SlideShare uma empresa Scribd logo
Efeito do número de jogadores sobre a demanda física 
Efeito do número de jogadores sobre a demanda física 
e respostas fi siológicas durante jogos 
com campo reduzido em jogadores de futebol sub-15 
Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 211 
CDD. 20.ed. 796.073 
796.33 
http://dx.doi.org/10.1590/1807-55092014000200211 
Introdução 
Rafael Evangelista PEDRO* 
Fabiana Andrade MACHADO* 
Fábio Yuzo NAKAMURA** 
*Centro de Ciências da 
Saúde, Universidade 
Estadual de Maringá. 
**Centro de Educação 
Física e Esporte, Uni-versidade 
Estadual de 
Londrina. 
Resumo 
O objetivo do estudo foi verifi car o efeito do número de jogadores em jogos com campo reduzido (JCRs) sobre 
a demanda física e as respostas fi siológicas em jogadores adolescentes de futebol. Para isso, 14 jogadores 
de uma equipe de nível estadual (idade 14,4 ± 0,5 anos; massa corporal 56,2 ± 7,0 kg; estatura 1,7 ± 0,1 
m; IMC 20,3 ± 1,4 kg·m-2) foram submetidos a dois formatos (3 vs 3 e 7 vs 7) de JCRs. Foram analisadas 
as repostas de frequência cardíaca (FC), percepção subjetiva de esforço (PSE) e lactato sanguíneo ([La]), 
além da demanda física por meio do sistema de posicionamento global (GPS). Embora não tenha havido 
diferença estatística nas distâncias percorridas em diferentes zonas de velocidade entre os formatos de 
JCRs, a distância total percorrida, a distância percorrida em alta velocidade, a quantidade de ações em 
alta intensidade e a quantidade de acelerações > 1 m·s-2 foram maiores (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 (1794 
m; 885 m; 69; 87, respectivamente) em relação ao JCR 7 vs 7 (1663 m; 712 m; 57; 68). O percentual 
da frequência cardíaca máxima (FCmáx), PSE e [La] foram superiores (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 quando 
comparado ao 7 vs 7 (91,3%; 6,1 u.a.; 5,0 mmol·L-1 vs 85,1%; 5,1 u.a.; 2,1 mmol·L-1, respectivamente). Os 
resultados demonstram que a intensidade é maior durante o JCR 3 vs 3 do que no JCR 7 vs 7; além disso, 
a demanda física é infl uenciada pelo número de jogadores, com uma maior distância total e distância em 
alta velocidade, além de maior quantidade de atividades em alta intensidade e acelerações no JCR 3 vs 3. 
PALAVRAS-CHAVE: Sistema de posicionamento global; Treinamento aeróbio; Análise cinemática; Desempenho 
atlético. 
Jogos com campo reduzido (JCRs) têm sido 
muito utilizados pelos treinadores com o objetivo de 
manter ou melhorar o desempenho físico dos atletas 
durante diferentes fases do treinamento1-2. Os JCRs 
são realizados em espaços reduzidos e com menor 
número de jogadores em relação aos jogos o„ ciais. 
Argumenta-se que os JCRs promovam melhora da 
aptidão aeróbia e do desempenho durante as partidas 
de forma similar aos treinamentos físicos tradicionais, 
como corridas intervaladas e “sprints” repetidos1-2, 
além de desenvolver elementos técnicos e táticos3. 
Agudamente, alguns formatos de JCRs apresen-tam 
valores de frequência cardíaca (FC) similares 
aos prescritos em treinamentos tradicionais com 
corridas intervaladas (90-95% da FCmax)4-5. No 
entanto, existe uma maior variabilidade interin-dividual 
(coe„ ciente de variação (CV) = 11,8%) 
nas respostas FC durante JCRs em comparação 
às corridas intermitentes de curta duração (CV = 
5,9%)6, sendo essa variação atribuída a diversos 
fatores como: imprevisibilidade inerente ao jogo, 
tamanho do campo, estímulo verbal, área do campo 
relativa por atleta, número de jogadores, entre ou-tros7. 
Dentre esses fatores, a manipulação do número 
de jogadores parece ser a principal fonte de variação 
nas respostas „ siológicas durante os JCRs7-11. 
Embora as respostas „ siológicas durante os diferen-tes 
formatos de JCRs estejam bem caracterizadas, as
Pedro RE, et al. 
respectivas características cinemáticas, como distância 
total percorrida, distância percorrida em diferentes 
velocidades, acelerações e “sprints”, não têm sido inves-tigadas 
extensivamente, principalmente quando mani-pulado 
o número de jogadores em campo. Estudos têm 
demonstrado que o número de jogadores exerce pouca 
in‡ uência nas respostas cinemáticas de deslocamento 
durante os JCRs, Bˆ‰Š‹Œ et al.12 demonstraram que 
o tempo despendido em algumas zonas de velocidade 
(10,3 -14,0 km∙h-1 e > 26,8 km∙h-1) foi menor no JCR 
2 vs 2 do que nos JCRs 3 vs 3 e 4 vs 4. No entanto, 
H-H‰‰ et al.13 encontraram diferença, apenas, 
na distância percorrida na velocidade até 6,9 km∙h-1 
entre JCRs 2 vs 2 e 4 vs 4. Os resultados contraditórios 
podem ser devidos a diferenças metodológicas entre 
os estudos, uma vez que Bˆ‰Š‹Œ et al.12 utilizaram 
um regime intermitente de JCR e H-H‰‰ et al.13 
utilizaram um regime contínuo de JCRs. 
Atualmente, a tecnologia de sistema de po-sicionamento 
global (GPS) tem fornecido uma 
grande quantidade de informações relacionadas às 
Método 
Amostra 
212 • Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 
características cinemáticas de deslocamento, sendo 
sua validade e reprodutibilidade já descritas e tidas 
como aceitáveis em frequência de amostragem de 
1 Hz14-15. No entanto, tem sido demonstrado que 
o GPS é mais acurado para análises de movimento 
em baixas intensidades. A acurácia é menor quando 
atividades em alta intensidade são analisadas15. 
É necessário que informações mais precisas sobre o 
impacto do número de jogadores nos JCRs sejam for-necidas. 
Nesse sentido, a utilização de GPS com uma 
maior frequência de amostragem é mais adequada. 
Considerando a importância para treinadores e 
preparadores físicos em conhecer a in‡ uência do nú-mero 
de jogadores em diferentes formatos de JCRs, os 
objetivos do presente estudo foram comparar as respos-tas 
" siológicas de FC e [La] e perceptuais (PSE) e as 
características cinemáticas de deslocamento, utilizando 
um GPS com frequência de amostragem de 5 Hz, entre 
JCRs com diferença no número de jogadores, em um 
grupo constituído por atletas de futebol adolescentes, 
no qual essa prática de treinamento é bastante comum. 
O presente trabalho é caracterizado como um 
estudo com delineamento transversal, sendo que 
os atletas foram submetidos a duas sessões de JCRs 
(JCR 3 vs 3 sem goleiro e JCR 7 vs 7 com goleiro) 
durante o período competitivo de 2011. As sessões de 
treinamento foram separadas por, no mínimo, 48 h. 
Durante as sessões de treinamento, foram analisadas 
as respostas " siológicas agudas de FC e [La] e per-ceptuais 
(PSE). Além disso, foram realizadas análises 
cinemáticas de deslocamento durante os JCRs. 
A amostra foi composta por 14 jogadores ado-lescentes 
de futebol (idade 14,4 ± 0,5 anos; massa 
corporal 56,2 ± 7,0 kg; estatura 1,7 ± 0,1 m; IMC 
20,3 ± 1,4 kg·m-2). Os atletas treinavam em média 
cinco vezes por semana com uma duração de apro-ximadamente 
120 min por sessão de treinamento. 
As sessões de treinamentos eram compostas por trei-namentos 
técnicos, táticos e treinamento resistido. 
Como critério de inclusão, os atletas deveriam estar 
treinando sistematicamente e não poderiam apre-sentar 
histórico de lesões músculo-articulares nos 
seis meses prévios ao início do estudo, além de não 
estarem realizando tratamento médico ou fazendo 
uso de medicamentos que, porventura, pudessem 
in‡ uenciar os resultados do estudo. 
Os atletas e seus responsáveis receberam, por meio 
de explicação verbal e escrita, todas as informações re-ferentes 
aos procedimentos e protocolo experimental 
ao qual seriam submetidos. Após concordarem com 
a participação no estudo, os pais ou responsáveis dos 
atletas assinaram um termo de consentimento livre e 
esclarecido. O projeto foi aprovado pelo Comitê de 
Ética e Pesquisa Institucional (191/2011). 
Jogos com campo reduzido (JCR) 
Os JCRs foram realizados no mesmo local onde 
os atletas estavam habituados a treinar e dentro 
da rotina semanal de treinamento, sendo os JCRs 
as primeiras atividades realizadas em cada dia de 
treinamento. Ambos os JCRs foram realizados no 
período da tarde. Dessa forma, questões relativas 
à alimentação e hidratação foram consideradas 
como habituais, pois a rotina dos atletas não fora 
modi" cada. Cada sessão de JCR foi realizada em 
quatro séries, com duração de quatro minutos cada, 
com três minutos de recuperação passiva entre as 
séries. Os JCRs foram realizados em campos com 
dimensões de 20 m x 30 m e 32 m x 42 m para
Efeito do número de jogadores sobre a demanda física 
Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 213 
JCR 3 vs 3 e 7 vs 7, respectivamente, mantendo 
aproximadamente uma área relativa de 100 m2 por 
jogador. No JCR 3 vs 3 sem presença de goleiros 
foram utilizados minigols e no JCR 7 vs 7 com a 
presença de goleiros foram utilizados gols o ciais de 
futebol (1,00 m x 0,80 m; 7,32 m x 2,44 m, largura 
x altura, respectivamente). 
Diversas bolas  cavam dispostas ao redor do 
campo para que sua reposição fosse a mais rápida 
possível, possibilitando que as sessões de JCRs 
fossem mais dinâmicas. A quantidade de toques 
na bola era livre, para não descaracterizar as ações 
presentes nos jogos o ciais de futebol e os atletas 
receberam estímulos verbais a todo o momento de 
seus treinadores para que se esforçassem ao máximo 
durante as sessões de treinamento. Durante os inter-valos 
dos JCRs foi permitida, aos atletas, a ingestão 
de água “ad libitum”. 
Respostas fi siológicas e perceptuais 
A frequência cardíaca (FC) a cada 5 s foi con-tinuamente 
gravada durante toda a sessão de JCR 
utilizando um cardiofrequencímetro (RS800cx, 
Polar Electro Oy, Kempele, Finlândia). A FC má-xima 
(FCmáx) foi considerada como o maior valor 
de FC registrado durante os JCRs, após extração 
de batimentos ectópicos. Para análise dos dados foi 
extraído o percentual da FCmáx (%FCmáx) e o 
tempo relativo despendido em diferentes zonas de 
FC, como proposto por E#$&'#*16. Ao término 
dos JCRs foi perguntado aos atletas qual a sua PSE 
utilizando a escala de Borg CR1017. Para análise 
das concentrações de lactato, 25 μl de sangue 
foram coletados do lóbulo da orelha dos atletas 3 
min após o término de cada JCR. Após a coleta, o 
sangue foi transferido para tubos tipo Eppendor9 
contendo 50 μl de : uoreto de sódio (NaF) a 1%, 
sendo na sequência congelados. As concentrações 
sanguíneas de lactato foram analisadas em um 
analisador eletroquímico (YSI 1500 STAT, Yellow 
Springs, Ohio, EUA). 
Análises cinemáticas de deslocamento 
A distância total percorrida e as distâncias percorridas 
em diferentes velocidades, juntamente com o tempo 
despendido em cada uma das zonas de velocidade e 
medidas de acelerações foram quanti cadas por meio 
de um sistema de posicionamento global (GPS) com 
uma frequência de amostragem de 5 Hz (GPSports, 
V 1.2, Canberra, Austrália). As velocidades foram 
divididas e classi cadas em diferentes zonas: caminhada 
(0,5-4,0 km∙h-1), trote (4,1-9,0 km∙h-1), consideradas 
coletivamente como atividade em baixa velocidade 
(BV) e corrida em velocidade moderada (9,1-13,0 
km∙h-1), corrida em alta velocidade (13,1-18,0 km∙h-1) 
e “sprint” (>18,1 km∙h-1), consideradas coletivamente 
como alta velocidade (AV). As atividades em alta 
intensidade foram consideradas >13,0 km∙h-1. As 
velocidades foram adaptadas de C&*@&LM& et al.18. As 
acelerações foram divididas em acelerações de 1,0-2,0 
m∙s-2, de 2,1-3,0 m∙s-2 e acima de 3,0 m∙s-2. 
Análise estatística 
Para veri car a normalidade dos dados foi utiliza-do 
o teste de Shapiro Wilk. Para os dados que apre-sentaram 
distribuição normal foi utilizada estatística 
paramétrica, sendo estes apresentados em média ± 
desvio padrão. Para variáveis que não apresentaram 
distribuição normal, foi utilizada estatística não 
paramétrica e os dados foram apresentados em 
mediana e intervalo interquartil. Para as compara-ções 
entre os JCRs 3 vs 3 e 7 vs 7 foram utilizados 
o teste t de Student pareado e o teste de Wilcoxon 
quando necessário. Para comparar os JCRs durante 
as quatro séries, foi utilizada a análise de variância 
(ANOVA) para medidas repetidas com dois fatores 
(condição vs tempo), com “post hoc” de Tukey. A 
esfericidade dos dados foi analisada com o teste de 
Mauchly e correção de Greenhouse-Geisser, caso o 
pressuposto de esfericidade fosse violado. As análises 
foram realizadas no pacote estatístico Statistica® 8.0, 
adotando-se nível de signi cância de (p < 0,05). 
Resultados 
Em relação às variáveis frequência cardíaca, percen-tual 
da FCmax, PSE e [La] seus valores foram maiores 
(p < 0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparadas ao 7 vs 
7 (TABELA 1). Além disso, os atletas permaneceram 
mais de 80% do tempo com a FC acima de 90% da 
FCmax durante o JCR 3 vs 3, tempo superior (p < 0,05) 
aos 24% em que os atletas permaneceram nessa faixa , 
durante o JCR 7 vs 7. Nas demais zonas de intensidade 
da FC, o tempo despendido foi superior (p < 0,05) no 
JCR 7 vs 7 do que no 3 vs 3 (FIGURA 1).
Pedro RE, et al. 
A distância total percorrida foi superior (p < 0,05) 
no JCR 3 vs 3 em relação ao 7 vs 7 (FIGURA 2a), 
sendo que apenas na primeira série houve diferen-ça 
signi& cativa entre as condições; além disso, foi 
demonstrado que houve uma queda na distância 
percorrida na quarta série quando comparada à 
primeira no JCR 3 vs 3 (FIGURA 2b). 
Não houve diferença estatística (p > 0,05) na dis-tância 
percorrida em alta intensidade entre os JCRs e 
nem entre as séries (FIGURA 2c e 2d). No entanto, 
a quantidade de ações em alta intensidade e a quan-tidade 
de acelerações foram superiores (p < 0,05) no 
JCR 3 vs 3 em relação ao JCR 7 vs 7 =FIGURA 3a 
e 3c, respectivamente). Quando analisada por série, 
Média e ± desvio padrão da frequência cardíaca (FC) média, percentual da FC máxima (%FCmáx), 
percepção subjetiva de esforça (PSE) e concentração sanguínea de lactato durante os JCRs (3 vs 3 e 7 vs 7). 
TABELA 1 - 
*p < 0,05 comparado 
com o 7 vs 7. 
3 vs 3 7 vs 7 
FC (bpm) 185 ± 6,0* 172 ± 6,4 
%FCmáx 91,3 ± 3,0* 85,1 ± 3,2 
PSE (U.A) 6,1 ± 1,3* 5,1 ± 0,9 
Lactato (mmol∙L-1) 5,0 ± 1,8* 2,1 ± 1,1 
TABELA 2 -Distâncias percorridas em alta velocidade (AV) e baixa velocidade (BV), e a relação entre essas 
distâncias (AV/BV) durante os jogos com campo reduzido (JCRs 3 vs 3 e 7 vs 7). 
*p < 0,05 comparado 
com o 7 vs 7. 
Dados apresentados 
em mediana e intervalo 
interquartil. 
*p < 0,05 comparado 
ao 7 vs 7. 
JCR 3 vs 3 JCR 7 vs 7 
Distância AV (m) 885,0 (760,9-953,9)* 712,0 (559,6-821,3) 
Distância BV (m) 927,1 (911,3-941,2) 934,3 (898,2-983,5) 
Relação AV/BV 0,9 (0,8-1,0)* 0,7 (0,6-0,9) 
 
 

 
	 
 
 
 
 
 
 
FIGURA 1 - Tempo relativo despendido (%) nas diferentes zonas de frequência cardíaca durante os JCRs. 
214 • Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 
a quantidade de ações em alta intensidade foi maior 
(p  0,05) apenas na primeira série do JCR 3 vs 3 em 
relação ao JCR 7 vs 7 (FIGURA 3b). A quantidade 
de acelerações na faixa de 2,1-3,0 m∙s-2 foi superior 
(p  0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparada ao 7 
vs 7, não havendo diferença (p  0,05) nas demais 
estrati cações das acelerações (FIGURA 3d). 
Não houve diferença signi cante (p  0,05) para o 
tempo despendido e para as distâncias percorridas nas 
diferentes zonas de velocidade (FIGURA 4a e 4b), 
mesmo separando os JCRs por séries (FIGURA 5). 
Porém, a distância percorrida em alta velocidade ( 9.0 
km∙h-1) e a razão AV/BV foram superiores (p  0,05) no 
JCR 3 vs 3 quando comparadas ao 7 vs 7 =TABELA 2).
Efeito do número de jogadores sobre a demanda física 
  
 
 
 
 
 
 
 
	 
	 
	 
 
 
 
 
 
 
 
Distância total percorrida (a), distância percorrida em cada série (b), distância percorrida em alta 
intensidade (c) e distância percorrida em alta intensidade por série (d) durante os JCRs.
Quantidade de atividades em alta intensidade ( 13,1 km∙h-1) (a), quantidade de atividades em alta 
intensidade em cada série (b), quantidade de acelerações (c) e quantidade de acelerações estratifi cadas 
de 1,0-2,0 m∙s-2 2, 2,1-3,0 m∙s-2 e  3,0 m∙s-2 (d) durante os JCRs. 
Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 215 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
	 
	 
 
 
 
 
 
 
FIGURA 2 - 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FIGURA 3 - 
*p  0,05 comparado ao 
JCR 7 vs 7. 
#p  0,05 comparado a 
Série 1. 
*p  0,05 comparado ao 
JCR 7 vs 7. 
#p  0,05 comparado a 
Série 1.
!! !	! #	! 
  

 $%
3 vs 3 7 vs 7
Pedro RE, et al. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FIGURA 4 - Tempo despendido (a) e distância percorrida nas diferentes zonas de velocidade (b) durante os JCRs.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTO
MONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTOMONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTO
MONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTO
Fernando Farias
 
3º edição preparacao fisica-futebol - final
3º edição   preparacao fisica-futebol - final3º edição   preparacao fisica-futebol - final
3º edição preparacao fisica-futebol - final
ISCE - Instituto Superior de Ciências Educativas
 
5 o treino da velocidade contextualizada
5 o treino da velocidade contextualizada5 o treino da velocidade contextualizada
5 o treino da velocidade contextualizada
ISCE - Instituto Superior de Ciências Educativas
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
Jose Augusto Leal
 
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Silas Paixao
 
Pliometria e o aumento da força muscular explosiva
Pliometria e o aumento da força muscular explosivaPliometria e o aumento da força muscular explosiva
Pliometria e o aumento da força muscular explosiva
Fernando Farias
 
Artigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.acelerArtigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.aceler
Rodrigo Monteiro
 
Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...
Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...
Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...
Jose Augusto Leal
 
Velocidade: Um conceito complexo e multidimensional
Velocidade: Um conceito complexo e multidimensionalVelocidade: Um conceito complexo e multidimensional
Velocidade: Um conceito complexo e multidimensional
Fernando Farias
 
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Fernando Farias
 
Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...
Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...
Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...
Jose Augusto Leal
 
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Fernando Farias
 
20090209cienciaonline
20090209cienciaonline20090209cienciaonline
20090209cienciaonline
Rodrigo Monteiro
 
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição p...
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição   p...Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição   p...
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição p...
Rodrigo Saffi Mello
 
Rioclarounesp
RioclarounespRioclarounesp
Rioclarounesp
Rodrigo Monteiro
 
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Fernando Farias
 

Mais procurados (16)

MONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTO
MONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTOMONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTO
MONITORAMENTO DA CARGA DE TREINAMENTO
 
3º edição preparacao fisica-futebol - final
3º edição   preparacao fisica-futebol - final3º edição   preparacao fisica-futebol - final
3º edição preparacao fisica-futebol - final
 
5 o treino da velocidade contextualizada
5 o treino da velocidade contextualizada5 o treino da velocidade contextualizada
5 o treino da velocidade contextualizada
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
 
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
 
Pliometria e o aumento da força muscular explosiva
Pliometria e o aumento da força muscular explosivaPliometria e o aumento da força muscular explosiva
Pliometria e o aumento da força muscular explosiva
 
Artigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.acelerArtigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.aceler
 
Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...
Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...
Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo...
 
Velocidade: Um conceito complexo e multidimensional
Velocidade: Um conceito complexo e multidimensionalVelocidade: Um conceito complexo e multidimensional
Velocidade: Um conceito complexo e multidimensional
 
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
 
Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...
Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...
Quantificação e correlação entre incidência de gols e potência muscular (acbf...
 
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
 
20090209cienciaonline
20090209cienciaonline20090209cienciaonline
20090209cienciaonline
 
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição p...
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição   p...Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição   p...
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição p...
 
Rioclarounesp
RioclarounespRioclarounesp
Rioclarounesp
 
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
 

Destaque

Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Fernando Farias
 
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
Fernando Farias
 
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa ÓsseaDesenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Van Der Häägen Brazil
 
Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.
Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.
Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.
Gustavo Casimiro
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoce
blogped1
 
Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...
Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...
Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...
Van Der Häägen Brazil
 
6 3 1 Jma Puberdade
6 3 1 Jma Puberdade6 3 1 Jma Puberdade
6 3 1 Jma Puberdade
maria tique
 
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Universidade de São Paulo
 
Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...
Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...
Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...
Futbol Tactico Brasil
 
Actv somatotipos
Actv somatotiposActv somatotipos
Actv somatotipos
ivesgi
 
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
Fundação Real Madrid
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 

Destaque (12)

Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
 
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
 
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa ÓsseaDesenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
Desenvolvimento Puberal; Maturação Esquelética e Aquisição de Massa Óssea
 
Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.
Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.
Avaliação da maturação biológica de jovens jogadores de futebol.
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoce
 
Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...
Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...
Desenvolvimento Puberal Atrasado em Atleta Juvenil pelo alto gasto energético...
 
6 3 1 Jma Puberdade
6 3 1 Jma Puberdade6 3 1 Jma Puberdade
6 3 1 Jma Puberdade
 
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
 
Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...
Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...
Treinamento do goleiro de futebol base: Justificação de nosso modelo de trein...
 
Actv somatotipos
Actv somatotiposActv somatotipos
Actv somatotipos
 
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 

Semelhante a respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido

Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02
Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02
Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02
Tadashi Hara
 
Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...
Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...
Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...
Ricardo Henriques
 
Jogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdf
Jogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdfJogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdf
Jogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdf
LEONESSANTOS
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
Biker Minas
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
Biker Minas
 
Treino com elástico x Força
Treino com elástico x ForçaTreino com elástico x Força
Treino com elástico x Força
Fernando Farias
 
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Futsal e as ciências do esporte uma análise dos estudos sobre a modalidade
Futsal e as ciências do esporte   uma análise dos estudos sobre a modalidadeFutsal e as ciências do esporte   uma análise dos estudos sobre a modalidade
Futsal e as ciências do esporte uma análise dos estudos sobre a modalidade
Jose Augusto Leal
 
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judoPotencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Keith Sato Urbinati Urbinati
 
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Fernando Farias
 
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Fernando Farias
 
Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...
Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...
Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...
Denis Alves
 
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Fernando Farias
 
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Fernando Farias
 
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdfCOMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
LEONESSANTOS
 
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Fernando Farias
 
A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...
A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...
A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...
Tadashi Hara
 
Sbpc jovem
Sbpc jovemSbpc jovem
Sbpc jovem
simpla
 
Força muscular e índice de fadiga dos extensores e flexores do joelho de jog...
Força muscular e índice de fadiga dos extensores  e flexores do joelho de jog...Força muscular e índice de fadiga dos extensores  e flexores do joelho de jog...
Força muscular e índice de fadiga dos extensores e flexores do joelho de jog...
Fernando Farias
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas
A especificidade na aplicação do treino para futebolistasA especificidade na aplicação do treino para futebolistas
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas
Fernando Farias
 

Semelhante a respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido (20)

Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02
Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02
Numerodejogadoresemcamporeduzido 141107161228-conversion-gate02
 
Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...
Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...
Avaliação da intensidade e dos aspetos tático-técnicos do treino de futebol: ...
 
Jogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdf
Jogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdfJogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdf
Jogos_Com_Campo_Reduzido_Pasquarelli_et.pdf
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
 
Treino com elástico x Força
Treino com elástico x ForçaTreino com elástico x Força
Treino com elástico x Força
 
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
A Comparação do VO2Max. e Antropometria no Futebol.Revista Cientifica de Ciên...
 
Futsal e as ciências do esporte uma análise dos estudos sobre a modalidade
Futsal e as ciências do esporte   uma análise dos estudos sobre a modalidadeFutsal e as ciências do esporte   uma análise dos estudos sobre a modalidade
Futsal e as ciências do esporte uma análise dos estudos sobre a modalidade
 
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judoPotencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
 
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
Variacao da FC, PSE, e variaveis tecnicas em jogos reduzidos no futebol. Efei...
 
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
 
Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...
Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...
Cargas elevadas de treinamento alteram funções cognitivas em jogadores de fut...
 
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
 
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
 
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdfCOMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
 
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
Diferença entre intensidade do exercício prescrita por meio do teste TCAR no ...
 
A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...
A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...
A especificidade na aplicao do treino para futebolistas a quebrade paradigmas...
 
Sbpc jovem
Sbpc jovemSbpc jovem
Sbpc jovem
 
Força muscular e índice de fadiga dos extensores e flexores do joelho de jog...
Força muscular e índice de fadiga dos extensores  e flexores do joelho de jog...Força muscular e índice de fadiga dos extensores  e flexores do joelho de jog...
Força muscular e índice de fadiga dos extensores e flexores do joelho de jog...
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas
A especificidade na aplicação do treino para futebolistasA especificidade na aplicação do treino para futebolistas
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas
 

Mais de Fernando Farias

Core stability atf
Core stability   atfCore stability   atf
Core stability atf
Fernando Farias
 
Regras de Futebol 2017-2018
Regras de Futebol 2017-2018Regras de Futebol 2017-2018
Regras de Futebol 2017-2018
Fernando Farias
 
Hamstrings injuries
Hamstrings injuriesHamstrings injuries
Hamstrings injuries
Fernando Farias
 
Acute effect of different combined stretching methods
Acute effect of different combined stretching methodsAcute effect of different combined stretching methods
Acute effect of different combined stretching methods
Fernando Farias
 
Ssg or running
Ssg or runningSsg or running
Ssg or running
Fernando Farias
 
Os paradigmas da Periodizacao no século XXI
Os paradigmas da Periodizacao no século XXIOs paradigmas da Periodizacao no século XXI
Os paradigmas da Periodizacao no século XXI
Fernando Farias
 
O desenvolvimento do jogar cap5
O desenvolvimento do jogar cap5O desenvolvimento do jogar cap5
O desenvolvimento do jogar cap5
Fernando Farias
 
Foam roller
Foam rollerFoam roller
Foam roller
Fernando Farias
 
Training Load and Fatigue Marker Associations with Injury and Illness
Training Load and Fatigue Marker Associations with Injury and IllnessTraining Load and Fatigue Marker Associations with Injury and Illness
Training Load and Fatigue Marker Associations with Injury and Illness
Fernando Farias
 
Eccentric overload training in team sports
Eccentric overload training in team sportsEccentric overload training in team sports
Eccentric overload training in team sports
Fernando Farias
 
Capacidade de repetir sprints no futebol
Capacidade de repetir sprints no futebolCapacidade de repetir sprints no futebol
Capacidade de repetir sprints no futebol
Fernando Farias
 
Maximal sprinting speed of elite soccer players
Maximal sprinting speed of elite soccer playersMaximal sprinting speed of elite soccer players
Maximal sprinting speed of elite soccer players
Fernando Farias
 
Recovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of Recovery
Recovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of RecoveryRecovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of Recovery
Recovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of Recovery
Fernando Farias
 
Very heavy sled training
Very heavy sled trainingVery heavy sled training
Very heavy sled training
Fernando Farias
 
Nordic hamstring and hip extension training
Nordic hamstring and hip extension trainingNordic hamstring and hip extension training
Nordic hamstring and hip extension training
Fernando Farias
 
O desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogarO desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogar
Fernando Farias
 
Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...
Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...
Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...
Fernando Farias
 
Differences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSG
Differences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSGDifferences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSG
Differences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSG
Fernando Farias
 
Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...
Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...
Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...
Fernando Farias
 
Tensor of the vastus intermedius
 Tensor of the vastus intermedius Tensor of the vastus intermedius
Tensor of the vastus intermedius
Fernando Farias
 

Mais de Fernando Farias (20)

Core stability atf
Core stability   atfCore stability   atf
Core stability atf
 
Regras de Futebol 2017-2018
Regras de Futebol 2017-2018Regras de Futebol 2017-2018
Regras de Futebol 2017-2018
 
Hamstrings injuries
Hamstrings injuriesHamstrings injuries
Hamstrings injuries
 
Acute effect of different combined stretching methods
Acute effect of different combined stretching methodsAcute effect of different combined stretching methods
Acute effect of different combined stretching methods
 
Ssg or running
Ssg or runningSsg or running
Ssg or running
 
Os paradigmas da Periodizacao no século XXI
Os paradigmas da Periodizacao no século XXIOs paradigmas da Periodizacao no século XXI
Os paradigmas da Periodizacao no século XXI
 
O desenvolvimento do jogar cap5
O desenvolvimento do jogar cap5O desenvolvimento do jogar cap5
O desenvolvimento do jogar cap5
 
Foam roller
Foam rollerFoam roller
Foam roller
 
Training Load and Fatigue Marker Associations with Injury and Illness
Training Load and Fatigue Marker Associations with Injury and IllnessTraining Load and Fatigue Marker Associations with Injury and Illness
Training Load and Fatigue Marker Associations with Injury and Illness
 
Eccentric overload training in team sports
Eccentric overload training in team sportsEccentric overload training in team sports
Eccentric overload training in team sports
 
Capacidade de repetir sprints no futebol
Capacidade de repetir sprints no futebolCapacidade de repetir sprints no futebol
Capacidade de repetir sprints no futebol
 
Maximal sprinting speed of elite soccer players
Maximal sprinting speed of elite soccer playersMaximal sprinting speed of elite soccer players
Maximal sprinting speed of elite soccer players
 
Recovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of Recovery
Recovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of RecoveryRecovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of Recovery
Recovery in Soccer Part I – Post-Match Fatigue and Time Course of Recovery
 
Very heavy sled training
Very heavy sled trainingVery heavy sled training
Very heavy sled training
 
Nordic hamstring and hip extension training
Nordic hamstring and hip extension trainingNordic hamstring and hip extension training
Nordic hamstring and hip extension training
 
O desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogarO desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogar
 
Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...
Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...
Impact of the Nordic hamstring and hip extension exercises on hamstring archi...
 
Differences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSG
Differences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSGDifferences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSG
Differences in strength and speed demands between 4v4 and 8v8 SSG
 
Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...
Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...
Acute cardiopulmonary and metabolic responses to high intensity interval trai...
 
Tensor of the vastus intermedius
 Tensor of the vastus intermedius Tensor of the vastus intermedius
Tensor of the vastus intermedius
 

respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido

  • 1. Efeito do número de jogadores sobre a demanda física Efeito do número de jogadores sobre a demanda física e respostas fi siológicas durante jogos com campo reduzido em jogadores de futebol sub-15 Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 211 CDD. 20.ed. 796.073 796.33 http://dx.doi.org/10.1590/1807-55092014000200211 Introdução Rafael Evangelista PEDRO* Fabiana Andrade MACHADO* Fábio Yuzo NAKAMURA** *Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Maringá. **Centro de Educação Física e Esporte, Uni-versidade Estadual de Londrina. Resumo O objetivo do estudo foi verifi car o efeito do número de jogadores em jogos com campo reduzido (JCRs) sobre a demanda física e as respostas fi siológicas em jogadores adolescentes de futebol. Para isso, 14 jogadores de uma equipe de nível estadual (idade 14,4 ± 0,5 anos; massa corporal 56,2 ± 7,0 kg; estatura 1,7 ± 0,1 m; IMC 20,3 ± 1,4 kg·m-2) foram submetidos a dois formatos (3 vs 3 e 7 vs 7) de JCRs. Foram analisadas as repostas de frequência cardíaca (FC), percepção subjetiva de esforço (PSE) e lactato sanguíneo ([La]), além da demanda física por meio do sistema de posicionamento global (GPS). Embora não tenha havido diferença estatística nas distâncias percorridas em diferentes zonas de velocidade entre os formatos de JCRs, a distância total percorrida, a distância percorrida em alta velocidade, a quantidade de ações em alta intensidade e a quantidade de acelerações > 1 m·s-2 foram maiores (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 (1794 m; 885 m; 69; 87, respectivamente) em relação ao JCR 7 vs 7 (1663 m; 712 m; 57; 68). O percentual da frequência cardíaca máxima (FCmáx), PSE e [La] foram superiores (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparado ao 7 vs 7 (91,3%; 6,1 u.a.; 5,0 mmol·L-1 vs 85,1%; 5,1 u.a.; 2,1 mmol·L-1, respectivamente). Os resultados demonstram que a intensidade é maior durante o JCR 3 vs 3 do que no JCR 7 vs 7; além disso, a demanda física é infl uenciada pelo número de jogadores, com uma maior distância total e distância em alta velocidade, além de maior quantidade de atividades em alta intensidade e acelerações no JCR 3 vs 3. PALAVRAS-CHAVE: Sistema de posicionamento global; Treinamento aeróbio; Análise cinemática; Desempenho atlético. Jogos com campo reduzido (JCRs) têm sido muito utilizados pelos treinadores com o objetivo de manter ou melhorar o desempenho físico dos atletas durante diferentes fases do treinamento1-2. Os JCRs são realizados em espaços reduzidos e com menor número de jogadores em relação aos jogos o„ ciais. Argumenta-se que os JCRs promovam melhora da aptidão aeróbia e do desempenho durante as partidas de forma similar aos treinamentos físicos tradicionais, como corridas intervaladas e “sprints” repetidos1-2, além de desenvolver elementos técnicos e táticos3. Agudamente, alguns formatos de JCRs apresen-tam valores de frequência cardíaca (FC) similares aos prescritos em treinamentos tradicionais com corridas intervaladas (90-95% da FCmax)4-5. No entanto, existe uma maior variabilidade interin-dividual (coe„ ciente de variação (CV) = 11,8%) nas respostas FC durante JCRs em comparação às corridas intermitentes de curta duração (CV = 5,9%)6, sendo essa variação atribuída a diversos fatores como: imprevisibilidade inerente ao jogo, tamanho do campo, estímulo verbal, área do campo relativa por atleta, número de jogadores, entre ou-tros7. Dentre esses fatores, a manipulação do número de jogadores parece ser a principal fonte de variação nas respostas „ siológicas durante os JCRs7-11. Embora as respostas „ siológicas durante os diferen-tes formatos de JCRs estejam bem caracterizadas, as
  • 2. Pedro RE, et al. respectivas características cinemáticas, como distância total percorrida, distância percorrida em diferentes velocidades, acelerações e “sprints”, não têm sido inves-tigadas extensivamente, principalmente quando mani-pulado o número de jogadores em campo. Estudos têm demonstrado que o número de jogadores exerce pouca in‡ uência nas respostas cinemáticas de deslocamento durante os JCRs, Bˆ‰Š‹Œ et al.12 demonstraram que o tempo despendido em algumas zonas de velocidade (10,3 -14,0 km∙h-1 e > 26,8 km∙h-1) foi menor no JCR 2 vs 2 do que nos JCRs 3 vs 3 e 4 vs 4. No entanto, H-H‰‰ et al.13 encontraram diferença, apenas, na distância percorrida na velocidade até 6,9 km∙h-1 entre JCRs 2 vs 2 e 4 vs 4. Os resultados contraditórios podem ser devidos a diferenças metodológicas entre os estudos, uma vez que Bˆ‰Š‹Œ et al.12 utilizaram um regime intermitente de JCR e H-H‰‰ et al.13 utilizaram um regime contínuo de JCRs. Atualmente, a tecnologia de sistema de po-sicionamento global (GPS) tem fornecido uma grande quantidade de informações relacionadas às Método Amostra 212 • Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 características cinemáticas de deslocamento, sendo sua validade e reprodutibilidade já descritas e tidas como aceitáveis em frequência de amostragem de 1 Hz14-15. No entanto, tem sido demonstrado que o GPS é mais acurado para análises de movimento em baixas intensidades. A acurácia é menor quando atividades em alta intensidade são analisadas15. É necessário que informações mais precisas sobre o impacto do número de jogadores nos JCRs sejam for-necidas. Nesse sentido, a utilização de GPS com uma maior frequência de amostragem é mais adequada. Considerando a importância para treinadores e preparadores físicos em conhecer a in‡ uência do nú-mero de jogadores em diferentes formatos de JCRs, os objetivos do presente estudo foram comparar as respos-tas " siológicas de FC e [La] e perceptuais (PSE) e as características cinemáticas de deslocamento, utilizando um GPS com frequência de amostragem de 5 Hz, entre JCRs com diferença no número de jogadores, em um grupo constituído por atletas de futebol adolescentes, no qual essa prática de treinamento é bastante comum. O presente trabalho é caracterizado como um estudo com delineamento transversal, sendo que os atletas foram submetidos a duas sessões de JCRs (JCR 3 vs 3 sem goleiro e JCR 7 vs 7 com goleiro) durante o período competitivo de 2011. As sessões de treinamento foram separadas por, no mínimo, 48 h. Durante as sessões de treinamento, foram analisadas as respostas " siológicas agudas de FC e [La] e per-ceptuais (PSE). Além disso, foram realizadas análises cinemáticas de deslocamento durante os JCRs. A amostra foi composta por 14 jogadores ado-lescentes de futebol (idade 14,4 ± 0,5 anos; massa corporal 56,2 ± 7,0 kg; estatura 1,7 ± 0,1 m; IMC 20,3 ± 1,4 kg·m-2). Os atletas treinavam em média cinco vezes por semana com uma duração de apro-ximadamente 120 min por sessão de treinamento. As sessões de treinamentos eram compostas por trei-namentos técnicos, táticos e treinamento resistido. Como critério de inclusão, os atletas deveriam estar treinando sistematicamente e não poderiam apre-sentar histórico de lesões músculo-articulares nos seis meses prévios ao início do estudo, além de não estarem realizando tratamento médico ou fazendo uso de medicamentos que, porventura, pudessem in‡ uenciar os resultados do estudo. Os atletas e seus responsáveis receberam, por meio de explicação verbal e escrita, todas as informações re-ferentes aos procedimentos e protocolo experimental ao qual seriam submetidos. Após concordarem com a participação no estudo, os pais ou responsáveis dos atletas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa Institucional (191/2011). Jogos com campo reduzido (JCR) Os JCRs foram realizados no mesmo local onde os atletas estavam habituados a treinar e dentro da rotina semanal de treinamento, sendo os JCRs as primeiras atividades realizadas em cada dia de treinamento. Ambos os JCRs foram realizados no período da tarde. Dessa forma, questões relativas à alimentação e hidratação foram consideradas como habituais, pois a rotina dos atletas não fora modi" cada. Cada sessão de JCR foi realizada em quatro séries, com duração de quatro minutos cada, com três minutos de recuperação passiva entre as séries. Os JCRs foram realizados em campos com dimensões de 20 m x 30 m e 32 m x 42 m para
  • 3. Efeito do número de jogadores sobre a demanda física Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 213 JCR 3 vs 3 e 7 vs 7, respectivamente, mantendo aproximadamente uma área relativa de 100 m2 por jogador. No JCR 3 vs 3 sem presença de goleiros foram utilizados minigols e no JCR 7 vs 7 com a presença de goleiros foram utilizados gols o ciais de futebol (1,00 m x 0,80 m; 7,32 m x 2,44 m, largura x altura, respectivamente). Diversas bolas  cavam dispostas ao redor do campo para que sua reposição fosse a mais rápida possível, possibilitando que as sessões de JCRs fossem mais dinâmicas. A quantidade de toques na bola era livre, para não descaracterizar as ações presentes nos jogos o ciais de futebol e os atletas receberam estímulos verbais a todo o momento de seus treinadores para que se esforçassem ao máximo durante as sessões de treinamento. Durante os inter-valos dos JCRs foi permitida, aos atletas, a ingestão de água “ad libitum”. Respostas fi siológicas e perceptuais A frequência cardíaca (FC) a cada 5 s foi con-tinuamente gravada durante toda a sessão de JCR utilizando um cardiofrequencímetro (RS800cx, Polar Electro Oy, Kempele, Finlândia). A FC má-xima (FCmáx) foi considerada como o maior valor de FC registrado durante os JCRs, após extração de batimentos ectópicos. Para análise dos dados foi extraído o percentual da FCmáx (%FCmáx) e o tempo relativo despendido em diferentes zonas de FC, como proposto por E#$&'#*16. Ao término dos JCRs foi perguntado aos atletas qual a sua PSE utilizando a escala de Borg CR1017. Para análise das concentrações de lactato, 25 μl de sangue foram coletados do lóbulo da orelha dos atletas 3 min após o término de cada JCR. Após a coleta, o sangue foi transferido para tubos tipo Eppendor9 contendo 50 μl de : uoreto de sódio (NaF) a 1%, sendo na sequência congelados. As concentrações sanguíneas de lactato foram analisadas em um analisador eletroquímico (YSI 1500 STAT, Yellow Springs, Ohio, EUA). Análises cinemáticas de deslocamento A distância total percorrida e as distâncias percorridas em diferentes velocidades, juntamente com o tempo despendido em cada uma das zonas de velocidade e medidas de acelerações foram quanti cadas por meio de um sistema de posicionamento global (GPS) com uma frequência de amostragem de 5 Hz (GPSports, V 1.2, Canberra, Austrália). As velocidades foram divididas e classi cadas em diferentes zonas: caminhada (0,5-4,0 km∙h-1), trote (4,1-9,0 km∙h-1), consideradas coletivamente como atividade em baixa velocidade (BV) e corrida em velocidade moderada (9,1-13,0 km∙h-1), corrida em alta velocidade (13,1-18,0 km∙h-1) e “sprint” (>18,1 km∙h-1), consideradas coletivamente como alta velocidade (AV). As atividades em alta intensidade foram consideradas >13,0 km∙h-1. As velocidades foram adaptadas de C&*@&LM& et al.18. As acelerações foram divididas em acelerações de 1,0-2,0 m∙s-2, de 2,1-3,0 m∙s-2 e acima de 3,0 m∙s-2. Análise estatística Para veri car a normalidade dos dados foi utiliza-do o teste de Shapiro Wilk. Para os dados que apre-sentaram distribuição normal foi utilizada estatística paramétrica, sendo estes apresentados em média ± desvio padrão. Para variáveis que não apresentaram distribuição normal, foi utilizada estatística não paramétrica e os dados foram apresentados em mediana e intervalo interquartil. Para as compara-ções entre os JCRs 3 vs 3 e 7 vs 7 foram utilizados o teste t de Student pareado e o teste de Wilcoxon quando necessário. Para comparar os JCRs durante as quatro séries, foi utilizada a análise de variância (ANOVA) para medidas repetidas com dois fatores (condição vs tempo), com “post hoc” de Tukey. A esfericidade dos dados foi analisada com o teste de Mauchly e correção de Greenhouse-Geisser, caso o pressuposto de esfericidade fosse violado. As análises foram realizadas no pacote estatístico Statistica® 8.0, adotando-se nível de signi cância de (p < 0,05). Resultados Em relação às variáveis frequência cardíaca, percen-tual da FCmax, PSE e [La] seus valores foram maiores (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparadas ao 7 vs 7 (TABELA 1). Além disso, os atletas permaneceram mais de 80% do tempo com a FC acima de 90% da FCmax durante o JCR 3 vs 3, tempo superior (p < 0,05) aos 24% em que os atletas permaneceram nessa faixa , durante o JCR 7 vs 7. Nas demais zonas de intensidade da FC, o tempo despendido foi superior (p < 0,05) no JCR 7 vs 7 do que no 3 vs 3 (FIGURA 1).
  • 4. Pedro RE, et al. A distância total percorrida foi superior (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 em relação ao 7 vs 7 (FIGURA 2a), sendo que apenas na primeira série houve diferen-ça signi& cativa entre as condições; além disso, foi demonstrado que houve uma queda na distância percorrida na quarta série quando comparada à primeira no JCR 3 vs 3 (FIGURA 2b). Não houve diferença estatística (p > 0,05) na dis-tância percorrida em alta intensidade entre os JCRs e nem entre as séries (FIGURA 2c e 2d). No entanto, a quantidade de ações em alta intensidade e a quan-tidade de acelerações foram superiores (p < 0,05) no JCR 3 vs 3 em relação ao JCR 7 vs 7 =FIGURA 3a e 3c, respectivamente). Quando analisada por série, Média e ± desvio padrão da frequência cardíaca (FC) média, percentual da FC máxima (%FCmáx), percepção subjetiva de esforça (PSE) e concentração sanguínea de lactato durante os JCRs (3 vs 3 e 7 vs 7). TABELA 1 - *p < 0,05 comparado com o 7 vs 7. 3 vs 3 7 vs 7 FC (bpm) 185 ± 6,0* 172 ± 6,4 %FCmáx 91,3 ± 3,0* 85,1 ± 3,2 PSE (U.A) 6,1 ± 1,3* 5,1 ± 0,9 Lactato (mmol∙L-1) 5,0 ± 1,8* 2,1 ± 1,1 TABELA 2 -Distâncias percorridas em alta velocidade (AV) e baixa velocidade (BV), e a relação entre essas distâncias (AV/BV) durante os jogos com campo reduzido (JCRs 3 vs 3 e 7 vs 7). *p < 0,05 comparado com o 7 vs 7. Dados apresentados em mediana e intervalo interquartil. *p < 0,05 comparado ao 7 vs 7. JCR 3 vs 3 JCR 7 vs 7 Distância AV (m) 885,0 (760,9-953,9)* 712,0 (559,6-821,3) Distância BV (m) 927,1 (911,3-941,2) 934,3 (898,2-983,5) Relação AV/BV 0,9 (0,8-1,0)* 0,7 (0,6-0,9) FIGURA 1 - Tempo relativo despendido (%) nas diferentes zonas de frequência cardíaca durante os JCRs. 214 • Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 a quantidade de ações em alta intensidade foi maior (p 0,05) apenas na primeira série do JCR 3 vs 3 em relação ao JCR 7 vs 7 (FIGURA 3b). A quantidade de acelerações na faixa de 2,1-3,0 m∙s-2 foi superior (p 0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparada ao 7 vs 7, não havendo diferença (p 0,05) nas demais estrati cações das acelerações (FIGURA 3d). Não houve diferença signi cante (p 0,05) para o tempo despendido e para as distâncias percorridas nas diferentes zonas de velocidade (FIGURA 4a e 4b), mesmo separando os JCRs por séries (FIGURA 5). Porém, a distância percorrida em alta velocidade ( 9.0 km∙h-1) e a razão AV/BV foram superiores (p 0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparadas ao 7 vs 7 =TABELA 2).
  • 5. Efeito do número de jogadores sobre a demanda física Distância total percorrida (a), distância percorrida em cada série (b), distância percorrida em alta intensidade (c) e distância percorrida em alta intensidade por série (d) durante os JCRs.
  • 6. Quantidade de atividades em alta intensidade ( 13,1 km∙h-1) (a), quantidade de atividades em alta intensidade em cada série (b), quantidade de acelerações (c) e quantidade de acelerações estratifi cadas de 1,0-2,0 m∙s-2 2, 2,1-3,0 m∙s-2 e 3,0 m∙s-2 (d) durante os JCRs. Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 215 FIGURA 2 - FIGURA 3 - *p 0,05 comparado ao JCR 7 vs 7. #p 0,05 comparado a Série 1. *p 0,05 comparado ao JCR 7 vs 7. #p 0,05 comparado a Série 1.
  • 8. 3 vs 3 7 vs 7
  • 9. Pedro RE, et al. FIGURA 4 - Tempo despendido (a) e distância percorrida nas diferentes zonas de velocidade (b) durante os JCRs.
  • 10. FIGURA 5 - Tempo despendido nas diferentes zonas de velocidade nas quatro séries dos JCRs. Discussão Os objetivos do presente estudo foram veri car o efeito do número de jogadores sobre as respostas  siológicas, perceptuais e as características cinemá-ticas de deslocamento durante JCRs. Os principais resultados do presente estudo demonstram que a distância percorrida em alta velocidade ( 9,0 km∙h-1), a quantidade de ações em alta intensidade ( 13,0 km∙h-1) e a quantidade de acelerações foram estatisticamente superiores (p 0,05) no JCR 3 vs 3 quando comparadas ao JCR 7 vs 7, demonstrando que os JCRs com menor número de jogadores têm um impacto signi cativo nas características cine-máticas de deslocamento dos atletas em relação aos JCRs com um maior número de atletas. Em parte, os resultados do presente estudo su-gerem que uma nova interpretação seja realizada 216 • Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 sobre a inŠ uência do número de jogadores nas características cinemáticas de deslocamento durante JCRs. Enquanto nossos resultados demonstram que o JCR com menos jogadores por equipe (três por equipe) aumentam a demanda física dos atletas por meio da análise cinemática de deslocamento, outros estudos têm demonstrado resultados contrários aos nossos. H‹ŒŒ-HŽ et al.13 demonstraram que em atletas jovens (16,3 ± 0,6 anos) a distância percor-rida em alta intensidade e em “sprints” não foram diferentes em 24 min contínuos de JCRs entre os diferentes formatos de JCRs (2 vs 2, 4 vs 4 e 6 vs 6). B‘’“Ž et al.12 demonstraram que os jogadores permaneceram um maior tempo relativo nas faixas de velocidades de 10,3 - 14,0 km∙h-1 e ≥ 26,8 km∙h-1 nos JCRs 3 vs 3 e 4 vs 4 em relação ao 2 vs 2. No
  • 11. !# $ $ %
  • 12. Efeito do número de jogadores sobre a demanda física Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 217 entanto, devido à baixa acurácia do GPS utilizado (1 Hz) é difícil fazer generalizações. Além disso, no estudo, os autores não testaram JCRs com maior número de jogadores por equipe, onde a área de jogo é maior em relação aos formatos com menos jogadores, o que pode in‡ uenciar a distância per-corrida em alta intensidade e “sprints”. A‰Š‹Œ et al.19, analisando jogadores adultos, de-monstraram que a distância percorrida em “sprints” foi superior no JCR 3 vs 3 comparado aos JCRs 5 vs 5 e 2 vs 2. No presente estudo, não encontramos diferença na distância percorrida em “sprint” comparando os JCRs 3 vs 3 e 7 vs 7; porém, a distância percorrida em “sprint” em ambos os JCRs (44 ± 38 m; 38 ± 25 m) no presente estudo foram superiores às distâncias (10,48 ± 9,92 m; 29,42 ± 15,14 m; 21,09 ± 17,23 m; 21,99 ± 16,96 m) encontradas por A‰Š‹Œ et al.19 nos JCRs 2 vs 2; 3 vs 3; 4 vs 4; 5 vs 5, respectivamente. Analisando jogadores pro ssionais adultos (21,3 ± 2,3 anos), CŒ‘’““Œ”• et al.20 demonstraram que a distância percorrida nas categorias de velocidade de 18,0 - 20,9 km∙h-1 e 21,0 km∙h-1 foi estatistica-mente superior no JCR 7 vs 7 quando comparado ao JCR 3 vs 3. A diferença na distância percorrida pode ser devido ao tamanho do campo utilizado no JCR 7 vs 7 (64 x 46 m), o que possibilitou que os joga-dores atingissem a máxima velocidade nesse formato de JCR. O tamanho absoluto do campo parece ser fator limitante da capacidade de percorrer grandes distâncias em alta velocidade21, principalmente em JCRs em alguns formatos (2 vs 2, 3 vs 3 e 4 vs 4) no qual o tamanho absoluto do campo é pequeno. No entanto, não podemos levar em consideração apenas a distância em “sprints” como característica de demanda física, pois ela é in‡ uenciada pelo tamanho do campo. Nesse sentido, informações em relação à quantidade de ações em alta intensidade, em “sprints” e a quantidade de acelerações são informações im-portantes a serem analisadas. No presente estudo, analisamos o número de ações em alta intensidade e demonstramos que são estatisticamente superiores (p 0,05) no JCR 3 vs 3 em relação ao 7 vs 7. Em relação às respostas  siológicas, nossos re-sultados estão de acordo com outros estudos que demonstraram que, em geral, os JCRs com menor número de jogadores demandam respostas  sioló-gicas e perceptuais mais elevadas7-11,22, que podem ter efeitos na melhora do desempenho dos atletas em médio e longo prazo4-6. No presente estudo, utilizamos um GPS de 5 Hz, que é considerado válido e reprodutível para análises de movimentos23, o que confere mais con abilidade para o nossos resultados. Foi demonstrado que, embora o JCR 3 vs 3 não tenha se diferenciado es-tatisticamente do JCR 7 vs 7 na distância percorrida em “sprint”, este modelo fornece estímulo  siológico adequado ( 90% FCmáx) para melhora do condicio-namento cardiovascular dos atletas4,5. Isso não ocorreu no JCR 7 vs 7 (85,1 % FCmáx). Essas informações podem ser utilizadas por treinadores para a escolha do formato de JCR mais adequado para seus objetivos; além disso, nós demonstramos que a quantidade de atividades em alta intensidade ( 13,0 km∙h-1) e de acelerações (2,1 - 3,0 m∙s-2) foram superiores no JCR 3 vs 3, sugerindo também uma alta demanda física. Dessa forma, podemos concluir que o JCR 3 vs 3 fornece estímulo  siológico adequado para melhora do condicionamento cardiovascular dos atletas (FC 90% da FCmax) e que a distância total percorrida, distância percorrida em alta velo-cidade ( 9,0 km∙h-1), a quantidade de acelerações e quantidade de atividades em alta intensidade foram superiores no JCR 3 vs 3. Com isso, recomenda-se que esse formato, em campo de 20 m x 30 m, pode ser adotado por treinadores de futebol de categoria sub-15, caso o objetivo seja causar uma grande exigência cardiorrespiratória e metabólica durante o treinamento ou melhora do desempenho físico dos atletas, em detrimento de um formato em campo maior, utilizando sete jogadores em cada equipe. Notas O autor Rafael Evangelista Pedro é aluno do Programa de Pós-graduação Associado em Educação Física UEM/UEL. A autora Fabiana Andrade é docente do Programa de Pós-graduação Associado em Educação Física UEM/UEL.
  • 13. Pedro RE, et al. Abstract The effect of number of players on physical demand and physiological responses during small-sided games in under-15 soccer players The aim of this study was to analyze the effect of number of players in small-sided games (SSG) on time-motion characteristics and physiological responses in young soccer players. Fourteen soccer players from a state-level youth soccer team (age 14.4 ± 0.5 years; body mass 56.2 ± 7.0 kg; height 1.7 ± 0.1 m; BMI 20.3 ± 1.4 kg·m-2) performed two formats (3 vs. 3 e 7 vs. 7) of the SSG. Heart rate (HR), rating perceived exertion (RPE) and blood lactate ([La]) and physical demands were analyzed using a global positioning system (GPS). Although there were not statistical differences in distance covered at different zones between SSG formats, the total distance covered, distance covered at high-speed, the quantity of high-intensity activities and quantity of accelerations 1.0 m·s-2 were higher (p 0.05) during SSG 3 vs. 3 (1794 m; 885 m; 69; 87, respectively) than SSG 7 vs. 7 (1663 m; 712 m; 57; 68). The percentage of maximal heart rate (HRmax), RPE and [La] were higher (p 0.05) in the SSG 3 vs. 3 than in 7 vs. 7 (91.3%; 6.1 a.u.; 5.0 mmol·L-1 vs. 85.1%; 5.1 a.u.; 2.1 mmol·L-1, respectively). The results show that intensity is greater during SSG 3 vs. 3 than in 7 vs. 7; furthermore, the physical demand is infl uenced by the number of players per team, with higher total distance covered and distance at high-speed during SSG 3 vs. 3. The players also perform higher number of activities at high-intensity and accelerations during SSG 3 vs. 3. KEY WORDS: Global positioning system; Aerobic training; Kinematic analysis; Athletic performance. Referências 1. Impellizzeri FM, Marcora SM, Castagna C. Physiological and performance e ects of generic versus speci€ c aerobic training in soccer players. Int J Sports Med. 2006;27:483-92. 2. Hill-Haas SV, Coutts AJ, Rowsell GJ, Dawson BT. Generic versus small-sided game training in soccer. Int J Sports Med. 2009;30:636-42. 3. Little T. Optimizing the use of soccer drills for physiological development. Strength Cond J. 2009;31:1-8. 4. Helgerud J, Engen LC, Wislo U, Ho J. Aerobic endurance training improves soccer performance. Med Sci Sports Exerc. 2001;33:1925-31. 5. Ho J, Wislø U, Engen L, Kemi OJ, Helgerud J. Soccer speci€ c aerobic endurance training. Br J Sports Med. 2002;36:218-21. 6. Dellal A, Chamari K, Pintus A, Girard O, Cotte T, Keller D. Heart rate responses during small-sided games and short intermittent running training in elite soccer players: a comparative study. J Strength Cond Res. 2008;22:1449-57. 7. Hill-Haas SV, Dawson B, Impellizzeri FM, Coutts AJ. Physiology of small-sided games training in football: a systematic review. Sports Med. 2011;41:199-220. 8. Jones S, Drust B. Physiological and technical demands of 4 v 4 and 8 v 8 games in elite youth soccer players. Kinesio-logy. 2007;39:150-6. 9. Owen AL, Wong del P, McKenna M, Dellal A. Heart rate responses and technical comparison between small- vs. large-sided games in elite professional soccer. J Strength Cond Res. 2011;25:2104-10. 10. Rampinini E, Impellizzeri FM, Castagna C, et al. Factors in uencing physiological responses to small-sided soccer games. J Sports Sci. 2007;25:659-66. 11. Williams K., Owen A. ‚ e impact of player numbers on the physiological responses to small sided games. J Sci Med Sport. 2007;supl.10:100. 12. Brandes M, Heitmann A, Müller L. Physical responses of di erent small-sided game formats in elite youth soccer players. J Strength Cond Res. 2012;26:1353-60. 13. Hill-Haas S, Dawson B, Coutts AJ, Rowsell GJ. Physiological responses and time-motion characteristics of various small-sided soccer games in youth players. J Sports Sci. 2009;27:1-8. 14. Coutts AJ, Du„ eld R. Validity and reliability of GPS devices for measuring movement demands of team sports. J Sci Med Sport. 2010;13:133-5. 218 • Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19
  • 14. Efeito do número de jogadores sobre a demanda física 15. Jennings D, Cormack S, Coutts AJ, Boyd L, Aughey RJ. ƒ e validity and reliability of GPS units for measuring distance in team sport speci„ c running patterns. Int J Sports Physiol Perform. 2010;5:328-41. 16. Edwards S. ƒ e heart hate monitor book. Sacramento: Fleet Feet; 1993. 17. Borg GA. Psychophysical bases of perceived exertion. Med Sci Sports Exerc. 1982;14:377-81. 18. Castagna C, D’Ottavio S, Abt G. Activity pro„ le of young soccer players during actual match play. J Strength Cond 19. Aguiar MV, Botelho GM, Gonçalves BS, Sampaio JE. Physiological responses and activity pro„ les of football small-sided games. J Strength Cond Res. 2013;27:1287-94. 20. Castellano J, Casamichana D, Dellal A. In… uence of game format and number of players on heart rate responses and physical demands in small-sided soccer games. J Strength Cond Res. 2013;27:1295-303. 21. DI Salvo V, Baron R, González-Haro C, Gormasz C, Pigozzi F, Bachl N. Sprinting analysis of elite soccer players during European Champions League and UEFA Cup matches. J Sports Sci. 2010;28:1489-94. 22. Hill-Haas S, Coutts AJ, Dawson B, Rowsell GJ. Time-motion characteristics and physiological responses of small-sided games in elite youth players: the in… uence of player number and rule changes. J Strength Cond Res. 2010;24:2149-56. 23. Johnston RJ, Watsford ML, Pine MJ, Spurrs RW, Murphy AJ, Pruyn EC. ƒ e validity and reliability of 5-Hz global positioning system units to measure team sport movement demands. J Strength Cond Res. 2012;26:758-65. ENDEREÇO Rafael Evangelista Pedro R. Dr. Moacyr Arcoverde, 302 Res. 2003;17:775-80. 86086-090 - Londrina - PR - BRASIL e-mail: rafaelevangelista13@hotmail.com Recebido para publicação: 27/12/2013 Aceito: 20/03/2014 Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Abr-Jun; 28(2):211-19 • 219 Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer à CAPES, CNPq, Fundação Araucária.