SlideShare uma empresa Scribd logo
Sociologia Unidade V.
Prof. João Paulo
C5: Cultura: formação do homem
A palavra cultura tem diversos sentidos, e dois deles se destacam: um popular, para
traduzir o atributo de toda pessoa possuidora de conhecimentos, com formação intelectual
desenvolvida; outro antropológico ou sociológico, em que a cultura é referida como
comportamento social do grupo. É nesse sentido que aqui se prega a palavra.
Numerosos são os conceitos sobre cultura. O mais antigo é possivelmente o
Tylor (1871): complexo total de conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes e quaisquer
outros aptidões e a hábitos, adquiridos pelo homem como membro da sociedade. Herskovits a
definem com a parte do ambiente feita pelo homem; Linton, como a herança cultural, e Lowie
como o total da tradução social. Mais recentemente Ashley Montagu a definiu como o modo
particular por que as pessoas se adaptam ao seu ambiente; é a resposta dos homens às suas
necessidades básicas. Em resumo, diz Montagu, é um modo de vida de um povo, o ambiente que
um grupo de seres humanos, ocupando um território comum, criou em forma de idéias,
instituições, linguagem, instrumentos, serviços e sentimentos. A cultura é sempre um complexo.
Criação do homem é recebida como herança dentro do grupo em que cada pessoa nasce e
adquirida ao contato com outros grupo.
Só o homem é portador de cultura, e por isso só ele a cria, a possui e a transmite. É
uma herança que o homem recebe ao nascer. Desde o momento em que é posto no mundo, a
criança começa a receber uma serie de influências do grupo em que nasceu: as maneiras de
alimentar-se; o vestuário; a cama ou a rede para dormir, a língua falada, a identificação de um pai
e de uma mãe, e assim por diante. À proporção que vai crescendo, novas influências desse
mesmo grupo, vai recebendo, de modo a integrá-la completamente na sua sociedade, da qual
participa como uma personalidade através da posição ou papel que nela exerce. Se
individualmente o homem age como reflexo de sua sociedade, faz aquilo que é normal e
constante nessa sociedade, quanto mais nela se integra, mais adquire novos hábitos, capazes de
fazer com que se considere um membro dessa sociedade, agindo e atuando dentro dos padrões
estabelecidos. Esses padrões são justamente a cultura da sociedade em que vive. Padrão cultural
é um expressão que se refere, em antropologia, à soma total das atividades-atos, idéias, objetos
de um grupo; ao ajustamento de diversos traços e complexos de uma sociedade.
Através do padrão cultural se evidencia a originalidade das culturas, ou, em
particular, de cada cultura; identifica-se o que há de específico ou de peculiar numa cultura. É em
torno dele que se formam as diferentes atividades de cada grupo humano, as quais, entre si,
constituem uma unidade funcional. Surgem então no quadro do padrão cultural, os complexos e
os traços. Os complexos de cultura são aqueles conjuntos de traços culturais, intimamente ligados
entre si, que formam unidade de função. Em termos mais rigorosamente técnicos, o complexo
cultural pode ser definido como o conjunto variável de fenômenos interdependentes que
concorrem para formar o perfil cultural próprio de uma área antropológica mais ou menos definida.
O traço cultural, de seu lado, são os atos, e objetos individuais ou específicos que constituem a
manifestação expressa de uma cultura. É unidade desta. Um grupo de traços culturais formam o
complexo. Pode-se, assim, no quadro cultural brasileiro, caracterizar o futebol como um complexo
de diferentes traços: a bola, o número de jogadores, o campo com dimensão prefixada, a
existência de metas. De seu lado, cada complexo, se relaciona com outros, e dessa inter-relação
surge o padrão cultural de uma sociedade ou de um grupo. Entretanto, a maioria dos autores
considera o traço como a unidade menor, e, por isso mesmo, aquele que, dentro de uma cultura,
mais facilmente se difunde a outra cultura. Nessa difusão o traço pode conservar a sua forma e
mudar seu uso. A forma é o aspecto passivo, observando e transmitido, do traço cultural; o uso é
o aspecto dinâmico, as relações com as coisas externas da cultura. O padrão cultural é, em suma,
aquele conjunto de valores que caracteriza uma cultura em relação com outras culturas. Os novos
elementos introduzidos tratarão sempre de acomodar-se aos modelos originais; isso se verifica
tanto em povos desenvolvidos ou chamados civilizados, consciente de suas características
nacionais, como em povo selvagens ou chamados primitivos. Esse conjunto de valores é o que
pode ser chamado de espírito da cultura. Por essa razão, modernas correntes antropológicas
substituem o conceito de padrão cultural pelo de personalidade.
Multiculturalismo ou de como viver junto
Nas democracias pluralistas, assistimos a um movimento generalizado de incremento
das identidades particulares. Minorias, populações autóctones, grupos de migrantes e imigrantes
manifestam seu desejo de reconhecimento cultural. "Viver junto" é uma questão cada vez mais
premente.
O termo "multiculturalismo" designa tanto um fato (sociedades são compostas de
grupos culturalmente distintos) quanto uma política (colocada em funcionamento em níveis
diferentes) visando à coexistência pacífica entre grupos étnica e culturalmente diferentes. Em
todas as épocas, sociedades pluriculturais coexistiram e, hoje, menos de 10% dos países do
planeta podem ser considerados como culturalmente homogêneos. Por outro lado, o tratamento
político da diversidade cultural é um fenômeno relativamente recente.
Há menos de trinta anos, as primeiras medidas políticas de inspiração multiculturalista
foram colocadas em ação na América do Norte (Canadá e EUA). Lá, a indiferença frente à cor da
pele foi substituída pelo princípio de consciência da cor. O debate sobre multiculturalismo foi
crescendo de intensidade e, a partir dos anos 90, difundiu-se na Europa e América do Sul. A
doutrina multiculturalista avança essencialmente a idéia de que as culturas minoritárias são
discriminadas e devem merecer reconhecimento público. Para se realizarem ou consolidarem,
singularidades culturais devem ser amparadas e protegidas pela lei. É o Direito que vai permitir
colocar em movimento as condições de uma sociedade multicultural.
Entre universalismo e multiculturalismo
Mas, de que diferenças culturais nós falamos? Muitas vezes reduzidas à questão da
etnicidade (condição ou consciência de pertencer a um grupo) ou, em alguns casos, reduzidas até
mesmo à "questão racial", as diferenças culturais não concernem apenas aos particularismos de
origem ou de tradição (religiosas ou lingüísticas).
As reivindicações se enraízam cada vez mais sobre no particularismo
dos mores (preferências sexuais, por exemplo), de idade, de traços ou de deficiências físicas
(obesos, cegos, paraplégicos). O multiculturalismo combate o que ele considera como uma forma
de etnocentrismo, ou seja, combate a visão de mundo da sociedade branca dominante que se
toma – desde que a idéia de raça nasceu no processo de expansão européia – por mais
importante do que as demais. A política multiculturalista visa, com efeito, resistir à homogeneidade
cultural, sobretudo quando esta homogeneidade afirma-se como única e legítima, reduzindo
outras culturas a particularismos e dependência.
Um detalhe importante nesta discussão é que, em nossos dias, um cidadão raramente
"esquece" sua condição particular para encarnar um pretenso universalismo. O universalismo
combina dificilmente com as condições da modernidade. Com a liberação dos mores e a
emancipação sexual, a vida privada foi maciçamente reconstruída revestindo-se de grande
potencial político. Nesta perspectiva, identidade e individualidade quase se sobrepõem. Isto pode
parecer paradoxal, mas a reivindicação cultural está claramente associada ao individualismo
moderno, ao primado do "sujeito individual". Ela emana da subjetividade pessoal daqueles que se
reconhecem neste ou naquele particularismo e resolvem se engajar coletivamente em
reivindicações identitárias.
O debate de idéias entre monoculturalismo e multiculturalismo funciona, de certa
forma, em duas vertentes de pensamento. Ele se organizou, primeiramente, em torno de uma
querela de filosofia política norte-americana: os liberais, ou individualistas, sustentavam que o
indivíduo é mais importante e antecede à comunidade. Liberais recusam a idéia de que direitos
minoritários possam ferir a preeminência legítima do indivíduo. O comunitarismo ou coletivismo,
ao contrário, acredita que os indivíduos são o produto das práticas sociais e que é preciso
proteger os valores comunitários ameaçados por valores individuais e, principalmente, reconhecer
as diferenças culturais.
Tal debate, contudo, já é coisa do passado. Pensadores como Charles Taylor e
Michael Walzer avançaram posições mais nuançadas. Inúmeros teóricos acreditam que os direitos
minoritários podem promover as condições culturais de liberdade potencial dos membros de
grupos minoritários. Na Europa, este "multiculturalismo liberal" parece ter se imposto por falta de
alguma idéia melhor. Abandonou-se, então, o modelo que prevalecia desde a Revolução
Francesa e que propugnava o cidadão unificado.
Vejamos, num exemplo, como procede esta vertente: a sopa passada no liquidificador
transforma tudo num todo homogêneo, no qual não se distinguem mais os elementos que a
compõem. Apenas um paladar avisado poderá adivinhar, no sabor, cada um dos ingredientes. Na
salada composta, por outro lado, cada ingrediente se distingue dos outros, conservando sua
aparência, seu gosto e sua textura. Nos EUA, o mito do "melting-pot", ou seja, da encruzilhada na
qual todas as culturas se fundem ao adotar o "american way of life" – jeito americano de viver –,
sucedeu o modelo do mosaico, ou da "salada", imagem possível do multiculturalismo: uma
justaposição um pouco heterogênea de grupos étnicos e minorias culturais coabitando num
mundo de concordância.
Industria cultural e cultura de massa.
A partir do século XVIII, a sociedade não seria a mesma. Não estamos nos referindo
somente aos ideais de liberdade e igualdade de direitos que sacudiram bandeiras e multidões e
incomodaram governantes da Europa e também da América. É claro que a Declaração dos
direitos do homem e do cidadão inspirou uma profunda mudança nas formas de gestão política e
econômica. No entanto, houve uma alteração mais intensa que começou, misturou e se espalhou
com a fumaça das chaminés das fábricas.
A marcha da indústria foi acompanhada por uma intensa urbanização e a população
camponesa foi atraída para as cidades. A máquina e o relógio funcionavam num ritmo alucinado
que condicionava os trabalhadores dentro do sistema capitalista a trabalharem sem parar.
O lucro era o principal objetivo da burguesia e do sistema capitalista. A tecnologia,
além de agilizar o processo de produção industrial, trazia conforto e entretenimento e inseria
novos hábitos ao público em geral. A norma agora era estimular cada vez mais o consumo,
ampliando sempre o mercado.
A produção cultural, em seus estudos, é vista como formadora de mercadorias.
Produtos culturais como filmes, programas de rádio e revistas seriam comparados em seus
processos de produção ao ritmo de produção no planejamento e concepção de um automóvel em
série. A indústria cultural forneceria bens padronizados simplesmente para satisfazer a diversos
níveis de demanda por cultura e entretenimento.
O poder da indústria cultural
THRILLER É ELEITO O MELHOR VIDEOCLIP DA HISTÓRIA DA INDÚSTRIA
CULTURAL.
Thriller, o videoclipe do cantor norte-americano Michael Jackson, foi eleito o melhor da
história, segundo uma pesquisa publicada Nos Estados Unidos. De acordo com a pesquisa, feita
pelo canal musical VH1 a cerca de 50 mil telespectadores, Thriller (1983) é o melhor clipe de
todos os tempos, seguido por Stan, do norte-americano Eminem. A lista continua com Like a
Prayer, de Madonna, em terceiro lugar, seguido por Rock DJ do britânico Robbie Williams e por
Sledgehammer de Peter Gabriel.
A modernização da imprensa, aumentou o número de livros, jornais e cartazes
publicados. Mais tarde, o rádio, o cinema e a televisão tornaram-se novas opções de lazer.
Não podemos ser ingênuos a ponto de ignorar que esses veículos de comunicação,
além de transmitirem diversão e informação, afirmavam e consolidavam ideologias e criavam
necessidades e hábitos de consumo.
A produção industrial era realizada em grande escala para o consumo de todos, ou
seja, para o consumo das massas. Tudo se transformava em mercadoria, inclusive os hábitos, as
ideias e a cultura. E é por essa razão que empregaremos o termo indústria cultural. Esta indústria
incentiva o consumo de uma cultura padronizada na forma de ideias, gostos, hábitos, formas de
vestir e tudo o que faz parte da cultura.
Os jornais, as revistas, o rádio, a televisão, o cinema e hoje a internet servem como
veículo de propagação da indústria cultural e esta faz cada vez mais uso dos anúncios
publicitários para criar o desejo de consumo. Desta forma, criou-se a cultura de massa, que é
consumida no mundo todo.
Identidade
A identidade cultural é um conjunto vivo de relações sociais e patrimônios simbólicos
historicamente compartilhados que estabelece a comunhão de determinados valores entre os
membros de uma sociedade. Sendo um conceito de trânsito intenso e tamanha complexidade,
podemos compreender a constituição de uma identidade em manifestações que podem envolver
um amplo número de situações que vão desde a fala até a participação em certos eventos.
Durante muito tempo, a ideia de uma identidade cultural não foi devidamente
problematizada no campo das ciências humanas. Com o desenvolvimento das sociedades
modernas, muitos teóricos tiveram grande preocupação em apontar o enorme “perigo” que o
avanço das transformações tecnológicas, econômicas e políticas poderiam oferecer a
determinados grupos sociais. Nesse âmbito, principalmente os folcloristas defendiam a
preservação de certas práticas e tradições.
Por outro lado, algumas recentes teorias culturais desenvolvidas no campo das
ciências humanas desempenharam o papel inovador de questionar o próprio conceito de
identidade cultural. De acordo com essa nova corrente, muito em voga com o desenvolvimento da
globalização, a identidade cultural não pode ser vista como sendo um conjunto de valores fixos e
imutáveis que definem o indivíduo e a coletividade da qual ele faz parte.
Um dos mais conhecidos exemplos dessa nova tendência que pensa a questão das
identidades pode ser encontrada na obra do pesquisador Nestor Garcia Canclini. Em vários de
seus escritos, este pensador tem a recorrente preocupação de analisar diversas situações nas
quais mostra que a cultura e as identidades não podem ser pensadas como um patrimônio a ser
preservado. Longe disso, ele assinala que o intercâmbio e a modificação são caminhos que
orientam a formulação e a construção das identidades.
Com esses referenciais, antigos problemas que organizavam os estudos culturais
perdem a sua força para uma visão de natureza mais ampla e flexível. A antiga dicotomia que
propunha a cisão entre “cultura popular” e “cultura erudita”, por exemplo, deixa de legitimar a
ordenação das identidades por meio de pressupostos que atestavam a presença de esferas
culturais intocáveis em uma mesma sociedade. Além disso, outras investigações cumpriram o
papel de questionar profundamente o clássico conceito de aculturação.
Partindo dessas novas noções de identidade, antigos temas relacionados à cultura
que aparentavam completo esgotamento ganharam um novo fôlego interpretativo. As identidades
passaram a ser trabalhadas com definições menos rígidas. Diversos estudos vão contra a ideia de
que uma população deve abraçar a sua cultura e garantir todas as formas possíveis de cristalizá-
la. Dessa forma, presenciamos a abertura de novas possibilidades de entender o comportamento
do homem com seu mundo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismoDiversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismo
Wander Junior
 
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos HumanosConcepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Karla Amaral
 
Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12
Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12
Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12
Carlos Benjoino Bidu
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)
roberto mosca junior
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
Carlos Henrique Tavares
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
UNIP. Universidade Paulista
 
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
Vladimir de Siqueira
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
licasoler
 
Conceitocultura
ConceitoculturaConceitocultura
Conceitocultura
Pedroalexandreodonto
 
Palestra Multiculturalismo Madalena
Palestra Multiculturalismo   MadalenaPalestra Multiculturalismo   Madalena
Palestra Multiculturalismo Madalena
Wladimir Crippa
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
Andreia Regina Moura Mendes
 
Sociedade e cultura
Sociedade e culturaSociedade e cultura
Sociedade e cultura
Luneya Costa
 
A Diversidade Humana
A Diversidade HumanaA Diversidade Humana
A Diversidade Humana
Diogo Mateus
 
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Aula 3   cultura e etnocentrismoAula 3   cultura e etnocentrismo
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Ludmila Moura
 
Cultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcial
Cultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcialCultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcial
Cultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcial
EEEP MCVM - Secretariado 3'
 
Aula 1 do 1 b do 3ano
Aula 1 do 1 b do 3anoAula 1 do 1 b do 3ano
Aula 1 do 1 b do 3ano
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Introdução aos Conceitos de cultura
Introdução aos Conceitos de culturaIntrodução aos Conceitos de cultura
Introdução aos Conceitos de cultura
Fabio Salvari
 
A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall
A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart HallA identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall
A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall
Simone Braghin
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Socorro Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Diversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismoDiversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismo
 
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos HumanosConcepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
 
Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12
Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12
Atividades de Sociologia: módulos 10, 11 e 12
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
 
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
 
Conceitocultura
ConceitoculturaConceitocultura
Conceitocultura
 
Palestra Multiculturalismo Madalena
Palestra Multiculturalismo   MadalenaPalestra Multiculturalismo   Madalena
Palestra Multiculturalismo Madalena
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
 
Sociedade e cultura
Sociedade e culturaSociedade e cultura
Sociedade e cultura
 
A Diversidade Humana
A Diversidade HumanaA Diversidade Humana
A Diversidade Humana
 
Aula 3 cultura e etnocentrismo
Aula 3   cultura e etnocentrismoAula 3   cultura e etnocentrismo
Aula 3 cultura e etnocentrismo
 
Cultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcial
Cultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcialCultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcial
Cultura sociologia. 3 ano 1 semestre parcial
 
Aula 1 do 1 b do 3ano
Aula 1 do 1 b do 3anoAula 1 do 1 b do 3ano
Aula 1 do 1 b do 3ano
 
Introdução aos Conceitos de cultura
Introdução aos Conceitos de culturaIntrodução aos Conceitos de cultura
Introdução aos Conceitos de cultura
 
A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall
A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart HallA identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall
A identidade cultural na pós-modernidade - Stuart Hall
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
 

Destaque

Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015
Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015
Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015
Cursinho Universitaria
 
Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011
Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011
Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011
Professor Vinícius
 
79
7979
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
Lucas Origuela
 
Geografia diagnóstica1
Geografia diagnóstica1Geografia diagnóstica1
Geografia diagnóstica1
Atividades Diversas Cláudia
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
Lucas Origuela
 
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
Atividades Diversas Cláudia
 
Cruzadinha simone
Cruzadinha simoneCruzadinha simone
Cruzadinha simone
Vera Mln Silva
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
Jonathas Morato da Costa
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Carmem Rocha
 
Palavras Cruzadas classes de palavras respostas
Palavras Cruzadas classes de palavras respostasPalavras Cruzadas classes de palavras respostas
Palavras Cruzadas classes de palavras respostas
Dilmara Faria
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)
Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)
Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Apostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° anoApostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° ano
Alexandre Quadrado
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (18)

Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015
Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015
Prova de conhecimentos gerais - SEU - 2015
 
Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011
Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011
Caça palavras 4º ano em 18 de novembro de 2011
 
79
7979
79
 
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
 
Geografia diagnóstica1
Geografia diagnóstica1Geografia diagnóstica1
Geografia diagnóstica1
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
 
Cruzadinha simone
Cruzadinha simoneCruzadinha simone
Cruzadinha simone
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
Palavras Cruzadas classes de palavras respostas
Palavras Cruzadas classes de palavras respostasPalavras Cruzadas classes de palavras respostas
Palavras Cruzadas classes de palavras respostas
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)
Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)
Interpretação texto arnaldojabor democracia, cidadania, direitos (1)
 
Apostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° anoApostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° ano
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Sociologia unidade V

CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
RubensMartins36
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
Marcos Barros de Miranda
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &
Marcello Lemanski
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
Maira Conde
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
Prof. Noe Assunção
 
Adriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador cultural
Adriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador culturalAdriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador cultural
Adriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador cultural
Adriana Pinto Sousa
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jornal Ovale
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
aulasgege
 
Antropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoAntropologia da Comunicação
Antropologia da Comunicação
Daniel Buchmann
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
mundica broda
 
Globalização
Globalização Globalização
Globalização
mluisavalente
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaAntropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
NathanDosSantos7
 
Sociologia civ i
Sociologia civ   iSociologia civ   i
Sociologia civ i
DiedNuenf
 
Trabalho filosofia 13t 01
Trabalho filosofia 13t 01Trabalho filosofia 13t 01
Trabalho filosofia 13t 01
Alexandre Misturini
 
Matrizes culturais I
Matrizes culturais IMatrizes culturais I
Matrizes culturais I
felipedacarpereira
 
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e SociedadetxSociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
marioaraujorosas1
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
Antrop. contêmp
Antrop. contêmpAntrop. contêmp
Antrop. contêmp
roberto mosca junior
 

Semelhante a Sociologia unidade V (20)

CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.pptCONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
CONCEITO_ANTROPOLOGICO_DE_CULTURA.ppt
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
 
Adriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador cultural
Adriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador culturalAdriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador cultural
Adriana Pinto Sousa - O tradutor como mediador cultural
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Antropologia da Comunicação
Antropologia da ComunicaçãoAntropologia da Comunicação
Antropologia da Comunicação
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
 
Globalização
Globalização Globalização
Globalização
 
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidadeAula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
Aula 19 - Identidade Cultural - padronização e diversidade
 
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de culturaAntropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
Antropologia e o desenvolvimento antropológico do conceito de cultura
 
Sociologia civ i
Sociologia civ   iSociologia civ   i
Sociologia civ i
 
Trabalho filosofia 13t 01
Trabalho filosofia 13t 01Trabalho filosofia 13t 01
Trabalho filosofia 13t 01
 
Matrizes culturais I
Matrizes culturais IMatrizes culturais I
Matrizes culturais I
 
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e SociedadetxSociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
Sociologia, Cultura e Sociedade.ppSociologia, Cultura e Sociedadetx
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Antrop. contêmp
Antrop. contêmpAntrop. contêmp
Antrop. contêmp
 

Mais de joao paulo

Aulão de Vespera Colegio Ambiental
Aulão  de Vespera Colegio AmbientalAulão  de Vespera Colegio Ambiental
Aulão de Vespera Colegio Ambiental
joao paulo
 
Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016
joao paulo
 
Brexit
BrexitBrexit
Brexit
joao paulo
 
Atividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça Palavaras
Atividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça PalavarasAtividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça Palavaras
Atividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça Palavaras
joao paulo
 
Placas tectônicas- 6 ano- Ambiental
Placas tectônicas- 6 ano- AmbientalPlacas tectônicas- 6 ano- Ambiental
Placas tectônicas- 6 ano- Ambiental
joao paulo
 
Enem 2016- Lista de exercícios comentados- áfrica
Enem 2016-  Lista de exercícios comentados- áfricaEnem 2016-  Lista de exercícios comentados- áfrica
Enem 2016- Lista de exercícios comentados- áfrica
joao paulo
 
Europa. Exercícios comentados
Europa. Exercícios comentadosEuropa. Exercícios comentados
Europa. Exercícios comentados
joao paulo
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
joao paulo
 
Lista de exercícios Globalização I- Gabarito comentado
Lista de exercícios  Globalização I- Gabarito comentadoLista de exercícios  Globalização I- Gabarito comentado
Lista de exercícios Globalização I- Gabarito comentado
joao paulo
 
Exercicios- Oriente Médio Rússia
Exercicios- Oriente Médio RússiaExercicios- Oriente Médio Rússia
Exercicios- Oriente Médio Rússia
joao paulo
 
Teorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento PopulacionalTeorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento Populacional
joao paulo
 
Teorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento PopulacionalTeorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento Populacional
joao paulo
 
Correção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2anoCorreção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2ano
joao paulo
 
Correção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2anoCorreção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2ano
joao paulo
 
Aula-semana 06/03. Artesanato- Manufatura- Indústria. Socialismo
Aula-semana 06/03.Artesanato- Manufatura- Indústria.SocialismoAula-semana 06/03.Artesanato- Manufatura- Indústria.Socialismo
Aula-semana 06/03. Artesanato- Manufatura- Indústria. Socialismo
joao paulo
 
Resumão Para a AI 1-2ano
Resumão Para a AI 1-2anoResumão Para a AI 1-2ano
Resumão Para a AI 1-2ano
joao paulo
 
Revisão para a ai 1- Primeiros anos
Revisão para a ai 1- Primeiros anosRevisão para a ai 1- Primeiros anos
Revisão para a ai 1- Primeiros anos
joao paulo
 
Ciência Geográfica e Cartografia
Ciência Geográfica e CartografiaCiência Geográfica e Cartografia
Ciência Geográfica e Cartografia
joao paulo
 
O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.
O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.
O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.
joao paulo
 
O que é geografia? Definições e conceitos.
O que é geografia? Definições e conceitos.O que é geografia? Definições e conceitos.
O que é geografia? Definições e conceitos.
joao paulo
 

Mais de joao paulo (20)

Aulão de Vespera Colegio Ambiental
Aulão  de Vespera Colegio AmbientalAulão  de Vespera Colegio Ambiental
Aulão de Vespera Colegio Ambiental
 
Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016Revisão Comentada Enem 2016
Revisão Comentada Enem 2016
 
Brexit
BrexitBrexit
Brexit
 
Atividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça Palavaras
Atividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça PalavarasAtividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça Palavaras
Atividade de Geografia sobre Região Nordeste- Caça Palavaras
 
Placas tectônicas- 6 ano- Ambiental
Placas tectônicas- 6 ano- AmbientalPlacas tectônicas- 6 ano- Ambiental
Placas tectônicas- 6 ano- Ambiental
 
Enem 2016- Lista de exercícios comentados- áfrica
Enem 2016-  Lista de exercícios comentados- áfricaEnem 2016-  Lista de exercícios comentados- áfrica
Enem 2016- Lista de exercícios comentados- áfrica
 
Europa. Exercícios comentados
Europa. Exercícios comentadosEuropa. Exercícios comentados
Europa. Exercícios comentados
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Lista de exercícios Globalização I- Gabarito comentado
Lista de exercícios  Globalização I- Gabarito comentadoLista de exercícios  Globalização I- Gabarito comentado
Lista de exercícios Globalização I- Gabarito comentado
 
Exercicios- Oriente Médio Rússia
Exercicios- Oriente Médio RússiaExercicios- Oriente Médio Rússia
Exercicios- Oriente Médio Rússia
 
Teorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento PopulacionalTeorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento Populacional
 
Teorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento PopulacionalTeorias sobre o Crescimento Populacional
Teorias sobre o Crescimento Populacional
 
Correção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2anoCorreção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2ano
 
Correção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2anoCorreção da AI 1-2ano
Correção da AI 1-2ano
 
Aula-semana 06/03. Artesanato- Manufatura- Indústria. Socialismo
Aula-semana 06/03.Artesanato- Manufatura- Indústria.SocialismoAula-semana 06/03.Artesanato- Manufatura- Indústria.Socialismo
Aula-semana 06/03. Artesanato- Manufatura- Indústria. Socialismo
 
Resumão Para a AI 1-2ano
Resumão Para a AI 1-2anoResumão Para a AI 1-2ano
Resumão Para a AI 1-2ano
 
Revisão para a ai 1- Primeiros anos
Revisão para a ai 1- Primeiros anosRevisão para a ai 1- Primeiros anos
Revisão para a ai 1- Primeiros anos
 
Ciência Geográfica e Cartografia
Ciência Geográfica e CartografiaCiência Geográfica e Cartografia
Ciência Geográfica e Cartografia
 
O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.
O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.
O que é Geografia? Definições e Conceitos básicos.
 
O que é geografia? Definições e conceitos.
O que é geografia? Definições e conceitos.O que é geografia? Definições e conceitos.
O que é geografia? Definições e conceitos.
 

Sociologia unidade V

  • 1. Sociologia Unidade V. Prof. João Paulo C5: Cultura: formação do homem A palavra cultura tem diversos sentidos, e dois deles se destacam: um popular, para traduzir o atributo de toda pessoa possuidora de conhecimentos, com formação intelectual desenvolvida; outro antropológico ou sociológico, em que a cultura é referida como comportamento social do grupo. É nesse sentido que aqui se prega a palavra. Numerosos são os conceitos sobre cultura. O mais antigo é possivelmente o Tylor (1871): complexo total de conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes e quaisquer outros aptidões e a hábitos, adquiridos pelo homem como membro da sociedade. Herskovits a definem com a parte do ambiente feita pelo homem; Linton, como a herança cultural, e Lowie como o total da tradução social. Mais recentemente Ashley Montagu a definiu como o modo particular por que as pessoas se adaptam ao seu ambiente; é a resposta dos homens às suas necessidades básicas. Em resumo, diz Montagu, é um modo de vida de um povo, o ambiente que um grupo de seres humanos, ocupando um território comum, criou em forma de idéias, instituições, linguagem, instrumentos, serviços e sentimentos. A cultura é sempre um complexo. Criação do homem é recebida como herança dentro do grupo em que cada pessoa nasce e adquirida ao contato com outros grupo. Só o homem é portador de cultura, e por isso só ele a cria, a possui e a transmite. É uma herança que o homem recebe ao nascer. Desde o momento em que é posto no mundo, a criança começa a receber uma serie de influências do grupo em que nasceu: as maneiras de alimentar-se; o vestuário; a cama ou a rede para dormir, a língua falada, a identificação de um pai e de uma mãe, e assim por diante. À proporção que vai crescendo, novas influências desse mesmo grupo, vai recebendo, de modo a integrá-la completamente na sua sociedade, da qual participa como uma personalidade através da posição ou papel que nela exerce. Se individualmente o homem age como reflexo de sua sociedade, faz aquilo que é normal e constante nessa sociedade, quanto mais nela se integra, mais adquire novos hábitos, capazes de fazer com que se considere um membro dessa sociedade, agindo e atuando dentro dos padrões estabelecidos. Esses padrões são justamente a cultura da sociedade em que vive. Padrão cultural é um expressão que se refere, em antropologia, à soma total das atividades-atos, idéias, objetos de um grupo; ao ajustamento de diversos traços e complexos de uma sociedade. Através do padrão cultural se evidencia a originalidade das culturas, ou, em particular, de cada cultura; identifica-se o que há de específico ou de peculiar numa cultura. É em torno dele que se formam as diferentes atividades de cada grupo humano, as quais, entre si, constituem uma unidade funcional. Surgem então no quadro do padrão cultural, os complexos e os traços. Os complexos de cultura são aqueles conjuntos de traços culturais, intimamente ligados entre si, que formam unidade de função. Em termos mais rigorosamente técnicos, o complexo cultural pode ser definido como o conjunto variável de fenômenos interdependentes que concorrem para formar o perfil cultural próprio de uma área antropológica mais ou menos definida. O traço cultural, de seu lado, são os atos, e objetos individuais ou específicos que constituem a manifestação expressa de uma cultura. É unidade desta. Um grupo de traços culturais formam o complexo. Pode-se, assim, no quadro cultural brasileiro, caracterizar o futebol como um complexo de diferentes traços: a bola, o número de jogadores, o campo com dimensão prefixada, a existência de metas. De seu lado, cada complexo, se relaciona com outros, e dessa inter-relação surge o padrão cultural de uma sociedade ou de um grupo. Entretanto, a maioria dos autores considera o traço como a unidade menor, e, por isso mesmo, aquele que, dentro de uma cultura, mais facilmente se difunde a outra cultura. Nessa difusão o traço pode conservar a sua forma e mudar seu uso. A forma é o aspecto passivo, observando e transmitido, do traço cultural; o uso é o aspecto dinâmico, as relações com as coisas externas da cultura. O padrão cultural é, em suma, aquele conjunto de valores que caracteriza uma cultura em relação com outras culturas. Os novos elementos introduzidos tratarão sempre de acomodar-se aos modelos originais; isso se verifica tanto em povos desenvolvidos ou chamados civilizados, consciente de suas características nacionais, como em povo selvagens ou chamados primitivos. Esse conjunto de valores é o que
  • 2. pode ser chamado de espírito da cultura. Por essa razão, modernas correntes antropológicas substituem o conceito de padrão cultural pelo de personalidade. Multiculturalismo ou de como viver junto Nas democracias pluralistas, assistimos a um movimento generalizado de incremento das identidades particulares. Minorias, populações autóctones, grupos de migrantes e imigrantes manifestam seu desejo de reconhecimento cultural. "Viver junto" é uma questão cada vez mais premente. O termo "multiculturalismo" designa tanto um fato (sociedades são compostas de grupos culturalmente distintos) quanto uma política (colocada em funcionamento em níveis diferentes) visando à coexistência pacífica entre grupos étnica e culturalmente diferentes. Em todas as épocas, sociedades pluriculturais coexistiram e, hoje, menos de 10% dos países do planeta podem ser considerados como culturalmente homogêneos. Por outro lado, o tratamento político da diversidade cultural é um fenômeno relativamente recente. Há menos de trinta anos, as primeiras medidas políticas de inspiração multiculturalista foram colocadas em ação na América do Norte (Canadá e EUA). Lá, a indiferença frente à cor da pele foi substituída pelo princípio de consciência da cor. O debate sobre multiculturalismo foi crescendo de intensidade e, a partir dos anos 90, difundiu-se na Europa e América do Sul. A doutrina multiculturalista avança essencialmente a idéia de que as culturas minoritárias são discriminadas e devem merecer reconhecimento público. Para se realizarem ou consolidarem, singularidades culturais devem ser amparadas e protegidas pela lei. É o Direito que vai permitir colocar em movimento as condições de uma sociedade multicultural. Entre universalismo e multiculturalismo Mas, de que diferenças culturais nós falamos? Muitas vezes reduzidas à questão da etnicidade (condição ou consciência de pertencer a um grupo) ou, em alguns casos, reduzidas até mesmo à "questão racial", as diferenças culturais não concernem apenas aos particularismos de origem ou de tradição (religiosas ou lingüísticas). As reivindicações se enraízam cada vez mais sobre no particularismo dos mores (preferências sexuais, por exemplo), de idade, de traços ou de deficiências físicas (obesos, cegos, paraplégicos). O multiculturalismo combate o que ele considera como uma forma de etnocentrismo, ou seja, combate a visão de mundo da sociedade branca dominante que se toma – desde que a idéia de raça nasceu no processo de expansão européia – por mais importante do que as demais. A política multiculturalista visa, com efeito, resistir à homogeneidade cultural, sobretudo quando esta homogeneidade afirma-se como única e legítima, reduzindo outras culturas a particularismos e dependência. Um detalhe importante nesta discussão é que, em nossos dias, um cidadão raramente "esquece" sua condição particular para encarnar um pretenso universalismo. O universalismo combina dificilmente com as condições da modernidade. Com a liberação dos mores e a emancipação sexual, a vida privada foi maciçamente reconstruída revestindo-se de grande potencial político. Nesta perspectiva, identidade e individualidade quase se sobrepõem. Isto pode parecer paradoxal, mas a reivindicação cultural está claramente associada ao individualismo moderno, ao primado do "sujeito individual". Ela emana da subjetividade pessoal daqueles que se reconhecem neste ou naquele particularismo e resolvem se engajar coletivamente em reivindicações identitárias. O debate de idéias entre monoculturalismo e multiculturalismo funciona, de certa forma, em duas vertentes de pensamento. Ele se organizou, primeiramente, em torno de uma querela de filosofia política norte-americana: os liberais, ou individualistas, sustentavam que o indivíduo é mais importante e antecede à comunidade. Liberais recusam a idéia de que direitos minoritários possam ferir a preeminência legítima do indivíduo. O comunitarismo ou coletivismo, ao contrário, acredita que os indivíduos são o produto das práticas sociais e que é preciso proteger os valores comunitários ameaçados por valores individuais e, principalmente, reconhecer as diferenças culturais. Tal debate, contudo, já é coisa do passado. Pensadores como Charles Taylor e Michael Walzer avançaram posições mais nuançadas. Inúmeros teóricos acreditam que os direitos minoritários podem promover as condições culturais de liberdade potencial dos membros de grupos minoritários. Na Europa, este "multiculturalismo liberal" parece ter se imposto por falta de
  • 3. alguma idéia melhor. Abandonou-se, então, o modelo que prevalecia desde a Revolução Francesa e que propugnava o cidadão unificado. Vejamos, num exemplo, como procede esta vertente: a sopa passada no liquidificador transforma tudo num todo homogêneo, no qual não se distinguem mais os elementos que a compõem. Apenas um paladar avisado poderá adivinhar, no sabor, cada um dos ingredientes. Na salada composta, por outro lado, cada ingrediente se distingue dos outros, conservando sua aparência, seu gosto e sua textura. Nos EUA, o mito do "melting-pot", ou seja, da encruzilhada na qual todas as culturas se fundem ao adotar o "american way of life" – jeito americano de viver –, sucedeu o modelo do mosaico, ou da "salada", imagem possível do multiculturalismo: uma justaposição um pouco heterogênea de grupos étnicos e minorias culturais coabitando num mundo de concordância. Industria cultural e cultura de massa. A partir do século XVIII, a sociedade não seria a mesma. Não estamos nos referindo somente aos ideais de liberdade e igualdade de direitos que sacudiram bandeiras e multidões e incomodaram governantes da Europa e também da América. É claro que a Declaração dos direitos do homem e do cidadão inspirou uma profunda mudança nas formas de gestão política e econômica. No entanto, houve uma alteração mais intensa que começou, misturou e se espalhou com a fumaça das chaminés das fábricas. A marcha da indústria foi acompanhada por uma intensa urbanização e a população camponesa foi atraída para as cidades. A máquina e o relógio funcionavam num ritmo alucinado que condicionava os trabalhadores dentro do sistema capitalista a trabalharem sem parar. O lucro era o principal objetivo da burguesia e do sistema capitalista. A tecnologia, além de agilizar o processo de produção industrial, trazia conforto e entretenimento e inseria novos hábitos ao público em geral. A norma agora era estimular cada vez mais o consumo, ampliando sempre o mercado. A produção cultural, em seus estudos, é vista como formadora de mercadorias. Produtos culturais como filmes, programas de rádio e revistas seriam comparados em seus processos de produção ao ritmo de produção no planejamento e concepção de um automóvel em série. A indústria cultural forneceria bens padronizados simplesmente para satisfazer a diversos níveis de demanda por cultura e entretenimento. O poder da indústria cultural THRILLER É ELEITO O MELHOR VIDEOCLIP DA HISTÓRIA DA INDÚSTRIA CULTURAL. Thriller, o videoclipe do cantor norte-americano Michael Jackson, foi eleito o melhor da história, segundo uma pesquisa publicada Nos Estados Unidos. De acordo com a pesquisa, feita pelo canal musical VH1 a cerca de 50 mil telespectadores, Thriller (1983) é o melhor clipe de todos os tempos, seguido por Stan, do norte-americano Eminem. A lista continua com Like a Prayer, de Madonna, em terceiro lugar, seguido por Rock DJ do britânico Robbie Williams e por Sledgehammer de Peter Gabriel. A modernização da imprensa, aumentou o número de livros, jornais e cartazes publicados. Mais tarde, o rádio, o cinema e a televisão tornaram-se novas opções de lazer. Não podemos ser ingênuos a ponto de ignorar que esses veículos de comunicação, além de transmitirem diversão e informação, afirmavam e consolidavam ideologias e criavam necessidades e hábitos de consumo. A produção industrial era realizada em grande escala para o consumo de todos, ou seja, para o consumo das massas. Tudo se transformava em mercadoria, inclusive os hábitos, as ideias e a cultura. E é por essa razão que empregaremos o termo indústria cultural. Esta indústria incentiva o consumo de uma cultura padronizada na forma de ideias, gostos, hábitos, formas de vestir e tudo o que faz parte da cultura. Os jornais, as revistas, o rádio, a televisão, o cinema e hoje a internet servem como veículo de propagação da indústria cultural e esta faz cada vez mais uso dos anúncios publicitários para criar o desejo de consumo. Desta forma, criou-se a cultura de massa, que é consumida no mundo todo.
  • 4. Identidade A identidade cultural é um conjunto vivo de relações sociais e patrimônios simbólicos historicamente compartilhados que estabelece a comunhão de determinados valores entre os membros de uma sociedade. Sendo um conceito de trânsito intenso e tamanha complexidade, podemos compreender a constituição de uma identidade em manifestações que podem envolver um amplo número de situações que vão desde a fala até a participação em certos eventos. Durante muito tempo, a ideia de uma identidade cultural não foi devidamente problematizada no campo das ciências humanas. Com o desenvolvimento das sociedades modernas, muitos teóricos tiveram grande preocupação em apontar o enorme “perigo” que o avanço das transformações tecnológicas, econômicas e políticas poderiam oferecer a determinados grupos sociais. Nesse âmbito, principalmente os folcloristas defendiam a preservação de certas práticas e tradições. Por outro lado, algumas recentes teorias culturais desenvolvidas no campo das ciências humanas desempenharam o papel inovador de questionar o próprio conceito de identidade cultural. De acordo com essa nova corrente, muito em voga com o desenvolvimento da globalização, a identidade cultural não pode ser vista como sendo um conjunto de valores fixos e imutáveis que definem o indivíduo e a coletividade da qual ele faz parte. Um dos mais conhecidos exemplos dessa nova tendência que pensa a questão das identidades pode ser encontrada na obra do pesquisador Nestor Garcia Canclini. Em vários de seus escritos, este pensador tem a recorrente preocupação de analisar diversas situações nas quais mostra que a cultura e as identidades não podem ser pensadas como um patrimônio a ser preservado. Longe disso, ele assinala que o intercâmbio e a modificação são caminhos que orientam a formulação e a construção das identidades. Com esses referenciais, antigos problemas que organizavam os estudos culturais perdem a sua força para uma visão de natureza mais ampla e flexível. A antiga dicotomia que propunha a cisão entre “cultura popular” e “cultura erudita”, por exemplo, deixa de legitimar a ordenação das identidades por meio de pressupostos que atestavam a presença de esferas culturais intocáveis em uma mesma sociedade. Além disso, outras investigações cumpriram o papel de questionar profundamente o clássico conceito de aculturação. Partindo dessas novas noções de identidade, antigos temas relacionados à cultura que aparentavam completo esgotamento ganharam um novo fôlego interpretativo. As identidades passaram a ser trabalhadas com definições menos rígidas. Diversos estudos vão contra a ideia de que uma população deve abraçar a sua cultura e garantir todas as formas possíveis de cristalizá- la. Dessa forma, presenciamos a abertura de novas possibilidades de entender o comportamento do homem com seu mundo.