SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina: Sociologia aplicada à Saúde
Farmácia 1° Semestre 2011
Turma: 180151
Alunas:Andressa Lopes
Bruna Cristyen
Fernanda Martins
Fernanda Tavares
Kélvia Holanda
Larissa Sousa
Tamares Santos
Saúde Pública
A arte e a ciência de prevenir a doença, prolongar a vida,
promover a saúde e a eficiência física e mental mediante o
esforço organizado da comunidade. Abrangendo o saneamento
do meio, o controle das infecções, a educação dos indivíduos
nos princípios de higiene pessoal, a organização de serviços
médicos e de enfermagem para o diagnóstico precoce e pronto
tratamento das doenças e o desenvolvimento de uma estrutura
social que assegure a cada indivíduo na sociedade um padrão
de vida adequado à manutenção da saúde.
Sanitarismo
Sanitarismo se preocupa com o melhoramento das condições
de vida e de trabalho da população .
Sanitarismo é a consevação da Saúde Pública.
Sanitarismo Campanhista: As campanhas sanitárias era sua
principal estratégia (início do século XX até 1945
Sistemas de Saúde
A teoria de sistemas feita por Ludwig von Bertalanffy, estuda,
de modo interdisciplinar, a organização abstrata de fenômenos,
independente de sua formação e configuração presente.
Investiga todos os princípios comuns a todas as entidades
complexas, e modelos que podem ser utilizados para a sua
descrição. E sua difusão e aceitação se generalizam no final da
Segunda Guerra Mundial.
Modelos de Reformas Sanitárias
Modelo Bismarck ou Sistema de Seguridade Social: que se
caracterizava como financiamento por cotas obrigatórias;
Modelo Semashko ou Sistema Centralizado: se dava por
financiamento estatal;
Modelo Beveridge ou Sistema Nacional de Saúde caracterizava
por um financiamento público por meio de impostos;
Modelo Seguro Social caracterizava pela compra dos serviços
de saúde por indivíduos.
Durante o século XX:
Primeira geração viu o crescimento dos sistemas nacionais de
saúde e o crescimento de sistemas de seguridade social para
nações de renda média.
Segunda geração de reformas viu a inicialização da Atenção
Primária à Saúde.
Terceira geração foi aplicada serviços de alta qualidade,
definidos principalmente por critérios de custo-efetividade,
para todos, mais do que os cuidados possíveis para toda a
população ou cuidados mais simples e básicos para os pobres.
A dinâmica dos sistemas de saúdes no mundo
Desde seu princípio, a Organização mundial da Saúde (OMS)
tem tido presente a importância das repercussões econômicas
da má-saúde e da doença, das limitações financeiras que tão
amiúde se opõem à prestação ou à obtenção de assistência
médica e sanitária adequadas e das dificuldades de avaliação
dos benefícios resultantes dessa assistência, em termos
monetários ou com relação a outros critérios
As reformas sanitárias contemporâneas resultam da crise da
política de Estado de Bem-Estar, conhecido como Welfare
State. E já não eram capazes de financiar, gerando um déficit
público, o que leva à uma crise fiscal do Estado. O resultado é
uma preocupação em cortar gastos do Estado-providência, e
isso vai incidir no setor da saúde.
Dinâmica da saúde e forças expansivas
Existe uma íntima relação entre o tipo de cobertura e o
financiamento dos serviços.A cobertura em saúde deve dar
lugar a tervenções abrangentes a todas as pessoas para ter
anscendência social e, assim concebida, resultará de profunda
natureza ética.
A urbanização tem sido um fator determinante na mudança do
perfil e da situação de saúde, especialmente nas grandes
cidades.
• Intervenção de alguém com conhecimentos e poderes que
abrangessem aspectos culturais, religiosos e técnicos;
• Preocupação individual e ambiental pelos efeitos das
doenças e das mortes se ampliou;
• Modelo capitalista: medicina individualista, ignorando a
dimensão global,coletiva da sociedade.
• Normatização do ensino e profissão médica
• Avaliação das epidemias em geral
•Ações médicas subordinadas a ações públicas
• Inglaterra: controle da saúde do corpo das classes mais
pobres, para torná-las mais aptas ao trabalho e menos
perigosa as classes mais ricas;
• Medicina Assistencial destinada aos pobres,uma
medicina administrativa fazendo vacinas e tratando
epidemias e uma medicina privada que beneficiava quem
tinha recursos para pagar.
• Implantação de uma medicina urbana (Revolução de 1789);
• Preocupação com a saúde pública (Revolução Francesa);
• França: exemplo no fornecimento de água potável, entre
outros;
• Surgimento da estatística sanitária (Gottfried Achenwall);
• Base do atendimento à saúde instituições de caridade;
• Revolução Industrial transformou a vida social:
Conservação da saúde dos trabalhadores;
Início dos atendimentos coletivos;
• Alemanha (1883 – Bismarck) Instituída a ”Contribuição
dos empregadores para a cobertura da saúde dos
trabalhadores”.
• Dinamarca (1935) 90% da população estava coberta pelo
seguro-saúde;
• 1940 a 1950 sistemas de saúde dos países mais ricos;
América do Norte
Nos Estados Unidos, a medicina americana, na primeira
metade do século XIX era profundamente deficiente, a guerra
civil contribuiu para o declínio dos grandes centros do sul.
O rápido crescimento do país, com a ausência de uma
legislação, deu origem a um comercio livre e descontrolado. A
primeira organização oficial americana de saúde publica
ocorreu em 1850, pó Simule Shatuk, que propôs a organização
das juntas locais.
A partir de 1910, Abraham Flexner, reformulou o ensino
medico no continente, influenciou também a criação de escolas
de Saúde Pública que, segundo ele, deveriam:
Trabalhar com uma nova ciência, a higiene;
Voltar-se para os aspectos mais práticos e administrativos da
saúde;
Procurar os fatores determinantes da saúde e do bem-estar da
população;
Dedicar-se ao estudo das doenças mais freqüentes.
Na década de 40, como conseqüência de processos esternos e
internos ao campo da saúde, articula-se nos Estados Unidos a
proposta de implantação de um sistema nacional de saúde.
A atenção primária á saúde nos Estados Unidos
O conceito de níveis de atenção médica, ou seja, a atenção
primária à saúde (APS), como primeiro contato dentro de um
sistema de atenção médica.
Duas escolas de pensamento surgiram sobre a APS:
- a primeira com um paradigma biomédico, com foco em
cuidados médicos para o individuo;
- a outra tem como paradigma mais amplo, o biopsicossocial.
Em 1952 realizou-se em Colorado uma reunião de
representantes das principais escolas de medicina norte-
americanas.
Nos anos 60 geraram um movimento de saúde comunitária,
baseado na implantação de centros comunitários de saúde.
Entanto os Estados Unidos é a única nação industrializada que
ate hoje não dispõe de um sistema de assistência á saúde. Lá
os centros de controle e prevenção de doenças desenvolveram
o índice chamado Qualidade de Vida Relacionada á saúde, com
base nos dados do sistema de Vigilância de fatores de risco
comportamentais. Com isso os investigadores concluíram que
86,6% dos americanos adultos consideravam sua saúde boa ou
excelente.
AMÉRICA LATINA
Saúde pública em alguns países da América latina:
Chile
México
Cuba
Saúde publica no CHILE
Na America latina, o primeiro país a desenvolver cobertura de
saúde dos trabalhadores foi o Chile.
O país se destaca pela qualidade do seu sistema de saúde e
pelas clinicas modernas.
Os hospitais privados nas cidades do Chile são de alto nível.
O sistema de saúde pública que o pais oferece está entre os
melhores da America latina .
O Chile é um país sem doenças como a malária, febre amarela
ou cólera.
Saúde publica com gripe: MÉXICO
A evolução da saúde publica mexicana foi
gradual. Nos séculos XIX e XX
desenvolveu-se paralelamente as mudanças
políticas e sociais do país. Na primeira
metade do século XIX o cuidado com os
doentes dependia parcialmente da caridade
religiosa. Depois, institui-se a beneficência
publica , consolidada pelo presidente
Benito Juarez.
A partir da revolução surgiu o principio de assistência publica
como obrigação do estado para com a sociedade. Atualmente, a
assistência a saúde, e a seguridade social conjugam-se em um
conceito de medicina institucional que compreende a
investigação, o ensino e os serviços prestados a sociedade.
A gripe, ao que tudo indica, originou-se no México,
contrariando as expectativas e a história de todas as epidemias
anteriores.
Devemos lembrar que a saúde pública no México está sendo
privatizada e isto teve influência direta no surto de gripe .
As máscaras que estão sendo usadas são simples panos sobre
boca e nariz e o vírus é muito menor que os furos existentes.
Saúde publica em CUBA
Aproximadamente em 1959 a expectativa de vida da população
cubana era inferior a 60 anos. Com um quadro higiênico
sanitário dominado por inferioridades infectocontagiosas e
parasitarias, além de uma mortalidade infantil de 60 para cada
1000 nascidos.
Com a implantação do Sistema Nacional de Saúde (SNS),
fizeram-se patentes princípios básicos que se devem ao caráter
social e profundamente humano de nossa revolução.
O modelo de saúde cubano transitou por diferentes etapas,
segundo as necessidades e o processo de desenvolvimento em
cada momento. Na década de 1960, criou-se o Serviço Médico
Rural, por ser a população do campo a mais desprotegida na
época do triunfo da revolução.
A concepção de nosso SNS está baseada nos
elementos preventivos, tendo como guardião
e principal pilar o médico e a enfermeira da
família. De maneira integrada com outros
níveis e estruturas do sistema e do resto da
sociedade, eles formam um bloco monolítico
para preservar a saúde, assim como para
alcançar um diagnóstico e o tratamento
oportuno em caso de doenças, e um sistema
de reabilitação de alcance comunitário para
doenças que deixem seqüelas transitórias ou
permanentes.
DR° LUIS CURBELO
AFONSO
• 1808 a cidade do Rio de Janeiro passa a ser alvo de atenções
sanitárias com a vinda da Corte Real Portuguesa.
• 1829, cria-se a Imperial Academia de Medicina e a Junta de
Higiene Pública, com inspeções às embarcações suspeitas e
com quarentena.
• Com a instituição da Republica, em 1889 definiu-se a
medicina pública, medicina sanitária, a higiene ou
simplesmente saúde pública.
• Entre 1890 e 1900, no Rio de Janeiro e nas grandes cidades,
ocorreram epidemias de varíola, febre amarela, cólera e peste
bubônica, levando o governo a contratar médicos para atuarem
em saneamento e fiscalização sanitária.
• Foi Oswaldo Cruz que, no inicio do
século XX, como diretor do
Departamento Nacional de Saúde
Pública, iniciou a fiscalização das
residências combatendo mosquitos e
ratos, organizando campanhas
sanitárias em estilo militar, o que
provocou a conhecida “Revolta da
Vacina” no Rio de Janeiro, quando a
população se rebelou contra a
obrigatoriedade da vacinação para
prevenir a varíola.http://pt.wikipedia.org/wiki/Oswaldo_Cruz
O primeiro Ministério com ações na área da saúde foi criado
em 1930 (Governo de Getulio Vargas) com o nome
de Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Publica.
Em 1937 passou a se chamar Ministério da Educação e
Saúde. Em 25 de julho de 1953 fica como Ministério da
Saúde.
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area.cfm?id_area=126
Evolução histórica da saúde no Brasil
1809 a Regência estabelece uma cadeira de Anatomia no
Hospital Real Militar da Corte.
Em 1816, é grande o número de boticas ou farmácias que
vendem drogas.
Pela lei de 9 de setembro de 1826, são criados os títulos de
cirurgião e cirurgião formado, concebidos pelos cursos das
Escolas de Cirurgia do Rio de Janeiro e da Bahia, sob o modelo
de Paris.
Os Jesuítas foram os primeiros boticários no país, manipulando
e aviando drogas e medicamentos nos colégios que integram a
Companhia de Jesus.
A Santa Casa, o Hospital dos Lázaros e pequenos centros
hospitalares são os únicos recursos de que dispõe, por muito
tempo. A população.
Maria Josephina Mathilde Durecher, foi a primeira parteira
diplomada pela Escola de Medicina do Rio de Janeiro.
Para os cemitérios iam os escravos, a gente de cor, os pagãos e
os protestantes. Os fidalgos e a gente senhoril eram sepultados
nas igrejas.
http://www.scielo.br
A varíola assolou a cidade em 1820.Posteriormente ( 1825,
1828, 1834, 1836 ), outras enfermidades de caráter epidêmico
varrem a cidade.
A escarlatina fez numerosas vítimas em 1837, em 1842-1843 e
voltaria ainda em 1849.
A iluminação, o policiamento, a saúde pública e o serviço de
limpeza das ruas são fustigadas na redação dos jornais.
Em 1851 houve um surto epidêmico de febre amarela causando
dez óbitos por dia.
Em 1877, o Dr. José Rodrigues dos Santos enviou à Câmara
Municipal do Rio de Janeiro uma solicitação bem-
argumentada, para a criação de uma maternidade.
1880 a Câmara se pronunciou, instituindo a Maternidade
Municipal de Santa Isabel que teve que funcionar por dois anos
na Casa de Saúde Nossa Senhora da Ajuda.
Referencias Bibliográficas
ZANCHI, T.M.; ZUGNO, L. P. Sociologia da Saúde. Caxias
do Sul, RS: Educs, 2008.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Oswaldo_Cruz
http://pt.wikipedia.org/wiki/Minist%C3%A9rio_da_Sa
%C3%BAde_(Brasil)
www.apropucsp.org.br/revista/r22_r04.htm
www.thisischile.cl/Articles.aspx?
www.scielosp.org/?lng=pt
www.marxist.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado Remoto
Saúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado RemotoSaúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado Remoto
Saúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado Remoto
Eduardo Jorge Sant'Ana Honorato
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Politicas publicas de saúde
Politicas publicas de saúdePoliticas publicas de saúde
Politicas publicas de saúde
Rômulo Augusto
 
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasilAula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Guilherme Araújo
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
História da saúde no brasil parte 1
História da saúde no brasil  parte 1História da saúde no brasil  parte 1
História da saúde no brasil parte 1
Polyanne Aparecida Alves Moita
 
Aula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e SociedadeAula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e Sociedade
Ghiordanno Bruno
 
Saúde pública – históricos e conceitos
Saúde pública – históricos e conceitosSaúde pública – históricos e conceitos
Saúde pública – históricos e conceitos
Victor Said
 
Saúde pública no período militar
Saúde pública no período militarSaúde pública no período militar
Saúde pública no período militar
Thamires Marinho
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
FernandaTavares93
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
Victor Said
 
Resumo Legislação da Saúde p/ Concurso
Resumo Legislação da Saúde p/ ConcursoResumo Legislação da Saúde p/ Concurso
Resumo Legislação da Saúde p/ Concurso
Estratégia Concursos
 
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
profsempre
 
HistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlicaHistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlica
guestb6c126
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Centro Universitário Ages
 
Medicalização na infância
Medicalização na infância Medicalização na infância
Medicalização na infância
CENAT Cursos
 

Mais procurados (17)

Saúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado Remoto
Saúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado RemotoSaúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado Remoto
Saúde Coletiva: Uma História Recente de um Passado Remoto
 
História da Medicina no Brasil
História da Medicina no BrasilHistória da Medicina no Brasil
História da Medicina no Brasil
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
Politicas publicas de saúde
Politicas publicas de saúdePoliticas publicas de saúde
Politicas publicas de saúde
 
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasilAula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
Aula 2 -_histria_da_sade_pblica_no_brasil
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
História da saúde no brasil parte 1
História da saúde no brasil  parte 1História da saúde no brasil  parte 1
História da saúde no brasil parte 1
 
Aula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e SociedadeAula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e Sociedade
 
Saúde pública – históricos e conceitos
Saúde pública – históricos e conceitosSaúde pública – históricos e conceitos
Saúde pública – históricos e conceitos
 
Saúde pública no período militar
Saúde pública no período militarSaúde pública no período militar
Saúde pública no período militar
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Resumo Legislação da Saúde p/ Concurso
Resumo Legislação da Saúde p/ ConcursoResumo Legislação da Saúde p/ Concurso
Resumo Legislação da Saúde p/ Concurso
 
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
 
HistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlicaHistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlica
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
 
Medicalização na infância
Medicalização na infância Medicalização na infância
Medicalização na infância
 

Semelhante a Saúde pública

Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Slide da apresentação
Slide da apresentaçãoSlide da apresentação
Slide da apresentação
FernandaTavares93
 
Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2
ANDRESSA-LOPES
 
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
ANDRESSA-LOPES
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Feernascimento
 
1ª história da saúde pública
1ª   história da saúde pública1ª   história da saúde pública
1ª história da saúde pública
Hamilton Reis Reis
 
AULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfAULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdf
JOSILENEOLIVEIRA24
 
20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf
20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf
20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf
ThiagoOliveira848024
 
SC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptx
SC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptxSC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptx
SC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptx
ssuser435ecb
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
klenio2
 
Eixo temático - Saúde
Eixo temático - SaúdeEixo temático - Saúde
Eixo temático - Saúde
AnaAugustaLagesZuqui
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
Leticia Passos
 
Educação em saúde
Educação em saúdeEducação em saúde
Educação em saúde
César Augusto Paro
 
Homero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popularHomero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popular
comunidadedepraticas
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Aula ( Histórico da saúde).pptx
Aula ( Histórico da saúde).pptxAula ( Histórico da saúde).pptx
Aula ( Histórico da saúde).pptx
AnaLuciaNunesdeSanta
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Ghiordanno Bruno
 
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptxAula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
NivaldoJnior16
 

Semelhante a Saúde pública (20)

Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Slide da apresentação
Slide da apresentaçãoSlide da apresentação
Slide da apresentação
 
Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2Saúde Pública Grupo 2
Saúde Pública Grupo 2
 
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
 
1ª história da saúde pública
1ª   história da saúde pública1ª   história da saúde pública
1ª história da saúde pública
 
AULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfAULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdf
 
20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf
20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf
20686-89130-1-PB-saúde coletiva.pdf
 
SC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptx
SC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptxSC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptx
SC_2_2022_Traget_Pol_Saude_Seg_Alim_Nut.pptx
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
 
Eixo temático - Saúde
Eixo temático - SaúdeEixo temático - Saúde
Eixo temático - Saúde
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Educação em saúde
Educação em saúdeEducação em saúde
Educação em saúde
 
Homero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popularHomero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popular
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula ( Histórico da saúde).pptx
Aula ( Histórico da saúde).pptxAula ( Histórico da saúde).pptx
Aula ( Histórico da saúde).pptx
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
 
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptxAula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
Aula 01 - Intro à Epidemiologia.pptx
 

Saúde pública

  • 1. Disciplina: Sociologia aplicada à Saúde Farmácia 1° Semestre 2011 Turma: 180151 Alunas:Andressa Lopes Bruna Cristyen Fernanda Martins Fernanda Tavares Kélvia Holanda Larissa Sousa Tamares Santos
  • 2. Saúde Pública A arte e a ciência de prevenir a doença, prolongar a vida, promover a saúde e a eficiência física e mental mediante o esforço organizado da comunidade. Abrangendo o saneamento do meio, o controle das infecções, a educação dos indivíduos nos princípios de higiene pessoal, a organização de serviços médicos e de enfermagem para o diagnóstico precoce e pronto tratamento das doenças e o desenvolvimento de uma estrutura social que assegure a cada indivíduo na sociedade um padrão de vida adequado à manutenção da saúde.
  • 3. Sanitarismo Sanitarismo se preocupa com o melhoramento das condições de vida e de trabalho da população . Sanitarismo é a consevação da Saúde Pública. Sanitarismo Campanhista: As campanhas sanitárias era sua principal estratégia (início do século XX até 1945
  • 4. Sistemas de Saúde A teoria de sistemas feita por Ludwig von Bertalanffy, estuda, de modo interdisciplinar, a organização abstrata de fenômenos, independente de sua formação e configuração presente. Investiga todos os princípios comuns a todas as entidades complexas, e modelos que podem ser utilizados para a sua descrição. E sua difusão e aceitação se generalizam no final da Segunda Guerra Mundial.
  • 5. Modelos de Reformas Sanitárias Modelo Bismarck ou Sistema de Seguridade Social: que se caracterizava como financiamento por cotas obrigatórias; Modelo Semashko ou Sistema Centralizado: se dava por financiamento estatal; Modelo Beveridge ou Sistema Nacional de Saúde caracterizava por um financiamento público por meio de impostos; Modelo Seguro Social caracterizava pela compra dos serviços de saúde por indivíduos.
  • 6. Durante o século XX: Primeira geração viu o crescimento dos sistemas nacionais de saúde e o crescimento de sistemas de seguridade social para nações de renda média. Segunda geração de reformas viu a inicialização da Atenção Primária à Saúde. Terceira geração foi aplicada serviços de alta qualidade, definidos principalmente por critérios de custo-efetividade, para todos, mais do que os cuidados possíveis para toda a população ou cuidados mais simples e básicos para os pobres.
  • 7. A dinâmica dos sistemas de saúdes no mundo Desde seu princípio, a Organização mundial da Saúde (OMS) tem tido presente a importância das repercussões econômicas da má-saúde e da doença, das limitações financeiras que tão amiúde se opõem à prestação ou à obtenção de assistência médica e sanitária adequadas e das dificuldades de avaliação dos benefícios resultantes dessa assistência, em termos monetários ou com relação a outros critérios
  • 8. As reformas sanitárias contemporâneas resultam da crise da política de Estado de Bem-Estar, conhecido como Welfare State. E já não eram capazes de financiar, gerando um déficit público, o que leva à uma crise fiscal do Estado. O resultado é uma preocupação em cortar gastos do Estado-providência, e isso vai incidir no setor da saúde.
  • 9. Dinâmica da saúde e forças expansivas Existe uma íntima relação entre o tipo de cobertura e o financiamento dos serviços.A cobertura em saúde deve dar lugar a tervenções abrangentes a todas as pessoas para ter anscendência social e, assim concebida, resultará de profunda natureza ética. A urbanização tem sido um fator determinante na mudança do perfil e da situação de saúde, especialmente nas grandes cidades.
  • 10. • Intervenção de alguém com conhecimentos e poderes que abrangessem aspectos culturais, religiosos e técnicos; • Preocupação individual e ambiental pelos efeitos das doenças e das mortes se ampliou; • Modelo capitalista: medicina individualista, ignorando a dimensão global,coletiva da sociedade.
  • 11. • Normatização do ensino e profissão médica • Avaliação das epidemias em geral •Ações médicas subordinadas a ações públicas
  • 12. • Inglaterra: controle da saúde do corpo das classes mais pobres, para torná-las mais aptas ao trabalho e menos perigosa as classes mais ricas; • Medicina Assistencial destinada aos pobres,uma medicina administrativa fazendo vacinas e tratando epidemias e uma medicina privada que beneficiava quem tinha recursos para pagar.
  • 13. • Implantação de uma medicina urbana (Revolução de 1789); • Preocupação com a saúde pública (Revolução Francesa); • França: exemplo no fornecimento de água potável, entre outros; • Surgimento da estatística sanitária (Gottfried Achenwall); • Base do atendimento à saúde instituições de caridade; • Revolução Industrial transformou a vida social: Conservação da saúde dos trabalhadores; Início dos atendimentos coletivos;
  • 14. • Alemanha (1883 – Bismarck) Instituída a ”Contribuição dos empregadores para a cobertura da saúde dos trabalhadores”. • Dinamarca (1935) 90% da população estava coberta pelo seguro-saúde; • 1940 a 1950 sistemas de saúde dos países mais ricos;
  • 15. América do Norte Nos Estados Unidos, a medicina americana, na primeira metade do século XIX era profundamente deficiente, a guerra civil contribuiu para o declínio dos grandes centros do sul. O rápido crescimento do país, com a ausência de uma legislação, deu origem a um comercio livre e descontrolado. A primeira organização oficial americana de saúde publica ocorreu em 1850, pó Simule Shatuk, que propôs a organização das juntas locais. A partir de 1910, Abraham Flexner, reformulou o ensino medico no continente, influenciou também a criação de escolas de Saúde Pública que, segundo ele, deveriam:
  • 16. Trabalhar com uma nova ciência, a higiene; Voltar-se para os aspectos mais práticos e administrativos da saúde; Procurar os fatores determinantes da saúde e do bem-estar da população; Dedicar-se ao estudo das doenças mais freqüentes. Na década de 40, como conseqüência de processos esternos e internos ao campo da saúde, articula-se nos Estados Unidos a proposta de implantação de um sistema nacional de saúde.
  • 17. A atenção primária á saúde nos Estados Unidos O conceito de níveis de atenção médica, ou seja, a atenção primária à saúde (APS), como primeiro contato dentro de um sistema de atenção médica. Duas escolas de pensamento surgiram sobre a APS: - a primeira com um paradigma biomédico, com foco em cuidados médicos para o individuo; - a outra tem como paradigma mais amplo, o biopsicossocial. Em 1952 realizou-se em Colorado uma reunião de representantes das principais escolas de medicina norte- americanas.
  • 18. Nos anos 60 geraram um movimento de saúde comunitária, baseado na implantação de centros comunitários de saúde. Entanto os Estados Unidos é a única nação industrializada que ate hoje não dispõe de um sistema de assistência á saúde. Lá os centros de controle e prevenção de doenças desenvolveram o índice chamado Qualidade de Vida Relacionada á saúde, com base nos dados do sistema de Vigilância de fatores de risco comportamentais. Com isso os investigadores concluíram que 86,6% dos americanos adultos consideravam sua saúde boa ou excelente.
  • 19. AMÉRICA LATINA Saúde pública em alguns países da América latina: Chile México Cuba
  • 20. Saúde publica no CHILE Na America latina, o primeiro país a desenvolver cobertura de saúde dos trabalhadores foi o Chile. O país se destaca pela qualidade do seu sistema de saúde e pelas clinicas modernas. Os hospitais privados nas cidades do Chile são de alto nível. O sistema de saúde pública que o pais oferece está entre os melhores da America latina . O Chile é um país sem doenças como a malária, febre amarela ou cólera.
  • 21. Saúde publica com gripe: MÉXICO A evolução da saúde publica mexicana foi gradual. Nos séculos XIX e XX desenvolveu-se paralelamente as mudanças políticas e sociais do país. Na primeira metade do século XIX o cuidado com os doentes dependia parcialmente da caridade religiosa. Depois, institui-se a beneficência publica , consolidada pelo presidente Benito Juarez.
  • 22. A partir da revolução surgiu o principio de assistência publica como obrigação do estado para com a sociedade. Atualmente, a assistência a saúde, e a seguridade social conjugam-se em um conceito de medicina institucional que compreende a investigação, o ensino e os serviços prestados a sociedade. A gripe, ao que tudo indica, originou-se no México, contrariando as expectativas e a história de todas as epidemias anteriores. Devemos lembrar que a saúde pública no México está sendo privatizada e isto teve influência direta no surto de gripe . As máscaras que estão sendo usadas são simples panos sobre boca e nariz e o vírus é muito menor que os furos existentes.
  • 23. Saúde publica em CUBA Aproximadamente em 1959 a expectativa de vida da população cubana era inferior a 60 anos. Com um quadro higiênico sanitário dominado por inferioridades infectocontagiosas e parasitarias, além de uma mortalidade infantil de 60 para cada 1000 nascidos. Com a implantação do Sistema Nacional de Saúde (SNS), fizeram-se patentes princípios básicos que se devem ao caráter social e profundamente humano de nossa revolução. O modelo de saúde cubano transitou por diferentes etapas, segundo as necessidades e o processo de desenvolvimento em cada momento. Na década de 1960, criou-se o Serviço Médico Rural, por ser a população do campo a mais desprotegida na época do triunfo da revolução.
  • 24. A concepção de nosso SNS está baseada nos elementos preventivos, tendo como guardião e principal pilar o médico e a enfermeira da família. De maneira integrada com outros níveis e estruturas do sistema e do resto da sociedade, eles formam um bloco monolítico para preservar a saúde, assim como para alcançar um diagnóstico e o tratamento oportuno em caso de doenças, e um sistema de reabilitação de alcance comunitário para doenças que deixem seqüelas transitórias ou permanentes. DR° LUIS CURBELO AFONSO
  • 25. • 1808 a cidade do Rio de Janeiro passa a ser alvo de atenções sanitárias com a vinda da Corte Real Portuguesa. • 1829, cria-se a Imperial Academia de Medicina e a Junta de Higiene Pública, com inspeções às embarcações suspeitas e com quarentena. • Com a instituição da Republica, em 1889 definiu-se a medicina pública, medicina sanitária, a higiene ou simplesmente saúde pública. • Entre 1890 e 1900, no Rio de Janeiro e nas grandes cidades, ocorreram epidemias de varíola, febre amarela, cólera e peste bubônica, levando o governo a contratar médicos para atuarem em saneamento e fiscalização sanitária.
  • 26. • Foi Oswaldo Cruz que, no inicio do século XX, como diretor do Departamento Nacional de Saúde Pública, iniciou a fiscalização das residências combatendo mosquitos e ratos, organizando campanhas sanitárias em estilo militar, o que provocou a conhecida “Revolta da Vacina” no Rio de Janeiro, quando a população se rebelou contra a obrigatoriedade da vacinação para prevenir a varíola.http://pt.wikipedia.org/wiki/Oswaldo_Cruz
  • 27. O primeiro Ministério com ações na área da saúde foi criado em 1930 (Governo de Getulio Vargas) com o nome de Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Publica. Em 1937 passou a se chamar Ministério da Educação e Saúde. Em 25 de julho de 1953 fica como Ministério da Saúde. http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area.cfm?id_area=126
  • 28. Evolução histórica da saúde no Brasil 1809 a Regência estabelece uma cadeira de Anatomia no Hospital Real Militar da Corte. Em 1816, é grande o número de boticas ou farmácias que vendem drogas. Pela lei de 9 de setembro de 1826, são criados os títulos de cirurgião e cirurgião formado, concebidos pelos cursos das Escolas de Cirurgia do Rio de Janeiro e da Bahia, sob o modelo de Paris. Os Jesuítas foram os primeiros boticários no país, manipulando e aviando drogas e medicamentos nos colégios que integram a Companhia de Jesus.
  • 29. A Santa Casa, o Hospital dos Lázaros e pequenos centros hospitalares são os únicos recursos de que dispõe, por muito tempo. A população. Maria Josephina Mathilde Durecher, foi a primeira parteira diplomada pela Escola de Medicina do Rio de Janeiro. Para os cemitérios iam os escravos, a gente de cor, os pagãos e os protestantes. Os fidalgos e a gente senhoril eram sepultados nas igrejas. http://www.scielo.br
  • 30. A varíola assolou a cidade em 1820.Posteriormente ( 1825, 1828, 1834, 1836 ), outras enfermidades de caráter epidêmico varrem a cidade. A escarlatina fez numerosas vítimas em 1837, em 1842-1843 e voltaria ainda em 1849. A iluminação, o policiamento, a saúde pública e o serviço de limpeza das ruas são fustigadas na redação dos jornais. Em 1851 houve um surto epidêmico de febre amarela causando dez óbitos por dia. Em 1877, o Dr. José Rodrigues dos Santos enviou à Câmara Municipal do Rio de Janeiro uma solicitação bem- argumentada, para a criação de uma maternidade. 1880 a Câmara se pronunciou, instituindo a Maternidade Municipal de Santa Isabel que teve que funcionar por dois anos na Casa de Saúde Nossa Senhora da Ajuda.
  • 31. Referencias Bibliográficas ZANCHI, T.M.; ZUGNO, L. P. Sociologia da Saúde. Caxias do Sul, RS: Educs, 2008. http://pt.wikipedia.org/wiki/Oswaldo_Cruz http://pt.wikipedia.org/wiki/Minist%C3%A9rio_da_Sa %C3%BAde_(Brasil) www.apropucsp.org.br/revista/r22_r04.htm www.thisischile.cl/Articles.aspx? www.scielosp.org/?lng=pt www.marxist.com