SlideShare uma empresa Scribd logo
Roma antica   civilização ocidental
PERÍODOS DA HISTÓRIA ROMANA
753 a.C. 509 a.C.
MONARQUIA
27 a.C.
REPÚBLICA
- 507 a.C. 476 d.C.
IMPÉRIO
INVASÕES
DOS POVOS
GERMÂNICOS
1.000 a.C.
FORMAÇÃO DA SOCIEDADE ROMANA (LATINOS, SABINOS, ETRUSCOS E GREGOS).
Alto Império Baixo ImpérioSéc. I a.C. Séc. III d.C. Séc. V
ROMA
LOCALIZAÇÃO
FORMAÇÃO DE ROMA: MITOLOGIA
Segundo a lenda, o rei de Alba
Longa, Numirtor, havia sido
deposto do trono, pelo seu irmão
Amúlio, que, com medo de futuras
represálias ordenou que os netos
de Numitor (Romulo e Remo)
fossem jogados no rio Tibre. Mas
quis o destino que os meninos
fossem resgatados e amamentados
por uma loba e criados por um
pastor de ovelhas. Quando adultos,
os gêmeos retornaram à Alba
Longa, assassinaram Amúlio e
devolveram o trono ao seu avô, que
os recompensou com uma área de
terras às margens do rio Tibre,
dando início a formação de Roma.
De acordo com a lenda, Roma foi fundada em 753 a.C. por Rômulo
e Remo, que foram amamentados por uma loba.
A sociedade romana foi
formada pela fusão dos
povos:
• Os Latinos – atividades
de agropecuária (donos das
terras);
• Os Sabinos - comércio e
transporte de sal pelo rio;
• Etruscos - venda de
produtos manufaturados;
• Gregos – advindos das
diásporas gregas em busca
de terras férteis.
FORMAÇÃO DA SOCIEDADE ROMANA
(1.000 A.C – 753 A.C.)
DIVISÃO SOCIAL EM ROMA
PATRÍCIOS
ESCRAVOS
Era constituída pelos latinos. Por serem os primeiros a chegar na região eles se tornaram
donos das terras, e como a economia de Roma era agropastoril, eles formaram a classe mais
rica da sociedade. Na qual lhes deu condições para assumir cargos públicos.
Eram constituídas por
pessoas ou famílias
que mantinha uma laço
de aproximação com os
patrícios para
conseguir alguns
privilégios.
Formavam a maioria
da sociedade romana.
A Plebe era composta
basicamente por
pequenos
comerciantes, artesãos
e outros trabalhadores
livres. Possuíam
poucos direitos
políticos.
A princípio foram obtidos por dívidas, mas com a expansão de
Roma passaram a ser adquiridos por meio dos povos vencidos.
OBS. O CASAMENTO ENTRE PATRÍCIOS E PLEBEUS ERAM PROIBIDOS.
CLIENTES
PLEBEUS
PERÍODOS MONÁRQUICO
(753 A.C – 509 A.C.)
CARACTERÍSTICAS
PODER: centralizado;
REPRESENTAÇÃO: divina e
militar;
LENDAS: (Essa fase da
história romana e baseada
em lendas): ROMULO E
REMO (os fundadores de Roma);
O RAPTO DAS SABINAS;
A MORTE DE LUCRÉCIA;
CONTEXTO HISTÓRICO: Insatisfeitos com a presença de um rei etruscos, que
diminuíam seus privilégios, os Patrícios (latinos) se uniram aos plebeus, depuseram
o rei Tarquínio e estabeleceram a República
CARACTERÍSTICAS:
PODER: descentralizado;
REPRESENTAÇÃO: cidadãos;
CONTEXTO HISTÓRICO: Durante o período republicano, o senado Romano ganhou
grande poder político. Os senadores, de origem patrícia, cuidavam das finanças
públicas, da administração e da política externa. Os plebeus, após muitas lutas,
conquistaram o direito de cidadania formando o Tribuno da Plebe.
PERÍODOS REPUBLICANO
(507 A.C – 27 A.C.)
Senado na Roma Antiga Câmara dos senadores no Brasil
MAGISTRADOS DA REPÚBLICA ROMANA
 CONSULADO (poder executivo)
composto por dois cônsules.
 SENADO (poder legislativo) - os
100 senadores (patrícios) eram
escolhidos pelos cônsules;
 ASSEMBLEIA DOS CIDADÃOS
(composta por patrícios) -
elaborava leis que eram
promulgadas pelo Senado.
 DITADURA - convocada pelo
Senado em períodos de crise social
ou política.
 PRETORES - poder judiciário.
 CENSORES - responsáveis pela
classificação da sociedade de
acordo com a renda.
 EDIS - administradores municipais.
 QUESTORES - responsáveis pela
administração dos recursos
financeiros.
Apesar de ajudar os patrícios a assumir o governo os plebeus continuaram
afastados das questões políticas. Para resolver estes problemas eles passaram a
realizar diversas revoltas, isso, forçou os patrícios a criar a Tribuna da Plebe, onde
os plebeus conquistaram alguns direitos.
TRIBUNO DA PLEBE
CONQUISTAS:
 Lei das XII tábuas – primeira lei romana escrita, estabelecia
igualdade jurídica;
 Lei Canuleia – Assegurava o casamento entre patrícios e plebeus;
 Lei Licínia - assegurava o acesso dos plebeus às magistraturas;
 Lei Orgúlnia – permitia o acesso aos plebeus à magistraturas de
sumo pontífice (ou seja, chefe religioso);
 Lei Hortência – dava a plebe o direito de voto (plebiscito).
GUERRAS PÚNICAS
As Guerras Púnicas foram uma sequência de conflitos entre Roma e A cidade de
Cartago pelo domínio comercial sobre o Mar Mediterrâneo. Ao todo foram três
guerras, na qual Roma conseguiu expandir o seu território e aumentar o número
de escravos em suas terras.
IRMÃOS GRACO E A REFORMA AGRÁRIA
EXPANSÃO TERRITORIAL
Aumento dos território dos patrícios.Aumento dos escravos para os patrícios.
Aumento dos cidadãos (Plebeus) desempregados.
No ano de 133 a.C. TIBÉRIO GRACO
propõe que nenhum cidadão tenha mais
de 500 jeiras de terras. Apesar de ter sido
aprovada a medida nunca foi colocada em
prática e Tibério foi assassinado.
No ano de 143 a.C., foi a vez de CAIO
GRACO, irmão de Tibério, a fazer uma
reforma agrária em Roma. Apesar de
conquistar alguns direitos, Caio também
foi assassinado.
Tribuno a Plebe Propõe a Reforma Agrária
E no Brasil, há necessidade de se
fazer uma reforma agrária?
REFORMA AGRÁRIA NO BRASIL
DITADURAS E O PRIMEIRO TRIUNVIRATO
Devido ao descumprimento das leis
criadas pelos irmãos Graco, os plebeus
se rebelam contra os patrícios.
Os Patrícios nomearam um ditador
para resolver o problema com a plebe.
Como os ditadores também não resolveram a
situação das revoltas foi formado um triunvirato.
(Pompeu, Crasso e Júlio César).
DOMÍNIO DOS TRIÚNVIROS
Júlio César, busto no Museu
Arqueológico Nacional de Nápoles
JÚLIO CÉSAR
Com a morte de Crasso (no Império Parta), Pompeu
aumentou seu poder com o apoio do senado, que via
Júlio César como uma ameaça aos seus privilégios.
Sabendo deste acontecimento Júlio César então depôs
Pompeu (49 a.C.) e passou a ser o único governante de
Roma. Como previsto, Júlio César empreendeu
algumas reformas que privilegiava a plebe.
Insatisfeitos, o senadores se reuniram e assassinaram
Júlio César.
REFORMAS JULIANAS:
- Estendeu a cidadania
romana a vários
habitantes do Império;
- Fundou colônias fora da
Itália e distribuiu terras
a veteranos de guerra;
- Reformulou o
calendário.
Assassinato de César, 1865, Karl Theodor von
Piloty, Museu do Estado da Baixa
Saxônia, Hanôver.
INÍCIO DO IMPÉRIO (OU PRINCIPADO)
Com a morte de César
a população voltou a
se rebelar e para
impedir que os
aristocratas
assumissem o governo
os partidários de César
assumiram o governo
formando o Segundo
Triunvirato, que foi
formado por Marcos
Antônio, Lépido e
Otávio (sobrinho de
César).
Domínio de Otávio
Domínio de Marco Antônio
Aliados ou Vassalos de Antônio
Logo surgiram as divergências: Lépido, por ser mais fraco foi deposto por Otávio, que
em seguida enfrentou e venceu Marcos Antônio em 31 a.C. Assim, Otávio, que
agregou a denominação de Augusto, conseguiu unificar Roma Ocidental e Oriental e
centralizar o poder em suas mãos.
IMPÉRIO DE OTÁVIO AUGUSTO
ALTO IMPÉRIO (Séc. I a.C. – séc. III d.C.)
O ALTO IMPÉRIO É MARCADO PELO
INÍCIO DA PAX ROMANA. TEMPO QUE
FOI ORGANIZADA TODA A TRADIÇÃO
CULTURAL QUE FORA ELABORADA NOS
SÉCULOS ANTERIORES.
O ALTO IMPÉRIO FOI GOVERNADO POR
QUATRO DINASTIAS: A JÚLIO-
CLAUDIANA, A DOS FLÁVIOS, A DOS
ANTONINOS E A DOS SEVEROS. FOI
SOBRE AS TRÊS PRIMEIRAS QUE SE
ORGANIZOU O PRINCIPADO OU
IMPÉRIO. DESDE OTÁVIO, O PRIMEIRO
IMPERADOR, O PODER ESTEVE
CENTRALIZADO NAS MÃOS DO
PRÍNCIPE, EMBORA O SENADO SE
OPUSESSE A ESSA CENTRALIZAÇÃO.
Augusto como um magistrado. A cabeça
em mármore da estátua foi feita ca. 30-
20 a.C., enquanto o corpo no século
II. Museu do Louvre.
CONSOLIDAÇÃO DO IMPÉRIO
PARA GARANTIR O PODER CENTRALIZADO EM SUAS MÃOS OTÁVIO
AUGUSTO TOMOU ALGUMAS MEDIAS:
 Reduziu o número de senadores e criou uma nova ordem
senatorial de caráter hereditário;
 Liberou os camponeses da obrigatoriedade do serviço militar;
 Distribuiu terras aos soldados desmobilizados;
 Nomeou funcionários para controlar a arrecadação de impostos
nas províncias;
 Criou a Guarda Pretoriana para sua defesa pessoal;
 Incentivou a criação de um vasto sistema de comunicação e a
urbanização em todas as províncias, as quais foram divididas
em províncias senatoriais e províncias imperiais.
A PAX ROMANA E A POLÍTICA DO PÃO E CIRCO
Para ganhar apoio da Plebe, Otávio promoveu sistematicamente a
realização de grandes espetáculos públicos e a distribuição de trigo
(panem et circenses), dando início ao período que ficou conhecido
como a pax romana.
CORRIDA DE BIGA
LUTA DE GLADIADORES
Este período foi marcado pela crise que culminou com o fim do Império Romano do Ocidente.
BAIXO IMPÉRIO (SÉC. III – SÉC. IV)
CAUSAS
IMPÉRIO
ROMANO
(Extensão máxima)
IMPLANTAÇÃO DO
SISTEMA DE
COLONATO.
P/ resolver o problema
SISTEMA DE COLONATO
Devido a escarces da mão
de obra muitos latifundiários
passaram a arrendar suas
terras a trabalhadores livres
aos quais pagavam o
arrendamento com parte da
produção, tonando-se
presos a terra. Durante o
governo de Constantino (306
à 337 d.C.), ele criou o
SISTEMA DE COLONATO que
incentivou o êxodo urbano e
deu base para a organização
da sociedade feudal.
Como visto, durante o governo de
Constantino houve a tentativa de
solucionar os problemas:
 Resolveu o problema da falta de mão
de obra com o SISTEMA DE COLONATO;
 Diminuiu os conflitos com os cristãos
criando o EDITO DE MILÃO, ao qual
dava liberdade de culto e permitia o
alistamento deste povo no exército;
 Para diminuir os riscos das invasões
barbaras, criou a cidade de
CONSTANTINOPLA, a segunda capital
do Império.
Fragmento de uma estátua monumental de
Constantino, que combinava partes em
mármore com outras em bronze,
representando-o sentado e vestido de
couraça. Erguida na chamada Basílica de
Constantino, em Roma, foi projetada
por Magêncio e completada por Constantino;
atualmente está nos Museus Capitolinos.
CONSTANTINO (306 à 337)
Teodósio foi responsável pela
criação do EDITO DE TESSALÔNICA,
ao qual tornava o cristianismo a
religião oficial de toda a Roma.
TEODÓSIO (378 à 395)
Busto de Teodósio I, localizada na cidade
de Coca, província de Sogóvia ,na Espanha.
DIVISÃO DO IMPÉRIO ROMANO
IMPÉRIO ROMANO DO OCIDENTE IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE
CONSTANTINOPLA
ROMA
Jerusalém
Outros aspectos do Império Romano
RELIGIÃO
GREGOS ROMANO REPRESENTA
Zeus Júpiter Rei de todos os deuses.
Afrodite Vênus Amor.
Ares Marte Guerra.
Hades Plutão Mundo dos mortos e do subterrâneo.
Hera Juno Protetora das mulheres, do casamento e do nascimento.
Poseidon Netuno Mares e oceanos.
Eros Cupido Amor, paixão.
Atena Minerva Deusa da sabedoria.
Héstia Vesta Lar.
Apolo Apolo Luz do Sol, poesia, música, beleza masculina.
Ártemis Diana Caça, castidade, animais selvagens e luz.
Deméter Ceres Colheita, agricultura.
Dionísio Baco Festas, vinho.
Hermes Mercúrio Mensageiro dos deuses, protetor dos comerciantes.
Hefesto Vulcano Metais, metalurgia, fogo, ferreiros.
Cronos Saturno Tempo.
Gaia Telo Planeta Terra.
Dionísio Baco Deus da luxúria e do vinho.
Ouranos Urano Deus do Universo.
ARQUITETURA
A arquitetura romana,
sofreu grande influência da
cultura grega (colunas).
Dos etruscos, os romanos
herdaram a solidez das
construções. Houve
também a introdução dos
arcos e das abobadas nas
construções.
Os romanos foram os primeiros a estabelecer uma
distinção entre propriedade pública e privada e, por
extensão, entre as relações cidadão/Estado (conquista do
título de cidadão) e de cidadãos entre si (aproximação dos
direitos entre patrícios e plebeus).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roma
RomaRoma
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
04. aula de história geral - roma antiga
04. aula de história geral - roma antiga04. aula de história geral - roma antiga
04. aula de história geral - roma antiga
Darlan Campos
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
01 história rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 2015
01 história   rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 201501 história   rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 2015
01 história rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 2015
Rafael Noronha
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
Lucio Oliveira
 
Sociedade romana
Sociedade romanaSociedade romana
Sociedade romana
Jorgelgl
 
História Brasil - Segundo Reinado (completo)
História Brasil - Segundo Reinado (completo)História Brasil - Segundo Reinado (completo)
História Brasil - Segundo Reinado (completo)
isameucci
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
Fatima Freitas
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
Fábio Paiva
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
Edenilson Morais
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
Diego Bian Filo Moreira
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
Eduard Henry
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Viviane Jordão Moro
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Roma
RomaRoma
Roma
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
04. aula de história geral - roma antiga
04. aula de história geral - roma antiga04. aula de história geral - roma antiga
04. aula de história geral - roma antiga
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
01 história rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 2015
01 história   rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 201501 história   rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 2015
01 história rafael - roma antiga - super revisão - 6º ano 2015
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
Sociedade romana
Sociedade romanaSociedade romana
Sociedade romana
 
História Brasil - Segundo Reinado (completo)
História Brasil - Segundo Reinado (completo)História Brasil - Segundo Reinado (completo)
História Brasil - Segundo Reinado (completo)
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 

Destaque

A ocidental roma
A ocidental romaA ocidental roma
A ocidental roma
Jorge Marcos Oliveira
 
Aula 03 roma
Aula 03   romaAula 03   roma
CAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira Menezes
CAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira MenezesCAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira Menezes
CAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira Menezes
Murilo Benevides
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Artur Lara
 
Primera Guerra Mundial
Primera Guerra MundialPrimera Guerra Mundial
Primera Guerra Mundial
Murilo Benevides
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
Murilo Benevides
 
Programando con scrach
Programando con scrachProgramando con scrach
Programando con scrach
Maria Alejandra Muñoz
 
La Civilització Romana
La Civilització RomanaLa Civilització Romana
La Civilització Romana
danicortijo
 
As grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMAAs grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMA
Paulo Rogerio Corrêa
 
Apostila funcao-de-segundo-grau
Apostila funcao-de-segundo-grauApostila funcao-de-segundo-grau
Apostila funcao-de-segundo-grau
Petronio Paniago
 
Funcao do-primeiro-grau 001
Funcao do-primeiro-grau  001Funcao do-primeiro-grau  001
Funcao do-primeiro-grau 001
con_seguir
 
Unisuam tecnologia e formação humana mar 2016
Unisuam   tecnologia e formação humana mar 2016Unisuam   tecnologia e formação humana mar 2016
Unisuam tecnologia e formação humana mar 2016
Ovidio Mota
 
CFP
CFP CFP
La vestimenta en la Antigua Roma
La vestimenta en la Antigua RomaLa vestimenta en la Antigua Roma
La vestimenta en la Antigua Roma
Mercedes Ortiz
 
Função de segundo grau
Função de segundo grauFunção de segundo grau
Função de segundo grau
Marily Benicio
 
Idade média oriental
Idade média orientalIdade média oriental
Idade média oriental
Murilo Benevides
 
Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...
Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...
Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...
Istituto nazionale di statistica
 
Le slides dell'intervento di Sandro Gozi
Le slides dell'intervento di Sandro GoziLe slides dell'intervento di Sandro Gozi
Le slides dell'intervento di Sandro Gozi
Partito democratico
 
Viaggio nella Roma antica - Didattica differenziata
Viaggio nella Roma antica - Didattica differenziataViaggio nella Roma antica - Didattica differenziata
Viaggio nella Roma antica - Didattica differenziata
Iacopo Pappalardo
 
Brunero Liseo, Marco Teodori Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...
Brunero Liseo, Marco Teodori  Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...Brunero Liseo, Marco Teodori  Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...
Brunero Liseo, Marco Teodori Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...
Istituto nazionale di statistica
 

Destaque (20)

A ocidental roma
A ocidental romaA ocidental roma
A ocidental roma
 
Aula 03 roma
Aula 03   romaAula 03   roma
Aula 03 roma
 
CAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira Menezes
CAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira MenezesCAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira Menezes
CAMINHANDO - Rosevaldo Oliveira Menezes
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Primera Guerra Mundial
Primera Guerra MundialPrimera Guerra Mundial
Primera Guerra Mundial
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
 
Programando con scrach
Programando con scrachProgramando con scrach
Programando con scrach
 
La Civilització Romana
La Civilització RomanaLa Civilització Romana
La Civilització Romana
 
As grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMAAs grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMA
 
Apostila funcao-de-segundo-grau
Apostila funcao-de-segundo-grauApostila funcao-de-segundo-grau
Apostila funcao-de-segundo-grau
 
Funcao do-primeiro-grau 001
Funcao do-primeiro-grau  001Funcao do-primeiro-grau  001
Funcao do-primeiro-grau 001
 
Unisuam tecnologia e formação humana mar 2016
Unisuam   tecnologia e formação humana mar 2016Unisuam   tecnologia e formação humana mar 2016
Unisuam tecnologia e formação humana mar 2016
 
CFP
CFP CFP
CFP
 
La vestimenta en la Antigua Roma
La vestimenta en la Antigua RomaLa vestimenta en la Antigua Roma
La vestimenta en la Antigua Roma
 
Função de segundo grau
Função de segundo grauFunção de segundo grau
Função de segundo grau
 
Idade média oriental
Idade média orientalIdade média oriental
Idade média oriental
 
Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...
Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...
Lavoro e impresa al di là della frontiera: dati e analisi sul Ticino nel cont...
 
Le slides dell'intervento di Sandro Gozi
Le slides dell'intervento di Sandro GoziLe slides dell'intervento di Sandro Gozi
Le slides dell'intervento di Sandro Gozi
 
Viaggio nella Roma antica - Didattica differenziata
Viaggio nella Roma antica - Didattica differenziataViaggio nella Roma antica - Didattica differenziata
Viaggio nella Roma antica - Didattica differenziata
 
Brunero Liseo, Marco Teodori Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...
Brunero Liseo, Marco Teodori  Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...Brunero Liseo, Marco Teodori  Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...
Brunero Liseo, Marco Teodori Dove vive la povertà. Una rivisitazione multidi...
 

Semelhante a Roma antica civilização ocidental

Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01
luzia Camilo lopes
 
2 roma
2 roma2 roma
2 roma
profrogerio1
 
ROMA
ROMAROMA
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
maida marciano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marco Silva
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
Karoline Sena
 
Roma
RomaRoma
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Diana Figueiredo
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Lú Carvalho
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
Daniel Alves Bronstrup
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
R O M A A N T I G A
R O M A  A N T I G AR O M A  A N T I G A
R O M A A N T I G A
guest991a823b
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 

Semelhante a Roma antica civilização ocidental (20)

Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01Histria p-110515140939-phpapp01
Histria p-110515140939-phpapp01
 
2 roma
2 roma2 roma
2 roma
 
ROMA
ROMAROMA
ROMA
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
R O M A A N T I G A
R O M A  A N T I G AR O M A  A N T I G A
R O M A A N T I G A
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
 

Mais de Murilo Benevides

Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Murilo Benevides
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Murilo Benevides
 
Pré-história
Pré-históriaPré-história
Pré-história
Murilo Benevides
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
Murilo Benevides
 
Independência da américa espanhola
Independência da américa espanholaIndependência da américa espanhola
Independência da américa espanhola
Murilo Benevides
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Murilo Benevides
 
Baixa idade média ocidental
Baixa idade média ocidentalBaixa idade média ocidental
Baixa idade média ocidental
Murilo Benevides
 
Alta idade média ocidental
Alta idade média ocidentalAlta idade média ocidental
Alta idade média ocidental
Murilo Benevides
 
Independência da América Espanhol
Independência da América EspanholIndependência da América Espanhol
Independência da América Espanhol
Murilo Benevides
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Murilo Benevides
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Murilo Benevides
 
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Murilo Benevides
 
Pré-história
Pré-históriaPré-história
Pré-história
Murilo Benevides
 
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da MesopotâmiaPré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
Murilo Benevides
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
Murilo Benevides
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Murilo Benevides
 

Mais de Murilo Benevides (16)

Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Pré-história
Pré-históriaPré-história
Pré-história
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
 
Independência da américa espanhola
Independência da américa espanholaIndependência da américa espanhola
Independência da américa espanhola
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Baixa idade média ocidental
Baixa idade média ocidentalBaixa idade média ocidental
Baixa idade média ocidental
 
Alta idade média ocidental
Alta idade média ocidentalAlta idade média ocidental
Alta idade média ocidental
 
Independência da América Espanhol
Independência da América EspanholIndependência da América Espanhol
Independência da América Espanhol
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
Grécia Antiga (Civilização Ocidental)
 
Pré-história
Pré-históriaPré-história
Pré-história
 
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da MesopotâmiaPré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 

Roma antica civilização ocidental

  • 2. PERÍODOS DA HISTÓRIA ROMANA 753 a.C. 509 a.C. MONARQUIA 27 a.C. REPÚBLICA - 507 a.C. 476 d.C. IMPÉRIO INVASÕES DOS POVOS GERMÂNICOS 1.000 a.C. FORMAÇÃO DA SOCIEDADE ROMANA (LATINOS, SABINOS, ETRUSCOS E GREGOS). Alto Império Baixo ImpérioSéc. I a.C. Séc. III d.C. Séc. V
  • 4. FORMAÇÃO DE ROMA: MITOLOGIA Segundo a lenda, o rei de Alba Longa, Numirtor, havia sido deposto do trono, pelo seu irmão Amúlio, que, com medo de futuras represálias ordenou que os netos de Numitor (Romulo e Remo) fossem jogados no rio Tibre. Mas quis o destino que os meninos fossem resgatados e amamentados por uma loba e criados por um pastor de ovelhas. Quando adultos, os gêmeos retornaram à Alba Longa, assassinaram Amúlio e devolveram o trono ao seu avô, que os recompensou com uma área de terras às margens do rio Tibre, dando início a formação de Roma. De acordo com a lenda, Roma foi fundada em 753 a.C. por Rômulo e Remo, que foram amamentados por uma loba.
  • 5. A sociedade romana foi formada pela fusão dos povos: • Os Latinos – atividades de agropecuária (donos das terras); • Os Sabinos - comércio e transporte de sal pelo rio; • Etruscos - venda de produtos manufaturados; • Gregos – advindos das diásporas gregas em busca de terras férteis. FORMAÇÃO DA SOCIEDADE ROMANA (1.000 A.C – 753 A.C.)
  • 6. DIVISÃO SOCIAL EM ROMA PATRÍCIOS ESCRAVOS Era constituída pelos latinos. Por serem os primeiros a chegar na região eles se tornaram donos das terras, e como a economia de Roma era agropastoril, eles formaram a classe mais rica da sociedade. Na qual lhes deu condições para assumir cargos públicos. Eram constituídas por pessoas ou famílias que mantinha uma laço de aproximação com os patrícios para conseguir alguns privilégios. Formavam a maioria da sociedade romana. A Plebe era composta basicamente por pequenos comerciantes, artesãos e outros trabalhadores livres. Possuíam poucos direitos políticos. A princípio foram obtidos por dívidas, mas com a expansão de Roma passaram a ser adquiridos por meio dos povos vencidos. OBS. O CASAMENTO ENTRE PATRÍCIOS E PLEBEUS ERAM PROIBIDOS. CLIENTES PLEBEUS
  • 7. PERÍODOS MONÁRQUICO (753 A.C – 509 A.C.) CARACTERÍSTICAS PODER: centralizado; REPRESENTAÇÃO: divina e militar; LENDAS: (Essa fase da história romana e baseada em lendas): ROMULO E REMO (os fundadores de Roma); O RAPTO DAS SABINAS; A MORTE DE LUCRÉCIA; CONTEXTO HISTÓRICO: Insatisfeitos com a presença de um rei etruscos, que diminuíam seus privilégios, os Patrícios (latinos) se uniram aos plebeus, depuseram o rei Tarquínio e estabeleceram a República
  • 8. CARACTERÍSTICAS: PODER: descentralizado; REPRESENTAÇÃO: cidadãos; CONTEXTO HISTÓRICO: Durante o período republicano, o senado Romano ganhou grande poder político. Os senadores, de origem patrícia, cuidavam das finanças públicas, da administração e da política externa. Os plebeus, após muitas lutas, conquistaram o direito de cidadania formando o Tribuno da Plebe. PERÍODOS REPUBLICANO (507 A.C – 27 A.C.) Senado na Roma Antiga Câmara dos senadores no Brasil
  • 9. MAGISTRADOS DA REPÚBLICA ROMANA  CONSULADO (poder executivo) composto por dois cônsules.  SENADO (poder legislativo) - os 100 senadores (patrícios) eram escolhidos pelos cônsules;  ASSEMBLEIA DOS CIDADÃOS (composta por patrícios) - elaborava leis que eram promulgadas pelo Senado.  DITADURA - convocada pelo Senado em períodos de crise social ou política.  PRETORES - poder judiciário.  CENSORES - responsáveis pela classificação da sociedade de acordo com a renda.  EDIS - administradores municipais.  QUESTORES - responsáveis pela administração dos recursos financeiros.
  • 10. Apesar de ajudar os patrícios a assumir o governo os plebeus continuaram afastados das questões políticas. Para resolver estes problemas eles passaram a realizar diversas revoltas, isso, forçou os patrícios a criar a Tribuna da Plebe, onde os plebeus conquistaram alguns direitos. TRIBUNO DA PLEBE CONQUISTAS:  Lei das XII tábuas – primeira lei romana escrita, estabelecia igualdade jurídica;  Lei Canuleia – Assegurava o casamento entre patrícios e plebeus;  Lei Licínia - assegurava o acesso dos plebeus às magistraturas;  Lei Orgúlnia – permitia o acesso aos plebeus à magistraturas de sumo pontífice (ou seja, chefe religioso);  Lei Hortência – dava a plebe o direito de voto (plebiscito).
  • 11. GUERRAS PÚNICAS As Guerras Púnicas foram uma sequência de conflitos entre Roma e A cidade de Cartago pelo domínio comercial sobre o Mar Mediterrâneo. Ao todo foram três guerras, na qual Roma conseguiu expandir o seu território e aumentar o número de escravos em suas terras.
  • 12. IRMÃOS GRACO E A REFORMA AGRÁRIA EXPANSÃO TERRITORIAL Aumento dos território dos patrícios.Aumento dos escravos para os patrícios. Aumento dos cidadãos (Plebeus) desempregados. No ano de 133 a.C. TIBÉRIO GRACO propõe que nenhum cidadão tenha mais de 500 jeiras de terras. Apesar de ter sido aprovada a medida nunca foi colocada em prática e Tibério foi assassinado. No ano de 143 a.C., foi a vez de CAIO GRACO, irmão de Tibério, a fazer uma reforma agrária em Roma. Apesar de conquistar alguns direitos, Caio também foi assassinado. Tribuno a Plebe Propõe a Reforma Agrária
  • 13. E no Brasil, há necessidade de se fazer uma reforma agrária?
  • 15. DITADURAS E O PRIMEIRO TRIUNVIRATO Devido ao descumprimento das leis criadas pelos irmãos Graco, os plebeus se rebelam contra os patrícios. Os Patrícios nomearam um ditador para resolver o problema com a plebe. Como os ditadores também não resolveram a situação das revoltas foi formado um triunvirato. (Pompeu, Crasso e Júlio César). DOMÍNIO DOS TRIÚNVIROS
  • 16. Júlio César, busto no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles JÚLIO CÉSAR Com a morte de Crasso (no Império Parta), Pompeu aumentou seu poder com o apoio do senado, que via Júlio César como uma ameaça aos seus privilégios. Sabendo deste acontecimento Júlio César então depôs Pompeu (49 a.C.) e passou a ser o único governante de Roma. Como previsto, Júlio César empreendeu algumas reformas que privilegiava a plebe. Insatisfeitos, o senadores se reuniram e assassinaram Júlio César. REFORMAS JULIANAS: - Estendeu a cidadania romana a vários habitantes do Império; - Fundou colônias fora da Itália e distribuiu terras a veteranos de guerra; - Reformulou o calendário. Assassinato de César, 1865, Karl Theodor von Piloty, Museu do Estado da Baixa Saxônia, Hanôver.
  • 17. INÍCIO DO IMPÉRIO (OU PRINCIPADO) Com a morte de César a população voltou a se rebelar e para impedir que os aristocratas assumissem o governo os partidários de César assumiram o governo formando o Segundo Triunvirato, que foi formado por Marcos Antônio, Lépido e Otávio (sobrinho de César). Domínio de Otávio Domínio de Marco Antônio Aliados ou Vassalos de Antônio Logo surgiram as divergências: Lépido, por ser mais fraco foi deposto por Otávio, que em seguida enfrentou e venceu Marcos Antônio em 31 a.C. Assim, Otávio, que agregou a denominação de Augusto, conseguiu unificar Roma Ocidental e Oriental e centralizar o poder em suas mãos. IMPÉRIO DE OTÁVIO AUGUSTO
  • 18. ALTO IMPÉRIO (Séc. I a.C. – séc. III d.C.) O ALTO IMPÉRIO É MARCADO PELO INÍCIO DA PAX ROMANA. TEMPO QUE FOI ORGANIZADA TODA A TRADIÇÃO CULTURAL QUE FORA ELABORADA NOS SÉCULOS ANTERIORES. O ALTO IMPÉRIO FOI GOVERNADO POR QUATRO DINASTIAS: A JÚLIO- CLAUDIANA, A DOS FLÁVIOS, A DOS ANTONINOS E A DOS SEVEROS. FOI SOBRE AS TRÊS PRIMEIRAS QUE SE ORGANIZOU O PRINCIPADO OU IMPÉRIO. DESDE OTÁVIO, O PRIMEIRO IMPERADOR, O PODER ESTEVE CENTRALIZADO NAS MÃOS DO PRÍNCIPE, EMBORA O SENADO SE OPUSESSE A ESSA CENTRALIZAÇÃO. Augusto como um magistrado. A cabeça em mármore da estátua foi feita ca. 30- 20 a.C., enquanto o corpo no século II. Museu do Louvre.
  • 19. CONSOLIDAÇÃO DO IMPÉRIO PARA GARANTIR O PODER CENTRALIZADO EM SUAS MÃOS OTÁVIO AUGUSTO TOMOU ALGUMAS MEDIAS:  Reduziu o número de senadores e criou uma nova ordem senatorial de caráter hereditário;  Liberou os camponeses da obrigatoriedade do serviço militar;  Distribuiu terras aos soldados desmobilizados;  Nomeou funcionários para controlar a arrecadação de impostos nas províncias;  Criou a Guarda Pretoriana para sua defesa pessoal;  Incentivou a criação de um vasto sistema de comunicação e a urbanização em todas as províncias, as quais foram divididas em províncias senatoriais e províncias imperiais.
  • 20. A PAX ROMANA E A POLÍTICA DO PÃO E CIRCO Para ganhar apoio da Plebe, Otávio promoveu sistematicamente a realização de grandes espetáculos públicos e a distribuição de trigo (panem et circenses), dando início ao período que ficou conhecido como a pax romana. CORRIDA DE BIGA LUTA DE GLADIADORES
  • 21. Este período foi marcado pela crise que culminou com o fim do Império Romano do Ocidente. BAIXO IMPÉRIO (SÉC. III – SÉC. IV) CAUSAS IMPÉRIO ROMANO (Extensão máxima) IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE COLONATO. P/ resolver o problema
  • 22. SISTEMA DE COLONATO Devido a escarces da mão de obra muitos latifundiários passaram a arrendar suas terras a trabalhadores livres aos quais pagavam o arrendamento com parte da produção, tonando-se presos a terra. Durante o governo de Constantino (306 à 337 d.C.), ele criou o SISTEMA DE COLONATO que incentivou o êxodo urbano e deu base para a organização da sociedade feudal.
  • 23. Como visto, durante o governo de Constantino houve a tentativa de solucionar os problemas:  Resolveu o problema da falta de mão de obra com o SISTEMA DE COLONATO;  Diminuiu os conflitos com os cristãos criando o EDITO DE MILÃO, ao qual dava liberdade de culto e permitia o alistamento deste povo no exército;  Para diminuir os riscos das invasões barbaras, criou a cidade de CONSTANTINOPLA, a segunda capital do Império. Fragmento de uma estátua monumental de Constantino, que combinava partes em mármore com outras em bronze, representando-o sentado e vestido de couraça. Erguida na chamada Basílica de Constantino, em Roma, foi projetada por Magêncio e completada por Constantino; atualmente está nos Museus Capitolinos. CONSTANTINO (306 à 337)
  • 24. Teodósio foi responsável pela criação do EDITO DE TESSALÔNICA, ao qual tornava o cristianismo a religião oficial de toda a Roma. TEODÓSIO (378 à 395) Busto de Teodósio I, localizada na cidade de Coca, província de Sogóvia ,na Espanha.
  • 25. DIVISÃO DO IMPÉRIO ROMANO IMPÉRIO ROMANO DO OCIDENTE IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE CONSTANTINOPLA ROMA Jerusalém
  • 26. Outros aspectos do Império Romano
  • 27. RELIGIÃO GREGOS ROMANO REPRESENTA Zeus Júpiter Rei de todos os deuses. Afrodite Vênus Amor. Ares Marte Guerra. Hades Plutão Mundo dos mortos e do subterrâneo. Hera Juno Protetora das mulheres, do casamento e do nascimento. Poseidon Netuno Mares e oceanos. Eros Cupido Amor, paixão. Atena Minerva Deusa da sabedoria. Héstia Vesta Lar. Apolo Apolo Luz do Sol, poesia, música, beleza masculina. Ártemis Diana Caça, castidade, animais selvagens e luz. Deméter Ceres Colheita, agricultura. Dionísio Baco Festas, vinho. Hermes Mercúrio Mensageiro dos deuses, protetor dos comerciantes. Hefesto Vulcano Metais, metalurgia, fogo, ferreiros. Cronos Saturno Tempo. Gaia Telo Planeta Terra. Dionísio Baco Deus da luxúria e do vinho. Ouranos Urano Deus do Universo.
  • 28. ARQUITETURA A arquitetura romana, sofreu grande influência da cultura grega (colunas). Dos etruscos, os romanos herdaram a solidez das construções. Houve também a introdução dos arcos e das abobadas nas construções.
  • 29. Os romanos foram os primeiros a estabelecer uma distinção entre propriedade pública e privada e, por extensão, entre as relações cidadão/Estado (conquista do título de cidadão) e de cidadãos entre si (aproximação dos direitos entre patrícios e plebeus).

Notas do Editor

  1. Murilo Benevides