SlideShare uma empresa Scribd logo
newsletter nº 3




Repositórios de informação e ambientes de aprendizagem:
Criação de espaços virtuais para a promoção da literacia
e da responsabilidade social




                                                                                   Ana Bela Martins
                                                            Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares
                                                                                     Eloy Rodrigues
                                                           Director dos Serviços de Documentação
                                                                         da Universidade do Minho
                                                                             Manuela Barreto Nunes
                                                                               Directora da Biblioteca
                                                                            da Universidade do Minho




                                     REPOSITÓRIOS DIGITAIS

       Resumo

Repositórios digitais são colecções de informação digital, que podem ser construídas de
diferentes formas e com diferentes propósitos. Podem ser colaborativos e com um controlo
suave dos conteúdos e da autoridade dos documentos, tal como as dirigidas para o público em
geral (a Wikipedia é um exemplo). Mas podem, também, ter um alto nível de controlo e ser
concebidas para promover a literacia e uma aprendizagem responsável, dirigidos a públicos
específicos de utilizadores, como, por exemplo, os estudantes. Nos novos ambientes de
aprendizagem, construídos a partir das tecnologias digitais, a necessidade de promover a
qualidade dos recursos de informação que podem suportar a aprendizagem a distância, formal
e informal, emerge como um dos grandes desafios que as bibliotecas escolares têm de
enfrentar. É tempo das bibliotecas escolares, nomeadamente através de redes regionais ou
nacionais de bibliotecas escolares, começarem a criar os seus repositórios de informação,
orientados para os alunos e para as suas necessidades específicas de informação e
aprendizagem. A criação destes repositórios obriga a um enorme trabalho de colaboração
entre professores bibliotecários, professores, alunos, famílias e outros agentes sociais que
interajam com a comunidade escolar, que é, por si só, uma forma de promover a
aprendizagem cooperativa e a responsabilidade social entre todos os membros das
comunidades referidas. Nesta apresentação, discutiremos as bases e os princípios, que estão
subjacentes à construção dos repositórios de informação e das plataformas de aprendizagem
propostas, tal como a necessidade de um constante diálogo entre as questões técnicas e as de
conteúdo.

        Existem entendimentos e definições diferentes sobre repositórios de informação ou
repositórios digitais. A questão mais relevante para esta diversidade é a grande variedade de
contextos, comunidades, objectivos e práticas ligadas à criação e funcionamento destes
repositórios. De sistemas mundiais, cobrindo todos os assuntos, permitindo a qualquer pessoa
colocar ou editar informação, a institucionais ou sistemas por assuntos, unicamente para
utilizadores autorizados, com procedimentos de aprovação e de controlo de qualidade.

       Ao mesmo tempo, como muitas comunidades de prática – bibliotecas, aprendizagem a
distância, sistemas de informação, publicações, arquivos e gestão de registos – convergem e



                                                                         NEWSLETTER RBE N.º 3
newsletter nº 3


têm um papel activo no desenvolvimento de repositórios digitais, será útil explicitar e analisar
o sentido dos repositórios. Então o que entendemos por repositórios digitais?

      Neste texto assumimos a definição do “Digital Repositories JISC Briefing Paper (2005)”,
um repositório digital é aquele onde conteúdos digitais, recursos, estão armazenados e podem
ser pesquisados e recuperados para uso posterior. Um repositório suporta mecanismos de
importação, exportação, identificação, armazenamento e recuperação de recursos digitais. No
entanto, mesmo esta definição é geral e pode ser aplicada a diferentes sistemas de
informação.

Torna-se, assim, necessário, clarificar quais os aspectos e características dos repositórios
digitais que os diferenciam de base de dados, de sistemas de gestão de conteúdos, e de outros
que armazenam conteúdos digitais. Quatro características foram identificadas como
diferenciadoras dos repositórios, relativamente a outras colecções digitais (Heery & Anderson,
2005, p. 1-2):
       •   Os conteúdos são depositados num repositório, quer pelo autor, proprietário ou por
           terceiro
       •   A arquitectura do repositório gere tanto conteúdo como meta dados
       •   O repositório oferece um conjunto de serviços básicos mínimos, ex.: colocar,
           encontrar, pesquisar, controlo de acesso

O repositório deve ser sustentável e fiável, bem enquadrado e bem gerido
O focus e a motivação para criar repositórios digitais pode também diferir, de acordo com o
contexto e as comunidades onde foram construídos e, consequentemente, existe alguma
variação nos serviços que disponibilizam, numa variedade de diversas áreas funcionais, como
o acesso ligado aos recursos, modalidades novas de publicação, partilha de dados (reutilizar
objectos de aprendizagem e de dados de pesquisa (Heery & Anderson, 2005, p. 6).
Do conjunto dos sistemas chamados repositórios, os institucionais são o subconjunto mais
numeroso e o mais importante. De acordo com uma das definições citadas, os repositórios
institucionais são “um conjunto de serviços que uma universidade oferece aos membros da sua
comunidade, para a gestão e disseminação de materiais digitais, criados pela instituição e
pelos seus membros” (Lynch, 2003).
Os repositórios digitais emergiram no contexto da universidade e relacionaram-se com a
introdução do Open Acess à literatura científica (SPARC, 2002). Arquivo próprio (individual) de
artigos de jornal revistos, em repositórios institucionais é uma das duas estratégias para o
“Open Acess” (tal como se encontra definido no Budapest Open Acess Initiative -
http://www.soros.org/openaccess/ - e em Open Access Journals) e é o caminho mais eficaz e
rápido para alcançá-lo (Harnad, 2005).
        Mas apesar desta origem, os repositórios institucionais estão a ser usados para
arquivar, disseminar e preservar outros tipos de originais e de documentos, como artigos de
investigação e outros, e estão a ser construídos fora da universidade ou de ambiente de
investigação. Neste sentido, elaborado a partir da definição de Lynch (2003), o projeto
MIRACLE - Fazer Repositórios Institucionais num Ambiente de Aprendizagem Colaborativo -
repositórios institucionais definidos, no registo educacional institucional, como “um conjunto de
serviços que uma instituição de educação oferece aos membros de sua comunidade de
aprendizagem para a gestão e a disseminação dos materiais digitais criados pelos seus
membros. O compromisso organizacional para a gestão do desenho destes materiais digitais
inclui geralmente fornecer a preservação a longo termo, a organização, o acesso e serviços de
distribuição a longo prazo” (MIRACLE, 2006).
       Recentemente, existe um interesse crescente à volta dos repositórios em contextos de
ensino e de aprendizagem e um número cada vez maior de recursos de aprendizagem ou de
repositórios de objectos de aprendizagem está a ser desenvolvido e disponibilizado. Uma das
razões para o aumento do número dos repositórios é a disponibilidade crescente de
plataformas para alojar e desenvolver repositórios.




                                                                         NEWSLETTER RBE N.º 3
newsletter nº 3


       De facto, além das plataformas comerciais para repositórios gerais (como Digital
Commons) ou das plataformas especializadas comerciais para repositórios de objectos de
aprendizagem (como o Blackboard Content System, Desire2Learn or The Learning Edge) há
diversas plataformas Open Source disponíveis.

Vale a pena notar que, ao contrário do que acontece com grande número de plataformas
comerciais, a maioria daquelas plataformas de repositórios em Open Source executa um
protocolo que melhora a visibilidade e o “openness” dos conteúdos que aloja e permite a
interoperacionalidade entre repositórios e com outros sistemas de informação: os OAI-PMH,
Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (2002).
Não é objectivo deste trabalho comparar características e funcionalidade das diferentes
plataformas para repositórios e já existem alguns bons estudos comparativos disponíveis,
(Open Society Institute, 2004; CPIT, 2006). Apenas mencionaremos, brevemente três das
plataformas actualmente mais utilizadas para repositórios: DSpace, Eprints e Fedora.
- DSpace - www.dspace.orgwww.dspace.org- é um sistema de repositório digital, desenvolvido
conjuntamente pelas bibliotecas do MIT e pelo Hewlett-Packard (HP). DSpace está disponível
livremente como um sistema de livre acesso que possa adaptar-se e estender-se à captação,
armazenamento, indexação, preservação e redistribuição de documentos em formatos digitais.
A comunidade de utilizadores do DSpace gere o código base, dando origem a novas versões do
software. A liderar o trabalho de desenvolvimento da comunidade de DSpace está um grupo
dedicado de colaboradores e utilizadores chamados eCommitters. Actualmente há mais de 200
instalações de DSpace a nível mundial, a maior parte dando suporte principalmente a
repositórios institucionais na universidade, mas também repositórios de objectos de
aprendizagem, de teses online e o outro tipo de sistemas de arquivo digitais.
Eprints - www.eprints.org/- foi criado e ainda está a ser desenvolvido pela School of
Electronics and Computer Science of University of Southampton, UK Está livremente disponível
como software de acesso livre e é descrito como a maneira mais fácil e mais rápida de criar
repositórios de acesso livre na investigação da literatura, bases de dados científicos, teses,
relatórios e multimédia. Centrado no acesso livre à investigação na literatura, Eprints é a
plataforma mais usada para repositórios institucionais, ainda que apenas alguns sejam
significativos de outro tipo dos materiais (materiais de aprendizagem, etc.).
Fedora - www.fedora.info/ - é uma proposta de sistema de repositório de desenvolvido
conjuntamente pelas Universidades de Ciências da Informação de Cornell e pela Biblioteca da
Universidade da Virgínia. Fedora visa fornecer um software de repositório de livre acesso e
serviços relacionados para servir de base para muitos tipos de sistemas de gestão da
informação. Provavelmente o sistema com maior flexibilidade arquitectural para suportar tipos
diferentes de repositórios e de conteúdos, Fedora é, presentemente, o menos usado dos três
sistemas, provavelmente porque é o que exige mais tempo e conhecimento nas fases da
instalação, da configuração e de adaptação.
Usando     padrões    e   protocolos    abertos    que   contribuem     para   a   comunicação,
interoperacionalidade e integração entre sistemas diferentes, estes sistemas de software de
acesso livre podem provavelmente responder às exigências dos repositórios no futuro que
“serão muito mais interoperacionais com a utilização de sistemas de suporte ao ensino e
aprendizagem, ambientes virtuais/ ambientes de gestão/ ambientes de aprendizagem
individuais, sistemas de avaliação, ePortfólios, etc., tal como ferramentas de autoridade,
outros repositórios, portais e sistemas de biblioteca” (Heery & Powell, 2006, p. 8).
Repositórios digitais e ambientes de aprendizagem


O uso dos repositórios em ambientes de aprendizagem está a aumentar nos últimos anos, mas
a sua taxa de crescimento e de actualização daqueles sistemas pelas comunidades que
pretendem servir, não está a ir ao encontro das expectativas criadas de um rápido e
generalizado sucesso.
Integrado nos Repositórios Institucionais que arquivam tipos diferentes de documentos e




                                                                        NEWSLETTER RBE N.º 3
newsletter nº 3


materiais, ou permanecendo sozinhos enquanto sistemas de informação individualizados,
aqueles repositórios, chamados frequentemente Repositórios de Objectos de Aprendizagem
(LORs) visam suportar práticas de partilha e reutilização dos recursos para o ensino e
aprendizagem.
Definido como “as caixas digitais de armazenamento que alojam colecções de recursos digitais
num formato de objecto de aprendizagem: isto é, recursos que são projectados para serem
integrados, agregados e organizados em sequência, de maneira eficiente para produzir
“unidades de aprendizagem” que sejam significativas para os aprendentes” (Margaryan,
Milligan & Douglas, 2007, p. 3) LORs podem ser criados a nível institucional, regional, nacional
ou internacional.
Algumas das razões para a lenta adopção dos repositórios em ambientes de aprendizagem
podem ser encontradas nas dificuldades e barreiras técnicas, na falta de competências
tecnológicas ou na ausência de percepção desta situação pelos muitos potenciais utilizadores e
comunidades.
Mas, como referem Margaryan, Milligan & Douglas (2007, p. 3) o facto das LORs parecerem
mais dirigidas para a exploração do potencial tecnológico, “mais do que pelas necessidades de
aprendizagem ou contextos socioculturais das comunidades que visam servir” é certamente
umas das principais explicações.
Assim, ignorando na arquitectura as dimensões sociais e organizacionais, tal como Dobson,
LeBlanc & Burgoyne (2004, p.2) realçam, os resultados frequentemente traduzem-se em
“…deficientes articulações relativamente às necessidades dos utilizadores, desalinhamento com
políticas de mudança e planos, confusão dos papéis e responsabilidades nas práticas, e
consequentemente, fracos níveis de actualização tecnológica e de uso”.
Ao contrário, o projecto das LORs deve “ser baseado na compreensão de normas culturais e
nas expectativas das suas comunidades de utilizadores” (Margaryan, Currier, Littlejohn &
Nicol, 2006, p. 4).
Como vários autores referiram (Dalziel, 2005; Margaryan, Currier, Littlejohn & Nicol, 2006) os
repositórios bem sucedidos, promovendo a partilha e a reutilização de recursos e objectos de
aprendizagem, devem focar-se mais na comunidade do que no repositório, nas actividades de
aprendizagem e no projecto mais do que nos conteúdos, devem ser guiados pelas
necessidades pedagógicas, e não (principalmente) pelo poder da tecnologia.
As bibliotecas, particularmente as escolares, são o lugar natural para desenvolver repositórios
úteis e bem sucedidos. Ser o espaço e o serviço onde os recursos da informação são coligidos,
organizados e disponibilizados à comunidade, constituindo um ponto de encontro e de partilha,
jogando um papel importante enquanto lugar da comunidade na escola, com equipa
especializada, cultura e ambiente de qualidade e de serviço, as bibliotecas escolares podem
responder eficientemente a este desafio.



Construir repositórios digitais no contexto da biblioteca escolar
Como afirma Loertscher (2002), biblioteca escolar deve ser o sistema de informação essencial
para todos os estudantes e professores. Para estes utilizadores, tudo começa na biblioteca da
escola, visto que é uma plataforma para o mundo. É o lugar onde começar: um ambiente da
informação rico e seguro”.
Neste novo ambiente de informação, para a biblioteca permanecer o sistema de informação
essencial e a plataforma para o mundo, necessita responder, não somente às mudanças nas
práticas de aprendizagem e ensino, no actual cenário dos ambientes informacionais mas,
ainda, antecipar proactivamente aquelas mudanças.
Discutindo os desafios que as bibliotecas escolares têm de enfrentar na “paisagem digital”
Lorcan Dempsey, OCLC’s Chief Strategist, prevê que a médio prazo “ A biblioteca necessitará
comprometer-se com as principais oscilações nas práticas de pesquisa e de aprendizagem. A
curto prazo, a biblioteca deve começar a construir serviços em meios amigáveis e fluidos para



                                                                         NEWSLETTER RBE N.º 3
newsletter nº 3


os utilizadores, suportando a mistura dos conteúdos e dos serviços nos ambientes dos
utilizadores e desenvolver serviços digitais de tutoria (Dempsey, 2006).
    Neste sentido, a criação de repositórios digitais é uma tarefa decisiva para a concretização
da sua missão dentro da nova sociedade da informação, de acordo com as seguintes funções
atribuídas a todas as bibliotecas escolares:

       •   Identificação, selecção e avaliação dos recursos da informação que podem ser
           encontrados em ambientes diferentes;
       •   Organização e distribuição de tais recursos, em ambientes tradicionais e digitais, de
           acordo com suas características;
       •   Articulação dos curricula com os serviços de informação e outros;
       •   Coordenação e treino em estratégias de pesquisa, principalmente nos novos
           ambientes de informação (isto é, Internet) e nos processos de pesquisa mais usados
           mais pelos alunos.


No contexto da biblioteca da escola, os repositórios digitais devem ser associados à
distribuição de informação de qualidade e de suporte a conteúdos científicos. Isto significa que
estes repositórios requerem uma gestão partilhada das colecções, permitindo um trabalho
colaborativo com bibliotecas públicas e outras bibliotecas escolares, mas também com agentes
individuais, tais como professores e bibliotecários, dando também particular atenção a
interesses especiais, necessidades e uso da informação pelos estudantes. Para responder às
suas necessidades e para ajudá-los a ganhar autonomia na pesquisa, a construção de
repositórios digitais de qualidade, concebidos como ambientes de literacia, é uma tarefa que
as bibliotecas escolares devem assumir, como uma das suas missões mais importantes no
presente.
Eventualmente, a criação de repositórios digitais conduz a um ambiente organizacional
diferente, onde a necessidade de criar grupos de referência para a identificação, avaliação e a
selecção dos resultados dos recursos da informação, numa nova compreensão e uso da
biblioteca da escola pela comunidade educativa, considerada como um todo.
De fato, a construção e o desenvolvimento de repositórios digitais pode, ao mesmo tempo,
acolher e promover importantes mudanças dentro do ambiente de aprendizagem, onde a
biblioteca é um factor decisivo de cooperação liderando a criação de novos métodos de estudo
e de trabalhos, uma nova forma de relacionamento entre os professores bibliotecários e os
restantes professores, - o professor torna-se mais investigador e mentor de uma
aprendizagem baseada na pesquisa e o professor bibliotecário assume uma função de
formação, relativamente a estratégias de pesquisa, avaliação e organização da informação.
                                          Conclusão
É importante que as bibliotecas escolares comecem a criar repositórios digitais, orientados
para toda a comunidade escolar e dirigidos às suas necessidades específicas relacionadas com
a informação, o ensino e a aprendizagem.

Como a criação e manutenção desses repositórios exigem competências de professores,
bibliotecários, administradores de sistemas de computação e bastante tempo de trabalho, será
difícil que possam ser estabelecidos de forma isolada na escola. Mas a criação de repositórios
escolares de forma colaborativa, nomeadamente através da de redes regionais ou nacionais de
bibliotecas escolares, constitui uma possível e viável solução.

A criação destes repositórios implica um importante trabalho de colaboração entre professores
bibliotecários, professores, alunos, famílias e outros agentes sociais que interagem com a
comunidade escolar, o que constitui, por si só, uma forma de promover a aprendizagem
cooperativa e a responsabilidade social entre todos os membros da comunidade.




                                                                         NEWSLETTER RBE N.º 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bibliotecas 2.0
Bibliotecas 2.0Bibliotecas 2.0
Bibliotecas 2.0
lerparaviver
 
Final nótulas sobre a formação
Final nótulas sobre a formaçãoFinal nótulas sobre a formação
Final nótulas sobre a formação
Ricardo Charters d'Azevedo
 
Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais
Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais
Arquivos E Bib Digitais Apr 1
Arquivos E Bib  Digitais Apr  1Arquivos E Bib  Digitais Apr  1
Arquivos E Bib Digitais Apr 1
guest6835bb
 
Papel do Bibliotecário
Papel do BibliotecárioPapel do Bibliotecário
Papel do Bibliotecário
Maria Cristina Ferreira
 
Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_
Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_ Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_
Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_
Bibliotecas da Universidade de Aveiro
 
Biblioteca 2.0
Biblioteca 2.0Biblioteca 2.0
Biblioteca 2.0
zyzypires
 
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmasBibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Ana Glenyr
 
Biblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento e
Biblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento eBiblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento e
Biblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento e
Rafael Arza
 
Era digital manuela barreto nunes
Era digital manuela barreto nunesEra digital manuela barreto nunes
Era digital manuela barreto nunes
IsabelPereira2010
 
Desafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXIDesafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXI
Isabel Nina
 
Relatório - Tema 1
Relatório - Tema 1Relatório - Tema 1
Relatório - Tema 1
JABatista
 
Formação beja-cr
Formação  beja-crFormação  beja-cr
Formação beja-cr
ramos17mariac
 
Perspectivas da produção de recursos de aprendizagem para a web
Perspectivas  da produção de recursos de  aprendizagem para a webPerspectivas  da produção de recursos de  aprendizagem para a web
Perspectivas da produção de recursos de aprendizagem para a web
Reginaldo Albuquerque
 
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Filipe MS Bento
 
Diigo na Biblioteca Web 2.0
Diigo na Biblioteca Web 2.0Diigo na Biblioteca Web 2.0
Diigo na Biblioteca Web 2.0
rbarrosebsis
 
Relatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousa
Relatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousaRelatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousa
Relatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousa
Fátima Sousa
 

Mais procurados (17)

Bibliotecas 2.0
Bibliotecas 2.0Bibliotecas 2.0
Bibliotecas 2.0
 
Final nótulas sobre a formação
Final nótulas sobre a formaçãoFinal nótulas sobre a formação
Final nótulas sobre a formação
 
Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais
Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais
Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais
 
Arquivos E Bib Digitais Apr 1
Arquivos E Bib  Digitais Apr  1Arquivos E Bib  Digitais Apr  1
Arquivos E Bib Digitais Apr 1
 
Papel do Bibliotecário
Papel do BibliotecárioPapel do Bibliotecário
Papel do Bibliotecário
 
Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_
Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_ Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_
Bibliotecas da UA nas Jornadas Informação - Estarreja 2011_
 
Biblioteca 2.0
Biblioteca 2.0Biblioteca 2.0
Biblioteca 2.0
 
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmasBibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
 
Biblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento e
Biblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento eBiblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento e
Biblioteca Multimídia em saúde pública:compartilhamento de conhecimento e
 
Era digital manuela barreto nunes
Era digital manuela barreto nunesEra digital manuela barreto nunes
Era digital manuela barreto nunes
 
Desafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXIDesafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXI
 
Relatório - Tema 1
Relatório - Tema 1Relatório - Tema 1
Relatório - Tema 1
 
Formação beja-cr
Formação  beja-crFormação  beja-cr
Formação beja-cr
 
Perspectivas da produção de recursos de aprendizagem para a web
Perspectivas  da produção de recursos de  aprendizagem para a webPerspectivas  da produção de recursos de  aprendizagem para a web
Perspectivas da produção de recursos de aprendizagem para a web
 
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
 
Diigo na Biblioteca Web 2.0
Diigo na Biblioteca Web 2.0Diigo na Biblioteca Web 2.0
Diigo na Biblioteca Web 2.0
 
Relatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousa
Relatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousaRelatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousa
Relatório crítico tema 01.maria.fatima.n.sousa
 

Destaque

Sugestoes de leitura
Sugestoes de leituraSugestoes de leitura
Sugestoes de leitura
Graça Rosa
 
Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...
Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...
Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...
Graça Rosa
 
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas EscolaresO que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
Graça Rosa
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
Graça Rosa
 
Recursos educativos digitais___um_serviço público
Recursos educativos digitais___um_serviço públicoRecursos educativos digitais___um_serviço público
Recursos educativos digitais___um_serviço públicoGraça Rosa
 
20 Ideas for your Website Homepage Content
20 Ideas for your Website Homepage Content20 Ideas for your Website Homepage Content
20 Ideas for your Website Homepage Content
Barry Feldman
 
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job? Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Stanford GSB Corporate Governance Research Initiative
 

Destaque (7)

Sugestoes de leitura
Sugestoes de leituraSugestoes de leitura
Sugestoes de leitura
 
Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...
Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...
Dos recursos educativos digitais aos objectos de aprendizagem em contexto esc...
 
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas EscolaresO que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
 
Recursos educativos digitais___um_serviço público
Recursos educativos digitais___um_serviço públicoRecursos educativos digitais___um_serviço público
Recursos educativos digitais___um_serviço público
 
20 Ideas for your Website Homepage Content
20 Ideas for your Website Homepage Content20 Ideas for your Website Homepage Content
20 Ideas for your Website Homepage Content
 
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job? Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
 

Semelhante a Repositorios digitais

Bibliotecas Digitais CenáRios E Perspectivas
Bibliotecas Digitais   CenáRios E PerspectivasBibliotecas Digitais   CenáRios E Perspectivas
Bibliotecas Digitais CenáRios E Perspectivas
AnaSAnaO
 
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação DigitalRepositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Educação e bibliotecas digitais
Educação e bibliotecas digitaisEducação e bibliotecas digitais
Educação e bibliotecas digitais
Cassia Furtado
 
A Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de Famalicão
A Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de FamalicãoA Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de Famalicão
A Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de Famalicão
Pedro Príncipe
 
Learning Commons: Inovando nos espaços da Biblioteca
Learning Commons: Inovando nos espaços da BibliotecaLearning Commons: Inovando nos espaços da Biblioteca
Learning Commons: Inovando nos espaços da Biblioteca
Universidade de São Paulo
 
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...
Pedro Príncipe
 
Desafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuroDesafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuro
Luis Borges Gouveia
 
Software DSpace 1 de 4
Software DSpace 1 de 4Software DSpace 1 de 4
Software DSpace 1 de 4
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecasTecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas
Pedro Príncipe
 
A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas
A BIBLIOTECA DIGITAL:  novos meios para velhas práticas A BIBLIOTECA DIGITAL:  novos meios para velhas práticas
A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas
Diana Carla Mendonça
 
Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...
Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...
Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...
Cornélia Castro
 
Relatório - Tema 2
Relatório - Tema 2Relatório - Tema 2
Relatório - Tema 2
JABatista
 
Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...
Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...
Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...
Elisabeth Dudziak
 
Ambientes de aprendizagem
Ambientes de aprendizagem Ambientes de aprendizagem
Ambientes de aprendizagem
madalena Madalena Moura
 
III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014
III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014
III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014
Emilia Pacheco
 
Congresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteracia
Congresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteraciaCongresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteracia
Congresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteracia
Diana Silva
 
Bibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidade
Bibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidadeBibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidade
Bibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidade
Pedro Príncipe
 
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Ana Glenyr
 
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...
Pedro Príncipe
 
Biblioteca escolar 2 powwer point
Biblioteca escolar 2 powwer pointBiblioteca escolar 2 powwer point
Biblioteca escolar 2 powwer point
Ministério da Educação
 

Semelhante a Repositorios digitais (20)

Bibliotecas Digitais CenáRios E Perspectivas
Bibliotecas Digitais   CenáRios E PerspectivasBibliotecas Digitais   CenáRios E Perspectivas
Bibliotecas Digitais CenáRios E Perspectivas
 
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação DigitalRepositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
 
Educação e bibliotecas digitais
Educação e bibliotecas digitaisEducação e bibliotecas digitais
Educação e bibliotecas digitais
 
A Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de Famalicão
A Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de FamalicãoA Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de Famalicão
A Biblioteca e as Redes Sociais - Encontro das Bibliotecas de Famalicão
 
Learning Commons: Inovando nos espaços da Biblioteca
Learning Commons: Inovando nos espaços da BibliotecaLearning Commons: Inovando nos espaços da Biblioteca
Learning Commons: Inovando nos espaços da Biblioteca
 
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: oportunid...
 
Desafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuroDesafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuro
 
Software DSpace 1 de 4
Software DSpace 1 de 4Software DSpace 1 de 4
Software DSpace 1 de 4
 
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecasTecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas
 
A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas
A BIBLIOTECA DIGITAL:  novos meios para velhas práticas A BIBLIOTECA DIGITAL:  novos meios para velhas práticas
A BIBLIOTECA DIGITAL: novos meios para velhas práticas
 
Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...
Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...
Repositórios de Recursos Educativos Digitais em Portugal no Ensino Básico e S...
 
Relatório - Tema 2
Relatório - Tema 2Relatório - Tema 2
Relatório - Tema 2
 
Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...
Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...
Portais De Bibliotecas Universitarias e os Novos Contextos de Aprendizagem UN...
 
Ambientes de aprendizagem
Ambientes de aprendizagem Ambientes de aprendizagem
Ambientes de aprendizagem
 
III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014
III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014
III Encontro Partilhar Leituras, Faro março 2014
 
Congresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteracia
Congresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteraciaCongresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteracia
Congresso BAD 10 - Bibliotecas, Web e LIteracia
 
Bibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidade
Bibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidadeBibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidade
Bibliotecas, Web e Literacia: construir recursos e serviços em comunidade
 
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
 
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...
Tecnologias emergentes e ferramentas de web social nas bibliotecas: opor...
 
Biblioteca escolar 2 powwer point
Biblioteca escolar 2 powwer pointBiblioteca escolar 2 powwer point
Biblioteca escolar 2 powwer point
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Repositorios digitais

  • 1. newsletter nº 3 Repositórios de informação e ambientes de aprendizagem: Criação de espaços virtuais para a promoção da literacia e da responsabilidade social Ana Bela Martins Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares Eloy Rodrigues Director dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho Manuela Barreto Nunes Directora da Biblioteca da Universidade do Minho REPOSITÓRIOS DIGITAIS Resumo Repositórios digitais são colecções de informação digital, que podem ser construídas de diferentes formas e com diferentes propósitos. Podem ser colaborativos e com um controlo suave dos conteúdos e da autoridade dos documentos, tal como as dirigidas para o público em geral (a Wikipedia é um exemplo). Mas podem, também, ter um alto nível de controlo e ser concebidas para promover a literacia e uma aprendizagem responsável, dirigidos a públicos específicos de utilizadores, como, por exemplo, os estudantes. Nos novos ambientes de aprendizagem, construídos a partir das tecnologias digitais, a necessidade de promover a qualidade dos recursos de informação que podem suportar a aprendizagem a distância, formal e informal, emerge como um dos grandes desafios que as bibliotecas escolares têm de enfrentar. É tempo das bibliotecas escolares, nomeadamente através de redes regionais ou nacionais de bibliotecas escolares, começarem a criar os seus repositórios de informação, orientados para os alunos e para as suas necessidades específicas de informação e aprendizagem. A criação destes repositórios obriga a um enorme trabalho de colaboração entre professores bibliotecários, professores, alunos, famílias e outros agentes sociais que interajam com a comunidade escolar, que é, por si só, uma forma de promover a aprendizagem cooperativa e a responsabilidade social entre todos os membros das comunidades referidas. Nesta apresentação, discutiremos as bases e os princípios, que estão subjacentes à construção dos repositórios de informação e das plataformas de aprendizagem propostas, tal como a necessidade de um constante diálogo entre as questões técnicas e as de conteúdo. Existem entendimentos e definições diferentes sobre repositórios de informação ou repositórios digitais. A questão mais relevante para esta diversidade é a grande variedade de contextos, comunidades, objectivos e práticas ligadas à criação e funcionamento destes repositórios. De sistemas mundiais, cobrindo todos os assuntos, permitindo a qualquer pessoa colocar ou editar informação, a institucionais ou sistemas por assuntos, unicamente para utilizadores autorizados, com procedimentos de aprovação e de controlo de qualidade. Ao mesmo tempo, como muitas comunidades de prática – bibliotecas, aprendizagem a distância, sistemas de informação, publicações, arquivos e gestão de registos – convergem e NEWSLETTER RBE N.º 3
  • 2. newsletter nº 3 têm um papel activo no desenvolvimento de repositórios digitais, será útil explicitar e analisar o sentido dos repositórios. Então o que entendemos por repositórios digitais? Neste texto assumimos a definição do “Digital Repositories JISC Briefing Paper (2005)”, um repositório digital é aquele onde conteúdos digitais, recursos, estão armazenados e podem ser pesquisados e recuperados para uso posterior. Um repositório suporta mecanismos de importação, exportação, identificação, armazenamento e recuperação de recursos digitais. No entanto, mesmo esta definição é geral e pode ser aplicada a diferentes sistemas de informação. Torna-se, assim, necessário, clarificar quais os aspectos e características dos repositórios digitais que os diferenciam de base de dados, de sistemas de gestão de conteúdos, e de outros que armazenam conteúdos digitais. Quatro características foram identificadas como diferenciadoras dos repositórios, relativamente a outras colecções digitais (Heery & Anderson, 2005, p. 1-2): • Os conteúdos são depositados num repositório, quer pelo autor, proprietário ou por terceiro • A arquitectura do repositório gere tanto conteúdo como meta dados • O repositório oferece um conjunto de serviços básicos mínimos, ex.: colocar, encontrar, pesquisar, controlo de acesso O repositório deve ser sustentável e fiável, bem enquadrado e bem gerido O focus e a motivação para criar repositórios digitais pode também diferir, de acordo com o contexto e as comunidades onde foram construídos e, consequentemente, existe alguma variação nos serviços que disponibilizam, numa variedade de diversas áreas funcionais, como o acesso ligado aos recursos, modalidades novas de publicação, partilha de dados (reutilizar objectos de aprendizagem e de dados de pesquisa (Heery & Anderson, 2005, p. 6). Do conjunto dos sistemas chamados repositórios, os institucionais são o subconjunto mais numeroso e o mais importante. De acordo com uma das definições citadas, os repositórios institucionais são “um conjunto de serviços que uma universidade oferece aos membros da sua comunidade, para a gestão e disseminação de materiais digitais, criados pela instituição e pelos seus membros” (Lynch, 2003). Os repositórios digitais emergiram no contexto da universidade e relacionaram-se com a introdução do Open Acess à literatura científica (SPARC, 2002). Arquivo próprio (individual) de artigos de jornal revistos, em repositórios institucionais é uma das duas estratégias para o “Open Acess” (tal como se encontra definido no Budapest Open Acess Initiative - http://www.soros.org/openaccess/ - e em Open Access Journals) e é o caminho mais eficaz e rápido para alcançá-lo (Harnad, 2005). Mas apesar desta origem, os repositórios institucionais estão a ser usados para arquivar, disseminar e preservar outros tipos de originais e de documentos, como artigos de investigação e outros, e estão a ser construídos fora da universidade ou de ambiente de investigação. Neste sentido, elaborado a partir da definição de Lynch (2003), o projeto MIRACLE - Fazer Repositórios Institucionais num Ambiente de Aprendizagem Colaborativo - repositórios institucionais definidos, no registo educacional institucional, como “um conjunto de serviços que uma instituição de educação oferece aos membros de sua comunidade de aprendizagem para a gestão e a disseminação dos materiais digitais criados pelos seus membros. O compromisso organizacional para a gestão do desenho destes materiais digitais inclui geralmente fornecer a preservação a longo termo, a organização, o acesso e serviços de distribuição a longo prazo” (MIRACLE, 2006). Recentemente, existe um interesse crescente à volta dos repositórios em contextos de ensino e de aprendizagem e um número cada vez maior de recursos de aprendizagem ou de repositórios de objectos de aprendizagem está a ser desenvolvido e disponibilizado. Uma das razões para o aumento do número dos repositórios é a disponibilidade crescente de plataformas para alojar e desenvolver repositórios. NEWSLETTER RBE N.º 3
  • 3. newsletter nº 3 De facto, além das plataformas comerciais para repositórios gerais (como Digital Commons) ou das plataformas especializadas comerciais para repositórios de objectos de aprendizagem (como o Blackboard Content System, Desire2Learn or The Learning Edge) há diversas plataformas Open Source disponíveis. Vale a pena notar que, ao contrário do que acontece com grande número de plataformas comerciais, a maioria daquelas plataformas de repositórios em Open Source executa um protocolo que melhora a visibilidade e o “openness” dos conteúdos que aloja e permite a interoperacionalidade entre repositórios e com outros sistemas de informação: os OAI-PMH, Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting (2002). Não é objectivo deste trabalho comparar características e funcionalidade das diferentes plataformas para repositórios e já existem alguns bons estudos comparativos disponíveis, (Open Society Institute, 2004; CPIT, 2006). Apenas mencionaremos, brevemente três das plataformas actualmente mais utilizadas para repositórios: DSpace, Eprints e Fedora. - DSpace - www.dspace.orgwww.dspace.org- é um sistema de repositório digital, desenvolvido conjuntamente pelas bibliotecas do MIT e pelo Hewlett-Packard (HP). DSpace está disponível livremente como um sistema de livre acesso que possa adaptar-se e estender-se à captação, armazenamento, indexação, preservação e redistribuição de documentos em formatos digitais. A comunidade de utilizadores do DSpace gere o código base, dando origem a novas versões do software. A liderar o trabalho de desenvolvimento da comunidade de DSpace está um grupo dedicado de colaboradores e utilizadores chamados eCommitters. Actualmente há mais de 200 instalações de DSpace a nível mundial, a maior parte dando suporte principalmente a repositórios institucionais na universidade, mas também repositórios de objectos de aprendizagem, de teses online e o outro tipo de sistemas de arquivo digitais. Eprints - www.eprints.org/- foi criado e ainda está a ser desenvolvido pela School of Electronics and Computer Science of University of Southampton, UK Está livremente disponível como software de acesso livre e é descrito como a maneira mais fácil e mais rápida de criar repositórios de acesso livre na investigação da literatura, bases de dados científicos, teses, relatórios e multimédia. Centrado no acesso livre à investigação na literatura, Eprints é a plataforma mais usada para repositórios institucionais, ainda que apenas alguns sejam significativos de outro tipo dos materiais (materiais de aprendizagem, etc.). Fedora - www.fedora.info/ - é uma proposta de sistema de repositório de desenvolvido conjuntamente pelas Universidades de Ciências da Informação de Cornell e pela Biblioteca da Universidade da Virgínia. Fedora visa fornecer um software de repositório de livre acesso e serviços relacionados para servir de base para muitos tipos de sistemas de gestão da informação. Provavelmente o sistema com maior flexibilidade arquitectural para suportar tipos diferentes de repositórios e de conteúdos, Fedora é, presentemente, o menos usado dos três sistemas, provavelmente porque é o que exige mais tempo e conhecimento nas fases da instalação, da configuração e de adaptação. Usando padrões e protocolos abertos que contribuem para a comunicação, interoperacionalidade e integração entre sistemas diferentes, estes sistemas de software de acesso livre podem provavelmente responder às exigências dos repositórios no futuro que “serão muito mais interoperacionais com a utilização de sistemas de suporte ao ensino e aprendizagem, ambientes virtuais/ ambientes de gestão/ ambientes de aprendizagem individuais, sistemas de avaliação, ePortfólios, etc., tal como ferramentas de autoridade, outros repositórios, portais e sistemas de biblioteca” (Heery & Powell, 2006, p. 8). Repositórios digitais e ambientes de aprendizagem O uso dos repositórios em ambientes de aprendizagem está a aumentar nos últimos anos, mas a sua taxa de crescimento e de actualização daqueles sistemas pelas comunidades que pretendem servir, não está a ir ao encontro das expectativas criadas de um rápido e generalizado sucesso. Integrado nos Repositórios Institucionais que arquivam tipos diferentes de documentos e NEWSLETTER RBE N.º 3
  • 4. newsletter nº 3 materiais, ou permanecendo sozinhos enquanto sistemas de informação individualizados, aqueles repositórios, chamados frequentemente Repositórios de Objectos de Aprendizagem (LORs) visam suportar práticas de partilha e reutilização dos recursos para o ensino e aprendizagem. Definido como “as caixas digitais de armazenamento que alojam colecções de recursos digitais num formato de objecto de aprendizagem: isto é, recursos que são projectados para serem integrados, agregados e organizados em sequência, de maneira eficiente para produzir “unidades de aprendizagem” que sejam significativas para os aprendentes” (Margaryan, Milligan & Douglas, 2007, p. 3) LORs podem ser criados a nível institucional, regional, nacional ou internacional. Algumas das razões para a lenta adopção dos repositórios em ambientes de aprendizagem podem ser encontradas nas dificuldades e barreiras técnicas, na falta de competências tecnológicas ou na ausência de percepção desta situação pelos muitos potenciais utilizadores e comunidades. Mas, como referem Margaryan, Milligan & Douglas (2007, p. 3) o facto das LORs parecerem mais dirigidas para a exploração do potencial tecnológico, “mais do que pelas necessidades de aprendizagem ou contextos socioculturais das comunidades que visam servir” é certamente umas das principais explicações. Assim, ignorando na arquitectura as dimensões sociais e organizacionais, tal como Dobson, LeBlanc & Burgoyne (2004, p.2) realçam, os resultados frequentemente traduzem-se em “…deficientes articulações relativamente às necessidades dos utilizadores, desalinhamento com políticas de mudança e planos, confusão dos papéis e responsabilidades nas práticas, e consequentemente, fracos níveis de actualização tecnológica e de uso”. Ao contrário, o projecto das LORs deve “ser baseado na compreensão de normas culturais e nas expectativas das suas comunidades de utilizadores” (Margaryan, Currier, Littlejohn & Nicol, 2006, p. 4). Como vários autores referiram (Dalziel, 2005; Margaryan, Currier, Littlejohn & Nicol, 2006) os repositórios bem sucedidos, promovendo a partilha e a reutilização de recursos e objectos de aprendizagem, devem focar-se mais na comunidade do que no repositório, nas actividades de aprendizagem e no projecto mais do que nos conteúdos, devem ser guiados pelas necessidades pedagógicas, e não (principalmente) pelo poder da tecnologia. As bibliotecas, particularmente as escolares, são o lugar natural para desenvolver repositórios úteis e bem sucedidos. Ser o espaço e o serviço onde os recursos da informação são coligidos, organizados e disponibilizados à comunidade, constituindo um ponto de encontro e de partilha, jogando um papel importante enquanto lugar da comunidade na escola, com equipa especializada, cultura e ambiente de qualidade e de serviço, as bibliotecas escolares podem responder eficientemente a este desafio. Construir repositórios digitais no contexto da biblioteca escolar Como afirma Loertscher (2002), biblioteca escolar deve ser o sistema de informação essencial para todos os estudantes e professores. Para estes utilizadores, tudo começa na biblioteca da escola, visto que é uma plataforma para o mundo. É o lugar onde começar: um ambiente da informação rico e seguro”. Neste novo ambiente de informação, para a biblioteca permanecer o sistema de informação essencial e a plataforma para o mundo, necessita responder, não somente às mudanças nas práticas de aprendizagem e ensino, no actual cenário dos ambientes informacionais mas, ainda, antecipar proactivamente aquelas mudanças. Discutindo os desafios que as bibliotecas escolares têm de enfrentar na “paisagem digital” Lorcan Dempsey, OCLC’s Chief Strategist, prevê que a médio prazo “ A biblioteca necessitará comprometer-se com as principais oscilações nas práticas de pesquisa e de aprendizagem. A curto prazo, a biblioteca deve começar a construir serviços em meios amigáveis e fluidos para NEWSLETTER RBE N.º 3
  • 5. newsletter nº 3 os utilizadores, suportando a mistura dos conteúdos e dos serviços nos ambientes dos utilizadores e desenvolver serviços digitais de tutoria (Dempsey, 2006). Neste sentido, a criação de repositórios digitais é uma tarefa decisiva para a concretização da sua missão dentro da nova sociedade da informação, de acordo com as seguintes funções atribuídas a todas as bibliotecas escolares: • Identificação, selecção e avaliação dos recursos da informação que podem ser encontrados em ambientes diferentes; • Organização e distribuição de tais recursos, em ambientes tradicionais e digitais, de acordo com suas características; • Articulação dos curricula com os serviços de informação e outros; • Coordenação e treino em estratégias de pesquisa, principalmente nos novos ambientes de informação (isto é, Internet) e nos processos de pesquisa mais usados mais pelos alunos. No contexto da biblioteca da escola, os repositórios digitais devem ser associados à distribuição de informação de qualidade e de suporte a conteúdos científicos. Isto significa que estes repositórios requerem uma gestão partilhada das colecções, permitindo um trabalho colaborativo com bibliotecas públicas e outras bibliotecas escolares, mas também com agentes individuais, tais como professores e bibliotecários, dando também particular atenção a interesses especiais, necessidades e uso da informação pelos estudantes. Para responder às suas necessidades e para ajudá-los a ganhar autonomia na pesquisa, a construção de repositórios digitais de qualidade, concebidos como ambientes de literacia, é uma tarefa que as bibliotecas escolares devem assumir, como uma das suas missões mais importantes no presente. Eventualmente, a criação de repositórios digitais conduz a um ambiente organizacional diferente, onde a necessidade de criar grupos de referência para a identificação, avaliação e a selecção dos resultados dos recursos da informação, numa nova compreensão e uso da biblioteca da escola pela comunidade educativa, considerada como um todo. De fato, a construção e o desenvolvimento de repositórios digitais pode, ao mesmo tempo, acolher e promover importantes mudanças dentro do ambiente de aprendizagem, onde a biblioteca é um factor decisivo de cooperação liderando a criação de novos métodos de estudo e de trabalhos, uma nova forma de relacionamento entre os professores bibliotecários e os restantes professores, - o professor torna-se mais investigador e mentor de uma aprendizagem baseada na pesquisa e o professor bibliotecário assume uma função de formação, relativamente a estratégias de pesquisa, avaliação e organização da informação. Conclusão É importante que as bibliotecas escolares comecem a criar repositórios digitais, orientados para toda a comunidade escolar e dirigidos às suas necessidades específicas relacionadas com a informação, o ensino e a aprendizagem. Como a criação e manutenção desses repositórios exigem competências de professores, bibliotecários, administradores de sistemas de computação e bastante tempo de trabalho, será difícil que possam ser estabelecidos de forma isolada na escola. Mas a criação de repositórios escolares de forma colaborativa, nomeadamente através da de redes regionais ou nacionais de bibliotecas escolares, constitui uma possível e viável solução. A criação destes repositórios implica um importante trabalho de colaboração entre professores bibliotecários, professores, alunos, famílias e outros agentes sociais que interagem com a comunidade escolar, o que constitui, por si só, uma forma de promover a aprendizagem cooperativa e a responsabilidade social entre todos os membros da comunidade. NEWSLETTER RBE N.º 3