SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Amor e Vida em Família (Emmanuel)
ONTEM, atraiçoamos a confiança de um
companheiro, induzindo-o à derrocada moral.
 HOJE, guardamo-lo na condição do parente difícil,
que nos pede sacrifício incessante.
ONTEM, abandonamos a jovem que nos amava,
inclinando-a ao mergulho na lagoa do vício.
 HOJE, temo-la de volta por filha incompreensiva,
necessitada do nosso amor.
ONTEM, colocamos o orgulho e a vaidade no peito de
um irmão que nos seguia os exemplos menos felizes.
 HOJE, partilhamos com ele, à feição de esposo
despótico ou de filho-problema, o cálice amargo
da redenção.
ONTEM, esquecemos compromissos veneráveis,
arrastando alguém ao suicídio.
 HOJE, reencontramos esse mesmo alguém na
pessoa de um filhinho, portador de moléstia
irreversível, tutelando-lhe, à custa de lágrimas, o
trabalho de reajuste.
ONTEM, abandonamos a companheira inexperiente,
à míngua de todo auxílio, situando-a nas garras da
delinquência.
 HOJE, achamo-la ao nosso lado, na presença da
esposa conturbada e doente, a exigir-nos a
permanência no curso infatigável da tolerância.
ONTEM, dilaceramos a alma sensível de pais
afetuosos e devotados, sangrando-lhes o espírito, a
punhaladas de ingratidão.
 HOJE, moramos no espinheiro, em forma de lar,
carregando fardos de angústia, a fim de aprender
a plantar carinho e fidelidade.
À frente de toda dificuldade e de toda prova,
abençoa sempre e faze o melhor que possas.
Ajuda aos que te partilham a experiência, ora pelos
que te perseguem, sorri para os que te ferem e
desculpa todos àqueles que te injuriam...
A humildade é a chave de nossa libertação.
E, sejam quais sejam os
teus obstáculos na família,
é preciso reconhecer que
toda construção moral do
Reino de Deus, perante o
mundo, começa nos
alicerces invisíveis da luta
em casa.
Da obra: Amor e Vida em
Família - Ditado pelo Espírito
Emmanuel, 1995
Sob os Céus da Gália (Baccelli)
E até ao ano de 553 da Era Cristã, a Igreja nascente
admitia a Reencarnação, contudo, por ação
deliberada das Trevas, no II Concilio realizado em
Constantinopla, decretou-se que “todo aquele que
defender a doutrina mística da preexistência da alma
e a consequente opinião de que ela retoma seja
anátema!”.
A História registra que, no referido Concílio, o
Imperador Justiniano, que era influenciado pela
esposa, Teodora, inclusive nos assuntos
governamentais e teológicos, mandou que se
proibisse a doutrina da transmigração das almas e
do carma.
Acontece que Teodora, que houvera sido uma mulher
de vida desregrada, ao se unir com o Imperador, que
por ela se apaixonou, passara a ser ironizada pelas
suas antigas amigas de leviandades. Em
consequência, a esposa do Imperador ordenou que
quinhentas mulheres fossem mortas em
Constantinopla. Os cristãos, então, passaram a
rotulá-la de assassina e a espalhar a notícia de que, a
fim de ressarcir o débito contraído, nas vidas
futuras, ela deveria morrer igualmente assassinada
quinhentas vezes!
Com receio de que tal previsão se confirmasse,
Teodora, passando a odiar a doutrina da
Reencarnação, investindo contra ela, influenciou o
marido para que decretasse a sua extinção e
perseguisse os seus defensores.
O desastroso desfecho consistiu na absurda
“proibição à lei natural das vidas sucessivas”, no II
Concílio de Constantinopla! (p. 250-251).
Do Livro: Sob os Céus da
Gália.
Carlos Baccelli
ditado pelo
espirito de
Irmão José
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Decreto contra a Reencarnação:
Adamantius Orígenes nasceu e Alexandria e viveu
entre 185 a 254 dC, dotado de castidade impar e
inflexível ascetismo, professor, teólogo e célebre
escritor, uniu com perfeição a filosofia grega, o
platonismo, aos postulados cristãos. Escreveu mais
de duas mil obras destruídas pela invasão árabe que
tratou de eliminar tudo o que se opunha ao
islamismo.
Ensinava que a posição do Cristo no universo era
como o de um mediador entre Deus e os homens
falidos. Veemente defensor da reencarnação e
admitia que a misericórdia de Deus proporcionaria,
através de muitas vidas da alma, a completa
salvação de todas as almas, inclusive dos anjos
decaídos, os demônios. Sua doutrina, chamada
origenismo ou apocatástase, pressupunha então o
resgate de todo o cosmo físico, proporcionado pelo
carácter sacrificial da vinda de Jesus à Terra, fazendo
sucumbir o império do mal.
Acusado de heresia foi anatematizado pelos próprios
consentâneos, foi preso no ano 250 dC e morreu em
Tiro entre 252 / 254 dC.
Mais tarde seus ensinos foram rejeitados pelo
catolicismo romano que não pode tolerar os
preceitos reencarnacionistas, pois não interessava
aos dogmas católicos a noção de que todos se
salvariam, pois a ideia de uma condenação eterna
era, infelizmente, um elemento de coerção útil ao
despotismo religioso que vigoraria na Idade Média,
dando continuidade ao imperialismo romano.
O Concílio ecumênico de Constantinopla de 553,
realizado por imposição do imperador Justiniano e
sobe a regência do Papa Virgílio, cuidou de
anatematizar o origenismo, juntamente com toda a
crença reencarnacionista que ainda sobrevivia no
pensamento cristão primitivo.
Foram excomungados também todos aqueles que
acreditavam ou pregassem a crença de que as almas
preexistiam no céu e que haveria recuperação dos
condenados e, portanto, pois com isso o inferno não
seria eterno. Assim diziam em seus famosos atos
conciliares:
“se uma pessoa acredita que as almas humanas
existiam antes como espíritos elevados no céu,
mas que um dia ficaram fartos de estar com Deus
e que, sem consequência disso, o amor desses
espíritos para com Deus esfriou-se neles, e por isso
passaram a se chamar almas humanas, e que
foram castigadas de forma a serem mandadas a
encarnar em corpos na Terra, seja essa pessoa que
assim pensa, excomungada”
Do livro: Arquitetura Cósmica
Gilson Freire / de Pietro Ubaldi à Física Quântica
Espírito Perverso:
Seres tão perversos não são comuns nas
humanidades que realizaram pelas vias normais seu
processo de evolução, mas em razão de certas
combinações de influências planetárias sobre os
instintos grosseiros e perversos dos seres recém
saídos de uma espécie inferior, antes de haver se
modificado na escala ascendente da evolução, ficam
às vezes estes terríveis exemplares, açoites da
humanidade.
Eram os primeiros ensaios daquele espirito na
espécie humana, à qual o havia impulsionado, por
terríveis vinganças e mediante as criminosas artes da
magia negra, uma sociedade de magos Lêmures,
cujas forças de destruição tinham chegado ao
máximo naquele desaparecido continente e naqueles
distantes tempos.
Buscando sempre os cimos do poder e da grandeza,
esse ser esteve unido a quase todas as grandes dores
padecidas em conjunto por coletividades humanas.
Foi o faraó que ordenou a matança dos meninos
hebreus, foi a rainha Jezabel na época de Elias, foi o
Profeta, um grande sacerdote asteca do antigo
México, chamado Quilichua, que formou com os
crânios das vítimas sacrificadas a seu deus uma pilha
quase tão alta quanto o próprio templo; foi
Herodiades do templo de João Batista; foi Teodora de
Bizâncio, foi Margarida de Borgonha e depois foi
Catarina de Médici, as terríveis facetas do prisma
negro da vida daquela sinistra Shamurance do Mar
Eritreu do Norte.
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Uma de suas última encarnações
foi como Petrona Acarof já de
dolorosa expiação na Rússia
tiranizada pelos tzares, em cujas
geladas estepes viu morrer todos
os seus filhos, depois do que
morreu de fome e frio na idade
de 90 anos, sob uma ponte do rio
Volga.
Do livro:
Origens da Civilização Atlântida
De Josefa Rosália Luque Alvarez
Resumindo:
 Foi um Mago Negro na Lemúria - >30.000 aC
 Foi a Rainha Shamurance na Ática 8.300 aC
 Foi Princesa Gala Vatis (época Moisés) 1.400 aC
 Foi Jezebel (contra Elias) em Israel 900 aC
 Foi Herodiades (contra João Batista) 12 dC
 Foi Teodora (contra a reencarnação) 553 dC
 Foi Margarida de Borgonha 1300 dC
 Foi Sacerdote Inca Quilichua (*) 1500 dC
 Foi Catarina de Médice 1574 dC
 Foi Petrona Acarof
 Foi Maria Modesto (Dama da Caridade) 1900 dC
(*) – conflito de épocas
Vamos seguir agora alguns dos personagens acima
citados:
1. Rainha Shamurance: (8.300 aC)
Há mais de 10.000 anos atrás, na Ática ela, a rainha
SHAMURANCE era disposta sempre à caçada - mais
voraz e sanguinária - de jovens dos pacíficos
moradores das pradarias do Eufrates que ela
sacrificava à algum deus no santuário da Ilha Negra,
onde a perversa rainha celebrava os ritos macabros e
horrorosos de seu culto.
- Quero dizer que, se vim à Terra para salvar esta
Humanidade, não posso consentir que, por negligência
minha se perca uma única das almas que me foram
confiadas – respondeu Jhasua.
- Queres fazer algo por essa dupla de perversos abortos dos
infernos? – perguntou novamente o ancião.
- Sim, Nabat!..., quero intentar a redenção dos dois.
- Santo céu!..., vais entrar na vida de Herodiades? –
perguntou aterrado o tio Jaime.
- Não entraram os Kobdas da pré-história na vida da
Rainha Shamurance, cem vezes mais poderosa do que
esta?
- tens razão, Jhasua, mas..., a Rainha Shamurance se
redimiu? – perguntou novamente tio Jaime.
- Bem vês que não, tio..., parassam-se 8.000 anos e a Luz
ainda não penetrou nela! – voltou a encontra-la rodando
para o fundo dos abismos na sua espantosa carreira de
pecadora...
- Queres dizer que Shamurance e Herodiades são o mesmo
ser? – perguntou Nabat, alarmado.
- São o mesmo ser! ... – repetiu com voz profunda o jovem
Mestre. – o Amor Eterno chamou-a muitas vezes pela voz
de Chrisna, de Bhuda e de Moisés. Agora é chamada pela
última vez pela minha voz e, se ainda persistir no seu
endurecimento, pobre infeliz, a Piedade Divina se fechará
para ela por imensas idades, até que as mais terríveis
expiações abram seu coração para o amor.
2. Jezebel: (800 a 900 aC)
Jezebel foi uma princesa fenícia casada com o rei
Acab de Israel.
O significado do nome Jezebel é “Baal exalta” ou
“Baal é marido de” ou “impuro”, filha de um rei
fenício, de forte personalidade feminina, Jezebel era
sacerdotisa dominadora e potencialmente religiosa e
se denominava porta voz de Deus. Isso a categorizava
como profetisa.
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Sua influência foi abalizada pelo rei Acab e cresceu a
níveis incontroláveis, superando os próprios rabinos e
sacerdotes, submetendo-os a suas ordens.
Israel passou a ser um reino teocrático e Jezebel
cresceu politicamente e ordenava sobre o clero
sacerdotal, obrigando os próprios sacerdotes
israelenses a cultuar a Baal.
Suprimindo os rituais mosaicos, Jezebel passou a
cultuar a Baal de forma ostensiva e dominadora,
sacrificando crianças em nome da santidade e
inocência.
Sua atuação mística superava as expectativas dos
Israelenses que aceitavam tudo de forma normal.
Recorreu ao dinheiro do tesouro público para
sustentar os 450 profetas (de Elijah e sacerdotes) do
deus Baal e os 400 profetas da deusa Achera (deusa
fenícia da fertilidade).
Um profeta até então desconhecido pelo seu nome
verdadeiro surgiu confrontando-se com os
ensinamentos de Jezebel.
Sua mensagem era o que passou a ser o seu próprio
nome: "Elias" que quer dizer: Javé é Deus!
A mensagem do profeta desconhecido passou a
contrastar religiosamente e provocou terror entre os
rabinos e sacerdotes que passaram a exigir dele uma
prova contundente em forma de "sinal" de
comprovação de sua autenticidade.
Era necessário que Elias provasse o seu chamado por
Deus, bem como a verdade sobre a sua mensagem.
A resistência local contra esta política religiosa foi
encabeçada pelo profeta Elias.
Numa espécie de concurso religioso levado a cabo no
Monte Carmelo, Elias derrotou todos os profetas de
Baal, que morreram, pretendendo desta forma o
Livro de Reis mostrar como o Deus de Israel era a
única divindade.
Jezebel foi desmascarada e desacreditada
publicamente. Quando Jezebel soube disto ficou
furiosa, pretendendo mandar matar Elias, que teve
fugir para Judá.
O sinal marcante nos tempos de Elijah e Jezebel foi o
grande desafio para essa comprovação:
A proposta de Elijah foi a construção de dois altares:
O de Baal e o de YHWH, conhecido como o Deus "El"
de Abraão.
O fogo incendiou o altar de Elijah e o povo passou a
hostilizar todos os sacerdotes que serviam a Baal e os
mataram. Por causa desta rainha o nome "Jezebel"
encontra-se associado na cultura popular a uma
mulher sedutora sem escrúpulos.
O profeta hebreu Elias condenou o rei Acabe por
adorar o deus Baal, assim como a mortandade dos
450 sacerdotes de Baal, que os fez passar pelo fio da
espada, junto ao ribeiro de Quison (3° Reis, 18:40).
https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9culo_IX_a.C.
3. Herodiades (15 aC - 39 dC):
Herodiades era filha de Berenice e de Aristóbulo IV
(filho de Herodes). Teve como primeiro marido
Herodes Filipe, filho de Herodes com Mariana, filha
do sumo-sacerdote Simão. Herodiades e Herodes
Filipe tiveram uma filha, Salomé.
Contudo, Herodiades separou-se deste marido para
casar com outro meio-tio, Herodes Antipas, este para
poder casar com Herodiades, teve que se divorciar da
sua primeira esposa, Fasélia, filha do rei Nabateu
Aretas IV.
A união foi condenada por João Baptista e gerou
animosidade entre o povo, que acusou o casal de
incesto.
A execução de João Baptista é atribuída à intervenção
de Herodiades e da sua filha. Durante uma festa de
anos de Herodes Antipas, Salomé realizou uma dança
que o entusiasmou ao ponto deste prometer dar-lhe
o que ela entendesse. Salomé consultou então a mãe
e pediu a cabeça de João Baptista. Herodes Antipas
atendeu ao pedido e Salomé entregou a cabeça à sua
mãe.
4. Teodora de Bizâncio (497-548 dC):
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Teodora se mostrou uma governante hábil durante as
revoltas de Nika. Na primeira metade do século VI,
havia duas facções políticas rivais na capital imperial,
os "Azuis" e os "Verdes", que começaram uma
revolta em janeiro de 532 durante uma corrida de
bigas no hipódromo.
Elas se originaram de diversas queixas diferentes,
algumas delas ações de Teodora e Justiniano.
Os rebeldes incendiaram diversos edifícios públicos e
proclamaram um novo imperador, Hipácio, o
sobrinho do antigo imperador Anastácio I Dicoro.
Incapaz de controlar a multidão, Justiniano e seus
oficiais se prepararam para fugir.
Numa reunião do conselho governamental, Teodora
foi contra deixar o palácio dizendo que "do púrpura
se faz uma fina mortalha", sublinhando assim que
seria melhor morrer como um imperador, lutando
pelo trono, do que viver com medo, escondido ou
exilado.
Seu determinado discurso convenceu a todos,
incluindo o próprio Justiniano.
Como resultado, o imperador ordenou que tropas
leais, lideradas por dois oficiais de confiança,
Belisário e Mundo, atacassem os revoltosos no
hipódromo. A ordem foi cumprida e mais de 30 000
rebeldes (de acordo com Procópio) foram mortos.
Apesar das alegações de que teria sido eleito
imperador contra sua vontade pela multidão, Hipácio
foi executado, aparentemente por insistência de
Teodora.
Os historiadores concordam que foi a coragem de
Teodora o fator decisivo para salvar o reinado de
Justiniano e o imperador jamais se esqueceu disso.
Então, a proibição de se aceitar a REENCARNAÇÃO foi
promulgada por ela: Teodora de Bizâncio.
5. Margarida de Borgonha (1290-1315 dC):
Margarida nasceu no
seio da família ducal da
Borgonha, filha do duque
Roberto II e da princesa
Inês de França, filha do
rei São Luís da França.
Casou-se com o primo
Luís, rei de Navarra e
herdeiro da coroa
francesa a 23 de sete-
mbro de 1305 em Ver-
non, na Alta Normandia.
Desta união nasceu uma
filha, Joana, a 28 de janeiro de 1312, que herdaria o
reino de Navarra apenas em 1328, aquando do
acordo do seu esposo Filipe d'Évreux com o rei Filipe
VI de França.
Em 1314, no último ano do reinado do seu sogro
Filipe o Belo, foi acusada de adultério com Filipe de
Aunay, juntamente com a cunhada Branca (com
Gautério de Aunay), no chamado caso da Torre de
Nesle.
Julgados e condenados por crime de lesa-majestade,
a 19 de abril os irmãos Aunay foram supliciados e
executados em praça pública em Pontoise. Uma
rainha adúltera que teria utilizado a Torre de Nesle
como lugar de deboche, atirando os seus amantes do
alto da torre ao nascer do dia.
Margarida da Borgonha é uma das personagens da
série de livros de romance histórico Os Reis Malditos
(Les Rois Maudits em francês) de Maurice Druon,
publicada entre 1955 e 1977, e adaptada para a
televisão por duas vezes na França, em 1972 e em
2005.
6. Sumo Sacerdote Inca Quilichua (1533dC)
O império Inca surgiu nas terras altas peruanas em
algum momento do século XIII. De 1438 até 1533, os
incas utilizaram vários métodos, da conquista militar
à assimilação pacífica, para incorporar uma grande
porção do oeste da América do Sul, centrado na
Cordilheira dos Andes, incluindo grande parte do
atual Equador e Peru, sul e oeste da Bolívia, noroeste
da Argentina, norte do Chile e sul da Colômbia.
Fora o sumo sacerdote ou padre chefe do Império
Inca. Ele presidiu sobre cerimônias religiosas
dedicadas a do sol. Ele supervisionou a organização
religiosa do Império Inca. Reivindicações que levaram
uma vida de muita abstinência: não comer carne,
mas ervas e raízes, acompanhados por pão de milho;
em suas vidas diárias usando um vestido comum,
claro que alcançou seus tornozelos, e durante um
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
longo manto de preto, marrom ou roxo; Ele não
podia estar casado ou ter mulher suspeita com ele.
Ele tinha renda abundante em todas as províncias,
mas apenas utilizado necessário para a subsistência e
o restante é destinado a ajudar os necessitados.
Sua morte deu origem a um dia de luto. O herói
Willaq Umu da resistência Inca. O mais notável padre
da alta Inca que a história individualiza, mas que,
infelizmente, não manteve o seu nome, é o único que
acompanhou Manco Inca, durante a guerra de
libertação contra os invasores espanhóis, entre 1536
e 1540 .
Em meio ao deserto desolado Almagro conseguiu
para escapar e apareceu diante de Manco Inca em
Cuzco, com quem realizou o plano de rebelião, sendo
nomeado comandante em chefe do exército imperial.
Todas as expedições foram derrotados pelos
espanhóis, ele foi executado com eles no vale de
Yucay, no início de 1540.
O Willaq Umu tornou-se, assim, um herói da
resistência inca contra o domínio espanhol.
7. Catarina de Médici (1519 – 1589 dC)
Ela não mediu esforços para se manter no poder:
manipulou os filhos, conspirou e, pior de tudo,
contribuiu para o massacre de protestantes, certo ou
errado?
A regente, mãe de três reis da França, pregava uma
política de tolerância e de
pacificação religiosa.
Florentina, filha de
Lourenço II de Médici
desposou muito jovem o
filho de Francisco I, o
futuro Henrique II.
Na morte de seu marido,
num torneio, em 1559,
enquanto o luto real era
marcado pelo branco, ela
decidiu vestir somente
preto, daí a alcunha “viúva
negra”. A partir de então, ocupou um lugar
preponderante nos destinos do reino.
O breve reinado de seu filho Francisco II
testemunhou a eclosão dos problemas religiosos e o
recurso à violência para solucioná-los.
Perante um partido católico intransigente, que
desejava erradicar o protestantismo, Catarina se
posicionou, com o chanceler Michel de L’Hospital, ao
lado do partido dos políticos que buscavam, antes de
tudo, manter a coesão do Estado e a autoridade
monárquica.
A morte de Francisco II em 1560 e a menoridade de
Carlos IX permitiram que se tornasse regente,
tomando as rédeas do poder.
Desde então, ela multiplicou os atos de conciliação.
Os Estados Gerais foram convocados em Orléans e,
em 1561, deu-se o colóquio de Passy a fim de tentar
reconciliar os reformados e os católicos.
Em 17 de janeiro de 1562, ela chegou a promulgar
um edito autorizando a liberdade de culto aos
protestantes, desde que suas cerimônias se
realizassem fora das cidades.
Essa política de concórdia fracassou diante da
intransigência dos dois partidos.
A primeira guerra religiosa eclodiu com o massacre
de Wassy, em 1562 – e foi seguida de sete outras até
1598.
Catarina de Médici tentou restabelecer a paz para
salvaguardar a herança de seus filhos e a unidade do
reino, objetivo alcançado em 1563, com o edito de
Amboise, que autorizou o culto protestante e
estipulou que ninguém deveria ser perturbado por
suas opiniões religiosas.
Esse edito de paz servirá de modelo a todos os que
seriam assinados em seguida: os conflitos, contudo,
não cessaram.
As tréguas foram alternadas com períodos de tensão
e guerras abertas.
Foi durante uma delas, na noite de 23 a 24 de agosto
de 1572, que aconteceu o Massacre de São
Bartolomeu, que deveria visar somente os chefes
protestantes. Viu-se no episódio a mão de Catarina,
ainda que as responsabilidades não estejam
claramente determinadas.
Assim nasceu, ainda durante a vida de Catarina, a
lenda de uma mulher austera, maquiavélica, que não
recuava perante nada para se manter no poder.
Essa italiana, que conservara ainda um sotaque muito
pronunciado, seria para sempre considerada uma
estrangeira, favorável demais aos protestantes para
os católicos e não tolerante o bastante para os
reformados.
Foi, porém, uma das maiores mecenas da história da
França. Promoveu festas suntuosas, protegeu os
artistas – Ronsard, Montaigne... –, mandou construir
o castelo das Tulherias. Introduziu na França o garfo,
o sorvete e a técnica de montar tendo as duas pernas
do mesmo lado do cavalo.
O fim da dinastia de Valois, em 1589, não permitiu
sua reabilitação. A Revolução Francesa não mediu
esforços para denegrir Catarina de Médicis e, através
dela, a monarquia, exemplo seguido pelos
republicanos.
Os romancistas eternizam essa imagem deformada,
notadamente Alexandre Dumas, com A rainha
Margot, ou Balzac, que assinou uma biografia
falsamente histórica da personagem.
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Alguns historiadores têm isentado Catarina da culpa
pelas piores decisões da coroa, embora evidências de
sua crueldade possam ser encontrada em suas cartas.
Na prática, sua autoridade foi sempre limitada pelos
efeitos das guerras civis. Suas políticas, portanto,
podem ser vistas como medidas desesperadas para
manter a Monarquia Valois no trono a qualquer custo
e seu patrocínio nas artes como uma tentativa de
glorificar a monarquia cujo prestígio estava em
declínio.
Sem Catarina, é pouco provável que seus filhos
tivessem permanecido no poder. Os anos em que
reinou foram chamados de "a era de Catarina de
Médici".
E como descrito por um de seus biógrafos, Mark
Strage, ela foi a mulher mais poderosa da Europa
noséculo XVI.
8. Maria Modesto Cravo (1899- 1964 dC)
Nasceu na cidade de Uberaba-MG, em 1899. Teve
formação católica e casou-se aos 17 anos com Nestor
Cravo fixando residência em Belo Horizonte onde
nasceram os seis filhos do casal.
Sentindo os primeiros fenômenos de desiquilíbrio
físico-mental em sua esposa, seu marido recebeu
orientação para que levasse sua esposa ao encontro
de Eurípedes Barsanulfo, na cidade de Sacramento-
MG.
Lá, Eurípedes, constatando a existência de suas
faculdades mediúnicas, submete-a de imediato a
tratamento físico-espiritual através da fluidoterapia
pois seu organismo achava-se muito debilitado, em
função de grave quadro obsessivo.
Em poucos dias, Maria Modesto apresentava
significativa melhora, sendo convidada a trabalhar na
equipe mediúnica. Passado pouco tempo, já
recuperada, Maria Modesto é orientada por
Eurípedes Barsanulfo a mudar-se para Uberaba para
desenvolver importante trabalho espiritual a que já
estava destinada.
Em janeiro de 1919, funda com outros abnegados
servidores, o Ponto Bezerra de Menezes, onde passa
a servir a enfermos e necessitados. Surge assim,
oficialmente, o primeiro núcleo do Espiritismo aberto
ao público em Uberaba.
A sua assistência não se limitaria ao intercâmbio
espiritual. Em 1922 inicia a realização do Natal dos
Pobres, beneficiando os necessitados que ali
buscavam o amparo, além da assistência prestada
aos cegos, presidiários e outras instituições.
No Ponto, recebe do Dr. Bezerra de Menezes
(1831/1900) a incumbência de criar uma nova
instituição, o Sanatório Espírita de Uberaba.
A planta arquitetônica do Sanatório é recebida
mediunicamente por Maria Modesto.
Em 1928, a pedra fundamental é lançada pelo
presidente do Centro Espírita Uberabense, médico
sanitarista Henrique von Krugger Schroeder.
Em 1933 o Sanatório é inaugurado, sendo contratado
para o cargo de primeiro diretor clínico, Dr. Inácio
Ferreira, jovem psiquiatra formado pela Universidade
do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de
Janeiro.
REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição
Junto ao Sanatório Espírita, o trabalho de Maria
Modesto foi constante, tendo a benfeitora
encontrando ainda tempo para auxiliar na fundação
da União da Mocidade Espírita de Uberaba (UMEU) e
do Lar Espírita para Moças em 1949, este juntamente
com o Dr. Inácio que doa o terreno.
É importante lembrar que Chico Xavier, quando ainda
morador de Pedro Leopoldo, costumava vir a
Uberaba à serviço para participar anualmente da
Exposição Agropecuária. Nessas oportunidades era
sempre acolhido por Dona Modesta que o levava
para participar das atividades do Centro Espírita
Uberabense e às sessões noturnas no Sanatório
Espírita.
Dona Modesta, como era carinhosamente chamada,
considerada a Grande Dama da Caridade de
Uberaba, manteve durante toda a sua vida incansável
trabalho em prol de todos os necessitados da região.
Em julho de 1963, já com sérios problemas de saúde,
transfere-se para Belo Horizonte, onde vem a falecer
em 1964, após prolongada enfermidade.
REFLEXÕES:
Podemos notar que um espírito antigo, talvez
proveniente de outro orbe, desenvolveu-se
mediunicamente há milhares de anos atrás como um
Mago Negro Lêmure, seus enormes poderes mentais
de domínio e sedução, porém utilizando-os para
satisfação de seus desejos egoístas e prepotentes,
criando sérios conflitos com a Lei Eterna, e só depois
de muitos séculos é que foram tomadas decisões
importantes de Reforma Intima e de dedicação ao
Serviço ao Próximo.
Muitos médiuns atuais também desenvolveram seus
potenciais mediúnicos há milhares de anos e agora,
na oportunidade de bem utilizarem, se não
disciplinarem suas intenções no caminho da
utilidade, provavelmente amargarão sérios
desconfortos com a Lei Maior com consequências
desastrosas para seu futuro caminhar.
Abron – http://espiritualista.amplarede.com.br/
" Eles são seres humanos, integram nossa raça.
Inteligentes. Com larga soma de conhecimento
das leis divinas e com rara habilidade de
manipular as energias naturais. Conhecem a
psicologia da alma, avançaram em tecnologia e
são tenazes na busca de seus ideais.
Adquiriram o domínio do inconsciente
tornando-se manipuladores dos sentimentos.
Foram transmigrados de vários planetas em
levas de bilhões de criaturas rebeldes aos
sublimes estatutos de Deus, para recomeçarem
a caminhada evolutiva, no reerguimento de si
próprios, perante a consciência."
Magister Seraphis Bey,
Mestre do Templo de Luxor (*).
(*) uma das encarnações de Allan Kardec

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obsessão e suas consequências
Obsessão e suas consequênciasObsessão e suas consequências
Obsessão e suas consequênciasGraça Maciel
 
Volta Do Espirito a Vida Corporal I
Volta Do Espirito a Vida Corporal IVolta Do Espirito a Vida Corporal I
Volta Do Espirito a Vida Corporal IAngelo Baptista
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavioEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavioJose Luiz Maio
 
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual   - O fenômeno da morteVida no mundo espiritual   - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morteDenise Aguiar
 
Vigiai e orai!
Vigiai e orai!Vigiai e orai!
Vigiai e orai!Helio Cruz
 
Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidadeQuarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidadeCeiClarencio
 
Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiAna Karina Andrade
 
invigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptxinvigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptxM.R.L
 
O que é ser família
O que é ser famíliaO que é ser família
O que é ser famíliaFatoze
 
O Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a MetempsicoseO Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a MetempsicoseHelio Cruz
 
A Eficácia da Prece
A Eficácia da PreceA Eficácia da Prece
A Eficácia da Preceigmateus
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesushome
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioGraça Maciel
 

Mais procurados (20)

Ovelha Perdida
Ovelha PerdidaOvelha Perdida
Ovelha Perdida
 
Obsessão e suas consequências
Obsessão e suas consequênciasObsessão e suas consequências
Obsessão e suas consequências
 
Volta Do Espirito a Vida Corporal I
Volta Do Espirito a Vida Corporal IVolta Do Espirito a Vida Corporal I
Volta Do Espirito a Vida Corporal I
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavioEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
 
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual   - O fenômeno da morteVida no mundo espiritual   - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
 
Vigiai e orai!
Vigiai e orai!Vigiai e orai!
Vigiai e orai!
 
Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidadeQuarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidade
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
 
Laços familiares
Laços familiaresLaços familiares
Laços familiares
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
 
invigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptxinvigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptx
 
O que é ser família
O que é ser famíliaO que é ser família
O que é ser família
 
Doutrinação
DoutrinaçãoDoutrinação
Doutrinação
 
O Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a MetempsicoseO Espiritismo e a Metempsicose
O Espiritismo e a Metempsicose
 
A Eficácia da Prece
A Eficácia da PreceA Eficácia da Prece
A Eficácia da Prece
 
O psicoscópio aula 2
O psicoscópio aula 2O psicoscópio aula 2
O psicoscópio aula 2
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesus
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 

Semelhante a Reencarnação & maria modesto

História Básica da Magia
História Básica da MagiaHistória Básica da Magia
História Básica da MagiaPedro Henrique
 
Trecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangueTrecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sanguePatty Santos
 
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei BettoQuatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei BettoPaula Prata
 
A mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdf
A mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdfA mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdf
A mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdfAna Paula Peixer
 
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / Summary
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / SummaryA Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / Summary
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / SummaryUNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomespcab3032
 
Nosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresNosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresDuda Neto
 
Proólogo de apocalipse
Proólogo de apocalipseProólogo de apocalipse
Proólogo de apocalipsewelingtonjh
 
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)Paula Prata
 
J herculano pires educacao para a morte
J herculano pires   educacao para a morteJ herculano pires   educacao para a morte
J herculano pires educacao para a morteClaudia Ruzicki Kremer
 
Lilith a lua negra - a senhora do destino
Lilith   a lua negra - a senhora do destinoLilith   a lua negra - a senhora do destino
Lilith a lua negra - a senhora do destinoOjr Bentes
 
6 no mundo-maior-1947
6 no mundo-maior-19476 no mundo-maior-1947
6 no mundo-maior-1947paulasa pin
 

Semelhante a Reencarnação & maria modesto (20)

A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence
A Serpente Emplumada - D.H. LawrenceA Serpente Emplumada - D.H. Lawrence
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence
 
História Básica da Magia
História Básica da MagiaHistória Básica da Magia
História Básica da Magia
 
Alçando voos
Alçando voosAlçando voos
Alçando voos
 
O drama da Bretanha
O drama da BretanhaO drama da Bretanha
O drama da Bretanha
 
Trecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangueTrecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangue
 
Alçando voos
Alçando voosAlçando voos
Alçando voos
 
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei BettoQuatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
 
A mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdf
A mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdfA mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdf
A mulher na história da humanidade sipat set 2014 pdf
 
Biografia de Yvonne do Amaral Pereira
Biografia de Yvonne do Amaral PereiraBiografia de Yvonne do Amaral Pereira
Biografia de Yvonne do Amaral Pereira
 
Ramatis umbanda
Ramatis umbandaRamatis umbanda
Ramatis umbanda
 
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / Summary
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / SummaryA Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / Summary
A Serpente Emplumada - D.H. Lawrence / Summary
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomesp
 
Nosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresNosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferiores
 
Proólogo de apocalipse
Proólogo de apocalipseProólogo de apocalipse
Proólogo de apocalipse
 
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
Quatro Mulheres E Muito Amor (Frei Betto)
 
J herculano pires educacao para a morte
J herculano pires   educacao para a morteJ herculano pires   educacao para a morte
J herculano pires educacao para a morte
 
Lilith a lua negra - a senhora do destino
Lilith   a lua negra - a senhora do destinoLilith   a lua negra - a senhora do destino
Lilith a lua negra - a senhora do destino
 
6 no mundo-maior-1947
6 no mundo-maior-19476 no mundo-maior-1947
6 no mundo-maior-1947
 
Edição n. 13 do CH Noticias - Julho/2016
Edição n. 13 do CH Noticias - Julho/2016Edição n. 13 do CH Noticias - Julho/2016
Edição n. 13 do CH Noticias - Julho/2016
 

Mais de Norberto Scavone Augusto

A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parteA nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parteNorberto Scavone Augusto
 
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016Norberto Scavone Augusto
 
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954Norberto Scavone Augusto
 
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Eae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didaticoEae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didatico
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didaticoNorberto Scavone Augusto
 

Mais de Norberto Scavone Augusto (20)

Apostila psv
Apostila psvApostila psv
Apostila psv
 
Eae 24 - vicios e defeitos - manipulacoes
Eae 24 - vicios e defeitos - manipulacoesEae 24 - vicios e defeitos - manipulacoes
Eae 24 - vicios e defeitos - manipulacoes
 
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parteA nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
 
12o. A missão do espiritismo
12o. A missão do espiritismo12o. A missão do espiritismo
12o. A missão do espiritismo
 
Os mestres ramatís e kuthumi
Os mestres ramatís e kuthumiOs mestres ramatís e kuthumi
Os mestres ramatís e kuthumi
 
Reforma intima real
Reforma intima realReforma intima real
Reforma intima real
 
O dever
O deverO dever
O dever
 
Ref anjos decaidos
Ref   anjos decaidosRef   anjos decaidos
Ref anjos decaidos
 
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016
 
Há muito tempo numa galáxia distante
Há muito tempo numa galáxia distanteHá muito tempo numa galáxia distante
Há muito tempo numa galáxia distante
 
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
 
Relatos parte1final
Relatos parte1finalRelatos parte1final
Relatos parte1final
 
Reunião 34ª 18-02-2016
Reunião 34ª   18-02-2016Reunião 34ª   18-02-2016
Reunião 34ª 18-02-2016
 
Reunião 33ª 11-02-2016
Reunião 33ª   11-02-2016Reunião 33ª   11-02-2016
Reunião 33ª 11-02-2016
 
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Eae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didaticoEae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didatico
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
 
Hipacia a annie_besant
Hipacia a annie_besantHipacia a annie_besant
Hipacia a annie_besant
 
Mensagem de jesus história de um anjo
Mensagem de jesus  história de um anjoMensagem de jesus  história de um anjo
Mensagem de jesus história de um anjo
 
Reunião 31ª 28-01-2016
Reunião 31ª   28-01-2016Reunião 31ª   28-01-2016
Reunião 31ª 28-01-2016
 
Reunião 29ª 14-01-2016
Reunião 29ª   14-01-2016Reunião 29ª   14-01-2016
Reunião 29ª 14-01-2016
 
Reunião 11ª 27-08-2015
Reunião 11ª   27-08-2015Reunião 11ª   27-08-2015
Reunião 11ª 27-08-2015
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024LeonardoQuintanilha4
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024thandreola
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentaçãoantonio211075
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Priscilatrigodecamar
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 

Último (15)

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Reencarnação & maria modesto

  • 1. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Amor e Vida em Família (Emmanuel) ONTEM, atraiçoamos a confiança de um companheiro, induzindo-o à derrocada moral.  HOJE, guardamo-lo na condição do parente difícil, que nos pede sacrifício incessante. ONTEM, abandonamos a jovem que nos amava, inclinando-a ao mergulho na lagoa do vício.  HOJE, temo-la de volta por filha incompreensiva, necessitada do nosso amor. ONTEM, colocamos o orgulho e a vaidade no peito de um irmão que nos seguia os exemplos menos felizes.  HOJE, partilhamos com ele, à feição de esposo despótico ou de filho-problema, o cálice amargo da redenção. ONTEM, esquecemos compromissos veneráveis, arrastando alguém ao suicídio.  HOJE, reencontramos esse mesmo alguém na pessoa de um filhinho, portador de moléstia irreversível, tutelando-lhe, à custa de lágrimas, o trabalho de reajuste. ONTEM, abandonamos a companheira inexperiente, à míngua de todo auxílio, situando-a nas garras da delinquência.  HOJE, achamo-la ao nosso lado, na presença da esposa conturbada e doente, a exigir-nos a permanência no curso infatigável da tolerância. ONTEM, dilaceramos a alma sensível de pais afetuosos e devotados, sangrando-lhes o espírito, a punhaladas de ingratidão.  HOJE, moramos no espinheiro, em forma de lar, carregando fardos de angústia, a fim de aprender a plantar carinho e fidelidade. À frente de toda dificuldade e de toda prova, abençoa sempre e faze o melhor que possas. Ajuda aos que te partilham a experiência, ora pelos que te perseguem, sorri para os que te ferem e desculpa todos àqueles que te injuriam... A humildade é a chave de nossa libertação. E, sejam quais sejam os teus obstáculos na família, é preciso reconhecer que toda construção moral do Reino de Deus, perante o mundo, começa nos alicerces invisíveis da luta em casa. Da obra: Amor e Vida em Família - Ditado pelo Espírito Emmanuel, 1995 Sob os Céus da Gália (Baccelli) E até ao ano de 553 da Era Cristã, a Igreja nascente admitia a Reencarnação, contudo, por ação deliberada das Trevas, no II Concilio realizado em Constantinopla, decretou-se que “todo aquele que defender a doutrina mística da preexistência da alma e a consequente opinião de que ela retoma seja anátema!”. A História registra que, no referido Concílio, o Imperador Justiniano, que era influenciado pela esposa, Teodora, inclusive nos assuntos governamentais e teológicos, mandou que se proibisse a doutrina da transmigração das almas e do carma. Acontece que Teodora, que houvera sido uma mulher de vida desregrada, ao se unir com o Imperador, que por ela se apaixonou, passara a ser ironizada pelas suas antigas amigas de leviandades. Em consequência, a esposa do Imperador ordenou que quinhentas mulheres fossem mortas em Constantinopla. Os cristãos, então, passaram a rotulá-la de assassina e a espalhar a notícia de que, a fim de ressarcir o débito contraído, nas vidas futuras, ela deveria morrer igualmente assassinada quinhentas vezes! Com receio de que tal previsão se confirmasse, Teodora, passando a odiar a doutrina da Reencarnação, investindo contra ela, influenciou o marido para que decretasse a sua extinção e perseguisse os seus defensores. O desastroso desfecho consistiu na absurda “proibição à lei natural das vidas sucessivas”, no II Concílio de Constantinopla! (p. 250-251). Do Livro: Sob os Céus da Gália. Carlos Baccelli ditado pelo espirito de Irmão José
  • 2. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Decreto contra a Reencarnação: Adamantius Orígenes nasceu e Alexandria e viveu entre 185 a 254 dC, dotado de castidade impar e inflexível ascetismo, professor, teólogo e célebre escritor, uniu com perfeição a filosofia grega, o platonismo, aos postulados cristãos. Escreveu mais de duas mil obras destruídas pela invasão árabe que tratou de eliminar tudo o que se opunha ao islamismo. Ensinava que a posição do Cristo no universo era como o de um mediador entre Deus e os homens falidos. Veemente defensor da reencarnação e admitia que a misericórdia de Deus proporcionaria, através de muitas vidas da alma, a completa salvação de todas as almas, inclusive dos anjos decaídos, os demônios. Sua doutrina, chamada origenismo ou apocatástase, pressupunha então o resgate de todo o cosmo físico, proporcionado pelo carácter sacrificial da vinda de Jesus à Terra, fazendo sucumbir o império do mal. Acusado de heresia foi anatematizado pelos próprios consentâneos, foi preso no ano 250 dC e morreu em Tiro entre 252 / 254 dC. Mais tarde seus ensinos foram rejeitados pelo catolicismo romano que não pode tolerar os preceitos reencarnacionistas, pois não interessava aos dogmas católicos a noção de que todos se salvariam, pois a ideia de uma condenação eterna era, infelizmente, um elemento de coerção útil ao despotismo religioso que vigoraria na Idade Média, dando continuidade ao imperialismo romano. O Concílio ecumênico de Constantinopla de 553, realizado por imposição do imperador Justiniano e sobe a regência do Papa Virgílio, cuidou de anatematizar o origenismo, juntamente com toda a crença reencarnacionista que ainda sobrevivia no pensamento cristão primitivo. Foram excomungados também todos aqueles que acreditavam ou pregassem a crença de que as almas preexistiam no céu e que haveria recuperação dos condenados e, portanto, pois com isso o inferno não seria eterno. Assim diziam em seus famosos atos conciliares: “se uma pessoa acredita que as almas humanas existiam antes como espíritos elevados no céu, mas que um dia ficaram fartos de estar com Deus e que, sem consequência disso, o amor desses espíritos para com Deus esfriou-se neles, e por isso passaram a se chamar almas humanas, e que foram castigadas de forma a serem mandadas a encarnar em corpos na Terra, seja essa pessoa que assim pensa, excomungada” Do livro: Arquitetura Cósmica Gilson Freire / de Pietro Ubaldi à Física Quântica Espírito Perverso: Seres tão perversos não são comuns nas humanidades que realizaram pelas vias normais seu processo de evolução, mas em razão de certas combinações de influências planetárias sobre os instintos grosseiros e perversos dos seres recém saídos de uma espécie inferior, antes de haver se modificado na escala ascendente da evolução, ficam às vezes estes terríveis exemplares, açoites da humanidade. Eram os primeiros ensaios daquele espirito na espécie humana, à qual o havia impulsionado, por terríveis vinganças e mediante as criminosas artes da magia negra, uma sociedade de magos Lêmures, cujas forças de destruição tinham chegado ao máximo naquele desaparecido continente e naqueles distantes tempos. Buscando sempre os cimos do poder e da grandeza, esse ser esteve unido a quase todas as grandes dores padecidas em conjunto por coletividades humanas. Foi o faraó que ordenou a matança dos meninos hebreus, foi a rainha Jezabel na época de Elias, foi o Profeta, um grande sacerdote asteca do antigo México, chamado Quilichua, que formou com os crânios das vítimas sacrificadas a seu deus uma pilha quase tão alta quanto o próprio templo; foi Herodiades do templo de João Batista; foi Teodora de Bizâncio, foi Margarida de Borgonha e depois foi Catarina de Médici, as terríveis facetas do prisma negro da vida daquela sinistra Shamurance do Mar Eritreu do Norte.
  • 3. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Uma de suas última encarnações foi como Petrona Acarof já de dolorosa expiação na Rússia tiranizada pelos tzares, em cujas geladas estepes viu morrer todos os seus filhos, depois do que morreu de fome e frio na idade de 90 anos, sob uma ponte do rio Volga. Do livro: Origens da Civilização Atlântida De Josefa Rosália Luque Alvarez Resumindo:  Foi um Mago Negro na Lemúria - >30.000 aC  Foi a Rainha Shamurance na Ática 8.300 aC  Foi Princesa Gala Vatis (época Moisés) 1.400 aC  Foi Jezebel (contra Elias) em Israel 900 aC  Foi Herodiades (contra João Batista) 12 dC  Foi Teodora (contra a reencarnação) 553 dC  Foi Margarida de Borgonha 1300 dC  Foi Sacerdote Inca Quilichua (*) 1500 dC  Foi Catarina de Médice 1574 dC  Foi Petrona Acarof  Foi Maria Modesto (Dama da Caridade) 1900 dC (*) – conflito de épocas Vamos seguir agora alguns dos personagens acima citados: 1. Rainha Shamurance: (8.300 aC) Há mais de 10.000 anos atrás, na Ática ela, a rainha SHAMURANCE era disposta sempre à caçada - mais voraz e sanguinária - de jovens dos pacíficos moradores das pradarias do Eufrates que ela sacrificava à algum deus no santuário da Ilha Negra, onde a perversa rainha celebrava os ritos macabros e horrorosos de seu culto. - Quero dizer que, se vim à Terra para salvar esta Humanidade, não posso consentir que, por negligência minha se perca uma única das almas que me foram confiadas – respondeu Jhasua. - Queres fazer algo por essa dupla de perversos abortos dos infernos? – perguntou novamente o ancião. - Sim, Nabat!..., quero intentar a redenção dos dois. - Santo céu!..., vais entrar na vida de Herodiades? – perguntou aterrado o tio Jaime. - Não entraram os Kobdas da pré-história na vida da Rainha Shamurance, cem vezes mais poderosa do que esta? - tens razão, Jhasua, mas..., a Rainha Shamurance se redimiu? – perguntou novamente tio Jaime. - Bem vês que não, tio..., parassam-se 8.000 anos e a Luz ainda não penetrou nela! – voltou a encontra-la rodando para o fundo dos abismos na sua espantosa carreira de pecadora... - Queres dizer que Shamurance e Herodiades são o mesmo ser? – perguntou Nabat, alarmado. - São o mesmo ser! ... – repetiu com voz profunda o jovem Mestre. – o Amor Eterno chamou-a muitas vezes pela voz de Chrisna, de Bhuda e de Moisés. Agora é chamada pela última vez pela minha voz e, se ainda persistir no seu endurecimento, pobre infeliz, a Piedade Divina se fechará para ela por imensas idades, até que as mais terríveis expiações abram seu coração para o amor. 2. Jezebel: (800 a 900 aC) Jezebel foi uma princesa fenícia casada com o rei Acab de Israel. O significado do nome Jezebel é “Baal exalta” ou “Baal é marido de” ou “impuro”, filha de um rei fenício, de forte personalidade feminina, Jezebel era sacerdotisa dominadora e potencialmente religiosa e se denominava porta voz de Deus. Isso a categorizava como profetisa.
  • 4. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Sua influência foi abalizada pelo rei Acab e cresceu a níveis incontroláveis, superando os próprios rabinos e sacerdotes, submetendo-os a suas ordens. Israel passou a ser um reino teocrático e Jezebel cresceu politicamente e ordenava sobre o clero sacerdotal, obrigando os próprios sacerdotes israelenses a cultuar a Baal. Suprimindo os rituais mosaicos, Jezebel passou a cultuar a Baal de forma ostensiva e dominadora, sacrificando crianças em nome da santidade e inocência. Sua atuação mística superava as expectativas dos Israelenses que aceitavam tudo de forma normal. Recorreu ao dinheiro do tesouro público para sustentar os 450 profetas (de Elijah e sacerdotes) do deus Baal e os 400 profetas da deusa Achera (deusa fenícia da fertilidade). Um profeta até então desconhecido pelo seu nome verdadeiro surgiu confrontando-se com os ensinamentos de Jezebel. Sua mensagem era o que passou a ser o seu próprio nome: "Elias" que quer dizer: Javé é Deus! A mensagem do profeta desconhecido passou a contrastar religiosamente e provocou terror entre os rabinos e sacerdotes que passaram a exigir dele uma prova contundente em forma de "sinal" de comprovação de sua autenticidade. Era necessário que Elias provasse o seu chamado por Deus, bem como a verdade sobre a sua mensagem. A resistência local contra esta política religiosa foi encabeçada pelo profeta Elias. Numa espécie de concurso religioso levado a cabo no Monte Carmelo, Elias derrotou todos os profetas de Baal, que morreram, pretendendo desta forma o Livro de Reis mostrar como o Deus de Israel era a única divindade. Jezebel foi desmascarada e desacreditada publicamente. Quando Jezebel soube disto ficou furiosa, pretendendo mandar matar Elias, que teve fugir para Judá. O sinal marcante nos tempos de Elijah e Jezebel foi o grande desafio para essa comprovação: A proposta de Elijah foi a construção de dois altares: O de Baal e o de YHWH, conhecido como o Deus "El" de Abraão. O fogo incendiou o altar de Elijah e o povo passou a hostilizar todos os sacerdotes que serviam a Baal e os mataram. Por causa desta rainha o nome "Jezebel" encontra-se associado na cultura popular a uma mulher sedutora sem escrúpulos. O profeta hebreu Elias condenou o rei Acabe por adorar o deus Baal, assim como a mortandade dos 450 sacerdotes de Baal, que os fez passar pelo fio da espada, junto ao ribeiro de Quison (3° Reis, 18:40). https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A9culo_IX_a.C. 3. Herodiades (15 aC - 39 dC): Herodiades era filha de Berenice e de Aristóbulo IV (filho de Herodes). Teve como primeiro marido Herodes Filipe, filho de Herodes com Mariana, filha do sumo-sacerdote Simão. Herodiades e Herodes Filipe tiveram uma filha, Salomé. Contudo, Herodiades separou-se deste marido para casar com outro meio-tio, Herodes Antipas, este para poder casar com Herodiades, teve que se divorciar da sua primeira esposa, Fasélia, filha do rei Nabateu Aretas IV. A união foi condenada por João Baptista e gerou animosidade entre o povo, que acusou o casal de incesto. A execução de João Baptista é atribuída à intervenção de Herodiades e da sua filha. Durante uma festa de anos de Herodes Antipas, Salomé realizou uma dança que o entusiasmou ao ponto deste prometer dar-lhe o que ela entendesse. Salomé consultou então a mãe e pediu a cabeça de João Baptista. Herodes Antipas atendeu ao pedido e Salomé entregou a cabeça à sua mãe. 4. Teodora de Bizâncio (497-548 dC):
  • 5. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Teodora se mostrou uma governante hábil durante as revoltas de Nika. Na primeira metade do século VI, havia duas facções políticas rivais na capital imperial, os "Azuis" e os "Verdes", que começaram uma revolta em janeiro de 532 durante uma corrida de bigas no hipódromo. Elas se originaram de diversas queixas diferentes, algumas delas ações de Teodora e Justiniano. Os rebeldes incendiaram diversos edifícios públicos e proclamaram um novo imperador, Hipácio, o sobrinho do antigo imperador Anastácio I Dicoro. Incapaz de controlar a multidão, Justiniano e seus oficiais se prepararam para fugir. Numa reunião do conselho governamental, Teodora foi contra deixar o palácio dizendo que "do púrpura se faz uma fina mortalha", sublinhando assim que seria melhor morrer como um imperador, lutando pelo trono, do que viver com medo, escondido ou exilado. Seu determinado discurso convenceu a todos, incluindo o próprio Justiniano. Como resultado, o imperador ordenou que tropas leais, lideradas por dois oficiais de confiança, Belisário e Mundo, atacassem os revoltosos no hipódromo. A ordem foi cumprida e mais de 30 000 rebeldes (de acordo com Procópio) foram mortos. Apesar das alegações de que teria sido eleito imperador contra sua vontade pela multidão, Hipácio foi executado, aparentemente por insistência de Teodora. Os historiadores concordam que foi a coragem de Teodora o fator decisivo para salvar o reinado de Justiniano e o imperador jamais se esqueceu disso. Então, a proibição de se aceitar a REENCARNAÇÃO foi promulgada por ela: Teodora de Bizâncio. 5. Margarida de Borgonha (1290-1315 dC): Margarida nasceu no seio da família ducal da Borgonha, filha do duque Roberto II e da princesa Inês de França, filha do rei São Luís da França. Casou-se com o primo Luís, rei de Navarra e herdeiro da coroa francesa a 23 de sete- mbro de 1305 em Ver- non, na Alta Normandia. Desta união nasceu uma filha, Joana, a 28 de janeiro de 1312, que herdaria o reino de Navarra apenas em 1328, aquando do acordo do seu esposo Filipe d'Évreux com o rei Filipe VI de França. Em 1314, no último ano do reinado do seu sogro Filipe o Belo, foi acusada de adultério com Filipe de Aunay, juntamente com a cunhada Branca (com Gautério de Aunay), no chamado caso da Torre de Nesle. Julgados e condenados por crime de lesa-majestade, a 19 de abril os irmãos Aunay foram supliciados e executados em praça pública em Pontoise. Uma rainha adúltera que teria utilizado a Torre de Nesle como lugar de deboche, atirando os seus amantes do alto da torre ao nascer do dia. Margarida da Borgonha é uma das personagens da série de livros de romance histórico Os Reis Malditos (Les Rois Maudits em francês) de Maurice Druon, publicada entre 1955 e 1977, e adaptada para a televisão por duas vezes na França, em 1972 e em 2005. 6. Sumo Sacerdote Inca Quilichua (1533dC) O império Inca surgiu nas terras altas peruanas em algum momento do século XIII. De 1438 até 1533, os incas utilizaram vários métodos, da conquista militar à assimilação pacífica, para incorporar uma grande porção do oeste da América do Sul, centrado na Cordilheira dos Andes, incluindo grande parte do atual Equador e Peru, sul e oeste da Bolívia, noroeste da Argentina, norte do Chile e sul da Colômbia. Fora o sumo sacerdote ou padre chefe do Império Inca. Ele presidiu sobre cerimônias religiosas dedicadas a do sol. Ele supervisionou a organização religiosa do Império Inca. Reivindicações que levaram uma vida de muita abstinência: não comer carne, mas ervas e raízes, acompanhados por pão de milho; em suas vidas diárias usando um vestido comum, claro que alcançou seus tornozelos, e durante um
  • 6. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição longo manto de preto, marrom ou roxo; Ele não podia estar casado ou ter mulher suspeita com ele. Ele tinha renda abundante em todas as províncias, mas apenas utilizado necessário para a subsistência e o restante é destinado a ajudar os necessitados. Sua morte deu origem a um dia de luto. O herói Willaq Umu da resistência Inca. O mais notável padre da alta Inca que a história individualiza, mas que, infelizmente, não manteve o seu nome, é o único que acompanhou Manco Inca, durante a guerra de libertação contra os invasores espanhóis, entre 1536 e 1540 . Em meio ao deserto desolado Almagro conseguiu para escapar e apareceu diante de Manco Inca em Cuzco, com quem realizou o plano de rebelião, sendo nomeado comandante em chefe do exército imperial. Todas as expedições foram derrotados pelos espanhóis, ele foi executado com eles no vale de Yucay, no início de 1540. O Willaq Umu tornou-se, assim, um herói da resistência inca contra o domínio espanhol. 7. Catarina de Médici (1519 – 1589 dC) Ela não mediu esforços para se manter no poder: manipulou os filhos, conspirou e, pior de tudo, contribuiu para o massacre de protestantes, certo ou errado? A regente, mãe de três reis da França, pregava uma política de tolerância e de pacificação religiosa. Florentina, filha de Lourenço II de Médici desposou muito jovem o filho de Francisco I, o futuro Henrique II. Na morte de seu marido, num torneio, em 1559, enquanto o luto real era marcado pelo branco, ela decidiu vestir somente preto, daí a alcunha “viúva negra”. A partir de então, ocupou um lugar preponderante nos destinos do reino. O breve reinado de seu filho Francisco II testemunhou a eclosão dos problemas religiosos e o recurso à violência para solucioná-los. Perante um partido católico intransigente, que desejava erradicar o protestantismo, Catarina se posicionou, com o chanceler Michel de L’Hospital, ao lado do partido dos políticos que buscavam, antes de tudo, manter a coesão do Estado e a autoridade monárquica. A morte de Francisco II em 1560 e a menoridade de Carlos IX permitiram que se tornasse regente, tomando as rédeas do poder. Desde então, ela multiplicou os atos de conciliação. Os Estados Gerais foram convocados em Orléans e, em 1561, deu-se o colóquio de Passy a fim de tentar reconciliar os reformados e os católicos. Em 17 de janeiro de 1562, ela chegou a promulgar um edito autorizando a liberdade de culto aos protestantes, desde que suas cerimônias se realizassem fora das cidades. Essa política de concórdia fracassou diante da intransigência dos dois partidos. A primeira guerra religiosa eclodiu com o massacre de Wassy, em 1562 – e foi seguida de sete outras até 1598. Catarina de Médici tentou restabelecer a paz para salvaguardar a herança de seus filhos e a unidade do reino, objetivo alcançado em 1563, com o edito de Amboise, que autorizou o culto protestante e estipulou que ninguém deveria ser perturbado por suas opiniões religiosas. Esse edito de paz servirá de modelo a todos os que seriam assinados em seguida: os conflitos, contudo, não cessaram. As tréguas foram alternadas com períodos de tensão e guerras abertas. Foi durante uma delas, na noite de 23 a 24 de agosto de 1572, que aconteceu o Massacre de São Bartolomeu, que deveria visar somente os chefes protestantes. Viu-se no episódio a mão de Catarina, ainda que as responsabilidades não estejam claramente determinadas. Assim nasceu, ainda durante a vida de Catarina, a lenda de uma mulher austera, maquiavélica, que não recuava perante nada para se manter no poder. Essa italiana, que conservara ainda um sotaque muito pronunciado, seria para sempre considerada uma estrangeira, favorável demais aos protestantes para os católicos e não tolerante o bastante para os reformados. Foi, porém, uma das maiores mecenas da história da França. Promoveu festas suntuosas, protegeu os artistas – Ronsard, Montaigne... –, mandou construir o castelo das Tulherias. Introduziu na França o garfo, o sorvete e a técnica de montar tendo as duas pernas do mesmo lado do cavalo. O fim da dinastia de Valois, em 1589, não permitiu sua reabilitação. A Revolução Francesa não mediu esforços para denegrir Catarina de Médicis e, através dela, a monarquia, exemplo seguido pelos republicanos. Os romancistas eternizam essa imagem deformada, notadamente Alexandre Dumas, com A rainha Margot, ou Balzac, que assinou uma biografia falsamente histórica da personagem.
  • 7. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Alguns historiadores têm isentado Catarina da culpa pelas piores decisões da coroa, embora evidências de sua crueldade possam ser encontrada em suas cartas. Na prática, sua autoridade foi sempre limitada pelos efeitos das guerras civis. Suas políticas, portanto, podem ser vistas como medidas desesperadas para manter a Monarquia Valois no trono a qualquer custo e seu patrocínio nas artes como uma tentativa de glorificar a monarquia cujo prestígio estava em declínio. Sem Catarina, é pouco provável que seus filhos tivessem permanecido no poder. Os anos em que reinou foram chamados de "a era de Catarina de Médici". E como descrito por um de seus biógrafos, Mark Strage, ela foi a mulher mais poderosa da Europa noséculo XVI. 8. Maria Modesto Cravo (1899- 1964 dC) Nasceu na cidade de Uberaba-MG, em 1899. Teve formação católica e casou-se aos 17 anos com Nestor Cravo fixando residência em Belo Horizonte onde nasceram os seis filhos do casal. Sentindo os primeiros fenômenos de desiquilíbrio físico-mental em sua esposa, seu marido recebeu orientação para que levasse sua esposa ao encontro de Eurípedes Barsanulfo, na cidade de Sacramento- MG. Lá, Eurípedes, constatando a existência de suas faculdades mediúnicas, submete-a de imediato a tratamento físico-espiritual através da fluidoterapia pois seu organismo achava-se muito debilitado, em função de grave quadro obsessivo. Em poucos dias, Maria Modesto apresentava significativa melhora, sendo convidada a trabalhar na equipe mediúnica. Passado pouco tempo, já recuperada, Maria Modesto é orientada por Eurípedes Barsanulfo a mudar-se para Uberaba para desenvolver importante trabalho espiritual a que já estava destinada. Em janeiro de 1919, funda com outros abnegados servidores, o Ponto Bezerra de Menezes, onde passa a servir a enfermos e necessitados. Surge assim, oficialmente, o primeiro núcleo do Espiritismo aberto ao público em Uberaba. A sua assistência não se limitaria ao intercâmbio espiritual. Em 1922 inicia a realização do Natal dos Pobres, beneficiando os necessitados que ali buscavam o amparo, além da assistência prestada aos cegos, presidiários e outras instituições. No Ponto, recebe do Dr. Bezerra de Menezes (1831/1900) a incumbência de criar uma nova instituição, o Sanatório Espírita de Uberaba. A planta arquitetônica do Sanatório é recebida mediunicamente por Maria Modesto. Em 1928, a pedra fundamental é lançada pelo presidente do Centro Espírita Uberabense, médico sanitarista Henrique von Krugger Schroeder. Em 1933 o Sanatório é inaugurado, sendo contratado para o cargo de primeiro diretor clínico, Dr. Inácio Ferreira, jovem psiquiatra formado pela Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  • 8. REENCARNAÇÃO: O motivo da proibição Junto ao Sanatório Espírita, o trabalho de Maria Modesto foi constante, tendo a benfeitora encontrando ainda tempo para auxiliar na fundação da União da Mocidade Espírita de Uberaba (UMEU) e do Lar Espírita para Moças em 1949, este juntamente com o Dr. Inácio que doa o terreno. É importante lembrar que Chico Xavier, quando ainda morador de Pedro Leopoldo, costumava vir a Uberaba à serviço para participar anualmente da Exposição Agropecuária. Nessas oportunidades era sempre acolhido por Dona Modesta que o levava para participar das atividades do Centro Espírita Uberabense e às sessões noturnas no Sanatório Espírita. Dona Modesta, como era carinhosamente chamada, considerada a Grande Dama da Caridade de Uberaba, manteve durante toda a sua vida incansável trabalho em prol de todos os necessitados da região. Em julho de 1963, já com sérios problemas de saúde, transfere-se para Belo Horizonte, onde vem a falecer em 1964, após prolongada enfermidade. REFLEXÕES: Podemos notar que um espírito antigo, talvez proveniente de outro orbe, desenvolveu-se mediunicamente há milhares de anos atrás como um Mago Negro Lêmure, seus enormes poderes mentais de domínio e sedução, porém utilizando-os para satisfação de seus desejos egoístas e prepotentes, criando sérios conflitos com a Lei Eterna, e só depois de muitos séculos é que foram tomadas decisões importantes de Reforma Intima e de dedicação ao Serviço ao Próximo. Muitos médiuns atuais também desenvolveram seus potenciais mediúnicos há milhares de anos e agora, na oportunidade de bem utilizarem, se não disciplinarem suas intenções no caminho da utilidade, provavelmente amargarão sérios desconfortos com a Lei Maior com consequências desastrosas para seu futuro caminhar. Abron – http://espiritualista.amplarede.com.br/ " Eles são seres humanos, integram nossa raça. Inteligentes. Com larga soma de conhecimento das leis divinas e com rara habilidade de manipular as energias naturais. Conhecem a psicologia da alma, avançaram em tecnologia e são tenazes na busca de seus ideais. Adquiriram o domínio do inconsciente tornando-se manipuladores dos sentimentos. Foram transmigrados de vários planetas em levas de bilhões de criaturas rebeldes aos sublimes estatutos de Deus, para recomeçarem a caminhada evolutiva, no reerguimento de si próprios, perante a consciência." Magister Seraphis Bey, Mestre do Templo de Luxor (*). (*) uma das encarnações de Allan Kardec