SlideShare uma empresa Scribd logo
Mapeamento Corporativo Retenção de
     talentos e Otimização da
          Produtividade
Talentos: reter, otimizar, produzir
Objetivo

Otimizar o aproveitamento do potencial produtivo da empresa

Linhas de ação
6. Conhecer os recursos humanos da empresa, em três aspectos:
    1. Saudabilidade
    2. Econômico
    3. Socio-cultural

2. Retenção de talentos já incorporados à organização;

3. Otimizar a produtividade, via
    •   Novas práticas corporais e de alimentação
    •   informação corporativa para qualidade de vida
    •   Qualificação e educação continuada
Como funciona

                    Conhecimento




      Organização             Colaboradores




Otimizar                                 Elaborar
Input e                                  conflitos
 output
                   Melhor
                Funcionamento
Mapeamento corporativo – conhecendo as pessoas

Ob tivo detae a
 je s s tap
Geral: Identificar os principais condicionantes das atitudes e comportamentos
   do funcionário frente ao trabalho e à empresa


Específicos: Identificar
• Percepções quanto às relações de trabalho;
• Percepções quanto ao ambiente de trabalho;
• O valor de cada uma das percepções anteriores e a relação entre ambas;
• Como o desempenho financeiro doméstico interfere no dia-a-dia dos
   colaboradores
• Identificar hábitos de vida e condições de saúde (hábitos alimentares e de
   atividade física, gostos, atração e rejeição por alimentos e atividades,
   condições anteriores, etc.)
Estrutura do projeto da etapa

                  Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores
  Fase 1 –
                                                     Opiniões,
Entrevista em     História de                                            História
                                    Dia típico    valores, sonhos
profundidade         vida                                             organizacional
                                                     e planos

   Fase 2 –
                                    Estudo das relações sociais “in situ”
  Etnografia


    Fase 3 –                    Estudo da construção das atitudes coletivas
 Discussão em
                          DG com           DG com        DG com        DG com
     Grupo
                          grupo1           grupo2        grupo 3       grupo 4


Fase 4 – Survey
                                Quantificação dos indicadores identificados
  Quantitativo
Estrutura do projeto da etapa

                  Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores
  Fase 1 –
                                                     Opiniões,
Entrevista em     História de                                            História
                                    Dia típico    valores, sonhos
profundidade         vida                                             organizacional
                                                     e planos

   Fase 2 –
                                    Estudo das relações sociais “in situ”
  Etnografia


    Fase 3 –                    Estudo da construção das atitudes coletivas
 Discussão em
                          DG com           DG com        DG com        DG com
     Grupo
                          grupo 1          grupo 2       grupo 3       grupo 4


Fase 4 – Survey
                                Quantificação dos indicadores identificados
  Quantitativo
I nstrumentos de pesquisa – Fase 1
        Entrevistas em profundidade
I nstrumentos de pesquisa – Fase 1

  + subjetivo                                              + objetivo
  Análise qualitativa                                  Análise quantitativa
  Aspectos individuais                                  Aspectos sociais



                                      Grupo focal ou
      Entrevista em
                         Etnografia    Discussão em        Survey
      profundidade
                                           Grupo



Entrevistas em profundidade: pesquisador/entrevistador estimula a fala do
entrevistado através de perguntas ou “sondas” num roteiro relativamente aberto.

As entrevistas não devem ultrapassar uma hora de duração.

As entrevistas são gravadas e transcritas.
I nstrumentos de pesquisa – Fase 1
                          Entrevistas em profundidade



       Nível                        Método               Processamento
  Decisão pessoal         Entrevista em Profundidade     Análise do discurso




Elaboração        Entrevistas em                       Apresentação dos
                                      Análise final
 do roteiro        profundidade                           resultados
I dentificação de elementos valorativos da mobilização
                           dos atores
Essa fase consiste na aplicação de técnicas de entrevista em profundidade.

Três técnicas distintas devem ser utilizadas:




                                                          Entrevista em profundidade
   Entrevista narrativa         Entrevista situacional   com roteiro com funcionários
    (história de vida)               (dia típico)        até nível gerencial abordando
                                                                diversos temas
I dentificação de elementos valorativos da mobilização
                           dos atores



Entrevista narrativa (história de vida) – onde o entrevistado é estimulado a “contar
histórias” relativas a elementos simbolicamente relevantes para os itens investigados
(valores éticos, políticos, morais, sobre família, sobre alimentação, sobre
corporalidade, etc.).
I dentificação de elementos valorativos da mobilização
                           dos atores


Entrevista situacional (dia típico) onde o entrevistado é solicitado a descrever um
dia típico de trabalho, do momento em que acorda até a hora em que vai dormir,
incluindo o que comeu, quanto caminhou , que transporte utilizou e quanto demorou
para chegar ao trabalho.
I dentificação de elementos valorativos da mobilização
                          dos atores


Entrevista em profundidade com roteiro com funcionários até nível gerencial
abordando temas como – sonhos e expectativas, planos para o futuro (pessoais e
profissionais), opiniões sobre a profissão.
I dentificação de elementos valorativos da mobilização
                        dos atores




    Duas entrevistas com diretores, abordando a história
                      organizacional.
Estrutura do projeto

                          Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores
Fase 1 – Entrevista
                      História de                    Opiniões, valores,        História
 em profundidade                      Dia típico
                         vida                        sonhos e planos        organizacional



Fase 2 – Etnografia            Estudo das relações sociais e comportamentos “in situ”


                                    Estudo da construção das atitudes coletivas
Fase 3 – Discussão
    em Grupo                   DG com         DG com          DG com         DG com
                              operadores     operadores     supervisores   supervisores


 Fase 4 – Survey
                                    Quantificação dos indicadores identificados
   Quantitativo
I nstrumentos de pesquisa – Fase 2
           Etnografia
I nstrumentos de pesquisa – Fase 2
 + subjetivo                                                     + objetivo
 Análise qualitativa                                    Análise quantitativa
 Aspectos individuais                                   Aspectos sociais



                                      Grupo focal ou
       Entrevista em
                        Etnografia     Discussão em       Survey
       profundidade
                                           Grupo




Etnografia: método próprio à antropologia, que é a área das ciências sociais
dedicada ao estudo das culturas humanas e das relações sociais culturalmente
contextualizadas.

É realizada através da chamada “observação participante”, onde o pesquisador se
coloca na situação que se deseja estudar e observa a ação dos atores sociais. Um ou
mais “informantes” são escolhidos durante o estudo.

O “informante” é um membro do grupo social estudado que de certa forma guiará
o pesquisador, fornecendo informações e explicações sobre a lógica do sistema de
representações do grupo estudado.
I nstrumentos de pesquisa – Fase 2
                                   Etnografia

       Nível                                               Processamento
                                    Método
Decisão individual em                                      Análise do discurso
                                   Etnografia
   contexto social                                              capturado




                    Observação         Diário de campo e    Apresentação dos
Recrutamento
                    participante          análise final        resultados
Estudo das relações sociais e hábitos de vida “in situ”


    Observação etnográfica: Trata-se de uma observação dos atores sociais
   (todos os segmentos funcionais abrangidos) no local de trabalho, em
   situações diversas.

   A metodologia preferencial é a etnografia, onde um pesquisador é colocado
   nos ambientes onde se dão as situações em estudo e observa com a menor
   interferência possível.

Com esta metodologia é possível observar elementos não verbais das relações
  sociais de trabalho, hábitos automáticos, entre outros.
Estrutura do projeto

                          Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores
Fase 1 – Entrevista
                      História de                     Opiniões, valores,            História
 em profundidade                      Dia típico
                         vida                         sonhos e planos            organizacional



Fase 2 – Etnografia                      Estudo das relações sociais “in situ”


                                    Estudo da construção das atitudes coletivas
Fase 3 – Discussão
    em Grupo                   DG com         DG com           DG com            DG com
                               grupo 1        grupo 2          grupo 3           grupo 4


 Fase 4 – Survey
                                    Quantificação dos indicadores identificados
   Quantitativo
I nstrumentos de pesquisa – Fase 3
      Grupo focal ou Discussão em grupo
I nstrumentos de pesquisa – Fase 3
 + subjetivo                                                   + objetivo
 Análise qualitativa                                  Análise quantitativa
 Aspectos individuais                                 Aspectos sociais



                                     Grupo focal ou
       Entrevista em
                        Etnografia    Discussão em      Survey
       profundidade
                                          Grupo




Grupo focal : O grupo focal é uma técnica que se desenvolveu a partir do
entendimento de que o processo decisório se dá num contexto interativo e
social.

A interação moderada se dá num ambiente mais neutro possível, sob observação
inconspícua (sala de espelho) de atores interessados.
I nstrumentos de pesquisa – Fase 3
                        Grupo focal ou Discussão em grupo



       Nível                       Método                 Processamento
Decisão individual em             Grupo focal          Análise da transcrição da
 contexto dialógico          /Discussão em grupo              discussão




Elaboração                            Moderação        Apresentação dos
                  Recrutamento
 do roteiro                          e análise final      resultados
Estrutura do projeto

                          Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores
Fase 1 – Entrevista
                      História de                       Opiniões, valores,            História
 em profundidade                      Dia típico
                         vida                           sonhos e planos            organizacional



Fase 2 – Etnografia                        Estudo das relações sociais “in situ”


                                    Estudo da construção das atitudes coletivas
Fase 3 – Discussão
    em Grupo                   DG com           DG com           DG com          DG com
                              operadores       operadores      supervisores    supervisores


 Fase 4 – Survey
                                    Quantificação dos indicadores identificados
   Quantitativo
I nstrumentos de pesquisa – Fase 4
    Survey – questionário estruturado
I nstrumentos de pesquisa – Fase 4
 + subjetivo                                                    + objetivo
 Análise qualitativa                                   Análise quantitativa
 Aspectos individuais                                  Aspectos sociais



                                     Grupo focal ou
       Entrevista em
                        Etnografia    Discussão em       Survey
       profundidade
                                          Grupo




Suvey : Trata-se de um método de pesquisa quantitativa, baseada em técnicas de
amostragem que otimizam a representatividade dos resultados.

O instrumento de pesquisa é o questionário, que pode conter perguntas fechadas
ou abertas.

O resultado de uma pesquisa quantitativa é analisado com ferramentas estatísticas
que permitem relacionar diferentes elementos do comportamento da população
pesquisada.
I nstrumentos de pesquisa – Fase 4
                                       Survey – questionário estruturado


                                                                              Processamento
                      Nível                        Método
                                                                           Processamento e análise
                  Opinião Pública                  Surveys
                                                                                  dos dados




                                                                                                 Análise final e
  Elaboração       Recrutamento de    Administração do        Crítica e            Digitação
                                                                                                  apresentação
do questionário     entrevistadores   Trabalho de campo      codificação       e processamento
                                                                                                 dos resultados
Retenção de Talentos
De acordo com os indicativos gerados pelo Mapeamento Corporativo,
   linhas de benefícios de relação custo-benefício ótimo para a empresa
   são projetadas de modo a favorecer a permanência dos talentos já
   incorporados à organização .
Em momentos de crise, em que a valorização do funcionário não possa
   ser expressa como promoção, aumento real ou participação em lucros,
   comprometidos pelo contexto econômico, agregar valor ao portfolio ou
   currículo do funcionário, melhorar sua qualidade de vida, proporcionar
   convênios e atividades que correspondam às suas expectativas e
   valores pode ser decisivo na retenção de recursos humanos de grande
   importância.
A seguir serão explorados alguns exemplos hipotéticos de aplicações
   desta metodologia.
Retenção de Talentos
A Merton em uma série de propostas já comprovadas para
  retenção de talentos, a serem analisadas caso a caso,
  dependendo da:

- Real influência sobre a qualidade de vida do funcionário;
- Disponibilidade da empresa para adotar a proposta
Otimização da Produtividade: Qualidade
                       de vida

Novamente de acordo com os indicativos gerados pelo Mapeamento Corporativo,
intervenções pontuais são projetadas :
     •Na qualidade de vida empresarial, do ponto de vista de práticas corporais e
     de alimentação
     •Em comunicação e informação corporativa para qualidade de vida
     • Em qualificação e educação continuada

    A qualidade de vida é constituida de uma série de elementos de natureza
    biológica (saúde, abrangendo práticas corporais, alimentação, stress físico
    variado – ergonômico, químico e ambiental de maneira geral) e psico-social.
Otimização da Produtividade: Qualidade de
           Vida, uma proposta integrada

Estudos recentes têm demonstrado o papel determinante da atividade física e outras
práticas corporais na prevenção das desordens crônicas e morbidades mais relevantes da
atualidade. Outros dados apontam a desinformação nestas questões como um fator
decisivo para a instalação e manutenção de hábitos de vida pouco saudáveis e
conducentes a diversas desordens, além do stress e obesidade.
Esta linha de evidências motivou a Organização Mundial de Saúde a formular o
programa da Estratégia Global para dieta, atividade física e saúde que coordene políticas
públicas na área no mundo todo.
Do ponto de vista da produtividade empresarial, o impacto de programas sistemáticos
de práticas corporais tem sido amplamente reconhecido.
Até hoje, no entanto, existem poucos programas que associem uma ação
simultaneamente prática e informativa para as empresas.
A proposta desta assessoria é um menu de serviços adaptados a públicos diversos,
oferecendo orientação e re-educação para práticas corporais no local de trabalho,
informação técnica, educação continuada e networking pertinentes quanto a hábitos de vida,
organização da atividade física e nutrição diária.
Otimização da Produtividade: Qualidade de
       Vida, uma proposta integrada
    Práticas Corporais    Atividades        informativas,
                          educativas e de comunicação *
                          (temas)


    Ginástica laboral *   Mini-cursos
    Massoterapia          Palestras
    Pilates               Workshops
    Quiropraxia           Comunidades virtuais
    RPG                   Informativos
    Ergonomia             Newsletters
    Práticas Corporais    Atividades        informativas,
                          educativas e de comunicação *
                          (temas)
Exemplos de pacotes de intervenções
    Tipo      de Demandas                                    Práticas Corporais          Atividades informativas
    público
1   Executivo     Controle e alívio de stress (longas        RPG                         Mini-cursos
                  jornadas de trabalho sob pressão); re-     Quiropraxia                 Comunidades virtuais com
                  organização postural (desalinhamento       Ergonomia                   acompanhamento         em
                  postural durante horas sentadas);          Massoterapia                tempo real
                  adaptações do ambiente de trabalho;        Atendimento                 Newsletter do programa
                  alívio de dor; re-educação de hábitos      personalizado
                  posturais, de atividade física e           (fisioterapia preventiva)
                  alimentares.
2   Administrativ Controle e alívio de stress (longas        Massoterapia quick      Mini-cursos ou workshops
    o             jornadas de trabalho repetitivo ou com     Ergonomia               Comunidades virtuais
                  grande demanda de atenção); re-            Re-educação postural Newsletter do programa
                  organização postural (desalinhamento       (help-desk)
                  postural durante horas sentadas);          Pilates
                  adaptações do ambiente de trabalho;        Ginástica laboral
                  alívio de dor; re-educação de hábitos      Exercícios           de
                  posturais, de atividade física e           consciência corporal
                  alimentares.
3   Operacional   Controle e alívio de stress (longas        Ergonomia               Mini-cursos e palestras
                  jornadas de trabalho repetitivo); re-      Ginástica laboral       Apostilas ou brochuras
                  organização postural (desalinhamento       Exercícios           de Cartazetes
                  postural); adaptações do ambiente de       consciência corporal
                  trabalho; alívio de dor; re-educação de
                  hábitos posturais, de atividade física e
                  alimentares.
Otimização da Produtividade
            Case 1: O café da manhã da operadora de
                           telemarketing
Resultado do Mapeamento Corporativo:

“Na empresa de telemarketing X, o mapeamento corporativo revelou que o café da manhã típico da
    funcionária (empresa com 85% de população feminina de 18-25 anos) é o café com 3 colheres de
    sobremesa de açúcar branco e um pão francês com manteiga, consumido às 5:30h. Esta
    refeição constituida apenas de carboidratos de médio a alto índice glicêmico e gordura gera um
    pico de insulina e posterior hipoglicemia. As funcionárias entram no trabalho às 8h. Constatou-se
    também que a produtividade das funcionárias atinge um máximo de queda em torno das
    9:30h, quando também ocorrem conflitos entre segmentos de diferentes níveis hierárquico
    com maior frequência”.

Propostas Merton:
•   Re-educação alimentar, com conceitos básicos sobre constituição macro-nutricional das dietas
    (proteínas, gorduras e açúcares) e sugestões de um café da manhã que seja capaz de fornecer
    alimentos ao mesmo tempo adequadamente nutritivos e de menor índice glicêmico. A re-educação
    pode ser feita através de informativos, posteres em locais estratégicos, newsletters e na
    comunidade digital da empresa.
•   Oferecer um alimento de baixo índice glicêmico às funcionárias assim que chegam à empresa
    (um copo de leite, uma maçã de baixo índice glicêmico, etc.)
•   No lanche, oferecer alimentos de baixo índice glicêmico e maior conteúdo proteico.
Otimização da Produtividade
                   Case 2: O mecânico da montadora

Resultado do Mapeamento Corporativo:

“Na montadora X, identificou-se alta incidência de lesões acro-mio-claviculares entre um
    determinado segmento operacional. Filmando o trabalho dos funcionários, detectou-se um
    padrão de movimento para ajustamento de peças (repetido muitas vezes no dia) potencialmente
    gerador destas lesões por over-use”.

Propostas Merton:
•   Ações de comunicação/informação, explicando, de maneira simples, as causas destas lesões e
    as formas de prevenção (a serem oferecidas).
•   Oferecer um programa de exercícios (de fortalecimento, flexibilidade, coordenação, etc.)
    instruído por profissional capacitado e uma orientação sobre exercícios que os funcionários podem
    fazer sozinhos (em casa ou na empresa).
•   Acompanhamento in situ e pela comunidade virtual.
Talentos: reter, otimizar, produzir

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Novos paradigmas[1]
Novos paradigmas[1]Novos paradigmas[1]
Novos paradigmas[1]
Renata Marques
 
QUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOAS
QUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOASQUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOAS
QUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOAS
9In solutions
 
Novos paradigmas na gestão de recursos humanos
Novos paradigmas na gestão de recursos humanosNovos paradigmas na gestão de recursos humanos
Novos paradigmas na gestão de recursos humanos
claudiamendes
 
Target remuneracao
Target remuneracaoTarget remuneracao
Target remuneracao
TARGET - HR
 
Agroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e Produção
Agroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e ProduçãoAgroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e Produção
Agroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e Produção
UFPB
 
00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas
00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas
00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas
Luiz Carlos Bueno
 
Tecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BR
Tecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BRTecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BR
Tecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BR
Leandro Coutinho
 
Ética na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviço
Ética na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviçoÉtica na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviço
Ética na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviço
Flavio Farah
 
Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?
Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?
Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?
Giulia Pizzignacco
 
Etica como um_instrumento
Etica como um_instrumentoEtica como um_instrumento
Etica como um_instrumento
DARLANA GODOI
 
Modelo De Gestao Por Processos Anatel
Modelo De Gestao Por Processos AnatelModelo De Gestao Por Processos Anatel
Modelo De Gestao Por Processos Anatel
Eduardo Rocha
 
Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional
Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional
Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional
inovaDay .
 
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
artursil
 
Aula2 paradigmas
Aula2 paradigmasAula2 paradigmas
Aula2 paradigmas
Portal_do_estudante_ADS
 
Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607
Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607
Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607
João Bezerra Magalhães Neto
 
GestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNciasGestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNcias
Novezala
 
Mudança Organizacional
Mudança OrganizacionalMudança Organizacional
Mudança Organizacional
Rodrigo Cristóvão
 
Material para os alunos de etica
Material para os alunos de eticaMaterial para os alunos de etica
Material para os alunos de etica
agostinhofigueira01
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
Laura Marcht
 

Destaque (19)

Novos paradigmas[1]
Novos paradigmas[1]Novos paradigmas[1]
Novos paradigmas[1]
 
QUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOAS
QUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOASQUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOAS
QUEBRANDO PARADIGMAS: GESTÃO DE PESSOAS
 
Novos paradigmas na gestão de recursos humanos
Novos paradigmas na gestão de recursos humanosNovos paradigmas na gestão de recursos humanos
Novos paradigmas na gestão de recursos humanos
 
Target remuneracao
Target remuneracaoTarget remuneracao
Target remuneracao
 
Agroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e Produção
Agroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e ProduçãoAgroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e Produção
Agroecologia: Juventude Rural e Grupos de Resistência e Produção
 
00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas
00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas
00.03. Sistema Integrado de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas
 
Tecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BR
Tecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BRTecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BR
Tecnologias para Definição do Processo Organizacional segundo o MPS.BR
 
Ética na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviço
Ética na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviçoÉtica na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviço
Ética na gestão de pessoas: discriminação em viagens a serviço
 
Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?
Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?
Objetivos, Agentes e Processos do Desenvolvimento Organizacional?
 
Etica como um_instrumento
Etica como um_instrumentoEtica como um_instrumento
Etica como um_instrumento
 
Modelo De Gestao Por Processos Anatel
Modelo De Gestao Por Processos AnatelModelo De Gestao Por Processos Anatel
Modelo De Gestao Por Processos Anatel
 
Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional
Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional
Sabesp - Contribuindo com o desenvolvimento organizacional
 
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
2004 10-15 16-29-37-aep-higiene-seguranca
 
Aula2 paradigmas
Aula2 paradigmasAula2 paradigmas
Aula2 paradigmas
 
Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607
Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607
Aula desenvolvimento organizacional mba gestão rh ufrr 140607
 
GestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNciasGestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNcias
 
Mudança Organizacional
Mudança OrganizacionalMudança Organizacional
Mudança Organizacional
 
Material para os alunos de etica
Material para os alunos de eticaMaterial para os alunos de etica
Material para os alunos de etica
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
 

Semelhante a Talentos: reter, otimizar, produzir

Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
Ricardo Alexandre
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
Érica Rigo
 
Pesquisa de mercado qualitativa
Pesquisa de mercado qualitativaPesquisa de mercado qualitativa
Pesquisa de mercado qualitativa
Junior Reis
 
Características da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativaCaracterísticas da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativa
Lucila Pesce
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
Deecastro
 
Introdução a pesquisa qualitativa mk.pptx
Introdução a pesquisa qualitativa mk.pptxIntrodução a pesquisa qualitativa mk.pptx
Introdução a pesquisa qualitativa mk.pptx
Mirna Kathary
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
Fernando Dantas
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
vamcris
 
Slide de Metodologia
Slide de Metodologia Slide de Metodologia
Slide de Metodologia
Suzana Irineu
 
Como fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestrado
Como fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestradoComo fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestrado
Como fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestrado
marcobcosta11
 
Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012
Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012
Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012
Filipe Campelo Xavier da Costa
 
Breve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia UrbanaBreve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia Urbana
mabuse h.d.
 
Pesquisa de campo
Pesquisa de campoPesquisa de campo
Pesquisa de campo
laylamiranda
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de Investigação
António Silvano
 
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de InteraçãoMetodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Gonçalo Ferraz
 
Metodologia de pesquisa em sociologia
Metodologia de pesquisa em sociologiaMetodologia de pesquisa em sociologia
Metodologia de pesquisa em sociologia
Roberto Izoton
 
Pesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografiaPesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografia
Edilene Oliveira
 
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora ZaniniTécnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Débora Zanini
 
Dissertação de Mestrado-UFF
Dissertação de Mestrado-UFFDissertação de Mestrado-UFF
Dissertação de Mestrado-UFF
Ana Lucia Abreu
 
Gp aula-7
Gp aula-7Gp aula-7
Gp aula-7
Samuel Fernandes
 

Semelhante a Talentos: reter, otimizar, produzir (20)

Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Pesquisa de mercado qualitativa
Pesquisa de mercado qualitativaPesquisa de mercado qualitativa
Pesquisa de mercado qualitativa
 
Características da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativaCaracterísticas da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativa
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Introdução a pesquisa qualitativa mk.pptx
Introdução a pesquisa qualitativa mk.pptxIntrodução a pesquisa qualitativa mk.pptx
Introdução a pesquisa qualitativa mk.pptx
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Slide de Metodologia
Slide de Metodologia Slide de Metodologia
Slide de Metodologia
 
Como fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestrado
Como fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestradoComo fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestrado
Como fazer entrtevistas em uma pesquisa de mestrado
 
Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012
Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012
Introdução ao marketing aula 5_pa3 2012
 
Breve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia UrbanaBreve Introdução à Antropologia Urbana
Breve Introdução à Antropologia Urbana
 
Pesquisa de campo
Pesquisa de campoPesquisa de campo
Pesquisa de campo
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de Investigação
 
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de InteraçãoMetodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
 
Metodologia de pesquisa em sociologia
Metodologia de pesquisa em sociologiaMetodologia de pesquisa em sociologia
Metodologia de pesquisa em sociologia
 
Pesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografiaPesquisa qualitativaemgeografia
Pesquisa qualitativaemgeografia
 
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora ZaniniTécnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
 
Dissertação de Mestrado-UFF
Dissertação de Mestrado-UFFDissertação de Mestrado-UFF
Dissertação de Mestrado-UFF
 
Gp aula-7
Gp aula-7Gp aula-7
Gp aula-7
 

Mais de Marilia Coutinho

Comunicacion y bien estar
Comunicacion y bien estarComunicacion y bien estar
Comunicacion y bien estar
Marilia Coutinho
 
Gratitud
GratitudGratitud
Sufrimiento mental
Sufrimiento mentalSufrimiento mental
Sufrimiento mental
Marilia Coutinho
 
Los ciclos viciosos y virtuosos
Los ciclos viciosos y virtuososLos ciclos viciosos y virtuosos
Los ciclos viciosos y virtuosos
Marilia Coutinho
 
Veterans Space
Veterans SpaceVeterans Space
Veterans Space
Marilia Coutinho
 
Stress and Physical Activity
Stress and Physical ActivityStress and Physical Activity
Stress and Physical Activity
Marilia Coutinho
 
RUM Sponsorship Project
RUM Sponsorship ProjectRUM Sponsorship Project
RUM Sponsorship Project
Marilia Coutinho
 
RUM 9 roster - November 10, 2015
RUM 9 roster - November 10, 2015RUM 9 roster - November 10, 2015
RUM 9 roster - November 10, 2015
Marilia Coutinho
 
Coaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach id
Coaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach idCoaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach id
Coaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach id
Marilia Coutinho
 
Coaching your spouse: is it possible?
Coaching your spouse: is it possible?Coaching your spouse: is it possible?
Coaching your spouse: is it possible?
Marilia Coutinho
 
Coaching mom and dad
Coaching mom and dadCoaching mom and dad
Coaching mom and dad
Marilia Coutinho
 
A brainstorm with strong women - docx version
A brainstorm with strong women - docx versionA brainstorm with strong women - docx version
A brainstorm with strong women - docx version
Marilia Coutinho
 
Marilia Coutinho - academic CV
Marilia Coutinho - academic CVMarilia Coutinho - academic CV
Marilia Coutinho - academic CV
Marilia Coutinho
 
Lecture and course subjects - Dr. Marilia Coutinho
Lecture and course subjects - Dr. Marilia CoutinhoLecture and course subjects - Dr. Marilia Coutinho
Lecture and course subjects - Dr. Marilia Coutinho
Marilia Coutinho
 
Marilia Coutinho's sports cv
Marilia Coutinho's sports cvMarilia Coutinho's sports cv
Marilia Coutinho's sports cv
Marilia Coutinho
 
Palestras corporativas - temas e conteúdo
Palestras corporativas - temas e conteúdoPalestras corporativas - temas e conteúdo
Palestras corporativas - temas e conteúdo
Marilia Coutinho
 
Portfolio de atleta: Marilia Coutinho
Portfolio de atleta: Marilia CoutinhoPortfolio de atleta: Marilia Coutinho
Portfolio de atleta: Marilia Coutinho
Marilia Coutinho
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"
Marilia Coutinho
 
Formolatria
FormolatriaFormolatria
Formolatria
Marilia Coutinho
 
IPL sanction certificate for the Brazilian National Championship
IPL sanction certificate for the Brazilian National ChampionshipIPL sanction certificate for the Brazilian National Championship
IPL sanction certificate for the Brazilian National Championship
Marilia Coutinho
 

Mais de Marilia Coutinho (20)

Comunicacion y bien estar
Comunicacion y bien estarComunicacion y bien estar
Comunicacion y bien estar
 
Gratitud
GratitudGratitud
Gratitud
 
Sufrimiento mental
Sufrimiento mentalSufrimiento mental
Sufrimiento mental
 
Los ciclos viciosos y virtuosos
Los ciclos viciosos y virtuososLos ciclos viciosos y virtuosos
Los ciclos viciosos y virtuosos
 
Veterans Space
Veterans SpaceVeterans Space
Veterans Space
 
Stress and Physical Activity
Stress and Physical ActivityStress and Physical Activity
Stress and Physical Activity
 
RUM Sponsorship Project
RUM Sponsorship ProjectRUM Sponsorship Project
RUM Sponsorship Project
 
RUM 9 roster - November 10, 2015
RUM 9 roster - November 10, 2015RUM 9 roster - November 10, 2015
RUM 9 roster - November 10, 2015
 
Coaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach id
Coaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach idCoaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach id
Coaching your kCoaching your kid: how to manage being a parent and a coach id
 
Coaching your spouse: is it possible?
Coaching your spouse: is it possible?Coaching your spouse: is it possible?
Coaching your spouse: is it possible?
 
Coaching mom and dad
Coaching mom and dadCoaching mom and dad
Coaching mom and dad
 
A brainstorm with strong women - docx version
A brainstorm with strong women - docx versionA brainstorm with strong women - docx version
A brainstorm with strong women - docx version
 
Marilia Coutinho - academic CV
Marilia Coutinho - academic CVMarilia Coutinho - academic CV
Marilia Coutinho - academic CV
 
Lecture and course subjects - Dr. Marilia Coutinho
Lecture and course subjects - Dr. Marilia CoutinhoLecture and course subjects - Dr. Marilia Coutinho
Lecture and course subjects - Dr. Marilia Coutinho
 
Marilia Coutinho's sports cv
Marilia Coutinho's sports cvMarilia Coutinho's sports cv
Marilia Coutinho's sports cv
 
Palestras corporativas - temas e conteúdo
Palestras corporativas - temas e conteúdoPalestras corporativas - temas e conteúdo
Palestras corporativas - temas e conteúdo
 
Portfolio de atleta: Marilia Coutinho
Portfolio de atleta: Marilia CoutinhoPortfolio de atleta: Marilia Coutinho
Portfolio de atleta: Marilia Coutinho
 
Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"Programa Social "Comunidade Power"
Programa Social "Comunidade Power"
 
Formolatria
FormolatriaFormolatria
Formolatria
 
IPL sanction certificate for the Brazilian National Championship
IPL sanction certificate for the Brazilian National ChampionshipIPL sanction certificate for the Brazilian National Championship
IPL sanction certificate for the Brazilian National Championship
 

Talentos: reter, otimizar, produzir

  • 1. Mapeamento Corporativo Retenção de talentos e Otimização da Produtividade
  • 3. Objetivo Otimizar o aproveitamento do potencial produtivo da empresa Linhas de ação 6. Conhecer os recursos humanos da empresa, em três aspectos: 1. Saudabilidade 2. Econômico 3. Socio-cultural 2. Retenção de talentos já incorporados à organização; 3. Otimizar a produtividade, via • Novas práticas corporais e de alimentação • informação corporativa para qualidade de vida • Qualificação e educação continuada
  • 4. Como funciona Conhecimento Organização Colaboradores Otimizar Elaborar Input e conflitos output Melhor Funcionamento
  • 5. Mapeamento corporativo – conhecendo as pessoas Ob tivo detae a je s s tap Geral: Identificar os principais condicionantes das atitudes e comportamentos do funcionário frente ao trabalho e à empresa Específicos: Identificar • Percepções quanto às relações de trabalho; • Percepções quanto ao ambiente de trabalho; • O valor de cada uma das percepções anteriores e a relação entre ambas; • Como o desempenho financeiro doméstico interfere no dia-a-dia dos colaboradores • Identificar hábitos de vida e condições de saúde (hábitos alimentares e de atividade física, gostos, atração e rejeição por alimentos e atividades, condições anteriores, etc.)
  • 6. Estrutura do projeto da etapa Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Fase 1 – Opiniões, Entrevista em História de História Dia típico valores, sonhos profundidade vida organizacional e planos Fase 2 – Estudo das relações sociais “in situ” Etnografia Fase 3 – Estudo da construção das atitudes coletivas Discussão em DG com DG com DG com DG com Grupo grupo1 grupo2 grupo 3 grupo 4 Fase 4 – Survey Quantificação dos indicadores identificados Quantitativo
  • 7. Estrutura do projeto da etapa Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Fase 1 – Opiniões, Entrevista em História de História Dia típico valores, sonhos profundidade vida organizacional e planos Fase 2 – Estudo das relações sociais “in situ” Etnografia Fase 3 – Estudo da construção das atitudes coletivas Discussão em DG com DG com DG com DG com Grupo grupo 1 grupo 2 grupo 3 grupo 4 Fase 4 – Survey Quantificação dos indicadores identificados Quantitativo
  • 8. I nstrumentos de pesquisa – Fase 1 Entrevistas em profundidade
  • 9. I nstrumentos de pesquisa – Fase 1 + subjetivo + objetivo Análise qualitativa Análise quantitativa Aspectos individuais Aspectos sociais Grupo focal ou Entrevista em Etnografia Discussão em Survey profundidade Grupo Entrevistas em profundidade: pesquisador/entrevistador estimula a fala do entrevistado através de perguntas ou “sondas” num roteiro relativamente aberto. As entrevistas não devem ultrapassar uma hora de duração. As entrevistas são gravadas e transcritas.
  • 10. I nstrumentos de pesquisa – Fase 1 Entrevistas em profundidade Nível Método Processamento Decisão pessoal Entrevista em Profundidade Análise do discurso Elaboração Entrevistas em Apresentação dos Análise final do roteiro profundidade resultados
  • 11. I dentificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Essa fase consiste na aplicação de técnicas de entrevista em profundidade. Três técnicas distintas devem ser utilizadas: Entrevista em profundidade Entrevista narrativa Entrevista situacional com roteiro com funcionários (história de vida) (dia típico) até nível gerencial abordando diversos temas
  • 12. I dentificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Entrevista narrativa (história de vida) – onde o entrevistado é estimulado a “contar histórias” relativas a elementos simbolicamente relevantes para os itens investigados (valores éticos, políticos, morais, sobre família, sobre alimentação, sobre corporalidade, etc.).
  • 13. I dentificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Entrevista situacional (dia típico) onde o entrevistado é solicitado a descrever um dia típico de trabalho, do momento em que acorda até a hora em que vai dormir, incluindo o que comeu, quanto caminhou , que transporte utilizou e quanto demorou para chegar ao trabalho.
  • 14. I dentificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Entrevista em profundidade com roteiro com funcionários até nível gerencial abordando temas como – sonhos e expectativas, planos para o futuro (pessoais e profissionais), opiniões sobre a profissão.
  • 15. I dentificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Duas entrevistas com diretores, abordando a história organizacional.
  • 16. Estrutura do projeto Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Fase 1 – Entrevista História de Opiniões, valores, História em profundidade Dia típico vida sonhos e planos organizacional Fase 2 – Etnografia Estudo das relações sociais e comportamentos “in situ” Estudo da construção das atitudes coletivas Fase 3 – Discussão em Grupo DG com DG com DG com DG com operadores operadores supervisores supervisores Fase 4 – Survey Quantificação dos indicadores identificados Quantitativo
  • 17. I nstrumentos de pesquisa – Fase 2 Etnografia
  • 18. I nstrumentos de pesquisa – Fase 2 + subjetivo + objetivo Análise qualitativa Análise quantitativa Aspectos individuais Aspectos sociais Grupo focal ou Entrevista em Etnografia Discussão em Survey profundidade Grupo Etnografia: método próprio à antropologia, que é a área das ciências sociais dedicada ao estudo das culturas humanas e das relações sociais culturalmente contextualizadas. É realizada através da chamada “observação participante”, onde o pesquisador se coloca na situação que se deseja estudar e observa a ação dos atores sociais. Um ou mais “informantes” são escolhidos durante o estudo. O “informante” é um membro do grupo social estudado que de certa forma guiará o pesquisador, fornecendo informações e explicações sobre a lógica do sistema de representações do grupo estudado.
  • 19. I nstrumentos de pesquisa – Fase 2 Etnografia Nível Processamento Método Decisão individual em Análise do discurso Etnografia contexto social capturado Observação Diário de campo e Apresentação dos Recrutamento participante análise final resultados
  • 20. Estudo das relações sociais e hábitos de vida “in situ” Observação etnográfica: Trata-se de uma observação dos atores sociais (todos os segmentos funcionais abrangidos) no local de trabalho, em situações diversas. A metodologia preferencial é a etnografia, onde um pesquisador é colocado nos ambientes onde se dão as situações em estudo e observa com a menor interferência possível. Com esta metodologia é possível observar elementos não verbais das relações sociais de trabalho, hábitos automáticos, entre outros.
  • 21. Estrutura do projeto Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Fase 1 – Entrevista História de Opiniões, valores, História em profundidade Dia típico vida sonhos e planos organizacional Fase 2 – Etnografia Estudo das relações sociais “in situ” Estudo da construção das atitudes coletivas Fase 3 – Discussão em Grupo DG com DG com DG com DG com grupo 1 grupo 2 grupo 3 grupo 4 Fase 4 – Survey Quantificação dos indicadores identificados Quantitativo
  • 22. I nstrumentos de pesquisa – Fase 3 Grupo focal ou Discussão em grupo
  • 23. I nstrumentos de pesquisa – Fase 3 + subjetivo + objetivo Análise qualitativa Análise quantitativa Aspectos individuais Aspectos sociais Grupo focal ou Entrevista em Etnografia Discussão em Survey profundidade Grupo Grupo focal : O grupo focal é uma técnica que se desenvolveu a partir do entendimento de que o processo decisório se dá num contexto interativo e social. A interação moderada se dá num ambiente mais neutro possível, sob observação inconspícua (sala de espelho) de atores interessados.
  • 24. I nstrumentos de pesquisa – Fase 3 Grupo focal ou Discussão em grupo Nível Método Processamento Decisão individual em Grupo focal Análise da transcrição da contexto dialógico /Discussão em grupo discussão Elaboração Moderação Apresentação dos Recrutamento do roteiro e análise final resultados
  • 25. Estrutura do projeto Identificação de elementos valorativos da mobilização dos atores Fase 1 – Entrevista História de Opiniões, valores, História em profundidade Dia típico vida sonhos e planos organizacional Fase 2 – Etnografia Estudo das relações sociais “in situ” Estudo da construção das atitudes coletivas Fase 3 – Discussão em Grupo DG com DG com DG com DG com operadores operadores supervisores supervisores Fase 4 – Survey Quantificação dos indicadores identificados Quantitativo
  • 26. I nstrumentos de pesquisa – Fase 4 Survey – questionário estruturado
  • 27. I nstrumentos de pesquisa – Fase 4 + subjetivo + objetivo Análise qualitativa Análise quantitativa Aspectos individuais Aspectos sociais Grupo focal ou Entrevista em Etnografia Discussão em Survey profundidade Grupo Suvey : Trata-se de um método de pesquisa quantitativa, baseada em técnicas de amostragem que otimizam a representatividade dos resultados. O instrumento de pesquisa é o questionário, que pode conter perguntas fechadas ou abertas. O resultado de uma pesquisa quantitativa é analisado com ferramentas estatísticas que permitem relacionar diferentes elementos do comportamento da população pesquisada.
  • 28. I nstrumentos de pesquisa – Fase 4 Survey – questionário estruturado Processamento Nível Método Processamento e análise Opinião Pública Surveys dos dados Análise final e Elaboração Recrutamento de Administração do Crítica e Digitação apresentação do questionário entrevistadores Trabalho de campo codificação e processamento dos resultados
  • 29. Retenção de Talentos De acordo com os indicativos gerados pelo Mapeamento Corporativo, linhas de benefícios de relação custo-benefício ótimo para a empresa são projetadas de modo a favorecer a permanência dos talentos já incorporados à organização . Em momentos de crise, em que a valorização do funcionário não possa ser expressa como promoção, aumento real ou participação em lucros, comprometidos pelo contexto econômico, agregar valor ao portfolio ou currículo do funcionário, melhorar sua qualidade de vida, proporcionar convênios e atividades que correspondam às suas expectativas e valores pode ser decisivo na retenção de recursos humanos de grande importância. A seguir serão explorados alguns exemplos hipotéticos de aplicações desta metodologia.
  • 30. Retenção de Talentos A Merton em uma série de propostas já comprovadas para retenção de talentos, a serem analisadas caso a caso, dependendo da: - Real influência sobre a qualidade de vida do funcionário; - Disponibilidade da empresa para adotar a proposta
  • 31. Otimização da Produtividade: Qualidade de vida Novamente de acordo com os indicativos gerados pelo Mapeamento Corporativo, intervenções pontuais são projetadas : •Na qualidade de vida empresarial, do ponto de vista de práticas corporais e de alimentação •Em comunicação e informação corporativa para qualidade de vida • Em qualificação e educação continuada A qualidade de vida é constituida de uma série de elementos de natureza biológica (saúde, abrangendo práticas corporais, alimentação, stress físico variado – ergonômico, químico e ambiental de maneira geral) e psico-social.
  • 32. Otimização da Produtividade: Qualidade de Vida, uma proposta integrada Estudos recentes têm demonstrado o papel determinante da atividade física e outras práticas corporais na prevenção das desordens crônicas e morbidades mais relevantes da atualidade. Outros dados apontam a desinformação nestas questões como um fator decisivo para a instalação e manutenção de hábitos de vida pouco saudáveis e conducentes a diversas desordens, além do stress e obesidade. Esta linha de evidências motivou a Organização Mundial de Saúde a formular o programa da Estratégia Global para dieta, atividade física e saúde que coordene políticas públicas na área no mundo todo. Do ponto de vista da produtividade empresarial, o impacto de programas sistemáticos de práticas corporais tem sido amplamente reconhecido. Até hoje, no entanto, existem poucos programas que associem uma ação simultaneamente prática e informativa para as empresas. A proposta desta assessoria é um menu de serviços adaptados a públicos diversos, oferecendo orientação e re-educação para práticas corporais no local de trabalho, informação técnica, educação continuada e networking pertinentes quanto a hábitos de vida, organização da atividade física e nutrição diária.
  • 33. Otimização da Produtividade: Qualidade de Vida, uma proposta integrada Práticas Corporais Atividades informativas, educativas e de comunicação * (temas) Ginástica laboral * Mini-cursos Massoterapia Palestras Pilates Workshops Quiropraxia Comunidades virtuais RPG Informativos Ergonomia Newsletters Práticas Corporais Atividades informativas, educativas e de comunicação * (temas)
  • 34. Exemplos de pacotes de intervenções Tipo de Demandas Práticas Corporais Atividades informativas público 1 Executivo Controle e alívio de stress (longas RPG Mini-cursos jornadas de trabalho sob pressão); re- Quiropraxia Comunidades virtuais com organização postural (desalinhamento Ergonomia acompanhamento em postural durante horas sentadas); Massoterapia tempo real adaptações do ambiente de trabalho; Atendimento Newsletter do programa alívio de dor; re-educação de hábitos personalizado posturais, de atividade física e (fisioterapia preventiva) alimentares. 2 Administrativ Controle e alívio de stress (longas Massoterapia quick Mini-cursos ou workshops o jornadas de trabalho repetitivo ou com Ergonomia Comunidades virtuais grande demanda de atenção); re- Re-educação postural Newsletter do programa organização postural (desalinhamento (help-desk) postural durante horas sentadas); Pilates adaptações do ambiente de trabalho; Ginástica laboral alívio de dor; re-educação de hábitos Exercícios de posturais, de atividade física e consciência corporal alimentares. 3 Operacional Controle e alívio de stress (longas Ergonomia Mini-cursos e palestras jornadas de trabalho repetitivo); re- Ginástica laboral Apostilas ou brochuras organização postural (desalinhamento Exercícios de Cartazetes postural); adaptações do ambiente de consciência corporal trabalho; alívio de dor; re-educação de hábitos posturais, de atividade física e alimentares.
  • 35. Otimização da Produtividade Case 1: O café da manhã da operadora de telemarketing Resultado do Mapeamento Corporativo: “Na empresa de telemarketing X, o mapeamento corporativo revelou que o café da manhã típico da funcionária (empresa com 85% de população feminina de 18-25 anos) é o café com 3 colheres de sobremesa de açúcar branco e um pão francês com manteiga, consumido às 5:30h. Esta refeição constituida apenas de carboidratos de médio a alto índice glicêmico e gordura gera um pico de insulina e posterior hipoglicemia. As funcionárias entram no trabalho às 8h. Constatou-se também que a produtividade das funcionárias atinge um máximo de queda em torno das 9:30h, quando também ocorrem conflitos entre segmentos de diferentes níveis hierárquico com maior frequência”. Propostas Merton: • Re-educação alimentar, com conceitos básicos sobre constituição macro-nutricional das dietas (proteínas, gorduras e açúcares) e sugestões de um café da manhã que seja capaz de fornecer alimentos ao mesmo tempo adequadamente nutritivos e de menor índice glicêmico. A re-educação pode ser feita através de informativos, posteres em locais estratégicos, newsletters e na comunidade digital da empresa. • Oferecer um alimento de baixo índice glicêmico às funcionárias assim que chegam à empresa (um copo de leite, uma maçã de baixo índice glicêmico, etc.) • No lanche, oferecer alimentos de baixo índice glicêmico e maior conteúdo proteico.
  • 36. Otimização da Produtividade Case 2: O mecânico da montadora Resultado do Mapeamento Corporativo: “Na montadora X, identificou-se alta incidência de lesões acro-mio-claviculares entre um determinado segmento operacional. Filmando o trabalho dos funcionários, detectou-se um padrão de movimento para ajustamento de peças (repetido muitas vezes no dia) potencialmente gerador destas lesões por over-use”. Propostas Merton: • Ações de comunicação/informação, explicando, de maneira simples, as causas destas lesões e as formas de prevenção (a serem oferecidas). • Oferecer um programa de exercícios (de fortalecimento, flexibilidade, coordenação, etc.) instruído por profissional capacitado e uma orientação sobre exercícios que os funcionários podem fazer sozinhos (em casa ou na empresa). • Acompanhamento in situ e pela comunidade virtual.