SlideShare uma empresa Scribd logo
FICHA DE OBSERVAÇÃO - DEBATE 
 
Debatedora 1: ​Priscila Chamas - coordenadora PSL-BA 
Debatedora 2:​ Lívia Vaz - promotora de justiça  
Mediadora: ​Marcilene Garcia - socióloga  
 
COMPREENDENDO O TEMA DO DEBATE 
1. Tema/assunto debatido  Cotas Raciais 
2. Qual a tese inicial 
defendida pela debatedora 
1?  
O racismo divide as pessoas por raças e o ser 
humano é uma raça única, portanto, 
naturalmente, todos são iguais.  
3. Que dado a debatedora 2 
utiliza para discordar dessa 
tese? 
Historicamente, a partir da abolição da 
escravatura, os negros não tiveram chance de 
ingressar no mercado de trabalho (que foi 
aberto para os imigrantes europeus), o que 
fez com que não tivessem chances de 
pertencer a uma classe econômica.  
4. Que dado a debatedora 2 
utiliza para contrariar o que 
a debatedora 1 afirma?  
O conceito de raça não é biológico, mas sim 
social, o que não afasta o racismo. 
5. A qual voz da autoridade 
a debatedora 2 recorre para 
defender o conceito de 
raça? 
STF - Superior Tribunal Federal, ela recorre ao 
Direito (esfera jurídica-legislação) para dizer 
que enquanto a raça for um aspecto que 
dificulta o acesso aos direitos fundamentais, 
o conceito de raça precisa ser considerado.  
6. Qual a problematização 
que a debatedora 1 coloca 
para aderir ao conceito de 
raça “negra” 
Ela afirma que o Brasil é um país muito 
miscigenado e que isso limita a determinar 
quem é ou não pertencente à raça negra 
7. O que você entende por 
“tribunal racial”? 
É o fato de negros serem mais condenados 
do que brancos, haver mais negros presos do 
que brancos.  
8. Qual o 
problema/preocupação 
apontado pela mediadora 
que contraria as duas 
debatedoras?  
Ela se preocupa com o critério de uma 
pessoas ser considerada negra. Ela não 
concorda com a questão biológica 
(fenótipo/melanina) e nem com o conceito 
social de autodeclaração, pois leva a pessoas 
brancas terem acesso a cotas raciais na 
universidade sem pertencerem efetivamente 
a esse grupo.  
9. Em que áreas as cotas 
raciais podem beneficiar os 
negros como reparação da 
desigualdade existente?  
Concursos públicos e acesso à universidade 
10. A qual instituição 
debatedora 2 recorre para 
falar sobre a existência da 
desigualdade racial no Brasil 
Ela recorre ao IBGE- Instituto Brasileiro de 
Geografia e Estatística que no censo 
demográfico classifica os brasileiros em 
raças, incluindo “pardos e pretos” 
11. A debatedora 1 recorre à 
Constituição para dizer que 
não devem existir cotas 
raciais. Que argumento ela 
usa?  
Ela afirma que pela Constituição “todos são 
iguais perante a lei” 
12. A partir dessa 
afirmação, a debatedora 2 
diz que também a 
Constituição defende que 
“desiguais devem ser 
tratados desigualmente na 
medida de sua 
desigualdade”. 
O que você entende por esta 
frase?  
 
Resposta pessoal. Espera-se que os alunos 
entendam que a frase significa que a 
sociedade é desigual e, portanto, a lei deve 
reparar essas desigualdades oferecendo mais 
ou menos oportunidades àqueles que se 
encontram em situação vulnerável de 
desigualdade.   
COMPREENDENDO AS CARACTERÍSTICAS DO DEBATE 
1. Neste debate (parte 
1), você acha que 
todos os participantes 
falaram em tempo 
igual? Por quê 
Não, pois em alguns momentos uma 
debatedora interrompia a fala da outra.  
2. Como esse problema 
poderia ser resolvido?  
Espera-se que os alunos apontem que 
cronometrar o tempo e colocar isso como 
regra para a fala, réplica e tréplica, possa 
melhor organizar.  
3. Você acha que a 
mediadora 
desempenhou um 
bom papel?  
Espera-se que os alunos apontem que ela 
teve pouca participação, mas a fala dela fez 
com que o assunto “avançasse” e ficasse 
menos repetitivo.  
4. Que regras você 
acredita que precisam 
ter para um debate 
- Organização do tempo de fala de cada 
participante; 
- Criação de regras sobre momento de 
parecer organizado?  fala (argumento, réplica e tréplica) 
- Respeito entre os participantes; 
- Participação do mediador 
5. Para poder debater, o 
que se pressupõe que 
os participantes 
precisam fazer?  
Espera-se que os alunos apontem que os 
participantes precisam se preparar, estudar 
o tema e dominar o assunto.  
6. Como você avalia a fala 
das debatedoras (tom 
de voz, entonação, 
clareza) 
Resposta pessoal. Espera-se que os alunos 
apontem que as debatedoras precisam ser 
claras e coerentes em seus argumentos e 
que a entonação de voz ajuda na defesa do 
posicionamento assumido. Não gritaram, 
mas falaram de maneira firme e 
compassada.  
7. Como você avalia a 
postura das 
debatedoras? 
Pareceu-lhe 
adequada? 
Espera-se que os alunos apontem que elas 
usaram a gesticulação a seu favor, fizeram 
gestos comedidos e falaram olhando para 
as pessoas.  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
Luana Dias
 
Princípios do Treinamento Desportivo
Princípios do Treinamento DesportivoPrincípios do Treinamento Desportivo
Princípios do Treinamento Desportivo
Foz
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
Lucio Flavio Personal
 
Ergonomia ginástica laboral
Ergonomia  ginástica laboralErgonomia  ginástica laboral
Ergonomia ginástica laboral
elaine123fisio
 
Slides lesões nos esportes
Slides lesões nos esportesSlides lesões nos esportes
Slides lesões nos esportes
anasrcosta
 
Auditoriasinternas
AuditoriasinternasAuditoriasinternas
Auditoriasinternas
Ana Sobrenome
 
Módulo 01 1 ERGONOMIA
Módulo 01 1 ERGONOMIAMódulo 01 1 ERGONOMIA
Módulo 01 1 ERGONOMIA
Lucila Soares
 
Treinamento esportivo i
Treinamento esportivo iTreinamento esportivo i
Treinamento esportivo i
Marcus Prof
 
ANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIAANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIA
Amarildo César
 
Tst ergonomia aula 2
Tst   ergonomia aula 2Tst   ergonomia aula 2
Tst ergonomia aula 2
Bolivar Motta
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Ergonomia e Gestão de Design
Ergonomia e Gestão de DesignErgonomia e Gestão de Design
Ergonomia e Gestão de Design
Robson Santos
 
1191262375 antropometria
1191262375 antropometria1191262375 antropometria
1191262375 antropometria
Pelo Siro
 
Lesões Esportivas
Lesões EsportivasLesões Esportivas
Lesões Esportivas
Fabiano Bartmann
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
Ginástica Laboral, LER e DORT
Ginástica Laboral, LER e DORTGinástica Laboral, LER e DORT
Ginástica Laboral, LER e DORT
Pedro Monteiro
 
Futebol
FutebolFutebol
Potência aeróbico
Potência aeróbicoPotência aeróbico
Potência aeróbico
Jorginho2000
 
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
workshare1814
 
Aplicabilidade dos modelos de periodização
Aplicabilidade dos modelos de periodizaçãoAplicabilidade dos modelos de periodização
Aplicabilidade dos modelos de periodização
Gabriel Guarabyra
 

Mais procurados (20)

Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
 
Princípios do Treinamento Desportivo
Princípios do Treinamento DesportivoPrincípios do Treinamento Desportivo
Princípios do Treinamento Desportivo
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
 
Ergonomia ginástica laboral
Ergonomia  ginástica laboralErgonomia  ginástica laboral
Ergonomia ginástica laboral
 
Slides lesões nos esportes
Slides lesões nos esportesSlides lesões nos esportes
Slides lesões nos esportes
 
Auditoriasinternas
AuditoriasinternasAuditoriasinternas
Auditoriasinternas
 
Módulo 01 1 ERGONOMIA
Módulo 01 1 ERGONOMIAMódulo 01 1 ERGONOMIA
Módulo 01 1 ERGONOMIA
 
Treinamento esportivo i
Treinamento esportivo iTreinamento esportivo i
Treinamento esportivo i
 
ANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIAANTROPOMETRIA
ANTROPOMETRIA
 
Tst ergonomia aula 2
Tst   ergonomia aula 2Tst   ergonomia aula 2
Tst ergonomia aula 2
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
 
Ergonomia e Gestão de Design
Ergonomia e Gestão de DesignErgonomia e Gestão de Design
Ergonomia e Gestão de Design
 
1191262375 antropometria
1191262375 antropometria1191262375 antropometria
1191262375 antropometria
 
Lesões Esportivas
Lesões EsportivasLesões Esportivas
Lesões Esportivas
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Ginástica Laboral, LER e DORT
Ginástica Laboral, LER e DORTGinástica Laboral, LER e DORT
Ginástica Laboral, LER e DORT
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Potência aeróbico
Potência aeróbicoPotência aeróbico
Potência aeróbico
 
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
 
Aplicabilidade dos modelos de periodização
Aplicabilidade dos modelos de periodizaçãoAplicabilidade dos modelos de periodização
Aplicabilidade dos modelos de periodização
 

Semelhante a resolucao-da-atividade-ficha-de-observacao-lp08-06sqa-10.pdf

atividadesdh.pdf
atividadesdh.pdfatividadesdh.pdf
atividadesdh.pdf
Sibele Silva
 
O Debate
O DebateO Debate
O Debate
Taynara Ribeiro
 
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Rosângelo Miranda
 
AC DE LINGUAGENS.pptx
AC DE LINGUAGENS.pptxAC DE LINGUAGENS.pptx
AC DE LINGUAGENS.pptx
MariaJoselmaFerreira
 
Dhc aula grupos
Dhc aula gruposDhc aula grupos
Dhc aula grupos
Gleybson Severic
 
Sequência didática 2017.1
Sequência didática 2017.1Sequência didática 2017.1
Sequência didática 2017.1
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?
Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?
Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?
Elisângela Feitosa
 
Faculdade Araguaia
Faculdade AraguaiaFaculdade Araguaia
Faculdade Araguaia
Priscila Macedo
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
2 fil prov. bimestral 2 chamada 3 bimestral
2 fil prov. bimestral    2 chamada 3 bimestral2 fil prov. bimestral    2 chamada 3 bimestral
2 fil prov. bimestral 2 chamada 3 bimestral
Felipe Serra
 
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
GEMFILOSOFIA
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
Arare Carvalho Júnior
 
Ativ 2 marlynha_unidade_iii
Ativ 2 marlynha_unidade_iiiAtiv 2 marlynha_unidade_iii
Ativ 2 marlynha_unidade_iii
Maria Madalena Pereira
 
Do assunto à tese
Do assunto à teseDo assunto à tese
Do assunto à tese
cleanrail
 
2 fil prov. bimestral 3 bimestre (tipo 2)
2 fil  prov. bimestral  3 bimestre (tipo 2)2 fil  prov. bimestral  3 bimestre (tipo 2)
2 fil prov. bimestral 3 bimestre (tipo 2)
Felipe Serra
 
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Kele Santos
 
Livro Direitos Humanos Século XXI
Livro  Direitos Humanos Século XXILivro  Direitos Humanos Século XXI
Livro Direitos Humanos Século XXI
Ronilson de Souza Luiz
 
Debate
DebateDebate
Debate
DebateDebate

Semelhante a resolucao-da-atividade-ficha-de-observacao-lp08-06sqa-10.pdf (20)

atividadesdh.pdf
atividadesdh.pdfatividadesdh.pdf
atividadesdh.pdf
 
O Debate
O DebateO Debate
O Debate
 
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
 
AC DE LINGUAGENS.pptx
AC DE LINGUAGENS.pptxAC DE LINGUAGENS.pptx
AC DE LINGUAGENS.pptx
 
Dhc aula grupos
Dhc aula gruposDhc aula grupos
Dhc aula grupos
 
Sequência didática 2017.1
Sequência didática 2017.1Sequência didática 2017.1
Sequência didática 2017.1
 
Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?
Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?
Qual o papel do pesquisador frente às violações de direitos humanos?
 
Faculdade Araguaia
Faculdade AraguaiaFaculdade Araguaia
Faculdade Araguaia
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
 
2 fil prov. bimestral 2 chamada 3 bimestral
2 fil prov. bimestral    2 chamada 3 bimestral2 fil prov. bimestral    2 chamada 3 bimestral
2 fil prov. bimestral 2 chamada 3 bimestral
 
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
 
Ativ 2 marlynha_unidade_iii
Ativ 2 marlynha_unidade_iiiAtiv 2 marlynha_unidade_iii
Ativ 2 marlynha_unidade_iii
 
Do assunto à tese
Do assunto à teseDo assunto à tese
Do assunto à tese
 
2 fil prov. bimestral 3 bimestre (tipo 2)
2 fil  prov. bimestral  3 bimestre (tipo 2)2 fil  prov. bimestral  3 bimestre (tipo 2)
2 fil prov. bimestral 3 bimestre (tipo 2)
 
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
Direitos humanos-e-gerao-de-paz-fascculo-2-195x250
 
Livro Direitos Humanos Século XXI
Livro  Direitos Humanos Século XXILivro  Direitos Humanos Século XXI
Livro Direitos Humanos Século XXI
 
Debate
DebateDebate
Debate
 
Debate
DebateDebate
Debate
 

Mais de Heldelene Cavalcanti

5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf
5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf
5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf
Heldelene Cavalcanti
 
vozes verbais.ppt
vozes verbais.pptvozes verbais.ppt
vozes verbais.ppt
Heldelene Cavalcanti
 
Prática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdf
Prática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdfPrática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdf
Prática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdf
Heldelene Cavalcanti
 
Debate regrado.pdf
Debate regrado.pdfDebate regrado.pdf
Debate regrado.pdf
Heldelene Cavalcanti
 
Projeto de Linguagens (2).pdf
Projeto de Linguagens (2).pdfProjeto de Linguagens (2).pdf
Projeto de Linguagens (2).pdf
Heldelene Cavalcanti
 
3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf
3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf
3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf
Heldelene Cavalcanti
 
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioGuia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Heldelene Cavalcanti
 

Mais de Heldelene Cavalcanti (7)

5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf
5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf
5º Período - Plano de Curso - Literatura Inglesa II.pdf
 
vozes verbais.ppt
vozes verbais.pptvozes verbais.ppt
vozes verbais.ppt
 
Prática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdf
Prática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdfPrática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdf
Prática de Ensino do Ensino Médio - Aula dia 1303.pdf
 
Debate regrado.pdf
Debate regrado.pdfDebate regrado.pdf
Debate regrado.pdf
 
Projeto de Linguagens (2).pdf
Projeto de Linguagens (2).pdfProjeto de Linguagens (2).pdf
Projeto de Linguagens (2).pdf
 
3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf
3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf
3-Mothers-Day-Crafts-with-Flowers-BW.pdf
 
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioGuia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 

resolucao-da-atividade-ficha-de-observacao-lp08-06sqa-10.pdf

  • 1. FICHA DE OBSERVAÇÃO - DEBATE    Debatedora 1: ​Priscila Chamas - coordenadora PSL-BA  Debatedora 2:​ Lívia Vaz - promotora de justiça   Mediadora: ​Marcilene Garcia - socióloga     COMPREENDENDO O TEMA DO DEBATE  1. Tema/assunto debatido  Cotas Raciais  2. Qual a tese inicial  defendida pela debatedora  1?   O racismo divide as pessoas por raças e o ser  humano é uma raça única, portanto,  naturalmente, todos são iguais.   3. Que dado a debatedora 2  utiliza para discordar dessa  tese?  Historicamente, a partir da abolição da  escravatura, os negros não tiveram chance de  ingressar no mercado de trabalho (que foi  aberto para os imigrantes europeus), o que  fez com que não tivessem chances de  pertencer a uma classe econômica.   4. Que dado a debatedora 2  utiliza para contrariar o que  a debatedora 1 afirma?   O conceito de raça não é biológico, mas sim  social, o que não afasta o racismo.  5. A qual voz da autoridade  a debatedora 2 recorre para  defender o conceito de  raça?  STF - Superior Tribunal Federal, ela recorre ao  Direito (esfera jurídica-legislação) para dizer  que enquanto a raça for um aspecto que  dificulta o acesso aos direitos fundamentais,  o conceito de raça precisa ser considerado.   6. Qual a problematização  que a debatedora 1 coloca  para aderir ao conceito de  raça “negra”  Ela afirma que o Brasil é um país muito  miscigenado e que isso limita a determinar  quem é ou não pertencente à raça negra  7. O que você entende por  “tribunal racial”?  É o fato de negros serem mais condenados  do que brancos, haver mais negros presos do  que brancos.   8. Qual o  problema/preocupação  apontado pela mediadora  que contraria as duas  debatedoras?   Ela se preocupa com o critério de uma  pessoas ser considerada negra. Ela não  concorda com a questão biológica  (fenótipo/melanina) e nem com o conceito  social de autodeclaração, pois leva a pessoas  brancas terem acesso a cotas raciais na  universidade sem pertencerem efetivamente  a esse grupo.  
  • 2. 9. Em que áreas as cotas  raciais podem beneficiar os  negros como reparação da  desigualdade existente?   Concursos públicos e acesso à universidade  10. A qual instituição  debatedora 2 recorre para  falar sobre a existência da  desigualdade racial no Brasil  Ela recorre ao IBGE- Instituto Brasileiro de  Geografia e Estatística que no censo  demográfico classifica os brasileiros em  raças, incluindo “pardos e pretos”  11. A debatedora 1 recorre à  Constituição para dizer que  não devem existir cotas  raciais. Que argumento ela  usa?   Ela afirma que pela Constituição “todos são  iguais perante a lei”  12. A partir dessa  afirmação, a debatedora 2  diz que também a  Constituição defende que  “desiguais devem ser  tratados desigualmente na  medida de sua  desigualdade”.  O que você entende por esta  frase?     Resposta pessoal. Espera-se que os alunos  entendam que a frase significa que a  sociedade é desigual e, portanto, a lei deve  reparar essas desigualdades oferecendo mais  ou menos oportunidades àqueles que se  encontram em situação vulnerável de  desigualdade.    COMPREENDENDO AS CARACTERÍSTICAS DO DEBATE  1. Neste debate (parte  1), você acha que  todos os participantes  falaram em tempo  igual? Por quê  Não, pois em alguns momentos uma  debatedora interrompia a fala da outra.   2. Como esse problema  poderia ser resolvido?   Espera-se que os alunos apontem que  cronometrar o tempo e colocar isso como  regra para a fala, réplica e tréplica, possa  melhor organizar.   3. Você acha que a  mediadora  desempenhou um  bom papel?   Espera-se que os alunos apontem que ela  teve pouca participação, mas a fala dela fez  com que o assunto “avançasse” e ficasse  menos repetitivo.   4. Que regras você  acredita que precisam  ter para um debate  - Organização do tempo de fala de cada  participante;  - Criação de regras sobre momento de 
  • 3. parecer organizado?  fala (argumento, réplica e tréplica)  - Respeito entre os participantes;  - Participação do mediador  5. Para poder debater, o  que se pressupõe que  os participantes  precisam fazer?   Espera-se que os alunos apontem que os  participantes precisam se preparar, estudar  o tema e dominar o assunto.   6. Como você avalia a fala  das debatedoras (tom  de voz, entonação,  clareza)  Resposta pessoal. Espera-se que os alunos  apontem que as debatedoras precisam ser  claras e coerentes em seus argumentos e  que a entonação de voz ajuda na defesa do  posicionamento assumido. Não gritaram,  mas falaram de maneira firme e  compassada.   7. Como você avalia a  postura das  debatedoras?  Pareceu-lhe  adequada?  Espera-se que os alunos apontem que elas  usaram a gesticulação a seu favor, fizeram  gestos comedidos e falaram olhando para  as pessoas.