SlideShare uma empresa Scribd logo
O Mapa Estratégico da Indústria 2014-2074
2
Roteiro
COMO CADA FATOR-CHAVE É EXAMINADO:
INFRAESTRUTURA3
A CONSTRUÇÃO DO MAPA ESTRATÉGICO
2
AVALIAÇÃO DE CENÁRIOS – VISÃO GLOBAL E PROSPECTIVA
1
AVALIAÇÃO DE CENÁRIOS
VISÃO GLOBAL E PROSPECTIVA
3
2010
1990
Tendências mundiais com impacto na indústria
4
Crescimento dos países emergentes
20.
7
35.
6
Participação no valor
adicionado mundial
Fonte: UNIDO.
Entrada da Rússia, China e Índia no mundo
capitalista praticamente duplica o campo de ação
para internacionalização
Tendências mundiais com impacto na indústria
Fonte: Sturgeon et al. (2013) 5
Nova geografia da produção
1960s
Indústria
nacional e
verticalizada
1970s
Experimentos
de global
sourcing
1980s
Fragmentação
Offshoring
Outsourcing
1990s
Fragmentação
Global suppliers
China
2000s
Fragmentação
serviços, P&D,
design,
inovação
2008 –
Pol. Industrial
com GVC
Tendências mundiais com impacto na indústria
Conhecimento e inovação como motores da economia
Fatores de
produção
Produtividade
Crescimento do
produto
Sem o aumento da produtividade o crescimento do produto é limitado pela
disponibilidade de fatores de produção
Inovação
6
Tendências mundiais com impacto na indústria
Emergência e difusão de novas tecnologias
Novas tecnologias permitem maior pulverização
geográfica da produção
INOVAÇÃO
• Impressoras 3D
• Simuladores virtuais
• Robótica mais barata e mais segura
7
Tendências mundiais com impacto na indústria
8
Mudanças climáticas e economia de baixo carbono
Novo padrão
de demanda
Prioridade à
baixa emissão
de carbono
Oportunidade
Matriz
energética
brasileira
Biocombustível
Oportunidade
Desafio
Adaptação do
processo
industrial
Desafio
Construção
normas
internacionais
BNTs
0.8 1.7 7.7
7.9
2.2
21.957.7
Emissões fugitivas da indústria
Processos industriais
Energia para a indústria
Energia para outros setores
Tratamento de resíduos
Agropecuária
Mudança no uso da terra e
florestas
IndústriaEmissões de GEE 10,2%
Tendências nacionais com impacto na indústria
9
Fortalecimento do mercado interno
913 955 1,239 1,278 1,449 1,480 1,886 2,079
3,252
10,216
Consumo das famílias (US$ bilhões) - 2010
Mais de 40 milhões de pessoas entraram na classe média nos últimos anos
Tendências nacionais com impacto na indústria
10
Transições demográficas
Em 2022, 70% da população será de pessoas em idade potencial de trabalho
(15 a 64 anos) – Bônus demográfico
Tendências nacionais com impacto na indústria
11
Reconfiguração espacial da atividade econômica
A interiorização do desenvolvimento tem criado novas e promissoras
oportunidades de negócios para a indústria brasileira
Fonte: CNI. 12
A posição do Brasil perante os competidores
A CONSTRUÇÃO DO MAPA ESTRATÉGICO
13
O que é o Mapa
A VISÃO DE FUTURO DA INDÚSTRIA E DO PAÍS:
2014 – 2074
APRESENTA AS AÇÕES DO SISTEMA INDÚSTRIA QUE
CONTRIBUIRÃO PARA ESSE OBJETIVO
IDENTIFICA AS PRIORIDADES E ESTRATÉGIAS PARA O
AUMENTO DA COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO
DA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO DO BRASIL
14
A Orientação
1
2
FOCO NA COMPETITIVIDADE
DA INDÚSTRIA
MAIOR SELETIVIDADE NA
ESCOLHA DOS TEMAS
PRIORITÁRIOS E DAS AÇÕES
15
A construção do Mapa
520 PESSOAS PARTICIPARAM DA CONSTRUÇÃO DO MAPA
CONSULTAS: FNI, CONSELHOS TEMÁTICOS, ENAI (FEDERAÇÕES, SINDICATOS E
ASSOCIAÇÕES), DIRETORIA DA CNI E EXECUTIVOS DO SISTEMA INDÚSTRIA4
4 PAINÉIS TEMÁTICOS COM ESPECIALISTAS
3
38 ENTREVISTAS PRESENCIAIS COM EMPRESÁRIOS
2
INFORMAÇÕES E DADOS DE FUNDAMENTAÇÃO
• AVALIAÇÃO DO MAPA 2007-2015
• DEZENAS DE ESTUDOS E PESQUISAS REVISTOS
• ORIENTAÇÕES E INICIATIVAS ESTRATÉGICAS EM CURSO1
16
O Mapa Estratégico da Indústria 2014-2074
17
Estrutura lógica
FATOR-CHAVE Financiamento
TEMAS
PRIORITÁRIOS
OBJETIVOS
AÇÕES • Desenvolver estratégias e propostas para redução do spread bancário
Ampliar a capacidade de
investimento das
empresas
MACROMETA
% de recursos de terceiros no
financiamento dos investimentos
das empresas industriais
INDICADOR
AMPLIAR O VOLUME
DE FINANCIAMENTO
BANCÁRIO DE LONGO
PRAZO
REDUZIR A TAXA DE
JUROS PARA PESSOAS
JURÍDICAS
Taxas de juros de capital de
giro
INDICADOR
FINANCIAMENTO
BANCÁRIO
MERCADO DE
CAPITAIS
MICRO, PEQUENAS E
MÉDIAS EMPRESAS
PROJETOS • Eliminação dos tributos sobre as operações de financiamento
18
COMO CADA FATOR-CHAVE É EXAMINADO
19
20
Como cada fator-chave é examinado
21
Como cada fator-chave é examinado
Como cada fator-chave é examinado
22
Como cada fator-chave é examinado
2323
Como cada fator-chave é examinado
2424
Como cada fator-chave é examinado
252525
Logística de
transportes
Energia
Ampliar a oferta e a eficiência dos
modais de transporte
Aumentar a oferta de gás natural
e reduzir o custo para níveis
competitivos internacionais
Reduzir o custo e ampliar
a velocidade do serviço
de banda larga
Telecomunicações
Universalizar os serviços de água
e esgotoSaneamento
Assegurar a suprimento, melhorar
a qualidade e reduzir os custos
de energia elétrica
Como cada fator-chave é examinado
262626
26
Melhorar a infraestrutura
» Participação do investimento em infraestrutura no PIBINFRAESTRUTURA8.
LOGÍSTICA DE
TRANSPORTES
Ampliar a oferta e a eficiência
dos modais de transporte
• Identificar e comparar os custos logísticos das principais cadeias produtivas nacionais com custos logísticos de cadeias
produtivas de outros países
• Identificar gargalos e propor medidas de aumento de eficiência e redução de custos dos principais eixos logísticos nacionais
• Identificar gargalos legais que inibem o incremento dos investimentos públicos e privados na infraestrutura ferroviária
brasileira e encaminhar propostas de solução
• Identificar e propor ações que estimulem a competitividade entre os portos
• Identificar gargalos legais que inibem o incremento dos investimentos públicos e privados na infraestrutura e operação
portuária brasileira e encaminhar propostas de solução
• Estimular a expansão e modernização do sistema rodoviário mediante concessões e PPPs
• Identificar gargalos legais que inibem o incremento dos investimentos públicos e privados no transporte de cabotagem e
encaminhar propostas de solução
• Identificar gargalos regulatórios e de infraestrutura no sistema aeroportuário e encaminhar propostas de solução
» Volume de carga
transportada por ferrovias
» Qualidade das rodovias
» Participação da cabotagem na
movimentação portuária
ENERGIA
Assegurar o suprimento,
melhorar a qualidade e reduzir
os custos da energia elétrica
• Identificar e propor ações que assegurem o abastecimento de energia elétrica a preços competitivos e com
qualidade
• Identificar alterações regulatórias e de gestão que estimulem os investimentos públicos e privados no setor
elétrico brasileiro
• Propor alterações legais que estimulem a expansão de práticas de eficiência energética
• Elaborar estudos que identifiquem as potenciais oportunidades de modernização e diversificação da matriz
energética nacional
» Custo da energia elétrica para
a indústria
Aumentar a oferta de gás
natural e reduzir o custo para
níveis competitivos
internacionais
• Elaborar e propor alterações do marco legal existente visando à expansão da oferta de gás (produção e aumento
da malha de gasodutos) a preços competitivos
• Propor políticas que estimulem o uso do gás natural na indústria como fator de competitividade
• Estimular a produção e distribuição de gás não convencional quando competitivo
» Custo relativo do gás natural
TELECOMUNI-
CAÇÕES
Reduzir o custo e ampliar a
velocidade do serviço de
banda larga
• Identificar gargalos regulatórios e de gestão do setor de telecomunicações brasileiro e encaminhar propostas de
solução ao governo
• Propor medidas que aumentem os investimentos públicos e privados nas telecomunicações
• Estimular a realização de novos leilões de frequência para a modernização e a ampliação dos serviços de
telecomunicações
» Velocidade média de
download anual
SANEAMENTO
Universalizar os serviços de
água e esgoto • Propor medidas que estimulem a oferta, a melhoria e a modernização na capacidade de gestão dos serviços de
saneamento» Percentual dos domicílios
com coleta de esgoto
TEMAS
PRIORITÁRIOS
OBJETIVOS E INDICADORES AÇÕES TRANSFORMADORAS
Como cada fator-chave é examinado
27
Como cada fator-chave é examinado
28
Como cada fator-chave é examinado
29
Como cada fator-chave é examinado
30
Como cada fator-chave é examinado
31
Como cada fator-chave é examinado
32
Como cada fator-chave é examinado
33
www.cni.org.br/mapaestrategico
34

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Alessandro Cavalcante

Os desafios da competitividade jackson detoni
Os desafios da competitividade jackson detoniOs desafios da competitividade jackson detoni
Os desafios da competitividade jackson detoni
Jackson De Toni
 
Debate tv brasil nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010
Debate tv brasil  nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010Debate tv brasil  nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010
Debate tv brasil nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010
Luis Nassif
 
Apresentação de Benedicto Moreira
Apresentação de Benedicto MoreiraApresentação de Benedicto Moreira
Apresentação de Benedicto Moreira
CartaCapital
 
Normalização - Exponorma 2011 Abimaq Ipdmaq
Normalização - Exponorma 2011 Abimaq IpdmaqNormalização - Exponorma 2011 Abimaq Ipdmaq
Normalização - Exponorma 2011 Abimaq Ipdmaq
Ipdmaq Abimaq
 
Ana Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileiras
Ana Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileirasAna Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileiras
Ana Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileiras
PPP Awards & Conference Brazil
 
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...
Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...
Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...
BNDES
 
FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...
FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...
FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Cintec 2011 Energias Renováveis
Cintec 2011 Energias Renováveis Cintec 2011 Energias Renováveis
Cintec 2011 Energias Renováveis
Ipdmaq Abimaq
 
Projeto Desafios da Nação
Projeto Desafios da NaçãoProjeto Desafios da Nação
Projeto Desafios da Nação
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
 
Nanotecnologia Bens de Capital
Nanotecnologia Bens de CapitalNanotecnologia Bens de Capital
Nanotecnologia Bens de Capital
Ipdmaq Abimaq
 
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro SaraivaCRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
pedrogfhferreira
 
Cbr_folder
Cbr_folderCbr_folder
Cbr_folder
CONSTRUBR_
 
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...
Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...
Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...
Fernando S. Marcato
 
EMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptx
EMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptxEMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptx
EMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptx
JoanaCabral34
 
CESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira
CESG - CCDRN - Luis Miguel FerreiraCESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira
CESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira
Miguel Carneiro
 
Workshop Infra-estrutura - 2006
Workshop Infra-estrutura - 2006Workshop Infra-estrutura - 2006
Workshop Infra-estrutura - 2006
Confederação Nacional da Indústria
 
Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...
Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...
Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...
EUROsociAL II
 
Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014
Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014
Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014
Confederação Nacional da Indústria
 

Semelhante a SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Alessandro Cavalcante (20)

Os desafios da competitividade jackson detoni
Os desafios da competitividade jackson detoniOs desafios da competitividade jackson detoni
Os desafios da competitividade jackson detoni
 
Debate tv brasil nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010
Debate tv brasil  nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010Debate tv brasil  nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010
Debate tv brasil nassif.spnt-mt-perrupato.18jun2010
 
Apresentação de Benedicto Moreira
Apresentação de Benedicto MoreiraApresentação de Benedicto Moreira
Apresentação de Benedicto Moreira
 
Normalização - Exponorma 2011 Abimaq Ipdmaq
Normalização - Exponorma 2011 Abimaq IpdmaqNormalização - Exponorma 2011 Abimaq Ipdmaq
Normalização - Exponorma 2011 Abimaq Ipdmaq
 
Ana Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileiras
Ana Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileirasAna Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileiras
Ana Cândida de Melo Carvalho - Padronização nas concessões e PPPs brasileiras
 
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
MPI 2010 - Paulo Okamotto, SEBRAE Nacional
 
Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...
Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...
Infraestrutura e Logística, reflexos na competitividade - Luciano Coutinho (E...
 
FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...
FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...
FGV / IBRE - O PAC e as Políticas Públicas de Incentivo ao Desenvolvimento do...
 
Cintec 2011 Energias Renováveis
Cintec 2011 Energias Renováveis Cintec 2011 Energias Renováveis
Cintec 2011 Energias Renováveis
 
Projeto Desafios da Nação
Projeto Desafios da NaçãoProjeto Desafios da Nação
Projeto Desafios da Nação
 
Nanotecnologia Bens de Capital
Nanotecnologia Bens de CapitalNanotecnologia Bens de Capital
Nanotecnologia Bens de Capital
 
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro SaraivaCRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
 
Cbr_folder
Cbr_folderCbr_folder
Cbr_folder
 
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
 
Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...
Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...
Programa de Investimento em Logística - PIL - Apresentação no 3o Forum de Inf...
 
EMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptx
EMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptxEMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptx
EMRP_Empresas-2021.12.14_Forum-Economico.pptx
 
CESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira
CESG - CCDRN - Luis Miguel FerreiraCESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira
CESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira
 
Workshop Infra-estrutura - 2006
Workshop Infra-estrutura - 2006Workshop Infra-estrutura - 2006
Workshop Infra-estrutura - 2006
 
Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...
Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...
Estrutura Produtiva e Desenvolvimento Regional: experiências latino-americana...
 
Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014
Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014
Entraves às Exportações Brasileiras | Divulgação 23/04/2014
 

Mais de FIESC

Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015
Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015
Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015
FIESC
 
Relatório Campanha 65 anos
Relatório Campanha 65 anosRelatório Campanha 65 anos
Relatório Campanha 65 anos
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela Manfroi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela ManfroiSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela Manfroi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela Manfroi
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin Bassegio
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin BassegioSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin Bassegio
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin Bassegio
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia Wiltgen
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia WiltgenSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia Wiltgen
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia Wiltgen
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo Brum
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo BrumSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo Brum
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo Brum
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel Campo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel CampoSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel Campo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel Campo
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia Freiberger
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia FreibergerSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia Freiberger
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia Freiberger
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos Lima
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos LimaSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos Lima
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos Lima
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues Martins
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues MartinsSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues Martins
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues Martins
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara Sostisso
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara SostissoSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara Sostisso
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara Sostisso
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De Souza
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De SouzaSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De Souza
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De Souza
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro Righi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro RighiSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro Righi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro RighiFIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Pereira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia PereiraSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Pereira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Pereira
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins Schneider
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins SchneiderSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins Schneider
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins Schneider
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula Golunski
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula GolunskiSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula Golunski
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula Golunski
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita Boeira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita BoeiraSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita Boeira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita Boeira
FIESC
 
SENAI
SENAISENAI
SENAI
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De Melo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De MeloSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De Melo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De Melo
FIESC
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen Fischer
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen FischerSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen Fischer
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen Fischer
FIESC
 

Mais de FIESC (20)

Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015
Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015
Relatório da jornada inovação e competitividade da indústria catarinense 2015
 
Relatório Campanha 65 anos
Relatório Campanha 65 anosRelatório Campanha 65 anos
Relatório Campanha 65 anos
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela Manfroi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela ManfroiSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela Manfroi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Daniela Manfroi
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin Bassegio
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin BassegioSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin Bassegio
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Romero Schardosin Bassegio
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia Wiltgen
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia WiltgenSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia Wiltgen
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Cláudia Wiltgen
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo Brum
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo BrumSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo Brum
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Eduardo Brum
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel Campo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel CampoSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel Campo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Carlos Gabriel Campo
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia Freiberger
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia FreibergerSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia Freiberger
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Gláucia Freiberger
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos Lima
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos LimaSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos Lima
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Marcos Dos Santos Lima
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues Martins
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues MartinsSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues Martins
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Davi Nícolas Rodrigues Martins
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara Sostisso
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara SostissoSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara Sostisso
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Andressa Samara Sostisso
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De Souza
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De SouzaSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De Souza
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Maurício De Souza
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro Righi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro RighiSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro Righi
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Sérgio Cordeiro Righi
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Pereira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia PereiraSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Pereira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Julia Pereira
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins Schneider
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins SchneiderSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins Schneider
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Tamili Martins Schneider
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula Golunski
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula GolunskiSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula Golunski
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Ana Paula Golunski
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita Boeira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita BoeiraSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita Boeira
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Pedro Ernesto Freita Boeira
 
SENAI
SENAISENAI
SENAI
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De Melo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De MeloSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De Melo
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Natália Parente De Melo
 
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen Fischer
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen FischerSENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen Fischer
SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Hellen Fischer
 

SENAI 60 anos - Futuro da Indústria por Alessandro Cavalcante

  • 1. O Mapa Estratégico da Indústria 2014-2074
  • 2. 2 Roteiro COMO CADA FATOR-CHAVE É EXAMINADO: INFRAESTRUTURA3 A CONSTRUÇÃO DO MAPA ESTRATÉGICO 2 AVALIAÇÃO DE CENÁRIOS – VISÃO GLOBAL E PROSPECTIVA 1
  • 3. AVALIAÇÃO DE CENÁRIOS VISÃO GLOBAL E PROSPECTIVA 3
  • 4. 2010 1990 Tendências mundiais com impacto na indústria 4 Crescimento dos países emergentes 20. 7 35. 6 Participação no valor adicionado mundial Fonte: UNIDO. Entrada da Rússia, China e Índia no mundo capitalista praticamente duplica o campo de ação para internacionalização
  • 5. Tendências mundiais com impacto na indústria Fonte: Sturgeon et al. (2013) 5 Nova geografia da produção 1960s Indústria nacional e verticalizada 1970s Experimentos de global sourcing 1980s Fragmentação Offshoring Outsourcing 1990s Fragmentação Global suppliers China 2000s Fragmentação serviços, P&D, design, inovação 2008 – Pol. Industrial com GVC
  • 6. Tendências mundiais com impacto na indústria Conhecimento e inovação como motores da economia Fatores de produção Produtividade Crescimento do produto Sem o aumento da produtividade o crescimento do produto é limitado pela disponibilidade de fatores de produção Inovação 6
  • 7. Tendências mundiais com impacto na indústria Emergência e difusão de novas tecnologias Novas tecnologias permitem maior pulverização geográfica da produção INOVAÇÃO • Impressoras 3D • Simuladores virtuais • Robótica mais barata e mais segura 7
  • 8. Tendências mundiais com impacto na indústria 8 Mudanças climáticas e economia de baixo carbono Novo padrão de demanda Prioridade à baixa emissão de carbono Oportunidade Matriz energética brasileira Biocombustível Oportunidade Desafio Adaptação do processo industrial Desafio Construção normas internacionais BNTs 0.8 1.7 7.7 7.9 2.2 21.957.7 Emissões fugitivas da indústria Processos industriais Energia para a indústria Energia para outros setores Tratamento de resíduos Agropecuária Mudança no uso da terra e florestas IndústriaEmissões de GEE 10,2%
  • 9. Tendências nacionais com impacto na indústria 9 Fortalecimento do mercado interno 913 955 1,239 1,278 1,449 1,480 1,886 2,079 3,252 10,216 Consumo das famílias (US$ bilhões) - 2010 Mais de 40 milhões de pessoas entraram na classe média nos últimos anos
  • 10. Tendências nacionais com impacto na indústria 10 Transições demográficas Em 2022, 70% da população será de pessoas em idade potencial de trabalho (15 a 64 anos) – Bônus demográfico
  • 11. Tendências nacionais com impacto na indústria 11 Reconfiguração espacial da atividade econômica A interiorização do desenvolvimento tem criado novas e promissoras oportunidades de negócios para a indústria brasileira
  • 12. Fonte: CNI. 12 A posição do Brasil perante os competidores
  • 13. A CONSTRUÇÃO DO MAPA ESTRATÉGICO 13
  • 14. O que é o Mapa A VISÃO DE FUTURO DA INDÚSTRIA E DO PAÍS: 2014 – 2074 APRESENTA AS AÇÕES DO SISTEMA INDÚSTRIA QUE CONTRIBUIRÃO PARA ESSE OBJETIVO IDENTIFICA AS PRIORIDADES E ESTRATÉGIAS PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO DO BRASIL 14
  • 15. A Orientação 1 2 FOCO NA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA MAIOR SELETIVIDADE NA ESCOLHA DOS TEMAS PRIORITÁRIOS E DAS AÇÕES 15
  • 16. A construção do Mapa 520 PESSOAS PARTICIPARAM DA CONSTRUÇÃO DO MAPA CONSULTAS: FNI, CONSELHOS TEMÁTICOS, ENAI (FEDERAÇÕES, SINDICATOS E ASSOCIAÇÕES), DIRETORIA DA CNI E EXECUTIVOS DO SISTEMA INDÚSTRIA4 4 PAINÉIS TEMÁTICOS COM ESPECIALISTAS 3 38 ENTREVISTAS PRESENCIAIS COM EMPRESÁRIOS 2 INFORMAÇÕES E DADOS DE FUNDAMENTAÇÃO • AVALIAÇÃO DO MAPA 2007-2015 • DEZENAS DE ESTUDOS E PESQUISAS REVISTOS • ORIENTAÇÕES E INICIATIVAS ESTRATÉGICAS EM CURSO1 16
  • 17. O Mapa Estratégico da Indústria 2014-2074 17
  • 18. Estrutura lógica FATOR-CHAVE Financiamento TEMAS PRIORITÁRIOS OBJETIVOS AÇÕES • Desenvolver estratégias e propostas para redução do spread bancário Ampliar a capacidade de investimento das empresas MACROMETA % de recursos de terceiros no financiamento dos investimentos das empresas industriais INDICADOR AMPLIAR O VOLUME DE FINANCIAMENTO BANCÁRIO DE LONGO PRAZO REDUZIR A TAXA DE JUROS PARA PESSOAS JURÍDICAS Taxas de juros de capital de giro INDICADOR FINANCIAMENTO BANCÁRIO MERCADO DE CAPITAIS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PROJETOS • Eliminação dos tributos sobre as operações de financiamento 18
  • 19. COMO CADA FATOR-CHAVE É EXAMINADO 19
  • 20. 20 Como cada fator-chave é examinado
  • 21. 21 Como cada fator-chave é examinado
  • 22. Como cada fator-chave é examinado 22
  • 23. Como cada fator-chave é examinado 2323
  • 24. Como cada fator-chave é examinado 2424
  • 25. Como cada fator-chave é examinado 252525 Logística de transportes Energia Ampliar a oferta e a eficiência dos modais de transporte Aumentar a oferta de gás natural e reduzir o custo para níveis competitivos internacionais Reduzir o custo e ampliar a velocidade do serviço de banda larga Telecomunicações Universalizar os serviços de água e esgotoSaneamento Assegurar a suprimento, melhorar a qualidade e reduzir os custos de energia elétrica
  • 26. Como cada fator-chave é examinado 262626 26 Melhorar a infraestrutura » Participação do investimento em infraestrutura no PIBINFRAESTRUTURA8. LOGÍSTICA DE TRANSPORTES Ampliar a oferta e a eficiência dos modais de transporte • Identificar e comparar os custos logísticos das principais cadeias produtivas nacionais com custos logísticos de cadeias produtivas de outros países • Identificar gargalos e propor medidas de aumento de eficiência e redução de custos dos principais eixos logísticos nacionais • Identificar gargalos legais que inibem o incremento dos investimentos públicos e privados na infraestrutura ferroviária brasileira e encaminhar propostas de solução • Identificar e propor ações que estimulem a competitividade entre os portos • Identificar gargalos legais que inibem o incremento dos investimentos públicos e privados na infraestrutura e operação portuária brasileira e encaminhar propostas de solução • Estimular a expansão e modernização do sistema rodoviário mediante concessões e PPPs • Identificar gargalos legais que inibem o incremento dos investimentos públicos e privados no transporte de cabotagem e encaminhar propostas de solução • Identificar gargalos regulatórios e de infraestrutura no sistema aeroportuário e encaminhar propostas de solução » Volume de carga transportada por ferrovias » Qualidade das rodovias » Participação da cabotagem na movimentação portuária ENERGIA Assegurar o suprimento, melhorar a qualidade e reduzir os custos da energia elétrica • Identificar e propor ações que assegurem o abastecimento de energia elétrica a preços competitivos e com qualidade • Identificar alterações regulatórias e de gestão que estimulem os investimentos públicos e privados no setor elétrico brasileiro • Propor alterações legais que estimulem a expansão de práticas de eficiência energética • Elaborar estudos que identifiquem as potenciais oportunidades de modernização e diversificação da matriz energética nacional » Custo da energia elétrica para a indústria Aumentar a oferta de gás natural e reduzir o custo para níveis competitivos internacionais • Elaborar e propor alterações do marco legal existente visando à expansão da oferta de gás (produção e aumento da malha de gasodutos) a preços competitivos • Propor políticas que estimulem o uso do gás natural na indústria como fator de competitividade • Estimular a produção e distribuição de gás não convencional quando competitivo » Custo relativo do gás natural TELECOMUNI- CAÇÕES Reduzir o custo e ampliar a velocidade do serviço de banda larga • Identificar gargalos regulatórios e de gestão do setor de telecomunicações brasileiro e encaminhar propostas de solução ao governo • Propor medidas que aumentem os investimentos públicos e privados nas telecomunicações • Estimular a realização de novos leilões de frequência para a modernização e a ampliação dos serviços de telecomunicações » Velocidade média de download anual SANEAMENTO Universalizar os serviços de água e esgoto • Propor medidas que estimulem a oferta, a melhoria e a modernização na capacidade de gestão dos serviços de saneamento» Percentual dos domicílios com coleta de esgoto TEMAS PRIORITÁRIOS OBJETIVOS E INDICADORES AÇÕES TRANSFORMADORAS
  • 27. Como cada fator-chave é examinado 27
  • 28. Como cada fator-chave é examinado 28
  • 29. Como cada fator-chave é examinado 29
  • 30. Como cada fator-chave é examinado 30
  • 31. Como cada fator-chave é examinado 31
  • 32. Como cada fator-chave é examinado 32
  • 33. Como cada fator-chave é examinado 33