SlideShare uma empresa Scribd logo
(Seminário política econômica [salvo automaticamente)
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR
4. INCENTIVOS: A.L.C. , Z.P.E. , SUDAM
5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR
4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM
5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
A década de 1990 presenciou em todo o mundo o surgimento do
interesse pela integração regional.
A medida que os anos 90 avançavam, manifestavam-se com maior
nitidez os sinais de novas iniciativas de integração regional com o
objetivo de integrar economias em desenvolvimento a economias
desenvolvidas.
Podemos dizer que um processo econômico e social estabelece uma
integração entre os países e as pessoas do mundo todo. Através deste
processo, as pessoas, os governos e as empresas trocam ideias,
realizam transações financeiras e comerciais e espalham aspectos
culturais por todo o planeta.
1.1. BLOCOS ECONÔMICOS MUNDIAIS
Com a economia mundial globalizada, a tendência comercial é a
formação de blocos econômicos. Estes são criados com a finalidade de:
Facilitar o comércio entre os países membros;
Adotam redução ou isenção de impostos ou de tarifas
alfandegárias e;
Buscam soluções em comum para problemas comerciais.
Em tese, o comércio entre os países constituintes de um bloco
econômico aumenta e gera crescimento econômico para os países.
Geralmente estes blocos são formados por países vizinhos ou que
possuam afinidades culturais ou comerciais. Esta é a nova tendência
mundial, pois cada vez mais o comércio entre blocos econômicos cresce.
Economistas afirmam que ficar de fora de um bloco econômico é viver
isolado do mundo comercial.
1.1. BLOCOS ECONÔMICOS MUNDIAIS
1.1. BLOCOS ECONÔMICOS MUNDIAIS
BLOCOS ECONÔMICOS FORMAÇÃO DO BLOCO
1. MERCADO COMUM CENTRO AMERICANO – MCCA
( Costa Rica, Guatemala, Honduras, Nicarágua e El Salvador )
Oficializado em 1960
2. ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO - ASEAN Oficializado em 1967
3. COMUNIDADE ANDINA DAS NAÇÕES – PACTO ANDINO Oficializado em 1969
4. MERCADO COMUM E COMUNIDADE DO CARIBE – CARICOM Oficializado em 1973
5. MERCADO COMUM DO SUL – MERCOSUL Oficializado em 1991
6. COMINIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL – SADC Oficializado em 1992
7. UNIÃO EUROPÉIA – EU Oficializado em 1992
8. COOPERAÇÃO ECONÔMICA DA ÁSIA E DO PACÍFICO – APEC Oficializado em 1993
9. TRATADO NORTE AMERICANO DE LIVRE COMÉRCIO – NAFTA Oficializado em 1994
10. ALIANÇA DO PACIFICO Oficializado em 2012
11. UNIÃO EUROASIÁTICA Oficializado em 2015
Integração econômicas pode ocorrer não apenas através de blocos econômicos,, mas
por : Zona de Livre Comércio, União Aduaneira, Zona de Preferencia Tarifária,....
1.2. DIVISÃO GEOECONÔMICA OU COMPLEXOS REGIONAIS
Não existe facilidades comerciais entre as regiões
Não existe redução de impostos e sim guerra fiscal
entre Estados
Não buscam soluções comuns para problemas
comerciais
Retrata a forma desigual social e econômica como vem
se processando o desenvolvimento das forças
produtivas em suas interações com o quadro natural
A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL deveria servir de equilíbrio entre as regiões, porem , está desvirtuada. O que existe é
um “federalismo” de interesses regionais, instrumentos de pressão política que mantem o desiquilíbrio regional desde o
século XIX, com a indústrialização no sul do Brasil.
REFLETE A REALIDADE DO PAÍS E AJUDA A COMPREENDER SEUS MAIS
PROFUNDOS CONTRASTES ECONÔMICOS, HISTÓRICOS, SOCIAIS E POLÍTICOS
1.3. ALGUNS DADOS DA AMAZÔNIA LEGAL
A Bacia Amazônica engloba 07 estados do norte e
parte dos Estados do Maranhão e Mato Grosso.
Sua área é aproximadamente igual ao do
continente Europeu
Corresponde a 61% do território nacional e
12,32% dos habitantes do Brasil (24 milhões
segundo o Censo do IBGE de 2010)
Os noves Estados da Amazônia Legal possuem
55,9% da população indígena do Brasil, ou seja,
cerca de 250 mil pessoas
Art.2º da Lei nº 1806 de janeiro/1953, no Governo Getúlio Vargas, instituiu a figura jurídica da AMAZÔNIA LEGAL que teve
por base a concepção de integração regional através da combinação de fatores econômicos, políticos e geográficos . A SUDAM
foi criada pela Lei nº 5173, de outubro/1966. A ocupação da Amazônia passou por várias fases, mas o grande impúlso
ocorreu no Regime Militar na Busca da Soberania do Brasil : “ INTEGRAR PARA NÃO ENTREGAR”
Principais Projetos na época: Transamazônica, Belém- Brasília, Cuiaba-Santarem.
MINIST.
DA
DEFESA
SUDAM
SUFRAMA
BANCO
DA
AMAZÔNI
A
MINIST.
MEIO
AMBIENT
E
MINIST.
TRANSPO
RTES
MINIST.
JUSTIÇA –
FUNAI
SECR. DE
PLANEJA
MENTO
SECR. DE
FINANÇA
S
1.3. ALGUNS DADOS DA AMAZÔNIA LEGAL
1.4. POLÍTICAS COMPENSATÓRIAS E TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS
As POLÍTICAS COMPENSATÓRIAS denotam, de modo amplo e geral, todo tipo de ação de governos que
tem por objetivo minimizar carências nas condições de vida de estratos (camadas sociais segregadas)
sociais específicos, vistos como prejudicados ou discriminados pelo padrão dominante de distribuição
da riqueza social. Nesse nível de generalidade, o conceito aplica-se a sociedades historicamente
determinadas e refere-se às opções de políticas sociais de seus governos. Essas políticas têm incluído
programas de assistência e de transferência de renda, além daquelas referidas à educação gratuita, à
previdência e à seguridade social.
As TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS são as parcelas de recursos arrecadados pelo Governo Federal,
transferidas para estados, Distrito Federal e municípios, conforme estabelecido na Constituição Federal.
O Fundo de Participação dos Estados (FPE) e o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) (art. 159, da
Constituição Federal), são as principais transferências. Existem outros, no caso para o norte o FNO – Fundo
Constitucional para o Financiamento do Norte.
Algumas dessas política gera efeito nefasto na sociedade:
• Os repasses constitucionais ou assistencialistas não geram desenvolvimento;
• Criam nos Estados e Municípios a Economia do Contra Cheque onde o governo é o maior
empregador;
• Estado paternalista;
• Mais de 3 mil municípios brasileiros sobrevivem apenas do repasse do FPM.
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR
4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM
5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
Os estudos apresentados pelos setores público e privado sobre Eixos ou
Vetores Logísticos, não significa INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
(SOCIAL E ECONÔMICO). É um fator relevante para termos uma sub-
região, região, território, integrado e desenvolvido, mas não é o único.
Definição de Integração:
Processo pelo qual indivíduos (instituição) de ordem inferior se unem para
formar outros de ordem mais elevada com o resultado de uma maior
complexidade de estrutura ou constituição.
Definição de Desenvolvimento:
Passagem gradual de um estágio inferior a um estágio mais aperfeiçoado.
2.1. INTEGRAÇÃO & DESENVOLVIMENTO
PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTE – PNLT
• Lançado em 2007, o Plano Nacional de Logística e Transportes
(PNLT) é o indutor do Programa de Aceleração do Crescimento
(PAC) para obras rodoviárias, ferroviárias e aquaviárias. O
objetivo do plano, que foi elaborado pelo Centro de Excelência em
Engenharia de Transportes (CENTRAN) – organismo ligado ao
Ministério da Defesa – em conjunto com o Ministério dos
Transportes, é reequilibrar a matriz de transporte no Brasil,
reduzir os gargalos existentes e dando ênfase às ferrovias.
2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO
• Somente para o transporte ferroviário prevê investimento de R$ 50 bilhões até
2023.
2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO
FERROVIÁRIO DE 28 MIL KM PARA 40 MIL KM
FONTE: Minist. Dos Transportes
Nada realizado em 07
anos (2007 a 2013)
• A expectativa é de que até 2023 a participação do modal:
2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO
AQUAVIÁRIO
FERROVIÁRIO
DUTOVIÁRIO
AÉREA
DE 25% PARA 32%
DE 13% PARA 29%
DE 3,6% PARA 5%
DE 0,4% PARA 1%
RODOVIÁRIO REDUÇÃO DE 58% PARA 33%
M
E
T
A
FONTE: Minist. Dos Transportes
2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO
• Contradição
FONTE: Minist. Dos Transportes, ano 2013
Investimentos públicos em torno de R$ 30
bilhões entre 2006 – 2015, em 9 anos
(maior investimento em rodovias)
PNLT (corredores logísticos, no máximoPNLT (corredores logísticos, no máximo
integrador de modais) não foi concebido
na ótica de LOGÍSTICA INTEGRADA, da
INTERMODALIDADE que é a integração
de cadeias de transportes, com uso de
conteiner, um único prestador de
serviço e um único documento.
Os Estados brasileiros deveriam ter
elaborados seus PLANO ESTADUAIS DE
LOGÍSTICA E TRANSPORTE.
2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL
A proposta do CNI, em seu trabalho “EIXOS LOGÍSTICOS – OS PROJETOS PRIORITÁRIOS DA
INDÚSTRIA” tem como diretriz aumentar a competitividade da indústria entre 2013-2022,
apresentado como proposta para as eleições de 2014.
2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL
Investimentos para o Norte Competitivo
Fonte: CNI – EIXOS LOGÍSITCOS 2013
2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL
2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL
REGIÃO NORTE
R$ 30 BILHÕES
REGIÃO NORDESTE
R$ 25,8 BILHÕES
REGIÃO CENTRO -
R$ 36,4 BILHÕES
REGIÃO CENTRO -
OESTE
R$ 36,4 BILHÕES
REGIÃO SUL
R$ 15,2 BILHÕES
REGIÃO SUDESTE
(não concluido)
SISTEMA DE MENOR
CUSTO, EM 31 CADEIAS
PRODUTIVAS
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR
4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM
5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
3.1. UMA NOVA VISÃO DE INTEGRAÇÃO REGIONAL
• Descentralização da
indústria no Sudeste;
• Política de ajuste
macroeconômico no
combate a algumas
distorções econômicas
(POLITICAS FISCAIS,
MONETÁRIAS, CAMBIAIS E
COMERCIAS, DE RENDA,
INDUSTRIAL...)
• Abandonando a fase atual
marcado pela transferência
de renda entre as regiões.
Com essa atual concepção não
haverá integração fronteiriça,
pois não teremos o que
comercializar.
3.2. INTEGRAÇÃO SUL - AMERICANA
UNASUL
• UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS, seu
tratado entrou em vigor em 11/março/2011. É
um organismo regional formado pelos doze
países da América do Sul, que tem por objetivo
construir, de maneira participativa e consensual,
um espaço de articulação no âmbito cultural,
social, econômico e político.
• Em outubro do mesmo ano, o bloco ganhou
status de observador na Assembleia Geral das
Nações Unidas.
• Entre as prioridades da UNASUL, estão o diálogo
político, as políticas sociais, a educação, o
financiamento, o meio ambiente e
infraestrutura com vistas ao desenvolvimento da
paz e da segurança, à eliminação das
desigualdades socioeconômicas, à promoção da
inclusão social e da participação cidadã, além do
fortalecimento da democracia e da redução das
assimetrias no marco da soberania e da
independência dos Estados.
COSIPLAN
• O Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e
Planejamento é um órgão da União das Nações Sul-
Americanas (UNASUL). Foi criado em agosto de 2009
durante encontro presidencial da UNASUL, quando
foi decidida a substituição do Comitê de Direção
Executiva da Iniciativa para a Integração da
Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA) por um
Conselho em nível de Ministros. Com a medida, os
países membros buscaram conferir maior suporte
político às atividades desenvolvidas na área de
integração da infraestrutura, de forma a assegurar
os investimentos necessários para a execução de
projetos prioritários.
• O COSIPLAN substituiu a Iniciativa para a Integração
da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA).
Concebida como foro de coordenação e intercâmbio
de informações sobre infraestrutura entre os
Governos dos 12 países da Região, a IIRSA, em seus
10 anos de existência, desenvolveu importante
trabalho, com uma carteira de 520 projetos.
3.2. INTEGRAÇÃO SUL - AMERICANA
Integração da Infraestrutura
Regional Sul-Americana - IIRSA,
criado oficialmente em 2000, é um
processo multisetorial que pretende
desenvolver e integrar as áreas de
transporte, energia e
telecomunicações da América do
Sul.
A coordenação operacional da IIRSA
está a cargo da Corporación Andina
de Fomento (CAF), do Banco
Interamericano de
Desenvolvimento (BID) e do Fundo
Financeiro para o Desenvolvimento
da Bacia do Prata (Fonplata).
3.3. PROJETOS IIRSA
10 Eixos
12 Países
3.3. PROJETOS IIRSA
Bolívia e Chile: A questão do acesso soberano ao mar, resquícios da Guerra do
Pacífico entre Chile, Peru e Bolívia (1879 -1883)
“EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA” com a construção da Estrada Pacífico, que liga os
Estados de Rondônia e Acre ao litoral sul do Peru. Iniciada em 2002 com seu
termino em 2010, totalmente asfaltada.
3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA
A busca de uma saída para o mar já motivou diversas guerras e batalhas
diplomáticas, a mais recente:
Em uma economia globalizada, uma saída para o mar pode proporcionar
a integração entre os países:
Além da rodovia esse
eixo de integração tem
por objetivo construir
uma infraestrutura de
ferrovias e hidrovias
que integre os sistemas
de transporte entre os
países de tríplice
fronteira.
3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA
3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA
Á
R
E
A
S
D
E
I
N
F
L
U
Ê
N
C
I
A
Impacto Econômico
3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA
• PIB em 2000 foi de US$ 20,23 bi , no Eixo ;
• Entre 2000 a 2007 o PIB teve um crescimento de 27,40%
(US$ 25,77 bi);
• Impactou com uma taxa de crescimento médio anual de 3,52% ;
• Entre 2000 a 2008 as exportações, dentro do Eixo, tiveram um
aumento de US$ 1,26 bi para US$ 7,94 bi.
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA
0,00%
10,00%
20,00%
30,00%
40,00%
50,00%
60,00%
70,00%
80,00%
90,00%
100,00%
TítulodoEixo
MARITIMA FERROVIÁRIO RODOVIÁRIO FLUVIAL AÉREO OUTROS
ANO 2000 92,08% 0,49% 3,05% 2,42% 0,25% 1,71%
ANO 2007 89,62% 1,61% 2,60% 1,79% 0,20% 4,18%
Título do Gráfico
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Recuperação da
Rodovia Manaus /
Caracas
Melhorias e
pavimentação da
rodovia entre
Bonfim /
Georgetown
Rota de conexão
entre Venezuela
(Guayana) /
Guiana
(Georgetown) /
Suriname (Albina),
incluindo a constr.
da Ponte sobre o
Rio Corentyne.
P
R
I
O
R
I
D
A
D
E
I
I
R
S
A
11
22
33
O Eixo Escudo Guianês (4) deverá receber US$ 1,05 bilhão e integra o Brasil,
Venezuela, Guiana, e Suriname. Um dos projetos é a Recuperação da Rodovia Caracas-
Manaus que consumirá US$ 480 milhões em melhorias ao longo dos 2.250 quilômetros que
ligam as duas cidades. A rodovia une Roraima e Amazonas ao mar do Caribe. O objetivo é o
desenvolvimento socioeconômico e comercial do Amazonas e de Roraima
Outro projeto do Eixo Escudo Guianês é a melhoria e pavimentação da Rodovia Boa
Vista a Georgetown. Entre as cidades de Lethem e Linden são 438 quilômetros que serão
pavimentados a um custo de US$ 270 milhões numa iniciativa que integra Brasil e Guiana.
Será a primeira rodovia pavimentada a atravessar toda a Guiana, reduzindo o acesso do
Amazonas e de Roraima à costa do Caribe.
O terceiro projeto estruturante do eixo 4 são as rodovias de conexão entre Venezuela,
Guiana e Suriname. Cerca de US$ 300 milhões estão previstos na execução dessas
conexões que formarão um corredor rodoviário de integração no eixo litorâneo, ligando
Guayana, na Venezuela, Georgetown, na Guiana, e Paramaribo, no Suriname. A construção
de uma ponte sobre o rio Corentyne deve reduzir o gargalo no transporte provocado pela
utilização de uma balsa.
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
11
22
33
Dentre as diretrizes estratégicas, o destaque é aumentar a cooperação com os países
do ESCUDO GUIANÊS, realizando obras e projetos que sejam estruturantes e
impactantes na economia regional, que extrapolem fronteiras nacionais, desde as faces
iniciais de planejamento buscando ampliar e consolidar conexões:
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
VIÁRIAS
ENERGÉTICAS
COMUNICAÇÕES
DIRETRIZES PARA
INTEGRAÇÃO &
DESENVOLVIMENTO
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Caracas à
fronteira: 1.530 km
Manaus a Boa
Vista: 978 km
Georgetown à
fronteira: 536 km
Puerto Ordaz à
fronteira: 700 km
Itacoatiara a Boa Vista:
1.012 km
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
P
O
R
T
O
S
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
30 milhões
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
• No ano de 2000, determinou-se para a área do Eixo, um PIB de US$
176,10 bi em preços corrente de mercado ;
• O PIB dos países do Eixo, entre 2000 a 2007, teve um acréscimo de
27,53%;
• Impactou em uma taxa de crescimento de 3,53% ao ano;
• As exportações, na área de influência do Eixo, passou de US$ 32,75
bi, em 2000, para US$ 104,75 bi em 2008. Variação positiva de
219,84% em 8 anos.
Histórico Econômico
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
Conclusão
3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY
O papel político dos estados fronteiriços no norte do Brasil são importantes nas
relações internacionais e são os agentes integradores do Brasil com o Caribe. As
relações fronteiriças são estratégicas para a sobrevivência econômica do extremo
norte do Brasil, pois, esses Estados estão mais para o Norte do que para o Sul em
suas relações comerciais. Ou seja, em razão da posição geográfica, o mercado e as
relações comerciais dos Estados do norte encontram-se mais ao norte, no Caribe e
América Central, do que para São Paulo. “O NORTE ESTÁ MUITO LONGE DO BRASIL”
Dentro dessa realidade, a posição geográfica do Estado de Roraima é importante,
uma vez que confina com terras da Venezuela e Guiana, localizado totalmente na faixa
oficial de fronteira internacional do Brasil. Roraima é definido como o portão de
entrada para quem se desloca da América Central e do Norte para o Brasil e como o
portão de saída do Brasil para a região do Caribe.
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR
4. INCENTIVOS: A.L.C. , Z.P.E. , SUDAM
5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
As Áreas de Livre Comércio foram criadas através de Leis Federais para alguns
municípios brasileiros para promover:
• Incentivos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
• Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).
Os objetivos principais das ALCs são a melhoria na fiscalização de entrada e
saída de mercadorias, o fortalecimento do setor comercial, a abertura de novas
empresas e a geração de empregos.
Nas Áreas de Livre Comércio, boas opções de negócios se dão a partir de
investimentos em matéria-prima local utilizando-se de incentivos fiscais
semelhantes aos da Zona Franca de Manaus ou até mesmo da instalação de
comércios atacadistas de produtos importados para atender às necessidades
das populações locais e adjacentes.
4.1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO – ALC
Atualmente, as Áreas de Livre Comércio contempladas no perímetro do modelo Zona
Franca de Manaus são as seguintes:
• ALCT – Área de Livre Comércio de Tabatinga/AM (criada em 1989)
• ALCMS – Área de Livre Comércio de Macapá e Santana/AP (criada em 1992)
• ALCGM – Área de Livre Comércio de Guajará-Mirim/RO (criada em 1993)
• ALCBA – Área de Livre Comércio de Brasiléia/AC (criada em 1994)
• ALCCS – Área de Livre Comércio de Cruzeiro do Sul/AC (criada em 1994)
• ALCB – Área de Livre Comércio de Bonfim/RR (criada em 2008)
• ALCBV – Área de Livre Comércio de Boa Vista/RR (criada em 2008)
4.1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO – ALC
A A.L.C. de Bonfim e Boa Vista no Estado de Roraima, por serem as mais recentes,
estabelecem como objetivo a integração fronteiriça Sul-Americana com os países
vizinhos.
Áreas de Livre Comércio de Boa Vista e Bonfim (RR)
Implementadas no ano de 2008, as ALCs de Boa Vista e Bonfim, no Estado de
Roraima, foram estabelecidas com a finalidade de promover o desenvolvimento
das regiões fronteiriças do extremo Norte daquele Estado e incrementar as
relações bilaterais com os países vizinhos, sobretudo Venezuela e Guiana,
seguindo a política de integração latino-americana. Além de contar com
incentivos fiscais para implantação de indústrias que utilizem matéria-prima da
Amazônia Ocidental, as ALCs ampliam ainda mais a tendência para a realização
do turismo de negócios no Estado.
4.1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO – ALC
A ZPE foi criada através da Lei federal 11.508 de 2007. São Áreas delimitadas,
especialmente designadas a indústrias exportadoras, nas quais estas usufruem de regimes
tributário e cambial diferenciados, bem como procedimentos burocráticos simplificados.
As ZPE’s poderão ser administradas por empresas públicas, privadas ou de capital misto e
a critério de cada empresa administradora será cobrada uma taxa
condominial/administrativa e será negociada a situação do terreno (privado ou público).
OBJETIVOS
• Atrair novos investimentos;
• Gerar empregos;
• Promover a transferência e difusão tecnológica;
• Favorecer a balança comercial;
• Aumentar a competitividade das exportações brasileiras.
4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
Atualmente, 22 ZPE encontram-
se em diferentes fases pré-
operacionais, distribuídas
em dezoito estados brasileiros:
• ZPE do Acre (AC)
• ZPE de Aracruz e Vila
Velha (ES)
• ZPE de Araguaína (TO)
• ZPE de Barcarena (PA)
• ZPE de Bataguassú e Corumbá
(MS)
• ZPE de Barra dos Coqueiros (SE)
• ZPE de Boa Vista (RR)
• ZPE de Cáceres (MT)
• ZPE de Fernandópolis (SP)
• ZPE de Ilhéus (BA)
• ZPE de Imbituba (SC)
• ZPE de Itaguaí (RJ)
• ZPE de Macaíba e Sertão (RN)
• ZPE de Paranaíba (PI)
• ZPE de Pecém (CE)
• ZPE de São Luís (MA)
• ZPE de Suape (PE)
• ZPE de Teófilo Otoni e Uberaba
(MG)
4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
PRÉ-REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA UMA EMPRESA
• Apenas projetos industriais;
• No mínimo 80% da receita voltada para exportação. A venda para o
mercado interno representará fato gerador para a incidência de
todos os tributos devidos;
• Aprovação perante administradora da ZPE (Estado) e CZPE (União);
• Autorização para a implantação e garantia dos benefícios por 20
anos, prorrogável por igual período;
• É permitida a transferência de planta industrial já existente no
exterior
4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
INCENTIVOS FISCAIS
• Em Matérias-primas
• Em Maquinários e Equipamentos
• Suspensão de tributos sobre bens e serviços nas compras no
mercado interno. (IPI, COFINS e PIS/PASEP)
• Suspensões de tributos na importação (IPI, COFINS –
Importação, PIS/PASEP – Importação e AFRMM)
4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
A SUDAM, criada em 2001, tem entre suas atribuições atrair investimentos
privados para a Amazônia com o objetivo de promover oportunidades de
crescimento econômico, geração de emprego e maior competitividade ao setor
produtivo da Região. Para tanto, a Superintendência administra dois tipos de
instrumentos de atração de investimentos:
Incentivos Fiscais:
• Financiamentos com taxas de 5% a 6% a.a., de acordo com o setor;
• Limites de financiamentos de 60% do Investimento Total, limitado a 80%
do Investimento Fixo. Variam de acordo com a localização do
empreendimentos;
• Prazo máximo de financiamento de 20 anos para projetos em
infraestrutura e de 12 anos para demais projetos com carência de 01 ano a
partir do início da operação;
• Operação através da Banco da Amazônia e outras instituições federais.
4.3. SUDAM
FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO NORTE (FNO) :
• Criado em 1989 e Administrado pelo Banco da Amazônia;
• SUDAM responsável pela definição de prioridades de aplicação do Fundo
seguindo o PRDA – Plano Regional de Desenvolvimento da Amazônia;
• Fundo constituído com repasses da União: 3% da arrecadação do IR e IPI;
Beneficiados: Agroindústria, Indústria, Infraestrutura, turismo, Cultura,
Comércio, Prestação de Serviços, etc..
Financiamento:
• 70% do total do projeto;
• Capital de Giro limitado a 35% do investimento total;
• Investimento fixo de 65% a 100% limitado ao valor total do financiamento.
4.3. SUDAM
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR
4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM
5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
• A floresta como reserva de valor (Crédito de Carbono e financiamentos
internacionais para preservação do meio-ambiente);
• Maior banco genético do mundo;
• Enorme fontes de pesquisa para indústrias de cosméticos e fármicos;
• Incentivos fiscais através das A.L.C., Z.P.E e linhas de financiamento do
Banco da Amazônia e BNDES;
• Antigos territórios que tornaram Estados na Constituição de 1988, com
enorme potencial de crescimento e oportunidades de negócios;
• Saída para o mar caribenho, com redução de custos de transporte
terrestre e marítimo;
• Mercado potencial entre Venezuela, Guiana, Suriname, Roraima e Manaus
de aproximadamente 30 milhões de habitantes;
• Potencial para o Agronegócio em virtude de alguns estados estarem acima
da Linha do Equador.
5.1. PONTOS FORTES
• Existência de um vácuo logístico na região da Amazônia Legal;
• Falta de uma política de maior integração entre os estados do norte. Encontra-se
um de costas para o outro;
• Precariedade na infraestrutura de comunicação;
• Incertezas energéticas;
• Legislação Ambiental dificulta os empreendimentos do Agronegócio e Industrial;
• Conflitos sociais em reservas indígenas e a fragilidade na titularidade das terras;
• Grandes distâncias e o isolamento decorrente da descontinuidade do
povoamento;
• Desigualdade social;
• Falta de mão-de-obra qualificada;
• Atraso Científico e Tecnológico;
• Falta de Centros de Pesquisa e Laboratórios Tecnológicos;
• Baixo valor comercial dos produtos in natura (Extrativismo).
5.2. PONTOS FRACOS
OBRIGADO!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Governo Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades Melhores
Governo Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades MelhoresGoverno Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades Melhores
Governo Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades Melhores
Secretaria de Relações Institucionais (SRI)
 
Voto em separado CPI da Dívida Pública 2010
Voto em separado CPI da Dívida Pública  2010Voto em separado CPI da Dívida Pública  2010
Voto em separado CPI da Dívida Pública 2010
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Sector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual ReduzidoSector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual Reduzido
batistapaulo7
 
Como reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseff
Como reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseffComo reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseff
Como reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseff
Fernando Alcoforado
 
Governo Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidades
Governo Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidadesGoverno Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidades
Governo Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidades
Secretaria de Relações Institucionais (SRI)
 
Cenarios tecnologicos luisnassif
Cenarios tecnologicos luisnassifCenarios tecnologicos luisnassif
Cenarios tecnologicos luisnassif
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasilPec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Fernando Alcoforado
 
As estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atual
As estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atualAs estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atual
As estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atual
Fernando Alcoforado
 
Como reativar a economia do brasil
Como reativar a economia do brasilComo reativar a economia do brasil
Como reativar a economia do brasil
Fernando Alcoforado
 
Estado e atividade económica
Estado e atividade económicaEstado e atividade económica
Estado e atividade económica
Tiago Filipe
 
O Setor Público
O Setor PúblicoO Setor Público
O Setor Público
Yuri Silver
 
Governo Federal e Municípios - Cresce o Brasil, Ganham os Municípios
Governo Federal e Municípios -  Cresce o Brasil, Ganham os MunicípiosGoverno Federal e Municípios -  Cresce o Brasil, Ganham os Municípios
Governo Federal e Municípios - Cresce o Brasil, Ganham os Municípios
Secretaria de Relações Institucionais (SRI)
 
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicasSUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Paulo bufalo
Paulo bufaloPaulo bufalo
Paulo bufalo
Guilherme Moreira
 
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasilPec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Fernando Alcoforado
 
O futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseff
O futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseffO futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseff
O futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseff
Fernando Alcoforado
 
A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...
A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...
A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...
Fernando Alcoforado
 
Governo Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os Municípios
Governo Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os MunicípiosGoverno Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os Municípios
Governo Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os Municípios
Secretaria de Relações Institucionais (SRI)
 
SUAS - 2015
SUAS -   2015SUAS -   2015

Mais procurados (19)

Governo Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades Melhores
Governo Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades MelhoresGoverno Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades Melhores
Governo Federal e Municípios - Brasil Forte, Cidades Melhores
 
Voto em separado CPI da Dívida Pública 2010
Voto em separado CPI da Dívida Pública  2010Voto em separado CPI da Dívida Pública  2010
Voto em separado CPI da Dívida Pública 2010
 
Sector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual ReduzidoSector Público - Manual Reduzido
Sector Público - Manual Reduzido
 
Como reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseff
Como reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseffComo reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseff
Como reerguer o brasil pós impeachment de dilma rousseff
 
Governo Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidades
Governo Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidadesGoverno Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidades
Governo Federal e Municípios - A força dessa união cria Um país de oportunidades
 
Cenarios tecnologicos luisnassif
Cenarios tecnologicos luisnassifCenarios tecnologicos luisnassif
Cenarios tecnologicos luisnassif
 
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasilPec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
Pec 241 do governo michel temer ameaça o futuro do brasil
 
As estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atual
As estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atualAs estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atual
As estratégias para o brasil enfrentar a crise econômic atual
 
Como reativar a economia do brasil
Como reativar a economia do brasilComo reativar a economia do brasil
Como reativar a economia do brasil
 
Estado e atividade económica
Estado e atividade económicaEstado e atividade económica
Estado e atividade económica
 
O Setor Público
O Setor PúblicoO Setor Público
O Setor Público
 
Governo Federal e Municípios - Cresce o Brasil, Ganham os Municípios
Governo Federal e Municípios -  Cresce o Brasil, Ganham os MunicípiosGoverno Federal e Municípios -  Cresce o Brasil, Ganham os Municípios
Governo Federal e Municípios - Cresce o Brasil, Ganham os Municípios
 
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicasSUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
 
Paulo bufalo
Paulo bufaloPaulo bufalo
Paulo bufalo
 
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasilPec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
Pec 241 ameaça o desenvolvimento do brasil
 
O futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseff
O futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseffO futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseff
O futuro do brasil pós impeachment de dilma rousseff
 
A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...
A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...
A falta de visão estratégica sobre o futuro do país dos candidatos à presidên...
 
Governo Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os Municípios
Governo Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os MunicípiosGoverno Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os Municípios
Governo Federal e Municípios - O PAC, a Agenda Social e os Municípios
 
SUAS - 2015
SUAS -   2015SUAS -   2015
SUAS - 2015
 

Semelhante a (Seminário política econômica [salvo automaticamente)

As obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileira
As obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileiraAs obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileira
As obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileira
Ricardo Verdum
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Atps desenvolvimento economico
Atps desenvolvimento economicoAtps desenvolvimento economico
Atps desenvolvimento economico
LiousMarths
 
Projeto de Lei de educação fiscal da ABRASF
Projeto de Lei de educação fiscal da ABRASFProjeto de Lei de educação fiscal da ABRASF
Projeto de Lei de educação fiscal da ABRASF
EUROsociAL II
 
Livro mercosul-social-participativo
Livro mercosul-social-participativoLivro mercosul-social-participativo
Livro mercosul-social-participativo
santa rita
 
Cidades e Urbanização
Cidades e UrbanizaçãoCidades e Urbanização
Cidades e Urbanização
Raquel Avila
 
As Cidades E A UrbanizaçãO Brasileira
As Cidades E A UrbanizaçãO BrasileiraAs Cidades E A UrbanizaçãO Brasileira
As Cidades E A UrbanizaçãO Brasileira
Felippe Viêtas
 
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASINFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
Política regional europeia
Política regional europeiaPolítica regional europeia
Política regional europeia
Idalina Leite
 
Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...
Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...
Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...
EUROsociAL II
 
Balanço final do PAC no governo Lula
Balanço final do PAC no governo LulaBalanço final do PAC no governo Lula
Balanço final do PAC no governo Lula
Giovanni Sandes
 
Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012
Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012
Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012
Jamildo Melo
 
Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)
Edinho Silva
 
Falas do trabalho de geo
Falas do trabalho de geoFalas do trabalho de geo
Falas do trabalho de geo
Laercio Guimaraes Miranda
 
Plano Nacional de Economia Solidária
Plano Nacional de Economia SolidáriaPlano Nacional de Economia Solidária
Plano Nacional de Economia Solidária
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Os serviços, os transportes no Brasil.ppt
Os serviços, os transportes no Brasil.pptOs serviços, os transportes no Brasil.ppt
Os serviços, os transportes no Brasil.ppt
GuilhermeDaHora2
 
Blocos economicos
Blocos economicosBlocos economicos
Blocos economicos
junioraavelino
 
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...
A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...
A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...
1sested
 

Semelhante a (Seminário política econômica [salvo automaticamente) (20)

As obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileira
As obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileiraAs obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileira
As obras de infraestrutura do pac e os povos indígenas na amazônia brasileira
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Grupo 3
 
Atps desenvolvimento economico
Atps desenvolvimento economicoAtps desenvolvimento economico
Atps desenvolvimento economico
 
Projeto de Lei de educação fiscal da ABRASF
Projeto de Lei de educação fiscal da ABRASFProjeto de Lei de educação fiscal da ABRASF
Projeto de Lei de educação fiscal da ABRASF
 
Livro mercosul-social-participativo
Livro mercosul-social-participativoLivro mercosul-social-participativo
Livro mercosul-social-participativo
 
Cidades e Urbanização
Cidades e UrbanizaçãoCidades e Urbanização
Cidades e Urbanização
 
As Cidades E A UrbanizaçãO Brasileira
As Cidades E A UrbanizaçãO BrasileiraAs Cidades E A UrbanizaçãO Brasileira
As Cidades E A UrbanizaçãO Brasileira
 
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASINFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
Política regional europeia
Política regional europeiaPolítica regional europeia
Política regional europeia
 
Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...
Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...
Taller para la mejora del sistema de planificación regional y sectorial en Ho...
 
Balanço final do PAC no governo Lula
Balanço final do PAC no governo LulaBalanço final do PAC no governo Lula
Balanço final do PAC no governo Lula
 
Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012
Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012
Reengenharia administrativa proposta_psdb_2012
 
Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 6 (cap. 1)
 
Falas do trabalho de geo
Falas do trabalho de geoFalas do trabalho de geo
Falas do trabalho de geo
 
Plano Nacional de Economia Solidária
Plano Nacional de Economia SolidáriaPlano Nacional de Economia Solidária
Plano Nacional de Economia Solidária
 
Os serviços, os transportes no Brasil.ppt
Os serviços, os transportes no Brasil.pptOs serviços, os transportes no Brasil.ppt
Os serviços, os transportes no Brasil.ppt
 
Blocos economicos
Blocos economicosBlocos economicos
Blocos economicos
 
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
 
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
 
A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...
A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...
A REGIÃO CENTRO-OESTE NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL: UMA ANÁLISE A PARTI...
 

Último

A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
edsonfrancojunior99
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
Paulo Dalla Nora Macedo
 

Último (6)

A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
 

(Seminário política econômica [salvo automaticamente)

  • 2. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO 3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR 4. INCENTIVOS: A.L.C. , Z.P.E. , SUDAM 5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
  • 3. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO 3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR 4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM 5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
  • 4. A década de 1990 presenciou em todo o mundo o surgimento do interesse pela integração regional. A medida que os anos 90 avançavam, manifestavam-se com maior nitidez os sinais de novas iniciativas de integração regional com o objetivo de integrar economias em desenvolvimento a economias desenvolvidas. Podemos dizer que um processo econômico e social estabelece uma integração entre os países e as pessoas do mundo todo. Através deste processo, as pessoas, os governos e as empresas trocam ideias, realizam transações financeiras e comerciais e espalham aspectos culturais por todo o planeta. 1.1. BLOCOS ECONÔMICOS MUNDIAIS
  • 5. Com a economia mundial globalizada, a tendência comercial é a formação de blocos econômicos. Estes são criados com a finalidade de: Facilitar o comércio entre os países membros; Adotam redução ou isenção de impostos ou de tarifas alfandegárias e; Buscam soluções em comum para problemas comerciais. Em tese, o comércio entre os países constituintes de um bloco econômico aumenta e gera crescimento econômico para os países. Geralmente estes blocos são formados por países vizinhos ou que possuam afinidades culturais ou comerciais. Esta é a nova tendência mundial, pois cada vez mais o comércio entre blocos econômicos cresce. Economistas afirmam que ficar de fora de um bloco econômico é viver isolado do mundo comercial. 1.1. BLOCOS ECONÔMICOS MUNDIAIS
  • 6. 1.1. BLOCOS ECONÔMICOS MUNDIAIS BLOCOS ECONÔMICOS FORMAÇÃO DO BLOCO 1. MERCADO COMUM CENTRO AMERICANO – MCCA ( Costa Rica, Guatemala, Honduras, Nicarágua e El Salvador ) Oficializado em 1960 2. ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO - ASEAN Oficializado em 1967 3. COMUNIDADE ANDINA DAS NAÇÕES – PACTO ANDINO Oficializado em 1969 4. MERCADO COMUM E COMUNIDADE DO CARIBE – CARICOM Oficializado em 1973 5. MERCADO COMUM DO SUL – MERCOSUL Oficializado em 1991 6. COMINIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL – SADC Oficializado em 1992 7. UNIÃO EUROPÉIA – EU Oficializado em 1992 8. COOPERAÇÃO ECONÔMICA DA ÁSIA E DO PACÍFICO – APEC Oficializado em 1993 9. TRATADO NORTE AMERICANO DE LIVRE COMÉRCIO – NAFTA Oficializado em 1994 10. ALIANÇA DO PACIFICO Oficializado em 2012 11. UNIÃO EUROASIÁTICA Oficializado em 2015 Integração econômicas pode ocorrer não apenas através de blocos econômicos,, mas por : Zona de Livre Comércio, União Aduaneira, Zona de Preferencia Tarifária,....
  • 7. 1.2. DIVISÃO GEOECONÔMICA OU COMPLEXOS REGIONAIS Não existe facilidades comerciais entre as regiões Não existe redução de impostos e sim guerra fiscal entre Estados Não buscam soluções comuns para problemas comerciais Retrata a forma desigual social e econômica como vem se processando o desenvolvimento das forças produtivas em suas interações com o quadro natural A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL deveria servir de equilíbrio entre as regiões, porem , está desvirtuada. O que existe é um “federalismo” de interesses regionais, instrumentos de pressão política que mantem o desiquilíbrio regional desde o século XIX, com a indústrialização no sul do Brasil. REFLETE A REALIDADE DO PAÍS E AJUDA A COMPREENDER SEUS MAIS PROFUNDOS CONTRASTES ECONÔMICOS, HISTÓRICOS, SOCIAIS E POLÍTICOS
  • 8. 1.3. ALGUNS DADOS DA AMAZÔNIA LEGAL A Bacia Amazônica engloba 07 estados do norte e parte dos Estados do Maranhão e Mato Grosso. Sua área é aproximadamente igual ao do continente Europeu Corresponde a 61% do território nacional e 12,32% dos habitantes do Brasil (24 milhões segundo o Censo do IBGE de 2010) Os noves Estados da Amazônia Legal possuem 55,9% da população indígena do Brasil, ou seja, cerca de 250 mil pessoas Art.2º da Lei nº 1806 de janeiro/1953, no Governo Getúlio Vargas, instituiu a figura jurídica da AMAZÔNIA LEGAL que teve por base a concepção de integração regional através da combinação de fatores econômicos, políticos e geográficos . A SUDAM foi criada pela Lei nº 5173, de outubro/1966. A ocupação da Amazônia passou por várias fases, mas o grande impúlso ocorreu no Regime Militar na Busca da Soberania do Brasil : “ INTEGRAR PARA NÃO ENTREGAR” Principais Projetos na época: Transamazônica, Belém- Brasília, Cuiaba-Santarem.
  • 10. 1.4. POLÍTICAS COMPENSATÓRIAS E TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS As POLÍTICAS COMPENSATÓRIAS denotam, de modo amplo e geral, todo tipo de ação de governos que tem por objetivo minimizar carências nas condições de vida de estratos (camadas sociais segregadas) sociais específicos, vistos como prejudicados ou discriminados pelo padrão dominante de distribuição da riqueza social. Nesse nível de generalidade, o conceito aplica-se a sociedades historicamente determinadas e refere-se às opções de políticas sociais de seus governos. Essas políticas têm incluído programas de assistência e de transferência de renda, além daquelas referidas à educação gratuita, à previdência e à seguridade social. As TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS são as parcelas de recursos arrecadados pelo Governo Federal, transferidas para estados, Distrito Federal e municípios, conforme estabelecido na Constituição Federal. O Fundo de Participação dos Estados (FPE) e o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) (art. 159, da Constituição Federal), são as principais transferências. Existem outros, no caso para o norte o FNO – Fundo Constitucional para o Financiamento do Norte. Algumas dessas política gera efeito nefasto na sociedade: • Os repasses constitucionais ou assistencialistas não geram desenvolvimento; • Criam nos Estados e Municípios a Economia do Contra Cheque onde o governo é o maior empregador; • Estado paternalista; • Mais de 3 mil municípios brasileiros sobrevivem apenas do repasse do FPM.
  • 11. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO 3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR 4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM 5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
  • 12. Os estudos apresentados pelos setores público e privado sobre Eixos ou Vetores Logísticos, não significa INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO (SOCIAL E ECONÔMICO). É um fator relevante para termos uma sub- região, região, território, integrado e desenvolvido, mas não é o único. Definição de Integração: Processo pelo qual indivíduos (instituição) de ordem inferior se unem para formar outros de ordem mais elevada com o resultado de uma maior complexidade de estrutura ou constituição. Definição de Desenvolvimento: Passagem gradual de um estágio inferior a um estágio mais aperfeiçoado. 2.1. INTEGRAÇÃO & DESENVOLVIMENTO
  • 13. PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTE – PNLT • Lançado em 2007, o Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT) é o indutor do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras rodoviárias, ferroviárias e aquaviárias. O objetivo do plano, que foi elaborado pelo Centro de Excelência em Engenharia de Transportes (CENTRAN) – organismo ligado ao Ministério da Defesa – em conjunto com o Ministério dos Transportes, é reequilibrar a matriz de transporte no Brasil, reduzir os gargalos existentes e dando ênfase às ferrovias. 2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO
  • 14. • Somente para o transporte ferroviário prevê investimento de R$ 50 bilhões até 2023. 2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO FERROVIÁRIO DE 28 MIL KM PARA 40 MIL KM FONTE: Minist. Dos Transportes Nada realizado em 07 anos (2007 a 2013)
  • 15. • A expectativa é de que até 2023 a participação do modal: 2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO AQUAVIÁRIO FERROVIÁRIO DUTOVIÁRIO AÉREA DE 25% PARA 32% DE 13% PARA 29% DE 3,6% PARA 5% DE 0,4% PARA 1% RODOVIÁRIO REDUÇÃO DE 58% PARA 33% M E T A FONTE: Minist. Dos Transportes
  • 16. 2.2. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA – UM PROGRAMA DE ESTADO • Contradição FONTE: Minist. Dos Transportes, ano 2013 Investimentos públicos em torno de R$ 30 bilhões entre 2006 – 2015, em 9 anos (maior investimento em rodovias) PNLT (corredores logísticos, no máximoPNLT (corredores logísticos, no máximo integrador de modais) não foi concebido na ótica de LOGÍSTICA INTEGRADA, da INTERMODALIDADE que é a integração de cadeias de transportes, com uso de conteiner, um único prestador de serviço e um único documento. Os Estados brasileiros deveriam ter elaborados seus PLANO ESTADUAIS DE LOGÍSTICA E TRANSPORTE.
  • 17. 2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL A proposta do CNI, em seu trabalho “EIXOS LOGÍSTICOS – OS PROJETOS PRIORITÁRIOS DA INDÚSTRIA” tem como diretriz aumentar a competitividade da indústria entre 2013-2022, apresentado como proposta para as eleições de 2014.
  • 18. 2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL Investimentos para o Norte Competitivo
  • 19. Fonte: CNI – EIXOS LOGÍSITCOS 2013 2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL
  • 20. 2.3. INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA - UM PROJETO SETORIAL REGIÃO NORTE R$ 30 BILHÕES REGIÃO NORDESTE R$ 25,8 BILHÕES REGIÃO CENTRO - R$ 36,4 BILHÕES REGIÃO CENTRO - OESTE R$ 36,4 BILHÕES REGIÃO SUL R$ 15,2 BILHÕES REGIÃO SUDESTE (não concluido) SISTEMA DE MENOR CUSTO, EM 31 CADEIAS PRODUTIVAS
  • 21. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO 3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR 4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM 5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
  • 22. 3.1. UMA NOVA VISÃO DE INTEGRAÇÃO REGIONAL • Descentralização da indústria no Sudeste; • Política de ajuste macroeconômico no combate a algumas distorções econômicas (POLITICAS FISCAIS, MONETÁRIAS, CAMBIAIS E COMERCIAS, DE RENDA, INDUSTRIAL...) • Abandonando a fase atual marcado pela transferência de renda entre as regiões. Com essa atual concepção não haverá integração fronteiriça, pois não teremos o que comercializar.
  • 23. 3.2. INTEGRAÇÃO SUL - AMERICANA UNASUL • UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS, seu tratado entrou em vigor em 11/março/2011. É um organismo regional formado pelos doze países da América do Sul, que tem por objetivo construir, de maneira participativa e consensual, um espaço de articulação no âmbito cultural, social, econômico e político. • Em outubro do mesmo ano, o bloco ganhou status de observador na Assembleia Geral das Nações Unidas. • Entre as prioridades da UNASUL, estão o diálogo político, as políticas sociais, a educação, o financiamento, o meio ambiente e infraestrutura com vistas ao desenvolvimento da paz e da segurança, à eliminação das desigualdades socioeconômicas, à promoção da inclusão social e da participação cidadã, além do fortalecimento da democracia e da redução das assimetrias no marco da soberania e da independência dos Estados. COSIPLAN • O Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e Planejamento é um órgão da União das Nações Sul- Americanas (UNASUL). Foi criado em agosto de 2009 durante encontro presidencial da UNASUL, quando foi decidida a substituição do Comitê de Direção Executiva da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA) por um Conselho em nível de Ministros. Com a medida, os países membros buscaram conferir maior suporte político às atividades desenvolvidas na área de integração da infraestrutura, de forma a assegurar os investimentos necessários para a execução de projetos prioritários. • O COSIPLAN substituiu a Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). Concebida como foro de coordenação e intercâmbio de informações sobre infraestrutura entre os Governos dos 12 países da Região, a IIRSA, em seus 10 anos de existência, desenvolveu importante trabalho, com uma carteira de 520 projetos.
  • 24. 3.2. INTEGRAÇÃO SUL - AMERICANA Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana - IIRSA, criado oficialmente em 2000, é um processo multisetorial que pretende desenvolver e integrar as áreas de transporte, energia e telecomunicações da América do Sul. A coordenação operacional da IIRSA está a cargo da Corporación Andina de Fomento (CAF), do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata).
  • 25. 3.3. PROJETOS IIRSA 10 Eixos 12 Países
  • 27. Bolívia e Chile: A questão do acesso soberano ao mar, resquícios da Guerra do Pacífico entre Chile, Peru e Bolívia (1879 -1883) “EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA” com a construção da Estrada Pacífico, que liga os Estados de Rondônia e Acre ao litoral sul do Peru. Iniciada em 2002 com seu termino em 2010, totalmente asfaltada. 3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA A busca de uma saída para o mar já motivou diversas guerras e batalhas diplomáticas, a mais recente: Em uma economia globalizada, uma saída para o mar pode proporcionar a integração entre os países:
  • 28. Além da rodovia esse eixo de integração tem por objetivo construir uma infraestrutura de ferrovias e hidrovias que integre os sistemas de transporte entre os países de tríplice fronteira. 3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA
  • 30. Impacto Econômico 3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA • PIB em 2000 foi de US$ 20,23 bi , no Eixo ; • Entre 2000 a 2007 o PIB teve um crescimento de 27,40% (US$ 25,77 bi); • Impactou com uma taxa de crescimento médio anual de 3,52% ; • Entre 2000 a 2008 as exportações, dentro do Eixo, tiveram um aumento de US$ 1,26 bi para US$ 7,94 bi. Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 31. 3.4. EIXO PERÚ-BRASIL-BOLÍVIA 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 70,00% 80,00% 90,00% 100,00% TítulodoEixo MARITIMA FERROVIÁRIO RODOVIÁRIO FLUVIAL AÉREO OUTROS ANO 2000 92,08% 0,49% 3,05% 2,42% 0,25% 1,71% ANO 2007 89,62% 1,61% 2,60% 1,79% 0,20% 4,18% Título do Gráfico Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 32. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Recuperação da Rodovia Manaus / Caracas Melhorias e pavimentação da rodovia entre Bonfim / Georgetown Rota de conexão entre Venezuela (Guayana) / Guiana (Georgetown) / Suriname (Albina), incluindo a constr. da Ponte sobre o Rio Corentyne. P R I O R I D A D E I I R S A 11 22 33
  • 33. O Eixo Escudo Guianês (4) deverá receber US$ 1,05 bilhão e integra o Brasil, Venezuela, Guiana, e Suriname. Um dos projetos é a Recuperação da Rodovia Caracas- Manaus que consumirá US$ 480 milhões em melhorias ao longo dos 2.250 quilômetros que ligam as duas cidades. A rodovia une Roraima e Amazonas ao mar do Caribe. O objetivo é o desenvolvimento socioeconômico e comercial do Amazonas e de Roraima Outro projeto do Eixo Escudo Guianês é a melhoria e pavimentação da Rodovia Boa Vista a Georgetown. Entre as cidades de Lethem e Linden são 438 quilômetros que serão pavimentados a um custo de US$ 270 milhões numa iniciativa que integra Brasil e Guiana. Será a primeira rodovia pavimentada a atravessar toda a Guiana, reduzindo o acesso do Amazonas e de Roraima à costa do Caribe. O terceiro projeto estruturante do eixo 4 são as rodovias de conexão entre Venezuela, Guiana e Suriname. Cerca de US$ 300 milhões estão previstos na execução dessas conexões que formarão um corredor rodoviário de integração no eixo litorâneo, ligando Guayana, na Venezuela, Georgetown, na Guiana, e Paramaribo, no Suriname. A construção de uma ponte sobre o rio Corentyne deve reduzir o gargalo no transporte provocado pela utilização de uma balsa. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY 11 22 33
  • 34. Dentre as diretrizes estratégicas, o destaque é aumentar a cooperação com os países do ESCUDO GUIANÊS, realizando obras e projetos que sejam estruturantes e impactantes na economia regional, que extrapolem fronteiras nacionais, desde as faces iniciais de planejamento buscando ampliar e consolidar conexões: 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY VIÁRIAS ENERGÉTICAS COMUNICAÇÕES DIRETRIZES PARA INTEGRAÇÃO & DESENVOLVIMENTO
  • 35. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Caracas à fronteira: 1.530 km Manaus a Boa Vista: 978 km Georgetown à fronteira: 536 km Puerto Ordaz à fronteira: 700 km Itacoatiara a Boa Vista: 1.012 km
  • 36. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY P O R T O S
  • 37. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007 30 milhões
  • 38. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY • No ano de 2000, determinou-se para a área do Eixo, um PIB de US$ 176,10 bi em preços corrente de mercado ; • O PIB dos países do Eixo, entre 2000 a 2007, teve um acréscimo de 27,53%; • Impactou em uma taxa de crescimento de 3,53% ao ano; • As exportações, na área de influência do Eixo, passou de US$ 32,75 bi, em 2000, para US$ 104,75 bi em 2008. Variação positiva de 219,84% em 8 anos. Histórico Econômico Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 39. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 40. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 41. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 42. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 43. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 44. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 45. 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY Fonte: CEPAL – Comissão Econômica para América Latina e Caribe, set.2007
  • 46. Conclusão 3.5. EIXO DO ESCUDO DAS GUIANAS - CASE STUDY O papel político dos estados fronteiriços no norte do Brasil são importantes nas relações internacionais e são os agentes integradores do Brasil com o Caribe. As relações fronteiriças são estratégicas para a sobrevivência econômica do extremo norte do Brasil, pois, esses Estados estão mais para o Norte do que para o Sul em suas relações comerciais. Ou seja, em razão da posição geográfica, o mercado e as relações comerciais dos Estados do norte encontram-se mais ao norte, no Caribe e América Central, do que para São Paulo. “O NORTE ESTÁ MUITO LONGE DO BRASIL” Dentro dessa realidade, a posição geográfica do Estado de Roraima é importante, uma vez que confina com terras da Venezuela e Guiana, localizado totalmente na faixa oficial de fronteira internacional do Brasil. Roraima é definido como o portão de entrada para quem se desloca da América Central e do Norte para o Brasil e como o portão de saída do Brasil para a região do Caribe.
  • 47. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO 3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR 4. INCENTIVOS: A.L.C. , Z.P.E. , SUDAM 5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
  • 48. As Áreas de Livre Comércio foram criadas através de Leis Federais para alguns municípios brasileiros para promover: • Incentivos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). Os objetivos principais das ALCs são a melhoria na fiscalização de entrada e saída de mercadorias, o fortalecimento do setor comercial, a abertura de novas empresas e a geração de empregos. Nas Áreas de Livre Comércio, boas opções de negócios se dão a partir de investimentos em matéria-prima local utilizando-se de incentivos fiscais semelhantes aos da Zona Franca de Manaus ou até mesmo da instalação de comércios atacadistas de produtos importados para atender às necessidades das populações locais e adjacentes. 4.1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO – ALC
  • 49. Atualmente, as Áreas de Livre Comércio contempladas no perímetro do modelo Zona Franca de Manaus são as seguintes: • ALCT – Área de Livre Comércio de Tabatinga/AM (criada em 1989) • ALCMS – Área de Livre Comércio de Macapá e Santana/AP (criada em 1992) • ALCGM – Área de Livre Comércio de Guajará-Mirim/RO (criada em 1993) • ALCBA – Área de Livre Comércio de Brasiléia/AC (criada em 1994) • ALCCS – Área de Livre Comércio de Cruzeiro do Sul/AC (criada em 1994) • ALCB – Área de Livre Comércio de Bonfim/RR (criada em 2008) • ALCBV – Área de Livre Comércio de Boa Vista/RR (criada em 2008) 4.1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO – ALC
  • 50. A A.L.C. de Bonfim e Boa Vista no Estado de Roraima, por serem as mais recentes, estabelecem como objetivo a integração fronteiriça Sul-Americana com os países vizinhos. Áreas de Livre Comércio de Boa Vista e Bonfim (RR) Implementadas no ano de 2008, as ALCs de Boa Vista e Bonfim, no Estado de Roraima, foram estabelecidas com a finalidade de promover o desenvolvimento das regiões fronteiriças do extremo Norte daquele Estado e incrementar as relações bilaterais com os países vizinhos, sobretudo Venezuela e Guiana, seguindo a política de integração latino-americana. Além de contar com incentivos fiscais para implantação de indústrias que utilizem matéria-prima da Amazônia Ocidental, as ALCs ampliam ainda mais a tendência para a realização do turismo de negócios no Estado. 4.1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO – ALC
  • 51. A ZPE foi criada através da Lei federal 11.508 de 2007. São Áreas delimitadas, especialmente designadas a indústrias exportadoras, nas quais estas usufruem de regimes tributário e cambial diferenciados, bem como procedimentos burocráticos simplificados. As ZPE’s poderão ser administradas por empresas públicas, privadas ou de capital misto e a critério de cada empresa administradora será cobrada uma taxa condominial/administrativa e será negociada a situação do terreno (privado ou público). OBJETIVOS • Atrair novos investimentos; • Gerar empregos; • Promover a transferência e difusão tecnológica; • Favorecer a balança comercial; • Aumentar a competitividade das exportações brasileiras. 4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
  • 52. Atualmente, 22 ZPE encontram- se em diferentes fases pré- operacionais, distribuídas em dezoito estados brasileiros: • ZPE do Acre (AC) • ZPE de Aracruz e Vila Velha (ES) • ZPE de Araguaína (TO) • ZPE de Barcarena (PA) • ZPE de Bataguassú e Corumbá (MS) • ZPE de Barra dos Coqueiros (SE) • ZPE de Boa Vista (RR) • ZPE de Cáceres (MT) • ZPE de Fernandópolis (SP) • ZPE de Ilhéus (BA) • ZPE de Imbituba (SC) • ZPE de Itaguaí (RJ) • ZPE de Macaíba e Sertão (RN) • ZPE de Paranaíba (PI) • ZPE de Pecém (CE) • ZPE de São Luís (MA) • ZPE de Suape (PE) • ZPE de Teófilo Otoni e Uberaba (MG) 4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
  • 53. PRÉ-REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA UMA EMPRESA • Apenas projetos industriais; • No mínimo 80% da receita voltada para exportação. A venda para o mercado interno representará fato gerador para a incidência de todos os tributos devidos; • Aprovação perante administradora da ZPE (Estado) e CZPE (União); • Autorização para a implantação e garantia dos benefícios por 20 anos, prorrogável por igual período; • É permitida a transferência de planta industrial já existente no exterior 4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
  • 54. INCENTIVOS FISCAIS • Em Matérias-primas • Em Maquinários e Equipamentos • Suspensão de tributos sobre bens e serviços nas compras no mercado interno. (IPI, COFINS e PIS/PASEP) • Suspensões de tributos na importação (IPI, COFINS – Importação, PIS/PASEP – Importação e AFRMM) 4.2. ZONA DE PROCESSAMENTO E EXPORTAÇÃO - ZPE
  • 55. A SUDAM, criada em 2001, tem entre suas atribuições atrair investimentos privados para a Amazônia com o objetivo de promover oportunidades de crescimento econômico, geração de emprego e maior competitividade ao setor produtivo da Região. Para tanto, a Superintendência administra dois tipos de instrumentos de atração de investimentos: Incentivos Fiscais: • Financiamentos com taxas de 5% a 6% a.a., de acordo com o setor; • Limites de financiamentos de 60% do Investimento Total, limitado a 80% do Investimento Fixo. Variam de acordo com a localização do empreendimentos; • Prazo máximo de financiamento de 20 anos para projetos em infraestrutura e de 12 anos para demais projetos com carência de 01 ano a partir do início da operação; • Operação através da Banco da Amazônia e outras instituições federais. 4.3. SUDAM
  • 56. FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO NORTE (FNO) : • Criado em 1989 e Administrado pelo Banco da Amazônia; • SUDAM responsável pela definição de prioridades de aplicação do Fundo seguindo o PRDA – Plano Regional de Desenvolvimento da Amazônia; • Fundo constituído com repasses da União: 3% da arrecadação do IR e IPI; Beneficiados: Agroindústria, Indústria, Infraestrutura, turismo, Cultura, Comércio, Prestação de Serviços, etc.. Financiamento: • 70% do total do projeto; • Capital de Giro limitado a 35% do investimento total; • Investimento fixo de 65% a 100% limitado ao valor total do financiamento. 4.3. SUDAM
  • 57. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. EIXO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO 3. AMAZÔNIA LEGAL: UMA SAÍDA PARA O MAR 4. INCENTIVOS: A.LC. , Z.P.E. , SUDAM 5. DIFICULDADES E FACILIDADES NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
  • 58. • A floresta como reserva de valor (Crédito de Carbono e financiamentos internacionais para preservação do meio-ambiente); • Maior banco genético do mundo; • Enorme fontes de pesquisa para indústrias de cosméticos e fármicos; • Incentivos fiscais através das A.L.C., Z.P.E e linhas de financiamento do Banco da Amazônia e BNDES; • Antigos territórios que tornaram Estados na Constituição de 1988, com enorme potencial de crescimento e oportunidades de negócios; • Saída para o mar caribenho, com redução de custos de transporte terrestre e marítimo; • Mercado potencial entre Venezuela, Guiana, Suriname, Roraima e Manaus de aproximadamente 30 milhões de habitantes; • Potencial para o Agronegócio em virtude de alguns estados estarem acima da Linha do Equador. 5.1. PONTOS FORTES
  • 59. • Existência de um vácuo logístico na região da Amazônia Legal; • Falta de uma política de maior integração entre os estados do norte. Encontra-se um de costas para o outro; • Precariedade na infraestrutura de comunicação; • Incertezas energéticas; • Legislação Ambiental dificulta os empreendimentos do Agronegócio e Industrial; • Conflitos sociais em reservas indígenas e a fragilidade na titularidade das terras; • Grandes distâncias e o isolamento decorrente da descontinuidade do povoamento; • Desigualdade social; • Falta de mão-de-obra qualificada; • Atraso Científico e Tecnológico; • Falta de Centros de Pesquisa e Laboratórios Tecnológicos; • Baixo valor comercial dos produtos in natura (Extrativismo). 5.2. PONTOS FRACOS