SlideShare uma empresa Scribd logo
] Semana Acadêmica de Comunicação, FACCAT Taquara, RS, 2011 Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações Gabriela Zago
Introdução Redes sociais digitais – aspectos teóricos Relações interpessoais Circulação de informações
Introdução Comunicação interpessoal – um-um Comunicação de massa – um-muitos Comunicação digital – muitos-muitos? Comunicação  pessoal-massiva  (Castells, 2009)
Redes sociais digitais
Redes sociais no Brasil Redes sociais estão entre os sites mais acessados no Brasil: 1. Google Brasil 2. Google 3. Facebook 4. YouTube 5. Universo Online 6. Windows Live 7. Globo.com 8. Blogger.com  9. Orkut (domínio .com.br) 10. Yahoo! 11. Terra 12. Orkut (domínio .com) 13. MSN 14. Twitter 15. iG 16. Wikipedia 17. MercadoLivre 18. WordPress.com 19. Abril 20. Banco Itaú (Fonte: Ranking Alexa, 24/10/2011,  http://www.alexa.com/topsites/countries/BR )
Redes sociais Estudos de redes na sociologia - teoria dos grafos serve como base, ancorado na análise estrutural (décadas de 1960 e 1970).  No começo, as redes eram estudadas como estruturais, com propriedades fixas no tempo. Estudos posteriores mostraram que elas são  dinâmicas , mudam constantemente no tempo.
Redes sociais Uma rede social é uma estrutura social composta por dois elementos: - Os  atores  (nós) - As  conexões  (arestas) (Recuero, 2009)
Redes sociais Os  atores  podem ser pessoas, instituições ou grupos.
Redes sociais As  conexões  são formadas em função do laço social e da interação entre os atores.
Sites de redes sociais Redes sociais ≠ Sites de redes sociais
Sites de rede social Sites de rede social são serviços da web que permitem aos seus usuários: - Construir um perfil público - Articular uma lista de conexões - Visualizar as conexões entre os atores A principal característica é  tornar visíveis  as conexões entre os atores. (boyd & Ellison, 2007)
Sites de rede social (boyd & Ellison, 2007)
Sites de rede social Os sites de rede social facilitam as conexões. Manter os laços estabelecidos tem pouco ou  nenhum   custo  para os atores sociais. Com isso, podem gerar redes muito grandes, constituídas por laços fracos, e até mesmo conexões não recíprocas (links unilaterais). Conexões são mantidas pelo sistema e não pelas interações.
Sites de rede social Dois elementos da definição de  boyd & Ellison (2007) : Estrutura  - a rede social expressa pelos atores e as interações que a ferramenta ajuda a manter Apropriação  - usos específicos de um determinado site de rede social
Apropriações Apropriação  está na essência da cibercultura ( Lemos, 2002 ). Adaptação dos usos do sistema aos interesses dos usuários. Usos criativos, muitas vezes bastante diferentes da proposta inicial dos sites.
Apropriações Exemplos:  - Usar o scrapbook do Orkut para chat - RT, @, hashtags, e outros no Twitter - O que você está fazendo? > O que está acontecendo?
Interação social Interação mútua Interação reativa Síncrona Assíncrona
Laços sociais Para Wellman (2001), os  laços  são relações específicas como proximdade, contato frequente, fluxos de informação, conflito ou suporte emocional.
Laços fortes Requerem inventimento de tempo, expressam confiança e intimidade, oferecem suporte.
Laços fracos Não necessitam de tempo, menor grau de confiança e intimidade, são mais pontuais.
Capital social Conceito metafórico. Para Coleman (1988), o capital social, definido por sua função, seria uma  estrutura  social que facilitaria determinadas ações por parte dos atores dentro dessa estrutura Valores  que podem ser obtidos pelos indivíduos ao fazer parte de uma rede social, como reputação, visibilidade, etc. Esses valores dependem não só da apropriação, mas igualmente das próprias ferramentas.
Valores
Estudos de redes Impossibilidade de se estudar a rede inteira (pois abarcaria todas as pessoas do mundo). Necessidade de se fazer um recorte. Possibilidades: o estudo de redes inteiras ou de redes egocentradas. (Recuero, 2009)
Redes inteiras Centrada em uma rede e suas relações.
Redes egocentradas Parte-se de um indivíduo ( ego ) e analisa-se a rede ( alters ) até um certo grau de separação.
Tipos de redes sociais na Internet Redes emergentes Redes de filiação ou redes associativas (Recuero, 2009)
Redes emergentes As conexões entre os nós emergem através das trocas sociais realizadas pela interação social por meio da comunicação mediada por computador. Formadas por  interações mútuas . Comportamento emergente (Johnson, 2003), bottom-up, descentralizado. Tendem a ser mais conectadas e menores. Podem haver tríades. (Recuero, 2009)
Redes emergentes
Redes de filiação ou associativas Derivam de conexões estáticas, em que os seus atores se  “ associam ”  a sites de redes sociais. Constituída por  laços fracos . Para Watts (2003), essas redes surgem em relações não sociais que podem ser socialmente interessantes. Relação de pertencimento. Predominam díades. (Recuero, 2009)
Redes de filiação ou associativas
Relações interpessoais
Relações interpessoais Desde sua origem, a proposta das tecnologias de informação tem sido permitir que as pessoas troquem mensagens sem que haja uma co-presença física (Baym, 2010)
Relações interpessoais Sites de redes sociais – comunicação assíncrona: - possibilita que grandes grupos se constituam e se mantenham - fornece tempo para que as pessoas administrem o que vão falar e como vão se apresentar de forma  estratégica - pode demorar mais para obter resposta, mas as pessoas estão cada vez mais conectadas (smartphone, notebook, netbook, tablet) (Baym, 2010)
Relações interpessoais A maioria dos relacionamentos que começa online não se transforma em relacionamento íntimo – tal qual no face a face “ Taken as a whole, mediated communication is not a space, it is  an additional tool  people use to connect, one which can only be understood as deeply embedded in and influenced by the daily realities of embodied life” (Baym, 2010, p. 152).
Privacidade? Que dados revelar? Deve-se dizer onde está?
Isolamento? Estamos conectados mas sozinhos “ With sociable robots, we are alone but receive the signals that tells us we are together. Networked, we are together, but so lessened are our expectations of each other that we can feel utterly alone” (Turkle, 2011, l.3012)
Circulação de informações
Difusão de informações As redes sociais difundem informações através das conexões entre seus atores. Difusão de informação rápida. Maneiras interativas de lidar com a informação. Papel dos conectores (Barabási, 2003) e dos laços fracos (Granovetter, 1973).
Espaços públicos mediados Para  boyd (2007) , os sites de redes sociais seriam espaços públicos mediados caracterizados por: persistência buscabilidade replicabilidade audiências invisíveis
Circulação de informações Nos sites de redes sociais as informações ficam  visíveis  e podem ser  rastreadas , o que permite recuperar e conectar informações A difusão e a replicação de informações nas redes sociais digitais ocorre porque as redes de contatos são  diferentes : faz sentido  “ reblogar ”  ou  “ retuitar ”  uma informação.
Jornalismo nas redes No caso específico do jornalismo, as redes sociais podem influenciar em todas as etapas do  processo jornalístico  - não são meros suportes para distribuição de informações
Etapas do processo jornalístico Apuração : pauta, fontes, verificação Produção : composição da matéria, formato, suporte Circulação : canais de distribuição Consumo : leitor recebe a partir desses canais “ Recirculação ” : leitor filtra e comenta ( Zago, 2011 )
Recirculação Acontecimento - Felipe Melo e a bola da Copa
Ativismo Outra apropriação possível das redes sociais digitais: práticas de ativismo digital Ações nas redes podem servir de mobilizadoras ou de potencializadoras/catalisadoras de movimentos sociais mais amplos
Ativismo As ações coletivas no ciberespaço dependem do esforço comum de diversos atores sociais para que atinjam o efeito esperado. Dependem de  cooperação  e de  visibilidade Independem de proximidade geográfica, embora dependam essencialmente de um  interesse comum  entre os participantes.
Ativismo Essas ações se valem do potencial da estrutura em rede/descentralizada da web para a difusão de informações.
Caso Wikileaks Apesar de ser bastante discutido no Twitter entre o final de novembro e o começo de dezembro de 2010, o termo  wikileaks  não apareceu nos Trending Topics do Twitter.
Google Bomb da revista Veja Tentativa de bombardear os resultados da busca do Google para que o termo  “ veja ”  fosse associado ao  “ Dossiê Veja ”  de Luis Nassif. ( Zago e Batista, 2009 )
Google Bomb da revista Veja ( Zago e Batista, 2009 )
] Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações Gabriela Zago @ gabizago http:// gabrielazago.com Semana Acadêmica da Comunicação – FACCAT - 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 comportamento e cultura trabalho em equipe
6 comportamento e cultura trabalho em equipe6 comportamento e cultura trabalho em equipe
6 comportamento e cultura trabalho em equipe
Érica Rabelo
 
Racismo e preconceito
Racismo e preconceitoRacismo e preconceito
Racismo e preconceito
Tatati Semedo
 
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaGilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Denise Oliveira
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
bejr
 
Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4
Jorge Barbosa
 
Estereotipo
EstereotipoEstereotipo
Estereotipo
danielaluise_
 
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
Roselene Rocha
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
sociofilo2012
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
DamsioCear
 
Ética, comprometimento e comportamento
Ética, comprometimento e comportamentoÉtica, comprometimento e comportamento
Ética, comprometimento e comportamento
psiandreasantos
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Wilton Moretto
 
A Desigualdade de gênero e a violência contra a mulher
A Desigualdade de gênero e a violência contra a mulherA Desigualdade de gênero e a violência contra a mulher
A Desigualdade de gênero e a violência contra a mulher
Conceição Amorim
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Prof. Noe Assunção
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
UNIP. Universidade Paulista
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
aritovi
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Turma Olímpica
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Pierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introduçãoPierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introdução
Marcio Neske
 
Apresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valoresApresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valores
Mariana Rezende
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

6 comportamento e cultura trabalho em equipe
6 comportamento e cultura trabalho em equipe6 comportamento e cultura trabalho em equipe
6 comportamento e cultura trabalho em equipe
 
Racismo e preconceito
Racismo e preconceitoRacismo e preconceito
Racismo e preconceito
 
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaGilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
 
Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4
 
Estereotipo
EstereotipoEstereotipo
Estereotipo
 
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
 
Ética, comprometimento e comportamento
Ética, comprometimento e comportamentoÉtica, comprometimento e comportamento
Ética, comprometimento e comportamento
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
A Desigualdade de gênero e a violência contra a mulher
A Desigualdade de gênero e a violência contra a mulherA Desigualdade de gênero e a violência contra a mulher
A Desigualdade de gênero e a violência contra a mulher
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Pierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introduçãoPierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introdução
 
Apresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valoresApresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valores
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
 

Destaque

Redes Sociais e a Sociologia Econômica
Redes Sociais e a Sociologia EconômicaRedes Sociais e a Sociologia Econômica
Redes Sociais e a Sociologia Econômica
Daniel Augustin Pereira
 
O que é a violência
O que é a violênciaO que é a violência
O que é a violência
Neuza Carvalho
 
Redes Sociais & EaD
Redes Sociais & EaDRedes Sociais & EaD
Redes Sociais & EaD
eustaquio.carlos
 
Gestão em ea d, redes de aprendizagem simposio baiano de ead abril 2013
Gestão em ea d, redes de aprendizagem  simposio baiano de ead  abril 2013Gestão em ea d, redes de aprendizagem  simposio baiano de ead  abril 2013
Gestão em ea d, redes de aprendizagem simposio baiano de ead abril 2013
Silvia Fichmann
 
Moodle e o mercado de EAD para programadores PHP
Moodle e o mercado de EAD para programadores PHPMoodle e o mercado de EAD para programadores PHP
Moodle e o mercado de EAD para programadores PHP
Coradini Lucas, PMP
 
Apresentação cibercultura
Apresentação ciberculturaApresentação cibercultura
Apresentação cibercultura
Filipe Soares
 
Cibercultura palestra Dr Ehonorato
Cibercultura palestra Dr EhonoratoCibercultura palestra Dr Ehonorato
Cibercultura palestra Dr Ehonorato
Eduardo Jorge Sant'Ana Honorato
 
Plataformas teleduc e moodle
Plataformas teleduc e moodlePlataformas teleduc e moodle
Plataformas teleduc e moodle
Rulvoney
 
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtualA plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
temastransversais
 
ApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De RedesApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De Redes
allanzinhuu
 
Recursos Educacionais Abertos
Recursos Educacionais AbertosRecursos Educacionais Abertos
Recursos Educacionais Abertos
Denys Pimentel
 
Redes sociais na internet - Raquel Recuero
Redes sociais na internet - Raquel RecueroRedes sociais na internet - Raquel Recuero
Redes sociais na internet - Raquel Recuero
Onthe Class
 
Introdução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJ
Introdução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJIntrodução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJ
Introdução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJ
Luciana Viter
 
Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.
Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.
Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.
EAD Amazon
 
Cibercultura e Educação
Cibercultura e EducaçãoCibercultura e Educação
Cibercultura e Educação
Fernandes Rocha Junior
 
Aula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivas
Aula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivasAula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivas
Aula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivas
breakingcasper
 
Interação nas redes sociais
Interação nas redes sociais Interação nas redes sociais
Interação nas redes sociais
Filipe Soares
 
Explorando o uso responsável das Redes Sociais
Explorando o uso responsável das Redes Sociais Explorando o uso responsável das Redes Sociais
Explorando o uso responsável das Redes Sociais
Sandro Neto Ribeiro
 
TCE - Santaella - Interatividade no ciberespaco
TCE - Santaella - Interatividade no ciberespacoTCE - Santaella - Interatividade no ciberespaco
TCE - Santaella - Interatividade no ciberespaco
Lucila Pesce
 
7º ano - Socialização e cultura
7º ano - Socialização e cultura7º ano - Socialização e cultura
7º ano - Socialização e cultura
José Amaral
 

Destaque (20)

Redes Sociais e a Sociologia Econômica
Redes Sociais e a Sociologia EconômicaRedes Sociais e a Sociologia Econômica
Redes Sociais e a Sociologia Econômica
 
O que é a violência
O que é a violênciaO que é a violência
O que é a violência
 
Redes Sociais & EaD
Redes Sociais & EaDRedes Sociais & EaD
Redes Sociais & EaD
 
Gestão em ea d, redes de aprendizagem simposio baiano de ead abril 2013
Gestão em ea d, redes de aprendizagem  simposio baiano de ead  abril 2013Gestão em ea d, redes de aprendizagem  simposio baiano de ead  abril 2013
Gestão em ea d, redes de aprendizagem simposio baiano de ead abril 2013
 
Moodle e o mercado de EAD para programadores PHP
Moodle e o mercado de EAD para programadores PHPMoodle e o mercado de EAD para programadores PHP
Moodle e o mercado de EAD para programadores PHP
 
Apresentação cibercultura
Apresentação ciberculturaApresentação cibercultura
Apresentação cibercultura
 
Cibercultura palestra Dr Ehonorato
Cibercultura palestra Dr EhonoratoCibercultura palestra Dr Ehonorato
Cibercultura palestra Dr Ehonorato
 
Plataformas teleduc e moodle
Plataformas teleduc e moodlePlataformas teleduc e moodle
Plataformas teleduc e moodle
 
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtualA plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
A plataforma moodle como exemplo de ambiente virtual
 
ApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De RedesApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De Redes
 
Recursos Educacionais Abertos
Recursos Educacionais AbertosRecursos Educacionais Abertos
Recursos Educacionais Abertos
 
Redes sociais na internet - Raquel Recuero
Redes sociais na internet - Raquel RecueroRedes sociais na internet - Raquel Recuero
Redes sociais na internet - Raquel Recuero
 
Introdução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJ
Introdução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJIntrodução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJ
Introdução à plataforma Moodle do Projeto Letras2.0/UFRJ
 
Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.
Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.
Gestão de EAD: Educação a Distância na Web 2.0.
 
Cibercultura e Educação
Cibercultura e EducaçãoCibercultura e Educação
Cibercultura e Educação
 
Aula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivas
Aula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivasAula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivas
Aula 4 – Cibercultura: Valores e perspectivas
 
Interação nas redes sociais
Interação nas redes sociais Interação nas redes sociais
Interação nas redes sociais
 
Explorando o uso responsável das Redes Sociais
Explorando o uso responsável das Redes Sociais Explorando o uso responsável das Redes Sociais
Explorando o uso responsável das Redes Sociais
 
TCE - Santaella - Interatividade no ciberespaco
TCE - Santaella - Interatividade no ciberespacoTCE - Santaella - Interatividade no ciberespaco
TCE - Santaella - Interatividade no ciberespaco
 
7º ano - Socialização e cultura
7º ano - Socialização e cultura7º ano - Socialização e cultura
7º ano - Socialização e cultura
 

Semelhante a Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações

Intro redes sociais
Intro redes sociaisIntro redes sociais
Intro redes sociais
materialdeaula
 
Intro redes sociais
Intro redes sociaisIntro redes sociais
Intro redes sociais
materialdeaula
 
Redes Sociais e Comunicação
Redes Sociais e ComunicaçãoRedes Sociais e Comunicação
Redes Sociais e Comunicação
guest803d466
 
2.3.2.
2.3.2. 2.3.2.
Apresentação redes
Apresentação redesApresentação redes
Apresentação redes
comunidadedepraticas
 
Redemensagem
RedemensagemRedemensagem
Redemensagem
FSBA
 
Módulo 3 b redes sociais
Módulo 3 b   redes sociaisMódulo 3 b   redes sociais
Módulo 3 b redes sociais
Thiago Skárnio
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
Alquimídia.org
 
Redes sociais(1)
Redes sociais(1)Redes sociais(1)
Redes sociais(1)
Bianca Rosa
 
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Patricia Neubert
 
Redes Sociais e Mídias Sociais
Redes Sociais e Mídias Sociais Redes Sociais e Mídias Sociais
Redes Sociais e Mídias Sociais
Gisele Honscha
 
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing DigitalMonografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Márjorye Cruz
 
Redes Sociais na Internet - Amanda Martins
Redes Sociais na Internet - Amanda MartinsRedes Sociais na Internet - Amanda Martins
Redes Sociais na Internet - Amanda Martins
Agência Detalhes
 
redes sociais
redes sociais redes sociais
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
Carolina Lima
 
A construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teórico
A construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teóricoA construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teórico
A construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teórico
Allan Kardec Lima
 
Redes e Conectivismo
Redes e ConectivismoRedes e Conectivismo
Redes e Conectivismo
Thiago Petra
 
Cap5netsmart
Cap5netsmartCap5netsmart
Cap5netsmart
Aparecida Dias
 
Cap5 netsmart
Cap5 netsmartCap5 netsmart
Cap5 netsmart
Ana Toscano
 
Ciberativismo em sites de redes sociais
Ciberativismo em sites de redes sociaisCiberativismo em sites de redes sociais
Ciberativismo em sites de redes sociais
Willian Araújo
 

Semelhante a Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações (20)

Intro redes sociais
Intro redes sociaisIntro redes sociais
Intro redes sociais
 
Intro redes sociais
Intro redes sociaisIntro redes sociais
Intro redes sociais
 
Redes Sociais e Comunicação
Redes Sociais e ComunicaçãoRedes Sociais e Comunicação
Redes Sociais e Comunicação
 
2.3.2.
2.3.2. 2.3.2.
2.3.2.
 
Apresentação redes
Apresentação redesApresentação redes
Apresentação redes
 
Redemensagem
RedemensagemRedemensagem
Redemensagem
 
Módulo 3 b redes sociais
Módulo 3 b   redes sociaisMódulo 3 b   redes sociais
Módulo 3 b redes sociais
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Redes sociais(1)
Redes sociais(1)Redes sociais(1)
Redes sociais(1)
 
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
 
Redes Sociais e Mídias Sociais
Redes Sociais e Mídias Sociais Redes Sociais e Mídias Sociais
Redes Sociais e Mídias Sociais
 
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing DigitalMonografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
 
Redes Sociais na Internet - Amanda Martins
Redes Sociais na Internet - Amanda MartinsRedes Sociais na Internet - Amanda Martins
Redes Sociais na Internet - Amanda Martins
 
redes sociais
redes sociais redes sociais
redes sociais
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
 
A construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teórico
A construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teóricoA construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teórico
A construção coletiva: Mídias Sociais no âmbito teórico
 
Redes e Conectivismo
Redes e ConectivismoRedes e Conectivismo
Redes e Conectivismo
 
Cap5netsmart
Cap5netsmartCap5netsmart
Cap5netsmart
 
Cap5 netsmart
Cap5 netsmartCap5 netsmart
Cap5 netsmart
 
Ciberativismo em sites de redes sociais
Ciberativismo em sites de redes sociaisCiberativismo em sites de redes sociais
Ciberativismo em sites de redes sociais
 

Último

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 

Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações

  • 1. ] Semana Acadêmica de Comunicação, FACCAT Taquara, RS, 2011 Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações Gabriela Zago
  • 2. Introdução Redes sociais digitais – aspectos teóricos Relações interpessoais Circulação de informações
  • 3. Introdução Comunicação interpessoal – um-um Comunicação de massa – um-muitos Comunicação digital – muitos-muitos? Comunicação pessoal-massiva (Castells, 2009)
  • 5. Redes sociais no Brasil Redes sociais estão entre os sites mais acessados no Brasil: 1. Google Brasil 2. Google 3. Facebook 4. YouTube 5. Universo Online 6. Windows Live 7. Globo.com 8. Blogger.com 9. Orkut (domínio .com.br) 10. Yahoo! 11. Terra 12. Orkut (domínio .com) 13. MSN 14. Twitter 15. iG 16. Wikipedia 17. MercadoLivre 18. WordPress.com 19. Abril 20. Banco Itaú (Fonte: Ranking Alexa, 24/10/2011, http://www.alexa.com/topsites/countries/BR )
  • 6. Redes sociais Estudos de redes na sociologia - teoria dos grafos serve como base, ancorado na análise estrutural (décadas de 1960 e 1970). No começo, as redes eram estudadas como estruturais, com propriedades fixas no tempo. Estudos posteriores mostraram que elas são dinâmicas , mudam constantemente no tempo.
  • 7. Redes sociais Uma rede social é uma estrutura social composta por dois elementos: - Os atores (nós) - As conexões (arestas) (Recuero, 2009)
  • 8. Redes sociais Os atores podem ser pessoas, instituições ou grupos.
  • 9. Redes sociais As conexões são formadas em função do laço social e da interação entre os atores.
  • 10. Sites de redes sociais Redes sociais ≠ Sites de redes sociais
  • 11. Sites de rede social Sites de rede social são serviços da web que permitem aos seus usuários: - Construir um perfil público - Articular uma lista de conexões - Visualizar as conexões entre os atores A principal característica é tornar visíveis as conexões entre os atores. (boyd & Ellison, 2007)
  • 12. Sites de rede social (boyd & Ellison, 2007)
  • 13. Sites de rede social Os sites de rede social facilitam as conexões. Manter os laços estabelecidos tem pouco ou nenhum custo para os atores sociais. Com isso, podem gerar redes muito grandes, constituídas por laços fracos, e até mesmo conexões não recíprocas (links unilaterais). Conexões são mantidas pelo sistema e não pelas interações.
  • 14. Sites de rede social Dois elementos da definição de boyd & Ellison (2007) : Estrutura - a rede social expressa pelos atores e as interações que a ferramenta ajuda a manter Apropriação - usos específicos de um determinado site de rede social
  • 15. Apropriações Apropriação está na essência da cibercultura ( Lemos, 2002 ). Adaptação dos usos do sistema aos interesses dos usuários. Usos criativos, muitas vezes bastante diferentes da proposta inicial dos sites.
  • 16. Apropriações Exemplos: - Usar o scrapbook do Orkut para chat - RT, @, hashtags, e outros no Twitter - O que você está fazendo? > O que está acontecendo?
  • 17. Interação social Interação mútua Interação reativa Síncrona Assíncrona
  • 18. Laços sociais Para Wellman (2001), os laços são relações específicas como proximdade, contato frequente, fluxos de informação, conflito ou suporte emocional.
  • 19. Laços fortes Requerem inventimento de tempo, expressam confiança e intimidade, oferecem suporte.
  • 20. Laços fracos Não necessitam de tempo, menor grau de confiança e intimidade, são mais pontuais.
  • 21. Capital social Conceito metafórico. Para Coleman (1988), o capital social, definido por sua função, seria uma estrutura social que facilitaria determinadas ações por parte dos atores dentro dessa estrutura Valores que podem ser obtidos pelos indivíduos ao fazer parte de uma rede social, como reputação, visibilidade, etc. Esses valores dependem não só da apropriação, mas igualmente das próprias ferramentas.
  • 23. Estudos de redes Impossibilidade de se estudar a rede inteira (pois abarcaria todas as pessoas do mundo). Necessidade de se fazer um recorte. Possibilidades: o estudo de redes inteiras ou de redes egocentradas. (Recuero, 2009)
  • 24. Redes inteiras Centrada em uma rede e suas relações.
  • 25. Redes egocentradas Parte-se de um indivíduo ( ego ) e analisa-se a rede ( alters ) até um certo grau de separação.
  • 26. Tipos de redes sociais na Internet Redes emergentes Redes de filiação ou redes associativas (Recuero, 2009)
  • 27. Redes emergentes As conexões entre os nós emergem através das trocas sociais realizadas pela interação social por meio da comunicação mediada por computador. Formadas por interações mútuas . Comportamento emergente (Johnson, 2003), bottom-up, descentralizado. Tendem a ser mais conectadas e menores. Podem haver tríades. (Recuero, 2009)
  • 29. Redes de filiação ou associativas Derivam de conexões estáticas, em que os seus atores se “ associam ” a sites de redes sociais. Constituída por laços fracos . Para Watts (2003), essas redes surgem em relações não sociais que podem ser socialmente interessantes. Relação de pertencimento. Predominam díades. (Recuero, 2009)
  • 30. Redes de filiação ou associativas
  • 32. Relações interpessoais Desde sua origem, a proposta das tecnologias de informação tem sido permitir que as pessoas troquem mensagens sem que haja uma co-presença física (Baym, 2010)
  • 33. Relações interpessoais Sites de redes sociais – comunicação assíncrona: - possibilita que grandes grupos se constituam e se mantenham - fornece tempo para que as pessoas administrem o que vão falar e como vão se apresentar de forma estratégica - pode demorar mais para obter resposta, mas as pessoas estão cada vez mais conectadas (smartphone, notebook, netbook, tablet) (Baym, 2010)
  • 34. Relações interpessoais A maioria dos relacionamentos que começa online não se transforma em relacionamento íntimo – tal qual no face a face “ Taken as a whole, mediated communication is not a space, it is an additional tool people use to connect, one which can only be understood as deeply embedded in and influenced by the daily realities of embodied life” (Baym, 2010, p. 152).
  • 35. Privacidade? Que dados revelar? Deve-se dizer onde está?
  • 36. Isolamento? Estamos conectados mas sozinhos “ With sociable robots, we are alone but receive the signals that tells us we are together. Networked, we are together, but so lessened are our expectations of each other that we can feel utterly alone” (Turkle, 2011, l.3012)
  • 38. Difusão de informações As redes sociais difundem informações através das conexões entre seus atores. Difusão de informação rápida. Maneiras interativas de lidar com a informação. Papel dos conectores (Barabási, 2003) e dos laços fracos (Granovetter, 1973).
  • 39. Espaços públicos mediados Para boyd (2007) , os sites de redes sociais seriam espaços públicos mediados caracterizados por: persistência buscabilidade replicabilidade audiências invisíveis
  • 40. Circulação de informações Nos sites de redes sociais as informações ficam visíveis e podem ser rastreadas , o que permite recuperar e conectar informações A difusão e a replicação de informações nas redes sociais digitais ocorre porque as redes de contatos são diferentes : faz sentido “ reblogar ” ou “ retuitar ” uma informação.
  • 41. Jornalismo nas redes No caso específico do jornalismo, as redes sociais podem influenciar em todas as etapas do processo jornalístico - não são meros suportes para distribuição de informações
  • 42. Etapas do processo jornalístico Apuração : pauta, fontes, verificação Produção : composição da matéria, formato, suporte Circulação : canais de distribuição Consumo : leitor recebe a partir desses canais “ Recirculação ” : leitor filtra e comenta ( Zago, 2011 )
  • 43. Recirculação Acontecimento - Felipe Melo e a bola da Copa
  • 44. Ativismo Outra apropriação possível das redes sociais digitais: práticas de ativismo digital Ações nas redes podem servir de mobilizadoras ou de potencializadoras/catalisadoras de movimentos sociais mais amplos
  • 45. Ativismo As ações coletivas no ciberespaço dependem do esforço comum de diversos atores sociais para que atinjam o efeito esperado. Dependem de cooperação e de visibilidade Independem de proximidade geográfica, embora dependam essencialmente de um interesse comum entre os participantes.
  • 46. Ativismo Essas ações se valem do potencial da estrutura em rede/descentralizada da web para a difusão de informações.
  • 47. Caso Wikileaks Apesar de ser bastante discutido no Twitter entre o final de novembro e o começo de dezembro de 2010, o termo wikileaks não apareceu nos Trending Topics do Twitter.
  • 48. Google Bomb da revista Veja Tentativa de bombardear os resultados da busca do Google para que o termo “ veja ” fosse associado ao “ Dossiê Veja ” de Luis Nassif. ( Zago e Batista, 2009 )
  • 49. Google Bomb da revista Veja ( Zago e Batista, 2009 )
  • 50. ] Redes sociais digitais como espaço para relações interpessoais e para a circulação de informações Gabriela Zago @ gabizago http:// gabrielazago.com Semana Acadêmica da Comunicação – FACCAT - 2011