SlideShare uma empresa Scribd logo
• Criado em 1999;
• 1 ano de planejamento na TV Cultura do Pará;
• O Catalendas procura refletir
 a realidade sociocultural brasileira;
• Ambientado no universo de histórias do Amazonas;
• A linguagem usada é da própria região;
• Tradicionalidade das narrativas;
• Personagens: Dona Preguiça e Macaco Preguinho;
• Cenários são pensados detalhadamente
 com elementos naturais a floresta;
• Conta com consultoria pedagógica e pesquisa
 sobre as narrativas.
• As lendas são ouvidas das pessoas da região;
• Depois são escritas por roteiristas e inseridas
 nos livros de história da Dona Preguiça;
• Por meio da oralidade, são transmitidas pela
 personagem ao macaco Preguinho;
• Crianças e adultos levam adiante as narrativas.
• Histórias fundamentais: a mitologia amazônica,
 Curupira, Matinta Perera e o meio ambiente;
• Quadro efeito dicionário;
• Gramática dos símbolos aplicada às narrativas;
• Episódios estudados: Matinta Perera e Novo Mundo.
• Alguns autores foram estudados na busca pela compreensão das teorias
sobre mito e mitologias e como a mídia se utiliza de suas narrativas:
• Joseph Campbell
• Mircea Eliade,
• Karen Armstrong,
• Maleia Segura Contrera,
• Mônica Martinez,
• Eric Havelock,
• Roland Barthes,
• Christopher Vogler,
• Dimas Künsch.
• Entende que é preciso que a expressão mito seja desvinculada
 da ideia de pura história de ficção, folclore, lenda, imaginação,
 irrealidade ou associações do gênero.


• Mito e mitologia são bem mais do que simples histórias. São uma
forma de ordenar o caos da vida.


• Para Künsch, “compreender, de comprehendere, evoca originalmente
 a idéia de abranger, abraçar ou pegar junto”. (2005:46)
 Mitos, nesse mesmo sentido, são verdadeiros instrumentos
 de compreensão do mundo. Produzem e abraçam significados.
• Depois da pesquisa bibliográfica buscou-se a compreensão
 das teorias sobre mito e mitologias e como a mídia se utiliza
 das narrativas míticas.
• Descrição completa do programa Catalendas, de sua história
 e de sua produção;
• Entrevistas em profundidade com a equipe de produção;
• Uma visão geral dos temas dominantes, os tratamentos, o modo como
essas histórias ganham corpo na TV;
• Estudo aprofundado de episódios específicos, com a finalidade
 de investigar, o modo como o programa trata as narrativas míticas.
De acordo com Marilena Chauí:
“a palavra mito vem do grego, mythos,
e deriva de dois verbos: do verbo mytheyo
(contar, narrar, falar alguma coisa para outros)
e do verbo mytheo (conversar, contar,
anunciar, nomear, designar)”. (2000:32)


Assim, desde a origem da palavra,
mito e narrativa caminham juntos,
são indissociáveis.
• Barreira: domínio da racionalidade e lógica
 na reprodução dos mitos;
• São histórias verdadeiras;
• Histórias que buscam a verdade,
 o sentido de nossas vidas e o que
 representamos neste mundo;
• Mitos não são estudos do passado, são
 tão contemporâneos quando nosso
 pensamento científico;
• Mitologia planetária.
• Na cultura amazônica existe o personagem
 Curupira. Seu primeiro registro escrito foi feito
 por José de Anchieta, no século XVI;


• É dado ao Curupira a função social
 de guardar, de preservar a flora e
 a fauna;


• O personagem representa
 mitologicamente a preservação
 da natureza.
• Mitologias e rituais permitem que o ser humano avance:
"As lendas são a poesia do povo; ellas correm de tribu em tribu,
de lar em lar, uma história doméstica das idéas e dos factos;
como o pão bento da instrucção familiar. (...)Mas o povo crê, e não
convém destruir as fábulas do povo (...)Este cultivo dos mythos, não é,
talvez, o aguardar laboriosodas verdades eternas?"
(Machado de Assis, 2008:41)
• As grandes interrogações humanas – filosofia;
• Contato com a experiência de estar vivo – lendo mitos alheios:


            "O mito ajuda a colocar sua mente em contato
com essa experiência de estar vivo. Ele lhe diz o que a experiência é”.
                          (Campbell, 2007:6)
• As sociedades contemporâneas também praticam mitos;
• Campbell afirma que vivemos os tempos míticos;
• Pensamento mítico faz parte de nossa vida social;


• A necessidade humana de narrar é vital
 e contribuiu para o surgimento da mídia;


• Narrar o mundo, dar ordem ao caos;
• Vida sem mito, vida esvaziada de sentido.
• Morrer para o passado, viver o futuro;


• A purificação do eu;


• Quem se recusa a passar por esses rituais
 geralmente se afasta da comunidade ou não
 é bem visto dentro dela;


• O Mito nos encoraja a viver o nosso mundo
 (participar da vida), a não temê-lo, porque
 outras pessoas já passaram por isso;
• Criamos heróis o tempo todo;
"A linguagem da Jornada do Herói está nitidamente
se tornando parte do conhecimento comum sobre
narrativas e seus princípios têm sido usados de
forma consciente para criar filmes de grande
alcance popular”. (Vogler, 2006:23)


• A jornada do Herói e Indiana Jones
Indiana Jones e os caçadores da arca perdida (1981),
Indiana Jones no templo da perdição (1984),
Indiana Jones e a última cruzada (1989),
Indiana Jones e o reino da caveira de cristal (2008).
• Pseudo-heróis = celebridades;
• Reality Shows
• Durante a exibição alguns participantes são idolatrados;
• O telespectador se vê dividido entre o prazer
 de assistir as intrigas causadas pelos “vilões”
 e a satisfação de vê-los serem eliminados
 pelos “mocinhos”;
• O público decide quem é o herói;
• O herói é premiado e desfruta uma fugaz fama;
• Por que não nos sentimos motivados pelos
nosso heróis contemporâneos?
• As narrativas míticas e seus heróis, fascinam e estimulam
 o homem comum, a encontrar forças em histórias infinitamente
 maiores que ele e a entender que pode, sim, planejar os rumos
 que sua vida irá tomar, com decisões que irão tornar a jornada
 mais agradável até que esta chegue a um desfecho sobre o qual ele,
 porém, não possui controle absoluto.
• Humberto Ecco afirma que nossos mundos são pequenos
 e confortáveis, que usamos as narrativas para criar mundos
 complexos, contraditórios e provocantes (mundos ficcionais).
• Isso se explica na narrativa mítica, que, mesmo sendo
 predominantemente ficcional, trata de verdades absolutas.
• Mitos só existem quando fazem parte da
 cultura de oralidade de um povo;


• A maior dificuldade é o foco na imagem
 (dinâmicas, sedutoras, predominantes)
 os indivíduos ficam sedentários, preferem
 apenas ver nas narrativas;


• Importante para o desenvolvimento
 cognitivo das crianças.
• A relação desigual entre cultura oral
 e cultura escrita;


• Meios de comunicação que tinham foco
 na oralidade: telefone, rádio e televisão;


• Índios contemporâneos usam a oralidade
 para contar suas histórias, acreditam que
 conhecer sobre um determinado animal,
 objeto ou planta é o mesmo de deter um
 poder mágico sobre ele.
• Há uma visão de que essa atual sociedade não possui mitos,
 pela descrença neles;
• Perda de valores: criminalidade, família (atos destrutivos);
• O mito está presente no cotidiano, mesmo que não seja percebido;
• Todos executam cotidianamente pequenos rituais;
• O carnaval é um grande ritual;
• Estamos intimamente ligados pelos mitos;
• A relação mitologia e educação – mitos carregam significados
 de valor ao homem.
• As narrativas míticas seguem ajudando o homem
 a compreender, a viver, a ser melhor;


• Seus heróis, além de fascinarem e estimularem
 o homem comum (o herói da vida real); ajudam a viver,
 a encontrar forças em histórias infinitamente maiores
 que ele e a entende que pode, sim planejar os rumos
 que sua vida irá tomar, com decisões que irão tornar
 a jornada mais agradável até que esta chegue
 a um desfecho sobre o qual ele, porém,
 não possui controle absoluto.
• Contribuir para um melhor entendimento do mito como forma
 de compreensão do mundo, no contexto de um pensamento
 e epistemologia de caráter compreensivo;
• Desvinculação das narrativas míticas de conceitos como ficção
 folclore lenda , imaginação, irrealidade, ou associações do gênero;
• O indivíduo que entra em contato com a mitologia inicia um processo
 de ver o mundo de outro modo: mais compreensivo, mais cordato,
 mais respeitoso e menos agressivo.
• Investiga a presença e força do mito no cotidiano
• Ressalta a importância fundamental
 da compreensão da mitologia para a vida;


• Analisa, seguindo os princípios de uma
 epistemologia de tipo compreensivo,
 a presença e força de elementos do campo
 da mitologia na produção dos grandes meios
 de comunicação;
• Cria o espaço teórico necessário para o estudo
 do programa Catalendas;
• Destaca que O Catalendas caminha na
 contramão do modo de ver e tratar
 a sabedoria mítica dos povos pela mídia;
• Questiona uma visão de mito reducionista
 e cientificista;
• Exalta a importância de reorganização
 do caos para sobrevivência da humanidade
 por meio das narrativas.
Seminário Mitos - Mestrado em Comunicação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de FadasPsicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de Fadas
Eduardo Becker Jr.
 
Narrativas Hipertextuais UCS
Narrativas Hipertextuais UCSNarrativas Hipertextuais UCS
Narrativas Hipertextuais UCS
Leonardo Foletto
 
Diferença entre mito e lenda
Diferença entre mito e lendaDiferença entre mito e lenda
Diferença entre mito e lenda
Patricio Armando Sando
 
O Livro Transmídia: oportunidades & perigos
O Livro Transmídia: oportunidades & perigosO Livro Transmídia: oportunidades & perigos
O Livro Transmídia: oportunidades & perigos
Carlo Carrenho
 
Lendas Indígenas – Hernâni Donato
Lendas Indígenas – Hernâni DonatoLendas Indígenas – Hernâni Donato
Lendas Indígenas – Hernâni Donato
Nelma Andrade
 
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
Avaliação  sobre mito do  segundo bimestreAvaliação  sobre mito do  segundo bimestre
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
Prof. Noe Assunção
 
Narrativa Mítica
Narrativa MíticaNarrativa Mítica
Narrativa Mítica
Dalmo Borba
 
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a bibliotecaSomos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Ana Paula Cecato
 
Práticas de contação de histórias para surdos
Práticas de contação de histórias para surdosPráticas de contação de histórias para surdos
Práticas de contação de histórias para surdos
roselene Ricartes guimaraes
 
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medievalRecuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
Projovem Urbano
 
Hubia literatura ok
Hubia literatura okHubia literatura ok
Hubia literatura ok
Marcia Silva
 

Mais procurados (11)

Psicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de FadasPsicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de Fadas
 
Narrativas Hipertextuais UCS
Narrativas Hipertextuais UCSNarrativas Hipertextuais UCS
Narrativas Hipertextuais UCS
 
Diferença entre mito e lenda
Diferença entre mito e lendaDiferença entre mito e lenda
Diferença entre mito e lenda
 
O Livro Transmídia: oportunidades & perigos
O Livro Transmídia: oportunidades & perigosO Livro Transmídia: oportunidades & perigos
O Livro Transmídia: oportunidades & perigos
 
Lendas Indígenas – Hernâni Donato
Lendas Indígenas – Hernâni DonatoLendas Indígenas – Hernâni Donato
Lendas Indígenas – Hernâni Donato
 
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
Avaliação  sobre mito do  segundo bimestreAvaliação  sobre mito do  segundo bimestre
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
 
Narrativa Mítica
Narrativa MíticaNarrativa Mítica
Narrativa Mítica
 
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a bibliotecaSomos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
 
Práticas de contação de histórias para surdos
Práticas de contação de histórias para surdosPráticas de contação de histórias para surdos
Práticas de contação de histórias para surdos
 
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medievalRecuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
 
Hubia literatura ok
Hubia literatura okHubia literatura ok
Hubia literatura ok
 

Semelhante a Seminário Mitos - Mestrado em Comunicação.

O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
Italo Colares
 
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptxcontacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
EduardoLima522172
 
Trabalho de-filosofia- mito e mitologia
Trabalho de-filosofia- mito e mitologiaTrabalho de-filosofia- mito e mitologia
Trabalho de-filosofia- mito e mitologia
Samuel Araújo
 
O mito hoje na atualidade
O mito hoje  na atualidadeO mito hoje  na atualidade
O mito hoje na atualidade
LUCIANA DIAS
 
Mito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidadeMito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidade
laarizanini
 
PNL - Metáforas
PNL - MetáforasPNL - Metáforas
PNL - Metáforas
Antonino Silva
 
Contos de fadas aula final
Contos de fadas   aula finalContos de fadas   aula final
Contos de fadas aula final
Junior Nunes
 
Magia e-religião-levi-strauss
Magia e-religião-levi-straussMagia e-religião-levi-strauss
Magia e-religião-levi-strauss
Luana Gonçalves
 
Magia e religião levi strauss
Magia e religião levi straussMagia e religião levi strauss
Magia e religião levi strauss
Luana Gonçalves
 
O pensamento mítico
O pensamento míticoO pensamento mítico
O pensamento mítico
Luiz Henrique Araujo
 
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação  sobre mito- Prof. Noe AssunçãoAvaliação  sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Quadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série Alias
Quadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série AliasQuadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série Alias
Quadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série Alias
Marcelo Soares
 
MITO.pptx
 MITO.pptx MITO.pptx
MITO.pptx
Antonio Moraes
 
Contador de Histórias
Contador de HistóriasContador de Histórias
Contador de Histórias
Ainsf Eder Dalberto
 
senso comum filosofia e mito
senso comum filosofia e mitosenso comum filosofia e mito
senso comum filosofia e mito
monicamoraes24
 
Data show muniz sodré - 2013
Data show   muniz sodré - 2013Data show   muniz sodré - 2013
Data show muniz sodré - 2013
claudiocpaiva
 
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - AntropologiaExercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Psicologia_2015
 
A História da Contação de História.docx
A História da Contação de História.docxA História da Contação de História.docx
A História da Contação de História.docx
WaldevalAChorozinhoC
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
MelissaLavor
 

Semelhante a Seminário Mitos - Mestrado em Comunicação. (20)

O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
 
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptxcontacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
 
Trabalho de-filosofia- mito e mitologia
Trabalho de-filosofia- mito e mitologiaTrabalho de-filosofia- mito e mitologia
Trabalho de-filosofia- mito e mitologia
 
O mito hoje na atualidade
O mito hoje  na atualidadeO mito hoje  na atualidade
O mito hoje na atualidade
 
Mito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidadeMito da contemporaneidade
Mito da contemporaneidade
 
PNL - Metáforas
PNL - MetáforasPNL - Metáforas
PNL - Metáforas
 
Contos de fadas aula final
Contos de fadas   aula finalContos de fadas   aula final
Contos de fadas aula final
 
Magia e-religião-levi-strauss
Magia e-religião-levi-straussMagia e-religião-levi-strauss
Magia e-religião-levi-strauss
 
Magia e religião levi strauss
Magia e religião levi straussMagia e religião levi strauss
Magia e religião levi strauss
 
O pensamento mítico
O pensamento míticoO pensamento mítico
O pensamento mítico
 
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
 
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação  sobre mito- Prof. Noe AssunçãoAvaliação  sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
 
Quadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série Alias
Quadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série AliasQuadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série Alias
Quadrinhos e realidade: A Construção de um sentido de real na série Alias
 
MITO.pptx
 MITO.pptx MITO.pptx
MITO.pptx
 
Contador de Histórias
Contador de HistóriasContador de Histórias
Contador de Histórias
 
senso comum filosofia e mito
senso comum filosofia e mitosenso comum filosofia e mito
senso comum filosofia e mito
 
Data show muniz sodré - 2013
Data show   muniz sodré - 2013Data show   muniz sodré - 2013
Data show muniz sodré - 2013
 
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - AntropologiaExercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
 
A História da Contação de História.docx
A História da Contação de História.docxA História da Contação de História.docx
A História da Contação de História.docx
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 

Mais de Profa. Janaíra França

Ética & Minorias by Janaira Franca
Ética & Minorias by Janaira FrancaÉtica & Minorias by Janaira Franca
Ética & Minorias by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira FrancaÉtica: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Tipos de mercados e segmentação by Janaira Franca
Tipos de mercados e segmentação by Janaira FrancaTipos de mercados e segmentação by Janaira Franca
Tipos de mercados e segmentação by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Ecossistema de Marketing by Janaira Franca
Ecossistema de Marketing by Janaira FrancaEcossistema de Marketing by Janaira Franca
Ecossistema de Marketing by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Síntese Histórica da Ética Janaira Franca
Síntese Histórica da Ética Janaira FrancaSíntese Histórica da Ética Janaira Franca
Síntese Histórica da Ética Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira FrancaReflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Marketing: conceituação Janaira Franca
Marketing: conceituação Janaira FrancaMarketing: conceituação Janaira Franca
Marketing: conceituação Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Codigo Etica Publicitario by Janaira Franca
Codigo Etica Publicitario by Janaira FrancaCodigo Etica Publicitario by Janaira Franca
Codigo Etica Publicitario by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Digital Branding: identidade e posicionamento by Janaira Franca
Digital Branding: identidade e posicionamento by Janaira FrancaDigital Branding: identidade e posicionamento by Janaira Franca
Digital Branding: identidade e posicionamento by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Digital Branding by Janaira Franca
Digital Branding by Janaira FrancaDigital Branding by Janaira Franca
Digital Branding by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Branding e Brand Equity Janaira Franca
Branding e Brand Equity Janaira FrancaBranding e Brand Equity Janaira Franca
Branding e Brand Equity Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Artigo o que importa é ter fãs
Artigo o que importa é ter fãs Artigo o que importa é ter fãs
Artigo o que importa é ter fãs
Profa. Janaíra França
 
Content Marketing Transmedia Storytelling by Janaira Franca
Content Marketing Transmedia Storytelling by Janaira FrancaContent Marketing Transmedia Storytelling by Janaira Franca
Content Marketing Transmedia Storytelling by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Mídias Sociais - Varejo by Janaira Franca
Mídias Sociais - Varejo by Janaira FrancaMídias Sociais - Varejo by Janaira Franca
Mídias Sociais - Varejo by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Codigo de ética do profissional de marketing
Codigo de ética do profissional de marketing Codigo de ética do profissional de marketing
Codigo de ética do profissional de marketing
Profa. Janaíra França
 
Economia - Introdução para Publicitários by Janaira Franca
Economia - Introdução para Publicitários by Janaira FrancaEconomia - Introdução para Publicitários by Janaira Franca
Economia - Introdução para Publicitários by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Parte I Liderança e motivação de equipes Janaira Franca
Parte I Liderança e motivação de equipes Janaira FrancaParte I Liderança e motivação de equipes Janaira Franca
Parte I Liderança e motivação de equipes Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
InstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira Franca
InstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira FrancaInstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira Franca
InstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Interface Homem Computador Janaira Franca Parte II
Interface Homem Computador Janaira Franca Parte IIInterface Homem Computador Janaira Franca Parte II
Interface Homem Computador Janaira Franca Parte II
Profa. Janaíra França
 
Lideranca Janaira Franca - Parte II
Lideranca Janaira Franca - Parte IILideranca Janaira Franca - Parte II
Lideranca Janaira Franca - Parte II
Profa. Janaíra França
 

Mais de Profa. Janaíra França (20)

Ética & Minorias by Janaira Franca
Ética & Minorias by Janaira FrancaÉtica & Minorias by Janaira Franca
Ética & Minorias by Janaira Franca
 
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira FrancaÉtica: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
 
Tipos de mercados e segmentação by Janaira Franca
Tipos de mercados e segmentação by Janaira FrancaTipos de mercados e segmentação by Janaira Franca
Tipos de mercados e segmentação by Janaira Franca
 
Ecossistema de Marketing by Janaira Franca
Ecossistema de Marketing by Janaira FrancaEcossistema de Marketing by Janaira Franca
Ecossistema de Marketing by Janaira Franca
 
Síntese Histórica da Ética Janaira Franca
Síntese Histórica da Ética Janaira FrancaSíntese Histórica da Ética Janaira Franca
Síntese Histórica da Ética Janaira Franca
 
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira FrancaReflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
 
Marketing: conceituação Janaira Franca
Marketing: conceituação Janaira FrancaMarketing: conceituação Janaira Franca
Marketing: conceituação Janaira Franca
 
Codigo Etica Publicitario by Janaira Franca
Codigo Etica Publicitario by Janaira FrancaCodigo Etica Publicitario by Janaira Franca
Codigo Etica Publicitario by Janaira Franca
 
Digital Branding: identidade e posicionamento by Janaira Franca
Digital Branding: identidade e posicionamento by Janaira FrancaDigital Branding: identidade e posicionamento by Janaira Franca
Digital Branding: identidade e posicionamento by Janaira Franca
 
Digital Branding by Janaira Franca
Digital Branding by Janaira FrancaDigital Branding by Janaira Franca
Digital Branding by Janaira Franca
 
Branding e Brand Equity Janaira Franca
Branding e Brand Equity Janaira FrancaBranding e Brand Equity Janaira Franca
Branding e Brand Equity Janaira Franca
 
Artigo o que importa é ter fãs
Artigo o que importa é ter fãs Artigo o que importa é ter fãs
Artigo o que importa é ter fãs
 
Content Marketing Transmedia Storytelling by Janaira Franca
Content Marketing Transmedia Storytelling by Janaira FrancaContent Marketing Transmedia Storytelling by Janaira Franca
Content Marketing Transmedia Storytelling by Janaira Franca
 
Mídias Sociais - Varejo by Janaira Franca
Mídias Sociais - Varejo by Janaira FrancaMídias Sociais - Varejo by Janaira Franca
Mídias Sociais - Varejo by Janaira Franca
 
Codigo de ética do profissional de marketing
Codigo de ética do profissional de marketing Codigo de ética do profissional de marketing
Codigo de ética do profissional de marketing
 
Economia - Introdução para Publicitários by Janaira Franca
Economia - Introdução para Publicitários by Janaira FrancaEconomia - Introdução para Publicitários by Janaira Franca
Economia - Introdução para Publicitários by Janaira Franca
 
Parte I Liderança e motivação de equipes Janaira Franca
Parte I Liderança e motivação de equipes Janaira FrancaParte I Liderança e motivação de equipes Janaira Franca
Parte I Liderança e motivação de equipes Janaira Franca
 
InstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira Franca
InstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira FrancaInstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira Franca
InstanYourCity Artigo Comunicon 2013 Janaira Franca
 
Interface Homem Computador Janaira Franca Parte II
Interface Homem Computador Janaira Franca Parte IIInterface Homem Computador Janaira Franca Parte II
Interface Homem Computador Janaira Franca Parte II
 
Lideranca Janaira Franca - Parte II
Lideranca Janaira Franca - Parte IILideranca Janaira Franca - Parte II
Lideranca Janaira Franca - Parte II
 

Último

0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Seminário Mitos - Mestrado em Comunicação.

  • 1.
  • 2. • Criado em 1999; • 1 ano de planejamento na TV Cultura do Pará; • O Catalendas procura refletir a realidade sociocultural brasileira; • Ambientado no universo de histórias do Amazonas; • A linguagem usada é da própria região; • Tradicionalidade das narrativas; • Personagens: Dona Preguiça e Macaco Preguinho; • Cenários são pensados detalhadamente com elementos naturais a floresta; • Conta com consultoria pedagógica e pesquisa sobre as narrativas.
  • 3. • As lendas são ouvidas das pessoas da região; • Depois são escritas por roteiristas e inseridas nos livros de história da Dona Preguiça; • Por meio da oralidade, são transmitidas pela personagem ao macaco Preguinho; • Crianças e adultos levam adiante as narrativas. • Histórias fundamentais: a mitologia amazônica, Curupira, Matinta Perera e o meio ambiente; • Quadro efeito dicionário; • Gramática dos símbolos aplicada às narrativas; • Episódios estudados: Matinta Perera e Novo Mundo.
  • 4.
  • 5. • Alguns autores foram estudados na busca pela compreensão das teorias sobre mito e mitologias e como a mídia se utiliza de suas narrativas: • Joseph Campbell • Mircea Eliade, • Karen Armstrong, • Maleia Segura Contrera, • Mônica Martinez, • Eric Havelock, • Roland Barthes, • Christopher Vogler, • Dimas Künsch.
  • 6. • Entende que é preciso que a expressão mito seja desvinculada da ideia de pura história de ficção, folclore, lenda, imaginação, irrealidade ou associações do gênero. • Mito e mitologia são bem mais do que simples histórias. São uma forma de ordenar o caos da vida. • Para Künsch, “compreender, de comprehendere, evoca originalmente a idéia de abranger, abraçar ou pegar junto”. (2005:46) Mitos, nesse mesmo sentido, são verdadeiros instrumentos de compreensão do mundo. Produzem e abraçam significados.
  • 7. • Depois da pesquisa bibliográfica buscou-se a compreensão das teorias sobre mito e mitologias e como a mídia se utiliza das narrativas míticas. • Descrição completa do programa Catalendas, de sua história e de sua produção; • Entrevistas em profundidade com a equipe de produção; • Uma visão geral dos temas dominantes, os tratamentos, o modo como essas histórias ganham corpo na TV; • Estudo aprofundado de episódios específicos, com a finalidade de investigar, o modo como o programa trata as narrativas míticas.
  • 8.
  • 9.
  • 10. De acordo com Marilena Chauí: “a palavra mito vem do grego, mythos, e deriva de dois verbos: do verbo mytheyo (contar, narrar, falar alguma coisa para outros) e do verbo mytheo (conversar, contar, anunciar, nomear, designar)”. (2000:32) Assim, desde a origem da palavra, mito e narrativa caminham juntos, são indissociáveis.
  • 11. • Barreira: domínio da racionalidade e lógica na reprodução dos mitos; • São histórias verdadeiras; • Histórias que buscam a verdade, o sentido de nossas vidas e o que representamos neste mundo; • Mitos não são estudos do passado, são tão contemporâneos quando nosso pensamento científico; • Mitologia planetária.
  • 12. • Na cultura amazônica existe o personagem Curupira. Seu primeiro registro escrito foi feito por José de Anchieta, no século XVI; • É dado ao Curupira a função social de guardar, de preservar a flora e a fauna; • O personagem representa mitologicamente a preservação da natureza.
  • 13.
  • 14. • Mitologias e rituais permitem que o ser humano avance: "As lendas são a poesia do povo; ellas correm de tribu em tribu, de lar em lar, uma história doméstica das idéas e dos factos; como o pão bento da instrucção familiar. (...)Mas o povo crê, e não convém destruir as fábulas do povo (...)Este cultivo dos mythos, não é, talvez, o aguardar laboriosodas verdades eternas?" (Machado de Assis, 2008:41)
  • 15. • As grandes interrogações humanas – filosofia; • Contato com a experiência de estar vivo – lendo mitos alheios: "O mito ajuda a colocar sua mente em contato com essa experiência de estar vivo. Ele lhe diz o que a experiência é”. (Campbell, 2007:6)
  • 16. • As sociedades contemporâneas também praticam mitos; • Campbell afirma que vivemos os tempos míticos; • Pensamento mítico faz parte de nossa vida social; • A necessidade humana de narrar é vital e contribuiu para o surgimento da mídia; • Narrar o mundo, dar ordem ao caos; • Vida sem mito, vida esvaziada de sentido.
  • 17. • Morrer para o passado, viver o futuro; • A purificação do eu; • Quem se recusa a passar por esses rituais geralmente se afasta da comunidade ou não é bem visto dentro dela; • O Mito nos encoraja a viver o nosso mundo (participar da vida), a não temê-lo, porque outras pessoas já passaram por isso;
  • 18.
  • 19. • Criamos heróis o tempo todo; "A linguagem da Jornada do Herói está nitidamente se tornando parte do conhecimento comum sobre narrativas e seus princípios têm sido usados de forma consciente para criar filmes de grande alcance popular”. (Vogler, 2006:23) • A jornada do Herói e Indiana Jones Indiana Jones e os caçadores da arca perdida (1981), Indiana Jones no templo da perdição (1984), Indiana Jones e a última cruzada (1989), Indiana Jones e o reino da caveira de cristal (2008).
  • 20. • Pseudo-heróis = celebridades; • Reality Shows • Durante a exibição alguns participantes são idolatrados; • O telespectador se vê dividido entre o prazer de assistir as intrigas causadas pelos “vilões” e a satisfação de vê-los serem eliminados pelos “mocinhos”; • O público decide quem é o herói; • O herói é premiado e desfruta uma fugaz fama; • Por que não nos sentimos motivados pelos nosso heróis contemporâneos?
  • 21.
  • 22. • As narrativas míticas e seus heróis, fascinam e estimulam o homem comum, a encontrar forças em histórias infinitamente maiores que ele e a entender que pode, sim, planejar os rumos que sua vida irá tomar, com decisões que irão tornar a jornada mais agradável até que esta chegue a um desfecho sobre o qual ele, porém, não possui controle absoluto.
  • 23. • Humberto Ecco afirma que nossos mundos são pequenos e confortáveis, que usamos as narrativas para criar mundos complexos, contraditórios e provocantes (mundos ficcionais). • Isso se explica na narrativa mítica, que, mesmo sendo predominantemente ficcional, trata de verdades absolutas.
  • 24.
  • 25. • Mitos só existem quando fazem parte da cultura de oralidade de um povo; • A maior dificuldade é o foco na imagem (dinâmicas, sedutoras, predominantes) os indivíduos ficam sedentários, preferem apenas ver nas narrativas; • Importante para o desenvolvimento cognitivo das crianças.
  • 26. • A relação desigual entre cultura oral e cultura escrita; • Meios de comunicação que tinham foco na oralidade: telefone, rádio e televisão; • Índios contemporâneos usam a oralidade para contar suas histórias, acreditam que conhecer sobre um determinado animal, objeto ou planta é o mesmo de deter um poder mágico sobre ele.
  • 27. • Há uma visão de que essa atual sociedade não possui mitos, pela descrença neles; • Perda de valores: criminalidade, família (atos destrutivos); • O mito está presente no cotidiano, mesmo que não seja percebido; • Todos executam cotidianamente pequenos rituais; • O carnaval é um grande ritual; • Estamos intimamente ligados pelos mitos; • A relação mitologia e educação – mitos carregam significados de valor ao homem.
  • 28.
  • 29. • As narrativas míticas seguem ajudando o homem a compreender, a viver, a ser melhor; • Seus heróis, além de fascinarem e estimularem o homem comum (o herói da vida real); ajudam a viver, a encontrar forças em histórias infinitamente maiores que ele e a entende que pode, sim planejar os rumos que sua vida irá tomar, com decisões que irão tornar a jornada mais agradável até que esta chegue a um desfecho sobre o qual ele, porém, não possui controle absoluto.
  • 30. • Contribuir para um melhor entendimento do mito como forma de compreensão do mundo, no contexto de um pensamento e epistemologia de caráter compreensivo; • Desvinculação das narrativas míticas de conceitos como ficção folclore lenda , imaginação, irrealidade, ou associações do gênero; • O indivíduo que entra em contato com a mitologia inicia um processo de ver o mundo de outro modo: mais compreensivo, mais cordato, mais respeitoso e menos agressivo.
  • 31.
  • 32. • Investiga a presença e força do mito no cotidiano • Ressalta a importância fundamental da compreensão da mitologia para a vida; • Analisa, seguindo os princípios de uma epistemologia de tipo compreensivo, a presença e força de elementos do campo da mitologia na produção dos grandes meios de comunicação;
  • 33. • Cria o espaço teórico necessário para o estudo do programa Catalendas; • Destaca que O Catalendas caminha na contramão do modo de ver e tratar a sabedoria mítica dos povos pela mídia; • Questiona uma visão de mito reducionista e cientificista; • Exalta a importância de reorganização do caos para sobrevivência da humanidade por meio das narrativas.