SlideShare uma empresa Scribd logo
Algumas Reflexões sobre a 
Mineração do Futuro 
23/09/2014 
Vânia L Lima Andrade
Contexto atual da mineração 
• Frequente redução da qualidade das reservas 
minerais (operações maiores); 
• Recursos minerais normalmente mais 
complexos em estrutura e mineralogia 
• Localizadas em áreas mais remotas em 
relação à infraestrutura atual; 
• Alto Capex e Opex ; 
• Frequentemente em áreas de maior risco 
politico e social; 
• Com maior dificuldade de equacionar a 
questão da mão de obra; 
• Com maior vigilância e rigor da sociedade 
(licença para operar, ambiental e social); 
• Com preços dos produtos em baixa; 
• Pouco atraente para o mercado de capital. 
• Com dificuldade crescente de viabilizar novos 
empreendimentos;
Vigilância da Sociedade 
Extrato de documento assinado pela CNBB, Instituto 
Brasileiro de Análises Sociais e Ambientais e Instituto Sócio 
Ambiental: 
“A exploração mineral é uma atividade que provoca 
impactos em povos, comunidades e territórios, gerando 
conflitos em toda sua cadeia: remoções forçadas de 
famílias e comunidades, poluição de nascentes, dos rios e 
do ar, degradação das condições de saúde, 
desmatamentos, acidentes de trabalho, falsas promessas 
de prosperidade, concentração privada de riqueza e 
distribuição pública de impactos... 
Fonte: a Mineração e os Entraves na Cadeia Mineral , com Ênfase na Viabilização de Novos Empreendimentos, 19/08/2014
Vigilância da sociedade 
Barragens de rejeito de Fort McMurray, Alberta, Canadá/Google Maps em 10/09/2014
VIGILÂNCIA DA SOCIEDADE 
Revista Exame, 6/08/2014
Contexto atual : o superciclo da mineração terminou 
Media em 40 anos = 2.7 % 
Mineração fora de 
moda 
Fonte: A Seminário Vale SAG, março de 2014. 
Mineração fora 
de moda 
Em junho de 2013, o desempenho do setor de mineração era menor que a média nos últimos 40 anos ...
Desafios da mineração do futuro 
• Necessidade de desenvolver projetos no 1 quartil 
de custos; 
• Necessidade de reduzir drasticamente o uso de 
energia e água; 
• Necessidade de reduzir significativamente o 
impacto ambiental; 
• Necessidade de aumentar a eficiência, a 
produtividade e reduzir custos; 
• Necessidade de explotar o melhor possivel os 
projetos correntes; 
• Necessidade de ter pessoas qualificadas em 
ambientes hostis e prover qualidade de vida; 
• Necessidade de assegurar acesso a terra e água 
para outros usos da sociedade (principalmente 
para a agricultura). 
Fazer “Business as usual” 
não vai funcionar
A inovação como agente de 
transformação da mineração. 
Exemplos
Tecnologia de ponta não é necessariamente complexa 
Exemplo na medicina- cirurgia de apendicite 
Apendicectomia aberta 
• Incisão de aprox. 10-15 cm 
• Min. 5 dias de hospitalização 
• Alto risco 
• Pós operatório doloroso 
• 3 orifícios pequenos 
• 1 dia de hospitalização 
• Baixo risco 
• Pós operatório simples 
Você se submeteria a uma cirurgia convencional podendo ser laparoscópica? 
As novas tecnologias podem ser mais simples e eficazes
A inovação como agente de transformação na mineração 
Geologia 
Uso de aerogradiometria gravimétrica FTG na 
modelagem geológico/geofísica 3D em Minério de Ferro
A inovação como agente de transformação na mineração 
Geologia 
Modelagem 3D – Área N1 – Carajás – Litologia – HD+HM 
Modelo 3D 
Modelo Geofísico 
Total M=727 596 375 t 
Modelo Geológico 
Total M=853 120 000 t
A inovação como agente de transformação na mineração 
12 
Engenharia
A inovação como agente de transformação na mineração 
Processos de Beneficiamento 
Planta Piloto de Flotação 
Planta Convencional 
• Células de 50 a 500l 
• Campanhas típicas de 24 a 150h 
• Consumo de 30 a 150 t de minério/teste 
• 5-10 operadores/turno 
Miniplanta de flotação 
• Células de 1,5l 
• Campanhas típicas de 8 a 12h 
• Consumo de 50 kg de minério 
• 2 a 3 operadores 
A MMP permite: 
• Maior rapidez no desenvolvimento de novos projetos 
• Utilização de amostras compostas de furos de sonda 
• Testar amostras de vários tipos de minério.
Uma visão de futuro da mineração (1) 
• Prospecção geológica inteligente 
• Uso expressivo de tecnologias de geofísica 
remota para identificação de alvos a serem 
explorados ( muito usadas no petróleo); 
• Caracterização dos recursos minerais à medida 
que forem explorados (sensores e processos). 
• Usina monitorada e controlada em tempo real, 
buscando a otimização econômica do uso dos ativos 
• Balanço de massas e metalúrgico obtidos on line, 
através de sensores para quantificação dos 
fluxos e definição de qualidade, embasando 
decisões em tempo real. 
• Operações controladas por sistemas especialistas , 
com aplicação de inteligência artificial, incluindo a 
manutenção dos equipamentos 
• Capacidade de análise dos processos e 
incorporação deste conhecimento em softwares.
Uma visão de futuro da mineração (2) 
• Operação automatizada ou semi 
automatizada 
• Motivação não é eliminar as pessoas 
mas aumentar a segurança e reduzir a 
variabilidade das operações. 
• Operação do empreendimento como um 
sistema e não uma série de operações 
unitárias 
• incluindo as operações logísticas. 
• Operação sem danos à saúde, ao meio 
ambiente e aumentando a segurança 
• Projetos concebidos e operados com uso 
expressivo de realidade virtual 
• Novas formas de preparação dos 
operadores nas novas competências 
requeridas, com uso de simuladores para 
treinamento.
Como reduzir o risco de desenvolvimento de novas 
tecnologias? 
Boa parte das tecnologias do futuro 
na mineração pode ser obtida de 
outras indústrias 
• Petróleo 
• Aviação 
• Manufatura 
• Cimento 
• Defesa, etc 
Fonte: Special Report on Mining Innovation, Geovia, 2014
Como reduzir o risco de adoção de novas 
tecnologias? 
Escolha dos parceiros 
• Empresa que precise criticamente 
da solução 
• Com escala adequada 
• Com mentalidade inovadora 
Para inovar é preciso 
transpor barreiras de 
várias naturezas 
Nem sempre a empresa com $ é a melhor parceira para o novo 
desenvolvimento 
É desejável um padrinho ( champion) na operação para superar as 
barreiras e adotar a nova tecnologia . 
As parcerias devem ser do tipo GANHA/GANHA 
É imprescindível que o fornecedor compreenda o contexto do 
cliente e pense, de forma criativa, as formas de agregar valor 
O serviço acoplado pode distinguir um fornecedor de outro.
Para sermos bem sucedidos, temos que resolver 
algumas questões básicas ... 
• As operações mineiras são atividades estáveis: 
• Têm alta variabilidade e pouca previsibilidade; 
• Sem visibilidade das informações mais básicas; 
• Frequentemente com mentalidade de silos, sem abordagem 
integrada; 
• Visão de curtíssimo prazo (“ atingir a meta” é imperativo, 
normalmente aliado à remuneração); 
• As novas soluções devem ser mais simples, eficientes e robustas; 
• As novas tecnologias podem exigir novas competências da 
empresa; 
• O foco não deve ser apenas nas soluções técnicas mas nos 
desdobramentos ( por exemplo, mudanças culturais ) e 
atividades adjacentes ( manutenção , qualificação da mão de 
obra, gestão do conhecimento, entre outros)
Parcerias são uma possivel solução para novos 
desenvolvimentos (1) 
• Parcerias diretas entre as empresas de 
mineração e os fornecedores produzem: 
• tecnologias robustas do ponto de vista 
construtivo e manutenção 
• Provável inovação incremental 
• Inovação pode ter maior impacto caso as 
empresas tenham área de P&D 
• possível problemas de PI 
• Parcerias diretas entre empresas de 
mineração e Univ & ICTS podem produzir: 
• inovações radicais 
• porém pouco robustas ou com problemas 
de manufatura 
• possível problema com escopo e prazo 
• Possível problemas de PI 
Empresas 
de 
Mineração 
OEM/ 
D 
fornecedor
Parcerias são uma possivel solução para novos 
desenvolvimentos (2) 
Empresas 
de 
Mineração 
OEM/ 
D 
fornecedor UNIV/ICT 
• Parcerias entre empresas , fornecedores e 
institutos de P&D podem gerar: 
• Tecnologias radicais 
• Robustas do ponto de vista construtivo e 
manutenção 
• Solução de PI a priori 
• Treinamento e desenvolvimento de 
pesquisadores e estudantes 
Ver exemplos de parcerias bem sucedidas na mineração em outros países 
(CSRIO/Austrália, Amira/ Austrália, COREM/Canada). Tornou-se um motor de 
desenvolvimento das empresas parceiras e dos países onde estão inseridos.
Conclusão: o que devemos fazer para aumentarmos 
a chance de sucesso? 
Continuar a : 
• Buscar novas soluções e aprender com outras indústrias ; 
• Focar em novas soluções tecnológicas para desafios estrategicamente críticos ; 
• Ter uma visão clara no impacto da inovação dos negócios e nas operações . 
• 
Parar de : 
• Focar apenas nas soluções técnicas . Incluir os desdobramentos das inovações nas 
empresas ; 
• Dar passos muito ousados ( exemplo: automatizar tudo antes de semi automatizar ); 
• Seguir a multidão sem ter consciência do real impacto positivo e negativo; 
• Ter visão compartimentada das operações . 
• 
Começar a : 
• Escolher estrategicamente os parceiros para desenvolver e usar as novas tecnologias; 
• Buscar parcerias inteligentes, com acordos flexíveis e com abordagem ganha-ganha; 
• Focar no processo de transição para atingir o estágio final desejado; 
• Criar condições nas operações para dar sustentabilidade e permitir evolução .
Obrigada 
vania@abmbrasil.com.br 
vania.lima.andrade@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Igor Siri
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Homero Alves de Lima
 
Recuperação de áreas degradadas aterro sanitário
Recuperação de áreas degradadas  aterro sanitárioRecuperação de áreas degradadas  aterro sanitário
Recuperação de áreas degradadas aterro sanitário
Marlos Nogueira
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
Diogo Brodt
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Prad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latãoPrad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latão
Danielle Rocha
 
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadasA engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
Luis Quinta-Nova
 
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lAula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllAula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Homero Alves de Lima
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
João Silva
 
Seminario aterros
Seminario   aterrosSeminario   aterros
Seminario aterros
Carlos Elson Cunha
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
Carlos Elson Cunha
 
Estudo de Impacte Ambiental - ECODEAL
Estudo de Impacte Ambiental - ECODEALEstudo de Impacte Ambiental - ECODEAL
Estudo de Impacte Ambiental - ECODEAL
Joana e Patricia
 
Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas
Alexandre Panerai
 
Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
Rene Nakaya
 
Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010
Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010
Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010
Vicente Figna
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
saramandaia
 
Seminario aterros editado
Seminario   aterros editadoSeminario   aterros editado
Seminario aterros editado
Carlos Elson Cunha
 
Lixo SP– CDR Pedreira
Lixo SP– CDR PedreiraLixo SP– CDR Pedreira
Lixo SP– CDR Pedreira
resgate cambui ong
 

Mais procurados (20)

Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
 
Recuperação de áreas degradadas aterro sanitário
Recuperação de áreas degradadas  aterro sanitárioRecuperação de áreas degradadas  aterro sanitário
Recuperação de áreas degradadas aterro sanitário
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Prad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latãoPrad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latão
 
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadasA engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
 
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lAula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
 
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllAula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
 
Seminario aterros
Seminario   aterrosSeminario   aterros
Seminario aterros
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
 
Estudo de Impacte Ambiental - ECODEAL
Estudo de Impacte Ambiental - ECODEALEstudo de Impacte Ambiental - ECODEAL
Estudo de Impacte Ambiental - ECODEAL
 
Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas
 
Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
 
Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010
Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010
Vicente figna prod-conhec_etapa-mar-2010
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
 
Seminario aterros editado
Seminario   aterros editadoSeminario   aterros editado
Seminario aterros editado
 
Lixo SP– CDR Pedreira
Lixo SP– CDR PedreiraLixo SP– CDR Pedreira
Lixo SP– CDR Pedreira
 

Semelhante a Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)

Competitividade Florestal: Terceirização x Primarização
Competitividade Florestal: Terceirização x PrimarizaçãoCompetitividade Florestal: Terceirização x Primarização
Competitividade Florestal: Terceirização x Primarização
Roosevelt Almado
 
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetosVisão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
Marcos Sousa
 
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIASUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
Pedro Toledo Piza
 
Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15
forumsustentar
 
Inovação em Tribologia
Inovação em TribologiaInovação em Tribologia
II Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação Itatijuca
II Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação ItatijucaII Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação Itatijuca
II Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação Itatijuca
FecomercioSP
 
Qualidade de disseminação de tecnologias
Qualidade de disseminação de tecnologiasQualidade de disseminação de tecnologias
Qualidade de disseminação de tecnologias
Tomas Sitoe
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obras
Tiago Machado, MBA
 
Instalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoesInstalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoes
Wanderson Santos
 
Condicionantes inovacao setor_quimico_douglas
Condicionantes inovacao setor_quimico_douglasCondicionantes inovacao setor_quimico_douglas
Condicionantes inovacao setor_quimico_douglas
Ivana da Silveira
 
Barreiras inovacao
Barreiras inovacaoBarreiras inovacao
Barreiras inovacao
James Wright
 
Cases de sucesso, por Gilmar Lima
Cases de sucesso, por Gilmar LimaCases de sucesso, por Gilmar Lima
Cases de sucesso, por Gilmar Lima
Güs Schmoekel
 
Fnq palestra 07_08_ppt
Fnq palestra 07_08_pptFnq palestra 07_08_ppt
Fnq palestra 07_08_ppt
kleber.torres
 
Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08
kleber.torres
 
Inovação e desenvolvimento
Inovação e desenvolvimento  Inovação e desenvolvimento
Inovação e desenvolvimento
Université Paris-Dauphine
 
Slide empreendedorismo
Slide empreendedorismoSlide empreendedorismo
inovadoras
inovadorasinovadoras
inovadoras
Mateus Cozer
 
Relatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em Inovação Relatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em Inovação
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Open innovation-inovatec-1223314252269722-9
Open innovation-inovatec-1223314252269722-9Open innovation-inovatec-1223314252269722-9
Open innovation-inovatec-1223314252269722-9
Manuel Fernandes
 
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
kleber.torres
 

Semelhante a Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia) (20)

Competitividade Florestal: Terceirização x Primarização
Competitividade Florestal: Terceirização x PrimarizaçãoCompetitividade Florestal: Terceirização x Primarização
Competitividade Florestal: Terceirização x Primarização
 
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetosVisão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
 
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIASUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE ENGENHARIA
 
Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15
 
Inovação em Tribologia
Inovação em TribologiaInovação em Tribologia
Inovação em Tribologia
 
II Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação Itatijuca
II Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação ItatijucaII Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação Itatijuca
II Expocietec, 30 e 31/10/13 - Apresentação Itatijuca
 
Qualidade de disseminação de tecnologias
Qualidade de disseminação de tecnologiasQualidade de disseminação de tecnologias
Qualidade de disseminação de tecnologias
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obras
 
Instalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoesInstalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoes
 
Condicionantes inovacao setor_quimico_douglas
Condicionantes inovacao setor_quimico_douglasCondicionantes inovacao setor_quimico_douglas
Condicionantes inovacao setor_quimico_douglas
 
Barreiras inovacao
Barreiras inovacaoBarreiras inovacao
Barreiras inovacao
 
Cases de sucesso, por Gilmar Lima
Cases de sucesso, por Gilmar LimaCases de sucesso, por Gilmar Lima
Cases de sucesso, por Gilmar Lima
 
Fnq palestra 07_08_ppt
Fnq palestra 07_08_pptFnq palestra 07_08_ppt
Fnq palestra 07_08_ppt
 
Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08Fnq palestra 07_08
Fnq palestra 07_08
 
Inovação e desenvolvimento
Inovação e desenvolvimento  Inovação e desenvolvimento
Inovação e desenvolvimento
 
Slide empreendedorismo
Slide empreendedorismoSlide empreendedorismo
Slide empreendedorismo
 
inovadoras
inovadorasinovadoras
inovadoras
 
Relatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em Inovação Relatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em Inovação
 
Open innovation-inovatec-1223314252269722-9
Open innovation-inovatec-1223314252269722-9Open innovation-inovatec-1223314252269722-9
Open innovation-inovatec-1223314252269722-9
 
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009U N I  A P R  Sustentabilidade Site 20 10 2009
U N I A P R Sustentabilidade Site 20 10 2009
 

Mais de MetsoBrasil

Areia de Brita - Embu
Areia de Brita  - EmbuAreia de Brita  - Embu
Areia de Brita - Embu
MetsoBrasil
 
Areia de Brita - Metso
Areia de Brita - MetsoAreia de Brita - Metso
Areia de Brita - Metso
MetsoBrasil
 
Areia de Brita - Embu
Areia de Brita - EmbuAreia de Brita - Embu
Areia de Brita - Embu
MetsoBrasil
 
Workshop Areia de Brita
Workshop Areia de BritaWorkshop Areia de Brita
Workshop Areia de Brita
MetsoBrasil
 
Soluções em Pelotização (Controls)
Soluções em Pelotização (Controls)Soluções em Pelotização (Controls)
Soluções em Pelotização (Controls)
MetsoBrasil
 
Soluções em Pelotização 2014
Soluções em Pelotização 2014Soluções em Pelotização 2014
Soluções em Pelotização 2014
MetsoBrasil
 
Soluções em Pelotização (Maintenance)
Soluções em Pelotização (Maintenance)Soluções em Pelotização (Maintenance)
Soluções em Pelotização (Maintenance)
MetsoBrasil
 
Soluções em Pelotização (Global Sourcing)
Soluções em Pelotização (Global Sourcing)Soluções em Pelotização (Global Sourcing)
Soluções em Pelotização (Global Sourcing)
MetsoBrasil
 
Soluções em Pelotização
Soluções em PelotizaçãoSoluções em Pelotização
Soluções em Pelotização
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...
Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...
Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery)
Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery) Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery)
Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery)
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...
Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...
Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...
Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...
Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...
MetsoBrasil
 
Sim 2014 Palestra Como reduzir os custos gerados por meios de moagem (Felix ...
Sim 2014 Palestra Como reduzir  os custos gerados por meios de moagem (Felix ...Sim 2014 Palestra Como reduzir  os custos gerados por meios de moagem (Felix ...
Sim 2014 Palestra Como reduzir os custos gerados por meios de moagem (Felix ...
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...
Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...
Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo de ramp up (Carlos Petravicius)
Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo  de ramp up (Carlos Petravicius)Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo  de ramp up (Carlos Petravicius)
Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo de ramp up (Carlos Petravicius)
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...
Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...
Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...
MetsoBrasil
 
Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...
Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...
Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...
MetsoBrasil
 
Seminário Internacional Metso 2014
Seminário Internacional Metso 2014Seminário Internacional Metso 2014
Seminário Internacional Metso 2014
MetsoBrasil
 
Báscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso Brasil
Báscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso BrasilBáscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso Brasil
Báscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso Brasil
MetsoBrasil
 

Mais de MetsoBrasil (20)

Areia de Brita - Embu
Areia de Brita  - EmbuAreia de Brita  - Embu
Areia de Brita - Embu
 
Areia de Brita - Metso
Areia de Brita - MetsoAreia de Brita - Metso
Areia de Brita - Metso
 
Areia de Brita - Embu
Areia de Brita - EmbuAreia de Brita - Embu
Areia de Brita - Embu
 
Workshop Areia de Brita
Workshop Areia de BritaWorkshop Areia de Brita
Workshop Areia de Brita
 
Soluções em Pelotização (Controls)
Soluções em Pelotização (Controls)Soluções em Pelotização (Controls)
Soluções em Pelotização (Controls)
 
Soluções em Pelotização 2014
Soluções em Pelotização 2014Soluções em Pelotização 2014
Soluções em Pelotização 2014
 
Soluções em Pelotização (Maintenance)
Soluções em Pelotização (Maintenance)Soluções em Pelotização (Maintenance)
Soluções em Pelotização (Maintenance)
 
Soluções em Pelotização (Global Sourcing)
Soluções em Pelotização (Global Sourcing)Soluções em Pelotização (Global Sourcing)
Soluções em Pelotização (Global Sourcing)
 
Soluções em Pelotização
Soluções em PelotizaçãoSoluções em Pelotização
Soluções em Pelotização
 
Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...
Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...
Sim 2014 - Palestra Reducao de riscos de parada durante o ramp up (Renato Oli...
 
Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery)
Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery) Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery)
Sim 2014 - Palestra Integração e otimização de recursos (Walter Valery)
 
Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...
Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...
Sim 2014 - Palestra Desenvolvimento de um processo de mineração eco-eficiente...
 
Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...
Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...
Sim 2014 - Palestra LCS Life cycle services contratos de performance (Carlos ...
 
Sim 2014 Palestra Como reduzir os custos gerados por meios de moagem (Felix ...
Sim 2014 Palestra Como reduzir  os custos gerados por meios de moagem (Felix ...Sim 2014 Palestra Como reduzir  os custos gerados por meios de moagem (Felix ...
Sim 2014 Palestra Como reduzir os custos gerados por meios de moagem (Felix ...
 
Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...
Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...
Sim 2014 - Palestra Ferramentas de automacao auxiliando o ramp up (Boris Vola...
 
Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo de ramp up (Carlos Petravicius)
Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo  de ramp up (Carlos Petravicius)Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo  de ramp up (Carlos Petravicius)
Sim 2014 - Palestra Reducao de tempo de ramp up (Carlos Petravicius)
 
Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...
Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...
Sim 2014 - Palestra Tecnologias utilizadas para redução no tempo de ramp-up (...
 
Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...
Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...
Sim 2014 - Palestra Como atingir a máxima produtividade da planta mais rapida...
 
Seminário Internacional Metso 2014
Seminário Internacional Metso 2014Seminário Internacional Metso 2014
Seminário Internacional Metso 2014
 
Báscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso Brasil
Báscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso BrasilBáscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso Brasil
Báscula de Caminhão - Workshop de Redução de Custos 2014 - Metso Brasil
 

Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)

  • 1. Algumas Reflexões sobre a Mineração do Futuro 23/09/2014 Vânia L Lima Andrade
  • 2. Contexto atual da mineração • Frequente redução da qualidade das reservas minerais (operações maiores); • Recursos minerais normalmente mais complexos em estrutura e mineralogia • Localizadas em áreas mais remotas em relação à infraestrutura atual; • Alto Capex e Opex ; • Frequentemente em áreas de maior risco politico e social; • Com maior dificuldade de equacionar a questão da mão de obra; • Com maior vigilância e rigor da sociedade (licença para operar, ambiental e social); • Com preços dos produtos em baixa; • Pouco atraente para o mercado de capital. • Com dificuldade crescente de viabilizar novos empreendimentos;
  • 3. Vigilância da Sociedade Extrato de documento assinado pela CNBB, Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Ambientais e Instituto Sócio Ambiental: “A exploração mineral é uma atividade que provoca impactos em povos, comunidades e territórios, gerando conflitos em toda sua cadeia: remoções forçadas de famílias e comunidades, poluição de nascentes, dos rios e do ar, degradação das condições de saúde, desmatamentos, acidentes de trabalho, falsas promessas de prosperidade, concentração privada de riqueza e distribuição pública de impactos... Fonte: a Mineração e os Entraves na Cadeia Mineral , com Ênfase na Viabilização de Novos Empreendimentos, 19/08/2014
  • 4. Vigilância da sociedade Barragens de rejeito de Fort McMurray, Alberta, Canadá/Google Maps em 10/09/2014
  • 5. VIGILÂNCIA DA SOCIEDADE Revista Exame, 6/08/2014
  • 6. Contexto atual : o superciclo da mineração terminou Media em 40 anos = 2.7 % Mineração fora de moda Fonte: A Seminário Vale SAG, março de 2014. Mineração fora de moda Em junho de 2013, o desempenho do setor de mineração era menor que a média nos últimos 40 anos ...
  • 7. Desafios da mineração do futuro • Necessidade de desenvolver projetos no 1 quartil de custos; • Necessidade de reduzir drasticamente o uso de energia e água; • Necessidade de reduzir significativamente o impacto ambiental; • Necessidade de aumentar a eficiência, a produtividade e reduzir custos; • Necessidade de explotar o melhor possivel os projetos correntes; • Necessidade de ter pessoas qualificadas em ambientes hostis e prover qualidade de vida; • Necessidade de assegurar acesso a terra e água para outros usos da sociedade (principalmente para a agricultura). Fazer “Business as usual” não vai funcionar
  • 8. A inovação como agente de transformação da mineração. Exemplos
  • 9. Tecnologia de ponta não é necessariamente complexa Exemplo na medicina- cirurgia de apendicite Apendicectomia aberta • Incisão de aprox. 10-15 cm • Min. 5 dias de hospitalização • Alto risco • Pós operatório doloroso • 3 orifícios pequenos • 1 dia de hospitalização • Baixo risco • Pós operatório simples Você se submeteria a uma cirurgia convencional podendo ser laparoscópica? As novas tecnologias podem ser mais simples e eficazes
  • 10. A inovação como agente de transformação na mineração Geologia Uso de aerogradiometria gravimétrica FTG na modelagem geológico/geofísica 3D em Minério de Ferro
  • 11. A inovação como agente de transformação na mineração Geologia Modelagem 3D – Área N1 – Carajás – Litologia – HD+HM Modelo 3D Modelo Geofísico Total M=727 596 375 t Modelo Geológico Total M=853 120 000 t
  • 12. A inovação como agente de transformação na mineração 12 Engenharia
  • 13. A inovação como agente de transformação na mineração Processos de Beneficiamento Planta Piloto de Flotação Planta Convencional • Células de 50 a 500l • Campanhas típicas de 24 a 150h • Consumo de 30 a 150 t de minério/teste • 5-10 operadores/turno Miniplanta de flotação • Células de 1,5l • Campanhas típicas de 8 a 12h • Consumo de 50 kg de minério • 2 a 3 operadores A MMP permite: • Maior rapidez no desenvolvimento de novos projetos • Utilização de amostras compostas de furos de sonda • Testar amostras de vários tipos de minério.
  • 14. Uma visão de futuro da mineração (1) • Prospecção geológica inteligente • Uso expressivo de tecnologias de geofísica remota para identificação de alvos a serem explorados ( muito usadas no petróleo); • Caracterização dos recursos minerais à medida que forem explorados (sensores e processos). • Usina monitorada e controlada em tempo real, buscando a otimização econômica do uso dos ativos • Balanço de massas e metalúrgico obtidos on line, através de sensores para quantificação dos fluxos e definição de qualidade, embasando decisões em tempo real. • Operações controladas por sistemas especialistas , com aplicação de inteligência artificial, incluindo a manutenção dos equipamentos • Capacidade de análise dos processos e incorporação deste conhecimento em softwares.
  • 15. Uma visão de futuro da mineração (2) • Operação automatizada ou semi automatizada • Motivação não é eliminar as pessoas mas aumentar a segurança e reduzir a variabilidade das operações. • Operação do empreendimento como um sistema e não uma série de operações unitárias • incluindo as operações logísticas. • Operação sem danos à saúde, ao meio ambiente e aumentando a segurança • Projetos concebidos e operados com uso expressivo de realidade virtual • Novas formas de preparação dos operadores nas novas competências requeridas, com uso de simuladores para treinamento.
  • 16. Como reduzir o risco de desenvolvimento de novas tecnologias? Boa parte das tecnologias do futuro na mineração pode ser obtida de outras indústrias • Petróleo • Aviação • Manufatura • Cimento • Defesa, etc Fonte: Special Report on Mining Innovation, Geovia, 2014
  • 17. Como reduzir o risco de adoção de novas tecnologias? Escolha dos parceiros • Empresa que precise criticamente da solução • Com escala adequada • Com mentalidade inovadora Para inovar é preciso transpor barreiras de várias naturezas Nem sempre a empresa com $ é a melhor parceira para o novo desenvolvimento É desejável um padrinho ( champion) na operação para superar as barreiras e adotar a nova tecnologia . As parcerias devem ser do tipo GANHA/GANHA É imprescindível que o fornecedor compreenda o contexto do cliente e pense, de forma criativa, as formas de agregar valor O serviço acoplado pode distinguir um fornecedor de outro.
  • 18. Para sermos bem sucedidos, temos que resolver algumas questões básicas ... • As operações mineiras são atividades estáveis: • Têm alta variabilidade e pouca previsibilidade; • Sem visibilidade das informações mais básicas; • Frequentemente com mentalidade de silos, sem abordagem integrada; • Visão de curtíssimo prazo (“ atingir a meta” é imperativo, normalmente aliado à remuneração); • As novas soluções devem ser mais simples, eficientes e robustas; • As novas tecnologias podem exigir novas competências da empresa; • O foco não deve ser apenas nas soluções técnicas mas nos desdobramentos ( por exemplo, mudanças culturais ) e atividades adjacentes ( manutenção , qualificação da mão de obra, gestão do conhecimento, entre outros)
  • 19. Parcerias são uma possivel solução para novos desenvolvimentos (1) • Parcerias diretas entre as empresas de mineração e os fornecedores produzem: • tecnologias robustas do ponto de vista construtivo e manutenção • Provável inovação incremental • Inovação pode ter maior impacto caso as empresas tenham área de P&D • possível problemas de PI • Parcerias diretas entre empresas de mineração e Univ & ICTS podem produzir: • inovações radicais • porém pouco robustas ou com problemas de manufatura • possível problema com escopo e prazo • Possível problemas de PI Empresas de Mineração OEM/ D fornecedor
  • 20. Parcerias são uma possivel solução para novos desenvolvimentos (2) Empresas de Mineração OEM/ D fornecedor UNIV/ICT • Parcerias entre empresas , fornecedores e institutos de P&D podem gerar: • Tecnologias radicais • Robustas do ponto de vista construtivo e manutenção • Solução de PI a priori • Treinamento e desenvolvimento de pesquisadores e estudantes Ver exemplos de parcerias bem sucedidas na mineração em outros países (CSRIO/Austrália, Amira/ Austrália, COREM/Canada). Tornou-se um motor de desenvolvimento das empresas parceiras e dos países onde estão inseridos.
  • 21. Conclusão: o que devemos fazer para aumentarmos a chance de sucesso? Continuar a : • Buscar novas soluções e aprender com outras indústrias ; • Focar em novas soluções tecnológicas para desafios estrategicamente críticos ; • Ter uma visão clara no impacto da inovação dos negócios e nas operações . • Parar de : • Focar apenas nas soluções técnicas . Incluir os desdobramentos das inovações nas empresas ; • Dar passos muito ousados ( exemplo: automatizar tudo antes de semi automatizar ); • Seguir a multidão sem ter consciência do real impacto positivo e negativo; • Ter visão compartimentada das operações . • Começar a : • Escolher estrategicamente os parceiros para desenvolver e usar as novas tecnologias; • Buscar parcerias inteligentes, com acordos flexíveis e com abordagem ganha-ganha; • Focar no processo de transição para atingir o estágio final desejado; • Criar condições nas operações para dar sustentabilidade e permitir evolução .