SlideShare uma empresa Scribd logo
A União Ibérica
União Ibérica: União de Portugal e Espanha sob o governo do mesmo rei, mas em que cada rei
no mantinha a sua autonomia
Nas Cortes de Tomar, em 1581, Filipe II, rei de Espanha, foi aclamado rei de Portugal como
Filipe I e os dois reinos passaram a estar unidos sob o governo do mesmo rei. Este período, que
durou 60 anos (1580.1640), ficou conhecido por União Ibérica. Filipe II passou a ser o homem
mais poderoso do seu tempo ao governar os impérios espanhol e português.
Que Promessas fez Filipe I, na Corte de Tomar aos Portugueses?
 manter e respeitar as leis, a moeda, a língua, os usos e os costumes existentes
em Portugal;
 atribuir os cargos de governo, justiça e finanças, quer em Portugal quer no
Império Português, a Portugueses;
 garantir que o comércio colonial se mantinha nas mãos dos Portugueses.
DESCONTENTAMENTO DOS PORTUGUESES:
Em Portugal, nos reinados de D. Filipe II e D. Filipe III, assistia-se
 ao aumento de impostos, cujo dinheiro servia para pagar as despesas com as guerras
espanholas;
 à diminuição do lucro do comércio colonial, devido à concorrência estrangeira nas colónias
e ao ataque aos navios portugueses;
 à perda de rendas, com a diminuição de cargos administrativos;
 ao envio de nobres para combater nos conflitos em que Espanha estava
envolvida.
Ao longo do domínio filipino houve uma crescente perda de confiança e um crescente
aumento da vontade de recuperar a independência.
Em finais de 1639, a governação portuguesa estava entregue:
- À duquesa de Mântua, representante de D. Filipe III em Portugal;
- Ao secretário de Estado, Miguel de Vasconcelos.
No dia 1 de dezembro de 1640, conspiradores tomaram de assalto o Paço da Ribeira, em
Lisboa: prenderam a duquesa Mântua e mataram o secretário de Estado; restauraram a
Independência de Portugal!
Restauração da Independência: quem foi aclamado rei?
A 15 de dezembro de 1640, as Cortes de Lisboa aclamaram o duque de
Bragança rei de Portugal, com o título de D. João IV.
Assim, iniciava-se uma nova dinastia – 4ª-a dinastia de Bragança.
O que foi a Guerra da Restauração?
Perante a ameaça de uma invasão era necessário preparar o país para uma guerra com Espanha
D. João IV tomou medidas para assegurar o sucesso da guerra da Restauração:
 criou o Conselho da Guerra;
 organizou um exército permanente;
 desenvolveu a indústria de armas e da artilharia;
 reparou as principais fortalezas para defesa das fronteiras;
 estabeleceu alianças diplomáticas.
Identifica cinco fortificações da Guerra da Restauração: Almeida, Castelo Rodrigo,
Guarda, Castelo Branco.
A guerra da Restauração só terminou em 1668, com a assinatura do tratado de paz entre
Portugal e Espanha.
O que aconteceu no dia 1 de dezembro de 1640? Restauração da Independência
Quem subiu ao trono após a Restauração da Independência? D. João IV

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docx

B4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoB4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauração
Carlos Vaz
 
Crise de sucessão
Crise de sucessão Crise de sucessão
Crise de sucessão
Maria João Silva
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power point
Ana Paiva
 
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRicaA Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
Hist8
 
A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640
Leonel Gomes
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
JosPedroSilva11
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Maria Gomes
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
Carla Freitas
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
filipe913355
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Maria Gomes
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
Maria Gomes
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
guest9ca549
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
guest9ca549
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
guest9ca549
 
C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2
8ºC
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
Nuno Faustino
 
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União DinásticaA crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
Zé Mário
 
Restauração
RestauraçãoRestauração
Restauração
Maria Gomes
 
A união ibérica
A união ibérica A união ibérica
A união ibérica
Laís Uchôa
 
Restauração da Independência
Restauração da IndependênciaRestauração da Independência
Restauração da Independência
Maria Gomes
 

Semelhante a Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docx (20)

B4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoB4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauração
 
Crise de sucessão
Crise de sucessão Crise de sucessão
Crise de sucessão
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power point
 
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRicaA Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
 
A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640A revolta do 1º de dezembro de 1640
A revolta do 1º de dezembro de 1640
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
 
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União DinásticaA crise do Império no Oriente e União Dinástica
A crise do Império no Oriente e União Dinástica
 
Restauração
RestauraçãoRestauração
Restauração
 
A união ibérica
A união ibérica A união ibérica
A união ibérica
 
Restauração da Independência
Restauração da IndependênciaRestauração da Independência
Restauração da Independência
 

Mais de sonia afonso

lab7_teste_gramatica_8.docx
lab7_teste_gramatica_8.docxlab7_teste_gramatica_8.docx
lab7_teste_gramatica_8.docx
sonia afonso
 
lab7_teste_gramatica_5.docx
lab7_teste_gramatica_5.docxlab7_teste_gramatica_5.docx
lab7_teste_gramatica_5.docx
sonia afonso
 
O Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docx
O Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docxO Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docx
O Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docx
sonia afonso
 
PenguinPinENG.en.pt (1).pdf
PenguinPinENG.en.pt (1).pdfPenguinPinENG.en.pt (1).pdf
PenguinPinENG.en.pt (1).pdf
sonia afonso
 
Finn_the_fish.pdf
Finn_the_fish.pdfFinn_the_fish.pdf
Finn_the_fish.pdf
sonia afonso
 
15 - DIVERSOS.pdf
15 - DIVERSOS.pdf15 - DIVERSOS.pdf
15 - DIVERSOS.pdf
sonia afonso
 
Condições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docx
Condições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docxCondições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docx
Condições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docx
sonia afonso
 
ALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdf
ALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdfALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdf
ALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdf
sonia afonso
 
classes_palavras
classes_palavrasclasses_palavras
classes_palavras
sonia afonso
 
caderno-atividades-matematica-7oano.pdf
caderno-atividades-matematica-7oano.pdfcaderno-atividades-matematica-7oano.pdf
caderno-atividades-matematica-7oano.pdf
sonia afonso
 
Aeplv617 piratas teatro_guiao
Aeplv617 piratas teatro_guiaoAeplv617 piratas teatro_guiao
Aeplv617 piratas teatro_guiao
sonia afonso
 
Grandes ideias-resumo-6-ing
Grandes ideias-resumo-6-ingGrandes ideias-resumo-6-ing
Grandes ideias-resumo-6-ing
sonia afonso
 
Escolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacao
Escolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacaoEscolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacao
Escolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacao
sonia afonso
 

Mais de sonia afonso (13)

lab7_teste_gramatica_8.docx
lab7_teste_gramatica_8.docxlab7_teste_gramatica_8.docx
lab7_teste_gramatica_8.docx
 
lab7_teste_gramatica_5.docx
lab7_teste_gramatica_5.docxlab7_teste_gramatica_5.docx
lab7_teste_gramatica_5.docx
 
O Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docx
O Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docxO Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docx
O Império Português no século XVI e Lisboa Quinhentista.docx
 
PenguinPinENG.en.pt (1).pdf
PenguinPinENG.en.pt (1).pdfPenguinPinENG.en.pt (1).pdf
PenguinPinENG.en.pt (1).pdf
 
Finn_the_fish.pdf
Finn_the_fish.pdfFinn_the_fish.pdf
Finn_the_fish.pdf
 
15 - DIVERSOS.pdf
15 - DIVERSOS.pdf15 - DIVERSOS.pdf
15 - DIVERSOS.pdf
 
Condições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docx
Condições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docxCondições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docx
Condições da Terra que permitiram o desenvolvimento e a manutenção da vida.docx
 
ALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdf
ALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdfALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdf
ALFA-4º ANO-FICHAS DE CONSOLIDAÇÃO-2.pdf
 
classes_palavras
classes_palavrasclasses_palavras
classes_palavras
 
caderno-atividades-matematica-7oano.pdf
caderno-atividades-matematica-7oano.pdfcaderno-atividades-matematica-7oano.pdf
caderno-atividades-matematica-7oano.pdf
 
Aeplv617 piratas teatro_guiao
Aeplv617 piratas teatro_guiaoAeplv617 piratas teatro_guiao
Aeplv617 piratas teatro_guiao
 
Grandes ideias-resumo-6-ing
Grandes ideias-resumo-6-ingGrandes ideias-resumo-6-ing
Grandes ideias-resumo-6-ing
 
Escolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacao
Escolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacaoEscolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacao
Escolas publicas condicoes_de_saneamento_e_conservacao
 

Último

Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docx

  • 1. A União Ibérica União Ibérica: União de Portugal e Espanha sob o governo do mesmo rei, mas em que cada rei no mantinha a sua autonomia Nas Cortes de Tomar, em 1581, Filipe II, rei de Espanha, foi aclamado rei de Portugal como Filipe I e os dois reinos passaram a estar unidos sob o governo do mesmo rei. Este período, que durou 60 anos (1580.1640), ficou conhecido por União Ibérica. Filipe II passou a ser o homem mais poderoso do seu tempo ao governar os impérios espanhol e português. Que Promessas fez Filipe I, na Corte de Tomar aos Portugueses?  manter e respeitar as leis, a moeda, a língua, os usos e os costumes existentes em Portugal;  atribuir os cargos de governo, justiça e finanças, quer em Portugal quer no Império Português, a Portugueses;  garantir que o comércio colonial se mantinha nas mãos dos Portugueses. DESCONTENTAMENTO DOS PORTUGUESES: Em Portugal, nos reinados de D. Filipe II e D. Filipe III, assistia-se  ao aumento de impostos, cujo dinheiro servia para pagar as despesas com as guerras espanholas;  à diminuição do lucro do comércio colonial, devido à concorrência estrangeira nas colónias e ao ataque aos navios portugueses;  à perda de rendas, com a diminuição de cargos administrativos;  ao envio de nobres para combater nos conflitos em que Espanha estava envolvida.
  • 2. Ao longo do domínio filipino houve uma crescente perda de confiança e um crescente aumento da vontade de recuperar a independência. Em finais de 1639, a governação portuguesa estava entregue: - À duquesa de Mântua, representante de D. Filipe III em Portugal; - Ao secretário de Estado, Miguel de Vasconcelos. No dia 1 de dezembro de 1640, conspiradores tomaram de assalto o Paço da Ribeira, em Lisboa: prenderam a duquesa Mântua e mataram o secretário de Estado; restauraram a Independência de Portugal! Restauração da Independência: quem foi aclamado rei? A 15 de dezembro de 1640, as Cortes de Lisboa aclamaram o duque de Bragança rei de Portugal, com o título de D. João IV. Assim, iniciava-se uma nova dinastia – 4ª-a dinastia de Bragança. O que foi a Guerra da Restauração? Perante a ameaça de uma invasão era necessário preparar o país para uma guerra com Espanha D. João IV tomou medidas para assegurar o sucesso da guerra da Restauração:  criou o Conselho da Guerra;  organizou um exército permanente;  desenvolveu a indústria de armas e da artilharia;  reparou as principais fortalezas para defesa das fronteiras;  estabeleceu alianças diplomáticas. Identifica cinco fortificações da Guerra da Restauração: Almeida, Castelo Rodrigo, Guarda, Castelo Branco. A guerra da Restauração só terminou em 1668, com a assinatura do tratado de paz entre Portugal e Espanha. O que aconteceu no dia 1 de dezembro de 1640? Restauração da Independência Quem subiu ao trono após a Restauração da Independência? D. João IV