SlideShare uma empresa Scribd logo
Resumo do mês de março
Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br
Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por
diversas empresas como Valve e Microsoft e até mesmo por ONGs, o Scrum é uma verdadeira filosofia baseada
em Kaizen (melhoria contínua). Se você conhece o modelo Toyota e está familiarizado com ele, vai adorar o
livro!
No começo, fiquei um pouco sem esperanças pois o autor não chegava no método logo. Contava diversas histórias
sobre o porque do desenvolvimento de algo diferente e como foi melhorando todo o processo do Scrum. A própria
história relatada no livro parece ser um processo de Scrum! Ele criou muito valor para o livro mostrando as
empresas que já usaram (e usam) e até o eduScrum que uma escola da Holanda usa em suas aulas de química.
Também conhecido como “Manifesto Ágil”, o Scrum é a estrutura construída para colocar diversos valores em
prática como pessoas em vez de processos, produtos que realmente funcionam em vez de documentos que dizem
como o produto deveria funcionar, trabalhar com os clientes em vez de negociar com eles e responder às
mudanças em vez de seguir um plano.
O legal do Scrum é usar Sprints (corrida de velocidade de curta distância) como forma de avaliar em uma ou duas
semanas como a equipe está indo. Há um quadro igual ao da imagem abaixo onde eles veem o que foi feito, em
qual velocidade e como podem aumentar a velocidade para fazer mais ainda e manter (ou aumentar) a qualidade.
O Scrum assemelha-se ao Kanban e ainda há diversos aplicativos como o Trello para ajudar no dia a dia. Há um
exemplo no livro de como ele ensina as pessoas a usarem o Scrum, onde ele cria grupos que irão fazer o maior
número de aviões de papel que sejam capazes de voar de uma ponta a outra da sala onde estão. Ele usa o ciclo
PDCA e Sprints de 6 minutos onde irá dobrar (ou até triplicar) a velocidade com duas vezes maior quantidade e
qualidade.
Outra parte interessante do livro é o conceito de Shu Ha Ri onde Shu você conhece todas as regras as quais deve
repetir para que você absorva, logo, você nunca se distrai. No Ha, após dominar toda a técnica, você poderá fazer
inovações. No Ri, você irá fazer tudo sem pensar, é algo que estará enraizado em você e terá uma fluência que
poucos conseguem.
Implementando o Scrum:
Aqui está um resumo sobre a melhor forma de começar um projeto Scrum. Esta é uma descrição bem ampla do
processo, mas deve ser suficiente para você começar. O livro foi escrito para explicar o porquê (e vender valor)
por trás do Scrum. Esta parte irá, de forma resumida, explicar o como.
1. Escolha um Dono do Produto. Essa pessoa é a responsável pela visão do que você vai fazer ou conseguir. Ela
leva em consideração os riscos e os benefícios, o que é possível, o que pode ser feito e o que desperta a paixão na
equipe. (Consulte o Capítulo 8, Prioridades, para obter mais informações);
2. Escolha uma equipe. Quem serão as pessoas que realmente trabalharão no projeto? Essa equipe precisa ter
todas as habilidades necessárias para pegar a visão do Dono do Produto e transformá-la em realidade. As equipes
devem ser pequenas; entre três e nove pessoas é o princípio básico. (Consulte o Capítulo 3, Equipes, para obter
mais informações);
3. Escolha um Mestre Scrum. Essa pessoa vai orientar o restante da equipe em relação à estrutura do Scrum,
além de ajudar a eliminar qualquer obstáculo que os esteja deixando mais lentos. (Consulte o Capítulo 4, O
Desperdício é Um Crime, para obter mais informações);
4. Crie e priorize uma lista de Pendências do Produto. Trata-se de uma lista detalhada de tudo que precisa ser
feito ou construído para transformar a visão em realidade. Essas Pendências existem e evoluem durante o
desenvolvimento do produto; elas são o mapa dele. Em qualquer fase do projeto, são a única e definitiva visão de
"tudo que precisa ser feito pela equipe a qualquer momento, em ordem de prioridade". Só existe uma lista de
Pendências; isso significa que o Dono do Produto precisa tomar decisões em relação às prioridade durante todo o
processo; ele deve consultar todos os stakeholders e a equipe para se certificar de que elas representam tanto o que
as pessoas querem, quanto o que pode ser construído. (Consulte o Capítulo 8, Prioridades, para obter mais
informações);
5. Aperfeiçoe e faça estimativas para as Pendências do Produto. É crucial que as pessoas que irão realmente
concluir os itens da lista façam as estimativas de quanto esforço eles exigirão. A equipe deve olhar para cada item
das Pendências e ver se aquilo é factível. Existem informações suficientes para conclui-lo? Ele é pequeno o
suficiente para ser estimado? Existe uma definição de "Feito"? Ele cria valor visível? Cada item deve poder ser
mostrado, demonstrado e, esperançosamente, ser enviado. Não estime as Pendências em horas, porque as pessoas
são péssimas nesse tipo de previsão. Faça isso usando uma classificação relativa por tamanho: Pequeno, Médio ou
Grande. Ou, melhor ainda, use a sequência de Fibonacci e faça estimativas de pontos para cada item: 1, 2, 3, 5, 8,
13, 21 etc. (Consulte o Capítulo 6, Planeje a Realidade, Não a Fantasia, para obter mais informações);
6. Planejamento do Sprint. Esta é a primeira das reuniões Scrum. A equipe, o Mestre Scrum e o Dono do
Produto se reúnem para planejar o Sprint, que sempre tem uma duração definida de tempo menor que um mês. A
maioria das pessoas define Sprints de uma ou de duas semanas. As equipes olham para as tarefas no topo das
Pendências e estimam o quanto podem fazer naquele Sprint. Se a equipe já está trabalhando a alguns Sprints, ela
deve pegar tarefas que totalizem o mesmo número de pontos do Sprint anterior. Esse número é conhecido como a
Velocidade da equipe. O Mestre Scrum e a equipe devem tentar aumentar o número de pontos a cada Sprint. Essa
é outra chance para a equipe e o Dono do Produto se certificarem que todos entendem como os itens vão satisfazer
a visão. Além disso, durante essa reunião todos devem concordar com um Objetivo do Sprint. Um dos pilares do
Scrum é que, uma vez que a equipe se comprometeu com o que acredita ser capaz de fazer em um Sprint, é isso.
Ele não pode ser mudado, nada pode ser acrescentado. A equipe deve trabalhar de forma autônoma durante o
Sprint para concluir o que previu que conseguiu. (Consulte o Capítulo 6, Planeje a Realidade, Não a Fantasia, para
obter mais informações.);
7. Torne o trabalho visível. O melhor jeito para se fazer isso no Scrum é criar um Quadro Scrum com três
colunas: A fazer, Fazendo, Feito. post-its representam os itens que precisam ser concluídos e a equipe os move
pelo Quadro Scrum à medida que forem concluídos, um a um. Outro modo de tonar o trabalho visível é criar um
Gráfico de Burn-Down. Um eixo é o número de pontos que a equipe definiu para o Sprint, e o outro é o número
de dias. Todos os dias, o Mestre Scrum soma o número de pontos concluídos e os marca no gráfico. O ideal é que
haja uma ladeira descendo pelo gráfico até chegar ao zero no último dia do Sprint. (Consulte o Capítulo 7,
Felicidade, para obter mais informações);
8. Reuniões Diárias ou Scrum Diário. Este é o ritmo do Scrum. Todos os dias, no mesmo horário, durante não
mais do que 15 minutos, a equipe e o Mestre Scrum se reúnem para responder a três perguntas:
•O que você fez ontem para ajudar a equipe a concluir o Sprint?
•O que você vai fazer hoje para ajudar a equipe a concluir o Sprint?
•Existe algum obstáculo impedindo você ou a equipe de alcançar o objetivo do Sprint?
Isso é tudo. A reunião inteira. Se ela levar mais do que 15 minutos, você está fazendo alguma coisa errada. Isso
serve para ajudar a equipe inteira a saber exatamente em que ponto estão no Sprint. Todas as tarefas serão
concluídas a tempo? Existem oportunidades para ajudar os outros membros da equipe a superarem os obstáculos?
Não há designação de tarefas vindas de cima —a equipe é autônoma; são eles que fazem isso. Não há qualquer
relatório detalhado para os gestores. O Mestre Scrum é responsável por resolver qualquer obstáculo ou
impedimento para o progresso da equipe. (Consulte o Capítulo 4, Tempo, e o Capítulo 6, Planeje a Realidade, Não
a fantasia, para obter mais informações);
9. Revisão ou Demonstração do Sprint. Trata-se da reunião na qual a equipe mostra o que conseguiu fazer
durante o Sprint. Qualquer pessoa pode participar, não apenas o Dono do Produto, o Mestre Scrum e a equipe,
mas também os stakeholders, os gestores, os clientes, e qualquer outra pessoa. Esta é uma reunião aberta na qual a
equipe demonstra o que conseguiu colocar na coluna Feito. A equipe só deve demonstrar o que satisfaz a
Definição de Feito. O que está total e completamente concluído e pode ser entregue sem qualquer trabalho
adicional. Pode não ser o produto completo, mas deve ser um atributo concluído do produto. (Consulte o Capítulo
4, Tempo, para obter mais informações);
10. Retrospectiva do Sprint. Depois que a equipe mostrou o que conseguiu fazer no Sprint anterior —aquilo que
está "Feito" e pode ser entregue para clientes para obtenção de feedback —, eles se reúnem e pensam no que deu
certo e o que poderia ter sido melhor, e o que podem melhorar no próximo Sprint. Qual é o aprimoramento no
processo que eles, como uma equipe, podem implementar de forma imediata? Para ser eficaz, essa reunião requer
certa dose de maturidade emocional e atmosfera de confiança. O importante é lembrar-se sempre de que você não
está procurando culpados; está olhando para o processo. Por que aquilo aconteceu assim? Por que você não
percebeu aquilo? O que poderia ter acontecido para sermos mais ágeis? É essencial que as pessoas na equipe
assumam a responsabilidade pelo processo e seus respectivos resultados, e que busquem soluções como uma
equipe. Ao mesmo tempo, elas têm de ter coragem de levantar as questões que realmente as incomodam, de forma
que a solução seja orientada, em vez de acusadora. E o restante da equipe precisa ter maturidade para ouvir o
feedback, absorvê-lo e procurar uma solução, em vez de assumir uma postura defensiva. No final da reunião, a
equipe e o Mestre Scrum devem chegar a um acordo sobre um aprimoramento no processo que será implementado
no Sprint seguinte. Tal aprimoramento no processo, às vezes, é chamado kaizen, e deve ser colocado nas
pendências do próximo Sprint, acompanhado de testes de aceitação. Desse modo, será fácil para a equipe verificar
se o aprimoramento realmente foi implementado, e que efeito ele teve sobre a velocidade. (Consulte o Capítulo 7,
Felicidade, para obter mais informações);
11. Comece imediatamente o próximo Sprint, considerando a experiência da equipe com os impedimentos e os
aprimoramentos no processo.
Esse resumo é para ser compartilhado e disseminado, pois esse livro possui um método diferente do que estamos
habituados! Eu estou usando com a minha esposa para tarefas como lançamento de nossos livros e cronograma de
nossos blogs. Em breve irei fazer um post contando como é o Scrum na prática! Se você gostou e for comprar o
livro, após lê-lo, envie um e-mail para falecom@thiagocompan.com.br ou comente no link do post sobre esse
resumo: http://thiagocompan.com.br/resumo-do-mes-de-marco-scrum-a-arte-de-fazer-o-dobro-do-trabalho-na-
metade-do-tempo-de-jeff-sutherland
Comente sobre o que achou do livro, pontos positivos e a melhorar e como esse livro adicionou algo em sua vida!
Os primeiros que comentarem irão participar de um Hangout sobre o livro no dia 14 de abril de 2015.
Fico muito feliz por sua iniciativa em conhecer mais e no mês que vem irei trazer outro resumo espetacular!
Um forte abraço,
Thiago C. Compan

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Masp
MaspMasp
Livro - Transporte e Distribuição.pdf
Livro - Transporte e Distribuição.pdfLivro - Transporte e Distribuição.pdf
Livro - Transporte e Distribuição.pdf
LuizFelipe925640
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Matheus Gomes
 
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
Valor Agregado Consulting
 
WCM Manual de ferramentas cnh contagem
WCM Manual de ferramentas cnh contagemWCM Manual de ferramentas cnh contagem
WCM Manual de ferramentas cnh contagem
Antonio Carlos Seniuk
 
O Método Kanban
O Método KanbanO Método Kanban
O Método Kanban
Adriel Viana
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Luiz Felipe Cherem
 
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação PatriciasafreireCurso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
07 modulo 8-d
07 modulo 8-d07 modulo 8-d
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoFormulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Alagui Marques Pereira
 
Lean manufacturing 2-os 7 tipos de desperdicio
Lean manufacturing   2-os 7 tipos de desperdicioLean manufacturing   2-os 7 tipos de desperdicio
Lean manufacturing 2-os 7 tipos de desperdicio
jparsilva
 
Aula cubagem (parte i)
Aula   cubagem (parte i)Aula   cubagem (parte i)
Aula cubagem (parte i)
Juarez dos Santos
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
Luiz Carlos Oliveira
 
Aprendendo a enxergar
Aprendendo a enxergarAprendendo a enxergar
Aprendendo a enxergar
P. Carmona
 
Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Apresentação SMED Single Minute Exchange of DieApresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Engenharia Produção
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
PDCA MASP
PDCA MASPPDCA MASP
Noções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaNoções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigma
Gerisval Pessoa
 
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum MasterGuia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Paulo Lomanto
 

Mais procurados (20)

Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
 
Masp
MaspMasp
Masp
 
Livro - Transporte e Distribuição.pdf
Livro - Transporte e Distribuição.pdfLivro - Transporte e Distribuição.pdf
Livro - Transporte e Distribuição.pdf
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
SMED (Single Minute Exchange of Die) v3
 
WCM Manual de ferramentas cnh contagem
WCM Manual de ferramentas cnh contagemWCM Manual de ferramentas cnh contagem
WCM Manual de ferramentas cnh contagem
 
O Método Kanban
O Método KanbanO Método Kanban
O Método Kanban
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
 
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação PatriciasafreireCurso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
 
07 modulo 8-d
07 modulo 8-d07 modulo 8-d
07 modulo 8-d
 
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargoFormulario de-analise-e-descricao-de-cargo
Formulario de-analise-e-descricao-de-cargo
 
Lean manufacturing 2-os 7 tipos de desperdicio
Lean manufacturing   2-os 7 tipos de desperdicioLean manufacturing   2-os 7 tipos de desperdicio
Lean manufacturing 2-os 7 tipos de desperdicio
 
Aula cubagem (parte i)
Aula   cubagem (parte i)Aula   cubagem (parte i)
Aula cubagem (parte i)
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Aprendendo a enxergar
Aprendendo a enxergarAprendendo a enxergar
Aprendendo a enxergar
 
Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Apresentação SMED Single Minute Exchange of DieApresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
PDCA MASP
PDCA MASPPDCA MASP
PDCA MASP
 
Noções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaNoções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigma
 
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum MasterGuia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
 

Destaque

Estratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha Gabriel
Estratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha GabrielEstratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha Gabriel
Estratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)
The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)
The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)
Rildo (@rildosan) Santos
 
As 7 Estratégias do Marketing Digital - FINAL
As 7 Estratégias do Marketing Digital - FINALAs 7 Estratégias do Marketing Digital - FINAL
As 7 Estratégias do Marketing Digital - FINAL
Pedro Cordier
 
Aulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.Jr
Aulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.JrAulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.Jr
Aulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.Jr
Sergio Luis Seloti Jr
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
Lógica Digital
 
Introdução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão EmpresarialIntrodução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão Empresarial
Eliseu Fortolan
 
Marketing 3.0
Marketing 3.0 Marketing 3.0
Marketing 3.0
Rafaela Namorato
 
MÓdulo De IntroduÇÃo Ao Marketing
MÓdulo De IntroduÇÃo Ao MarketingMÓdulo De IntroduÇÃo Ao Marketing
MÓdulo De IntroduÇÃo Ao Marketing
Thiago Lúcio
 
Mídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVapor
Mídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVaporMídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVapor
Mídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVapor
Thiago Compan
 
Estratégias Inovadoras em E-mail Marketing
Estratégias Inovadoras em E-mail MarketingEstratégias Inovadoras em E-mail Marketing
Estratégias Inovadoras em E-mail Marketing
Paulo Milreu
 
Scrum: Na prática o que importa são os Valores
Scrum: Na prática o que importa são os ValoresScrum: Na prática o que importa são os Valores
Scrum: Na prática o que importa são os Valores
Danilo Bardusco
 
LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN
LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN
LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN
Fernando Palma
 
Drucker 100 anos
Drucker 100 anosDrucker 100 anos
Drucker 100 anos
Miro Gaudencio
 
Gestão do planejamento estratégico
Gestão do planejamento estratégicoGestão do planejamento estratégico
Gestão do planejamento estratégico
Denis Carlos Sodré
 
A Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing PessoalA Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing Pessoal
Next Educação
 
Scrum - Framework, Competências e Valores (versão community)
Scrum -  Framework, Competências e Valores (versão community)Scrum -  Framework, Competências e Valores (versão community)
Scrum - Framework, Competências e Valores (versão community)
Manoel Pimentel Medeiros
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
Igor Macaubas
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Marcos Garrido
 
Scrum Experience [O Tutorial Scrum]
Scrum Experience [O Tutorial Scrum]Scrum Experience [O Tutorial Scrum]
Scrum Experience [O Tutorial Scrum]
Rildo (@rildosan) Santos
 
Empreendedorismo e Liderança
Empreendedorismo e LiderançaEmpreendedorismo e Liderança
Empreendedorismo e Liderança
SindiVarejista
 

Destaque (20)

Estratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha Gabriel
Estratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha GabrielEstratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha Gabriel
Estratégias Avançadas para o Marketing Busca e Redes Sociais, by Martha Gabriel
 
The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)
The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)
The Canvas of Business Case (Modelo de Caso de Negócio)
 
As 7 Estratégias do Marketing Digital - FINAL
As 7 Estratégias do Marketing Digital - FINALAs 7 Estratégias do Marketing Digital - FINAL
As 7 Estratégias do Marketing Digital - FINAL
 
Aulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.Jr
Aulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.JrAulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.Jr
Aulas - Marketing II - 2007 - Prof. Sergio.Jr
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
 
Introdução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão EmpresarialIntrodução à Gestão Empresarial
Introdução à Gestão Empresarial
 
Marketing 3.0
Marketing 3.0 Marketing 3.0
Marketing 3.0
 
MÓdulo De IntroduÇÃo Ao Marketing
MÓdulo De IntroduÇÃo Ao MarketingMÓdulo De IntroduÇÃo Ao Marketing
MÓdulo De IntroduÇÃo Ao Marketing
 
Mídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVapor
Mídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVaporMídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVapor
Mídia Kit - Empreendedor a todo Vapor - #EVapor
 
Estratégias Inovadoras em E-mail Marketing
Estratégias Inovadoras em E-mail MarketingEstratégias Inovadoras em E-mail Marketing
Estratégias Inovadoras em E-mail Marketing
 
Scrum: Na prática o que importa são os Valores
Scrum: Na prática o que importa são os ValoresScrum: Na prática o que importa são os Valores
Scrum: Na prática o que importa são os Valores
 
LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN
LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN
LIVRO GRATUITO SCRUM X KANBAN
 
Drucker 100 anos
Drucker 100 anosDrucker 100 anos
Drucker 100 anos
 
Gestão do planejamento estratégico
Gestão do planejamento estratégicoGestão do planejamento estratégico
Gestão do planejamento estratégico
 
A Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing PessoalA Força do Marketing Pessoal
A Força do Marketing Pessoal
 
Scrum - Framework, Competências e Valores (versão community)
Scrum -  Framework, Competências e Valores (versão community)Scrum -  Framework, Competências e Valores (versão community)
Scrum - Framework, Competências e Valores (versão community)
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 
Scrum Experience [O Tutorial Scrum]
Scrum Experience [O Tutorial Scrum]Scrum Experience [O Tutorial Scrum]
Scrum Experience [O Tutorial Scrum]
 
Empreendedorismo e Liderança
Empreendedorismo e LiderançaEmpreendedorismo e Liderança
Empreendedorismo e Liderança
 

Semelhante a Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo de jeff sutherland

Sobre o Scrum
Sobre o ScrumSobre o Scrum
Sobre o Scrum
Juliana Amorim
 
Colocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em práticaColocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em prática
Aragon Vieira
 
Metodologia Agil - Scrum _ou Kanban.pptx.pdf
Metodologia Agil -  Scrum _ou Kanban.pptx.pdfMetodologia Agil -  Scrum _ou Kanban.pptx.pdf
Metodologia Agil - Scrum _ou Kanban.pptx.pdf
matheusreismota
 
Guia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdf
Guia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdfGuia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdf
Guia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdf
AmarildoFicacio
 
Gestao agil de projetos
Gestao agil de projetosGestao agil de projetos
Gestao agil de projetos
Adriano Tavares
 
Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva
Silas Serpa
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
leopaiva217101
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
Elisa Morelli
 
Equipes Produtivas
Equipes ProdutivasEquipes Produtivas
Equipes Produtivas
Alexandre Fattori
 
Softdrops - Sprint Retrospective Meeting
Softdrops - Sprint Retrospective MeetingSoftdrops - Sprint Retrospective Meeting
Softdrops - Sprint Retrospective Meeting
Sheila Kimura
 
Desenvolvimento ágil com scrum
Desenvolvimento ágil com scrumDesenvolvimento ágil com scrum
Desenvolvimento ágil com scrum
Carlos Lucas Brandão
 
Agile SCRUM
Agile SCRUMAgile SCRUM
Agile SCRUM
Eduardo Bregaida
 
Scrum - Engenharia de Software
Scrum - Engenharia de Software Scrum - Engenharia de Software
Scrum - Engenharia de Software
ProfThiagoAAlves
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
ScrumScrum
Scrum
ScrumScrum
Concept Sprint Kit Book
Concept Sprint Kit BookConcept Sprint Kit Book
Concept Sprint Kit Book
Heller de Paula
 
Metodologia agil scrum x pmbok
Metodologia agil   scrum x pmbokMetodologia agil   scrum x pmbok
Metodologia agil scrum x pmbok
Marisa Uzun Wittmann
 
SCRUM do tradicional a o irreverente
SCRUM do tradicional a o irreverenteSCRUM do tradicional a o irreverente
SCRUM do tradicional a o irreverente
Rafael Barbosa Camargo
 
Scrum
ScrumScrum

Semelhante a Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo de jeff sutherland (20)

Sobre o Scrum
Sobre o ScrumSobre o Scrum
Sobre o Scrum
 
Colocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em práticaColocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em prática
 
Metodologia Agil - Scrum _ou Kanban.pptx.pdf
Metodologia Agil -  Scrum _ou Kanban.pptx.pdfMetodologia Agil -  Scrum _ou Kanban.pptx.pdf
Metodologia Agil - Scrum _ou Kanban.pptx.pdf
 
Guia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdf
Guia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdfGuia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdf
Guia-Passo-a-Passo-Como-Implantar-Scrum.pdf
 
Gestao agil de projetos
Gestao agil de projetosGestao agil de projetos
Gestao agil de projetos
 
Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
 
Equipes Produtivas
Equipes ProdutivasEquipes Produtivas
Equipes Produtivas
 
Softdrops - Sprint Retrospective Meeting
Softdrops - Sprint Retrospective MeetingSoftdrops - Sprint Retrospective Meeting
Softdrops - Sprint Retrospective Meeting
 
Desenvolvimento ágil com scrum
Desenvolvimento ágil com scrumDesenvolvimento ágil com scrum
Desenvolvimento ágil com scrum
 
Agile SCRUM
Agile SCRUMAgile SCRUM
Agile SCRUM
 
Scrum - Engenharia de Software
Scrum - Engenharia de Software Scrum - Engenharia de Software
Scrum - Engenharia de Software
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Concept Sprint Kit Book
Concept Sprint Kit BookConcept Sprint Kit Book
Concept Sprint Kit Book
 
Metodologia agil scrum x pmbok
Metodologia agil   scrum x pmbokMetodologia agil   scrum x pmbok
Metodologia agil scrum x pmbok
 
SCRUM do tradicional a o irreverente
SCRUM do tradicional a o irreverenteSCRUM do tradicional a o irreverente
SCRUM do tradicional a o irreverente
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 

Mais de Thiago Compan

Resumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi Zanetti
Resumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi ZanettiResumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi Zanetti
Resumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi Zanetti
Thiago Compan
 
Resumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah Berger
Resumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah BergerResumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah Berger
Resumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah Berger
Thiago Compan
 
Resumo do-mês-de-abril-thiago-compan
Resumo do-mês-de-abril-thiago-companResumo do-mês-de-abril-thiago-compan
Resumo do-mês-de-abril-thiago-compan
Thiago Compan
 
Aumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdo
Aumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdoAumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdo
Aumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdo
Thiago Compan
 
Dicas de como fidelizar clientes
Dicas de como fidelizar clientesDicas de como fidelizar clientes
Dicas de como fidelizar clientes
Thiago Compan
 
5 maiores objeções e como lidar com elas
5 maiores objeções e como lidar com elas5 maiores objeções e como lidar com elas
5 maiores objeções e como lidar com elas
Thiago Compan
 
Como chegar ao decisor
Como chegar ao decisorComo chegar ao decisor
Como chegar ao decisor
Thiago Compan
 
10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão
10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão
10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão
Thiago Compan
 
10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão
10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão
10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão
Thiago Compan
 
Saco de pão é rei
Saco de pão é reiSaco de pão é rei
Saco de pão é rei
Thiago Compan
 
Apresentação saco de pão rez comeco
Apresentação saco de pão rez comecoApresentação saco de pão rez comeco
Apresentação saco de pão rez comeco
Thiago Compan
 

Mais de Thiago Compan (11)

Resumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi Zanetti
Resumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi ZanettiResumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi Zanetti
Resumo do mês de Fevereiro de 2016 - O Encantador de Clientes de Eloi Zanetti
 
Resumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah Berger
Resumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah BergerResumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah Berger
Resumo do mês de junho - Contágio - Por que as coisas pegam de Jonah Berger
 
Resumo do-mês-de-abril-thiago-compan
Resumo do-mês-de-abril-thiago-companResumo do-mês-de-abril-thiago-compan
Resumo do-mês-de-abril-thiago-compan
 
Aumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdo
Aumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdoAumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdo
Aumente o lucro e o boca a boca com marketing de conteúdo
 
Dicas de como fidelizar clientes
Dicas de como fidelizar clientesDicas de como fidelizar clientes
Dicas de como fidelizar clientes
 
5 maiores objeções e como lidar com elas
5 maiores objeções e como lidar com elas5 maiores objeções e como lidar com elas
5 maiores objeções e como lidar com elas
 
Como chegar ao decisor
Como chegar ao decisorComo chegar ao decisor
Como chegar ao decisor
 
10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão
10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão
10 motivos para sua empresa investir em anúncios em sacos de pão
 
10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão
10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão
10 dicas para começar uma franquia de Anúncios em Sacos de Pão
 
Saco de pão é rei
Saco de pão é reiSaco de pão é rei
Saco de pão é rei
 
Apresentação saco de pão rez comeco
Apresentação saco de pão rez comecoApresentação saco de pão rez comeco
Apresentação saco de pão rez comeco
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo de jeff sutherland

  • 1. Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br
  • 2. Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas como Valve e Microsoft e até mesmo por ONGs, o Scrum é uma verdadeira filosofia baseada em Kaizen (melhoria contínua). Se você conhece o modelo Toyota e está familiarizado com ele, vai adorar o livro! No começo, fiquei um pouco sem esperanças pois o autor não chegava no método logo. Contava diversas histórias sobre o porque do desenvolvimento de algo diferente e como foi melhorando todo o processo do Scrum. A própria história relatada no livro parece ser um processo de Scrum! Ele criou muito valor para o livro mostrando as empresas que já usaram (e usam) e até o eduScrum que uma escola da Holanda usa em suas aulas de química. Também conhecido como “Manifesto Ágil”, o Scrum é a estrutura construída para colocar diversos valores em prática como pessoas em vez de processos, produtos que realmente funcionam em vez de documentos que dizem como o produto deveria funcionar, trabalhar com os clientes em vez de negociar com eles e responder às mudanças em vez de seguir um plano. O legal do Scrum é usar Sprints (corrida de velocidade de curta distância) como forma de avaliar em uma ou duas semanas como a equipe está indo. Há um quadro igual ao da imagem abaixo onde eles veem o que foi feito, em qual velocidade e como podem aumentar a velocidade para fazer mais ainda e manter (ou aumentar) a qualidade. O Scrum assemelha-se ao Kanban e ainda há diversos aplicativos como o Trello para ajudar no dia a dia. Há um exemplo no livro de como ele ensina as pessoas a usarem o Scrum, onde ele cria grupos que irão fazer o maior número de aviões de papel que sejam capazes de voar de uma ponta a outra da sala onde estão. Ele usa o ciclo PDCA e Sprints de 6 minutos onde irá dobrar (ou até triplicar) a velocidade com duas vezes maior quantidade e qualidade. Outra parte interessante do livro é o conceito de Shu Ha Ri onde Shu você conhece todas as regras as quais deve repetir para que você absorva, logo, você nunca se distrai. No Ha, após dominar toda a técnica, você poderá fazer inovações. No Ri, você irá fazer tudo sem pensar, é algo que estará enraizado em você e terá uma fluência que poucos conseguem.
  • 3. Implementando o Scrum: Aqui está um resumo sobre a melhor forma de começar um projeto Scrum. Esta é uma descrição bem ampla do processo, mas deve ser suficiente para você começar. O livro foi escrito para explicar o porquê (e vender valor) por trás do Scrum. Esta parte irá, de forma resumida, explicar o como. 1. Escolha um Dono do Produto. Essa pessoa é a responsável pela visão do que você vai fazer ou conseguir. Ela leva em consideração os riscos e os benefícios, o que é possível, o que pode ser feito e o que desperta a paixão na equipe. (Consulte o Capítulo 8, Prioridades, para obter mais informações); 2. Escolha uma equipe. Quem serão as pessoas que realmente trabalharão no projeto? Essa equipe precisa ter todas as habilidades necessárias para pegar a visão do Dono do Produto e transformá-la em realidade. As equipes devem ser pequenas; entre três e nove pessoas é o princípio básico. (Consulte o Capítulo 3, Equipes, para obter mais informações); 3. Escolha um Mestre Scrum. Essa pessoa vai orientar o restante da equipe em relação à estrutura do Scrum, além de ajudar a eliminar qualquer obstáculo que os esteja deixando mais lentos. (Consulte o Capítulo 4, O Desperdício é Um Crime, para obter mais informações); 4. Crie e priorize uma lista de Pendências do Produto. Trata-se de uma lista detalhada de tudo que precisa ser feito ou construído para transformar a visão em realidade. Essas Pendências existem e evoluem durante o desenvolvimento do produto; elas são o mapa dele. Em qualquer fase do projeto, são a única e definitiva visão de "tudo que precisa ser feito pela equipe a qualquer momento, em ordem de prioridade". Só existe uma lista de Pendências; isso significa que o Dono do Produto precisa tomar decisões em relação às prioridade durante todo o processo; ele deve consultar todos os stakeholders e a equipe para se certificar de que elas representam tanto o que as pessoas querem, quanto o que pode ser construído. (Consulte o Capítulo 8, Prioridades, para obter mais informações); 5. Aperfeiçoe e faça estimativas para as Pendências do Produto. É crucial que as pessoas que irão realmente concluir os itens da lista façam as estimativas de quanto esforço eles exigirão. A equipe deve olhar para cada item das Pendências e ver se aquilo é factível. Existem informações suficientes para conclui-lo? Ele é pequeno o suficiente para ser estimado? Existe uma definição de "Feito"? Ele cria valor visível? Cada item deve poder ser mostrado, demonstrado e, esperançosamente, ser enviado. Não estime as Pendências em horas, porque as pessoas são péssimas nesse tipo de previsão. Faça isso usando uma classificação relativa por tamanho: Pequeno, Médio ou Grande. Ou, melhor ainda, use a sequência de Fibonacci e faça estimativas de pontos para cada item: 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21 etc. (Consulte o Capítulo 6, Planeje a Realidade, Não a Fantasia, para obter mais informações); 6. Planejamento do Sprint. Esta é a primeira das reuniões Scrum. A equipe, o Mestre Scrum e o Dono do Produto se reúnem para planejar o Sprint, que sempre tem uma duração definida de tempo menor que um mês. A maioria das pessoas define Sprints de uma ou de duas semanas. As equipes olham para as tarefas no topo das Pendências e estimam o quanto podem fazer naquele Sprint. Se a equipe já está trabalhando a alguns Sprints, ela deve pegar tarefas que totalizem o mesmo número de pontos do Sprint anterior. Esse número é conhecido como a Velocidade da equipe. O Mestre Scrum e a equipe devem tentar aumentar o número de pontos a cada Sprint. Essa é outra chance para a equipe e o Dono do Produto se certificarem que todos entendem como os itens vão satisfazer a visão. Além disso, durante essa reunião todos devem concordar com um Objetivo do Sprint. Um dos pilares do Scrum é que, uma vez que a equipe se comprometeu com o que acredita ser capaz de fazer em um Sprint, é isso. Ele não pode ser mudado, nada pode ser acrescentado. A equipe deve trabalhar de forma autônoma durante o Sprint para concluir o que previu que conseguiu. (Consulte o Capítulo 6, Planeje a Realidade, Não a Fantasia, para obter mais informações.); 7. Torne o trabalho visível. O melhor jeito para se fazer isso no Scrum é criar um Quadro Scrum com três colunas: A fazer, Fazendo, Feito. post-its representam os itens que precisam ser concluídos e a equipe os move pelo Quadro Scrum à medida que forem concluídos, um a um. Outro modo de tonar o trabalho visível é criar um Gráfico de Burn-Down. Um eixo é o número de pontos que a equipe definiu para o Sprint, e o outro é o número de dias. Todos os dias, o Mestre Scrum soma o número de pontos concluídos e os marca no gráfico. O ideal é que haja uma ladeira descendo pelo gráfico até chegar ao zero no último dia do Sprint. (Consulte o Capítulo 7, Felicidade, para obter mais informações);
  • 4. 8. Reuniões Diárias ou Scrum Diário. Este é o ritmo do Scrum. Todos os dias, no mesmo horário, durante não mais do que 15 minutos, a equipe e o Mestre Scrum se reúnem para responder a três perguntas: •O que você fez ontem para ajudar a equipe a concluir o Sprint? •O que você vai fazer hoje para ajudar a equipe a concluir o Sprint? •Existe algum obstáculo impedindo você ou a equipe de alcançar o objetivo do Sprint? Isso é tudo. A reunião inteira. Se ela levar mais do que 15 minutos, você está fazendo alguma coisa errada. Isso serve para ajudar a equipe inteira a saber exatamente em que ponto estão no Sprint. Todas as tarefas serão concluídas a tempo? Existem oportunidades para ajudar os outros membros da equipe a superarem os obstáculos? Não há designação de tarefas vindas de cima —a equipe é autônoma; são eles que fazem isso. Não há qualquer relatório detalhado para os gestores. O Mestre Scrum é responsável por resolver qualquer obstáculo ou impedimento para o progresso da equipe. (Consulte o Capítulo 4, Tempo, e o Capítulo 6, Planeje a Realidade, Não a fantasia, para obter mais informações); 9. Revisão ou Demonstração do Sprint. Trata-se da reunião na qual a equipe mostra o que conseguiu fazer durante o Sprint. Qualquer pessoa pode participar, não apenas o Dono do Produto, o Mestre Scrum e a equipe, mas também os stakeholders, os gestores, os clientes, e qualquer outra pessoa. Esta é uma reunião aberta na qual a equipe demonstra o que conseguiu colocar na coluna Feito. A equipe só deve demonstrar o que satisfaz a Definição de Feito. O que está total e completamente concluído e pode ser entregue sem qualquer trabalho adicional. Pode não ser o produto completo, mas deve ser um atributo concluído do produto. (Consulte o Capítulo 4, Tempo, para obter mais informações); 10. Retrospectiva do Sprint. Depois que a equipe mostrou o que conseguiu fazer no Sprint anterior —aquilo que está "Feito" e pode ser entregue para clientes para obtenção de feedback —, eles se reúnem e pensam no que deu certo e o que poderia ter sido melhor, e o que podem melhorar no próximo Sprint. Qual é o aprimoramento no processo que eles, como uma equipe, podem implementar de forma imediata? Para ser eficaz, essa reunião requer certa dose de maturidade emocional e atmosfera de confiança. O importante é lembrar-se sempre de que você não está procurando culpados; está olhando para o processo. Por que aquilo aconteceu assim? Por que você não percebeu aquilo? O que poderia ter acontecido para sermos mais ágeis? É essencial que as pessoas na equipe assumam a responsabilidade pelo processo e seus respectivos resultados, e que busquem soluções como uma equipe. Ao mesmo tempo, elas têm de ter coragem de levantar as questões que realmente as incomodam, de forma que a solução seja orientada, em vez de acusadora. E o restante da equipe precisa ter maturidade para ouvir o feedback, absorvê-lo e procurar uma solução, em vez de assumir uma postura defensiva. No final da reunião, a equipe e o Mestre Scrum devem chegar a um acordo sobre um aprimoramento no processo que será implementado no Sprint seguinte. Tal aprimoramento no processo, às vezes, é chamado kaizen, e deve ser colocado nas pendências do próximo Sprint, acompanhado de testes de aceitação. Desse modo, será fácil para a equipe verificar se o aprimoramento realmente foi implementado, e que efeito ele teve sobre a velocidade. (Consulte o Capítulo 7, Felicidade, para obter mais informações); 11. Comece imediatamente o próximo Sprint, considerando a experiência da equipe com os impedimentos e os aprimoramentos no processo.
  • 5. Esse resumo é para ser compartilhado e disseminado, pois esse livro possui um método diferente do que estamos habituados! Eu estou usando com a minha esposa para tarefas como lançamento de nossos livros e cronograma de nossos blogs. Em breve irei fazer um post contando como é o Scrum na prática! Se você gostou e for comprar o livro, após lê-lo, envie um e-mail para falecom@thiagocompan.com.br ou comente no link do post sobre esse resumo: http://thiagocompan.com.br/resumo-do-mes-de-marco-scrum-a-arte-de-fazer-o-dobro-do-trabalho-na- metade-do-tempo-de-jeff-sutherland Comente sobre o que achou do livro, pontos positivos e a melhorar e como esse livro adicionou algo em sua vida! Os primeiros que comentarem irão participar de um Hangout sobre o livro no dia 14 de abril de 2015. Fico muito feliz por sua iniciativa em conhecer mais e no mês que vem irei trazer outro resumo espetacular! Um forte abraço, Thiago C. Compan