SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO DE SENSIBILIZAÇÃO
DESPERTANDO A FORÇA INTERIOR
Realização:
TJGO - 1ª Vara (Cível, de Família, Sucessões e
da Infância e da Juventude)
33º Batalhão de Polícia Militar
Faculdade Anhanguera de Valparaíso GO
1. IDENTIFICAÇÃO:
O Projeto “Despertando a Força Interior” é
uma iniciativa voltada aos homens
envolvidos em denúncias de violência
contra a mulher, com o objetivo de
possibilitar condições para que repensem
seu papéis na relações familiares e de
afeto, nos termos da Lei Maria da Penha,
tudo com vistas à redução dos casos de
reincidência no âmbito da Violência
Doméstica.
2. OBJETIVO
Conscientizar os homens agressores sobre a
gravidade da prática da violência doméstica e
familiar contra a mulher e promover a sua
reeducação com vistas à não reincidência do
ato criminoso e a desconstrução da cultura de
violência em desfavor do gênero feminino, a qual
é historicamente arraigada no seio social.
3. CONSIDERAÇÕES:
A Lei Maria da Penha (11.340/2006) não possui
apenas caráter punitivo em relação aos autores,
já que também dispõe de um caráter
pedagógico, possibilitando a criação e promoção
de centros de educação e de reabilitação para os
mesmos.
Art. 22. Constatada a prática de violência doméstica e familiar contra a mulher, nos
termos desta Lei, o juiz poderá aplicar, de imediato, ao agressor, em conjunto ou
separadamente, as seguintes medidas protetivas de urgência, entre outras:
VI – comparecimento do agressor a programas de recuperação e reeducação; e
(Incluído pela Lei nº 13.984, de 2020)
VII – acompanhamento psicossocial do agressor, por meio de atendimento
individual e/ou em grupo de apoio.
3. CONSIDERAÇÕES:
Art. 35. A União, o Distrito Federal, os
Estados e os Municípios poderão criar e
promover, no limite das respectivas
competências:
IV - programas e campanhas de enfrentamento
da violência doméstica e familiar;
V - centros de educação e de reabilitação para os
agressores.
3. CONSIDERAÇÕES:
Lei de Execução Penal. (Lei nº 7.210/84)
Art. 152. Poderão ser ministrados ao condenado,
durante o tempo de permanência, cursos e
palestras, ou atribuídas atividades educativas.
Parágrafo único. Nos casos de violência
doméstica contra a mulher, o juiz poderá
determinar o comparecimento obrigatório do
agressor a programas de recuperação e
reeducação.
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
INTERVALO(10 Minutos)
1 Ciúmes é demonstração de amor.
Verdade: Ciúmes é baseado na falta de confiança, insegurança, às
vezes torna-se até obsessivo. Nada tem a ver com prova de amor.
2 Os homens devem ser fortes e não podem demonstrar seus
sentimentos.
Verdade: Expressar emoções é algo saudável, não é sinônimo de
fraqueza; ao contrário ajuda a entender seu mundo emocional e
afetivo.
3 Falar sobre o que pensa e sente é coisa de mulher.
Verdade: Expressar os sentimentos é importante tanto para homens
quanto para mulheres. Falar abertamente sobre o que pensa ou
sobre si mesmo ajuda a enfrentar incômodos.
4 Os agressores não sabem controlar suas emoções.
Verdade: Um homem agressor pode bater em uma mulher por
vários anos, mas dificilmente agrediria outro homem de seu
convívio dessa forma. Portanto, trata-se de violência reforçada pela
desigualdade de poder e força.
5 A violência doméstica é causada por problemas com o
álcool, drogas ou doenças mentais.
Verdade: É comum culpar o álcool e as drogas como responsáveis
pela violência doméstica. No entanto ela é fenômeno complexo,
multifacetado, fruto de uma cultura machista. Assim, mesmo que o
álcool seja um desinibidor social, ele não é a causa deste
fenômeno.
6 Mulher gosta de apanhar e provocar.
Verdade: Esta forma de pensar é bastante equivocada e
desconsidera o grave sofrimento das vítimas. Em uma
situação de violência, o medo na maior parte das vezes gera
paralização da capacidade de reagir, o que difere de gostar
desta situação.
7 "Em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher."
Verdade: Esta é um problema de saúde pública, cuja
intervenção é muito importante para interromper o ciclo da
violência.
8 Roupa suja se lava em casa.
Verdade: Não são admissíveis desculpas de "questões
privadas" para graves violações de direitos humanos. A
violência doméstica é uma séria questão de saúde pública,
sendo essencial retirá-la do campo doméstico para ser
protegida pelo Estado.
9 A violência só acontece nas famílias problemáticas e
pobres.
Verdade: A violência doméstica é perversamente democrática,
alcançando todas as classes sociais. Ela é reflexo de
elementos da cultura machista e isso atravessa todas as
classes sociais.
Claro que sabemos que não se aprende a ser diferente da
noite para o dia. Em muitos casos será necessária uma ajuda
profissional e, por isso, ao final dos encontros, podemos
ajudá-los em atendimentos individualizados. Mas algumas
sugestões podem favorecer a uma convivência mais
harmoniosa e com menor nível de expectativas.
a) Que tal ouvir sua companheira com mais atenção?
Esta escuta o ajudará a perceber que nem todos os desejos,
sejam os seus ou os dela, são atendidos numa relação
amorosa. Por meio do diálogo, vocês poderão tomar decisões
conjuntas e chegar a acordos.
b) Que tal aprender a explicar o que sente sem culpabilizar a
pessoa?
Quando se diz com clareza o que não gosta, sem ofender, humilhar
ou atacar, a outra pessoa consegue entender melhor a queixa e
pensar soluções para o que foi falado. Concentrar-se na resolução
do problema, entendendo outros pontos de vista e negociando uma
solução, é mais relevante que acusar ou responsabilizar. É
importante aprender outras formas de resolver conflitos.
c) Que tal aprender a controlar a raiva?
Ficar nervoso ou raivoso em demasia é extremamente ruim para a
sua própria saúde, bem como para seu relacionamento com sua
companheira e filhos (se houver). Portanto, é importante aprender a
controlar e a lidar com as emoções, principalmente a raiva, de
modo mais saudável. Não alimente discussão, crie estratégias para
esfriar a cabeça antes de retomar uma discussão acalorada.
Lembre-se: a violência é um comportamento aprendido, não
natural.
d) Que tal aprender a ser mais tolerante, a ter atitudes de mais
respeito com relação às mulheres com quem você se
relaciona?
Por mais difícil que isso seja, não imponha os seus valores como os
únicos válidos. É sempre bom avaliar seus erros e buscar repará-
los consertá-los. Olhe para as mulheres com todas as suas
características: trabalhadora, mãe, companheira, amiga. Isso trará
diferença significativa a seus relacionamentos. É sempre bom
conversar sobre as expectativas criadas a partir do que seriam os
papéis dos homens e mulheres na nossa sociedade, ainda marcada
por preconceito e machismo.
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
FORÇA,
CORAGEM
E PODER
Quem demonstra a maior força?
• Quem demonstra maior força?
Mohandas
Karamchand
Gandhi
• Nasceu em 2 de outubro de 1869 e faleceu, assassinado, em
30 de janeiro de 1948.
• De família hindu, vivia modestamente em uma comunidade
autossuficiente e usava o dhoti e o xale indiano tradicional,
entrelaçados com fios feitos à mão em um charkha. Comia
comida vegetariana simples e também realizava longos jejuns
como um meio de autopurificação e protesto político.
• Como era costume em sua cultura, com a idade de 13 anos, a
família realizou seu casamento arranjado com Kasturba
Gandhi, de 14 anos, através de um acordo entre as respectivas
famílias.
• Depois de um pouco de educação indistinta, foi decidido que
ele deveria ir para a Inglaterra para estudar direito. Ganhou a
permissão da mãe, prometendo se abster de vinho, mulheres
e carne, mas desafiou os regulamentos de sua casta que
proibiam a viagem para a Inglaterra.
• Descobriu, na filosofia de Henry Stephens Salt, um argumento
para a prática do vegetarianismo. Organizou um clube
vegetariano onde se encontravam pessoas com os mesmos
interesses.
• Sua primeira leitura do Bhaaavad-Gita (texto religioso hindu
escrito em sânscrito) foi através de uma tradução poética para
o inglês A Canção Celestial. Esta escritura hindu e o “Sermão
da Montanha” tornaram-se, mais tarde, seus guias espirituais.
Mohandas Karamchand Gandhi
• Foi um advogado, nacionalista, anticolonialista e especialista em
ética política, indiano, que empregou RESISTÊNCIA não violenta para
liderar a campanha bem-sucedida para a independência da Índia do
Reino Unido.
• Empregou pela primeira vez a desobediência civil não-violenta
como advogado expatriado na África do Sul, na luta da comunidade
indígena pelos direitos civis. Após seu retorno à Índia em 1915,
organizou camponeses, agricultores e trabalhadores urbanos para
protestar contra o imposto sobre a terra e a discriminação excessiva.
Assumindo a liderança do Congresso Nacional Indiano em 1921,
liderou campanhas nacionais para várias causas sociais e para
alcançar o autogoverno.
• Levou os indianos a desafiar o imposto salino cobrado pelos
ingleses com a Marcha do Sal, de 400 km, em 1930, e mais tarde
pedindo aos britânicos que abandonassem a Índia em 1942. Foi
preso por muitos anos, em várias ocasiões, na África do Sul e na
Índia.
• Em agosto de 1947, o Reino Unido concedeu a independência, mas o
Império Britânico da Índia foi dividido em dois domínios - Índia de
maioria hindu e o Paquistão de maioria muçulmana. Como a
violência religiosa irrompeu em algumas regiões, Gandhi evitou a
celebração oficial da independência e visitou as áreas afetadas,
tentando proporcionar consolo.
• Realizou várias greves de fome para deter essa violência.
• O aniversário de Gandhi, 2 de outubro, é comemorado na Índia como
Gandhi Jayanti, um feriado nacional e em todo o mundo como o Dia
Internacional da Não-Violência.
Mohandas Karamchand Gandhi
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx
Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx

Os direitos das mulheres como direitos humanos
Os direitos das mulheres como direitos humanosOs direitos das mulheres como direitos humanos
Os direitos das mulheres como direitos humanos
bejr
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Apostilva Comunicao nao violenta
Apostilva Comunicao nao violentaApostilva Comunicao nao violenta
Apostilva Comunicao nao violenta
DomCarlosTrekkers
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
Artemosfera Cia de Artes
 
Guia Interativo Arte Ensina: Motivações de Violência
Guia Interativo Arte Ensina: Motivações de ViolênciaGuia Interativo Arte Ensina: Motivações de Violência
Guia Interativo Arte Ensina: Motivações de Violência
Motivação Violência
 
Ebook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdfEbook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdf
DivinoHenriqueSantan
 
Violência
ViolênciaViolência
Violência
8d20092010
 
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
grizzdesign
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulher
ulissesporto
 
CRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOALCRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOAL
ssvp-formation
 
Relatoria Multiplicadores-Caxias
Relatoria Multiplicadores-CaxiasRelatoria Multiplicadores-Caxias
Relatoria Multiplicadores-Caxias
juventudecontraviolencia
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
Sergio Menezes
 
A paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religiosoA paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religioso
Mariana Monteiro
 
A violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileiraA violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileira
Mayara_Sampaio2
 
Família sob ataque
Família sob ataqueFamília sob ataque
Família sob ataque
Samuel Borges
 
Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçao
Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçaoBriefing E Campanha PublicitáRia] criaçao
Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçao
Nuno Granada
 
ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.
ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.
ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.
ZBVVasconcelos
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
Kessylen Carvalho
 
Slide Educadores Sociais
Slide Educadores SociaisSlide Educadores Sociais
Slide Educadores Sociais
Adriano Monteiro
 
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
Nit Portal Social
 

Semelhante a Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx (20)

Os direitos das mulheres como direitos humanos
Os direitos das mulheres como direitos humanosOs direitos das mulheres como direitos humanos
Os direitos das mulheres como direitos humanos
 
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe AssunçãoQueimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
Queimando sutiã dia da mulher. Prof.Ms.Noe Assunção
 
Apostilva Comunicao nao violenta
Apostilva Comunicao nao violentaApostilva Comunicao nao violenta
Apostilva Comunicao nao violenta
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
 
Guia Interativo Arte Ensina: Motivações de Violência
Guia Interativo Arte Ensina: Motivações de ViolênciaGuia Interativo Arte Ensina: Motivações de Violência
Guia Interativo Arte Ensina: Motivações de Violência
 
Ebook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdfEbook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdf
 
Violência
ViolênciaViolência
Violência
 
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulher
 
CRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOALCRESCIMENTO PESSOAL
CRESCIMENTO PESSOAL
 
Relatoria Multiplicadores-Caxias
Relatoria Multiplicadores-CaxiasRelatoria Multiplicadores-Caxias
Relatoria Multiplicadores-Caxias
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
 
A paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religiosoA paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religioso
 
A violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileiraA violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileira
 
Família sob ataque
Família sob ataqueFamília sob ataque
Família sob ataque
 
Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçao
Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçaoBriefing E Campanha PublicitáRia] criaçao
Briefing E Campanha PublicitáRia] criaçao
 
ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.
ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.
ATPS de Filosofia, da faculdade Anhanguera.
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
Slide Educadores Sociais
Slide Educadores SociaisSlide Educadores Sociais
Slide Educadores Sociais
 
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 

Sensibilização com autores de violência doméstica.pptx

  • 1. CURSO DE SENSIBILIZAÇÃO DESPERTANDO A FORÇA INTERIOR Realização: TJGO - 1ª Vara (Cível, de Família, Sucessões e da Infância e da Juventude) 33º Batalhão de Polícia Militar Faculdade Anhanguera de Valparaíso GO
  • 2. 1. IDENTIFICAÇÃO: O Projeto “Despertando a Força Interior” é uma iniciativa voltada aos homens envolvidos em denúncias de violência contra a mulher, com o objetivo de possibilitar condições para que repensem seu papéis na relações familiares e de afeto, nos termos da Lei Maria da Penha, tudo com vistas à redução dos casos de reincidência no âmbito da Violência Doméstica.
  • 3. 2. OBJETIVO Conscientizar os homens agressores sobre a gravidade da prática da violência doméstica e familiar contra a mulher e promover a sua reeducação com vistas à não reincidência do ato criminoso e a desconstrução da cultura de violência em desfavor do gênero feminino, a qual é historicamente arraigada no seio social.
  • 4. 3. CONSIDERAÇÕES: A Lei Maria da Penha (11.340/2006) não possui apenas caráter punitivo em relação aos autores, já que também dispõe de um caráter pedagógico, possibilitando a criação e promoção de centros de educação e de reabilitação para os mesmos. Art. 22. Constatada a prática de violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos desta Lei, o juiz poderá aplicar, de imediato, ao agressor, em conjunto ou separadamente, as seguintes medidas protetivas de urgência, entre outras: VI – comparecimento do agressor a programas de recuperação e reeducação; e (Incluído pela Lei nº 13.984, de 2020) VII – acompanhamento psicossocial do agressor, por meio de atendimento individual e/ou em grupo de apoio.
  • 5. 3. CONSIDERAÇÕES: Art. 35. A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios poderão criar e promover, no limite das respectivas competências: IV - programas e campanhas de enfrentamento da violência doméstica e familiar; V - centros de educação e de reabilitação para os agressores.
  • 6. 3. CONSIDERAÇÕES: Lei de Execução Penal. (Lei nº 7.210/84) Art. 152. Poderão ser ministrados ao condenado, durante o tempo de permanência, cursos e palestras, ou atribuídas atividades educativas. Parágrafo único. Nos casos de violência doméstica contra a mulher, o juiz poderá determinar o comparecimento obrigatório do agressor a programas de recuperação e reeducação.
  • 15. 1 Ciúmes é demonstração de amor. Verdade: Ciúmes é baseado na falta de confiança, insegurança, às vezes torna-se até obsessivo. Nada tem a ver com prova de amor. 2 Os homens devem ser fortes e não podem demonstrar seus sentimentos. Verdade: Expressar emoções é algo saudável, não é sinônimo de fraqueza; ao contrário ajuda a entender seu mundo emocional e afetivo. 3 Falar sobre o que pensa e sente é coisa de mulher. Verdade: Expressar os sentimentos é importante tanto para homens quanto para mulheres. Falar abertamente sobre o que pensa ou sobre si mesmo ajuda a enfrentar incômodos.
  • 16. 4 Os agressores não sabem controlar suas emoções. Verdade: Um homem agressor pode bater em uma mulher por vários anos, mas dificilmente agrediria outro homem de seu convívio dessa forma. Portanto, trata-se de violência reforçada pela desigualdade de poder e força. 5 A violência doméstica é causada por problemas com o álcool, drogas ou doenças mentais. Verdade: É comum culpar o álcool e as drogas como responsáveis pela violência doméstica. No entanto ela é fenômeno complexo, multifacetado, fruto de uma cultura machista. Assim, mesmo que o álcool seja um desinibidor social, ele não é a causa deste fenômeno.
  • 17. 6 Mulher gosta de apanhar e provocar. Verdade: Esta forma de pensar é bastante equivocada e desconsidera o grave sofrimento das vítimas. Em uma situação de violência, o medo na maior parte das vezes gera paralização da capacidade de reagir, o que difere de gostar desta situação. 7 "Em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher." Verdade: Esta é um problema de saúde pública, cuja intervenção é muito importante para interromper o ciclo da violência.
  • 18. 8 Roupa suja se lava em casa. Verdade: Não são admissíveis desculpas de "questões privadas" para graves violações de direitos humanos. A violência doméstica é uma séria questão de saúde pública, sendo essencial retirá-la do campo doméstico para ser protegida pelo Estado. 9 A violência só acontece nas famílias problemáticas e pobres. Verdade: A violência doméstica é perversamente democrática, alcançando todas as classes sociais. Ela é reflexo de elementos da cultura machista e isso atravessa todas as classes sociais.
  • 19. Claro que sabemos que não se aprende a ser diferente da noite para o dia. Em muitos casos será necessária uma ajuda profissional e, por isso, ao final dos encontros, podemos ajudá-los em atendimentos individualizados. Mas algumas sugestões podem favorecer a uma convivência mais harmoniosa e com menor nível de expectativas. a) Que tal ouvir sua companheira com mais atenção? Esta escuta o ajudará a perceber que nem todos os desejos, sejam os seus ou os dela, são atendidos numa relação amorosa. Por meio do diálogo, vocês poderão tomar decisões conjuntas e chegar a acordos.
  • 20. b) Que tal aprender a explicar o que sente sem culpabilizar a pessoa? Quando se diz com clareza o que não gosta, sem ofender, humilhar ou atacar, a outra pessoa consegue entender melhor a queixa e pensar soluções para o que foi falado. Concentrar-se na resolução do problema, entendendo outros pontos de vista e negociando uma solução, é mais relevante que acusar ou responsabilizar. É importante aprender outras formas de resolver conflitos. c) Que tal aprender a controlar a raiva? Ficar nervoso ou raivoso em demasia é extremamente ruim para a sua própria saúde, bem como para seu relacionamento com sua companheira e filhos (se houver). Portanto, é importante aprender a controlar e a lidar com as emoções, principalmente a raiva, de modo mais saudável. Não alimente discussão, crie estratégias para esfriar a cabeça antes de retomar uma discussão acalorada.
  • 21. Lembre-se: a violência é um comportamento aprendido, não natural. d) Que tal aprender a ser mais tolerante, a ter atitudes de mais respeito com relação às mulheres com quem você se relaciona? Por mais difícil que isso seja, não imponha os seus valores como os únicos válidos. É sempre bom avaliar seus erros e buscar repará- los consertá-los. Olhe para as mulheres com todas as suas características: trabalhadora, mãe, companheira, amiga. Isso trará diferença significativa a seus relacionamentos. É sempre bom conversar sobre as expectativas criadas a partir do que seriam os papéis dos homens e mulheres na nossa sociedade, ainda marcada por preconceito e machismo.
  • 24. Quem demonstra a maior força?
  • 25. • Quem demonstra maior força?
  • 27. • Nasceu em 2 de outubro de 1869 e faleceu, assassinado, em 30 de janeiro de 1948. • De família hindu, vivia modestamente em uma comunidade autossuficiente e usava o dhoti e o xale indiano tradicional, entrelaçados com fios feitos à mão em um charkha. Comia comida vegetariana simples e também realizava longos jejuns como um meio de autopurificação e protesto político. • Como era costume em sua cultura, com a idade de 13 anos, a família realizou seu casamento arranjado com Kasturba Gandhi, de 14 anos, através de um acordo entre as respectivas famílias. • Depois de um pouco de educação indistinta, foi decidido que ele deveria ir para a Inglaterra para estudar direito. Ganhou a permissão da mãe, prometendo se abster de vinho, mulheres e carne, mas desafiou os regulamentos de sua casta que proibiam a viagem para a Inglaterra. • Descobriu, na filosofia de Henry Stephens Salt, um argumento para a prática do vegetarianismo. Organizou um clube vegetariano onde se encontravam pessoas com os mesmos interesses. • Sua primeira leitura do Bhaaavad-Gita (texto religioso hindu escrito em sânscrito) foi através de uma tradução poética para o inglês A Canção Celestial. Esta escritura hindu e o “Sermão da Montanha” tornaram-se, mais tarde, seus guias espirituais. Mohandas Karamchand Gandhi
  • 28. • Foi um advogado, nacionalista, anticolonialista e especialista em ética política, indiano, que empregou RESISTÊNCIA não violenta para liderar a campanha bem-sucedida para a independência da Índia do Reino Unido. • Empregou pela primeira vez a desobediência civil não-violenta como advogado expatriado na África do Sul, na luta da comunidade indígena pelos direitos civis. Após seu retorno à Índia em 1915, organizou camponeses, agricultores e trabalhadores urbanos para protestar contra o imposto sobre a terra e a discriminação excessiva. Assumindo a liderança do Congresso Nacional Indiano em 1921, liderou campanhas nacionais para várias causas sociais e para alcançar o autogoverno. • Levou os indianos a desafiar o imposto salino cobrado pelos ingleses com a Marcha do Sal, de 400 km, em 1930, e mais tarde pedindo aos britânicos que abandonassem a Índia em 1942. Foi preso por muitos anos, em várias ocasiões, na África do Sul e na Índia. • Em agosto de 1947, o Reino Unido concedeu a independência, mas o Império Britânico da Índia foi dividido em dois domínios - Índia de maioria hindu e o Paquistão de maioria muçulmana. Como a violência religiosa irrompeu em algumas regiões, Gandhi evitou a celebração oficial da independência e visitou as áreas afetadas, tentando proporcionar consolo. • Realizou várias greves de fome para deter essa violência. • O aniversário de Gandhi, 2 de outubro, é comemorado na Índia como Gandhi Jayanti, um feriado nacional e em todo o mundo como o Dia Internacional da Não-Violência. Mohandas Karamchand Gandhi