SlideShare uma empresa Scribd logo
1º SIMULADO DE GEOGRAFIA – EsSa
               Nome:_____________________________


1).Com relação à formação das rochas, marque a alternativa correta.

a)   As rochas ígneas são conhecidas como rochas magmáticas e podem conter jazidas de vários
     metais.
b)   O tamanho dos cristais das rochas ígneas é proporcional ao calor liberado pelo processo conhecido
     como abrasão.
c)   Ao atingir a superfície terrestre, o magma resfria-se lentamente devido sua alta temperatura,
     formando rochas vulcânicas.
d)   A solidificação da rocha magmática efusiva não depende da temperatura ambiente da superfície da
     crosta terrestre.
e)   As rochas sub-vulcânicas, a exemplo do diabásio, são aquelas cujo magma se cristalizou na
     superfície terrestre.

2) Quanto à classificação e ao aparecimento das rochas no Brasil, marque a alternativa correta.

a)   As bacias sedimentares são regiões que durante curto período sofreram lento abatimento,
     gerando uma depressão preenchida por sedimentos.
b)   Os sedimentos encontrados em bacias sedimentares podem ser de três tipos: fragmentos
     originados pela erosão das áreas elevadas e transportados por rios, geleiras ou ventos;
     materiais precipitados em corpos d’água dentro da bacia e estruturas que fizeram parte de
     corpos de animais ou plantas.
c)   As bacias sedimentares (Paranaica e Sanfranciscana) foram formadas na Era Cenozóica.
d)   A Bacia Amazônica teve sua formação na Era Azóica.
e)   Na Era Mesozóica houve formação de bacias sedimentares em várias regiões do mundo, com
     exceção do Brasil.

3) Com relação a temperatura, umidade das massas de ar no Brasil e no planeta, marque a
alternativa correta.

I-   O aquecimento das terras emersas e das águas nas zonas de médias e altas latitudes é
     maior do que nas zonas de baixas latitudes.
II- Quanto à umidade de uma massa de ar, deve-se considerar que, sem exceção, os oceanos
     fornecem umidade para a atmosfera e os continentes formam-se massas de ar secas.
III- Uma massa de ar possui qualidades de temperatura e umidade adquiridas da superfície de
     origem não perdendo tais características em seu deslocamento.
IV- As terras emersas e as águas absorvem quase 50% da radiação solar contribuindo para o
     aquecimento da atmosfera por meio da irradiação.
V- A massa de ar polar atlântica embora tenha maior atuação no Brasil no período de inverno,
     seu deslocamento inicia-se no verão, caracterizando sua umidade.
4) Sobre os domínios vegetais originais e sua transformação pela ação humana, marque a
alternativa correta.

a)   A ação antrópica sobre a natureza decorrente da construção de espaços geográficos é
     justificada mediante a necessidade socioeconômica atual.
b)   A floresta tropical (Mata Atlântica) é o bioma que possui espécies (babaçu), que contribuem
     para a rápida recuperação após séculos de desmatamento.
c)   Até o inicio dos anos 30(industrialização), a ação humana limitava-se às áreas não distantes
     do litoral.
d)   O próprio crescimento populacional e a industrialização são alguns dos fatores que explicam o
     avanço da ação antrópica em direção ao interior.
e)   A expansão da fronteira agropecuária dirigiu-se ao interior antes de 1930 quando o Brasil era
     predominantemente agrário.

5) A respeito do bioma (Amazônia) marque a alternativa correta.

a)    Floresta ombrófila é um termo destinado apenas para biomas de clima semi-árido.
b)    A biodiversidade da floresta Amazônica é extraordinária, mas não chega a superar o número
     de espécies vegetais e animais da França.
c)    O banco de germoplasma tem como único objetivo, armazenar mudas e sementes de
     vegetações nativas para posterior reprodução.
d)    A Floresta Amazônica recebe várias denominações, uma delas é floresta pluvial.
e)    A Floresta Amazônica tem três degraus de vegetação: mata de igapó, caaiapó (mata de várzea) e
     mata de terra firme.

6) A respeito do bioma (Cerrado) marque a alternativa correta.

(A) O Cerrado sempre se mostrou favorável à prática da agricultura.
(B) O único problema que no Cerrado inicialmente dificultou o cultivo de vegetais agricultáveis foi
a presença excessiva de ferro.
(C) O bioma do Cerrado (Savana) é ultrapassado em extensão somente pela Floresta
Amazônica.
(D) No Cerrado do Estado do Acre predomina a espécie de grande porte denominada de
Cerradão.
(E) Nenhuma das alternativas.

7) Sobre a ação antrópica nos biomas brasileiros e as respectivas conseqüências, marque a
alternativa correta.

(A) No ano de 1999 já havia catalogado 60% da destruição da Floresta Amazônica.
(B) As duas florestas tropicais úmidas (Mata dos Cocais e Floresta Amazônica) foram
intensamente destruídas até o ano de 2001.
(C) As pastagens substituindo a vegetação nativa é um dos exemplos de ação antrópica na
região do Pará.
(D) A Mata Atlântica e a Mata Tropical cobriam aproximadamente 19% da área territorial do
Brasil.
(E) A destruição da vegetação (Mata Atlântica) no Nordeste foi tão grande, que resta apenas o
nome de Agreste para referir-se à área que ela ocupava.
8) Marque a alternativa que relacione corretamente os impactos ambientais ocasionados pelas
instalações de hidrelétricas.

(A) O processo de alagamento e a acidificação da água são exemplos de impactos no ambiente
natural após a implantação de uma usina hidrelétrica.
(B) A hidrelétrica de Balbina embora tenha causado um pequeno impacto sobre o meio
ambiente, tem produzido uma considerável quantidade de energia elétrica como compensação.
(C) A Usina de Sobradinho impactou pouco o meio ambiente devido aos cuidados com relação à
área alagada e ao deslocamento da população local.
(D) O respeito dos direitos dos cidadãos e dos indígenas tem sido empregado em todos os
projetos que impactam o meio ambiente, a exemplo do Plano Nacional de Energia Elétrica.
(E) O aproveitamento da energia elétrica da bacia do Amazonas é de grande potencial, haja vista
que o relevo predominante é de planalto.


9) Sobre as questões ecológicas, político e econômico dos recursos hídricos, marque a
alternativa que contenha informações correta.

(A) A água cobre 85% da superfície do planeta, embora 7% dessa água sejam doce.
(B) O Brasil apesar de haver uma disponibilidade relativa de água, não está isento de uma
possível crise.
(C) O Brasil dispõe de abundantes recursos hídricos sendo que estes se encontram bem distribuídos
pelo território.
(D) O Brasil possui abundantes recursos hídricos e estes são bem utilizados, ocorrendo
escassez ocasional principalmente no Nordeste semi-árido.
(E) Nenhuma das alternativas.

10) A respeito dos recursos hídricos e a classificação atual das bacias hidrográficas brasileiras,
marque alternativa correta.

(A) A antiga bacia do Paraná e Uruguai foi substituída pela bacia do rio da prata.
(B) Até o ano de 2006 não houve a criação de nenhuma legislação sobre a política de recursos
hídricos.
(C) O Aqüífero do Guarani estende-se do sul do Mato Grosso até o norte da Bolívia.
(D) Do total de energia elétrica produzida no Brasil, 87% são de fonte hidráulica.
(E) Nenhuma das alternativas.

11) Marque a alternativa que apresente o consumo de energia elétrica segundo as regiões
político-administrativas.

(A) Sudeste, Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte.
(B) Sul, Sudeste, Nordeste, Norte e Centro-Oeste.
(C) Nordeste, Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Norte.
(D) Norte, Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Nordeste.
(E) Centro-Oeste, Sul, Nordeste, Norte e Sudeste.
12) (UFG 2005) Observe o mapa a seguir:




      FERREIRA, Graça M. Lemos. "Atlas geográfico: espaço mundial". São Paulo:
Moderna,1998. 4ª capa. [Adaptado].

O vôo de uma companhia aérea saindo de São Paulo com destino a Rio Branco realiza várias
escalas: a primeira em Belo Horizonte, a segunda em Brasília, a terceira em Salvador e a quarta
em Belém. A direção e o fuso horário dos percursos realizados indicam que no

a) primeiro percurso a direção é noroeste, e todo o trajeto é realizado dentro do mesmo fuso.
b) segundo percurso a direção é nordeste e possui diferença de uma hora em relação ao
primeiro percurso.
c) terceiro percurso a direção é nordeste e possui diferença de quatro horas em relação ao
meridiano de origem.
d) quarto percurso a direção é noroeste e possui diferença de três horas em relação ao
Meridiano de Greenwich.
e) quinto percurso a direção é sudeste, e o trajeto é realizado em três fusos diferentes.


13. (UFV 2005) É comum ouvirmos os apresentadores de jornais e programas esportivos
anunciarem: "O jogo começa às 21 h, horário de Brasília". Assinale a afirmativa que justifica
CORRETAMENTE o uso da expressão "horário de Brasília".

a) O território brasileiro possui quatro fusos horários, sendo necessário informar que o horário de
início da programação é o do fuso horário de Brasília, que é o oficial do país.
b) A cidade de Brasília é a capital federal, portanto toda e qualquer atividade televisiva e
radiofônica deve seguir o seu horário.
c) O fuso horário brasileiro é diferente do fuso dos demais países, sendo necessário informar
que o horário de início da programação é o de Brasília.
d) As sedes da maioria das emissoras de televisão do Brasil se localizam em regiões cujo fuso
horário é o mesmo de Brasília.
e) A região Centro-Oeste, onde está localizada Brasília, concentra a maior parte da população
do país, portanto as programações dos canais de televisão devem seguir o seu fuso horário.
14. (UERJ 2004)




A exclusão de um grande número de estados brasileiros do horário de verão é explicada pela
seguinte razão:

a) a sua posição em um fuso horário diferente dos demais padroniza o horário nacional no verão
b) a sua baixa latitude provoca uma reduzida variação na duração dos dias e das noites ao longo
do ano
c) a localização das regiões Norte e Nordeste e do Mato Grosso exige uma época diferenciada
para adoção deste horário
d) a reduzida quantidade de hidrelétricas no Norte, no Nordeste e no Mato Grosso faz com que
não se obtenha a economia de energia desejada.


                                         GABARITO

                                     1. A        8. A
                                     2. B        9. B
                                     3. D        10. A
                                     4. D        11. A
                                     5. D        12. D
                                     6. C        13. A
                                     7. C        14. B




                               Portão principal da Escola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pedologia
PedologiaPedologia
Revisão uel – 2011 12
Revisão uel – 2011 12Revisão uel – 2011 12
Revisão uel – 2011 12
aroudus
 
Atividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, climaAtividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, clima
Atividades Diversas Cláudia
 
2a lista revisao sartrecoc_setor372
2a lista revisao sartrecoc_setor3722a lista revisao sartrecoc_setor372
2a lista revisao sartrecoc_setor372
Ademir Aquino
 
Litoral Exercícios
Litoral ExercíciosLitoral Exercícios
Litoral Exercícios
Pedro Damião
 
Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)
Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)
Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)
EnsinoGeo
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
João Bosco Sousa
 
Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)
Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)
Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)
Tânia Baptista
 
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofesFicha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Linda Pereira
 
Vegetação
VegetaçãoVegetação
Vegetação
Alexandre Gangorra
 
Tópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidadeTópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidade
Atividades Diversas Cláudia
 
Ficha avaliacao 1_correcao
Ficha avaliacao 1_correcaoFicha avaliacao 1_correcao
Ficha avaliacao 1_correcao
Filomena Jarmelo
 
Objetivos geo. 6º teste 7º ano
Objetivos geo.   6º teste 7º anoObjetivos geo.   6º teste 7º ano
Objetivos geo. 6º teste 7º ano
Gina Espenica
 
Avaliação p1 manhã
Avaliação p1 manhãAvaliação p1 manhã
Avaliação p1 manhã
Fabricio Silva
 
Tópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidadeTópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidade
Atividades Diversas Cláudia
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Ligia Amaral
 
UFSCAR 2010 discursiva
UFSCAR 2010 discursivaUFSCAR 2010 discursiva
UFSCAR 2010 discursiva
cursohistoria
 
Provaexemploareal
ProvaexemploarealProvaexemploareal
Provaexemploareal
edugeoess
 

Mais procurados (18)

Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Revisão uel – 2011 12
Revisão uel – 2011 12Revisão uel – 2011 12
Revisão uel – 2011 12
 
Atividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, climaAtividades dde geografia relevo, clima
Atividades dde geografia relevo, clima
 
2a lista revisao sartrecoc_setor372
2a lista revisao sartrecoc_setor3722a lista revisao sartrecoc_setor372
2a lista revisao sartrecoc_setor372
 
Litoral Exercícios
Litoral ExercíciosLitoral Exercícios
Litoral Exercícios
 
Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)
Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)
Caderno de Questões 01 (Várias Áreas)
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
 
Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)
Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)
Guião 5ª ficha avaliação (7ºano)
 
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofesFicha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
Ficha de avaliaçao_-_relevo,_rios,_litoral,_catástrofes
 
Vegetação
VegetaçãoVegetação
Vegetação
 
Tópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidadeTópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidade
 
Ficha avaliacao 1_correcao
Ficha avaliacao 1_correcaoFicha avaliacao 1_correcao
Ficha avaliacao 1_correcao
 
Objetivos geo. 6º teste 7º ano
Objetivos geo.   6º teste 7º anoObjetivos geo.   6º teste 7º ano
Objetivos geo. 6º teste 7º ano
 
Avaliação p1 manhã
Avaliação p1 manhãAvaliação p1 manhã
Avaliação p1 manhã
 
Tópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidadeTópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidade
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
UFSCAR 2010 discursiva
UFSCAR 2010 discursivaUFSCAR 2010 discursiva
UFSCAR 2010 discursiva
 
Provaexemploareal
ProvaexemploarealProvaexemploareal
Provaexemploareal
 

Semelhante a SIMULADO_ESSA_GEOGRAFIA

I avaliação de geografia 2° ano -2014
I avaliação de geografia   2° ano -2014I avaliação de geografia   2° ano -2014
I avaliação de geografia 2° ano -2014
nao
 
Lista 2 - geografia
Lista 2 - geografiaLista 2 - geografia
Lista 2 - geografia
Gerson Coppes
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Alexandre Gangorra
 
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
Revisão 2 bimestre   geografia -  1 serieRevisão 2 bimestre   geografia -  1 serie
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
Marcos Lima
 
Geografia Prof. Neto
Geografia   Prof. NetoGeografia   Prof. Neto
Geografia Prof. Neto
Pré-Enem Seduc
 
Exercício 1
Exercício 1Exercício 1
Exercício 1
renanpinh
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
BoscOliveira
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
Rogério Bartilotti
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Simulado (2)
Simulado (2)Simulado (2)
Ciências 6º ano solo
Ciências 6º ano soloCiências 6º ano solo
Ciências 6º ano solo
Carlos Magno Braga
 
MODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptx
MODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptxMODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptx
MODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptx
ANDRE LIMA
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
Ademir Aquino
 
Simulado unicom
Simulado unicomSimulado unicom
Simulado unicom
juniorpsouza
 
Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)
Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)
Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)
emanuelcarvalhal765
 
Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12
Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12
Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12
aroudus
 
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morroTreinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Rogério Bartilotti
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água
A importancia da água
Cleber Reis
 
Teste3 bimestre 1502 geografia
Teste3 bimestre 1502 geografiaTeste3 bimestre 1502 geografia
Teste3 bimestre 1502 geografia
Francilene Ribeiro
 

Semelhante a SIMULADO_ESSA_GEOGRAFIA (20)

I avaliação de geografia 2° ano -2014
I avaliação de geografia   2° ano -2014I avaliação de geografia   2° ano -2014
I avaliação de geografia 2° ano -2014
 
Lista 2 - geografia
Lista 2 - geografiaLista 2 - geografia
Lista 2 - geografia
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
Revisão 2 bimestre   geografia -  1 serieRevisão 2 bimestre   geografia -  1 serie
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
 
Geografia Prof. Neto
Geografia   Prof. NetoGeografia   Prof. Neto
Geografia Prof. Neto
 
Exercício 1
Exercício 1Exercício 1
Exercício 1
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
 
Simulado (2)
Simulado (2)Simulado (2)
Simulado (2)
 
Ciências 6º ano solo
Ciências 6º ano soloCiências 6º ano solo
Ciências 6º ano solo
 
MODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptx
MODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptxMODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptx
MODELO DE SLIDE - CBMMG M100D 2022 - GEOGRAFIA.pptx
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
 
Simulado unicom
Simulado unicomSimulado unicom
Simulado unicom
 
Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)
Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)
Teste Intermédio de Biologia e Geologia 2013 (prova-modelo)
 
Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12
Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12
Revisão geografia com gabarito ufpr 2011 12
 
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morroTreinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água
A importancia da água
 
Teste3 bimestre 1502 geografia
Teste3 bimestre 1502 geografiaTeste3 bimestre 1502 geografia
Teste3 bimestre 1502 geografia
 

Mais de Muriel Pinto

Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...
Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...
Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...
Muriel Pinto
 
Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...
Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...
Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...
Muriel Pinto
 
ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...
ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...
ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...
Muriel Pinto
 
Tese_Muriel Pinto
Tese_Muriel PintoTese_Muriel Pinto
Tese_Muriel Pinto
Muriel Pinto
 
História, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RS
História, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RSHistória, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RS
História, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RS
Muriel Pinto
 
Turismo e Relações Internacionais: Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...
Turismo e Relações Internacionais:  Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...Turismo e Relações Internacionais:  Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...
Turismo e Relações Internacionais: Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...
Muriel Pinto
 
Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...
Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...
Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...
Muriel Pinto
 
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Muriel Pinto
 
Artigo iphan
Artigo iphanArtigo iphan
Artigo iphan
Muriel Pinto
 
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Muriel Pinto
 
Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)
Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)
Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)
Muriel Pinto
 
Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)
Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)
Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)
Muriel Pinto
 
Manual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RS
Manual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RSManual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RS
Manual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RS
Muriel Pinto
 
Obra políticas culturais_no_brasil
Obra políticas culturais_no_brasilObra políticas culturais_no_brasil
Obra políticas culturais_no_brasil
Muriel Pinto
 
Guia incentivo a_cultura
Guia incentivo a_culturaGuia incentivo a_cultura
Guia incentivo a_cultura
Muriel Pinto
 
ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...
ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...
ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...
Muriel Pinto
 
O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...
O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...
O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...
Muriel Pinto
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Muriel Pinto
 
Mapa bens culturais de São Borja-RS
Mapa bens culturais de São Borja-RSMapa bens culturais de São Borja-RS
Mapa bens culturais de São Borja-RS
Muriel Pinto
 
História brasil
História brasilHistória brasil
História brasil
Muriel Pinto
 

Mais de Muriel Pinto (20)

Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...
Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...
Integração regional fronteiriça entre Argentina e Brasil_ atores educacionais...
 
Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...
Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...
Artigo - Marcadores culturais, espaços sagrados e representações identitárias...
 
ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...
ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...
ARTIGO_Comunidades Tradicionais, Marcadores Territoriais e Identidades Sociai...
 
Tese_Muriel Pinto
Tese_Muriel PintoTese_Muriel Pinto
Tese_Muriel Pinto
 
História, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RS
História, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RSHistória, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RS
História, Memória e as Paisagens Culturais da Cidade Histórica de São Borja-RS
 
Turismo e Relações Internacionais: Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...
Turismo e Relações Internacionais:  Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...Turismo e Relações Internacionais:  Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...
Turismo e Relações Internacionais: Fronteiras Transnacionais, Paradiplomacia...
 
Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...
Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...
Educação Patrimonial e o ensino do Patrimônio Cultural Missioneiro na cidade ...
 
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
Artigo: Quando a geo-história avança sobre os significados de um espaço urbano...
 
Artigo iphan
Artigo iphanArtigo iphan
Artigo iphan
 
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
 
Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)
Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)
Manual Elaboração Projetos Culturais (Votorantim)
 
Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)
Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)
Obra: Políticas culturais para o desenvolvimento (UNESCO)
 
Manual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RS
Manual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RSManual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RS
Manual incentivo fiscais do Conselho de Contabilidade do RS
 
Obra políticas culturais_no_brasil
Obra políticas culturais_no_brasilObra políticas culturais_no_brasil
Obra políticas culturais_no_brasil
 
Guia incentivo a_cultura
Guia incentivo a_culturaGuia incentivo a_cultura
Guia incentivo a_cultura
 
ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...
ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...
ARTIGO: AS MICRO-IDENTIDADES DA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICA-GUARANI ATRAVÉS ...
 
O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...
O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...
O surgimento de um pensamento reflexivo para uma cidade histórica influenciad...
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
 
Mapa bens culturais de São Borja-RS
Mapa bens culturais de São Borja-RSMapa bens culturais de São Borja-RS
Mapa bens culturais de São Borja-RS
 
História brasil
História brasilHistória brasil
História brasil
 

Último

Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

SIMULADO_ESSA_GEOGRAFIA

  • 1. 1º SIMULADO DE GEOGRAFIA – EsSa Nome:_____________________________ 1).Com relação à formação das rochas, marque a alternativa correta. a) As rochas ígneas são conhecidas como rochas magmáticas e podem conter jazidas de vários metais. b) O tamanho dos cristais das rochas ígneas é proporcional ao calor liberado pelo processo conhecido como abrasão. c) Ao atingir a superfície terrestre, o magma resfria-se lentamente devido sua alta temperatura, formando rochas vulcânicas. d) A solidificação da rocha magmática efusiva não depende da temperatura ambiente da superfície da crosta terrestre. e) As rochas sub-vulcânicas, a exemplo do diabásio, são aquelas cujo magma se cristalizou na superfície terrestre. 2) Quanto à classificação e ao aparecimento das rochas no Brasil, marque a alternativa correta. a) As bacias sedimentares são regiões que durante curto período sofreram lento abatimento, gerando uma depressão preenchida por sedimentos. b) Os sedimentos encontrados em bacias sedimentares podem ser de três tipos: fragmentos originados pela erosão das áreas elevadas e transportados por rios, geleiras ou ventos; materiais precipitados em corpos d’água dentro da bacia e estruturas que fizeram parte de corpos de animais ou plantas. c) As bacias sedimentares (Paranaica e Sanfranciscana) foram formadas na Era Cenozóica. d) A Bacia Amazônica teve sua formação na Era Azóica. e) Na Era Mesozóica houve formação de bacias sedimentares em várias regiões do mundo, com exceção do Brasil. 3) Com relação a temperatura, umidade das massas de ar no Brasil e no planeta, marque a alternativa correta. I- O aquecimento das terras emersas e das águas nas zonas de médias e altas latitudes é maior do que nas zonas de baixas latitudes. II- Quanto à umidade de uma massa de ar, deve-se considerar que, sem exceção, os oceanos fornecem umidade para a atmosfera e os continentes formam-se massas de ar secas. III- Uma massa de ar possui qualidades de temperatura e umidade adquiridas da superfície de origem não perdendo tais características em seu deslocamento. IV- As terras emersas e as águas absorvem quase 50% da radiação solar contribuindo para o aquecimento da atmosfera por meio da irradiação. V- A massa de ar polar atlântica embora tenha maior atuação no Brasil no período de inverno, seu deslocamento inicia-se no verão, caracterizando sua umidade.
  • 2. 4) Sobre os domínios vegetais originais e sua transformação pela ação humana, marque a alternativa correta. a) A ação antrópica sobre a natureza decorrente da construção de espaços geográficos é justificada mediante a necessidade socioeconômica atual. b) A floresta tropical (Mata Atlântica) é o bioma que possui espécies (babaçu), que contribuem para a rápida recuperação após séculos de desmatamento. c) Até o inicio dos anos 30(industrialização), a ação humana limitava-se às áreas não distantes do litoral. d) O próprio crescimento populacional e a industrialização são alguns dos fatores que explicam o avanço da ação antrópica em direção ao interior. e) A expansão da fronteira agropecuária dirigiu-se ao interior antes de 1930 quando o Brasil era predominantemente agrário. 5) A respeito do bioma (Amazônia) marque a alternativa correta. a) Floresta ombrófila é um termo destinado apenas para biomas de clima semi-árido. b) A biodiversidade da floresta Amazônica é extraordinária, mas não chega a superar o número de espécies vegetais e animais da França. c) O banco de germoplasma tem como único objetivo, armazenar mudas e sementes de vegetações nativas para posterior reprodução. d) A Floresta Amazônica recebe várias denominações, uma delas é floresta pluvial. e) A Floresta Amazônica tem três degraus de vegetação: mata de igapó, caaiapó (mata de várzea) e mata de terra firme. 6) A respeito do bioma (Cerrado) marque a alternativa correta. (A) O Cerrado sempre se mostrou favorável à prática da agricultura. (B) O único problema que no Cerrado inicialmente dificultou o cultivo de vegetais agricultáveis foi a presença excessiva de ferro. (C) O bioma do Cerrado (Savana) é ultrapassado em extensão somente pela Floresta Amazônica. (D) No Cerrado do Estado do Acre predomina a espécie de grande porte denominada de Cerradão. (E) Nenhuma das alternativas. 7) Sobre a ação antrópica nos biomas brasileiros e as respectivas conseqüências, marque a alternativa correta. (A) No ano de 1999 já havia catalogado 60% da destruição da Floresta Amazônica. (B) As duas florestas tropicais úmidas (Mata dos Cocais e Floresta Amazônica) foram intensamente destruídas até o ano de 2001. (C) As pastagens substituindo a vegetação nativa é um dos exemplos de ação antrópica na região do Pará. (D) A Mata Atlântica e a Mata Tropical cobriam aproximadamente 19% da área territorial do Brasil. (E) A destruição da vegetação (Mata Atlântica) no Nordeste foi tão grande, que resta apenas o nome de Agreste para referir-se à área que ela ocupava.
  • 3. 8) Marque a alternativa que relacione corretamente os impactos ambientais ocasionados pelas instalações de hidrelétricas. (A) O processo de alagamento e a acidificação da água são exemplos de impactos no ambiente natural após a implantação de uma usina hidrelétrica. (B) A hidrelétrica de Balbina embora tenha causado um pequeno impacto sobre o meio ambiente, tem produzido uma considerável quantidade de energia elétrica como compensação. (C) A Usina de Sobradinho impactou pouco o meio ambiente devido aos cuidados com relação à área alagada e ao deslocamento da população local. (D) O respeito dos direitos dos cidadãos e dos indígenas tem sido empregado em todos os projetos que impactam o meio ambiente, a exemplo do Plano Nacional de Energia Elétrica. (E) O aproveitamento da energia elétrica da bacia do Amazonas é de grande potencial, haja vista que o relevo predominante é de planalto. 9) Sobre as questões ecológicas, político e econômico dos recursos hídricos, marque a alternativa que contenha informações correta. (A) A água cobre 85% da superfície do planeta, embora 7% dessa água sejam doce. (B) O Brasil apesar de haver uma disponibilidade relativa de água, não está isento de uma possível crise. (C) O Brasil dispõe de abundantes recursos hídricos sendo que estes se encontram bem distribuídos pelo território. (D) O Brasil possui abundantes recursos hídricos e estes são bem utilizados, ocorrendo escassez ocasional principalmente no Nordeste semi-árido. (E) Nenhuma das alternativas. 10) A respeito dos recursos hídricos e a classificação atual das bacias hidrográficas brasileiras, marque alternativa correta. (A) A antiga bacia do Paraná e Uruguai foi substituída pela bacia do rio da prata. (B) Até o ano de 2006 não houve a criação de nenhuma legislação sobre a política de recursos hídricos. (C) O Aqüífero do Guarani estende-se do sul do Mato Grosso até o norte da Bolívia. (D) Do total de energia elétrica produzida no Brasil, 87% são de fonte hidráulica. (E) Nenhuma das alternativas. 11) Marque a alternativa que apresente o consumo de energia elétrica segundo as regiões político-administrativas. (A) Sudeste, Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte. (B) Sul, Sudeste, Nordeste, Norte e Centro-Oeste. (C) Nordeste, Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Norte. (D) Norte, Sudeste, Sul, Centro-Oeste e Nordeste. (E) Centro-Oeste, Sul, Nordeste, Norte e Sudeste.
  • 4. 12) (UFG 2005) Observe o mapa a seguir: FERREIRA, Graça M. Lemos. "Atlas geográfico: espaço mundial". São Paulo: Moderna,1998. 4ª capa. [Adaptado]. O vôo de uma companhia aérea saindo de São Paulo com destino a Rio Branco realiza várias escalas: a primeira em Belo Horizonte, a segunda em Brasília, a terceira em Salvador e a quarta em Belém. A direção e o fuso horário dos percursos realizados indicam que no a) primeiro percurso a direção é noroeste, e todo o trajeto é realizado dentro do mesmo fuso. b) segundo percurso a direção é nordeste e possui diferença de uma hora em relação ao primeiro percurso. c) terceiro percurso a direção é nordeste e possui diferença de quatro horas em relação ao meridiano de origem. d) quarto percurso a direção é noroeste e possui diferença de três horas em relação ao Meridiano de Greenwich. e) quinto percurso a direção é sudeste, e o trajeto é realizado em três fusos diferentes. 13. (UFV 2005) É comum ouvirmos os apresentadores de jornais e programas esportivos anunciarem: "O jogo começa às 21 h, horário de Brasília". Assinale a afirmativa que justifica CORRETAMENTE o uso da expressão "horário de Brasília". a) O território brasileiro possui quatro fusos horários, sendo necessário informar que o horário de início da programação é o do fuso horário de Brasília, que é o oficial do país. b) A cidade de Brasília é a capital federal, portanto toda e qualquer atividade televisiva e radiofônica deve seguir o seu horário. c) O fuso horário brasileiro é diferente do fuso dos demais países, sendo necessário informar que o horário de início da programação é o de Brasília. d) As sedes da maioria das emissoras de televisão do Brasil se localizam em regiões cujo fuso horário é o mesmo de Brasília. e) A região Centro-Oeste, onde está localizada Brasília, concentra a maior parte da população do país, portanto as programações dos canais de televisão devem seguir o seu fuso horário.
  • 5. 14. (UERJ 2004) A exclusão de um grande número de estados brasileiros do horário de verão é explicada pela seguinte razão: a) a sua posição em um fuso horário diferente dos demais padroniza o horário nacional no verão b) a sua baixa latitude provoca uma reduzida variação na duração dos dias e das noites ao longo do ano c) a localização das regiões Norte e Nordeste e do Mato Grosso exige uma época diferenciada para adoção deste horário d) a reduzida quantidade de hidrelétricas no Norte, no Nordeste e no Mato Grosso faz com que não se obtenha a economia de energia desejada. GABARITO 1. A 8. A 2. B 9. B 3. D 10. A 4. D 11. A 5. D 12. D 6. C 13. A 7. C 14. B Portão principal da Escola