SlideShare uma empresa Scribd logo
42
ClubeDuquedeCaxias•N.º67•OUT/NOV2014
CULTURACERVEJEIRA
Herança Intrínseca
POR ADRIANE BALDINI FOTOS: LUXLAB STUDIO/ DIVULGAÇÃO
A imigração alemã teve um papel fundamental na
formação do Brasil, agregando conhecimento de for-
ma grandiosa e memorável à cultura brasileira. Entre
tudo o que herdamos deles e que faz parte do nosso
cotidiano estão a língua, (já que algumas palavras
germânicas fazem parte do vocabulário atual), a
urbanização (visível por meio da arquitetura clássi-
ca), os métodos rigorosos de processos industriais
(e também de gestão familiar), o cultivo do trigo, a
criação de suínos entre outros fatores influentes pro-
vindos da cultura camponesa, na agricultura.
Mas não se pode deixar de citar, talvez, o mais no-
bre fator que herdamos: a gastronomia. Dos diversos
pratos típicos de inverno, ricos e substancialmente
mais conhecidos estão o Brezel (também conhecido
como pretzel, sendo um tipo de pão leve, assado
em forma de nó, povilhado com sal ou gergelim,
ótimo para acompanhar cervejas), Eintopf (guisado
tradicional que leva legumes, batatas e carne, ou
de boi ou porco, bastante consumido quando está
muito frio), Schweinenbraten (prato que leva carne
de porco assada, geralmente servido com repolho
refogado ou com Sauerkraut, que nada mais é do
que o repolho azedo fermentado, regado com uma
cerveja pilsner), as clássicas e finas Costeletas de
Vitela, Wurst (também conhecida como bratwurst,
salsicha frita, feita de carne de porco moída e espe-
ciarias), Eisbein (joelho de porco frito ou assado) e
o clássico Hackepeter (carne crua bem temperada
servida sobre um pão rústico; também é conhecido
como Mett, quando feito com de carne de porco).
Claro que não se pode deixar de citar as clássicas
sobremesas Apfelstrudel (massa assada ou cozida
recheada com maçãs e adoçada com açúcar, canela
e passas) e a Schwarzwalder Kirschtorte (conhecido
também como Bolo de Floresta Negra). Há, claro,
muito mais a citar - sem se esquecer, jamais, da
cerveja.
A bebiba que inicialmente era produzida em casa
pelos imigrantes alemães há mais de um século e foi
trocada e massificada pela atual produção em série,
voltou a ser destaque nas mesas dos brasileiros -
principalmente na dos curitibanos, que podem en-
contrar facilmente a cerveja artesanal em qualquer
lugar da cidade.
Quem fala sobre este assunto é o especialista Daniel
Wolff, sommelier de cervejas e proprietário da Mestre-
-Cervejeiro - local que vende cervejas especiais do
mundo todo. Para ele, atualmente existem dois ti-
pos de consumidores: "o primeiro deles é aquele que
toma cerveja em qualquer ocasião, tendo fidelidade
por uma marca preferida. O que ele quer é apenas
beber cerveja gelada para relaxar, sendo este o per-
fil das grandes cervejarias do país. Ele apenas bebe
como costume, herdado de maneira intrínseca. Já o
outro tipo de consumidor é bem mais exigente. Ele
tem sempre o intuito de descobrir novas experiên-
cias por meio da bebiba, não sendo fiel à nenhuma
marca, mas sim, das descobertas palativas que a
Wolff sempre identificou pessoas que
buscavam novidades no mundo cervejeiro,
mas que ficavam frustradas por não
encontrar novos rótulos devido à falta
de fabricantes ou importadores - ou
então, quando encontravam um produto
diferenciado, o preço era muito salgado.
MICROS E PEQUENAS CERVEJARIAS BRASILEIRAS GANHAM FORÇA NO
CENÁRIO GASTRONÔMICO, PRODUZINDO MUITOS ESTILOS DIFERENCIADOS
(INCLUINDO AS ALEMÃS) E COM EXCELENTE NÍVEL DE QUALIDADE
43
ClubeDuquedeCaxias•N.º67•OUT/NOV2014CULTURACERVEJEIRA
cerveja pode trazer. Esse consumidor busca, no fim
das contas, um produto gourmet" diz.
Então, eis que surge no cenário nacional o movi-
mento cervejeiro, iniciado em meados de 2004
(quase que) simultaneamente em diversos locais do
país, com destaques no interior de São Paulo, Vale
do Itajaí (SC), Porto Alegre (RS) e claro, em Curiti-
ba. Muitas delas surgiram com o auxílio de mestres
cervejeiros - a maioria, de descendência alemã. "An-
tigamente era obrigatória a passagem pela Alema-
nha, sendo o país uma das escolas cervejeiras com
maior índice de excelência do mundo", explica Wol-
ff. Segundo ele, muitos destes mestres cervejeiros
estavam aposentados (ou fazendo cerveja em casa
por hobby), quando foram convidados a voltar para
o mercado. A maioria, adequada à forma de traba-
Para que você possa conhecer um pouquinho da imensidão do mundo cervejeiro, Wolff recomenda iniciar a
degustação pela escola alemã, com estes rótulos. Todas combinam muito bem com os pratos citados ao lado!
lho das grandes indústrias cervejeiras, tiveram de se
readaptar às micro - tanto em aprender novos esti-
los, quanto na quantidade de fabricação. "Porém,
o que trouzeram às escolas artesanais foi o padrão
de qualidade aplicado nas grandes indústrias, fator
fundamental que ajudou a alavancar as cervejas ar-
tesanais", diz.
Atualmente a maioria das cervejarias artesanais pos-
sui cerca de 8 anos de existência, e juntas, fabri-
cam centenas de novidades no universo cervejeiro
brasileiro por ano. "A produção de cerveja artesanal
representa apenas 1% diante do cenário nacional,
mas seu consumo está se elevando a cada ano que
passa, sendo este um nicho de consumo bastante
promissor", conclui Wolff.
Sugestões Alemãs
3) AECHT SCHLENKERLA
RAUCHBIER MÄRZEN
Estilo Rauchbier
Álcool 5.1% ABV
O diferencial desta
cerveja é o forte
aroma de defumado,
tornando a bebida
marcante - sendo esta
marca conhecida no
mundo todo como a
representante deste
estilo. Corpo médio,
transparente, de
espuma cremosa, de
cor caramelo escuro.
No paladar não é tão
agressiva como se ima-
gina no aroma. Vale a
pena experimentar!
De R$ 20 a 22.
4) BIERBAUM
WEIZENBOCK
Estilo German
Weizenbock
Álcool 7.6% ABV
Formulada também
a base de trigo,
possui aromas de
banana e cravo, com
toques de biscoito e
baunilha. Turva, de
cor âmbar escuro.
Possui dulçor e
amargor equilibrados,
de corpo médio e
alta carbonatação.
Excelente representan-
te do estilo no Brasil!
De R$ 18 a 20.
Importadas Nacionais
1) SCHNEIDER
WEISSE TAP5
Estilo German
Weizenbock
Álcool 8.2% ABV
Cerveja feita com malte
de trigo, a apresentação
do líquido é amarelo
claro e turvo. No
olfato, apresenta notas
clássicas do estilo
como o de banana e
cravo. O diferencial
desta cerveja está
na adição extra de
lúpulo, conferindo
uma sensação amarga
e refrescante. Corpo e
carbonatação médios,
levemente ácida.
De R$ 19 a 21.
2) PAULANER
SALVATOR
Estilo Doppelbock
Álcool 7.9% ABV
Apresenta coloração
âmbar avermelhada
translúcida, com
espuma volumosa e
cremosa. No olfato,
notas de maltes
tostado e caramelo, de
madeira e de fermento.
Final com amargor e
dulçor equilibrados.
Corpo e carbonatação
médio-alto.
De R$ 15 a 18.
5) BIERLAND
VIENNA
Estilo Vienna Lager
Álcool 5.4% ABV
Translúcida, de cor
caramelo, possui boa
formação de espuma.
O aroma presente é
composto por notas
florais (provindos do
lúpulo), além das
notas adocicadas
de caramelo.
Na boca, amargor e
dulçor equilibrados,
com média-alta car-
bonatação. Marcante.
De R$ 18 a 20.
6) WENSKY
MUNICH DUNKEL
Estilo Munich Dunkel
Álcool 6% ABV
Cerveja de cor
castanha levemente
turva, com aroma
de notas tostadas
e de caramelo.
Aroma discreto de
torrado e caramelo.
Sabor intenso, de
corpo baixo-médio e
de alta carbonatação.
De R$ 15 a 17. •
Fonte: www.mestre-cervejeiro.com

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira

RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 AnosRD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
Adri Baldini
 
O DESAFIO DA CRIAÇÃO
O DESAFIO DA CRIAÇÃOO DESAFIO DA CRIAÇÃO
O DESAFIO DA CRIAÇÃO
Alessandro Saade
 
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no BrasilCASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
Alessandro Saade
 
O Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread SulO Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread Sul
Alessandro Saade
 
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em AscensãoRD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
Adri Baldini
 
Projeto Aplicativo Mobile Casa Valduga
Projeto Aplicativo Mobile Casa ValdugaProjeto Aplicativo Mobile Casa Valduga
Projeto Aplicativo Mobile Casa Valduga
João Horácio Garcia Filho
 
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livreAnexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
JS Silva
 
Geek
GeekGeek
Geek
cowcook75
 
Resumo heineken
Resumo heinekenResumo heineken
Resumo heineken
Adalberto Junior
 
RD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de InvernoRD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de Inverno
Ricardo Baldini
 
RD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de InvernoRD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de Inverno
Adri Baldini
 
YURILATUCHA 5
YURILATUCHA 5YURILATUCHA 5
YURILATUCHA 5
Yuri Alencar
 
Parceria Pobre Juan
Parceria Pobre JuanParceria Pobre Juan
Parceria Pobre Juan
Igor Gontijo
 
Doidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdfDoidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdf
Cjaneiro2
 
Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
João Franco
 
Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!
Aristides Monteiro
 
Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
João Franco
 
José Felipe Carneiro
José Felipe CarneiroJosé Felipe Carneiro
José Felipe Carneiro
DMT Palestras
 
História da Smirnoff
História da SmirnoffHistória da Smirnoff
História da Smirnoff
Leticia Ikeda
 
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
 História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
claudia #cmdterra
 

Semelhante a RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira (20)

RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 AnosRD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
RD 2015 - Mestre Cervejeiro há 40 Anos
 
O DESAFIO DA CRIAÇÃO
O DESAFIO DA CRIAÇÃOO DESAFIO DA CRIAÇÃO
O DESAFIO DA CRIAÇÃO
 
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no BrasilCASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
CASE SNB - A história da criação da categoria de cerveja gourmet no Brasil
 
O Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread SulO Desafio da Criação - Eread Sul
O Desafio da Criação - Eread Sul
 
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em AscensãoRD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
RD 2015 - Cervejas Curitibanas em Ascensão
 
Projeto Aplicativo Mobile Casa Valduga
Projeto Aplicativo Mobile Casa ValdugaProjeto Aplicativo Mobile Casa Valduga
Projeto Aplicativo Mobile Casa Valduga
 
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livreAnexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
Anexo lista de microcervejarias no brasil – wikipédia, a enciclopédia livre
 
Geek
GeekGeek
Geek
 
Resumo heineken
Resumo heinekenResumo heineken
Resumo heineken
 
RD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de InvernoRD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de Inverno
 
RD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de InvernoRD 2015 - Cervejas de Inverno
RD 2015 - Cervejas de Inverno
 
YURILATUCHA 5
YURILATUCHA 5YURILATUCHA 5
YURILATUCHA 5
 
Parceria Pobre Juan
Parceria Pobre JuanParceria Pobre Juan
Parceria Pobre Juan
 
Doidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdfDoidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdf
 
Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
 
Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!Um passeio pelo mundo da cerveja!
Um passeio pelo mundo da cerveja!
 
Passeio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cervejaPasseio pelo mundo da cerveja
Passeio pelo mundo da cerveja
 
José Felipe Carneiro
José Felipe CarneiroJosé Felipe Carneiro
José Felipe Carneiro
 
História da Smirnoff
História da SmirnoffHistória da Smirnoff
História da Smirnoff
 
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
 História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
História do Hidromel Milenar - Mead of the Gods- Hidromel Brasileiro
 

Mais de Adri Baldini

RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial
RQS 2006 - Expressões Urbanas - EspecialRQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial
RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - EspecialRQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das PeçasRQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - EspecialRQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda ArnsRQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo CaminhoRQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
Adri Baldini
 
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite SchneiderRQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
Adri Baldini
 

Mais de Adri Baldini (8)

RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial
RQS 2006 - Expressões Urbanas - EspecialRQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial
RQS 2006 - Expressões Urbanas - Especial
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - EspecialRQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
RQS 2006 - Balanço Sobre a COP8 MOP3 da ONU - Especial
 
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das PeçasRQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
RQS 2006 - Gincana Ecológica na Isolada Ilha das Peças
 
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - EspecialRQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
RQS 2006 - Você Sabe O Que É Reciclável - Especial
 
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda ArnsRQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
RQS 2006 - Entrevista com Zilda Arns
 
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo CaminhoRQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
RQS 2006 - Sistema Carcerário - Um Novo Caminho
 
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite SchneiderRQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
RQS 2006 - Sensibilidade Extrema - Maite Schneider
 

RD 2014 - Receitas Alemãs na Versão Brasileira

  • 1. 42 ClubeDuquedeCaxias•N.º67•OUT/NOV2014 CULTURACERVEJEIRA Herança Intrínseca POR ADRIANE BALDINI FOTOS: LUXLAB STUDIO/ DIVULGAÇÃO A imigração alemã teve um papel fundamental na formação do Brasil, agregando conhecimento de for- ma grandiosa e memorável à cultura brasileira. Entre tudo o que herdamos deles e que faz parte do nosso cotidiano estão a língua, (já que algumas palavras germânicas fazem parte do vocabulário atual), a urbanização (visível por meio da arquitetura clássi- ca), os métodos rigorosos de processos industriais (e também de gestão familiar), o cultivo do trigo, a criação de suínos entre outros fatores influentes pro- vindos da cultura camponesa, na agricultura. Mas não se pode deixar de citar, talvez, o mais no- bre fator que herdamos: a gastronomia. Dos diversos pratos típicos de inverno, ricos e substancialmente mais conhecidos estão o Brezel (também conhecido como pretzel, sendo um tipo de pão leve, assado em forma de nó, povilhado com sal ou gergelim, ótimo para acompanhar cervejas), Eintopf (guisado tradicional que leva legumes, batatas e carne, ou de boi ou porco, bastante consumido quando está muito frio), Schweinenbraten (prato que leva carne de porco assada, geralmente servido com repolho refogado ou com Sauerkraut, que nada mais é do que o repolho azedo fermentado, regado com uma cerveja pilsner), as clássicas e finas Costeletas de Vitela, Wurst (também conhecida como bratwurst, salsicha frita, feita de carne de porco moída e espe- ciarias), Eisbein (joelho de porco frito ou assado) e o clássico Hackepeter (carne crua bem temperada servida sobre um pão rústico; também é conhecido como Mett, quando feito com de carne de porco). Claro que não se pode deixar de citar as clássicas sobremesas Apfelstrudel (massa assada ou cozida recheada com maçãs e adoçada com açúcar, canela e passas) e a Schwarzwalder Kirschtorte (conhecido também como Bolo de Floresta Negra). Há, claro, muito mais a citar - sem se esquecer, jamais, da cerveja. A bebiba que inicialmente era produzida em casa pelos imigrantes alemães há mais de um século e foi trocada e massificada pela atual produção em série, voltou a ser destaque nas mesas dos brasileiros - principalmente na dos curitibanos, que podem en- contrar facilmente a cerveja artesanal em qualquer lugar da cidade. Quem fala sobre este assunto é o especialista Daniel Wolff, sommelier de cervejas e proprietário da Mestre- -Cervejeiro - local que vende cervejas especiais do mundo todo. Para ele, atualmente existem dois ti- pos de consumidores: "o primeiro deles é aquele que toma cerveja em qualquer ocasião, tendo fidelidade por uma marca preferida. O que ele quer é apenas beber cerveja gelada para relaxar, sendo este o per- fil das grandes cervejarias do país. Ele apenas bebe como costume, herdado de maneira intrínseca. Já o outro tipo de consumidor é bem mais exigente. Ele tem sempre o intuito de descobrir novas experiên- cias por meio da bebiba, não sendo fiel à nenhuma marca, mas sim, das descobertas palativas que a Wolff sempre identificou pessoas que buscavam novidades no mundo cervejeiro, mas que ficavam frustradas por não encontrar novos rótulos devido à falta de fabricantes ou importadores - ou então, quando encontravam um produto diferenciado, o preço era muito salgado. MICROS E PEQUENAS CERVEJARIAS BRASILEIRAS GANHAM FORÇA NO CENÁRIO GASTRONÔMICO, PRODUZINDO MUITOS ESTILOS DIFERENCIADOS (INCLUINDO AS ALEMÃS) E COM EXCELENTE NÍVEL DE QUALIDADE
  • 2. 43 ClubeDuquedeCaxias•N.º67•OUT/NOV2014CULTURACERVEJEIRA cerveja pode trazer. Esse consumidor busca, no fim das contas, um produto gourmet" diz. Então, eis que surge no cenário nacional o movi- mento cervejeiro, iniciado em meados de 2004 (quase que) simultaneamente em diversos locais do país, com destaques no interior de São Paulo, Vale do Itajaí (SC), Porto Alegre (RS) e claro, em Curiti- ba. Muitas delas surgiram com o auxílio de mestres cervejeiros - a maioria, de descendência alemã. "An- tigamente era obrigatória a passagem pela Alema- nha, sendo o país uma das escolas cervejeiras com maior índice de excelência do mundo", explica Wol- ff. Segundo ele, muitos destes mestres cervejeiros estavam aposentados (ou fazendo cerveja em casa por hobby), quando foram convidados a voltar para o mercado. A maioria, adequada à forma de traba- Para que você possa conhecer um pouquinho da imensidão do mundo cervejeiro, Wolff recomenda iniciar a degustação pela escola alemã, com estes rótulos. Todas combinam muito bem com os pratos citados ao lado! lho das grandes indústrias cervejeiras, tiveram de se readaptar às micro - tanto em aprender novos esti- los, quanto na quantidade de fabricação. "Porém, o que trouzeram às escolas artesanais foi o padrão de qualidade aplicado nas grandes indústrias, fator fundamental que ajudou a alavancar as cervejas ar- tesanais", diz. Atualmente a maioria das cervejarias artesanais pos- sui cerca de 8 anos de existência, e juntas, fabri- cam centenas de novidades no universo cervejeiro brasileiro por ano. "A produção de cerveja artesanal representa apenas 1% diante do cenário nacional, mas seu consumo está se elevando a cada ano que passa, sendo este um nicho de consumo bastante promissor", conclui Wolff. Sugestões Alemãs 3) AECHT SCHLENKERLA RAUCHBIER MÄRZEN Estilo Rauchbier Álcool 5.1% ABV O diferencial desta cerveja é o forte aroma de defumado, tornando a bebida marcante - sendo esta marca conhecida no mundo todo como a representante deste estilo. Corpo médio, transparente, de espuma cremosa, de cor caramelo escuro. No paladar não é tão agressiva como se ima- gina no aroma. Vale a pena experimentar! De R$ 20 a 22. 4) BIERBAUM WEIZENBOCK Estilo German Weizenbock Álcool 7.6% ABV Formulada também a base de trigo, possui aromas de banana e cravo, com toques de biscoito e baunilha. Turva, de cor âmbar escuro. Possui dulçor e amargor equilibrados, de corpo médio e alta carbonatação. Excelente representan- te do estilo no Brasil! De R$ 18 a 20. Importadas Nacionais 1) SCHNEIDER WEISSE TAP5 Estilo German Weizenbock Álcool 8.2% ABV Cerveja feita com malte de trigo, a apresentação do líquido é amarelo claro e turvo. No olfato, apresenta notas clássicas do estilo como o de banana e cravo. O diferencial desta cerveja está na adição extra de lúpulo, conferindo uma sensação amarga e refrescante. Corpo e carbonatação médios, levemente ácida. De R$ 19 a 21. 2) PAULANER SALVATOR Estilo Doppelbock Álcool 7.9% ABV Apresenta coloração âmbar avermelhada translúcida, com espuma volumosa e cremosa. No olfato, notas de maltes tostado e caramelo, de madeira e de fermento. Final com amargor e dulçor equilibrados. Corpo e carbonatação médio-alto. De R$ 15 a 18. 5) BIERLAND VIENNA Estilo Vienna Lager Álcool 5.4% ABV Translúcida, de cor caramelo, possui boa formação de espuma. O aroma presente é composto por notas florais (provindos do lúpulo), além das notas adocicadas de caramelo. Na boca, amargor e dulçor equilibrados, com média-alta car- bonatação. Marcante. De R$ 18 a 20. 6) WENSKY MUNICH DUNKEL Estilo Munich Dunkel Álcool 6% ABV Cerveja de cor castanha levemente turva, com aroma de notas tostadas e de caramelo. Aroma discreto de torrado e caramelo. Sabor intenso, de corpo baixo-médio e de alta carbonatação. De R$ 15 a 17. • Fonte: www.mestre-cervejeiro.com