SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge
Departamento de Sistemas de Informação – Universidade do Minho – Guimarães, 8 de fevereiro de 2016
Sistemas (e não software) de informação
segundo a redução ao sistema de Mario Bunge
ROTEIRO
Apresentação (afiliação, antecedentes)
Introdução
O sequestro (sem proveito) de “sistemas de informação”
Sistemas sociotecnológicos (termo ruim, ideia original)
Propósito: modelar e investigar SI sociotecnológicos
Abordagem de sistemas de informação em alto nível com o sistemismo de Bunge
Descrição: Composição, Ambiente, Estrutura
Explicação: Mecanismo
Feitos e perspectivas
Vinícius M. Kern, Departamento de Ciência da Informação, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC/Brasil).
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge
2
Formação em Engenharia
Eng. Civil (UFRGS 1987), mestrado e doutorado (1991-1997) em Eng. Produção (UFSC)
Docência em Computação
1992-2008 – Bancos de dados, esp. modelagem (Univali - Santa Catarina)
Publicação em Informação
Primeiro artigo em 2001
2010: Departamento de Ciência da Informação (UFSC)
Biblioteconomia, Arquivologia, PPG Ciência da Informação [e Eng. & Gestão do Conhecimento]
2014 coordenação da pós-CI, 2016 bolsa de produtividade em pesquisa (CNPq), área CI
ApresentaçãoApresentação
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 3
O sequestro (sem proveito) de “sistemas de informação”
Fuchs: SI incompreendidos mesmo por seus protagonistas.
Kilov & Sack: lacuna comunicacional proverbial.
Silva et al.: Como se SI=tecnologia, “software de sistema de informação”.
Ainda assim, os “usuários” não dizem quais são os “requisitos”.
Sistemas sociotecnológicos (termo ruim, ideia original)
Sistemas resolvedores de problemas em colaboração dinâmica com pessoas.
Sim, diferente de “sistema sociotécnico”...
A ver exemplo...
Fuchs, C. (2005). The internet as a self-organizing socio-technological system. Cybernetics & Human Knowing, 12(3), 37-81.
Kilov, H., & Sack, I. (2009). Mechanisms for communication between business and IT experts. Computer Standards &
Interfaces, 31(1), 98-109.
Silva, C., Ferreira, I., Ramos, I., & Amaral, L. (2014, June). Interpretative research in information systems: Two qualitative
research design projects. In Proceedings of the 13th European Conference on Research Methodology for Business and
Management Studies: ECRM 2014 (p. 337). Academic Conferences Limited.
IntroduçãoIntrodução
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 4
Flagrante de um sistema sociotecnológico ...Flagrante de um sistema sociotecnológico ...
Colaboração humano-artificial. Objeto: vídeo curto.Colaboração humano-artificial. Objeto: vídeo curto.
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 5
Propósito: modelar e investigar SI sociotecnológicos
Abordagem de sistemas de informação em alto nível com o sistemismo de Bunge
[Inspiração: o modelo de sistema pareceu claro e poderoso
para explicar fenômenos informacionais complexos como o
crescimento da Plataforma Lattes]
Descrição sistemista:
Modelagem (abstração) de componentes (C), elementos do ambiente (E), ligações C-C e C-E
Explicação sistemista:
Conjetura e teste de mecanismos de funcionamento.
Bunge, M. (2003). Emergence and convergence: Qualitative novelty and the unity of knowledge. University of Toronto Press.
IntroduçãoIntrodução
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 6
Descrição (Silva, 2014) e
→
Explicação de repositórios institucionais
Silva, Vianna e Kern (2016) a partir dos
resultados do experimento de Arlitsch &
O'Brien (2012)
Arlitsch, K., & O'Brien, P. S. (2012). Invisible institutional repositories: addressing the low indexing ratios of IRs in Google
Scholar. Library Hi Tech, 30(1), 60-81.
Silva, L.M. (2014). Repositório institucional como sistema técnico-social. Florianópolis-SC, Brasil: UFSC. (Universidade
Federal de Santa Catarina Masters dissertation)
Silva, L. M., Vianna, W. B., & Kern, V. M. (2016). O sistemismo de Bunge como base teórico-metodológica para pesquisa em
Ciência da Informação. To appear in Em Questão, e-ISSN 1808-5245.
Descrição e explicação sistemista: umDescrição e explicação sistemista: um
exemploexemplo
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 7
Até aqui...
1 dissertação de mestrado (Silva, 2014),
1 artigo aceito (Silva, Vianna e Kern, 2016) e
1 submetido (Kern & Giménez “The editorial peer review system: towards a comprehensive description with the
CESM system metamodel” → Conceptions of Library & Inf. Science / Information Research).
A seguir...
1 artigo metodológico (Kern, Silva e Giménez, 2016 – como descrever composição, ambiente e estrutura).
1 dissertação (Formoso, informata – sistematização metodológica da descrição).
e abordagens de sistemas de informação, por exemplo, mecanismos da Plataforma Lattes
Apropriação individual
do currículo vitae
Evolução do esquema
curricular por
consenso da
comunidade
Feitos e perspectivasFeitos e perspectivas
Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge
8
OBRIGADO!
vmkern@pq.cnpq.br,
www.kern.prof.ufsc.br
UFSC – PPG Ciência da Informação, PPG Engenharia e Gestão do Conhecimento

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sistemas-de-informacao-2o-Reducao-Ao-Sistema_Bunge

IHC - Aula 01: Apresentação da Disciplina
IHC - Aula 01: Apresentação da DisciplinaIHC - Aula 01: Apresentação da Disciplina
IHC - Aula 01: Apresentação da Disciplina
Tatiana Tavares
 
A interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cida
A interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cidaA interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cida
A interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cida
Adrianelegnani
 
Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010
cibeleac
 
Apresentação de TI - FAFICA
Apresentação de TI - FAFICAApresentação de TI - FAFICA
Apresentação de TI - FAFICA
Robson Santos
 
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 12012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
Luis Vidigal
 
926 4624-1-pb
926 4624-1-pb926 4624-1-pb
926 4624-1-pb
Ademar Trindade
 
EMENTA TI - Administração 2010
EMENTA TI - Administração 2010EMENTA TI - Administração 2010
EMENTA TI - Administração 2010
Robson Santos
 
Arquitetura da Informação: um novo olhar para a Informação organizacional
Arquitetura da Informação:  um novo olhar para a Informação  organizacionalArquitetura da Informação:  um novo olhar para a Informação  organizacional
Arquitetura da Informação: um novo olhar para a Informação organizacional
Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior
 
Pesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionais
Pesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionaisPesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionais
Pesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionais
Mariano Pimentel
 
Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...
Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...
Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...
Wanderley Wang
 
Grade programação jornada 2012
Grade programação jornada 2012Grade programação jornada 2012
Grade programação jornada 2012
Elaine Cecília Gatto
 
Texto rede ci parreiras
Texto rede ci   parreirasTexto rede ci   parreiras
Texto rede ci parreiras
Rômulo Barros
 
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e UsabilidadePalestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Luiz Agner
 
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisArquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Salomão Terra
 
Aapresentação artigo 29.11.2012
Aapresentação artigo   29.11.2012Aapresentação artigo   29.11.2012
Aapresentação artigo 29.11.2012
Maximiliano Barroso Bonfá
 
Metadados para a representação de imagens digitais
Metadados para a representação de imagens digitaisMetadados para a representação de imagens digitais
Metadados para a representação de imagens digitais
Ana Carolina Simionato
 
Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...
Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...
Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...
Tiago Murakami
 
Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdas
Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdasNovas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdas
Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdas
Ronan Tocafundo
 
ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...
ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...
ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
A carreira de cientista de dados para a saúde digital
A carreira de cientista de dados para a saúde digitalA carreira de cientista de dados para a saúde digital
A carreira de cientista de dados para a saúde digital
Mauro Pichiliani
 

Semelhante a Sistemas-de-informacao-2o-Reducao-Ao-Sistema_Bunge (20)

IHC - Aula 01: Apresentação da Disciplina
IHC - Aula 01: Apresentação da DisciplinaIHC - Aula 01: Apresentação da Disciplina
IHC - Aula 01: Apresentação da Disciplina
 
A interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cida
A interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cidaA interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cida
A interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias cida
 
Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010
 
Apresentação de TI - FAFICA
Apresentação de TI - FAFICAApresentação de TI - FAFICA
Apresentação de TI - FAFICA
 
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 12012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
 
926 4624-1-pb
926 4624-1-pb926 4624-1-pb
926 4624-1-pb
 
EMENTA TI - Administração 2010
EMENTA TI - Administração 2010EMENTA TI - Administração 2010
EMENTA TI - Administração 2010
 
Arquitetura da Informação: um novo olhar para a Informação organizacional
Arquitetura da Informação:  um novo olhar para a Informação  organizacionalArquitetura da Informação:  um novo olhar para a Informação  organizacional
Arquitetura da Informação: um novo olhar para a Informação organizacional
 
Pesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionais
Pesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionaisPesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionais
Pesquisar os/com/por-meio-dos artefatos computacionais
 
Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...
Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...
Uso de uma Base de Conhecimento de Senso Comum em Projetos de Arquitetura da ...
 
Grade programação jornada 2012
Grade programação jornada 2012Grade programação jornada 2012
Grade programação jornada 2012
 
Texto rede ci parreiras
Texto rede ci   parreirasTexto rede ci   parreiras
Texto rede ci parreiras
 
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e UsabilidadePalestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
 
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisArquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
 
Aapresentação artigo 29.11.2012
Aapresentação artigo   29.11.2012Aapresentação artigo   29.11.2012
Aapresentação artigo 29.11.2012
 
Metadados para a representação de imagens digitais
Metadados para a representação de imagens digitaisMetadados para a representação de imagens digitais
Metadados para a representação de imagens digitais
 
Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...
Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...
Macro Estrutura de Sistemas de Informação com base em princípios na Web Semân...
 
Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdas
Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdasNovas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdas
Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas caqdas
 
ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...
ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...
ANÁLISES DE REDES DE COOCORÊNCIA TEMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE ÁREAS DE CONCENTR...
 
A carreira de cientista de dados para a saúde digital
A carreira de cientista de dados para a saúde digitalA carreira de cientista de dados para a saúde digital
A carreira de cientista de dados para a saúde digital
 

Mais de Vinícius M. Kern

Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...
Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...
Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...
Vinícius M. Kern
 
Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...
Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...
Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...
Vinícius M. Kern
 
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
Vinícius M. Kern
 
The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...
The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...
The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...
Vinícius M. Kern
 
Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia
Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia
Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia
Vinícius M. Kern
 
Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...
Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...
Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...
Vinícius M. Kern
 
El sistema de revisión por pares
El sistema de revisión por paresEl sistema de revisión por pares
El sistema de revisión por pares
Vinícius M. Kern
 
Revisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto Par
Revisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto ParRevisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto Par
Revisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto Par
Vinícius M. Kern
 
Atores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorial
Atores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorialAtores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorial
Atores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorial
Vinícius M. Kern
 
Revisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no tema
Revisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no temaRevisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no tema
Revisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no tema
Vinícius M. Kern
 
Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...
Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...
Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...
Vinícius M. Kern
 
Painel Científico EGC/UFSC 2012: Abertura
Painel Científico EGC/UFSC 2012: AberturaPainel Científico EGC/UFSC 2012: Abertura
Painel Científico EGC/UFSC 2012: Abertura
Vinícius M. Kern
 
O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...
O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...
O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...
Vinícius M. Kern
 
Currículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovação
Currículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovaçãoCurrículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovação
Currículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovação
Vinícius M. Kern
 
Plataformas e-gov como sistemas sociotecnológicos
Plataformas e-gov como sistemas sociotecnológicosPlataformas e-gov como sistemas sociotecnológicos
Plataformas e-gov como sistemas sociotecnológicos
Vinícius M. Kern
 
Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)
Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)
Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)
Vinícius M. Kern
 
Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...
Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...
Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...
Vinícius M. Kern
 
Convergência Tecnológica
Convergência TecnológicaConvergência Tecnológica
Convergência Tecnológica
Vinícius M. Kern
 
Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)
Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)
Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)
Vinícius M. Kern
 
O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...
O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...
O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...
Vinícius M. Kern
 

Mais de Vinícius M. Kern (20)

Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...
Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...
Curadoria de informação na Wikipédia: Lições para a comunicação científica (I...
 
Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...
Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...
Kern & Uriona (2018). Hipercrescimento e colapso: Conjeturando cenários da so...
 
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
A redução ao sistema como operação epistêmica: Metodologia e aplicação à ciên...
 
The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...
The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...
The editorial peer review system: Towards a comprehensive description with th...
 
Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia
Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia
Visión Sistémica de la Evaluación Por Pares en Ciencia
 
Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...
Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...
Cosmovisión, estrategia y métodos de investigación: opciones teórico-metodoló...
 
El sistema de revisión por pares
El sistema de revisión por paresEl sistema de revisión por pares
El sistema de revisión por pares
 
Revisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto Par
Revisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto ParRevisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto Par
Revisão por pares na aprendizagem: 17 anos de prática e pesquisa no Projeto Par
 
Atores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorial
Atores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorialAtores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorial
Atores, fatores, relações e mecanismos da revisão por pares editorial
 
Revisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no tema
Revisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no temaRevisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no tema
Revisão por pares: Como funciona (?) e nossas pesquisas no tema
 
Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...
Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...
Confiabilidade da revisão por pares recíproca anônima de propostas de mestrad...
 
Painel Científico EGC/UFSC 2012: Abertura
Painel Científico EGC/UFSC 2012: AberturaPainel Científico EGC/UFSC 2012: Abertura
Painel Científico EGC/UFSC 2012: Abertura
 
O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...
O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...
O sistemismo de Bunge: fundamentos, abordagem metodológica e aplicação a sist...
 
Currículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovação
Currículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovaçãoCurrículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovação
Currículo Lattes como credencial do pesquisador no sistema nacional de inovação
 
Plataformas e-gov como sistemas sociotecnológicos
Plataformas e-gov como sistemas sociotecnológicosPlataformas e-gov como sistemas sociotecnológicos
Plataformas e-gov como sistemas sociotecnológicos
 
Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)
Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)
Growing a Peer Review Culture among Graduate Students (WCCE 2009)
 
Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...
Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...
Emergo: Academic Performance Assessment and Planning with a Data Mart (WCCE 2...
 
Convergência Tecnológica
Convergência TecnológicaConvergência Tecnológica
Convergência Tecnológica
 
Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)
Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)
Ciência e métodos para a interdisciplinaridade (5o Workshop EGC/UFSC)
 
O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...
O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...
O que Martinho da Vila entende de BD? (sobre abstrações de abstrações e model...
 

Sistemas-de-informacao-2o-Reducao-Ao-Sistema_Bunge

  • 1. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge Departamento de Sistemas de Informação – Universidade do Minho – Guimarães, 8 de fevereiro de 2016 Sistemas (e não software) de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge ROTEIRO Apresentação (afiliação, antecedentes) Introdução O sequestro (sem proveito) de “sistemas de informação” Sistemas sociotecnológicos (termo ruim, ideia original) Propósito: modelar e investigar SI sociotecnológicos Abordagem de sistemas de informação em alto nível com o sistemismo de Bunge Descrição: Composição, Ambiente, Estrutura Explicação: Mecanismo Feitos e perspectivas Vinícius M. Kern, Departamento de Ciência da Informação, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC/Brasil).
  • 2. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 2 Formação em Engenharia Eng. Civil (UFRGS 1987), mestrado e doutorado (1991-1997) em Eng. Produção (UFSC) Docência em Computação 1992-2008 – Bancos de dados, esp. modelagem (Univali - Santa Catarina) Publicação em Informação Primeiro artigo em 2001 2010: Departamento de Ciência da Informação (UFSC) Biblioteconomia, Arquivologia, PPG Ciência da Informação [e Eng. & Gestão do Conhecimento] 2014 coordenação da pós-CI, 2016 bolsa de produtividade em pesquisa (CNPq), área CI ApresentaçãoApresentação
  • 3. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 3 O sequestro (sem proveito) de “sistemas de informação” Fuchs: SI incompreendidos mesmo por seus protagonistas. Kilov & Sack: lacuna comunicacional proverbial. Silva et al.: Como se SI=tecnologia, “software de sistema de informação”. Ainda assim, os “usuários” não dizem quais são os “requisitos”. Sistemas sociotecnológicos (termo ruim, ideia original) Sistemas resolvedores de problemas em colaboração dinâmica com pessoas. Sim, diferente de “sistema sociotécnico”... A ver exemplo... Fuchs, C. (2005). The internet as a self-organizing socio-technological system. Cybernetics & Human Knowing, 12(3), 37-81. Kilov, H., & Sack, I. (2009). Mechanisms for communication between business and IT experts. Computer Standards & Interfaces, 31(1), 98-109. Silva, C., Ferreira, I., Ramos, I., & Amaral, L. (2014, June). Interpretative research in information systems: Two qualitative research design projects. In Proceedings of the 13th European Conference on Research Methodology for Business and Management Studies: ECRM 2014 (p. 337). Academic Conferences Limited. IntroduçãoIntrodução
  • 4. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 4 Flagrante de um sistema sociotecnológico ...Flagrante de um sistema sociotecnológico ... Colaboração humano-artificial. Objeto: vídeo curto.Colaboração humano-artificial. Objeto: vídeo curto.
  • 5. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 5 Propósito: modelar e investigar SI sociotecnológicos Abordagem de sistemas de informação em alto nível com o sistemismo de Bunge [Inspiração: o modelo de sistema pareceu claro e poderoso para explicar fenômenos informacionais complexos como o crescimento da Plataforma Lattes] Descrição sistemista: Modelagem (abstração) de componentes (C), elementos do ambiente (E), ligações C-C e C-E Explicação sistemista: Conjetura e teste de mecanismos de funcionamento. Bunge, M. (2003). Emergence and convergence: Qualitative novelty and the unity of knowledge. University of Toronto Press. IntroduçãoIntrodução
  • 6. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 6 Descrição (Silva, 2014) e → Explicação de repositórios institucionais Silva, Vianna e Kern (2016) a partir dos resultados do experimento de Arlitsch & O'Brien (2012) Arlitsch, K., & O'Brien, P. S. (2012). Invisible institutional repositories: addressing the low indexing ratios of IRs in Google Scholar. Library Hi Tech, 30(1), 60-81. Silva, L.M. (2014). Repositório institucional como sistema técnico-social. Florianópolis-SC, Brasil: UFSC. (Universidade Federal de Santa Catarina Masters dissertation) Silva, L. M., Vianna, W. B., & Kern, V. M. (2016). O sistemismo de Bunge como base teórico-metodológica para pesquisa em Ciência da Informação. To appear in Em Questão, e-ISSN 1808-5245. Descrição e explicação sistemista: umDescrição e explicação sistemista: um exemploexemplo
  • 7. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 7 Até aqui... 1 dissertação de mestrado (Silva, 2014), 1 artigo aceito (Silva, Vianna e Kern, 2016) e 1 submetido (Kern & Giménez “The editorial peer review system: towards a comprehensive description with the CESM system metamodel” → Conceptions of Library & Inf. Science / Information Research). A seguir... 1 artigo metodológico (Kern, Silva e Giménez, 2016 – como descrever composição, ambiente e estrutura). 1 dissertação (Formoso, informata – sistematização metodológica da descrição). e abordagens de sistemas de informação, por exemplo, mecanismos da Plataforma Lattes Apropriação individual do currículo vitae Evolução do esquema curricular por consenso da comunidade Feitos e perspectivasFeitos e perspectivas
  • 8. Sistemas de informação segundo a redução ao sistema de Mario Bunge 8 OBRIGADO! vmkern@pq.cnpq.br, www.kern.prof.ufsc.br UFSC – PPG Ciência da Informação, PPG Engenharia e Gestão do Conhecimento