SlideShare uma empresa Scribd logo
1
.
PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR
Secretaria Municipal de Educação e Cultura – SMEC
Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico – CENAP
CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE HENRY WALLON (1789-1962)1
Angela Freire2
O médico, psicólogo e filósofo francês considera que o ser humano é organicamente social e sua
estrutura orgânica supõe a intervenção da cultura para se atualizar. Nesta direção, a teoria do
desenvolvimento cognitivo postulada por Wallon é centrada na psicogênese da pessoa completa.
Seu método consiste em estudar as condições orgânicas e sociais de desenvolvimento da criança,
que aparece descontínuo, marcado por contradições qualitativas e, através dessas contradições,
constrói-se um novo plano da realidade que é o psiquismo e a personalidade.
A psicologia genética walloniana estuda a gênese dos processos psíquicos, que é um fenômeno
biológico e social. A criança, desde seu nascimento, é um ser simultaneamente biológico e social.
As capacidades biológicas são os condicionantes da vida em sociedade, mas o meio social é o
condicionante do desenvolvimento destas capacidades.
Para Wallon, cada etapa do desenvolvimento está caracterizada por uma atividade preponderante.
Em cada estágio existe um conflito específico que a criança deve resolver e, o seu desenvolvimento,
é balizado por crises que são reestruturações do comportamento infantil. A sucessão das etapas do
desenvolvimento apresenta-se de modo descontínuo, ou seja, a passagem de uma para outra não é
uma simples ampliação e sim uma recomposição. A noção de estágio é entendida como uma
tentativa de definir níveis funcionais, tentativa de aprofundar o conhecimento de modo organizado e
as normas que tomam seus diversos comportamentos durante a evolução. O estágio não tem uma
base cronológica, mas baseia-se em uma sucessão funcional.
Os estágios propostos pela psicogenética walloniana são:
1° ESTÁGIO - IMPULSIVO-EMOCIONAL: abrange o primeiro ano de vida. O principal foco é
a emoção, instrumento privilegiado de interação da criança com o meio. A predominância da
afetividade orienta as principais ações do bebê às pessoas, as quais intermediam sua relação com
o mundo físico. A afetividade é impulsiva, emocional, que se nutre pelo olhar, pelo contato físico
e se expressa em gestos, mímica e posturas.
Segundo a teoria de Wallon, a evolução da espécie humana fez do homem um ser
geneticamente social, desenvolvendo nele aptidões específicas. Ele considera o
desenvolvimento da pessoa completa integrada ao meio em que está imersa, com os seus
aspectos afetivo, cognitivo e motor também integrados.
2
Wallon atribui à emoção um papel fundamental no processo de desenvolvimento humano. Para ele,
quando nasce uma criança, todo contato estabelecido com as pessoas que cuidam dela, são feitos via
emoção. A criança é constituída de corpo e emoção, e não apenas cognição.
Baseou suas idéias em quatro elementos básicos que se comunicam o tempo todo: afetividade,
emoções, movimento e a formação do eu.
AFETIVIDADE é um dos principais elementos do desenvolvimento humano. As emoções têm
papel fundamental no desenvolvimento da pessoa. É por meio delas que o ser humano exterioriza
seus desejos e suas vontades. Em geral, são manifestações que expressam um universo
importante e perceptível, mas pouco estimulado pelos modelos tradicionais de ensino. As
transformações fisiológicas de uma criança (ou, nas palavras de Wallon, no seu sistema
neurovegetativo) revelam traços importantes de caráter e personalidade. A emoção é altamente
orgânica, altera a respiração, os batimentos cardíacos e até o tônus muscular, tem momentos de
tensão e distensão que ajudam o ser humano a se conhecer. A raiva, a alegria, o medo, a tristeza,
a alegria e os sentimentos mais profundos ganham função relevante na relação da criança com o
meio. A emoção causa impacto no outro e tende a se propagar no meio social.
MOVIMENTO as emoções dependem fundamentalmente da organização dos espaços para se
manifestarem. A motricidade, portanto, tem caráter pedagógico tanto pela qualidade do gesto e
do movimento quanto por sua representação. A escola infelizmente insiste em imobilizar a
criança numa carteira, limitando justamente a fluidez das emoções e do pensamento, tão
necessária para o desenvolvimento completo da pessoa.
2° ESTÁGIO - SENSÓRIO-MOTOR ou PROJETIVO: vai até o terceiro ano de vida. O interesse
da criança se volta para a exploração sensório-motora do mundo físico, ou seja, ela descobre o
mundo dos objetos. Acontece nesta fase a aquisição da marcha e da preensão, que dão à ela maior
autonomia na manipulação de objetos e na exploração dos espaços, assim como o
desenvolvimento da função simbólica e da linguagem. A inteligência é pratica e simbólica. O
termo projetivo refere-se ao fato da ação do pensamento precisar dos gestos para se exteriorizar.
O ato mental "projeta-se" em atos motores. Para Wallon, o ato mental se desenvolve a partir do
ato motor.
3° ESTÁGIO – PERSONALISMO: cobre a faixa dos três aos seis anos, a tarefa central é o
processo de formação da personalidade. A construção da consciência de si, que se dá por meio
das interações sociais, reorienta o interesse das crianças para as pessoas, definindo o retorno da
predominância das relações afetivas.
4° ESTÁGIO – CATEGORIAL: acontece por volta dos seis anos, o interesse da criança dirige-se
para as coisas, para o conhecimento e conquista do mundo exterior, imprimindo às suas relações
com o meio. Há uma preponderância do aspecto cognitivo.
5° ESTÁGIO – PREDOMINÂNCIA FUNCIONAL: caracteriza-se pela crise da puberdade,
rompendo com a tranqüilidade afetiva que caracterizou o estágio anterior e impõe a necessidade
de uma nova definição dos contornos da personalidade, desestruturados devido às modificações
corporais resultantes da ação hormonal. Este processo traz à tona questões pessoais, morais,
existenciais, numa retomada da preponderância da afetividade.
3
A preocupação pedagógica é presença forte na teoria walloniana. Tendo por objeto a psicogênese da
pessoa concreta, esta teoria se utilizada como ferramenta para reflexão pedagógica, suscita uma
prática que atenda as necessidades da criança nos planos afetivo, cognitivo e motor e promova o seu
desenvolvimento em todos os níveis.
A pedagogia inspirada na psicogenética walloniana não considera o desenvolvimento intelectual
como meta máxima e exclusiva da educação, ao contrário, considera como meta maior o
desenvolvimento da pessoa, a inteligência tem status de parte no todo constituído pela pessoa. Os
recursos intelectuais enriquecem as possibilidades do eu, ampliando-o e flexibilizando-o.
Na escola, o movimento de exteriorização do eu pode ser propiciado por atividades de arte, visto
que favorece a expressão de estados e vivencias subjetivas. Esta instituição deve visar à
autoconstrução do sujeito, oferecendo-lhe oportunidades de aquisição e expressão, nas quais alterne
a predominância das dimensões objetivas e subjetivas. No que concerne ao currículo, essa oferta se
reflete na integração entre a arte e a ciência.
O ambiente escolar desempenha um decisivo papel na promoção do desenvolvimento da criança,
INTELIGÊNCIA o desenvolvimento da inteligência depende essencialmente de como cada uma
faz as diferenciações com a realidade exterior. É na solução dos confrontos que a inteligência
evolui. Wallon diz que o sincretismo (mistura de idéias num mesmo plano), é fator determinante
para o desenvolvimento intelectual.
O EU E O OUTRO a construção do eu na teoria de Wallon depende essencialmente do outro.
Seja para ser referência, seja para ser negado. Principalmente a partir do instante em que a
criança começa a viver a chamada crise de oposição, em que a negação do outro funciona como
uma espécie de instrumento de descoberta de si própria. Isso se dá aos três anos de idade, a hora
de saber que "eu" sou. Manipulação, sedução e imitação do outro são características comuns
nessa fase.
A pedagogia inspirada na psicogenética walloniana não foca meramente o conteúdo e não se
limita a propiciar a passiva incorporação de elementos da cultura pelo sujeito, como propõe a
tradição intelectualista. Ao contrário, resulta de uma prática em que a dimensão estética da
realidade é valorizada e a expressividade do sujeito ocupa lugar de destaque. Expressar-se
significa exteriorizar-se, colocar-se em confronto com o outro, organizar-se.
O planejamento das atividades escolares não deve se restringir à seleção de conteúdos, mas
também atingir varias dimensões que compõe o meio. Deve incluir uma reflexão acerca do
espaço em que será realizada a atividade, decidindo sobre aspectos como a área ocupada, os
materiais utilizados, os objetos colocados ao alcance das crianças, a disposição dos mobiliários,
etc. Deve fazer uma reflexão sobre as oportunidades de interações sociais, definindo como
deverá ser as atividades e os papéis exercidos. Ao assumir papéis diferenciados, a criança
obtém uma noção mais objetiva de si própria. Quanto maior a diversidade de grupos a que
participar, mais numerosos serão os parâmetros de relações sociais, o que tende a enriquece a
sua personalidade. É bom lembrar que a escola desempenha um importante papel na formação
da personalidade da criança.
Wallon propõe uma escola engajada, inserida na sociedade e na cultura, ao mesmo tempo,
comprometida com o desenvolvimento dos sujeitos, numa prática que integre a dimensão social
e individual.
4
Na análise de Wallon, o/a professor/a deve ter uma atitude crítica-reflexiva e de permanente
investigação sobre sua prática cotidiana, levando sempre em consideração a sua ação humana e
pedagógica sobre o/a aluno/a e seu desenvolvimento pessoal. Diante dos conflitos, ele/a deve buscar
compreender o sentido e o significado dos acontecimentos, desvelando a complexa trama dos
fatores que os condicionaram.
REFERENCIA
GALVÃO, IZABEL. Henry Wallon: uma Concepção Dialética do Desenvolvimento Infantil.
Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995.
NOTA
1
O texto aborda alguns conceitos da Teoria de Henry Wallon, que é um dos referencias que dão sustentação teórica ao
CEB. Tem a finalidade de subsidiar o saber-fazer pedagógico do/a professor/a para que ele/a possa promover ações
educativas reais e significativas, à luz dos constructos teóricos.
2
Texto elaborado e sistematizado por Angela Freire, Pedagoga graduada pela UCSAL, Psicopedagoga (UFBA) e
Coordenadora Pedagógica lotada na Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico (CENAP) / Núcleo de Tecnologia
Educacional (NET-17), na Fábrica do Saber.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Piaget x Vygotsky
Piaget x VygotskyPiaget x Vygotsky
Piaget x Vygotsky
Elcielle .
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Carlos Caldas
 
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaVygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Thiago de Almeida
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Desenvolvimento piaget
Desenvolvimento   piagetDesenvolvimento   piaget
Desenvolvimento piaget
Lusiane Carvalho da Silva
 
Atividade I mapa conceitual - processo de aprendizagem
Atividade I mapa  conceitual - processo de aprendizagemAtividade I mapa  conceitual - processo de aprendizagem
Atividade I mapa conceitual - processo de aprendizagem
CARLA CRISTINA AMORIM
 
Teoria do apego john bowlby
Teoria do apego    john bowlbyTeoria do apego    john bowlby
Teoria do apego john bowlby
Aclecio Dantas
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
Débora Rodrigues
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Anaí Peña
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
LIMA, Alan Lucas de
 
Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...
Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...
Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...
Educação Infantil
 
Capítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANO
Capítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANOCapítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANO
Capítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANO
Israel serique
 
Resumo piaget vygotsky e wallon
Resumo piaget vygotsky e wallonResumo piaget vygotsky e wallon
Resumo piaget vygotsky e wallon
Monique Curvo Arruda
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
Thiago de Almeida
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E TransdisciplinaridadeMultidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
silsiane
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piaget
pibidsociais
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Eduardo Petrucci
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da Aprendizagen
UFC
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Manô Araújo
 

Mais procurados (20)

Piaget x Vygotsky
Piaget x VygotskyPiaget x Vygotsky
Piaget x Vygotsky
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
 
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaVygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistórica
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Desenvolvimento piaget
Desenvolvimento   piagetDesenvolvimento   piaget
Desenvolvimento piaget
 
Atividade I mapa conceitual - processo de aprendizagem
Atividade I mapa  conceitual - processo de aprendizagemAtividade I mapa  conceitual - processo de aprendizagem
Atividade I mapa conceitual - processo de aprendizagem
 
Teoria do apego john bowlby
Teoria do apego    john bowlbyTeoria do apego    john bowlby
Teoria do apego john bowlby
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...
Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...
Slide quadro comparativo piaget, vygotsky e wallon ( Pedagoga Claudia O. Andr...
 
Capítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANO
Capítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANOCapítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANO
Capítulo 2: A PSICOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO HUMANO
 
Resumo piaget vygotsky e wallon
Resumo piaget vygotsky e wallonResumo piaget vygotsky e wallon
Resumo piaget vygotsky e wallon
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E TransdisciplinaridadeMultidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piaget
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da Aprendizagen
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 

Semelhante a Referencial teorico -_wallon

Wallon - aula de psicologia
Wallon  -  aula de  psicologiaWallon  -  aula de  psicologia
Wallon - aula de psicologia
Fatinha Bretas
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
SimoneHelenDrumond
 
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Ana Rita Rochynski
 
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Ana Rita Rochynski
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
HENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.ppt
HENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.pptHENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.ppt
HENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.ppt
lililele2022
 
HENRI WALLON - Bruno Marques.ppt
HENRI WALLON - Bruno Marques.pptHENRI WALLON - Bruno Marques.ppt
HENRI WALLON - Bruno Marques.ppt
ssuserf58c5a
 
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
AlineMelo123
 
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogicoA relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
espacoartedeaprender
 
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogicoA relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
espacoartedeaprender
 
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Isa Silveira
 
Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )
Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )
Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )
Educação Infantil
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
Secretaria Municipal de Educação de Goiânia
 
A abordagem de henri wallon
A abordagem de henri wallonA abordagem de henri wallon
A abordagem de henri wallon
Arnaldo Alves
 
Henriwallon
HenriwallonHenriwallon
Piaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallonPiaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallon
Luciana Almeida
 
Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2
Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2
Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2
williamwmo
 
Aula sobre wallon
Aula sobre wallonAula sobre wallon
Aula sobre wallon
Diego Alvarez
 
Aula sobre wallon
Aula sobre wallonAula sobre wallon
Aula sobre wallon
Diego Alvarez
 
Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)
Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)
Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)
Marcos Paterra
 

Semelhante a Referencial teorico -_wallon (20)

Wallon - aula de psicologia
Wallon  -  aula de  psicologiaWallon  -  aula de  psicologia
Wallon - aula de psicologia
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
 
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe   wallon 2 psicologiaHenri paul hyacinthe   wallon 2 psicologia
Henri paul hyacinthe wallon 2 psicologia
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 
HENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.ppt
HENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.pptHENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.ppt
HENRI WALLON autor excelente muito boa a escrita_apresentação.ppt
 
HENRI WALLON - Bruno Marques.ppt
HENRI WALLON - Bruno Marques.pptHENRI WALLON - Bruno Marques.ppt
HENRI WALLON - Bruno Marques.ppt
 
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
 
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogicoA relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
 
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogicoA relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
A relacao entre_afetividade_e_aprendizagem_num_olhar_psicopedagogico
 
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
 
Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )
Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )
Slide Teoria Wallon (Pedagoga Claudia de Oliveira Andrade )
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
 
A abordagem de henri wallon
A abordagem de henri wallonA abordagem de henri wallon
A abordagem de henri wallon
 
Henriwallon
HenriwallonHenriwallon
Henriwallon
 
Piaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallonPiaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallon
 
Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2
Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2
Aula jogo educacao_pelo_movimento_e_desenvolvimento_da_crianca_2
 
Aula sobre wallon
Aula sobre wallonAula sobre wallon
Aula sobre wallon
 
Aula sobre wallon
Aula sobre wallonAula sobre wallon
Aula sobre wallon
 
Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)
Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)
Desenvolvimento motor e psicomotricidade (1)
 

Mais de angelafreire

Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
angelafreire
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
angelafreire
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
angelafreire
 
Oferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampoOferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampo
angelafreire
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
angelafreire
 
Integra01 (1)
Integra01 (1)Integra01 (1)
Integra01 (1)
angelafreire
 
Indic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantilIndic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantil
angelafreire
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
angelafreire
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
angelafreire
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
angelafreire
 
Eduinfparqualvol1
Eduinfparqualvol1Eduinfparqualvol1
Eduinfparqualvol1
angelafreire
 
Educacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacaoEducacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacao
angelafreire
 
Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_
angelafreire
 
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantilDuvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
angelafreire
 
Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012
angelafreire
 
Direitosfundamentais
DireitosfundamentaisDireitosfundamentais
Direitosfundamentais
angelafreire
 
Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011
angelafreire
 
Modelos pedagogicos
Modelos pedagogicosModelos pedagogicos
Modelos pedagogicos
angelafreire
 
Layout do título 2
Layout do título 2Layout do título 2
Layout do título 2
angelafreire
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
angelafreire
 

Mais de angelafreire (20)

Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Oferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampoOferta demanda educacao_ampo
Oferta demanda educacao_ampo
 
Miolo infraestr
Miolo infraestrMiolo infraestr
Miolo infraestr
 
Integra01 (1)
Integra01 (1)Integra01 (1)
Integra01 (1)
 
Indic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantilIndic qualit educ_infantil
Indic qualit educ_infantil
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
 
Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2Eduinfparqualvol2
Eduinfparqualvol2
 
Eduinfparqualvol1
Eduinfparqualvol1Eduinfparqualvol1
Eduinfparqualvol1
 
Educacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacaoEducacao infantil sitematica_avaliacao
Educacao infantil sitematica_avaliacao
 
Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_Educa infantis conceituais_
Educa infantis conceituais_
 
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantilDuvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
Duvidas mais frequentes_relacao_educacao_infantil
 
Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012Diretrizescurriculares 2012
Diretrizescurriculares 2012
 
Direitosfundamentais
DireitosfundamentaisDireitosfundamentais
Direitosfundamentais
 
Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011Deixa eu falar_novembro2011
Deixa eu falar_novembro2011
 
Modelos pedagogicos
Modelos pedagogicosModelos pedagogicos
Modelos pedagogicos
 
Layout do título 2
Layout do título 2Layout do título 2
Layout do título 2
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 

Referencial teorico -_wallon

  • 1. 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura – SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico – CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE HENRY WALLON (1789-1962)1 Angela Freire2 O médico, psicólogo e filósofo francês considera que o ser humano é organicamente social e sua estrutura orgânica supõe a intervenção da cultura para se atualizar. Nesta direção, a teoria do desenvolvimento cognitivo postulada por Wallon é centrada na psicogênese da pessoa completa. Seu método consiste em estudar as condições orgânicas e sociais de desenvolvimento da criança, que aparece descontínuo, marcado por contradições qualitativas e, através dessas contradições, constrói-se um novo plano da realidade que é o psiquismo e a personalidade. A psicologia genética walloniana estuda a gênese dos processos psíquicos, que é um fenômeno biológico e social. A criança, desde seu nascimento, é um ser simultaneamente biológico e social. As capacidades biológicas são os condicionantes da vida em sociedade, mas o meio social é o condicionante do desenvolvimento destas capacidades. Para Wallon, cada etapa do desenvolvimento está caracterizada por uma atividade preponderante. Em cada estágio existe um conflito específico que a criança deve resolver e, o seu desenvolvimento, é balizado por crises que são reestruturações do comportamento infantil. A sucessão das etapas do desenvolvimento apresenta-se de modo descontínuo, ou seja, a passagem de uma para outra não é uma simples ampliação e sim uma recomposição. A noção de estágio é entendida como uma tentativa de definir níveis funcionais, tentativa de aprofundar o conhecimento de modo organizado e as normas que tomam seus diversos comportamentos durante a evolução. O estágio não tem uma base cronológica, mas baseia-se em uma sucessão funcional. Os estágios propostos pela psicogenética walloniana são: 1° ESTÁGIO - IMPULSIVO-EMOCIONAL: abrange o primeiro ano de vida. O principal foco é a emoção, instrumento privilegiado de interação da criança com o meio. A predominância da afetividade orienta as principais ações do bebê às pessoas, as quais intermediam sua relação com o mundo físico. A afetividade é impulsiva, emocional, que se nutre pelo olhar, pelo contato físico e se expressa em gestos, mímica e posturas. Segundo a teoria de Wallon, a evolução da espécie humana fez do homem um ser geneticamente social, desenvolvendo nele aptidões específicas. Ele considera o desenvolvimento da pessoa completa integrada ao meio em que está imersa, com os seus aspectos afetivo, cognitivo e motor também integrados.
  • 2. 2 Wallon atribui à emoção um papel fundamental no processo de desenvolvimento humano. Para ele, quando nasce uma criança, todo contato estabelecido com as pessoas que cuidam dela, são feitos via emoção. A criança é constituída de corpo e emoção, e não apenas cognição. Baseou suas idéias em quatro elementos básicos que se comunicam o tempo todo: afetividade, emoções, movimento e a formação do eu. AFETIVIDADE é um dos principais elementos do desenvolvimento humano. As emoções têm papel fundamental no desenvolvimento da pessoa. É por meio delas que o ser humano exterioriza seus desejos e suas vontades. Em geral, são manifestações que expressam um universo importante e perceptível, mas pouco estimulado pelos modelos tradicionais de ensino. As transformações fisiológicas de uma criança (ou, nas palavras de Wallon, no seu sistema neurovegetativo) revelam traços importantes de caráter e personalidade. A emoção é altamente orgânica, altera a respiração, os batimentos cardíacos e até o tônus muscular, tem momentos de tensão e distensão que ajudam o ser humano a se conhecer. A raiva, a alegria, o medo, a tristeza, a alegria e os sentimentos mais profundos ganham função relevante na relação da criança com o meio. A emoção causa impacto no outro e tende a se propagar no meio social. MOVIMENTO as emoções dependem fundamentalmente da organização dos espaços para se manifestarem. A motricidade, portanto, tem caráter pedagógico tanto pela qualidade do gesto e do movimento quanto por sua representação. A escola infelizmente insiste em imobilizar a criança numa carteira, limitando justamente a fluidez das emoções e do pensamento, tão necessária para o desenvolvimento completo da pessoa. 2° ESTÁGIO - SENSÓRIO-MOTOR ou PROJETIVO: vai até o terceiro ano de vida. O interesse da criança se volta para a exploração sensório-motora do mundo físico, ou seja, ela descobre o mundo dos objetos. Acontece nesta fase a aquisição da marcha e da preensão, que dão à ela maior autonomia na manipulação de objetos e na exploração dos espaços, assim como o desenvolvimento da função simbólica e da linguagem. A inteligência é pratica e simbólica. O termo projetivo refere-se ao fato da ação do pensamento precisar dos gestos para se exteriorizar. O ato mental "projeta-se" em atos motores. Para Wallon, o ato mental se desenvolve a partir do ato motor. 3° ESTÁGIO – PERSONALISMO: cobre a faixa dos três aos seis anos, a tarefa central é o processo de formação da personalidade. A construção da consciência de si, que se dá por meio das interações sociais, reorienta o interesse das crianças para as pessoas, definindo o retorno da predominância das relações afetivas. 4° ESTÁGIO – CATEGORIAL: acontece por volta dos seis anos, o interesse da criança dirige-se para as coisas, para o conhecimento e conquista do mundo exterior, imprimindo às suas relações com o meio. Há uma preponderância do aspecto cognitivo. 5° ESTÁGIO – PREDOMINÂNCIA FUNCIONAL: caracteriza-se pela crise da puberdade, rompendo com a tranqüilidade afetiva que caracterizou o estágio anterior e impõe a necessidade de uma nova definição dos contornos da personalidade, desestruturados devido às modificações corporais resultantes da ação hormonal. Este processo traz à tona questões pessoais, morais, existenciais, numa retomada da preponderância da afetividade.
  • 3. 3 A preocupação pedagógica é presença forte na teoria walloniana. Tendo por objeto a psicogênese da pessoa concreta, esta teoria se utilizada como ferramenta para reflexão pedagógica, suscita uma prática que atenda as necessidades da criança nos planos afetivo, cognitivo e motor e promova o seu desenvolvimento em todos os níveis. A pedagogia inspirada na psicogenética walloniana não considera o desenvolvimento intelectual como meta máxima e exclusiva da educação, ao contrário, considera como meta maior o desenvolvimento da pessoa, a inteligência tem status de parte no todo constituído pela pessoa. Os recursos intelectuais enriquecem as possibilidades do eu, ampliando-o e flexibilizando-o. Na escola, o movimento de exteriorização do eu pode ser propiciado por atividades de arte, visto que favorece a expressão de estados e vivencias subjetivas. Esta instituição deve visar à autoconstrução do sujeito, oferecendo-lhe oportunidades de aquisição e expressão, nas quais alterne a predominância das dimensões objetivas e subjetivas. No que concerne ao currículo, essa oferta se reflete na integração entre a arte e a ciência. O ambiente escolar desempenha um decisivo papel na promoção do desenvolvimento da criança, INTELIGÊNCIA o desenvolvimento da inteligência depende essencialmente de como cada uma faz as diferenciações com a realidade exterior. É na solução dos confrontos que a inteligência evolui. Wallon diz que o sincretismo (mistura de idéias num mesmo plano), é fator determinante para o desenvolvimento intelectual. O EU E O OUTRO a construção do eu na teoria de Wallon depende essencialmente do outro. Seja para ser referência, seja para ser negado. Principalmente a partir do instante em que a criança começa a viver a chamada crise de oposição, em que a negação do outro funciona como uma espécie de instrumento de descoberta de si própria. Isso se dá aos três anos de idade, a hora de saber que "eu" sou. Manipulação, sedução e imitação do outro são características comuns nessa fase. A pedagogia inspirada na psicogenética walloniana não foca meramente o conteúdo e não se limita a propiciar a passiva incorporação de elementos da cultura pelo sujeito, como propõe a tradição intelectualista. Ao contrário, resulta de uma prática em que a dimensão estética da realidade é valorizada e a expressividade do sujeito ocupa lugar de destaque. Expressar-se significa exteriorizar-se, colocar-se em confronto com o outro, organizar-se. O planejamento das atividades escolares não deve se restringir à seleção de conteúdos, mas também atingir varias dimensões que compõe o meio. Deve incluir uma reflexão acerca do espaço em que será realizada a atividade, decidindo sobre aspectos como a área ocupada, os materiais utilizados, os objetos colocados ao alcance das crianças, a disposição dos mobiliários, etc. Deve fazer uma reflexão sobre as oportunidades de interações sociais, definindo como deverá ser as atividades e os papéis exercidos. Ao assumir papéis diferenciados, a criança obtém uma noção mais objetiva de si própria. Quanto maior a diversidade de grupos a que participar, mais numerosos serão os parâmetros de relações sociais, o que tende a enriquece a sua personalidade. É bom lembrar que a escola desempenha um importante papel na formação da personalidade da criança. Wallon propõe uma escola engajada, inserida na sociedade e na cultura, ao mesmo tempo, comprometida com o desenvolvimento dos sujeitos, numa prática que integre a dimensão social e individual.
  • 4. 4 Na análise de Wallon, o/a professor/a deve ter uma atitude crítica-reflexiva e de permanente investigação sobre sua prática cotidiana, levando sempre em consideração a sua ação humana e pedagógica sobre o/a aluno/a e seu desenvolvimento pessoal. Diante dos conflitos, ele/a deve buscar compreender o sentido e o significado dos acontecimentos, desvelando a complexa trama dos fatores que os condicionaram. REFERENCIA GALVÃO, IZABEL. Henry Wallon: uma Concepção Dialética do Desenvolvimento Infantil. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995. NOTA 1 O texto aborda alguns conceitos da Teoria de Henry Wallon, que é um dos referencias que dão sustentação teórica ao CEB. Tem a finalidade de subsidiar o saber-fazer pedagógico do/a professor/a para que ele/a possa promover ações educativas reais e significativas, à luz dos constructos teóricos. 2 Texto elaborado e sistematizado por Angela Freire, Pedagoga graduada pela UCSAL, Psicopedagoga (UFBA) e Coordenadora Pedagógica lotada na Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico (CENAP) / Núcleo de Tecnologia Educacional (NET-17), na Fábrica do Saber.