SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
1. A AUTORIDADE AS DOUTRINA DE
CRISTO
1. O conceito de autoridade. Autoridade é um termo amplo e
abrangente, motivo pelo qual precisamos defini-lo. O sentido de
autoridade utilizado aqui diz respeito à doutrina de Cristo.
Portanto, a autoridade da doutrina de Cristo está relacionada ao
fato de Ele ser Deus, e a fonte de toda autoridade (Rm. 13. 1-4).
• 2. Autoridade que habilita. A autoridade de Jesus tem o propósito de
habilitar os seus discípulos a cumprirem a sua missão (Lc. 10.19). O
poder prometido seria para habilitar os discípulos a realizarem
milagres no nome de Jesus. A autoridade tem relação direta com a
representação da pessoa de Jesuse isso por meio da exposição da
mensagem do Evangelho.
• 3. Autoridade confirmada. A autoridade exercida no ministério de
Jesus contribuiu para que as palavras e ações fossem confirmadas ao
povo. A autoridade de Jesus o distingue dos escribas, cujos discursos
eram vazios e desconexos da verdadeira autoridade, enquanto o
Senhor a possui. A autoridade de Jesus faz dEle digno de ser ouvidoe
a sua doutrina digna de toda a aceitação, haja vista ser ela de
natureza divina.
2. A DOUTRINA DE CRISTO DA VIDA AO
HOMEM
1. Morte espiritual. O pecado tornou a morte e seus danos uma
triste realidade, inclusive a morte espiritual, já que biblicamente,
o homem sem Deus é descrito como morto espiritual. Sendo
assim, a morte espiritual faz do homem inimigo de Deus (Tg.
4.4), que pratica tudo o que desonra e contrária ao Senhor ( Rm.
1.29-31), e somente o Espírito pode reverter tal situação (Gl.
5.16,17).
• 2. A vida de Cristo. Jesus é o bom Pastor que “ da a vida pelas
ovelhas” (Jo. 10.11). Esta vida contrasta com a morte espiritual,
conforme descrita anteriormente. Paulo afirma que o homem é salvo
por meio da vida de Cristo como fruto da reconciliação adquirida pelo
seu sofrimento na cruz (Rm. 5.10).
• 3. Doutrina de vida. Jesus é a vida, logo as suas palavras e os seus
ensinamentos também são vida. O conceito de vida pode ser
encontrado em vários ensinos de Jesus, como na conclusão da
parábola do Filho Pródigo (Lc. 15.11-32), no diálogo com a mulher
Samaritana (Jo. 4.14), na mensagem que pregou após a multiplicação
dos pães e peixes (Jo. 6. 1-15), na conversa com Marta enquanto a
consolava pela morte de Lázaro (Jo.11.25).
3. A DOUTRINA DE CRISTO E OS
DEMÔNIOS
1. A doutrina de Cristo e suas obras. Jesus se manifestou “
para desfazer as obras do diabo” (1Jo. 3.8). Observe que as
obras de Jesus sempre estiveram conectadas à sua mensagem
e aos seus ensinos. Suas obras nunca estão separadas de sua
doutrina, inclusive seu poder de expulsar demônios.
• 2. Os demônios reconhecem Jesus. Os demônios reconhecem Jesus,
eles sabem de sua natureza, reconhecem sua divindade e se curvam
diante de seu poderio ( MT.8.28-34). Os demônios se submetem e
respeitam tanto a Jesus como sua autoridade.
• 3. Os demônios são expulsos. Depois de uma expedição missionária,
os discípulos com entusiasmo deram o seguinte relato a Jesus: “
Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam” (Lc. 10.17).
Embora tenha sido reconhecido pelos demônios, o Senhor Jesus não
interrogou ou estabeleceu qualquer diálogo com eles. O que fica claro
é a autoridade de Jesus e de seus ensinos ser reconhecido até
mesmo entre os demônios.
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx

Semelhante a Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx (20)

Espirito Santo de Deus.docx
Espirito Santo de Deus.docxEspirito Santo de Deus.docx
Espirito Santo de Deus.docx
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Fé versus dúvida
Fé versus dúvidaFé versus dúvida
Fé versus dúvida
 
03 a suficiência e a clareza das escrituras
03   a suficiência e a clareza das escrituras03   a suficiência e a clareza das escrituras
03 a suficiência e a clareza das escrituras
 
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdfAULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
 
Doutrina da palavra
Doutrina da palavraDoutrina da palavra
Doutrina da palavra
 
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
 
Apostilade bibliologia
Apostilade bibliologiaApostilade bibliologia
Apostilade bibliologia
 
O que é o Dispensacionalismo!
O que é o Dispensacionalismo!O que é o Dispensacionalismo!
O que é o Dispensacionalismo!
 
Dei verbum
Dei verbum Dei verbum
Dei verbum
 
Slide Teologia
Slide TeologiaSlide Teologia
Slide Teologia
 
O contexto pós moderno da liturgia
O contexto pós moderno da liturgiaO contexto pós moderno da liturgia
O contexto pós moderno da liturgia
 
Teologia sistematica
Teologia sistematicaTeologia sistematica
Teologia sistematica
 
Teologia sistematica
Teologia sistematicaTeologia sistematica
Teologia sistematica
 
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
 
DEI VERBUM.pdf
DEI VERBUM.pdfDEI VERBUM.pdf
DEI VERBUM.pdf
 
07 ise - revisão geral
07   ise - revisão geral07   ise - revisão geral
07 ise - revisão geral
 

Último

Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 

Último (11)

Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 

Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. 1. A AUTORIDADE AS DOUTRINA DE CRISTO 1. O conceito de autoridade. Autoridade é um termo amplo e abrangente, motivo pelo qual precisamos defini-lo. O sentido de autoridade utilizado aqui diz respeito à doutrina de Cristo. Portanto, a autoridade da doutrina de Cristo está relacionada ao fato de Ele ser Deus, e a fonte de toda autoridade (Rm. 13. 1-4).
  • 9. • 2. Autoridade que habilita. A autoridade de Jesus tem o propósito de habilitar os seus discípulos a cumprirem a sua missão (Lc. 10.19). O poder prometido seria para habilitar os discípulos a realizarem milagres no nome de Jesus. A autoridade tem relação direta com a representação da pessoa de Jesuse isso por meio da exposição da mensagem do Evangelho.
  • 10. • 3. Autoridade confirmada. A autoridade exercida no ministério de Jesus contribuiu para que as palavras e ações fossem confirmadas ao povo. A autoridade de Jesus o distingue dos escribas, cujos discursos eram vazios e desconexos da verdadeira autoridade, enquanto o Senhor a possui. A autoridade de Jesus faz dEle digno de ser ouvidoe a sua doutrina digna de toda a aceitação, haja vista ser ela de natureza divina.
  • 11.
  • 12. 2. A DOUTRINA DE CRISTO DA VIDA AO HOMEM 1. Morte espiritual. O pecado tornou a morte e seus danos uma triste realidade, inclusive a morte espiritual, já que biblicamente, o homem sem Deus é descrito como morto espiritual. Sendo assim, a morte espiritual faz do homem inimigo de Deus (Tg. 4.4), que pratica tudo o que desonra e contrária ao Senhor ( Rm. 1.29-31), e somente o Espírito pode reverter tal situação (Gl. 5.16,17).
  • 13. • 2. A vida de Cristo. Jesus é o bom Pastor que “ da a vida pelas ovelhas” (Jo. 10.11). Esta vida contrasta com a morte espiritual, conforme descrita anteriormente. Paulo afirma que o homem é salvo por meio da vida de Cristo como fruto da reconciliação adquirida pelo seu sofrimento na cruz (Rm. 5.10).
  • 14. • 3. Doutrina de vida. Jesus é a vida, logo as suas palavras e os seus ensinamentos também são vida. O conceito de vida pode ser encontrado em vários ensinos de Jesus, como na conclusão da parábola do Filho Pródigo (Lc. 15.11-32), no diálogo com a mulher Samaritana (Jo. 4.14), na mensagem que pregou após a multiplicação dos pães e peixes (Jo. 6. 1-15), na conversa com Marta enquanto a consolava pela morte de Lázaro (Jo.11.25).
  • 15.
  • 16. 3. A DOUTRINA DE CRISTO E OS DEMÔNIOS 1. A doutrina de Cristo e suas obras. Jesus se manifestou “ para desfazer as obras do diabo” (1Jo. 3.8). Observe que as obras de Jesus sempre estiveram conectadas à sua mensagem e aos seus ensinos. Suas obras nunca estão separadas de sua doutrina, inclusive seu poder de expulsar demônios.
  • 17. • 2. Os demônios reconhecem Jesus. Os demônios reconhecem Jesus, eles sabem de sua natureza, reconhecem sua divindade e se curvam diante de seu poderio ( MT.8.28-34). Os demônios se submetem e respeitam tanto a Jesus como sua autoridade.
  • 18. • 3. Os demônios são expulsos. Depois de uma expedição missionária, os discípulos com entusiasmo deram o seguinte relato a Jesus: “ Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam” (Lc. 10.17). Embora tenha sido reconhecido pelos demônios, o Senhor Jesus não interrogou ou estabeleceu qualquer diálogo com eles. O que fica claro é a autoridade de Jesus e de seus ensinos ser reconhecido até mesmo entre os demônios.