SlideShare uma empresa Scribd logo
Primeira
Revolução Industrial
      História | Prof. Eduardo Miranda | 7ª série
Revolução Industrial Inglesa
As condições inglesas
A   Revolução    Gloriosa    (1688)     derrubou     o
Absolutismo na Inglaterra através da instalação da
monarquia   parlamentarista,   o   que   facilitou   o
processo de industrialização no país.

       Poder da burguesia de influenciar nas
      decisões do governo;
        Disponibilidade de recursos financeiros;
        Mão de obra barata no país.
Do sistema doméstico ao
                 fabril.
Antes das indústrias, a maior parte dos
artigos e produtos era feita de maneira
artesanal;
Não existindo fábricas, tais produtos eram
feitos nos espaços domésticos;
Todo o processo produtivo era controlado
pelas pessoas que nele trabalhavam;
Tudo o que era produzido era vendido;
O dinheiro da venda pagava-se o trabalho
e cobria-se os custos da produção;
Com      a     expansão       do     comércio
impulsionada       pelo      aumento         da
população,     muitas     pessoas   decidiram
investir seus lucros para aumentar a
produção e, assim, podiam ficar mais
                   Do sistema doméstico ao
ricas.                             fabril.
Com o crescimento da produção nasciam
  as primeiras fábricas;
  Os artesãos passaram a trabalhar para os
  empresários no seguinte esquema:
      EMPRESÁRIOS                    ARTESÃOS
Forneciam a matéria-prima     Forneciam a mão de obra


  Essa   forma     de    trabalho   fez   aumentar   as
  diferenças     entre   as   pessoas     no   processo
  produtivo.
                          Do sistema doméstico ao
                                          fabril.
As fábricas multiplicaram-se na Inglaterra
durante o século XVIII;
Nelas, cada trabalhador tinha uma função
específica no processo produtivo (divisão
do trabalho);
Havia   fábricas      de       cerveja,     vidro   e
curtumes,       mas        a      maioria       eram
manufaturas têxteis.
                      Do sistema doméstico ao
                                      fabril.
IMPORTANTE

O sistema fabril cresceu muito na
Inglaterra        ao         ponto
de, rapidamente, os equipamentos
manuais serem substituídos por
máquinas, pois só assim aumentaria
a      agilidade   da     produção
e, consequentemente, os lucros dos
investidores.
Os avanços técnicos.
Um     dos     fatores     que     facilitou     o
desenvolvimento        têxtil    inglês   foi    o
surgimento da indústria do algodão;
Os tecidos de algodão eram exportados
em grandes quantidades, inclusive usado
como       pagamento     por     escravos       nas
colônias
                Indústria do algodão
Outro setor que cresceu muito na época
foi o da mineração e fundição de metais;
A existência de muito carvão no subsolo
inglês   permitia   a   fabricação   do   ferro
fundido;
O ferro era empregado na fabricação de
equipamentos e máquinas, mas também
em pontes.
                              Mineraçã
                                     o
A máquina a vapor foi o mais importante
de todos os inventos da época, tornando-
se símbolo da Revolução Industrial;
Ela (a máquina) produzia energia para as
indústrias;
Começa o processo de automação, isto
é, a substituição do trabalho manual por
máquinas e equipamentos mecânicos.
                          Máquina a
                              vapor
Burgueses
Estes se tornaram os donos dos meios de
produção
(fábricas, indústrias, ferramentas, máquinas), poi
s somente eles tinham condições de manter a
produção e ainda pagar o salário dos
trabalhadores.

        Proletariado (Classe operária)
Era formado pelos trabalhadores assalariados das
fábricas, passando a depender do que lhe era
oferecido, pois não tinham condições de manter
suas fábricas domésticas concorrendo com
grandes indústrias.
                             Burguesia x
                             Proletariado
Nova organização do
                    trabalho.
Os operários possuíam uma rígida disciplina:
 Jornada de trabalho ente 12 e 16 horas;
 Meia hora para o almoço;
 Trabalho noturno (iluminação a gás);
 Não havia descanso semanal, férias ou
 aposentadoria;
 Inexistência de leis trabalhistas.
As tarefas vão se especializando:
Para aumentar a produção, as tarefas
eram     divididas   –    cada   grupo     fazendo
apenas      uma   parte    do    produto    até    a
montagem final;
Capatazes vigiavam os trabalhadores;
Havia muitos acidentes de trabalho e
nenhuma        assistência       garantida        ao
operário.
                          Nova organização do
                                    trabalho.
O uso de equipamentos e máquinas
e a divisão do trabalho (cada operário
com uma tarefa) aumentava a
produção sem a necessidade de
grande número de trabalhadores.
Com isso, o desemprego subia e só
os industriais quem ganhavam.
Crianças e mulheres:
           exploração nas fábricas.
Trabalhavam sob as mesmas condições dos
homens;
Recebiam menores salários;
Crianças   de   4   ou   5 anos   ajudavam     no
sustento da família;
Trabalhavam      nas     minas    de   ferro    e
carvão,         como         vendedores        de
jornais, construções, etc.
REFERÊNCIAS:

Sites:

www.cafehistoria.ning.br
www.novahistorianet.blogspot.com
www.planetaeducacao.com.br

Obras:

CAMPOS, Flávio; MIRANDA, Renan Garcia. A Escrita da História.
São Paulo: Escala Educacional, 2005.
SENISE, Elaine e Maria Helena. História Fundamental 8. São Paulo:
Atual, 2011.
ANEXOS
Sistema de produção artesanal em espaço
                              doméstico
Máquina a vapor.
Locomotiva a vapor.
Jornal de Campinas-SP, sobre a chegada iluminação à gás na
                                                   cidade.
Iluminação à gás.
Crianças operárias.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
Scriba Digital
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
Paulo Alexandre
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
Jornal Ovale
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
Rodrigo Luiz
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Marcos Venicios
 
A economia cafeeira - Segundo Reinando
A economia cafeeira   - Segundo ReinandoA economia cafeeira   - Segundo Reinando
A economia cafeeira - Segundo Reinando
Isaquel Silva
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
Lucas Reis
 
Unificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e AlemãUnificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e Alemã
Marcos Mamute
 
Primavera dos Povos
Primavera dos PovosPrimavera dos Povos
Primavera dos Povos
Raphaelly Fernandes
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Educador Lamarão
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
eiprofessor
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 

Mais procurados (20)

O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A economia cafeeira - Segundo Reinando
A economia cafeeira   - Segundo ReinandoA economia cafeeira   - Segundo Reinando
A economia cafeeira - Segundo Reinando
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
 
Unificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e AlemãUnificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e Alemã
 
Primavera dos Povos
Primavera dos PovosPrimavera dos Povos
Primavera dos Povos
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 

Semelhante a Revolução Industrial Inglesa

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
eduardodemiranda
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Revolução Industrial
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Revolução Industrialwww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Revolução Industrial
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Revolução Industrial
AulasDeHistoriaApoio
 
www.reforcoescolarapoio.com.br - História - Revolução Industrial
www.reforcoescolarapoio.com.br - História -  Revolução Industrialwww.reforcoescolarapoio.com.br - História -  Revolução Industrial
www.reforcoescolarapoio.com.br - História - Revolução Industrial
Carmem Lopes
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
Patrícia Costa Grigório
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptxREVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
seed
 
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaRevolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Gerson Francisco de Moraes
 
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
Vídeo Aulas Apoio
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
Ricardo Diniz campos
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
espacoaberto
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
Kerol Brombal
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
Maria Joao Feio
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
Inês Alexandre
 
Esquema 1: Revolução Industrial
Esquema 1: Revolução IndustrialEsquema 1: Revolução Industrial
Esquema 1: Revolução Industrial
ProfessoresColeguium
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
Raphael Santos Silva
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
artbio
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Valeria Kosicki
 

Semelhante a Revolução Industrial Inglesa (20)

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Revolução Industrial
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Revolução Industrialwww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Revolução Industrial
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Revolução Industrial
 
www.reforcoescolarapoio.com.br - História - Revolução Industrial
www.reforcoescolarapoio.com.br - História -  Revolução Industrialwww.reforcoescolarapoio.com.br - História -  Revolução Industrial
www.reforcoescolarapoio.com.br - História - Revolução Industrial
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptxREVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
 
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaRevolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
 
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aulawww.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
www.CentroApoio.com - História - Revolução Industrial - Vídeo Aula
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
Esquema 1: Revolução Industrial
Esquema 1: Revolução IndustrialEsquema 1: Revolução Industrial
Esquema 1: Revolução Industrial
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 

Mais de eduardodemiranda

Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
eduardodemiranda
 
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
eduardodemiranda
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
eduardodemiranda
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
eduardodemiranda
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
eduardodemiranda
 
Disputas Absolutistas
Disputas AbsolutistasDisputas Absolutistas
Disputas Absolutistas
eduardodemiranda
 
Disputas absolutistas
Disputas absolutistasDisputas absolutistas
Disputas absolutistas
eduardodemiranda
 
Disputas absolutistas
Disputas absolutistasDisputas absolutistas
Disputas absolutistas
eduardodemiranda
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
eduardodemiranda
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
eduardodemiranda
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
eduardodemiranda
 
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo IndustrialO Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
eduardodemiranda
 
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo IndustrialO Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
eduardodemiranda
 
Brasil Regencial
Brasil RegencialBrasil Regencial
Brasil Regencial
eduardodemiranda
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
eduardodemiranda
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
eduardodemiranda
 

Mais de eduardodemiranda (16)

Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
 
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Disputas Absolutistas
Disputas AbsolutistasDisputas Absolutistas
Disputas Absolutistas
 
Disputas absolutistas
Disputas absolutistasDisputas absolutistas
Disputas absolutistas
 
Disputas absolutistas
Disputas absolutistasDisputas absolutistas
Disputas absolutistas
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo IndustrialO Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
 
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo IndustrialO Brasil na Era do Capitalismo Industrial
O Brasil na Era do Capitalismo Industrial
 
Brasil Regencial
Brasil RegencialBrasil Regencial
Brasil Regencial
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 

Revolução Industrial Inglesa

  • 1. Primeira Revolução Industrial História | Prof. Eduardo Miranda | 7ª série
  • 3. As condições inglesas A Revolução Gloriosa (1688) derrubou o Absolutismo na Inglaterra através da instalação da monarquia parlamentarista, o que facilitou o processo de industrialização no país. Poder da burguesia de influenciar nas decisões do governo; Disponibilidade de recursos financeiros; Mão de obra barata no país.
  • 4. Do sistema doméstico ao fabril. Antes das indústrias, a maior parte dos artigos e produtos era feita de maneira artesanal; Não existindo fábricas, tais produtos eram feitos nos espaços domésticos; Todo o processo produtivo era controlado pelas pessoas que nele trabalhavam;
  • 5. Tudo o que era produzido era vendido; O dinheiro da venda pagava-se o trabalho e cobria-se os custos da produção; Com a expansão do comércio impulsionada pelo aumento da população, muitas pessoas decidiram investir seus lucros para aumentar a produção e, assim, podiam ficar mais Do sistema doméstico ao ricas. fabril.
  • 6. Com o crescimento da produção nasciam as primeiras fábricas; Os artesãos passaram a trabalhar para os empresários no seguinte esquema: EMPRESÁRIOS ARTESÃOS Forneciam a matéria-prima Forneciam a mão de obra Essa forma de trabalho fez aumentar as diferenças entre as pessoas no processo produtivo. Do sistema doméstico ao fabril.
  • 7. As fábricas multiplicaram-se na Inglaterra durante o século XVIII; Nelas, cada trabalhador tinha uma função específica no processo produtivo (divisão do trabalho); Havia fábricas de cerveja, vidro e curtumes, mas a maioria eram manufaturas têxteis. Do sistema doméstico ao fabril.
  • 8. IMPORTANTE O sistema fabril cresceu muito na Inglaterra ao ponto de, rapidamente, os equipamentos manuais serem substituídos por máquinas, pois só assim aumentaria a agilidade da produção e, consequentemente, os lucros dos investidores.
  • 9. Os avanços técnicos. Um dos fatores que facilitou o desenvolvimento têxtil inglês foi o surgimento da indústria do algodão; Os tecidos de algodão eram exportados em grandes quantidades, inclusive usado como pagamento por escravos nas colônias Indústria do algodão
  • 10. Outro setor que cresceu muito na época foi o da mineração e fundição de metais; A existência de muito carvão no subsolo inglês permitia a fabricação do ferro fundido; O ferro era empregado na fabricação de equipamentos e máquinas, mas também em pontes. Mineraçã o
  • 11. A máquina a vapor foi o mais importante de todos os inventos da época, tornando- se símbolo da Revolução Industrial; Ela (a máquina) produzia energia para as indústrias; Começa o processo de automação, isto é, a substituição do trabalho manual por máquinas e equipamentos mecânicos. Máquina a vapor
  • 12. Burgueses Estes se tornaram os donos dos meios de produção (fábricas, indústrias, ferramentas, máquinas), poi s somente eles tinham condições de manter a produção e ainda pagar o salário dos trabalhadores. Proletariado (Classe operária) Era formado pelos trabalhadores assalariados das fábricas, passando a depender do que lhe era oferecido, pois não tinham condições de manter suas fábricas domésticas concorrendo com grandes indústrias. Burguesia x Proletariado
  • 13. Nova organização do trabalho. Os operários possuíam uma rígida disciplina: Jornada de trabalho ente 12 e 16 horas; Meia hora para o almoço; Trabalho noturno (iluminação a gás); Não havia descanso semanal, férias ou aposentadoria; Inexistência de leis trabalhistas.
  • 14. As tarefas vão se especializando: Para aumentar a produção, as tarefas eram divididas – cada grupo fazendo apenas uma parte do produto até a montagem final; Capatazes vigiavam os trabalhadores; Havia muitos acidentes de trabalho e nenhuma assistência garantida ao operário. Nova organização do trabalho.
  • 15. O uso de equipamentos e máquinas e a divisão do trabalho (cada operário com uma tarefa) aumentava a produção sem a necessidade de grande número de trabalhadores. Com isso, o desemprego subia e só os industriais quem ganhavam.
  • 16. Crianças e mulheres: exploração nas fábricas. Trabalhavam sob as mesmas condições dos homens; Recebiam menores salários; Crianças de 4 ou 5 anos ajudavam no sustento da família; Trabalhavam nas minas de ferro e carvão, como vendedores de jornais, construções, etc.
  • 17. REFERÊNCIAS: Sites: www.cafehistoria.ning.br www.novahistorianet.blogspot.com www.planetaeducacao.com.br Obras: CAMPOS, Flávio; MIRANDA, Renan Garcia. A Escrita da História. São Paulo: Escala Educacional, 2005. SENISE, Elaine e Maria Helena. História Fundamental 8. São Paulo: Atual, 2011.
  • 19. Sistema de produção artesanal em espaço doméstico
  • 22. Jornal de Campinas-SP, sobre a chegada iluminação à gás na cidade.
  • 25. FIM