SlideShare uma empresa Scribd logo
SITUAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NAS OITO ESCOLAS DA REDE ESTADUAL,
LOCALIZADAS NA GRANDE ARACAJU, VISITADAS PELA REPRESENTANTE DO SINTESE NO
CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (CAE)
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ FRANKLIN (Barra dos Coqueiros)
- Poucos pratos e talheres
A secretáriadaescolaalegou que nãoestavasendofeitaaalimentaçãoescolar,pois o número
de pratos e talhereserainsuficiente paratodososalunos.Elarelatouaindaque osprofessores
estavam pensando em faze uma “cotinha” para comparar talheres para a escola.
- Poucas canecas
Havia umavisona parede da cozinhapedindoparaosestudantestrazerem copos de casa para
tomarem suco
- Não há refeitório
As crianças comem no chão ou dentro das salas de aula
- Não tinham chegado legumes ou frutas para serem servidos aos alunos
- Até o dia 3 de abril tudo que havia na despensa da escola era suco de caixinha.
COLÉGIO ESTADUAL DR. CARLOS FIRPO (Barra dos Coqueiros)
- Não há refeitório
Os alunos comem em pé ou sentados no chão do pátio do Colégio
- Sem merendeira
Apesar da despensa da escola está cheia, na manhã que a representante do SINTESE no CAE,
professora Bernadete Pinheiro, esteve na escola (10 de abril) a merenda dada foi suco e
rocambole. A diretora disse que não tinha sido preparado nada porque a merendeira estava
doente e não havia ido naquele dia.
ESCOLAS REUNIDAS COELHO NETO (Atalaia Nova)
- Na semana da visita da representante do SINTESE no CAE (entre os dias 6 e 10 de abril), a
coordenadora relatou que só havia chegado feijão e broa na escola. A broa já tinha acabado
- Nodia 10 abril a despensadasEscolasReunidasCoelhoNetotinhaarroz,feijão,óleo,vinagre
dois pacotes de açúcar, poucos pacotes de leite em pó, molho de tomate e uma caixa de
rocambole
- A coordenadoradisse que nenhumnutricionistadoDepartamentode Alimentação Escolar da
Secretaria de Estado da Educação (DAE/SEED) havia ido à unidade de ensino para dar
orientações as merendeiras sobre o cardápio
- Merendeira em desvio de função
Quando a representante do SINTESE no CAE chegou à escola a merendeira havia acabado de
limpar o banheiro. A merendeira disse que era praxe fazer os serviços de limpeza da escola.
- Foi relatadoa conselheiradoCAEque em outromomentoosprofessoresdaescola já haviam
feito‘cotinha’paracomprar alimentosparaseremservido aos alunos na hora do recreio, pois
não havia nada na despensa
- O refeitório da escola é improvisado em uma antiga sala de aula e divide espaço com
estantes cheias de livros
Outro problema é que as janelas da sala são altas, o que torna o ambiente quente
ESCOLA ESTADUAL JOSÉ AUGUSTO FERRAZ (Aracaju)
- Não há merendeira no turno da noite
A diretoradistribui lanchesprontos(rocambole,broaouqueijadinha) e suco de caixa entre os
alunos que estudam a noite. A diretora disse que já havia enviado ofício a SEED solicitando
merendeira para o turno da noite.
- Mantimentos insuficientes
A Escola Estadual José Augusto Ferraz atende aproximadamente a 800 estudantes, mas a
quantidade de alimentosnasprateleiras dadespensaerapouca.A carne disponível no freezer
da escola daria no máximo para duas refeições
- Carne moída de má qualidade
A diretoranarrouque a carne moída comprada pelaSEED era de má qualidade.Elacontouque
parecia haver uma espécie de “sebo” na carne e que foi necessário jogar água quente nos
pratos e gastar uma caixa de sabão em pó para lavá-los, pois o detergente não deu conta
- O arroz entregue na escola na remessa anterior havia vindo com larvas
- Faltam colheres grandes para mexer as panelas
- Faltam tocas para as merendeiras
-Copos coletivos
No bebedourodaescolahaviacoposde usocoletivo.Tal práticacontribui para a disseminação
de doenças
ESCOLA ESTADUAL OLÍMPIA BITTENCOURT (Aracaju)
- Não tem panelas
Apósum rouboque ocorreu no início do ano, a cozinha ficou apenas dois cuscuzeiros, pois os
bandidoslevaramasoutraspanelas. A diretora disse que já enviou ofício para a Secretaria de
Estado da Educação (SEED) solicitando panelas, mas até agora não obteve resposta. Devido a
isso, os lanches prontos prevalecem na rotina da alimentação da escola
- Sem orientação de nutricionista
A merendeira da escola contou que esta na função no Olímpia Bittencourt há um ano e que
em todo este tempo nunca recebeu a visita de nenhum nutricionista do DAE/SEED para
orientá-la sobre cardápio e preparo de alimentos
- Não tem tocas, nem avental para a merendeira
- Não há faca para cortar os alimentos na hora do preparo
A merendeira contou que levava uma faca de casa para preparar os alimentos
-Copos coletivos no bebedouro
ESCOLA ESTADUAL OLGA BARRETO (São Cristóvão)
- Não tem merendeira no período da tarde
Devido a este fato os alunos da tarde consomem apenas lanches prontos
- Bojão de gás dentro da cozinha
O bojão deveria estar em uma área fora da cozinha isolada. Para evitar acidentes
- Cozinha com cheiro ruim
Devido a um entupimento no encanamento da cozinha, o ambiente tem um odor ruim
-Na despensa da escola só havia arroz e feijão
De acordo com o diretor os alimentos só chegaram à escola no dia 10 de abril
-Para temperar os alimentos tinha apenas cebola
- Na cozinha não há tele de proteção anti vetores nas entradas de circulação de ar, o que
facilita o acesso de insetos e roedores ao ambiente
ESCOLA ESTADUAL ELÍSIO CARMELO (São Cristóvão)
- Há apenas uma merendeira na escola. Sendo que a unidade de ensino funciona nos três
turnos
- Executoras de serviços gerais atuam como merendeiras
Para não deixar os alunos sem comer executoras de serviços gerais fazem vezes de
merendeiras
- O local de armazenamento dos alimentos não tem tela anti vetores e é muito distante da
cozinha
COLÉGIO ESTADUAL GASPAR LOURENÇO (São Cristóvão)
-Não há merendeiras na escola
Devido a isso as refeições são preparadas somente uma vez por semana, por uma executora
de serviços básicos.
- Não tem refeitório na Escola
- A despensa onde são armazenados os alimentos é muito quente e sem ventilação
- A cozinha é pequena
- O Bojão de gás fica dentro da cozinha e não em uma área externa reservada para este fim
como deveria ser
- Rãs no bebedouro
Os estudantes contaram que nos bebedouros é comum encontrar rãs

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Situação da alimentação escolar em 8 escolas da rede estadual de Sergipe

Resumo FENERC 2012 - Lucas do Rio Verde
Resumo FENERC 2012 - Lucas do Rio VerdeResumo FENERC 2012 - Lucas do Rio Verde
Resumo FENERC 2012 - Lucas do Rio Verde
forumdealimetacao
 
Parte 3 Monografia
Parte 3 MonografiaParte 3 Monografia
Parte 3 Monografia
Perillo Jose Sabino Nunes
 
Livro receitas merendeiras
Livro receitas merendeirasLivro receitas merendeiras
Livro receitas merendeiras
galaivp
 
livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁
livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁
livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁
ketyllafernandadossa
 
livro14.pdf
livro14.pdflivro14.pdf
livro14.pdf
camaraostudios
 
Reunião de pais 2015
Reunião de pais 2015Reunião de pais 2015
Reunião de pais 2015
myrthes
 
Abertura do ano Lectivo - Aldeia Nova
Abertura do ano Lectivo - Aldeia NovaAbertura do ano Lectivo - Aldeia Nova
Abertura do ano Lectivo - Aldeia Nova
Vale Rodrigues
 
Microsoft word correio uacury março 2005 pdf
Microsoft word   correio uacury março 2005 pdfMicrosoft word   correio uacury março 2005 pdf
Microsoft word correio uacury março 2005 pdf
Edson Mamprin
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
myrthes
 
Festival parte1
Festival parte1Festival parte1
Festival parte1
artedecozinhar1
 
Festival de receitas sesc
Festival de receitas sescFestival de receitas sesc
Festival de receitas sesc
rose
 
Biologiaaaaaaaaaaaaa
BiologiaaaaaaaaaaaaaBiologiaaaaaaaaaaaaa
Biologiaaaaaaaaaaaaa
estellasantos2
 
Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O...
 Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O... Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O...
Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O...
gikapp88
 
Refeitório 1 a
Refeitório 1 aRefeitório 1 a
Refeitório 1 a
Nádia França
 
Diagnostico estagio social
Diagnostico estagio socialDiagnostico estagio social
Diagnostico estagio social
AnaliceBispo
 
Jornal Escolar Edição 01 2014
Jornal Escolar Edição 01 2014Jornal Escolar Edição 01 2014
Jornal Escolar Edição 01 2014
Escola Nova Galileia
 
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de PernambucoResumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco
forumdealimetacao
 
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano QuadrienalEE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
brgsto
 
Ar1
Ar1Ar1
Plano de Apoio Escolar
Plano de Apoio EscolarPlano de Apoio Escolar
Plano de Apoio Escolar
Marília Pinheiro
 

Semelhante a Situação da alimentação escolar em 8 escolas da rede estadual de Sergipe (20)

Resumo FENERC 2012 - Lucas do Rio Verde
Resumo FENERC 2012 - Lucas do Rio VerdeResumo FENERC 2012 - Lucas do Rio Verde
Resumo FENERC 2012 - Lucas do Rio Verde
 
Parte 3 Monografia
Parte 3 MonografiaParte 3 Monografia
Parte 3 Monografia
 
Livro receitas merendeiras
Livro receitas merendeirasLivro receitas merendeiras
Livro receitas merendeiras
 
livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁
livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁
livro receitas da vovó caseiro venha 😁😁
 
livro14.pdf
livro14.pdflivro14.pdf
livro14.pdf
 
Reunião de pais 2015
Reunião de pais 2015Reunião de pais 2015
Reunião de pais 2015
 
Abertura do ano Lectivo - Aldeia Nova
Abertura do ano Lectivo - Aldeia NovaAbertura do ano Lectivo - Aldeia Nova
Abertura do ano Lectivo - Aldeia Nova
 
Microsoft word correio uacury março 2005 pdf
Microsoft word   correio uacury março 2005 pdfMicrosoft word   correio uacury março 2005 pdf
Microsoft word correio uacury março 2005 pdf
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Festival parte1
Festival parte1Festival parte1
Festival parte1
 
Festival de receitas sesc
Festival de receitas sescFestival de receitas sesc
Festival de receitas sesc
 
Biologiaaaaaaaaaaaaa
BiologiaaaaaaaaaaaaaBiologiaaaaaaaaaaaaa
Biologiaaaaaaaaaaaaa
 
Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O...
 Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O... Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O...
Atividades de Educação Nutricional desenvolvidas nas Unidades Educativas - O...
 
Refeitório 1 a
Refeitório 1 aRefeitório 1 a
Refeitório 1 a
 
Diagnostico estagio social
Diagnostico estagio socialDiagnostico estagio social
Diagnostico estagio social
 
Jornal Escolar Edição 01 2014
Jornal Escolar Edição 01 2014Jornal Escolar Edição 01 2014
Jornal Escolar Edição 01 2014
 
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de PernambucoResumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco
Resumo Fenerc 2011 - Secretaria de Educação de Pernambuco
 
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano QuadrienalEE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
EE. Maria Antônia Zangarini - Plano Quadrienal
 
Ar1
Ar1Ar1
Ar1
 
Plano de Apoio Escolar
Plano de Apoio EscolarPlano de Apoio Escolar
Plano de Apoio Escolar
 

Mais de Sintese Sergipe

Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...
Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...
Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...
Sintese Sergipe
 
Coletiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em Sergipe
Coletiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em SergipeColetiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em Sergipe
Coletiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em Sergipe
Sintese Sergipe
 
XV CONGRESSO DO SINTESE - Apresentação
XV CONGRESSO DO SINTESE - ApresentaçãoXV CONGRESSO DO SINTESE - Apresentação
XV CONGRESSO DO SINTESE - Apresentação
Sintese Sergipe
 
Dados Sócio Educacionais Salgado Sergipe
Dados Sócio Educacionais Salgado SergipeDados Sócio Educacionais Salgado Sergipe
Dados Sócio Educacionais Salgado Sergipe
Sintese Sergipe
 
DOE 14 maio 2014 pag 02
DOE 14 maio 2014 pag 02DOE 14 maio 2014 pag 02
DOE 14 maio 2014 pag 02
Sintese Sergipe
 
Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14
Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14
Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14
Sintese Sergipe
 
Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013
Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013
Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013
Sintese Sergipe
 
Sergipe no Mais Cultura nas Escolas
Sergipe no Mais Cultura nas EscolasSergipe no Mais Cultura nas Escolas
Sergipe no Mais Cultura nas Escolas
Sintese Sergipe
 
Coletiva nota prova final 2013
Coletiva nota prova final 2013Coletiva nota prova final 2013
Coletiva nota prova final 2013
Sintese Sergipe
 
Confira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIA
Confira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIAConfira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIA
Confira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIA
Sintese Sergipe
 
Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...
Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...
Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...
Sintese Sergipe
 
O GOVERNO PODE P
O GOVERNO PODE PO GOVERNO PODE P
O GOVERNO PODE P
Sintese Sergipe
 
Presidente do Sintese avalia política estadual de educação na Alese
Presidente do Sintese avalia política estadual de educação na AlesePresidente do Sintese avalia política estadual de educação na Alese
Presidente do Sintese avalia política estadual de educação na Alese
Sintese Sergipe
 
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Sintese Sergipe
 
O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"
O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"
O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"
Sintese Sergipe
 
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Sintese Sergipe
 
Congresso edep 10_11_2012
Congresso edep 10_11_2012Congresso edep 10_11_2012
Congresso edep 10_11_2012Sintese Sergipe
 
Orientações gerais - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO
Orientações gerais  - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃOOrientações gerais  - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO
Orientações gerais - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO
Sintese Sergipe
 
Retrato das Escolas Públicas Municipais de Neópolis
Retrato das Escolas Públicas Municipais de NeópolisRetrato das Escolas Públicas Municipais de Neópolis
Retrato das Escolas Públicas Municipais de Neópolis
Sintese Sergipe
 
Proposta resolução de impasse
Proposta resolução de impasseProposta resolução de impasse
Proposta resolução de impasse
Sintese Sergipe
 

Mais de Sintese Sergipe (20)

Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...
Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...
Denúncia: Estado de Sergipe poderia ter economizado mais de R$3 milhões na co...
 
Coletiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em Sergipe
Coletiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em SergipeColetiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em Sergipe
Coletiva de imprensa: a realidade da educação pública estadual em Sergipe
 
XV CONGRESSO DO SINTESE - Apresentação
XV CONGRESSO DO SINTESE - ApresentaçãoXV CONGRESSO DO SINTESE - Apresentação
XV CONGRESSO DO SINTESE - Apresentação
 
Dados Sócio Educacionais Salgado Sergipe
Dados Sócio Educacionais Salgado SergipeDados Sócio Educacionais Salgado Sergipe
Dados Sócio Educacionais Salgado Sergipe
 
DOE 14 maio 2014 pag 02
DOE 14 maio 2014 pag 02DOE 14 maio 2014 pag 02
DOE 14 maio 2014 pag 02
 
Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14
Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14
Tabela salarial do magistério estadual de Sergipe mai/14
 
Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013
Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013
Queda de Matrícula Região Centro Sul de Sergipe - 1999-2013
 
Sergipe no Mais Cultura nas Escolas
Sergipe no Mais Cultura nas EscolasSergipe no Mais Cultura nas Escolas
Sergipe no Mais Cultura nas Escolas
 
Coletiva nota prova final 2013
Coletiva nota prova final 2013Coletiva nota prova final 2013
Coletiva nota prova final 2013
 
Confira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIA
Confira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIAConfira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIA
Confira a Programação Completa da XI CONFERÊNCIA
 
Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...
Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...
Agamenon Sobral confirma que a irmã que assinou documento com papel timbrado ...
 
O GOVERNO PODE P
O GOVERNO PODE PO GOVERNO PODE P
O GOVERNO PODE P
 
Presidente do Sintese avalia política estadual de educação na Alese
Presidente do Sintese avalia política estadual de educação na AlesePresidente do Sintese avalia política estadual de educação na Alese
Presidente do Sintese avalia política estadual de educação na Alese
 
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
Princípios que orientam o Projeto "A escola democrática e popular"
 
O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"
O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"
O que é o Projeto "A ESCOLA DEMOCRÁTICA E POPULAR"
 
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
 
Congresso edep 10_11_2012
Congresso edep 10_11_2012Congresso edep 10_11_2012
Congresso edep 10_11_2012
 
Orientações gerais - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO
Orientações gerais  - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃOOrientações gerais  - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO
Orientações gerais - XIV CONGRESSO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO
 
Retrato das Escolas Públicas Municipais de Neópolis
Retrato das Escolas Públicas Municipais de NeópolisRetrato das Escolas Públicas Municipais de Neópolis
Retrato das Escolas Públicas Municipais de Neópolis
 
Proposta resolução de impasse
Proposta resolução de impasseProposta resolução de impasse
Proposta resolução de impasse
 

Último

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 

Último (20)

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 

Situação da alimentação escolar em 8 escolas da rede estadual de Sergipe

  • 1. SITUAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NAS OITO ESCOLAS DA REDE ESTADUAL, LOCALIZADAS NA GRANDE ARACAJU, VISITADAS PELA REPRESENTANTE DO SINTESE NO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (CAE) ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ FRANKLIN (Barra dos Coqueiros) - Poucos pratos e talheres A secretáriadaescolaalegou que nãoestavasendofeitaaalimentaçãoescolar,pois o número de pratos e talhereserainsuficiente paratodososalunos.Elarelatouaindaque osprofessores estavam pensando em faze uma “cotinha” para comparar talheres para a escola. - Poucas canecas Havia umavisona parede da cozinhapedindoparaosestudantestrazerem copos de casa para tomarem suco - Não há refeitório As crianças comem no chão ou dentro das salas de aula - Não tinham chegado legumes ou frutas para serem servidos aos alunos - Até o dia 3 de abril tudo que havia na despensa da escola era suco de caixinha. COLÉGIO ESTADUAL DR. CARLOS FIRPO (Barra dos Coqueiros) - Não há refeitório Os alunos comem em pé ou sentados no chão do pátio do Colégio - Sem merendeira Apesar da despensa da escola está cheia, na manhã que a representante do SINTESE no CAE, professora Bernadete Pinheiro, esteve na escola (10 de abril) a merenda dada foi suco e rocambole. A diretora disse que não tinha sido preparado nada porque a merendeira estava doente e não havia ido naquele dia. ESCOLAS REUNIDAS COELHO NETO (Atalaia Nova) - Na semana da visita da representante do SINTESE no CAE (entre os dias 6 e 10 de abril), a coordenadora relatou que só havia chegado feijão e broa na escola. A broa já tinha acabado - Nodia 10 abril a despensadasEscolasReunidasCoelhoNetotinhaarroz,feijão,óleo,vinagre dois pacotes de açúcar, poucos pacotes de leite em pó, molho de tomate e uma caixa de rocambole - A coordenadoradisse que nenhumnutricionistadoDepartamentode Alimentação Escolar da Secretaria de Estado da Educação (DAE/SEED) havia ido à unidade de ensino para dar orientações as merendeiras sobre o cardápio
  • 2. - Merendeira em desvio de função Quando a representante do SINTESE no CAE chegou à escola a merendeira havia acabado de limpar o banheiro. A merendeira disse que era praxe fazer os serviços de limpeza da escola. - Foi relatadoa conselheiradoCAEque em outromomentoosprofessoresdaescola já haviam feito‘cotinha’paracomprar alimentosparaseremservido aos alunos na hora do recreio, pois não havia nada na despensa - O refeitório da escola é improvisado em uma antiga sala de aula e divide espaço com estantes cheias de livros Outro problema é que as janelas da sala são altas, o que torna o ambiente quente ESCOLA ESTADUAL JOSÉ AUGUSTO FERRAZ (Aracaju) - Não há merendeira no turno da noite A diretoradistribui lanchesprontos(rocambole,broaouqueijadinha) e suco de caixa entre os alunos que estudam a noite. A diretora disse que já havia enviado ofício a SEED solicitando merendeira para o turno da noite. - Mantimentos insuficientes A Escola Estadual José Augusto Ferraz atende aproximadamente a 800 estudantes, mas a quantidade de alimentosnasprateleiras dadespensaerapouca.A carne disponível no freezer da escola daria no máximo para duas refeições - Carne moída de má qualidade A diretoranarrouque a carne moída comprada pelaSEED era de má qualidade.Elacontouque parecia haver uma espécie de “sebo” na carne e que foi necessário jogar água quente nos pratos e gastar uma caixa de sabão em pó para lavá-los, pois o detergente não deu conta - O arroz entregue na escola na remessa anterior havia vindo com larvas - Faltam colheres grandes para mexer as panelas - Faltam tocas para as merendeiras -Copos coletivos No bebedourodaescolahaviacoposde usocoletivo.Tal práticacontribui para a disseminação de doenças ESCOLA ESTADUAL OLÍMPIA BITTENCOURT (Aracaju) - Não tem panelas
  • 3. Apósum rouboque ocorreu no início do ano, a cozinha ficou apenas dois cuscuzeiros, pois os bandidoslevaramasoutraspanelas. A diretora disse que já enviou ofício para a Secretaria de Estado da Educação (SEED) solicitando panelas, mas até agora não obteve resposta. Devido a isso, os lanches prontos prevalecem na rotina da alimentação da escola - Sem orientação de nutricionista A merendeira da escola contou que esta na função no Olímpia Bittencourt há um ano e que em todo este tempo nunca recebeu a visita de nenhum nutricionista do DAE/SEED para orientá-la sobre cardápio e preparo de alimentos - Não tem tocas, nem avental para a merendeira - Não há faca para cortar os alimentos na hora do preparo A merendeira contou que levava uma faca de casa para preparar os alimentos -Copos coletivos no bebedouro ESCOLA ESTADUAL OLGA BARRETO (São Cristóvão) - Não tem merendeira no período da tarde Devido a este fato os alunos da tarde consomem apenas lanches prontos - Bojão de gás dentro da cozinha O bojão deveria estar em uma área fora da cozinha isolada. Para evitar acidentes - Cozinha com cheiro ruim Devido a um entupimento no encanamento da cozinha, o ambiente tem um odor ruim -Na despensa da escola só havia arroz e feijão De acordo com o diretor os alimentos só chegaram à escola no dia 10 de abril -Para temperar os alimentos tinha apenas cebola - Na cozinha não há tele de proteção anti vetores nas entradas de circulação de ar, o que facilita o acesso de insetos e roedores ao ambiente ESCOLA ESTADUAL ELÍSIO CARMELO (São Cristóvão) - Há apenas uma merendeira na escola. Sendo que a unidade de ensino funciona nos três turnos - Executoras de serviços gerais atuam como merendeiras Para não deixar os alunos sem comer executoras de serviços gerais fazem vezes de merendeiras
  • 4. - O local de armazenamento dos alimentos não tem tela anti vetores e é muito distante da cozinha COLÉGIO ESTADUAL GASPAR LOURENÇO (São Cristóvão) -Não há merendeiras na escola Devido a isso as refeições são preparadas somente uma vez por semana, por uma executora de serviços básicos. - Não tem refeitório na Escola - A despensa onde são armazenados os alimentos é muito quente e sem ventilação - A cozinha é pequena - O Bojão de gás fica dentro da cozinha e não em uma área externa reservada para este fim como deveria ser - Rãs no bebedouro Os estudantes contaram que nos bebedouros é comum encontrar rãs