SlideShare uma empresa Scribd logo
Sedation and Delirium in the Intensive
Care Unit
Reade MC, Finfer S
N Eng J Med 2014;370:444-54
Aline Ribas
Introdução
UTI
• Dor e agitação
• Uso de analgésicos e sedativos
• Dor, supersedação e delirium: aumento da morbidade e
mortalidade
• “Tríade da UTI”: dor, agitação e delirium
• Sedativos devem ser utilizados somente após abordagem da dor e
do delirium
Sedation and delirium in the intensive
Dor, Analgesia e Sedação
na UTI
• Dor
– Maioria dos pacientes
– Consequências
– Avaliação:
• O próprio paciente
• Indicadores fisiológicos (hipertensão, taquicardia)
• Behavioral Pain Scale
• Critical Care Pain Observation Tool
• Indicação de sedação profunda contínua:
HIC, Insuficiência Respiratória Aguda, Mal
epiléptico refratário
Dor, Analgesia e Sedação
na UTI
• Sedação
Interrupção diária de
sedativo
Interrupção de
sedativo a critério
do médico assistente
Dose total de sedativo
Dias em Ventilação Mecânica
Dias na UTI
Interrupção diária de
sedativo + VE
Interrupção de
sedativo a critério
do médico assistente
Benzodiazepínico
Dias em
Dias na UTI
Sobrevida
Interrupção diária de
sedativo
Sem sedação
Dias em Ventilação Mecânica
Dias na UTI/hospital
Grau de sedação: associado à
duração da ventilação
mecânica, mortalidade intra-
hospitalar e morte em 180d
Sedação leve: mais dias sem
ventilação mecânica e fora da UTI
Dor, Analgesia e Sedação
na UTI
• Agentes sedativos:
– Midazolam
– Lorazepam
– Diazepam
– Propofol
– Dexmedetomidina ( analgesia, menos depressão respiratória, menor grau de
sedação, menos delirium e menos dias em ventilação mecânica)
– Remifentanil
– Fentanil
• Propofol: menos dias na UTI, quando comparado a benzodiazepínicos
• Dexmedetomida ~ Propofol – permanência na faixa-alvo , duração da
ventilação mecânica, duração na UTI
Sedation and delirium in the intensive
Delirium
• DSM –IV ( consciência, cognição, flutuação)
• Mais comum: comprometer atenção
• Manifestação inespecífica de doença aguda
• Diversas causas
• Fisiopatologia :
– Agonistas GABA A e drogas anticolinérgicas
– Excessiva atividade dopaminérgica e efeitos
neurotóxicos diretos por citocinas inflamatórias
Delirium
• RM: Associação entre duração do delirium na UTI e atrofia cerebral
e lesão de substância branca cerebral
• Evento frequente e grave em pacientes críticos (16-89%)
• Diagnóstico clínico
• RR de morte: 10%/dia com delirium
• Diminuição da função cognitiva
Lesão Delirium
Delirium Lesão
Delirium
• Hipoativo
• Hiperativo
• Misto
• Apesar da clara relação entre delirium e pior
desfecho, não há relação causal estabelecida.
Sedação e Delirium
Avaliação e Monitoramento
• Sedação
– Mal monitorada
– Riker Sedation-Agitation Scale
( faixa-alvo:3 – 4)
– Richmond Agitation-Sedation Scale
(faixa-alvo:-2 – 0 )
Sedation and delirium in the intensive
Sedação e Delirium
Avaliação e Monitoramento
• Delirium
– Subdiagnosticado
– Confusion Assessment Method ( CAM- ICU)
– Intensive Care Delirium Screening Checklist ( ICDSC) –
mais de uma avaliação
– Desvantagens:
• Escalas não diferenciam hipo e hiper
• Não quantificam a importância relativa de elementos
individuais (tratamentos específicos podem diminuir a
duração de uns e aumentar de outros)
• Dicotomia: Não há graduação
Sedation and delirium in the intensive
Delirium
Prevenção e Tratamento
• Fora da UTI:
– medidas
– Profilaxia com haloperidol( duração e gravidade) - cx de quadril
• Na UTI:
– Duração reduzida a metade com mobilização precoce durante
interrupções na sedação.
• Profilaxia:
– haloperidol e risperidona
– Quetamina durante indução anestésica
• Sedação com dexmedetomidina parece reduzir incidência, de
delirium na UTI, quando comparado a benzodiazepínicos
Delirium
Prevenção e Tratamento
• Manejo não é bem estabelecido- estudos-piloto
• Quetiapina?
• Dexmedetomidina x haloperidol: extubação mais
rápida e menos dias na UTI com
dexmedetomidina
• Dexmedetomidina x Midazolan: resolução mais
rápida com dexmedetomidina
Guidelines
• Pain, Agitation and Delirium ( PAD) guidelines
• ABCDE (spontaneous awakening and breathing
coordination, attention to the choice of
sedation, delirium monitoring and early mobility and
exercise)
• Melhora na comunicação da equipe, padronizando
atendimento
• Priorização de métodos que reduzam sedação e
facilitem mobilização precoce e extubação.
Sedation and delirium in the intensive
Conclusões
• O manejo da sedação e do delirium pode ter um
papel importante no desfecho de pacientes
assistidos nas UTIs.
• Melhores resultados são alcançados com um
protocolo em que o grau de sedação e a presença
de dor e delirium são monitorados, a dor é
tratada de forma efetiva, a administração de
sedativos é a mínima necessária para o conforto e
segurança do paciente e a mobilização precoce é
realizada sempre que possível.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sedation and delirium in the intensive

Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
ctisaolucascopacabana
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
FrancielleConstantin
 
Analgesia e sedação em pacientes na UTI/CTI
Analgesia e sedação em pacientes na UTI/CTIAnalgesia e sedação em pacientes na UTI/CTI
Analgesia e sedação em pacientes na UTI/CTI
WilliamdaCostaMoreir
 
Iatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idososIatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idosos
Eli Oliveira
 
delirium.pptx
delirium.pptxdelirium.pptx
delirium.pptx
GustavoRibeiro521422
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
Marcelo Zanotti da Silva
 
Delirium em idosos
Delirium em idososDelirium em idosos
Delirium em idosos
Vr Medcare
 
Delirium em idosos
Delirium em idososDelirium em idosos
Delirium em idosos
Vr Medcare
 
Psicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdfPsicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdf
JliaRamosVieira1
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
gizaraposo
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Aroldo Gavioli
 
Hanseníase laderm
Hanseníase ladermHanseníase laderm
Hanseníase laderm
Vanessa Boeira
 
aulahipersonia.pptx
aulahipersonia.pptxaulahipersonia.pptx
aulahipersonia.pptx
RafaelLoureno59
 
Enuresis 08.04.22.pptx
Enuresis 08.04.22.pptxEnuresis 08.04.22.pptx
Enuresis 08.04.22.pptx
RafoJordan1
 
AULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdf
AULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdfAULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdf
AULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdf
RODRIGODAMASCENO32
 
Dor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dorDor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dor
tosterne
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
Carlos D A Bersot
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
Dario Hart
 
5 fibromialgia
5 fibromialgia5 fibromialgia
5 fibromialgia
molabsb
 
Parkinson\’s Surgery
Parkinson\’s SurgeryParkinson\’s Surgery
Parkinson\’s Surgery
Paula Antunes
 

Semelhante a Sedation and delirium in the intensive (20)

Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
 
Analgesia e sedação em pacientes na UTI/CTI
Analgesia e sedação em pacientes na UTI/CTIAnalgesia e sedação em pacientes na UTI/CTI
Analgesia e sedação em pacientes na UTI/CTI
 
Iatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idososIatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idosos
 
delirium.pptx
delirium.pptxdelirium.pptx
delirium.pptx
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
 
Delirium em idosos
Delirium em idososDelirium em idosos
Delirium em idosos
 
Delirium em idosos
Delirium em idososDelirium em idosos
Delirium em idosos
 
Psicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdfPsicofarmacologia.pdf
Psicofarmacologia.pdf
 
Psicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptxPsicofarmacologia.pptx
Psicofarmacologia.pptx
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Hanseníase laderm
Hanseníase ladermHanseníase laderm
Hanseníase laderm
 
aulahipersonia.pptx
aulahipersonia.pptxaulahipersonia.pptx
aulahipersonia.pptx
 
Enuresis 08.04.22.pptx
Enuresis 08.04.22.pptxEnuresis 08.04.22.pptx
Enuresis 08.04.22.pptx
 
AULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdf
AULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdfAULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdf
AULA 08 - SAÚDE MENTAL - PSICOFARMACOLOGIA.pdf
 
Dor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dorDor oncológica sábado da dor
Dor oncológica sábado da dor
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
 
5 fibromialgia
5 fibromialgia5 fibromialgia
5 fibromialgia
 
Parkinson\’s Surgery
Parkinson\’s SurgeryParkinson\’s Surgery
Parkinson\’s Surgery
 

Mais de Janine Magalhaes

Trombose de seio
Trombose de seioTrombose de seio
Trombose de seio
Janine Magalhaes
 
Sessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlosSessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlos
Janine Magalhaes
 
Sessão jose carlos
Sessão  jose carlosSessão  jose carlos
Sessão jose carlos
Janine Magalhaes
 
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlosSessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
Janine Magalhaes
 
Cópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensiveCópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensive
Janine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
Janine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
Janine Magalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
Janine Magalhaes
 

Mais de Janine Magalhaes (8)

Trombose de seio
Trombose de seioTrombose de seio
Trombose de seio
 
Sessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlosSessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlos
 
Sessão jose carlos
Sessão  jose carlosSessão  jose carlos
Sessão jose carlos
 
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlosSessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
 
Cópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensiveCópia de sedation and delirium in the intensive
Cópia de sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 

Sedation and delirium in the intensive

  • 1. Sedation and Delirium in the Intensive Care Unit Reade MC, Finfer S N Eng J Med 2014;370:444-54 Aline Ribas
  • 2. Introdução UTI • Dor e agitação • Uso de analgésicos e sedativos • Dor, supersedação e delirium: aumento da morbidade e mortalidade • “Tríade da UTI”: dor, agitação e delirium • Sedativos devem ser utilizados somente após abordagem da dor e do delirium
  • 4. Dor, Analgesia e Sedação na UTI • Dor – Maioria dos pacientes – Consequências – Avaliação: • O próprio paciente • Indicadores fisiológicos (hipertensão, taquicardia) • Behavioral Pain Scale • Critical Care Pain Observation Tool • Indicação de sedação profunda contínua: HIC, Insuficiência Respiratória Aguda, Mal epiléptico refratário
  • 5. Dor, Analgesia e Sedação na UTI • Sedação Interrupção diária de sedativo Interrupção de sedativo a critério do médico assistente Dose total de sedativo Dias em Ventilação Mecânica Dias na UTI Interrupção diária de sedativo + VE Interrupção de sedativo a critério do médico assistente Benzodiazepínico Dias em Dias na UTI Sobrevida Interrupção diária de sedativo Sem sedação Dias em Ventilação Mecânica Dias na UTI/hospital Grau de sedação: associado à duração da ventilação mecânica, mortalidade intra- hospitalar e morte em 180d Sedação leve: mais dias sem ventilação mecânica e fora da UTI
  • 6. Dor, Analgesia e Sedação na UTI • Agentes sedativos: – Midazolam – Lorazepam – Diazepam – Propofol – Dexmedetomidina ( analgesia, menos depressão respiratória, menor grau de sedação, menos delirium e menos dias em ventilação mecânica) – Remifentanil – Fentanil • Propofol: menos dias na UTI, quando comparado a benzodiazepínicos • Dexmedetomida ~ Propofol – permanência na faixa-alvo , duração da ventilação mecânica, duração na UTI
  • 8. Delirium • DSM –IV ( consciência, cognição, flutuação) • Mais comum: comprometer atenção • Manifestação inespecífica de doença aguda • Diversas causas • Fisiopatologia : – Agonistas GABA A e drogas anticolinérgicas – Excessiva atividade dopaminérgica e efeitos neurotóxicos diretos por citocinas inflamatórias
  • 9. Delirium • RM: Associação entre duração do delirium na UTI e atrofia cerebral e lesão de substância branca cerebral • Evento frequente e grave em pacientes críticos (16-89%) • Diagnóstico clínico • RR de morte: 10%/dia com delirium • Diminuição da função cognitiva Lesão Delirium Delirium Lesão
  • 10. Delirium • Hipoativo • Hiperativo • Misto • Apesar da clara relação entre delirium e pior desfecho, não há relação causal estabelecida.
  • 11. Sedação e Delirium Avaliação e Monitoramento • Sedação – Mal monitorada – Riker Sedation-Agitation Scale ( faixa-alvo:3 – 4) – Richmond Agitation-Sedation Scale (faixa-alvo:-2 – 0 )
  • 13. Sedação e Delirium Avaliação e Monitoramento • Delirium – Subdiagnosticado – Confusion Assessment Method ( CAM- ICU) – Intensive Care Delirium Screening Checklist ( ICDSC) – mais de uma avaliação – Desvantagens: • Escalas não diferenciam hipo e hiper • Não quantificam a importância relativa de elementos individuais (tratamentos específicos podem diminuir a duração de uns e aumentar de outros) • Dicotomia: Não há graduação
  • 15. Delirium Prevenção e Tratamento • Fora da UTI: – medidas – Profilaxia com haloperidol( duração e gravidade) - cx de quadril • Na UTI: – Duração reduzida a metade com mobilização precoce durante interrupções na sedação. • Profilaxia: – haloperidol e risperidona – Quetamina durante indução anestésica • Sedação com dexmedetomidina parece reduzir incidência, de delirium na UTI, quando comparado a benzodiazepínicos
  • 16. Delirium Prevenção e Tratamento • Manejo não é bem estabelecido- estudos-piloto • Quetiapina? • Dexmedetomidina x haloperidol: extubação mais rápida e menos dias na UTI com dexmedetomidina • Dexmedetomidina x Midazolan: resolução mais rápida com dexmedetomidina
  • 17. Guidelines • Pain, Agitation and Delirium ( PAD) guidelines • ABCDE (spontaneous awakening and breathing coordination, attention to the choice of sedation, delirium monitoring and early mobility and exercise) • Melhora na comunicação da equipe, padronizando atendimento • Priorização de métodos que reduzam sedação e facilitem mobilização precoce e extubação.
  • 19. Conclusões • O manejo da sedação e do delirium pode ter um papel importante no desfecho de pacientes assistidos nas UTIs. • Melhores resultados são alcançados com um protocolo em que o grau de sedação e a presença de dor e delirium são monitorados, a dor é tratada de forma efetiva, a administração de sedativos é a mínima necessária para o conforto e segurança do paciente e a mobilização precoce é realizada sempre que possível.