SlideShare uma empresa Scribd logo
Regras do Futsal
1. A QUADRA
• DIMENSÕES
A quadra de jogo será um retângulo com o comprimento de 42 metros e o mínimo
de 25 metros, tendo a largura máxima de 22 metros e a mínima de 15 metros. As linhas
demarcatórias da quadra, na lateral e no fundo, deverão estar afastadas 1(um) metro de
qualquer obstáculo (cerca ou alambrado)
Para partidas oficiais a quadra deverá ter um comprimento mínimo de 30 metros e
uma largura mínima de 17 metros.
Para partidas oficiais internacionais a quadra deverá ter um comprimento entre 38 e
42 metros e uma largura entre 18 e 22 metros.
• MARCAÇÃO DA QUADRA
Todas as linhas demarcatórias da quadra deverão ser bem visíveis, com 8(oito)
centímetros de espessura, que não sejam sulcos cavados.As linhas demarcatórias de
maior comprimento denominam-se linhas laterais e as de menor comprimento linhas de
fundo.
Na metade da quadra será traçada uma linha divisória, de uma extremidade a outra
das linhas laterais, eqüidistantes as linhas de fundo.
O centro da quadra será demarcado por um pequeno círculo com (dez) centímetros
de diâmetro.
Ao redor do pequeno círculo será fixado o círculo central da quadra com um raio de
3(três) metros.
As linhas que delimitam as partes da quadra de jogo pertencem às respectivas partes.
Nos 4 (quatro) cantos da quadra de jogo, onde se encontram as linhas laterais com as
linhas de fundo, serão marcados um quarto de círculo com 25 cm do raio com linhas
visíveis de 8 cm de espessura
• ÁREA DE META
Nas quadras com largura igual ou superior a 17 metros, em cada extremidade da
quadra, a 6 (seis) metros de distância de cada poste de meta haverá um semicírculo
perpendicular à linha de fundo que se estenderá ao interior da quadra com um raio de
6(seis)metros. A parte superior deste semicírculo será uma linha reta de 3(três) metros,
paralela a linha de fundo, entre os postes. A superfície dentro deste semicírculo
denomina-se área de meta. Nas quadras com largura inferior a 17 metros, o semicírculo
perpendicular a linha de fundo terá um raio de 4(quatro) metros . As linhas
demarcatórias fazem parte da área de meta
• PENALIDADE MÁXIMA
A distância de 6 (seis) metros do ponto central da meta, medida por uma linha
imaginária em ângulo reto com a linha de fundo e assinalada por um pequeno círculo de
10(dez) centímetros de raio, serão marcados os respectivos sinais de penalidade
máxima.
• TIRO LIVRE SEM BARREIRA
A distância de 10 (dez) metros do ponto central da meta, medida por uma linha
imaginária em ângulo reto com a linha de fundo, serão marcados os respectivos sinais,
de onde serão cobrados os tiros livres sem barreira, nas hipóteses previstas nestas
regras.
• INÍCIO E REINÍCIO DA PARTIDA
Será válido o tento assinalado diretamente de bola de saída ou de reinício de partida
após um tento assinalado.
Por ocasião da cobrança de uma penalidade máxima o goleiro poderá mover-se
livremente, desde que o faça sobre a linha da meta.
• ARREMESSO DE META E DO GOLEIRO
O arremesso de meta deverá ser executado exclusivamente pelo goleiro e com o uso
das mãos. A bola será considerada em jogo quando de sua saída da área de meta. Para
que a jogada tenha seqüência normal é necessário que a bola toque o piso na meia
quadra do goleiro executante ou em qualquer atleta da sua quadra de jogo, respeitada a
lei da vantagem. Não será válido o tento assinalado diretamente de um arremesso de
meta.
O goleiro não poderá demorar mais de 4 (quatro) segundos para executar um
arremesso de meta. Quando o goleiro realizar uma defesa ou receber a bola, legalmente,
de um seu companheiro, poderá lança-la diretamente ao gol adversário podendo
ultrapassar a linha divisória do meio da quadra. Se, do arremesso do goleiro, executado
com as mãos, resultar em tento o mesmo não será válido.
• ZONA DE SUBSTITUIÇÕES
As zonas de substituições de atletas deverão estar localizadas do lado onde se
encontra a mesa de anotações e cronometragem. Sobre a linha lateral, do lado onde se
encontram os bancos de reservas, se traçará duas linhas de 80 cm cada, ficando 40 cm
para dentro da quadra e 40 cm para fora da quadra. Estas zonas deverão medir 3 (três)
metros da linha demarcatória do meio da quadra. Cada equipe deverá utilizar o banco
localizado ao lado de sua defesa.
• METAS
No meio de cada área e sobre a linha de fundo serão colocadas as metas, formadas
por dois postes verticais separados em 3(três) metros entre eles (medida interior) e
ligados por um travessão horizontal cuja medida livre interior estará a 2(dois) metros do
solo. A largura e espessura dos postes e do travessão serão de 8(oito) centímetros e
quando roliços terão o diâmetro de 8(oito) centímetros.
Os postes e travessão poderão ser confeccionados em madeira, plástico, ferro ou
material similar e pintados, de preferência de branco e fixados ao solo. Os postes e
travessão deverão ter a mesma largura e espessura.
Serão colocadas redes por trás das metas e obrigatoriamente presas aos postes,
travessão e solo. Deverão estar convenientemente sustentadas e colocadas de modo a
não perturbar ou dificultar a ação do goleiro. As redes serão de corda, em material
resistente e malhas de pequena abertura para não permitir a passagem da bola.
• CONSTRUÇÃO
O seu piso será de madeira, material sintético ou cimento, rigorosamente nivelado,
sem declives, nem depressões, prevenindo escorregões e acidentes.
• LOCAL PARA O REPRESENTANTE
As quadras deverão dispor, obrigatoriamente, em um lugar central e inteiramente
inacessível aos assistentes, de mesa e cadeiras para que o representante da entidade, o
anotador e o cronometrista possam exercer com segurança e tranqüilidade suas funções.
• LOCAL PARA OS ATLETAS RESERVAS E COMISSÃO TÉCNICA
As quadras deverão dispor de dois locais privativos e adequados, situados a margem
das linhas laterais ou de fundo, inacessível aos assistentes, onde ficarão sentados os
atletas reservas, técnico ou treinador, massagista, médico e preparador físico das
equipes disputantes. A localização dos bancos de reservas, quando próxima a mesa do
anotador e cronometrista guardará, obrigatoriamente uma distância nunca inferior a
3(três) metros de cada lado da mesa. Quando colocados na linha de fundo deverão
observar a mesma distância do poste da meta mais próximo.
• PLACAR OU MOSTRADOR E CRONÔMETRO ELETRÔNICO
As quadras possuirão, obrigatoriamente, em perfeitas condições de uso e
visibilidade para o público e para a equipe da arbitragem, placar ou mostrador onde
serão afixados ou indicados os tempos da partida e o cronômetro eletrônico para
controle do tempo de jogo.
2. A BOLA
A Bola será esférica. O invólucro será de couro macio ou de outro material
aprovado. Em sua confecção é vedado o uso de material que possa oferecer perigo ou
dano aos atletas.
Nas categorias Principal e Juvenil, as bolas em sua circunferência terão no máximo
64 (sessenta e quatro) centímetros e no mínimo 61(sessenta e um) centímetros. Seu peso
terá no máximo 430(quatrocentos e trinta gramas) e no mínimo 390 (trezentos e
noventa) gramas.
Nas categorias Infantil e Feminino, as bolas em sua circunferência terão no máximo
59(cinquenta e nove) centímetros e no mínimo 55(cinquenta e cinco) centímetros. Seu
peso 380g e no mínimo 350g. As bolas, para estas categorias, deverão ter uma marca,
em cor diferente, bem visível para sua fácil identificação.
Nas categorias com faixa de idade inferior ao Infantil, as bolas em sua
circunferência terão no máximo 55(cinqüenta e cinco) centímetros e no mínimo 50
(cinqüenta) centímetros. Seu peso terá no máximo 330(trezentos e trinta) gramas e no
mínimo 300(trezentos gramas).
Nas categorias de base (iniciação), as bolas em sua circunferência terão no máximo
43(quarenta e três) centímetros e no mínimo 40 (quarenta) centímetros. Seu peso terá no
máximo 280 (duzentos e oitenta) gramas e no mínimo 250 (duzentos e cinqüenta)
gramas.
Além das exigências dos itens anteriores, a bola, atirada de uma altura de 2(dois)
metros, não poderá, em seu primeiro salto, ultrapassar 65 (sessenta e cinco) centímetros
de altura nem saltar mais de 3 (três) vezes consecutivas.
A bola somente poderá ser trocada, durante a partida, com a autorização do
árbitro.
O local destinado ao representante, ao anotador e cronometrista deverá contar com
bolas de reserva em número suficiente e em plenas condições de serem utilizadas.
3. NÚMERO E SUBSTITUIÇÃO
A partida será disputada entre duas equipes compostas, cada uma, por no máximo de
5(cinco) atletas, um dos quais, obrigatoriamente, será o goleiro.
É vedado o início de uma partida sem que as equipes contém com um mínimo de
5(cinco) atletas, nem será permitida sua continuação ou prosseguimento se uma das
equipes, ou ambas, ficar reduzida a menos de 3(três) atletas.
O número máximo de atletas reservas, para substituições, é de 7 (sete).
Será permitido um número indeterminado de substituições "volantes", a qualquer
tempo do jogo, sem necessidade de paralisação do cronômetro, exceção feita ao goleiro
que somente poderá ser substituído com a bola fora de jogo. Um atleta que tenha sido
substituído poderá voltar à partida em substituição a outro.
A substituição volante realiza-se quando a bola estiver em jogo, subordinando-se às
seguintes condições:
O atleta que sai da quadra de jogo, deverá fazê-lo pela linha lateral, nos 3(três)
metros correspondentes ao lado onde se encontra seu banco de reservas , mas nunca
antes de o atleta substituído transpor completamente a linha lateral.
O atleta que entra na quadra de jogo deverá fazê-lo pela mesma linha da zona de
substituição, também nos 3(três) metros correspondente ao lado onde se encontra seu
banco de reservas e no setor chamado zona de substituições.
É vedada a substituição do goleiro por ocasião da cobrança de tiros livres direto ou
indireto (exceção na cobrança de penalidade máxima), salvo em caso de contusão grave
por ele sofrida, comprovada pelo árbitro e confirmada pelo médico ou, na ausência
deste, pelo massagista, ou em caso de expulsão. Qualquer atleta substituto está
submetido à autoridade e jurisdição dos árbitros, seja ou não chamado a participar da
partida.
A substituição completa-se quando o substituto entra na quadra de jogo e, o
substituto, deixa a mesma totalmente.
A troca de posição entre o goleiro e os demais atletas participantes da partida poderá
ser feita devendo, entretanto, ser previamente autorizada por um dos árbitros e no
momento em que o jogo esteja paralisado.
4. PUNIÇÃO
A partida não pode ser interrompida por uma infração ao item 6(seis) desta regra,
sendo que atleta infrator deverá ser advertido logo após a bola estar fora de jogo.
Se em uma substituição volante o atleta substituto entra na quadra de jogo antes que
o atleta substituído saia, um dos árbitros paralisará a partida e determinará a saída do
atleta substituído e, após advertir o colega substituto, reiniciará o jogo com tiro livre
indireto no local onde se encontrava a bola quando da interrupção.
5. EQUIPAMENTOS
É vedado ao atleta o uso de qualquer objeto reputado pelo árbitro como perigoso ou
nocivo à prática do desporto. O árbitro exigirá a remoção de qualquer objeto que, a seu
critério, possa molestar ou causar dano ao adversário. Não sendo obedecido em sua
determinação, ordenará a expulsão do mesmo.
O equipamento dos atletas compõe-se de camisa de manga curta, ou manga
comprida, calção curto, meias de cano longo, caneleiras, tênis confeccionados com lona,
pelica ou couro macio, com solado revestimento lateral de borracha ou material similar,
ficando terminantemente proibido o uso de camisa sem manga e de sapatos com solado
de couro ou pneu, ou que contenham travas. As caneleiras deverão estar completamente
cobertas pelas meias e serem confeccionadas em material apropriado em material
apropriado que ofereça proteção ao atleta (borracha, plástico, poliuretano ou material
similar).
Nas costas e na frente das respectivas camisas, obrigatoriamente, serão colocadas
numeração de 1 (um) a 20 (vinte), vedada a repetição de números na mesma equipe. Os
números das costas terão o tamanho de 15(quinze) a 20(vinte) centímetros de altura e os
números de frente terão o tamanho de 8(oito) a 10 (dez) centímetros de altura. É
igualmente obrigatória a diferenciação entre a cor da camisa, visando assegurar a
identificação pelo árbitro e pelo público.
O goleiro usará uniforme com camisa de cor diferente dos demais atletas, sendo-lhe
permitido, com exclusividade, para fins de proteção, o uso de calça de agasalho.
O atleta que apresentar na quadra de jogo utilizando sob seu calção, o short térmico,
somente poderá utilizá-lo se for da mesma cor predominante no calção.
O atleta que não se apresentar devidamente equipado, desatendendo às exigências
desta regra, será retirado da quadra de jogo, temporariamente, somente podendo retornar
à disputa da partida com a autorização do árbitro e no momento em que a bola estiver
fora do jogo e uma vez verificada a regularidade do equipamento.
6. ÁRBITROS
Os árbitros usarão, obrigatoriamente, camisas de manga curta ou manga comprida,
nas cores determinadas e aprovadas por sua entidade, além da calça, cinto, meias e tênis
ou sapatos da cor branca.
Os árbitros utilizarão, sempre que necessário camisas de cor distintas que os possa
diferenciar com as camisas dos atletas. Os demais equipamentos permanecerão, sempre,
inalterados.
7. CRONOMETRISTAS E ANOTADORES
Os cronometristas e anotadores usarão, obrigatoriamente, camisas de manga curta
ou manga comprida, nas cores determinadas por sua entidade, além de calça, cinto,
meias e tênis ou sapatos de cor preta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
evandrolhp
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
dalilahack
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Jean Carvalho
 
Futsal
Futsal Futsal
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
KrashovJC
 
Aula sobre futsal
Aula sobre futsal Aula sobre futsal
Aula sobre futsal
Mateus Pacheco
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
NetKids
 
Slide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. físicaSlide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. física
Lisleia Macedo
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
Joemille Leal
 
Voleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentosVoleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentos
Prof. Saulo Bezerra
 
HistóRia Do Futebol
HistóRia Do FutebolHistóRia Do Futebol
HistóRia Do Futebol
Danolipe
 
Basquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e FundamentosBasquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e Fundamentos
Prof. Saulo Bezerra
 
Slide futsal
Slide futsalSlide futsal
Slide futsal
Carlos Thavares
 
Basquetebol - Resumo
Basquetebol - ResumoBasquetebol - Resumo
Basquetebol - Resumo
Filipe Silva
 
Handebol
HandebolHandebol
Basquete.
Basquete.Basquete.
Basquete.
maadalk
 
Futebol - Aula 01 - Histórico
Futebol - Aula 01 - HistóricoFutebol - Aula 01 - Histórico
Futebol - Aula 01 - Histórico
Rosângela Cyríaco
 
Os fundamentos do futebol
Os fundamentos do futebolOs fundamentos do futebol
Os fundamentos do futebol
cristiane araujo araujo
 
Handebol
HandebolHandebol
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
Aandréa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Aula sobre futsal
Aula sobre futsal Aula sobre futsal
Aula sobre futsal
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
 
Slide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. físicaSlide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. física
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Voleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentosVoleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentos
 
HistóRia Do Futebol
HistóRia Do FutebolHistóRia Do Futebol
HistóRia Do Futebol
 
Basquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e FundamentosBasquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e Fundamentos
 
Slide futsal
Slide futsalSlide futsal
Slide futsal
 
Basquetebol - Resumo
Basquetebol - ResumoBasquetebol - Resumo
Basquetebol - Resumo
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Basquete.
Basquete.Basquete.
Basquete.
 
Futebol - Aula 01 - Histórico
Futebol - Aula 01 - HistóricoFutebol - Aula 01 - Histórico
Futebol - Aula 01 - Histórico
 
Os fundamentos do futebol
Os fundamentos do futebolOs fundamentos do futebol
Os fundamentos do futebol
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
 

Semelhante a Regras básicas do futsal

Escalas
EscalasEscalas
Escalas
Flavia Hernan
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Jaicinha
 
Livro de regras_2012 futsal
Livro de regras_2012 futsalLivro de regras_2012 futsal
Livro de regras_2012 futsal
araarariquemes
 
Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)
Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)
Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)
Maria Da Gloria
 
Regra unificada futebol de mesa finalizada
Regra unificada futebol de mesa  finalizadaRegra unificada futebol de mesa  finalizada
Regra unificada futebol de mesa finalizada
ricardolasevitch
 
Livro Nacional de Regras Futsal 2013
Livro Nacional de Regras Futsal 2013Livro Nacional de Regras Futsal 2013
Livro Nacional de Regras Futsal 2013
NFE Consult - Consultoria e Assessoria Empresarial
 
Regras oficiais
Regras oficiaisRegras oficiais
Regras oficiais
vitortic99
 
Slide futsal
Slide futsalSlide futsal
Slide futsal
Carlos Thavares
 
Regra baiana
Regra baianaRegra baiana
Regra baiana
ricardolasevitch
 
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
Amauri Carneiro
 
Regras oficiais society cbf7 2013
Regras oficiais society   cbf7 2013Regras oficiais society   cbf7 2013
Regras oficiais society cbf7 2013
araarariquemes
 
Slide futsal
Slide futsalSlide futsal
Slide futsal
Carlos Thavares
 
Novo livro nacional de regras 2015
Novo livro nacional de regras 2015Novo livro nacional de regras 2015
Novo livro nacional de regras 2015
FARLEY SANTOS
 
Celaid
CelaidCelaid
Celaid
narped
 
Regra geral bocha copa ouro 2014
Regra geral bocha copa ouro 2014Regra geral bocha copa ouro 2014
Regra geral bocha copa ouro 2014
ROBSON MASSON
 
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
Amauri Carneiro
 
Regras handebol
Regras handebolRegras handebol
Regras handebol
William Ramos
 
Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)
Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)
Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)
jcrjpa
 
Futsal
FutsalFutsal
Livro nacional de_regras_2015_
Livro nacional de_regras_2015_Livro nacional de_regras_2015_
Livro nacional de_regras_2015_
Cesar Matos
 

Semelhante a Regras básicas do futsal (20)

Escalas
EscalasEscalas
Escalas
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Livro de regras_2012 futsal
Livro de regras_2012 futsalLivro de regras_2012 futsal
Livro de regras_2012 futsal
 
Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)
Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)
Livro nacional de_regras_2013__20140327142627 (1)
 
Regra unificada futebol de mesa finalizada
Regra unificada futebol de mesa  finalizadaRegra unificada futebol de mesa  finalizada
Regra unificada futebol de mesa finalizada
 
Livro Nacional de Regras Futsal 2013
Livro Nacional de Regras Futsal 2013Livro Nacional de Regras Futsal 2013
Livro Nacional de Regras Futsal 2013
 
Regras oficiais
Regras oficiaisRegras oficiais
Regras oficiais
 
Slide futsal
Slide futsalSlide futsal
Slide futsal
 
Regra baiana
Regra baianaRegra baiana
Regra baiana
 
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
 
Regras oficiais society cbf7 2013
Regras oficiais society   cbf7 2013Regras oficiais society   cbf7 2013
Regras oficiais society cbf7 2013
 
Slide futsal
Slide futsalSlide futsal
Slide futsal
 
Novo livro nacional de regras 2015
Novo livro nacional de regras 2015Novo livro nacional de regras 2015
Novo livro nacional de regras 2015
 
Celaid
CelaidCelaid
Celaid
 
Regra geral bocha copa ouro 2014
Regra geral bocha copa ouro 2014Regra geral bocha copa ouro 2014
Regra geral bocha copa ouro 2014
 
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
000049 2013 regras oficiais cbf7 para sp
 
Regras handebol
Regras handebolRegras handebol
Regras handebol
 
Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)
Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)
Regra Oficial de Futebol de Mesa (Disco com goleiro móvel)
 
Futsal
FutsalFutsal
Futsal
 
Livro nacional de_regras_2015_
Livro nacional de_regras_2015_Livro nacional de_regras_2015_
Livro nacional de_regras_2015_
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

Regras básicas do futsal

  • 1. Regras do Futsal 1. A QUADRA • DIMENSÕES A quadra de jogo será um retângulo com o comprimento de 42 metros e o mínimo de 25 metros, tendo a largura máxima de 22 metros e a mínima de 15 metros. As linhas demarcatórias da quadra, na lateral e no fundo, deverão estar afastadas 1(um) metro de qualquer obstáculo (cerca ou alambrado) Para partidas oficiais a quadra deverá ter um comprimento mínimo de 30 metros e uma largura mínima de 17 metros. Para partidas oficiais internacionais a quadra deverá ter um comprimento entre 38 e 42 metros e uma largura entre 18 e 22 metros. • MARCAÇÃO DA QUADRA Todas as linhas demarcatórias da quadra deverão ser bem visíveis, com 8(oito) centímetros de espessura, que não sejam sulcos cavados.As linhas demarcatórias de maior comprimento denominam-se linhas laterais e as de menor comprimento linhas de fundo. Na metade da quadra será traçada uma linha divisória, de uma extremidade a outra das linhas laterais, eqüidistantes as linhas de fundo. O centro da quadra será demarcado por um pequeno círculo com (dez) centímetros de diâmetro. Ao redor do pequeno círculo será fixado o círculo central da quadra com um raio de 3(três) metros. As linhas que delimitam as partes da quadra de jogo pertencem às respectivas partes. Nos 4 (quatro) cantos da quadra de jogo, onde se encontram as linhas laterais com as linhas de fundo, serão marcados um quarto de círculo com 25 cm do raio com linhas visíveis de 8 cm de espessura • ÁREA DE META Nas quadras com largura igual ou superior a 17 metros, em cada extremidade da quadra, a 6 (seis) metros de distância de cada poste de meta haverá um semicírculo
  • 2. perpendicular à linha de fundo que se estenderá ao interior da quadra com um raio de 6(seis)metros. A parte superior deste semicírculo será uma linha reta de 3(três) metros, paralela a linha de fundo, entre os postes. A superfície dentro deste semicírculo denomina-se área de meta. Nas quadras com largura inferior a 17 metros, o semicírculo perpendicular a linha de fundo terá um raio de 4(quatro) metros . As linhas demarcatórias fazem parte da área de meta • PENALIDADE MÁXIMA A distância de 6 (seis) metros do ponto central da meta, medida por uma linha imaginária em ângulo reto com a linha de fundo e assinalada por um pequeno círculo de 10(dez) centímetros de raio, serão marcados os respectivos sinais de penalidade máxima. • TIRO LIVRE SEM BARREIRA A distância de 10 (dez) metros do ponto central da meta, medida por uma linha imaginária em ângulo reto com a linha de fundo, serão marcados os respectivos sinais, de onde serão cobrados os tiros livres sem barreira, nas hipóteses previstas nestas regras. • INÍCIO E REINÍCIO DA PARTIDA Será válido o tento assinalado diretamente de bola de saída ou de reinício de partida após um tento assinalado. Por ocasião da cobrança de uma penalidade máxima o goleiro poderá mover-se livremente, desde que o faça sobre a linha da meta. • ARREMESSO DE META E DO GOLEIRO O arremesso de meta deverá ser executado exclusivamente pelo goleiro e com o uso das mãos. A bola será considerada em jogo quando de sua saída da área de meta. Para que a jogada tenha seqüência normal é necessário que a bola toque o piso na meia quadra do goleiro executante ou em qualquer atleta da sua quadra de jogo, respeitada a lei da vantagem. Não será válido o tento assinalado diretamente de um arremesso de meta. O goleiro não poderá demorar mais de 4 (quatro) segundos para executar um arremesso de meta. Quando o goleiro realizar uma defesa ou receber a bola, legalmente,
  • 3. de um seu companheiro, poderá lança-la diretamente ao gol adversário podendo ultrapassar a linha divisória do meio da quadra. Se, do arremesso do goleiro, executado com as mãos, resultar em tento o mesmo não será válido. • ZONA DE SUBSTITUIÇÕES As zonas de substituições de atletas deverão estar localizadas do lado onde se encontra a mesa de anotações e cronometragem. Sobre a linha lateral, do lado onde se encontram os bancos de reservas, se traçará duas linhas de 80 cm cada, ficando 40 cm para dentro da quadra e 40 cm para fora da quadra. Estas zonas deverão medir 3 (três) metros da linha demarcatória do meio da quadra. Cada equipe deverá utilizar o banco localizado ao lado de sua defesa. • METAS No meio de cada área e sobre a linha de fundo serão colocadas as metas, formadas por dois postes verticais separados em 3(três) metros entre eles (medida interior) e ligados por um travessão horizontal cuja medida livre interior estará a 2(dois) metros do solo. A largura e espessura dos postes e do travessão serão de 8(oito) centímetros e quando roliços terão o diâmetro de 8(oito) centímetros. Os postes e travessão poderão ser confeccionados em madeira, plástico, ferro ou material similar e pintados, de preferência de branco e fixados ao solo. Os postes e travessão deverão ter a mesma largura e espessura. Serão colocadas redes por trás das metas e obrigatoriamente presas aos postes, travessão e solo. Deverão estar convenientemente sustentadas e colocadas de modo a não perturbar ou dificultar a ação do goleiro. As redes serão de corda, em material resistente e malhas de pequena abertura para não permitir a passagem da bola. • CONSTRUÇÃO O seu piso será de madeira, material sintético ou cimento, rigorosamente nivelado, sem declives, nem depressões, prevenindo escorregões e acidentes. • LOCAL PARA O REPRESENTANTE As quadras deverão dispor, obrigatoriamente, em um lugar central e inteiramente inacessível aos assistentes, de mesa e cadeiras para que o representante da entidade, o anotador e o cronometrista possam exercer com segurança e tranqüilidade suas funções.
  • 4. • LOCAL PARA OS ATLETAS RESERVAS E COMISSÃO TÉCNICA As quadras deverão dispor de dois locais privativos e adequados, situados a margem das linhas laterais ou de fundo, inacessível aos assistentes, onde ficarão sentados os atletas reservas, técnico ou treinador, massagista, médico e preparador físico das equipes disputantes. A localização dos bancos de reservas, quando próxima a mesa do anotador e cronometrista guardará, obrigatoriamente uma distância nunca inferior a 3(três) metros de cada lado da mesa. Quando colocados na linha de fundo deverão observar a mesma distância do poste da meta mais próximo. • PLACAR OU MOSTRADOR E CRONÔMETRO ELETRÔNICO As quadras possuirão, obrigatoriamente, em perfeitas condições de uso e visibilidade para o público e para a equipe da arbitragem, placar ou mostrador onde serão afixados ou indicados os tempos da partida e o cronômetro eletrônico para controle do tempo de jogo. 2. A BOLA A Bola será esférica. O invólucro será de couro macio ou de outro material aprovado. Em sua confecção é vedado o uso de material que possa oferecer perigo ou dano aos atletas. Nas categorias Principal e Juvenil, as bolas em sua circunferência terão no máximo 64 (sessenta e quatro) centímetros e no mínimo 61(sessenta e um) centímetros. Seu peso terá no máximo 430(quatrocentos e trinta gramas) e no mínimo 390 (trezentos e noventa) gramas. Nas categorias Infantil e Feminino, as bolas em sua circunferência terão no máximo 59(cinquenta e nove) centímetros e no mínimo 55(cinquenta e cinco) centímetros. Seu peso 380g e no mínimo 350g. As bolas, para estas categorias, deverão ter uma marca, em cor diferente, bem visível para sua fácil identificação. Nas categorias com faixa de idade inferior ao Infantil, as bolas em sua circunferência terão no máximo 55(cinqüenta e cinco) centímetros e no mínimo 50 (cinqüenta) centímetros. Seu peso terá no máximo 330(trezentos e trinta) gramas e no mínimo 300(trezentos gramas). Nas categorias de base (iniciação), as bolas em sua circunferência terão no máximo 43(quarenta e três) centímetros e no mínimo 40 (quarenta) centímetros. Seu peso terá no
  • 5. máximo 280 (duzentos e oitenta) gramas e no mínimo 250 (duzentos e cinqüenta) gramas. Além das exigências dos itens anteriores, a bola, atirada de uma altura de 2(dois) metros, não poderá, em seu primeiro salto, ultrapassar 65 (sessenta e cinco) centímetros de altura nem saltar mais de 3 (três) vezes consecutivas. A bola somente poderá ser trocada, durante a partida, com a autorização do árbitro. O local destinado ao representante, ao anotador e cronometrista deverá contar com bolas de reserva em número suficiente e em plenas condições de serem utilizadas. 3. NÚMERO E SUBSTITUIÇÃO A partida será disputada entre duas equipes compostas, cada uma, por no máximo de 5(cinco) atletas, um dos quais, obrigatoriamente, será o goleiro. É vedado o início de uma partida sem que as equipes contém com um mínimo de 5(cinco) atletas, nem será permitida sua continuação ou prosseguimento se uma das equipes, ou ambas, ficar reduzida a menos de 3(três) atletas. O número máximo de atletas reservas, para substituições, é de 7 (sete). Será permitido um número indeterminado de substituições "volantes", a qualquer tempo do jogo, sem necessidade de paralisação do cronômetro, exceção feita ao goleiro que somente poderá ser substituído com a bola fora de jogo. Um atleta que tenha sido substituído poderá voltar à partida em substituição a outro. A substituição volante realiza-se quando a bola estiver em jogo, subordinando-se às seguintes condições: O atleta que sai da quadra de jogo, deverá fazê-lo pela linha lateral, nos 3(três) metros correspondentes ao lado onde se encontra seu banco de reservas , mas nunca antes de o atleta substituído transpor completamente a linha lateral. O atleta que entra na quadra de jogo deverá fazê-lo pela mesma linha da zona de substituição, também nos 3(três) metros correspondente ao lado onde se encontra seu banco de reservas e no setor chamado zona de substituições. É vedada a substituição do goleiro por ocasião da cobrança de tiros livres direto ou indireto (exceção na cobrança de penalidade máxima), salvo em caso de contusão grave por ele sofrida, comprovada pelo árbitro e confirmada pelo médico ou, na ausência deste, pelo massagista, ou em caso de expulsão. Qualquer atleta substituto está
  • 6. submetido à autoridade e jurisdição dos árbitros, seja ou não chamado a participar da partida. A substituição completa-se quando o substituto entra na quadra de jogo e, o substituto, deixa a mesma totalmente. A troca de posição entre o goleiro e os demais atletas participantes da partida poderá ser feita devendo, entretanto, ser previamente autorizada por um dos árbitros e no momento em que o jogo esteja paralisado. 4. PUNIÇÃO A partida não pode ser interrompida por uma infração ao item 6(seis) desta regra, sendo que atleta infrator deverá ser advertido logo após a bola estar fora de jogo. Se em uma substituição volante o atleta substituto entra na quadra de jogo antes que o atleta substituído saia, um dos árbitros paralisará a partida e determinará a saída do atleta substituído e, após advertir o colega substituto, reiniciará o jogo com tiro livre indireto no local onde se encontrava a bola quando da interrupção. 5. EQUIPAMENTOS É vedado ao atleta o uso de qualquer objeto reputado pelo árbitro como perigoso ou nocivo à prática do desporto. O árbitro exigirá a remoção de qualquer objeto que, a seu critério, possa molestar ou causar dano ao adversário. Não sendo obedecido em sua determinação, ordenará a expulsão do mesmo. O equipamento dos atletas compõe-se de camisa de manga curta, ou manga comprida, calção curto, meias de cano longo, caneleiras, tênis confeccionados com lona, pelica ou couro macio, com solado revestimento lateral de borracha ou material similar, ficando terminantemente proibido o uso de camisa sem manga e de sapatos com solado de couro ou pneu, ou que contenham travas. As caneleiras deverão estar completamente cobertas pelas meias e serem confeccionadas em material apropriado em material apropriado que ofereça proteção ao atleta (borracha, plástico, poliuretano ou material similar). Nas costas e na frente das respectivas camisas, obrigatoriamente, serão colocadas numeração de 1 (um) a 20 (vinte), vedada a repetição de números na mesma equipe. Os números das costas terão o tamanho de 15(quinze) a 20(vinte) centímetros de altura e os números de frente terão o tamanho de 8(oito) a 10 (dez) centímetros de altura. É
  • 7. igualmente obrigatória a diferenciação entre a cor da camisa, visando assegurar a identificação pelo árbitro e pelo público. O goleiro usará uniforme com camisa de cor diferente dos demais atletas, sendo-lhe permitido, com exclusividade, para fins de proteção, o uso de calça de agasalho. O atleta que apresentar na quadra de jogo utilizando sob seu calção, o short térmico, somente poderá utilizá-lo se for da mesma cor predominante no calção. O atleta que não se apresentar devidamente equipado, desatendendo às exigências desta regra, será retirado da quadra de jogo, temporariamente, somente podendo retornar à disputa da partida com a autorização do árbitro e no momento em que a bola estiver fora do jogo e uma vez verificada a regularidade do equipamento. 6. ÁRBITROS Os árbitros usarão, obrigatoriamente, camisas de manga curta ou manga comprida, nas cores determinadas e aprovadas por sua entidade, além da calça, cinto, meias e tênis ou sapatos da cor branca. Os árbitros utilizarão, sempre que necessário camisas de cor distintas que os possa diferenciar com as camisas dos atletas. Os demais equipamentos permanecerão, sempre, inalterados. 7. CRONOMETRISTAS E ANOTADORES Os cronometristas e anotadores usarão, obrigatoriamente, camisas de manga curta ou manga comprida, nas cores determinadas por sua entidade, além de calça, cinto, meias e tênis ou sapatos de cor preta.