SlideShare uma empresa Scribd logo
 O sistema de lodos ativados é amplamente utilizado, a
nível mundial, para o tratamento de despejos
domésticos e indústrias, em situações em que são
necessários uma elevada qualidade do efluente e
reduzidos requisitos de área.
 ⇒ Índice de mecanização elevado
 ⇒ Operações sofisticadas
 ⇒ Elevado consumo de energia
 O marco inicial foi em 1914,na Inglaterra. Edward
Ardern e William Lockett apresentaram “Experiências
sobre a oxidação do esgoto sem a intervenção de
filtros.
 Até o fim da Segunda Guerra Mundial, o
dimensionamento das estações de tratamento
permaneceu muito prudente. Apenas após este período
desenvolveram-se os sistemas de alta carga com a
utilização de tanques combinados.
Lodo ativado é o floco
produzido num esgoto bruto ou
decantado pelo
crescimento de bactérias
zoóeleas ou outras, na presença
de oxigênio dissolvido, e é
acumulado em concentração
suficiente graças ao retorno de
outros flocos previamente
formados.
É formado por
Bactérias, Algas, Fungos e
Protozoários
 O processo de tratamento por Lodos Ativados é
estritamente biológico e aeróbio, no qual o esgoto
afluente e o lodo ativado são intimamente misturados,
agitados e aerados (tanque de aeração), após este
procedimento, o lodo formado é enviado para o
decantador secundário, onde a parte sólida é separada do
esgoto tratado, sendo este último descartado.
 Etapa Biológica:
⇒ Tanque de aeração(reator)
⇒ Tanque de decantação (decantador secundário)
⇒ Recirculação de lodo
1) Divisão quanto à idade do lodo
 Lodos ativados convencional
 Aeração prolongada
2) Divisão quanto ao fluxo
 Fluxo contínuo
 Fluxo intermitente (batelada)
3) Divisão quanto ao afluente à etapa biológica do sistema
de lodos ativados
 Esgoto bruto
 Efluente de decantador primário
 Efluente de reator anaeróbio
 Efluente de outro processo de tratamento de esgotos
Idade do lodo Faixa de idade
do lodo
Denominação
usual
Reduzidíssima Inferior a 3 dias Aeração modificada
Reduzida 4 a 10 dias Lodos ativados
convencional
Intermediária 11 a 17 dias -
Elevada 18 a 30 dias Aeração prolongada
 O sistema de lodos ativados convencional é
constituído por reator e decantadores
primário e secundário. Este sistema possui
decantador primário para que a matéria
orgânica em suspensão sedimentável seja
retirada ante do tanque de aeração gerando
assim uma economia no consumo de
energia. Como o lodo retirado ainda é jovem
e possui grande quantidade de matéria
orgânica em suas células, há necessidade de
uma etapa de estabilização do lodo.
 Elevada eficiência na remoção de DBO;
 Possibilidade de remoção biológica de N e P;
 Baixos requisitos de área;
 Processo confiável;
 Reduzidas possibilidades de maus
odores, insetos e vermes;
 Flexibilidade operacional
 Baixa eficiência na remoção de coliformes;
 Elevados custos de implantação e operação;
 Elevado consumo de energia;
 Necessidade de operação sofisticada;
 Elevado índice de mecanização;
 Relativamente sensível a descargas tóxicas;
 Necessidade de tratamento completo do lodo e
disposição final;
 Possíveis problemas ambientais ruídos e aerossóis
 A diferença deste sistema para o sistema
convencional é que a biomassa permanece mais
tempo no reator, porém continua recebendo a mesma
carga de DBO. Com isso o reator terá que possuir
maiores dimensões e consequentemente existirá
menor concentração de matéria orgânica por unidade
de volume e menor disponibilidade de alimento. Para
sobreviver, as bactérias passam a consumir a matéria
orgânica existente em suas células em seus
metabolismos. Assim, o lodo já sairá estabilizado do
tanque de aeração, não havendo necessidade de se
ter um biodigestor.
 Idem ao lodo ativado convencional;
 Mais eficiência na remoção de DBO;
 Mais simples conceitualmente que o convencional;
 Menor geração de lodo que o convencional;
 Elevada resistência a variação de carga e a carga tóxica;
 Satisfatória independência das condições climáticas
 Baixa eficiência na remoção de coliformes;
 Elevados custos de implantação e operação;
 Sistema com maior consumo de energia;
 Necessidade de operação sofisticada;
 Elevado índice de mecanização(embora inferior ao
convencional);
 Necessidade de remoção da umidade do lodo e da sua
disposição final(embora inferior ao convencional);
 Neste sistema há apenas uma unidade e todas as
etapas de tratamento do esgoto ocorrem dentro
do reator. A biomassa permanece no tanque e
não havendo necessidade de sistema de
recirculação de lodo. Um sistema de lodos
ativados fluxo intermitente possui ciclos bem
definidos de operação. São estes: enchimento,
reação, sedimentação, esvaziamento e repouso.
 Elevada eficiência na remoção de DBO;
 Satisfatória remoção de N e possivelmente P;
 Baixo requisitos de área;
 Mais simples conceitualmente que outros
sistemas de lodos ativados;
 Flexibilidade operacional;
 Decantador secundário e elevatória de
recirculação de lodo não são necessários.
 Baixa eficiência na remoção de coliformes;
 Elevados custos de implantação e operação;
 Maior potência instalada que os demais;
 Necessidade de operação sofisticada;
 Necessidade de tratamento completo do lodo
e disposição final;
 Usualmente mais competitivo
economicamente para populações pequenas
a médias.
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAASeQAF/tratamento
-por-lodos-ativados
 http://teses2.ufrj.br/Teses/COPPE_M/AnaLuciaLisbonaLevy.
pdf
 http://jararaca.ufsm.br/websites/ces/download/A4.pdf
 http://www.engenhariaambiental.unir.br/admin/prof/arq/Trata
_aula%2013.ppt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminarAula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Giovanna Ortiz
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Giovanna Ortiz
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Efluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriaisEfluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriais
Rafael Luis Tembo
 
Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10
Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10
Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
lenilson marinho barbosa
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Teli 5
Teli 5Teli 5
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Aula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudos
Aula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudosAula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudos
Aula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudos
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
CoagulaçãO
CoagulaçãOCoagulaçãO
CoagulaçãO
guesta23b04
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Aula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentesAula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentes
Nilton Goulart
 
Teli 6
Teli 6Teli 6
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Luan Furtado
 
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
Aula 1   caracterização quantitativa esgotoAula 1   caracterização quantitativa esgoto
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
Giovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminarAula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Teli 1
 
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
 
Efluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriaisEfluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriais
 
Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10
Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10
Aula 13 - Tratamentos fisicos-quimico - 20.10
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
Aula 06 - Tecnicas de tratamento - parte 2 - 01.09
 
Teli 5
Teli 5Teli 5
Teli 5
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Aula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudos
Aula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudosAula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudos
Aula 04 - Interpretação de analises e elaboração de laudos
 
CoagulaçãO
CoagulaçãOCoagulaçãO
CoagulaçãO
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 6
 
Aula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentesAula caracterizacao efluentes
Aula caracterizacao efluentes
 
Teli 6
Teli 6Teli 6
Teli 6
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
 
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
Aula 1   caracterização quantitativa esgotoAula 1   caracterização quantitativa esgoto
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
 

Destaque

Filtros biologicos
Filtros biologicosFiltros biologicos
Filtros biologicos
Filipe Pires Batista
 
Curso operação de ete
Curso operação de eteCurso operação de ete
Curso operação de ete
Ricardo Akerman
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
Livia Iost Gallucci
 
3o lista de exercicios maquinas 2
3o lista de exercicios maquinas 23o lista de exercicios maquinas 2
3o lista de exercicios maquinas 2
Vilmar Idelfonso de Oliveira
 
Tratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuárias Tratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuárias
FATEC Cariri
 
Aula pcp lean parte II - Unoesc São Miguel do Oeste
Aula pcp lean parte II -  Unoesc São Miguel do OesteAula pcp lean parte II -  Unoesc São Miguel do Oeste
Aula pcp lean parte II - Unoesc São Miguel do Oeste
Luiz Felipe Cherem
 
Manta de lodo
Manta de lodoManta de lodo
Manta de lodo
Marcelo Tavares
 
Esgotos- Resumo
Esgotos- ResumoEsgotos- Resumo
Esgotos- Resumo
Graziela Alves
 
Tratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da águaTratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da água
AlanAlflen
 
Aula 4 protozoários
Aula 4   protozoáriosAula 4   protozoários
Aula 4 protozoários
Sergio Tullio Cassinni
 
Sistemas anaeróbios
Sistemas anaeróbiosSistemas anaeróbios
ETAR
ETARETAR
Tipos de Decantadores
Tipos de Decantadores Tipos de Decantadores
Tipos de Decantadores
Natalya_Gonzalez94
 
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuaisTratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais
Sandra Semedo
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
Micheli Bianchini
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
daniellopesfranco
 
Enzimas bioquimica
Enzimas bioquimicaEnzimas bioquimica
Enzimas bioquimica
Vanessa Rodrigues De Amorim
 
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Cleidilene Lima
 
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGuaEra Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
maria leite
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
SlideShare
 

Destaque (20)

Filtros biologicos
Filtros biologicosFiltros biologicos
Filtros biologicos
 
Curso operação de ete
Curso operação de eteCurso operação de ete
Curso operação de ete
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
 
3o lista de exercicios maquinas 2
3o lista de exercicios maquinas 23o lista de exercicios maquinas 2
3o lista de exercicios maquinas 2
 
Tratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuárias Tratamento de águas residuárias
Tratamento de águas residuárias
 
Aula pcp lean parte II - Unoesc São Miguel do Oeste
Aula pcp lean parte II -  Unoesc São Miguel do OesteAula pcp lean parte II -  Unoesc São Miguel do Oeste
Aula pcp lean parte II - Unoesc São Miguel do Oeste
 
Manta de lodo
Manta de lodoManta de lodo
Manta de lodo
 
Esgotos- Resumo
Esgotos- ResumoEsgotos- Resumo
Esgotos- Resumo
 
Tratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da águaTratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da água
 
Aula 4 protozoários
Aula 4   protozoáriosAula 4   protozoários
Aula 4 protozoários
 
Sistemas anaeróbios
Sistemas anaeróbiosSistemas anaeróbios
Sistemas anaeróbios
 
ETAR
ETARETAR
ETAR
 
Tipos de Decantadores
Tipos de Decantadores Tipos de Decantadores
Tipos de Decantadores
 
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuaisTratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
 
Enzimas bioquimica
Enzimas bioquimicaEnzimas bioquimica
Enzimas bioquimica
 
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
 
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGuaEra Uma Vez Uma Gotinha De áGua
Era Uma Vez Uma Gotinha De áGua
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 

Semelhante a Slides lodos ativados

9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs
Gilson Adao
 
tratamento de efluentes
tratamento de efluentestratamento de efluentes
tratamento de efluentes
Jaqueline Santos
 
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra    principais usos da água na indústria e técnicasPalestra    principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Roeli Paulucci
 
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos HídricosA utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
UNICAMP/SP
 
Intro SWS-UET - Rev. 1
Intro SWS-UET  - Rev. 1Intro SWS-UET  - Rev. 1
Intro SWS-UET - Rev. 1
Henrique Sommerfeld
 
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
KimbunguTigana
 
Etar
EtarEtar
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
dani999
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Caracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamento
Caracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamentoCaracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamento
Caracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamento
Nilton Goulart
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
Movimento Verde
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
AnaKassiaLopesGonalv1
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
secas e etares
secas e etaressecas e etares
secas e etares
Andre Matos
 
Rec agua 1
Rec agua 1Rec agua 1
Rec agua 1
Rogerio Catanese
 
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua   para caldeiras de alta pressãoTratamento agua   para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
Wagner Branco
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
Sergio Vinhal
 
Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_
Tatiana Mendes
 
Calculos vazao
Calculos vazaoCalculos vazao
Calculos vazao
Maicon Zanchettin
 

Semelhante a Slides lodos ativados (20)

9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs
 
tratamento de efluentes
tratamento de efluentestratamento de efluentes
tratamento de efluentes
 
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra    principais usos da água na indústria e técnicasPalestra    principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
 
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos HídricosA utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
 
Intro SWS-UET - Rev. 1
Intro SWS-UET  - Rev. 1Intro SWS-UET  - Rev. 1
Intro SWS-UET - Rev. 1
 
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
 
Etar
EtarEtar
Etar
 
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Caracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamento
Caracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamentoCaracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamento
Caracteristicasdos efluentesliquidossistemastratamento
 
Tratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgotoTratamento anaeróbio esgoto
Tratamento anaeróbio esgoto
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
secas e etares
secas e etaressecas e etares
secas e etares
 
Rec agua 1
Rec agua 1Rec agua 1
Rec agua 1
 
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua   para caldeiras de alta pressãoTratamento agua   para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_
 
Calculos vazao
Calculos vazaoCalculos vazao
Calculos vazao
 

Slides lodos ativados

  • 1.
  • 2.  O sistema de lodos ativados é amplamente utilizado, a nível mundial, para o tratamento de despejos domésticos e indústrias, em situações em que são necessários uma elevada qualidade do efluente e reduzidos requisitos de área.  ⇒ Índice de mecanização elevado  ⇒ Operações sofisticadas  ⇒ Elevado consumo de energia
  • 3.  O marco inicial foi em 1914,na Inglaterra. Edward Ardern e William Lockett apresentaram “Experiências sobre a oxidação do esgoto sem a intervenção de filtros.  Até o fim da Segunda Guerra Mundial, o dimensionamento das estações de tratamento permaneceu muito prudente. Apenas após este período desenvolveram-se os sistemas de alta carga com a utilização de tanques combinados.
  • 4. Lodo ativado é o floco produzido num esgoto bruto ou decantado pelo crescimento de bactérias zoóeleas ou outras, na presença de oxigênio dissolvido, e é acumulado em concentração suficiente graças ao retorno de outros flocos previamente formados. É formado por Bactérias, Algas, Fungos e Protozoários
  • 5.
  • 6.  O processo de tratamento por Lodos Ativados é estritamente biológico e aeróbio, no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração), após este procedimento, o lodo formado é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado, sendo este último descartado.
  • 7.  Etapa Biológica: ⇒ Tanque de aeração(reator) ⇒ Tanque de decantação (decantador secundário) ⇒ Recirculação de lodo
  • 8. 1) Divisão quanto à idade do lodo  Lodos ativados convencional  Aeração prolongada 2) Divisão quanto ao fluxo  Fluxo contínuo  Fluxo intermitente (batelada)
  • 9. 3) Divisão quanto ao afluente à etapa biológica do sistema de lodos ativados  Esgoto bruto  Efluente de decantador primário  Efluente de reator anaeróbio  Efluente de outro processo de tratamento de esgotos
  • 10. Idade do lodo Faixa de idade do lodo Denominação usual Reduzidíssima Inferior a 3 dias Aeração modificada Reduzida 4 a 10 dias Lodos ativados convencional Intermediária 11 a 17 dias - Elevada 18 a 30 dias Aeração prolongada
  • 11.  O sistema de lodos ativados convencional é constituído por reator e decantadores primário e secundário. Este sistema possui decantador primário para que a matéria orgânica em suspensão sedimentável seja retirada ante do tanque de aeração gerando assim uma economia no consumo de energia. Como o lodo retirado ainda é jovem e possui grande quantidade de matéria orgânica em suas células, há necessidade de uma etapa de estabilização do lodo.
  • 12.
  • 13.  Elevada eficiência na remoção de DBO;  Possibilidade de remoção biológica de N e P;  Baixos requisitos de área;  Processo confiável;  Reduzidas possibilidades de maus odores, insetos e vermes;  Flexibilidade operacional
  • 14.  Baixa eficiência na remoção de coliformes;  Elevados custos de implantação e operação;  Elevado consumo de energia;  Necessidade de operação sofisticada;  Elevado índice de mecanização;  Relativamente sensível a descargas tóxicas;  Necessidade de tratamento completo do lodo e disposição final;  Possíveis problemas ambientais ruídos e aerossóis
  • 15.  A diferença deste sistema para o sistema convencional é que a biomassa permanece mais tempo no reator, porém continua recebendo a mesma carga de DBO. Com isso o reator terá que possuir maiores dimensões e consequentemente existirá menor concentração de matéria orgânica por unidade de volume e menor disponibilidade de alimento. Para sobreviver, as bactérias passam a consumir a matéria orgânica existente em suas células em seus metabolismos. Assim, o lodo já sairá estabilizado do tanque de aeração, não havendo necessidade de se ter um biodigestor.
  • 16.
  • 17.  Idem ao lodo ativado convencional;  Mais eficiência na remoção de DBO;  Mais simples conceitualmente que o convencional;  Menor geração de lodo que o convencional;  Elevada resistência a variação de carga e a carga tóxica;  Satisfatória independência das condições climáticas
  • 18.  Baixa eficiência na remoção de coliformes;  Elevados custos de implantação e operação;  Sistema com maior consumo de energia;  Necessidade de operação sofisticada;  Elevado índice de mecanização(embora inferior ao convencional);  Necessidade de remoção da umidade do lodo e da sua disposição final(embora inferior ao convencional);
  • 19.
  • 20.  Neste sistema há apenas uma unidade e todas as etapas de tratamento do esgoto ocorrem dentro do reator. A biomassa permanece no tanque e não havendo necessidade de sistema de recirculação de lodo. Um sistema de lodos ativados fluxo intermitente possui ciclos bem definidos de operação. São estes: enchimento, reação, sedimentação, esvaziamento e repouso.
  • 21.
  • 22.  Elevada eficiência na remoção de DBO;  Satisfatória remoção de N e possivelmente P;  Baixo requisitos de área;  Mais simples conceitualmente que outros sistemas de lodos ativados;  Flexibilidade operacional;  Decantador secundário e elevatória de recirculação de lodo não são necessários.
  • 23.  Baixa eficiência na remoção de coliformes;  Elevados custos de implantação e operação;  Maior potência instalada que os demais;  Necessidade de operação sofisticada;  Necessidade de tratamento completo do lodo e disposição final;  Usualmente mais competitivo economicamente para populações pequenas a médias.
  • 24.  http://www.ebah.com.br/content/ABAAAASeQAF/tratamento -por-lodos-ativados  http://teses2.ufrj.br/Teses/COPPE_M/AnaLuciaLisbonaLevy. pdf  http://jararaca.ufsm.br/websites/ces/download/A4.pdf  http://www.engenhariaambiental.unir.br/admin/prof/arq/Trata _aula%2013.ppt