sobre cores e formas inspirado
nas bandeirinhas que ornamentam essas festas.

     Como se trata de um tema que faz parte da cultura dos alunos, em especial a
festa junina, o professor deve aproveitar a bagagem de conhecimento trazida pelos
alunos e que foi adquirida através do convívio familiar passada de geração a
geração, fazendo uso dos seus saberes como recurso para o embasamento do
assunto em contexto, para assim haver uma socialização entre o processo de ensino
aprendizagem com os alunos.
13



                     Entende-se que aprender arte envolve não apenas uma atividade de
                     produção artística pelos alunos, mas também compreender o que fazem e o
                     que os outros fazem, pelo desenvolvimento da percepção estética, no
                     contato com o fenômeno artístico visto como objeto de cultura na história
                     humana e como conjunto de relações. (PCN, p.44)

      Para que o aluno venha a ser sabedor, cultivador e transmissor dos valores
sociais inseridos nas festas juninas, precisa estabelecer um olhar artístico crítico e
ao mesmo tempo transmitir seus saberes através da arte, respeitando a diversidade
artística dos demais colegas. Para isso, o professor deve agir como mediador
desses valores para a propagação e permanência no convívio social no qual os
alunos estão inseridos.




3. Alfredo Volpi: Procedimentos e a temática festa junina

    Alfredo Volpi chegou ao Brasil ainda criança com sua família, dando início à sua
carreira artística em 1914, passando posteriormente a criar suas obras inspirado em
um dos momentos culturais mais comemorados pelo povo brasileiro, a festa junina,
ficando conhecido pela forma simples e as cores vibrantes que utilizava ao produzir
sua arte.

   Suas obras evoluíram para o abstracionismo geométrico, onde passou a pintar
em tela, uma série de bandeirinhas e mastros que enfeitam e ornamentam o evento
junino. As tintas utilizadas por Alfredo Volpi, para dar o colorido às suas obras eram
criadas por ele, utilizando pigmentos naturais e, assim, tornando seu trabalho
genuíno, por criar e adotar seu método próprio em produzir arte.

      A arte de Alfredo Volpi é uma referência na disciplina de artes visuais, por sua
simplicidade artística, em observar um ambiente e transmiti-lo em várias formas
através da pintura em tela, como assim fez com as bandeirinhas de São João.

     Neste contexto, o professor pode propor para os alunos um estudo mais
detalhado sobre as obras de Volpi relacionada com a festa junina, os métodos
utilizados para representar as bandeirinhas em tela e sua repercussão para arte
brasileira. Atividades como esta, levam o aluno a ter um pensamento mais crítico no
que diz respeito à festa junina, ele precisa ser motivado e orientado, pois tendo algo
14




que o instigue e o incentive, ele se mobiliza com mais dedicação para a realização
das atividades propostas no decorrer do desenvolvimento da aprendizagem artística.
Isso é importante pois, como afirma Correa (2006, p. 167-168):

                     O desenvolvimento da criatividade pode despertar um papel importante na
                     formação do indivíduo, tornando-o um membro da sociedade mais atuante e
                     crítico referente aos novos conceitos de arte e ao processo artístico, bem
                     como à construção de conhecimento numa nova linguagem através da arte
                     que envolve expressão e comunicação por meio dos objetos construídos a
                     partir do cotidiano.




      Volpi soube, através da arte, com sua criatividade, ser mediador, transmissor
e cultivador de elementos da cultura popular. Com simplicidade, representou em
telas com cores vibrantes um singelo símbolo, as bandeirinhas, que representam a
manifestação cultural do povo brasileiro.

                     “(...) Volpi começou a sintetizar formas, em busca da cor. Para isso,
                     geometrizou a realidade que lhe estava próxima: casarios, fachadas de
                     casa, festas juninas. Aos poucos, foi retirando o excesso de elementos
                     desses temas figurativos, buscando a síntese da síntese. Das festas juninas
                     ficaram os mastros e bandeirolas, numa primeira fase, para, posteriormente,
                     chegar ao ícone, ao signo de todo esse percurso: as bandeirinhas. Estas
                     são, em verdade, quadrados dos quais Volpi retirou um retângulo de três
                     lados iguais, numa simetria rigorosa e perfeita, numa série de jogos
                     matemáticos, de arranjos e permutações de cores, daí o lúdico de suas
                     imagens.” (STEEN, 1997, p.42)



     As bandeirinhas de São João representadas por Volpi representam um mundo
cultural que o aluno está inserido, e assim o leva mais próximo de sua realidade
cotidiana, e naturalmente, de uma grande aproximação com o mundo da arte, pois
ela se manifesta em cada detalhe do ambiente festivo junino, trazendo um
aglomerado de ideias criativas que podem ter como foco principal as cores e as
formas como motivação artística, e Alfredo Volpi soube contextualizar grande parte
de suas obras com a cultura popular, em especial, a festa junina.
15




Figura 1: Bandeiras e Mastros.
Artista: Alfredo Volpi
Fonte: tiafabiolasonhomeu.blogspot.com.br, 2009.




Figura 2: Barco com Bandeirinhas e Pássaros
Artista: Alfredo Volpi
Fonte: tiafabiolasonhomeu.blogspot.com.br, 2009.




Figura 3: Grande Fachada Festiva

Artista: Alfredo Volp

Fonte: tiafabiolasonhomeu.blogspot.com.br, 2009.
16




4. Pigmentos regionais: recursos naturais na confecção das bandeirinhas juninas.

       No município de Tarauacá existe uma diversidade de pigmentos e corantes
naturais como o urucum, o jenipapo, o carvão, o açafrão, etc., que podem ser
utilizados para a pintura em trabalhos artísticos escolares, como representação da
festa junina.
      As bandeirinhas são símbolos fundamentais e marcantes nas festas juninas.
Elas possuem, além das formas geométricas, um colorido de cores vibrantes que
chamam a atenção do público que se sente atraído pela alegria que essas
variedades de cores transmitem.
      Os pigmentos naturais são utilizados para usos e fins diversos como produção
de tintas naturais e não poderiam ser desperdiçados, na confecção e pintura das
bandeirinhas juninas na sala de aula pelos alunos, como criatividade e produção
artística.
      O uso destes pigmentos não se constitui numa inovação propriamente dita,
mas na exploração de recursos de forma integrada com os outros aspectos da arte-
educação, ou seja, com a história da arte, com a leitura de imagem, de forma
contextualizada.
       Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental, 1997, p. 26,
falam que:
                     (...) O produto da ação criadora, a inovação, é resultante do acréscimo de
                     novos elementos estruturais ou da modificação de outros. Regido pela
                     necessidade básica de organização, o espírito humano cria, continuamente,
                     sua consciência de existir por meio de manifestações diversas.




      O uso de novas técnicas, para trabalhar a arte na sala de aula, leva o aluno a
novas descobertas, ao ato de criar suas próprias produções artísticas através de
pesquisas e experimentações variadas, pois se sentirá motivado ao despertar sua
curiosidade para desenvolver sua produção artística relacionada com os temas
abordados. Com a confecção das bandeirinhas, pode-se apresentar uma maneira
renovada de manifestar os elementos tradicionais, ao mesmo tempo que se
incentiva a preservação de uma manifestação popular que há anos vem sendo
praticada pela comunidade local.
17




5. Festa junina: Avaliação da relevância

      Este trabalho seguiu uma abordagem qualitativa, utilizando, além da atividade
prática de confecção das bandeirinhas, um questionário que foi entregue aos
professores de artes, que deram sua contribuição para a realização desta pesquisa.
O questionário foi criado com o intuito de obter informação e permitir conhecimentos
sobre a prática dos professores de artes, diante das metodologias utilizadas para
trabalhar a festa junina na sala de aula, bem como a importância da utilização de
recursos naturais, como os pigmentos, como uso dos produtos da cultura local na
confecção das bandeirinhas juninas. Antes de iniciar a entrevista, houve uma
conversa com as professoras para que tomassem conhecimento de seu objetivo e
finalidades.

     As entrevistas foram realizadas em três escolas de Ensino Fundamental II do
município de Tarauacá, duas localizadas no centro da cidade de Tarauacá e outra
em um bairro distante do centro da cidade.

     As três professoras entrevistadas não são licenciadas em Artes, duas delas
têm formação em pedagogia e a outra, em Geografia. Ambas além da disciplina de
artes trabalham com outras disciplinas: Ciências e Geografia. Foram assim
denominadas: PA, PB e PC.

      A pesquisa acima foi aplicada para os alunos do 9º ano “2”, da Escola de
Ensino Fundamental II Instituto São José do município de Tarauacá. Os alunos
demonstraram grande interesse pelas aulas, pois se sentiram motivados a participar
ativamente, na confecção das tintas e realização de uma produção artística,
referente ao tema festa junina, utilizando os materiais que produziram. No início da
primeira aula houve um momento de reflexão, uma sondagem sobre os
conhecimentos prévios dos alunos sobre a festa junina e a opinião de cada um, no
que diz respeito à forma como o tema vem sendo abordado dentro da escola. Os
alunos conquistaram um aprendizado satisfatório, pois desenvolveram com muita
habilidade todas as atividades propostas.

     Trabalhar com a confecção das bandeirinhas juninas na sala de aula, utilizando
recursos naturais locais como os pigmentos naturais, não deixa de ser uma
experiência renovadora dentro do ensino de arte, pois não é uma prática valorizada
18




na região. Como recurso didático, leva o aluno à valorização e preservação da
cultura local, através de sua interação com o meio social que frequenta. Sem contar
que se trata de festa junina, de hábitos e costumes praticados pela comunidade
local. O colorido que toma conta do ambiente festivo pode ser extraído dos materiais
naturais existentes na região local, produzindo-se, assim, a tinta para colorir as
bandeirinhas confeccionadas nas aulas de artes.




6. Síntese das respostas ao questionário

Descrição da opinião dos professores sobre como vem sendo trabalhado a cultura
popular em especial a festa junina nas aulas de artes. Aqui denominadas PA, PB e
PC.

     1. Há quantos anos trabalha a disciplina de artes?

PA        Comecei a trabalhar com a disciplina de artes em 2011

PB        Estou com quatro anos trabalhando com a disciplina de Artes

PC       Estou com onze anos que trabalho com a disciplina de Artes

     2. Além da disciplina de artes, você ministra outras disciplinas?

PA        Com a disciplina de Ciências.

PB        Com a disciplina de Geografia.

PC        Com a disciplina de Geografia.

      3. Como são ministradas as aulas de artes?

PA        Com o auxilio de pesquisas, textos, imagens e práticas.
PB
PC
     4. Como você planeja suas aulas de Artes?

PA       Quinzenalmente com a ajuda da coordenadora pedagógica.
PB
PC
19




   5. Como vem sendo trabalhado a cultura popular em especial a festa
      junina na sala de aula?
PA      Converso com os alunos sobre a festa junina, mitos, lendas, crenças,
        os três santos comemorados no mês de junho e partimos para os
        ensaios das danças.

PB       Converso sobre a importância da preservação desses valores
PC       culturais e em seguida começo os ensaios para o momento festivo.

     6. Qual a importância da festa junina como cultura popular para o
        ensino de arte?

PA       Cultivar os valores culturais através da arte.




 PB      Através do ensino de arte, o aluno poderá aprofundar seus
         conhecimentos na preservação desses valores e ao respeito para com
         essa identidade cultural.
 PC      Cultivar, preservar e repassar esses valores para as gerações futuras.

      7. Em sua opinião como deveria ser trabalhada a festa junina na sala
         de aula?

 PA       Com mais motivação na prática para a questão da pintura, pois
          trabalhamos somente a dança.

 PB      Acredito que precisamos de um bom preparo pedagógico para
 PC      ministrar a festa junina na disciplina de artes, pois trabalhamos
         somente a dança.




 Plano de Aula

 Data: 30/04/2012                    Série/turma: 9º “2”

 Carga horária: 2 horas aula



Conteúdo:

       Produção de tinta com pigmentos naturais.
20




      Produção artística do aluno com o tema festa junina, utilizando as tintas
      confeccionadas com os pigmentos.


Objetivos Gerais:

      Reconhecer e identificar as variedades de pigmentos existentes em nosso
      cotidiano que podem ser utilizados nas produções artísticas dos alunos.


      Induzir o aluno a criar pinturas sobre o tema (festa junina) utilizando as tintas
      confeccionadas com os pigmentos naturais do cotidiano.



Objetivos Específicos:

      Diferenciar as variedades de pigmentos.

      Aprender a confeccionar tinta com o uso do pigmento.

      Utilizar as tintas nas produções de desenho.




Procedimentos: Conversa explicativa sobre a criação das primeiras tintas e como
eram utilizadas pelos homens das cavernas; Conversa explicativa sobre a festa
junina e sua importância para o desenvolvimento artístico do aluno; Atividade prática
na confecção das tintas utilizando os pigmentos naturais; Atividade prática de
desenho sobre o tema (festa junina) utilizando as tintas confeccionadas pelos
alunos.




Metodologia:

      Por meio de uma conversa explicativa sondar dos alunos o conhecimentos
      que trazem sobre os pigmentos naturais;

      Fazer uma pesquisa sobre os pigmentos existentes em nossa região e trazer
      alguns para sala de aula; Dissolve o pigmento em um pouco de água no prato
      descartável, passa na peneira e acrescenta a cola branca e meche bem com
      a espátula.
21




      Usar a criatividade para uma produção artística sobre (festa junina) utilizando
      as tintas confeccionadas.


Recursos: Pigmentos: Urucum, terra, jenipapo, cola branca, pratinho descartável,
copo descartável, espátula, papel A4, pincel.


Cronologia: 2h aulas.




7. Análise de Resultados




     A pesquisa mostrou que as professoras do município de Tarauacá não são
qualificadas para trabalhar a disciplina de artes, as mesmas ministram aulas de
outras disciplinas, deixando-as desprovidas de tempo para um bom planejamento
curricular, onde possam ter uma preocupação voltada para educá-lo com a arte.

     Este pode ser um dos motivos que levam as atividades culturais realizadas nas
escolas a se restringirem ao aspecto lucrativo, não aproveitando-se para abordar os
aspectos culturais e sua evolução nas gerações atuais, para o aprendizado dos
alunos.

     Ao se introduzir o trabalho que relacionou a festa junina com a obra de Alfredo
Volpi, também com a confecção das tintas naturais, pode-se perceber que os alunos
demonstraram interesse na realização das atividades, por ser um tema que faz parte
do cotidiano cultural de cada um, ao mesmo tempo em que estabelece uma relação
com a arte e seu tempo atual.

     Quanto ao ensino da arte, pôde-se observar a relevância de levar até a sala de
aula como elemento visual, uma manifestação cultural tão praticada em nosso
município e sua contribuição para o aprendizado artístico do aluno.
22




Considerações Finais




     A pesquisa apontou que os professores de Artes Visuais das escolas de ensino
fundamental II do município de Tarauacá são conhecedores da festa junina como
cultura popular, porém estão acomodados, primeiro porque não são licenciados em
Artes Visuais, depois porque acumulam carga horária de outras disciplinas, e assim
nas aulas de arte faltam novas metodologias que venham tornar o ensino atrativo
para o aluno.
     Diante disso percebe-se que a festa junina na sala de aula precisa de um
incentivo a mais por parte dos professores, que proporcione o estímulo, a
criatividade, fazendo com que os alunos aprendam a gostar e a valorizar sua cultura.
     Este trabalho nos levou a refletir sobre a carência no ensino de artes do Ensino
Fundamental II no município de Tarauacá, onde faltam iniciativas metodológicas que
podem ser inseridas ao ensino das artes, ao trabalhar com a festa junina, por
exemplo, pode-se utilizar recursos naturais como os pigmentos nas produções
artísticas dos alunos, como recursos metodológicos nas aulas práticas e assim
promover uma aprendizagem significativa, valorizando a cultura local, despertando
potenciais artísticos na sala de aula e preservando os valores culturais.
     Portanto, através desta pesquisa foi possível compreender a importância de se
trabalhar a festa junina dentro do ensino de arte como valorização e preservação da
cultura popular, utilizando metodologias que amplie e estimule o aprendizado do
aluno para o saber artístico e cultural, onde o aluno possa conhecer suas origens
culturais bem como representá-la através da arte.
23




Referências Bibliográficas


BARBOSA, Ana Mae (Org). Arte-educação; leitura no subsolo. São Paulo:
Cortez, 2005.


___________________. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte, C/ Arte, 1998.




BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a Arte. São Paulo: Ática, 2000.



Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais:
arte /Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC /SEF, 1998.



Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais:
arte / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.


CORRÊA, Ayrton Dutra. O ensino das artes visuais: uma abordagem simbólico-
cultural/Ana Luiza Ruschel Nunes (org). – Santa Maria, Ed. Da UFSM, 2006.


DECONTO, Neuza Maria. Educação, Arte e Movimento. Brasília; Universidade de
Brasília, 2007.



GATTI, Thérèse, Hofmann. Materiais em arte: manual para manufatura e prática/
Thérèse Hofmann Gatti, Rosana de Castro e Daniela de Oliveira. Brasília: Secretaria
de Estado de Cultura do DF: Fundo da Arte e da Cultura – FAC, 2007.

LANGER, S. K. Ensinos filosóficos. São Paulo: Cultrix, 1971



MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, M. Terezinha Telles.
Didática do ensino de arte: a língua do mundo: poetizar, fruir, e conhecer a
arte. São Paulo: FTD, 1998. 195 p.
24




STEEN, Edla van (texto e pesquisa). Alfredo Poetas do Espaço e da Cor: VOLPI,
Arcângelo IANELLI, ALDIR Mendes de Souza, Franz WEISSMANN. Ed. Arte
Aplicada. São Paulo; prefeitura de São Paulo. 1997. Curadoria de Sabina de
Libman.



TOCANTINS, Leandro. Estado do Acre. Rio de Janeiro: Ed. Castelo, 1984.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumondProjeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
SimoneHelenDrumond
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Sequencia didatica caricatura arte 9º ano
Sequencia didatica caricatura   arte 9º anoSequencia didatica caricatura   arte 9º ano
Sequencia didatica caricatura arte 9º ano
Fabiola Oliveira
 
PLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdfPLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdf
Marcos Cost
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
muni2014
 
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
Projeto combate a dengue   escola nascimento lealProjeto combate a dengue   escola nascimento leal
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
Fabiola Oliveira
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
Geo Honório
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
SimoneHelenDrumond
 
Projeto festa junina 2013
Projeto festa junina 2013Projeto festa junina 2013
Projeto festa junina 2013
escolaprofmariaelzasena
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
Mary Alvarenga
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Fabiola Oliveira
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Ana Beatriz Cargnin
 
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e AtividadesArtes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Geo Honório
 
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
baibicalho
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Fabiola Oliveira
 
avaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docx
avaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docxavaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docx
avaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docx
NayanaNayllah
 
Plano de Aula Tarsila do Amaral
Plano de Aula Tarsila  do AmaralPlano de Aula Tarsila  do Amaral
Plano de Aula Tarsila do Amaral
ANA MARIA DE PAULA E SILVA
 
Sequencia didatica arte
Sequencia didatica arteSequencia didatica arte
Sequencia didatica arte
Emanoel Jackson Lisboa
 
Artes 2º ano
Artes 2º anoArtes 2º ano
Artes 2º ano
GERALDOGOMESDEBARROS
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
Marcelo Malafaia
 

Mais procurados (20)

Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumondProjeto páscoa cmei2009 s imone drumond
Projeto páscoa cmei2009 s imone drumond
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
 
Sequencia didatica caricatura arte 9º ano
Sequencia didatica caricatura   arte 9º anoSequencia didatica caricatura   arte 9º ano
Sequencia didatica caricatura arte 9º ano
 
PLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdfPLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 5 ANOS.pdf
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
 
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
Projeto combate a dengue   escola nascimento lealProjeto combate a dengue   escola nascimento leal
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
 
Projeto festa junina 2013
Projeto festa junina 2013Projeto festa junina 2013
Projeto festa junina 2013
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
 
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e AtividadesArtes Dança/ Danças Regionais e Atividades
Artes Dança/ Danças Regionais e Atividades
 
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
Ata de reunião ordinária da comissão de alunos e amigos da escola municipal c...
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
 
avaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docx
avaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docxavaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docx
avaliação de artes - cores primaria - secundarias e terciarias.docx
 
Plano de Aula Tarsila do Amaral
Plano de Aula Tarsila  do AmaralPlano de Aula Tarsila  do Amaral
Plano de Aula Tarsila do Amaral
 
Sequencia didatica arte
Sequencia didatica arteSequencia didatica arte
Sequencia didatica arte
 
Artes 2º ano
Artes 2º anoArtes 2º ano
Artes 2º ano
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
 

Destaque

Arte alfredo volpi
Arte alfredo volpiArte alfredo volpi
Arte alfredo volpi
Atividades Diversas Cláudia
 
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmasBiografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
ESCOLAIRMAEDITH
 
HISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINAS
HISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINASHISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINAS
HISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINAS
Thiago Vergete
 
Alfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua VidaAlfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua Vida
guest39ef5c0
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...
ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...
ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...
Vis-UAB
 
Relacionando paul klee (artes) abril
Relacionando paul klee (artes)  abrilRelacionando paul klee (artes)  abril
Relacionando paul klee (artes) abril
L Fernando F Pinto
 
Volpi
VolpiVolpi
Book Parque Alfredo Volpi
Book Parque Alfredo VolpiBook Parque Alfredo Volpi
Book Parque Alfredo Volpi
agenciagoldenc
 
Gauguin
GauguinGauguin
Gauguin
Bruno Faber
 
RELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º B
RELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º BRELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º B
RELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º B
jeamrodrigo
 
Artes 9º ano-hq drogas
Artes 9º ano-hq drogasArtes 9º ano-hq drogas
Artes 9º ano-hq drogas
nicolaufernanda2
 
Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013
Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013
Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013
Arquivos-arte
 
Orientacoes Curriculares Ensino Fundamental -series finais
Orientacoes Curriculares  Ensino Fundamental -series finaisOrientacoes Curriculares  Ensino Fundamental -series finais
Orientacoes Curriculares Ensino Fundamental -series finais
corescolar
 
Alfredo Volpi pelo olhar do 1º ano C
Alfredo Volpi pelo olhar do 1º ano CAlfredo Volpi pelo olhar do 1º ano C
Alfredo Volpi pelo olhar do 1º ano C
estflam2013
 
A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE
Vis-UAB
 
Di Cavalcanti
Di CavalcantiDi Cavalcanti
Di Cavalcanti
paulo
 
Caderno orientacao didatica arte
Caderno orientacao didatica arteCaderno orientacao didatica arte
Caderno orientacao didatica arte
Flávia Pereira de Carvalho
 
A arte de fazer questionários
A arte de fazer questionáriosA arte de fazer questionários
A arte de fazer questionários
Nádia Cachado
 
Comunic´art 1º ano 12 manhã
Comunic´art   1º ano  12 manhãComunic´art   1º ano  12 manhã
Comunic´art 1º ano 12 manhã
blogfundamentalsv
 

Destaque (20)

Arte alfredo volpi
Arte alfredo volpiArte alfredo volpi
Arte alfredo volpi
 
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmasBiografia de alfredo volpi todas as turmas
Biografia de alfredo volpi todas as turmas
 
HISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINAS
HISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINASHISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINAS
HISTÓRIAS DAS QUADRILHAS JUNINAS
 
Alfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua VidaAlfredo Volpi E Sua Vida
Alfredo Volpi E Sua Vida
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...
ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...
ELEMENTOS DA VISUALIDADE DA TRIBO KAXINAWÁ NO ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TAR...
 
Relacionando paul klee (artes) abril
Relacionando paul klee (artes)  abrilRelacionando paul klee (artes)  abril
Relacionando paul klee (artes) abril
 
Volpi
VolpiVolpi
Volpi
 
Book Parque Alfredo Volpi
Book Parque Alfredo VolpiBook Parque Alfredo Volpi
Book Parque Alfredo Volpi
 
Gauguin
GauguinGauguin
Gauguin
 
RELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º B
RELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º BRELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º B
RELEITURA DE ALFREDO VOLPI - 5º B
 
Artes 9º ano-hq drogas
Artes 9º ano-hq drogasArtes 9º ano-hq drogas
Artes 9º ano-hq drogas
 
Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013
Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013
Aula - Particularidades da Arte Moderna Brasileira 2013
 
Orientacoes Curriculares Ensino Fundamental -series finais
Orientacoes Curriculares  Ensino Fundamental -series finaisOrientacoes Curriculares  Ensino Fundamental -series finais
Orientacoes Curriculares Ensino Fundamental -series finais
 
Alfredo Volpi pelo olhar do 1º ano C
Alfredo Volpi pelo olhar do 1º ano CAlfredo Volpi pelo olhar do 1º ano C
Alfredo Volpi pelo olhar do 1º ano C
 
A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA O ENSINO DE ARTE
 
Di Cavalcanti
Di CavalcantiDi Cavalcanti
Di Cavalcanti
 
Caderno orientacao didatica arte
Caderno orientacao didatica arteCaderno orientacao didatica arte
Caderno orientacao didatica arte
 
A arte de fazer questionários
A arte de fazer questionáriosA arte de fazer questionários
A arte de fazer questionários
 
Comunic´art 1º ano 12 manhã
Comunic´art   1º ano  12 manhãComunic´art   1º ano  12 manhã
Comunic´art 1º ano 12 manhã
 

Semelhante a FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR INSERIDA NO ENSINO DE ARTES NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ

O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...
O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...
O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...
Vis-UAB
 
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
Vis-UAB
 
Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...
Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...
Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...
Vis-UAB
 
A formação de professores em arte
A formação de professores em arteA formação de professores em arte
A formação de professores em arte
Romulo Coco
 
Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...
Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...
Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...
Vis-UAB
 
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
Vis-UAB
 
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
Vis-UAB
 
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SULO TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
Vis-UAB
 
O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.
O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.
O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.
Vis-UAB
 
TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...
TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...
TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...
Vis-UAB
 
Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...
Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...
Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...
Vis-UAB
 
Ana lúcia duarte alberton
Ana lúcia duarte albertonAna lúcia duarte alberton
Ana lúcia duarte alberton
Maria Emilia
 
A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE
Vis-UAB
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
erlonmoreira
 
O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.
O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.
O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.
Vis-UAB
 
Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.
Vis-UAB
 
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
Vis-UAB
 
A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...
A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...
A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...
Vis-UAB
 
ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...
ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...
ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...
Vis-UAB
 
Met. do ens. de arte
Met. do ens. de arteMet. do ens. de arte
Met. do ens. de arte
Fabio dos Santos Oliveira
 

Semelhante a FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR INSERIDA NO ENSINO DE ARTES NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ (20)

O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...
O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...
O ESTUDO DA CULTURA INDÍGENA PUYANAWA NO CONTEXTO ESCOLAR DA ESCOLA CUNHA DE ...
 
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
A PRODUÇÃO DO PAPEL ARTESANAL COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO 1ºANO “A” DO ENSINO ...
 
Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...
Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...
Materiais pedagógicos com a matéria prima local para auxiliar o ensino dasart...
 
A formação de professores em arte
A formação de professores em arteA formação de professores em arte
A formação de professores em arte
 
Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...
Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...
Buscando soluções para as carências de materiais na oferta do curso de artes ...
 
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
CONTRIBUIÇÕES DO ARTISTA HÉLIO MELO PARA PENSAR A EDUCAÇÃO EM ARTE POR PROJET...
 
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
A IMPORTANCIA DO ENSINO DA ARTE PARA OS ALUNOS DA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉ...
 
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SULO TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
O TRABALHO DOS ARTISTAS ACRIANOS NO ENSINO DA ARTE EM CRUZEIRO DO SUL
 
O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.
O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.
O ENSINO DA ARTE NA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM XAPURI.
 
TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...
TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...
TÉCNICAS DE PINTURAS: USOS E POSSIBILIDADES EM AULAS DE ARTES, NO ENSINO FUND...
 
Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...
Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...
Inovações nas aulas de Artes do Ensino Médio da Escola Marcílio Pontes dos Sa...
 
Ana lúcia duarte alberton
Ana lúcia duarte albertonAna lúcia duarte alberton
Ana lúcia duarte alberton
 
A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE
A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
 
O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.
O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.
O USO DA FOTOGRAFIA DO COTIDIANO NO ENSINO DE ARTES VISUAIS.
 
Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.Artes Visuais a Serviço da Escola.
Artes Visuais a Serviço da Escola.
 
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
O ENSINO DAS ARTES VISUAIS EM TARAUACÁ: REFLEXÕES E PROPOSIÇÕES.
 
A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...
A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...
A UTILIZAÇÃO DA FIBRA DO BURITI COMO UMA TÉCNICA DE INOVAÇÃO NA DISCIPLINA DE...
 
ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...
ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...
ANÁLISE DOS RECURSOS DIDÁTICOS USADOS NAS AULAS DE ARTES NAS 5ª E 6ª SÉRIES D...
 
Met. do ens. de arte
Met. do ens. de arteMet. do ens. de arte
Met. do ens. de arte
 

Mais de Vis-UAB

A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.
A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.
A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.
Vis-UAB
 
DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .
DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .
DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .
Vis-UAB
 
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
Vis-UAB
 
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Vis-UAB
 
O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...
O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...
O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...
Vis-UAB
 
A INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTA
A INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTAA INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTA
A INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTA
Vis-UAB
 
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
Vis-UAB
 
A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.
A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.
A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.
Vis-UAB
 
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
Vis-UAB
 
O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...
O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...
O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...
Vis-UAB
 
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
Vis-UAB
 
A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .
A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .
A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .
Vis-UAB
 
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
Vis-UAB
 
NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO
NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO
NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO
Vis-UAB
 
A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...
Vis-UAB
 
FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .
FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .
FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .
Vis-UAB
 
Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .
Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .
Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .
Vis-UAB
 
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
Vis-UAB
 
CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...
CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...
CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...
Vis-UAB
 
“TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
 “TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.” “TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
“TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
Vis-UAB
 

Mais de Vis-UAB (20)

A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.
A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.
A LINGUAGEM DA ARTE NO CONTEXTO EDUCATIVO.
 
DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .
DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .
DANÇA: ENCONTRO COM A ARTE E SEUS REFLEXOS NA EDUCAÇÃO .
 
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
 
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
 
O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...
O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...
O museu virtual e a arte acriana na educação, a partir do percurso criativo d...
 
A INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTA
A INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTAA INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTA
A INSERÇÃO DO PROGRAMA GIMP NO CONTEXTO DA ESCOLA DR. DJALMA DA CUNHA BATISTA
 
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
 
A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.
A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.
A arte seringueira como recurso pedagógico no Ensino Fundamental.
 
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
 
O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...
O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...
O COTIDIANO DO TRABALHO EM CRUZEIRO DO SUL A PARTIR DA OBRA DO PINTOR DE MURA...
 
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
A VALORIZAÇÃO DA CULTURAL REGIONAL NO ENSINO DA ARTE NA ESCOLA TANCREDO NEVES...
 
A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .
A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .
A MANIPULAÇÃO DE IMAGENS COMO RECURSO PARA ENSINAR ARTE DIGITAL NA ESCOLA .
 
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
ARTE CONTEMPORÂNEA:UMA POSSIBILIDADE PARA ALFABETIZAÇÃO VISUAL.
 
NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO
NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO
NÃO AO BULLYING: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º. ANO DO CURSO SUPLETIVO
 
A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA IMAGEM PARA O DESENVOLVIMENTO ESTÉTICO DO ALUNO NO ENSINO D...
 
FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .
FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .
FOTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÃO DO OLHAR .
 
Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .
Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .
Reutilizando Resíduos e Reeducando Hábitos .
 
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
 
CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...
CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...
CONTRIBUIÇÕES DOS ARTISTAS REGIONAIS DE XAPURI PARA A EDUCAÇÃO EM ARTES VISUA...
 
“TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
 “TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.” “TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
“TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
 

FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR INSERIDA NO ENSINO DE ARTES NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ

  • 1. DULCEIDA FERREIRA SAMPAIO FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR INSERIDA NO ENSINO DE ARTES NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ Tarauacá-Acre 2012
  • 2. DULCEIDA FERREIRA SAMPAIO FESTA JUNINA COMO MANIFESTAÇÃO DA CULTURA POPULAR INSERIDA NO ENSINO DE ARTES NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL II DO MUNICÍPIO DE TARAUACÁ Trabalho de Conclusão de Curso de Artes Visuais apresentado ao Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, como requisito Parcial da Licenciatura em Artes Visuais. Orientadora: Profª. Elisandra Gewehr Cardoso. Co- orientadora: Profª. Patrícia Colmenero Moreira de Alcântara. Tarauacá-Acre 2012
  • 3. MEMORIAL Após concluir o Ensino fundamental, cursei o Ensino Médio na modalidade magistério, na Escola de Segundo Grau Doutor Djalma da Cunha Batista, hoje Ensino Médio. Logo que colei grau, passei em um concurso do Estado e desde já passei a trabalhar com alunos de primeira a quarta série do Ensino Fundamental. No ano de 2001 tive a oportunidade de ingressar no curso de Licenciatura em Pedagogia oportunizado aos professores do quadro e comunidade pela UFAC – Universidade Federal do Acre. Neste curso aprendi novas práticas pedagógicas, passei a incorporar novos conceitos na prática escolar e fui aos poucos me aperfeiçoando, concluindo o curso em 2005. Após o ano de 2005 tive a oportunidade e ao mesmo tempo um desafio para ministrar aula na Escola Instituto São José na disciplina de Artes. Apesar de não ter muito conhecimento da área, aceitei o desafio e passei a me interessar pelo estudo das Artes. Nesse período fiz um curso de Pós Graduação em planejamento e Gestão Escolar, onde incorporei mais conhecimentos à minha prática docente. No ano de 2007 tive a tão sonhada oportunidade de ingressar no curso de licenciatura em Artes pela UAB/UnB – Universidade Aberta do Brasil, onde através deste curso passei a conhecer de forma teórica e mais aprofundada o conhecimento das Artes, sua origem, importância e representatividade dentro do aspecto educacional. Hoje sei que não aprendi tudo, mas tenho a plena convicção de que não sou mais o que era. Agora com a conclusão de mais um sonho realizado, tendo a certeza de que irei contribuir de forma significativa pautada nos princípios éticos, educacionais e filosóficos, para proporcionar à comunidade escolar uma educação mais qualitativa e que oportunize a todos o conhecimento da disciplina de forma clara, objetiva e autentica.
  • 4. RESUMO Este trabalho de conclusão se propõe investigar como vem sendo trabalhada a festa junina nas aulas de artes no município de Tarauacá. O objetivo do trabalho foi investigar e analisar porque os professores das escolas do município de Tarauacá não utilizam este evento tão rico culturalmente nas aulas de arte, visto que tal evento serve apenas para fins lucrativos e não como elemento visual e cultural. Afinal, é uma maneira interessante de motivar os estudantes, dando-lhes oportunidade de descobrir e construir o conhecimento. O universo a ser pesquisado foi por meio de uma entrevista com três professores que atuam na disciplina de Artes Visuais das Escolas de Ensino Fundamental II do município de Tarauacá, como também baseada em autores que discutem a arte e a cultura na educação, visto que a festa junina aborda as manifestações culturais locais. Os resultados demonstraram que os professores não valorizam o tema em destaque por apresentarem deficiência de construir e realizar um projeto e existem conceitos solidificados e ultrapassados no que se refere à arte educação. PALAVRA-CHAVE: arte na escola; festa junina; arte educação.
  • 5. SUMÁRIO INTRODUÇÃO ..................................................................................... 07 1. Arte e cultura popular .................................................................... 10 2. Festa Juninas inseridas nas aulas de artes do Ensino Fundamental II nas escolas do município de Tarauacá................... 11 3. Alfredo Volpi: Procedimentos e a temática festa junina.............. 13 4. Pigmentos regionais: recursos naturais na confecção das bandeirinhas juninas.................................................................... 16 5. Festa junina: avaliação da relevância............................................17 6. Síntese das respostas ao questionário......................................... 18 7. Análise de resultados...................................................................... 21 CONSIDERAÇÕES FINAIS.................................................................. 22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................... 23
  • 6. LISTA DE TABELA Tabela 1..................................................................................................................................19 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais UAB – Universidade Aberto do Brasil UnB – Universidade de Brasília
  • 7. 7 INTRODUÇÃO O tema “A festa junina como manifestação da cultura popular inserida no ensino de artes visuais nas escolas de ensino fundamental II do município da Tarauacá”, foi escolhido após uma análise de como o mesmo vem sendo abordado dentro do contexto escolar, tendo em vista que, nos últimos anos, vem priorizando apenas os lucros financeiros gerados nas ‘’festas caipiras’', em nada contribuindo para a percepção artística e cultural dos alunos, dentro do processo ensino- aprendizagem. Nas escolas do município de Tarauacá, o ensino de arte ainda é visto com certo desprestígio pelos alunos e, até mesmo, pelos próprios professores. Geralmente é tido como uma disciplina para complementar a carga horária dentro do ambiente escolar. Esta desvalorização reflete-se na falta de motivação e interesse dos alunos pelos conteúdos desta disciplina. Um dos agravantes é o fato da grande maioria dos professores não serem licenciados em Artes. Assim, formados em outras áreas, completam sua carga horária com a disciplina de arte, levando-a à decadência dentro do contexto escolar. Este trabalho visa despertar nos alunos o interesse pela arte através das pinturas, desenho e confecção das bandeirinhas, indo além das questões decorativas da festa junina, tendo como referência as obras de Alfredo Volpi, a fim de levar o aluno a se manifestar artisticamente dentro do ambiente escolar das Escolas de Ensino Fundamental II do município de Tarauacá, promovendo uma interação entre alunos, professores e funcionários da instituição escolar. Busca-se esclarecer, ainda, de que tal evento não deve resumir-se apenas às danças, ornamentação e comidas típicas, mas deve-se focar também, os elementos visuais acerca do evento, tais como as bandeirinhas e as suas cores vibrantes. Sendo que a abordagem destes elementos poderá tornar as aulas mais atrativas e poderá despertar o interesse dos alunos pela produção artística e a valorizar mais o ensino de arte em sala de aula. Entende-se que é de grande importância para o ensino de arte, a experimentação de técnicas simples com o intuito de trazer até o aluno a inovação para o saber artístico, pois assim como Alfredo Volpi buscou inspiração nas festas juninas e desenvolveu um excelente trabalho artístico utilizando as cores, com a
  • 8. 8 pintura em tela, o professor de arte também, poderá levar o aluno a observar o ambiente junino e após, representar com desenho e pintura em tela o ambiente festivo, desenvolvendo suas habilidades artísticas, mediante o aprendizado que venha surgir no decorrer da aula. Diante deste contexto, faz-se necessário desenvolver um trabalho de pesquisa voltado para o conhecimento de uma prática cultural bastante conhecida em nosso país que é a festa junina, realizada dentro das escolas. Podem ser explorados diversos aspectos deste evento nas diversas disciplinas do currículo, contudo, este trabalho atem-se a explorar os elementos visuais que podem ser trabalhados no ensino da arte. Os elementos culturais e visuais dos festejos juninos trabalhados dentro do ensino de artes, no decorrer da pesquisa, foram: confecção de tintas utilizando uma variedade de cores, obtidas através de pigmentos naturais existentes em nossa região; a origem das fogueiras e da comemoração dos aniversários dos santos católicos, bem como a origem das festas caipiras no Brasil. Desta forma, tem-se um leque de possibilidades de conteúdos relevantes para as aulas de artes, que direciona o aluno para a ampliação do aprendizado artístico, possibilitando uma compreensão maior desta manifestação cultural. Dentro desta pesquisa, abre-se também um estudo voltado para o artista plástico Alfredo Volpi e suas contribuições para a arte brasileira, pois as bandeirinhas juninas são um elemento constante em boa parte de sua produção artística, dando-lhes vida artística através da forma geométrica, cores e pintura em tela, utilizando as tintas que ele mesmo produzia. O referido trabalho está estruturado da seguinte forma: Na primeira sessão aborda-se o tema Arte e Cultura Popular, expondo-se o conceito e a importância da arte para o desenvolvimento artístico do aluno, fazendo uma relação com a Cultura Popular. Na segunda sessão, apresenta-se um relato sobre a festa junina no contexto das escolas de Ensino Fundamental II no município de Tarauacá, expondo de que forma ela está inserida no ensino de arte e sua contribuição para o aprendizado do aluno. Na terceira sessão, há um relato sobre Alfredo Volpi, procedimentos e a temática festa junina e como ele a representou através da arte.
  • 9. 9 Na quarta sessão, apresenta-se uma proposta para a inserção da festa junina na sala de aula, fazendo uso de pigmentos regionais naturais na confecção das bandeirinhas juninas, de modo que possa contribuir para a construção de conhecimentos artísticos pelos alunos.
  • 10. 10 1. Arte e Cultura Popular Pode-se dizer de forma genérica que a arte é uma forma pela qual o homem expressa suas emoções, entre elas alegria, tristeza, espanto, ou de revolta diante dos problemas da sociedade da qual faz parte. Para Susanne Languer (1971, p.87) a função principal da arte ‘’é objetivar o sentimento de modo que possamos contemplá-lo e entendê-lo’’. A arte é uma representação do saber e da capacidade artística humana, pois através dela o homem cria, recria, transforma e constrói sua vivência no meio social que no qual está inserido. Para Alfredo Bosi (2000, p. 13): Arte é um fazer. A arte é um conjunto de atos pelos quais se muda e se transforma a matéria oferecida pela natureza e pela cultura. Nesse sentido qualquer atividade humana, desde que conduzida regularmente a um fim, pode chamar-se artística. A arte se faz presente nas mais variadas culturas, contudo, não se pode compreender cultura se não tem o conhecimento do que é arte e sua influência no meio social. Sobre a arte, KANDINSKY (1990, p. 27) afirma que: “toda arte é filha de seu tempo e, muitas vezes mãe de nossos sentimentos. Cada época de uma civilização cria uma arte que lhe é própria e que jamais se verá renascer.” De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais – Arte do Ensino Fundamental (1997, p.30) “A imaginação criadora permite ao ser humano conceber situações, fatos, ideias e sentimentos que se realizam como imagens internas, a partir da manipulação da linguagem.” Desta forma, a arte pode desenvolver no educando o senso crítico perceptivo através de atividade práticas como pinturas, desenhos e esculturas e também através de estudos relacionados à história da arte, poderá conhecer acontecimentos importantes que marcaram a história da evolução humana. Diante disso, Barbosa (1998, pg. 132) explicita que: Trabalhos nas escolas abrangem um grande número de interesses. Isso inclui tudo aquilo que desenvolva um maior grau de conhecimento ambiental; aquilo que constrói um vocabulário relacionado com experiência estética e de designe; aquilo que encoraja uma resposta ampla para promover um sentido de lugar. A arte aqui é importante no senti de
  • 11. 11 desenvolvimento do sentido de posse em relação ao meio ambiente. Ela é usada como um meio de intensificar experiências, influenciar a percepção, permitindo aos estudantes que reflitam sobre experiências adquiridas e possa reprocessá-la para que faça sentido. Ela também encorajou uma abordagem que enfatiza a critica, como um estudo através do qual os estudantes têm sido ajudados a formar julgamentos de avaliação sobre qualidade e a tentar explicá-los ou justificá-los. Esse tipo de trabalho envolveu tanto o uso de uma linguagem visual como linguagem de palavras. Ela mostrou como em alguns casos isto conduz a atividade onde os estudantes estavam engajados a conceituar possibilidades de mudança, utilizando imaginação e fantasia para criar uma nova realidade. Um povo torna-se conhecido pelo que pensa e realiza, ou seja, cada sociedade é marcada por características próprias, e dentre estas características pode-se citar a cultura popular. Esta envolve uma série de manifestações, que nascem espontaneamente dos hábitos, dos costumes, das superstições, das crendices, das ideias, das realizações materiais ou espirituais da população. 2. Festa Junina inserida nas aulas de artes do Ensino Fundamental II nas escolas do município de Tarauacá Nas escolas do Ensino Fundamental II no município de Tarauacá, a festa junina vem sendo trabalhada somente com o intuito de obter lucros para as entidades escolares. A festa junina é uma das manifestações populares mais esperadas no decorrer do ano e acontece a cada mês de junho nas escolas, originada na comemoração aos três santos católicos: Santo Antônio, São João e São Pedro, quando professores, alunos e a comunidade em geral participam desta celebração cultural, dando sua contribuição tanto na participação das apresentações realizadas quanto na organização, para que tudo ocorra de acordo com o que foi planejado para o momento festivo. Apesar de o evento contar com o apoio de toda comunidade escolar e se tratar de uma manifestação cultural que vem sendo repassada de geração a geração, a festa junina, dentro do currículo escolar não está tendo a abordagem que merecia ter, principalmente em relação ao ensino de arte.
  • 12. 12 Percebe-se um despreparo por parte dos professores de arte ao inserirem a festa junina nas suas aulas, pois é simplesmente trabalhado com os alunos as danças para as apresentações, a doação de ingredientes para as comidas típicas e o recorte de bandeirolas em papel de seda para ornamentação. A importância da preservação dessa manifestação cultural pode estar inserida na disciplina artes, pois se trata dos costumes e tradições cultivados e repassados a gerações futuras, uma vez que ela necessita de um incentivo a mais para sua preservação, fato que pode ocorrer tanto dentro da disciplina de artes como nas demais disciplinas, se houver um planejamento pautado para a preservação desses valores como identidade cultural. Um ponto importante dentro desse contexto consiste na forma simples e objetiva que o professor de artes poderia trabalhar o tema da festa junina, em conjunto com as demais disciplinas de maneira interdisciplinar. Outro fato consiste na valorização da cultura popular regional, tendo em vista que preservar a cultura constitui um fator essencial no sentido de que as festividades juninas no ensino de artes, colocam o aluno como sujeito e participante dessa atividade, onde ele poderá junto com os professores e organizadores do evento estabelecer e estreitar laços sociais além da possibilidade de trabalhar e explorar elementos visuais. Na festividade junina, não pode faltar o colorido das bandeirinhas que expressam alegria, harmonia e atratividade. Com esse simples elemento, pode-se desenvolver com os alunos, uma pesquisa sobre Alfredo Volpi, artista plástico que dedicou grande parte de seu trabalho com pesquisas sobre cores e formas inspirado nas bandeirinhas que ornamentam essas festas. Como se trata de um tema que faz parte da cultura dos alunos, em especial a festa junina, o professor deve aproveitar a bagagem de conhecimento trazida pelos alunos e que foi adquirida através do convívio familiar passada de geração a geração, fazendo uso dos seus saberes como recurso para o embasamento do assunto em contexto, para assim haver uma socialização entre o processo de ensino aprendizagem com os alunos.
  • 13. 13 Entende-se que aprender arte envolve não apenas uma atividade de produção artística pelos alunos, mas também compreender o que fazem e o que os outros fazem, pelo desenvolvimento da percepção estética, no contato com o fenômeno artístico visto como objeto de cultura na história humana e como conjunto de relações. (PCN, p.44) Para que o aluno venha a ser sabedor, cultivador e transmissor dos valores sociais inseridos nas festas juninas, precisa estabelecer um olhar artístico crítico e ao mesmo tempo transmitir seus saberes através da arte, respeitando a diversidade artística dos demais colegas. Para isso, o professor deve agir como mediador desses valores para a propagação e permanência no convívio social no qual os alunos estão inseridos. 3. Alfredo Volpi: Procedimentos e a temática festa junina Alfredo Volpi chegou ao Brasil ainda criança com sua família, dando início à sua carreira artística em 1914, passando posteriormente a criar suas obras inspirado em um dos momentos culturais mais comemorados pelo povo brasileiro, a festa junina, ficando conhecido pela forma simples e as cores vibrantes que utilizava ao produzir sua arte. Suas obras evoluíram para o abstracionismo geométrico, onde passou a pintar em tela, uma série de bandeirinhas e mastros que enfeitam e ornamentam o evento junino. As tintas utilizadas por Alfredo Volpi, para dar o colorido às suas obras eram criadas por ele, utilizando pigmentos naturais e, assim, tornando seu trabalho genuíno, por criar e adotar seu método próprio em produzir arte. A arte de Alfredo Volpi é uma referência na disciplina de artes visuais, por sua simplicidade artística, em observar um ambiente e transmiti-lo em várias formas através da pintura em tela, como assim fez com as bandeirinhas de São João. Neste contexto, o professor pode propor para os alunos um estudo mais detalhado sobre as obras de Volpi relacionada com a festa junina, os métodos utilizados para representar as bandeirinhas em tela e sua repercussão para arte brasileira. Atividades como esta, levam o aluno a ter um pensamento mais crítico no que diz respeito à festa junina, ele precisa ser motivado e orientado, pois tendo algo
  • 14. 14 que o instigue e o incentive, ele se mobiliza com mais dedicação para a realização das atividades propostas no decorrer do desenvolvimento da aprendizagem artística. Isso é importante pois, como afirma Correa (2006, p. 167-168): O desenvolvimento da criatividade pode despertar um papel importante na formação do indivíduo, tornando-o um membro da sociedade mais atuante e crítico referente aos novos conceitos de arte e ao processo artístico, bem como à construção de conhecimento numa nova linguagem através da arte que envolve expressão e comunicação por meio dos objetos construídos a partir do cotidiano. Volpi soube, através da arte, com sua criatividade, ser mediador, transmissor e cultivador de elementos da cultura popular. Com simplicidade, representou em telas com cores vibrantes um singelo símbolo, as bandeirinhas, que representam a manifestação cultural do povo brasileiro. “(...) Volpi começou a sintetizar formas, em busca da cor. Para isso, geometrizou a realidade que lhe estava próxima: casarios, fachadas de casa, festas juninas. Aos poucos, foi retirando o excesso de elementos desses temas figurativos, buscando a síntese da síntese. Das festas juninas ficaram os mastros e bandeirolas, numa primeira fase, para, posteriormente, chegar ao ícone, ao signo de todo esse percurso: as bandeirinhas. Estas são, em verdade, quadrados dos quais Volpi retirou um retângulo de três lados iguais, numa simetria rigorosa e perfeita, numa série de jogos matemáticos, de arranjos e permutações de cores, daí o lúdico de suas imagens.” (STEEN, 1997, p.42) As bandeirinhas de São João representadas por Volpi representam um mundo cultural que o aluno está inserido, e assim o leva mais próximo de sua realidade cotidiana, e naturalmente, de uma grande aproximação com o mundo da arte, pois ela se manifesta em cada detalhe do ambiente festivo junino, trazendo um aglomerado de ideias criativas que podem ter como foco principal as cores e as formas como motivação artística, e Alfredo Volpi soube contextualizar grande parte de suas obras com a cultura popular, em especial, a festa junina.
  • 15. 15 Figura 1: Bandeiras e Mastros. Artista: Alfredo Volpi Fonte: tiafabiolasonhomeu.blogspot.com.br, 2009. Figura 2: Barco com Bandeirinhas e Pássaros Artista: Alfredo Volpi Fonte: tiafabiolasonhomeu.blogspot.com.br, 2009. Figura 3: Grande Fachada Festiva Artista: Alfredo Volp Fonte: tiafabiolasonhomeu.blogspot.com.br, 2009.
  • 16. 16 4. Pigmentos regionais: recursos naturais na confecção das bandeirinhas juninas. No município de Tarauacá existe uma diversidade de pigmentos e corantes naturais como o urucum, o jenipapo, o carvão, o açafrão, etc., que podem ser utilizados para a pintura em trabalhos artísticos escolares, como representação da festa junina. As bandeirinhas são símbolos fundamentais e marcantes nas festas juninas. Elas possuem, além das formas geométricas, um colorido de cores vibrantes que chamam a atenção do público que se sente atraído pela alegria que essas variedades de cores transmitem. Os pigmentos naturais são utilizados para usos e fins diversos como produção de tintas naturais e não poderiam ser desperdiçados, na confecção e pintura das bandeirinhas juninas na sala de aula pelos alunos, como criatividade e produção artística. O uso destes pigmentos não se constitui numa inovação propriamente dita, mas na exploração de recursos de forma integrada com os outros aspectos da arte- educação, ou seja, com a história da arte, com a leitura de imagem, de forma contextualizada. Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental, 1997, p. 26, falam que: (...) O produto da ação criadora, a inovação, é resultante do acréscimo de novos elementos estruturais ou da modificação de outros. Regido pela necessidade básica de organização, o espírito humano cria, continuamente, sua consciência de existir por meio de manifestações diversas. O uso de novas técnicas, para trabalhar a arte na sala de aula, leva o aluno a novas descobertas, ao ato de criar suas próprias produções artísticas através de pesquisas e experimentações variadas, pois se sentirá motivado ao despertar sua curiosidade para desenvolver sua produção artística relacionada com os temas abordados. Com a confecção das bandeirinhas, pode-se apresentar uma maneira renovada de manifestar os elementos tradicionais, ao mesmo tempo que se incentiva a preservação de uma manifestação popular que há anos vem sendo praticada pela comunidade local.
  • 17. 17 5. Festa junina: Avaliação da relevância Este trabalho seguiu uma abordagem qualitativa, utilizando, além da atividade prática de confecção das bandeirinhas, um questionário que foi entregue aos professores de artes, que deram sua contribuição para a realização desta pesquisa. O questionário foi criado com o intuito de obter informação e permitir conhecimentos sobre a prática dos professores de artes, diante das metodologias utilizadas para trabalhar a festa junina na sala de aula, bem como a importância da utilização de recursos naturais, como os pigmentos, como uso dos produtos da cultura local na confecção das bandeirinhas juninas. Antes de iniciar a entrevista, houve uma conversa com as professoras para que tomassem conhecimento de seu objetivo e finalidades. As entrevistas foram realizadas em três escolas de Ensino Fundamental II do município de Tarauacá, duas localizadas no centro da cidade de Tarauacá e outra em um bairro distante do centro da cidade. As três professoras entrevistadas não são licenciadas em Artes, duas delas têm formação em pedagogia e a outra, em Geografia. Ambas além da disciplina de artes trabalham com outras disciplinas: Ciências e Geografia. Foram assim denominadas: PA, PB e PC. A pesquisa acima foi aplicada para os alunos do 9º ano “2”, da Escola de Ensino Fundamental II Instituto São José do município de Tarauacá. Os alunos demonstraram grande interesse pelas aulas, pois se sentiram motivados a participar ativamente, na confecção das tintas e realização de uma produção artística, referente ao tema festa junina, utilizando os materiais que produziram. No início da primeira aula houve um momento de reflexão, uma sondagem sobre os conhecimentos prévios dos alunos sobre a festa junina e a opinião de cada um, no que diz respeito à forma como o tema vem sendo abordado dentro da escola. Os alunos conquistaram um aprendizado satisfatório, pois desenvolveram com muita habilidade todas as atividades propostas. Trabalhar com a confecção das bandeirinhas juninas na sala de aula, utilizando recursos naturais locais como os pigmentos naturais, não deixa de ser uma experiência renovadora dentro do ensino de arte, pois não é uma prática valorizada
  • 18. 18 na região. Como recurso didático, leva o aluno à valorização e preservação da cultura local, através de sua interação com o meio social que frequenta. Sem contar que se trata de festa junina, de hábitos e costumes praticados pela comunidade local. O colorido que toma conta do ambiente festivo pode ser extraído dos materiais naturais existentes na região local, produzindo-se, assim, a tinta para colorir as bandeirinhas confeccionadas nas aulas de artes. 6. Síntese das respostas ao questionário Descrição da opinião dos professores sobre como vem sendo trabalhado a cultura popular em especial a festa junina nas aulas de artes. Aqui denominadas PA, PB e PC. 1. Há quantos anos trabalha a disciplina de artes? PA Comecei a trabalhar com a disciplina de artes em 2011 PB Estou com quatro anos trabalhando com a disciplina de Artes PC Estou com onze anos que trabalho com a disciplina de Artes 2. Além da disciplina de artes, você ministra outras disciplinas? PA Com a disciplina de Ciências. PB Com a disciplina de Geografia. PC Com a disciplina de Geografia. 3. Como são ministradas as aulas de artes? PA Com o auxilio de pesquisas, textos, imagens e práticas. PB PC 4. Como você planeja suas aulas de Artes? PA Quinzenalmente com a ajuda da coordenadora pedagógica. PB PC
  • 19. 19 5. Como vem sendo trabalhado a cultura popular em especial a festa junina na sala de aula? PA Converso com os alunos sobre a festa junina, mitos, lendas, crenças, os três santos comemorados no mês de junho e partimos para os ensaios das danças. PB Converso sobre a importância da preservação desses valores PC culturais e em seguida começo os ensaios para o momento festivo. 6. Qual a importância da festa junina como cultura popular para o ensino de arte? PA Cultivar os valores culturais através da arte. PB Através do ensino de arte, o aluno poderá aprofundar seus conhecimentos na preservação desses valores e ao respeito para com essa identidade cultural. PC Cultivar, preservar e repassar esses valores para as gerações futuras. 7. Em sua opinião como deveria ser trabalhada a festa junina na sala de aula? PA Com mais motivação na prática para a questão da pintura, pois trabalhamos somente a dança. PB Acredito que precisamos de um bom preparo pedagógico para PC ministrar a festa junina na disciplina de artes, pois trabalhamos somente a dança. Plano de Aula Data: 30/04/2012 Série/turma: 9º “2” Carga horária: 2 horas aula Conteúdo: Produção de tinta com pigmentos naturais.
  • 20. 20 Produção artística do aluno com o tema festa junina, utilizando as tintas confeccionadas com os pigmentos. Objetivos Gerais: Reconhecer e identificar as variedades de pigmentos existentes em nosso cotidiano que podem ser utilizados nas produções artísticas dos alunos. Induzir o aluno a criar pinturas sobre o tema (festa junina) utilizando as tintas confeccionadas com os pigmentos naturais do cotidiano. Objetivos Específicos: Diferenciar as variedades de pigmentos. Aprender a confeccionar tinta com o uso do pigmento. Utilizar as tintas nas produções de desenho. Procedimentos: Conversa explicativa sobre a criação das primeiras tintas e como eram utilizadas pelos homens das cavernas; Conversa explicativa sobre a festa junina e sua importância para o desenvolvimento artístico do aluno; Atividade prática na confecção das tintas utilizando os pigmentos naturais; Atividade prática de desenho sobre o tema (festa junina) utilizando as tintas confeccionadas pelos alunos. Metodologia: Por meio de uma conversa explicativa sondar dos alunos o conhecimentos que trazem sobre os pigmentos naturais; Fazer uma pesquisa sobre os pigmentos existentes em nossa região e trazer alguns para sala de aula; Dissolve o pigmento em um pouco de água no prato descartável, passa na peneira e acrescenta a cola branca e meche bem com a espátula.
  • 21. 21 Usar a criatividade para uma produção artística sobre (festa junina) utilizando as tintas confeccionadas. Recursos: Pigmentos: Urucum, terra, jenipapo, cola branca, pratinho descartável, copo descartável, espátula, papel A4, pincel. Cronologia: 2h aulas. 7. Análise de Resultados A pesquisa mostrou que as professoras do município de Tarauacá não são qualificadas para trabalhar a disciplina de artes, as mesmas ministram aulas de outras disciplinas, deixando-as desprovidas de tempo para um bom planejamento curricular, onde possam ter uma preocupação voltada para educá-lo com a arte. Este pode ser um dos motivos que levam as atividades culturais realizadas nas escolas a se restringirem ao aspecto lucrativo, não aproveitando-se para abordar os aspectos culturais e sua evolução nas gerações atuais, para o aprendizado dos alunos. Ao se introduzir o trabalho que relacionou a festa junina com a obra de Alfredo Volpi, também com a confecção das tintas naturais, pode-se perceber que os alunos demonstraram interesse na realização das atividades, por ser um tema que faz parte do cotidiano cultural de cada um, ao mesmo tempo em que estabelece uma relação com a arte e seu tempo atual. Quanto ao ensino da arte, pôde-se observar a relevância de levar até a sala de aula como elemento visual, uma manifestação cultural tão praticada em nosso município e sua contribuição para o aprendizado artístico do aluno.
  • 22. 22 Considerações Finais A pesquisa apontou que os professores de Artes Visuais das escolas de ensino fundamental II do município de Tarauacá são conhecedores da festa junina como cultura popular, porém estão acomodados, primeiro porque não são licenciados em Artes Visuais, depois porque acumulam carga horária de outras disciplinas, e assim nas aulas de arte faltam novas metodologias que venham tornar o ensino atrativo para o aluno. Diante disso percebe-se que a festa junina na sala de aula precisa de um incentivo a mais por parte dos professores, que proporcione o estímulo, a criatividade, fazendo com que os alunos aprendam a gostar e a valorizar sua cultura. Este trabalho nos levou a refletir sobre a carência no ensino de artes do Ensino Fundamental II no município de Tarauacá, onde faltam iniciativas metodológicas que podem ser inseridas ao ensino das artes, ao trabalhar com a festa junina, por exemplo, pode-se utilizar recursos naturais como os pigmentos nas produções artísticas dos alunos, como recursos metodológicos nas aulas práticas e assim promover uma aprendizagem significativa, valorizando a cultura local, despertando potenciais artísticos na sala de aula e preservando os valores culturais. Portanto, através desta pesquisa foi possível compreender a importância de se trabalhar a festa junina dentro do ensino de arte como valorização e preservação da cultura popular, utilizando metodologias que amplie e estimule o aprendizado do aluno para o saber artístico e cultural, onde o aluno possa conhecer suas origens culturais bem como representá-la através da arte.
  • 23. 23 Referências Bibliográficas BARBOSA, Ana Mae (Org). Arte-educação; leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 2005. ___________________. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte, C/ Arte, 1998. BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a Arte. São Paulo: Ática, 2000. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte /Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC /SEF, 1998. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. CORRÊA, Ayrton Dutra. O ensino das artes visuais: uma abordagem simbólico- cultural/Ana Luiza Ruschel Nunes (org). – Santa Maria, Ed. Da UFSM, 2006. DECONTO, Neuza Maria. Educação, Arte e Movimento. Brasília; Universidade de Brasília, 2007. GATTI, Thérèse, Hofmann. Materiais em arte: manual para manufatura e prática/ Thérèse Hofmann Gatti, Rosana de Castro e Daniela de Oliveira. Brasília: Secretaria de Estado de Cultura do DF: Fundo da Arte e da Cultura – FAC, 2007. LANGER, S. K. Ensinos filosóficos. São Paulo: Cultrix, 1971 MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, M. Terezinha Telles. Didática do ensino de arte: a língua do mundo: poetizar, fruir, e conhecer a arte. São Paulo: FTD, 1998. 195 p.
  • 24. 24 STEEN, Edla van (texto e pesquisa). Alfredo Poetas do Espaço e da Cor: VOLPI, Arcângelo IANELLI, ALDIR Mendes de Souza, Franz WEISSMANN. Ed. Arte Aplicada. São Paulo; prefeitura de São Paulo. 1997. Curadoria de Sabina de Libman. TOCANTINS, Leandro. Estado do Acre. Rio de Janeiro: Ed. Castelo, 1984.