SlideShare uma empresa Scribd logo
RELIGIÕES AFRO BRASILEIRA




Prof. Antonio Marcos N. dos Reis
Inteligência
• Definição de Inteligência (difícil definição)
• O que é ser inteligente?
• Processo subjetivo
• Capacidade de aprender com a
  experiência e de se adaptar ás mudanças
• O que é considerado inteligente em uma
  cultura, pode ser considerado estúpido
  em outra.
Existe preconceito no Brasil?
•   Processo de escravização do negro
•   Política do embranquecimento da raça
•   Mito da democracia racial.
•   Diferença com os E.U.A (principio da gota
    de sangue).
População carcerária e mortos pela polícia no Estado do Rio de Janeiro
Cor/raça       Opositores mortos pela polícia*            População carce-               População geral***
                                                          rária (masculina)**

               Número         % sobre      % sobre         Número        % sobre        Número         % sobre
                              o total      casos                          o total                       casos
                                           válidos                                                     válidos
 Branca           370           19,7           26,2            –            45,0       7.766.393         54,5
  Parda           409           21,8           28,9            –            30,0       4.847.950         34,0
  Preta           609           32,4           43,1            –            25,0       1.575.461         11,1


  Outra            26            1,4            1,8            –              –          63.988           0,5


Desconh           466           24,8             –             –              –         201.4 78           –
 ecida
 TOTAL           1.880         100,0          100,0          1.624         100,0       14.455.270        100,0
Fontes:
 * Registros de ocorrência da Polícia Civil do Rio de Janeiro entre janeiro de 1998 e setembro de 2002.
** Atualização dos dados do PIT, Superintendência de Saúde, Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do
Rio de Janeiro e pesquisa realizada sobre uma amostra de presos entre agosto de 2002 e março de 2003. O relatório
não informa o número de presos para cada cor/raça, apenas a porcentagem e o total da amostra.
*** Censo IBGE 2000
Taxa de homicídios na população por 100 mil habitantes por sexo, idade e cor/raça, em 2001

Faixa etária              Masculino                              Feminino

               Branca     Preta        Parda        Branca        Preta        Parda

Até 9 anos        1,0         0,9          1,3           1,1          1,0          0,9
de 10 a 14        4,2         9,7          7,7          1,7           2,3          2,7
  anos
de 15 a 19       64,8        152,5        123,3          6,6         11,5          9,9
  anos
de 20 a 24       102,3       218,5        185,4          6,6         13,2         10,3
  anos
de 25 a 29        96,5       177,2        163,6          7,6         15,2         11,2
  anos
de 30 a 39        69,8       120,5        112,5          5,9         12,1          8,4
  anos
de 40 a 49        49,4        67,9         75,4          4,7          7,3          6,6
  anos
de 40 a 49        35,0        42,3         46,3          3,9          3,8          2,9
  anos
60 anos ou        22,9        16,5         25,7          4,7          3,2          4,0
   mais
Participação dos negros nas 500 maiores
        empresas – Brasil, 2003 (em %)


Executivo    Gerencial   Chefia    Funcional



    1,8         8,8       13,5        23,4



Fonte: Instituto Ethos
Amparo Legal

• Lei 10.639/03 – Institui a obrigatoriedade
  do ensino de História e Cultura Africana e
  Afrobrasileira
• Lei 11.645/08 – Institui a obrigatoriedade
  do ensino de História e Cultura Indígena
Diferença entre Preconceito e
           Discriminação
• Preconceito – Qualquer forma ou conceito
  subjetivo de rotulação
• Discriminação - forma de preterir se torna
  e se entende como discriminação, sendo
  o ato de efetivar o preconceito.
Candomblé /


 Umbanda
Ogum   São Jorge
Oxóssi   São Sebastião
Xangô   São João Batista
Iemanjá      Nossa Senhora dos
Navegantes
Oxum   Nossa Senhora da Conceição
Iansã   Santa Bárbara
Omolu   São Roque
Obá   Santa Rita de Cássia
Nanã   Santa Anna
Oxalá   Jesus Cristo
Olorum


  =


Deus
Linhas de
                                direita: Pretos-
                                Velhos,
                                Caboclos,
                                Boiadeiros,
                                Mineiros,
                                Crianças,
                                Marinheiros,
                                Ciganos,
                                Baianos,
                                Orientais.

Assim como no Espiritismo, os
médiuns incorporam entidades.
Linhas da
Esquerda:
Exus e
Malandros
Obs: Macumba é um instrumento de


percussão africano.
Prof. Antonio Marcos N. dos Reis
www.pamnr.blogspot.com
www.profamnr.blogspot.com
antonio_ead@hotmail.com
 06/02/12                                 24

Mais conteúdo relacionado

Destaque

03 outras religioes afro-brasileiras a
03   outras religioes afro-brasileiras a03   outras religioes afro-brasileiras a
03 outras religioes afro-brasileiras a
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4
Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4
Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4
Rita Candeu
 
Religiosidade e oralidade afro-brasileira
Religiosidade e oralidade afro-brasileiraReligiosidade e oralidade afro-brasileira
Religiosidade e oralidade afro-brasileira
Ava Augustina
 
İstanbul Masöz Efsa
İstanbul Masöz Efsaİstanbul Masöz Efsa
İstanbul Masöz Efsa
Ayşe Mutlu
 
o-catimbo-da-jurema
o-catimbo-da-juremao-catimbo-da-jurema
o-catimbo-da-jurema
Elysio Soares
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
ReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro BrasileirasReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro Brasileiras
kobe_2B
 
Plano de aula didatica religião
Plano de aula  didatica religiãoPlano de aula  didatica religião
Plano de aula didatica religião
simonclark
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
NILTON CARVALHO
 
Religioes indigenas
Religioes indigenasReligioes indigenas
Religioes indigenas
Antonio Miranda Pereira
 

Destaque (10)

03 outras religioes afro-brasileiras a
03   outras religioes afro-brasileiras a03   outras religioes afro-brasileiras a
03 outras religioes afro-brasileiras a
 
Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4
Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4
Os ataques neopentecostais às religiões afro brasileiras abert4
 
Religiosidade e oralidade afro-brasileira
Religiosidade e oralidade afro-brasileiraReligiosidade e oralidade afro-brasileira
Religiosidade e oralidade afro-brasileira
 
İstanbul Masöz Efsa
İstanbul Masöz Efsaİstanbul Masöz Efsa
İstanbul Masöz Efsa
 
o-catimbo-da-jurema
o-catimbo-da-juremao-catimbo-da-jurema
o-catimbo-da-jurema
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
ReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro BrasileirasReligiõEs Afro Brasileiras
ReligiõEs Afro Brasileiras
 
Plano de aula didatica religião
Plano de aula  didatica religiãoPlano de aula  didatica religião
Plano de aula didatica religião
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
 
Religioes indigenas
Religioes indigenasReligioes indigenas
Religioes indigenas
 

Semelhante a RELIGIÕES AFRO BRASILEIRAS

125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...
125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...
125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Censo 2010: Indicadores Sociais Municipais
Censo 2010: Indicadores Sociais MunicipaisCenso 2010: Indicadores Sociais Municipais
Censo 2010: Indicadores Sociais Municipais
Jose Aldemir Freire
 
Diversidade Nacional e Regional
Diversidade Nacional e RegionalDiversidade Nacional e Regional
Diversidade Nacional e Regional
Ariella Araujo
 
Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]
Marco Aurélio Gondim
 
SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)
SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)
SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)
Nuno Correia
 
2_população_piramides.pptx
2_população_piramides.pptx2_população_piramides.pptx
2_população_piramides.pptx
ArturAlves40
 
13 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f3
13 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f313 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f3
13 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f3
Edson Rodrigues
 
O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...
O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...
O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...
Kátia Maria Nunes Campos
 
Gamification
GamificationGamification
Gamification
Alexandre Oliveira
 
Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014
Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014
Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014
Fundação de Economia e Estatística
 
Os homicídios nas regiões de Pernambuco
Os homicídios nas regiões de PernambucoOs homicídios nas regiões de Pernambuco
Os homicídios nas regiões de Pernambuco
Jamildo Melo
 

Semelhante a RELIGIÕES AFRO BRASILEIRAS (11)

125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...
125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...
125 anos da Abolição da Escravidão no Brasil: O que Mudou na Vida dos Negros ...
 
Censo 2010: Indicadores Sociais Municipais
Censo 2010: Indicadores Sociais MunicipaisCenso 2010: Indicadores Sociais Municipais
Censo 2010: Indicadores Sociais Municipais
 
Diversidade Nacional e Regional
Diversidade Nacional e RegionalDiversidade Nacional e Regional
Diversidade Nacional e Regional
 
Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - População - [www.gondim.net]
 
SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)
SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)
SaúDe Individual E ComunitáRia (Parte I)
 
2_população_piramides.pptx
2_população_piramides.pptx2_população_piramides.pptx
2_população_piramides.pptx
 
13 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f3
13 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f313 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f3
13 00 ministra nilceia freire sbpc pav 5 sl f3
 
O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...
O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...
O desempenho do município de ouro preto no censo de 2010: desafios para o pla...
 
Gamification
GamificationGamification
Gamification
 
Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014
Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014
Aspectos da mortalidade por causas externas no RS - 2014
 
Os homicídios nas regiões de Pernambuco
Os homicídios nas regiões de PernambucoOs homicídios nas regiões de Pernambuco
Os homicídios nas regiões de Pernambuco
 

Mais de Antonio Marcos

EZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕES
EZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕESEZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕES
EZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕES
Antonio Marcos
 
ESTER, UMA LINDA RAINHA
ESTER, UMA LINDA RAINHAESTER, UMA LINDA RAINHA
ESTER, UMA LINDA RAINHA
Antonio Marcos
 
ELISEU, UM HOMEM MILAGROSO
ELISEU, UM HOMEM MILAGROSOELISEU, UM HOMEM MILAGROSO
ELISEU, UM HOMEM MILAGROSO
Antonio Marcos
 
ELIAS, UM HOMEM DE FOGO
ELIAS, UM HOMEM DE FOGOELIAS, UM HOMEM DE FOGO
ELIAS, UM HOMEM DE FOGO
Antonio Marcos
 
O SÁBIO REI SALOMÃO
O SÁBIO REI SALOMÃOO SÁBIO REI SALOMÃO
O SÁBIO REI SALOMÃO
Antonio Marcos
 
DAVI, O REI – PARTE II
DAVI, O REI – PARTE IIDAVI, O REI – PARTE II
DAVI, O REI – PARTE II
Antonio Marcos
 
DAVI, O REI – PARTE I
DAVI, O REI – PARTE IDAVI, O REI – PARTE I
DAVI, O REI – PARTE I
Antonio Marcos
 
DAVI, O PASTORZINHO
DAVI, O PASTORZINHODAVI, O PASTORZINHO
DAVI, O PASTORZINHO
Antonio Marcos
 
SAUL, UM REI BONITO E TOLO
SAUL, UM REI BONITO E TOLOSAUL, UM REI BONITO E TOLO
SAUL, UM REI BONITO E TOLOAntonio Marcos
 
SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS
SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUSSAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS
SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUSAntonio Marcos
 
RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR
RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMORRUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR
RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR
Antonio Marcos
 
O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO
O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃOO PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO
O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO
Antonio Marcos
 
SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS
SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUSSANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS
SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS
Antonio Marcos
 
JOSUÉ ASSUME O COMANDO
JOSUÉ ASSUME O COMANDOJOSUÉ ASSUME O COMANDO
JOSUÉ ASSUME O COMANDO
Antonio Marcos
 
QUARENTA ANOS
QUARENTA ANOSQUARENTA ANOS
QUARENTA ANOS
Antonio Marcos
 
ADEUS, FARAÓ!
ADEUS, FARAÓ!ADEUS, FARAÓ!
ADEUS, FARAÓ!
Antonio Marcos
 
UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVO
UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVOUM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVO
UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVOAntonio Marcos
 
DEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃO
DEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃODEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃO
DEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃO
Antonio Marcos
 

Mais de Antonio Marcos (20)

EZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕES
EZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕESEZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕES
EZEQUIEL, O HOMEM DAS VISÕES
 
ESTER, UMA LINDA RAINHA
ESTER, UMA LINDA RAINHAESTER, UMA LINDA RAINHA
ESTER, UMA LINDA RAINHA
 
ELISEU, UM HOMEM MILAGROSO
ELISEU, UM HOMEM MILAGROSOELISEU, UM HOMEM MILAGROSO
ELISEU, UM HOMEM MILAGROSO
 
ELIAS, UM HOMEM DE FOGO
ELIAS, UM HOMEM DE FOGOELIAS, UM HOMEM DE FOGO
ELIAS, UM HOMEM DE FOGO
 
REIS BONS E REIS MAUS
REIS BONS E REIS MAUSREIS BONS E REIS MAUS
REIS BONS E REIS MAUS
 
O SÁBIO REI SALOMÃO
O SÁBIO REI SALOMÃOO SÁBIO REI SALOMÃO
O SÁBIO REI SALOMÃO
 
DAVI, O REI – PARTE II
DAVI, O REI – PARTE IIDAVI, O REI – PARTE II
DAVI, O REI – PARTE II
 
DAVI, O REI – PARTE I
DAVI, O REI – PARTE IDAVI, O REI – PARTE I
DAVI, O REI – PARTE I
 
DAVI, O PASTORZINHO
DAVI, O PASTORZINHODAVI, O PASTORZINHO
DAVI, O PASTORZINHO
 
SAUL, UM REI BONITO E TOLO
SAUL, UM REI BONITO E TOLOSAUL, UM REI BONITO E TOLO
SAUL, UM REI BONITO E TOLO
 
SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS
SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUSSAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS
SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS
 
RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR
RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMORRUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR
RUTE, UMA HISTÓRIA DE AMOR
 
O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO
O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃOO PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO
O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO
 
SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS
SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUSSANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS
SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS
 
JOSUÉ ASSUME O COMANDO
JOSUÉ ASSUME O COMANDOJOSUÉ ASSUME O COMANDO
JOSUÉ ASSUME O COMANDO
 
QUARENTA ANOS
QUARENTA ANOSQUARENTA ANOS
QUARENTA ANOS
 
ADEUS, FARAÓ!
ADEUS, FARAÓ!ADEUS, FARAÓ!
ADEUS, FARAÓ!
 
UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVO
UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVOUM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVO
UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNOU ESCRAVO
 
JACÓ, O ENGANADOR
JACÓ, O ENGANADORJACÓ, O ENGANADOR
JACÓ, O ENGANADOR
 
DEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃO
DEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃODEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃO
DEUS PROVA O AMOR DE ABRAÃO
 

RELIGIÕES AFRO BRASILEIRAS

  • 1. RELIGIÕES AFRO BRASILEIRA Prof. Antonio Marcos N. dos Reis
  • 2. Inteligência • Definição de Inteligência (difícil definição) • O que é ser inteligente? • Processo subjetivo • Capacidade de aprender com a experiência e de se adaptar ás mudanças • O que é considerado inteligente em uma cultura, pode ser considerado estúpido em outra.
  • 3. Existe preconceito no Brasil? • Processo de escravização do negro • Política do embranquecimento da raça • Mito da democracia racial. • Diferença com os E.U.A (principio da gota de sangue).
  • 4. População carcerária e mortos pela polícia no Estado do Rio de Janeiro Cor/raça Opositores mortos pela polícia* População carce- População geral*** rária (masculina)** Número % sobre % sobre Número % sobre Número % sobre o total casos o total casos válidos válidos Branca 370 19,7 26,2 – 45,0 7.766.393 54,5 Parda 409 21,8 28,9 – 30,0 4.847.950 34,0 Preta 609 32,4 43,1 – 25,0 1.575.461 11,1 Outra 26 1,4 1,8 – – 63.988 0,5 Desconh 466 24,8 – – – 201.4 78 – ecida TOTAL 1.880 100,0 100,0 1.624 100,0 14.455.270 100,0 Fontes: * Registros de ocorrência da Polícia Civil do Rio de Janeiro entre janeiro de 1998 e setembro de 2002. ** Atualização dos dados do PIT, Superintendência de Saúde, Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro e pesquisa realizada sobre uma amostra de presos entre agosto de 2002 e março de 2003. O relatório não informa o número de presos para cada cor/raça, apenas a porcentagem e o total da amostra. *** Censo IBGE 2000
  • 5. Taxa de homicídios na população por 100 mil habitantes por sexo, idade e cor/raça, em 2001 Faixa etária Masculino Feminino Branca Preta Parda Branca Preta Parda Até 9 anos 1,0 0,9 1,3 1,1 1,0 0,9 de 10 a 14 4,2 9,7 7,7 1,7 2,3 2,7 anos de 15 a 19 64,8 152,5 123,3 6,6 11,5 9,9 anos de 20 a 24 102,3 218,5 185,4 6,6 13,2 10,3 anos de 25 a 29 96,5 177,2 163,6 7,6 15,2 11,2 anos de 30 a 39 69,8 120,5 112,5 5,9 12,1 8,4 anos de 40 a 49 49,4 67,9 75,4 4,7 7,3 6,6 anos de 40 a 49 35,0 42,3 46,3 3,9 3,8 2,9 anos 60 anos ou 22,9 16,5 25,7 4,7 3,2 4,0 mais
  • 6. Participação dos negros nas 500 maiores empresas – Brasil, 2003 (em %) Executivo Gerencial Chefia Funcional 1,8 8,8 13,5 23,4 Fonte: Instituto Ethos
  • 7. Amparo Legal • Lei 10.639/03 – Institui a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Africana e Afrobrasileira • Lei 11.645/08 – Institui a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Indígena
  • 8. Diferença entre Preconceito e Discriminação • Preconceito – Qualquer forma ou conceito subjetivo de rotulação • Discriminação - forma de preterir se torna e se entende como discriminação, sendo o ato de efetivar o preconceito.
  • 10. Ogum São Jorge
  • 11. Oxóssi São Sebastião
  • 12. Xangô São João Batista
  • 13. Iemanjá Nossa Senhora dos Navegantes
  • 14. Oxum Nossa Senhora da Conceição
  • 15. Iansã Santa Bárbara
  • 16. Omolu São Roque
  • 17. Obá Santa Rita de Cássia
  • 18. Nanã Santa Anna
  • 19. Oxalá Jesus Cristo
  • 21. Linhas de direita: Pretos- Velhos, Caboclos, Boiadeiros, Mineiros, Crianças, Marinheiros, Ciganos, Baianos, Orientais. Assim como no Espiritismo, os médiuns incorporam entidades.
  • 23. Obs: Macumba é um instrumento de percussão africano.
  • 24. Prof. Antonio Marcos N. dos Reis www.pamnr.blogspot.com www.profamnr.blogspot.com antonio_ead@hotmail.com 06/02/12 24

Notas do Editor

  1. Desconhecida
  2. 35,0 42,3 46,3 3,9 3,8 2,9