SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia
1
SINAIS VITAIS
Base teórica _
Os sinais vitais são informações básicas colhidas pelo enfermeiro para avaliação do
estado de saúde do cliente.
O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar a equipe quanto a mensuração dos sinais
vitais.
Faz-se por necessário conhecer alguns parâmetros e as conseqüências para o cuidado
Objetivos da aula
W Expor conteúdos sobre sinais vitais no que diz respeito a:
W Mensuração
W Avaliação
W Delegação
Tópicos relevantes
W Interpretação dos resultados,
W Equipamento adequado,
W Variação de acordo com a faixa etária,
W Anamnese e fatores co-relatos,
W Abordagem do cliente,
W Antiarrítmicos.
Quando aferir SV?
Quando admitido em unidade hospitalar,
Antes e depois de procedimento cirúrgico,
Antes e depois da administração de medicamentos que afetam os SV,
Quando a condição física se altera (dor, perda da consciência)
FISIOLOGIA
A temperatura central do corpo pouco
varia, mas a superficial varia de acordo com a
vascularização e ambiente.
Temperatura
Termorregulação _
Existe uma temperatura que se mantém relativamente constante no organismo que é a
temperatura central, dos tecidos profundos.
A temperatura superficial pode variar conforme o fluxo sanguíneo para os tecidos e a
quantidade de calor perdido para o ambiente externo.
Ambiente quente --- Calor
È
Receptores térmicos ----- Hipotálamo anterior
È
Impulsos são enviados para a redução da temperatura corporal.
È
Reação fisiológica:
Sudorese, vasodilatação dos vasos sanguíneos e promoção da perda de calor.
Ambiente gelado --- frio
È
Receptores térmicos ----- Hipotálamo posterior
È
Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia
2
Impulsos são enviados para produção de calor e aumento da temperatura corporal.
È
Reação fisiológica:
Vasoconstrição e calafrios
De onde vem o calor do corpo? _
Da metabolização dos alimentos, onde por meio das reações químicas celulares é
produzido o ATP.
OBS: A perda de calor e a produção de calor acontecem simultaneamente, esta perda
de calor é concretizada quando a pele está exposta à radiação, condução, convecção e
evaporação.
Terminologias relativas à temperatura corporal: _
W Estado febril: 37,5 a 38,5ºC
W Pirexia: 39,1 a 40ºC
W Hiperpirexia: 40,1 a 41ºC
W Hipotermia: abaixo de 36ºC
Fonte Potter e Perry (2004)
Classificação da hipotermia (Potter e Perry, 2004) _
W Branda: 33,1 – 36º C
W Moderada: 30,1 – 33º C
W Grave: 27- 30º C
W Profunda <27º C
Padrões de febre _
W Sustentada – mantida 38o C
W Intermitente- a temp. volta ao nível normal pelo menos 1 vez em 24h.
W Remitente – abaixa, mas não volta ao normal.
W Recidivante- a temp. varia entre faixas normais e febris em intervalos maiores de 24h.
Locais para medida _
W Reto ;
W Membrana timpânica
W Esôfago
W Artéria pulmonar
W Bexiga
W Pele
W Axila ;
W Oral ;
Fatores que afetam a temperatura
W Idade-
-Neonatos (perda 30% pela cabeça)
-Idosos (perda tecido Subcutâneo e menor atividade das glândulas sudoríparas)
W Exercício
W Nível hormonal ( 6 níveis acima/ ovulação )
W Ritmo circadiano- alteração de 0,5 a 5º C.
-Valor Máximo 18h.
W Estresse
W Ambiente
Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia
3
Pulso
O pulso é a elevação palpável do fluxo sangüíneo percebida em vários pontos do corpo. (POTTER;
PERRY, 2004, p.581)
Quando o pulso for regular, contar por 30 segundos e multiplicar por 2.
O volume de sangue bombeado em um minuto equivale ao débito cardíaco.
FC x vol. Sistólico = débito cardíaco
Queda no débito cardíaco faz com que o pulso fique filiforme.
Sítios : temporal, carotídeo, apical, braquial, radial, ulnar, femoral, poplíteo, tibial posterior,
pedial/pedioso.
Freqüência: Varia conforme a posição do cliente (contagem)
Ritmo
Força: cheio ou filiforme.
Igualdade.
Fatores que influenciam _
W Exercício de curta duração;
W Temperatura- febre e calor;
W Medicamentos- epinefrina/ digitálicos;
W Hemorragia;
W Alterações posturais;
W Condições pulmonares.
RESPIRAÇÃO
Envolve a:
W Ventilação: entrada de ar e saída.
W Difusão: entrada do O2 pelos alvéolos nos tecidos (hematose).
W Perfusão: chegada no O2 nos tecidos.
W Normalmente o padrão respiratório se mantém entre 12 e 20 IRPm.
Fatores que influenciam
W Exercício
W Dor aguda
W Ansiedade
W Tabagismo
W Posição do corpo
W Anemias
As bases científicas:
Necessidade fisiológica de O2.
O trabalho conjunto dos sistemas cardíaco e pulmonar.
Os reguladores neurais e químicos controlam a freqüência e a profundidade da
respiração em resposta as demandas de oxigênio. (POTTER; PERRY, 2004, p.956)
Hiperventilação _
Ansiedade, infecções, medicamentos, ou desequilíbrio ácido-básico podem levar a hiperventilação,
assim como a hipóxia associada a embolia pulmonar ou choque.
Para cada 1ºC de elevação da temperatura, aumenta-se 7% a taxa de metabolismo.
Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia
4
↑[CO2]Æ↑ freqüência e amplitude respiratória
Hipoventilação _
Ocorre quando o organismo não consegue eliminar a [CO2] de forma eficaz. A PaCO2 se eleva.
Como causas encontram-se: a atelectasia e DPOC.
Hipóxia
¾ Para Potter e Perry (2004, p.968), ocorre hipóxia quando a oxigenação tissular é prejudicada em
nível capilar.
¾ Este fenômeno pode ocorrer devido :
¾ Menor nível de hemoglobina;
¾ Altas altitudes;
¾ Intoxicação cianeto;
¾ Choque;
¾ Trauma.
Termos-chave / respiração
¾ Bradipnéia
¾ Taquipnéia
¾ Hiperpnéia
¾ Apnéia
¾ Cheyne-Stokes
¾ Kussmaul
¾ Biot
PRESSÃO ARTERIAL
¾ PA= DC x R
¾ Resistência periférica
¾ Volume circulante (5.000 ml)
¾ Viscosidade versus hematócrito
¾ Elasticidade
¾ Idade
¾ Estresse
¾ Cor de pele
¾ Sexo
¾ Medicamentos
¾ Ciclo diário
¾ Hipertensão
¾ Hipotensão
Tabela
¾ 1 mês = 85 / 54
¾ 1 ano = 95/65
¾ 6 anos =105/65
¾ 10 -13 anos = 110/65
¾ 14 a 17 anos = 120/75
¾ Adulto médio = 120/80
¾ Idoso = 140/90
Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia
5
Revisão
¾ SV
¾ Temperatura
¾ Pulso
¾ Respiração
¾ PA
¾ Ex. Físico
¾ Evolução
Revisão e alertas
Lavagem das mãos
Uso de técnicas assépticas
Princípios da anti-sepsia
REFERÊNCIAS
• NETTINA, S.M. Brunner prática de enfermagem.
7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, v. 1,
2003.
• DU GAS, B.W.Enfermagem prática. 4 ed.Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.
• POTTER, A.P; PERRI, A.G. Fundamentos de
enfermagem: conceitos processo e prática. 5 ed. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan,2004.
Fonte das figuras: Potter (2004)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sinais Vitais.pdf

Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.pptfdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
Francielttonsantos
 
SSVV -Antropometria
SSVV -AntropometriaSSVV -Antropometria
SSVV -Antropometria
AmandaCarolina77
 
Aula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorros
Aula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorrosAula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorros
Aula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorros
daniloferreira176136
 
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
Virginia Scalia
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
Deivid1990
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
pauloalambert
 
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptxUFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
Nome Sobrenome
 
Caso clínico - adulto
Caso clínico - adultoCaso clínico - adulto
Caso clínico - adulto
UNIME
 
SINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptxSINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptx
EvertonMonteiro19
 
Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009
Rodrigo Biondi
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
RaissaEufrazio
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
Enfermeira Darlene Fonseca
 
2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.
honestolopes1994
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
ctisaolucascopacabana
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdf
ssuseraad45d
 
Emergencia tipos de choque resulmo
Emergencia tipos de choque resulmoEmergencia tipos de choque resulmo
Emergencia tipos de choque resulmo
José Lino de Queiroz
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
Febre 2014
Febre 2014Febre 2014
Febre 2014
pauloalambert
 

Semelhante a Sinais Vitais.pdf (20)

Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
 
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.pptfdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
 
SSVV -Antropometria
SSVV -AntropometriaSSVV -Antropometria
SSVV -Antropometria
 
Aula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorros
Aula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorrosAula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorros
Aula 1 - Socorro de Urgência new - primeiros socorros
 
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
 
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptxUFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
UFCD - 6581- Emergências Médicas- Febre e Desidratação.pptx
 
Caso clínico - adulto
Caso clínico - adultoCaso clínico - adulto
Caso clínico - adulto
 
SINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptxSINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptx
 
Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 
2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.2 fiebre reumatica 2015.
2 fiebre reumatica 2015.
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdf
 
Emergencia tipos de choque resulmo
Emergencia tipos de choque resulmoEmergencia tipos de choque resulmo
Emergencia tipos de choque resulmo
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Febre 2014
Febre 2014Febre 2014
Febre 2014
 

Mais de Fernando Naize

atendimento para pariental da faculdade ..pptx
atendimento para pariental da faculdade   ..pptxatendimento para pariental da faculdade   ..pptx
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
Fernando Naize
 
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologiaIntrodução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Fernando Naize
 
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdfslides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
Fernando Naize
 
aula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptxaula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptx
Fernando Naize
 
aula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdfaula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdf
Fernando Naize
 
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdfGestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Fernando Naize
 
Metodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdfMetodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdf
Fernando Naize
 
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptxAula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Fernando Naize
 
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptxSA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
Fernando Naize
 
Princípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptxPrincípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptx
Fernando Naize
 
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptxCREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
Fernando Naize
 
Prof. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptxProf. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptx
Fernando Naize
 
Geografia.pptx
Geografia.pptxGeografia.pptx
Geografia.pptx
Fernando Naize
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
Fernando Naize
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
Fernando Naize
 
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptxAula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Fernando Naize
 
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptxSLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
Fernando Naize
 
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptxSLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
Fernando Naize
 
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdfABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
Fernando Naize
 
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdfTecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Fernando Naize
 

Mais de Fernando Naize (20)

atendimento para pariental da faculdade ..pptx
atendimento para pariental da faculdade   ..pptxatendimento para pariental da faculdade   ..pptx
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
 
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologiaIntrodução a Microbiologia para aulas de microbiologia
Introdução a Microbiologia para aulas de microbiologia
 
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdfslides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
slides de para apresentação nutricao-e-dietetica.pdf
 
aula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptxaula-atendente-de-farmacia.pptx
aula-atendente-de-farmacia.pptx
 
aula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdfaula-atendente-de-farmacia.pdf
aula-atendente-de-farmacia.pdf
 
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdfGestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
Gestão e Organização de Sistemas Educacionais II.pdf
 
Metodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdfMetodologias da Educação Infantil.pdf
Metodologias da Educação Infantil.pdf
 
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptxAula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
Aula 01 de At.Far. 17.06.23.pptx
 
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptxSA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
SA_QUI_QUS_V03_U00_C00_04_APR.pptx
 
Princípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptxPrincípios de Contagem.pptx
Princípios de Contagem.pptx
 
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptxCREATINA & INSULINA -  FINALIZADA.pptx
CREATINA & INSULINA - FINALIZADA.pptx
 
Prof. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptxProf. Fernando Scoth.pptx
Prof. Fernando Scoth.pptx
 
Geografia.pptx
Geografia.pptxGeografia.pptx
Geografia.pptx
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
 
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptxAula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
Aula 02_As Tendências Pedagógicas na prática escolar.pptx
 
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptxSLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
SLIDE PESQUISA EDUCACIONAL-1.pptx
 
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptxSLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
SLIDE ENCONTRO METODOLOGIA DA PESQUISA (1).pptx
 
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdfABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
ABORDAGENS DA PESQUISA_Unidade 2_PARTE 2.pdf
 
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdfTecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
Tecnologias_Digitais_na_Educacao.pdf
 

Sinais Vitais.pdf

  • 1. Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia 1 SINAIS VITAIS Base teórica _ Os sinais vitais são informações básicas colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar a equipe quanto a mensuração dos sinais vitais. Faz-se por necessário conhecer alguns parâmetros e as conseqüências para o cuidado Objetivos da aula W Expor conteúdos sobre sinais vitais no que diz respeito a: W Mensuração W Avaliação W Delegação Tópicos relevantes W Interpretação dos resultados, W Equipamento adequado, W Variação de acordo com a faixa etária, W Anamnese e fatores co-relatos, W Abordagem do cliente, W Antiarrítmicos. Quando aferir SV? Quando admitido em unidade hospitalar, Antes e depois de procedimento cirúrgico, Antes e depois da administração de medicamentos que afetam os SV, Quando a condição física se altera (dor, perda da consciência) FISIOLOGIA A temperatura central do corpo pouco varia, mas a superficial varia de acordo com a vascularização e ambiente. Temperatura Termorregulação _ Existe uma temperatura que se mantém relativamente constante no organismo que é a temperatura central, dos tecidos profundos. A temperatura superficial pode variar conforme o fluxo sanguíneo para os tecidos e a quantidade de calor perdido para o ambiente externo. Ambiente quente --- Calor È Receptores térmicos ----- Hipotálamo anterior È Impulsos são enviados para a redução da temperatura corporal. È Reação fisiológica: Sudorese, vasodilatação dos vasos sanguíneos e promoção da perda de calor. Ambiente gelado --- frio È Receptores térmicos ----- Hipotálamo posterior È
  • 2. Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia 2 Impulsos são enviados para produção de calor e aumento da temperatura corporal. È Reação fisiológica: Vasoconstrição e calafrios De onde vem o calor do corpo? _ Da metabolização dos alimentos, onde por meio das reações químicas celulares é produzido o ATP. OBS: A perda de calor e a produção de calor acontecem simultaneamente, esta perda de calor é concretizada quando a pele está exposta à radiação, condução, convecção e evaporação. Terminologias relativas à temperatura corporal: _ W Estado febril: 37,5 a 38,5ºC W Pirexia: 39,1 a 40ºC W Hiperpirexia: 40,1 a 41ºC W Hipotermia: abaixo de 36ºC Fonte Potter e Perry (2004) Classificação da hipotermia (Potter e Perry, 2004) _ W Branda: 33,1 – 36º C W Moderada: 30,1 – 33º C W Grave: 27- 30º C W Profunda <27º C Padrões de febre _ W Sustentada – mantida 38o C W Intermitente- a temp. volta ao nível normal pelo menos 1 vez em 24h. W Remitente – abaixa, mas não volta ao normal. W Recidivante- a temp. varia entre faixas normais e febris em intervalos maiores de 24h. Locais para medida _ W Reto ; W Membrana timpânica W Esôfago W Artéria pulmonar W Bexiga W Pele W Axila ; W Oral ; Fatores que afetam a temperatura W Idade- -Neonatos (perda 30% pela cabeça) -Idosos (perda tecido Subcutâneo e menor atividade das glândulas sudoríparas) W Exercício W Nível hormonal ( 6 níveis acima/ ovulação ) W Ritmo circadiano- alteração de 0,5 a 5º C. -Valor Máximo 18h. W Estresse W Ambiente
  • 3. Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia 3 Pulso O pulso é a elevação palpável do fluxo sangüíneo percebida em vários pontos do corpo. (POTTER; PERRY, 2004, p.581) Quando o pulso for regular, contar por 30 segundos e multiplicar por 2. O volume de sangue bombeado em um minuto equivale ao débito cardíaco. FC x vol. Sistólico = débito cardíaco Queda no débito cardíaco faz com que o pulso fique filiforme. Sítios : temporal, carotídeo, apical, braquial, radial, ulnar, femoral, poplíteo, tibial posterior, pedial/pedioso. Freqüência: Varia conforme a posição do cliente (contagem) Ritmo Força: cheio ou filiforme. Igualdade. Fatores que influenciam _ W Exercício de curta duração; W Temperatura- febre e calor; W Medicamentos- epinefrina/ digitálicos; W Hemorragia; W Alterações posturais; W Condições pulmonares. RESPIRAÇÃO Envolve a: W Ventilação: entrada de ar e saída. W Difusão: entrada do O2 pelos alvéolos nos tecidos (hematose). W Perfusão: chegada no O2 nos tecidos. W Normalmente o padrão respiratório se mantém entre 12 e 20 IRPm. Fatores que influenciam W Exercício W Dor aguda W Ansiedade W Tabagismo W Posição do corpo W Anemias As bases científicas: Necessidade fisiológica de O2. O trabalho conjunto dos sistemas cardíaco e pulmonar. Os reguladores neurais e químicos controlam a freqüência e a profundidade da respiração em resposta as demandas de oxigênio. (POTTER; PERRY, 2004, p.956) Hiperventilação _ Ansiedade, infecções, medicamentos, ou desequilíbrio ácido-básico podem levar a hiperventilação, assim como a hipóxia associada a embolia pulmonar ou choque. Para cada 1ºC de elevação da temperatura, aumenta-se 7% a taxa de metabolismo.
  • 4. Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia 4 ↑[CO2]Æ↑ freqüência e amplitude respiratória Hipoventilação _ Ocorre quando o organismo não consegue eliminar a [CO2] de forma eficaz. A PaCO2 se eleva. Como causas encontram-se: a atelectasia e DPOC. Hipóxia ¾ Para Potter e Perry (2004, p.968), ocorre hipóxia quando a oxigenação tissular é prejudicada em nível capilar. ¾ Este fenômeno pode ocorrer devido : ¾ Menor nível de hemoglobina; ¾ Altas altitudes; ¾ Intoxicação cianeto; ¾ Choque; ¾ Trauma. Termos-chave / respiração ¾ Bradipnéia ¾ Taquipnéia ¾ Hiperpnéia ¾ Apnéia ¾ Cheyne-Stokes ¾ Kussmaul ¾ Biot PRESSÃO ARTERIAL ¾ PA= DC x R ¾ Resistência periférica ¾ Volume circulante (5.000 ml) ¾ Viscosidade versus hematócrito ¾ Elasticidade ¾ Idade ¾ Estresse ¾ Cor de pele ¾ Sexo ¾ Medicamentos ¾ Ciclo diário ¾ Hipertensão ¾ Hipotensão Tabela ¾ 1 mês = 85 / 54 ¾ 1 ano = 95/65 ¾ 6 anos =105/65 ¾ 10 -13 anos = 110/65 ¾ 14 a 17 anos = 120/75 ¾ Adulto médio = 120/80 ¾ Idoso = 140/90
  • 5. Prof. Jorge Luiz Lima- Semiologia 5 Revisão ¾ SV ¾ Temperatura ¾ Pulso ¾ Respiração ¾ PA ¾ Ex. Físico ¾ Evolução Revisão e alertas Lavagem das mãos Uso de técnicas assépticas Princípios da anti-sepsia REFERÊNCIAS • NETTINA, S.M. Brunner prática de enfermagem. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, v. 1, 2003. • DU GAS, B.W.Enfermagem prática. 4 ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. • POTTER, A.P; PERRI, A.G. Fundamentos de enfermagem: conceitos processo e prática. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2004. Fonte das figuras: Potter (2004)