SlideShare uma empresa Scribd logo
intercâmbio sobre suas ações em parceria e os
                                                     desafios desse processo.

                                                     O caso apresentado foi a prática de logística
                                                     reversa em refratários da Magnesita, empresa
                                                     participante do CRI. A pesquisadora da
FUNDAÇÃO DOM CABRAL                                  Magnesita, Daniele Fonseca de Lima,
                                                     compartilhou com todos a oportunidade de
                                                     desenvolver uma nova plataforma de negócios
CENTRO DE REFERÊNCIA EM                              dentro da sua empresa, com foco na
INOVAÇÃO – MINAS                                     sustentabilidade, tanto dos recursos naturais
                                                     que utiliza quanto da sua cadeia produtiva.

06/10/2011                                           O Caso de Inovação Magnesita já está em
                                                     produção pela equipe do CRI Minas e deverá
Um sistema de inovação é, por natureza, um
                                                     ser entregue no próximo encontro, dia 15 de
sistema de cooperação. É resultado de um
                                                     dezembro, para os integrantes, juntamente
conjunto de conhecimentos, tecnologias e
expertises que podem ser melhor gerados pela         com os outros Casos que estão em fase final
integração entre atores: parceiros que sabem atuar   de aprovação interna nas empresas onde
juntos em busca de inovação.                         foram gerados: Samarco e Alstom. As versões
                                                     impressas e online de cada Caso serão
“Cooperando para Inovar” foi o tema do               disponibilizadas para todos dentro do objetivo
penúltimo encontro do ciclo 2011 do CRI MG.          do CRI de partilhar e disseminar as
Um tema bastante rico, especialmente pela            experiências e os estudos gerados pelo grupo
troca de experiências entre o grupo de               e por cada empresa do grupo na criação de
empresas participantes do Centro de                  um ambiente propício para a inovação
Referência da Inovação Minas que, afinal, foi        contínua em Minas Gerais.
criado pensando na eficiência de uma rede de
parcerias e cooperação quando o assunto é            Na sequencia do encontro, Alexandre
inovação.                                            Barragat, superintendente de relacionamento
                                                     com empresas da FINEP – Financiadora de
A primeira parte do encontro contou com              Pesquisas e Projetos – aproveitou a
conceitos, reflexões e dados de pesquisa             oportunidade de conhecer as grandes
sobre a prática de parcerias e interações com        empresas mineiras e apresentar os fundos de
outros agentes e atores da inovação,                 financiamento da FINEP.
apresentados pelas professoras integrantes do
Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral,           A agenda para 2012 do CRI Minas já está
Rosiléia Milagres e Hérica Righi. As duas            definida e terá o encontro de abertura no dia
economistas trabalham com esse tema desde            22 de março, com presenças internacionais
2004 e acreditam que estratégia e inovação           como Peter Skarzynski, co-fundador da
são faces de uma mesma moeda. Segundo                empresa de consultoria Strategos. As
Rosiléia Milagres, “não tem como se                  empresas que ainda não definiram sua
posicionar estrategicamente dentro de um             participação no CRI de 2012 são convidadas a
ambiente se você não pensar de forma                 não perder a oportunidade de estar, por mais
inovadora, se você não inovar nos seus               um ano, no centro da discussão sobre
processos, produtos e modelos de negocio. E a        inovação no estado.
inovação de um modelo de negócios pode ser
feita através da formação de redes e                 Inovação e Relacionamento com o Ambiente
parcerias”.                                          Externo
Dentro do contexto que as duas professoras e
pesquisadoras apresentaram, as empresas              A professora Rosiléia Milagres começou sua
foram convidadas a uma prática de                    apresentação com muita música e uma
redes e mídias sociais como fonte de
                                                inteligência competitiva. São espaços para
                                                conversar, comunicar-se com os seus
                                                consumidores, pesquisar tendências de
                                                consumo, capturar ideias e fidelizar clientes.
                                                Instituições mais específicas podem usar as
                                                redes     inclusive para    fazer   negócios,
                                                transações colaborativas.

                                                As pessoas conectadas individualmente
                                                também estão conectadas dentro de suas
                                                organizações. E ali mesmo podem trocar
interessante analogia. A gravação da música     conhecimentos, competências, habilidades,
exibida em vídeo pela professora foi feita em   informações. Hoje, cada vez mais, as
diversos lugares do mundo, com músicos,         organizações buscam as comunidades de
instrumentos e vozes espalhados, mas um         prática    internas    para    transferirem
único resultado: uma bela música, muito         conhecimentos e informações que vão trazer
melhor executada do que se qualquer um          vantagens competitivas. Para isso, é
deles tivesse gravando a mesma canção           necessário criar espaços de encontro e
sozinho.    Reunindo      as    competências,   interação, para estimular a troca entre as
habilidades e experiências de vida de cada      pessoas.
um dos participantes do projeto e uma
produção organizada pela tecnologia a tempo     Indo além das comunidades internas, as
e a hora do mundo atual, o produto final saiu   organizações podem estar conectadas entre
melhor, mais interessante e mais atrativo       si, em redes inter organizacionais. Redes
para o consumidor, nesse caso, o apreciador     assim podem se formar dentro da cadeia
de     música.    Partindo     do    conceito   produtiva, por exemplo. As relações que são
subjetivamente exposto no vídeo, ficou clara    estabelecidas ali têm características próprias,
a conexão entre essa experiência e o            fluxos e conexões cooperativas. São joint
movimento mercadológico que está por trás       ventures, alianças estratégicas, acordos para
das redes.                                      troca de tecnologia, desenvolvimento de
                                                novas tecnologias ou para acessar novos
Dentro      do    contexto      global,    de   mercados.
compartilhamento,        velocidade       das
informações e troca de conteúdo, as redes       Outros tipos de redes englobariam ainda
adquirem uma relevância ímpar no mundo dos      diferentes atores como governo, instituições,
negócios. As redes ajudam as organizações a     universidades, institutos de pesquisa, ONGs,
responderem aos desafios colocados nesse        comunidade. A conexão entre esses tipos de
ambiente, a se manterem competitivas,           atores pode ser um pouco mais complexa, já
construindo suas vantagens competitivas. No     que envolve um conjunto diversificado de
entanto, redes podem existir em diferentes      formas de atuação e propósitos. Um exemplo
estágios e diferentes níveis e formatos de      são os consórcios que atuam no setor das
conexão. O primeiro deles parte da              grandes construções. Por causar impacto
compreensão de que redes são formadas por       ambiental,    econômico     e     social,   as
indivíduos conectados. Todos nós temos a        organizações principais e o governo precisam
pré-disposição de estar conectados, passamos    estabelecer diálogo e redes atuantes com
grande parte dos nossos dias nos relacionando   todos os stakeholders, em especial as
através de redes, especialmente redes sociais   comunidades no entorno da obra, através de
e virtuais, usando-as como meios de             ONGs, institutos e mesmo as universidades
informação e de troca de conteúdos. As          que podem ajudar no desenvolvimento de
organizações perceberam, então, que existia     tecnologias apropriadas para a região. Hoje, a
ali uma oportunidade. E passaram a usar         rede    formada      entre   organização     e
stakeholders é quase que obrigatória para que    companhias usa recursos dos seus parceiros,
todos trabalhem de forma conectada e esteja      ela gera uma vantagem competitiva, acessa
garantida não só a viabilidade da obra como      novos mercados, ganha escala, reduz custos,
também uma situação em que todos ganham.         adquire e repassa para os seus clientes as
                                                 vantagens que a rede proporciona, abrindo
Existe hoje um conjunto amplo de                 novas possibilidades de oferecimento de
possibilidades de conexão. Entre indivíduos,     produtos e serviços. Na percepção dos
dentro das organizações, entre organizações,     clientes, isso significa aumento de valor, ele
entre parceiros, ou com diferentes atores.       passa a optar por determinada rede.
São redes com variadas formas, acordos,
intensidades,    tipos     de     contratação,   No entanto, enquanto parcerias podem ser
investimentos e alianças, sendo necessário       extremamente vantajosas, também geram um
desenvolver diferentes mecanismos, recursos      alto número de insucessos. Isso acontece
e instrumentos para gerir essas parcerias.       porque é muito mais difícil gerir uma parceria
                                                 ou uma rede do que uma organização
Mas porque hoje? A ideia do trabalho em          individualmente. A formação de uma rede
conexão existe na história há séculos. Há        para cooperação vai exigir o desenvolvimento
muito que se sabe que a divisão do trabalho      de estruturas específicas de gestão. Nesse
promove eficiência, que cada um pode             ponto podem começar os problemas de
desenvolver um conhecimento específico e         diferenças   entre    parceiros.    Diferenças
depois trocar esses conhecimentos e ainda        culturais, por exemplo com a origem do
atrair novos. O que mudou no início do século    capital ou com a nacionalidade da empresa.
XXI foi a complexidade do ambiente, o            Diferenças setoriais – setores raciocinam de
aprofundamento         dos      conhecimentos    forma diferente, têm negociações, tempos e
específicos, exigindo cada vez mais vantagens    tecnologias diferentes. Muitas vezes, nem os
competitivas      diferenciadas    de    cada    objetivos   convergentes      necessariamente
organização. Hoje o mundo tem cerca de 70%       convergem. E esse é um dos mais graves
dos seus produtos gerados com base em            motivos de rupturas da rede.
conhecimento. E à medida que esse
conhecimento se torna mais complexo, menos       Depois de encontrada a oportunidade da
uma organização é capaz de dominar todas as      parceria, vem todo um conjunto de
informações necessárias para enfrentar os        atividades, dentro de unidades de negócios
desafios atuais. Mas em rede, com                específicas, que vão ter que se conectar com
cooperação, ela não só saberá enfrentar          outras    e    processos   terão   que    ser
riscos e vencer desafios como entregará um       desenvolvidos. Entre essas empresas circula
produto ou serviço muito melhor ao mercado.      informação, conhecimento, cooperação. No
A parceria traz a possibilidade de entender      entanto, não existe estrutura hierárquica,
melhor a demanda, ajustar processos, colar as    poder que se sobressaia. Uma estrutura de
cadeias       produtivas      e     estruturas   confiança deve ser formada, com contratos
organizacionais e levar ao mercado um            formais e também informais, que previnam
produto mais interessante do que estava          comportamentos oportunistas.
levando antes. Ao mesmo tempo, por trás de
todos esses processos, a rede também está        Para uma boa parceria acontecer, é
trocando informações sobre o padrão e perfil     necessário   criar   fluxos,   trabalhar   as
de consumo de seus clientes. E com isso pode     diferenças culturais, posicionar os objetivos
gerar ainda mais negócios. Isso muda o lócus     convergentes, a integração entre processos, a
da competição, que deixa de ser uma              governança e, especialmente, desenvolver
concorrência empresa X empresa para se           boas lideranças. O trabalho para que a
tornar uma competição entre redes. Um bom        parceria dê certo é árduo, mas os ganhos são
exemplo é o setor de aviação comercial,          muitos.
formado por grandes alianças internacionais      Até onde as empresas cooperam para inovar
entre companhias aéreas. Quando uma dessas
tecnológico e não conseguem articular o
                                                conhecimento internamente com eficiência.

                                                Sobre os tipos de parceiros com quem as
                                                empresas cooperam, a maior parte respondeu
                                                que é com os fornecedores. Em seguida, com
                                                os clientes. A relação fornecedor/cliente é a
                                                mais procurada por gerar uma espécie de lock
                                                in, unindo os dois parceiros numa vantagem
                                                também comercial. Em terceiro lugar,
                                                aparece a parceria com universidades, que
                                                trazem novos conhecimentos para a rede.
A professora e pesquisadora Hérica Righi        Depois, vêm as empresas de consultoria.
trouxe     para  o   grupo   alguns  dados
interessantes sobre o processo de inovação      Os dados sobre os objetivos da cooperação
através da cooperação nas empresas              são resultado de uma pesquisa feita com o
brasileiras.                                    grupo de participantes do CRI. A maior parte
                                                das respostas ligou os objetivos da
A primeira informação veio de uma pesquisa      cooperação (seja com         clientes,  com
realizada entre os CEOs das maiores empresas    fornecedores ou universidades) a P&D. Outras
no mundo. Eles foram perguntados sobre a        resposta que surgiu algumas vezes foi
expectativa de inovação nas suas empresas       “ensaios de testes para produtos”, que
para os próximos 3 anos. A maior parte deles    normalmente são feitos em laboratórios
respondeu que espera desenvolver inovações      especializados parceiros para aprovar a
com parceiros fora de suas organizações. Isso   tecnologia que está sendo pesquisada ou
demonstra que já está no mind set das           desenvolvida.
empresas que elas não vão desenvolver
inovações     sozinhas.     Algumas    delas    A cooperação para inovação vai ter diferentes
responderam que contam com ajuda de seus        características e objetivos de acordo com o
governos e outras vão desenvolver em            setor em que a empresa está inserida. As
conjuntos com diferentes instituições como      diferenças setoriais estão centradas no tipo
universidade, institutos de pesquisa, órgãos    de conhecimento que o setor demanda e o
de fomento, entre outros. Ou seja, a maior      regime de propriedade tecnológica, nos
parte das inovações passará por integrações     atores e nas redes daquele setor e nos marcos
com diferentes atores.                          estabelecidos:       instituições,     marcos
                                                regulatórios, patentes, etc.
Outros dados apresentados são da Pintec –
2008 Pesquisa de Inovação Tecnológica           A cooperação para a inovação passa pela
realizada pelo IBGE, observando um corte        mesma ideia de cooperação para qualquer
feito especificamente sobre cooperação entre    outra finalidade – juntar competências
empresas com foco em inovação. Segundo a        distintas e criar algo de maior valor para o
pesquisa (2008), 41 mil empresas inovaram no    mercado e com mais eficiência – e não se
Brasil. Dessas, apenas 4 mil inovaram com       restringe somente às indústrias de alta
cooperação de um universo de mais de 100        densidade tecnológica.      Muito menos se
mil empresas analisadas. Na divisão entre       restringe ao tipo de inovação. A cooperação
pequenas, médias e grandes, as grandes          pode estar presente em todos eles: produto,
inovaram significativamente mais que as         processo, mercado ou modelo de negócio.
outras. Por terem um mercado maior, mais
condições de investir, conseguem atrair         Os desafios para a cooperação
parceiros para a inovação e agir de maneira
disruptiva. As pequenas empresas, muitas
vezes, estão correndo atrás de um gap
interesses, com fluxos e instrumentos eficazes
                                                de gestão das competências de uma parceria.

                                                Caso Magnesita: Logística Reversa para a
                                                Sustentabilidade




Os participantes foram convidados a discutir
entre si quais são os principais desafios que
hoje as empresas enfrentam para cooperar na
busca pela inovação. Com quem eles já
cooperam, com quem poderiam cooperar,
quais são as dificuldades na criação desta
rede?                                           Vários dos conceitos de parceria, cooperação
                                                e rede que foram apresentados e discutidos
Um dos parceiros mais citados foi a             durante o encontro puderam ser constatados
universidade, em grande parte pelas             na apresentação do Caso de Inovação da
dificuldades que essa relação impõe. Uma das    Magnesita, que desenvolveu um projeto de
mais graves está na diferença de timing entre   Logística Reversa para a reciclagem dos
a empresa e a academia. A urgência que a        resíduos refratários gerados por seus clientes.
empresa tem de colocar os novos produtos no     Um dos fatores de sucesso do projeto é
mercado encontra uma resistência na             exatamente a conexão feita com diversos
universidade. Além disso, os dois falam         atores, desde a pesquisa laboratorial sobre as
línguas diferentes, uma voltada para a          rotas de reciclagem de cada material até a
velocidade e as demandas do mercado e a         forte parceria com os clientes, que precisam
outra voltada para o academicismo do            agir em conjunto com a Magnesita na coleta
desenvolvimento de conhecimento. É um           seletiva e transporte dos materiais que vão
desafio trabalhar com as universidade, mas é    ser reciclados.
também uma oportunidade. Cada uma tem a
sua função na sociedade e isso não vai mudar,   Mais detalhes sobre o projeto e os
mas talvez as escolas possam ser melhor         significativos resultados que a empresa tem
preparadas para receber e entender o projeto    conseguido estarão no Caso de Inovação
das empresas e para gerar mão de obra           Magnesita, documento em fase de aprovação,
específica para este mercado. O fluxo é que     que será entregue para os participantes no
precisa ser melhor construído.                  próximo encontro.

Entre os demais atores, novamente os mais       FINEP, Agência Brasileira da Inovação
citados foram os fornecedores e os clientes.
Nesse caso, os maiores desafios estão em        Alexandre Barragat, Superintendente da Área
alinhar as diretrizes estratégicas de cada      de Financiamento da Finep – Financiadora de
empresa envolvida, especialmente na questão     Pesquisas e Projetos – fechou o encontro
dos objetivos, da confiabilidade e da           apresentando a instituição e as suas linhas de
confidencialidade. Também é importante que      financiamento e crédito às empresas. Criada
cada empresa envolvida na rede entenda os       em 1967 para apoio ao desenvolvimento
processos, procedimentos e produtos da          tecnológico, especificamente com crédito (a
outra. O segredo está em orquestrar todos os    partir de 1976), a Finep passou por uma
                                                revisão de planejamento estratégico no ano
passado e adotou a ambiciosa estratégia de        Até a Próxima!
transformar o Brasil através da inovação. Para
                                                  Equipe CRI-MG
isso, atua com três formas de apoio:
financiamento     não    reembolsável    (com     Empresas associadas:
recursos dos fundos setoriais), Fundos de
capital de risco (ou subvenção econômica) e
Financiamento Reembolsável (Inova Brasil).

A Finep está estruturada para financiar
empresas em todos os níveis de maturidade e
em todos os níveis de desenvolvimento
científico, tecnológico e de inovação, desde a
fase inicial de pesquisa científica e
infraestrutura (com a modalidade de
financiamento não reembolsável FNDCT) até a
fase de expansão e consolidação (com as
modalidades de financiamento Crédito, ICT-
EMP e Subvenção Econômica).

Entre os Financiamentos Não Reembolsáveis
está a Subvenção Econômica, que apoia o
desenvolvimento de produtos, processos e
serviços inovadores brasileiros em áreas
consideradas estratégicas nas políticas
públicas federais. Já foram 4 editais de
Subvenção Econômica, com total aprovado de
R$1,6 bilhão para 825 projetos. Outros
financiamentos Não Reembolsáveis são os
Fundos Setoriais e o Prêmio Finep de Inovação
– que premia, com R$ 120 mil a R$ 2 milhões,
micro, pequenas, médias e grandes empresas
por    seus   esforços    inovadores.     Outro
instrumento da Finep são os Fundos de Capital
de Risco. Há 11 anos a Finep vem tentando
estimular uma indústria de capital de risco no
Brasil, ajudando a qualificar e investir, junto
com outros parceiros. O Inova Brasil é mais
um programa de crédito, de Financiamento
Reembolsável, sobre o qual a Finep recebeu
recursos de R$ 3,7 bilhões para operá-lo. O
público alvo desse programa são as empresas
de médio a grande porte. As propostas são
feitas de modo aberto, sem edital ou período
para ocorrerem e podem se encaixar entre
três linhas: Inovação Tecnológica, Capital
Inovador (para estrutura física de P&D) e Pré-
Investimento     (para      implantação      de
engenharias e conhecimentos totalmente
novos). Entre 1999 e 2010, os recursos da
Finep cresceram quase 10x, divididos entre
FNDCT, Subvenção (a partir de 2006) e
Crédito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunidade de prática síntese
Comunidade de prática   sínteseComunidade de prática   síntese
Comunidade de prática síntese
Escola do Futuro/GV & Skill Idiomas/ GV
 
ESARH - construção e gestão do conhecimento
ESARH - construção e gestão do conhecimentoESARH - construção e gestão do conhecimento
ESARH - construção e gestão do conhecimento
Jose Claudio Terra
 
Agreci
AgreciAgreci
Agreci
guestfa5d35
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
Elvis Fusco
 
Comunidades de Prática
Comunidades de PráticaComunidades de Prática
Comunidades de Prática
Pós Marketing Una
 
Análise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacional
Análise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacionalAnálise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacional
Análise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacional
Jose Claudio Terra
 
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp. 2010
 E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp.  2010 E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp.  2010
E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp. 2010
E-Consulting Corp.
 
Plataforma > Cocriação > Desenvolvimento
Plataforma > Cocriação > DesenvolvimentoPlataforma > Cocriação > Desenvolvimento
Plataforma > Cocriação > Desenvolvimento
Symnetics Business Transformation
 
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
Léo Vitor
 
FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...
FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...
FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...
Diogo Rangel
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007
Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007
Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007
Neli Maria Mengalli
 
Trabalho colaborativo em UCs
Trabalho colaborativo em UCsTrabalho colaborativo em UCs
Aula 2 15 maio
Aula 2 15 maioAula 2 15 maio
Aula 2 15 maio
Anabela Mesquita
 
Casos clientes terraforum gestão do conhecimento e comunidades
Casos clientes terraforum gestão do conhecimento  e comunidadesCasos clientes terraforum gestão do conhecimento  e comunidades
Casos clientes terraforum gestão do conhecimento e comunidades
Jose Claudio Terra
 
Elias alexandre-dos-santos---sebrae
Elias alexandre-dos-santos---sebraeElias alexandre-dos-santos---sebrae
Elias alexandre-dos-santos---sebrae
Angela Maria Pinheiro
 

Mais procurados (17)

Comunidade de prática síntese
Comunidade de prática   sínteseComunidade de prática   síntese
Comunidade de prática síntese
 
ESARH - construção e gestão do conhecimento
ESARH - construção e gestão do conhecimentoESARH - construção e gestão do conhecimento
ESARH - construção e gestão do conhecimento
 
Agreci
AgreciAgreci
Agreci
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
 
Comunidades de Prática
Comunidades de PráticaComunidades de Prática
Comunidades de Prática
 
Análise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacional
Análise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacionalAnálise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacional
Análise de Redes Sociais: melhorando o desempenho individual e organizacional
 
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 9
 
E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp. 2010
 E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp.  2010 E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp.  2010
E-Book Valor Anytime-Anywhere E-Consulting Corp. 2010
 
Plataforma > Cocriação > Desenvolvimento
Plataforma > Cocriação > DesenvolvimentoPlataforma > Cocriação > Desenvolvimento
Plataforma > Cocriação > Desenvolvimento
 
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
 
FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...
FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...
FÓRUNS VIRTUAIS DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: ESTUD...
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007
Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007
Incubadora de Comunidade de Prática (CoP): Dias 09 e 10 de abril de 2007
 
Trabalho colaborativo em UCs
Trabalho colaborativo em UCsTrabalho colaborativo em UCs
Trabalho colaborativo em UCs
 
Aula 2 15 maio
Aula 2 15 maioAula 2 15 maio
Aula 2 15 maio
 
Casos clientes terraforum gestão do conhecimento e comunidades
Casos clientes terraforum gestão do conhecimento  e comunidadesCasos clientes terraforum gestão do conhecimento  e comunidades
Casos clientes terraforum gestão do conhecimento e comunidades
 
Elias alexandre-dos-santos---sebrae
Elias alexandre-dos-santos---sebraeElias alexandre-dos-santos---sebrae
Elias alexandre-dos-santos---sebrae
 

Destaque

Lições da crise: como ampliar mercado em época de incerteza
Lições da crise: como ampliar mercado em época de incertezaLições da crise: como ampliar mercado em época de incerteza
Lições da crise: como ampliar mercado em época de incerteza
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Características e perspectivas de mercados emergentes
Características e perspectivas de mercados emergentesCaracterísticas e perspectivas de mercados emergentes
Características e perspectivas de mercados emergentes
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Atex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de Redes
Atex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de RedesAtex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de Redes
Atex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de Redes
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado
Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privadoInfraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado
Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012
Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012
Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012
Fundação Dom Cabral - FDC
 
FDC- Estudo de caso Atlas Eletrodomésticos
FDC- Estudo de caso Atlas EletrodomésticosFDC- Estudo de caso Atlas Eletrodomésticos
FDC- Estudo de caso Atlas Eletrodomésticos
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiroGestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Relatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para Minas
Relatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para MinasRelatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para Minas
Relatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para Minas
Fundação Dom Cabral - FDC
 

Destaque (8)

Lições da crise: como ampliar mercado em época de incerteza
Lições da crise: como ampliar mercado em época de incertezaLições da crise: como ampliar mercado em época de incerteza
Lições da crise: como ampliar mercado em época de incerteza
 
Características e perspectivas de mercados emergentes
Características e perspectivas de mercados emergentesCaracterísticas e perspectivas de mercados emergentes
Características e perspectivas de mercados emergentes
 
Atex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de Redes
Atex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de RedesAtex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de Redes
Atex do Brasil - Um Novo Modelo Estratégico de Redes
 
Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado
Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privadoInfraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado
Infraestrutura, competitividade e os determinantes para o investimento privado
 
Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012
Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012
Relatório - 2º encontro da comunidade de desenvolvimento 2012
 
FDC- Estudo de caso Atlas Eletrodomésticos
FDC- Estudo de caso Atlas EletrodomésticosFDC- Estudo de caso Atlas Eletrodomésticos
FDC- Estudo de caso Atlas Eletrodomésticos
 
Gestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiroGestão da inovação no contexto brasileiro
Gestão da inovação no contexto brasileiro
 
Relatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para Minas
Relatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para MinasRelatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para Minas
Relatório de pesquisa - De Minas Para o Mundo, do Mundo Para Minas
 

Semelhante a Relatorio 06outubro2011

Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Daniel Egger
 
Dez passos para construir a organizacao inovadora
Dez passos para construir a organizacao inovadoraDez passos para construir a organizacao inovadora
Dez passos para construir a organizacao inovadora
Jose Claudio Terra
 
Dez Passos Para Construir a organização Inovadora
Dez Passos Para Construir a organização InovadoraDez Passos Para Construir a organização Inovadora
Dez Passos Para Construir a organização Inovadora
Jose Claudio Terra
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014 Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
Plugged Research
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
Indico S.A.
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Marcelo Vitorino
 
Fontes de Financimento 4 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 4 - Minom PinhoFontes de Financimento 4 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 4 - Minom Pinho
Cultura e Mercado
 
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massaA engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
minasinvest
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
guestfbbe779f
 
Redes de cooperação
Redes de cooperaçãoRedes de cooperação
Redes de cooperação
Carlos Ribeiro
 
Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group
Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group
Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group
Symnetics Business Transformation
 
Palestra redes sociais congresso aberje - dr. josé cláudio c. terra
Palestra redes sociais   congresso aberje - dr. josé cláudio c. terraPalestra redes sociais   congresso aberje - dr. josé cláudio c. terra
Palestra redes sociais congresso aberje - dr. josé cláudio c. terra
Jose Claudio Terra
 
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas DigitaisComunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
USP e Plexus
 
O Poder Da Colaboração - Revista DOM FDC
O Poder Da Colaboração - Revista DOM FDCO Poder Da Colaboração - Revista DOM FDC
O Poder Da Colaboração - Revista DOM FDC
Luis Lobão
 
Inova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMA
Inova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMAInova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMA
Inova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMA
Hermano Reis
 
Material produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights GroupMaterial produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights Group
Symnetics Business Transformation
 
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividadeGestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Nit Celesc
 
Gestão da Inovação com Sustentabilidade e Conectividade
Gestão da Inovação com Sustentabilidade e ConectividadeGestão da Inovação com Sustentabilidade e Conectividade
Gestão da Inovação com Sustentabilidade e Conectividade
Angela Iara Zotti
 
Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio
Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócioWikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio
Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio
Guilherme Goes
 
os desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimento
os desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimentoos desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimento
os desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimento
Fábio Nogueira, PhD
 

Semelhante a Relatorio 06outubro2011 (20)

Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
 
Dez passos para construir a organizacao inovadora
Dez passos para construir a organizacao inovadoraDez passos para construir a organizacao inovadora
Dez passos para construir a organizacao inovadora
 
Dez Passos Para Construir a organização Inovadora
Dez Passos Para Construir a organização InovadoraDez Passos Para Construir a organização Inovadora
Dez Passos Para Construir a organização Inovadora
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014 Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
 
Fontes de Financimento 4 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 4 - Minom PinhoFontes de Financimento 4 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 4 - Minom Pinho
 
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massaA engrenagem e aforça da colaboração em massa
A engrenagem e aforça da colaboração em massa
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
 
Redes de cooperação
Redes de cooperaçãoRedes de cooperação
Redes de cooperação
 
Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group
Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group
Resumo dos encontros do BIG - Business Insights Group
 
Palestra redes sociais congresso aberje - dr. josé cláudio c. terra
Palestra redes sociais   congresso aberje - dr. josé cláudio c. terraPalestra redes sociais   congresso aberje - dr. josé cláudio c. terra
Palestra redes sociais congresso aberje - dr. josé cláudio c. terra
 
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas DigitaisComunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
 
O Poder Da Colaboração - Revista DOM FDC
O Poder Da Colaboração - Revista DOM FDCO Poder Da Colaboração - Revista DOM FDC
O Poder Da Colaboração - Revista DOM FDC
 
Inova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMA
Inova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMAInova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMA
Inova - Inovação, Empreendedorismo e Desenvolvimento da UEMA
 
Material produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights GroupMaterial produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no Segundo encontro do BIG - Business Insights Group
 
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividadeGestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
 
Gestão da Inovação com Sustentabilidade e Conectividade
Gestão da Inovação com Sustentabilidade e ConectividadeGestão da Inovação com Sustentabilidade e Conectividade
Gestão da Inovação com Sustentabilidade e Conectividade
 
Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio
Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócioWikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio
Wikinomics - Como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio
 
os desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimento
os desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimentoos desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimento
os desafios da produtividade - novas habilidades na era do conhecimento
 

Mais de Fundação Dom Cabral - FDC

Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilGestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDCRevista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Introdução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderançaIntrodução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderança
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
Fundação Dom Cabral - FDC
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
Personality insights 2017
Personality insights 2017Personality insights 2017
Personality insights 2017
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Governança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidadeGovernança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidade
Fundação Dom Cabral - FDC
 
A representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraA representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileira
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI:  alternativas para o BrasilComércio internacional no século XXI:  alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDCDigitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaMulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Construindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoConstruindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenho
Fundação Dom Cabral - FDC
 
A era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhadoA era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhado
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Os estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovaçãoOs estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovação
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Learning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich CanadaLearning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich Canada
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Fundação Dom Cabral - FDC
 

Mais de Fundação Dom Cabral - FDC (20)

Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilGestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
 
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDCRevista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
 
Introdução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderançaIntrodução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderança
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
PILT FDC 2018
 
Personality insights 2017
Personality insights 2017Personality insights 2017
Personality insights 2017
 
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
 
Governança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidadeGovernança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidade
 
A representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraA representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileira
 
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI:  alternativas para o BrasilComércio internacional no século XXI:  alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
 
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDCDigitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
 
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaMulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
 
Construindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoConstruindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenho
 
A era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhadoA era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhado
 
Os estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovaçãoOs estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovação
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
 
Learning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich CanadaLearning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich Canada
 
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
 

Relatorio 06outubro2011

  • 1. intercâmbio sobre suas ações em parceria e os desafios desse processo. O caso apresentado foi a prática de logística reversa em refratários da Magnesita, empresa participante do CRI. A pesquisadora da FUNDAÇÃO DOM CABRAL Magnesita, Daniele Fonseca de Lima, compartilhou com todos a oportunidade de desenvolver uma nova plataforma de negócios CENTRO DE REFERÊNCIA EM dentro da sua empresa, com foco na INOVAÇÃO – MINAS sustentabilidade, tanto dos recursos naturais que utiliza quanto da sua cadeia produtiva. 06/10/2011 O Caso de Inovação Magnesita já está em produção pela equipe do CRI Minas e deverá Um sistema de inovação é, por natureza, um ser entregue no próximo encontro, dia 15 de sistema de cooperação. É resultado de um dezembro, para os integrantes, juntamente conjunto de conhecimentos, tecnologias e expertises que podem ser melhor gerados pela com os outros Casos que estão em fase final integração entre atores: parceiros que sabem atuar de aprovação interna nas empresas onde juntos em busca de inovação. foram gerados: Samarco e Alstom. As versões impressas e online de cada Caso serão “Cooperando para Inovar” foi o tema do disponibilizadas para todos dentro do objetivo penúltimo encontro do ciclo 2011 do CRI MG. do CRI de partilhar e disseminar as Um tema bastante rico, especialmente pela experiências e os estudos gerados pelo grupo troca de experiências entre o grupo de e por cada empresa do grupo na criação de empresas participantes do Centro de um ambiente propício para a inovação Referência da Inovação Minas que, afinal, foi contínua em Minas Gerais. criado pensando na eficiência de uma rede de parcerias e cooperação quando o assunto é Na sequencia do encontro, Alexandre inovação. Barragat, superintendente de relacionamento com empresas da FINEP – Financiadora de A primeira parte do encontro contou com Pesquisas e Projetos – aproveitou a conceitos, reflexões e dados de pesquisa oportunidade de conhecer as grandes sobre a prática de parcerias e interações com empresas mineiras e apresentar os fundos de outros agentes e atores da inovação, financiamento da FINEP. apresentados pelas professoras integrantes do Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral, A agenda para 2012 do CRI Minas já está Rosiléia Milagres e Hérica Righi. As duas definida e terá o encontro de abertura no dia economistas trabalham com esse tema desde 22 de março, com presenças internacionais 2004 e acreditam que estratégia e inovação como Peter Skarzynski, co-fundador da são faces de uma mesma moeda. Segundo empresa de consultoria Strategos. As Rosiléia Milagres, “não tem como se empresas que ainda não definiram sua posicionar estrategicamente dentro de um participação no CRI de 2012 são convidadas a ambiente se você não pensar de forma não perder a oportunidade de estar, por mais inovadora, se você não inovar nos seus um ano, no centro da discussão sobre processos, produtos e modelos de negocio. E a inovação no estado. inovação de um modelo de negócios pode ser feita através da formação de redes e Inovação e Relacionamento com o Ambiente parcerias”. Externo Dentro do contexto que as duas professoras e pesquisadoras apresentaram, as empresas A professora Rosiléia Milagres começou sua foram convidadas a uma prática de apresentação com muita música e uma
  • 2. redes e mídias sociais como fonte de inteligência competitiva. São espaços para conversar, comunicar-se com os seus consumidores, pesquisar tendências de consumo, capturar ideias e fidelizar clientes. Instituições mais específicas podem usar as redes inclusive para fazer negócios, transações colaborativas. As pessoas conectadas individualmente também estão conectadas dentro de suas organizações. E ali mesmo podem trocar interessante analogia. A gravação da música conhecimentos, competências, habilidades, exibida em vídeo pela professora foi feita em informações. Hoje, cada vez mais, as diversos lugares do mundo, com músicos, organizações buscam as comunidades de instrumentos e vozes espalhados, mas um prática internas para transferirem único resultado: uma bela música, muito conhecimentos e informações que vão trazer melhor executada do que se qualquer um vantagens competitivas. Para isso, é deles tivesse gravando a mesma canção necessário criar espaços de encontro e sozinho. Reunindo as competências, interação, para estimular a troca entre as habilidades e experiências de vida de cada pessoas. um dos participantes do projeto e uma produção organizada pela tecnologia a tempo Indo além das comunidades internas, as e a hora do mundo atual, o produto final saiu organizações podem estar conectadas entre melhor, mais interessante e mais atrativo si, em redes inter organizacionais. Redes para o consumidor, nesse caso, o apreciador assim podem se formar dentro da cadeia de música. Partindo do conceito produtiva, por exemplo. As relações que são subjetivamente exposto no vídeo, ficou clara estabelecidas ali têm características próprias, a conexão entre essa experiência e o fluxos e conexões cooperativas. São joint movimento mercadológico que está por trás ventures, alianças estratégicas, acordos para das redes. troca de tecnologia, desenvolvimento de novas tecnologias ou para acessar novos Dentro do contexto global, de mercados. compartilhamento, velocidade das informações e troca de conteúdo, as redes Outros tipos de redes englobariam ainda adquirem uma relevância ímpar no mundo dos diferentes atores como governo, instituições, negócios. As redes ajudam as organizações a universidades, institutos de pesquisa, ONGs, responderem aos desafios colocados nesse comunidade. A conexão entre esses tipos de ambiente, a se manterem competitivas, atores pode ser um pouco mais complexa, já construindo suas vantagens competitivas. No que envolve um conjunto diversificado de entanto, redes podem existir em diferentes formas de atuação e propósitos. Um exemplo estágios e diferentes níveis e formatos de são os consórcios que atuam no setor das conexão. O primeiro deles parte da grandes construções. Por causar impacto compreensão de que redes são formadas por ambiental, econômico e social, as indivíduos conectados. Todos nós temos a organizações principais e o governo precisam pré-disposição de estar conectados, passamos estabelecer diálogo e redes atuantes com grande parte dos nossos dias nos relacionando todos os stakeholders, em especial as através de redes, especialmente redes sociais comunidades no entorno da obra, através de e virtuais, usando-as como meios de ONGs, institutos e mesmo as universidades informação e de troca de conteúdos. As que podem ajudar no desenvolvimento de organizações perceberam, então, que existia tecnologias apropriadas para a região. Hoje, a ali uma oportunidade. E passaram a usar rede formada entre organização e
  • 3. stakeholders é quase que obrigatória para que companhias usa recursos dos seus parceiros, todos trabalhem de forma conectada e esteja ela gera uma vantagem competitiva, acessa garantida não só a viabilidade da obra como novos mercados, ganha escala, reduz custos, também uma situação em que todos ganham. adquire e repassa para os seus clientes as vantagens que a rede proporciona, abrindo Existe hoje um conjunto amplo de novas possibilidades de oferecimento de possibilidades de conexão. Entre indivíduos, produtos e serviços. Na percepção dos dentro das organizações, entre organizações, clientes, isso significa aumento de valor, ele entre parceiros, ou com diferentes atores. passa a optar por determinada rede. São redes com variadas formas, acordos, intensidades, tipos de contratação, No entanto, enquanto parcerias podem ser investimentos e alianças, sendo necessário extremamente vantajosas, também geram um desenvolver diferentes mecanismos, recursos alto número de insucessos. Isso acontece e instrumentos para gerir essas parcerias. porque é muito mais difícil gerir uma parceria ou uma rede do que uma organização Mas porque hoje? A ideia do trabalho em individualmente. A formação de uma rede conexão existe na história há séculos. Há para cooperação vai exigir o desenvolvimento muito que se sabe que a divisão do trabalho de estruturas específicas de gestão. Nesse promove eficiência, que cada um pode ponto podem começar os problemas de desenvolver um conhecimento específico e diferenças entre parceiros. Diferenças depois trocar esses conhecimentos e ainda culturais, por exemplo com a origem do atrair novos. O que mudou no início do século capital ou com a nacionalidade da empresa. XXI foi a complexidade do ambiente, o Diferenças setoriais – setores raciocinam de aprofundamento dos conhecimentos forma diferente, têm negociações, tempos e específicos, exigindo cada vez mais vantagens tecnologias diferentes. Muitas vezes, nem os competitivas diferenciadas de cada objetivos convergentes necessariamente organização. Hoje o mundo tem cerca de 70% convergem. E esse é um dos mais graves dos seus produtos gerados com base em motivos de rupturas da rede. conhecimento. E à medida que esse conhecimento se torna mais complexo, menos Depois de encontrada a oportunidade da uma organização é capaz de dominar todas as parceria, vem todo um conjunto de informações necessárias para enfrentar os atividades, dentro de unidades de negócios desafios atuais. Mas em rede, com específicas, que vão ter que se conectar com cooperação, ela não só saberá enfrentar outras e processos terão que ser riscos e vencer desafios como entregará um desenvolvidos. Entre essas empresas circula produto ou serviço muito melhor ao mercado. informação, conhecimento, cooperação. No A parceria traz a possibilidade de entender entanto, não existe estrutura hierárquica, melhor a demanda, ajustar processos, colar as poder que se sobressaia. Uma estrutura de cadeias produtivas e estruturas confiança deve ser formada, com contratos organizacionais e levar ao mercado um formais e também informais, que previnam produto mais interessante do que estava comportamentos oportunistas. levando antes. Ao mesmo tempo, por trás de todos esses processos, a rede também está Para uma boa parceria acontecer, é trocando informações sobre o padrão e perfil necessário criar fluxos, trabalhar as de consumo de seus clientes. E com isso pode diferenças culturais, posicionar os objetivos gerar ainda mais negócios. Isso muda o lócus convergentes, a integração entre processos, a da competição, que deixa de ser uma governança e, especialmente, desenvolver concorrência empresa X empresa para se boas lideranças. O trabalho para que a tornar uma competição entre redes. Um bom parceria dê certo é árduo, mas os ganhos são exemplo é o setor de aviação comercial, muitos. formado por grandes alianças internacionais Até onde as empresas cooperam para inovar entre companhias aéreas. Quando uma dessas
  • 4. tecnológico e não conseguem articular o conhecimento internamente com eficiência. Sobre os tipos de parceiros com quem as empresas cooperam, a maior parte respondeu que é com os fornecedores. Em seguida, com os clientes. A relação fornecedor/cliente é a mais procurada por gerar uma espécie de lock in, unindo os dois parceiros numa vantagem também comercial. Em terceiro lugar, aparece a parceria com universidades, que trazem novos conhecimentos para a rede. A professora e pesquisadora Hérica Righi Depois, vêm as empresas de consultoria. trouxe para o grupo alguns dados interessantes sobre o processo de inovação Os dados sobre os objetivos da cooperação através da cooperação nas empresas são resultado de uma pesquisa feita com o brasileiras. grupo de participantes do CRI. A maior parte das respostas ligou os objetivos da A primeira informação veio de uma pesquisa cooperação (seja com clientes, com realizada entre os CEOs das maiores empresas fornecedores ou universidades) a P&D. Outras no mundo. Eles foram perguntados sobre a resposta que surgiu algumas vezes foi expectativa de inovação nas suas empresas “ensaios de testes para produtos”, que para os próximos 3 anos. A maior parte deles normalmente são feitos em laboratórios respondeu que espera desenvolver inovações especializados parceiros para aprovar a com parceiros fora de suas organizações. Isso tecnologia que está sendo pesquisada ou demonstra que já está no mind set das desenvolvida. empresas que elas não vão desenvolver inovações sozinhas. Algumas delas A cooperação para inovação vai ter diferentes responderam que contam com ajuda de seus características e objetivos de acordo com o governos e outras vão desenvolver em setor em que a empresa está inserida. As conjuntos com diferentes instituições como diferenças setoriais estão centradas no tipo universidade, institutos de pesquisa, órgãos de conhecimento que o setor demanda e o de fomento, entre outros. Ou seja, a maior regime de propriedade tecnológica, nos parte das inovações passará por integrações atores e nas redes daquele setor e nos marcos com diferentes atores. estabelecidos: instituições, marcos regulatórios, patentes, etc. Outros dados apresentados são da Pintec – 2008 Pesquisa de Inovação Tecnológica A cooperação para a inovação passa pela realizada pelo IBGE, observando um corte mesma ideia de cooperação para qualquer feito especificamente sobre cooperação entre outra finalidade – juntar competências empresas com foco em inovação. Segundo a distintas e criar algo de maior valor para o pesquisa (2008), 41 mil empresas inovaram no mercado e com mais eficiência – e não se Brasil. Dessas, apenas 4 mil inovaram com restringe somente às indústrias de alta cooperação de um universo de mais de 100 densidade tecnológica. Muito menos se mil empresas analisadas. Na divisão entre restringe ao tipo de inovação. A cooperação pequenas, médias e grandes, as grandes pode estar presente em todos eles: produto, inovaram significativamente mais que as processo, mercado ou modelo de negócio. outras. Por terem um mercado maior, mais condições de investir, conseguem atrair Os desafios para a cooperação parceiros para a inovação e agir de maneira disruptiva. As pequenas empresas, muitas vezes, estão correndo atrás de um gap
  • 5. interesses, com fluxos e instrumentos eficazes de gestão das competências de uma parceria. Caso Magnesita: Logística Reversa para a Sustentabilidade Os participantes foram convidados a discutir entre si quais são os principais desafios que hoje as empresas enfrentam para cooperar na busca pela inovação. Com quem eles já cooperam, com quem poderiam cooperar, quais são as dificuldades na criação desta rede? Vários dos conceitos de parceria, cooperação e rede que foram apresentados e discutidos Um dos parceiros mais citados foi a durante o encontro puderam ser constatados universidade, em grande parte pelas na apresentação do Caso de Inovação da dificuldades que essa relação impõe. Uma das Magnesita, que desenvolveu um projeto de mais graves está na diferença de timing entre Logística Reversa para a reciclagem dos a empresa e a academia. A urgência que a resíduos refratários gerados por seus clientes. empresa tem de colocar os novos produtos no Um dos fatores de sucesso do projeto é mercado encontra uma resistência na exatamente a conexão feita com diversos universidade. Além disso, os dois falam atores, desde a pesquisa laboratorial sobre as línguas diferentes, uma voltada para a rotas de reciclagem de cada material até a velocidade e as demandas do mercado e a forte parceria com os clientes, que precisam outra voltada para o academicismo do agir em conjunto com a Magnesita na coleta desenvolvimento de conhecimento. É um seletiva e transporte dos materiais que vão desafio trabalhar com as universidade, mas é ser reciclados. também uma oportunidade. Cada uma tem a sua função na sociedade e isso não vai mudar, Mais detalhes sobre o projeto e os mas talvez as escolas possam ser melhor significativos resultados que a empresa tem preparadas para receber e entender o projeto conseguido estarão no Caso de Inovação das empresas e para gerar mão de obra Magnesita, documento em fase de aprovação, específica para este mercado. O fluxo é que que será entregue para os participantes no precisa ser melhor construído. próximo encontro. Entre os demais atores, novamente os mais FINEP, Agência Brasileira da Inovação citados foram os fornecedores e os clientes. Nesse caso, os maiores desafios estão em Alexandre Barragat, Superintendente da Área alinhar as diretrizes estratégicas de cada de Financiamento da Finep – Financiadora de empresa envolvida, especialmente na questão Pesquisas e Projetos – fechou o encontro dos objetivos, da confiabilidade e da apresentando a instituição e as suas linhas de confidencialidade. Também é importante que financiamento e crédito às empresas. Criada cada empresa envolvida na rede entenda os em 1967 para apoio ao desenvolvimento processos, procedimentos e produtos da tecnológico, especificamente com crédito (a outra. O segredo está em orquestrar todos os partir de 1976), a Finep passou por uma revisão de planejamento estratégico no ano
  • 6. passado e adotou a ambiciosa estratégia de Até a Próxima! transformar o Brasil através da inovação. Para Equipe CRI-MG isso, atua com três formas de apoio: financiamento não reembolsável (com Empresas associadas: recursos dos fundos setoriais), Fundos de capital de risco (ou subvenção econômica) e Financiamento Reembolsável (Inova Brasil). A Finep está estruturada para financiar empresas em todos os níveis de maturidade e em todos os níveis de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação, desde a fase inicial de pesquisa científica e infraestrutura (com a modalidade de financiamento não reembolsável FNDCT) até a fase de expansão e consolidação (com as modalidades de financiamento Crédito, ICT- EMP e Subvenção Econômica). Entre os Financiamentos Não Reembolsáveis está a Subvenção Econômica, que apoia o desenvolvimento de produtos, processos e serviços inovadores brasileiros em áreas consideradas estratégicas nas políticas públicas federais. Já foram 4 editais de Subvenção Econômica, com total aprovado de R$1,6 bilhão para 825 projetos. Outros financiamentos Não Reembolsáveis são os Fundos Setoriais e o Prêmio Finep de Inovação – que premia, com R$ 120 mil a R$ 2 milhões, micro, pequenas, médias e grandes empresas por seus esforços inovadores. Outro instrumento da Finep são os Fundos de Capital de Risco. Há 11 anos a Finep vem tentando estimular uma indústria de capital de risco no Brasil, ajudando a qualificar e investir, junto com outros parceiros. O Inova Brasil é mais um programa de crédito, de Financiamento Reembolsável, sobre o qual a Finep recebeu recursos de R$ 3,7 bilhões para operá-lo. O público alvo desse programa são as empresas de médio a grande porte. As propostas são feitas de modo aberto, sem edital ou período para ocorrerem e podem se encaixar entre três linhas: Inovação Tecnológica, Capital Inovador (para estrutura física de P&D) e Pré- Investimento (para implantação de engenharias e conhecimentos totalmente novos). Entre 1999 e 2010, os recursos da Finep cresceram quase 10x, divididos entre FNDCT, Subvenção (a partir de 2006) e Crédito.