SlideShare uma empresa Scribd logo
COC SÃO PAULO
Leonel
REVISÃO DE GENÉTICA PARA O VESTIBULAR DA UFS
01. Considerando a genética mendeliana podemos concluir que:
0 0 – gene dominante que tem penetrância completa manifesta o seu efeito em todo os heterozigotos.
1 1 – a expressibilidade de um gene é inversamente proporcional ao fenótipo que ele determina.
2 2 – no monoibridismo dois ou mais pares de genes são considerados simultaneamente.
3 3 – um gene que se manifesta em gerações alternadas é denominado atávico.
4 4 – quando ocorre gemelaridade dizigótica, os gêmeos são filhos da mesma mãe mas não necessa-
riamente do mesmo pai.
02. A Genética moderna considera vários tipos de herança na transmissão das características hereditárias.
A partir dessa informação interprete as questões a seguir.
0 0 – para dois pares de genes a polimeria mostra um número maior de fenótipos do que a proporção
encontrada no diibridismo.
1 1 – a herança ligada ao cromossomo X permite que a mãe determine o sexo dos descendentes.
2 2 – a proporção fenotípica para a epistasia dominante é 12:3:1.
3 3 – no polialelismo uma série de 6 genes, produz 21 genótipos e 6 fenótipos diferentes.
4 4 – a permuta genética ocorre quando a ligação gênica é parcial.
03. Considere a genealogia abaixo para responder as questões a seguir. (modif.)
HEREDOGRAMA
Gêmeos dizigóticos
de sexos diferentes
Gêmeos dizigóticos
do sexo feminino
Gêmeos dizigóticos
do sexo masculino
êmeos monozigóticos
o sexo feminino
Gêmeos monozigóticos
do sexo masculino
1 2
1 2 3 4 5 6
1 2 3 4 5
1 2 3
ı
ıı
ııı
ıν
Representação de uma genealogia (heredograma)
onde aparece uma característica autossômica
recessiva.
0 0 – o indivíduo III - 4 possui o caráter dominante.
1 1 – os gêmeos representados são bivitelinos.
2 2 – o casal II - 5 X II - 6 é heterozigoto.
3 3 - não é possível comprovar que o caráter em questão é recessivo.
4 4 – os símbolos em azul representam os indivíduos recessivos.
04. Uma mulher grávida de gêmeos consulta um geneticista para saber as chances de sexo para os
filhos. O geneticista lhe dá várias opções, porém nem todas estão corretas. Analise corretamente
as informações fornecidas.
0 0 – se forem monozigóticos a chance de serem ambas meninas é maior do que para ambos serem
meninos.
1 1 – para dizigóticos a maior probabilidade é para que um seja menino e o outro menina.
2 2 – se forem monozigóticos serão, obrigatoriamente, do mesmo pai.
3 3 – para dizigóticos de sexos diferentes a probabilidade é 1/4.
4 4 – para dizigóticos de mesmo sexo é 1/2.
05. Uma pessoa acidentada foi hospitalizada com urgência e precisou de transfusão de sangue. Seu tipo
de sangue apresenta duas aglutininas. O banco de sangue do hospital possui os seguintes tipos:
- sangue com aglutinina anti-A
- sangue com aglutinina anti- B
- sangue sem aglutininas
0 0 – o banco de sangue do hospital possui dois tipos de sangue disponíveis para o acidentado.
1 1 – como o acidentado é tipo AB todos os tipos de sangue do hospital podem ser utilizados.
2 2 – se o sangue do acidentado possui os dois tipos de aglutininas ele pode receber sangue do
grupo sangüíneo que não tem aglutininas.
3 3 – para o acidentado todos os grupos sangüíneos estão disponíveis, pois ele é receptor universal.
4 4 – não há sangue disponível no hospital para esse acidentado.
06. Analise a genealogia abaixo e considere que, para o fator Rh, a capacidade de sensibilização ocorre
apenas com indivíduos Rh negativo, e em seguida responda as questões que seguem:
♀ rr X ♂ Rr
Rr rr
0 0 – o sangue da mulher Rh negativo produzirá aglutinina anti-Rr se o primeiro filho nascer Rr.
1 1 – se nascer um segundo filho Rh positivo ele terá eritroblastose fetal.
2 2 – quando nasce uma filha Rr positivo não ocorre eritroblastose fetal, pois esta anomalia é pró-
pria ao sexo masculino.
3 3 – atualmente uma mulher que ficou sensibilizada pode ser desensibilizada por meio de medicação
e o próximo descendente Rh positivo não sofrerá nenhuma conseqüência.
4 4 - para o casal acima a probabilidade de ocorrer eritroblastose fetal se tiverem dois filhos é 1/2.
07. O cruzamento de plantas com sementes amarelas e sementes lisas puras com plantas de sementes
verdes e rugosas produzirá em F2.
0 0 – 1/4 dos descendentes duplo-heterozigotos.
1 1 – 1/4 dos descendentes duplo-homozigotos.
2 2 – 1/2 dos descendentes RRvv.
3 3 – 1/8 da prole será rrvv.
4 4 – 1/16 da prole será RRVV.
08. No cruzamento AaBbCcDd X AABbccDc, onde ocorre dominância entre os genes teremos:
0 0 – 64 combinações diferentes.
1 1 – 16 gametas para o parental tetra-heterozigoto.
2 2 – apenas 8 fenótipos diferentes.
3 3 – 1/9 dos descendentes com fenótipo dominante serão tetrahíbridos.
4 4 – na prole do casal o genótipo aabbccdd não aparece.
09. Analisando o heredograma abaixo, pode-se concluir. (modif.)
0 0 – o símbolo preto é recessivo, pois se encontra em menor número na genealogia.
1 1 - a probabilidade do casal 3 X 4 terem filhos com fenótipo dominante é 100%.
2 2 – o casal 11 X 12 tem 1/6 de probabilidade de produzirem entre os portadores do caráter dominante
uma menina.
3 3 – a chance de obter um menino no cruzamento 8 e 14 é nula.
4 4 – na geração parental o pai é recessivo e a mãe é dominante.
10. Considerando o esquema de transfusão sangüínea responda as questões a seguir.
Cconsi
cC
(modif.)
0 0 – o sangue tipo O é o doador universal, pois não possui aglutinógenos e pode ser doado para
todos os tipos sangüíneos.
1 1 – as hemácias do receptor são aglutinadas quando este recebe aglutinógenos antagônicos.
2 2 – o receptor universal pode receber sangue de todos os doadores pois não possui aglutinógenos.
3 3 – o sangue do tipo A pode receber sangue de A e O.
4 4 – o tipo B recebe sangue de B, AB e O.
11. Observe a genealogia abaixo e responda. (modif.)
0 0 – II-3 é doador universal.
1 1 – II-2 pode receber sangue de B e O.
2 2 – o genótipo de I-1 é Bi.
3 3 – III-2 só pode ser do grupo O.
4 4 – III-4 pode doar sangue com certeza para 5 pessoas da genealogia.
12. Idiotia amaurótica infantil (doença de Tay Sachs) é anomalia recessiva que causa a morte nos primeiros
anos de vida somente quando em homozigose (ii). O gene dominante produz fenótipo normal. Os dedos
das mãos anormalmente curtos (braquifalangia) são devidos a um genótipo heterozigoto para um gene
letal (BL), o homozigoto (BB) é normal e o (LL) é letal causando a morte na infância.
O que produzirá o cruzamento de vários casais, ambos duplo-heterozigotos para as duas características
(IiBL), na faixa de 10 a 20 anos?
0 0 – 3/9 dos descendentes serão normais e 6/9 braquifalângicos.
1 1 – 1/16 dos descendentes nascerão com genótipo iiLL.
2 2 – 1/16 dos descendentes nascerão com genótipo IIBB.
3 3 - 1/4 dos meninos nascerão normais.
4 4 – 1/4 das meninas serão braquifalângicas.
13. Em certa planta, o gene B condiciona fruto branco e o gene A condiciona fruto amarelo, porém o
gene B inibe a manifestação do gene A. O duplo-recessivo determina fruto verde. Estes genes segre-
gam independentemente. Baseado nessas informações responda:
0 0 – trata-se de um caso de epistasia dominante.
1 1 – no cruzamento de duplo-heterozigotos a proporção fenotípica é 12:3:1.
2 2 – se o duplo-recessivo produz fruto verde é porque a epistasia é recessiva.
3 3 – o cruzamento de plantas brancas puras com verdes puras produz apenas indivíduos brancos.
4 4 – não se trata de epistasia, pois os genes se segregam independentemente.
14. Em cães da raça Labrador, a cor da pelagem é condicionada por dois pares de genes com segregação in-
dependente. O gene B determina a produção de pigmento preto e o alelo recessivo b produz pelagem
marrom. A fixação da cor nos pelos depende do gene E, enquanto que o ee determina dourado.
Analise as afirmativas abaixo e responda corretamente. (modif.)
0 0 – um casal marrom heterozigoto produz uma descendência de 3 marrons : 1 dourado.
1 1 – trata-se de epistasia duplo-recessiva, pois bbee são dourados.
2 2 – a proporção epistática é de 9:3:4.
3 3 - o cruzamento de pretos puros sempre produzem pretos.
4 4 – o cruzamento BbEe X BbEe produz uma proporção de 9:3:3:1.
15. Cavalos sem alelos dominantes (aabb) percorrem 1.000 metros em 80 segundos. Cada alelo dominante
no genótipo reduz em 5 segundos o tempo para o cavalo percorrer 1.000 metros. Na genealogia abaixo,
Trovão, Faísca e Prata são igualmente velozes, mas apresentam genótipos diferentes, enquanto que
Darkita e Alvo apresentam o mesmo genótipo. (modif.)
Baseado nas informações fornecidas responda:
0 0 – o genótipo de Darkita é AaBb.
1 1 – Pingo pode ser o mais veloz de todos os animais citados.
2 2 – o mais velos entre todos percorre 1.000 metros em 60 segundos.
3 3 – Alvo e Encantada são, com certeza, igualmente velozes.
4 4 – a probabilidade de Primitiva ser a mais veloz ou a menos veloz entre seus irmãos é 1/2.
16. Quatro pares de genes aditivos são responsáveis pela diferença entre as plantas de milho de 10 a 26 cm
de altura. A planta com 10 cm apresenta o genótipo aabbccdd e a de 26 cm AABBCCDD. A partir destes
dados responda:
aaBB
AAb
b
AAbb
PÉROLAREBOLO
NATA ALVO
TROVÃO
PRATA
aaBB
SILVER
DARKITA FAÍSCA
PINGO ENCANTADAPRIMITIVA
0 0 – a geração F2 apresentará apenas plantas com 18 cm.
1 1 - o cruzamento de duas plantas filhas de plantas puras (AABBCCDD x aabbccdd) pode produzir
plantas de todas as alturas.
2 2 - uma planta com genótipo AAbbCCDd tem 20 cm de altura.
3 3 – trata-se de um caso de polialelismo.
4 4 – cada gene aditivo acrescenta 2 cm à planta.
17. Em alguns casos o efeito de cada gene tem valor diferente. No caso de galinhas Batans e Hamburguesa
os genes que determinam a massa corpórea se expressam da maneira seguinte:
AA = 60% e Aa = 38% de acréscimo na massa corpórea
BB = 30% e Bb = 25%
CC = 15% e Cc = 10%
DD = 8% e dd = 5%
A massa corpórea mínima é expressa pelo genótipo recessivo, aabbccdd, e equivale a 515 g.
Com base nesses dados assinale verdadeiro ou falso os itens seguintes:
0 0 – o cruzamento de um casal tetraíbrido produzirá aves com todos os tipos de fenótipos.
1 1 - a presença do locus AA impede a manifestação do locus BB.
2 2 – aves com genótipo AABbccdd possuem 746,75 g.
3 3 – aves com genótipo AaBbccdd possuem mais massa do que aves com genótipo aaBBCCDD.
4 4 – a herança apresentada é um caso de polimeria.
18. Uma cobaia submetida ao cruzamento teste, produziu a seguinte descendência:
4% AaBb: 4% aabb; 46% Aabb e 46% aaBb. Podemos concluir então:
0 0 – a cobaia submetida ao cruzamento teste é diíbrida.
1 1 - o seu genótipo é cis.
2 2 - os seus gametas são 8% parentais e 92% permutados.
3 3 - pela porcentagem de permuta a distância entre os genes no cromossomo é de 8 UR.
4 4 - seus gametas permutados são (Ab e aB).
19. Cruzando-se indivíduos PpRr X pprr, obtiveram-se os seguintes descendentes:
PpRr = 40%, Pprr = 10%, ppRr + 10% e pprr = 40%.
Esses resultados permitem concluir que:
0 0 - o duplo-heterozigoto cruzado é um trans.
1 1 - a distância entre os genes P e R é de 20 umc ou UR.
2 2 - os gametas parentais são PR = 40% e pr = 40%.
3 3 - trata-se de um caso de ligação total.
4 4 - em F2, o cruzamento de diíbridos produzirá 16% com genótipo PPRR.
20. Se um indivíduo heterozigoto AaBb (trans) é submetido ao test-cross podemos obter.
0 0 – 2 tipos de gametas se o linkage for parcial.
1 1 – para um percentual de permuta de 16%, os gametas parentais terão 84% de ocorrência.
2 2 – para um percentual de permuta de 20%, o gameta AB apresentará 10% do total dos gametas.
3 3 – para o percentual anterior, o gameta Ab terá 10% de ocorrência, pois é um gameta permutado.
4 4 – a distância dos genes no cromossomo depende do percentual de permuta entre eles.
21. Quais as afirmações corretas para a representação do mapa cromossômico, sabendo-se que os genes
considerados apresentam 8% de permutação entre A e B, 6% entre B e C, 26% entre C e D e 12% entre
A e D.
0 0 – a porcentagem de permuta entre A e C é de 14%.
1 1 – B e D distam 18 umc ou UR entre si.
2 2 – os genes extremos são C e D.
3 3 – a distribuição correta é D-A-B-C.
4 4 - os dados são insuficientes para fazer o mapa cromossômico.
22. Considere o heredograma, que representa uma família portadora de um caráter recessivo condicionado
por um gene situado em um dos cromossomos sexuais. (modif.)
0 0 - o parental 1 é portador de tal gene.
1 1 - todas as filhas do casal 1 X 2 são portadoras do gene recessivo em questão.
2 2 - a filha 3 é portadora do gene recessivo citado.
3 3 - as filhas do casal 3 X 4, casando com homens normais, terão 1/4 de probabilidade de
produzir descendentes com o caráter.
4 4 - o único homem afetado é portador do gene recessivo.
23. Em galinhas a plumagem carijó é ligada ao sexo e dominante em relação à preta. Um macho preto é cru-
zado com fêmea carijó e seus filhos (F1) são cruzados entre si. Na geração F2, encontraremos:
0 0 - todos os machos carijós.
1 1 - todas as fêmeas pretas.
2 2 - machos com genótipos (Zp)W e fêmeas (ZP)(Zp).
3 3 - machos heterozigotos e fêmeas hemizigotas.
4 4 - trata-se de um caso de herança limitada ao sexo.
24. O heredograma abaixo representa uma família onde aparecem indivíduos afetados pelo daltonismo.
O daltonismo é uma anomalia que consiste na dificuldade de enxergar algumas cores.
0 0 - o daltonismo é uma anomalia recessiva.
1 1 - a probabilidade para o fenótipo daltônico é maior para homens do que para as mulheres.
2 2 - pais daltônicos sempre possuem filhos daltônicos.
3 3 - a mãe é quem transmite o daltonismo para os filhos do sexo masculino.
4 4 - o casal II X III representa um homem (XD)Y e uma mulher (XD)(Xd).
25. No heredograma abaixo, o indivíduo assinalado em preto é hemofílico e os demais têm coagulação nor-
mal. (modif.)
0 0 - a hemofilia é dominante, portanto o heredograma está incorreto.[
1 1 - se o 1 é hemofílico o 3, 5 e 7 também deveriam ser.
2 2 – a mulher 6 deveria ser hemofílica pois seu pai é.
3 3 – a mulher 6 é heterozigota.
4 4 - o genótipo de 5 é Hh.
26. Uma mulher normal, filha de pai daltônico e hemofílico, casa-se com um homem normal para as duas
características. Se hemofilia e daltonismo são heranças ligadas ao sexo, eles podem gerar:
0 0 - filhos daltônicos e hemofílicos ao mesmo tempo.
1 1 - se nascer um filho daltônico e não hemofílico é porque ocorreu permuta.
2 2 - 25% das filhas terão daltonismo mas não hemofilia.
3 3 - entre os homens 50% deverão ser normais.
4 4 - é um caso de herança ligada ao sexo sem dominância.
27. Associe corretamente, a determinação genética do sexo com os modelos sugeridos.
XO - gafanhotos
XY - homens
ZZ - aves
ZO - faisões
0 0 - nos gafanhotos as fêmeas determinam o sexo da prole.
1 1 - no homem a herança ligada ao sexo é transmitida da mãe para os filhos homens.
2 2 - em machos das aves ocorrem 2n - 1 cromossomos.
3 3 - o faisão possui um cromossomo a menos do que a fêmea.
4 4 - o cromossomo Y do homem é inativo.
28. Observe a genealogia.
F.feminino genótipos F. maculino
calvície AA calvície
normal Aa calvície
normal aa normal
O indivíduo 5 é calvo, os outros são normais.
A
a
Aa
?
Aa
1 2
3
4 5
6
0 0 - a probabilidade de 6 ser calva é 1/6.
1 1 - a calvície é dominante para a mulher e recessiva para o homem.
2 2 - a mulher 4 só pode ser Aa.
3 3 - o homem 5 tem 1/4 de probabilidade de ter um irmão calvo como ele.
4 4 - o casal 1 X 2 não poderá ter filhas calvas.
29. Em abelhas a cor dos olhos pode ser: negra (N), marrom (M), dourada (D) ou branca (B).
A relação de dominância é N > M> D > B.
Uma fêmea de olhos negros, filha de pai de olhos dourados, produz 400 óvulos em que 80% são fecun-
dados. Essa fêmea é cruzada com machos que apresentam os quatro fenótipos citados e todos têm a
mesma chance de fecundação. Com isso podemos esperar:
0 0 - 200 fêmeas com olhos negros e 80 fêmeas com olhos dourados.
1 1 - 40 machos com olhos negros e 40 com olhos dourados.
2 2 - 50% dos descendentes com olhos negros e 50% com olhos dourados.
3 3 - olhos marrons só aparecem entre as fêmeas.
4 4 - olhos brancos não aparecem na geração F1.
30. Sobre mutações cromossômicas podemos afirmar.
0 0 - 44A+XX é uma síndrome de Turner e afeta os heterossomos.
1 1 - na síndrome de Down ocorre um cromossomo a mais no par 21 e o cariótipo é 45A+XX ou XY.
2 2 - as trissomias só ocorrem nos cromossomos sexuais.
3 3 - na síndrome de Klinefelter o indivíduo é do sexo masculino, mas tem corpúsculo de Barr.
4 4 - uma mulher normal e um Klinefelter têm o mesmo número de cromatina sexual.
31. A respeito das mutações, foram apresentadas as cinco afirmações seguintes. (modif.)
0 0 - as mutações podem ocorrer tanto em células somáticas como em células germinativas.
1 1 - as mutações só ocorrem após a formação dos gametas.
2 2 - apenas as mutações que atingem as células germinativas podem ser transmitidas aos
descendentes.
3 3 - as mutações não podem ser espontâneas, mas provocadas pelo homem através der fatores
mutagênicos, tais como agentes químicos e físicos.
4 4 - as mutações são fatores importantes na promoção da variabilidade genética e para a evolução
das espécies.
32. Uma população em equilíbrio de Hary-Weinberg apresenta:
0 0 - evidências de mutações e seleção natural com a conseqüente evolução.
1 1 - a freqüência dos alelos na população é p + q = 1 (100%).
2 2 - a população é fechada e os cruzamentos aleatórios.
3 3 - a expressão matemática do princípio de Hardy-Weinberg é (p + q)² = p² + 2p q + q² .
4 4 - a freqüência dos genótipos na população é p² + 2pq + q² = 1 (100%).
ch h
32. Numa população de coelhos a freqüência dos genes é C = 40%, c = 15%, c = 20% e c = 25%%, daí
podemos afirmar que:
0 0 - a freqüência dos indivíduos aguti é 30%.
1 1 - os albinos serão apenas 10% da população.
2 2 - 14% da população será de himalaias.
3 3 - os chinchilas representam 15,75% da população.
ch
4 4 - a população de Cc é de 12%.
33. A freqüência do gene A (grupo sangüíneo A) = 20% e a do gene B (grupo sangüíneo B) = 25%, então po-
demos concluir.
0 0 - a freqüência do grupo O é 55%.
1 1 - o grupo AB tem maior freqüência do que o A.
2 2 - o grupo B é mais freqüente do que o O.
3 3 - o grupo A representa 26% do total da população.
4 4 - a expressão matemática para esse cálculo é (p+q+r)² = p² + 2pq + 2pr + q² + 2qr + r² .
34. Numa população em equilíbrio em que o gene para daltonismo é 20% , teremos.
0 0 - entre os homens 20% serão daltônicos.
1 1 - na população 2% das mulheres serão daltônicas.
2 2 - a freqüência de heterozigotos na população é 16%.
3 3 - homens normais representam 50% da população.
4 4 - entre as mulheres a freqüência de normais é 64%.
35. O gene para calvície é influenciado pelo sexo, sendo dominante para homens e recessivo para as
mulheres. Numa população em que as mulheres calvas são 4%, teremos:
0 0 - a freqüência do gene para a calvície na população é 0,2.
1 1 - existem mais mulheres calvas do que homens nessa população.
2 2 - entre os homens 64% serão calvos.
3 3 - a probabilidade de um casal heterozigoto produzir um menino que apresentará calvície é 32%.
4 4 - um casal normal pode vir a ter um menino e uma menina calvos.
GABARITO DAS QUESTÕES
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18
0 0 V V F F F V V V F V V V V V V F V V
1 1 F F F V F V V V F F V F V F V V F F
2 2 F V V V F F F V V F V F F V V V F F
3 3 V V F F F V F F V V F F V V F V F V
4 4 V V F V V F V V F F F F F F V V V F
19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35
0 0 V F V F F V F V F V V F V F V V V
1 1 V V F F F V F V V F V V F V F V F
2 2 V V V V F F F F F F F F V V V V V
3 3 F F V F V V F V V F V V F V V F V
4 4 V V F V F V F F F F V V V V V V F

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercícios genética 5
Exercícios genética 5Exercícios genética 5
Exercícios genética 5
Carla Carrasco
 
Alelos multiplos e SISTEMA ABO
Alelos multiplos e SISTEMA ABOAlelos multiplos e SISTEMA ABO
Alelos multiplos e SISTEMA ABO
Rafael Portela
 
Exercícios genética 3
Exercícios genética 3Exercícios genética 3
Exercícios genética 3
Carla Carrasco
 
Genética - Aula 2
Genética - Aula 2Genética - Aula 2
Genética - Aula 2
Paula Oliveira
 
Exercícios genética 6
Exercícios genética 6Exercícios genética 6
Exercícios genética 6
Carla Carrasco
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Ionara Urrutia Moura
 
3S_ Lista maio 2014respondida
3S_ Lista maio 2014respondida 3S_ Lista maio 2014respondida
3S_ Lista maio 2014respondida
Ionara Urrutia Moura
 
Genética exercícios 2
Genética exercícios 2Genética exercícios 2
Genética exercícios 2
Carla Carrasco
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 
Exercícios de genética 3º
Exercícios de genética 3ºExercícios de genética 3º
Exercícios de genética 3º
Education Nationale
 
Lista exercicios genética maio_respondida
Lista  exercicios  genética maio_respondidaLista  exercicios  genética maio_respondida
Lista exercicios genética maio_respondida
Ionara Urrutia Moura
 
Lista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas finalLista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas final
Ionara Urrutia Moura
 
Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)
Chalu Tamura
 
Treinamento genética i
Treinamento genética iTreinamento genética i
Treinamento genética i
emanuel
 
Lista heranca-sexual
Lista heranca-sexualLista heranca-sexual
Lista heranca-sexual
Ionara Urrutia Moura
 
Genética 1º ano Médio
Genética 1º ano MédioGenética 1º ano Médio
Genética 1º ano Médio
Carlos Magno Braga
 
Linkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda lei
Linkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda leiLinkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda lei
Linkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda lei
Fabio Magalhães
 
Genética 2 e-3e
Genética 2 e-3eGenética 2 e-3e
Genética 2 e-3e
César Milani
 

Mais procurados (18)

Exercícios genética 5
Exercícios genética 5Exercícios genética 5
Exercícios genética 5
 
Alelos multiplos e SISTEMA ABO
Alelos multiplos e SISTEMA ABOAlelos multiplos e SISTEMA ABO
Alelos multiplos e SISTEMA ABO
 
Exercícios genética 3
Exercícios genética 3Exercícios genética 3
Exercícios genética 3
 
Genética - Aula 2
Genética - Aula 2Genética - Aula 2
Genética - Aula 2
 
Exercícios genética 6
Exercícios genética 6Exercícios genética 6
Exercícios genética 6
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
 
3S_ Lista maio 2014respondida
3S_ Lista maio 2014respondida 3S_ Lista maio 2014respondida
3S_ Lista maio 2014respondida
 
Genética exercícios 2
Genética exercícios 2Genética exercícios 2
Genética exercícios 2
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
 
Exercícios de genética 3º
Exercícios de genética 3ºExercícios de genética 3º
Exercícios de genética 3º
 
Lista exercicios genética maio_respondida
Lista  exercicios  genética maio_respondidaLista  exercicios  genética maio_respondida
Lista exercicios genética maio_respondida
 
Lista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas finalLista maio2012 sem respostas final
Lista maio2012 sem respostas final
 
Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)
 
Treinamento genética i
Treinamento genética iTreinamento genética i
Treinamento genética i
 
Lista heranca-sexual
Lista heranca-sexualLista heranca-sexual
Lista heranca-sexual
 
Genética 1º ano Médio
Genética 1º ano MédioGenética 1º ano Médio
Genética 1º ano Médio
 
Linkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda lei
Linkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda leiLinkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda lei
Linkage e Mapeamento genético: quando nao se aplica a segunda lei
 
Genética 2 e-3e
Genética 2 e-3eGenética 2 e-3e
Genética 2 e-3e
 

Destaque

Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Fabiano Reis
 
Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.
Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.
Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.
Ionara Urrutia Moura
 
Biologia noções de probabilidade aplicadas à genética
Biologia    noções de probabilidade aplicadas à genéticaBiologia    noções de probabilidade aplicadas à genética
Biologia noções de probabilidade aplicadas à genética
Adrianne Mendonça
 
Genética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesGenética probabilidade slides
Genética probabilidade slides
Fabiano Reis
 
Aula 4 heredogramas
Aula 4 heredogramasAula 4 heredogramas
Aula 4 heredogramas
camaceio
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
lidiahenriques3
 
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. CarvalhoProbabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Lucia Regina M de Carvalho
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
lidiahenriques3
 

Destaque (8)

Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.
Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.
Lista maio 2012 respondida - vários assuntos de genética.
 
Biologia noções de probabilidade aplicadas à genética
Biologia    noções de probabilidade aplicadas à genéticaBiologia    noções de probabilidade aplicadas à genética
Biologia noções de probabilidade aplicadas à genética
 
Genética probabilidade slides
Genética probabilidade slidesGenética probabilidade slides
Genética probabilidade slides
 
Aula 4 heredogramas
Aula 4 heredogramasAula 4 heredogramas
Aula 4 heredogramas
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. CarvalhoProbabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 

Semelhante a Revisão de genética para o vestibular da ufs

Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios  - Genética I - Profo James MartinsLista de exercícios  - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
James Martins
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martinsLista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
James Martins
 
Genetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendel
Genetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendelGenetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendel
Genetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendel
ANA LUCIA FARIAS
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
James Martins
 
Ficha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedadeFicha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedade
joseeira
 
Lista de genética resolvida
Lista  de genética resolvidaLista  de genética resolvida
Lista de genética resolvida
Ionara Urrutia Moura
 
Transmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditáriasTransmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditárias
Catir
 
Lista exercicios genética maio_respondida
Lista  exercicios  genética maio_respondidaLista  exercicios  genética maio_respondida
Lista exercicios genética maio_respondida
Ionara Urrutia Moura
 
Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012
colegioitatiba
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
Mafransinop
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
CotucaAmbiental
 
EXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptx
EXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptxEXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptx
EXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptx
VivianneCavalcanti2
 
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
CotucaAmbiental
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
CotucaAmbiental
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com resposta
Ionara Urrutia Moura
 
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTAPARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
Ionara Urrutia Moura
 
1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico
Sabina Tique
 
3 ta prv _2bim_2012__ imprimir
3 ta prv _2bim_2012__ imprimir3 ta prv _2bim_2012__ imprimir
3 ta prv _2bim_2012__ imprimir
Ionara Urrutia Moura
 
Testes de genética prof. poty
Testes de genética   prof. potyTestes de genética   prof. poty
Testes de genética prof. poty
Poty Ribeiro Tubino
 
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelExercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Carla Carrasco
 

Semelhante a Revisão de genética para o vestibular da ufs (20)

Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios  - Genética I - Profo James MartinsLista de exercícios  - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martinsLista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
 
Genetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendel
Genetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendelGenetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendel
Genetica mecanismos da hereditariedade 1a_lei_mendel
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
 
Ficha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedadeFicha de trabalho hereditariedade
Ficha de trabalho hereditariedade
 
Lista de genética resolvida
Lista  de genética resolvidaLista  de genética resolvida
Lista de genética resolvida
 
Transmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditáriasTransmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditárias
 
Lista exercicios genética maio_respondida
Lista  exercicios  genética maio_respondidaLista  exercicios  genética maio_respondida
Lista exercicios genética maio_respondida
 
Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012Exercícios complementares genética 2012
Exercícios complementares genética 2012
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
 
EXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptx
EXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptxEXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptx
EXERCÍCIO DE GENÉTICA.pptx
 
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com resposta
 
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTAPARA 3S_ LISTA COMPLETA DE  EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
PARA 3S_ LISTA COMPLETA DE EXERCÍCIOS DE GENÉTICA _ COM RESPOSTA
 
1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico
 
3 ta prv _2bim_2012__ imprimir
3 ta prv _2bim_2012__ imprimir3 ta prv _2bim_2012__ imprimir
3 ta prv _2bim_2012__ imprimir
 
Testes de genética prof. poty
Testes de genética   prof. potyTestes de genética   prof. poty
Testes de genética prof. poty
 
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelExercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
 

Mais de Mario Leonel Rodrigues

Fisiologia animal comparada (versão para aula)
Fisiologia animal comparada    (versão para aula)Fisiologia animal comparada    (versão para aula)
Fisiologia animal comparada (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Citologia (versão para aula)
Citologia (versão para aula)Citologia (versão para aula)
Citologia (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Animais cordados (versão para aula)
Animais cordados (versão para aula)Animais cordados (versão para aula)
Animais cordados (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Animais invertebrados (versão para aula)
Animais invertebrados (versão para aula)Animais invertebrados (versão para aula)
Animais invertebrados (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Taxonomia (versão para aula)
Taxonomia  (versão para aula)Taxonomia  (versão para aula)
Taxonomia (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Embriologia (versão para aula)
Embriologia (versão para aula)Embriologia (versão para aula)
Embriologia (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Revisão de genética (versão para aula)
Revisão de genética (versão para aula)Revisão de genética (versão para aula)
Revisão de genética (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 

Mais de Mario Leonel Rodrigues (8)

Fisiologia animal comparada (versão para aula)
Fisiologia animal comparada    (versão para aula)Fisiologia animal comparada    (versão para aula)
Fisiologia animal comparada (versão para aula)
 
Citologia (versão para aula)
Citologia (versão para aula)Citologia (versão para aula)
Citologia (versão para aula)
 
Animais cordados (versão para aula)
Animais cordados (versão para aula)Animais cordados (versão para aula)
Animais cordados (versão para aula)
 
Animais invertebrados (versão para aula)
Animais invertebrados (versão para aula)Animais invertebrados (versão para aula)
Animais invertebrados (versão para aula)
 
Taxonomia (versão para aula)
Taxonomia  (versão para aula)Taxonomia  (versão para aula)
Taxonomia (versão para aula)
 
Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)
 
Embriologia (versão para aula)
Embriologia (versão para aula)Embriologia (versão para aula)
Embriologia (versão para aula)
 
Revisão de genética (versão para aula)
Revisão de genética (versão para aula)Revisão de genética (versão para aula)
Revisão de genética (versão para aula)
 

Revisão de genética para o vestibular da ufs

  • 1. COC SÃO PAULO Leonel REVISÃO DE GENÉTICA PARA O VESTIBULAR DA UFS 01. Considerando a genética mendeliana podemos concluir que: 0 0 – gene dominante que tem penetrância completa manifesta o seu efeito em todo os heterozigotos. 1 1 – a expressibilidade de um gene é inversamente proporcional ao fenótipo que ele determina. 2 2 – no monoibridismo dois ou mais pares de genes são considerados simultaneamente. 3 3 – um gene que se manifesta em gerações alternadas é denominado atávico. 4 4 – quando ocorre gemelaridade dizigótica, os gêmeos são filhos da mesma mãe mas não necessa- riamente do mesmo pai. 02. A Genética moderna considera vários tipos de herança na transmissão das características hereditárias. A partir dessa informação interprete as questões a seguir. 0 0 – para dois pares de genes a polimeria mostra um número maior de fenótipos do que a proporção encontrada no diibridismo. 1 1 – a herança ligada ao cromossomo X permite que a mãe determine o sexo dos descendentes. 2 2 – a proporção fenotípica para a epistasia dominante é 12:3:1. 3 3 – no polialelismo uma série de 6 genes, produz 21 genótipos e 6 fenótipos diferentes. 4 4 – a permuta genética ocorre quando a ligação gênica é parcial. 03. Considere a genealogia abaixo para responder as questões a seguir. (modif.) HEREDOGRAMA Gêmeos dizigóticos de sexos diferentes Gêmeos dizigóticos do sexo feminino Gêmeos dizigóticos do sexo masculino êmeos monozigóticos o sexo feminino Gêmeos monozigóticos do sexo masculino 1 2 1 2 3 4 5 6 1 2 3 4 5 1 2 3 ı ıı ııı ıν Representação de uma genealogia (heredograma) onde aparece uma característica autossômica recessiva. 0 0 – o indivíduo III - 4 possui o caráter dominante. 1 1 – os gêmeos representados são bivitelinos. 2 2 – o casal II - 5 X II - 6 é heterozigoto. 3 3 - não é possível comprovar que o caráter em questão é recessivo. 4 4 – os símbolos em azul representam os indivíduos recessivos.
  • 2. 04. Uma mulher grávida de gêmeos consulta um geneticista para saber as chances de sexo para os filhos. O geneticista lhe dá várias opções, porém nem todas estão corretas. Analise corretamente as informações fornecidas. 0 0 – se forem monozigóticos a chance de serem ambas meninas é maior do que para ambos serem meninos. 1 1 – para dizigóticos a maior probabilidade é para que um seja menino e o outro menina. 2 2 – se forem monozigóticos serão, obrigatoriamente, do mesmo pai. 3 3 – para dizigóticos de sexos diferentes a probabilidade é 1/4. 4 4 – para dizigóticos de mesmo sexo é 1/2. 05. Uma pessoa acidentada foi hospitalizada com urgência e precisou de transfusão de sangue. Seu tipo de sangue apresenta duas aglutininas. O banco de sangue do hospital possui os seguintes tipos: - sangue com aglutinina anti-A - sangue com aglutinina anti- B - sangue sem aglutininas 0 0 – o banco de sangue do hospital possui dois tipos de sangue disponíveis para o acidentado. 1 1 – como o acidentado é tipo AB todos os tipos de sangue do hospital podem ser utilizados. 2 2 – se o sangue do acidentado possui os dois tipos de aglutininas ele pode receber sangue do grupo sangüíneo que não tem aglutininas. 3 3 – para o acidentado todos os grupos sangüíneos estão disponíveis, pois ele é receptor universal. 4 4 – não há sangue disponível no hospital para esse acidentado. 06. Analise a genealogia abaixo e considere que, para o fator Rh, a capacidade de sensibilização ocorre apenas com indivíduos Rh negativo, e em seguida responda as questões que seguem: ♀ rr X ♂ Rr Rr rr 0 0 – o sangue da mulher Rh negativo produzirá aglutinina anti-Rr se o primeiro filho nascer Rr. 1 1 – se nascer um segundo filho Rh positivo ele terá eritroblastose fetal. 2 2 – quando nasce uma filha Rr positivo não ocorre eritroblastose fetal, pois esta anomalia é pró- pria ao sexo masculino. 3 3 – atualmente uma mulher que ficou sensibilizada pode ser desensibilizada por meio de medicação e o próximo descendente Rh positivo não sofrerá nenhuma conseqüência. 4 4 - para o casal acima a probabilidade de ocorrer eritroblastose fetal se tiverem dois filhos é 1/2.
  • 3. 07. O cruzamento de plantas com sementes amarelas e sementes lisas puras com plantas de sementes verdes e rugosas produzirá em F2. 0 0 – 1/4 dos descendentes duplo-heterozigotos. 1 1 – 1/4 dos descendentes duplo-homozigotos. 2 2 – 1/2 dos descendentes RRvv. 3 3 – 1/8 da prole será rrvv. 4 4 – 1/16 da prole será RRVV. 08. No cruzamento AaBbCcDd X AABbccDc, onde ocorre dominância entre os genes teremos: 0 0 – 64 combinações diferentes. 1 1 – 16 gametas para o parental tetra-heterozigoto. 2 2 – apenas 8 fenótipos diferentes. 3 3 – 1/9 dos descendentes com fenótipo dominante serão tetrahíbridos. 4 4 – na prole do casal o genótipo aabbccdd não aparece. 09. Analisando o heredograma abaixo, pode-se concluir. (modif.) 0 0 – o símbolo preto é recessivo, pois se encontra em menor número na genealogia. 1 1 - a probabilidade do casal 3 X 4 terem filhos com fenótipo dominante é 100%. 2 2 – o casal 11 X 12 tem 1/6 de probabilidade de produzirem entre os portadores do caráter dominante uma menina. 3 3 – a chance de obter um menino no cruzamento 8 e 14 é nula. 4 4 – na geração parental o pai é recessivo e a mãe é dominante.
  • 4. 10. Considerando o esquema de transfusão sangüínea responda as questões a seguir. Cconsi cC (modif.) 0 0 – o sangue tipo O é o doador universal, pois não possui aglutinógenos e pode ser doado para todos os tipos sangüíneos. 1 1 – as hemácias do receptor são aglutinadas quando este recebe aglutinógenos antagônicos. 2 2 – o receptor universal pode receber sangue de todos os doadores pois não possui aglutinógenos. 3 3 – o sangue do tipo A pode receber sangue de A e O. 4 4 – o tipo B recebe sangue de B, AB e O. 11. Observe a genealogia abaixo e responda. (modif.) 0 0 – II-3 é doador universal.
  • 5. 1 1 – II-2 pode receber sangue de B e O. 2 2 – o genótipo de I-1 é Bi. 3 3 – III-2 só pode ser do grupo O. 4 4 – III-4 pode doar sangue com certeza para 5 pessoas da genealogia. 12. Idiotia amaurótica infantil (doença de Tay Sachs) é anomalia recessiva que causa a morte nos primeiros anos de vida somente quando em homozigose (ii). O gene dominante produz fenótipo normal. Os dedos das mãos anormalmente curtos (braquifalangia) são devidos a um genótipo heterozigoto para um gene letal (BL), o homozigoto (BB) é normal e o (LL) é letal causando a morte na infância. O que produzirá o cruzamento de vários casais, ambos duplo-heterozigotos para as duas características (IiBL), na faixa de 10 a 20 anos? 0 0 – 3/9 dos descendentes serão normais e 6/9 braquifalângicos. 1 1 – 1/16 dos descendentes nascerão com genótipo iiLL. 2 2 – 1/16 dos descendentes nascerão com genótipo IIBB. 3 3 - 1/4 dos meninos nascerão normais. 4 4 – 1/4 das meninas serão braquifalângicas. 13. Em certa planta, o gene B condiciona fruto branco e o gene A condiciona fruto amarelo, porém o gene B inibe a manifestação do gene A. O duplo-recessivo determina fruto verde. Estes genes segre- gam independentemente. Baseado nessas informações responda: 0 0 – trata-se de um caso de epistasia dominante. 1 1 – no cruzamento de duplo-heterozigotos a proporção fenotípica é 12:3:1. 2 2 – se o duplo-recessivo produz fruto verde é porque a epistasia é recessiva. 3 3 – o cruzamento de plantas brancas puras com verdes puras produz apenas indivíduos brancos. 4 4 – não se trata de epistasia, pois os genes se segregam independentemente. 14. Em cães da raça Labrador, a cor da pelagem é condicionada por dois pares de genes com segregação in- dependente. O gene B determina a produção de pigmento preto e o alelo recessivo b produz pelagem marrom. A fixação da cor nos pelos depende do gene E, enquanto que o ee determina dourado. Analise as afirmativas abaixo e responda corretamente. (modif.)
  • 6. 0 0 – um casal marrom heterozigoto produz uma descendência de 3 marrons : 1 dourado. 1 1 – trata-se de epistasia duplo-recessiva, pois bbee são dourados. 2 2 – a proporção epistática é de 9:3:4. 3 3 - o cruzamento de pretos puros sempre produzem pretos. 4 4 – o cruzamento BbEe X BbEe produz uma proporção de 9:3:3:1. 15. Cavalos sem alelos dominantes (aabb) percorrem 1.000 metros em 80 segundos. Cada alelo dominante no genótipo reduz em 5 segundos o tempo para o cavalo percorrer 1.000 metros. Na genealogia abaixo, Trovão, Faísca e Prata são igualmente velozes, mas apresentam genótipos diferentes, enquanto que Darkita e Alvo apresentam o mesmo genótipo. (modif.) Baseado nas informações fornecidas responda: 0 0 – o genótipo de Darkita é AaBb. 1 1 – Pingo pode ser o mais veloz de todos os animais citados. 2 2 – o mais velos entre todos percorre 1.000 metros em 60 segundos. 3 3 – Alvo e Encantada são, com certeza, igualmente velozes. 4 4 – a probabilidade de Primitiva ser a mais veloz ou a menos veloz entre seus irmãos é 1/2. 16. Quatro pares de genes aditivos são responsáveis pela diferença entre as plantas de milho de 10 a 26 cm de altura. A planta com 10 cm apresenta o genótipo aabbccdd e a de 26 cm AABBCCDD. A partir destes dados responda: aaBB AAb b AAbb PÉROLAREBOLO NATA ALVO TROVÃO PRATA aaBB SILVER DARKITA FAÍSCA PINGO ENCANTADAPRIMITIVA
  • 7. 0 0 – a geração F2 apresentará apenas plantas com 18 cm. 1 1 - o cruzamento de duas plantas filhas de plantas puras (AABBCCDD x aabbccdd) pode produzir plantas de todas as alturas. 2 2 - uma planta com genótipo AAbbCCDd tem 20 cm de altura. 3 3 – trata-se de um caso de polialelismo. 4 4 – cada gene aditivo acrescenta 2 cm à planta. 17. Em alguns casos o efeito de cada gene tem valor diferente. No caso de galinhas Batans e Hamburguesa os genes que determinam a massa corpórea se expressam da maneira seguinte: AA = 60% e Aa = 38% de acréscimo na massa corpórea BB = 30% e Bb = 25% CC = 15% e Cc = 10% DD = 8% e dd = 5% A massa corpórea mínima é expressa pelo genótipo recessivo, aabbccdd, e equivale a 515 g. Com base nesses dados assinale verdadeiro ou falso os itens seguintes: 0 0 – o cruzamento de um casal tetraíbrido produzirá aves com todos os tipos de fenótipos. 1 1 - a presença do locus AA impede a manifestação do locus BB. 2 2 – aves com genótipo AABbccdd possuem 746,75 g. 3 3 – aves com genótipo AaBbccdd possuem mais massa do que aves com genótipo aaBBCCDD. 4 4 – a herança apresentada é um caso de polimeria. 18. Uma cobaia submetida ao cruzamento teste, produziu a seguinte descendência: 4% AaBb: 4% aabb; 46% Aabb e 46% aaBb. Podemos concluir então: 0 0 – a cobaia submetida ao cruzamento teste é diíbrida. 1 1 - o seu genótipo é cis. 2 2 - os seus gametas são 8% parentais e 92% permutados. 3 3 - pela porcentagem de permuta a distância entre os genes no cromossomo é de 8 UR. 4 4 - seus gametas permutados são (Ab e aB). 19. Cruzando-se indivíduos PpRr X pprr, obtiveram-se os seguintes descendentes: PpRr = 40%, Pprr = 10%, ppRr + 10% e pprr = 40%. Esses resultados permitem concluir que: 0 0 - o duplo-heterozigoto cruzado é um trans. 1 1 - a distância entre os genes P e R é de 20 umc ou UR. 2 2 - os gametas parentais são PR = 40% e pr = 40%. 3 3 - trata-se de um caso de ligação total. 4 4 - em F2, o cruzamento de diíbridos produzirá 16% com genótipo PPRR.
  • 8. 20. Se um indivíduo heterozigoto AaBb (trans) é submetido ao test-cross podemos obter. 0 0 – 2 tipos de gametas se o linkage for parcial. 1 1 – para um percentual de permuta de 16%, os gametas parentais terão 84% de ocorrência. 2 2 – para um percentual de permuta de 20%, o gameta AB apresentará 10% do total dos gametas. 3 3 – para o percentual anterior, o gameta Ab terá 10% de ocorrência, pois é um gameta permutado. 4 4 – a distância dos genes no cromossomo depende do percentual de permuta entre eles. 21. Quais as afirmações corretas para a representação do mapa cromossômico, sabendo-se que os genes considerados apresentam 8% de permutação entre A e B, 6% entre B e C, 26% entre C e D e 12% entre A e D. 0 0 – a porcentagem de permuta entre A e C é de 14%. 1 1 – B e D distam 18 umc ou UR entre si. 2 2 – os genes extremos são C e D. 3 3 – a distribuição correta é D-A-B-C. 4 4 - os dados são insuficientes para fazer o mapa cromossômico. 22. Considere o heredograma, que representa uma família portadora de um caráter recessivo condicionado por um gene situado em um dos cromossomos sexuais. (modif.) 0 0 - o parental 1 é portador de tal gene. 1 1 - todas as filhas do casal 1 X 2 são portadoras do gene recessivo em questão. 2 2 - a filha 3 é portadora do gene recessivo citado. 3 3 - as filhas do casal 3 X 4, casando com homens normais, terão 1/4 de probabilidade de produzir descendentes com o caráter. 4 4 - o único homem afetado é portador do gene recessivo. 23. Em galinhas a plumagem carijó é ligada ao sexo e dominante em relação à preta. Um macho preto é cru- zado com fêmea carijó e seus filhos (F1) são cruzados entre si. Na geração F2, encontraremos:
  • 9. 0 0 - todos os machos carijós. 1 1 - todas as fêmeas pretas. 2 2 - machos com genótipos (Zp)W e fêmeas (ZP)(Zp). 3 3 - machos heterozigotos e fêmeas hemizigotas. 4 4 - trata-se de um caso de herança limitada ao sexo. 24. O heredograma abaixo representa uma família onde aparecem indivíduos afetados pelo daltonismo. O daltonismo é uma anomalia que consiste na dificuldade de enxergar algumas cores. 0 0 - o daltonismo é uma anomalia recessiva. 1 1 - a probabilidade para o fenótipo daltônico é maior para homens do que para as mulheres. 2 2 - pais daltônicos sempre possuem filhos daltônicos. 3 3 - a mãe é quem transmite o daltonismo para os filhos do sexo masculino. 4 4 - o casal II X III representa um homem (XD)Y e uma mulher (XD)(Xd). 25. No heredograma abaixo, o indivíduo assinalado em preto é hemofílico e os demais têm coagulação nor- mal. (modif.) 0 0 - a hemofilia é dominante, portanto o heredograma está incorreto.[ 1 1 - se o 1 é hemofílico o 3, 5 e 7 também deveriam ser. 2 2 – a mulher 6 deveria ser hemofílica pois seu pai é.
  • 10. 3 3 – a mulher 6 é heterozigota. 4 4 - o genótipo de 5 é Hh. 26. Uma mulher normal, filha de pai daltônico e hemofílico, casa-se com um homem normal para as duas características. Se hemofilia e daltonismo são heranças ligadas ao sexo, eles podem gerar: 0 0 - filhos daltônicos e hemofílicos ao mesmo tempo. 1 1 - se nascer um filho daltônico e não hemofílico é porque ocorreu permuta. 2 2 - 25% das filhas terão daltonismo mas não hemofilia. 3 3 - entre os homens 50% deverão ser normais. 4 4 - é um caso de herança ligada ao sexo sem dominância. 27. Associe corretamente, a determinação genética do sexo com os modelos sugeridos. XO - gafanhotos XY - homens ZZ - aves ZO - faisões 0 0 - nos gafanhotos as fêmeas determinam o sexo da prole. 1 1 - no homem a herança ligada ao sexo é transmitida da mãe para os filhos homens. 2 2 - em machos das aves ocorrem 2n - 1 cromossomos. 3 3 - o faisão possui um cromossomo a menos do que a fêmea. 4 4 - o cromossomo Y do homem é inativo. 28. Observe a genealogia. F.feminino genótipos F. maculino calvície AA calvície normal Aa calvície normal aa normal O indivíduo 5 é calvo, os outros são normais. A a Aa ? Aa 1 2 3 4 5 6
  • 11. 0 0 - a probabilidade de 6 ser calva é 1/6. 1 1 - a calvície é dominante para a mulher e recessiva para o homem. 2 2 - a mulher 4 só pode ser Aa. 3 3 - o homem 5 tem 1/4 de probabilidade de ter um irmão calvo como ele. 4 4 - o casal 1 X 2 não poderá ter filhas calvas. 29. Em abelhas a cor dos olhos pode ser: negra (N), marrom (M), dourada (D) ou branca (B). A relação de dominância é N > M> D > B. Uma fêmea de olhos negros, filha de pai de olhos dourados, produz 400 óvulos em que 80% são fecun- dados. Essa fêmea é cruzada com machos que apresentam os quatro fenótipos citados e todos têm a mesma chance de fecundação. Com isso podemos esperar: 0 0 - 200 fêmeas com olhos negros e 80 fêmeas com olhos dourados. 1 1 - 40 machos com olhos negros e 40 com olhos dourados. 2 2 - 50% dos descendentes com olhos negros e 50% com olhos dourados. 3 3 - olhos marrons só aparecem entre as fêmeas. 4 4 - olhos brancos não aparecem na geração F1. 30. Sobre mutações cromossômicas podemos afirmar. 0 0 - 44A+XX é uma síndrome de Turner e afeta os heterossomos. 1 1 - na síndrome de Down ocorre um cromossomo a mais no par 21 e o cariótipo é 45A+XX ou XY. 2 2 - as trissomias só ocorrem nos cromossomos sexuais. 3 3 - na síndrome de Klinefelter o indivíduo é do sexo masculino, mas tem corpúsculo de Barr. 4 4 - uma mulher normal e um Klinefelter têm o mesmo número de cromatina sexual. 31. A respeito das mutações, foram apresentadas as cinco afirmações seguintes. (modif.) 0 0 - as mutações podem ocorrer tanto em células somáticas como em células germinativas. 1 1 - as mutações só ocorrem após a formação dos gametas. 2 2 - apenas as mutações que atingem as células germinativas podem ser transmitidas aos descendentes. 3 3 - as mutações não podem ser espontâneas, mas provocadas pelo homem através der fatores mutagênicos, tais como agentes químicos e físicos. 4 4 - as mutações são fatores importantes na promoção da variabilidade genética e para a evolução das espécies. 32. Uma população em equilíbrio de Hary-Weinberg apresenta:
  • 12. 0 0 - evidências de mutações e seleção natural com a conseqüente evolução. 1 1 - a freqüência dos alelos na população é p + q = 1 (100%). 2 2 - a população é fechada e os cruzamentos aleatórios. 3 3 - a expressão matemática do princípio de Hardy-Weinberg é (p + q)² = p² + 2p q + q² . 4 4 - a freqüência dos genótipos na população é p² + 2pq + q² = 1 (100%). ch h 32. Numa população de coelhos a freqüência dos genes é C = 40%, c = 15%, c = 20% e c = 25%%, daí podemos afirmar que: 0 0 - a freqüência dos indivíduos aguti é 30%. 1 1 - os albinos serão apenas 10% da população. 2 2 - 14% da população será de himalaias. 3 3 - os chinchilas representam 15,75% da população. ch 4 4 - a população de Cc é de 12%. 33. A freqüência do gene A (grupo sangüíneo A) = 20% e a do gene B (grupo sangüíneo B) = 25%, então po- demos concluir. 0 0 - a freqüência do grupo O é 55%. 1 1 - o grupo AB tem maior freqüência do que o A. 2 2 - o grupo B é mais freqüente do que o O. 3 3 - o grupo A representa 26% do total da população. 4 4 - a expressão matemática para esse cálculo é (p+q+r)² = p² + 2pq + 2pr + q² + 2qr + r² . 34. Numa população em equilíbrio em que o gene para daltonismo é 20% , teremos. 0 0 - entre os homens 20% serão daltônicos. 1 1 - na população 2% das mulheres serão daltônicas. 2 2 - a freqüência de heterozigotos na população é 16%. 3 3 - homens normais representam 50% da população. 4 4 - entre as mulheres a freqüência de normais é 64%. 35. O gene para calvície é influenciado pelo sexo, sendo dominante para homens e recessivo para as mulheres. Numa população em que as mulheres calvas são 4%, teremos: 0 0 - a freqüência do gene para a calvície na população é 0,2.
  • 13. 1 1 - existem mais mulheres calvas do que homens nessa população. 2 2 - entre os homens 64% serão calvos. 3 3 - a probabilidade de um casal heterozigoto produzir um menino que apresentará calvície é 32%. 4 4 - um casal normal pode vir a ter um menino e uma menina calvos. GABARITO DAS QUESTÕES 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 0 0 V V F F F V V V F V V V V V V F V V 1 1 F F F V F V V V F F V F V F V V F F 2 2 F V V V F F F V V F V F F V V V F F 3 3 V V F F F V F F V V F F V V F V F V 4 4 V V F V V F V V F F F F F F V V V F 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 0 0 V F V F F V F V F V V F V F V V V 1 1 V V F F F V F V V F V V F V F V F 2 2 V V V V F F F F F F F F V V V V V 3 3 F F V F V V F V V F V V F V V F V 4 4 V V F V F V F F F F V V V V V V F