SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
SERMÃO
COMUNHÃO – ATOS 2. 42-46
COMUNHÃO


• Introdução
• O que lhe sugere a palavra "comunhão"? Uma
  xicara de chá no salão social da igreja? Um pouco
  de conversa no pátio, após o culto?

• Uma caminhada com a mocidade? Uma
  temporada em um acampamento? Turismo na
  Terra Santa, com um grupo de pessoas da igreja?
COMUNHÃO


• Introdução
• Nós frequentemente dizemos que tivemos
  comunhão quando tudo o que queremos dizer é
  que tomamos parte em algum empreendimento
  social cristão, tais como os que citamos.
COMUNHÃO


• Introdução
• Mas, não devemos nos expressar nestes termos. O
  fato que compartilhamos atividades sociais com
  outros crentes por si mesmo não implica que
  tivemos comunhão com eles.
• Falar assim, de fato, não significa negar que pode
  haver lugar para tais atividades. Nosso problema
  simplesmente é que igualar estas atividades à
  comunhão, e a comunhão a elas, é um abuso da
  linguagem cristã.
COMUNHÃO


• Introdução
• Existe um grande perigo por nossa parte quando
  não distinguimos o entre o que é as atividades
  sociais, em companhia de outros crentes, e a
  comunhão.

• "Comunhão." é um dos grandes vocábulos do
  Novo Testamento.
COMUNHÃO


• Introdução
• Ele denota algo vital para a saúde espiritual do
  crente, além de ser fundamental para a
  verdadeira vitalidade da igreja.

• É de primária importância, pois, que tenhamos
  ideias claras sobre o que a comunhão realmente
  significa.
COMUNHÃO


• Exposição do tema
• A comunhão figura na primeira descrição que o
  Novo Testamento nos dá sobre a vida da recém-
  constituída igreja.
• "E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na
  comunhão, no partir do pão e nas arações" (At
  2.42).
• Conversas, caminhadas e turismo? Não; mas algo
  de natureza bem diferente, em um nível bem
  diferente, conforme o resto dessa passagem nos
  esclarece.
COMUNHÃO


• Exposição do tema
• "Em cada alma havia temor... Todos Os que creram
  estavam juntos, e tinham tudo em comum.
  Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo
  a produto entre todos, à medida que alguém tinha
  necessidade. Diariamente perseveravam unânimes
  no templo, partiam pão de casa em casa, e
  tomavam as suas refeições com alegria e singeleza
  de coração, louvando a Deus..." (At 2.43-47).
COMUNHÃO


• Exposição do tema
• Temos aqui um quadro da comunhão, conforme o
  Novo Testamento a entende.
• Sem dúvida, há um mundo de diferença entre esse
  quadro e a maioria das atividades às quais,
  atualmente, chamamos de "comunhão".
COMUNHÃO

• Exposição do texto bíblico
• 42 E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na
  comunhão, no partir do pão e nas orações. 43 Em cada
  alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos
  por intermédio dos apóstolos. 44 Todos os que creram
  estavam juntos e tinham tudo em comum. 45 Vendiam
  as suas propriedades e bens, distribuindo o produto
  entre todos, à medida que alguém tinha necessidade.
  46 Diariamente perseveravam unânimes no templo
  partiam pão de casa em casa e tomavam as suas
  refeições com alegria e singeleza de coração,
  47 louvando a Deus e contando com a simpatia de todo
  o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia
  a dia, os que iam sendo salvos Sociedade At 2: 42-47.
COMUNHÃO


• Exposição do texto bíblico - At 4:33.
• 32 Da multidão dos que creram era um o coração e
  a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua
  nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes
  era comum. 33 Com grande poder, os apóstolos
  davam testemunho da ressurreição do Senhor
  Jesus, e em todos eles havia abundante graça.
COMUNHÃO


• Exposição do texto bíblico - 1Co 12: 25-27.

•    para que não haja divisão no corpo; pelo
    25

  contrário, cooperem os membros, com igual
  cuidado, em favor uns dos outros. 26 De maneira
  que, se um membro sofre, todos sofrem com ele; e,
  se um deles é honrado, com ele todos se
  regozijam.
• 27 Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente,
  membros desse corpo.
COMUNHÃO


• Aplicações Gerais
• Muito daquilo que recebe esse nome não merece
  ser classificado como tal, pois a realidade da
  comunhão tem praticamente desaparecido de
  nosso meio.
• Essa é uma das razões por que mesmo aqueles
  segmentos      da     igreja  que     permanecem
  doutrinariamente ortodoxas, com frequência, são
  débeis e preguiçosos, em comparação com a
  situação nas igrejas de um ou dois séculos atrás.
COMUNHÃO


• Aplicações Gerais
• Cristo repreendeu os crentes de Laodicéia (Ap
  3.17) devido à complacência deles, supondo que
  possuíam tudo que precisavam, quando, na
  verdade, estavam em estado de Falência
  espiritual.
• E certamente Ele nos repreenderia em termos
  similares, por falar de modo tão presunçoso acerca
  da nossa feliz comunhão, quando, de fato, a
  ausência de comunhão é uma de nossas falhas
  mais evidentes.
COMUNHÃO


• Conclusão
• Recuperar o verdadeiro significado da comunhão
  é, para o povo de Deus, uma clamorosa
  necessidade em nossos dias.
• Um corpo no qual o sangue não circula bem,
  sempre está aquém de suas possibilidades; e a
  comunhão corresponde à circulação do sangue
  no corpo de Cristo.
COMUNHÃO


• Conclusão
• A igreja adquire forças por meio da comunhão e
  perde forças quando ela se faz ausente.
• Portanto, devemos esforçar-nos para reaprender o
  verdadeiro significado de "comunhão”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Derramamento do espírito hernandes dias lopes
Derramamento do espírito   hernandes dias lopesDerramamento do espírito   hernandes dias lopes
Derramamento do espírito hernandes dias lopes
Aristoteles Rocha
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 

Mais procurados (20)

Lição 5 Poder irresistível da comunhão na igreja
Lição 5   Poder irresistível da comunhão na igrejaLição 5   Poder irresistível da comunhão na igreja
Lição 5 Poder irresistível da comunhão na igreja
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
 
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Estudo biblico 24  dons espirituais - part2Estudo biblico 24  dons espirituais - part2
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
Derramamento do espírito hernandes dias lopes
Derramamento do espírito   hernandes dias lopesDerramamento do espírito   hernandes dias lopes
Derramamento do espírito hernandes dias lopes
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
A ordem no culto cristão
A ordem no culto cristãoA ordem no culto cristão
A ordem no culto cristão
 
A igrea e a disciplina
A igrea e a disciplinaA igrea e a disciplina
A igrea e a disciplina
 
Os 9 dons do Espírito Santo
Os 9 dons do Espírito SantoOs 9 dons do Espírito Santo
Os 9 dons do Espírito Santo
 
Qual o real significado do batismo
Qual o real significado do batismoQual o real significado do batismo
Qual o real significado do batismo
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
 
A Família e a Igreja
A Família e a IgrejaA Família e a Igreja
A Família e a Igreja
 
50 Estudos Para Celulas I
50 Estudos Para Celulas I50 Estudos Para Celulas I
50 Estudos Para Celulas I
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito Santo
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
Disciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto BíblicoDisciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto Bíblico
 
Primeira etapa
Primeira etapaPrimeira etapa
Primeira etapa
 

Semelhante a Sermão comunhão

BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
cnisbrasil
 
A pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostalA pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostal
denilsonlemes
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 

Semelhante a Sermão comunhão (20)

Série Igreja A igreja que queremos ser
Série Igreja   A igreja que queremos serSérie Igreja   A igreja que queremos ser
Série Igreja A igreja que queremos ser
 
O-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptxO-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptx
 
Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
Igreja Vintage - Parte 1 - Igreja Vintage, Forma e Essência.pptx
Igreja Vintage - Parte 1 - Igreja Vintage, Forma e Essência.pptxIgreja Vintage - Parte 1 - Igreja Vintage, Forma e Essência.pptx
Igreja Vintage - Parte 1 - Igreja Vintage, Forma e Essência.pptx
 
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
 
Estudos sobre Adoração e Louvor - Completo.pptx
Estudos sobre Adoração e Louvor - Completo.pptxEstudos sobre Adoração e Louvor - Completo.pptx
Estudos sobre Adoração e Louvor - Completo.pptx
 
estudossobreadoraoelouvor-completo-230201194030-b2e9c6c3.pdf
estudossobreadoraoelouvor-completo-230201194030-b2e9c6c3.pdfestudossobreadoraoelouvor-completo-230201194030-b2e9c6c3.pdf
estudossobreadoraoelouvor-completo-230201194030-b2e9c6c3.pdf
 
A vida-normal-da-igreja-crista-w-nee
A vida-normal-da-igreja-crista-w-neeA vida-normal-da-igreja-crista-w-nee
A vida-normal-da-igreja-crista-w-nee
 
A pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostalA pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostal
 
Domingo da Palavra de Deus 2021
Domingo da Palavra de Deus 2021Domingo da Palavra de Deus 2021
Domingo da Palavra de Deus 2021
 
Liçao 04
Liçao 04  Liçao 04
Liçao 04
 
Liçao- 04
Liçao- 04  Liçao- 04
Liçao- 04
 
Liçao-04
Liçao-04  Liçao-04
Liçao-04
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
 
A igreja que queremos ser!
A igreja que queremos ser!A igreja que queremos ser!
A igreja que queremos ser!
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
4º módulo 3ª aula
4º módulo   3ª aula4º módulo   3ª aula
4º módulo 3ª aula
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
 

Mais de Fulvio Leite (9)

Filipenses estudiante
Filipenses estudianteFilipenses estudiante
Filipenses estudiante
 
Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
  Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2  Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
 
Solus Christus
Solus ChristusSolus Christus
Solus Christus
 
Agostinho e a Origem do Pecado
Agostinho e a Origem do PecadoAgostinho e a Origem do Pecado
Agostinho e a Origem do Pecado
 
Sermão salmo 133
Sermão salmo 133Sermão salmo 133
Sermão salmo 133
 
O mandamento do amor
O mandamento do amorO mandamento do amor
O mandamento do amor
 
Carta pastoral-e-teologica-sobre-a-liturgia-da-ipb2
Carta pastoral-e-teologica-sobre-a-liturgia-da-ipb2Carta pastoral-e-teologica-sobre-a-liturgia-da-ipb2
Carta pastoral-e-teologica-sobre-a-liturgia-da-ipb2
 
Revitalizacao de Igrejas
Revitalizacao de IgrejasRevitalizacao de Igrejas
Revitalizacao de Igrejas
 
Relativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igrejaRelativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igreja
 

Sermão comunhão

  • 2. COMUNHÃO • Introdução • O que lhe sugere a palavra "comunhão"? Uma xicara de chá no salão social da igreja? Um pouco de conversa no pátio, após o culto? • Uma caminhada com a mocidade? Uma temporada em um acampamento? Turismo na Terra Santa, com um grupo de pessoas da igreja?
  • 3. COMUNHÃO • Introdução • Nós frequentemente dizemos que tivemos comunhão quando tudo o que queremos dizer é que tomamos parte em algum empreendimento social cristão, tais como os que citamos.
  • 4. COMUNHÃO • Introdução • Mas, não devemos nos expressar nestes termos. O fato que compartilhamos atividades sociais com outros crentes por si mesmo não implica que tivemos comunhão com eles. • Falar assim, de fato, não significa negar que pode haver lugar para tais atividades. Nosso problema simplesmente é que igualar estas atividades à comunhão, e a comunhão a elas, é um abuso da linguagem cristã.
  • 5. COMUNHÃO • Introdução • Existe um grande perigo por nossa parte quando não distinguimos o entre o que é as atividades sociais, em companhia de outros crentes, e a comunhão. • "Comunhão." é um dos grandes vocábulos do Novo Testamento.
  • 6. COMUNHÃO • Introdução • Ele denota algo vital para a saúde espiritual do crente, além de ser fundamental para a verdadeira vitalidade da igreja. • É de primária importância, pois, que tenhamos ideias claras sobre o que a comunhão realmente significa.
  • 7. COMUNHÃO • Exposição do tema • A comunhão figura na primeira descrição que o Novo Testamento nos dá sobre a vida da recém- constituída igreja. • "E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas arações" (At 2.42). • Conversas, caminhadas e turismo? Não; mas algo de natureza bem diferente, em um nível bem diferente, conforme o resto dessa passagem nos esclarece.
  • 8. COMUNHÃO • Exposição do tema • "Em cada alma havia temor... Todos Os que creram estavam juntos, e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo a produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa, e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus..." (At 2.43-47).
  • 9. COMUNHÃO • Exposição do tema • Temos aqui um quadro da comunhão, conforme o Novo Testamento a entende. • Sem dúvida, há um mundo de diferença entre esse quadro e a maioria das atividades às quais, atualmente, chamamos de "comunhão".
  • 10. COMUNHÃO • Exposição do texto bíblico • 42 E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. 43 Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. 44 Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. 45 Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. 46 Diariamente perseveravam unânimes no templo partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, 47 louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos Sociedade At 2: 42-47.
  • 11. COMUNHÃO • Exposição do texto bíblico - At 4:33. • 32 Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. 33 Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça.
  • 12. COMUNHÃO • Exposição do texto bíblico - 1Co 12: 25-27. • para que não haja divisão no corpo; pelo 25 contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros. 26 De maneira que, se um membro sofre, todos sofrem com ele; e, se um deles é honrado, com ele todos se regozijam. • 27 Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.
  • 13. COMUNHÃO • Aplicações Gerais • Muito daquilo que recebe esse nome não merece ser classificado como tal, pois a realidade da comunhão tem praticamente desaparecido de nosso meio. • Essa é uma das razões por que mesmo aqueles segmentos da igreja que permanecem doutrinariamente ortodoxas, com frequência, são débeis e preguiçosos, em comparação com a situação nas igrejas de um ou dois séculos atrás.
  • 14. COMUNHÃO • Aplicações Gerais • Cristo repreendeu os crentes de Laodicéia (Ap 3.17) devido à complacência deles, supondo que possuíam tudo que precisavam, quando, na verdade, estavam em estado de Falência espiritual. • E certamente Ele nos repreenderia em termos similares, por falar de modo tão presunçoso acerca da nossa feliz comunhão, quando, de fato, a ausência de comunhão é uma de nossas falhas mais evidentes.
  • 15. COMUNHÃO • Conclusão • Recuperar o verdadeiro significado da comunhão é, para o povo de Deus, uma clamorosa necessidade em nossos dias. • Um corpo no qual o sangue não circula bem, sempre está aquém de suas possibilidades; e a comunhão corresponde à circulação do sangue no corpo de Cristo.
  • 16. COMUNHÃO • Conclusão • A igreja adquire forças por meio da comunhão e perde forças quando ela se faz ausente. • Portanto, devemos esforçar-nos para reaprender o verdadeiro significado de "comunhão”.