SlideShare uma empresa Scribd logo
Isabel Pinto e Fernando Ferreira
Sessão Técnica SST – Equipamentos de trabalho
Madeiras
Doc014/5 16-10-2015 Isabel Pinto e Fernando Ferreira
Oficina de Madeiras
A oficina de madeiras do CICCOPN pretende ser um protótipo da realidade de trabalho.
Não tem como finalidade a produção, mas sim, a formação na área da carpintaria.
Planta da oficina de carpintaria (piso 0)
Fonte: CICCOPN
1 Serra radial
2 Garlopa
3 Desengrossadeira
4 Serra de fita
5 Lixadeira
6 Tupia
7 Esquadrejadora
8 Furador de corrente
1
8
2
34
5
6
7
Doc014/5 16-10-2015
Oficina de Madeiras
Oficina de Madeiras CICCOPN 2002
Doc014/5 16-10-2015
Oficina de Madeiras
Oficina de Madeiras CICCOPN 2017
Doc014/5 16-10-2015
Objetivo da formação na oficina de madeiras
A formação de natureza essencialmente prática na oficina de Madeiras, pretende
formar e treinar em:
• Princípios de funcionamento dos equipamentos de trabalho;
• Riscos associados na utilização dos equipamentos de trabalho;
• Procedimentos de trabalho em segurança;
• Regulação de todos os parâmetros que influenciam o trabalho a executar;
• Técnicas de corte de madeira;
• Singularidade das matérias primas.
Doc014/5 16-10-2015
Principais Riscos da Oficina de Madeiras
Na avaliação de riscos os equipamentos de trabalho apresentaram riscos comuns.
A metodologia adotada pelo CICCOPN na avaliação de riscos foi SSARA do
INSHT.
Principais grupos de riscos, identificados na Avaliação de Riscos na Oficina de
Madeira:
• Ergonómicos • Físicos
• Mecânicos • Elétricos
• Químicos
Doc014/5 16-10-2015
Serra Radial
Esta serra radial destina-se ao corte
de painéis ou ripas de madeira ou
outros materiais similares,
produzindo cortes retos, com
possibilidade de criar ângulos até
45°. A serra radial é uma máquina
que possui um disco de corte com
capacidade de corte longitudinal e
de profundidade.
Doc014/5 16-10-2015
Serra Radial
Contacto dos membros superiores do operador com o disco de corte. Corte / decepamento membros
superiores
Colisão de outro operário com a parte saliente da peça.
Efeito estroboscópico.
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento
Retrocesso e projeção da peça contra o operador. Projeção de fragmentos de
madeira
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Disco com perda de afiamento ou dentado. Projeção de fragmentos do
disco
Disco desequilibrado ou fixação incorreta.
Torção acidental da peça.
Espaço insuficiente circundante da serra radial. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos
Más posturas de trabalho.
Poeiras de madeiras. Químicos
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
Serra Radial
Adaptação da serra radial ao DL 50/2005
Doc014/5 16-10-2015
Serra Radial – Boa prática de trabalho
Modo de operar em segurança
Doc014/5 16-10-2015
Serra Radial - Bloqueio
Caixa de Bloqueio ficha
Doc014/5 16-10-2015
Garlopa
A garlopa é um equipamento para aplainar e
desempenar peças de madeira e derivados.
Utiliza um cilindro porta-lâminas rotativo, em
posição horizontal, que atua sobre a face da
peça a maquinar, deixando-a com as
superfícies lisas e desempenadas, destinadas
muitas das vezes a servir de referência para
operações posteriores.
A garlopa contém na zona posterior um furador
de broca horizontal que permite executar
furações para respigas e furações para entalhe
de fechaduras.
Doc014/5 16-10-2015
Garlopa
Contacto dos membros superiores do operador com a lâmina de corte. Corte (dilaceração)/
decepamento membros
superioresColisão de outro operário com a parte saliente da peça.
Efeito estroboscópico.
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento
Retrocesso e projeção da peça contra o operador. Projeção de fragmentos de
madeira
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Lâmina com perda de afiamento. Projeção de fragmentos da
lâmina.
Lâmina desequilibrado ou fixação incorreta.
Contacto do operador com a broca Perfuração
Broca desequilibrado ou fixação incorreta.
Espaço insuficiente circundante da serra radial. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos
Más posturas de trabalho
Poeiras de madeiras. Químicos
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
Garlopa – Adaptações ao DL 50/2005
Painel de comandos:
Não existia botão para desligar o
equipamento, a paragem do equipamento
era obrigatoriamente na botoneira de
emergência.
A garlopa foi equipada com um botão de
paragem normal, de modo a permitir a
paragem total do equipamento.
Reservando o uso da botoneira de
emergência para situações de emergência.
Painel de comando original sem botão de
paragem do equipamento
Painel de comando com botão de paragem normal
Doc014/5 16-10-2015
Garlopa / Módulo de Furação – Adaptação ao DL 50/2005
Proteção em policarbonato Proteção fixa contra contacto com a broca ou bucha
Doc014/5 16-10-2015
Ramal de Aspiração
Garlopa / Módulo de Furação – Adaptação ao DL 50/2005
Doc014/5 16-10-2015
Protetor de ponte sobre a peça a trabalhar Protetor de ponte sobre a lâmina não utilizada
O protetor é pré-regulado em altura em função da peça a desempenar, para que esta passe
por baixo do dispositivo, enquanto as mãos passam por cima. No desbaste de peças mais
altas o protetor deve encostar à lateral da peça cobrindo toda a lâmina não utilizada,
deixando livre a medida da peça a trabalhar.
Garlopa– Boa prática de trabalho
Doc014/5 16-10-2015
Serra de Fita
A serra de fita permite o corte de peças de madeira, por meio de uma fita metálica
dentada, que circula continuamente, em tensão, entre dois volantes giratórios,
atravessando verticalmente a mesa de trabalho.
Doc014/5 16-10-2015
Garlopa
Contacto dos membros superiores do operador com a fita de corte. Corte / decepamento membros
superiores
Rotura da fita.
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento
Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de
madeira
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Desgaste da fita. Projeção de fragmentos da fita.
Rotura da fita.
Espaço insuficiente circundante da serra de fita. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas, sobre esforços e peças de grande dimensão. Ergonómicos
Más posturas de trabalho.
Poeiras de madeiras. Químicos
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
Serra de Fita – Adaptação ao DL 50/2005
Fixação da serra de fita ao
pavimento, garantindo a estabilidade
do equipamento.
Fixação da serra de fita ao pavimento
Doc014/5 16-10-2015
Distâncias de segurança para evitar que zonas de perigo sejam atingidas pelos
membros superiores.
Delimitação do acesso a zona perigosa
Serra de Fita – Adaptação ao DL 50/2005
Doc014/5 16-10-2015
Serra de Fita – Boa prática de trabalho
Utilização do pressor lateralPressão manual
Melhoria das condições de trabalho, com aquisição de acessórios de segurança. O
pressor lateral mantem a peça encostada à paralela evitando a aproximação das
mãos do operador à zona perigosa.
Doc014/5 16-10-2015
Tupia
A tupia é um equipamento para perfilar peças de madeira e derivados com cinco
velocidades e dois sentidos de rotação da árvore.
Utiliza uma ferramenta de corte rotativa, montada na árvore vertical, que atua sobre
a face da peça a maquinar, deixando-a com superfície equivalente ao perfil da fresa
instalada.
Doc014/5 16-10-2015
Tupia
Contacto do membros superiores do operador com a zona de corte da
fresa.
Corte / decepamento membros
superiores
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento
Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de
madeira
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Acerto da ferramenta com a fresa em movimento. Projeção de fragmentos da
fresa.
Fresa com perda de afiamento.
Rotação incompatível com o diâmetro da fresa.
Fixação incorreta da fresa.
Espaço insuficiente circundante da tupia. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos
Más posturas de trabalho.
Poeiras de madeiras. Químicos
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
Tupia – Pressor vertical / horizontal
É indispensável e obrigatório prevenir o contacto das mãos com a ferramenta, quer
durante o trabalho da peça, quer em caso de um movimento em falso – para isso,
deve-se usar um dispositivo de proteção constituído por uma prensa vertical e uma
prensa lateral, servindo esta última também como protetor de mãos.
Utilização sem proteção/pressores – incorreto Utilização da proteção/pressores vertical e horizontal -
correto
Doc014/5 16-10-2015
Seção Técnica SST – Equipamentos de trabalho - Madeiras
empurrador
Durante a fresagem de peças de menor dimensão deve utilizar-se meios auxiliares
de modo a empurrar a peça a ser cortada em segurança.
Doc014/5 16-10-2015
Os trabalhos em árvore tornam-se necessários sempre que a fresagem tem de ser
efetuada em peças com partes curvas. O risco principal é o contacto das mãos com a
ferramenta, devido à proximidade, sobretudo no início e no final da passagem da
peça.
Tupia – trabalhos em árvore
Fixador de peças de madeira de pequena dimensão.
Doc014/5 16-10-2015
Utilização da proteção e carro de respigar, para execução de respigas
Tupia – Boas práticas
Como a oficina não está equipada com uma respigadora, o operador da tupia pode
montar sobre a árvore da tupia. Essas respigas são executadas com a ajuda de um carro
apropriado.
Doc014/5 16-10-2015
Desengrossadeira
A desengrossadeira serve para tornar planas e lisas as superfícies da madeira e
com a espessura e largura convenientes às peças devidamente desempenadas na
garlopa.
Doc014/5 16-10-2015
Desengrosso
Mãos do operador presa entre a peça e a mesa móvel. Esmagamento
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento
Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de
madeira
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Lâminas com perda de afiamento. Projeção de fragmentos da
lâminas
Lâmina desequilibrada ou fixação incorreta.
Espaço insuficiente circundante da tupia. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos
Más posturas de trabalho.
Poeiras de madeiras. Químicos
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
Desengrossadeira – Processo de substituição da instalação elétrica
Doc014/5 16-10-2015
Cortina de proteção
Desengrossadeira – adaptações ao DL 50/2005
Apesar deste equipamento dispor de um sistema antirretorno, o sistema por si
só, não elimina a possibilidade de projeção de partículas e de nós soltos.
Doc014/5 16-10-2015
Lixadeira de cinta horizontal
A lixadeira serve para lixar, isto é, dar acabamento, restituindo a cor e textura da
madeira e tornar as superfícies polidas. É utilizada em peças de média e grande
dimensões.
Doc014/5 16-10-2015
Lixadeira de cinta horizontal
Contacto da mão do operador com o rolo. Esmagamento
Colisão de outro operário com a parte saliente da peça ou com o
operador.
Contacto da mão /dedos na lixa ao trabalhar peças pequenas. Abrasão
Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de peça ou partículas
Existência de nós nas peças.
Lixa com tenção incorreta. Choque
Lixa com elevado desgaste.
Espaço insuficiente circundante. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobre esforças e sobrecargas. Ergonómicos
Más posturas de trabalho.
Empoeiramento. Químico
Exposição a níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
LIXADEIRA – Boas práticas
Deve ser utilizado um batente que evite a projeção das peças e,
consequentemente, que as mãos entrem em contacto com a lixa.
Doc014/5 16-10-2015
Esquadrejadora
Os trabalhos básicos com a esquadrejadora consistem na execução de tarefas de
esquadrejamento de madeira maciça e de corte ou de esquadrejamento de painéis
derivados da madeira..
Doc014/5 16-10-2015
Esquadrejadora
Contacto do membros superiores do operador com o disco de corte. Corte / decepamento membros
superiores
Colisão de outro operário com a parte saliente da peça.
Efeito estroboscópico.
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento
Retrocesso e projeção da peça contra o operador. Projeção de fragmentos de
madeira
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Disco com perda de afiamento ou dentado. Projeção de fragmentos do
disco
Disco desequilibrado ou fixação incorreta.
Espaço insuficiente circundante da serra radial. Queda ao mesmo nível
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos
Más posturas de trabalho.
Poeiras de madeiras. Químicos
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
Esquadrejadora – Adaptação ao DL 50/2005
Falta botoneira de emergência:
Novo sistema de comandos com botoneira
de emergência
Doc014/5 16-10-2015
Dispositivo de encravamento
Esquadrejadora – Adaptação ao DL 50/2005
O dispositivo de encravamento sem bloqueio tem como objetivo:
• Não pode trabalhar enquanto o protetor não estiver fechado;
• Se a blindagem é aberta durante o funcionamento, as funções perigosas da
esquadrejadora, param.
Doc014/5 16-10-2015
Esquadrejadora – Adaptação ao DL 50/2005
O cutelo separador é necessário:
• Para evitar a projeção da peça de madeira na direção do operador, na
sequência do aperto da peça contra o disco;
Afastamento do cutelo divisor entre 3 a 8mm
Doc014/5 16-10-2015
Proteção apoiada na guia – incorreto Proteção apoiada na peça – correto
As proteções dos equipamentos de trabalho não substituem as boas práticas de
segurança.
Esquadrejadora – Boa prática
Doc014/5 16-10-2015
SERRAS CIRCULARES – Boas práticas
Utilização da proteção para cortes a 45º
A proteção de disco tem como objetivos:
• evitar o contacto com a lâmina, em caso de um movimento em falso;
• evitar os ferimentos nas mãos resultantes da proximidade com o disco;
• suprimir as projeções de serradura na direção do trabalhador.
Doc014/5 16-10-2015
Furador de corrente
O furador de corrente destina-se à realização de trabalhos de furação com
precisão e em série.
Doc014/5 16-10-2015
Garlopa
Contacto dos membros superiores do operador com a fita de corte. Corte / decepamento membros
superiores.
Rotura da corrente.
Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento.
Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de
madeira.
Variação da resistência de penetração da madeira por existência de
nós.
Espaço insuficiente circundante da serra de fita. Queda ao mesmo nível.
Arrumação do posto de trabalho.
Sobrecargas, sobre esforços e peças de grande dimensão. Ergonómicos .
Más posturas de trabalho.
Poeiras de madeiras. Químicos.
Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido.
Fatores de riscos Riscos
Doc014/5 16-10-2015
FURADOR DE CORRENTE – Adaptações ao DL 50/2005
Doc014/5 16-10-2015
FURADOR DE CORRENTE – Boas práticas
• Deve ser verificado regularmente o nível de óleo de lubrificação da corrente;
• Efetuar, cuidadosa e regularmente, a inspeção da corrente. Providenciar a sua
reparação ou substituição imediata quando se detetarem fendas ou outros
defeitos;
• Certifique-se de que a peça a ser trabalhada está corretamente encostada e fixa à
guia;
• Em momento algum deve ser desprendida a peça com o furador em
funcionamento.
Doc014/5 16-10-2015
Obrigada pela atenção dispensada
isabel.pinto@ciccopn.pt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
VagnoAlvesmonteiro
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
Andressa Macedo
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
Eder Ribeiro
 
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
 
29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas
29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas
29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas
Risoaldo Cavalcanti
 
Check List Talha Eletrica
Check List Talha EletricaCheck List Talha Eletrica
Check List Talha Eletrica
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Segurança lixadeira
Segurança lixadeiraSegurança lixadeira
Segurança lixadeira
Taube Ale
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Claudio Cesar Pontes ن
 
Arvore de falhas
Arvore de falhasArvore de falhas
Arvore de falhas
mannulo
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Sergio Silva
 
Plano de içamento lista de verificação
Plano de içamento   lista de verificaçãoPlano de içamento   lista de verificação
Plano de içamento lista de verificação
Universidade Federal Fluminense
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Everton Retore Teixeira
 
6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas
6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas
6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas
Sara Temoteo temoteo
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
ordenaelbass
 
PALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHIL
PALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHILPALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHIL
Soldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Soldagem pelo processo de Eletrodo RevestidoSoldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Soldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Luiz Rafael Resende da Silva
 
Apr bastida
Apr bastidaApr bastida
Apr bastida
Andre Cruz
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
Andre Cruz
 
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptxTreinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Rudinei de Moura
 
NR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptx
NR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptxNR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptx
NR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptx
WellingtonNabarro1
 

Mais procurados (20)

Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
 
Manual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintariaManual de segurança da carpintaria
Manual de segurança da carpintaria
 
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha15 dicas que voce precisa saber sobre linha
15 dicas que voce precisa saber sobre linha
 
29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas
29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas
29596744 elevacao-e-movimentacao-de-cargas
 
Check List Talha Eletrica
Check List Talha EletricaCheck List Talha Eletrica
Check List Talha Eletrica
 
Segurança lixadeira
Segurança lixadeiraSegurança lixadeira
Segurança lixadeira
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Arvore de falhas
Arvore de falhasArvore de falhas
Arvore de falhas
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
 
Plano de içamento lista de verificação
Plano de içamento   lista de verificaçãoPlano de içamento   lista de verificação
Plano de içamento lista de verificação
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
 
6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas
6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas
6596171 analise-preliminar-de-risco-soldas
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
 
PALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHIL
PALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHILPALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHIL
PALESTRA - OPERADORES MOTOSERRA STHIL
 
Soldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Soldagem pelo processo de Eletrodo RevestidoSoldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Soldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
 
Apr bastida
Apr bastidaApr bastida
Apr bastida
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptxTreinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
 
NR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptx
NR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptxNR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptx
NR18 - Treinamento - Serra Marmore - P21 NR18 - Nov 20.pptx
 

Semelhante a Sessão técnica Equipamentos de Trabalho

TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptxTREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
EversonLima23
 
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptxTREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
JONATO1
 
586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt
586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt
586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt
zimmerambiental
 
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
MarcosJnio3
 
232107594 treinamento-serra-policorte
232107594 treinamento-serra-policorte232107594 treinamento-serra-policorte
232107594 treinamento-serra-policorte
ssuser3dd51f
 
Treinamento trabalho a quente petrobras
Treinamento trabalho a quente   petrobrasTreinamento trabalho a quente   petrobras
Treinamento trabalho a quente petrobras
Orlando Mendes
 
Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras rev out 10
Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras   rev out 10Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras   rev out 10
Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras rev out 10
Joaquim Machado
 
0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx
0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx
0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx
CARLOSFIGUEIREDO102
 
NR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptx
NR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptxNR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptx
NR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptx
carlos silva Rotersan
 
Treinamento 9050 PRO
Treinamento 9050 PROTreinamento 9050 PRO
Treinamento 9050 PRO
DremelBrasil
 
Catálogo kits didáticos TRON
Catálogo kits didáticos TRONCatálogo kits didáticos TRON
Catálogo kits didáticos TRON
Tronst
 
Apr trabalho com solda eletrica
Apr   trabalho com solda eletricaApr   trabalho com solda eletrica
Apr trabalho com solda eletrica
Gleuciane Rocha
 
STIHL TS 410_ 420.pdf
STIHL TS 410_ 420.pdfSTIHL TS 410_ 420.pdf
STIHL TS 410_ 420.pdf
MarconiSantana5
 
232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada
ssuser3dd51f
 
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
EngenheiroBenevides
 
Manual prensa klein15
Manual prensa klein15Manual prensa klein15
Manual prensa klein15
Benedito Pacheco
 

Semelhante a Sessão técnica Equipamentos de Trabalho (16)

TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptxTREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
 
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptxTREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
 
586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt
586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt
586460438-Nr-12-Treinamento-Esmerilhadeira-3.ppt
 
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
 
232107594 treinamento-serra-policorte
232107594 treinamento-serra-policorte232107594 treinamento-serra-policorte
232107594 treinamento-serra-policorte
 
Treinamento trabalho a quente petrobras
Treinamento trabalho a quente   petrobrasTreinamento trabalho a quente   petrobras
Treinamento trabalho a quente petrobras
 
Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras rev out 10
Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras   rev out 10Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras   rev out 10
Apresentação esmerilhadeiras e lixadeiras rev out 10
 
0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx
0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx
0.1 - Treinamento NR-12 Serra Circular Rev.00.pptx
 
NR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptx
NR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptxNR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptx
NR18---Treinamento---Ferramentas-Manuais---2022.pptx
 
Treinamento 9050 PRO
Treinamento 9050 PROTreinamento 9050 PRO
Treinamento 9050 PRO
 
Catálogo kits didáticos TRON
Catálogo kits didáticos TRONCatálogo kits didáticos TRON
Catálogo kits didáticos TRON
 
Apr trabalho com solda eletrica
Apr   trabalho com solda eletricaApr   trabalho com solda eletrica
Apr trabalho com solda eletrica
 
STIHL TS 410_ 420.pdf
STIHL TS 410_ 420.pdfSTIHL TS 410_ 420.pdf
STIHL TS 410_ 420.pdf
 
232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada
 
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
(4) NR 10 - SEP - Condições Impeditivas.pptx
 
Manual prensa klein15
Manual prensa klein15Manual prensa klein15
Manual prensa klein15
 

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte (20)

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
 
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na Construção
 
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
 
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019
 
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
 
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunha
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence
 
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - Bosch
 
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtos
 
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
 
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Equipas de Qualidade
 
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
 
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
 
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
 
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
 
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
 
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
 

Último

Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 

Último (11)

Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 

Sessão técnica Equipamentos de Trabalho

  • 1. Isabel Pinto e Fernando Ferreira Sessão Técnica SST – Equipamentos de trabalho Madeiras
  • 2. Doc014/5 16-10-2015 Isabel Pinto e Fernando Ferreira Oficina de Madeiras A oficina de madeiras do CICCOPN pretende ser um protótipo da realidade de trabalho. Não tem como finalidade a produção, mas sim, a formação na área da carpintaria. Planta da oficina de carpintaria (piso 0) Fonte: CICCOPN 1 Serra radial 2 Garlopa 3 Desengrossadeira 4 Serra de fita 5 Lixadeira 6 Tupia 7 Esquadrejadora 8 Furador de corrente 1 8 2 34 5 6 7
  • 3. Doc014/5 16-10-2015 Oficina de Madeiras Oficina de Madeiras CICCOPN 2002
  • 4. Doc014/5 16-10-2015 Oficina de Madeiras Oficina de Madeiras CICCOPN 2017
  • 5. Doc014/5 16-10-2015 Objetivo da formação na oficina de madeiras A formação de natureza essencialmente prática na oficina de Madeiras, pretende formar e treinar em: • Princípios de funcionamento dos equipamentos de trabalho; • Riscos associados na utilização dos equipamentos de trabalho; • Procedimentos de trabalho em segurança; • Regulação de todos os parâmetros que influenciam o trabalho a executar; • Técnicas de corte de madeira; • Singularidade das matérias primas.
  • 6. Doc014/5 16-10-2015 Principais Riscos da Oficina de Madeiras Na avaliação de riscos os equipamentos de trabalho apresentaram riscos comuns. A metodologia adotada pelo CICCOPN na avaliação de riscos foi SSARA do INSHT. Principais grupos de riscos, identificados na Avaliação de Riscos na Oficina de Madeira: • Ergonómicos • Físicos • Mecânicos • Elétricos • Químicos
  • 7. Doc014/5 16-10-2015 Serra Radial Esta serra radial destina-se ao corte de painéis ou ripas de madeira ou outros materiais similares, produzindo cortes retos, com possibilidade de criar ângulos até 45°. A serra radial é uma máquina que possui um disco de corte com capacidade de corte longitudinal e de profundidade.
  • 8. Doc014/5 16-10-2015 Serra Radial Contacto dos membros superiores do operador com o disco de corte. Corte / decepamento membros superiores Colisão de outro operário com a parte saliente da peça. Efeito estroboscópico. Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento Retrocesso e projeção da peça contra o operador. Projeção de fragmentos de madeira Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Disco com perda de afiamento ou dentado. Projeção de fragmentos do disco Disco desequilibrado ou fixação incorreta. Torção acidental da peça. Espaço insuficiente circundante da serra radial. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos Más posturas de trabalho. Poeiras de madeiras. Químicos Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 9. Doc014/5 16-10-2015 Serra Radial Adaptação da serra radial ao DL 50/2005
  • 10. Doc014/5 16-10-2015 Serra Radial – Boa prática de trabalho Modo de operar em segurança
  • 11. Doc014/5 16-10-2015 Serra Radial - Bloqueio Caixa de Bloqueio ficha
  • 12. Doc014/5 16-10-2015 Garlopa A garlopa é um equipamento para aplainar e desempenar peças de madeira e derivados. Utiliza um cilindro porta-lâminas rotativo, em posição horizontal, que atua sobre a face da peça a maquinar, deixando-a com as superfícies lisas e desempenadas, destinadas muitas das vezes a servir de referência para operações posteriores. A garlopa contém na zona posterior um furador de broca horizontal que permite executar furações para respigas e furações para entalhe de fechaduras.
  • 13. Doc014/5 16-10-2015 Garlopa Contacto dos membros superiores do operador com a lâmina de corte. Corte (dilaceração)/ decepamento membros superioresColisão de outro operário com a parte saliente da peça. Efeito estroboscópico. Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento Retrocesso e projeção da peça contra o operador. Projeção de fragmentos de madeira Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Lâmina com perda de afiamento. Projeção de fragmentos da lâmina. Lâmina desequilibrado ou fixação incorreta. Contacto do operador com a broca Perfuração Broca desequilibrado ou fixação incorreta. Espaço insuficiente circundante da serra radial. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos Más posturas de trabalho Poeiras de madeiras. Químicos Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 14. Doc014/5 16-10-2015 Garlopa – Adaptações ao DL 50/2005 Painel de comandos: Não existia botão para desligar o equipamento, a paragem do equipamento era obrigatoriamente na botoneira de emergência. A garlopa foi equipada com um botão de paragem normal, de modo a permitir a paragem total do equipamento. Reservando o uso da botoneira de emergência para situações de emergência. Painel de comando original sem botão de paragem do equipamento Painel de comando com botão de paragem normal
  • 15. Doc014/5 16-10-2015 Garlopa / Módulo de Furação – Adaptação ao DL 50/2005 Proteção em policarbonato Proteção fixa contra contacto com a broca ou bucha
  • 16. Doc014/5 16-10-2015 Ramal de Aspiração Garlopa / Módulo de Furação – Adaptação ao DL 50/2005
  • 17. Doc014/5 16-10-2015 Protetor de ponte sobre a peça a trabalhar Protetor de ponte sobre a lâmina não utilizada O protetor é pré-regulado em altura em função da peça a desempenar, para que esta passe por baixo do dispositivo, enquanto as mãos passam por cima. No desbaste de peças mais altas o protetor deve encostar à lateral da peça cobrindo toda a lâmina não utilizada, deixando livre a medida da peça a trabalhar. Garlopa– Boa prática de trabalho
  • 18. Doc014/5 16-10-2015 Serra de Fita A serra de fita permite o corte de peças de madeira, por meio de uma fita metálica dentada, que circula continuamente, em tensão, entre dois volantes giratórios, atravessando verticalmente a mesa de trabalho.
  • 19. Doc014/5 16-10-2015 Garlopa Contacto dos membros superiores do operador com a fita de corte. Corte / decepamento membros superiores Rotura da fita. Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de madeira Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Desgaste da fita. Projeção de fragmentos da fita. Rotura da fita. Espaço insuficiente circundante da serra de fita. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas, sobre esforços e peças de grande dimensão. Ergonómicos Más posturas de trabalho. Poeiras de madeiras. Químicos Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 20. Doc014/5 16-10-2015 Serra de Fita – Adaptação ao DL 50/2005 Fixação da serra de fita ao pavimento, garantindo a estabilidade do equipamento. Fixação da serra de fita ao pavimento
  • 21. Doc014/5 16-10-2015 Distâncias de segurança para evitar que zonas de perigo sejam atingidas pelos membros superiores. Delimitação do acesso a zona perigosa Serra de Fita – Adaptação ao DL 50/2005
  • 22. Doc014/5 16-10-2015 Serra de Fita – Boa prática de trabalho Utilização do pressor lateralPressão manual Melhoria das condições de trabalho, com aquisição de acessórios de segurança. O pressor lateral mantem a peça encostada à paralela evitando a aproximação das mãos do operador à zona perigosa.
  • 23. Doc014/5 16-10-2015 Tupia A tupia é um equipamento para perfilar peças de madeira e derivados com cinco velocidades e dois sentidos de rotação da árvore. Utiliza uma ferramenta de corte rotativa, montada na árvore vertical, que atua sobre a face da peça a maquinar, deixando-a com superfície equivalente ao perfil da fresa instalada.
  • 24. Doc014/5 16-10-2015 Tupia Contacto do membros superiores do operador com a zona de corte da fresa. Corte / decepamento membros superiores Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de madeira Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Acerto da ferramenta com a fresa em movimento. Projeção de fragmentos da fresa. Fresa com perda de afiamento. Rotação incompatível com o diâmetro da fresa. Fixação incorreta da fresa. Espaço insuficiente circundante da tupia. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos Más posturas de trabalho. Poeiras de madeiras. Químicos Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 25. Doc014/5 16-10-2015 Tupia – Pressor vertical / horizontal É indispensável e obrigatório prevenir o contacto das mãos com a ferramenta, quer durante o trabalho da peça, quer em caso de um movimento em falso – para isso, deve-se usar um dispositivo de proteção constituído por uma prensa vertical e uma prensa lateral, servindo esta última também como protetor de mãos. Utilização sem proteção/pressores – incorreto Utilização da proteção/pressores vertical e horizontal - correto
  • 26. Doc014/5 16-10-2015 Seção Técnica SST – Equipamentos de trabalho - Madeiras empurrador Durante a fresagem de peças de menor dimensão deve utilizar-se meios auxiliares de modo a empurrar a peça a ser cortada em segurança.
  • 27. Doc014/5 16-10-2015 Os trabalhos em árvore tornam-se necessários sempre que a fresagem tem de ser efetuada em peças com partes curvas. O risco principal é o contacto das mãos com a ferramenta, devido à proximidade, sobretudo no início e no final da passagem da peça. Tupia – trabalhos em árvore Fixador de peças de madeira de pequena dimensão.
  • 28. Doc014/5 16-10-2015 Utilização da proteção e carro de respigar, para execução de respigas Tupia – Boas práticas Como a oficina não está equipada com uma respigadora, o operador da tupia pode montar sobre a árvore da tupia. Essas respigas são executadas com a ajuda de um carro apropriado.
  • 29. Doc014/5 16-10-2015 Desengrossadeira A desengrossadeira serve para tornar planas e lisas as superfícies da madeira e com a espessura e largura convenientes às peças devidamente desempenadas na garlopa.
  • 30. Doc014/5 16-10-2015 Desengrosso Mãos do operador presa entre a peça e a mesa móvel. Esmagamento Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de madeira Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Lâminas com perda de afiamento. Projeção de fragmentos da lâminas Lâmina desequilibrada ou fixação incorreta. Espaço insuficiente circundante da tupia. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos Más posturas de trabalho. Poeiras de madeiras. Químicos Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 31. Doc014/5 16-10-2015 Desengrossadeira – Processo de substituição da instalação elétrica
  • 32. Doc014/5 16-10-2015 Cortina de proteção Desengrossadeira – adaptações ao DL 50/2005 Apesar deste equipamento dispor de um sistema antirretorno, o sistema por si só, não elimina a possibilidade de projeção de partículas e de nós soltos.
  • 33. Doc014/5 16-10-2015 Lixadeira de cinta horizontal A lixadeira serve para lixar, isto é, dar acabamento, restituindo a cor e textura da madeira e tornar as superfícies polidas. É utilizada em peças de média e grande dimensões.
  • 34. Doc014/5 16-10-2015 Lixadeira de cinta horizontal Contacto da mão do operador com o rolo. Esmagamento Colisão de outro operário com a parte saliente da peça ou com o operador. Contacto da mão /dedos na lixa ao trabalhar peças pequenas. Abrasão Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de peça ou partículas Existência de nós nas peças. Lixa com tenção incorreta. Choque Lixa com elevado desgaste. Espaço insuficiente circundante. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobre esforças e sobrecargas. Ergonómicos Más posturas de trabalho. Empoeiramento. Químico Exposição a níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 35. Doc014/5 16-10-2015 LIXADEIRA – Boas práticas Deve ser utilizado um batente que evite a projeção das peças e, consequentemente, que as mãos entrem em contacto com a lixa.
  • 36. Doc014/5 16-10-2015 Esquadrejadora Os trabalhos básicos com a esquadrejadora consistem na execução de tarefas de esquadrejamento de madeira maciça e de corte ou de esquadrejamento de painéis derivados da madeira..
  • 37. Doc014/5 16-10-2015 Esquadrejadora Contacto do membros superiores do operador com o disco de corte. Corte / decepamento membros superiores Colisão de outro operário com a parte saliente da peça. Efeito estroboscópico. Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento Retrocesso e projeção da peça contra o operador. Projeção de fragmentos de madeira Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Disco com perda de afiamento ou dentado. Projeção de fragmentos do disco Disco desequilibrado ou fixação incorreta. Espaço insuficiente circundante da serra radial. Queda ao mesmo nível Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas e sobre esforços. Ergonómicos Más posturas de trabalho. Poeiras de madeiras. Químicos Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido Fatores de riscos Riscos
  • 38. Doc014/5 16-10-2015 Esquadrejadora – Adaptação ao DL 50/2005 Falta botoneira de emergência: Novo sistema de comandos com botoneira de emergência
  • 39. Doc014/5 16-10-2015 Dispositivo de encravamento Esquadrejadora – Adaptação ao DL 50/2005 O dispositivo de encravamento sem bloqueio tem como objetivo: • Não pode trabalhar enquanto o protetor não estiver fechado; • Se a blindagem é aberta durante o funcionamento, as funções perigosas da esquadrejadora, param.
  • 40. Doc014/5 16-10-2015 Esquadrejadora – Adaptação ao DL 50/2005 O cutelo separador é necessário: • Para evitar a projeção da peça de madeira na direção do operador, na sequência do aperto da peça contra o disco; Afastamento do cutelo divisor entre 3 a 8mm
  • 41. Doc014/5 16-10-2015 Proteção apoiada na guia – incorreto Proteção apoiada na peça – correto As proteções dos equipamentos de trabalho não substituem as boas práticas de segurança. Esquadrejadora – Boa prática
  • 42. Doc014/5 16-10-2015 SERRAS CIRCULARES – Boas práticas Utilização da proteção para cortes a 45º A proteção de disco tem como objetivos: • evitar o contacto com a lâmina, em caso de um movimento em falso; • evitar os ferimentos nas mãos resultantes da proximidade com o disco; • suprimir as projeções de serradura na direção do trabalhador.
  • 43. Doc014/5 16-10-2015 Furador de corrente O furador de corrente destina-se à realização de trabalhos de furação com precisão e em série.
  • 44. Doc014/5 16-10-2015 Garlopa Contacto dos membros superiores do operador com a fita de corte. Corte / decepamento membros superiores. Rotura da corrente. Vestuário de trabalho impróprio. Arrastamento. Projeção da peça contra o operador ou terceiros. Projeção de fragmentos de madeira. Variação da resistência de penetração da madeira por existência de nós. Espaço insuficiente circundante da serra de fita. Queda ao mesmo nível. Arrumação do posto de trabalho. Sobrecargas, sobre esforços e peças de grande dimensão. Ergonómicos . Más posturas de trabalho. Poeiras de madeiras. Químicos. Exposição de níveis elevados de ruido. Ruido. Fatores de riscos Riscos
  • 45. Doc014/5 16-10-2015 FURADOR DE CORRENTE – Adaptações ao DL 50/2005
  • 46. Doc014/5 16-10-2015 FURADOR DE CORRENTE – Boas práticas • Deve ser verificado regularmente o nível de óleo de lubrificação da corrente; • Efetuar, cuidadosa e regularmente, a inspeção da corrente. Providenciar a sua reparação ou substituição imediata quando se detetarem fendas ou outros defeitos; • Certifique-se de que a peça a ser trabalhada está corretamente encostada e fixa à guia; • Em momento algum deve ser desprendida a peça com o furador em funcionamento.
  • 47. Doc014/5 16-10-2015 Obrigada pela atenção dispensada isabel.pinto@ciccopn.pt