SlideShare uma empresa Scribd logo
Prevenção ao
Suicídio
Centro de Estudos
da
O suicídio pode ser definido como um ato deliberado executado
pelo próprio indivíduo, cuja intenção seja a morte, de forma
consciente e intencional, mesmo que ambivalente, usando um
meio que ele acredita ser letal.
Também fazem parte do que habitualmente chamamos de
comportamento suicida: os pensamentos, os planos e a tentativa
de suicídio. Uma pequena proporção do comportamento suicida
chega ao nosso conhecimento.
. A figura ilustra a prevalência de comportamento suicida
na população brasileira ao longo da vida mostrando, por
exemplo, que 17% das pessoas no Brasil pensaram, em
algum momento, em tirar a própria vida.
- Estigma
- Tabu
- Medo
- Vergonha
BARREIRAS À DETECÇÃO E
À PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
 O suicídio é uma decisão individual já
que cada um tem pleno direito a exercitar
o seu livre arbítrio.
MITOS SOBRE O
COMPORTAMENTO SUICIDA
FALSO
 Quando uma pessoa pensa em se
suicidar terá risco de suicídio para o resto
da vida.
FALSO
 As pessoas que ameaçam se matar não
farão isso, querem apenas chamar atenção. FALSO
 Se uma pessoa que se sentia deprimida e
pensava em suicidar-se, passa a se sentir
melhor, normalmente significa que o
problema já passou.
MITOS SOBRE O
COMPORTAMENTO SUICIDA
FALSO
FALSO
FALSO
 Quando um indivíduo mostra sinais de
melhora ou sobrevive à uma tentativa de
suicídio, está fora de perigo.
 Não devemos falar sobre suicídio, pois isso
pode aumentar o risco.
COMO IDENTIFICAR O
PACIENTE SUICIDA
Fatores
de risco:
• Tentativa prévia
de suicídio
• Doença mental
• Desesperança
• Desespero
•Impulsividade
CAUSAS DO
SUICÍDIO
Transtorno do
humor
35,8%
Transtorno por
uso de
substância
psicoativa
22,4%
Esquizofrenia
10,6%
Transtorno de
personalidade
11,6%
Transtorno
orgânico mental
1,0%
Outros
transtornos
psicóticos
0,3%
Transtorno de
ansiedade
6,1%
Transtorno de
ajustamento
3,6%
Outros
diagnósticos
5,1%
Sem diagnóstico
3,2%
Suicídio e Doenças Mentais
Estudos em populações gerais (N=15.629)
Fonte: Bertolate et al. (2002).
AVALIAÇÃO DO RISCO
1 – Risco baixo:
. A pessoa teve alguns pensamentos suicidas, mas não fez nenhum plano.
2 – Risco médio:
. A pessoa tem pensamentos e planos, mas não pretende cometer suicídio
imediatamente.
3 – Risco alto:
. A pessoa tem um plano definido, tem meios para fazê-lo e planeja
fazê-lo prontamente;
.Tentou o suicídio recentemente e apresenta rigidez quanto à uma
nova
tentativa;
. Tentou várias vezes em um curto espaço de tempo.
AVALIAÇÃO DO RISCO
Neste caso, a pessoa deverá ser
encaminhada para um serviço de
Urgência/Emergência
de ambulância e não pelos familiares.
Terá 3 objetivos:
. Reduzir o risco imediato;
. Manejo dos fatores predisponentes;
. Acompanhamento (24 horas).
Os pacientes com alto risco de suicídio
devem ser internados em instituição
especializada.
URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
COMO FAZER?
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Campanha: Setembro Amarelo
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
Prevenção ao Suicídio
Cartilha Suicídio
Informando para prevenir
www.clinicajorgejaber.com.br
OBRIGADO
J
jjaber@clinicajorgejaber.com.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a set_8_2018 (2).pdf

SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
LourdesGomes14
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
Luciana França Cescon
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
Valter Luiz Matao Lemos
 
Apresentação soi
Apresentação   soiApresentação   soi
Apresentação soi
Janeide de Gois
 
SETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptxSETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptx
GabrielleAndrade42
 
Prevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxPrevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptx
IradvyGonalves
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
GabriellaDias35
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
Inaiara Bragante
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
Hugo Silva
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
Rafael Almeida
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
balsense
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
Luciana França Cescon
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
Suicídiocompatibilidade
Renata Semann
 
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDPALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
Levy932163
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
Luciana França Cescon
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
Cristina Tristacci
 
1265454
12654541265454
1265454
Fabio Couto
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Telma Lima
 

Semelhante a set_8_2018 (2).pdf (20)

SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 
Apresentação soi
Apresentação   soiApresentação   soi
Apresentação soi
 
SETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptxSETEMBRO AMARELO.pptx
SETEMBRO AMARELO.pptx
 
Prevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptxPrevenção Suicidio.pptx
Prevenção Suicidio.pptx
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
Suicídiocompatibilidade
 
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDPALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
1265454
12654541265454
1265454
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 

set_8_2018 (2).pdf

  • 2. O suicídio pode ser definido como um ato deliberado executado pelo próprio indivíduo, cuja intenção seja a morte, de forma consciente e intencional, mesmo que ambivalente, usando um meio que ele acredita ser letal.
  • 3. Também fazem parte do que habitualmente chamamos de comportamento suicida: os pensamentos, os planos e a tentativa de suicídio. Uma pequena proporção do comportamento suicida chega ao nosso conhecimento.
  • 4. . A figura ilustra a prevalência de comportamento suicida na população brasileira ao longo da vida mostrando, por exemplo, que 17% das pessoas no Brasil pensaram, em algum momento, em tirar a própria vida.
  • 5. - Estigma - Tabu - Medo - Vergonha BARREIRAS À DETECÇÃO E À PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
  • 6.  O suicídio é uma decisão individual já que cada um tem pleno direito a exercitar o seu livre arbítrio. MITOS SOBRE O COMPORTAMENTO SUICIDA FALSO  Quando uma pessoa pensa em se suicidar terá risco de suicídio para o resto da vida. FALSO  As pessoas que ameaçam se matar não farão isso, querem apenas chamar atenção. FALSO
  • 7.  Se uma pessoa que se sentia deprimida e pensava em suicidar-se, passa a se sentir melhor, normalmente significa que o problema já passou. MITOS SOBRE O COMPORTAMENTO SUICIDA FALSO FALSO FALSO  Quando um indivíduo mostra sinais de melhora ou sobrevive à uma tentativa de suicídio, está fora de perigo.  Não devemos falar sobre suicídio, pois isso pode aumentar o risco.
  • 8. COMO IDENTIFICAR O PACIENTE SUICIDA Fatores de risco: • Tentativa prévia de suicídio • Doença mental • Desesperança • Desespero •Impulsividade
  • 10. Transtorno do humor 35,8% Transtorno por uso de substância psicoativa 22,4% Esquizofrenia 10,6% Transtorno de personalidade 11,6% Transtorno orgânico mental 1,0% Outros transtornos psicóticos 0,3% Transtorno de ansiedade 6,1% Transtorno de ajustamento 3,6% Outros diagnósticos 5,1% Sem diagnóstico 3,2% Suicídio e Doenças Mentais Estudos em populações gerais (N=15.629) Fonte: Bertolate et al. (2002).
  • 11. AVALIAÇÃO DO RISCO 1 – Risco baixo: . A pessoa teve alguns pensamentos suicidas, mas não fez nenhum plano. 2 – Risco médio: . A pessoa tem pensamentos e planos, mas não pretende cometer suicídio imediatamente.
  • 12. 3 – Risco alto: . A pessoa tem um plano definido, tem meios para fazê-lo e planeja fazê-lo prontamente; .Tentou o suicídio recentemente e apresenta rigidez quanto à uma nova tentativa; . Tentou várias vezes em um curto espaço de tempo. AVALIAÇÃO DO RISCO Neste caso, a pessoa deverá ser encaminhada para um serviço de Urgência/Emergência de ambulância e não pelos familiares.
  • 13. Terá 3 objetivos: . Reduzir o risco imediato; . Manejo dos fatores predisponentes; . Acompanhamento (24 horas). Os pacientes com alto risco de suicídio devem ser internados em instituição especializada. URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
  • 14. COMO FAZER? Campanha: Setembro Amarelo PREVENÇÃO AO SUICÍDIO
  • 21. Prevenção ao Suicídio Cartilha Suicídio Informando para prevenir