SlideShare uma empresa Scribd logo
LOGO
.
Alicerses para produzir açúcar
de qualidade.
Autores:
Ing. Silvanisa Rodrigues
Ing. Ana Guerrero
Ing. Carmen PlataVenezuela, Abril 2013
RIF. J-07505170-0
17º Seminário Regional STAB NE 2013
Central Azucarero Portuguesa C.A
Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
Alicerses = Base = Fundamentos = Principios
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
“Conjunto de procedimentos a realizar,
normalmente baseados em leis, estudos
ou pesquisas, os quais garantem a
obtenção de um resultado esperado”.
“A clarificação do caldo de cana ou
solução de açúcar também segue leis
Físico-Químicas”
Alicerses
Conhecimento das Impurezas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Substâncias Químicas.
Proteínas, Corantes naturais (clorofila,
carotenos, polifenóis, gomas, ácidos
orgânicos).
Impurezas Diversas
Palha, areia, argila, bagacilho, etc.
Alicerses
Conhecimento do Açúcar e suas Soluções.
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
É Termolábil;
É sensível a mundaças de pH = Sofre
hidrólise ácida e alcalina.
Outras substâncias influenciam em sua
cristalização (gomas, cinzas, redutores,
polímeros, sais)
Alicerses
Principios Básicos da
Fabricação do açúcar granulado
V. Secagem
IV. Centrifugação
III. Cozimentos
II. Evaporação
I. Clarificação
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
“Não reter Cachaça. Tempo Retenção”
“Não reter Caldo. Temperatura”
“Não reter Massa Cozida”
“Agua, Temperatura”
“Não reter Pó. Temperatura.”
Índice
Sistema de Evaporação
Resultados Obtidos
Mudanças Físicas e Químicas
Definição de prioridades
Sistema de avaliação
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Central Azucarero
Portuguesa C.A.
Agroindú
stria
Açucareir
a
Expectati
vas dos
Clientes
Competição do
Mercado
Realização
de Novas
Pesquisas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Sistema de Pesquisa.
Pesquisas Dirigidas a entender e
Corrigir Problemas detectados
Cana deteriorada, colhida mecanicamente,
entrada de grandes quantidades de impurezas
ao processo. Condições Climáticas
Condições do açúcar Cru de Importação
Estabelecendo Prioridades
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Estudo e Diagnóstico
Condições do Açúcar Cru
Cor Alta >3000UI
Alto Conteúdo de
Amido
>600ppm
Filtrabilidade
Deficiente <60%
Sedimentos
Altos >26ppm
Presença de
Ácido Aconítico
Açúcar
VHP
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Prioridade 1
Clarificação de Licor
Densidade do Licor
(60-65°Brix)
Temperatura de
Dissolução e
Aquecimento do
Licor
Contrôle do pH na
Dissolução e
Tratamento do Licor
Ótima Formação de
Flocos em duas
etapas
Floculação primária, precipitação
“in loco” do precipitado inorgânico.
Floculação secundária, união de flocos
primários a uma cadeia poímérica muito
comprida.
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Problemas Detectados
2
3
4
1Falta de Contrôle na preparação e
dosagem de Produtos Químicos.
Falta de Contrôle e de verificação das
especificações químicas e condições das
embalagens dos produtos químicos adquiridos.
Fugas e Derrames de Produtos por
manipulação inadequada
Capacidade Limitada de Operação em
Equipamentos da Refinaría
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Estratégias Concretas
Otimização
Mudança
Física
Mudança
Química
Tanques de Preparação e
Dosagem de Químicos
Identificação de
Recipientes e Embalagens
Preparação Adequada de
Polímeros
Polímeros Utilizados
Doses de Químicos de
acordo ao processo
Dose estratégica
de Enzimas ao processo
de Refinação
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Ações Concretas de Otimização
Mudanças Físicas
Condicionamiento de Tanques e sistema de Preparação
Dosagem
Antes
Depois
1
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Antes
Depois
Estandarização do Processo de Preparo de Polímeros
Acompanhamento permanente aos operadores encarregados
da preparação.
Ações Concretas de Otimização
Mudanças Físicas
1
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Contrôle e verificação das especificações químicas e
condicições de embalagem dos produtos químicos adquiridos.
2
Acompanhamento do armazenamento dos Produtos
químicos, traçabilidade e contrôle do estoque.
Ações Concretas de Otimização
Mudanças Físicas
Antes
Depois
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Adequação de Zonas de Armazenamento de
Insumos Quimicos.
3
Antes Depois
Ações Concretas de Otimização
Mudanças Físicas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
- Aquisição de um Tanque pulmão de
Licor para garantir a continuidade na
alimentação da refinaria.
- Divisão estratégica do fluxo de licor aos
clarificadores.
- Garantia da Inocuidade do produto
terminado com a aquisição de um
sistema de transporte pneumático de
açúcar.
4Ações Concretas de Otimização
Mudanças Físicas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
- Substituição do dissolvedor de açúcar
por falta de capacidade e consequente
deficiencia nesta operação (fase final).
- Em projeto: Aquisição de filtros
Gaudfrin para substituir os tipo suchar
para melhorar o processo aproveitando
o final da vida útil dos filtros suchar.
- Eliminação de uma operação unitária
do processo (troca Iônica por colunas
de resina para remover cor).
Antes Depois
4Ações Concretas de Otimização
Mudanças Físicas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Ensaios de Laboratório com novos Produtos do Mercado em
busca de melhorias do proceso de clarificação com melhor
custo-beneficio.
Novo Produto:
Dose: 45ppm
Usado en CAPCA:
Dose: 180ppm
A utilização do Novo Produto
resulta uma Economía de
15422.4 $/mes y Melhoras no
Processo (Cor e Turbidez) o que
facilita cumprir com os
Compromisos de Qualidade do
Açúcar
Ações Concretas de Otimização
Mudaças Químicas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Auditorias e correção das Doses
de Produtos Químicos na Refinaria
e Ensaio com Novas Doses de
acordo com as características
fisicoquímicas do açúcar Cru a
Processar
Mito: “Maior quantidade de produto
empregado resulta em melhoras
no processamento da materia
prima”
Ações Concretas de Otimização
Mudaças Químicas
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Optimiçao da Filtrabilidade na Refinaria
- Dosagem de alfa amilase no açúcar cru
para redução de amido
- Incremento do pH no processo de
dissolução de Açúcar para redução dos
efeitos do Ácido Aconítico.
“Esta substancia aumenta a cor final do açúcar.
Quando entra en contato com a água forma
compostos amorfos parecidos ao bagacilho. Ao
polimerizar o ácido aconítico permite a formação de
flocos ácidos que impedem uma adequada filtração”
Ações Concretas de Otimização
Mudaças Químicas Amido, (ppm)
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Resultados de COR Obtidos (UI) Queda
Cor
74.64%
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Resultados de SEDIMENTOS
Obtidos (ppm)
Baixos
Sedimentos
< 9 ppm
Aumento de
Filtrabilidade
95%
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Compostos responsáveis pela cor na la cana de açúcar : clorofila,
antocianinas e flavonoides, além de otros constituintes precursores de
cor: compostos fenólicos e derivados dos ácidos benzoico e cinámico.
Controle de pH
Tempos mínimos
de Residencia nos
Clarificadores
Controle de
Temperatura
Dose de Floculante
e Formação de
Flocos
Prioridade 2
Clarificação caldo
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Resultados ECONôMICOS
Alcançados
Ensaios de
Clarificação
de caldo
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Consumo Químicos Açúcar Branco Direto
Produto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra 2012-2013*
Polímero Caldo
Polímero Cachaça
Cal
Produto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013
Polímero Caldo ($) 86.428,57 70.714,28 39.285,71
Polímero Cachaça ($) 133.571,43 117.857,14 86.428,57
Cal ($) 862.057,14 806.323,81 780.266,67
Custo Total ($) 1.082.057,14 994.895,24 905.980,95
* Hasta Semana 20
Resultados ECONôMICOS
Alcançados
Cálculos realizados para uma safra hipotética de
1.500.000,ooTnC com base nos índices reais de consumos.
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Consumo Químicos - Refinaria
* Hasta Semana 20
Producto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013
Ácido Fosfórico 0.492 Kg/tnAz 0.468 Kg/tnAz 0.454 Kg/tnAz
Cal 0.750Kg/TnAz 0.750 Kg/TnAz 0.750 Kg/TnAz
Polímero Catiónico 0.235 Kg/tnAz 0.163 Kg/tnAz 0.153 Kg/tnAz
Agua Oxigenada 0.439 Kg/tnAz 0.420 Kg/tnAz 0.406 Kg/tnAz
Polímero Licor 0.012 Kg/tnAz 0.008 Kg/tnAz 0.012 Kg/tnAz
Hidrossulfito de Sodio 0.040 Kg/tnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz
Sal Industrial 1.790 Kg/tnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz
Soda em Escamas 0.05 Kg/tnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz
Soda Ash 0.002 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz
Terra Infusoria 0.446 Kg/TnAz 0.402 Kg/TnAz 0.404 Kg/TnAz
Resultados ECONôMICOS
Alcançados
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
* Hasta Semana 20
Producto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013
Ácido Fosfórico ($) 93.043,61 98.794,72 63.071,92
Cal ($) 51.569,20 57.564,77 37.967,04
Polímero Catiónico ($) 108.575,79 84.065,76 51.704,12
Agua Oxigenada ($) 54.684,24 58.400,07 37.050,62
Polímero Licor ($) 8.221,32 6.674,29 6.052,82
Hidrossulfito de Sodio ($) 11.441,90 0 0
Sal Industrial ($) 40.540,40 0 0
Soda en Escamas ($) 5.945,17 0 0
Soda Ash ($) 172,13 0 0
Terra Infusoria ($) 98.991,04 99.598,67 66.017,46
Resina ($) 96.574,00 0 0
Custo Total ($) 569.758,80 405.098,28 261.863,98
Resultados ECONôMICOS
Alcançados
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Custo Total
Producto Químico Ano 2010 Ano 2011 Ano 2012
Total ($) 2.175.871,18 1.787.664,95 1.522.878,26
Economía ($) N/A
(2010-2011)
388.206,23
(2010-2012)
652.992,92
Este estudo não contempla gastos com mantenutençao, gasto energético e
impacto ambiental.
Producto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013
Cru ($) 1.082.057,14 994.895,24 905.980,95
Refinaria ($) 473.184,80 405.098,28 261.863,98
Resinas ($) 96.574,00 N/A N/A
Total ($) 1.651.815,94 1.399.993,52 1.167.844,93
Resultados ECONôMICOS
Alcançados
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
* Hasta Semana 20
Evaluación Global de
Resultados
Materiais de
ótima
Qualidade
Sistema de
Clarificação
CAPCA
Procesos
Siguientes
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Etapa do proceso pós clarificação
do caldo na evaporação
Diagnóstico preliminar
do Sistema de
Evaporação medindo:
-Brix, Pureza e Cor.
Rotinas Diárias de Análises
em Laboratório:
- Curvas de Brix.
- Quedas de Pureza.
- Comportamento da Cor.
Análises dos
Resultados
encontrados nas
provas
realizadas.
Establecimiento de Metodologías
para acondicionamiento de
equipos y Combinaciones
necesarias para eficiencia de
Evaporación.
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Diagnóstico Sistema Evaporação
°Brix 13-
14
T 115-
130°C
°Brix 37 °Brix 50 °Brix 65°Brix 25
T 90-
100°C
T <90 °C T 60-65 °C
P 18-20 PSIG
P 8 PSIG P 0-5 PSIG P 24-25 PHg
- Curva de Brix (13-65° Brix)
- Cor (<20.000 UI)
- Pureza (>82%)
•Ausência de Registros das Variáveis do processo (Brix, pureza e cor).
1
Avaliação inicial
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Diagnóstico Sistema Evaporação
°Brix 13-14
T 115-130°C
°Brix 37 °Brix 50 °Brix 65°Brix 25
T 90-100°C T <90 °C T 60-65 °C
P 18-20 PSIG
P 8 PSIG P 0-5 PSIG P 24-25 PHg
•Alto brix no xarope com presença de cristais de açúcar .
2
- Cristalização Espontânea
- Tamponamento Tubos
- Deficiencia na Operação Vácuos
- Baixo Crescimento Cristais
Avaliação inicial
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Diagnóstico Sistema Evaporação
•Elevados tempos de retenção nos equipamentos.
3
-Não regular áreas no
momento de paradas ou
baixo fluxo.
-Não está estabelecida a
combinação eficiente e
efetiva das áreas de
evaporação.
Avaliação inicial
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Diagnóstico Sistema Evaporação
•Limpeza de Equipamentos de Evaporação.
1
°Brix 13-14
T 115-130°C
°Brix 37 °Brix 50 °Brix 65°Brix 25
T 90-100°C T <90 °C T 60-65 °C
P 18-20 PSIG
P 8 PSIG P 0-5 PSIG P 24-25 PHg
- Limpeza Química
18%<NaOH>20%
- Limpeza Mecânica
PH2O: 12.000psig
HCl
Padrões de apoio
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
•Comunicação.
2
1. Ausência Coordenação na
Evaporação (vácuos em limpeza e
alto nível de xarope).
2. Tomada de Decisões que impedem
manter un processo continuo e
estável.
Padrões de apoio
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Diagnóstico Sistema Evaporação
•Medições e automação.
3
É imprescindível medir:
1. Temperatura (115-130°C).
2. Pressão de Escape (18-20 PSIG).
3. Pressão de Vazío (24-25 PHg).
4. Nível Ótico Caldo na Calandra
(33%).
5. Medidores de Brix.
Padrões de apoio
“No se pode controlar o que não se
mede”
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Diagnóstico Sistema Evaporação
Rotinas de Análises
Curvas de
Brix
Quedas de
Pureza
Incremento
de Cor
Resultados práticos iniciais
Teoría Vs Realidade
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Rotinas de Análises
Curvas de
Brix
Quedas de
Pureza
Incremento
de Cor
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
%Pureza
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Rotinas de Análises
Curvas de
Brix
Quedas de
Pureza
Incremento
de Cor
0
5000
10000
15000
20000
25000
Color(UI)
Escurecimento
Enzimático
Escurecimento
Não Enzimático
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Rotinas de Análises
Escurecimiento
Não Enzimático
Escurecimento
Enzimático
1. Reações entre Aminoácidos e Açúcares
Redutores (Melanoidina e reação
Maillard).
2. Reações Degradação e Condensación
Térmica (Caramelos).
3. Reacciones alcalinas Degradación Azúcar.
Reação oxidativa de Compostos
Polifenólicos (Enzimas Catalizadores).
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Análises de Resultados Obtidos
Brix
Color
pH
Pureza
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Análises de Resultados Obtidos
Antes Depois
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
Ações de estudo e ejecução
Metodologías para
acondicionamiento de
equipos
Proposta de ajuste de
áreas para uma melhor
operação
Manual de Limpeza química e
mecânica.
Para una moenda de
301.58tnC/h a combinação
proposta:
tnCaña / h Combinação de Equipos
Molino A Pre-evaporadores Efecto 1 Efecto 2 Efecto 3
301.58
P4-P3= 63.000
P4-P1= 67.000
P4-P2= 67.000
A1-B1= 28.140
A1-D1= 28.000
C1-D1= 29.500
A2-B2= 24.940
A2-D2= 24.800
C2-D2= 26.811
A3-B3= 19.000
A3-D3= 22.000
C3-D3= 16.806
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados
LOGO
Obrigada!
Venezuela; Abril 2013
RIF. J-07505170-0
Alicerses para produzir açúcar de
qualidade.
Central Azucarero Portuguesa C.A. (CAPCA)
Autores:
Ing. Silvanisa Rodrigues
Ing. Ana Guerrero
Ing. Carmen Plata
Central Azucarero Portuguesa C.A.®
Todos los Derechos Reservados

Mais conteúdo relacionado

Destaque

ITIL Foundations Certificate
ITIL Foundations CertificateITIL Foundations Certificate
ITIL Foundations CertificateCraig Warner
 
APE Employment Cert
APE Employment CertAPE Employment Cert
APE Employment CertALICE PEPINO
 
Ingles tecnico ttttt
Ingles  tecnico  tttttIngles  tecnico  ttttt
Ingles tecnico ttttt
jesusarleyrodriguez
 
Catálogo Italian Genius Now Brasil
Catálogo Italian Genius Now BrasilCatálogo Italian Genius Now Brasil
Catálogo Italian Genius Now Brasil
paulalangie
 
Portugues padre
Portugues padrePortugues padre
Portugues padre
Bruno Soares
 
Eduardo gonçalves dicas 238
Eduardo gonçalves dicas 238Eduardo gonçalves dicas 238
Eduardo gonçalves dicas 238
Eduardo Gonçalves
 
第59回 WordBench大阪 WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう!
第59回 WordBench大阪   WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう! 第59回 WordBench大阪   WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう!
第59回 WordBench大阪 WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう! Kitani Kimiya
 
Manual tranquilidade familiar finalizado
Manual tranquilidade familiar finalizadoManual tranquilidade familiar finalizado
Manual tranquilidade familiar finalizado
Espaço Allianz
 
QAR Farmacias e Drogarias
QAR Farmacias e DrogariasQAR Farmacias e Drogarias
QAR Farmacias e Drogarias
Espaço Allianz
 
Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)
Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)
Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)
AngeloGoncalves102
 
Rc contabilidade
Rc contabilidadeRc contabilidade
Rc contabilidade
Espaço Allianz
 
bookend紹介パンフ
bookend紹介パンフbookend紹介パンフ
bookend紹介パンフiDOC KK
 
Power point de ti cs
Power point de ti csPower point de ti cs
Power point de ti cs
156122211
 
Planejamento 151 1 t 2t 3t
Planejamento 151 1 t 2t 3tPlanejamento 151 1 t 2t 3t
Planejamento 151 1 t 2t 3t
Ivo Fonseca
 
Emergências Endemicas - Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Emergências Endemicas -  Dengue - Enf. Cássia TiemiEmergências Endemicas -  Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Emergências Endemicas - Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Coren-ms Conselho Reg Enfermagem
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Foto de página inteira
Foto de página inteiraFoto de página inteira
Foto de página inteiraBruno Viudes
 
253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719
Amanda Fraga
 

Destaque (20)

ITIL Foundations Certificate
ITIL Foundations CertificateITIL Foundations Certificate
ITIL Foundations Certificate
 
APE Employment Cert
APE Employment CertAPE Employment Cert
APE Employment Cert
 
Ingles tecnico ttttt
Ingles  tecnico  tttttIngles  tecnico  ttttt
Ingles tecnico ttttt
 
Diploma In Modern Management
Diploma In Modern ManagementDiploma In Modern Management
Diploma In Modern Management
 
Catálogo Italian Genius Now Brasil
Catálogo Italian Genius Now BrasilCatálogo Italian Genius Now Brasil
Catálogo Italian Genius Now Brasil
 
Portugues padre
Portugues padrePortugues padre
Portugues padre
 
Eduardo gonçalves dicas 238
Eduardo gonçalves dicas 238Eduardo gonçalves dicas 238
Eduardo gonçalves dicas 238
 
第59回 WordBench大阪 WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう!
第59回 WordBench大阪   WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう! 第59回 WordBench大阪   WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう!
第59回 WordBench大阪 WordPress の翻訳システム「GlotPress」を使ってみよう!
 
Manual tranquilidade familiar finalizado
Manual tranquilidade familiar finalizadoManual tranquilidade familiar finalizado
Manual tranquilidade familiar finalizado
 
QAR Farmacias e Drogarias
QAR Farmacias e DrogariasQAR Farmacias e Drogarias
QAR Farmacias e Drogarias
 
Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)
Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)
Distribuição de matéria: Animais (14-05-2013)
 
Rc contabilidade
Rc contabilidadeRc contabilidade
Rc contabilidade
 
bookend紹介パンフ
bookend紹介パンフbookend紹介パンフ
bookend紹介パンフ
 
Power point de ti cs
Power point de ti csPower point de ti cs
Power point de ti cs
 
Planejamento 151 1 t 2t 3t
Planejamento 151 1 t 2t 3tPlanejamento 151 1 t 2t 3t
Planejamento 151 1 t 2t 3t
 
TBICO Certificate
TBICO CertificateTBICO Certificate
TBICO Certificate
 
Emergências Endemicas - Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Emergências Endemicas -  Dengue - Enf. Cássia TiemiEmergências Endemicas -  Dengue - Enf. Cássia Tiemi
Emergências Endemicas - Dengue - Enf. Cássia Tiemi
 
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Foto de página inteira
Foto de página inteiraFoto de página inteira
Foto de página inteira
 
253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719
 

Semelhante a Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de qualidade - silvanisa rodrigues (central azucarero)

Tendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e Gorduras
Tendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e GordurasTendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e Gorduras
Tendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e Gorduras
FoodServiceNews
 
Analise leite
Analise leiteAnalise leite
AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASIL
AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASILAVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASIL
AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASIL
BarbaraDuque
 
Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...
Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...
Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...
Graziella Coutinho
 
Gelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptxGelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptx
helidaleao
 
Responsabilidades do técnico na indústria de laticínios
Responsabilidades do técnico na indústria de laticíniosResponsabilidades do técnico na indústria de laticínios
Responsabilidades do técnico na indústria de laticínios
João Felix
 
apresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdf
apresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdfapresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdf
apresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdf
HlioRibeirodeAlmeida
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
Nágela Magave
 
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Revista H&C
 
CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...
CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...
CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...
GiulianeSantos2
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
Portfolio de Patentes Inova Unicamp
 
Tcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTAL
Tcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTALTcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTAL
Tcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTAL
Senac
 
conservação (1).pptx
conservação (1).pptxconservação (1).pptx
conservação (1).pptx
helilmapinheiroufma
 
Teste
TesteTeste
Teste
anderabelo
 
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoBPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
Carla Souza
 
Aula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentadosAula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentados
Silvana Licodiedoff
 
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Spraying Systems do Brasil
 
Dis jose a_oliveira
Dis jose a_oliveiraDis jose a_oliveira
Dis jose a_oliveira
neymara costa
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
LuaraGarcia3
 
Curric eng jamur v11 c foto
Curric eng jamur v11 c fotoCurric eng jamur v11 c foto
Curric eng jamur v11 c foto
Jamur Gerloff
 

Semelhante a Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de qualidade - silvanisa rodrigues (central azucarero) (20)

Tendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e Gorduras
Tendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e GordurasTendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e Gorduras
Tendências e Mercado e Saudabilidade em Óleos e Gorduras
 
Analise leite
Analise leiteAnalise leite
Analise leite
 
AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASIL
AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASILAVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASIL
AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PRODUTO LEITE NO BRASIL
 
Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...
Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...
Atualizacao das-boas-praticas-de-fabricacao-bpf-e-procedimentos-operacionais-...
 
Gelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptxGelados Comestíveis.pptx
Gelados Comestíveis.pptx
 
Responsabilidades do técnico na indústria de laticínios
Responsabilidades do técnico na indústria de laticíniosResponsabilidades do técnico na indústria de laticínios
Responsabilidades do técnico na indústria de laticínios
 
apresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdf
apresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdfapresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdf
apresentacao-saneantes_orientacoes-para-o-registro-de-produtos.pdf
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
 
CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...
CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...
CONTROLE DE QUALIDADE - PROCEDÊNCIA - VIGILÂNCIA SANITÁRIA - FISCALIZAÇÃO - L...
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
 
Tcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTAL
Tcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTALTcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTAL
Tcc_modulo_4_LICENCIAMENTO_AMBIENTAL
 
conservação (1).pptx
conservação (1).pptxconservação (1).pptx
conservação (1).pptx
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoBPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
 
Aula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentadosAula 1-carneos fermentados
Aula 1-carneos fermentados
 
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
 
Dis jose a_oliveira
Dis jose a_oliveiraDis jose a_oliveira
Dis jose a_oliveira
 
Boas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentosBoas praticas para manipulação de alimentos
Boas praticas para manipulação de alimentos
 
Curric eng jamur v11 c foto
Curric eng jamur v11 c fotoCurric eng jamur v11 c foto
Curric eng jamur v11 c foto
 

Mais de STAB Setentrional

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
STAB Setentrional
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
STAB Setentrional
 

Mais de STAB Setentrional (20)

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
 

Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de qualidade - silvanisa rodrigues (central azucarero)

  • 1. LOGO . Alicerses para produzir açúcar de qualidade. Autores: Ing. Silvanisa Rodrigues Ing. Ana Guerrero Ing. Carmen PlataVenezuela, Abril 2013 RIF. J-07505170-0 17º Seminário Regional STAB NE 2013 Central Azucarero Portuguesa C.A Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 2. Alicerses = Base = Fundamentos = Principios Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados “Conjunto de procedimentos a realizar, normalmente baseados em leis, estudos ou pesquisas, os quais garantem a obtenção de um resultado esperado”. “A clarificação do caldo de cana ou solução de açúcar também segue leis Físico-Químicas” Alicerses
  • 3. Conhecimento das Impurezas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados Substâncias Químicas. Proteínas, Corantes naturais (clorofila, carotenos, polifenóis, gomas, ácidos orgânicos). Impurezas Diversas Palha, areia, argila, bagacilho, etc. Alicerses
  • 4. Conhecimento do Açúcar e suas Soluções. Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados É Termolábil; É sensível a mundaças de pH = Sofre hidrólise ácida e alcalina. Outras substâncias influenciam em sua cristalização (gomas, cinzas, redutores, polímeros, sais) Alicerses
  • 5. Principios Básicos da Fabricação do açúcar granulado V. Secagem IV. Centrifugação III. Cozimentos II. Evaporação I. Clarificação Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados “Não reter Cachaça. Tempo Retenção” “Não reter Caldo. Temperatura” “Não reter Massa Cozida” “Agua, Temperatura” “Não reter Pó. Temperatura.”
  • 6. Índice Sistema de Evaporação Resultados Obtidos Mudanças Físicas e Químicas Definição de prioridades Sistema de avaliação Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 7. Central Azucarero Portuguesa C.A. Agroindú stria Açucareir a Expectati vas dos Clientes Competição do Mercado Realização de Novas Pesquisas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 8. Sistema de Pesquisa. Pesquisas Dirigidas a entender e Corrigir Problemas detectados Cana deteriorada, colhida mecanicamente, entrada de grandes quantidades de impurezas ao processo. Condições Climáticas Condições do açúcar Cru de Importação Estabelecendo Prioridades Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 9. Estudo e Diagnóstico Condições do Açúcar Cru Cor Alta >3000UI Alto Conteúdo de Amido >600ppm Filtrabilidade Deficiente <60% Sedimentos Altos >26ppm Presença de Ácido Aconítico Açúcar VHP Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 10. Prioridade 1 Clarificação de Licor Densidade do Licor (60-65°Brix) Temperatura de Dissolução e Aquecimento do Licor Contrôle do pH na Dissolução e Tratamento do Licor Ótima Formação de Flocos em duas etapas Floculação primária, precipitação “in loco” do precipitado inorgânico. Floculação secundária, união de flocos primários a uma cadeia poímérica muito comprida. Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 11. Problemas Detectados 2 3 4 1Falta de Contrôle na preparação e dosagem de Produtos Químicos. Falta de Contrôle e de verificação das especificações químicas e condições das embalagens dos produtos químicos adquiridos. Fugas e Derrames de Produtos por manipulação inadequada Capacidade Limitada de Operação em Equipamentos da Refinaría Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 12. Estratégias Concretas Otimização Mudança Física Mudança Química Tanques de Preparação e Dosagem de Químicos Identificação de Recipientes e Embalagens Preparação Adequada de Polímeros Polímeros Utilizados Doses de Químicos de acordo ao processo Dose estratégica de Enzimas ao processo de Refinação Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 13. Ações Concretas de Otimização Mudanças Físicas Condicionamiento de Tanques e sistema de Preparação Dosagem Antes Depois 1 Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 14. Antes Depois Estandarização do Processo de Preparo de Polímeros Acompanhamento permanente aos operadores encarregados da preparação. Ações Concretas de Otimização Mudanças Físicas 1 Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 15. Contrôle e verificação das especificações químicas e condicições de embalagem dos produtos químicos adquiridos. 2 Acompanhamento do armazenamento dos Produtos químicos, traçabilidade e contrôle do estoque. Ações Concretas de Otimização Mudanças Físicas Antes Depois Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 16. Adequação de Zonas de Armazenamento de Insumos Quimicos. 3 Antes Depois Ações Concretas de Otimização Mudanças Físicas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 17. - Aquisição de um Tanque pulmão de Licor para garantir a continuidade na alimentação da refinaria. - Divisão estratégica do fluxo de licor aos clarificadores. - Garantia da Inocuidade do produto terminado com a aquisição de um sistema de transporte pneumático de açúcar. 4Ações Concretas de Otimização Mudanças Físicas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 18. - Substituição do dissolvedor de açúcar por falta de capacidade e consequente deficiencia nesta operação (fase final). - Em projeto: Aquisição de filtros Gaudfrin para substituir os tipo suchar para melhorar o processo aproveitando o final da vida útil dos filtros suchar. - Eliminação de uma operação unitária do processo (troca Iônica por colunas de resina para remover cor). Antes Depois 4Ações Concretas de Otimização Mudanças Físicas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 19. Ensaios de Laboratório com novos Produtos do Mercado em busca de melhorias do proceso de clarificação com melhor custo-beneficio. Novo Produto: Dose: 45ppm Usado en CAPCA: Dose: 180ppm A utilização do Novo Produto resulta uma Economía de 15422.4 $/mes y Melhoras no Processo (Cor e Turbidez) o que facilita cumprir com os Compromisos de Qualidade do Açúcar Ações Concretas de Otimização Mudaças Químicas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 20. Auditorias e correção das Doses de Produtos Químicos na Refinaria e Ensaio com Novas Doses de acordo com as características fisicoquímicas do açúcar Cru a Processar Mito: “Maior quantidade de produto empregado resulta em melhoras no processamento da materia prima” Ações Concretas de Otimização Mudaças Químicas Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 21. Optimiçao da Filtrabilidade na Refinaria - Dosagem de alfa amilase no açúcar cru para redução de amido - Incremento do pH no processo de dissolução de Açúcar para redução dos efeitos do Ácido Aconítico. “Esta substancia aumenta a cor final do açúcar. Quando entra en contato com a água forma compostos amorfos parecidos ao bagacilho. Ao polimerizar o ácido aconítico permite a formação de flocos ácidos que impedem uma adequada filtração” Ações Concretas de Otimização Mudaças Químicas Amido, (ppm) Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 22. Resultados de COR Obtidos (UI) Queda Cor 74.64% Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 23. Resultados de SEDIMENTOS Obtidos (ppm) Baixos Sedimentos < 9 ppm Aumento de Filtrabilidade 95% Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 24. Compostos responsáveis pela cor na la cana de açúcar : clorofila, antocianinas e flavonoides, além de otros constituintes precursores de cor: compostos fenólicos e derivados dos ácidos benzoico e cinámico. Controle de pH Tempos mínimos de Residencia nos Clarificadores Controle de Temperatura Dose de Floculante e Formação de Flocos Prioridade 2 Clarificação caldo Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 25. Resultados ECONôMICOS Alcançados Ensaios de Clarificação de caldo Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados Consumo Químicos Açúcar Branco Direto Produto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra 2012-2013* Polímero Caldo Polímero Cachaça Cal
  • 26. Produto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013 Polímero Caldo ($) 86.428,57 70.714,28 39.285,71 Polímero Cachaça ($) 133.571,43 117.857,14 86.428,57 Cal ($) 862.057,14 806.323,81 780.266,67 Custo Total ($) 1.082.057,14 994.895,24 905.980,95 * Hasta Semana 20 Resultados ECONôMICOS Alcançados Cálculos realizados para uma safra hipotética de 1.500.000,ooTnC com base nos índices reais de consumos. Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 27. Consumo Químicos - Refinaria * Hasta Semana 20 Producto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013 Ácido Fosfórico 0.492 Kg/tnAz 0.468 Kg/tnAz 0.454 Kg/tnAz Cal 0.750Kg/TnAz 0.750 Kg/TnAz 0.750 Kg/TnAz Polímero Catiónico 0.235 Kg/tnAz 0.163 Kg/tnAz 0.153 Kg/tnAz Agua Oxigenada 0.439 Kg/tnAz 0.420 Kg/tnAz 0.406 Kg/tnAz Polímero Licor 0.012 Kg/tnAz 0.008 Kg/tnAz 0.012 Kg/tnAz Hidrossulfito de Sodio 0.040 Kg/tnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz Sal Industrial 1.790 Kg/tnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz Soda em Escamas 0.05 Kg/tnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz Soda Ash 0.002 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz 0.000 Kg/TnAz Terra Infusoria 0.446 Kg/TnAz 0.402 Kg/TnAz 0.404 Kg/TnAz Resultados ECONôMICOS Alcançados Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 28. * Hasta Semana 20 Producto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013 Ácido Fosfórico ($) 93.043,61 98.794,72 63.071,92 Cal ($) 51.569,20 57.564,77 37.967,04 Polímero Catiónico ($) 108.575,79 84.065,76 51.704,12 Agua Oxigenada ($) 54.684,24 58.400,07 37.050,62 Polímero Licor ($) 8.221,32 6.674,29 6.052,82 Hidrossulfito de Sodio ($) 11.441,90 0 0 Sal Industrial ($) 40.540,40 0 0 Soda en Escamas ($) 5.945,17 0 0 Soda Ash ($) 172,13 0 0 Terra Infusoria ($) 98.991,04 99.598,67 66.017,46 Resina ($) 96.574,00 0 0 Custo Total ($) 569.758,80 405.098,28 261.863,98 Resultados ECONôMICOS Alcançados Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 29. Custo Total Producto Químico Ano 2010 Ano 2011 Ano 2012 Total ($) 2.175.871,18 1.787.664,95 1.522.878,26 Economía ($) N/A (2010-2011) 388.206,23 (2010-2012) 652.992,92 Este estudo não contempla gastos com mantenutençao, gasto energético e impacto ambiental. Producto Químico Safra 2010-2011 Safra 2011-2012 Safra* 2012-2013 Cru ($) 1.082.057,14 994.895,24 905.980,95 Refinaria ($) 473.184,80 405.098,28 261.863,98 Resinas ($) 96.574,00 N/A N/A Total ($) 1.651.815,94 1.399.993,52 1.167.844,93 Resultados ECONôMICOS Alcançados Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados * Hasta Semana 20
  • 30. Evaluación Global de Resultados Materiais de ótima Qualidade Sistema de Clarificação CAPCA Procesos Siguientes Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 31. Etapa do proceso pós clarificação do caldo na evaporação Diagnóstico preliminar do Sistema de Evaporação medindo: -Brix, Pureza e Cor. Rotinas Diárias de Análises em Laboratório: - Curvas de Brix. - Quedas de Pureza. - Comportamento da Cor. Análises dos Resultados encontrados nas provas realizadas. Establecimiento de Metodologías para acondicionamiento de equipos y Combinaciones necesarias para eficiencia de Evaporación. Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 32. Diagnóstico Sistema Evaporação °Brix 13- 14 T 115- 130°C °Brix 37 °Brix 50 °Brix 65°Brix 25 T 90- 100°C T <90 °C T 60-65 °C P 18-20 PSIG P 8 PSIG P 0-5 PSIG P 24-25 PHg - Curva de Brix (13-65° Brix) - Cor (<20.000 UI) - Pureza (>82%) •Ausência de Registros das Variáveis do processo (Brix, pureza e cor). 1 Avaliação inicial Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 33. Diagnóstico Sistema Evaporação °Brix 13-14 T 115-130°C °Brix 37 °Brix 50 °Brix 65°Brix 25 T 90-100°C T <90 °C T 60-65 °C P 18-20 PSIG P 8 PSIG P 0-5 PSIG P 24-25 PHg •Alto brix no xarope com presença de cristais de açúcar . 2 - Cristalização Espontânea - Tamponamento Tubos - Deficiencia na Operação Vácuos - Baixo Crescimento Cristais Avaliação inicial Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 34. Diagnóstico Sistema Evaporação •Elevados tempos de retenção nos equipamentos. 3 -Não regular áreas no momento de paradas ou baixo fluxo. -Não está estabelecida a combinação eficiente e efetiva das áreas de evaporação. Avaliação inicial Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 35. Diagnóstico Sistema Evaporação •Limpeza de Equipamentos de Evaporação. 1 °Brix 13-14 T 115-130°C °Brix 37 °Brix 50 °Brix 65°Brix 25 T 90-100°C T <90 °C T 60-65 °C P 18-20 PSIG P 8 PSIG P 0-5 PSIG P 24-25 PHg - Limpeza Química 18%<NaOH>20% - Limpeza Mecânica PH2O: 12.000psig HCl Padrões de apoio Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 36. •Comunicação. 2 1. Ausência Coordenação na Evaporação (vácuos em limpeza e alto nível de xarope). 2. Tomada de Decisões que impedem manter un processo continuo e estável. Padrões de apoio Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados Diagnóstico Sistema Evaporação
  • 37. •Medições e automação. 3 É imprescindível medir: 1. Temperatura (115-130°C). 2. Pressão de Escape (18-20 PSIG). 3. Pressão de Vazío (24-25 PHg). 4. Nível Ótico Caldo na Calandra (33%). 5. Medidores de Brix. Padrões de apoio “No se pode controlar o que não se mede” Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados Diagnóstico Sistema Evaporação
  • 38. Rotinas de Análises Curvas de Brix Quedas de Pureza Incremento de Cor Resultados práticos iniciais Teoría Vs Realidade Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 39. Rotinas de Análises Curvas de Brix Quedas de Pureza Incremento de Cor 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 %Pureza Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 40. Rotinas de Análises Curvas de Brix Quedas de Pureza Incremento de Cor 0 5000 10000 15000 20000 25000 Color(UI) Escurecimento Enzimático Escurecimento Não Enzimático Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 41. Rotinas de Análises Escurecimiento Não Enzimático Escurecimento Enzimático 1. Reações entre Aminoácidos e Açúcares Redutores (Melanoidina e reação Maillard). 2. Reações Degradação e Condensación Térmica (Caramelos). 3. Reacciones alcalinas Degradación Azúcar. Reação oxidativa de Compostos Polifenólicos (Enzimas Catalizadores). Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 42. Análises de Resultados Obtidos Brix Color pH Pureza Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 43. Análises de Resultados Obtidos Antes Depois Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 44. Ações de estudo e ejecução Metodologías para acondicionamiento de equipos Proposta de ajuste de áreas para uma melhor operação Manual de Limpeza química e mecânica. Para una moenda de 301.58tnC/h a combinação proposta: tnCaña / h Combinação de Equipos Molino A Pre-evaporadores Efecto 1 Efecto 2 Efecto 3 301.58 P4-P3= 63.000 P4-P1= 67.000 P4-P2= 67.000 A1-B1= 28.140 A1-D1= 28.000 C1-D1= 29.500 A2-B2= 24.940 A2-D2= 24.800 C2-D2= 26.811 A3-B3= 19.000 A3-D3= 22.000 C3-D3= 16.806 Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados
  • 45. LOGO Obrigada! Venezuela; Abril 2013 RIF. J-07505170-0 Alicerses para produzir açúcar de qualidade. Central Azucarero Portuguesa C.A. (CAPCA) Autores: Ing. Silvanisa Rodrigues Ing. Ana Guerrero Ing. Carmen Plata Central Azucarero Portuguesa C.A.® Todos los Derechos Reservados