SlideShare uma empresa Scribd logo
Reutilizarte Relatório do primeiro período
Olá a todos! Para ficaram a saber o que fizemos durante o 1º período têm duas opções… Ou lêem um texto de Word com muitas palavras, ou vêem uma apresentação que disfarça o elevado número de palavras. Texto Word Apresentação
Escolheram mal.  E não podem voltar atrás.
Começando… Em primeiro lugar e como seria de esperar, foi-nos apresentada a disciplina e tivemos de escolher o grupo para que depois então começássemos a pensar no tema do projecto.
E os elementos do nosso grupo são os seguintes: (começando pela porta-voz, eleita  unanimemente,  e  sem contar com a comida)
Depois do grupo formado pensámos em começar logo a escolher um tema.. Mas sabíamos que as coisas não podiam ser feitas de ânimo leve e “porque sim”, e assim decidimos pensar no que era necessário para escolher o tema… Fizemos então uma pesquisa  de louvar  acerca do que pretendia a Área de Projecto como disciplina e com o que devíamos ter em conta para a escolha do tema. Resultou mais ou menos no seguinte…
Como desenvolver um Projecto? “ No desenvolvimento de Projectos, irá ser utilizado o método de resolução de problemas 1º SITUAÇÃO: Encontrar um problema ou uma necessidade. 2º ENUNCIADO: Enunciar uma solução para resolver o problema ou a necessidade encontrada. 3º INVESTIGAÇÃO: Recolha de informação e de material para ajudar a encontrar ideias e soluções. 4º PROJECTO: Organizar o material recolhido, sintetizar, apresentar esboços de soluções encontradas, que se considerem adequadas, a partir de textos, desenhos, maquetas, etc... 5º REALIZAÇÃO: Realização do que foi projectado, utilizando as técnicas e os materiais mais adequados. 6º AVALIAÇÃO: Análise e reflexão sobre o trabalho desenvolvido nas várias fases e verificar se a qualidade do produto final responde ao problema que foi enunciado.” Como  não somos egoístas  tomem lá: http://area-de-projecto.blogspot.com/
Já que começávamos a ter informação importante sob a forma de folhas de papel… O melhor era arranjar um dossier para a guardar,  e arranjamos! Finalmente estava tudo pronto para que o tema fosse escolhido. De acordo com os parâmetros referidos no diapositivo anterior escolhemos abordar as emoções sob a forma de uma instalação…
MAS! Não foi preciso muito tempo para descobrirmos que as ideias que nos iam surgindo ficavam aquém do que pretendíamos fazer do nosso projecto, e como tal cada um de nós ficou responsável por apresentar novas propostas. Deu resultado! Depois de umas aulas a debater tínhamos o projecto perfeito e vivia-se harmonia no grupo. Que bom.
Reutilizarte! Só pelo título podem imaginar a qualidade. Para explicar o que decidimos fazer vamos usar o método “quoting”… “Quoting? De onde?”  Ah…É que já explicamos o projecto no  blog  que entretanto criámos.  Já agora…  www.reutilizarte.blogspot.com Na verdade, já devem saber todos o link de cor, passam lá muito tempo com toda a certeza, a seguir o projecto…
Quoting… “… Vamos "construir" uma divisão onde tudo tem por base materiais em desuso... Vamos reutilizar, com arte =D e tentar mostrar o resultado final à escola expondo num dos pavilhões o que fizemos... Iremos tentar, no entanto, que o nosso trabalho esteja representado em todos os outros, para que suscite o interesse dos alunos, professores e funcionários chamando-os à "exposição"... Para isso, passaremos uma curta-metragem animada realizada por nós sobre o tema que dá nome ao nosso projecto, "reutilizarte".” In,  www.reutilizarte.blogspot.com , 3/11/2008
O enquadramento do tema nos dois primeiros parâmetros… Situação/Problema  – O desperdício material e o consumismo desenfreado/a pouca visibilidade das artes na escola Enunciado/solução  – Através do que nos propusemos fazer conseguirmos não só sensibilizar a comunidade escolar, mas incutir também nas pessoas o desejo de fazerem alguma coisa a nível individual, de acreditarem que são capazes, uma vez que depois de verem feito é mais fácil acreditarem que se consegue fazer./Abordar o tema artisticamente, com uma instalação de design reciclado exposta na escola e uma curta metragem a passar em todos os pavilhões, dá mais visibilidade às artes que deixam de estar confinadas ao pavilhão azul (o único que cheira mal).
O parâmetro da recolha de informação de ajuda ao desenvolvimento do tema Ficou resolvido na altura em que apresentamos novas propostas ao grupo,  mesmo assim decidimos fazer uma procura de informação acerca do trabalho em Stop Motion e de técnicas usadas para reciclar, para reutilizar (tudo isso está no dossier).  Assim teríamos as bases da generalidade para podermos começar com as especificidades, com as etapas do projecto em si…
Está na altura de aparecer o boneco para dar ao relatório uma aparência divertida.
Prosseguindo com as especificidades do trabalho… Ou seja, com as maquetas das soluções, com a organização das ideias, com a escolha do material a usar, basicamente com o planeamento da execução. Como o projecto é complexo e para não haver confusões… Dividimo-lo em duas partes lógicas…  Curta-metragem Instalação
Curta-metragem Guião Material
Guião Tivemos em primeiro lugar de fazer uns esboços de guião para o filme, tendo como ponto de partida a reutilização e a apresentação, a publicidade que faria à instalação. Só assim podíamos começar a pensar no material necessário à sua execução…
Em linhas muito básicas… Depois de alguns momentos de debate, criámos uma pequena história acerca de uma personagem que encontra no desperdício dos outros uma forma de construir coisas novas, que vai acabar por usar na sua casa vazia… É aliás o viver nesse cubo branco que o  ilumina. No final da história anunciaremos a nossa instalação como a realização da ficção.
Depois, quem nem profissionais…   Dividimos a curta-metragem em 4 cenas e para cada uma delas pensámos os respectivos cenários, para que finalmente começássemos a ter uma noção do material que usaríamos. Material Planeamento da instalação Prosseguir para a execução
Material Para o stop motion precisarímos de:  computador ,  máquina fotográfica ,  tripé ,  software . Para as personagens e objectos do cenário o material em que pensámos logo de início como obrigatório foi  a plasticina . Não só é divertido como também é o mais simples de trabalhar em stop motion, especialmente para quem não tem muito tempo ou prática.
Para os cenários iríamos precisar ainda de:  cartolinas  (branca, azul, e de uma outra cor qualquer),  tesoura ,  cola ,  x-acto  e talvez  cartão prensado , para lhes dar estabilidade. Parabéns a nós! Cumprimos a etapa da recolha do material com sucesso.   Prosseguir para a execução Planeamento da instalação Guião
Instalação Plano/Ideia Material
Plano/Ideia Sabíamos à partida que queríamos reutilizar material “inválido” e coisas em desuso… Tivemos porém de construir um plano para o modo como o faríamos… Quando pensámos no guião achamos que a personagem devia encher a sua casa vazia de peças recicladas, como tal pareceu-nos boa ideia levar essa ideia praticamente à letra e construir peças para uma divisão…
Optámos por fazer uma sala por já termos feito bastante pesquisa que nos ajudava a ter ideias para o que fazer com algum material e para como criar com ele peças “de sala”… Pensámos então depois numa série de coisas importantes e faremos desta vez um  print screen , porque o “quoting” já está gasto. Assim escusamos de escrever tudo outra vez.
In reutilizarte.blogspot.com, 18/11/2008
Como vêem… … pensámos numa série de coisas que queríamos construir, mas era importante arranjar material que nos permitisse fazê-lo, para pensarmos assim em planos para cada uma dessas coisas. Chegámos a apresentar alguns esboços de cadeiras e mesas, mas não definimos ainda o que fazer exactamente. Material Prosseguir para a execução Planeamento da curta-metragem
Material Ao nível do material que a esta parte do projecto diz respeito não fizemos uma lista daquilo que era para trazer, mas sim uma lista daquilo que cada um podia trazer, uma vez que qualquer coisa em desuso podia dar jeito. Desse modo, começámos por ir falar com o  Dr. Jorge, o presidente  da nossa bela escola, para saber se podíamos usar algum do material que  estava encostado e em desuso. Respondeu afirmativamente.  Agradecemos.
Assim… Ficámos com algumas cadeiras em nossa posse, bem como nos foi oferecida a disponibilidade e ajuda para o que precisássemos daquele senhor cujo nome não vamos referir não por nos termos esquecido, mas sim porque toda a gente o conhece por aquele senhor muito simpático com bigode que restaura coisas perto da horta.
Para além disso Todos juntos conseguimos juntar algum material, desde mais cadeiras, a caixotes, a tecidos, a  bugigangas , a pneus… Algumas dessas coisas já estão na escola à espera de serem postas em jogo, que estava na altura de usarmos uma metáfora. Também está nos nossos planos irmos a uma sucata. Podemos dizer que para já o balanço material é positivo.  Planeamento da curta-metragem Prosseguir para a execução Plano/Ideia
Passando à parte da  execução , que é pequenina, mas só o facto de  ser  já é positivo porque… Ao nível da execução não tínhamos grandes expectativas para este 1º período, que serviria mais para o planeamento do projecto, que na nossa opinião foi bem estruturado, organizado e conseguido… Ainda assim … Conseguimos começar a fazer alguma coisa a um nível mais prático, para além da recolha de material para a reutilização, que não pode ser considerada algo quem não prático ou físico!
Começamos a… Lixar as cadeiras para podermos avançar com a sua transformação… E Fizemos  a parte de cartolina dos cenários para a curta-metragem, tal como criamos os objectos que os compõem. Para além disso fizemos mil possibilidades de “bonecos” para usarmos como  a personagem . E umas experiências caseiras em stop motion.
Como por exemplo (não, não vamos pôr aqui o vídeo porque assim aproveitamos para mostrar que somos tão empenhados que o temos no  youtube ) http://www.youtube.com/watch?v=rgarbVHFAUw Se calhar não temos é tempo para ver…
Como viram… Conseguimos responder aos parâmetros que “fazem” um projecto e a um nível de timing podemo-nos sentir confortáveis, uma vez que concretizámos o que tínhamos em mente… que era deixa tudo planeado e  pronto para a execução.
Porém… Não podemos dizer que tenhamos seguido à risca o plano que apresentámos à turma no início do período, pois fomos alterando a ordem do que era suposto fazermos de acordo com as situações que surgiram e de acordo com o que o projecto ia exigindo em cada momento.  Como tal:  -acabámos por avançar já com a curta-metragem (que tínhamos pensado só tornar prática no segundo período) (Mas) -Não conseguimos deixar a algumas das peças delineadas ou mesmo começadas, não tendo porém ficado atrasados no projecto, visto que uma coisa compensa a outra…
E para além disso… Não se deve apressar a arte!
Ah! É verdade, para além de já termos referido que temos blog e dossier, dissemos alguma coisa relativamente ao facto de termos também  diário de bordo ? Temos , e é bem bonito… É pena não podermos pôr aqui um fotografia sua, mas ele é fotossensível. Claro que quem quiser pode pedir para o ver no fim da aula, e para lhe tocar, que nós fazemo-lo circular pelas carteiras.
Uma outra coisa que não referimos foi o facto de termos distribuído tarefas…  quem é assim que se trabalha em grupo  Basicamente fez-se o seguinte… Para a recolha de informação de ambas as partes do trabalho todos tinham de fazer o mesmo, pesquisar em casa e trazer para a aula. Era também tarefa comum todos tentarem ter ideias para depois se debater e concluir o que se podia fazer com elas…  Uma vez que estivemos a ter ideias durante a maioria do período houve muito trabalho comum, o que não significa quem não tenhamos todos trabalhado bastante.  Ao nível do planeamento e execução delegámos tarefas de grupos dentro do grupo, ou mesmo individuais, de modo a tornar tudo mais  simples e  justo …
Para a curta metragem Todos procuraram ter ideias para o guião para debater na aula e a Raquel e a Rita ficaram responsáveis por pensá-las e juntá-las, criando o guião, dividindo-o em cenas e esboçando oralmente ideias de cenários, apresentando tudo isso depois aos colegas que dariam a sua opinião e poderiam a partir daí fazer o restante da sua parte. A Eva, o Diogo e a Soraia eram os responsáveis por criar a personagem da história e os objectos de plasticina que iriam compor o cenário. A Maria e a Raquel eram responsáveis por criar a parte de cartolina dos cenários, basicamente “os fundos”, com a Sissa (Sílvia Pinto), que para além disso ficou responsável por fotografar aquilo que fazíamos para que no fim discutíssemos o que resultava melhor.
Para a instalação da reutilização Cada um ficou responsável de levar ou juntar o material que se tinha proposto conseguir bem como ideias para peças. A Raquel e o Diogo e a Eva ficaram responsáveis por decidir a linha das peças, da cor ao tipo de design. A Maria e a Rita ficaram responsáveis por fazer os esboços da planta a que queríamos que a sala correspondesse. A Sissa e Soraia ficaram responsáveis por decidir que peça individual acompanharia a curta metragem nos diversos pavilhões.
E a um nível de tarefas gerais… Elementos Tarefa Rita Rola Organização do dossier Raquel Manutenção do blog Diogo Responsável pelas ferramentas Eva Guarda-material Maria Manutenção do diário de bordo Sílvia Reportagem fotográfica Soraia Reportagem fotográfica
Chega de tarefas que nós também conseguimos ser divertidos a valer… E como bom grupo de Área de Projecto que somos temos que informar que também fizemos os clássicos inquéritos, sob a forma de WebQuest… Cada semana pensávamos em grupo na pergunta a fazer e colocávamo-la no blog… As perguntas como é lógico tinham a ver com o projecto e para verem que não estamos a inventar todo este empenho passem a visualizar:
 
Não conseguimos ficar com a imagem da primeira sondagem que perguntava “Achas o nosso projecto megalómano?” e a qualidade de imagem destas é um bocado fraquinha mas também não queremos revelar tudo… A propósito, se ligarem agora os computadores sem ninguém ver ainda apanham a nova sondagem! Sabemos que vocês querem votar e vocês também o sabem…
Na verdade, queremos revelar tudo Se depois de verem o nosso relatório se sentirem desmoralizados, tristes e em baixo… se o sol deixou de brilhar e a lua de rodar. Parem com isso! Vocês também são capazes de conseguir esta harmonia e este estado de graça que existe entre nós os 7 e entre nós e o projecto… O que é preciso é saber trabalhar em grupo, respeitar os colegas, ouvi-los, não os ouvir…
Basicamente, vamos mostrar-vos o elixir da boa Área de Projecto Como trabalhar em grupo? Desde que se inicia um trabalho de projecto, este é por norma, associado a um trabalho em grupo que deve respeitar o seguinte: 1 - O dinamizador é a pessoa que orienta e faz o grupo trabalhar; 2 - Cada elemento do grupo deve ouvir e respeitar a opinião dos outros; 3 - No grupo todos têm uma tarefa a cumprir (distribuição de tarefas); 4 - Cada elemento do grupo deve participar e registar as conclusões; 5 - Os alunos devem falar um de cada vez e de forma a não perturbar os restantes elementos; 6 - Para esclarecer dúvidas que surjam, deve o dinamizador contactar o professor para auxiliar o grupo; 7 - O trabalho de grupo é feito num determinado intervalo de tempo; 8 - Na apresentação do trabalho todos devem participar.
Foi um prazer Adeus
Ah Assinado: Todos  nós.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Aircraft structural screws
Aircraft structural screwsAircraft structural screws
Aircraft structural screws
johnschwaner
 
Увольнение продавцов
Увольнение продавцовУвольнение продавцов
Увольнение продавцов
Mark&Sales
 
Avondcollege Evaluatie van de interne communicatie
Avondcollege Evaluatie van de interne communicatieAvondcollege Evaluatie van de interne communicatie
Avondcollege Evaluatie van de interne communicatie
Elizabeth Van Silfhout
 
10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах
10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах
10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах
Andrew Shitov
 
Изюмов. Как сделать отдел продаж продающим
Изюмов. Как сделать отдел продаж продающимИзюмов. Как сделать отдел продаж продающим
Изюмов. Как сделать отдел продаж продающим
Mark&Sales
 
13 Conselhos
13 Conselhos13 Conselhos
13 Conselhos
edubh1
 
Партнерская Программа DubLi
Партнерская Программа DubLi Партнерская Программа DubLi
Партнерская Программа DubLi
Entrepreneur
 
Unilever
UnileverUnilever
Unilever
Karthik Kumar R
 
Oficina de ambientação
Oficina de ambientaçãoOficina de ambientação
Oficina de ambientação
Luciano Almeida
 
Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01
Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01
Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01
Tarcízio Silva
 
Crucigrama
CrucigramaCrucigrama
Crucigrama
Angelica Vacca
 
Experimentando A CiêNcia Unifesp Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...
Experimentando A CiêNcia   Unifesp   Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...Experimentando A CiêNcia   Unifesp   Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...
Experimentando A CiêNcia Unifesp Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...
Ozimar Pereira
 
The Spectre of the Spectra
The Spectre of the SpectraThe Spectre of the Spectra
The Spectre of the Spectra
David Gleich
 
Perifericos
PerifericosPerifericos
Perifericos
USCO
 
20110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture12
20110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture1220110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture12
20110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture12
Computer Science Club
 
Gerly gogo villodas
Gerly gogo villodasGerly gogo villodas
Gerly gogo villodas
chaconleonana
 
Porto oer br
Porto oer brPorto oer br
Porto oer br
Carolina Rossini
 
Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...
Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...
Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...
Rosteplo
 
Linea del tiempo del calculo
Linea del tiempo del calculoLinea del tiempo del calculo
Linea del tiempo del calculo
Strella34
 

Destaque (20)

Aircraft structural screws
Aircraft structural screwsAircraft structural screws
Aircraft structural screws
 
Увольнение продавцов
Увольнение продавцовУвольнение продавцов
Увольнение продавцов
 
Avondcollege Evaluatie van de interne communicatie
Avondcollege Evaluatie van de interne communicatieAvondcollege Evaluatie van de interne communicatie
Avondcollege Evaluatie van de interne communicatie
 
10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах
10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах
10 мероприятий за 20 месяцев в пяти странах
 
Изюмов. Как сделать отдел продаж продающим
Изюмов. Как сделать отдел продаж продающимИзюмов. Как сделать отдел продаж продающим
Изюмов. Как сделать отдел продаж продающим
 
13 Conselhos
13 Conselhos13 Conselhos
13 Conselhos
 
Партнерская Программа DubLi
Партнерская Программа DubLi Партнерская Программа DubLi
Партнерская Программа DubLi
 
Unilever
UnileverUnilever
Unilever
 
Oficina de ambientação
Oficina de ambientaçãoOficina de ambientação
Oficina de ambientação
 
Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01
Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01
Monitoramento, Métricas e Mensuração - MBA Mkt Digital iDez - aula 01
 
Crucigrama
CrucigramaCrucigrama
Crucigrama
 
Experimentando A CiêNcia Unifesp Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...
Experimentando A CiêNcia   Unifesp   Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...Experimentando A CiêNcia   Unifesp   Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...
Experimentando A CiêNcia Unifesp Andamento Do Projeto Lab. FíSica Em Caix...
 
The+train
The+trainThe+train
The+train
 
The Spectre of the Spectra
The Spectre of the SpectraThe Spectre of the Spectra
The Spectre of the Spectra
 
Perifericos
PerifericosPerifericos
Perifericos
 
20110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture12
20110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture1220110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture12
20110522 systems of typed lambda_calculi_moskvin_lecture12
 
Gerly gogo villodas
Gerly gogo villodasGerly gogo villodas
Gerly gogo villodas
 
Porto oer br
Porto oer brPorto oer br
Porto oer br
 
Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...
Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...
Проблемы  определения ЕТО в соответствии критериями Постановления Правительст...
 
Linea del tiempo del calculo
Linea del tiempo del calculoLinea del tiempo del calculo
Linea del tiempo del calculo
 

Semelhante a ReutilizarteRelatório

Área de Projecto
Área de ProjectoÁrea de Projecto
Área de Projecto
helder33701
 
Google scketup de forma simples
Google scketup de forma simplesGoogle scketup de forma simples
Google scketup de forma simples
Aldenor Filho
 
Google scketup - simples
Google scketup - simplesGoogle scketup - simples
Google scketup - simples
Aldenor Filho
 
eportefolio
eportefolioeportefolio
eportefolio
margaridas21
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
Rosalia Ribeiro
 
Sessao partilha de_conteudos_sintese
Sessao partilha de_conteudos_sinteseSessao partilha de_conteudos_sintese
Sessao partilha de_conteudos_sintese
Margarida Costa
 
VÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolar
VÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolarVÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolar
VÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolar
Casa da Árvore - Cultura Digital e Aprendizagem Criativa
 
Colaboratorio 2009
Colaboratorio 2009Colaboratorio 2009
Colaboratorio 2009
Eduardo Silva
 
2.Projeto Boneco de Pano
2.Projeto Boneco de Pano2.Projeto Boneco de Pano
2.Projeto Boneco de Pano
andrea oliveira
 
Python bge
Python bgePython bge
Python bge
Tiago
 
Embelezamento Da Escola
Embelezamento Da EscolaEmbelezamento Da Escola
Embelezamento Da Escola
Luis Novo
 
Embelezamento da escola
Embelezamento da escolaEmbelezamento da escola
Embelezamento da escola
Luis Novo
 
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
rasteiro
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
Rosalia Ribeiro
 
Maquetes, batalhas e outros trabalhos
Maquetes, batalhas e outros trabalhosMaquetes, batalhas e outros trabalhos
Maquetes, batalhas e outros trabalhos
jdlimaaear
 
Portefoli Do Grupo V
Portefoli Do Grupo VPortefoli Do Grupo V
Portefoli Do Grupo V
124b
 
Webquest sobre sólidos geométricos
Webquest sobre sólidos geométricosWebquest sobre sólidos geométricos
Webquest sobre sólidos geométricos
giovannavilelabrandao
 
Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]
Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]
Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]
anaruthi
 
Guiao itec[1]
Guiao itec[1]Guiao itec[1]
Guiao itec[1]
mfatima19
 
Ficha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professores
Ficha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professoresFicha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professores
Ficha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professores
educadores123
 

Semelhante a ReutilizarteRelatório (20)

Área de Projecto
Área de ProjectoÁrea de Projecto
Área de Projecto
 
Google scketup de forma simples
Google scketup de forma simplesGoogle scketup de forma simples
Google scketup de forma simples
 
Google scketup - simples
Google scketup - simplesGoogle scketup - simples
Google scketup - simples
 
eportefolio
eportefolioeportefolio
eportefolio
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
 
Sessao partilha de_conteudos_sintese
Sessao partilha de_conteudos_sinteseSessao partilha de_conteudos_sintese
Sessao partilha de_conteudos_sintese
 
VÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolar
VÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolarVÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolar
VÍDEO DE BOLSO - Guia para produção escolar
 
Colaboratorio 2009
Colaboratorio 2009Colaboratorio 2009
Colaboratorio 2009
 
2.Projeto Boneco de Pano
2.Projeto Boneco de Pano2.Projeto Boneco de Pano
2.Projeto Boneco de Pano
 
Python bge
Python bgePython bge
Python bge
 
Embelezamento Da Escola
Embelezamento Da EscolaEmbelezamento Da Escola
Embelezamento Da Escola
 
Embelezamento da escola
Embelezamento da escolaEmbelezamento da escola
Embelezamento da escola
 
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
 
Maquetes, batalhas e outros trabalhos
Maquetes, batalhas e outros trabalhosMaquetes, batalhas e outros trabalhos
Maquetes, batalhas e outros trabalhos
 
Portefoli Do Grupo V
Portefoli Do Grupo VPortefoli Do Grupo V
Portefoli Do Grupo V
 
Webquest sobre sólidos geométricos
Webquest sobre sólidos geométricosWebquest sobre sólidos geométricos
Webquest sobre sólidos geométricos
 
Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]
Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]
Ativ2 8 Unid2 Anaruthi Cleudelice Ivone[1]
 
Guiao itec[1]
Guiao itec[1]Guiao itec[1]
Guiao itec[1]
 
Ficha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professores
Ficha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professoresFicha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professores
Ficha nº6 Modelo de pesquisa de informação para professores
 

ReutilizarteRelatório

  • 1. Reutilizarte Relatório do primeiro período
  • 2. Olá a todos! Para ficaram a saber o que fizemos durante o 1º período têm duas opções… Ou lêem um texto de Word com muitas palavras, ou vêem uma apresentação que disfarça o elevado número de palavras. Texto Word Apresentação
  • 3. Escolheram mal. E não podem voltar atrás.
  • 4. Começando… Em primeiro lugar e como seria de esperar, foi-nos apresentada a disciplina e tivemos de escolher o grupo para que depois então começássemos a pensar no tema do projecto.
  • 5. E os elementos do nosso grupo são os seguintes: (começando pela porta-voz, eleita unanimemente, e sem contar com a comida)
  • 6. Depois do grupo formado pensámos em começar logo a escolher um tema.. Mas sabíamos que as coisas não podiam ser feitas de ânimo leve e “porque sim”, e assim decidimos pensar no que era necessário para escolher o tema… Fizemos então uma pesquisa de louvar acerca do que pretendia a Área de Projecto como disciplina e com o que devíamos ter em conta para a escolha do tema. Resultou mais ou menos no seguinte…
  • 7. Como desenvolver um Projecto? “ No desenvolvimento de Projectos, irá ser utilizado o método de resolução de problemas 1º SITUAÇÃO: Encontrar um problema ou uma necessidade. 2º ENUNCIADO: Enunciar uma solução para resolver o problema ou a necessidade encontrada. 3º INVESTIGAÇÃO: Recolha de informação e de material para ajudar a encontrar ideias e soluções. 4º PROJECTO: Organizar o material recolhido, sintetizar, apresentar esboços de soluções encontradas, que se considerem adequadas, a partir de textos, desenhos, maquetas, etc... 5º REALIZAÇÃO: Realização do que foi projectado, utilizando as técnicas e os materiais mais adequados. 6º AVALIAÇÃO: Análise e reflexão sobre o trabalho desenvolvido nas várias fases e verificar se a qualidade do produto final responde ao problema que foi enunciado.” Como não somos egoístas tomem lá: http://area-de-projecto.blogspot.com/
  • 8. Já que começávamos a ter informação importante sob a forma de folhas de papel… O melhor era arranjar um dossier para a guardar, e arranjamos! Finalmente estava tudo pronto para que o tema fosse escolhido. De acordo com os parâmetros referidos no diapositivo anterior escolhemos abordar as emoções sob a forma de uma instalação…
  • 9. MAS! Não foi preciso muito tempo para descobrirmos que as ideias que nos iam surgindo ficavam aquém do que pretendíamos fazer do nosso projecto, e como tal cada um de nós ficou responsável por apresentar novas propostas. Deu resultado! Depois de umas aulas a debater tínhamos o projecto perfeito e vivia-se harmonia no grupo. Que bom.
  • 10. Reutilizarte! Só pelo título podem imaginar a qualidade. Para explicar o que decidimos fazer vamos usar o método “quoting”… “Quoting? De onde?” Ah…É que já explicamos o projecto no blog que entretanto criámos. Já agora… www.reutilizarte.blogspot.com Na verdade, já devem saber todos o link de cor, passam lá muito tempo com toda a certeza, a seguir o projecto…
  • 11. Quoting… “… Vamos "construir" uma divisão onde tudo tem por base materiais em desuso... Vamos reutilizar, com arte =D e tentar mostrar o resultado final à escola expondo num dos pavilhões o que fizemos... Iremos tentar, no entanto, que o nosso trabalho esteja representado em todos os outros, para que suscite o interesse dos alunos, professores e funcionários chamando-os à "exposição"... Para isso, passaremos uma curta-metragem animada realizada por nós sobre o tema que dá nome ao nosso projecto, "reutilizarte".” In, www.reutilizarte.blogspot.com , 3/11/2008
  • 12. O enquadramento do tema nos dois primeiros parâmetros… Situação/Problema – O desperdício material e o consumismo desenfreado/a pouca visibilidade das artes na escola Enunciado/solução – Através do que nos propusemos fazer conseguirmos não só sensibilizar a comunidade escolar, mas incutir também nas pessoas o desejo de fazerem alguma coisa a nível individual, de acreditarem que são capazes, uma vez que depois de verem feito é mais fácil acreditarem que se consegue fazer./Abordar o tema artisticamente, com uma instalação de design reciclado exposta na escola e uma curta metragem a passar em todos os pavilhões, dá mais visibilidade às artes que deixam de estar confinadas ao pavilhão azul (o único que cheira mal).
  • 13. O parâmetro da recolha de informação de ajuda ao desenvolvimento do tema Ficou resolvido na altura em que apresentamos novas propostas ao grupo, mesmo assim decidimos fazer uma procura de informação acerca do trabalho em Stop Motion e de técnicas usadas para reciclar, para reutilizar (tudo isso está no dossier). Assim teríamos as bases da generalidade para podermos começar com as especificidades, com as etapas do projecto em si…
  • 14. Está na altura de aparecer o boneco para dar ao relatório uma aparência divertida.
  • 15. Prosseguindo com as especificidades do trabalho… Ou seja, com as maquetas das soluções, com a organização das ideias, com a escolha do material a usar, basicamente com o planeamento da execução. Como o projecto é complexo e para não haver confusões… Dividimo-lo em duas partes lógicas… Curta-metragem Instalação
  • 17. Guião Tivemos em primeiro lugar de fazer uns esboços de guião para o filme, tendo como ponto de partida a reutilização e a apresentação, a publicidade que faria à instalação. Só assim podíamos começar a pensar no material necessário à sua execução…
  • 18. Em linhas muito básicas… Depois de alguns momentos de debate, criámos uma pequena história acerca de uma personagem que encontra no desperdício dos outros uma forma de construir coisas novas, que vai acabar por usar na sua casa vazia… É aliás o viver nesse cubo branco que o ilumina. No final da história anunciaremos a nossa instalação como a realização da ficção.
  • 19. Depois, quem nem profissionais… Dividimos a curta-metragem em 4 cenas e para cada uma delas pensámos os respectivos cenários, para que finalmente começássemos a ter uma noção do material que usaríamos. Material Planeamento da instalação Prosseguir para a execução
  • 20. Material Para o stop motion precisarímos de: computador , máquina fotográfica , tripé , software . Para as personagens e objectos do cenário o material em que pensámos logo de início como obrigatório foi a plasticina . Não só é divertido como também é o mais simples de trabalhar em stop motion, especialmente para quem não tem muito tempo ou prática.
  • 21. Para os cenários iríamos precisar ainda de: cartolinas (branca, azul, e de uma outra cor qualquer), tesoura , cola , x-acto e talvez cartão prensado , para lhes dar estabilidade. Parabéns a nós! Cumprimos a etapa da recolha do material com sucesso. Prosseguir para a execução Planeamento da instalação Guião
  • 23. Plano/Ideia Sabíamos à partida que queríamos reutilizar material “inválido” e coisas em desuso… Tivemos porém de construir um plano para o modo como o faríamos… Quando pensámos no guião achamos que a personagem devia encher a sua casa vazia de peças recicladas, como tal pareceu-nos boa ideia levar essa ideia praticamente à letra e construir peças para uma divisão…
  • 24. Optámos por fazer uma sala por já termos feito bastante pesquisa que nos ajudava a ter ideias para o que fazer com algum material e para como criar com ele peças “de sala”… Pensámos então depois numa série de coisas importantes e faremos desta vez um print screen , porque o “quoting” já está gasto. Assim escusamos de escrever tudo outra vez.
  • 26. Como vêem… … pensámos numa série de coisas que queríamos construir, mas era importante arranjar material que nos permitisse fazê-lo, para pensarmos assim em planos para cada uma dessas coisas. Chegámos a apresentar alguns esboços de cadeiras e mesas, mas não definimos ainda o que fazer exactamente. Material Prosseguir para a execução Planeamento da curta-metragem
  • 27. Material Ao nível do material que a esta parte do projecto diz respeito não fizemos uma lista daquilo que era para trazer, mas sim uma lista daquilo que cada um podia trazer, uma vez que qualquer coisa em desuso podia dar jeito. Desse modo, começámos por ir falar com o Dr. Jorge, o presidente da nossa bela escola, para saber se podíamos usar algum do material que estava encostado e em desuso. Respondeu afirmativamente. Agradecemos.
  • 28. Assim… Ficámos com algumas cadeiras em nossa posse, bem como nos foi oferecida a disponibilidade e ajuda para o que precisássemos daquele senhor cujo nome não vamos referir não por nos termos esquecido, mas sim porque toda a gente o conhece por aquele senhor muito simpático com bigode que restaura coisas perto da horta.
  • 29. Para além disso Todos juntos conseguimos juntar algum material, desde mais cadeiras, a caixotes, a tecidos, a bugigangas , a pneus… Algumas dessas coisas já estão na escola à espera de serem postas em jogo, que estava na altura de usarmos uma metáfora. Também está nos nossos planos irmos a uma sucata. Podemos dizer que para já o balanço material é positivo. Planeamento da curta-metragem Prosseguir para a execução Plano/Ideia
  • 30. Passando à parte da execução , que é pequenina, mas só o facto de ser já é positivo porque… Ao nível da execução não tínhamos grandes expectativas para este 1º período, que serviria mais para o planeamento do projecto, que na nossa opinião foi bem estruturado, organizado e conseguido… Ainda assim … Conseguimos começar a fazer alguma coisa a um nível mais prático, para além da recolha de material para a reutilização, que não pode ser considerada algo quem não prático ou físico!
  • 31. Começamos a… Lixar as cadeiras para podermos avançar com a sua transformação… E Fizemos a parte de cartolina dos cenários para a curta-metragem, tal como criamos os objectos que os compõem. Para além disso fizemos mil possibilidades de “bonecos” para usarmos como a personagem . E umas experiências caseiras em stop motion.
  • 32. Como por exemplo (não, não vamos pôr aqui o vídeo porque assim aproveitamos para mostrar que somos tão empenhados que o temos no youtube ) http://www.youtube.com/watch?v=rgarbVHFAUw Se calhar não temos é tempo para ver…
  • 33. Como viram… Conseguimos responder aos parâmetros que “fazem” um projecto e a um nível de timing podemo-nos sentir confortáveis, uma vez que concretizámos o que tínhamos em mente… que era deixa tudo planeado e pronto para a execução.
  • 34. Porém… Não podemos dizer que tenhamos seguido à risca o plano que apresentámos à turma no início do período, pois fomos alterando a ordem do que era suposto fazermos de acordo com as situações que surgiram e de acordo com o que o projecto ia exigindo em cada momento. Como tal: -acabámos por avançar já com a curta-metragem (que tínhamos pensado só tornar prática no segundo período) (Mas) -Não conseguimos deixar a algumas das peças delineadas ou mesmo começadas, não tendo porém ficado atrasados no projecto, visto que uma coisa compensa a outra…
  • 35. E para além disso… Não se deve apressar a arte!
  • 36. Ah! É verdade, para além de já termos referido que temos blog e dossier, dissemos alguma coisa relativamente ao facto de termos também diário de bordo ? Temos , e é bem bonito… É pena não podermos pôr aqui um fotografia sua, mas ele é fotossensível. Claro que quem quiser pode pedir para o ver no fim da aula, e para lhe tocar, que nós fazemo-lo circular pelas carteiras.
  • 37. Uma outra coisa que não referimos foi o facto de termos distribuído tarefas… quem é assim que se trabalha em grupo Basicamente fez-se o seguinte… Para a recolha de informação de ambas as partes do trabalho todos tinham de fazer o mesmo, pesquisar em casa e trazer para a aula. Era também tarefa comum todos tentarem ter ideias para depois se debater e concluir o que se podia fazer com elas… Uma vez que estivemos a ter ideias durante a maioria do período houve muito trabalho comum, o que não significa quem não tenhamos todos trabalhado bastante. Ao nível do planeamento e execução delegámos tarefas de grupos dentro do grupo, ou mesmo individuais, de modo a tornar tudo mais simples e justo …
  • 38. Para a curta metragem Todos procuraram ter ideias para o guião para debater na aula e a Raquel e a Rita ficaram responsáveis por pensá-las e juntá-las, criando o guião, dividindo-o em cenas e esboçando oralmente ideias de cenários, apresentando tudo isso depois aos colegas que dariam a sua opinião e poderiam a partir daí fazer o restante da sua parte. A Eva, o Diogo e a Soraia eram os responsáveis por criar a personagem da história e os objectos de plasticina que iriam compor o cenário. A Maria e a Raquel eram responsáveis por criar a parte de cartolina dos cenários, basicamente “os fundos”, com a Sissa (Sílvia Pinto), que para além disso ficou responsável por fotografar aquilo que fazíamos para que no fim discutíssemos o que resultava melhor.
  • 39. Para a instalação da reutilização Cada um ficou responsável de levar ou juntar o material que se tinha proposto conseguir bem como ideias para peças. A Raquel e o Diogo e a Eva ficaram responsáveis por decidir a linha das peças, da cor ao tipo de design. A Maria e a Rita ficaram responsáveis por fazer os esboços da planta a que queríamos que a sala correspondesse. A Sissa e Soraia ficaram responsáveis por decidir que peça individual acompanharia a curta metragem nos diversos pavilhões.
  • 40. E a um nível de tarefas gerais… Elementos Tarefa Rita Rola Organização do dossier Raquel Manutenção do blog Diogo Responsável pelas ferramentas Eva Guarda-material Maria Manutenção do diário de bordo Sílvia Reportagem fotográfica Soraia Reportagem fotográfica
  • 41. Chega de tarefas que nós também conseguimos ser divertidos a valer… E como bom grupo de Área de Projecto que somos temos que informar que também fizemos os clássicos inquéritos, sob a forma de WebQuest… Cada semana pensávamos em grupo na pergunta a fazer e colocávamo-la no blog… As perguntas como é lógico tinham a ver com o projecto e para verem que não estamos a inventar todo este empenho passem a visualizar:
  • 42.  
  • 43. Não conseguimos ficar com a imagem da primeira sondagem que perguntava “Achas o nosso projecto megalómano?” e a qualidade de imagem destas é um bocado fraquinha mas também não queremos revelar tudo… A propósito, se ligarem agora os computadores sem ninguém ver ainda apanham a nova sondagem! Sabemos que vocês querem votar e vocês também o sabem…
  • 44. Na verdade, queremos revelar tudo Se depois de verem o nosso relatório se sentirem desmoralizados, tristes e em baixo… se o sol deixou de brilhar e a lua de rodar. Parem com isso! Vocês também são capazes de conseguir esta harmonia e este estado de graça que existe entre nós os 7 e entre nós e o projecto… O que é preciso é saber trabalhar em grupo, respeitar os colegas, ouvi-los, não os ouvir…
  • 45. Basicamente, vamos mostrar-vos o elixir da boa Área de Projecto Como trabalhar em grupo? Desde que se inicia um trabalho de projecto, este é por norma, associado a um trabalho em grupo que deve respeitar o seguinte: 1 - O dinamizador é a pessoa que orienta e faz o grupo trabalhar; 2 - Cada elemento do grupo deve ouvir e respeitar a opinião dos outros; 3 - No grupo todos têm uma tarefa a cumprir (distribuição de tarefas); 4 - Cada elemento do grupo deve participar e registar as conclusões; 5 - Os alunos devem falar um de cada vez e de forma a não perturbar os restantes elementos; 6 - Para esclarecer dúvidas que surjam, deve o dinamizador contactar o professor para auxiliar o grupo; 7 - O trabalho de grupo é feito num determinado intervalo de tempo; 8 - Na apresentação do trabalho todos devem participar.
  • 46. Foi um prazer Adeus