SlideShare uma empresa Scribd logo
Química – Prof. Marcos Antônio da S. Jr.
Roteiro para Elaboração de Relatório
1. INTRODUÇÂO
Um dos objetivos de uma disciplina experimental é ensinar a redigir relatórios. A elaboração de relatórios é
um procedimento bastante corriqueiro durante o exercício de qualquer profissão técno – científica e, em
certos casos, esta habilidade chega a ser utilizada como uma medida de capacidade profissional. Ser um
bom profissional envolve também saber transmitir a outros os resultados de um trabalho.
Espera-se que, aos poucos, cada um dos alunos adquira a habilidade de redigir bons relatórios. A seguir, são
dadas algumas orientações sobre a redação de relatórios científicos, que devem ser seguidas na elaboração
dos relatórios referentes às diferentes experiências realizadas.
2. ESTILO IMPESSOAL E CLAREZA
É praxe redigir relatórios de uma forma impessoal, utilizando-se a voz passiva no tempo passado, pois se
relata algo que já foi feito. Assim, para relatar a determinação da massa de algumas amostras sólidas, pode-
se escrever:
a) “A massa das amostras sólidas maciças foi determinada utilizando-se uma balança...”
b) “Determina-se a massa das amostras sólidas maciças utilizando-se uma balança...”
Não se deve usar formas como: “Eu determinei a massa...” ou “pesei as amostras...”. Sempre evite a forma
pessoal.
Outro aspecto muito importante é ter sem mente que as pessoas que eventualmente lerão o relatório poderão
não ter nenhuma informação prévia sobre aquilo que está sendo relatado. Isso significa que o relato do que
foi feito deve ser detalhado, cuidadoso e meticuloso, de modo que qualquer pessoa que leia o relatório
consiga efetivamente entender o que foi feito e como.
3. PARTES DO RELATÓRIO
Em geral, um relatório é composto de cinco partes: título, introdução, procedimento experimental (materiais e
métodos), resultados, conclusão e referências bibliográficas. Cada uma das partes do relatório deve ser
destacada em separado, através de um subtítulo, contendo, pelo menos, o nome específico da parte. A
seguir, é explicitado o que deve ser incluído em cada uma das seções de um relatório.
3.1 Título
Através de um título, que pode ser o mesmo já contido no roteiro da prática, designar o assunto a ser tratado.
O título deve explicar, de forma breve, o problema a ser resolvido através da experiência realizada.
3.2 Introdução
Fazer uma abordagem teórica sobre o objeto de estudo do experimento, através de pesquisa bibliográfica.
3.5 Materiais e métodos
Essa seção deve conter relatos exatos e claros de como foi feita a experiência, de modo que, baseado
nesses relatos, qualquer outra pessoa possa repeti-la. Deve-se descrever, passo a passo, como a
experiência foi realizada.
Note que não basta copiar o procedimento experimental contido no material referente à experiência, pois na
melhor das hipóteses, toda a forma de redação terá de ser mudada. Lembre-se que a forma deverá ser
impessoal, usando voz passiva no tempo passado. Além disso, há necessidade de se explicar claramente
cada equipamento utilizado, inclusive a marca, modelo, precisão e todos os materiais e reagentes com as
concentrações e purezas.
Esta seção só deve conter a descrição detalhada do experimento realizado, sem incluir os resultados obtidos
no experimento e/ou os cálculos realizados.
3.6 Resultados
Nesta seção deverão ser relacionados todas as observações e dados obtidos em cada etapa do experimento
e, sempre que possível, organizados na forma de gráficos, tabelas, cálculos e equações. Os dados e as
observações deverão ser analisados detalhadamente. Todo e qualquer comentário referente à precisão dos
dados e discrepâncias ocorridas no experimento devem ser discutidas, sempre de forma impessoal.
3.7 Conclusão
Através dos resultados e discussões, deve-se fundamentar as possíveis explicações referentes ao
comportamento ou características dos sistemas estudados, bem como sugerir formas alternativas de
otimização do experimento. Sempre de forma impessoal.
3.9 Referência Bibliográfica
Toda bibliografia pesquisada deve ser citada de acordo com as normas da ABNT (associação Brasileira de
Normas Técnicas), Que para o caso de livros e manuais são as seguintes:
SOBRENOME DO AUTOR, iniciais do nome completo. Título do livro: subtítulo. Nº da edição. Local de publicação: Casa
publicadora, Ano da publicação. Página(s) consultada(s).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
V
 
Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1
Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1
Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1
Fabio Magalhães
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
Rogger Wins
 
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
GernciadeProduodeMat
 
Microscopia E Teoria Celular
Microscopia E Teoria CelularMicroscopia E Teoria Celular
Microscopia E Teoria Celular
Tânia Reis
 
Fungos
FungosFungos
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Nathália Vasconcelos
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
matheusrl98
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
César Milani
 
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Secretaria Municipal de Educação de Santo Antônio de Jesus - Ba
 
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
CristianaLealSabel
 
Folha 1 aula modelos atomicos
Folha 1 aula modelos atomicosFolha 1 aula modelos atomicos
Folha 1 aula modelos atomicos
Rikardo Coimbra
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Quimica Geral Lista 02
Quimica Geral Lista 02Quimica Geral Lista 02
Quimica Geral Lista 02
Ednilsom Orestes
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
Gildo Crispim
 
Reprodução nos-animais
Reprodução nos-animaisReprodução nos-animais
Reprodução nos-animais
Carla Gomes
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
Isabel Lopes
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
Jocimar Araujo
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Exercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reproduçãoExercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reprodução
Alexandre Pusaudse
 

Mais procurados (20)

Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
 
Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1
Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1
Revisão Metabolismo Energetico Questoes abertas 1
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
 
Microscopia E Teoria Celular
Microscopia E Teoria CelularMicroscopia E Teoria Celular
Microscopia E Teoria Celular
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
 
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
 
Folha 1 aula modelos atomicos
Folha 1 aula modelos atomicosFolha 1 aula modelos atomicos
Folha 1 aula modelos atomicos
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Quimica Geral Lista 02
Quimica Geral Lista 02Quimica Geral Lista 02
Quimica Geral Lista 02
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Reprodução nos-animais
Reprodução nos-animaisReprodução nos-animais
Reprodução nos-animais
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Exercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reproduçãoExercícios tipos de reprodução
Exercícios tipos de reprodução
 

Semelhante a Relatório

Relatorio instrucoes unifesp_2013
Relatorio instrucoes unifesp_2013Relatorio instrucoes unifesp_2013
Relatorio instrucoes unifesp_2013
FRSensato
 
5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)
5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)
5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)
Joelma Lima
 
ComoElaborarUmRelatorio.pdf
ComoElaborarUmRelatorio.pdfComoElaborarUmRelatorio.pdf
ComoElaborarUmRelatorio.pdf
Irene Semanas
 
Sandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentais
Sandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentaisSandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentais
Sandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentais
Profª Cristiana Passinato
 
Sandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas Experimentais
Sandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas ExperimentaisSandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas Experimentais
Sandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas Experimentais
Profª Cristiana Passinato
 
Apostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatóriosApostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatórios
Kauê Monteiro
 
Como elaborar um relatório
Como elaborar um relatórioComo elaborar um relatório
Como elaborar um relatório
Tiago Oliveira
 
Apostila qui 200_2013-2
Apostila qui 200_2013-2Apostila qui 200_2013-2
Apostila qui 200_2013-2
Josué Fogaça
 
Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25
inesfilipapinto
 
Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25
inesfilipapinto
 
Normas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científicoNormas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científico
Carlos Moutinho
 
Modelo 21
Modelo 21Modelo 21
Modelo 21
inesfilipapinto
 
Como organizar-relatorio-cientifico
Como organizar-relatorio-cientificoComo organizar-relatorio-cientifico
Como organizar-relatorio-cientifico
Uniengenheiros2011
 
Modelo de um_relatorio_jose_9c
Modelo de um_relatorio_jose_9cModelo de um_relatorio_jose_9c
Modelo de um_relatorio_jose_9c
ZENOBRE
 
Como elaborar um relatório
Como elaborar um relatórioComo elaborar um relatório
Como elaborar um relatório
José Pedro
 
Como fazer um Relatório
Como fazer um RelatórioComo fazer um Relatório
Como fazer um Relatório
BibPFerreiro
 
Relatnormas
RelatnormasRelatnormas
Relatnormas
João Soares
 
Produção de relatório técnico
Produção de relatório técnicoProdução de relatório técnico
Produção de relatório técnico
Uergs
 
Carina modelo de_relatorio
Carina modelo de_relatorioCarina modelo de_relatorio
Carina modelo de_relatorio
Carinaswaguie
 
Comunicacao científica
Comunicacao científicaComunicacao científica
Comunicacao científica
Renato Vicente
 

Semelhante a Relatório (20)

Relatorio instrucoes unifesp_2013
Relatorio instrucoes unifesp_2013Relatorio instrucoes unifesp_2013
Relatorio instrucoes unifesp_2013
 
5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)
5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)
5 como elaborar um relatorio de aula pratica (2)
 
ComoElaborarUmRelatorio.pdf
ComoElaborarUmRelatorio.pdfComoElaborarUmRelatorio.pdf
ComoElaborarUmRelatorio.pdf
 
Sandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentais
Sandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentaisSandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentais
Sandrogreco Modelo%20de%20relat%F3rio%20das%20aulas%20experimentais
 
Sandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas Experimentais
Sandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas ExperimentaisSandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas Experimentais
Sandrogreco Modelo De RelatóRio Das Aulas Experimentais
 
Apostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatóriosApostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatórios
 
Como elaborar um relatório
Como elaborar um relatórioComo elaborar um relatório
Como elaborar um relatório
 
Apostila qui 200_2013-2
Apostila qui 200_2013-2Apostila qui 200_2013-2
Apostila qui 200_2013-2
 
Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25
 
Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25Modelo de relatório_25
Modelo de relatório_25
 
Normas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científicoNormas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científico
 
Modelo 21
Modelo 21Modelo 21
Modelo 21
 
Como organizar-relatorio-cientifico
Como organizar-relatorio-cientificoComo organizar-relatorio-cientifico
Como organizar-relatorio-cientifico
 
Modelo de um_relatorio_jose_9c
Modelo de um_relatorio_jose_9cModelo de um_relatorio_jose_9c
Modelo de um_relatorio_jose_9c
 
Como elaborar um relatório
Como elaborar um relatórioComo elaborar um relatório
Como elaborar um relatório
 
Como fazer um Relatório
Como fazer um RelatórioComo fazer um Relatório
Como fazer um Relatório
 
Relatnormas
RelatnormasRelatnormas
Relatnormas
 
Produção de relatório técnico
Produção de relatório técnicoProdução de relatório técnico
Produção de relatório técnico
 
Carina modelo de_relatorio
Carina modelo de_relatorioCarina modelo de_relatorio
Carina modelo de_relatorio
 
Comunicacao científica
Comunicacao científicaComunicacao científica
Comunicacao científica
 

Mais de Marcos Júnior

MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
Marcos Júnior
 
Modelo relatório
Modelo relatórioModelo relatório
Modelo relatório
Marcos Júnior
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Marcos Júnior
 
Substâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturasSubstâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturas
Marcos Júnior
 
A5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicasA5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicas
Marcos Júnior
 
Peixes
PeixesPeixes
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
Marcos Júnior
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Marcos Júnior
 
Sistemas genitais1
Sistemas genitais1Sistemas genitais1
Sistemas genitais1
Marcos Júnior
 
PELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOSPELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOS
Marcos Júnior
 
PLATELMINTOS
PLATELMINTOSPLATELMINTOS
PLATELMINTOS
Marcos Júnior
 
Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.
Marcos Júnior
 
SISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETISISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETI
Marcos Júnior
 
Apresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatórioApresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatório
Marcos Júnior
 
Modelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebolaModelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebola
Marcos Júnior
 
Correção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostáticaCorreção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostática
Marcos Júnior
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
Marcos Júnior
 
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Marcos Júnior
 
Escola nao ensina
Escola nao ensinaEscola nao ensina
Escola nao ensina
Marcos Júnior
 
Calor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricasCalor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricas
Marcos Júnior
 

Mais de Marcos Júnior (20)

MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
MODELO RELATÓRIO FILME - ETI 2017 (ATUALIZADO)
 
Modelo relatório
Modelo relatórioModelo relatório
Modelo relatório
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Substâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturasSubstâncias puras e misturas
Substâncias puras e misturas
 
A5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicasA5 i funcoes_inorganicas
A5 i funcoes_inorganicas
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistemas genitais1
Sistemas genitais1Sistemas genitais1
Sistemas genitais1
 
PELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOSPELE - ETI OITAVOS
PELE - ETI OITAVOS
 
PLATELMINTOS
PLATELMINTOSPLATELMINTOS
PLATELMINTOS
 
Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.Resumo sistema urinário.
Resumo sistema urinário.
 
SISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETISISTEMA URINÁRIO - ETI
SISTEMA URINÁRIO - ETI
 
Apresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatórioApresentação sistema respiratório e circulatório
Apresentação sistema respiratório e circulatório
 
Modelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebolaModelo relatório vírus ebola
Modelo relatório vírus ebola
 
Correção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostáticaCorreção dos exercícios eletrostática
Correção dos exercícios eletrostática
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
 
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
Trocas de calor, quantidade de calor, calor específico, calor latente e dilat...
 
Escola nao ensina
Escola nao ensinaEscola nao ensina
Escola nao ensina
 
Calor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricasCalor e escalas termométricas
Calor e escalas termométricas
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Relatório

  • 1. Química – Prof. Marcos Antônio da S. Jr. Roteiro para Elaboração de Relatório 1. INTRODUÇÂO Um dos objetivos de uma disciplina experimental é ensinar a redigir relatórios. A elaboração de relatórios é um procedimento bastante corriqueiro durante o exercício de qualquer profissão técno – científica e, em certos casos, esta habilidade chega a ser utilizada como uma medida de capacidade profissional. Ser um bom profissional envolve também saber transmitir a outros os resultados de um trabalho. Espera-se que, aos poucos, cada um dos alunos adquira a habilidade de redigir bons relatórios. A seguir, são dadas algumas orientações sobre a redação de relatórios científicos, que devem ser seguidas na elaboração dos relatórios referentes às diferentes experiências realizadas. 2. ESTILO IMPESSOAL E CLAREZA É praxe redigir relatórios de uma forma impessoal, utilizando-se a voz passiva no tempo passado, pois se relata algo que já foi feito. Assim, para relatar a determinação da massa de algumas amostras sólidas, pode- se escrever: a) “A massa das amostras sólidas maciças foi determinada utilizando-se uma balança...” b) “Determina-se a massa das amostras sólidas maciças utilizando-se uma balança...” Não se deve usar formas como: “Eu determinei a massa...” ou “pesei as amostras...”. Sempre evite a forma pessoal. Outro aspecto muito importante é ter sem mente que as pessoas que eventualmente lerão o relatório poderão não ter nenhuma informação prévia sobre aquilo que está sendo relatado. Isso significa que o relato do que foi feito deve ser detalhado, cuidadoso e meticuloso, de modo que qualquer pessoa que leia o relatório consiga efetivamente entender o que foi feito e como. 3. PARTES DO RELATÓRIO Em geral, um relatório é composto de cinco partes: título, introdução, procedimento experimental (materiais e métodos), resultados, conclusão e referências bibliográficas. Cada uma das partes do relatório deve ser destacada em separado, através de um subtítulo, contendo, pelo menos, o nome específico da parte. A seguir, é explicitado o que deve ser incluído em cada uma das seções de um relatório. 3.1 Título Através de um título, que pode ser o mesmo já contido no roteiro da prática, designar o assunto a ser tratado. O título deve explicar, de forma breve, o problema a ser resolvido através da experiência realizada. 3.2 Introdução Fazer uma abordagem teórica sobre o objeto de estudo do experimento, através de pesquisa bibliográfica. 3.5 Materiais e métodos Essa seção deve conter relatos exatos e claros de como foi feita a experiência, de modo que, baseado nesses relatos, qualquer outra pessoa possa repeti-la. Deve-se descrever, passo a passo, como a experiência foi realizada. Note que não basta copiar o procedimento experimental contido no material referente à experiência, pois na melhor das hipóteses, toda a forma de redação terá de ser mudada. Lembre-se que a forma deverá ser impessoal, usando voz passiva no tempo passado. Além disso, há necessidade de se explicar claramente cada equipamento utilizado, inclusive a marca, modelo, precisão e todos os materiais e reagentes com as concentrações e purezas. Esta seção só deve conter a descrição detalhada do experimento realizado, sem incluir os resultados obtidos no experimento e/ou os cálculos realizados. 3.6 Resultados Nesta seção deverão ser relacionados todas as observações e dados obtidos em cada etapa do experimento e, sempre que possível, organizados na forma de gráficos, tabelas, cálculos e equações. Os dados e as observações deverão ser analisados detalhadamente. Todo e qualquer comentário referente à precisão dos dados e discrepâncias ocorridas no experimento devem ser discutidas, sempre de forma impessoal. 3.7 Conclusão Através dos resultados e discussões, deve-se fundamentar as possíveis explicações referentes ao comportamento ou características dos sistemas estudados, bem como sugerir formas alternativas de otimização do experimento. Sempre de forma impessoal. 3.9 Referência Bibliográfica Toda bibliografia pesquisada deve ser citada de acordo com as normas da ABNT (associação Brasileira de Normas Técnicas), Que para o caso de livros e manuais são as seguintes: SOBRENOME DO AUTOR, iniciais do nome completo. Título do livro: subtítulo. Nº da edição. Local de publicação: Casa publicadora, Ano da publicação. Página(s) consultada(s).