SlideShare uma empresa Scribd logo
15/07/2013
Prof: Msc. Heitor de Oliveira Braga
TAXONOMIA/ FILOGENIA/ VEGETAIS
ORGANIZAÇÃO DO AULA :
 Principais grupos de Vegetais
 Introdução à Sistemática e Taxonomia
Vegetal (Definição, Histórico e Sistemas de
classificação)
 Principais grupos de Algas
 Atividade diagnóstica
SISTEMÁTICA
 Ramo da biologia que estuda a diversidade biológica
 Tipos e as variações entre os seres vivos
 Principais objetivos:
• descrever a diversidade biológica
• desenvolver catálogos: caracterizar cada
espécie
• critérios de organizar a diversidade e agrupar os seres vivos
• compreender processos da diversidade biológica
SISTEMÁTICA
 Apresentam resultados por meio da:
• Classificação Biológica ou TAXONOMIA
Categorias taxonômicas ou táxons: categorias menores
incluídas em categorias maiores
Sistema sintético
Organiza os seres vivos-
categorias hierárquicas
HISTÓRICO DA TAXONOMIA VEGETAL
 Diversidade dos organismos (1,5 milhão descritos):
ampla variedade biológica
forma, dimensão e estrutura – Primeiras
constatações a impressionar
 Tentativa de melhor compreender
 Classificação dos seres vivos
CONSTITUIÇÃO DE UNIDADES DISTINTAS:
ESPÉCIES
Mundo Natural
critérios científicos
HISTÓRICO DA TAXONOMIA
 Diversos sistemas de classificação foram elaborados
 Ordenação das espécies em grupos
 Diferentes conjuntos de atributos
HISTÓRICO DA TAXONOMIA
• Morfologia externa ou
Organografia
• Caracteres de fácil
reconhecimento
Início
• Contribuição da anatomia
• Genética e Quimíca
• Paleontológicos, Embriológicos
e fitogeográficos
Posterior
 Delimitação e separação dos grupos atuais
HISTÓRICO DA TAXONOMIA
 Histórico : descritivo (1) e de sistematização (2)
 (1) - Sistemas fundamentados no hábito das plantas
- arbóreas, arbustivas, subarbustivas e herbáceas
• PAI DA BOTÂNICA
(ARISTÓTELES)
- Outros cientistas da época: Dioscórides,
Albertus e Magnus
HISTÓRICO DA TAXONOMIA
 Idade Média: Herbalistas (Brunfels, Bock, Fuchs)
 Propriedades medicinais das plantas
 Fornecem descrições e ilustrações: Facilitar a
identificação
HISTÓRICO DA TAXONOMIA
 (2) - Sistemas pouco elaborados deram lugar aos
artificiais
• Século XVIII: Os Sistemas Naturais (Jussieu, Lamarck,
Bown ...)
• Número de informações acumuladas: Morfologia
vegetal
• Reconheceu 15 classes e 100 ordens
• Karl Linné: caracteres florais / nomenclatura binária das ssp
HISTÓRICO DA TAXONOMIA
- Século XIX: Sistemas filogenéticos sucederam os
naturais (Eichler, Engler, Wettstein …)
• impulsionada por Charles Darwin: evolução biológica
• estabeleceu relações de semelhança entre eles:
ANCESTRALIDADE DESCENDÊNCIA
• formas primitivas (mais simples): dá origem a outras formas
evoluídas (mais complexas)
• Atuais:
• morfologia externa, anatomia,
citologia, embriologia, ecologia,
genética, química e estatística
• informação disponível para caracterizar táxons (taxa)
PRINCIPAIS GRUPOS DE ALGAS
- Organismos fotossintetizantes pertencentes ao Reino Protoctista
- Seres Eucariontes, autotróficos, uni ou pluricelulares
- Não possuem tecidos organizados em órgãos TALOS
- Divididos de acordo com pigmentos intracelulares
Verdes  Chlorophyta e Euglenophyta
Douradas  Chrisophyta ou diatomáceas
Vermelhas  Pyrrophyta e Rhodophyta
Pardas  Phaeophyta
- Organização:
• Euglenófitas
• Pirrófitas
• Crisófita ou
Diatomáceas
Unicelulares
• Clorófitas
• Feófitas
• Rodófitas
Pluricelulares
 Chlorophyta
 Algas verdes (Uni e pluricelulares)
 Reprodução: Assexuada (Divisão binária)
 Presença de clorofilas A e B e carotenóides
 Reserva de amido
 Parede celular celulósica
 Dulcícolas e Marinhos
Genêro: Acetabularia e Codium
 Euglenophyta
 Algas verdes unicelulares flageladas
 ESTIGMA: Organela fotossensível que orienta o organismo em direção
à luz
 Presença de clorofilas A e B e carotenóides
 Reserva de Paramilo e sem parece celular
 Maioria: Dulcícolas
 Reprodução assexuada (Divisão binária)
 FOTOSSÍNTE – Ausência de condições  Nutrição heterotrófica
 Euglena sp.
 Chrysophyta ou Diatomácea
 Algas douradas ou Diatomáceas
 Quando morrem, as carapaças de sílica se depositam no fundo do
oceano, formando um solo chamado DIATOMITO ou TERRA DE
DIATOMÁCEAS
 Fabricação de tijolos, abrasivos, substâncias polidoras, pastas de
dentes e dinamite.
 Presença de clorofilas A e C e carotenóides
 Reserva de crisolaminarina
 Parede celular de sílica
 PYRROPHYTA
 Algas unicelulares vermelhas / Dinoflagelados
 Presença de clorofilas A e C e carotenóides
 Reserva de Amido
 Presença de dois flagelos
 Noctiluca sp.
 Bioluminescência
 Bioluminescência (Algumas espécies)
 Maré Vermelha: Floração excessiva de algas devido ao aumento da
temperatura da água ou excesso de sais devido ao despejo de esgoto
doméstico
 Possuem placas de celulose e sílica
 PYRROPHYTA
 Ceratium sp. ao microscópio
eletrônico
 Cor vermelha da água: Liberação de substâncias tóxicas que
contaminam e matam peixes e moluscos
Ser humano: diarréias, problemas respiratórios e cardiovasculares
 Rhodophyta
 Algas pluricelulares vermelhas
 Presença de clorofilas A e D
- ficocianina (azul) e ficoeritrina (vermelho)
 Reserva de Amido
 Maioria Marinhas
 Uso na alimentação (Japonesa) –
Algas comestíveis
 Ágar: Substância gelatinosa
- Meio de cultura para bactérias e fungos
- Gelatinas e doces
 Phaeophyta
 Algas pluricelulares PARDAS
 Presença de clorofilas A e D, Carotenóides e Fucoxantina
 Parede Celular com Algina: extração de CARRAGENINA e ALGINATO
- Modelos odontológicos (Alginato) - Espessante de sorvetes/cremes
 Podem formar bolsas de ar - Flutuação: Mar de
sargaço (Sargassum sp)
 Podem ser de grande porte: “floresta de litoral”
 Bahamas – Registro: “Sequóias dos mares” com
100m
- IMPORTÂNCIA DAS ALGAS:
 Importante para o Ecossitema:
o Formação do fitoplâncton
o Sustentam direta e indiretamente as teias alimentares aquáticas
 Atmosfera:
o São responsáveis por 90% da fotossíntese
o São os maiores produtores de oxigênio
 Econômica:
o Indústria alimentícia, construção civil e produtos diversos
O UNIVERSO VEGETAL
“Na Floresta, descobrem-se inúmeras estratégias de
vida do mundo vegetal”
• Samanbaias, árvores de grande porte, musgos …
ORGANIZAÇÃO DAS PLANTAS
• Ocupa o solo (raízes)
 Ipê-Roxo
• Meio áreo (caule e ramos)
• Adulta: Flores (sépalas e pétalas: reprodução)
• Frutos, sementes, embrião (novo indivíduo)
CLASSIFICAÇÃO VEGETAL
• Reino Plantae/Metaphyta/ Embryophytes
 Característica dos vegetais:
• Algas: Retiradas do Reino Plantae (Liberam seu zigoto no
ambiente e o novo ser se desenvolve independentemente do
organismo genitor)
• Ciclo de vida: Possuem embriões multicelulares maçicos
• frutos, sementes, embrião (novo indivíduo)
• 320 mil espécies de planta (tamanho, forma e organização corporal)
• Espécies com organização simples (Musgos/Briófitas)
• Organismo complexos: (Frutíferas/Angiospermas)
• Eucarióticos
• Multicelulares
• Autótroficos
• Parede celular
celulósica
• Plastídeos (plastos): cloroplastos nas folhas
• Presença de vacúolos
VEGETAIS
GRANDE GRUPOS DE VEGETAIS
 Classificação em 12 filos
 3 deles - plantas avasculares:
- Sem tecidos
condutores de seivas
- FILO BRYOPHYTA
MUSGOS
- FILO HEPATHOPHYTA
HEPÁTICAS
• BRIÓFITAS
- FILO ANTHOCEROPHYTA ANTÓCEROS
 Características gerais das BRIÓFITAS:
• AVASCULARES (AUSÊNCIA DE XILEMA E FLOEMA)
• AUSÊNCIA DE RAIZ, CAULE E FOLHAS
- Apresentam as seguintes estruturas:
 Rizóide: fixação e absorção
 Caulóide: absorção e sustentação
 Filóide: fotossíntese e trocas gasosas MUSGO
• AUSÊNCIA DE CUTÍCULA
• TRANSPORTE DE ÁGUA POR DIFUSÃO: CRESCIMENTO LENTO
• CICLO DIPLOBIONTE (ALTERNÂNCIAS DE GERAÇÕES)
 Observações:
I. O esporófito é aclorofilado e dependente do gametófito
II. Após a liberação dos esporos, o esporófito degenera-se
III. O esporófito sempre está presente sobre o gametófito feminino
Gametófito Esporófito
Haplóide (n) Diplóide (2n)
Fase sexuada Fase assexuada
Clorofilado Aclorofilado
Fase duradoura Fase temporária
- IMPORTÂNCIA DAS BRIÓFITAS:
I. São organismos pioneiros no processo de sucessão ecológica
IV. São bioindicadores da qualidade do ar e do solo
II. São organismos produtores de cadeias alimentares
III. Criam micro habitats para várias espécies de microrganismo
GRANDE GRUPOS DE ALGAS
- Vasos condutores de seiva: formados por células tabulares
 9 restante - plantas vasculares ou traqueófitas
- PTERIDÓFITAS : AUSÊNCIA DE SEMENTE/FLORES
SAMANBAIA AVENCA
 Características gerais das PTERIDÓFITAS:
• VASCULARES (PRESENÇA DE XILEMA E FLOEMA)
• CICLO DIPLOBIONTE (ALTERNÂNCIA DE GERAÇÕES)
• FECUNDAÇÃO DEPENDENTE DA ÁGUA
 Observações:
 O esporófito no início é aclorofilado e dependente do gametófito
 O esporófito ao se desenvolver suga as reservas nutritivas do
gametófito
 O gametófito degenera-se e o esporófito torna-se clorofilado
Gametófito Esporófito
Haplóide (n) Diplóide (2n)
Fase sexuada Fase assexuada
Clorofilado Inicialmente aclorofilado e
depois torna-se clorofilado
Fase temporária Fase duradoura
- IMPORTÂNCIA DAS PTERIDÓFITAS:
 Organismo produtor das cadeias alimentares
 Ornamentação
 Obtenção do xaxim (caule de samambaiaçu)
o Cultivo de orquídeas
o Risco de extinção do samambaiaçu (Mata Atlântica)
o Alternativa: coxim (feito com fibras do coco)
Samambaiaçu SamambaiaCoxim
 GMINOSPERMAS:
- Surgimento do tubo polínico (Sifonógamas)
- Independência total da água para a reprodução
- Qual a vantagem ???
- Principais representantes: Pinheiros, sequóias, araucárias e ciprestres
- Possuem sementes
Espermatófitas
- Presença de estróbilos
- Quais as vantagens de serem Espermatófitas ???
Aumento da dispersão
Colonização de ambientes variados
Proteção ao embrião
- Redução extrema da fase gametofítica:
• Gametófito masculino imaturo: grão de pólen ---- Tubo polínico
• Gametófito feminino: saco embrionário (megaprotálo)
Polinização: (Anemofilia)
• Transporte dos grãos-de-pólen até a abertura (micrópila) do óvulo
• Grãos-de-polén ALADOS que facilitam a dispersão
• Composto por: tegumento do óvulo (Casca), zigoto (Embrião), Saco
embrionário (Endosperma primário ou albume)
- Desenvolvimento do óvulo:
- IMPORTÂNCIA DAS GMINOSPERMAS:
 Indústria madeireira/ celulose e farmacêutica
 Alimentação (pinhão), semente do Pinheiro-do-Paraná.
 Ornamentação
 ANGIOSPERMAS:
- Grupo mais diversificado do Reino Plantae (cerca de 350.000 espécies)
- Apresentam flores verdadeiras, contendo ovários
- Único grupo que possui frutos (importante para a dispersão das
sementes)
o Pétalas coloridaso Nectárioso Aromas
- Muitas angiospermas possuem flores com estruturas que atraem animais
Pedúnculo/Pedicelo floral: Haste que fixa a flor no ramo.
Receptáculo floral: Região da flor onde se inserem os elementos florais
Sépala: Folha modificada estéril (verde)  conjunto: cálice
Pétala: Folha modificada estéril (colorida)  conjunto: corola
Verticílios florais: conjunto de folhas modificadas
- Estrutura da FLOR:
• Pistilos ou Carpelos
(Feminino)
• Estames (Masculino)
I) Oosfera (n) + Célula espermática (n)  Zigoto (2n)
II) Núcleo polar (n) + Núcleo polar (n) + Célula espermática (n) 
Célula (3n)
- Desenvolvimento do tubo polínico e a dupla fecundação:
- Dupla fecundação e a formação do fruto:
Fruto
o Protege as sementes em seu
interior
o Os animais ao se alimentarem
dos frutos e realizam a dispersão
das sementes
- CLASSIFICAÇÃO DAS ANGIOSPERMAS:
 Monocotiledôneas/Dicotiledôneas
 Cotilédone: Reserva nutritiva
• Monocotiledôneas: Milho, gramíneas, palmeiras, orquídeas
• Dicotiledôneas: Mamona, feijão, ervilha, goiaba
REFERÊNCIAS BIBLOGRÁFICAS:
• AMABIS & MARTHO. Biologia dos Organismos. Volume 2. São Paulo: Editora
Moderna. 2ª edição, 2004.
• RAVEN, PETER H.; Et al. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.
• AMABIS & MARTHO. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume único. São Paulo:
Editora Moderna, 2003
• AVANCINI & FAVARETT. Biologia; Uma abordagem evolutiva e ecológica .Volume 3.
São Paulo: Editora Moderna.1ª Edição, 1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
Rebeca Vale
 
3º Ano - Os grandes grupos vegetais
3º Ano - Os grandes grupos vegetais3º Ano - Os grandes grupos vegetais
3º Ano - Os grandes grupos vegetais
Escola Modelo de Iguatu
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
Rebeca Vale
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Sistematica vegetal
Sistematica vegetal  Sistematica vegetal
Sistematica vegetal
Carlos Priante
 
Sistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaSistematica e filogenia
Sistematica e filogenia
unesp
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
infoeducp2
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
Isabella Silva
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
Rebeca Vale
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Marcos Albuquerque
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
Iuri Fretta Wiggers
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
Janaína Baldêz
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Ronaldo Santana
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Fatima Comiotto
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
Jaqueline Sarges
 

Mais procurados (20)

Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
3º Ano - Os grandes grupos vegetais
3º Ano - Os grandes grupos vegetais3º Ano - Os grandes grupos vegetais
3º Ano - Os grandes grupos vegetais
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Anatomia vegetal
 
Sistematica vegetal
Sistematica vegetal  Sistematica vegetal
Sistematica vegetal
 
Sistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaSistematica e filogenia
Sistematica e filogenia
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Reino protista algas
Reino protista algasReino protista algas
Reino protista algas
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
 

Destaque

Algas
AlgasAlgas
Vegetais inferiores
Vegetais inferioresVegetais inferiores
Vegetais inferiores
Altair Hoepers
 
Tipos de algas
Tipos de algasTipos de algas
Tipos de algas
Carlos Eduardo
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
Altair Hoepers
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
Paulo Oliveira
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
Rebeca Vale
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
Zaara Miranda
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
elainesouza
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Algas
AlgasAlgas
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Rodrigo Ikegaya
 
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Julio Cesar Ferreira dos Passos
 
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Professora Raquel
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
Déa Pereira
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
ISJ
 
Fungos
FungosFungos
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
Lucas Stifler
 

Destaque (20)

Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Vegetais inferiores
Vegetais inferioresVegetais inferiores
Vegetais inferiores
 
Tipos de algas
Tipos de algasTipos de algas
Tipos de algas
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
 
Importância econômica das algas
Importância econômica das algasImportância econômica das algas
Importância econômica das algas
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3A ecologia grupo 3
A ecologia grupo 3
 
Apres Algas
Apres AlgasApres Algas
Apres Algas
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - ApresentaçãoOs 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
Os 5 desafios das equipes - Grupo 3 - Apresentação
 
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
Modelos quantitativos para a tomada de decisão.
 
Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3Protozoário algas e fungos capitulo 3
Protozoário algas e fungos capitulo 3
 
Micoses subcutâneas
Micoses subcutâneasMicoses subcutâneas
Micoses subcutâneas
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Os fungos 2011
Os fungos 2011Os fungos 2011
Os fungos 2011
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3Grandes civilizações grupo 3
Grandes civilizações grupo 3
 

Semelhante a Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais

Resumo - Biologia II
Resumo - Biologia IIResumo - Biologia II
Resumo - Biologia II
Isabella Silva
 
Resumo - Biologia II
Resumo - Biologia IIResumo - Biologia II
Resumo - Biologia II
Isabella Silva
 
Aula 1 - biodiversidade e grupos
Aula 1 - biodiversidade e gruposAula 1 - biodiversidade e grupos
Aula 1 - biodiversidade e grupos
sandrosilvaufgd
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Videoaulas De Biologia Apoio
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Manuela Mendes
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Anna Paula
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Aulas Apoio
 
Aula 1 Prof Guth Berger
Aula 1 Prof Guth BergerAula 1 Prof Guth Berger
Aula 1 Prof Guth Berger
Matheus Yuri
 
Ii estrutura celulas
Ii estrutura celulasIi estrutura celulas
Ii estrutura celulas
Rodrigo Marques
 
Estrutura celulas
Estrutura celulasEstrutura celulas
Estrutura celulas
Rigo Rodrigues
 
Reino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoReino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamento
letyap
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
Thiago Ávila Medeiros
 
Como estudar zoologia e botânica para o vestibular
Como estudar zoologia e botânica para o vestibularComo estudar zoologia e botânica para o vestibular
Como estudar zoologia e botânica para o vestibular
Fabio Magalhães
 
Grupos Vegetais.ppt
Grupos Vegetais.pptGrupos Vegetais.ppt
Grupos Vegetais.ppt
JeanCosta45
 
Botânica+..
Botânica+..Botânica+..
Botânica+..
JadeNeves
 
7 anoProtistas
7 anoProtistas7 anoProtistas
7 anoProtistas
Sarah Lemes
 
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
WaldemarBelota
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
Vinícia Becalli
 
Aula 2 Prof. Guth Berger
Aula 2 Prof. Guth BergerAula 2 Prof. Guth Berger
Aula 2 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 

Semelhante a Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais (20)

Resumo - Biologia II
Resumo - Biologia IIResumo - Biologia II
Resumo - Biologia II
 
Resumo - Biologia II
Resumo - Biologia IIResumo - Biologia II
Resumo - Biologia II
 
Aula 1 - biodiversidade e grupos
Aula 1 - biodiversidade e gruposAula 1 - biodiversidade e grupos
Aula 1 - biodiversidade e grupos
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
Aula 1 Prof Guth Berger
Aula 1 Prof Guth BergerAula 1 Prof Guth Berger
Aula 1 Prof Guth Berger
 
Ii estrutura celulas
Ii estrutura celulasIi estrutura celulas
Ii estrutura celulas
 
Estrutura celulas
Estrutura celulasEstrutura celulas
Estrutura celulas
 
Reino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoReino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamento
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
 
Como estudar zoologia e botânica para o vestibular
Como estudar zoologia e botânica para o vestibularComo estudar zoologia e botânica para o vestibular
Como estudar zoologia e botânica para o vestibular
 
Grupos Vegetais.ppt
Grupos Vegetais.pptGrupos Vegetais.ppt
Grupos Vegetais.ppt
 
Botânica+..
Botânica+..Botânica+..
Botânica+..
 
7 anoProtistas
7 anoProtistas7 anoProtistas
7 anoProtistas
 
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
- Criptógamas Biologia e Pesca.pptx
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
 
Aula 2 Prof. Guth Berger
Aula 2 Prof. Guth BergerAula 2 Prof. Guth Berger
Aula 2 Prof. Guth Berger
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais

  • 1. 15/07/2013 Prof: Msc. Heitor de Oliveira Braga TAXONOMIA/ FILOGENIA/ VEGETAIS
  • 2. ORGANIZAÇÃO DO AULA :  Principais grupos de Vegetais  Introdução à Sistemática e Taxonomia Vegetal (Definição, Histórico e Sistemas de classificação)  Principais grupos de Algas  Atividade diagnóstica
  • 3. SISTEMÁTICA  Ramo da biologia que estuda a diversidade biológica  Tipos e as variações entre os seres vivos  Principais objetivos: • descrever a diversidade biológica • desenvolver catálogos: caracterizar cada espécie • critérios de organizar a diversidade e agrupar os seres vivos • compreender processos da diversidade biológica
  • 4. SISTEMÁTICA  Apresentam resultados por meio da: • Classificação Biológica ou TAXONOMIA Categorias taxonômicas ou táxons: categorias menores incluídas em categorias maiores Sistema sintético Organiza os seres vivos- categorias hierárquicas
  • 5. HISTÓRICO DA TAXONOMIA VEGETAL  Diversidade dos organismos (1,5 milhão descritos): ampla variedade biológica forma, dimensão e estrutura – Primeiras constatações a impressionar  Tentativa de melhor compreender  Classificação dos seres vivos CONSTITUIÇÃO DE UNIDADES DISTINTAS: ESPÉCIES Mundo Natural critérios científicos
  • 6. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  Diversos sistemas de classificação foram elaborados  Ordenação das espécies em grupos  Diferentes conjuntos de atributos
  • 7. HISTÓRICO DA TAXONOMIA • Morfologia externa ou Organografia • Caracteres de fácil reconhecimento Início • Contribuição da anatomia • Genética e Quimíca • Paleontológicos, Embriológicos e fitogeográficos Posterior  Delimitação e separação dos grupos atuais
  • 8. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  Histórico : descritivo (1) e de sistematização (2)  (1) - Sistemas fundamentados no hábito das plantas - arbóreas, arbustivas, subarbustivas e herbáceas • PAI DA BOTÂNICA (ARISTÓTELES) - Outros cientistas da época: Dioscórides, Albertus e Magnus
  • 9. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  Idade Média: Herbalistas (Brunfels, Bock, Fuchs)  Propriedades medicinais das plantas  Fornecem descrições e ilustrações: Facilitar a identificação
  • 10. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  (2) - Sistemas pouco elaborados deram lugar aos artificiais • Século XVIII: Os Sistemas Naturais (Jussieu, Lamarck, Bown ...) • Número de informações acumuladas: Morfologia vegetal • Reconheceu 15 classes e 100 ordens • Karl Linné: caracteres florais / nomenclatura binária das ssp
  • 11. HISTÓRICO DA TAXONOMIA - Século XIX: Sistemas filogenéticos sucederam os naturais (Eichler, Engler, Wettstein …) • impulsionada por Charles Darwin: evolução biológica • estabeleceu relações de semelhança entre eles: ANCESTRALIDADE DESCENDÊNCIA • formas primitivas (mais simples): dá origem a outras formas evoluídas (mais complexas) • Atuais: • morfologia externa, anatomia, citologia, embriologia, ecologia, genética, química e estatística • informação disponível para caracterizar táxons (taxa)
  • 12. PRINCIPAIS GRUPOS DE ALGAS - Organismos fotossintetizantes pertencentes ao Reino Protoctista - Seres Eucariontes, autotróficos, uni ou pluricelulares - Não possuem tecidos organizados em órgãos TALOS - Divididos de acordo com pigmentos intracelulares Verdes  Chlorophyta e Euglenophyta Douradas  Chrisophyta ou diatomáceas Vermelhas  Pyrrophyta e Rhodophyta Pardas  Phaeophyta
  • 13. - Organização: • Euglenófitas • Pirrófitas • Crisófita ou Diatomáceas Unicelulares • Clorófitas • Feófitas • Rodófitas Pluricelulares  Chlorophyta  Algas verdes (Uni e pluricelulares)  Reprodução: Assexuada (Divisão binária)  Presença de clorofilas A e B e carotenóides  Reserva de amido  Parede celular celulósica  Dulcícolas e Marinhos Genêro: Acetabularia e Codium
  • 14.  Euglenophyta  Algas verdes unicelulares flageladas  ESTIGMA: Organela fotossensível que orienta o organismo em direção à luz  Presença de clorofilas A e B e carotenóides  Reserva de Paramilo e sem parece celular  Maioria: Dulcícolas  Reprodução assexuada (Divisão binária)  FOTOSSÍNTE – Ausência de condições  Nutrição heterotrófica  Euglena sp.
  • 15.  Chrysophyta ou Diatomácea  Algas douradas ou Diatomáceas  Quando morrem, as carapaças de sílica se depositam no fundo do oceano, formando um solo chamado DIATOMITO ou TERRA DE DIATOMÁCEAS  Fabricação de tijolos, abrasivos, substâncias polidoras, pastas de dentes e dinamite.  Presença de clorofilas A e C e carotenóides  Reserva de crisolaminarina  Parede celular de sílica
  • 16.  PYRROPHYTA  Algas unicelulares vermelhas / Dinoflagelados  Presença de clorofilas A e C e carotenóides  Reserva de Amido  Presença de dois flagelos  Noctiluca sp.  Bioluminescência  Bioluminescência (Algumas espécies)  Maré Vermelha: Floração excessiva de algas devido ao aumento da temperatura da água ou excesso de sais devido ao despejo de esgoto doméstico  Possuem placas de celulose e sílica
  • 17.  PYRROPHYTA  Ceratium sp. ao microscópio eletrônico  Cor vermelha da água: Liberação de substâncias tóxicas que contaminam e matam peixes e moluscos Ser humano: diarréias, problemas respiratórios e cardiovasculares
  • 18.  Rhodophyta  Algas pluricelulares vermelhas  Presença de clorofilas A e D - ficocianina (azul) e ficoeritrina (vermelho)  Reserva de Amido  Maioria Marinhas  Uso na alimentação (Japonesa) – Algas comestíveis  Ágar: Substância gelatinosa - Meio de cultura para bactérias e fungos - Gelatinas e doces
  • 19.  Phaeophyta  Algas pluricelulares PARDAS  Presença de clorofilas A e D, Carotenóides e Fucoxantina  Parede Celular com Algina: extração de CARRAGENINA e ALGINATO - Modelos odontológicos (Alginato) - Espessante de sorvetes/cremes  Podem formar bolsas de ar - Flutuação: Mar de sargaço (Sargassum sp)  Podem ser de grande porte: “floresta de litoral”  Bahamas – Registro: “Sequóias dos mares” com 100m
  • 20. - IMPORTÂNCIA DAS ALGAS:  Importante para o Ecossitema: o Formação do fitoplâncton o Sustentam direta e indiretamente as teias alimentares aquáticas  Atmosfera: o São responsáveis por 90% da fotossíntese o São os maiores produtores de oxigênio  Econômica: o Indústria alimentícia, construção civil e produtos diversos
  • 21. O UNIVERSO VEGETAL “Na Floresta, descobrem-se inúmeras estratégias de vida do mundo vegetal” • Samanbaias, árvores de grande porte, musgos …
  • 22. ORGANIZAÇÃO DAS PLANTAS • Ocupa o solo (raízes)  Ipê-Roxo • Meio áreo (caule e ramos) • Adulta: Flores (sépalas e pétalas: reprodução) • Frutos, sementes, embrião (novo indivíduo)
  • 23. CLASSIFICAÇÃO VEGETAL • Reino Plantae/Metaphyta/ Embryophytes  Característica dos vegetais: • Algas: Retiradas do Reino Plantae (Liberam seu zigoto no ambiente e o novo ser se desenvolve independentemente do organismo genitor) • Ciclo de vida: Possuem embriões multicelulares maçicos • frutos, sementes, embrião (novo indivíduo)
  • 24. • 320 mil espécies de planta (tamanho, forma e organização corporal) • Espécies com organização simples (Musgos/Briófitas) • Organismo complexos: (Frutíferas/Angiospermas) • Eucarióticos • Multicelulares • Autótroficos • Parede celular celulósica • Plastídeos (plastos): cloroplastos nas folhas • Presença de vacúolos VEGETAIS
  • 25. GRANDE GRUPOS DE VEGETAIS  Classificação em 12 filos  3 deles - plantas avasculares: - Sem tecidos condutores de seivas - FILO BRYOPHYTA MUSGOS - FILO HEPATHOPHYTA HEPÁTICAS • BRIÓFITAS
  • 26. - FILO ANTHOCEROPHYTA ANTÓCEROS  Características gerais das BRIÓFITAS: • AVASCULARES (AUSÊNCIA DE XILEMA E FLOEMA) • AUSÊNCIA DE RAIZ, CAULE E FOLHAS - Apresentam as seguintes estruturas:  Rizóide: fixação e absorção  Caulóide: absorção e sustentação  Filóide: fotossíntese e trocas gasosas MUSGO • AUSÊNCIA DE CUTÍCULA • TRANSPORTE DE ÁGUA POR DIFUSÃO: CRESCIMENTO LENTO
  • 27. • CICLO DIPLOBIONTE (ALTERNÂNCIAS DE GERAÇÕES)  Observações: I. O esporófito é aclorofilado e dependente do gametófito II. Após a liberação dos esporos, o esporófito degenera-se III. O esporófito sempre está presente sobre o gametófito feminino
  • 28. Gametófito Esporófito Haplóide (n) Diplóide (2n) Fase sexuada Fase assexuada Clorofilado Aclorofilado Fase duradoura Fase temporária - IMPORTÂNCIA DAS BRIÓFITAS: I. São organismos pioneiros no processo de sucessão ecológica IV. São bioindicadores da qualidade do ar e do solo II. São organismos produtores de cadeias alimentares III. Criam micro habitats para várias espécies de microrganismo
  • 29. GRANDE GRUPOS DE ALGAS - Vasos condutores de seiva: formados por células tabulares  9 restante - plantas vasculares ou traqueófitas - PTERIDÓFITAS : AUSÊNCIA DE SEMENTE/FLORES SAMANBAIA AVENCA
  • 30.  Características gerais das PTERIDÓFITAS: • VASCULARES (PRESENÇA DE XILEMA E FLOEMA) • CICLO DIPLOBIONTE (ALTERNÂNCIA DE GERAÇÕES) • FECUNDAÇÃO DEPENDENTE DA ÁGUA
  • 31.  Observações:  O esporófito no início é aclorofilado e dependente do gametófito  O esporófito ao se desenvolver suga as reservas nutritivas do gametófito  O gametófito degenera-se e o esporófito torna-se clorofilado Gametófito Esporófito Haplóide (n) Diplóide (2n) Fase sexuada Fase assexuada Clorofilado Inicialmente aclorofilado e depois torna-se clorofilado Fase temporária Fase duradoura
  • 32. - IMPORTÂNCIA DAS PTERIDÓFITAS:  Organismo produtor das cadeias alimentares  Ornamentação  Obtenção do xaxim (caule de samambaiaçu) o Cultivo de orquídeas o Risco de extinção do samambaiaçu (Mata Atlântica) o Alternativa: coxim (feito com fibras do coco) Samambaiaçu SamambaiaCoxim
  • 33.  GMINOSPERMAS: - Surgimento do tubo polínico (Sifonógamas) - Independência total da água para a reprodução - Qual a vantagem ??? - Principais representantes: Pinheiros, sequóias, araucárias e ciprestres - Possuem sementes Espermatófitas - Presença de estróbilos
  • 34. - Quais as vantagens de serem Espermatófitas ??? Aumento da dispersão Colonização de ambientes variados Proteção ao embrião - Redução extrema da fase gametofítica: • Gametófito masculino imaturo: grão de pólen ---- Tubo polínico • Gametófito feminino: saco embrionário (megaprotálo)
  • 35. Polinização: (Anemofilia) • Transporte dos grãos-de-pólen até a abertura (micrópila) do óvulo • Grãos-de-polén ALADOS que facilitam a dispersão • Composto por: tegumento do óvulo (Casca), zigoto (Embrião), Saco embrionário (Endosperma primário ou albume) - Desenvolvimento do óvulo:
  • 36. - IMPORTÂNCIA DAS GMINOSPERMAS:  Indústria madeireira/ celulose e farmacêutica  Alimentação (pinhão), semente do Pinheiro-do-Paraná.  Ornamentação
  • 37.  ANGIOSPERMAS: - Grupo mais diversificado do Reino Plantae (cerca de 350.000 espécies) - Apresentam flores verdadeiras, contendo ovários - Único grupo que possui frutos (importante para a dispersão das sementes) o Pétalas coloridaso Nectárioso Aromas - Muitas angiospermas possuem flores com estruturas que atraem animais
  • 38. Pedúnculo/Pedicelo floral: Haste que fixa a flor no ramo. Receptáculo floral: Região da flor onde se inserem os elementos florais Sépala: Folha modificada estéril (verde)  conjunto: cálice Pétala: Folha modificada estéril (colorida)  conjunto: corola Verticílios florais: conjunto de folhas modificadas - Estrutura da FLOR: • Pistilos ou Carpelos (Feminino) • Estames (Masculino)
  • 39. I) Oosfera (n) + Célula espermática (n)  Zigoto (2n) II) Núcleo polar (n) + Núcleo polar (n) + Célula espermática (n)  Célula (3n) - Desenvolvimento do tubo polínico e a dupla fecundação:
  • 40. - Dupla fecundação e a formação do fruto: Fruto o Protege as sementes em seu interior o Os animais ao se alimentarem dos frutos e realizam a dispersão das sementes
  • 41. - CLASSIFICAÇÃO DAS ANGIOSPERMAS:  Monocotiledôneas/Dicotiledôneas  Cotilédone: Reserva nutritiva • Monocotiledôneas: Milho, gramíneas, palmeiras, orquídeas • Dicotiledôneas: Mamona, feijão, ervilha, goiaba
  • 42. REFERÊNCIAS BIBLOGRÁFICAS: • AMABIS & MARTHO. Biologia dos Organismos. Volume 2. São Paulo: Editora Moderna. 2ª edição, 2004. • RAVEN, PETER H.; Et al. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. • AMABIS & MARTHO. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume único. São Paulo: Editora Moderna, 2003 • AVANCINI & FAVARETT. Biologia; Uma abordagem evolutiva e ecológica .Volume 3. São Paulo: Editora Moderna.1ª Edição, 1997.