SlideShare uma empresa Scribd logo
3º Semestre - Hotelaria e Eventos

Equipe: Isa Cristina Souza
        Jéssica Cristina Fonseca
        Luciana Lima
        Maria Conceição Rosário
        Renata Vieira
        Rosilda Alves
Socialização/Integração
              de
     Novos Funcionários

• O que é?

• Como fazer?

• Qual é a sua importância?
Definição

     É a maneira como a organização
recebe novos funcionários e os integra à
sua cultura, ao seu contexto e ao seu
sistema, para que eles possam comportar-
se de maneira adequada às expectativas da
organização, seguindo os preceitos internos.
A cultura organizacional se caracteriza pela
aceitação implícita de seus membros. Os colaboradores
aprendem a cultura organizacional de várias formas, com
histórias, rituais, símbolos materiais e linguagem.

•Histórias – Contos e passagens sobre o fundador da
empresa, lembranças sobre dificuldades ou eventos
especiais, regras de conduta, corte e recolocação de
funcionários, acertos e erros anteriores geralmente
ancoram o presente no passado e explicam a legitimação
das práticas atuais.

•Rituais e cerimônias – As cerimônias de fim de ano e as
comemorações do aniversário da organização são rituais
que reúnem e aproximam a totalidade dos funcionários,
para motivar e reforçar aspectos da cultura da
organização, bem como reduzir os conflitos.
•Símbolos materiais – A arquitetura do edifício, as salas
e mesas, o tamanho e arranjo físico dos escritórios
constituem símbolos materiais que definem o grau de
igualdade ou diferenciação entre as pessoas e o tipo de
comportamento desejado pela organização.

•Linguagem – As organizações desenvolvem termos
singulares para descrever equipamentos, escritórios,
pessoas chave, fornecedores, clientes ou produtos.
Também a maneira como as pessoas se vestem, os
documentos utilizados constituem formas de expressar a
cultura organizacional.
O programa de integração pode ter as seguintes
alternativas:

•Formal - Quando o colaborador é segregado e diferenciado
para tornar explícito o seu papel de ingressante.

•Informal - Quando o novo colaborador é colocado
imediatamente em seu cargo, com pouca ou nenhuma
atenção.

•Individual    -   Os novos membros são socializados
individualmente.

•Coletivo - Os novos membros são socializados em grupos e
a socialização é processada por um conjunto idêntico de
experiências, como no serviço militar.

•Uniforme - O programa fixo estabelece estágios
padronizados de transição da etapa do entrante para a etapa
de funcionário.
•Variável – O programa variável não prevê nenhum
programa da empresa quanto aos passos da integração.

•Seriado – A socialização seriada utiliza papéis que treinam
e encorajam o novo funcionário, como nos programas de
aprendizagem e de tutoração.

•Randômico – A socialização randômica não utiliza papéis e
os novos funcionários ficam à vontade para atuar por sua
própria conta.

•Reforço – a socialização por reforço confirma a apoia
certas qualidades e qualificações do novo funcionário como
ingredientes necessários para o sucesso no cargo.

•Eliminação – A socialização por eliminação tenta eliminar
ou neutralizar certas características indesejáveis do recruta
e adaptá-lo ao novo papel a ser desempenhado.
As organizações precisam promover a socialização
de seus novos membros e integrá-los adequadamente
em sua força de trabalho. Em algumas delas, a
socialização é impositiva e contundente, como o trote
dos calouros nas escolas e universidades. Nas
empresas em geral, a socialização visa criar um
ambiente imediato de trabalho favorável e receptivo
durante a fase inicial do emprego.
Os métodos de socialização organizacional mais utilizados são
os seguintes:

•Processo Seletivo - A socialização tem inicio nas entrevistas de
seleção, através das quais o candidato fica conhecendo o seu futuro
ambiente de trabalho, a cultura predominante na organização, os
colegas de trabalho, as atividades desenvolvidas, os desafios e
recompensas em vista, o gerente e o estilo de administração
existente, etc.

•Conteúdo de Cargo – O novo colaborador deve receber tarefas
suficientemente solicitadoras e capazes de proporcionar-lhe sucesso
no início da sua carreira na organização, para depois receber tarefas
gradativamente mais complicadas e crescentemente desafiadoras.
•Supervisor como Tutor – O novo colaborador pode ligar-se a um
tutor capaz de cuidar de sua integração na organização. O
supervisor deve realizar quatro funções básicas junto ao novo
contratado:

- Transmitir ao novo colaborador uma descrição clara da tarefa a ser
realizada.
- Proporcionar todas as informações técnicas sobre como executar
a tarefa.
- Negociar com o novo colaborador as metas e resultados a
alcançar.
- Proporcionar ao novo colaborador a retroação adequada sobre o
seu desempenho.
•Equipe de Trabalho – A equipe de trabalho pode desempenhar
um papel importante na socialização dos novos colaboradores. A
integração do novo membro deve ser atribuída a uma equipe de
trabalho que possa provocar nele um impacto positivo e
duradouro.

•Programa de Integração – É um programa formal e intensivo
de treinamento inicial destinado aos novos membros da
organização, para familiarizá-los com a linguagem usual da
organização, com os usos e costumes internos, a estrutura da
organização, os principais produtos e serviços, a missão da
organização e os objetivos organizacionais.
Importância

     Em muitas empresas os empregados quando
admitidos são apresentados à mesa, aos equipamentos
de trabalho e quando muito aos colegas do lado. São
orientados pela “chefia“ sobre o que têm que fazer, mas
não sobre as responsabilidades e direitos. Acabam
aprendendo sozinhos durante as primeiras semanas,
aprendem muitas vezes de maneira errada, adquirem
vícios que podem comprometer o resultado do trabalho,
têm informações distorcidas sobre a empresa, não
aprendem o caminho da comunicação interna etc.
Seguramente, iniciam com baixa motivação, perdidos.
     Para se ter um empregado motivado, comprometido
com o trabalho e com o resultado da empresa, é
necessário que ele seja bem recebido, acolhido,
informado. Ele deve ser integrado na organização, como
o próprio nome já diz, e não somente colocado nela.
Proporcionar orientação aos novos colaboradores
atende a vários propósitos. O processo de orientação
procura enviar mensagens claras e proporcionar informação
a respeito da cultura da organização, do cargo a ser
ocupado e das expectativas a respeito do trabalho.
O programa de orientação visa alcançar os seguintes
objetivos:

•Reduzir a ansiedade das pessoas - A ansiedade é geralmente
provocada pelo receio de falhar no trabalho. Trata-se de um
sentimento normal decorrente da incerteza a respeito da capacidade
de realizar o seu trabalho.

•Reduzir a rotatividade - A rotatividade é mais elevada durante o
período inicial do trabalho, pelo fato de os novos colaboradores se
sentirem ineficientes, indesejados ou desnecessários.

•Economizar tempo - Quando os novos colaboradores não recebem
orientação, eles gastam mais tempo para conhecer a organização, o
seu trabalho e os colegas. Perdem eficiência.

•Desenvolver expectativas realísticas - Através do programa de
orientação, os novos colaboradores ficam sabendo o que deles se
espera e quais os valores almejados pela organização.
Essas são apenas algumas das muitas
possibilidades que podem ser feitas para um treinamento
mais eficiente, e que integre o profissional tanto na
empresa quanto na sua equipe de trabalho. O verdadeiro
treinamento é constante, a empresa deve sempre estar
investindo em capacitações dos seus colaboradores.
Precisamos entender que o dia a dia é o verdadeiro
laboratório de múltiplas experiências e aprendizados.
Referências

•Gestão de Pessoas: o novo papel dos
recursos – Chiavenato, Idalberto, 2010.

• http://www.ibccoaching.com.br/tudo-sobre-
coaching/rh-e-gestao-de-pessoas/preparando-
um-treinamento-de-integracao-de-novos-
funcionarios

•http://www.rhevistarh.com.br/portal/?p=766

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recrutamento e Seleção
Recrutamento e SeleçãoRecrutamento e Seleção
Recrutamento e Seleção
Caroline Ricci
 
Qualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalhoQualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalho
niedsonsantana
 
Departamento pessoal
Departamento pessoalDepartamento pessoal
Departamento pessoal
Raimundo Nonato
 
DEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOALDEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOAL
IDCE - Escola de Negócios
 
Rh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoRh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecao
admcontabil
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Departamento Pessoal
Departamento PessoalDepartamento Pessoal
Departamento Pessoal
Desiree Melo
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
Nyedson Barbosa
 
Acolhimento e Integração
Acolhimento e IntegraçãoAcolhimento e Integração
Acolhimento e Integração
MiguelCarapinha94
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
Marcela Montalvão Teti
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Luis Paulo Barros
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Oficina Elaboração De Currículo
Oficina Elaboração De CurrículoOficina Elaboração De Currículo
Oficina Elaboração De Currículo
marcelasb
 
Áreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funçõesÁreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funções
Nyedson Barbosa
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Nome Sobrenome
 
COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXI
COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXICOMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXI
COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXI
Daniel de Carvalho Luz
 

Mais procurados (20)

Recrutamento e Seleção
Recrutamento e SeleçãoRecrutamento e Seleção
Recrutamento e Seleção
 
Qualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalhoQualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalho
 
Departamento pessoal
Departamento pessoalDepartamento pessoal
Departamento pessoal
 
DEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOALDEPARTAMENTO PESSOAL
DEPARTAMENTO PESSOAL
 
Rh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoRh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecao
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Departamento Pessoal
Departamento PessoalDepartamento Pessoal
Departamento Pessoal
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
 
Acolhimento e Integração
Acolhimento e IntegraçãoAcolhimento e Integração
Acolhimento e Integração
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Oficina Elaboração De Currículo
Oficina Elaboração De CurrículoOficina Elaboração De Currículo
Oficina Elaboração De Currículo
 
Áreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funçõesÁreas administrativas e suas funções
Áreas administrativas e suas funções
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXI
COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXICOMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXI
COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS PARA O SÉCULO XXI
 

Semelhante a Socialização ou integração de novos funcionarios

Subsistema de aplicação de rh
Subsistema de aplicação de rhSubsistema de aplicação de rh
Subsistema de aplicação de rh
Nadia Santana
 
Atração e Retenção.pdf
Atração e Retenção.pdfAtração e Retenção.pdf
Atração e Retenção.pdf
AntonioCarlosMarques20
 
(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1
(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1
(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1
Ink_conteudos
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Taluana Maron
 
Inic0176 03 o
Inic0176 03 oInic0176 03 o
Inic0176 03 o
Claudinete Salvato
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
Ferrazlf
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
hiagolyon
 
Onboarding_conceitual.pdf
Onboarding_conceitual.pdfOnboarding_conceitual.pdf
Onboarding_conceitual.pdf
Caroline Vanzellotti
 
Aulas 14 e 15 orientação das pessoas
Aulas 14 e 15   orientação das pessoasAulas 14 e 15   orientação das pessoas
Aulas 14 e 15 orientação das pessoas
RD COACH
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Valéria Braga
 
Cultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacionalCultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacional
osvaldocostasoares
 
E-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdf
E-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdfE-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdf
E-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdf
SandraFigueiredo45
 
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
suelen matta
 
Projeto Gestão de Pessoas
Projeto Gestão de PessoasProjeto Gestão de Pessoas
Projeto Gestão de Pessoas
manskinho
 
Portfolio recursos humanos ii
Portfolio   recursos humanos iiPortfolio   recursos humanos ii
Portfolio recursos humanos ii
Andréia Cruz
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Universidade Pedagogica
 
Clima organizacional grupo
Clima organizacional grupoClima organizacional grupo
Clima organizacional grupo
clonercos
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Valéria Braga
 
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento OrganizacionalEvolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Treinamento Organizacional & Coaching Executivo
 
Recruit module 3 _metodologia de trabalho - online
Recruit module 3 _metodologia de trabalho - onlineRecruit module 3 _metodologia de trabalho - online
Recruit module 3 _metodologia de trabalho - online
caniceconsulting
 

Semelhante a Socialização ou integração de novos funcionarios (20)

Subsistema de aplicação de rh
Subsistema de aplicação de rhSubsistema de aplicação de rh
Subsistema de aplicação de rh
 
Atração e Retenção.pdf
Atração e Retenção.pdfAtração e Retenção.pdf
Atração e Retenção.pdf
 
(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1
(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1
(Transformar 16) gestão de equipe contratada 1
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Inic0176 03 o
Inic0176 03 oInic0176 03 o
Inic0176 03 o
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
 
Onboarding_conceitual.pdf
Onboarding_conceitual.pdfOnboarding_conceitual.pdf
Onboarding_conceitual.pdf
 
Aulas 14 e 15 orientação das pessoas
Aulas 14 e 15   orientação das pessoasAulas 14 e 15   orientação das pessoas
Aulas 14 e 15 orientação das pessoas
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Cultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacionalCultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacional
 
E-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdf
E-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdfE-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdf
E-BOOK-Onboarding etapas essenciais e maneiras de inovar.pdf
 
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
Desenvolvimento de colaboradores pelo perfil comportamental
 
Projeto Gestão de Pessoas
Projeto Gestão de PessoasProjeto Gestão de Pessoas
Projeto Gestão de Pessoas
 
Portfolio recursos humanos ii
Portfolio   recursos humanos iiPortfolio   recursos humanos ii
Portfolio recursos humanos ii
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
 
Clima organizacional grupo
Clima organizacional grupoClima organizacional grupo
Clima organizacional grupo
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento OrganizacionalEvolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
 
Recruit module 3 _metodologia de trabalho - online
Recruit module 3 _metodologia de trabalho - onlineRecruit module 3 _metodologia de trabalho - online
Recruit module 3 _metodologia de trabalho - online
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Socialização ou integração de novos funcionarios

  • 1. 3º Semestre - Hotelaria e Eventos Equipe: Isa Cristina Souza Jéssica Cristina Fonseca Luciana Lima Maria Conceição Rosário Renata Vieira Rosilda Alves
  • 2. Socialização/Integração de Novos Funcionários • O que é? • Como fazer? • Qual é a sua importância?
  • 3. Definição É a maneira como a organização recebe novos funcionários e os integra à sua cultura, ao seu contexto e ao seu sistema, para que eles possam comportar- se de maneira adequada às expectativas da organização, seguindo os preceitos internos.
  • 4. A cultura organizacional se caracteriza pela aceitação implícita de seus membros. Os colaboradores aprendem a cultura organizacional de várias formas, com histórias, rituais, símbolos materiais e linguagem. •Histórias – Contos e passagens sobre o fundador da empresa, lembranças sobre dificuldades ou eventos especiais, regras de conduta, corte e recolocação de funcionários, acertos e erros anteriores geralmente ancoram o presente no passado e explicam a legitimação das práticas atuais. •Rituais e cerimônias – As cerimônias de fim de ano e as comemorações do aniversário da organização são rituais que reúnem e aproximam a totalidade dos funcionários, para motivar e reforçar aspectos da cultura da organização, bem como reduzir os conflitos.
  • 5. •Símbolos materiais – A arquitetura do edifício, as salas e mesas, o tamanho e arranjo físico dos escritórios constituem símbolos materiais que definem o grau de igualdade ou diferenciação entre as pessoas e o tipo de comportamento desejado pela organização. •Linguagem – As organizações desenvolvem termos singulares para descrever equipamentos, escritórios, pessoas chave, fornecedores, clientes ou produtos. Também a maneira como as pessoas se vestem, os documentos utilizados constituem formas de expressar a cultura organizacional.
  • 6. O programa de integração pode ter as seguintes alternativas: •Formal - Quando o colaborador é segregado e diferenciado para tornar explícito o seu papel de ingressante. •Informal - Quando o novo colaborador é colocado imediatamente em seu cargo, com pouca ou nenhuma atenção. •Individual - Os novos membros são socializados individualmente. •Coletivo - Os novos membros são socializados em grupos e a socialização é processada por um conjunto idêntico de experiências, como no serviço militar. •Uniforme - O programa fixo estabelece estágios padronizados de transição da etapa do entrante para a etapa de funcionário.
  • 7. •Variável – O programa variável não prevê nenhum programa da empresa quanto aos passos da integração. •Seriado – A socialização seriada utiliza papéis que treinam e encorajam o novo funcionário, como nos programas de aprendizagem e de tutoração. •Randômico – A socialização randômica não utiliza papéis e os novos funcionários ficam à vontade para atuar por sua própria conta. •Reforço – a socialização por reforço confirma a apoia certas qualidades e qualificações do novo funcionário como ingredientes necessários para o sucesso no cargo. •Eliminação – A socialização por eliminação tenta eliminar ou neutralizar certas características indesejáveis do recruta e adaptá-lo ao novo papel a ser desempenhado.
  • 8. As organizações precisam promover a socialização de seus novos membros e integrá-los adequadamente em sua força de trabalho. Em algumas delas, a socialização é impositiva e contundente, como o trote dos calouros nas escolas e universidades. Nas empresas em geral, a socialização visa criar um ambiente imediato de trabalho favorável e receptivo durante a fase inicial do emprego.
  • 9. Os métodos de socialização organizacional mais utilizados são os seguintes: •Processo Seletivo - A socialização tem inicio nas entrevistas de seleção, através das quais o candidato fica conhecendo o seu futuro ambiente de trabalho, a cultura predominante na organização, os colegas de trabalho, as atividades desenvolvidas, os desafios e recompensas em vista, o gerente e o estilo de administração existente, etc. •Conteúdo de Cargo – O novo colaborador deve receber tarefas suficientemente solicitadoras e capazes de proporcionar-lhe sucesso no início da sua carreira na organização, para depois receber tarefas gradativamente mais complicadas e crescentemente desafiadoras.
  • 10. •Supervisor como Tutor – O novo colaborador pode ligar-se a um tutor capaz de cuidar de sua integração na organização. O supervisor deve realizar quatro funções básicas junto ao novo contratado: - Transmitir ao novo colaborador uma descrição clara da tarefa a ser realizada. - Proporcionar todas as informações técnicas sobre como executar a tarefa. - Negociar com o novo colaborador as metas e resultados a alcançar. - Proporcionar ao novo colaborador a retroação adequada sobre o seu desempenho.
  • 11. •Equipe de Trabalho – A equipe de trabalho pode desempenhar um papel importante na socialização dos novos colaboradores. A integração do novo membro deve ser atribuída a uma equipe de trabalho que possa provocar nele um impacto positivo e duradouro. •Programa de Integração – É um programa formal e intensivo de treinamento inicial destinado aos novos membros da organização, para familiarizá-los com a linguagem usual da organização, com os usos e costumes internos, a estrutura da organização, os principais produtos e serviços, a missão da organização e os objetivos organizacionais.
  • 12. Importância Em muitas empresas os empregados quando admitidos são apresentados à mesa, aos equipamentos de trabalho e quando muito aos colegas do lado. São orientados pela “chefia“ sobre o que têm que fazer, mas não sobre as responsabilidades e direitos. Acabam aprendendo sozinhos durante as primeiras semanas, aprendem muitas vezes de maneira errada, adquirem vícios que podem comprometer o resultado do trabalho, têm informações distorcidas sobre a empresa, não aprendem o caminho da comunicação interna etc. Seguramente, iniciam com baixa motivação, perdidos. Para se ter um empregado motivado, comprometido com o trabalho e com o resultado da empresa, é necessário que ele seja bem recebido, acolhido, informado. Ele deve ser integrado na organização, como o próprio nome já diz, e não somente colocado nela.
  • 13. Proporcionar orientação aos novos colaboradores atende a vários propósitos. O processo de orientação procura enviar mensagens claras e proporcionar informação a respeito da cultura da organização, do cargo a ser ocupado e das expectativas a respeito do trabalho.
  • 14. O programa de orientação visa alcançar os seguintes objetivos: •Reduzir a ansiedade das pessoas - A ansiedade é geralmente provocada pelo receio de falhar no trabalho. Trata-se de um sentimento normal decorrente da incerteza a respeito da capacidade de realizar o seu trabalho. •Reduzir a rotatividade - A rotatividade é mais elevada durante o período inicial do trabalho, pelo fato de os novos colaboradores se sentirem ineficientes, indesejados ou desnecessários. •Economizar tempo - Quando os novos colaboradores não recebem orientação, eles gastam mais tempo para conhecer a organização, o seu trabalho e os colegas. Perdem eficiência. •Desenvolver expectativas realísticas - Através do programa de orientação, os novos colaboradores ficam sabendo o que deles se espera e quais os valores almejados pela organização.
  • 15. Essas são apenas algumas das muitas possibilidades que podem ser feitas para um treinamento mais eficiente, e que integre o profissional tanto na empresa quanto na sua equipe de trabalho. O verdadeiro treinamento é constante, a empresa deve sempre estar investindo em capacitações dos seus colaboradores. Precisamos entender que o dia a dia é o verdadeiro laboratório de múltiplas experiências e aprendizados.
  • 16. Referências •Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos – Chiavenato, Idalberto, 2010. • http://www.ibccoaching.com.br/tudo-sobre- coaching/rh-e-gestao-de-pessoas/preparando- um-treinamento-de-integracao-de-novos- funcionarios •http://www.rhevistarh.com.br/portal/?p=766