SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof° Juliar Luiz Manenti
O Slides que você está usando é para uso
 exclusivamente didático, sem intenção
  comercial e foi organizado para servir
     como referencial teórico sobre a
  REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Os slides
    foram elaborados por Juliar Luiz
   Manenti, Professor da rede pública
estadual de ensino, graduado em História
   pela Unoesc Campus Joaçaba e Pós
   Graduando em História e Geografia
       Ambiental do Sul do Brasil.
O que foi
“Processo de transformações econômicas e
  sociais, caracterizadas pela aceleração do
  processo produtivo e pela consolidação da
  produção capitalista. Tal processo liquidou
  com os resquícios da produção baseada em
  relações      feudais     e      consolidou
  definitivamente o modo de produção
  capitalista.”
                                           Juliar Luiz Manenti
                                    juliarhistoria@gmail.com
EVOLUÇÃO HISTÓRICA:
Artesanato:
Manufatura:
Maquinofatura:
                             Juliar Luiz Manenti
                      juliarhistoria@gmail.com
MANUFATURA
   ARTESANATO                      MAQUINOFATURA




TRABALHO     FERRAMENTAS   DIVISÃO DO   FERRAMENTAS
INDIVIDUAL     MANUAIS     TRABALHO      MECÂNICAS




                                                 Juliar Luiz Manenti
                                          juliarhistoria@gmail.com
PIONEIRISMO INGLÊS:
 Acúmulo de capital;
 Revolução econômica;
 A produção na atingia a demanda mundial;
 Posição geográfica;
 Influência do Ato de Navegação
 Introdução de energia;
 Potencial de matéria prima;
 Êxodo rural; (mão-de-obra barata).

                                                    Juliar Luiz Manenti
                                             juliarhistoria@gmail.com
PRIMEIRAS MÁQUINAS
 1765: Máquina de fiar (James Hargreaves);
 1769: Bastidor hidráulico (Richard);
 Samuel Kroptn juntou ambas e fez a máquina de fiar;
 Arkwrigth 1769 – Torcedura
 Cartwrigth 1784 – Tear mecânico
 James Watt e Thomas Newcomen – maquina a vapor
 Entre 1804 a 1823: locomotivas e barcos
 Telégrafo: Morse 1837
 Telefone: Graham Bell 1875
 Motor a explosão: Rudolf Diesel
 Motor a gasolina: Karl Benz
 Lâmpada elétrica: T. Edison
 Telegrafo sem fio: Marconi
                                                               Juliar Luiz Manenti
                                                        juliarhistoria@gmail.com
Primeira máquina térmica patenteada
 Em 1698, Thomas Savery (1650-1715)




                                             Juliar Luiz Manenti
                                      juliarhistoria@gmail.com
James Watt 1736- 1819




              Denis Pepin , 69 anos antes já havia
Ano de 1769   anunciado o princípio da máquina.
                                                Juliar Luiz Manenti
                                         juliarhistoria@gmail.com
Máquina a vapor




                         Juliar Luiz Manenti
                  juliarhistoria@gmail.com
Novas formas de produzir e se deslocar




 Foi a máquina a vapor que acelerou a revolução industrial ou a revolução
 industrial que acelerou a criação da máquina?
                                                                         Juliar Luiz Manenti
                                                                  juliarhistoria@gmail.com
FASES DA INDUSTRIALIZAÇÃO:
1ª FASE:
  1760/ 1850: Máquina a vapor:
    Máquinas rudimentares;
    Máquinas perigosas;

    Jornadas de 16 a 18 horas diárias;

    Não havia leis trabalhistas;

    Mulheres e crianças recebiam menores
     salários.
                                          Juliar Luiz Manenti
                                   juliarhistoria@gmail.com
2ª FASE:
 Século XIX: Eletricidade
  (petróleo)
   Máquinas   modernas;
   Surgem os sindicatos e leis
    trabalhistas;
   Expansão mundial;
                                     Juliar Luiz Manenti
                              juliarhistoria@gmail.com
3ª FASE:
 Pós Segunda Guerra Mundial:
   Desenvolvimento da robótica e
    informática;
   Surgem as multinacionais;

   Desemprego a larga escala;


                                    Juliar Luiz Manenti
                             juliarhistoria@gmail.com
REFLEXOS:
 POLÍTICOS:
    Fortalecimento dos regimes totalitários;
    Cargos públicos destinados a alta renda;
 SOCIAIS:
    Mudança no conceito burguês;
    Êxodo rural;
    Manifestação de operários.
 ECONOMICOS:
    Fortalecimento do regime capitalista;
    Crises econômicas;
    Novas colônias na Ásia e África;
    Acumulação de capital;
    Divisão internacional de trabalho.

                                                       Juliar Luiz Manenti
                                                juliarhistoria@gmail.com
Impactos do Avanço Industrial: Pontos Positivos e Negativos
 Surgimento do proletariado;
 O crescimento do proletariado ocorreu em condições
  de vida precárias;
 Trabalho infantil;
 Trabalho Feminino;
 Altas jornadas de trabalho;
 Os salários eram extremamente baixos;
 A revolução nos transportes: surgimento da
  locomotiva a vapor; estradas de ferro se multiplicaram
  e desenvolvimento da navegação a vapor.


                                                         Juliar Luiz Manenti
                                                  juliarhistoria@gmail.com
MOVIMENTO OPERÁRIO
 Ludismo (1811 – 1818): movimento de
 trabalhadores que destruíam máquinas.

 Cartismo (1832 – 1848): movimento de
 trabalhadores que redigiam reivindicações
 trabalhistas ao parlamento britânico.
 Obteve alguns benefícios como a redução
 da jornada de trabalho para 10 horas e
 regulamentação do trabalho infantil e
 feminino.
                                        Juliar Luiz Manenti
                                 juliarhistoria@gmail.com
FORMAÇÃO DE GRANDES CONGLOMERADOS ECONÔMICOS:

     HOLDING                 TRUSTE              CARTEL
Empresas financeiras Empresas que absorvem   Empresas de um
    que controlam       seus concorrentes, mesmo ramo que se
complexos industriais     controlando a    associam para evitar
 a partir da posse de   produção, preços e    concorrência,
     suas ações.      dominando o mercado.     dividindo os
                                                mercados.

         A                    A                 A             B
                                                   ACORDO
      CONTROLE             COMPRA
      ACIONÁRIO
                                               D                C
  B      C        D    B      C       D        MONOPÓLIO

                                                           Juliar Luiz Manenti
                                                    juliarhistoria@gmail.com
UMA DAS TEORIAS QUE, DE MODO GERAL
          JUSTIFICAVA A SOCIEDADE CAPITALISTA



                     Liberalismo
                     Econômico




                    Thomas Malthus:
Adam Smith:                              David Ricardo:
                     Ensaio sobre os
A Riqueza das                             Princípios da
                      Princípios da
   Nações                               Economia Política
                       população

                                                       Juliar Luiz Manenti
                                                juliarhistoria@gmail.com
Thomas Robert Malthus
 Ensaio sobre a população (1798):
    “o poder da população é infinitamente maior que o da
     terra para produzir a subsistência do homem”




                                                        Juliar Luiz Manenti
                                                 juliarhistoria@gmail.com
LIBERALISMO:
•Política:    governo   de    caráter
democrático, separação de poderes,
liberdade e dignidade ao cidadão por
meio do Estado;
•Economia: não intervenção estatal;
iniciativa privada;
•Religião: separação da Igreja e do
Estado. Liberdade de culto;
                                     Juliar Luiz Manenti
                              juliarhistoria@gmail.com
CORRENTES POLÍTICAS QUE CRITICAVAM A EXPLORAÇÃO DOS
       TRABALHADORES E AS INJUSTIÇAS SOCIAIS


                      Socialismo
                       Utópico




   Saint-Simon          Owen             Fourrier




                                                Juliar Luiz Manenti
                                         juliarhistoria@gmail.com
CAPITALISMO               DITADURA DO
                         PROLETARIADO
                                             COMUNISMO
                         (SOCIALISMO)
 Propriedade Privada   Propriedade Comunal   Dissolução do Estado
 Exploração            Estado: Coordenador   Liberdade e Igualdade
 Concorrência          Geral                 Cooperação e Amizade

 Egoísmo               Democracia




      TRANSIÇÃO


                                                          Juliar Luiz Manenti
                                                   juliarhistoria@gmail.com
SOCIALISMO CIENTÍFICO: Karl Marx e Friedrich Engels

1. Dialética: a natureza e a sociedade passam por processo permanente de
   transformação.

2. Modo de Produção: toda sociedade possui uma base material representada
   pelas forças econômicas e pelas relações sociais de produção.

3. Lutas de classe: em termos sociais “o motor da história”


ANARQUISMO: Proudhon e Bakunin defende a ausência de governo, de
autoridade.


SOCIAL-CRISTÃO : criticava a exploração capitalista, mais não aceitava as idéias
socialistas. Documento elaborado pela Igreja Católica – Encíclica Rerun Novarun



                                                                        Juliar Luiz Manenti
                                                                 juliarhistoria@gmail.com
Revolução industrial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
Nefer19
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
profbrenoazevedo
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
Professor de História
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Aula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e EgitoAula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e Egito
Emerson Mathias
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
Janayna Lira
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
MyMariane
 

Mais procurados (20)

3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Aula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e EgitoAula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e Egito
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
 

Destaque

Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
A 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialA 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução Industrial
João Machado
 
Quem é o empreendedor
Quem é o empreendedorQuem é o empreendedor
Quem é o empreendedor
Victor Melo
 
República velha ou
República velha ouRepública velha ou
República velha ou
Victor Melo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
TrabalhosdeEscola
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
Victor Melo
 
A alta idade media
A alta idade mediaA alta idade media
A alta idade media
ANDREA
 
Revolucao industrial2
Revolucao industrial2Revolucao industrial2
Revolucao industrial2
Katielly Melo
 
O processo de industrialização
O processo de industrializaçãoO processo de industrialização
O processo de industrialização
Rodrigo Baglini
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Joemille Leal
 
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vaporTrabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
leandromuniz
 
Waldo vieira andré luiz - sol nas almas
Waldo vieira   andré luiz - sol nas almasWaldo vieira   andré luiz - sol nas almas
Waldo vieira andré luiz - sol nas almas
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
coisas do cerebro
coisas do cerebro coisas do cerebro
coisas do cerebro
Leandro Guss
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - a luz violeta
( Espiritismo)   # - amag ramgis - a luz violeta( Espiritismo)   # - amag ramgis - a luz violeta
( Espiritismo) # - amag ramgis - a luz violeta
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apontamentos sobre consciência e realidade nacional
Apontamentos sobre consciência e realidade nacionalApontamentos sobre consciência e realidade nacional
Apontamentos sobre consciência e realidade nacional
Geraldo Aguiar
 
Mente e Consciência (Portuguese)
Mente e Consciência (Portuguese)Mente e Consciência (Portuguese)
Mente e Consciência (Portuguese)
Hitoshi Tsuchiyama
 
Cura quântica avançada apostila - apostila - 007
Cura quântica avançada   apostila - apostila - 007Cura quântica avançada   apostila - apostila - 007
Cura quântica avançada apostila - apostila - 007
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues
6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues
6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 

Destaque (20)

Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
 
A 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialA 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução Industrial
 
Quem é o empreendedor
Quem é o empreendedorQuem é o empreendedor
Quem é o empreendedor
 
República velha ou
República velha ouRepública velha ou
República velha ou
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
A alta idade media
A alta idade mediaA alta idade media
A alta idade media
 
Revolucao industrial2
Revolucao industrial2Revolucao industrial2
Revolucao industrial2
 
O processo de industrialização
O processo de industrializaçãoO processo de industrialização
O processo de industrialização
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
Manufatura x maquinofatura/Dica Enem!
 
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vaporTrabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
 
Waldo vieira andré luiz - sol nas almas
Waldo vieira   andré luiz - sol nas almasWaldo vieira   andré luiz - sol nas almas
Waldo vieira andré luiz - sol nas almas
 
coisas do cerebro
coisas do cerebro coisas do cerebro
coisas do cerebro
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - a luz violeta
( Espiritismo)   # - amag ramgis - a luz violeta( Espiritismo)   # - amag ramgis - a luz violeta
( Espiritismo) # - amag ramgis - a luz violeta
 
Apontamentos sobre consciência e realidade nacional
Apontamentos sobre consciência e realidade nacionalApontamentos sobre consciência e realidade nacional
Apontamentos sobre consciência e realidade nacional
 
Mente e Consciência (Portuguese)
Mente e Consciência (Portuguese)Mente e Consciência (Portuguese)
Mente e Consciência (Portuguese)
 
Cura quântica avançada apostila - apostila - 007
Cura quântica avançada   apostila - apostila - 007Cura quântica avançada   apostila - apostila - 007
Cura quântica avançada apostila - apostila - 007
 
6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues
6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues
6632484 reiki-outros-raios-de-cura-pelo-toque-em-portugues
 

Semelhante a Revolução industrial

Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Carlos Glufke
 
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
IlumijsdifixicvhuxchvucxIlumijsdifixicvhuxchvucx
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
joaotavares
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
landipaula
 
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptxIluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
ProfGaby2
 
Doutrinas Sociais
Doutrinas SociaisDoutrinas Sociais
Doutrinas Sociais
Izabella C. S. Guimarães
 
4 o mundo industrializado no século xix
4   o mundo industrializado no século xix4   o mundo industrializado no século xix
4 o mundo industrializado no século xix
sofiasimao
 
Terra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-NeoTerra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-Neo
neocontextual
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
António Luís Catarino
 
17
1717
Aula de sociologia
Aula de sociologia Aula de sociologia
Aula de sociologia
Stephany Buxbaum
 
Ideologias era industrial
Ideologias era industrialIdeologias era industrial
Ideologias era industrial
luizmourao23
 
A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...
A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...
A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...
Instituto Superior de Ciências da Administração
 
Socialismo.pdf
Socialismo.pdfSocialismo.pdf
Socialismo.pdf
RuanAraujo8
 
Revisão de geo
Revisão de geoRevisão de geo
Revisão de geo
edudeoliv
 

Semelhante a Revolução industrial (20)

Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
 
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
IlumijsdifixicvhuxchvucxIlumijsdifixicvhuxchvucx
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
 
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptxIluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
 
Doutrinas Sociais
Doutrinas SociaisDoutrinas Sociais
Doutrinas Sociais
 
4 o mundo industrializado no século xix
4   o mundo industrializado no século xix4   o mundo industrializado no século xix
4 o mundo industrializado no século xix
 
Terra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-NeoTerra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-Neo
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
 
17
1717
17
 
Aula de sociologia
Aula de sociologia Aula de sociologia
Aula de sociologia
 
Ideologias era industrial
Ideologias era industrialIdeologias era industrial
Ideologias era industrial
 
A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...
A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...
A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se ...
 
Socialismo.pdf
Socialismo.pdfSocialismo.pdf
Socialismo.pdf
 
Revisão de geo
Revisão de geoRevisão de geo
Revisão de geo
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Revolução industrial

  • 2. O Slides que você está usando é para uso exclusivamente didático, sem intenção comercial e foi organizado para servir como referencial teórico sobre a REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Os slides foram elaborados por Juliar Luiz Manenti, Professor da rede pública estadual de ensino, graduado em História pela Unoesc Campus Joaçaba e Pós Graduando em História e Geografia Ambiental do Sul do Brasil.
  • 3. O que foi “Processo de transformações econômicas e sociais, caracterizadas pela aceleração do processo produtivo e pela consolidação da produção capitalista. Tal processo liquidou com os resquícios da produção baseada em relações feudais e consolidou definitivamente o modo de produção capitalista.” Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 4. EVOLUÇÃO HISTÓRICA: Artesanato: Manufatura: Maquinofatura: Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 5. MANUFATURA ARTESANATO MAQUINOFATURA TRABALHO FERRAMENTAS DIVISÃO DO FERRAMENTAS INDIVIDUAL MANUAIS TRABALHO MECÂNICAS Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 6. PIONEIRISMO INGLÊS:  Acúmulo de capital;  Revolução econômica;  A produção na atingia a demanda mundial;  Posição geográfica;  Influência do Ato de Navegação  Introdução de energia;  Potencial de matéria prima;  Êxodo rural; (mão-de-obra barata). Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 7. PRIMEIRAS MÁQUINAS  1765: Máquina de fiar (James Hargreaves);  1769: Bastidor hidráulico (Richard);  Samuel Kroptn juntou ambas e fez a máquina de fiar;  Arkwrigth 1769 – Torcedura  Cartwrigth 1784 – Tear mecânico  James Watt e Thomas Newcomen – maquina a vapor  Entre 1804 a 1823: locomotivas e barcos  Telégrafo: Morse 1837  Telefone: Graham Bell 1875  Motor a explosão: Rudolf Diesel  Motor a gasolina: Karl Benz  Lâmpada elétrica: T. Edison  Telegrafo sem fio: Marconi Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 8. Primeira máquina térmica patenteada Em 1698, Thomas Savery (1650-1715) Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 9. James Watt 1736- 1819 Denis Pepin , 69 anos antes já havia Ano de 1769 anunciado o princípio da máquina. Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 10. Máquina a vapor Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 11. Novas formas de produzir e se deslocar Foi a máquina a vapor que acelerou a revolução industrial ou a revolução industrial que acelerou a criação da máquina? Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 12. FASES DA INDUSTRIALIZAÇÃO: 1ª FASE:  1760/ 1850: Máquina a vapor:  Máquinas rudimentares;  Máquinas perigosas;  Jornadas de 16 a 18 horas diárias;  Não havia leis trabalhistas;  Mulheres e crianças recebiam menores salários. Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 13. 2ª FASE: Século XIX: Eletricidade (petróleo)  Máquinas modernas;  Surgem os sindicatos e leis trabalhistas;  Expansão mundial; Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 14. 3ª FASE: Pós Segunda Guerra Mundial:  Desenvolvimento da robótica e informática;  Surgem as multinacionais;  Desemprego a larga escala; Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 15. REFLEXOS:  POLÍTICOS:  Fortalecimento dos regimes totalitários;  Cargos públicos destinados a alta renda;  SOCIAIS:  Mudança no conceito burguês;  Êxodo rural;  Manifestação de operários.  ECONOMICOS:  Fortalecimento do regime capitalista;  Crises econômicas;  Novas colônias na Ásia e África;  Acumulação de capital;  Divisão internacional de trabalho. Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 16. Impactos do Avanço Industrial: Pontos Positivos e Negativos  Surgimento do proletariado;  O crescimento do proletariado ocorreu em condições de vida precárias;  Trabalho infantil;  Trabalho Feminino;  Altas jornadas de trabalho;  Os salários eram extremamente baixos;  A revolução nos transportes: surgimento da locomotiva a vapor; estradas de ferro se multiplicaram e desenvolvimento da navegação a vapor. Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 17. MOVIMENTO OPERÁRIO  Ludismo (1811 – 1818): movimento de trabalhadores que destruíam máquinas.  Cartismo (1832 – 1848): movimento de trabalhadores que redigiam reivindicações trabalhistas ao parlamento britânico. Obteve alguns benefícios como a redução da jornada de trabalho para 10 horas e regulamentação do trabalho infantil e feminino. Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 18. FORMAÇÃO DE GRANDES CONGLOMERADOS ECONÔMICOS: HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras Empresas que absorvem Empresas de um que controlam seus concorrentes, mesmo ramo que se complexos industriais controlando a associam para evitar a partir da posse de produção, preços e concorrência, suas ações. dominando o mercado. dividindo os mercados. A A A B ACORDO CONTROLE COMPRA ACIONÁRIO D C B C D B C D MONOPÓLIO Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 19. UMA DAS TEORIAS QUE, DE MODO GERAL JUSTIFICAVA A SOCIEDADE CAPITALISTA Liberalismo Econômico Thomas Malthus: Adam Smith: David Ricardo: Ensaio sobre os A Riqueza das Princípios da Princípios da Nações Economia Política população Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 20. Thomas Robert Malthus  Ensaio sobre a população (1798):  “o poder da população é infinitamente maior que o da terra para produzir a subsistência do homem” Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 21. LIBERALISMO: •Política: governo de caráter democrático, separação de poderes, liberdade e dignidade ao cidadão por meio do Estado; •Economia: não intervenção estatal; iniciativa privada; •Religião: separação da Igreja e do Estado. Liberdade de culto; Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 22. CORRENTES POLÍTICAS QUE CRITICAVAM A EXPLORAÇÃO DOS TRABALHADORES E AS INJUSTIÇAS SOCIAIS Socialismo Utópico Saint-Simon Owen Fourrier Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 23. CAPITALISMO DITADURA DO PROLETARIADO COMUNISMO (SOCIALISMO) Propriedade Privada Propriedade Comunal Dissolução do Estado Exploração Estado: Coordenador Liberdade e Igualdade Concorrência Geral Cooperação e Amizade Egoísmo Democracia TRANSIÇÃO Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com
  • 24. SOCIALISMO CIENTÍFICO: Karl Marx e Friedrich Engels 1. Dialética: a natureza e a sociedade passam por processo permanente de transformação. 2. Modo de Produção: toda sociedade possui uma base material representada pelas forças econômicas e pelas relações sociais de produção. 3. Lutas de classe: em termos sociais “o motor da história” ANARQUISMO: Proudhon e Bakunin defende a ausência de governo, de autoridade. SOCIAL-CRISTÃO : criticava a exploração capitalista, mais não aceitava as idéias socialistas. Documento elaborado pela Igreja Católica – Encíclica Rerun Novarun Juliar Luiz Manenti juliarhistoria@gmail.com