SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
                               COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE
                                         RESOLUÇÃO No- 5, DE 3 DE MAIO DE 2010


A Comissão Intergestores Tripartite - CIT, de acordo com as competências estabelecidas em seu Regimento Interno e na Norma
Operacional Básica do Sistema Único da Assistência Social - NOB/SUAS (2005), aprovada pela Resolução n° 130, de 15 de julho
de 2005, do Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS, e:

Considerando que a NOB SUAS/2005 define a responsabilidade dos três entes federados na gestão compartilhada dos serviços
socioassistenciais de proteção social básica, e;

Considerando que o atual Monitoramento SUAS - Censo CRAS, a partir da versão disponibilizada no ano de 2009, passa a ser
denominado "Monitoramento SUAS - Censo SUAS/CRAS", por englobar tanto o Censo CRAS - Centro de Referência de
Assistência Social como o Censo CREAS - Centro de Referência Especializado de Assistência Social, e;

Considerando a criação do Índice de Desenvolvimento dos CRAS/IDCRAS, um indicador sintético, gerado a partir da avaliação do
grau de desenvolvimento de cada CRAS (pode ser: insuficiente, regular, suficiente ou superior) em cada uma das quatro dimensões
(atividades realizadas, funcionamento, recursos humanos e estrutura física), que adota como referência normativas da Proteção
Básica do SUAS, e;

Considerando os resultados do Censo CRAS 2008, apresentados no Encontro Nacional de Monitoramento do SUAS - Sistema
Único de Assistência Social, no ano de 2009, ocorrido nos dias 3 a 5 de junho de 2009, em Brasília, que indicou a existência de
unidades de CRAS cadastradas no Censo CRAS 2008, com grau insuficiente em pelo menos uma dimensão que compõe o indicador
sintético do IDCRAS, e;

Considerando a Resolução CIT nº6, de 1º de julho de 2008, que aprovou o processo de acompanhamento das situações identificadas
como insatisfatórias na implementação do Programa de Atenção Integral a Família (PAIF) nos Centros de Referência de Assistência
Social (CRAS), e;

Considerando a necessidade de que todas as unidades de CRAS atinjam gradativamente o grau suficiente em todas as dimensões que
compõem o Indicador Sintético CRAS (o IDCRAS) para garantia de um atendimento satisfatório aos usuários do SUAS, e;

Considerando a necessidade de contribuir para o planejamento, por parte de todos os entes federados, de ações para enfrentamento
das dificuldades detectadas pelos municípios e DF, na implantação dos CRAS,
resolve:

Art.1º Instituir, de forma pactuada, as metas de desenvolvimento dos CRAS por períodos anuais, visando sua gradativa adaptação
aos padrões normativos estabelecidos pelo SUAS, com início em 2008 e término em 2013.

    Parágrafo 1º As metas de desenvolvimento dos CRAS, por período anual, de que trata o caput deste artigo, se encontram
    descritas no Anexo.

    Parágrafo 2º Cada período anual se inicia no primeiro dia após o encerramento do Censo SUAS/CRAS de um ano e se encerra
    no último dia do preenchimento do Censo do ano subsequente.

    Parágrafo 3º São cinco os períodos anuais a que se refere o caput deste artigo: 2008/2009, 2009/2010, 2010/2011, 2011/2012 e
    2012/2013.

    Parágrafo 4º As metas instituídas para o período anual 2008/2009 consistem nas situações identificadas como insatisfatórias
    conforme Resolução CIT nº 6, de 2008.

Art.2º Encerrado o período de preenchimento do Censo SUAS/CRAS, quando finaliza um período anual, o MDS se responsabilizará
por gerar, no mínimo, as seguintes informações:

    I - Relação dos CRAS, por município, que tem desafios para atingir as metas estipuladas para o período anual que se inicia;
    II - Relação dos CRAS, por município, que alcançaram as metas previstas para o período anual que se encerrou;
    III - Relação dos CRAS, por município, que não alcançaram as metas previstas para o período anual que se encerrou.

Art. 3º As informações de que trata o Art. 2º e os incisos deverão ser divulgadas para todos os entes federados conforme
responsabilidades de cada ente.

Art.4º Os procedimentos e responsabilidades relativas aos casos de não alcance das metas anuais para o desenvolvimento dos CRAS
serão estabelecidos por pactuação nacional e publicados em resolução da CIT.

Art. 5º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.


                                        VALERIA MARIA DE MASSARANI GONELLI
                                           P/Secretaria Nacional de Assistência Social
                                                           Substituta
                                             EUTALIA BARBOSA RODRIGUES
                                 P/Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Assistência Social
                                             IEDA MARIA NOBRE DE CASTRO
                                P/Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social
ANEXO
Metas de desenvolvimento para os CRAS, por período anual




                                                                                      Período Anual 2008/2009

                            Pequeno Porte I:
         RECURSOS HUMANOS




                            a) possuir, no mínimo, 1 técnico de nível superior compondo a equipe de referência

                            Pequeno Porte II:
                            a) possuir, no mínimo, 1 técnico de nível superior compondo a equipe de referência


                            Portes Médios, Grande, Metrópole:
                            a) Possuir, no mínimo, 2 técnicos de nível superior compondo a equipe de referência



                            a) Possuir no mínimo 2 Salas (salas de atendimento ou administrativa)

                            b) Possuir banheiro
       ESTRUTURA
         FISICA




                            c) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade

                            d) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária

                            e) Possuir Placa de identificação em modelo padrão


                             a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana
     FUNCIONAMENTO




                             b) Funcionamento igual ou superior a 6 horas por dia;
       ATIVIDSADES
       REALIZADAS
       HORÁRIO DE




                             c) Realizar acompanhamento de famílias;

                             d) Realizar visitas domiciliares
Período Anual 2009/2010
                        Pequeno Porte I:
     RECURSOS HUMANOS        a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social. E possuir 1 técnico com, no mínimo, nível médio;
                             b) Dentre os 2 técnicos de nível superior designar 1 (um) para função de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Ou possuir um
                                 terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário).
                        Pequeno Porte II:
                             a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social. E possuir 1 técnico com, no mínimo, nível médio;
                             b) Dentre os 2 técnicos de nível superior designar 1 (um) para função de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Ou possuir um
                                 terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário).
                        Portes Médios, Grande, Metrópole:
                             a) Possuir 3 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social. E possuir 1 técnico com, no mínimo, nível médio;
                             b) Dentre os 3 técnicos de nível superior designar 1 (um) para função de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Ou possuir um
                                 quarto técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário).

                        a) Possuir 2 Salas, sendo pelo menos uma com capacidade superior a 15 pessoas
   ESTRUTURA




                        b) Possuir banheiro
     FISICA




                        c) Possuir recepção
                        d) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade
                        e) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária
                        f) Possuir Placa de identificação em modelo padrão

                        a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana
                        b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia;
FUNCIONAMENTO
 E ATIVIDSADES




                        c) Realizar acompanhamento de famílias;
  REALIZADAS
  HORÁRIO DE




                        d) Realizar visitas domiciliares
                        e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF
                        f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias
                        g) Realizar busca ativa
                        h) Orientação/acompanhamento para inserção de famílias no BPC
                         i)Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
Período Anual 2010/2011
                        Pequeno Porte I:
                             a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e, preferencialmente, 1 psicólogo. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio;
     RECURSOS HUMANOS            (Quantidade e Perfil NOB-RH)
                             b) Dentre os 2 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um terceiro técnico de nível
                                 superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado).
                        Pequeno Porte II:
                             a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e, preferencialmente, 1 psicólogo. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio;
                             b) Dentre os 2 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um terceiro técnico de nível
                                 superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado).
                        Portes Médios, Grande, Metrópole:
                             a) Possuir, 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e um profissional que compõe o SUAS. E possuir 2 técnicos com, no mínimo,
                                 nível médio;
                             b) Dentre os 4 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador(estatutário ou comissionado). Ou possuir um quinto técnico de nível
                                 superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado).

                        a) Possuir 2 Salas, sendo pelo menos uma com capacidade superior a 15 pessoas
                        b) Possuir banheiro
   ESTRUTURA




                        c) Possuir recepção
     FISICA




                        d)Possuir rota acessível para pessoas idosas e com deficiência aos principais acessos do CRAS: recepção, sala de atendimento e sala de uso coletivo
                        e) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade
                        f) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária
                        g) Possuir Placa de identificação em modelo padrão
                        h) Possuir computador

                        a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana
                        b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia;
FUNCIONAMENTO




                        c) Realizar acompanhamento de famílias;
 E ATIVIDSADES
  REALIZADAS
  HORÁRIO DE




                        d) Realizar visitas domiciliares
                        e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF
                        f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias
                        g) Acompanhamento prioritário a famílias com beneficiários do BPC e benefícios eventuais
                        h) Realizar Atividades de gestão do Território, articulando a rede de proteção social básica
                        i) Realizar busca ativa
                        j) Orientação/acompanhamento para inserção de famílias no BPC
                        k)Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
Período Anual 2011/2012
                           Pequeno Porte I:
                           a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e outro preferencialmente psicólogo. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio (Quantidade e
                           Perfil NOB-RH);
        RECURSOS HUMANOS


                           b) Dentre os 2 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um terceiro técnico de nível superior
                           com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado).
                           Pequeno Porte II:
                           a) Possuir 3 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais e outro preferencialmente psicólogo. E possuir 3 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade
                           e Perfil NOB-RH);
                           b) Dentre os 3 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um quarto técnico de nível superior
                           com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado).
                           Portes Médios, Grande, Metrópole:
                           a) Possuir 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e 1 profissional que compõe o SUAS. E possuir 4 técnicos com, no mínimo, nível médio.
                           (Quantidade e Perfil NOB-RH);
                           b) Dentre os 4 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um quinto técnico de nível superior
                           com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado).

                           a) Possuir 2 Salas, pelo menos 1 com capacidade superior a 15 pessoas
       ESTRUTURA FISICA




                           b) Possuir banheiro
                           c) Possuir recepção
                           d) Possuir rota acessível para pessoas idosas e com deficiência aos principais acessos do CRAS: recepção, sala de atendimento, sala de uso coletivo e banheiros
                           e) Possuir sala administrativa
                           f) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade
                           g) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária
                           h) Possuir Placa de identificação em modelo padrão
                           i) Possuir computador

                            a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana
E ATIVIDSADES REALIZADAS




                            b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia;
                            c) Realizar acompanhamento de famílias;
     FUNCIONAMENTO




                            d) Realizar visitas domiciliares
       HORÁRIO DE




                            e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF
                            f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias
                            g) Acompanhamento prioritário a famílias com beneficiários do BPC e benefícios eventuais
                            h) Realizar Atividades de gestão do Território, articulando a rede de proteção social básica
                            i) Orientação/acompanhamento para inserção no BPC
                            j) Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
                            g) Realizar busca ativa
                            h) Orientação/acompanhamento para inserção de famílias no BPC
                           i) Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
Período Anual 2012/2013
                                    Pequeno Porte I:
                                    a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e outro preferencialmente psicólogo; E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio (Quantidade e Perfil
    RECURSOS HUMANOS


                                    NOB-RH + 01 profissional);
                                    b) Possuir 01 (um) coordenador de nível superior em função exclusiva, (estatutário ou comissionado).
                                    Pequeno Porte II:
                                    a) Possuir 3 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais e outro preferencialmente psicólogo; E possuir 3 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade e Perfil
                                    NOB-RH + 01 profissional);
                                    b) Possuir 01 (um) coordenador em função exclusiva, (estatutário ou comissionado).
                                    Portes Médios, Grande, Metrópole:
                                    a) Possuir 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e 1 profissional que compõe o SUAS; e 4 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade e
                                    Perfil NOB-RH+ 01 profissional);
                                    b) Possuir 01 (um) coordenador em função exclusiva, (estatutário ou comissionado).

                                       a) Possuir 2 Salas, pelo menos 1 com capacidade superior a 15 pessoas
                 ESTRUTURA FISICA




                                       b) Possuir banheiro com condições de acessibilidade para pessoas idosas e com deficiência, em conformidade com as normas da ABNT
                                       c) Possuir recepção
                                       d) Possuir rota acessível para pessoas idosas e com deficiência aos principais acessos do CRAS: recepção, sala de atendimento, sala de uso coletivo e banheiros
                                       e) Possuir sala administrativa
                                       f) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade
                                       g) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária
                                       i) Possuir Placa de identificação em modelo padrão
                                       j) Estar informatizado com computadores e acesso a internet

                                       a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana
       HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO
        E ATIVIDSADES REALIZADAS




                                       b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia;
                                       c) Realizar acompanhamento de famílias;
                                       d) Realizar visitas domiciliares
                                       e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF
                                       f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias
                                       g) Acompanhamento prioritário a famílias com beneficiários do BPC e benefícios eventuais
                                       h) Realizar Atividades de gestão do Território, articulando a rede de proteção social básica
                                       i)Realizar busca ativa
                                       j) Orientação/acompanhamento para inserção no BPC
                                       k) Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico


Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html,                        Documento assinado digitalmente conforme MP no- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012010060100101                                                                                             Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

quem cala consente
quem cala consentequem cala consente
quem cala consenteAdson Nunes
 
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As..."Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...Edson De Souza
 
Agente Social No Cras
Agente Social No CrasAgente Social No Cras
Agente Social No CrasMaria Gold
 
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequiéA atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequiéUBIRAJARA COUTO LIMA
 
NOB-RH/SUAS- Anotada e Comentada
NOB-RH/SUAS-  Anotada e ComentadaNOB-RH/SUAS-  Anotada e Comentada
NOB-RH/SUAS- Anotada e ComentadaRosane Domingues
 
Kerajaan tulang bawang
Kerajaan tulang bawangKerajaan tulang bawang
Kerajaan tulang bawangAkbarul Umam
 
Sejarah Wajib - Situs Kota Kapur
Sejarah Wajib - Situs Kota KapurSejarah Wajib - Situs Kota Kapur
Sejarah Wajib - Situs Kota KapurOlivia Hanna
 

Destaque (8)

quem cala consente
quem cala consentequem cala consente
quem cala consente
 
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As..."Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
 
Agente Social No Cras
Agente Social No CrasAgente Social No Cras
Agente Social No Cras
 
Nob rh suas
Nob rh suasNob rh suas
Nob rh suas
 
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequiéA atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
 
NOB-RH/SUAS- Anotada e Comentada
NOB-RH/SUAS-  Anotada e ComentadaNOB-RH/SUAS-  Anotada e Comentada
NOB-RH/SUAS- Anotada e Comentada
 
Kerajaan tulang bawang
Kerajaan tulang bawangKerajaan tulang bawang
Kerajaan tulang bawang
 
Sejarah Wajib - Situs Kota Kapur
Sejarah Wajib - Situs Kota KapurSejarah Wajib - Situs Kota Kapur
Sejarah Wajib - Situs Kota Kapur
 

Semelhante a Resolução 5 da ci tde maio de 201]

Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…NandaTome
 
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…NandaTome
 
Questionário da oficina
Questionário da oficina Questionário da oficina
Questionário da oficina Raimundo Junior
 
Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...
Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...
Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...Ronald Balbe
 
PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I
PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I
PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I chrystianlima
 
Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015
Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015
Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015Adriana De Moraes
 
Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010
Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010
Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010Biblioteca Campus VII
 
Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS
Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS  Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS
Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS Roberta Muniz
 
11 cras orientações técnicas (1)
11  cras orientações técnicas (1)11  cras orientações técnicas (1)
11 cras orientações técnicas (1)Alinebrauna Brauna
 
Edital Capítulo Solidário 2015
Edital Capítulo Solidário 2015Edital Capítulo Solidário 2015
Edital Capítulo Solidário 2015demolaymt
 
Estudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGV
Estudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGVEstudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGV
Estudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGVInstituto Trata Brasil
 
Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02
Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02
Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02Marilene de Freitas
 
Cpa 10 edgar abreu
Cpa 10 edgar abreuCpa 10 edgar abreu
Cpa 10 edgar abreuhandrey76
 
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo SocialOrientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo SocialRosane Domingues
 
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.comGuia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.comInstituto Abaçaí
 
Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.
Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.
Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.Edson De Souza
 
Cadastro unico
Cadastro unicoCadastro unico
Cadastro unicoItalo Mota
 
Edital assistente social selecao ppvta 2012 1_
Edital assistente social selecao ppvta 2012  1_Edital assistente social selecao ppvta 2012  1_
Edital assistente social selecao ppvta 2012 1_Marina Bueno
 

Semelhante a Resolução 5 da ci tde maio de 201] (20)

Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
 
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
 
Questionário da oficina
Questionário da oficina Questionário da oficina
Questionário da oficina
 
Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...
Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...
Avaliação da Execução de Programa de Governo - VII Forum de Controle e Audito...
 
PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I
PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I
PROPOSTA GERAL PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PACTUADOS PARA O PNHR - Volume I
 
Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015
Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015
Cartilha do Servidor Estatutário do Município do RJ/ 2015
 
Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010
Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010
Monografia Carlos Ciências Contábeis 2010
 
Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS
Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS  Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS
Trabalho de Marketing - empresa fictícia LR TAPETE & ESTOFADOS
 
11 cras orientações técnicas (1)
11  cras orientações técnicas (1)11  cras orientações técnicas (1)
11 cras orientações técnicas (1)
 
Edital Capítulo Solidário 2015
Edital Capítulo Solidário 2015Edital Capítulo Solidário 2015
Edital Capítulo Solidário 2015
 
Estudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGV
Estudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGVEstudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGV
Estudo Trata Brasil: Saneamento, Saúde e o Bolso do Consumidor - FGV
 
Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02
Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02
Cartilhapnhrbancodobrasil 130123203246-phpapp02
 
Cpa 10 edgar abreu
Cpa 10 edgar abreuCpa 10 edgar abreu
Cpa 10 edgar abreu
 
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo SocialOrientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
 
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.comGuia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
 
Petrobras - Rede de Melhoria da Gestão - Plano Estratégico 2011-2020
Petrobras - Rede de Melhoria da Gestão - Plano Estratégico 2011-2020Petrobras - Rede de Melhoria da Gestão - Plano Estratégico 2011-2020
Petrobras - Rede de Melhoria da Gestão - Plano Estratégico 2011-2020
 
Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.
Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.
Metas de Desenvolvimento dos Cras por períodos anuais.
 
Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média
Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe MédiaPerguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média
Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média
 
Cadastro unico
Cadastro unicoCadastro unico
Cadastro unico
 
Edital assistente social selecao ppvta 2012 1_
Edital assistente social selecao ppvta 2012  1_Edital assistente social selecao ppvta 2012  1_
Edital assistente social selecao ppvta 2012 1_
 

Mais de Edson De Souza

"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As..."Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...Edson De Souza
 
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As..."Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...Edson De Souza
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...Edson De Souza
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...Edson De Souza
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...Edson De Souza
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...Edson De Souza
 
Consua nob 2010 27.10.2010
Consua nob 2010 27.10.2010  Consua nob 2010 27.10.2010
Consua nob 2010 27.10.2010 Edson De Souza
 
Apresentação resolução cit nº08
Apresentação resolução cit nº08Apresentação resolução cit nº08
Apresentação resolução cit nº08Edson De Souza
 
Organização do Registro de Informações Cras e Creas
Organização do Registro de Informações Cras e CreasOrganização do Registro de Informações Cras e Creas
Organização do Registro de Informações Cras e CreasEdson De Souza
 

Mais de Edson De Souza (10)

"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As..."Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
 
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As..."Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
"Política da Assistencia Social no Estado de São Paulo no Sistema Único da As...
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
 
Consua nob 2010 27.10.2010
Consua nob 2010 27.10.2010  Consua nob 2010 27.10.2010
Consua nob 2010 27.10.2010
 
Apresentação resolução cit nº08
Apresentação resolução cit nº08Apresentação resolução cit nº08
Apresentação resolução cit nº08
 
Organização do Registro de Informações Cras e Creas
Organização do Registro de Informações Cras e CreasOrganização do Registro de Informações Cras e Creas
Organização do Registro de Informações Cras e Creas
 
CMDCA - CRAVINHOS
CMDCA - CRAVINHOSCMDCA - CRAVINHOS
CMDCA - CRAVINHOS
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Resolução 5 da ci tde maio de 201]

  • 1. SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO No- 5, DE 3 DE MAIO DE 2010 A Comissão Intergestores Tripartite - CIT, de acordo com as competências estabelecidas em seu Regimento Interno e na Norma Operacional Básica do Sistema Único da Assistência Social - NOB/SUAS (2005), aprovada pela Resolução n° 130, de 15 de julho de 2005, do Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS, e: Considerando que a NOB SUAS/2005 define a responsabilidade dos três entes federados na gestão compartilhada dos serviços socioassistenciais de proteção social básica, e; Considerando que o atual Monitoramento SUAS - Censo CRAS, a partir da versão disponibilizada no ano de 2009, passa a ser denominado "Monitoramento SUAS - Censo SUAS/CRAS", por englobar tanto o Censo CRAS - Centro de Referência de Assistência Social como o Censo CREAS - Centro de Referência Especializado de Assistência Social, e; Considerando a criação do Índice de Desenvolvimento dos CRAS/IDCRAS, um indicador sintético, gerado a partir da avaliação do grau de desenvolvimento de cada CRAS (pode ser: insuficiente, regular, suficiente ou superior) em cada uma das quatro dimensões (atividades realizadas, funcionamento, recursos humanos e estrutura física), que adota como referência normativas da Proteção Básica do SUAS, e; Considerando os resultados do Censo CRAS 2008, apresentados no Encontro Nacional de Monitoramento do SUAS - Sistema Único de Assistência Social, no ano de 2009, ocorrido nos dias 3 a 5 de junho de 2009, em Brasília, que indicou a existência de unidades de CRAS cadastradas no Censo CRAS 2008, com grau insuficiente em pelo menos uma dimensão que compõe o indicador sintético do IDCRAS, e; Considerando a Resolução CIT nº6, de 1º de julho de 2008, que aprovou o processo de acompanhamento das situações identificadas como insatisfatórias na implementação do Programa de Atenção Integral a Família (PAIF) nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), e; Considerando a necessidade de que todas as unidades de CRAS atinjam gradativamente o grau suficiente em todas as dimensões que compõem o Indicador Sintético CRAS (o IDCRAS) para garantia de um atendimento satisfatório aos usuários do SUAS, e; Considerando a necessidade de contribuir para o planejamento, por parte de todos os entes federados, de ações para enfrentamento das dificuldades detectadas pelos municípios e DF, na implantação dos CRAS, resolve: Art.1º Instituir, de forma pactuada, as metas de desenvolvimento dos CRAS por períodos anuais, visando sua gradativa adaptação aos padrões normativos estabelecidos pelo SUAS, com início em 2008 e término em 2013. Parágrafo 1º As metas de desenvolvimento dos CRAS, por período anual, de que trata o caput deste artigo, se encontram descritas no Anexo. Parágrafo 2º Cada período anual se inicia no primeiro dia após o encerramento do Censo SUAS/CRAS de um ano e se encerra no último dia do preenchimento do Censo do ano subsequente. Parágrafo 3º São cinco os períodos anuais a que se refere o caput deste artigo: 2008/2009, 2009/2010, 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013. Parágrafo 4º As metas instituídas para o período anual 2008/2009 consistem nas situações identificadas como insatisfatórias conforme Resolução CIT nº 6, de 2008. Art.2º Encerrado o período de preenchimento do Censo SUAS/CRAS, quando finaliza um período anual, o MDS se responsabilizará por gerar, no mínimo, as seguintes informações: I - Relação dos CRAS, por município, que tem desafios para atingir as metas estipuladas para o período anual que se inicia; II - Relação dos CRAS, por município, que alcançaram as metas previstas para o período anual que se encerrou; III - Relação dos CRAS, por município, que não alcançaram as metas previstas para o período anual que se encerrou. Art. 3º As informações de que trata o Art. 2º e os incisos deverão ser divulgadas para todos os entes federados conforme responsabilidades de cada ente. Art.4º Os procedimentos e responsabilidades relativas aos casos de não alcance das metas anuais para o desenvolvimento dos CRAS serão estabelecidos por pactuação nacional e publicados em resolução da CIT. Art. 5º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. VALERIA MARIA DE MASSARANI GONELLI P/Secretaria Nacional de Assistência Social Substituta EUTALIA BARBOSA RODRIGUES P/Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Assistência Social IEDA MARIA NOBRE DE CASTRO P/Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social
  • 2. ANEXO Metas de desenvolvimento para os CRAS, por período anual Período Anual 2008/2009 Pequeno Porte I: RECURSOS HUMANOS a) possuir, no mínimo, 1 técnico de nível superior compondo a equipe de referência Pequeno Porte II: a) possuir, no mínimo, 1 técnico de nível superior compondo a equipe de referência Portes Médios, Grande, Metrópole: a) Possuir, no mínimo, 2 técnicos de nível superior compondo a equipe de referência a) Possuir no mínimo 2 Salas (salas de atendimento ou administrativa) b) Possuir banheiro ESTRUTURA FISICA c) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade d) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária e) Possuir Placa de identificação em modelo padrão a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana FUNCIONAMENTO b) Funcionamento igual ou superior a 6 horas por dia; ATIVIDSADES REALIZADAS HORÁRIO DE c) Realizar acompanhamento de famílias; d) Realizar visitas domiciliares
  • 3. Período Anual 2009/2010 Pequeno Porte I: RECURSOS HUMANOS a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social. E possuir 1 técnico com, no mínimo, nível médio; b) Dentre os 2 técnicos de nível superior designar 1 (um) para função de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Ou possuir um terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Pequeno Porte II: a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social. E possuir 1 técnico com, no mínimo, nível médio; b) Dentre os 2 técnicos de nível superior designar 1 (um) para função de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Ou possuir um terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Portes Médios, Grande, Metrópole: a) Possuir 3 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social. E possuir 1 técnico com, no mínimo, nível médio; b) Dentre os 3 técnicos de nível superior designar 1 (um) para função de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). Ou possuir um quarto técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário, comissionado, CLT ou contrato temporário). a) Possuir 2 Salas, sendo pelo menos uma com capacidade superior a 15 pessoas ESTRUTURA b) Possuir banheiro FISICA c) Possuir recepção d) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade e) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária f) Possuir Placa de identificação em modelo padrão a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia; FUNCIONAMENTO E ATIVIDSADES c) Realizar acompanhamento de famílias; REALIZADAS HORÁRIO DE d) Realizar visitas domiciliares e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias g) Realizar busca ativa h) Orientação/acompanhamento para inserção de famílias no BPC i)Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
  • 4. Período Anual 2010/2011 Pequeno Porte I: a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e, preferencialmente, 1 psicólogo. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio; RECURSOS HUMANOS (Quantidade e Perfil NOB-RH) b) Dentre os 2 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado). Pequeno Porte II: a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e, preferencialmente, 1 psicólogo. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio; b) Dentre os 2 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado). Portes Médios, Grande, Metrópole: a) Possuir, 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e um profissional que compõe o SUAS. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio; b) Dentre os 4 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador(estatutário ou comissionado). Ou possuir um quinto técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado). a) Possuir 2 Salas, sendo pelo menos uma com capacidade superior a 15 pessoas b) Possuir banheiro ESTRUTURA c) Possuir recepção FISICA d)Possuir rota acessível para pessoas idosas e com deficiência aos principais acessos do CRAS: recepção, sala de atendimento e sala de uso coletivo e) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade f) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária g) Possuir Placa de identificação em modelo padrão h) Possuir computador a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia; FUNCIONAMENTO c) Realizar acompanhamento de famílias; E ATIVIDSADES REALIZADAS HORÁRIO DE d) Realizar visitas domiciliares e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias g) Acompanhamento prioritário a famílias com beneficiários do BPC e benefícios eventuais h) Realizar Atividades de gestão do Território, articulando a rede de proteção social básica i) Realizar busca ativa j) Orientação/acompanhamento para inserção de famílias no BPC k)Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
  • 5. Período Anual 2011/2012 Pequeno Porte I: a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e outro preferencialmente psicólogo. E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio (Quantidade e Perfil NOB-RH); RECURSOS HUMANOS b) Dentre os 2 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um terceiro técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado). Pequeno Porte II: a) Possuir 3 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais e outro preferencialmente psicólogo. E possuir 3 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade e Perfil NOB-RH); b) Dentre os 3 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um quarto técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado). Portes Médios, Grande, Metrópole: a) Possuir 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e 1 profissional que compõe o SUAS. E possuir 4 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade e Perfil NOB-RH); b) Dentre os 4 técnicos de nível superior, designar 1 (um) para a função de coordenador (estatutário ou comissionado). Ou possuir um quinto técnico de nível superior com função exclusiva de coordenador (estatutário ou comissionado). a) Possuir 2 Salas, pelo menos 1 com capacidade superior a 15 pessoas ESTRUTURA FISICA b) Possuir banheiro c) Possuir recepção d) Possuir rota acessível para pessoas idosas e com deficiência aos principais acessos do CRAS: recepção, sala de atendimento, sala de uso coletivo e banheiros e) Possuir sala administrativa f) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade g) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária h) Possuir Placa de identificação em modelo padrão i) Possuir computador a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana E ATIVIDSADES REALIZADAS b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia; c) Realizar acompanhamento de famílias; FUNCIONAMENTO d) Realizar visitas domiciliares HORÁRIO DE e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias g) Acompanhamento prioritário a famílias com beneficiários do BPC e benefícios eventuais h) Realizar Atividades de gestão do Território, articulando a rede de proteção social básica i) Orientação/acompanhamento para inserção no BPC j) Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico g) Realizar busca ativa h) Orientação/acompanhamento para inserção de famílias no BPC i) Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico
  • 6. Período Anual 2012/2013 Pequeno Porte I: a) Possuir 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e outro preferencialmente psicólogo; E possuir 2 técnicos com, no mínimo, nível médio (Quantidade e Perfil RECURSOS HUMANOS NOB-RH + 01 profissional); b) Possuir 01 (um) coordenador de nível superior em função exclusiva, (estatutário ou comissionado). Pequeno Porte II: a) Possuir 3 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais e outro preferencialmente psicólogo; E possuir 3 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade e Perfil NOB-RH + 01 profissional); b) Possuir 01 (um) coordenador em função exclusiva, (estatutário ou comissionado). Portes Médios, Grande, Metrópole: a) Possuir 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e 1 profissional que compõe o SUAS; e 4 técnicos com, no mínimo, nível médio. (Quantidade e Perfil NOB-RH+ 01 profissional); b) Possuir 01 (um) coordenador em função exclusiva, (estatutário ou comissionado). a) Possuir 2 Salas, pelo menos 1 com capacidade superior a 15 pessoas ESTRUTURA FISICA b) Possuir banheiro com condições de acessibilidade para pessoas idosas e com deficiência, em conformidade com as normas da ABNT c) Possuir recepção d) Possuir rota acessível para pessoas idosas e com deficiência aos principais acessos do CRAS: recepção, sala de atendimento, sala de uso coletivo e banheiros e) Possuir sala administrativa f) Espaço Físico não Compartilhado com ONGs/Entidade g) Espaço Físico não Compartilhado com Associação Comunitária i) Possuir Placa de identificação em modelo padrão j) Estar informatizado com computadores e acesso a internet a) Funcionamento igual ou superior a 5 dias por semana HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO E ATIVIDSADES REALIZADAS b) Funcionamento igual ou superior a 8 horas por dia; c) Realizar acompanhamento de famílias; d) Realizar visitas domiciliares e) Acompanhamento prioritário das famílias em descumprimento de condicionalidades do PBF f) Realizar oficinas/grupos de convivência com famílias g) Acompanhamento prioritário a famílias com beneficiários do BPC e benefícios eventuais h) Realizar Atividades de gestão do Território, articulando a rede de proteção social básica i)Realizar busca ativa j) Orientação/acompanhamento para inserção no BPC k) Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP no- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a pelo código 00012010060100101 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.