SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE É FARMACOLOGIA
Farmacologia é a ciência voltada para o estudo
das drogas sob todos os aspectos, desde as suas
origens até os seus efeitos no homem. Segundo o
Dicionário de Termos Médicos e de Enfermagem
a definição de farmacologia é: “ciência que
estuda a história, as propriedades físicas e
químicas, os efeitos bioquímicos e fisiológicos, o
mecanismo de ação, a absorção, distribuição,
biotransformação, excreção e os usos terapêuticos
dos fármacos”.
ALVO DE ESTUDO DA FARMACOLOGIA:
Fármacos em geral.
O conceito de medicamento ou fármaco é mais limitado, pois
diz respeito, unicamente, a drogas de ação preventiva ou de
ação paliativa ou curativa no organismo doente.
Droga pode ser definida como “qualquer substância capaz de
promover alterações fisiológicas ou farmacológicas ou,
ainda, modificação de quadros patológicos, com ou sem a
intenção de beneficiar o indivíduo” (Guimarães, 2002).
Segundo a OMS, o conceito de droga restringe-se às
substâncias usadas no homem para diagnóstico, prevenção e
tratamento das doenças. Ou simplesmente “substancia
química capaz de modificar a função dos organismos vivos
com finalidades medicamentosas ou sanitárias” (lei 5.991 de
17 de Novembro de 1973).
O fármaco pode ser definido como “substância química
conhecida e de estrutura química definida dotada de
propriedade farmacológica”.
E medicamento um “produto farmacêutico
tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade
profilática, curativa, paliativa ou para fins
diagnósticos”. Sendo o campo da farmacologia muito
vasto, justifica-se a sua divisão em vários ramos. A
farmacologia clínica estuda a eficácia e segurança dos
medicamentos, é, sem dúvida, de grande importância
para a prática clínica. Contudo, não menos importantes
são os estudos da farmacocinética e da
farmacodinâmica que oferecem o suporte
imprescindível ao bom entendimento da farmacologia
clínica.
A farmacocinética estuda o caminho percorrido pelo medicamento
no organismo, desde a sua administração até a sua eliminação. Já a
farmacodinâmica se concentra no “estudo das interações entre
fármacos e constituintes do organismo, as quais, por uma série
subsequente de eventos (ação) resultam num efeito farmacológico”,
que é o alvo deste trabalho.
A Farmacodinâmica e os Processos Farmacodinâmicos
Como agem os Fármacos
“Quando um fármaco, em seu trajeto por meio dos diversos
compartimentos orgânicos, alcança a biofase e interage com os
sítios com os quais mantém afinidade, resulta uma cadeia de eventos
que determina, em última análise, o seu efeito. Entende-se por
biofase o espaço diminuto que circunda as imediações da estrutura
alvo. “A farmacodinâmica estuda a inter-relação da concentração de
uma droga entre a biofase e a estrutura alvo, bem como o respectivo
mecanismo de ação”.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE
MEDICAMENTOS
1. Via Oral
- Absorção intestinal
- Absorção sublingual
2. Via Retal
3. Via Injetável
- Via intradérmica
- Via subcutânea
- Via intramuscular
- Via endovenosa
4. Outras vias:
-Inalatória (ex.: gases
utilizados em anestesia e
medicamentos)
- Ocular
- Intranasal
- Dérmica
-Vaginal (ex.: droga para
induzir o trabalho de parto)
1. VIA ORAL (VO)
A administração de medicamentos por via oral é segura e
não requer técnica estéril na sua preparação, nessa via os
medicamentos podem ser na apresentação de comprimidos,
drágeas, cápsulas ou líquidos; são absorvidos
principalmente, no estômago e intestino.
Observação: a medicação via oral não é indicada em
pacientes apresentando náuseas, vômitos, dificuldade de
deglutição, ou estejam em jejum para cirurgia.
A escolha da forma farmacêutica depende principalmente:
da natureza físico-química do fármaco;
do mecanismo de ação;
do local de ação do medicamento;
da dosagem - quantidade de fármaco na forma
farmacêutica.
COMPRIMIDOS, CÁPSULAS E DRÁGEAS.
Provavelmente são as formas mais utilizadas na
administração e comercialização de
medicamentos e essa dúvida torna-se comum na
enfermagem.
Essas 3 formas de apresentação estão na categoria
sólida, sendo que as outras formas de
apresentação são: Semissólidas, líquidas e
gasosas. Essa forma faz com que o paciente tenha
uma adesão maior ao tratamento, pela sua
facilidade de uso, transporte e método pouco
invasivo.
As formas sólidas não são administradas no
seu estado puro aos pacientes, mas como parte
de uma formulação, ao lado de uma ou mais
substâncias como os Adjuvantes,
Coadjuvantes, Veículo ou Excipiente que
desempenham várias funções farmacêuticas.
Os adjuvantes farmacêuticos têm por
finalidade solubilizar, suspender, espessar,
diluir, emulsionar, estabilizar, preservar,
colorir e melhorar o sabor da mistura final, a
fim de fornecer uma forma farmacêutica
agradável e eficiente.
COMPRIMIDO
Forma farmacêutica sólida contendo uma dose única de um
ou mais princípios ativos, com ou sem excipientes, obtidas
por compressão da mistura de pós, contendo fármaco e
adjuvante.
Os comprimidos podem variar em tamanho, forma, peso,
dureza, espessura, características de desintegração e em
outros aspectos, dependendo do uso a que se destinam e do
método de fabricação. Comprimidos de ação prolongada
(retard) ou de libertação controlada são preparados para
serem absorvidos de forma gradual.
Comprimidos com revestimento entérico resistem à
dissolução no pH ácido do estômago, mas dissolve-se no pH
alcalino do intestino. Utilizados para fármacos que são
destruídos ou inativados pelo pH ácido. Não devem ser
mastigados ou triturados.
CÁPSULA
Forma farmacêutica sólida na qual os princípios
ativos e os excipientes estão constituídos por um
invólucro duro ou mole, de forma e capacidade
variáveis, que contêm uma quantidade de princípio
ativo que normalmente se usa de uma só vez, tem
forma cilíndrica ou ovoide e é formado por duas
partes que se encaixam, que devem ser soldadas e, se
destinam a conter substâncias medicinais sólidas,
pastosas ou líquidas. Geralmente o invólucro é feito
de gelatina (cápsula dura) ou de gelatina adicionada
de emolientes como glicerina e sorbitol (cápsula
mole ou elástica), este pode ainda ser opaco ou
transparente e corado ou incolor.
Devem ser deglutidas inteiras. As cápsulas de ação
prolongada, retardada ou contínua (retard) são
preparadas para serem absorvidos de forma gradual.
Possibilitam a libertação contínua e gradual do fármaco
devido aos diferentes níveis de dissolução dos grânulos
contidos na cápsula. Reduz o número de doses a
administrar por dia e não devem ser trituradas, nem
mastigadas, nem o seu conteúdo esvaziado para misturar
com alimentos ou líquidos, pois pode alterar a absorção.
Cápsulas também podem ser utilizadas para a
administração de produtos que devem ser inalados, como
é o caso do Formoterol, onde a cápsula é perfurada em
um "Inhaller" e depois o princípio ativo contido dentro
da cápsula é aspirado pelo paciente.
DRÁGEA
O processo de produção é parecido com o
comprimido, porém vem revestido por uma
substancia açucarada, com ou sem corante,
de modo a evitar a sua fácil desagregação
precoce, para proteger a substância ativa da
humidade e luz, para ocultar odores e
sabores indesejáveis, para facilitar a sua
ingestão ou para proteger a substância ativa
da destruição estomacal; geralmente é
indicado quando se deseja uma absorção em
nível intestinal.
Cápsulas são preparados nos quais uma ou
mais substâncias (líquido ou pó) são colocadas
dentro de um invólucro gelatinoso, que se
dissolve no tubo gastrointestinal e liberta o
medicamento para ser absorvido. Forma
adequada para administração de fármacos
com sabor desagradável.
Pastilhas são pequenos discos que contém um
fármaco numa base aromatizada. Devem ser
completamente dissolvidos na boca, para que
assim se liberte o fármaco. Normalmente
exercem o seu efeito terapêutico na mucosa
oral.
slide-farmacologia.pptx
Pacientes em uso de Sonda Nasogástrica (SNG) ou
Sonda Nasoenteral (SNE) as medicações VO devem ser
administradas através das mesmas. Este medicamento
deverá ser diluído em água e antes e após a
administração deve-se realizar a lavagem das sondas.
Evitando assim a obstrução das mesmas.
Após a administração do medicamento por VO
verificar se o paciente deglutiu realmente a medicação.
Via sublingual (SL): os medicamentos sublinguais
seguem o mesmo procedimento empregado para
aqueles de via oral, exceto que a medicação deve ser
colocada sob a língua.
Nesse procedimento, solicita-se que o paciente abra a
boca e repouse a língua no palato; a seguir, coloca-se o
medicamento sob a língua (em comprimidos ou gotas);
o paciente deve permanecer com o medicamento sob a
língua até a sua absorção total.
N
: esse período, o paciente não deve conversar nem
ingerir líquido ou alimentos. As medicações
administradas por via sublingual promovem uma
rápida absorção da droga em curto espaço de tempo,
além de se dissolverem rapidamente, deixando pouco
resíduo na boca.
Essa via é utilizada para aplicar medicações em
algumas urgências, como, por exemplo: medicações
para precordialgia e para hipertensão.
2. VIA RETAL
Muitos medicamentos que são administrados por
via oral podem também ser administrados por via retal,
em forma de supositório.
São receitados quando a pessoa não pode tomar o
medicamento por VO:
-náuseas e vômitos;
-impossibilidade de engolir;
-algumas restrições à ingestão, como ocorre em seguida a
uma cirurgia.
Tipos de medicamentos mais utilizados por via retal:
• Sólidos: supositórios;
• Líquidos: clisteres ou enema;
• Pomadas.
3. VIA PARENTERAL: VIA INJETÁVEL
Os medicamentos administrados por via
injetável têm a vantagem de fornecer uma via
mais rápida; quando a VO é contraindicada,
favorecendo, assim a absorção mais rápida.
VIA INTRADÉRMICA (ID)
Após aspirar a medicação estar atento para a
diluição preconizada para cada medicação.
Após aspirar ao conteúdo do frasco ampola
lembrar-se de rediluir a medicação conforme
padronização.
A via intradérmica é a única, dentre as quatro aqui
trabalhadas, em que não se indica realizar antissepsia
com álcool a 70%. Pode-se fazer uma higienização com
água e sabonete neutro, da região, se necessário. Este
procedimento é abolido para evitar possíveis reações
alérgicas entre os antissépticos utilizados e o produto
injetado, assim como o mascaramento da reação
esperada nos testes de sensibilidade.
-Não se faz também a aspiração, pois, na derme, não há
riscos de se atingir algum vaso.
-Observar o paciente por alguns minutos após a
aplicação quando o teste for de sensibilidade.
slide-farmacologia.pptx
VIA SUBCUTÂNEA (SC)
Na via subcutânea ou hipodérmica, os medicamentos são
administrados debaixo da pele, no tecido subcutâneo. Nesta via
a absorção é lenta, através dos capilares, de forma contínua e
segura. Usada para administração de vacinas (antirrábica e
anti-sarampo), anticoagulantes (heparina) e hipoglicemiantes
(insulina). O volume não deve exceder 1,0 ml.
As regiões de injeção SC incluem regiões superiores externas
dos braços, o abdome (entre os rebordos costais e as cristas
ilíacas), a região anterior das coxas e a região superior do
dorso.
Essa via não deve ser utilizada quando o cliente tem doença
vascular oclusiva e má perfusão tecidual, pois a circulação
periférica diminuída retarda a absorção da medicação.
Os locais de administração nesta via devem ser alternados com
rigor, evitando iatrogenias.
As injeções subcutâneas permitem que o medicamento seja
administrado no tecido subcutâneo que fica por baixo da pele. Não
são muito dolorosas porque existem poucos vasos sanguíneos e
nervos nesta área. O medicamento é geralmente absorvido de
maneira mais lenta (e portanto a um ritmo constante) do que se
administrado por via intramuscular. As formulações depot podem
ser utilizadas para controlar a velocidade de absorção. Existe um
limite para a quantidade de medicamento que pode ser
administrado por via SC (não é possível efetuá-lo para volumes
grandes). Massagear o músculo após a injeção ajuda a absorção, tal
como com as injeções IM. É importante alternar (rodar) os locais de
injeção, para evitar as reações no local da injeção.
VIA INTRAMUSCULAR (IM)
A administração via intramuscular permite que você injete o
medicamento diretamente no músculo em graus de
profundidade variados. É usado para administrar suspensões e
soluções oleosas, garantindo sua absorção em longo prazo.
Devemos estar atentos quanto à quantidade a ser administrada
em cada músculo. É necessário que o profissional realize uma
avaliação da área de aplicação, certificando-se do volume que
esse local possa receber.
Atenção: Não esquecer que esse volume irá depender da massa
muscular do cliente, quanto menos a dose aplicada, menor o
risco de possíveis complicações.
A escolha do músculo utilizado vai depender do volume a ser
aplicado:
1ª escolha: vasto lateral da coxa - máximo de 5 ml;
2ª escolha: glúteo (ventro glútea e dorso glútea) – máximo 5 ml;
3ª escolha: deltoide (exceto em vacinas) – máximo 3 ml.
A aplicação de medicação intramuscular consiste na
introdução de liquido dentro da massa muscular.
Para minimizar os efeitos colaterais ocasionalmente
encontrados o profissional devera avaliar rigorosamente
alguns aspectos antes de selecionar o local da aplicação.
Distância em relação a vasos e nervos importantes;
Musculatura desenvolvida para absorver o medicamento;
- Espessura do tecido adiposo;
- Idade do paciente;
- Irritabilidade do paciente;
- Atividade do paciente;
- Evitar tecido cicatricial ou endurecido.
As injeções IM podem ser bastante dolorosas ou
desconfortáveis porque penetram profundamente nas
camadas musculares, que são bastante inervadas por fibras
sensitivas.
Por outro lado, a injeção IM está associada a um maior
risco de lesão em nervos e vasos sanguíneos se um vaso
sanguíneo for perfurado durante uma injeção
(hematoma). Os medicamentos administrados por via
IM não precisam ser administrados tão frequentemente
como as injeções IV ou subcutâneas, mas devem ser
administradas por um profissional de saúde ou sob a
sua supervisão, uma vez que é necessário evitar que
estas injeções atinjam o osso ou os nervos.
É essencial, além do conhecimento do procedimento
técnico, também compreender as ações da medicação
para administrá-la de forma a incrementar seu efeito
terapêutico e evitar ou minimizar seus efeitos
colaterais.
Nunca devemos massagear ou comprimir o local com força.
A agulha deve ser sempre introduzida em posição
perpendicular à pele, ou seja em um ângulo de
90°.
O bisel da agulha deve ser posicionado de forma
lateral, minimizando as agressões as fibras
musculares minimizando a dor durante o
procedimento e as complicações.
As aplicações nunca devem ser realizadas com o
paciente em pé, pois caso o paciente apresente
complicações durante aplicação, pode cair.
Pode ser aplicado soluções aquosas, oleosas e
suspensões.
Técnica em Z ou Trilha em Z
Técnica ideal para evitar o refluxo do medicamento para
a camada subcutânea, evitando o aparecimento de
nódulos doloridos por reação inflamatória,
principalmente no caso de aplicações feitas com soluções
oleosas (como Perlutan) e à base de ferro como
Noripurum, este podendo deixar manchas escuras na
pele.
Pode ser usada em qualquer um dos locais descritos
previamente sendo, entretanto, mais utilizada na região
glútea.
Segurar a pele esticada durante a aplicação com o dedo
indicador para que após a retirada da agulha a inserção
inicial mude de lugar evitando extravasamentos e melhor
distribuição da medicação.
slide-farmacologia.pptx
VIA ENDOVENOSA (EV)
É a administração de medicamento diretamente na corrente
sanguínea através de uma veia. A administração pode variar
desde uma única dose até uma infusão contínua.
Como o medicamento ou a solução é absorvido
imediatamente, a reposta do paciente também é imediata. A
biodisponibilidade instantânea transforma a via EV na
primeira opção para ministrar medicamentos durante uma
emergência. Como a absorção pela corrente sanguínea é
completa, grandes doses de substâncias podem ser fornecidas
em fluxo contínuo.
Indicam-se diluições em seringas de 10 e 20 ml, ou seja, com
10 ou 20 ml de água destilada. Para medicamentos com altas
concentrações, indicam-se diluições em frascos de soluções
salinas (Soro Fisiológico 0.9%) ou glicosadas (Soro Glicosado
5%).
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da odontologia
História da odontologiaHistória da odontologia
História da odontologia
Mirian Guidi
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Veras Reis Reis
 
Medicamentos como tomar
Medicamentos como tomarMedicamentos como tomar
Medicamentos como tomar
Venturini Cláudio Luís
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
Fredson Serejo
 
Atendente de Farmacia
Atendente de FarmaciaAtendente de Farmacia
Atendente de Farmacia
Sheilla Sandes
 
Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013
Márcio Ravazoli
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
2ª aula origem e evolução da farmácia
2ª aula   origem e evolução da farmácia2ª aula   origem e evolução da farmácia
2ª aula origem e evolução da farmácia
Claudio Luis Venturini
 
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Mario Gandra
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
Patricia Nunes
 
Cartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicaçãoCartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicação
Ana Filadelfi
 
Promoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucalPromoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucal
Flavia Navarro de Sousa
 
Sistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saudeSistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saude
Fernandinhalima
 
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )   2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
Marcelo Gomes
 
Forma Farmacêutica
Forma FarmacêuticaForma Farmacêutica
Forma Farmacêutica
Wellington Silva
 
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da MaternaLivreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
Leonel Santos
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
RAYANE DORNELAS
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
Elizeu Ferro
 
psf
psfpsf

Mais procurados (20)

História da odontologia
História da odontologiaHistória da odontologia
História da odontologia
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
 
Medicamentos como tomar
Medicamentos como tomarMedicamentos como tomar
Medicamentos como tomar
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
 
Atendente de Farmacia
Atendente de FarmaciaAtendente de Farmacia
Atendente de Farmacia
 
Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013Automedicação SENAC 2013
Automedicação SENAC 2013
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
2ª aula origem e evolução da farmácia
2ª aula   origem e evolução da farmácia2ª aula   origem e evolução da farmácia
2ª aula origem e evolução da farmácia
 
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhador
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
 
Cartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicaçãoCartilha riscos da automedicação
Cartilha riscos da automedicação
 
Promoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucalPromoção e educação em saúde bucal
Promoção e educação em saúde bucal
 
Sistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saudeSistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saude
 
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )   2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
 
Forma Farmacêutica
Forma FarmacêuticaForma Farmacêutica
Forma Farmacêutica
 
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da MaternaLivreto Enfermagem Saúde da Materna
Livreto Enfermagem Saúde da Materna
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
 
psf
psfpsf
psf
 

Semelhante a slide-farmacologia.pptx

Vias de administração de medicamentos.
Vias de administração de medicamentos. Vias de administração de medicamentos.
Vias de administração de medicamentos.
Juliana Lima
 
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptxAULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
GlaudiovaneJnior
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
Josué Sampaio
 
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
VivianeGomes694450
 
Aula
AulaAula
Aula
Pedro
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
FARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxFARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptx
LanaMonteiro8
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
LanaMonteiro8
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
ArtthurPereira2
 
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdfAULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
JulianaNogueira339547
 
Formas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptxFormas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptx
DanielleBraga22
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Claudio Luis Venturini
 
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptxAULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
LanaMonteiro6
 
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdfAULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
RaphaelaAndrade3
 
Atendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaAtendente de Farmácia
Atendente de Farmácia
Sólon Batista
 
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.pptaula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
AnaLuizaMenezes8
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
Paulo Henrique Campos Vilhena
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
Leonardo Souza
 
Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
JooPedroCamposDeMora
 

Semelhante a slide-farmacologia.pptx (20)

Vias de administração de medicamentos.
Vias de administração de medicamentos. Vias de administração de medicamentos.
Vias de administração de medicamentos.
 
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptxAULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
 
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
FARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxFARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptx
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - NOCOES DE FARMACOLOGIA.pptx
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
 
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdfAULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
 
Formas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptxFormas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptx
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptxAULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
 
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdfAULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
 
Atendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaAtendente de Farmácia
Atendente de Farmácia
 
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.pptaula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
 

Mais de Fernando Naize

atendimento para pariental da faculdade ..pptx
atendimento para pariental da faculdade   ..pptxatendimento para pariental da faculdade   ..pptx
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
Fernando Naize
 
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologiaIntrodução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Fernando Naize
 
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdfslides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
Fernando Naize
 
aula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptxaula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptx
Fernando Naize
 
aula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdfaula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdf
Fernando Naize
 
Sinais Vitais.pdf
Sinais Vitais.pdfSinais Vitais.pdf
Sinais Vitais.pdf
Fernando Naize
 
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdfGestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Fernando Naize
 
Metodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdfMetodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdf
Fernando Naize
 
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptxAula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Fernando Naize
 
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptxSA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
Fernando Naize
 
Princípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptxPrincípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptx
Fernando Naize
 
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptxCREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
Fernando Naize
 
Prof. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptxProf. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptx
Fernando Naize
 
Geografia.pptx
Geografia.pptxGeografia.pptx
Geografia.pptx
Fernando Naize
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
Fernando Naize
 
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptxAula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Fernando Naize
 
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptxSLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
Fernando Naize
 
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptxSLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
Fernando Naize
 
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdfABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
Fernando Naize
 
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdfTecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Fernando Naize
 

Mais de Fernando Naize (20)

atendimento para pariental da faculdade ..pptx
atendimento para pariental da faculdade   ..pptxatendimento para pariental da faculdade   ..pptx
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
 
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologiaIntrodução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
 
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdfslides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
 
aula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptxaula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptx
 
aula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdfaula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdf
 
Sinais Vitais.pdf
Sinais Vitais.pdfSinais Vitais.pdf
Sinais Vitais.pdf
 
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdfGestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
 
Metodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdfMetodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdf
 
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptxAula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
 
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptxSA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
 
Princípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptxPrincípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptx
 
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptxCREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
 
Prof. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptxProf. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptx
 
Geografia.pptx
Geografia.pptxGeografia.pptx
Geografia.pptx
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptxAula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
 
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptxSLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
 
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptxSLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
 
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdfABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
 
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdfTecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
 

slide-farmacologia.pptx

  • 1. O QUE É FARMACOLOGIA Farmacologia é a ciência voltada para o estudo das drogas sob todos os aspectos, desde as suas origens até os seus efeitos no homem. Segundo o Dicionário de Termos Médicos e de Enfermagem a definição de farmacologia é: “ciência que estuda a história, as propriedades físicas e químicas, os efeitos bioquímicos e fisiológicos, o mecanismo de ação, a absorção, distribuição, biotransformação, excreção e os usos terapêuticos dos fármacos”.
  • 2. ALVO DE ESTUDO DA FARMACOLOGIA: Fármacos em geral. O conceito de medicamento ou fármaco é mais limitado, pois diz respeito, unicamente, a drogas de ação preventiva ou de ação paliativa ou curativa no organismo doente. Droga pode ser definida como “qualquer substância capaz de promover alterações fisiológicas ou farmacológicas ou, ainda, modificação de quadros patológicos, com ou sem a intenção de beneficiar o indivíduo” (Guimarães, 2002). Segundo a OMS, o conceito de droga restringe-se às substâncias usadas no homem para diagnóstico, prevenção e tratamento das doenças. Ou simplesmente “substancia química capaz de modificar a função dos organismos vivos com finalidades medicamentosas ou sanitárias” (lei 5.991 de 17 de Novembro de 1973).
  • 3. O fármaco pode ser definido como “substância química conhecida e de estrutura química definida dotada de propriedade farmacológica”. E medicamento um “produto farmacêutico tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins diagnósticos”. Sendo o campo da farmacologia muito vasto, justifica-se a sua divisão em vários ramos. A farmacologia clínica estuda a eficácia e segurança dos medicamentos, é, sem dúvida, de grande importância para a prática clínica. Contudo, não menos importantes são os estudos da farmacocinética e da farmacodinâmica que oferecem o suporte imprescindível ao bom entendimento da farmacologia clínica.
  • 4. A farmacocinética estuda o caminho percorrido pelo medicamento no organismo, desde a sua administração até a sua eliminação. Já a farmacodinâmica se concentra no “estudo das interações entre fármacos e constituintes do organismo, as quais, por uma série subsequente de eventos (ação) resultam num efeito farmacológico”, que é o alvo deste trabalho. A Farmacodinâmica e os Processos Farmacodinâmicos Como agem os Fármacos “Quando um fármaco, em seu trajeto por meio dos diversos compartimentos orgânicos, alcança a biofase e interage com os sítios com os quais mantém afinidade, resulta uma cadeia de eventos que determina, em última análise, o seu efeito. Entende-se por biofase o espaço diminuto que circunda as imediações da estrutura alvo. “A farmacodinâmica estuda a inter-relação da concentração de uma droga entre a biofase e a estrutura alvo, bem como o respectivo mecanismo de ação”.
  • 5. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS 1. Via Oral - Absorção intestinal - Absorção sublingual 2. Via Retal 3. Via Injetável - Via intradérmica - Via subcutânea - Via intramuscular - Via endovenosa
  • 6. 4. Outras vias: -Inalatória (ex.: gases utilizados em anestesia e medicamentos) - Ocular - Intranasal - Dérmica -Vaginal (ex.: droga para induzir o trabalho de parto)
  • 7. 1. VIA ORAL (VO) A administração de medicamentos por via oral é segura e não requer técnica estéril na sua preparação, nessa via os medicamentos podem ser na apresentação de comprimidos, drágeas, cápsulas ou líquidos; são absorvidos principalmente, no estômago e intestino. Observação: a medicação via oral não é indicada em pacientes apresentando náuseas, vômitos, dificuldade de deglutição, ou estejam em jejum para cirurgia. A escolha da forma farmacêutica depende principalmente: da natureza físico-química do fármaco; do mecanismo de ação; do local de ação do medicamento; da dosagem - quantidade de fármaco na forma farmacêutica.
  • 8. COMPRIMIDOS, CÁPSULAS E DRÁGEAS. Provavelmente são as formas mais utilizadas na administração e comercialização de medicamentos e essa dúvida torna-se comum na enfermagem. Essas 3 formas de apresentação estão na categoria sólida, sendo que as outras formas de apresentação são: Semissólidas, líquidas e gasosas. Essa forma faz com que o paciente tenha uma adesão maior ao tratamento, pela sua facilidade de uso, transporte e método pouco invasivo.
  • 9. As formas sólidas não são administradas no seu estado puro aos pacientes, mas como parte de uma formulação, ao lado de uma ou mais substâncias como os Adjuvantes, Coadjuvantes, Veículo ou Excipiente que desempenham várias funções farmacêuticas. Os adjuvantes farmacêuticos têm por finalidade solubilizar, suspender, espessar, diluir, emulsionar, estabilizar, preservar, colorir e melhorar o sabor da mistura final, a fim de fornecer uma forma farmacêutica agradável e eficiente.
  • 10. COMPRIMIDO Forma farmacêutica sólida contendo uma dose única de um ou mais princípios ativos, com ou sem excipientes, obtidas por compressão da mistura de pós, contendo fármaco e adjuvante. Os comprimidos podem variar em tamanho, forma, peso, dureza, espessura, características de desintegração e em outros aspectos, dependendo do uso a que se destinam e do método de fabricação. Comprimidos de ação prolongada (retard) ou de libertação controlada são preparados para serem absorvidos de forma gradual. Comprimidos com revestimento entérico resistem à dissolução no pH ácido do estômago, mas dissolve-se no pH alcalino do intestino. Utilizados para fármacos que são destruídos ou inativados pelo pH ácido. Não devem ser mastigados ou triturados.
  • 11. CÁPSULA Forma farmacêutica sólida na qual os princípios ativos e os excipientes estão constituídos por um invólucro duro ou mole, de forma e capacidade variáveis, que contêm uma quantidade de princípio ativo que normalmente se usa de uma só vez, tem forma cilíndrica ou ovoide e é formado por duas partes que se encaixam, que devem ser soldadas e, se destinam a conter substâncias medicinais sólidas, pastosas ou líquidas. Geralmente o invólucro é feito de gelatina (cápsula dura) ou de gelatina adicionada de emolientes como glicerina e sorbitol (cápsula mole ou elástica), este pode ainda ser opaco ou transparente e corado ou incolor.
  • 12. Devem ser deglutidas inteiras. As cápsulas de ação prolongada, retardada ou contínua (retard) são preparadas para serem absorvidos de forma gradual. Possibilitam a libertação contínua e gradual do fármaco devido aos diferentes níveis de dissolução dos grânulos contidos na cápsula. Reduz o número de doses a administrar por dia e não devem ser trituradas, nem mastigadas, nem o seu conteúdo esvaziado para misturar com alimentos ou líquidos, pois pode alterar a absorção. Cápsulas também podem ser utilizadas para a administração de produtos que devem ser inalados, como é o caso do Formoterol, onde a cápsula é perfurada em um "Inhaller" e depois o princípio ativo contido dentro da cápsula é aspirado pelo paciente.
  • 13. DRÁGEA O processo de produção é parecido com o comprimido, porém vem revestido por uma substancia açucarada, com ou sem corante, de modo a evitar a sua fácil desagregação precoce, para proteger a substância ativa da humidade e luz, para ocultar odores e sabores indesejáveis, para facilitar a sua ingestão ou para proteger a substância ativa da destruição estomacal; geralmente é indicado quando se deseja uma absorção em nível intestinal.
  • 14. Cápsulas são preparados nos quais uma ou mais substâncias (líquido ou pó) são colocadas dentro de um invólucro gelatinoso, que se dissolve no tubo gastrointestinal e liberta o medicamento para ser absorvido. Forma adequada para administração de fármacos com sabor desagradável. Pastilhas são pequenos discos que contém um fármaco numa base aromatizada. Devem ser completamente dissolvidos na boca, para que assim se liberte o fármaco. Normalmente exercem o seu efeito terapêutico na mucosa oral.
  • 16. Pacientes em uso de Sonda Nasogástrica (SNG) ou Sonda Nasoenteral (SNE) as medicações VO devem ser administradas através das mesmas. Este medicamento deverá ser diluído em água e antes e após a administração deve-se realizar a lavagem das sondas. Evitando assim a obstrução das mesmas. Após a administração do medicamento por VO verificar se o paciente deglutiu realmente a medicação. Via sublingual (SL): os medicamentos sublinguais seguem o mesmo procedimento empregado para aqueles de via oral, exceto que a medicação deve ser colocada sob a língua.
  • 17. Nesse procedimento, solicita-se que o paciente abra a boca e repouse a língua no palato; a seguir, coloca-se o medicamento sob a língua (em comprimidos ou gotas); o paciente deve permanecer com o medicamento sob a língua até a sua absorção total. N : esse período, o paciente não deve conversar nem ingerir líquido ou alimentos. As medicações administradas por via sublingual promovem uma rápida absorção da droga em curto espaço de tempo, além de se dissolverem rapidamente, deixando pouco resíduo na boca. Essa via é utilizada para aplicar medicações em algumas urgências, como, por exemplo: medicações para precordialgia e para hipertensão.
  • 18. 2. VIA RETAL Muitos medicamentos que são administrados por via oral podem também ser administrados por via retal, em forma de supositório. São receitados quando a pessoa não pode tomar o medicamento por VO: -náuseas e vômitos; -impossibilidade de engolir; -algumas restrições à ingestão, como ocorre em seguida a uma cirurgia. Tipos de medicamentos mais utilizados por via retal: • Sólidos: supositórios; • Líquidos: clisteres ou enema; • Pomadas.
  • 19. 3. VIA PARENTERAL: VIA INJETÁVEL Os medicamentos administrados por via injetável têm a vantagem de fornecer uma via mais rápida; quando a VO é contraindicada, favorecendo, assim a absorção mais rápida. VIA INTRADÉRMICA (ID) Após aspirar a medicação estar atento para a diluição preconizada para cada medicação. Após aspirar ao conteúdo do frasco ampola lembrar-se de rediluir a medicação conforme padronização.
  • 20. A via intradérmica é a única, dentre as quatro aqui trabalhadas, em que não se indica realizar antissepsia com álcool a 70%. Pode-se fazer uma higienização com água e sabonete neutro, da região, se necessário. Este procedimento é abolido para evitar possíveis reações alérgicas entre os antissépticos utilizados e o produto injetado, assim como o mascaramento da reação esperada nos testes de sensibilidade. -Não se faz também a aspiração, pois, na derme, não há riscos de se atingir algum vaso. -Observar o paciente por alguns minutos após a aplicação quando o teste for de sensibilidade.
  • 22. VIA SUBCUTÂNEA (SC) Na via subcutânea ou hipodérmica, os medicamentos são administrados debaixo da pele, no tecido subcutâneo. Nesta via a absorção é lenta, através dos capilares, de forma contínua e segura. Usada para administração de vacinas (antirrábica e anti-sarampo), anticoagulantes (heparina) e hipoglicemiantes (insulina). O volume não deve exceder 1,0 ml. As regiões de injeção SC incluem regiões superiores externas dos braços, o abdome (entre os rebordos costais e as cristas ilíacas), a região anterior das coxas e a região superior do dorso. Essa via não deve ser utilizada quando o cliente tem doença vascular oclusiva e má perfusão tecidual, pois a circulação periférica diminuída retarda a absorção da medicação. Os locais de administração nesta via devem ser alternados com rigor, evitando iatrogenias.
  • 23. As injeções subcutâneas permitem que o medicamento seja administrado no tecido subcutâneo que fica por baixo da pele. Não são muito dolorosas porque existem poucos vasos sanguíneos e nervos nesta área. O medicamento é geralmente absorvido de maneira mais lenta (e portanto a um ritmo constante) do que se administrado por via intramuscular. As formulações depot podem ser utilizadas para controlar a velocidade de absorção. Existe um limite para a quantidade de medicamento que pode ser administrado por via SC (não é possível efetuá-lo para volumes grandes). Massagear o músculo após a injeção ajuda a absorção, tal como com as injeções IM. É importante alternar (rodar) os locais de injeção, para evitar as reações no local da injeção.
  • 24. VIA INTRAMUSCULAR (IM) A administração via intramuscular permite que você injete o medicamento diretamente no músculo em graus de profundidade variados. É usado para administrar suspensões e soluções oleosas, garantindo sua absorção em longo prazo. Devemos estar atentos quanto à quantidade a ser administrada em cada músculo. É necessário que o profissional realize uma avaliação da área de aplicação, certificando-se do volume que esse local possa receber. Atenção: Não esquecer que esse volume irá depender da massa muscular do cliente, quanto menos a dose aplicada, menor o risco de possíveis complicações. A escolha do músculo utilizado vai depender do volume a ser aplicado: 1ª escolha: vasto lateral da coxa - máximo de 5 ml; 2ª escolha: glúteo (ventro glútea e dorso glútea) – máximo 5 ml; 3ª escolha: deltoide (exceto em vacinas) – máximo 3 ml.
  • 25. A aplicação de medicação intramuscular consiste na introdução de liquido dentro da massa muscular. Para minimizar os efeitos colaterais ocasionalmente encontrados o profissional devera avaliar rigorosamente alguns aspectos antes de selecionar o local da aplicação. Distância em relação a vasos e nervos importantes; Musculatura desenvolvida para absorver o medicamento; - Espessura do tecido adiposo; - Idade do paciente; - Irritabilidade do paciente; - Atividade do paciente; - Evitar tecido cicatricial ou endurecido. As injeções IM podem ser bastante dolorosas ou desconfortáveis porque penetram profundamente nas camadas musculares, que são bastante inervadas por fibras sensitivas.
  • 26. Por outro lado, a injeção IM está associada a um maior risco de lesão em nervos e vasos sanguíneos se um vaso sanguíneo for perfurado durante uma injeção (hematoma). Os medicamentos administrados por via IM não precisam ser administrados tão frequentemente como as injeções IV ou subcutâneas, mas devem ser administradas por um profissional de saúde ou sob a sua supervisão, uma vez que é necessário evitar que estas injeções atinjam o osso ou os nervos. É essencial, além do conhecimento do procedimento técnico, também compreender as ações da medicação para administrá-la de forma a incrementar seu efeito terapêutico e evitar ou minimizar seus efeitos colaterais. Nunca devemos massagear ou comprimir o local com força.
  • 27. A agulha deve ser sempre introduzida em posição perpendicular à pele, ou seja em um ângulo de 90°. O bisel da agulha deve ser posicionado de forma lateral, minimizando as agressões as fibras musculares minimizando a dor durante o procedimento e as complicações. As aplicações nunca devem ser realizadas com o paciente em pé, pois caso o paciente apresente complicações durante aplicação, pode cair. Pode ser aplicado soluções aquosas, oleosas e suspensões.
  • 28. Técnica em Z ou Trilha em Z Técnica ideal para evitar o refluxo do medicamento para a camada subcutânea, evitando o aparecimento de nódulos doloridos por reação inflamatória, principalmente no caso de aplicações feitas com soluções oleosas (como Perlutan) e à base de ferro como Noripurum, este podendo deixar manchas escuras na pele. Pode ser usada em qualquer um dos locais descritos previamente sendo, entretanto, mais utilizada na região glútea. Segurar a pele esticada durante a aplicação com o dedo indicador para que após a retirada da agulha a inserção inicial mude de lugar evitando extravasamentos e melhor distribuição da medicação.
  • 30. VIA ENDOVENOSA (EV) É a administração de medicamento diretamente na corrente sanguínea através de uma veia. A administração pode variar desde uma única dose até uma infusão contínua. Como o medicamento ou a solução é absorvido imediatamente, a reposta do paciente também é imediata. A biodisponibilidade instantânea transforma a via EV na primeira opção para ministrar medicamentos durante uma emergência. Como a absorção pela corrente sanguínea é completa, grandes doses de substâncias podem ser fornecidas em fluxo contínuo. Indicam-se diluições em seringas de 10 e 20 ml, ou seja, com 10 ou 20 ml de água destilada. Para medicamentos com altas concentrações, indicam-se diluições em frascos de soluções salinas (Soro Fisiológico 0.9%) ou glicosadas (Soro Glicosado 5%).