SlideShare uma empresa Scribd logo
RELAÇÃO ENTRE A PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO
CHUVOSA NO LITORAL LESTE DO NORDESTE DO BRASIL
COM A TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DO MAR, E O
VENTO À SUPERFÍCIE
GEBER BARBOSA DE ALBUQUERQUE MOURA
1. – INTRODUÇÃO
As evidências
Previsão para o semi-árido
Previsão para o setor leste
1.1 – OBJETIVOS
* Estudar as influências dos fenômenos
oceânicos sobre a precipitação do setor leste
do NEB.
* Desenvolver modelos de previsão climática
para a sub-região do litoral / Zona da Mata.
2. – DADOS E MÉTODOS
2.1 – Dados de pluviometria
Figura 1- Distribuição das estações pluviométricas do setor
leste do Nordeste do Brasil – 1945 a 1985 – Período chuvoso de
março a julho.
2.1.1 – Grupos homogêneos
2.1.2 – Índice de precipitação
Desvios normalizados pelo desvio padrão para cada estação do
grupo
O Índice pluviométrico para cada grupo foi obtido pela média
dos desvios para cada estação.
2.2 – Dados de vento e TSM
Dados mensais:
- Anomalias de componente vento zonal (AVZ);
- Anomalias de componente meridional (AVM), e
- Anomalias mensais de temperatura da superfície do
mar (TSM).
4. – RESULTADOS E DISCUSSÕES
4.1 – Variabilidade pluviométrica dos grupos homogêneos do setor
leste do NEB.
Figura 4.1 – Séries temporais dos Índices de precipitação (em unidade de
desvio padrão) para os 4 grupos do Setor Leste do Nordeste do Brasil no
período chuvoso (março a julho).
-2
-1,5
-1
-0,5
0
0,5
1
1,5
2
2,5
3
1945 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985
Ano
ÍndicedePrecipitação(desviopadrão)
Grupo 1
Grupo 2
Grupo 3
Grupo 4
4.2 - Correlações entre os Índices de precipitação grupo 1 do setor
leste do NEB e as anomalias de TSM, Vento Zonal e Meridional.
4.2.1 – Para o Lag 0
Figura 4.2 - Correlações entre Índices de precipitação do Grupo 1 e anomalias de
TSM, médias de março a julho de 1945 a 1985.
Figura 4.6 - Correlações entre Índices de precipitação do grupo 1, e vento
meridional, médias de março a julho de 1945 a 1985.
Figura 4.10 - Correlações entre Índice de precipitação do grupo 1 e vento
zonal, médias de março a julho de 1945 a 1985.
4.2.2 – Para o Lag –10 (Correlação entre o Índice de
precipitação (março a julho), e as anomalias de TSM, AVZ e
AVM retardada (maio a setembro)).
Figura 4.14 - Correlações entre Índice de precipitação (março a julho) do
Grupo 1, e anomalias de TSM retardada de maio a setembro (de 1945 a
1985).
Figura 4.18 - Correlações entre Índice de precipitação de uma região homogênea do
Grupo 1 (médias de março a julho) e média de maio a setembro (lag -10) de vento
meridional, de 1945 a 1981.
Figura 4.22 - Correlações entre Índice de precipitação de uma região homogênea do
grupo 1 (médias de março) a julho e média de maio a setembro (lag –10) de vento zonal,
de 1945 a 1981.
4.2.3 – Áreas selecionadas para elaboração do Modelo de
Regressão Múltipla
Figura 2.26 - Modelo de Índice de precipitação para o Grupo
1, valores estimados contra valores observados.
A) Intramodelo (período 1945 a 1974). B) Extramodelo
(período 1977 a 1985).
-3
-2
-1
0
1
2
3
-3 -2 -1 0 1 2 3
Observado
Estimado
Grupo1
r = 0,84
r2 = 0,71
(a)
-3
-2
-1
0
1
2
3
-3 -2 -1 0 1 2 3
Observado
Estimado
Grup1est
r = 0,77
r2 = 0,59
(b)
Figura 2.29 - Modelo de Índice de precipitação para o
Grupo 4, valores estimados contra valores observados. A)
Intramodelo (período 1945 a 1974). B) Extramodelo
(período 1977 a 1985).
-3
-2
-1
0
1
2
3
-3 -2 -1 0 1 2 3
Observado
Estimado
Grupo4
r = 0,77
r2 = 0,60
a)
-3
-2
-1
0
1
2
3
-3 -2 -1 0 1 2 3
Observado
Estimado
Grup1est
r = 0,77
r2 = 0,59
(b)
5. – CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES
- Os Modelos de regressão múltipla mostraram “boas”
correlações entre os dados estimados e os observados. Isto
nos leva a crer que, se diminuirmos os lags, teremos
melhores previsões.
- Os Grupos 1 e 4 tiveram os melhores ajustes tanto
intramodelo (r = 84% e r = 77%, respectivamente), quanto
extramodelo.
Previsão de chuva para o setor leste do NEB
Grupos DN (modelo)
Desvio Normalizado
Desvio (%)
Grupo 1 1,28510 25,0
Grupo 2 0,29825 8,0
Grupo 3 0,31055 7,0
Grupo 4 0,39900 9,0
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Maria José Brollo
 
Boletim desmatamento0413xingu
Boletim desmatamento0413xinguBoletim desmatamento0413xingu
Boletim desmatamento0413xingu
idesp
 
Desmatamento maijunjul2011
Desmatamento maijunjul2011Desmatamento maijunjul2011
Desmatamento maijunjul2011
idesp
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
Maria José Brollo
 
Boletim desmatamento0113xingu
Boletim desmatamento0113xinguBoletim desmatamento0113xingu
Boletim desmatamento0113xingu
idesp
 
CLIMARE
CLIMARECLIMARE
2009 reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf
2009   reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf2009   reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf
2009 reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf
Caso Celpe
 
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
Maria José Brollo
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
Maria José Brollo
 
Dissertação Ribeiro, 2012.pdf
Dissertação Ribeiro, 2012.pdfDissertação Ribeiro, 2012.pdf
Dissertação Ribeiro, 2012.pdf
Arnaldo Araújo
 
2009 reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf
2009   reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf2009   reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf
2009 reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf
Caso Celpe
 
7 a geog n 4 narço
7 a geog n 4 narço7 a geog n 4 narço
7 a geog n 4 narço
Escola
 

Mais procurados (12)

Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
Campos do Jordão (SP): mapeamento de perigos e riscos de escorregamentos e in...
 
Boletim desmatamento0413xingu
Boletim desmatamento0413xinguBoletim desmatamento0413xingu
Boletim desmatamento0413xingu
 
Desmatamento maijunjul2011
Desmatamento maijunjul2011Desmatamento maijunjul2011
Desmatamento maijunjul2011
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014 - ...
 
Boletim desmatamento0113xingu
Boletim desmatamento0113xinguBoletim desmatamento0113xingu
Boletim desmatamento0113xingu
 
CLIMARE
CLIMARECLIMARE
CLIMARE
 
2009 reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf
2009   reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf2009   reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf
2009 reajustes nas tarifas da celpe sem liminar da jfdf
 
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
ITAOCA (SP) : HISTÓRICO DE ACIDENTES E DESASTRES RELACIONADOS A PERIGOS GEOLÓ...
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
 
Dissertação Ribeiro, 2012.pdf
Dissertação Ribeiro, 2012.pdfDissertação Ribeiro, 2012.pdf
Dissertação Ribeiro, 2012.pdf
 
2009 reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf
2009   reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf2009   reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf
2009 reajustes nas tarifas da celpe com liminar da jfdf
 
7 a geog n 4 narço
7 a geog n 4 narço7 a geog n 4 narço
7 a geog n 4 narço
 

Destaque

Unit 4:Culture in language Study Guide
Unit 4:Culture in language Study GuideUnit 4:Culture in language Study Guide
Unit 4:Culture in language Study Guide
mickstout
 
Bel pesce-a-menina-do-vale
Bel pesce-a-menina-do-valeBel pesce-a-menina-do-vale
Bel pesce-a-menina-do-vale
maribelfb
 
Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)
Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)
Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)
grupouniaosport
 
Histologia e embriologia bucal
Histologia e embriologia bucalHistologia e embriologia bucal
Histologia e embriologia bucal
Juliana da Silva
 
Apresentação MTA
Apresentação MTA Apresentação MTA
Apresentação MTA
rodolphomn
 
Amigo oculto e proinfo
Amigo oculto e proinfoAmigo oculto e proinfo
Amigo oculto e proinfo
valeria_eucli
 
Cerrado brasileiro
Cerrado brasileiroCerrado brasileiro
Cerrado brasileiro
Lucas Rodrigues
 
16 03-2012 addl gold lables
16 03-2012 addl gold lables16 03-2012 addl gold lables
16 03-2012 addl gold lablesgurdipmankoo
 
Dia 5 no importa la distancia
Dia 5  no importa la distanciaDia 5  no importa la distancia
Dia 5 no importa la distancia
escuelaandresgrillasca
 
1
11
Proyecto recursos
Proyecto recursosProyecto recursos
Proyecto recursos
cienciasmedioambiente
 
66 results to_3
66 results to_366 results to_3
66 results to_3
emiliomerayo
 
Monografía grafeno
Monografía grafenoMonografía grafeno
Monografía grafeno
Boris Seminario
 
Brasserie wine menu heb+eng_260312 copy
Brasserie wine menu heb+eng_260312 copyBrasserie wine menu heb+eng_260312 copy
Brasserie wine menu heb+eng_260312 copyweiss2001
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
STAB Setentrional
 

Destaque (20)

Unit 4:Culture in language Study Guide
Unit 4:Culture in language Study GuideUnit 4:Culture in language Study Guide
Unit 4:Culture in language Study Guide
 
Bel pesce-a-menina-do-vale
Bel pesce-a-menina-do-valeBel pesce-a-menina-do-vale
Bel pesce-a-menina-do-vale
 
Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)
Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)
Regulamento do futebol_mania_2013_ (1)
 
Histologia e embriologia bucal
Histologia e embriologia bucalHistologia e embriologia bucal
Histologia e embriologia bucal
 
Apresentação MTA
Apresentação MTA Apresentação MTA
Apresentação MTA
 
Amigo oculto e proinfo
Amigo oculto e proinfoAmigo oculto e proinfo
Amigo oculto e proinfo
 
Cerrado brasileiro
Cerrado brasileiroCerrado brasileiro
Cerrado brasileiro
 
16 03-2012 addl gold lables
16 03-2012 addl gold lables16 03-2012 addl gold lables
16 03-2012 addl gold lables
 
Dia 5 no importa la distancia
Dia 5  no importa la distanciaDia 5  no importa la distancia
Dia 5 no importa la distancia
 
1
11
1
 
Proyecto recursos
Proyecto recursosProyecto recursos
Proyecto recursos
 
66 results to_3
66 results to_366 results to_3
66 results to_3
 
5 8 12
5 8 125 8 12
5 8 12
 
Monografía grafeno
Monografía grafenoMonografía grafeno
Monografía grafeno
 
11052012 ja
11052012 ja11052012 ja
11052012 ja
 
Brasserie wine menu heb+eng_260312 copy
Brasserie wine menu heb+eng_260312 copyBrasserie wine menu heb+eng_260312 copy
Brasserie wine menu heb+eng_260312 copy
 
3
33
3
 
A jk300700
A jk300700A jk300700
A jk300700
 
Window Sp
Window SpWindow Sp
Window Sp
 
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...Seminário stab 2013   industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
Seminário stab 2013 industrial - 11. quantificação das perdas de açúcares n...
 

Mais de STAB Setentrional

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
STAB Setentrional
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
STAB Setentrional
 

Mais de STAB Setentrional (20)

Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015Programação 19º seminário 2015
Programação 19º seminário 2015
 
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB SetentrionalCongresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
Congresso ATALAC 2014 - STAB Setentrional
 
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...Seminário stab 2013   industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
Seminário stab 2013 industrial - 08. novos conceitos na clarificação de cal...
 
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...Seminário stab 2013   industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
Seminário stab 2013 industrial - 14. açúcar - perfil de identidade, qualida...
 
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...Seminário stab 2013   industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
Seminário stab 2013 industrial - 13. comparativo da qualidade de cana usand...
 
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...Seminário stab 2013   industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
Seminário stab 2013 industrial - 12. cromatografia líquida para medição de ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...Seminário stab 2013   industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
Seminário stab 2013 industrial - 10. alicerce para produzir açúcar de quali...
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
 
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...Seminário stab 2013   industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
Seminário stab 2013 industrial - 07. implicações na caldeira com a utilizaç...
 
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...Seminário stab 2013   industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
Seminário stab 2013 industrial - 06. utilização da palha de cana como incre...
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
 
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...Seminário stab 2013   industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
Seminário stab 2013 industrial - 03. maior eficiência energética da planta ...
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
 
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...Seminário stab 2013   industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
Seminário stab 2013 industrial - 01. nr20 - segurança e saúde no trabalho c...
 
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...Seminário stab 2013   comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
Seminário stab 2013 comum - 06. os impactos da nr12 e nr31 no setor sucroen...
 
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...Seminário stab 2013   comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
Seminário stab 2013 comum - 04. variabilidade climática e perspectivas para...
 
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...Seminário stab 2013   comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
Seminário stab 2013 comum - 03. requisitos para certificação bonsucro, etap...
 
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...Seminário stab 2013   comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
Seminário stab 2013 comum - 02. bonsucro - padrão internacional de sustenta...
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...Seminário stab 2013   agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
Seminário stab 2013 agrícola - 18. atividades do fundo de tecnologia sindaç...
 

Seminário stab 2013 comum - 05. variabilidade climática e perspectivas para 2013 - geber moura (ufrpe)

  • 1. RELAÇÃO ENTRE A PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO CHUVOSA NO LITORAL LESTE DO NORDESTE DO BRASIL COM A TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DO MAR, E O VENTO À SUPERFÍCIE GEBER BARBOSA DE ALBUQUERQUE MOURA
  • 2. 1. – INTRODUÇÃO As evidências Previsão para o semi-árido Previsão para o setor leste
  • 3. 1.1 – OBJETIVOS * Estudar as influências dos fenômenos oceânicos sobre a precipitação do setor leste do NEB. * Desenvolver modelos de previsão climática para a sub-região do litoral / Zona da Mata.
  • 4. 2. – DADOS E MÉTODOS 2.1 – Dados de pluviometria Figura 1- Distribuição das estações pluviométricas do setor leste do Nordeste do Brasil – 1945 a 1985 – Período chuvoso de março a julho.
  • 5. 2.1.1 – Grupos homogêneos
  • 6. 2.1.2 – Índice de precipitação Desvios normalizados pelo desvio padrão para cada estação do grupo O Índice pluviométrico para cada grupo foi obtido pela média dos desvios para cada estação.
  • 7. 2.2 – Dados de vento e TSM Dados mensais: - Anomalias de componente vento zonal (AVZ); - Anomalias de componente meridional (AVM), e - Anomalias mensais de temperatura da superfície do mar (TSM).
  • 8. 4. – RESULTADOS E DISCUSSÕES 4.1 – Variabilidade pluviométrica dos grupos homogêneos do setor leste do NEB. Figura 4.1 – Séries temporais dos Índices de precipitação (em unidade de desvio padrão) para os 4 grupos do Setor Leste do Nordeste do Brasil no período chuvoso (março a julho). -2 -1,5 -1 -0,5 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 1945 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985 Ano ÍndicedePrecipitação(desviopadrão) Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4
  • 9. 4.2 - Correlações entre os Índices de precipitação grupo 1 do setor leste do NEB e as anomalias de TSM, Vento Zonal e Meridional. 4.2.1 – Para o Lag 0 Figura 4.2 - Correlações entre Índices de precipitação do Grupo 1 e anomalias de TSM, médias de março a julho de 1945 a 1985.
  • 10. Figura 4.6 - Correlações entre Índices de precipitação do grupo 1, e vento meridional, médias de março a julho de 1945 a 1985. Figura 4.10 - Correlações entre Índice de precipitação do grupo 1 e vento zonal, médias de março a julho de 1945 a 1985.
  • 11. 4.2.2 – Para o Lag –10 (Correlação entre o Índice de precipitação (março a julho), e as anomalias de TSM, AVZ e AVM retardada (maio a setembro)). Figura 4.14 - Correlações entre Índice de precipitação (março a julho) do Grupo 1, e anomalias de TSM retardada de maio a setembro (de 1945 a 1985).
  • 12. Figura 4.18 - Correlações entre Índice de precipitação de uma região homogênea do Grupo 1 (médias de março a julho) e média de maio a setembro (lag -10) de vento meridional, de 1945 a 1981. Figura 4.22 - Correlações entre Índice de precipitação de uma região homogênea do grupo 1 (médias de março) a julho e média de maio a setembro (lag –10) de vento zonal, de 1945 a 1981.
  • 13. 4.2.3 – Áreas selecionadas para elaboração do Modelo de Regressão Múltipla
  • 14. Figura 2.26 - Modelo de Índice de precipitação para o Grupo 1, valores estimados contra valores observados. A) Intramodelo (período 1945 a 1974). B) Extramodelo (período 1977 a 1985). -3 -2 -1 0 1 2 3 -3 -2 -1 0 1 2 3 Observado Estimado Grupo1 r = 0,84 r2 = 0,71 (a) -3 -2 -1 0 1 2 3 -3 -2 -1 0 1 2 3 Observado Estimado Grup1est r = 0,77 r2 = 0,59 (b)
  • 15. Figura 2.29 - Modelo de Índice de precipitação para o Grupo 4, valores estimados contra valores observados. A) Intramodelo (período 1945 a 1974). B) Extramodelo (período 1977 a 1985). -3 -2 -1 0 1 2 3 -3 -2 -1 0 1 2 3 Observado Estimado Grupo4 r = 0,77 r2 = 0,60 a) -3 -2 -1 0 1 2 3 -3 -2 -1 0 1 2 3 Observado Estimado Grup1est r = 0,77 r2 = 0,59 (b)
  • 16. 5. – CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES - Os Modelos de regressão múltipla mostraram “boas” correlações entre os dados estimados e os observados. Isto nos leva a crer que, se diminuirmos os lags, teremos melhores previsões. - Os Grupos 1 e 4 tiveram os melhores ajustes tanto intramodelo (r = 84% e r = 77%, respectivamente), quanto extramodelo.
  • 17. Previsão de chuva para o setor leste do NEB Grupos DN (modelo) Desvio Normalizado Desvio (%) Grupo 1 1,28510 25,0 Grupo 2 0,29825 8,0 Grupo 3 0,31055 7,0 Grupo 4 0,39900 9,0