SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE UNIDADES DE
INFORMAÇÃO - PPGinfo
Disciplina: Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Profª: Lani Lucas
Aluna: Juliana Aparecida Gulka Data: 13/04/2015
RESENHA
BUFREM, Leilah; PRATES, Yara. O saber científico registrado e as práticas de
mensuração da informação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. 9-25, 2005.
GOUVEIA, Fábio Castro; LANG, Pamela. Da webometria à altmetria: uma jornada
por uma ciência emergente. In: ALBAGLI, Sarita (Org). Fronteiras da Ciência da
Informação. Brasília: IBICT, 2013.
PRINCIPE, Eloisa. Comunicação científica e redes sociais. In: ALBAGLI, Sarita
(Org). Fronteiras da Ciência da Informação. Brasília: IBICT, 2013.
A diversidade e ampliação nas modalidades de pesquisa e nos suportes
informacionais ocasionou uma proliferação de termos para designar as atividades de
mensuração na pesquisa informacional. Mapear, analisar e identificar esses termos
esclarece implicações semânticas, apoia atividades científicas e elenca
possibilidades de instrumentos que podem ser utilizados nas atividades de
mensuração.
Bufrem e Prates (2005) desenvolveram o artigo apontando para duas
direções: a literatura da área consolidada, e a literatura recente sobre o assunto.
Estudar as técnicas quantitativas permite verificar as tendências, além de perceber
as mudanças que ocorreram com o passar do tempo.
As autoras apontam que o termo Bibliometria era utilizado desde meados de
1890, mas que foi somente em 1969 que passou a ser chamada como conhecemos.
No Brasil, foi por volta de 1970, através do mestrado do IBBD (atualmente IBICT)
que começou a aparecer como enfoque metodológico das dissertações defendidas.
Entre 1972 e 1995, 27% do total de dissertações defendidas utilizaram enfoque
metodológico da bibliometria.
As autoras salientam ainda a necessidade de se trabalhar também com a
análise contextual, de modo que esta complementa a análise bibliométrica, focada
em características externas, enquanto a contextual é feita por especialistas na
matéria.
A cientometria também é citada, enquanto método quantitativo utilizado para
estudar as atividades científicas do ponto de vista de sua produção e comunicação.
Chama-se de “ciência da ciência”. Para a cientometria, uma fonte de dados usual
nas pesquisas são os índices publicados pelo ISI.
Bufrem e Prates (2005) apontam ainda para a informetria, direcionada para
práticas em qualquer suporte e tipo de informação; e para a webometria, como uma
área dentro da informetria.
No quadro 2 apresentado no artigo, é demonstrado a utilização de termos em
pesquisas publicadas de 1980 a 2001. As autoras apontam um crescimento de
estudos mensurativos a partir de 1996, com o surgimento de termo informetria em
1998 e a retomada da temática bibliométrica com mais força em 1999.
Gouveia e Lang (2013) apresentam em seu texto considerações acerca da
webometria, webmetria, cibermetria e altmetria.
Para os autores, a webometria como campo de estudo da Ciência da
Informação surgiu em 1997, tendo como estudo as tecnologias da web. Já
webmetria seriam mais especificamente as métricas de acesso ao sites da web, por
análise de logs, sendo um subconjunto da webometria. A cibermetria, por sua vez,
estudar as tecnologia da internet como um todo. Dessa forma, como afirmam os
autores “todos os estudos webométricos são também considerados cibermétricos”
(p. 173).
Em pesquisa realizada na web of Science, tendo como filtro o período de
1997 a 2012, foram encontrados 211 trabalhos dentro da temática “webometrics” e
“webmetry”, sendo a maioria da área da Ciência da Informação, com predomínio do
idioma inglês e destaque para o local de publicação sendo a Inglaterra e Espanha,
tendo o Brasil constando em 8º lugar no número de publicações, junto com a Bélgica
e a Holanda.
De acordo com os autores, muitos estudos podem ter ficado de fora dessa
contagem, pois em virtude do caráter dos estudos serem exploratórios, são
publicados em periódicos nacionais não indexados em bases internacionais.
A coleta de dados webométricos pode ser feita com a utilização de
webcrawlers e mecanismos de busca. Os métodos são Fator de Impacto da Web,
Fator de Impacto na Web Externo, Fator de Impacto na Web Externo com Logarítmo
Natural, Co Links (co-inlink; co-outlink) e Interlink.
No âmbito da webmetria, acredita-se que tudo ou a maioria das coisas fica
registrada na internet, e por isso é possível utilizar Page Tagging via Google
Analytics para conseguir métricas. As mais utilizadas são visitantes, visitas, páginas
vistas e visitantes únicos.
Os autores ainda citam o termo altmetria, no qual as especulações sobre
começaram entre 2008 e 2010, levando em conta o potencial de uso de dados da
internet para estudos cientométricos. A vantagem é que a altmetria permite ver a
ciência em ação, e é facilitada por gestores como o Mendeley e Zotero, o agregador
ResearchBlogging e bookmarks como o Delicious e CiteUlike, além das redes
sociais Facebook e Twitter. Ferramentas para a altmetria são o altmetric.com,
ImpactStory e Reader Meter.
Bufrem e Prates (2005) reafirmam em seu texto que permanece a
necessidade do aprofundamento dos contextos, com estudos qualitativos, pois ainda
se tem a predominância de pesquisas quantitativas.
Eloísa Príncipe em seu texto “comunicação científica e mídias sociais” aponta
que as redes sociais e os blogs possibilitam uma maior interação entre autores,
leitores e editores a medida que amplia a visibilidade e a disseminação de
conteúdos não apenas para as comunidades científicas mas também para a a
sociedade em geral.
O termo blog parece ter sido utilizado pela primeira vez em 1997, e de acordo
com a autora, os blogs científicos ainda são pouco utilizados no Brasil, mas muito
difundidos na Europa e EUA, nas áreas de exatas e biomédicas. No exterior, os
blogs funcionam como uma rede no qual os cientistas falam de seus trabalhos e
podem comentar o de colegas, enquanto que no Brasil eles são utilizados mais para
divulgação científica.
O uso de redes sociais também se mostra avançado no exterior, onde
periódicos como Science e Nature estão presentes nesse nicho. As redes sociais
fornecem uma perspectiva além das citações tradicionais para medir o impacto
científico, favorecendo o contato regular com os pares e servindo como filtros para a
ciência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dadosBases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Paula Carina De Araújo
 
Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...
Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...
Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...
Projeto RCAAP
 
A ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científicaA ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científica
Paula Carina De Araújo
 
A internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimica
A internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimicaA internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimica
A internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimica
Antonio Carlos Flash Batista
 
Estudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da InformaçãoEstudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da Informação
Paula Carina De Araújo
 
Preprints: nova tendência de comunicação científica
Preprints: nova tendência de comunicação científicaPreprints: nova tendência de comunicação científica
Preprints: nova tendência de comunicação científica
Projeto RCAAP
 
2a apresentação pb g5
2a apresentação pb g52a apresentação pb g5
2a apresentação pb g5
pekenit5a1991
 

Mais procurados (7)

Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dadosBases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
 
Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...
Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...
Ciência Aberta e Políticas de Avaliação de Financiadores de Pesquisa em Saúde...
 
A ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científicaA ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científica
 
A internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimica
A internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimicaA internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimica
A internet como_fonte_de_informacao_bibliografica_em_quimica
 
Estudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da InformaçãoEstudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da Informação
 
Preprints: nova tendência de comunicação científica
Preprints: nova tendência de comunicação científicaPreprints: nova tendência de comunicação científica
Preprints: nova tendência de comunicação científica
 
2a apresentação pb g5
2a apresentação pb g52a apresentação pb g5
2a apresentação pb g5
 

Destaque

Libbey - Glassware
Libbey - GlasswareLibbey - Glassware
Libbey - Glassware
Nugroho Suwardani
 
Recife open-2011-apresentacao
Recife open-2011-apresentacaoRecife open-2011-apresentacao
Recife open-2011-apresentacao
SquashTennisCenter
 
Planificacionyorganizacion (COBIT)-milton
Planificacionyorganizacion (COBIT)-miltonPlanificacionyorganizacion (COBIT)-milton
Planificacionyorganizacion (COBIT)-milton
miltonllivi
 
Proba
ProbaProba
Proba
cris3mf
 
Alvo em movimento
Alvo em movimentoAlvo em movimento
Alvo em movimento
Paulo Ferreira
 
Presentacion medytronic banco de sangre_(20.09)x
Presentacion medytronic banco de sangre_(20.09)xPresentacion medytronic banco de sangre_(20.09)x
Presentacion medytronic banco de sangre_(20.09)x
qualytechsac
 
Mi primera presentacion
Mi primera presentacionMi primera presentacion
Mi primera presentacion
loree96
 
La lectura pp
La lectura ppLa lectura pp
La lectura pp
Yohana Gutièrrez
 
Cynthia
CynthiaCynthia
Formatos segunda raquira
Formatos segunda raquiraFormatos segunda raquira
Formatos segunda raquira
lilianacpe
 
Exercicio Mestrado
Exercicio MestradoExercicio Mestrado
Exercicio Mestrado
Cynthia Macedo Dias
 
Act. 2 reconocimiento general_y_de_actores
Act. 2 reconocimiento general_y_de_actoresAct. 2 reconocimiento general_y_de_actores
Act. 2 reconocimiento general_y_de_actores
theindian
 
Sistemas operacionais prof
Sistemas operacionais profSistemas operacionais prof
Sistemas operacionais prof
Marcelo Gonzaga
 
Curso Tecnicas de Apresentacao: Falar para Liderar
Curso Tecnicas de Apresentacao: Falar para LiderarCurso Tecnicas de Apresentacao: Falar para Liderar
Curso Tecnicas de Apresentacao: Falar para Liderar
Grupo Treinar
 
Apresentação da Letras d'Ouro
Apresentação da Letras d'OuroApresentação da Letras d'Ouro
Apresentação da Letras d'Ouro
Letras d'Ouro
 
Ativ03 andrea
Ativ03 andreaAtiv03 andrea
Ativ03 andrea
algigg
 
Festa da unid. kennedy jogos
Festa da unid. kennedy  jogosFesta da unid. kennedy  jogos
Festa da unid. kennedy jogos
Joana Darc Tavares
 
La composición – campo visual parte 2
La composición – campo visual parte 2La composición – campo visual parte 2
La composición – campo visual parte 2
Daniela Fonseca Giraldo
 
En torno a la cultura escrita
En torno a la cultura escrita En torno a la cultura escrita
En torno a la cultura escrita
Michael Virgüez
 
Instruções Projeto Final
Instruções Projeto FinalInstruções Projeto Final
Instruções Projeto Final
Instituto Faber-Ludens
 

Destaque (20)

Libbey - Glassware
Libbey - GlasswareLibbey - Glassware
Libbey - Glassware
 
Recife open-2011-apresentacao
Recife open-2011-apresentacaoRecife open-2011-apresentacao
Recife open-2011-apresentacao
 
Planificacionyorganizacion (COBIT)-milton
Planificacionyorganizacion (COBIT)-miltonPlanificacionyorganizacion (COBIT)-milton
Planificacionyorganizacion (COBIT)-milton
 
Proba
ProbaProba
Proba
 
Alvo em movimento
Alvo em movimentoAlvo em movimento
Alvo em movimento
 
Presentacion medytronic banco de sangre_(20.09)x
Presentacion medytronic banco de sangre_(20.09)xPresentacion medytronic banco de sangre_(20.09)x
Presentacion medytronic banco de sangre_(20.09)x
 
Mi primera presentacion
Mi primera presentacionMi primera presentacion
Mi primera presentacion
 
La lectura pp
La lectura ppLa lectura pp
La lectura pp
 
Cynthia
CynthiaCynthia
Cynthia
 
Formatos segunda raquira
Formatos segunda raquiraFormatos segunda raquira
Formatos segunda raquira
 
Exercicio Mestrado
Exercicio MestradoExercicio Mestrado
Exercicio Mestrado
 
Act. 2 reconocimiento general_y_de_actores
Act. 2 reconocimiento general_y_de_actoresAct. 2 reconocimiento general_y_de_actores
Act. 2 reconocimiento general_y_de_actores
 
Sistemas operacionais prof
Sistemas operacionais profSistemas operacionais prof
Sistemas operacionais prof
 
Curso Tecnicas de Apresentacao: Falar para Liderar
Curso Tecnicas de Apresentacao: Falar para LiderarCurso Tecnicas de Apresentacao: Falar para Liderar
Curso Tecnicas de Apresentacao: Falar para Liderar
 
Apresentação da Letras d'Ouro
Apresentação da Letras d'OuroApresentação da Letras d'Ouro
Apresentação da Letras d'Ouro
 
Ativ03 andrea
Ativ03 andreaAtiv03 andrea
Ativ03 andrea
 
Festa da unid. kennedy jogos
Festa da unid. kennedy  jogosFesta da unid. kennedy  jogos
Festa da unid. kennedy jogos
 
La composición – campo visual parte 2
La composición – campo visual parte 2La composición – campo visual parte 2
La composición – campo visual parte 2
 
En torno a la cultura escrita
En torno a la cultura escrita En torno a la cultura escrita
En torno a la cultura escrita
 
Instruções Projeto Final
Instruções Projeto FinalInstruções Projeto Final
Instruções Projeto Final
 

Semelhante a Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica

Fontes de informação online
Fontes de informação onlineFontes de informação online
Fontes de informação online
Allan Júlio Santos
 
Epistemologia em cibercultura Abciber 2009
Epistemologia em cibercultura Abciber 2009Epistemologia em cibercultura Abciber 2009
Epistemologia em cibercultura Abciber 2009
Adriana Amaral
 
Ciência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impacto
Ciência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impactoCiência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impacto
Ciência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impacto
Ronaldo Araújo
 
Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento co...
Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento  co...Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento  co...
Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento co...
Angelina Licório
 
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Patricia Neubert
 
Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...
Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...
Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Análise bibliométrica
Análise bibliométricaAnálise bibliométrica
Análise bibliométrica
USP
 
bases especializadas.pdf
bases especializadas.pdfbases especializadas.pdf
bases especializadas.pdf
juliana fachin
 
Apresentação defesa
Apresentação defesaApresentação defesa
Apresentação defesa
Patricia Neubert
 
Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt...
 Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt... Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt...
Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Leticia Strehl
 
Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...
Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...
Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Tmp 2015
Tmp 2015Tmp 2015
O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...
O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...
O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...
UFSC
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
Epic UFMG
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
Epic UFMG
 
Como redigir e preparar um artigo científico.pptx
Como redigir e preparar um artigo científico.pptxComo redigir e preparar um artigo científico.pptx
Como redigir e preparar um artigo científico.pptx
JeffersonPereira360732
 
O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS
 O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS
O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...
ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...
ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...
Ronaldo Araújo
 
GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...
GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...
GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...
Rodrigo Moreira Garcia
 

Semelhante a Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica (20)

Fontes de informação online
Fontes de informação onlineFontes de informação online
Fontes de informação online
 
Epistemologia em cibercultura Abciber 2009
Epistemologia em cibercultura Abciber 2009Epistemologia em cibercultura Abciber 2009
Epistemologia em cibercultura Abciber 2009
 
Ciência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impacto
Ciência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impactoCiência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impacto
Ciência 2.0 e a presença online de pesquisadores: visibilidade e impacto
 
Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento co...
Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento  co...Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento  co...
Análise bibliométrica de produção científica sobre gestão do conhecimento co...
 
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
 
Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...
Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...
Altmetria de artigos de periódicos brasileiros de acesso aberto na ScienceOpe...
 
Análise bibliométrica
Análise bibliométricaAnálise bibliométrica
Análise bibliométrica
 
bases especializadas.pdf
bases especializadas.pdfbases especializadas.pdf
bases especializadas.pdf
 
Apresentação defesa
Apresentação defesaApresentação defesa
Apresentação defesa
 
Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt...
 Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt... Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt...
Visibilidade Científica em Acesso Aberto nas Mídias Sociais: uma análise alt...
 
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
Curso de Cienciometria. Aula 1, Os conceitos das metrias e os contextos da co...
 
Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...
Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...
Citações e métricas complementares: um estudo da sua correlação em artigos ci...
 
Tmp 2015
Tmp 2015Tmp 2015
Tmp 2015
 
O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...
O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...
O papel das publicações científicas e da gestão da informação no cenário acad...
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
 
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇÃO: comparação entre estudos de uso, de compor...
 
Como redigir e preparar um artigo científico.pptx
Como redigir e preparar um artigo científico.pptxComo redigir e preparar um artigo científico.pptx
Como redigir e preparar um artigo científico.pptx
 
O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS
 O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS
O USO DE MÍDIAS SOCIAIS POR ACADÊMICOS BRASILEIROS
 
ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...
ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...
ALTMETRIA E ATENÇÃO ON-LINE DA PRODUÇÃO DE PESQUISADORES BRASILEIROS: análise...
 
GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...
GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...
GOOGLE SCHOLAR COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA EM BIBLIOTECAS ACADÊM...
 

Mais de Juliana Gulka

Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso abertoRevisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Juliana Gulka
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
Juliana Gulka
 
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em BibliotecasServiços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Juliana Gulka
 
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de InformaçãoGestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Juliana Gulka
 
Ações de Comunicação
Ações de ComunicaçãoAções de Comunicação
Ações de Comunicação
Juliana Gulka
 
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Juliana Gulka
 
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Juliana Gulka
 
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Juliana Gulka
 
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Juliana Gulka
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Juliana Gulka
 
Discurso de Formatura
Discurso de FormaturaDiscurso de Formatura
Discurso de Formatura
Juliana Gulka
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
Juliana Gulka
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
Juliana Gulka
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
Juliana Gulka
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
Juliana Gulka
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
Juliana Gulka
 
Projeto de Índice
Projeto de ÍndiceProjeto de Índice
Projeto de Índice
Juliana Gulka
 
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosAnalise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Juliana Gulka
 
Museu
MuseuMuseu
OAI - Open Archives Initiative
OAI - Open Archives Initiative OAI - Open Archives Initiative
OAI - Open Archives Initiative
Juliana Gulka
 

Mais de Juliana Gulka (20)

Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso abertoRevisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em BibliotecasServiços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
 
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de InformaçãoGestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
 
Ações de Comunicação
Ações de ComunicaçãoAções de Comunicação
Ações de Comunicação
 
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
 
Discurso de Formatura
Discurso de FormaturaDiscurso de Formatura
Discurso de Formatura
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
 
Projeto de Índice
Projeto de ÍndiceProjeto de Índice
Projeto de Índice
 
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosAnalise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
 
Museu
MuseuMuseu
Museu
 
OAI - Open Archives Initiative
OAI - Open Archives Initiative OAI - Open Archives Initiative
OAI - Open Archives Initiative
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 

Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE UNIDADES DE INFORMAÇÃO - PPGinfo Disciplina: Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica Profª: Lani Lucas Aluna: Juliana Aparecida Gulka Data: 13/04/2015 RESENHA BUFREM, Leilah; PRATES, Yara. O saber científico registrado e as práticas de mensuração da informação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. 9-25, 2005. GOUVEIA, Fábio Castro; LANG, Pamela. Da webometria à altmetria: uma jornada por uma ciência emergente. In: ALBAGLI, Sarita (Org). Fronteiras da Ciência da Informação. Brasília: IBICT, 2013. PRINCIPE, Eloisa. Comunicação científica e redes sociais. In: ALBAGLI, Sarita (Org). Fronteiras da Ciência da Informação. Brasília: IBICT, 2013. A diversidade e ampliação nas modalidades de pesquisa e nos suportes informacionais ocasionou uma proliferação de termos para designar as atividades de mensuração na pesquisa informacional. Mapear, analisar e identificar esses termos esclarece implicações semânticas, apoia atividades científicas e elenca possibilidades de instrumentos que podem ser utilizados nas atividades de mensuração. Bufrem e Prates (2005) desenvolveram o artigo apontando para duas direções: a literatura da área consolidada, e a literatura recente sobre o assunto. Estudar as técnicas quantitativas permite verificar as tendências, além de perceber as mudanças que ocorreram com o passar do tempo. As autoras apontam que o termo Bibliometria era utilizado desde meados de 1890, mas que foi somente em 1969 que passou a ser chamada como conhecemos. No Brasil, foi por volta de 1970, através do mestrado do IBBD (atualmente IBICT) que começou a aparecer como enfoque metodológico das dissertações defendidas. Entre 1972 e 1995, 27% do total de dissertações defendidas utilizaram enfoque metodológico da bibliometria.
  • 2. As autoras salientam ainda a necessidade de se trabalhar também com a análise contextual, de modo que esta complementa a análise bibliométrica, focada em características externas, enquanto a contextual é feita por especialistas na matéria. A cientometria também é citada, enquanto método quantitativo utilizado para estudar as atividades científicas do ponto de vista de sua produção e comunicação. Chama-se de “ciência da ciência”. Para a cientometria, uma fonte de dados usual nas pesquisas são os índices publicados pelo ISI. Bufrem e Prates (2005) apontam ainda para a informetria, direcionada para práticas em qualquer suporte e tipo de informação; e para a webometria, como uma área dentro da informetria. No quadro 2 apresentado no artigo, é demonstrado a utilização de termos em pesquisas publicadas de 1980 a 2001. As autoras apontam um crescimento de estudos mensurativos a partir de 1996, com o surgimento de termo informetria em 1998 e a retomada da temática bibliométrica com mais força em 1999. Gouveia e Lang (2013) apresentam em seu texto considerações acerca da webometria, webmetria, cibermetria e altmetria. Para os autores, a webometria como campo de estudo da Ciência da Informação surgiu em 1997, tendo como estudo as tecnologias da web. Já webmetria seriam mais especificamente as métricas de acesso ao sites da web, por análise de logs, sendo um subconjunto da webometria. A cibermetria, por sua vez, estudar as tecnologia da internet como um todo. Dessa forma, como afirmam os autores “todos os estudos webométricos são também considerados cibermétricos” (p. 173). Em pesquisa realizada na web of Science, tendo como filtro o período de 1997 a 2012, foram encontrados 211 trabalhos dentro da temática “webometrics” e “webmetry”, sendo a maioria da área da Ciência da Informação, com predomínio do idioma inglês e destaque para o local de publicação sendo a Inglaterra e Espanha, tendo o Brasil constando em 8º lugar no número de publicações, junto com a Bélgica e a Holanda. De acordo com os autores, muitos estudos podem ter ficado de fora dessa contagem, pois em virtude do caráter dos estudos serem exploratórios, são publicados em periódicos nacionais não indexados em bases internacionais.
  • 3. A coleta de dados webométricos pode ser feita com a utilização de webcrawlers e mecanismos de busca. Os métodos são Fator de Impacto da Web, Fator de Impacto na Web Externo, Fator de Impacto na Web Externo com Logarítmo Natural, Co Links (co-inlink; co-outlink) e Interlink. No âmbito da webmetria, acredita-se que tudo ou a maioria das coisas fica registrada na internet, e por isso é possível utilizar Page Tagging via Google Analytics para conseguir métricas. As mais utilizadas são visitantes, visitas, páginas vistas e visitantes únicos. Os autores ainda citam o termo altmetria, no qual as especulações sobre começaram entre 2008 e 2010, levando em conta o potencial de uso de dados da internet para estudos cientométricos. A vantagem é que a altmetria permite ver a ciência em ação, e é facilitada por gestores como o Mendeley e Zotero, o agregador ResearchBlogging e bookmarks como o Delicious e CiteUlike, além das redes sociais Facebook e Twitter. Ferramentas para a altmetria são o altmetric.com, ImpactStory e Reader Meter. Bufrem e Prates (2005) reafirmam em seu texto que permanece a necessidade do aprofundamento dos contextos, com estudos qualitativos, pois ainda se tem a predominância de pesquisas quantitativas. Eloísa Príncipe em seu texto “comunicação científica e mídias sociais” aponta que as redes sociais e os blogs possibilitam uma maior interação entre autores, leitores e editores a medida que amplia a visibilidade e a disseminação de conteúdos não apenas para as comunidades científicas mas também para a a sociedade em geral. O termo blog parece ter sido utilizado pela primeira vez em 1997, e de acordo com a autora, os blogs científicos ainda são pouco utilizados no Brasil, mas muito difundidos na Europa e EUA, nas áreas de exatas e biomédicas. No exterior, os blogs funcionam como uma rede no qual os cientistas falam de seus trabalhos e podem comentar o de colegas, enquanto que no Brasil eles são utilizados mais para divulgação científica. O uso de redes sociais também se mostra avançado no exterior, onde periódicos como Science e Nature estão presentes nesse nicho. As redes sociais fornecem uma perspectiva além das citações tradicionais para medir o impacto científico, favorecendo o contato regular com os pares e servindo como filtros para a ciência.