SlideShare uma empresa Scribd logo
Lição Professor O Evangelho de Mateus
Lição 4 – Fé e cura 16 a 23 de abril
❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: 1Rs 13, 14
VERSO PARA MEMORIZAR: “Qual é mais fácil? Dizer: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer:
Levanta-te e anda?” (Mt 9:5).
Nada menos que poder criador exigia restituir à saúde aquele corpo decadente. A mesma voz que comunicou
vida ao homem criado do pó da terra infundira vida ao paralítico quase a morrer. E o mesmo poder que dera
vida ao corpo renovou o coração. Aquele que, na criação, “falou, e tudo se fez”, que “mandou, e logo tudo
apareceu” (Sl 33:9), comunicara vida ao que estava morto em ofensas e pecados. A cura do corpo era uma
evidência do poder que renovou o coração. Cristo mandou que o paralítico se erguesse e andasse, “para que
saibais”, disse Ele, “que o Filho do Homem tem na Terra autoridade para perdoar pecados” (Mt 9:6).
O paralítico encontrou em Cristo tanto a cura da alma quanto a do corpo. Ele necessitava de saúde da alma
antes de poder apreciar a do corpo. Antes de poder ser curada a enfermidade física, Cristo precisava dar alívio
à mente, e purificar a alma do pecado. Essa lição não deve ser passada por alto. Existem hoje milhares de
pessoas a sofrer de doenças físicas, as quais, como o paralítico, estão ansiando a mensagem: “Perdoados te são
os teus pecados” (Mt 9:2). O fardo do pecado, com seu desassossego e desejos não satisfeitos, é o fundamento
de sua doença. Não podem encontrar alívio enquanto não forem ter com o Médico da alma. A paz que tão-
somente Ele pode comunicar restituiria vigor à mente e saúde ao corpo. (A Ciência do Bom Viver, p. 77).
❉ Domingo - Tocando o intocável
► Perg. 1. Leia Mateus 8:1-4. Que importância tem o fato de que, ao curar o leproso, Jesus o tocou (ver, por
exemplo, Lv 13:44-50)?
(Mt 8:1-4) 1 Ora, descendo ele do monte, grandes multidões o seguiram. 2 E eis que um leproso, tendo-se
aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. 3 E Jesus, estendendo a mão,
tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo da sua lepra. 4 Disse-lhe, então,
Jesus: Olha, não o digas a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote e fazer a oferta que Moisés ordenou, para
servir de testemunho ao povo.
(Lv 13:44-50) 44 é leproso aquele homem, está imundo; o sacerdote o declarará imundo; a sua praga
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
está na cabeça. 45 As vestes do leproso, em quem está a praga, serão rasgadas, e os seus cabelos serão
desgrenhados; cobrirá o bigode e clamará: Imundo! Imundo! 46 Será imundo durante os dias em que a
praga estiver nele; é imundo, habitará só; a sua habitação será fora do arraial. 47 Quando também em alguma
veste houver praga de lepra, veste de lã ou de linho, 48 seja na urdidura, seja na trama, de linho ou de lã, em
pele ou em qualquer obra de peles, 49 se a praga for esverdinhada ou avermelhada na veste, ou na pele, ou na
urdidura, ou na trama, em qualquer coisa feita de pele, é a praga de lepra, e mostrar-se-á ao sacerdote. 50 O
sacerdote examinará a praga e encerrará, por sete dias, aquilo que tem a praga.
► Resp. 1. Jesus tocou o leproso e toca o corpo e o coração dos pecadores contaminados pelo pecado. Seu
poder de purificação foi mais forte que a impureza da lepra.
“A obra de Cristo em purificar o leproso de sua terrível doença, é uma ilustração de Sua obra em libertar a
alma do pecado. O homem que foi ter com Jesus estava cheio de lepra. O mortal veneno da moléstia penetrara-
lhe todo o corpo. Os discípulos procuraram impedir o Mestre de o tocar; pois aquele que tocava num leproso,
tornava-se por sua vez imundo. Pondo a mão sobre o doente, porém, Jesus não sofreu nenhuma contaminação.
Seu contato comunicou poder vitalizante. Foi purificada a lepra. O mesmo se dá quanto à lepra do pecado -
profundamente arraigada, mortal e impossível de ser purificada por poder humano. "Toda a cabeça está
enferma e todo o coração fraco. Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e
inchaços, e chagas podres." Isa. 1:5 e 6. Mas Jesus, vindo habitar na humanidade, não recebe nenhuma
contaminação. Sua presença tem virtude que cura o pecador. Quem quer que Lhe caia de joelhos aos pés,
dizendo com fé: "Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo", ouvirá a resposta: "Quero: sê limpo." Mat. 8:2 e
3”. (O Desejado de Todas as Nações, p. 266).
Na região do ministério de Cristo, havia muitos desses sofredores, e as novas de Sua obra chegaram até eles,
dando-lhes um lampejo de esperança. Mas desde os dias do profeta Eliseu, nunca se ouvira falar de que
alguém tivesse sido curado dessa moléstia [a lepra]. Não ousavam esperar que Jesus fizesse em seu benefício
aquilo que nunca havia realizado por homem algum. Houve, entretanto, alguém em cujo coração a fé começou
a brotar. Mas não sabia como se aproximar de Jesus. Excluído como estava do contato dos semelhantes, como
se haveria de apresentar ao Médico? E cogitou se Cristo o curaria a ele. Iria Ele Se deter para atender a uma
pessoa que se julgava estar sofrendo sob o juízo de Deus?… Pensava em tudo quanto lhe fora dito de Jesus.
Nenhum dos que Lhe buscavam o auxílio foi repelido. O infeliz decidiu procurar o Salvador. Embora excluído
das cidades, podia ser que acontecesse atravessar-Lhe o caminho em algum atalho das montanhas, ou
encontrá-Lo enquanto ensinava fora das cidades. Grandes eram as dificuldades, mas constituía essa sua única
esperança…
Esse doente oferecia um repugnante espetáculo. A moléstia fizera terríveis incursões, e era horrível ver-lhe o
corpo em decomposição. Ao avistá-lo, o povo recuava apavorado. Comprimiam-se uns contra os outros, a fim
de escapar-lhe ao contato. Alguns tentavam impedi-lo de se aproximar de Jesus, mas em vão. Ele não os via
nem os ouvia. Suas expressões de repugnância não o atingiam. Via unicamente o Filho de Deus. Não escutava
senão a voz que comunica vida ao que perece. Avançando para Jesus, atirou-se aos Seus pés com o grito:
“Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo!” Jesus replicou: “Quero: sê limpo” (Mt 8:2, 3). E o tocou. (O
Desejado de Todas as Nações, p. 262, 263).
Em alguns casos de cura, Jesus não concedia imediatamente a bênção solicitada. Mas, no caso da lepra, mal o
apelo era feito, a bênção era concedida. Quando oramos por bênçãos terrestres, a resposta à nossa petição pode
ser adiada ou Deus talvez nos dê algo diverso do que pedimos. Não é assim, porém, quando oramos por
libertação do pecado. É Sua vontade purificar-nos do pecado, tornar-nos Seus filhos, e habilitar-nos a viver
uma vida santa. Cristo “Se deu a Si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau,
segundo a vontade de Deus, nosso Pai” (Gl 1:4). “E esta é a confiança que temos nEle: que, se pedirmos
alguma coisa, segundo a Sua vontade, Ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos,
sabemos que alcançamos as petições que Lhe fizemos”. (1Jo 5:14, 15).
Jesus olhava aos aflitos e desalentados, aqueles cujas esperanças se haviam desvanecido, e que procuravam,
com alegrias terrenas, acalentar os anseios da alma, e convidava todos a nEle buscarem descanso. (A Ciência
do Bom Viver, p. 70, 71).
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
❉ Segunda - O romano e o Messias
► Perg. 2. Leia Mateus 8:5-13. Que importantes verdades são reveladas nessa história sobre a fé e seu
significado? O que ela diz a nós, adventistas do sétimo dia, em vista dos privilégios que recebemos?
(Mt 8:5-13) 5 Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se-lhe um centurião, implorando: 6
Senhor, o meu criado jaz em casa, de cama, paralítico, sofrendo horrivelmente. 7 Jesus lhe disse: Eu irei
curá-lo. 8 Mas o centurião respondeu: Senhor, não sou digno de que entres em minha casa; mas apenas
manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado. 9 Pois também eu sou homem sujeito à
autoridade, tenho soldados às minhas ordens e digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao
meu servo: faze isto, e ele o faz. 10 Ouvindo isto, admirou-se Jesus e disse aos que o seguiam: Em
verdade vos afirmo que nem mesmo em Israel achei fé como esta. 11 Digo-vos que muitos virão do
Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no reino dos céus. 12 Ao passo que
os filhos do reino serão lançados para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes. 13 Então, disse
Jesus ao centurião: Vai-te, e seja feito conforme a tua fé. E, naquela mesma hora, o servo foi curado.
► Resp. 2. Por meio da fé, Deus realiza maravilhas em nossa vida. Devemos confiar no poder divino e aceitar
a autoridade de Sua Palavra. Quando intercedemos por outras pessoas, milagres acontecem.
Como eu represento o poder de Roma, e meus soldados reconhecem minha autoridade como suprema, assim
Tu representas o poder do infinito Deus, e todas as coisas criadas obedecem à Tua palavra. Podes ordenar à
doença que saia, e ela Te obedecerá. Podes chamar Teus mensageiros celestiais, e comunicarão virtude
vivificadora. Fala tão-somente uma palavra, e o meu criado sarará.
"E, ouvindo isto Jesus, maravilhou-Se dele, e, voltando-Se, disse à multidão que O seguia: Digo-vos que nem
ainda em Israel tenho achado tanta fé." Luc. 7:9. E ao centurião, disse: "Vai, e como creste te seja feito. E
naquela mesma hora o seu criado sarou." Mat. 8:13. O Desejado de todas as Nações, p. 316.
Deus nos deu o poder da escolha e a nós cumpre exercê-lo. Não podemos mudar o coração, nem reger nossos
pensamentos, impulsos e afeições. Não nos podemos tornar puros, aptos para o serviço de Deus. Mas podemos
escolher servi-Lo e podemos entregar-Lhe nossa vontade. Então, Ele operará em nós o querer e o efetuar,
segundo a Sua aprovação. Assim, nossa natureza toda será posta sob o domínio de Cristo.
Mediante o devido exercício da vontade, uma completa mudança pode ser operada na vida. Entregando a
vontade a Cristo, aliamo-nos com o divino poder. Recebemos força do alto para nos manter firmes. Uma vida
nobre e pura, uma vida vitoriosa sobre o apetite e a concupiscência, é possível a todo aquele que quiser unir
sua vontade humana, fraca e vacilante, à onipotente e inabalável vontade de Deus. (A Ciência do Bom Viver,
p. 176).
O que devemos compreender é a verdadeira força da vontade. É o poder que governa a natureza do homem, o
poder da decisão e de escolha. Tudo depende da correta ação da vontade. O poder da escolha deu-o Deus ao
ser humano; a ele compete exercê-lo. Não podemos mudar nosso coração, não podemos, por nós mesmos,
consagrar a Deus as nossas afeições, mas podemos escolher servi-Lo. Podemos dar-Lhe nossa vontade; Ele
então operará em nós o querer e o efetuar, segundo Sua vontade. Desse modo toda a nossa natureza será levada
sob o domínio do Espírito de Cristo. Nossas afeições serão centralizadas nEle, nossos pensamentos estarão em
harmonia com Ele. (Caminho a Cristo, p. 47).
❉ Terça - Demônios e porcos
► Perg. 3. Leia Mateus 8:25-34. O que esses dois relatos ensinam sobre o poder de Deus? Que conforto
encontramos nesses episódios, especialmente quando estamos lutando com coisas mais fortes do que nós?
(Mt 8:25-34) 25 Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos! Perecemos! 26
Perguntou-lhes, então, Jesus: Por que sois tímidos, homens de pequena fé? E, levantando-se, repreendeu
os ventos e o mar; e fez-se grande bonança. 27 E maravilharam-se os homens, dizendo: Quem é este que
até os ventos e o mar lhe obedecem? 28 Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram-
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém
podia passar por aquele caminho. 29 E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste
aqui atormentar-nos antes de tempo? 30 Ora, andava pastando, não longe deles, uma grande manada de
porcos. 31 Então, os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, manda-nos para a manada de porcos. 32
Pois ide, ordenou-lhes Jesus. E eles, saindo, passaram para os porcos; e eis que toda a manada se
precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e nas águas pereceram. 33 Fugiram os porqueiros
e, chegando à cidade, contaram todas estas coisas e o que acontecera aos endemoninhados. 34 Então, a
cidade toda saiu para encontrar-se com Jesus; e, vendo-o, lhe rogaram que se retirasse da terra deles.
► Resp. 3. O poder divino controla a natureza e até os demônios. Em meio às tempestades da vida e ao
ataques do inimigo, Em Cristo encontramos proteção e libertação.
O pecado destruiu nossa paz. Enquanto o próprio eu não for subjugado, não encontraremos repouso. Nenhum
poder humano pode controlar as dominadoras paixões do coração. Achamo-nos aqui tão desajudados como se
sentiram os discípulos para dominar a furiosa tempestade. Mas Aquele que acalmou as ondas do mar da
Galileia, dirige a palavra de paz a todo ser humano. Por feroz que seja a tempestade, os que se volverem a
Jesus com o brado: “Senhor, salva-nos!” (Mt 8:25) encontrarão livramento. Sua graça, que reconcilia o
pecador com Deus, acalma o embate das paixões humanas, e em Seu amor o coração repousa. … “Sendo, pois,
justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5:1). “O efeito da justiça será
paz, e a operação da justiça, repouso e segurança, para sempre” (Is 32:17).
Todo aquele que consente em renunciar ao pecado e abrir o coração ao amor de Cristo, torna-se participante
dessa paz celestial. Não há outra base para a paz, a não ser essa. A graça de Cristo, recebida no coração,
subjuga a inimizade, afasta a luta e enche a vida de amor. Aquele que está em paz com Deus e com seus
semelhantes, não se pode tornar infeliz. A inveja não habitará em seu coração, ruins suspeitas ali não
encontrarão lugar e não existirá ódio. O coração que está em harmonia com Deus é participante da paz do Céu,
e difundirá sua bendita influência por todos os que o rodeiam. O espírito da paz reagirá como orvalho sobre os
corações cansados e perturbados por lutas mundanas. (Nos Lugares Celestiais [MM 1968], p. 35).
Os propósitos de Cristo não foram, porém, subvertidos. Permitiu que os espíritos maus destruíssem a manada
de porcos, como reprovação àqueles judeus que, por amor do ganho, estavam a criar tais animais imundos.
Não houvesse Cristo restringido os demônios, e teriam arrastado para o mar não somente os porcos, mas
também seus guardadores e possuidores. A preservação dos que os guardavam bem como dos seus donos, foi
unicamente devida a Seu poder, misericordiosamente exercido para o livramento deles. Demais, foi permitido
que esse acontecimento ocorresse a fim de que os discípulos pudessem testemunhar o poder cruel de Satanás,
tanto sobre o homem como sobre os animais. O Salvador desejava que Seus seguidores conhecessem o
adversário que tinham de enfrentar, para que não fossem enganados e vencidos por seus ardis. Era também
Sua vontade que o povo daquela região contemplasse Seu poder de quebrar o cativeiro de Satanás e libertar
seus cativos. E, ainda que o próprio Jesus Se retirasse, os homens tão maravilhosamente libertos ficaram para
declarar a misericórdia de seu Benfeitor. O Grande Conflito, p. 515.
Muitos que estão em busca da felicidade serão desapontados em suas esperanças, porque a procuram mal, e
estão condescendendo com temperamentos pecaminosos e sentimentos egoístas. Por negligenciarem
desempenhar pequenos deveres e observar as pequenas cortesias da vida, eles transgridem os princípios nos
quais se fundamenta a felicidade. A verdadeira felicidade não será encontrada na condescendência própria, e
sim no cumprimento do dever. Deus deseja que o homem seja feliz, e por essa razão deu-lhe os preceitos de
Sua lei, para que, ao obedecê-la, possa ter alegria, dentro e fora de seu lar. Enquanto permanecer em sua
integridade moral, fiel aos princípios, e mantendo o controle de todas as suas faculdades, ele não pode ser
infeliz. Entrelaçado em Deus, o coração se encherá de paz e alegria, e a alma prosperará em meio à descrença
e à corrupção. (Refletindo a Cristo [MM 1986], p. 297).
❉ Quarta - “Levanta-te e anda”
► Perg. 4. Leia Mateus 9:1-8. Que grande esperança encontramos nesse relato a respeito da promessa de
perdão para nossos pecados, não importando quais tenham sido nem o dano que tenham causado? Ver também
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
Rm 4:7; 1Jo 1:9; 1Jo 2:12
(Mt 9:1-8) 1 Entrando Jesus num barco, passou para o outro lado e foi para a sua própria cidade. 2 E eis que
lhe trouxeram um paralítico deitado num leito. Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Tem bom ânimo,
filho; estão perdoados os teus pecados. 3 Mas alguns escribas diziam consigo: Este blasfema. 4 Jesus,
porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Por que cogitais o mal no vosso coração? 5 Pois qual é
mais fácil? Dizer: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te e anda? 6 Ora, para que
saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados - disse, então, ao
paralítico: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa. 7 E, levantando-se, partiu para sua casa. 8
Vendo isto, as multidões, possuídas de temor, glorificaram a Deus, que dera tal autoridade aos homens.
(Rm 4:7) Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos;
(1Jo 1:9) Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar
de toda injustiça.
(1Jo 2:12) Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome.
► Resp. 4. Apesar dos nossos erros e suas consequências, Cristo nos perdoa, aceita e transforma. O Cristo que
morreu para nos perdoar também tem autoridade para nos curar.
O paralítico achava-se de todo impotente, e, não vendo nenhuma perspectiva de auxílio de qualquer lado, caíra
no desespero. Ouvira então falar das maravilhosas obras de Jesus. Foi-lhe dito que outros, tão pecadores e
desamparados como ele, haviam sido curados; até mesmo leprosos tinham sido purificados. E os amigos que
relatavam essas coisas animavam-no a crer que também ele poderia ser curado, caso fosse conduzido a Jesus.
Desfaleceu-se-lhe, no entanto, a esperança ao lembrar-se da maneira por que lhe sobreviera a enfermidade.
Temeu que o imaculado médico não o tolerasse em Sua presença.
Não era, entretanto, o restabelecimento físico que ele desejava tanto, mas o alívio do fardo de pecado. Se
pudesse ver Jesus, e receber a certeza do perdão e a paz com o Céu, estaria contente em viver ou morrer,
segundo a vontade de Deus”. (O Desejado de Todas as Nações, p. 267).
Muitos dos que iam ter com Cristo em busca de auxílio, haviam trazido sobre si a enfermidade. Entretanto, Ele
não Se recusava a curá-los. E quando a virtude que dEle provinha penetrava nessas pessoas, elas
experimentavam a convicção do pecado, e muitos eram curados de sua enfermidade espiritual, bem como da
doença física.
Entre esses estava o paralítico de Cafarnaum. Como o leproso, esse paralítico havia perdido toda esperança de
restabelecimento. Sua doença era o resultado de uma vida pecaminosa, e seus sofrimentos eram amargurados
pelo remorso. Em vão havia apelado para os fariseus e os doutores em busca de alívio. Eles declararam
incurável seu mal, disseram que ele haveria de morrer sob a ira de Deus.
O paralítico imergira no desespero. Ouviu então contar as obras de Jesus. Outros, tão pecadores e
desamparados como ele, haviam sido curados, e foi animado a crer que também ele poderia ser, se fosse
levado ao Salvador. Sua esperança quase se desvaneceu ao lembrar-se da causa de seu mal, mas não podia
rejeitar a possibilidade da cura.
Seu grande desejo era o alívio do grande fardo do pecado. Ansiava ver Jesus, e receber a certeza do perdão e a
paz com o Céu. Então estaria contente de viver ou morrer, segundo a vontade de Deus. (A Ciência do Bom
Viver, p. 73, 74).
Vigiemos em oração. Isso nos ajudará a compreender que devemos estar sob o controle de Cristo, nosso Líder
divino. Ele nos concede firmeza de propósito, impulsos refreados semelhantes aos Seus e bom-senso,
habilitando-nos a pensar sensatamente, mas com afabilidade. O tempo é demasiadamente curto para nos
tornarmos infelizes. Meu prezado irmão e minha prezada irmã, acalentaremos o espírito de felicidade porque
sabemos que temos um Salvador que nos ama e que nos abençoará se dermos bom acolhimento à Sua presença
em nosso coração. (Este Dia Com Deus [MM 1980], p. 236).
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
❉ Quinta - Deixar os mortos sepultarem os mortos
► Perg. 5. Leia Mateus 8:18-22. O que Jesus disse a respeito do que significa segui-Lo?
(Mt 8:18-22) 18 Vendo Jesus muita gente ao seu redor, ordenou que passassem para a outra margem. 19
Então, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores. 20 Mas
Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não
tem onde reclinar a cabeça. 21 E outro dos discípulos lhe disse: Senhor, permite-me ir primeiro sepultar
meu pai. 22 Replicou-lhe, porém, Jesus: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios
mortos.
► Resp. 5. O discípulo deve entender que seguir Jesus significa renunciar às coisas deste mundo, incluindo
até algum planejamento familiar. Enquanto seguimos Jesus, os mortos espiritualmente podem cuidar dos
mortos fisicamente.
Desde o princípio, não havia acenado a Seus seguidores com nenhuma esperança de recompensas terrestres. A
um que viera desejando ser Seu discípulo, Ele disse: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas
o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt 8:20). Se os homens pudessem ter obtido Cristo e o
mundo, multidões Lhe haveriam oferecido seu apoio. Tal serviço, porém, Ele não poderia aceitar. Dos que
agora se achavam ligados a Ele, havia muitos que tinham sido atraídos pela esperança de um reino terrestre.
Esses deveriam ser desenganados. (O Desejado de Todas as Nações, p. 383).
Enquanto Jesus estava preparando os discípulos para sua ordenação, um que não fora chamado se esforçou
para ser contado entre eles. Foi Judas Iscariotes, que professava ser seguidor de Cristo. Adiantou-se então,
solicitando um lugar nesse círculo mais íntimo de discípulos. Com grande veemência e aparente sinceridade,
declarou: "Senhor, seguir-Te-ei para onde quer que fores." Jesus nem o repeliu, nem o acolheu com mostras de
agrado, mas proferiu apenas as tristes palavras: "As raposas têm covis, e as aves do céu ninhos, mas o Filho do
homem não tem onde reclinar a cabeça." Mat. 8:19 e 20. Judas acreditava que Jesus fosse o Messias; e, ao
unir-se aos discípulos, esperava assegurar para si alta posição no novo reino. Essa esperança quis Jesus tirar
com a declaração de Sua pobreza. O Desejado de Todas as Nações, pp. 293-294.
Os fariseus haviam julgado Mateus segundo seu emprego, mas Jesus viu nesse homem uma alma aberta à
recepção da verdade. Mateus tinha escutado os ensinos do Salvador. Ao revelar-lhe o convincente Espírito de
Deus sua pecaminosidade, anelou buscar auxílio em Cristo. Porém, estava habituado ao exclusivismo dos
rabis, e não tinha nenhuma ideia de que esse grande Mestre houvesse de fazer caso dele.
Um dia, achando-se sentado na alfândega, o publicano viu Jesus, que Se aproximava. Grande foi sua surpresa
ao ouvir as palavras que lhe foram dirigidas: “Segue-Me.”
Mateus “deixando tudo, levantou-se e O seguiu” (Lc 5:27, 28). Não houve nenhuma hesitação, nenhuma
dúvida, nenhum pensamento para o lucrativo negócio a ser trocado por pobreza e privações. Era-lhe suficiente
estar com Jesus, ouvir-Lhe as palavras e a Ele unir-se em Sua obra.
O mesmo se deu com os discípulos anteriormente chamados. Quando Jesus pediu a Pedro e a seus
companheiros que O seguissem, eles deixaram imediatamente os barcos e as redes. Alguns desses discípulos
tinham queridos cujo sustento deles dependia; Ao receberem, porém, o convite do Salvador, não hesitaram
nem perguntaram: “Como hei de viver, e sustentar minha família?” Obedeceram ao chamado e, quando,
posteriormente, Jesus lhes perguntou: “Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos
porventura alguma coisa?” puderam responder: “Nada”. Lc 22:35. (O Desejado de Todas as Nações, p. 272,
273).
Ele “Se fez pobre” e “a Si mesmo se esvaziou” (2Co 8:9; Fp 2:7). Teve fome e frequentemente sede e muitas
vezes Se cansou em Seu trabalho, mas não tinha “onde reclinar a cabeça” (Mt 8:20). “Quando as sombras frias
e úmidas da noite O cercavam, a terra costumava ser Sua cama. Apesar disso, Ele abençoou aqueles que O
odiavam. Que vida! Que experiência! Podemos nós, os professos seguidores de Cristo, suportar alegremente
privação e sofrimento como fez nosso Senhor, sem murmurar? Podemos “beber o cálice” e ser batizados com
o batismo? (Mt 20:22). Se esse for o caso, poderemos compartilhar de Sua glória em Seu reino celestial.
(Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 107).
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oi ana
Oi anaOi ana
Oi ana
welingtonjh
 
Cristo aquele que_cura
Cristo aquele que_curaCristo aquele que_cura
Cristo aquele que_cura
tadslideshare
 
ENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTO
Enerliz
 
A ressurreição de_ cristo_parte_01
A  ressurreição  de_ cristo_parte_01A  ressurreição  de_ cristo_parte_01
A ressurreição de_ cristo_parte_01
Pr Neto
 
Book cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-curaBook cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-cura
tadslideshare
 
A humanidade de cristo
A humanidade de cristoA humanidade de cristo
A humanidade de cristo
Eduardo Sousa Gomes
 
Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Lição 12 - Milagres no nosso tempo Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Erberson Pinheiro
 
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
Enerliz
 
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação GrandiosaLição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
Hamilton Souza
 
Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3
Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3
Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3
Diego Fortunatto
 
A verdade presente folheto livro
A verdade presente folheto livroA verdade presente folheto livro
A verdade presente folheto livro
rogermoon
 
Jesus e o Templo
Jesus e o TemploJesus e o Templo
Jesus e o Templo
Graça Maciel
 
Tabernáculo_PARTE_01
Tabernáculo_PARTE_01Tabernáculo_PARTE_01
Tabernáculo_PARTE_01
Pr Neto
 
Morte e ressurreição_1232014_GGR
Morte e ressurreição_1232014_GGRMorte e ressurreição_1232014_GGR
Morte e ressurreição_1232014_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição 3 Hebreus
Lição 3   HebreusLição 3   Hebreus
Lição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a Igreja
Lição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a IgrejaLição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a Igreja
Lição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a Igreja
Éder Tomé
 
Visão Panorâmica - Apocalipse
Visão Panorâmica - ApocalipseVisão Panorâmica - Apocalipse
Visão Panorâmica - Apocalipse
Músico Profissional
 
Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015
Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015
Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015
Pr. Andre Luiz
 
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016  TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
Elias Farias
 
Conselhos sobre jogos
Conselhos sobre jogosConselhos sobre jogos
Conselhos sobre jogos
RibamarCantanhede3
 

Mais procurados (20)

Oi ana
Oi anaOi ana
Oi ana
 
Cristo aquele que_cura
Cristo aquele que_curaCristo aquele que_cura
Cristo aquele que_cura
 
ENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTO
 
A ressurreição de_ cristo_parte_01
A  ressurreição  de_ cristo_parte_01A  ressurreição  de_ cristo_parte_01
A ressurreição de_ cristo_parte_01
 
Book cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-curaBook cristo aquele-que-cura
Book cristo aquele-que-cura
 
A humanidade de cristo
A humanidade de cristoA humanidade de cristo
A humanidade de cristo
 
Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Lição 12 - Milagres no nosso tempo Lição 12 - Milagres no nosso tempo
Lição 12 - Milagres no nosso tempo
 
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?POR QUE TEMOS CONFLITOS?
POR QUE TEMOS CONFLITOS?
 
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação GrandiosaLição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
 
Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3
Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3
Diálogo sobre o apocalipse vol. 1, 2 e 3
 
A verdade presente folheto livro
A verdade presente folheto livroA verdade presente folheto livro
A verdade presente folheto livro
 
Jesus e o Templo
Jesus e o TemploJesus e o Templo
Jesus e o Templo
 
Tabernáculo_PARTE_01
Tabernáculo_PARTE_01Tabernáculo_PARTE_01
Tabernáculo_PARTE_01
 
Morte e ressurreição_1232014_GGR
Morte e ressurreição_1232014_GGRMorte e ressurreição_1232014_GGR
Morte e ressurreição_1232014_GGR
 
Lição 3 Hebreus
Lição 3   HebreusLição 3   Hebreus
Lição 3 Hebreus
 
Lição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a Igreja
Lição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a IgrejaLição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a Igreja
Lição 11 - Os Gigantes da Fé e o seu Legado para a Igreja
 
Visão Panorâmica - Apocalipse
Visão Panorâmica - ApocalipseVisão Panorâmica - Apocalipse
Visão Panorâmica - Apocalipse
 
Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015
Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015
Poder sobre as doenças e morte - Lição 07 - 2º/2015
 
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016  TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 
Conselhos sobre jogos
Conselhos sobre jogosConselhos sobre jogos
Conselhos sobre jogos
 

Destaque

Lição_422016_fé e cura_GGR
Lição_422016_fé e cura_GGRLição_422016_fé e cura_GGR
Lição_422016_fé e cura_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGRLição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Gerson G. Ramos
 
Relacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebd
Relacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebdRelacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebd
Relacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebd
francisco targino
 
O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16
O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16
O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16
Ivair Costa
 
❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR
❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR
❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR
Gerson G. Ramos
 
11 a composição literária do apocalipse
11   a composição literária do apocalipse11   a composição literária do apocalipse
11 a composição literária do apocalipse
Diego Fortunatto
 
Arranjo, sobre a organização e uso dos dons
Arranjo, sobre a organização e uso dos donsArranjo, sobre a organização e uso dos dons
Arranjo, sobre a organização e uso dos dons
welingtonjh
 
02=os símbolos das profecias
02=os símbolos das profecias02=os símbolos das profecias
02=os símbolos das profecias
Sueine Alves Alves
 
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Adriano Alves de Souza
 
2016 NHL Western Conference playoffs
2016 NHL Western Conference playoffs2016 NHL Western Conference playoffs
2016 NHL Western Conference playoffs
Jay Gotlieb
 
Limpieza Quimica GCII
Limpieza Quimica GCIILimpieza Quimica GCII
Limpieza Quimica GCII
Irving1601
 
20 compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-13
20   compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-1320   compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-13
20 compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-13
Diego Fortunatto
 
Tabela conversão das profecias
Tabela conversão das profeciasTabela conversão das profecias
Tabela conversão das profecias
Diego Fortunatto
 
SDM20/20 Post Implementation KPI Report
SDM20/20 Post Implementation KPI ReportSDM20/20 Post Implementation KPI Report
SDM20/20 Post Implementation KPI Report
David Ledersnaider, Ph.D.
 
ARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTO
ARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTOARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTO
ARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTO
Leonam dos Santos
 
Educación visual
Educación visualEducación visual
Educación visual
angelacastillo2202
 
Considerações sobre o Apocalipse Esquematizado
Considerações sobre o Apocalipse EsquematizadoConsiderações sobre o Apocalipse Esquematizado
Considerações sobre o Apocalipse Esquematizado
Lucas Guerreiro
 
Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013
Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013
Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013
icechase
 
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
Álvaro José Marques do Rêgo
 
O quiasma
O quiasmaO quiasma
O quiasma
Rogerio Sena
 

Destaque (20)

Lição_422016_fé e cura_GGR
Lição_422016_fé e cura_GGRLição_422016_fé e cura_GGR
Lição_422016_fé e cura_GGR
 
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGRLição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
 
Relacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebd
Relacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebdRelacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebd
Relacionamento com pessoas dificeis lição 5 ebd
 
O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16
O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16
O Selamento - Ez 20.12 e Ap 13.16
 
❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR
❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR
❉ Respostas_1112016_O que Pedro disse sobre o grande conflito_GGR
 
11 a composição literária do apocalipse
11   a composição literária do apocalipse11   a composição literária do apocalipse
11 a composição literária do apocalipse
 
Arranjo, sobre a organização e uso dos dons
Arranjo, sobre a organização e uso dos donsArranjo, sobre a organização e uso dos dons
Arranjo, sobre a organização e uso dos dons
 
02=os símbolos das profecias
02=os símbolos das profecias02=os símbolos das profecias
02=os símbolos das profecias
 
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
 
2016 NHL Western Conference playoffs
2016 NHL Western Conference playoffs2016 NHL Western Conference playoffs
2016 NHL Western Conference playoffs
 
Limpieza Quimica GCII
Limpieza Quimica GCIILimpieza Quimica GCII
Limpieza Quimica GCII
 
20 compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-13
20   compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-1320   compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-13
20 compreendendo os ''1260 dias'' em apoc. 11-13
 
Tabela conversão das profecias
Tabela conversão das profeciasTabela conversão das profecias
Tabela conversão das profecias
 
SDM20/20 Post Implementation KPI Report
SDM20/20 Post Implementation KPI ReportSDM20/20 Post Implementation KPI Report
SDM20/20 Post Implementation KPI Report
 
ARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTO
ARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTOARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTO
ARREBATAMENTO E SEGUNDA VOLTA DE CRISTO
 
Educación visual
Educación visualEducación visual
Educación visual
 
Considerações sobre o Apocalipse Esquematizado
Considerações sobre o Apocalipse EsquematizadoConsiderações sobre o Apocalipse Esquematizado
Considerações sobre o Apocalipse Esquematizado
 
Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013
Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013
Icvs non profit-animal_welfare_programs_2013
 
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
 
O quiasma
O quiasmaO quiasma
O quiasma
 

Semelhante a Respostas_422016_fé e cura_GGR

Ministrando cura e_libertação
Ministrando cura e_libertaçãoMinistrando cura e_libertação
Ministrando cura e_libertação
Cristiano Mascarenhas
 
Treinamento cura e libertação
Treinamento cura e libertaçãoTreinamento cura e libertação
Treinamento cura e libertação
Carlos Cirleno Neves
 
A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro
Sergio Menezes
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Gerson G. Ramos
 
"EU SOU O SENHOR QUE TE SARA"
"EU SOU O SENHOR QUE TE SARA""EU SOU O SENHOR QUE TE SARA"
"EU SOU O SENHOR QUE TE SARA"
Projeto Preparar um Povo
 
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGRA primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
Gerson G. Ramos
 
Palestra libertação
Palestra   libertaçãoPalestra   libertação
Palestra libertação
Joao Rumpel
 
Oracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdf
Oracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdfOracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdf
Oracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdf
StelaWilbert
 
Como ser salvo_Lição_original com textos_532014
Como ser salvo_Lição_original com textos_532014Como ser salvo_Lição_original com textos_532014
Como ser salvo_Lição_original com textos_532014
Gerson G. Ramos
 
EU SOU O SENHOR QUE TE SARA
EU SOU O SENHOR QUE TE SARAEU SOU O SENHOR QUE TE SARA
EU SOU O SENHOR QUE TE SARA
Projeto Preparar um Povo
 
Livro eu sou o senhor que te sara
Livro   eu sou o senhor que te saraLivro   eu sou o senhor que te sara
Livro eu sou o senhor que te sara
ASD Remanescentes
 
ESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docx
ESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docxESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docx
ESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docx
sergio dos santos
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Erberson Pinheiro
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
Claudio Macedo
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
Claudio Macedo
 
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGRLição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Gerson G. Ramos
 
Apostila caravana do arrependimento
Apostila   caravana do arrependimentoApostila   caravana do arrependimento
Apostila caravana do arrependimento
Luã França
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
Uma Promessa de Salvação.
 Uma Promessa de Salvação. Uma Promessa de Salvação.
Uma Promessa de Salvação.
Márcio Martins
 
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro MártirLição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Éder Tomé
 

Semelhante a Respostas_422016_fé e cura_GGR (20)

Ministrando cura e_libertação
Ministrando cura e_libertaçãoMinistrando cura e_libertação
Ministrando cura e_libertação
 
Treinamento cura e libertação
Treinamento cura e libertaçãoTreinamento cura e libertação
Treinamento cura e libertação
 
A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
"EU SOU O SENHOR QUE TE SARA"
"EU SOU O SENHOR QUE TE SARA""EU SOU O SENHOR QUE TE SARA"
"EU SOU O SENHOR QUE TE SARA"
 
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGRA primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
 
Palestra libertação
Palestra   libertaçãoPalestra   libertação
Palestra libertação
 
Oracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdf
Oracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdfOracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdf
Oracoes que trazem Cura - John Eckhardt.pdf
 
Como ser salvo_Lição_original com textos_532014
Como ser salvo_Lição_original com textos_532014Como ser salvo_Lição_original com textos_532014
Como ser salvo_Lição_original com textos_532014
 
EU SOU O SENHOR QUE TE SARA
EU SOU O SENHOR QUE TE SARAEU SOU O SENHOR QUE TE SARA
EU SOU O SENHOR QUE TE SARA
 
Livro eu sou o senhor que te sara
Livro   eu sou o senhor que te saraLivro   eu sou o senhor que te sara
Livro eu sou o senhor que te sara
 
ESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docx
ESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docxESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docx
ESTUDO DAS CÉLULAS 2022.docx
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvação
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
 
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGRLição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
 
Apostila caravana do arrependimento
Apostila   caravana do arrependimentoApostila   caravana do arrependimento
Apostila caravana do arrependimento
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
 
Uma Promessa de Salvação.
 Uma Promessa de Salvação. Uma Promessa de Salvação.
Uma Promessa de Salvação.
 
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro MártirLição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
 

Mais de Gerson G. Ramos

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Gerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 

Último

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 

Respostas_422016_fé e cura_GGR

  • 1. Lição Professor O Evangelho de Mateus Lição 4 – Fé e cura 16 a 23 de abril ❉ Sábado à tarde Ano Bíblico: 1Rs 13, 14 VERSO PARA MEMORIZAR: “Qual é mais fácil? Dizer: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te e anda?” (Mt 9:5). Nada menos que poder criador exigia restituir à saúde aquele corpo decadente. A mesma voz que comunicou vida ao homem criado do pó da terra infundira vida ao paralítico quase a morrer. E o mesmo poder que dera vida ao corpo renovou o coração. Aquele que, na criação, “falou, e tudo se fez”, que “mandou, e logo tudo apareceu” (Sl 33:9), comunicara vida ao que estava morto em ofensas e pecados. A cura do corpo era uma evidência do poder que renovou o coração. Cristo mandou que o paralítico se erguesse e andasse, “para que saibais”, disse Ele, “que o Filho do Homem tem na Terra autoridade para perdoar pecados” (Mt 9:6). O paralítico encontrou em Cristo tanto a cura da alma quanto a do corpo. Ele necessitava de saúde da alma antes de poder apreciar a do corpo. Antes de poder ser curada a enfermidade física, Cristo precisava dar alívio à mente, e purificar a alma do pecado. Essa lição não deve ser passada por alto. Existem hoje milhares de pessoas a sofrer de doenças físicas, as quais, como o paralítico, estão ansiando a mensagem: “Perdoados te são os teus pecados” (Mt 9:2). O fardo do pecado, com seu desassossego e desejos não satisfeitos, é o fundamento de sua doença. Não podem encontrar alívio enquanto não forem ter com o Médico da alma. A paz que tão- somente Ele pode comunicar restituiria vigor à mente e saúde ao corpo. (A Ciência do Bom Viver, p. 77). ❉ Domingo - Tocando o intocável ► Perg. 1. Leia Mateus 8:1-4. Que importância tem o fato de que, ao curar o leproso, Jesus o tocou (ver, por exemplo, Lv 13:44-50)? (Mt 8:1-4) 1 Ora, descendo ele do monte, grandes multidões o seguiram. 2 E eis que um leproso, tendo-se aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. 3 E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo da sua lepra. 4 Disse-lhe, então, Jesus: Olha, não o digas a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote e fazer a oferta que Moisés ordenou, para servir de testemunho ao povo. (Lv 13:44-50) 44 é leproso aquele homem, está imundo; o sacerdote o declarará imundo; a sua praga Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
  • 2. está na cabeça. 45 As vestes do leproso, em quem está a praga, serão rasgadas, e os seus cabelos serão desgrenhados; cobrirá o bigode e clamará: Imundo! Imundo! 46 Será imundo durante os dias em que a praga estiver nele; é imundo, habitará só; a sua habitação será fora do arraial. 47 Quando também em alguma veste houver praga de lepra, veste de lã ou de linho, 48 seja na urdidura, seja na trama, de linho ou de lã, em pele ou em qualquer obra de peles, 49 se a praga for esverdinhada ou avermelhada na veste, ou na pele, ou na urdidura, ou na trama, em qualquer coisa feita de pele, é a praga de lepra, e mostrar-se-á ao sacerdote. 50 O sacerdote examinará a praga e encerrará, por sete dias, aquilo que tem a praga. ► Resp. 1. Jesus tocou o leproso e toca o corpo e o coração dos pecadores contaminados pelo pecado. Seu poder de purificação foi mais forte que a impureza da lepra. “A obra de Cristo em purificar o leproso de sua terrível doença, é uma ilustração de Sua obra em libertar a alma do pecado. O homem que foi ter com Jesus estava cheio de lepra. O mortal veneno da moléstia penetrara- lhe todo o corpo. Os discípulos procuraram impedir o Mestre de o tocar; pois aquele que tocava num leproso, tornava-se por sua vez imundo. Pondo a mão sobre o doente, porém, Jesus não sofreu nenhuma contaminação. Seu contato comunicou poder vitalizante. Foi purificada a lepra. O mesmo se dá quanto à lepra do pecado - profundamente arraigada, mortal e impossível de ser purificada por poder humano. "Toda a cabeça está enferma e todo o coração fraco. Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres." Isa. 1:5 e 6. Mas Jesus, vindo habitar na humanidade, não recebe nenhuma contaminação. Sua presença tem virtude que cura o pecador. Quem quer que Lhe caia de joelhos aos pés, dizendo com fé: "Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo", ouvirá a resposta: "Quero: sê limpo." Mat. 8:2 e 3”. (O Desejado de Todas as Nações, p. 266). Na região do ministério de Cristo, havia muitos desses sofredores, e as novas de Sua obra chegaram até eles, dando-lhes um lampejo de esperança. Mas desde os dias do profeta Eliseu, nunca se ouvira falar de que alguém tivesse sido curado dessa moléstia [a lepra]. Não ousavam esperar que Jesus fizesse em seu benefício aquilo que nunca havia realizado por homem algum. Houve, entretanto, alguém em cujo coração a fé começou a brotar. Mas não sabia como se aproximar de Jesus. Excluído como estava do contato dos semelhantes, como se haveria de apresentar ao Médico? E cogitou se Cristo o curaria a ele. Iria Ele Se deter para atender a uma pessoa que se julgava estar sofrendo sob o juízo de Deus?… Pensava em tudo quanto lhe fora dito de Jesus. Nenhum dos que Lhe buscavam o auxílio foi repelido. O infeliz decidiu procurar o Salvador. Embora excluído das cidades, podia ser que acontecesse atravessar-Lhe o caminho em algum atalho das montanhas, ou encontrá-Lo enquanto ensinava fora das cidades. Grandes eram as dificuldades, mas constituía essa sua única esperança… Esse doente oferecia um repugnante espetáculo. A moléstia fizera terríveis incursões, e era horrível ver-lhe o corpo em decomposição. Ao avistá-lo, o povo recuava apavorado. Comprimiam-se uns contra os outros, a fim de escapar-lhe ao contato. Alguns tentavam impedi-lo de se aproximar de Jesus, mas em vão. Ele não os via nem os ouvia. Suas expressões de repugnância não o atingiam. Via unicamente o Filho de Deus. Não escutava senão a voz que comunica vida ao que perece. Avançando para Jesus, atirou-se aos Seus pés com o grito: “Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo!” Jesus replicou: “Quero: sê limpo” (Mt 8:2, 3). E o tocou. (O Desejado de Todas as Nações, p. 262, 263). Em alguns casos de cura, Jesus não concedia imediatamente a bênção solicitada. Mas, no caso da lepra, mal o apelo era feito, a bênção era concedida. Quando oramos por bênçãos terrestres, a resposta à nossa petição pode ser adiada ou Deus talvez nos dê algo diverso do que pedimos. Não é assim, porém, quando oramos por libertação do pecado. É Sua vontade purificar-nos do pecado, tornar-nos Seus filhos, e habilitar-nos a viver uma vida santa. Cristo “Se deu a Si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus, nosso Pai” (Gl 1:4). “E esta é a confiança que temos nEle: que, se pedirmos alguma coisa, segundo a Sua vontade, Ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que Lhe fizemos”. (1Jo 5:14, 15). Jesus olhava aos aflitos e desalentados, aqueles cujas esperanças se haviam desvanecido, e que procuravam, com alegrias terrenas, acalentar os anseios da alma, e convidava todos a nEle buscarem descanso. (A Ciência do Bom Viver, p. 70, 71). Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
  • 3. ❉ Segunda - O romano e o Messias ► Perg. 2. Leia Mateus 8:5-13. Que importantes verdades são reveladas nessa história sobre a fé e seu significado? O que ela diz a nós, adventistas do sétimo dia, em vista dos privilégios que recebemos? (Mt 8:5-13) 5 Tendo Jesus entrado em Cafarnaum, apresentou-se-lhe um centurião, implorando: 6 Senhor, o meu criado jaz em casa, de cama, paralítico, sofrendo horrivelmente. 7 Jesus lhe disse: Eu irei curá-lo. 8 Mas o centurião respondeu: Senhor, não sou digno de que entres em minha casa; mas apenas manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado. 9 Pois também eu sou homem sujeito à autoridade, tenho soldados às minhas ordens e digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faze isto, e ele o faz. 10 Ouvindo isto, admirou-se Jesus e disse aos que o seguiam: Em verdade vos afirmo que nem mesmo em Israel achei fé como esta. 11 Digo-vos que muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no reino dos céus. 12 Ao passo que os filhos do reino serão lançados para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes. 13 Então, disse Jesus ao centurião: Vai-te, e seja feito conforme a tua fé. E, naquela mesma hora, o servo foi curado. ► Resp. 2. Por meio da fé, Deus realiza maravilhas em nossa vida. Devemos confiar no poder divino e aceitar a autoridade de Sua Palavra. Quando intercedemos por outras pessoas, milagres acontecem. Como eu represento o poder de Roma, e meus soldados reconhecem minha autoridade como suprema, assim Tu representas o poder do infinito Deus, e todas as coisas criadas obedecem à Tua palavra. Podes ordenar à doença que saia, e ela Te obedecerá. Podes chamar Teus mensageiros celestiais, e comunicarão virtude vivificadora. Fala tão-somente uma palavra, e o meu criado sarará. "E, ouvindo isto Jesus, maravilhou-Se dele, e, voltando-Se, disse à multidão que O seguia: Digo-vos que nem ainda em Israel tenho achado tanta fé." Luc. 7:9. E ao centurião, disse: "Vai, e como creste te seja feito. E naquela mesma hora o seu criado sarou." Mat. 8:13. O Desejado de todas as Nações, p. 316. Deus nos deu o poder da escolha e a nós cumpre exercê-lo. Não podemos mudar o coração, nem reger nossos pensamentos, impulsos e afeições. Não nos podemos tornar puros, aptos para o serviço de Deus. Mas podemos escolher servi-Lo e podemos entregar-Lhe nossa vontade. Então, Ele operará em nós o querer e o efetuar, segundo a Sua aprovação. Assim, nossa natureza toda será posta sob o domínio de Cristo. Mediante o devido exercício da vontade, uma completa mudança pode ser operada na vida. Entregando a vontade a Cristo, aliamo-nos com o divino poder. Recebemos força do alto para nos manter firmes. Uma vida nobre e pura, uma vida vitoriosa sobre o apetite e a concupiscência, é possível a todo aquele que quiser unir sua vontade humana, fraca e vacilante, à onipotente e inabalável vontade de Deus. (A Ciência do Bom Viver, p. 176). O que devemos compreender é a verdadeira força da vontade. É o poder que governa a natureza do homem, o poder da decisão e de escolha. Tudo depende da correta ação da vontade. O poder da escolha deu-o Deus ao ser humano; a ele compete exercê-lo. Não podemos mudar nosso coração, não podemos, por nós mesmos, consagrar a Deus as nossas afeições, mas podemos escolher servi-Lo. Podemos dar-Lhe nossa vontade; Ele então operará em nós o querer e o efetuar, segundo Sua vontade. Desse modo toda a nossa natureza será levada sob o domínio do Espírito de Cristo. Nossas afeições serão centralizadas nEle, nossos pensamentos estarão em harmonia com Ele. (Caminho a Cristo, p. 47). ❉ Terça - Demônios e porcos ► Perg. 3. Leia Mateus 8:25-34. O que esses dois relatos ensinam sobre o poder de Deus? Que conforto encontramos nesses episódios, especialmente quando estamos lutando com coisas mais fortes do que nós? (Mt 8:25-34) 25 Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos! Perecemos! 26 Perguntou-lhes, então, Jesus: Por que sois tímidos, homens de pequena fé? E, levantando-se, repreendeu os ventos e o mar; e fez-se grande bonança. 27 E maravilharam-se os homens, dizendo: Quem é este que até os ventos e o mar lhe obedecem? 28 Tendo ele chegado à outra margem, à terra dos gadarenos, vieram- Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
  • 4. lhe ao encontro dois endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho. 29 E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes de tempo? 30 Ora, andava pastando, não longe deles, uma grande manada de porcos. 31 Então, os demônios lhe rogavam: Se nos expeles, manda-nos para a manada de porcos. 32 Pois ide, ordenou-lhes Jesus. E eles, saindo, passaram para os porcos; e eis que toda a manada se precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e nas águas pereceram. 33 Fugiram os porqueiros e, chegando à cidade, contaram todas estas coisas e o que acontecera aos endemoninhados. 34 Então, a cidade toda saiu para encontrar-se com Jesus; e, vendo-o, lhe rogaram que se retirasse da terra deles. ► Resp. 3. O poder divino controla a natureza e até os demônios. Em meio às tempestades da vida e ao ataques do inimigo, Em Cristo encontramos proteção e libertação. O pecado destruiu nossa paz. Enquanto o próprio eu não for subjugado, não encontraremos repouso. Nenhum poder humano pode controlar as dominadoras paixões do coração. Achamo-nos aqui tão desajudados como se sentiram os discípulos para dominar a furiosa tempestade. Mas Aquele que acalmou as ondas do mar da Galileia, dirige a palavra de paz a todo ser humano. Por feroz que seja a tempestade, os que se volverem a Jesus com o brado: “Senhor, salva-nos!” (Mt 8:25) encontrarão livramento. Sua graça, que reconcilia o pecador com Deus, acalma o embate das paixões humanas, e em Seu amor o coração repousa. … “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5:1). “O efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança, para sempre” (Is 32:17). Todo aquele que consente em renunciar ao pecado e abrir o coração ao amor de Cristo, torna-se participante dessa paz celestial. Não há outra base para a paz, a não ser essa. A graça de Cristo, recebida no coração, subjuga a inimizade, afasta a luta e enche a vida de amor. Aquele que está em paz com Deus e com seus semelhantes, não se pode tornar infeliz. A inveja não habitará em seu coração, ruins suspeitas ali não encontrarão lugar e não existirá ódio. O coração que está em harmonia com Deus é participante da paz do Céu, e difundirá sua bendita influência por todos os que o rodeiam. O espírito da paz reagirá como orvalho sobre os corações cansados e perturbados por lutas mundanas. (Nos Lugares Celestiais [MM 1968], p. 35). Os propósitos de Cristo não foram, porém, subvertidos. Permitiu que os espíritos maus destruíssem a manada de porcos, como reprovação àqueles judeus que, por amor do ganho, estavam a criar tais animais imundos. Não houvesse Cristo restringido os demônios, e teriam arrastado para o mar não somente os porcos, mas também seus guardadores e possuidores. A preservação dos que os guardavam bem como dos seus donos, foi unicamente devida a Seu poder, misericordiosamente exercido para o livramento deles. Demais, foi permitido que esse acontecimento ocorresse a fim de que os discípulos pudessem testemunhar o poder cruel de Satanás, tanto sobre o homem como sobre os animais. O Salvador desejava que Seus seguidores conhecessem o adversário que tinham de enfrentar, para que não fossem enganados e vencidos por seus ardis. Era também Sua vontade que o povo daquela região contemplasse Seu poder de quebrar o cativeiro de Satanás e libertar seus cativos. E, ainda que o próprio Jesus Se retirasse, os homens tão maravilhosamente libertos ficaram para declarar a misericórdia de seu Benfeitor. O Grande Conflito, p. 515. Muitos que estão em busca da felicidade serão desapontados em suas esperanças, porque a procuram mal, e estão condescendendo com temperamentos pecaminosos e sentimentos egoístas. Por negligenciarem desempenhar pequenos deveres e observar as pequenas cortesias da vida, eles transgridem os princípios nos quais se fundamenta a felicidade. A verdadeira felicidade não será encontrada na condescendência própria, e sim no cumprimento do dever. Deus deseja que o homem seja feliz, e por essa razão deu-lhe os preceitos de Sua lei, para que, ao obedecê-la, possa ter alegria, dentro e fora de seu lar. Enquanto permanecer em sua integridade moral, fiel aos princípios, e mantendo o controle de todas as suas faculdades, ele não pode ser infeliz. Entrelaçado em Deus, o coração se encherá de paz e alegria, e a alma prosperará em meio à descrença e à corrupção. (Refletindo a Cristo [MM 1986], p. 297). ❉ Quarta - “Levanta-te e anda” ► Perg. 4. Leia Mateus 9:1-8. Que grande esperança encontramos nesse relato a respeito da promessa de perdão para nossos pecados, não importando quais tenham sido nem o dano que tenham causado? Ver também Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
  • 5. Rm 4:7; 1Jo 1:9; 1Jo 2:12 (Mt 9:1-8) 1 Entrando Jesus num barco, passou para o outro lado e foi para a sua própria cidade. 2 E eis que lhe trouxeram um paralítico deitado num leito. Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Tem bom ânimo, filho; estão perdoados os teus pecados. 3 Mas alguns escribas diziam consigo: Este blasfema. 4 Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Por que cogitais o mal no vosso coração? 5 Pois qual é mais fácil? Dizer: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te e anda? 6 Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados - disse, então, ao paralítico: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa. 7 E, levantando-se, partiu para sua casa. 8 Vendo isto, as multidões, possuídas de temor, glorificaram a Deus, que dera tal autoridade aos homens. (Rm 4:7) Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos; (1Jo 1:9) Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. (1Jo 2:12) Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome. ► Resp. 4. Apesar dos nossos erros e suas consequências, Cristo nos perdoa, aceita e transforma. O Cristo que morreu para nos perdoar também tem autoridade para nos curar. O paralítico achava-se de todo impotente, e, não vendo nenhuma perspectiva de auxílio de qualquer lado, caíra no desespero. Ouvira então falar das maravilhosas obras de Jesus. Foi-lhe dito que outros, tão pecadores e desamparados como ele, haviam sido curados; até mesmo leprosos tinham sido purificados. E os amigos que relatavam essas coisas animavam-no a crer que também ele poderia ser curado, caso fosse conduzido a Jesus. Desfaleceu-se-lhe, no entanto, a esperança ao lembrar-se da maneira por que lhe sobreviera a enfermidade. Temeu que o imaculado médico não o tolerasse em Sua presença. Não era, entretanto, o restabelecimento físico que ele desejava tanto, mas o alívio do fardo de pecado. Se pudesse ver Jesus, e receber a certeza do perdão e a paz com o Céu, estaria contente em viver ou morrer, segundo a vontade de Deus”. (O Desejado de Todas as Nações, p. 267). Muitos dos que iam ter com Cristo em busca de auxílio, haviam trazido sobre si a enfermidade. Entretanto, Ele não Se recusava a curá-los. E quando a virtude que dEle provinha penetrava nessas pessoas, elas experimentavam a convicção do pecado, e muitos eram curados de sua enfermidade espiritual, bem como da doença física. Entre esses estava o paralítico de Cafarnaum. Como o leproso, esse paralítico havia perdido toda esperança de restabelecimento. Sua doença era o resultado de uma vida pecaminosa, e seus sofrimentos eram amargurados pelo remorso. Em vão havia apelado para os fariseus e os doutores em busca de alívio. Eles declararam incurável seu mal, disseram que ele haveria de morrer sob a ira de Deus. O paralítico imergira no desespero. Ouviu então contar as obras de Jesus. Outros, tão pecadores e desamparados como ele, haviam sido curados, e foi animado a crer que também ele poderia ser, se fosse levado ao Salvador. Sua esperança quase se desvaneceu ao lembrar-se da causa de seu mal, mas não podia rejeitar a possibilidade da cura. Seu grande desejo era o alívio do grande fardo do pecado. Ansiava ver Jesus, e receber a certeza do perdão e a paz com o Céu. Então estaria contente de viver ou morrer, segundo a vontade de Deus. (A Ciência do Bom Viver, p. 73, 74). Vigiemos em oração. Isso nos ajudará a compreender que devemos estar sob o controle de Cristo, nosso Líder divino. Ele nos concede firmeza de propósito, impulsos refreados semelhantes aos Seus e bom-senso, habilitando-nos a pensar sensatamente, mas com afabilidade. O tempo é demasiadamente curto para nos tornarmos infelizes. Meu prezado irmão e minha prezada irmã, acalentaremos o espírito de felicidade porque sabemos que temos um Salvador que nos ama e que nos abençoará se dermos bom acolhimento à Sua presença em nosso coração. (Este Dia Com Deus [MM 1980], p. 236). Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com
  • 6. ❉ Quinta - Deixar os mortos sepultarem os mortos ► Perg. 5. Leia Mateus 8:18-22. O que Jesus disse a respeito do que significa segui-Lo? (Mt 8:18-22) 18 Vendo Jesus muita gente ao seu redor, ordenou que passassem para a outra margem. 19 Então, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores. 20 Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. 21 E outro dos discípulos lhe disse: Senhor, permite-me ir primeiro sepultar meu pai. 22 Replicou-lhe, porém, Jesus: Segue-me, e deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos. ► Resp. 5. O discípulo deve entender que seguir Jesus significa renunciar às coisas deste mundo, incluindo até algum planejamento familiar. Enquanto seguimos Jesus, os mortos espiritualmente podem cuidar dos mortos fisicamente. Desde o princípio, não havia acenado a Seus seguidores com nenhuma esperança de recompensas terrestres. A um que viera desejando ser Seu discípulo, Ele disse: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt 8:20). Se os homens pudessem ter obtido Cristo e o mundo, multidões Lhe haveriam oferecido seu apoio. Tal serviço, porém, Ele não poderia aceitar. Dos que agora se achavam ligados a Ele, havia muitos que tinham sido atraídos pela esperança de um reino terrestre. Esses deveriam ser desenganados. (O Desejado de Todas as Nações, p. 383). Enquanto Jesus estava preparando os discípulos para sua ordenação, um que não fora chamado se esforçou para ser contado entre eles. Foi Judas Iscariotes, que professava ser seguidor de Cristo. Adiantou-se então, solicitando um lugar nesse círculo mais íntimo de discípulos. Com grande veemência e aparente sinceridade, declarou: "Senhor, seguir-Te-ei para onde quer que fores." Jesus nem o repeliu, nem o acolheu com mostras de agrado, mas proferiu apenas as tristes palavras: "As raposas têm covis, e as aves do céu ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça." Mat. 8:19 e 20. Judas acreditava que Jesus fosse o Messias; e, ao unir-se aos discípulos, esperava assegurar para si alta posição no novo reino. Essa esperança quis Jesus tirar com a declaração de Sua pobreza. O Desejado de Todas as Nações, pp. 293-294. Os fariseus haviam julgado Mateus segundo seu emprego, mas Jesus viu nesse homem uma alma aberta à recepção da verdade. Mateus tinha escutado os ensinos do Salvador. Ao revelar-lhe o convincente Espírito de Deus sua pecaminosidade, anelou buscar auxílio em Cristo. Porém, estava habituado ao exclusivismo dos rabis, e não tinha nenhuma ideia de que esse grande Mestre houvesse de fazer caso dele. Um dia, achando-se sentado na alfândega, o publicano viu Jesus, que Se aproximava. Grande foi sua surpresa ao ouvir as palavras que lhe foram dirigidas: “Segue-Me.” Mateus “deixando tudo, levantou-se e O seguiu” (Lc 5:27, 28). Não houve nenhuma hesitação, nenhuma dúvida, nenhum pensamento para o lucrativo negócio a ser trocado por pobreza e privações. Era-lhe suficiente estar com Jesus, ouvir-Lhe as palavras e a Ele unir-se em Sua obra. O mesmo se deu com os discípulos anteriormente chamados. Quando Jesus pediu a Pedro e a seus companheiros que O seguissem, eles deixaram imediatamente os barcos e as redes. Alguns desses discípulos tinham queridos cujo sustento deles dependia; Ao receberem, porém, o convite do Salvador, não hesitaram nem perguntaram: “Como hei de viver, e sustentar minha família?” Obedeceram ao chamado e, quando, posteriormente, Jesus lhes perguntou: “Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa?” puderam responder: “Nada”. Lc 22:35. (O Desejado de Todas as Nações, p. 272, 273). Ele “Se fez pobre” e “a Si mesmo se esvaziou” (2Co 8:9; Fp 2:7). Teve fome e frequentemente sede e muitas vezes Se cansou em Seu trabalho, mas não tinha “onde reclinar a cabeça” (Mt 8:20). “Quando as sombras frias e úmidas da noite O cercavam, a terra costumava ser Sua cama. Apesar disso, Ele abençoou aqueles que O odiavam. Que vida! Que experiência! Podemos nós, os professos seguidores de Cristo, suportar alegremente privação e sofrimento como fez nosso Senhor, sem murmurar? Podemos “beber o cálice” e ser batizados com o batismo? (Mt 20:22). Se esse for o caso, poderemos compartilhar de Sua glória em Seu reino celestial. (Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 107). Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos, e-mail: ramos@advir.com