SlideShare uma empresa Scribd logo
RESUMO PARA A BANCA DE AVIÔNICA DE DEZEMBRO DE 2006.
DEUS CERTAMENTE PROVERÁ!
1. A matéria pode ser definida como algo que possui massa e ocupa lugar no
espaço.
2. A molécula é a menor parte da matéria que ainda retêm as propriedades
químicas.
3. Os átomos são compostos por prótons (+), elétrons (-) e nêutrons (+ -).
4. Os prótons e nêutrons existem no núcleo do átomo.
5. Os elétrons existem na órbita do átomo.
6. A quantidade de elétrons é igual à quantidade de prótons.
7. Os nêutrons são iguais aos prótons em tamanho e peso.
8. Todos os efeitos da eletricidade são conseqüências de uma partícula
minúscula chamada ELÉTRON.
9. Quando a carga positiva total dos prótons, no núcleo do átomo, equilibra-se
com a carga negativa total de elétrons da órbita, pode-se dizer que o átomo
possui carga neutra.
10. Um átomo carregado negativamente chama-se íon negativo, enquanto que
um carregado positivamente chama-se íon positivo.
11. O átomo mais simples que existe é o átomo do hidrogênio que possui apenas
01 elétron e 01 próton.
12. Em acordo com a teoria eletrônica a corrente flui do negativo para o
positivo.
13. Elétrons são partículas minúsculas de eletricidade.
14. A fricção é a principal fonte de eletricidade estática.
15. As principais substâncias que produzem eletricidade estática são: vidro,
âmbar, ebonite, flanela, seda, nylon, rayon.
16. Uma vareta de vidro quando esfregada com a pelica, torna-se carregada
negativamente.
17. Uma vareta de vidro quando esfregada com a seda, torna-se carregada
positivamente.
18. A eletricidade estática interfere nas comunicações das ACFT’S, motivo
pelo qual todos os equipamentos de rádio devem ser blindados.
19. Todos os tipos de materiais conduzem alguma corrente.
20. Em uma esfera oca, as cargas distribuem-se igualmente em sua superfície.
21. Em objetos irregulares, as cargas distribuem-se nas extremidades.
22. Defini-se como corrente contínua quando o fluxo de elétrons corre apenas
em uma direção.
23. Em uma corrente contínua, a forma de onda é uma reta.
24. O cobre é considerado o melhor condutor.
25. Um material é considerado condutor, quando não retém o fluxo de
elétrons.
26. Nas ligações em série, os terminais positivo e negativo devem ser ligados
entre si.
27. Cargas opostas se atraem enquanto que cargas iguais se repelem.
28. A atração entre as cargas opostas existe porque o excesso de elétrons da
carga negativa procurará sempre um lugar em que haja carência de elétrons.
29. A fonte de eletricidade do microfone é a pressão que gera corrente.
30. Os principais materiais que sob pressão geram corrente são: quartzo,
turmalina e sais de rochelle.
31. A fotocélula é um sanduíche de ferro, material translúcido e recheio de
selênio.
32. A pilha primária é caracterizada por não permitir recarga e dispensar
apenas pequenas quantidades de energia.
33. As baterias secundárias permitem recarga e dispensam uma grande
quantidade de energia por um período pequeno de tempo.
34. Quando duas ou mais pilhas primárias ou secundárias são unidas,
forma-se uma bateria.
35. O líquido do interior das pilhas ou baterias, que transportam os elétrons do
pólo positivo para o negativo, chama-se eletrólito.
36. A placa negativa mais comum nas pilhas secas é o zinco, material que
forma a carcaça da pilha.
37. A placa positiva mais comum nas pilhas secas é o carbono.
38. As baterias secundárias mais comuns na aviação são as de chumbo-ácido e
níqueo-cádmio.
39. O eletrólito das baterias de chumbo-ácido é o ácido sulfúrico a 25%.
40. O melhor neutralizante para o ácido sulfúrico é o bicarbonato de sódio.
41. O eletrólito das baterias de níqueo-cádmio é o hidróxido de potássio a
30%.
42. O eletrólito mais comum nas pilhas secas é o cloreto de amônia.
43. A capacidade de armazenamento das baterias é medida em amper-hora.
44. A condição de carga das baterias deve ser checada semanalmente, através da
densidade do eletrólito, com a utilização do densímetro.
45. Nas ACFT’S multimotoras, as baterias são conectadas em paralelo com a
barra essencial DC.
46. O magnetismo é a principal fonte de energia que existe atualmente.
47. Magnetismo é a propriedade do material em atrair ferro.
48. O ímã natural é composto por um minério chamado de magnetita.
49. O ferro se magnetiza e desmagnetiza muito rapidamente e, por esse motivo,
os ímãs de ferro doce são chamados de ímãs temporários.
50. Os ímãs feitos de liga de aço, pelo contrário, são chamados de ímãs
permanentes.
51. Nos ímãs, o sentido do fluxo da corrente é do pólo norte para o pólo sul.
52. Movendo-se um ímã próximo a um condutor ou um condutor próximo a
um ímã, produz-se eletricidade.
53. Relutância magnética é a oposição ao fluxo magnético.
54. Alta relutância magnética – alta oposição ao fluxo magnético.
55. Uma bobina é formada quando se enrola várias vezes um condutor (fio).
56. Para se aumentar a quantidade de eletricidade em uma bobina, deve-se
aumentar a quantidade de fios enrolados (espiras) na bobina ou aumentar a
velocidade da bobina ou do ímã ou aumentar o poder do ímã.
57. A regra da mão esquerda serve para determinar o sentido das linhas de
força de um campo magnético.
58. Coulomb é a medida utilizada para a quantidade de elétrons.
59. Ampére é Coulomb por segundo, ou seja, a quantidade de elétrons que passa
em um condutor por segundo.
60. Para medir corrente em um circuito, deve-se ligar o amperímetro em
série.
61. O amperímetro possui um “shunt” que é uma baixa resistência, ligada
em paralelo, a fim de ampliar a sua escala.
62. A FEM (força eletromotriz) é que faz a corrente se movimentar em um
circuito.
63. O valor da tensão é quem determina a corrente em um circuito.
64. A resistência é a oposição ao fluxo de elétrons.
65. O resistor serve para oferecer resistência em um circuito.
66. Materiais diferentes oferecem resistências diferentes.
67. Quanto maior o comprimento do condutor, maior será a resistência.
68. Quanto maior a temperatura no condutor, maior será a sua resistência.
69. Quanto maior a seção transversal de um condutor, menor será a sua
resistência.
70. Resistores de fio são utilizados para altas correntes.
71. Resistores de carvão são utilizados para baixas resistências.
72. O Reostato é um resistor variável usado para variar a quantidade de corrente
fluindo em um circuito.
73. Circuito aberto é igual à resistência infinita.
74. Nos circuitos em série, a corrente será sempre a mesma em todos os
pontos.
75. Quando há resistências em série, deve-se soma-las para obter-se a
resistência total.
76. Quanto maior a tensão, maior será a corrente.
77. Quanto menor a tensão, menor será a corrente.
78. Quanto maior a resistência, menor será a corrente.
79. Quanto menor a resistência, maior será a corrente.
80. Em qualquer circuito deve haver tensão, corrente e resistência.
81. A corrente é produzida por uma tensão gerada e é limitada pela resistência.
82. Há um código de cores para identificação dos resistores.
83. Um gato preto subiu na estante marrom cheia de enfeites vermelhos. Na
estante havia um pé de laranja cheio de flores amarelas. Acima do pé de
laranja havia uma grama verde com um carro azul cheio de flores
violetas. Tudo isso ocorreu numa tarde cinza de um dia branco.
84. Preto - 0
85. Marrom - 1
86. Vermelho- 2
87. Laranja - 3
88. Amarelo - 4
89. Verde - 5
90. Azul - 6
91. Violeta - 7
92. Cinza - 8
93. Branco - 9
94. A tolerância dos resistores é observada na quarta faixa. Quando não
houver a quarta faixa, a tolerância será de 20%. Quando a quarta faixa
for prateada, a tolerância será de 10%. Quando a quarta faixa for
dourada, a tolerância será de 5%.
95. O voltímetro deve ser ligado em paralelo ao circuito e respeitando-se as
polaridades positiva e negativa.
96. A lei de OHM diz que a resistência é igual à tensão sobre a corrente.
97. O ohmímetro nuca deverá ser utilizado com o sistema energizado.
98. Um circuito simples é formado por uma resistência em uma fonte.
99. Fusíveis são resistores de metal com valores de resistência baixos que
fundem, protegendo o condutor e equipamento, quando ultrapassada
determinada corrente.
100. Os fusíveis devem ser ligados em série com o que ele pretende
proteger.
101. Os principais materiais de fabricação dos fusíveis são os estanhos e os
bismutos.
102. Devem-se utilizar fusíveis com valores ligeiramente maiores que a
corrente do circuito.
103. As principais proteções dos circuitos são os fusíveis e disjuntores.
104. Os disjuntores e fusíveis devem abrir o circuito antes que haja fumaça
no condutor.
105. A chave faca possui dois ou mais pólos e serve exclusivamente para
fechar ou abrir o circuito ou parte dele.
106. O circuito em paralelo é caracterizado por possuir duas ou mais
resistências ligadas lado a lado, oferecendo, dessa forma, mais de um
caminho para a corrente fluir.
107. Nas ligações em paralelo, os terminais de mesma carga devem ser
ligados entre si.
108. No circuito em paralelo, a tensão é sempre a mesma.
109. Quando as resistências são iguais, no circuito em paralelo, a
resistência total é igual ao valor de um dos resistores, dividido pela
quantidade deles.
110. Quando as resistências são iguais, no circuito em paralelo, a corrente
individual em cada resistor é igual à corrente total dividido pela
quantidade de resistores.
111. No circuito em paralelo, quando as resistências são diferentes, a
resistência total é igual à: R1. R2
R1+R2
112. Quanto maior for o número do fio, menor será o seu diâmetro.
113. O maior fio (o mais grosso ou de maior bitola) é o de número 000.
114. Os fios são identificados por números e letras.
115. Fios de trem de pouso - G.
116. Fios de comandos de vôo - C.
117. Fios de instrumentos de vôo - F.
118. Fios de motor - E.
119. Fios de iluminação - L.
120. Fios de alarmes de emergência W.
121. Fios de radar - S.
122. Fios de rádios de navegação - R.
123. Os chicotes de fios nunca devem ultrapassar a quantidade de 75EA
fios agrupados.
124. Nunca devem se passar fios por de baixo da bateria.
125. Os principais conectores NA são:
126. Classe A - de alumínio - para finalidades gerais.
127. Classe B - de alumínio - Onde se precise acessar aos
pinos.
128. Classe C - de alumínio - pressurizados.
129. Classe D - de alumínio - para vibração.
130. Classe K - de aço - para fogo.
131. Os conduítes são formados por fluorocarbono e são projetados para
suportar de -70 à 260ºC.
132. O diâmetro do conduíte deve ser 25% maior que o do chicote.
133. Na corrente alternada (VAC), os equipamentos são mais leves e
menores.
134. Na corrente alternada a direção e intensidade mudam
constantemente.
135. A forma de onda na corrente alternada é uma senóide.
136. O principio do gerador diz que uma corrente pode ser gerada por um
campo magnético.
137. O gerador de corrente alternada é também conhecido como
alternador.
138. Um ciclo é o tempo necessário para que a voltagem e corrente (com uma
defasagem de 90º) completem uma série de mudanças (do positivo para o
negativo).
139. Freqüência é a quantidade de ciclos por determinado período de tempo.
140. A freqüência comercial no Brasil é de 60 hz.
141. Fase é o par de freqüências e ciclagem.
142. Indutância é a tensão induzida no sentido contrário ao da tensão
aplicada (chamado também de força contra-eletromotriz).
143. Para de aumentar a indutância da bobina, deve-se introduzir um
núcleo de material magnético.
144. A indutância é medida em Henry.
145. Reatância indutiva é a oposição ao fluxo de corrente causado pela
indutância.
146. A fórmula da Reatância indutiva é: 2¶FL, onde L é a indutância.
147. O capacitor é a junção de dois materiais condutores com um não
condutor (chamado de dielétrico).
148. Os capacitores podem ser de papel, óleo, mica, eletrólitos...
149. Os capacitores de óleo são os mais usados em rádio e radares por
agüentarem mais voltagem.
150. Os capacitores eletrolíticos são os mais utilizados na eletrônica.
151. O capacitor armazena eletricidade.
152. A capacitância é medida em Farads.
153. A capacitância depende da área total das placas, da espessura e
composição do dielétrico.
154. Transformadores são utilizados para aumentar ou diminuir as
voltagens.
155. O transformador é composto por núcleo de ferro (material que
apresenta baixa relutância magnética), enrolamento primário (que é ligado
em paralelo à fonte de tensão) e enrolamento secundário (que recebe tensão
por indução do enrolamento primário).
156. No transformador de voltagem que diminui a tensão, o enrolamento
primário possui uma maior quantidade de espiras que o enrolamento
secundário.
157. Nenhum transformador é 100% eficiente, porque nem todas as linhas
magnéticas que saem do enrolamento primário chegam ao enrolamento
secundário.
158. A quantidade de linhas magnéticas que chegam ao enrolamento
secundário, vindas do enrolamento primário, chama-se de Coeficiente de
acoplamento.
159. Os transformadores de RF (rádio freqüência) possuem núcleo de ar e
não de ferro, como os transformadores habituais.
160. Nunca poderá haver mais potência no enrolamento secundário do
que no primário.
161. Originalmente as válvulas foram desenvolvidas com a intenção de
serem utilizadas nos sistemas de rádio.
162. Em uma válvula, há um elemento metálico chamado CATODO que
aquece na presença de corrente elétrica.
163. DIODO é uma válvula de 2 elementos (placa e catodo) que tem a função
de TR.
164. TRIODO é uma válvula de 3 elementos (placa, catodo e grade) que tem
a função de amplificador (controle de corrente e voltagem).
165. TETRODO é uma válvula de 4 elementos (placa, catodo e 2 grades).
166. PENTODO é uma válvula de 5 elementos (placa, catodo e 3 grades) e
serve para amplificar os sinais mais fracos.
167. O diodo zenner, que suporta muitíssima tensão, é utilizado como
regulador de tensão. Ele também suporta baixas tensões (3,5V),
diferentemente das válvulas que só trabalham a partir de 75V.
168. Megômetro é um ohmímetro de alta faixa de indicação.
169. A grande maioria dos motores AC não possui escova.
170. O transistor veio para substituir as válvulas.
171. O transistor PNP (passa não passa) o sentido da seta é para dentro da
base.
172. O Transistor NPN (não passa não) o sentido da seta é para fora da base.
173. A grande maioria dos arranques dos motores convencionais é do tipo
elétrico de engranzamento direto.
174. As escovas de um motor devem ser substituídas quando 50% gastas.
175. Os motores convencionais possuem 02 magnetos.
176. O som se propaga muito mais rápida e eficientemente nos sólidos e
líquidos, que nos gasosos (ar).
177. As freqüências audíveis ou audiofreqüências vão de 16 a 20.000 hz.
178. As freqüências de VHF vão de 30 a 300MHz.
179. As freqüências de UHF vão de 300 a 3000MHz.
180. Somente os radares PSR e SSR são habilitados para o sistema de
transponder.
181. O Turn Bank além de servir para auxílio nas curvas, serve também para
indicar se a ACFT está em vôo nivelado (horizontal).
182. O líquido do Turn Bank é o mesmo da bússola magnética (querosene
sem ácido) e tem a mesma função (amortecimento) e depois (antioxidante).
183. Os principais materiais utilizados em termopares são os: alumel e
cromel.
184. O RCCB é a junção de um relé e um disjuntor. Ele é um disjuntor de
controle remoto.
185. Os instrumentos de vôo são: altímetro, velocímetro, climb (variômetro),
machímetro, ADI (atitude director indicator).
186. Os instrumentos de navegação são: HSI (horizontal situation indicator),
RMI (radio magnetic indicator), gyro, bússola e sistema pictorial.
187. Os instrumentos do motor são: temperatura de óleo, pressão de óleo,
temperatura do motor, rotação do motor, torque do motor.
188. Os instrumentos diversos são: quantidade de combustível (F/F), ângulo
de ataque, relógio, temperatura externa do ar (TAT), posição do flap.
189. Todo instrumento deve suportar temperaturas de -35ºc à 60ºc.
190. Todo instrumento deve suportar vibração de 0,003 a 0,005 de amplitude
e de 600 a 2200 oscilações por minuto de freqüência.
191. Todo instrumento deve ser parcialmente vedado (a prova d’água) ou
totalmente vedado (a prova d’água e de ar).
192. Todo instrumento deve possuir iluminação direta ou indireta.
193. Todo instrumento deve ser posicionado de tal forma que permita uma
perfeita visualização, mesmo que a ACFT esteja a 180º.
194. Todo instrumento deve possuir escala graduada com marcações de 50%
a 100% sobre os valores normais de operação.
195. Quando o instrumento é pintado, todo cuidado é necessário, pois o
radium, material utilizado para pintura fins reflexão no escuro, é altamente
venenoso.
196. O arco vermelho em um instrumento significa: operação proibida.
197. O arco amarelo em um instrumento significa: operação indesejável por
haver perigos e limitações.
198. O arco verde em um instrumento significa: operação normal.
199. O arco azul em um instrumento significa: operação econômica.
200. O sistema de pitot’s é ligado à 28VDC.
201. Os antigos pitot’s recebiam informações de PT (PD) + PE.
202. Atualmente os pitot’s mais modernos só recebem informações de PT
(PD) devido à existência de tomadas estáticas dedicadas às PE.
203. O aquecimento dos pitot’s (que é elétrico) não deve permanecer ligado
por muito tempo no solo, pois é gerado um calor muito maior do que possa
ser dissipado, na ausência de ar frio de impacto.
204. IAS (indicated air speed) – velocidade sem correção.
205. TAS (true air speed) – velocidade com correção de altitude e
temperatura.
206. Velocidade absoluta – ground speed.
207. O velocímetro indica a velocidade da ACFT com relação ao ar.
208. Quando a ACFT está ao nível do mar, em atmosfera padrão, os IAS,
TAS e velocidade absoluta são praticamente iguais.
209. O velocímetro é um manômetro (medidor de pressão) ou barômetro
(medidor de pressão do ar) calibrado em escala de velocidade.
210. Devido ao ar se tornar rarefeito em grandes altitudes, faz-se necessário
a utilização de grandes velocidades, a fim de se manter a sustentação da
ACFT.
211. Os velocímetros de pressão diferencial tipo pitot são os mais
utilizados.
212. O velocímetro utiliza diafragma.
213. Quanto maior a altitude, menor será a temperatura. A esta relação, dá-se
o nome de gradiente térmico.
214. A CADA 1000FT, HÁ UMA DIMINUIÇÃO DE 2º DE
TEMPERATURA.
215. Pressão é igual à força sobre a área.
216. A unidade de pressão estática padrão é o milibar (mb).
217. Altitude indicada – altitude sem correção.
218. Altitude verdadeira – altitude real com correções de pressão e
temperatura.
219. Altitude absoluta – altura.
220. O altímetro utiliza cápsula aneróide.
221. No interior da cápsula aneróide há vácuo.
222. O principal erro do altímetro é conhecido por erro de hesteresis ou erro
de impulso ou ainda erro de atraso. Este erro é ocasionado pela
impossibilidade das moléculas do metal (material da cápsula aneróide) reagir
prontamente às rápidas variações de pressão.
223. Sempre antes do vôo deve-se realizar o ajuste de altímetro.
224. O climb é conhecido também como variômetro ou indicador de razão de
subida e descida.
225. O climb utiliza diafragma.
226. O ATC (air traffic control) transponder trabalha com as freqüências
de 1090 e 1030 MHz.
227. Quando interrogado no modo (A), o ATC responde com a freqüência
setada em seu painel.
228. Quando interrogado no modo (C), o ATC responde com a freqüência
setada no painel + altitude.
229. O giroscópio apresenta duas principais características, que são RIGIDEZ
E PRECESSÃO.
230. Em uma curva perfeita, a bolinha do TURN AND BANK permanece
centralizada.
231. O número de mach é relacionado com a porcentagem da velocidade do
som.
232. Declinação magnética é a diferença entre o norte verdadeiro e o norte
magnético.
233. As partes principais da bússola magnética são:
234. Caixa de forma esférica ou cilíndrica feita de material não magnético.
235. Conjunto do mostrador que inclui o painel mostrador ou o limbo.
236. A linha de fé que é um arame ou pedaço de material fixo em relação à
bússola pelo qual se faz a leitura do mostrador.
237. Fluido amortecedor que é o querosene totalmente transparente e sem
ácido.
238. Câmara de compensação onde ficam os ímãs compensadores.
239. Lâmpada de iluminação do instrumento.
240. A agulha da bússola sempre apontará na direção das linhas de força
magnéticas.
241. O querosene da bússola serve prioritariamente para evitar oscilações e
depois para evitar oxidação.
242. A compensação da bússola deve ser realizada utilizando-se a rosa dos
ventos ou a bússola padrão.
243. VOR (very high frequency ominidirectional range) trabalha de 108 a
117.95MHz de freqüência.
244. As radiais do VOR totalizam 360.
245. A radial é o ângulo formado entre a ACFT e o norte magnético, com
relação à estação de VOR.
246. ILS (instrument landing system) possui estações chamadas localizer e
glideslope.
247. O localizer centraliza a acft com a pista e trabalha de 108.1 a
111.95MHz, emitindo pulsos de 90 e 150 hz.
248. O glideslope, busca a perfeita rampa de planeio e trabalha de 329.15
a 335mhz, emitindo pulsos de 90 e 150 hz.
249. Marker beacon trabalha com 75mhz. Ele possui três marcadores, sendo:
250. Outer marker – 400 hz – Luz azul.
251. Middle marker – 1300 Hz – Luz âmbar.
252. Inner marker – 3000 Hz – Luz branca.
253. No RMI (radio magnetic indicator) o ponteiro fino é do VOR e o
grosso é do ADF.
254. Para os medidores d’arsonval, deve-se conecta-los observando a
polaridade e o tipo de corrente que deverá ser sempre DC.
255. O amperímetro possui um “shunt” (resistência de baixo valor) ligado
em paralelo, fins ampliação da escala.
256. O voltímetro possui uma alta resistência chamada de resistência
multiplicadora ligada em série.
257. A maioria dos relógios tem corda suficiente para 8 dias, todavia é de
praxe que antes de cada perna de vôo, a tripulação complete a corda
necessária.
258. O indicador de temperatura externa do ar (OAT) trabalha de -60ºc a
+60ºc.
259. Os indicadores de pressão hidráulica possuem tubos de BOURDON.
260. A potência fornecida pelo gerador é chamada de amper-carga.
261. Nos Boeings, o gerador fornece de 30 a 40 KVA, 380 a 420 Hz e 5700 a
6300 RPM.
262. O gerador de corrente contínua é também chamado de induzido
263. O gerador de corrente alternada é também chamado de alternador.
264. Os principais componentes do gerador de CC são: carcaça, induzido e
escovas.
265. SCR (silicium controller retifier) é um comutador quase ideal.
266. O THYRISTOR (SCR) é um diodo semicondutor de silício, de 4
camadas alternadas PNPN e de 3 saídas (anodo, catodo e gatilho).
267. O TRIAC possui 3 terminais e pode conduzir nos dois sentidos.
268. O QUADRAC é composto por triacs e diacs.
269. O diodo SHOCKLEY é um Thyristor SCR com dois terminais.
270. Comprimento de onda é igual a V sobre F, onde V=300.000 e F é a
freqüência.
271. Ondas sonoras – vibrações mecânicas.
272. Ondas eletromagnéticas – vibrações eletrônicas.
273. O som não se propaga no vácuo.
274. A velocidade do som é de 331m/s.
275. As ondas de rádio vão de 0,03cm a 3.000 metros.
276. O sinal de RF que é emitido pela antena, é chamado de ONDA
PORTADORA.
277. AM – modulação apenas de amplitude.
278. FM – modulação apenas de freqüência.
279. SSB – banda lateral única – variação melhorada da AM.
280. oscilador – amplificador intermediário – amplificador final – antena.
281. 29,92 polegadas de mercúrio = 760 milímetros de mercúrio = 1013,25
milibares.
282. Dos materiais semicondutores que existe, o germânio e o silício são os
mais usados.
283. Dopagem é a introdução de impurezas nos cristais de silício e germânio.
284. Para criação de um cristal N, introduz-se fósforo, arsênio, bismuto e
antimônio como impureza.
285. Para criação de um cristal P, introduz-se bário, alumínio, gálio e índio.
286. O diodo retificador é o mesmo que a check valve do sistema hidráulico.
Somente conduz em um sentido, quando há fluxo reverso, ele abre o circuito.
287. As principais aplicações do diodo retificador são: detectores de pico,
circuitos limitadores, circuitos de proteção.
288. O elemento do manômetro de pressão absoluta é a cápsula aneróide.
289. O manômetro de óleo lubrificante mede pressão relativa.
290. O manômetro de pressão de admissão é do tipo pressão relativa.
291. Os termômetros de vapor utilizam como elemento sensor o tubo de
bourdon.
292. O tacômetro mecânico ou centrífugo recebe força centrífuga em suas
palhetas giratórias.
293. Um manômetro de pressão absoluta (que utiliza cápsula aneróide),
quando exposto aos limites da atmosfera, marcará zero.
294. O termômetro de pressão de vapor possui cloreto de metila em seu
bulbo.
295. O tubo de bourdon para medição de baixa pressão é feito de bronze
fosforoso.
296. Para alta pressão ele é feito de aço.
297. O termômetro que mede a temperatura do óleo do motor é do tipo
pressão de vapor.
298. Giro horizonte é o nome técnico do giro artificial.
299. A unidade de força externa fornece força para a barra principal de
DC.
300. A placa positiva de uma bateria secundária é de chumbo puro.
301. As principais camadas da atmosfera são: troposfera, tropopausa,
estratosfera, ionosfera.
302. A espessura da troposfera é uniforme.
303. Para aumentar flexibilidade, sensibilidade e amplitude de um
instrumento devem-se associar em série algumas cápsulas aneróides.
304. A hora limite pode ser alterada, desde que com a devida autorização.
305. Um altímetro compensado é diferente de um altímetro sensitivo por
possuir uma cápsula aneróide a mais. O altímetro também é chamado de
barômetro aneróide.
306. As revisões em instrumentos devem ser efetuadas tomando como base o
parâmetro da hora limite.
307. Quando se deseja comparar duas pressões, o instrumento que possui
diafragma deve ser o ideal a ser utilizado.
308. A finalidade do orifício capilar do CLIMB é permitir que haja um
diferencial de pressão.
309. As barras compensadoras da bússola são instaladas por debaixo da
barra imantada.
310. Os tacômetros centrífugos são ligados ao eixo do motor por meio de
cabo flexível e engrenagem redutora.
311. A finalidade da mola cabelo, dos instrumentos sensíveis, é a de
permitir passagem de corrente para a bobina móvel e quando a corrente
deixar de fluir, trazer o ponteiro para zero.
312. Um tacômetro de corrente alternada produz corrente trifásica.
313. O ferro móvel é o único instrumento que não precisa observar a
polaridade quando na medição.
314. O ferro móvel serve para utilização em corrente contínua.
315. Um amperímetro de ferro móvel serve para medir correntes contínuas
e alternadas.
316. A escala do instrumento de ferro móvel é quadrática.
317. A sensibilidade de um instrumento é indicada em OHMS/VOLTS.
318. O ar para o sistema anti-gelo das ACFT’S pode vir da sangria dos
motores, aquecedor a gás de exaustão ou aquecedores à combustão.
319. Para prevenção e controle do sistema de gelo das ACFT’S pode-se
utilizar sistema pneumático, térmico, elétrico e álcool pulverizado.
320. O sistema de Boots de degelo utiliza bomba palheta, para inflação.
321. Os componentes do sistema de degelo são separador de óleo, válvula de
sucção, válvula descarregadora e bomba de ar.
322. Os materiais que possuem imantação positiva são chamados de
paramagnéticos.
323.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
marden matias
 
Simulado de eletricidade básica
Simulado de eletricidade básicaSimulado de eletricidade básica
Simulado de eletricidade básica
Evanildo Leal
 
Aula 10 corrente e resistores
Aula 10   corrente e resistoresAula 10   corrente e resistores
Aula 10 corrente e resistores
Montenegro Física
 
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Ricardo Akerman
 
Eletricidade aplicada
Eletricidade aplicadaEletricidade aplicada
Eletricidade aplicada
Odilon Kopp Rodrigues
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
Fabrício Souza
 
Corrente e resistores
Corrente e resistoresCorrente e resistores
Corrente e resistores
Ricardo Bonaldo
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
pacosantos
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
José Albuquerque
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy ) Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy )
Ricardo Akerman
 
Estudo dos resistores
Estudo dos resistoresEstudo dos resistores
Estudo dos resistores
Marco Antonio Sanches
 
Fazer os exercicios
Fazer os exerciciosFazer os exercicios
Fazer os exercicios
Paulo Miguel De Toni
 
Exercícios de thevénin
Exercícios de thevéninExercícios de thevénin
Exercícios de thevénin
Gabriel Dutra
 
Noções de eletricidade
Noções de eletricidadeNoções de eletricidade
Noções de eletricidade
Evanildo Leal
 
Circuitos RLC
Circuitos RLCCircuitos RLC
Circuitos RLC
Jim Naturesa
 
Circuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e mistoCircuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e misto
John Marcos Souza
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Teoremas exer resolvido
Teoremas exer resolvidoTeoremas exer resolvido
Teoremas exer resolvido
Gabriel Sousa
 

Mais procurados (19)

Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Simulado de eletricidade básica
Simulado de eletricidade básicaSimulado de eletricidade básica
Simulado de eletricidade básica
 
Aula 10 corrente e resistores
Aula 10   corrente e resistoresAula 10   corrente e resistores
Aula 10 corrente e resistores
 
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
 
Eletricidade aplicada
Eletricidade aplicadaEletricidade aplicada
Eletricidade aplicada
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Corrente e resistores
Corrente e resistoresCorrente e resistores
Corrente e resistores
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
 
Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy ) Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy )
 
Estudo dos resistores
Estudo dos resistoresEstudo dos resistores
Estudo dos resistores
 
Fazer os exercicios
Fazer os exerciciosFazer os exercicios
Fazer os exercicios
 
Exercícios de thevénin
Exercícios de thevéninExercícios de thevénin
Exercícios de thevénin
 
Noções de eletricidade
Noções de eletricidadeNoções de eletricidade
Noções de eletricidade
 
Circuitos RLC
Circuitos RLCCircuitos RLC
Circuitos RLC
 
Circuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e mistoCircuito em séria, paralelo e misto
Circuito em séria, paralelo e misto
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
 
Teoremas exer resolvido
Teoremas exer resolvidoTeoremas exer resolvido
Teoremas exer resolvido
 

Destaque

Motores Elétricos
Motores ElétricosMotores Elétricos
Motores Elétricos
vcolpo
 
avionicos - Comunicação (1)
avionicos - Comunicação (1)avionicos - Comunicação (1)
avionicos - Comunicação (1)
Santos Cesar
 
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
MELHORANDO PESSOAS
 
Comunicação (5)
Comunicação (5)Comunicação (5)
Comunicação (5)
Santos Cesar
 
Comunicação (6)
Comunicação (6)Comunicação (6)
Comunicação (6)
Santos Cesar
 
Comunicação (8)
Comunicação (8)Comunicação (8)
Comunicação (8)
Santos Cesar
 
Comunicação (4)
Comunicação (4)Comunicação (4)
Comunicação (4)
Santos Cesar
 
Comunicação (7)
Comunicação (7)Comunicação (7)
Comunicação (7)
Santos Cesar
 
Comunicação (3)
Comunicação (3)Comunicação (3)
Comunicação (3)
Santos Cesar
 
Comunicação (2)
Comunicação (2)Comunicação (2)
Comunicação (2)
Santos Cesar
 
EXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARD
EXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARDEXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARD
EXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARD
Colegio Copperativo Comfenalco
 
Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014
Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014
Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014
Lucas Amaral Lauriano
 
GANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIA
GANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIAGANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIA
GANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIA
Cesar Coronel
 
Materiais motores-Partes de motores
Materiais motores-Partes de motoresMateriais motores-Partes de motores
Materiais motores-Partes de motores
maodsn
 
7 habits of_highly_effective_p
7 habits of_highly_effective_p7 habits of_highly_effective_p
7 habits of_highly_effective_p
immeca
 
Aula conversão eletromecanica energia
Aula conversão eletromecanica energiaAula conversão eletromecanica energia
Aula conversão eletromecanica energia
ee
 
Palestra Motivacional para Alunos de Mecânica Aeronáutica
Palestra Motivacional para Alunos de Mecânica AeronáuticaPalestra Motivacional para Alunos de Mecânica Aeronáutica
Palestra Motivacional para Alunos de Mecânica Aeronáutica
Gustavo Monasterio
 
Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia
Teodoro Silva
 
Divisao diferencial
Divisao diferencialDivisao diferencial
Divisao diferencial
Luiz Gustavo
 
07 usinagem
07   usinagem07   usinagem
07 usinagem
Luiza Emanuelle
 

Destaque (20)

Motores Elétricos
Motores ElétricosMotores Elétricos
Motores Elétricos
 
avionicos - Comunicação (1)
avionicos - Comunicação (1)avionicos - Comunicação (1)
avionicos - Comunicação (1)
 
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
 
Comunicação (5)
Comunicação (5)Comunicação (5)
Comunicação (5)
 
Comunicação (6)
Comunicação (6)Comunicação (6)
Comunicação (6)
 
Comunicação (8)
Comunicação (8)Comunicação (8)
Comunicação (8)
 
Comunicação (4)
Comunicação (4)Comunicação (4)
Comunicação (4)
 
Comunicação (7)
Comunicação (7)Comunicação (7)
Comunicação (7)
 
Comunicação (3)
Comunicação (3)Comunicação (3)
Comunicação (3)
 
Comunicação (2)
Comunicação (2)Comunicação (2)
Comunicação (2)
 
EXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARD
EXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARDEXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARD
EXPERIMENTO UNO EN PROTOBOARD
 
Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014
Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014
Highlights - Estado da Gestão para Sustentabilidade no Brasil - 2014
 
GANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIA
GANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIAGANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIA
GANODERMA LUCIDUM DXN COLOMBIA
 
Materiais motores-Partes de motores
Materiais motores-Partes de motoresMateriais motores-Partes de motores
Materiais motores-Partes de motores
 
7 habits of_highly_effective_p
7 habits of_highly_effective_p7 habits of_highly_effective_p
7 habits of_highly_effective_p
 
Aula conversão eletromecanica energia
Aula conversão eletromecanica energiaAula conversão eletromecanica energia
Aula conversão eletromecanica energia
 
Palestra Motivacional para Alunos de Mecânica Aeronáutica
Palestra Motivacional para Alunos de Mecânica AeronáuticaPalestra Motivacional para Alunos de Mecânica Aeronáutica
Palestra Motivacional para Alunos de Mecânica Aeronáutica
 
Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia Apostila conversão eletromecânica de energia
Apostila conversão eletromecânica de energia
 
Divisao diferencial
Divisao diferencialDivisao diferencial
Divisao diferencial
 
07 usinagem
07   usinagem07   usinagem
07 usinagem
 

Semelhante a Resumo para a banca de aviônica de dezembro de 2006

Unidade iv física 13
Unidade iv física 13Unidade iv física 13
Unidade iv física 13
Mário Henrique
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
Santos de Castro
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
Santos de Castro
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
Santos de Castro
 
Questões preparatórias vestibular
Questões preparatórias vestibularQuestões preparatórias vestibular
Questões preparatórias vestibular
Helenton Oliveira
 
Montagem de computadores
Montagem de computadoresMontagem de computadores
Montagem de computadores
Tiago
 
Curso de montagem e manutenção em computadores
Curso de montagem e manutenção em computadoresCurso de montagem e manutenção em computadores
Curso de montagem e manutenção em computadores
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 
Capitulo 1 diodos
Capitulo 1 diodosCapitulo 1 diodos
Capitulo 1 diodos
Emerson Candido
 
Corrente continua e leis
Corrente continua e leisCorrente continua e leis
Corrente continua e leis
João Ferreira
 
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Maria Freitas
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
naysatler
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
Videoaulas De Física Apoio
 
Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1 Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1
José Albuquerque
 
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmicaAula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
debvieir
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
professorvaldirperini
 
Lei de Ohm
	 Lei de Ohm	 Lei de Ohm
Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.
Rebeca Conceição da Silva Reis
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
Cris Santos Tutores
 
Apostila de eletricidade básica
Apostila de eletricidade básica Apostila de eletricidade básica
Apostila de eletricidade básica
Eberson-Thyss Oliveira
 
Excel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptx
Excel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptxExcel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptx
Excel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptx
WagnerSantiago2
 

Semelhante a Resumo para a banca de aviônica de dezembro de 2006 (20)

Unidade iv física 13
Unidade iv física 13Unidade iv física 13
Unidade iv física 13
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
 
Questões preparatórias vestibular
Questões preparatórias vestibularQuestões preparatórias vestibular
Questões preparatórias vestibular
 
Montagem de computadores
Montagem de computadoresMontagem de computadores
Montagem de computadores
 
Curso de montagem e manutenção em computadores
Curso de montagem e manutenção em computadoresCurso de montagem e manutenção em computadores
Curso de montagem e manutenção em computadores
 
Capitulo 1 diodos
Capitulo 1 diodosCapitulo 1 diodos
Capitulo 1 diodos
 
Corrente continua e leis
Corrente continua e leisCorrente continua e leis
Corrente continua e leis
 
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica www.aulasdefisicaapoio.com - Física -  Eletrodinâmica
www.aulasdefisicaapoio.com - Física - Eletrodinâmica
 
Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1 Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1
 
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmicaAula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Lei de Ohm
	 Lei de Ohm	 Lei de Ohm
Lei de Ohm
 
Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
 
Apostila de eletricidade básica
Apostila de eletricidade básica Apostila de eletricidade básica
Apostila de eletricidade básica
 
Excel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptx
Excel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptxExcel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptx
Excel Básico Nova Apresentação Excel Básico.pptx
 

Mais de Evanildo Leal

Sistema de oxigênio2
Sistema  de oxigênio2Sistema  de oxigênio2
Sistema de oxigênio2
Evanildo Leal
 
35 oxygen
35 oxygen35 oxygen
35 oxygen
Evanildo Leal
 
Sistema de oxigênio
Sistema de oxigênioSistema de oxigênio
Sistema de oxigênio
Evanildo Leal
 
Tabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidadesTabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidadesEvanildo Leal
 
Hc ttremdepouso lg30ago04.doc
Hc ttremdepouso lg30ago04.docHc ttremdepouso lg30ago04.doc
Hc ttremdepouso lg30ago04.doc
Evanildo Leal
 
Contexto estruturas aprofundado.doc
Contexto estruturas aprofundado.docContexto estruturas aprofundado.doc
Contexto estruturas aprofundado.doc
Evanildo Leal
 
Básico helicoptero
Básico helicopteroBásico helicoptero
Básico helicoptero
Evanildo Leal
 
Eletricidade básica & motores e geradores gab
Eletricidade básica & motores e geradores   gabEletricidade básica & motores e geradores   gab
Eletricidade básica & motores e geradores gab
Evanildo Leal
 
Eletricidade 02 gabarito
Eletricidade 02 gabaritoEletricidade 02 gabarito
Eletricidade 02 gabarito
Evanildo Leal
 
Eletricidade 40 questoes
Eletricidade   40 questoesEletricidade   40 questoes
Eletricidade 40 questoes
Evanildo Leal
 
Atividade de eletricidade básica
Atividade de eletricidade básicaAtividade de eletricidade básica
Atividade de eletricidade básica
Evanildo Leal
 
Eletricidade básica & motores e geradores
Eletricidade básica & motores e geradoresEletricidade básica & motores e geradores
Eletricidade básica & motores e geradores
Evanildo Leal
 
07 sist de partida e ignicao
07 sist de partida e ignicao07 sist de partida e ignicao
07 sist de partida e ignicao
Evanildo Leal
 
06 materiais eletricos
06 materiais eletricos06 materiais eletricos
06 materiais eletricos
Evanildo Leal
 
05 instrumentos diversos
05 instrumentos diversos05 instrumentos diversos
05 instrumentos diversos
Evanildo Leal
 
04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor
Evanildo Leal
 
03 instrumentos de navegacao
03 instrumentos de navegacao03 instrumentos de navegacao
03 instrumentos de navegacao
Evanildo Leal
 
02 instrumentos de voo
02 instrumentos de voo02 instrumentos de voo
02 instrumentos de voo
Evanildo Leal
 
01 generalidades sobre instrumentos
01 generalidades sobre instrumentos01 generalidades sobre instrumentos
01 generalidades sobre instrumentos
Evanildo Leal
 
00 conteudo
00 conteudo00 conteudo
00 conteudo
Evanildo Leal
 

Mais de Evanildo Leal (20)

Sistema de oxigênio2
Sistema  de oxigênio2Sistema  de oxigênio2
Sistema de oxigênio2
 
35 oxygen
35 oxygen35 oxygen
35 oxygen
 
Sistema de oxigênio
Sistema de oxigênioSistema de oxigênio
Sistema de oxigênio
 
Tabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidadesTabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidades
 
Hc ttremdepouso lg30ago04.doc
Hc ttremdepouso lg30ago04.docHc ttremdepouso lg30ago04.doc
Hc ttremdepouso lg30ago04.doc
 
Contexto estruturas aprofundado.doc
Contexto estruturas aprofundado.docContexto estruturas aprofundado.doc
Contexto estruturas aprofundado.doc
 
Básico helicoptero
Básico helicopteroBásico helicoptero
Básico helicoptero
 
Eletricidade básica & motores e geradores gab
Eletricidade básica & motores e geradores   gabEletricidade básica & motores e geradores   gab
Eletricidade básica & motores e geradores gab
 
Eletricidade 02 gabarito
Eletricidade 02 gabaritoEletricidade 02 gabarito
Eletricidade 02 gabarito
 
Eletricidade 40 questoes
Eletricidade   40 questoesEletricidade   40 questoes
Eletricidade 40 questoes
 
Atividade de eletricidade básica
Atividade de eletricidade básicaAtividade de eletricidade básica
Atividade de eletricidade básica
 
Eletricidade básica & motores e geradores
Eletricidade básica & motores e geradoresEletricidade básica & motores e geradores
Eletricidade básica & motores e geradores
 
07 sist de partida e ignicao
07 sist de partida e ignicao07 sist de partida e ignicao
07 sist de partida e ignicao
 
06 materiais eletricos
06 materiais eletricos06 materiais eletricos
06 materiais eletricos
 
05 instrumentos diversos
05 instrumentos diversos05 instrumentos diversos
05 instrumentos diversos
 
04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor
 
03 instrumentos de navegacao
03 instrumentos de navegacao03 instrumentos de navegacao
03 instrumentos de navegacao
 
02 instrumentos de voo
02 instrumentos de voo02 instrumentos de voo
02 instrumentos de voo
 
01 generalidades sobre instrumentos
01 generalidades sobre instrumentos01 generalidades sobre instrumentos
01 generalidades sobre instrumentos
 
00 conteudo
00 conteudo00 conteudo
00 conteudo
 

Resumo para a banca de aviônica de dezembro de 2006

  • 1. RESUMO PARA A BANCA DE AVIÔNICA DE DEZEMBRO DE 2006. DEUS CERTAMENTE PROVERÁ! 1. A matéria pode ser definida como algo que possui massa e ocupa lugar no espaço. 2. A molécula é a menor parte da matéria que ainda retêm as propriedades químicas. 3. Os átomos são compostos por prótons (+), elétrons (-) e nêutrons (+ -). 4. Os prótons e nêutrons existem no núcleo do átomo. 5. Os elétrons existem na órbita do átomo. 6. A quantidade de elétrons é igual à quantidade de prótons. 7. Os nêutrons são iguais aos prótons em tamanho e peso. 8. Todos os efeitos da eletricidade são conseqüências de uma partícula minúscula chamada ELÉTRON. 9. Quando a carga positiva total dos prótons, no núcleo do átomo, equilibra-se com a carga negativa total de elétrons da órbita, pode-se dizer que o átomo possui carga neutra. 10. Um átomo carregado negativamente chama-se íon negativo, enquanto que um carregado positivamente chama-se íon positivo. 11. O átomo mais simples que existe é o átomo do hidrogênio que possui apenas 01 elétron e 01 próton. 12. Em acordo com a teoria eletrônica a corrente flui do negativo para o positivo. 13. Elétrons são partículas minúsculas de eletricidade. 14. A fricção é a principal fonte de eletricidade estática. 15. As principais substâncias que produzem eletricidade estática são: vidro, âmbar, ebonite, flanela, seda, nylon, rayon. 16. Uma vareta de vidro quando esfregada com a pelica, torna-se carregada negativamente. 17. Uma vareta de vidro quando esfregada com a seda, torna-se carregada positivamente. 18. A eletricidade estática interfere nas comunicações das ACFT’S, motivo pelo qual todos os equipamentos de rádio devem ser blindados. 19. Todos os tipos de materiais conduzem alguma corrente. 20. Em uma esfera oca, as cargas distribuem-se igualmente em sua superfície. 21. Em objetos irregulares, as cargas distribuem-se nas extremidades. 22. Defini-se como corrente contínua quando o fluxo de elétrons corre apenas em uma direção. 23. Em uma corrente contínua, a forma de onda é uma reta. 24. O cobre é considerado o melhor condutor. 25. Um material é considerado condutor, quando não retém o fluxo de elétrons. 26. Nas ligações em série, os terminais positivo e negativo devem ser ligados entre si. 27. Cargas opostas se atraem enquanto que cargas iguais se repelem. 28. A atração entre as cargas opostas existe porque o excesso de elétrons da carga negativa procurará sempre um lugar em que haja carência de elétrons. 29. A fonte de eletricidade do microfone é a pressão que gera corrente.
  • 2. 30. Os principais materiais que sob pressão geram corrente são: quartzo, turmalina e sais de rochelle. 31. A fotocélula é um sanduíche de ferro, material translúcido e recheio de selênio. 32. A pilha primária é caracterizada por não permitir recarga e dispensar apenas pequenas quantidades de energia. 33. As baterias secundárias permitem recarga e dispensam uma grande quantidade de energia por um período pequeno de tempo. 34. Quando duas ou mais pilhas primárias ou secundárias são unidas, forma-se uma bateria. 35. O líquido do interior das pilhas ou baterias, que transportam os elétrons do pólo positivo para o negativo, chama-se eletrólito. 36. A placa negativa mais comum nas pilhas secas é o zinco, material que forma a carcaça da pilha. 37. A placa positiva mais comum nas pilhas secas é o carbono. 38. As baterias secundárias mais comuns na aviação são as de chumbo-ácido e níqueo-cádmio. 39. O eletrólito das baterias de chumbo-ácido é o ácido sulfúrico a 25%. 40. O melhor neutralizante para o ácido sulfúrico é o bicarbonato de sódio. 41. O eletrólito das baterias de níqueo-cádmio é o hidróxido de potássio a 30%. 42. O eletrólito mais comum nas pilhas secas é o cloreto de amônia. 43. A capacidade de armazenamento das baterias é medida em amper-hora. 44. A condição de carga das baterias deve ser checada semanalmente, através da densidade do eletrólito, com a utilização do densímetro. 45. Nas ACFT’S multimotoras, as baterias são conectadas em paralelo com a barra essencial DC. 46. O magnetismo é a principal fonte de energia que existe atualmente. 47. Magnetismo é a propriedade do material em atrair ferro. 48. O ímã natural é composto por um minério chamado de magnetita. 49. O ferro se magnetiza e desmagnetiza muito rapidamente e, por esse motivo, os ímãs de ferro doce são chamados de ímãs temporários. 50. Os ímãs feitos de liga de aço, pelo contrário, são chamados de ímãs permanentes. 51. Nos ímãs, o sentido do fluxo da corrente é do pólo norte para o pólo sul. 52. Movendo-se um ímã próximo a um condutor ou um condutor próximo a um ímã, produz-se eletricidade. 53. Relutância magnética é a oposição ao fluxo magnético. 54. Alta relutância magnética – alta oposição ao fluxo magnético. 55. Uma bobina é formada quando se enrola várias vezes um condutor (fio). 56. Para se aumentar a quantidade de eletricidade em uma bobina, deve-se aumentar a quantidade de fios enrolados (espiras) na bobina ou aumentar a velocidade da bobina ou do ímã ou aumentar o poder do ímã. 57. A regra da mão esquerda serve para determinar o sentido das linhas de força de um campo magnético. 58. Coulomb é a medida utilizada para a quantidade de elétrons. 59. Ampére é Coulomb por segundo, ou seja, a quantidade de elétrons que passa em um condutor por segundo. 60. Para medir corrente em um circuito, deve-se ligar o amperímetro em série.
  • 3. 61. O amperímetro possui um “shunt” que é uma baixa resistência, ligada em paralelo, a fim de ampliar a sua escala. 62. A FEM (força eletromotriz) é que faz a corrente se movimentar em um circuito. 63. O valor da tensão é quem determina a corrente em um circuito. 64. A resistência é a oposição ao fluxo de elétrons. 65. O resistor serve para oferecer resistência em um circuito. 66. Materiais diferentes oferecem resistências diferentes. 67. Quanto maior o comprimento do condutor, maior será a resistência. 68. Quanto maior a temperatura no condutor, maior será a sua resistência. 69. Quanto maior a seção transversal de um condutor, menor será a sua resistência. 70. Resistores de fio são utilizados para altas correntes. 71. Resistores de carvão são utilizados para baixas resistências. 72. O Reostato é um resistor variável usado para variar a quantidade de corrente fluindo em um circuito. 73. Circuito aberto é igual à resistência infinita. 74. Nos circuitos em série, a corrente será sempre a mesma em todos os pontos. 75. Quando há resistências em série, deve-se soma-las para obter-se a resistência total. 76. Quanto maior a tensão, maior será a corrente. 77. Quanto menor a tensão, menor será a corrente. 78. Quanto maior a resistência, menor será a corrente. 79. Quanto menor a resistência, maior será a corrente. 80. Em qualquer circuito deve haver tensão, corrente e resistência. 81. A corrente é produzida por uma tensão gerada e é limitada pela resistência. 82. Há um código de cores para identificação dos resistores. 83. Um gato preto subiu na estante marrom cheia de enfeites vermelhos. Na estante havia um pé de laranja cheio de flores amarelas. Acima do pé de laranja havia uma grama verde com um carro azul cheio de flores violetas. Tudo isso ocorreu numa tarde cinza de um dia branco. 84. Preto - 0 85. Marrom - 1 86. Vermelho- 2 87. Laranja - 3 88. Amarelo - 4 89. Verde - 5 90. Azul - 6 91. Violeta - 7 92. Cinza - 8 93. Branco - 9 94. A tolerância dos resistores é observada na quarta faixa. Quando não houver a quarta faixa, a tolerância será de 20%. Quando a quarta faixa for prateada, a tolerância será de 10%. Quando a quarta faixa for dourada, a tolerância será de 5%. 95. O voltímetro deve ser ligado em paralelo ao circuito e respeitando-se as polaridades positiva e negativa. 96. A lei de OHM diz que a resistência é igual à tensão sobre a corrente. 97. O ohmímetro nuca deverá ser utilizado com o sistema energizado.
  • 4. 98. Um circuito simples é formado por uma resistência em uma fonte. 99. Fusíveis são resistores de metal com valores de resistência baixos que fundem, protegendo o condutor e equipamento, quando ultrapassada determinada corrente. 100. Os fusíveis devem ser ligados em série com o que ele pretende proteger. 101. Os principais materiais de fabricação dos fusíveis são os estanhos e os bismutos. 102. Devem-se utilizar fusíveis com valores ligeiramente maiores que a corrente do circuito. 103. As principais proteções dos circuitos são os fusíveis e disjuntores. 104. Os disjuntores e fusíveis devem abrir o circuito antes que haja fumaça no condutor. 105. A chave faca possui dois ou mais pólos e serve exclusivamente para fechar ou abrir o circuito ou parte dele. 106. O circuito em paralelo é caracterizado por possuir duas ou mais resistências ligadas lado a lado, oferecendo, dessa forma, mais de um caminho para a corrente fluir. 107. Nas ligações em paralelo, os terminais de mesma carga devem ser ligados entre si. 108. No circuito em paralelo, a tensão é sempre a mesma. 109. Quando as resistências são iguais, no circuito em paralelo, a resistência total é igual ao valor de um dos resistores, dividido pela quantidade deles. 110. Quando as resistências são iguais, no circuito em paralelo, a corrente individual em cada resistor é igual à corrente total dividido pela quantidade de resistores. 111. No circuito em paralelo, quando as resistências são diferentes, a resistência total é igual à: R1. R2 R1+R2 112. Quanto maior for o número do fio, menor será o seu diâmetro. 113. O maior fio (o mais grosso ou de maior bitola) é o de número 000. 114. Os fios são identificados por números e letras. 115. Fios de trem de pouso - G. 116. Fios de comandos de vôo - C. 117. Fios de instrumentos de vôo - F. 118. Fios de motor - E. 119. Fios de iluminação - L. 120. Fios de alarmes de emergência W. 121. Fios de radar - S. 122. Fios de rádios de navegação - R. 123. Os chicotes de fios nunca devem ultrapassar a quantidade de 75EA fios agrupados. 124. Nunca devem se passar fios por de baixo da bateria. 125. Os principais conectores NA são: 126. Classe A - de alumínio - para finalidades gerais. 127. Classe B - de alumínio - Onde se precise acessar aos pinos. 128. Classe C - de alumínio - pressurizados. 129. Classe D - de alumínio - para vibração.
  • 5. 130. Classe K - de aço - para fogo. 131. Os conduítes são formados por fluorocarbono e são projetados para suportar de -70 à 260ºC. 132. O diâmetro do conduíte deve ser 25% maior que o do chicote. 133. Na corrente alternada (VAC), os equipamentos são mais leves e menores. 134. Na corrente alternada a direção e intensidade mudam constantemente. 135. A forma de onda na corrente alternada é uma senóide. 136. O principio do gerador diz que uma corrente pode ser gerada por um campo magnético. 137. O gerador de corrente alternada é também conhecido como alternador. 138. Um ciclo é o tempo necessário para que a voltagem e corrente (com uma defasagem de 90º) completem uma série de mudanças (do positivo para o negativo). 139. Freqüência é a quantidade de ciclos por determinado período de tempo. 140. A freqüência comercial no Brasil é de 60 hz. 141. Fase é o par de freqüências e ciclagem. 142. Indutância é a tensão induzida no sentido contrário ao da tensão aplicada (chamado também de força contra-eletromotriz). 143. Para de aumentar a indutância da bobina, deve-se introduzir um núcleo de material magnético. 144. A indutância é medida em Henry. 145. Reatância indutiva é a oposição ao fluxo de corrente causado pela indutância. 146. A fórmula da Reatância indutiva é: 2¶FL, onde L é a indutância. 147. O capacitor é a junção de dois materiais condutores com um não condutor (chamado de dielétrico). 148. Os capacitores podem ser de papel, óleo, mica, eletrólitos... 149. Os capacitores de óleo são os mais usados em rádio e radares por agüentarem mais voltagem. 150. Os capacitores eletrolíticos são os mais utilizados na eletrônica. 151. O capacitor armazena eletricidade. 152. A capacitância é medida em Farads. 153. A capacitância depende da área total das placas, da espessura e composição do dielétrico. 154. Transformadores são utilizados para aumentar ou diminuir as voltagens. 155. O transformador é composto por núcleo de ferro (material que apresenta baixa relutância magnética), enrolamento primário (que é ligado em paralelo à fonte de tensão) e enrolamento secundário (que recebe tensão por indução do enrolamento primário). 156. No transformador de voltagem que diminui a tensão, o enrolamento primário possui uma maior quantidade de espiras que o enrolamento secundário. 157. Nenhum transformador é 100% eficiente, porque nem todas as linhas magnéticas que saem do enrolamento primário chegam ao enrolamento secundário.
  • 6. 158. A quantidade de linhas magnéticas que chegam ao enrolamento secundário, vindas do enrolamento primário, chama-se de Coeficiente de acoplamento. 159. Os transformadores de RF (rádio freqüência) possuem núcleo de ar e não de ferro, como os transformadores habituais. 160. Nunca poderá haver mais potência no enrolamento secundário do que no primário. 161. Originalmente as válvulas foram desenvolvidas com a intenção de serem utilizadas nos sistemas de rádio. 162. Em uma válvula, há um elemento metálico chamado CATODO que aquece na presença de corrente elétrica. 163. DIODO é uma válvula de 2 elementos (placa e catodo) que tem a função de TR. 164. TRIODO é uma válvula de 3 elementos (placa, catodo e grade) que tem a função de amplificador (controle de corrente e voltagem). 165. TETRODO é uma válvula de 4 elementos (placa, catodo e 2 grades). 166. PENTODO é uma válvula de 5 elementos (placa, catodo e 3 grades) e serve para amplificar os sinais mais fracos. 167. O diodo zenner, que suporta muitíssima tensão, é utilizado como regulador de tensão. Ele também suporta baixas tensões (3,5V), diferentemente das válvulas que só trabalham a partir de 75V. 168. Megômetro é um ohmímetro de alta faixa de indicação. 169. A grande maioria dos motores AC não possui escova. 170. O transistor veio para substituir as válvulas. 171. O transistor PNP (passa não passa) o sentido da seta é para dentro da base. 172. O Transistor NPN (não passa não) o sentido da seta é para fora da base. 173. A grande maioria dos arranques dos motores convencionais é do tipo elétrico de engranzamento direto. 174. As escovas de um motor devem ser substituídas quando 50% gastas. 175. Os motores convencionais possuem 02 magnetos. 176. O som se propaga muito mais rápida e eficientemente nos sólidos e líquidos, que nos gasosos (ar). 177. As freqüências audíveis ou audiofreqüências vão de 16 a 20.000 hz. 178. As freqüências de VHF vão de 30 a 300MHz. 179. As freqüências de UHF vão de 300 a 3000MHz. 180. Somente os radares PSR e SSR são habilitados para o sistema de transponder. 181. O Turn Bank além de servir para auxílio nas curvas, serve também para indicar se a ACFT está em vôo nivelado (horizontal). 182. O líquido do Turn Bank é o mesmo da bússola magnética (querosene sem ácido) e tem a mesma função (amortecimento) e depois (antioxidante). 183. Os principais materiais utilizados em termopares são os: alumel e cromel. 184. O RCCB é a junção de um relé e um disjuntor. Ele é um disjuntor de controle remoto. 185. Os instrumentos de vôo são: altímetro, velocímetro, climb (variômetro), machímetro, ADI (atitude director indicator). 186. Os instrumentos de navegação são: HSI (horizontal situation indicator), RMI (radio magnetic indicator), gyro, bússola e sistema pictorial.
  • 7. 187. Os instrumentos do motor são: temperatura de óleo, pressão de óleo, temperatura do motor, rotação do motor, torque do motor. 188. Os instrumentos diversos são: quantidade de combustível (F/F), ângulo de ataque, relógio, temperatura externa do ar (TAT), posição do flap. 189. Todo instrumento deve suportar temperaturas de -35ºc à 60ºc. 190. Todo instrumento deve suportar vibração de 0,003 a 0,005 de amplitude e de 600 a 2200 oscilações por minuto de freqüência. 191. Todo instrumento deve ser parcialmente vedado (a prova d’água) ou totalmente vedado (a prova d’água e de ar). 192. Todo instrumento deve possuir iluminação direta ou indireta. 193. Todo instrumento deve ser posicionado de tal forma que permita uma perfeita visualização, mesmo que a ACFT esteja a 180º. 194. Todo instrumento deve possuir escala graduada com marcações de 50% a 100% sobre os valores normais de operação. 195. Quando o instrumento é pintado, todo cuidado é necessário, pois o radium, material utilizado para pintura fins reflexão no escuro, é altamente venenoso. 196. O arco vermelho em um instrumento significa: operação proibida. 197. O arco amarelo em um instrumento significa: operação indesejável por haver perigos e limitações. 198. O arco verde em um instrumento significa: operação normal. 199. O arco azul em um instrumento significa: operação econômica. 200. O sistema de pitot’s é ligado à 28VDC. 201. Os antigos pitot’s recebiam informações de PT (PD) + PE. 202. Atualmente os pitot’s mais modernos só recebem informações de PT (PD) devido à existência de tomadas estáticas dedicadas às PE. 203. O aquecimento dos pitot’s (que é elétrico) não deve permanecer ligado por muito tempo no solo, pois é gerado um calor muito maior do que possa ser dissipado, na ausência de ar frio de impacto. 204. IAS (indicated air speed) – velocidade sem correção. 205. TAS (true air speed) – velocidade com correção de altitude e temperatura. 206. Velocidade absoluta – ground speed. 207. O velocímetro indica a velocidade da ACFT com relação ao ar. 208. Quando a ACFT está ao nível do mar, em atmosfera padrão, os IAS, TAS e velocidade absoluta são praticamente iguais. 209. O velocímetro é um manômetro (medidor de pressão) ou barômetro (medidor de pressão do ar) calibrado em escala de velocidade. 210. Devido ao ar se tornar rarefeito em grandes altitudes, faz-se necessário a utilização de grandes velocidades, a fim de se manter a sustentação da ACFT. 211. Os velocímetros de pressão diferencial tipo pitot são os mais utilizados. 212. O velocímetro utiliza diafragma. 213. Quanto maior a altitude, menor será a temperatura. A esta relação, dá-se o nome de gradiente térmico. 214. A CADA 1000FT, HÁ UMA DIMINUIÇÃO DE 2º DE TEMPERATURA. 215. Pressão é igual à força sobre a área. 216. A unidade de pressão estática padrão é o milibar (mb).
  • 8. 217. Altitude indicada – altitude sem correção. 218. Altitude verdadeira – altitude real com correções de pressão e temperatura. 219. Altitude absoluta – altura. 220. O altímetro utiliza cápsula aneróide. 221. No interior da cápsula aneróide há vácuo. 222. O principal erro do altímetro é conhecido por erro de hesteresis ou erro de impulso ou ainda erro de atraso. Este erro é ocasionado pela impossibilidade das moléculas do metal (material da cápsula aneróide) reagir prontamente às rápidas variações de pressão. 223. Sempre antes do vôo deve-se realizar o ajuste de altímetro. 224. O climb é conhecido também como variômetro ou indicador de razão de subida e descida. 225. O climb utiliza diafragma. 226. O ATC (air traffic control) transponder trabalha com as freqüências de 1090 e 1030 MHz. 227. Quando interrogado no modo (A), o ATC responde com a freqüência setada em seu painel. 228. Quando interrogado no modo (C), o ATC responde com a freqüência setada no painel + altitude. 229. O giroscópio apresenta duas principais características, que são RIGIDEZ E PRECESSÃO. 230. Em uma curva perfeita, a bolinha do TURN AND BANK permanece centralizada. 231. O número de mach é relacionado com a porcentagem da velocidade do som. 232. Declinação magnética é a diferença entre o norte verdadeiro e o norte magnético. 233. As partes principais da bússola magnética são: 234. Caixa de forma esférica ou cilíndrica feita de material não magnético. 235. Conjunto do mostrador que inclui o painel mostrador ou o limbo. 236. A linha de fé que é um arame ou pedaço de material fixo em relação à bússola pelo qual se faz a leitura do mostrador. 237. Fluido amortecedor que é o querosene totalmente transparente e sem ácido. 238. Câmara de compensação onde ficam os ímãs compensadores. 239. Lâmpada de iluminação do instrumento. 240. A agulha da bússola sempre apontará na direção das linhas de força magnéticas. 241. O querosene da bússola serve prioritariamente para evitar oscilações e depois para evitar oxidação. 242. A compensação da bússola deve ser realizada utilizando-se a rosa dos ventos ou a bússola padrão. 243. VOR (very high frequency ominidirectional range) trabalha de 108 a 117.95MHz de freqüência. 244. As radiais do VOR totalizam 360. 245. A radial é o ângulo formado entre a ACFT e o norte magnético, com relação à estação de VOR. 246. ILS (instrument landing system) possui estações chamadas localizer e glideslope.
  • 9. 247. O localizer centraliza a acft com a pista e trabalha de 108.1 a 111.95MHz, emitindo pulsos de 90 e 150 hz. 248. O glideslope, busca a perfeita rampa de planeio e trabalha de 329.15 a 335mhz, emitindo pulsos de 90 e 150 hz. 249. Marker beacon trabalha com 75mhz. Ele possui três marcadores, sendo: 250. Outer marker – 400 hz – Luz azul. 251. Middle marker – 1300 Hz – Luz âmbar. 252. Inner marker – 3000 Hz – Luz branca. 253. No RMI (radio magnetic indicator) o ponteiro fino é do VOR e o grosso é do ADF. 254. Para os medidores d’arsonval, deve-se conecta-los observando a polaridade e o tipo de corrente que deverá ser sempre DC. 255. O amperímetro possui um “shunt” (resistência de baixo valor) ligado em paralelo, fins ampliação da escala. 256. O voltímetro possui uma alta resistência chamada de resistência multiplicadora ligada em série. 257. A maioria dos relógios tem corda suficiente para 8 dias, todavia é de praxe que antes de cada perna de vôo, a tripulação complete a corda necessária. 258. O indicador de temperatura externa do ar (OAT) trabalha de -60ºc a +60ºc. 259. Os indicadores de pressão hidráulica possuem tubos de BOURDON. 260. A potência fornecida pelo gerador é chamada de amper-carga. 261. Nos Boeings, o gerador fornece de 30 a 40 KVA, 380 a 420 Hz e 5700 a 6300 RPM. 262. O gerador de corrente contínua é também chamado de induzido 263. O gerador de corrente alternada é também chamado de alternador. 264. Os principais componentes do gerador de CC são: carcaça, induzido e escovas. 265. SCR (silicium controller retifier) é um comutador quase ideal. 266. O THYRISTOR (SCR) é um diodo semicondutor de silício, de 4 camadas alternadas PNPN e de 3 saídas (anodo, catodo e gatilho). 267. O TRIAC possui 3 terminais e pode conduzir nos dois sentidos. 268. O QUADRAC é composto por triacs e diacs. 269. O diodo SHOCKLEY é um Thyristor SCR com dois terminais. 270. Comprimento de onda é igual a V sobre F, onde V=300.000 e F é a freqüência. 271. Ondas sonoras – vibrações mecânicas. 272. Ondas eletromagnéticas – vibrações eletrônicas. 273. O som não se propaga no vácuo. 274. A velocidade do som é de 331m/s. 275. As ondas de rádio vão de 0,03cm a 3.000 metros. 276. O sinal de RF que é emitido pela antena, é chamado de ONDA PORTADORA. 277. AM – modulação apenas de amplitude. 278. FM – modulação apenas de freqüência. 279. SSB – banda lateral única – variação melhorada da AM. 280. oscilador – amplificador intermediário – amplificador final – antena. 281. 29,92 polegadas de mercúrio = 760 milímetros de mercúrio = 1013,25 milibares.
  • 10. 282. Dos materiais semicondutores que existe, o germânio e o silício são os mais usados. 283. Dopagem é a introdução de impurezas nos cristais de silício e germânio. 284. Para criação de um cristal N, introduz-se fósforo, arsênio, bismuto e antimônio como impureza. 285. Para criação de um cristal P, introduz-se bário, alumínio, gálio e índio. 286. O diodo retificador é o mesmo que a check valve do sistema hidráulico. Somente conduz em um sentido, quando há fluxo reverso, ele abre o circuito. 287. As principais aplicações do diodo retificador são: detectores de pico, circuitos limitadores, circuitos de proteção. 288. O elemento do manômetro de pressão absoluta é a cápsula aneróide. 289. O manômetro de óleo lubrificante mede pressão relativa. 290. O manômetro de pressão de admissão é do tipo pressão relativa. 291. Os termômetros de vapor utilizam como elemento sensor o tubo de bourdon. 292. O tacômetro mecânico ou centrífugo recebe força centrífuga em suas palhetas giratórias. 293. Um manômetro de pressão absoluta (que utiliza cápsula aneróide), quando exposto aos limites da atmosfera, marcará zero. 294. O termômetro de pressão de vapor possui cloreto de metila em seu bulbo. 295. O tubo de bourdon para medição de baixa pressão é feito de bronze fosforoso. 296. Para alta pressão ele é feito de aço. 297. O termômetro que mede a temperatura do óleo do motor é do tipo pressão de vapor. 298. Giro horizonte é o nome técnico do giro artificial. 299. A unidade de força externa fornece força para a barra principal de DC. 300. A placa positiva de uma bateria secundária é de chumbo puro. 301. As principais camadas da atmosfera são: troposfera, tropopausa, estratosfera, ionosfera. 302. A espessura da troposfera é uniforme. 303. Para aumentar flexibilidade, sensibilidade e amplitude de um instrumento devem-se associar em série algumas cápsulas aneróides. 304. A hora limite pode ser alterada, desde que com a devida autorização. 305. Um altímetro compensado é diferente de um altímetro sensitivo por possuir uma cápsula aneróide a mais. O altímetro também é chamado de barômetro aneróide. 306. As revisões em instrumentos devem ser efetuadas tomando como base o parâmetro da hora limite. 307. Quando se deseja comparar duas pressões, o instrumento que possui diafragma deve ser o ideal a ser utilizado. 308. A finalidade do orifício capilar do CLIMB é permitir que haja um diferencial de pressão. 309. As barras compensadoras da bússola são instaladas por debaixo da barra imantada. 310. Os tacômetros centrífugos são ligados ao eixo do motor por meio de cabo flexível e engrenagem redutora.
  • 11. 311. A finalidade da mola cabelo, dos instrumentos sensíveis, é a de permitir passagem de corrente para a bobina móvel e quando a corrente deixar de fluir, trazer o ponteiro para zero. 312. Um tacômetro de corrente alternada produz corrente trifásica. 313. O ferro móvel é o único instrumento que não precisa observar a polaridade quando na medição. 314. O ferro móvel serve para utilização em corrente contínua. 315. Um amperímetro de ferro móvel serve para medir correntes contínuas e alternadas. 316. A escala do instrumento de ferro móvel é quadrática. 317. A sensibilidade de um instrumento é indicada em OHMS/VOLTS. 318. O ar para o sistema anti-gelo das ACFT’S pode vir da sangria dos motores, aquecedor a gás de exaustão ou aquecedores à combustão. 319. Para prevenção e controle do sistema de gelo das ACFT’S pode-se utilizar sistema pneumático, térmico, elétrico e álcool pulverizado. 320. O sistema de Boots de degelo utiliza bomba palheta, para inflação. 321. Os componentes do sistema de degelo são separador de óleo, válvula de sucção, válvula descarregadora e bomba de ar. 322. Os materiais que possuem imantação positiva são chamados de paramagnéticos. 323.