SlideShare uma empresa Scribd logo
Encontro dos Professores de Ciências da Rede Municipal de Ipatinga Refletindo sobre a Avaliação  no contexto escolar 					30 de Setembro de 2011 Assessora Pedagógica: Priscila Franco Binatto
Pauta Informes Mostra do Parque da Ciência (21 e 22/10/2011) inscrição até 06/10  Avaliação do Planejamento (3º Bimestre) A avaliação no contexto escolar Diretrizes da Avaliação da Rede Objetivos a serem verificados na avaliação Formulário de registro dos resultados
Avaliação do Planejamento (3º Bimestre)
A avaliação no contexto escolar SOMATIVA PROCESSUAL diagnóstica FORMATIVA OPERATÓRIA DIALÓGICA
“A avaliação se constitui em um processo de busca de compreensão da realidade escolar, com o fim de subsidiar as tomadas de decisões quanto ao direcionamento das intervenções, visando ao aprimoramento do trabalho escolar.”     (Sousa, 1995, pag. 63)
O que ensinamos? “Conhecer os conteúdos a serem ensinados é a menor das coisas, quando se pretende instruir alguém. [...]  A verdadeira competência pedagógica não consiste, de um lado, em relacionar os conteúdos a objetivos e, de outro, a situações de aprendizagem.” (PERRENOUD, 2000, p.26).
O que avaliamos? Dados: signo ou conjunto de signos com significados diversos. Informações: Conjunto de dados com significado lógico. Conhecimentos: informação que o sujeito se apropria, dando-lhe significado em sua estrutura cognitiva. Habilidades: saber fazer. Competências: capacidade de mobilizar recursos cognitivos visando abordar e resolver uma situação complexa
ANÁLISE DE QUESTÕES DE PROVA ESCRITAMORETTO, 2002
	Exploração Exagerada da Memorização  1. Relacione o nome das aranhasvenenosas: 	1. aranhamarrom		(   ) Latrodectes 	2. armadeira				(   ) Lycosa 	3. tarântula				(   ) Loxóceles 	4. viúvanegra			(   ) Ortognata 	5. caranguejeira			(   ) Phoneutria 2. Cite todas as capitaniashereditárias e seusrespectivosdonatários.
Classificar Relacionar Reunir Analisar memorizar Sintetizar Transferir Representar Argumentar
Questões com Problemas de Linguagem No Comando QUESTÃO: Como é a organização das abelhas numa colméia? RESPOSTAS: “É jóia”; “É maravilhosa”; “É muito legal”. OUTRA FORMA DE PERGUNTAR: Vimos, em nossas aulas de ciências, como é  a organização das abelhas numa colméia; cada grupo de elementos da colméia tem uma função específica, para que o todo funcione em harmonia. Partindo desta idéia: a) Escreva a função de, ao menos, quatro grupos de elementos da colméia; b) Faça um paralelo entre o funcionamento da colméia e o de nossa escola, no tocante ao cumprimento das funções de cada um.
Mais uma... Questão: 	“Em quantas partes se divide o corpo de um crustáceo?” RESPOSTA DO ALUNO: “Depende da cacetada”. OUTRA FORMA DE PERGUNTAR: 	Sabemos que nosso corpo divide em cabeça, tronco e membros (superiores e inferiores).  	Da mesma forma, o corpo dos crustáceos tem uma divisão, que utilizamos para estudá-lo. Escreva o número de partes e cite a função de cada uma.
  Toda pergunta busca uma resposta.     A clareza e a precisão da segunda dependerá muito da estrutura da primeira.  Para tanto, as palavras de comando precisam ter sentido no contexto em que elas são usadas. (Moretto, 2002)
“SE TIVERMOS QUE ELABORAR PROVAS, QUE SEJAM BEM FEITAS, ATINGINDO SEU REAL OBJETIVO, QUE É VERIFICAR SE HOUVE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE CONTEÚDOS RELEVANTES”  (MORETTO, 2002, p. 96)
Recomendações para Elaboração da Prova Escrita (MORETTO, 2002; NUHS & TOMIO, 2011)  Determinar objetivo da questão; verificar se o conteúdo é relevante no contexto; relacionar as concepções prévias do aluno ligadas ao conteúdo explorado; contextualizar a questão; fazer as perguntas de forma clara e precisa; deixar claras as regras e orientações; propiciar a autoavaliação do aluno.
Questões de múltipla escolha
BISCOITOS DE QUEIJO INGREDIENTES 300 GRAMAS DE QUEIJO PARMESÃO RALADO 250 GRAMAS DE MARGARINA 300 GRAMAS DE FARINHA DE TRIGO MODO DE FAZER COLOQUE O QUEIJO RALADO E A MARGARINA EM UMA TIGELA. JUNTE A FARINHA DE TRIGO ATÉ DAR O PONTO DE ENROLAR. FAÇA PEQUENAS BOLINHAS COM A MASSA. COLOQUE AS BOLINHAS EM UMA FORMA. LEVE AO FORNO POR 15 MINUTOS OU ATÉ QUE FIQUEM DOURADAS. TEXTO BASE  ESTE TEXTO É ENUNCIADO A) UMA RECEITA.                                    GABARITO B) UMA NOTÍCIA.                                        DISTRATOR C) UMA PROPAGANDA.                               DISTRATOR                           D) UM VERBETE DE DICIONÁRIO.       DISTRATOR        ALTERNATIVAS
Antes e depois da prova... ANTES: propor atividades que permita ao aluno a prática dos conteúdos procedimentais relacionados à técnicas de estudo.  DEPOIS: elaborar instrumentos para que o aluno reflita sobre os seus acertos e erros e investigue outras possibilidades de respostas. A sistematização desse trabalho por escrito pode favorecer a aprendizagem.
Fonte de pesquisa BIZZO, Nélio. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002. NUHS, A. C.; TOMIO, D.  A prova escrita como instrumento de avaliação da aprendizagem do aluno de Ciências. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 49, p.259-284. 2011  MORETTO,  Vasco. PROVA: um momento privilegiado de estudo não um acerto de contas. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2002. OLIVEIRA, Cláudia de Oliveira. Indagações sobre o currículo: currículo e  avaliação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2008. OLIVEIRA, Renato José de. A escola e o ensino de Ciências. São Leopoldo: UNISINOS, 2000. SOUSA, S.Z. Avaliação Escolar: constatações e perspectivas. Revista de Educação AEC, Brasília -DF, ano 24,nº 94, p.59-66, jan./mar.,1995. PERRENOUD, Phillipe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.
Diretrizes da Avaliação da Rede Data: 31 de outubro em todas as escolas. Formato: 30 questões objetivas com 4 alternativas cada, tendo apenas uma alternativa correta por questão. (5 por disciplina) uma questão discursiva, cobrando habilidades de leitura, interpretação, escrita e produção de textual.
Diretrizes da Avaliação da Rede Correção das questões objetivas: responsabilidade do aplicador, exceto professor de Língua Portuguesa. A correção será feita a partir do gabarito e registrada no formulário da turma. Correção das questões discursivas: professor de Língua Portuguesa.
Diretrizes da Avaliação da Rede Pontuação Questões objetivas: 3 pontos cada uma das 30 questões (90 pontos). Questão discursiva: 10 pontos O professor que optar por utilizar o resultado da avaliação para o 4º bimestre poderá fazê-lo, somando o resultado obtido em sua disciplina com o os pontos obtidos na questão discursiva, podendo atribuir a cada uma o valor que achar conveniente.
OBJETIVOS A SEREM AVALIADOS POR ANO
6º ano Reconhecer a importância da água para a vida dos ecossistemas e a manutenção da riqueza de sua biodiversidade, destacando os ciclos da água na natureza.   Identificar problemas ambientais dos recursos hídricos e hipóteses relacionadas às suas causas, em descrições de situações reais. Reconhecer que a pressão atmosférica é responsável pela ocorrência de inúmeros fenômenos que observamos em nosso cotidiano. Reconhecer as causas da poluição atmosférica citando meios utilizados pelas indústrias para diminuir a poluição atmosférica e preservar o meio ambiente. Relacionar as doenças de veiculação aérea destacando meios de prevenção mais eficazes.
7º ano Reconhecer os principais filos do reino animal e dar exemplos de cada um desses grupos. Identificar as principais características dos filos do reino animal. Identificar as doenças humanas mais comuns causadas ou veiculadas por platelmintos, nematelmintos e artrópodes, bem como suas formas de prevenção.
8º ano Relacionar os sistemas que formam o aparelho locomotor, evidenciando suas funções. Identificar as regiões da coluna vertebral e desvios que podem apresentar. Reconhecer os  sentidos mais importantes para a comunicação do ser humano com o ambiente. Analisar as relações existentes entre fonação e audição, gustação e olfação. Identificar as doenças mais comuns que atacam a visão, fonação, audição, gustação e pele.
9º ano Conhecer as unidades básicas do sistema internacional de unidades. Definir e exemplificar movimentos e repouso de um corpo. Distinguir massa e peso de um corpo. Compreender os enunciados das Leis de Newton e sua aplicação prática.
Descritores Prova Brasil   O descritor é uma associação entre conteúdos curriculares e operações mentais desenvolvidas pelo aluno, que traduzem certas competências e habilidades. Os descritores:  indicam habilidades gerais que se esperam dos alunos; constituem a referência para seleção dos itens que devem compor uma prova  de avaliação
Exemplos de habilidades de grande importância para a aprendizagem de Ciências Interpretar texto com o auxílio de material gráfico diverso. Localizar informações explícitas em um texto. Inferir o sentido de uma palavra ou expressão Estimar a medida de grandezas utilizando unidades de medida convencionais ou não. Ler informações e dados apresentados em tabelas. Ler informações e dados apresentados em gráficos
É possível associarmos os descritores aos nossos objetivos específicos?
Objetivos: Reconhecer os estados físicos da água e as formas em que ela se apresenta nos ambientes. Descritor: Ler informações e dados apresentados em gráficos. Com base nas informações apresentadas no gráfico, assinale a alternativa incorreta:  A) A figura permite concluir que a água potável é um recurso escasso.  B) A maior parte da água disponível é salgada.  C) A atmosfera é responsável por uma pequena parcela da água do planeta.  D) A maior parte da água doce encontra-se em locais de fácil acesso.
Objetivos: Identificar problemas ambientais e hipóteses relacionadas às suas causas, em descrições de situações reais. Descritor: Interpretar texto com o auxílio de material gráfico diverso. 	O verbo sanear quer dizer tornar são, habitável, sanar, remediar, restituir ao estado normal. A expressão saneamento básico trata dos problemas relativos ao abastecimento d’água, à coleta e disposição dos esgotos sanitários, ao controle da poluição causada por esses esgotos, à drenagem urbana (águas pluviais) e ao acondicionamento, coleta, transporte e destino final dos resíduos sólidos. 	Um dos benefícios do saneamento básico é contribuir para a disposição dos esgotos sanitários. A foto ao lado evidencia uma situação em que: A) o saneamento básico existe e contribui para evitar doenças. B) a falta de saneamento básico contribui para propagar doenças.  C) a existência de saneamento básico contribui para a falta d’água. D) o saneamento básico não existe e não há risco para a saúde dos habitantes.
Modelo do Formulário de Registro
Sugerindo questões para a Avaliação
Passos para a elaboração das questões Selecionar o conteúdo e o objetivo. Definir a situação problema. Elaborar, selecionar ou adaptar o texto base. (Descritores). Elaborar o enunciado. Elaborar as alternativas. Revisar a questão. Estabelecer parâmetro para a correção. Elaborar o gabarito comentado.
1.A Mata Atlântica é uma floresta úmida e seu interior é sombreado. Nela é comum a existência de muitas espécies de pequenas plantas verdes, de pequeno porte, sob certas superfícies do solo, sobre troncos e ramos de árvores. Essas plantas, não têm vasos condutores nem produzem flores. Produzem gametas e para se reproduzir dependem da água. (Ciências – Seres Vivos – 6ª série C. BARROS e W. PAULINO) Assinale a alternativa que se refere  ao grupo de plantas descrito acima. (A) Briófitas	    	 (B) Gimnospermas	    (C) Angiospermas		 (D) Pteridófitas
Elaboração Assessora Pedagógica: Priscila Franco Binatto Blog: cenfopciências.wordpress.com E-mail: cenfop.ciencias@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOAVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Edlauva Santos
 
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014 Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sandra Pcnp
 
Portfolio de atividades o principezinho fichas de trabalho
Portfolio de atividades o principezinho   fichas de trabalhoPortfolio de atividades o principezinho   fichas de trabalho
Portfolio de atividades o principezinho fichas de trabalho
helena frança
 
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Claudia Elisabete Silva
 
Planejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EM
Planejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EMPlanejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EM
Planejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EM
Claudia Elisabete Silva
 
Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...
Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...
Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...
Fernanda Rezende Pedroza
 
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
Proalfacabofrio
 
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aulaPNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
ElieneDias
 
Matriz curricular alfabetizacao
Matriz curricular alfabetizacaoMatriz curricular alfabetizacao
Matriz curricular alfabetizacao
pipatcleopoldina
 
Roteiro seminário
Roteiro seminárioRoteiro seminário
Roteiro seminário
Alda JS
 
10º ano 2011 12 planificação português
10º ano 2011 12 planificação português10º ano 2011 12 planificação português
10º ano 2011 12 planificação português
bloguedaesag
 
Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...
Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...
Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...
Maria Pedro Silva
 
Expertise coordenador 28 abril
Expertise coordenador 28 abrilExpertise coordenador 28 abril
Expertise coordenador 28 abril
valentecilene
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
miesbella
 
6 plano semanal rondinelle
6   plano semanal rondinelle6   plano semanal rondinelle
6 plano semanal rondinelle
familiaestagio
 
Oficina matriz de referencia
Oficina matriz de referenciaOficina matriz de referencia
Oficina matriz de referencia
André Pereira Rocha
 
Plano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugest
Plano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugestPlano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugest
Plano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugest
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...
3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...
3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Prop. de intervenção 3º ano - maio
Prop. de intervenção   3º ano - maioProp. de intervenção   3º ano - maio
Prop. de intervenção 3º ano - maio
Simone Gomes Rangel Gomes Rangel
 
Elaboração de relato de experiência
Elaboração de relato de experiênciaElaboração de relato de experiência
Elaboração de relato de experiência
Ana Paula Menezes
 

Mais procurados (20)

AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOAVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014 Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
 
Portfolio de atividades o principezinho fichas de trabalho
Portfolio de atividades o principezinho   fichas de trabalhoPortfolio de atividades o principezinho   fichas de trabalho
Portfolio de atividades o principezinho fichas de trabalho
 
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
 
Planejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EM
Planejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EMPlanejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EM
Planejamento 2013 - Avaliação Diagnóstica Língua Portuguesa - EM
 
Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...
Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...
Aspectos fundamentais do currículo do estado de são paulo e seus materiais de...
 
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011Slides atuais   avaliação diagnóstica 2011
Slides atuais avaliação diagnóstica 2011
 
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aulaPNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
PNAIC - Refletindo sobre a ortografia na sala de aula
 
Matriz curricular alfabetizacao
Matriz curricular alfabetizacaoMatriz curricular alfabetizacao
Matriz curricular alfabetizacao
 
Roteiro seminário
Roteiro seminárioRoteiro seminário
Roteiro seminário
 
10º ano 2011 12 planificação português
10º ano 2011 12 planificação português10º ano 2011 12 planificação português
10º ano 2011 12 planificação português
 
Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...
Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...
Avaliação PARA as aprendizagens dos alunos do 1º e 2º CEB: contributos de uma...
 
Expertise coordenador 28 abril
Expertise coordenador 28 abrilExpertise coordenador 28 abril
Expertise coordenador 28 abril
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
 
6 plano semanal rondinelle
6   plano semanal rondinelle6   plano semanal rondinelle
6 plano semanal rondinelle
 
Oficina matriz de referencia
Oficina matriz de referenciaOficina matriz de referencia
Oficina matriz de referencia
 
Plano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugest
Plano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugestPlano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugest
Plano de aula com 3 momentos didático pedagógicos sugest
 
3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...
3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...
3 (três) momentos didático-pedagógicos capacitação fevereiro de 2013 tema 1 s...
 
Prop. de intervenção 3º ano - maio
Prop. de intervenção   3º ano - maioProp. de intervenção   3º ano - maio
Prop. de intervenção 3º ano - maio
 
Elaboração de relato de experiência
Elaboração de relato de experiênciaElaboração de relato de experiência
Elaboração de relato de experiência
 

Destaque

Anexos
AnexosAnexos
Anexos
UNICEP
 
Planejamento 2011
Planejamento 2011Planejamento 2011
Planejamento 2011
Andrea Cortelazzi
 
05e06jun12_Apresentacao
05e06jun12_Apresentacao05e06jun12_Apresentacao
05e06jun12_Apresentacao
DiretorNPE
 
Planejamento 2011 b
Planejamento 2011 bPlanejamento 2011 b
Planejamento 2011 b
Andrea Cortelazzi
 
Mediação mostra out. 2015
Mediação mostra out. 2015Mediação mostra out. 2015
Mediação mostra out. 2015
LMKM
 
Planejamento 2011 DE Norte1
Planejamento 2011 DE Norte1Planejamento 2011 DE Norte1
Planejamento 2011 DE Norte1
telasnorte1
 
Pauta & planejamento
Pauta & planejamentoPauta & planejamento
Pauta & planejamento
Ricardo De Jesus Machado
 
Planejamento escolar 2011 (slides)
Planejamento escolar 2011 (slides)Planejamento escolar 2011 (slides)
Planejamento escolar 2011 (slides)
juditejunho
 
Desafios da coordenação sede2
Desafios da coordenação  sede2Desafios da coordenação  sede2
Desafios da coordenação sede2
escolatranquilino
 
Slides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofiaSlides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofia
Erica Frau
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Jean Piaget Escola
 
Reunião pedagógica
Reunião pedagógicaReunião pedagógica
Reunião pedagógica
guii1010
 
Planejamento 2013
Planejamento 2013Planejamento 2013
Planejamento 2013
Karen Araki
 
ATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTAL
ATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTALATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTAL
ATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTAL
Wilson Barbieri
 
Atpc 29 de setembro site
Atpc 29 de setembro  siteAtpc 29 de setembro  site
Atpc 29 de setembro site
Wilson Barbieri
 
Atpc 20 de outubro wilson rose lia
Atpc 20 de outubro wilson  rose liaAtpc 20 de outubro wilson  rose lia
Atpc 20 de outubro wilson rose lia
Wilson Barbieri
 
Livro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaLivro Atenção à Criança
Livro Atenção à Criança
Fabíola Mapin
 
Reunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo Negreiros
Reunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo NegreirosReunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo Negreiros
Reunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo Negreiros
myrthes
 
Edc Infantil - jan / 2016
Edc Infantil -  jan / 2016Edc Infantil -  jan / 2016
Edc Infantil - jan / 2016
Ana Maria Rodrigues
 
Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)
Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)
Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)
Universidade Estadual de Campinas
 

Destaque (20)

Anexos
AnexosAnexos
Anexos
 
Planejamento 2011
Planejamento 2011Planejamento 2011
Planejamento 2011
 
05e06jun12_Apresentacao
05e06jun12_Apresentacao05e06jun12_Apresentacao
05e06jun12_Apresentacao
 
Planejamento 2011 b
Planejamento 2011 bPlanejamento 2011 b
Planejamento 2011 b
 
Mediação mostra out. 2015
Mediação mostra out. 2015Mediação mostra out. 2015
Mediação mostra out. 2015
 
Planejamento 2011 DE Norte1
Planejamento 2011 DE Norte1Planejamento 2011 DE Norte1
Planejamento 2011 DE Norte1
 
Pauta & planejamento
Pauta & planejamentoPauta & planejamento
Pauta & planejamento
 
Planejamento escolar 2011 (slides)
Planejamento escolar 2011 (slides)Planejamento escolar 2011 (slides)
Planejamento escolar 2011 (slides)
 
Desafios da coordenação sede2
Desafios da coordenação  sede2Desafios da coordenação  sede2
Desafios da coordenação sede2
 
Slides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofiaSlides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofia
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Reunião pedagógica
Reunião pedagógicaReunião pedagógica
Reunião pedagógica
 
Planejamento 2013
Planejamento 2013Planejamento 2013
Planejamento 2013
 
ATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTAL
ATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTALATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTAL
ATPC 18 DE AGOSTO DE 2014 ENSINO FUNDAMENTAL
 
Atpc 29 de setembro site
Atpc 29 de setembro  siteAtpc 29 de setembro  site
Atpc 29 de setembro site
 
Atpc 20 de outubro wilson rose lia
Atpc 20 de outubro wilson  rose liaAtpc 20 de outubro wilson  rose lia
Atpc 20 de outubro wilson rose lia
 
Livro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaLivro Atenção à Criança
Livro Atenção à Criança
 
Reunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo Negreiros
Reunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo NegreirosReunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo Negreiros
Reunião de pais 2016 EMEF Profª Myrthes Pupo Negreiros
 
Edc Infantil - jan / 2016
Edc Infantil -  jan / 2016Edc Infantil -  jan / 2016
Edc Infantil - jan / 2016
 
Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)
Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)
Leitura e interpretacao de textos (revisão para o enade)
 

Semelhante a Refletindo sobre a avaliação no contexto escolar

Saresp2
Saresp2Saresp2
Saresp2
telasnorte1
 
Proj. integrador (1)
Proj. integrador (1)Proj. integrador (1)
Proj. integrador (1)
Bruna Gomes
 
Seminário de estágio milena
Seminário de estágio milenaSeminário de estágio milena
Seminário de estágio milena
familiaestagio
 
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdfshow_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
felixmeloeu
 
Ciências da natureza
Ciências da naturezaCiências da natureza
Ciências da natureza
alaecioramos
 
Prova objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fcc
Prova objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fccProva objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fcc
Prova objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fcc
Secretaria de Estado da Educação - SEE
 
BIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdf
BIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdfBIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdf
BIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdf
FERNANDACOELHOSANTOS
 
8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf
8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf
8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf
nathyleal9335
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
Jacqueline Alexandrino
 
Curriculo
Curriculo Curriculo
Curriculo
Magno Oliveira
 
Professor Investigador versus Ensino de Biologia
Professor Investigador versus Ensino de BiologiaProfessor Investigador versus Ensino de Biologia
Professor Investigador versus Ensino de Biologia
hyguer
 
O PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM
O PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEMO PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM
O PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM
Silvana Moreli
 
1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf
1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf
1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf
Amanda Melo da Silva
 
Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012
Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012
Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012
Fernanda Rezende Pedroza
 
01.mediaçãopedagogica 28.9.10
01.mediaçãopedagogica 28.9.1001.mediaçãopedagogica 28.9.10
OT Química - 7jun2013
OT Química - 7jun2013OT Química - 7jun2013
OT Química - 7jun2013
Claudia Elisabete Silva
 
Projeto mais recente 2revisado
Projeto mais recente 2revisadoProjeto mais recente 2revisado
Projeto mais recente 2revisado
Francisco de Lima
 
Ensino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividadesEnsino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividades
aleciam18
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
Mario Amorim
 
Modos de vida do homem no campo
Modos de vida do homem no campoModos de vida do homem no campo
Modos de vida do homem no campo
Conspiração Mineira pela Educação
 

Semelhante a Refletindo sobre a avaliação no contexto escolar (20)

Saresp2
Saresp2Saresp2
Saresp2
 
Proj. integrador (1)
Proj. integrador (1)Proj. integrador (1)
Proj. integrador (1)
 
Seminário de estágio milena
Seminário de estágio milenaSeminário de estágio milena
Seminário de estágio milena
 
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdfshow_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
 
Ciências da natureza
Ciências da naturezaCiências da natureza
Ciências da natureza
 
Prova objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fcc
Prova objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fccProva objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fcc
Prova objetiva-professor-ii-sociologia-see-sp-2011-fcc
 
BIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdf
BIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdfBIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdf
BIOLOGIA-MOD02-VOL01.pdf
 
8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf
8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf
8 ANO_CIENCIAS_PROFESSOR.- 8 ANO_CIENCIAS_PROFESSORpdf
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
 
Curriculo
Curriculo Curriculo
Curriculo
 
Professor Investigador versus Ensino de Biologia
Professor Investigador versus Ensino de BiologiaProfessor Investigador versus Ensino de Biologia
Professor Investigador versus Ensino de Biologia
 
O PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM
O PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEMO PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM
O PAPEL DO GESTOR E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM
 
1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf
1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf
1ªSérie_GEOGRAFIA_PROFESSOR_2ºBI (3).pdf
 
Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012
Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012
Alfabetização cientifica e sequencia didática no ensino de ciências - 2012
 
01.mediaçãopedagogica 28.9.10
01.mediaçãopedagogica 28.9.1001.mediaçãopedagogica 28.9.10
01.mediaçãopedagogica 28.9.10
 
OT Química - 7jun2013
OT Química - 7jun2013OT Química - 7jun2013
OT Química - 7jun2013
 
Projeto mais recente 2revisado
Projeto mais recente 2revisadoProjeto mais recente 2revisado
Projeto mais recente 2revisado
 
Ensino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividadesEnsino de química por meio de atividades
Ensino de química por meio de atividades
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
 
Modos de vida do homem no campo
Modos de vida do homem no campoModos de vida do homem no campo
Modos de vida do homem no campo
 

Último

LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 

Último (20)

LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 

Refletindo sobre a avaliação no contexto escolar

  • 1. Encontro dos Professores de Ciências da Rede Municipal de Ipatinga Refletindo sobre a Avaliação no contexto escolar 30 de Setembro de 2011 Assessora Pedagógica: Priscila Franco Binatto
  • 2. Pauta Informes Mostra do Parque da Ciência (21 e 22/10/2011) inscrição até 06/10 Avaliação do Planejamento (3º Bimestre) A avaliação no contexto escolar Diretrizes da Avaliação da Rede Objetivos a serem verificados na avaliação Formulário de registro dos resultados
  • 4. A avaliação no contexto escolar SOMATIVA PROCESSUAL diagnóstica FORMATIVA OPERATÓRIA DIALÓGICA
  • 5. “A avaliação se constitui em um processo de busca de compreensão da realidade escolar, com o fim de subsidiar as tomadas de decisões quanto ao direcionamento das intervenções, visando ao aprimoramento do trabalho escolar.” (Sousa, 1995, pag. 63)
  • 6. O que ensinamos? “Conhecer os conteúdos a serem ensinados é a menor das coisas, quando se pretende instruir alguém. [...] A verdadeira competência pedagógica não consiste, de um lado, em relacionar os conteúdos a objetivos e, de outro, a situações de aprendizagem.” (PERRENOUD, 2000, p.26).
  • 7. O que avaliamos? Dados: signo ou conjunto de signos com significados diversos. Informações: Conjunto de dados com significado lógico. Conhecimentos: informação que o sujeito se apropria, dando-lhe significado em sua estrutura cognitiva. Habilidades: saber fazer. Competências: capacidade de mobilizar recursos cognitivos visando abordar e resolver uma situação complexa
  • 8. ANÁLISE DE QUESTÕES DE PROVA ESCRITAMORETTO, 2002
  • 9. Exploração Exagerada da Memorização 1. Relacione o nome das aranhasvenenosas: 1. aranhamarrom ( ) Latrodectes 2. armadeira ( ) Lycosa 3. tarântula ( ) Loxóceles 4. viúvanegra ( ) Ortognata 5. caranguejeira ( ) Phoneutria 2. Cite todas as capitaniashereditárias e seusrespectivosdonatários.
  • 10. Classificar Relacionar Reunir Analisar memorizar Sintetizar Transferir Representar Argumentar
  • 11. Questões com Problemas de Linguagem No Comando QUESTÃO: Como é a organização das abelhas numa colméia? RESPOSTAS: “É jóia”; “É maravilhosa”; “É muito legal”. OUTRA FORMA DE PERGUNTAR: Vimos, em nossas aulas de ciências, como é a organização das abelhas numa colméia; cada grupo de elementos da colméia tem uma função específica, para que o todo funcione em harmonia. Partindo desta idéia: a) Escreva a função de, ao menos, quatro grupos de elementos da colméia; b) Faça um paralelo entre o funcionamento da colméia e o de nossa escola, no tocante ao cumprimento das funções de cada um.
  • 12. Mais uma... Questão: “Em quantas partes se divide o corpo de um crustáceo?” RESPOSTA DO ALUNO: “Depende da cacetada”. OUTRA FORMA DE PERGUNTAR: Sabemos que nosso corpo divide em cabeça, tronco e membros (superiores e inferiores). Da mesma forma, o corpo dos crustáceos tem uma divisão, que utilizamos para estudá-lo. Escreva o número de partes e cite a função de cada uma.
  • 13. Toda pergunta busca uma resposta. A clareza e a precisão da segunda dependerá muito da estrutura da primeira. Para tanto, as palavras de comando precisam ter sentido no contexto em que elas são usadas. (Moretto, 2002)
  • 14. “SE TIVERMOS QUE ELABORAR PROVAS, QUE SEJAM BEM FEITAS, ATINGINDO SEU REAL OBJETIVO, QUE É VERIFICAR SE HOUVE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE CONTEÚDOS RELEVANTES” (MORETTO, 2002, p. 96)
  • 15. Recomendações para Elaboração da Prova Escrita (MORETTO, 2002; NUHS & TOMIO, 2011) Determinar objetivo da questão; verificar se o conteúdo é relevante no contexto; relacionar as concepções prévias do aluno ligadas ao conteúdo explorado; contextualizar a questão; fazer as perguntas de forma clara e precisa; deixar claras as regras e orientações; propiciar a autoavaliação do aluno.
  • 17. BISCOITOS DE QUEIJO INGREDIENTES 300 GRAMAS DE QUEIJO PARMESÃO RALADO 250 GRAMAS DE MARGARINA 300 GRAMAS DE FARINHA DE TRIGO MODO DE FAZER COLOQUE O QUEIJO RALADO E A MARGARINA EM UMA TIGELA. JUNTE A FARINHA DE TRIGO ATÉ DAR O PONTO DE ENROLAR. FAÇA PEQUENAS BOLINHAS COM A MASSA. COLOQUE AS BOLINHAS EM UMA FORMA. LEVE AO FORNO POR 15 MINUTOS OU ATÉ QUE FIQUEM DOURADAS. TEXTO BASE ESTE TEXTO É ENUNCIADO A) UMA RECEITA. GABARITO B) UMA NOTÍCIA. DISTRATOR C) UMA PROPAGANDA. DISTRATOR D) UM VERBETE DE DICIONÁRIO. DISTRATOR ALTERNATIVAS
  • 18.
  • 19. Antes e depois da prova... ANTES: propor atividades que permita ao aluno a prática dos conteúdos procedimentais relacionados à técnicas de estudo. DEPOIS: elaborar instrumentos para que o aluno reflita sobre os seus acertos e erros e investigue outras possibilidades de respostas. A sistematização desse trabalho por escrito pode favorecer a aprendizagem.
  • 20. Fonte de pesquisa BIZZO, Nélio. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002. NUHS, A. C.; TOMIO, D. A prova escrita como instrumento de avaliação da aprendizagem do aluno de Ciências. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 22, n. 49, p.259-284. 2011 MORETTO, Vasco. PROVA: um momento privilegiado de estudo não um acerto de contas. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2002. OLIVEIRA, Cláudia de Oliveira. Indagações sobre o currículo: currículo e avaliação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2008. OLIVEIRA, Renato José de. A escola e o ensino de Ciências. São Leopoldo: UNISINOS, 2000. SOUSA, S.Z. Avaliação Escolar: constatações e perspectivas. Revista de Educação AEC, Brasília -DF, ano 24,nº 94, p.59-66, jan./mar.,1995. PERRENOUD, Phillipe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.
  • 21. Diretrizes da Avaliação da Rede Data: 31 de outubro em todas as escolas. Formato: 30 questões objetivas com 4 alternativas cada, tendo apenas uma alternativa correta por questão. (5 por disciplina) uma questão discursiva, cobrando habilidades de leitura, interpretação, escrita e produção de textual.
  • 22. Diretrizes da Avaliação da Rede Correção das questões objetivas: responsabilidade do aplicador, exceto professor de Língua Portuguesa. A correção será feita a partir do gabarito e registrada no formulário da turma. Correção das questões discursivas: professor de Língua Portuguesa.
  • 23. Diretrizes da Avaliação da Rede Pontuação Questões objetivas: 3 pontos cada uma das 30 questões (90 pontos). Questão discursiva: 10 pontos O professor que optar por utilizar o resultado da avaliação para o 4º bimestre poderá fazê-lo, somando o resultado obtido em sua disciplina com o os pontos obtidos na questão discursiva, podendo atribuir a cada uma o valor que achar conveniente.
  • 24. OBJETIVOS A SEREM AVALIADOS POR ANO
  • 25. 6º ano Reconhecer a importância da água para a vida dos ecossistemas e a manutenção da riqueza de sua biodiversidade, destacando os ciclos da água na natureza. Identificar problemas ambientais dos recursos hídricos e hipóteses relacionadas às suas causas, em descrições de situações reais. Reconhecer que a pressão atmosférica é responsável pela ocorrência de inúmeros fenômenos que observamos em nosso cotidiano. Reconhecer as causas da poluição atmosférica citando meios utilizados pelas indústrias para diminuir a poluição atmosférica e preservar o meio ambiente. Relacionar as doenças de veiculação aérea destacando meios de prevenção mais eficazes.
  • 26. 7º ano Reconhecer os principais filos do reino animal e dar exemplos de cada um desses grupos. Identificar as principais características dos filos do reino animal. Identificar as doenças humanas mais comuns causadas ou veiculadas por platelmintos, nematelmintos e artrópodes, bem como suas formas de prevenção.
  • 27. 8º ano Relacionar os sistemas que formam o aparelho locomotor, evidenciando suas funções. Identificar as regiões da coluna vertebral e desvios que podem apresentar. Reconhecer os sentidos mais importantes para a comunicação do ser humano com o ambiente. Analisar as relações existentes entre fonação e audição, gustação e olfação. Identificar as doenças mais comuns que atacam a visão, fonação, audição, gustação e pele.
  • 28. 9º ano Conhecer as unidades básicas do sistema internacional de unidades. Definir e exemplificar movimentos e repouso de um corpo. Distinguir massa e peso de um corpo. Compreender os enunciados das Leis de Newton e sua aplicação prática.
  • 29. Descritores Prova Brasil O descritor é uma associação entre conteúdos curriculares e operações mentais desenvolvidas pelo aluno, que traduzem certas competências e habilidades. Os descritores: indicam habilidades gerais que se esperam dos alunos; constituem a referência para seleção dos itens que devem compor uma prova de avaliação
  • 30. Exemplos de habilidades de grande importância para a aprendizagem de Ciências Interpretar texto com o auxílio de material gráfico diverso. Localizar informações explícitas em um texto. Inferir o sentido de uma palavra ou expressão Estimar a medida de grandezas utilizando unidades de medida convencionais ou não. Ler informações e dados apresentados em tabelas. Ler informações e dados apresentados em gráficos
  • 31. É possível associarmos os descritores aos nossos objetivos específicos?
  • 32. Objetivos: Reconhecer os estados físicos da água e as formas em que ela se apresenta nos ambientes. Descritor: Ler informações e dados apresentados em gráficos. Com base nas informações apresentadas no gráfico, assinale a alternativa incorreta: A) A figura permite concluir que a água potável é um recurso escasso. B) A maior parte da água disponível é salgada. C) A atmosfera é responsável por uma pequena parcela da água do planeta. D) A maior parte da água doce encontra-se em locais de fácil acesso.
  • 33. Objetivos: Identificar problemas ambientais e hipóteses relacionadas às suas causas, em descrições de situações reais. Descritor: Interpretar texto com o auxílio de material gráfico diverso. O verbo sanear quer dizer tornar são, habitável, sanar, remediar, restituir ao estado normal. A expressão saneamento básico trata dos problemas relativos ao abastecimento d’água, à coleta e disposição dos esgotos sanitários, ao controle da poluição causada por esses esgotos, à drenagem urbana (águas pluviais) e ao acondicionamento, coleta, transporte e destino final dos resíduos sólidos. Um dos benefícios do saneamento básico é contribuir para a disposição dos esgotos sanitários. A foto ao lado evidencia uma situação em que: A) o saneamento básico existe e contribui para evitar doenças. B) a falta de saneamento básico contribui para propagar doenças. C) a existência de saneamento básico contribui para a falta d’água. D) o saneamento básico não existe e não há risco para a saúde dos habitantes.
  • 34. Modelo do Formulário de Registro
  • 35. Sugerindo questões para a Avaliação
  • 36. Passos para a elaboração das questões Selecionar o conteúdo e o objetivo. Definir a situação problema. Elaborar, selecionar ou adaptar o texto base. (Descritores). Elaborar o enunciado. Elaborar as alternativas. Revisar a questão. Estabelecer parâmetro para a correção. Elaborar o gabarito comentado.
  • 37.
  • 38. 1.A Mata Atlântica é uma floresta úmida e seu interior é sombreado. Nela é comum a existência de muitas espécies de pequenas plantas verdes, de pequeno porte, sob certas superfícies do solo, sobre troncos e ramos de árvores. Essas plantas, não têm vasos condutores nem produzem flores. Produzem gametas e para se reproduzir dependem da água. (Ciências – Seres Vivos – 6ª série C. BARROS e W. PAULINO) Assinale a alternativa que se refere ao grupo de plantas descrito acima. (A) Briófitas (B) Gimnospermas (C) Angiospermas (D) Pteridófitas
  • 39. Elaboração Assessora Pedagógica: Priscila Franco Binatto Blog: cenfopciências.wordpress.com E-mail: cenfop.ciencias@gmail.com