SlideShare uma empresa Scribd logo
QUÍMICA
Tema:
INTRODUÇÃO
PROFESSOR
# BARRAL
barralquimica@hotmail.com
Os compostos e as reações orgânicas são utilizados pelo
homem há muito tempo.
O homem pré-histórico já queimava a madeira (combustão
orgânica). Antes de Cristo, a Humanidade já produzia
bebidas alcoólicas, vinagre, corantes etc.
Os alquimistas do século XVI, procurando o “elixir da longa
vida”, obtiveram muitos extratos vegetais. A partir dessa
época, as técnicas de extrair, isto é, retirar compostos já
prontos de vegetais e animais sendo aperfeiçoadas; por
exemplo, do limão extraiu-se o ácido cítrico (C6H8O7); das
gorduras animais extraiu-se a glicerina (C3H8O3); e assim por
diante.
Histórico
1777 Bergman - definiu a Química Orgânica como sendo a
química dos compostos existentes nos organismos vivos,
vegetais e animais, enquanto a Química Inorgânica ou Mineral
seria a química dos compostos existentes no reino mineral.
Nessa mesma época, Lavoisier conseguiu analisar vários
compostos orgânicos e constato-u que todos continham o
elemento químico carbono.
 Química Orgânica é a parte da Química que estuda os
compostos do carbono.
 1807 Berzelius - lançou a ideia de que somente os seres vivos
possuiriam uma força vital capaz de produzir os compostos
orgânicos; em outras palavras, criava-se a ideia de as
substâncias orgânicas jamais poderiam ser sintetizadas
(artificialmente num laboratório ou numa indústria).
Histórico
 1828 Wöhler - efetuou a reação mostrada abaixo, pela qual, a
partir de um composto mineral (cianato de amônio), chegava-se a
um composto orgânico, a uréia, existe na urina dos animais;
começava assim a queda da Teoria da Força Vital.
 Nos anos seguintes, muitas outras substâncias orgânicas foram
sintetizadas (acetileno, metanol, ácido acético etc.), de modo que
já na metade do século XIX os químicos começaram a -acreditar na
possibilidade de sintetizar qualquer substância química.
 No entanto, até hoje, certas sínteses são extremamente difíceis;
por exemplo, a clorofila (C55H72MgN4O5) existente nos vegetais só
foi preparada artificialmente, em 1960, por Woodward, fato que
lhe valeu o Prêmio Nobel de Química de 1965.
NH4OCN
Cianato de
amônio
Calor
O C
NH2
NH2
Uréia
Histórico
Atualmente, a Humanidade dispõe de:
COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS:
Cujas fontes principais são os combustíveis fosseis:
 Petróleo;
 Carvão mineral;
 Gás natural, produtos agrícolas etc.
COMPOSTOS ORGÂNICOS SINTÉTICOS:
Produzidos artificialmente pelas indústrias químicas:
 Plásticos;
 Fibras têxteis;
 Medicamentos;
 Corantes;
 Inseticidas etc.
 Desde fins do século XIX até hoje, a Química Orgânica teve uma evolução muito grande. Isso pode ser comprovado,
por exemplo, pelo número de compostos orgânicos conhecidos (quer extraídos da natureza, quer sintetizados pelo
homem):
 em 1880, eram conhecidos cerca de 12.000 compostos; atualmente, cerca de 15.000.000 de compostos.
Histórico
Com seu desenvolvimento, a Química Orgânica acabou se
subdividindo e dando origem a mais um ramo da ciência — a
Bioquímica —, que estuda as substâncias mais intimamente
ligadas à vida dos vegetais e animais, como, por exemplo, os
alimentos, as vitaminas, os hormônios, os ácidos nucléicos
(existentes no núcleo das células vivas) etc.
E da Bioquímica surgiram outros ramos da Ciência e da
Tecnologia, como, por exemplo, a Biologia Molecular e a
Biotecnologia. Essas divisões e subdivisões que ocorrem na
Ciência são normais no desenvolvimento do conhecimento
humano.
Histórico
Histórico
 O átomo de carbono apresenta certas particularidades que o
tornam bem diferente de todos os demais elementos químicos.
2.1- O CARBONO É TETRAVALENTE
 Tendo quatro elétrons em sua última camada eletrônica, o carbono
os compartilha com quatro elétrons de outros átomos, para que se
complete o octeto, atingindo-se a configuração estável. Formam-
se, desse modo, 4 LIGAÇÕES COVALENTES.
2.2- O CARBONO FORMA LIGAÇÕES MÚLTIPLAS
 No exemplo CH4, vemos que o carbono pode formar uma única
ligação - ligação simples. Entretanto, um átomo de carbono pode
estabelecer duas ou três ligações com um segundo átomo,
formando, respectivamente, uma ligação dupla ou uma ligação
tripla.
2- CARACTERÍSTICAS DO ÁTOMO DE CARBONO
2.3 - O CARBONO LIGA-SE A VÁRIAS CLASSES DE ELEMENTOS
QUÍMICOS
Não sendo nem eletropositivo, nem eletronegativo, o carbono
pode ligar-se ora a elementos eletropositivos, ora a elementos
eletronegativos.
2.4 - O CARBONO FORMA CADEIAS
 O carbono tem uma capacidade extraordinária de ligar-se a
outros átomos de carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio.
 formando encadeamentos ou cadeias curtas ou longas e com
as mais variadas disposições.
 Existem elementos químicos que conseguem formar
encadeamentos, como, por exemplo, o enxofre, o fósforo, etc.
2- CARACTERÍSTICAS DO ÁTOMO DE CARBONO
2.4 - O CARBONO FORMA CADEIAS
 A capacidade de formar cadeias juntamente com as
características anteriormente descritas (tetravalência,
formação de ligações simples, duplas e triplas e ligação com
elementos eletropositivos ou elementos eletronegativos)
explicam a razão de o carbono ser capaz de formar em número
enorme de compostos orgânicos.
2- CARACTERÍSTICAS DO ÁTOMO DE CARBONO
3.1- QUANTO AO FECHAMENTO DA CADEIA
a) CADEIA ABERTA (ACÍCLICA OU ALIFÁTICA): quando o
encadeamento dos átomos não sofre nenhum fechamento.
b) CADEIA FECHADA OU CÍCLICA: quando há um fechamento
na cadeia, formando-se um ciclo, núcleo ou anel.
3 - TIPOS DE CADEIAS CARBÔNICAS
3.2- QUANTO À DISPOSIÇÃO DOS ÁTOMOS
a) CADEIA NORMAL: quando o encadeamento segue uma
seqüência única.
b) CADEIA RAMIFICADA: quando, na cadeia, surgem ramos ou
ramificações.
3 - CLASSIFICAÇÃO DAS CADEIAS CARBÔNICAS
CH3 — CH2 — CH3
CH3 — CH2 — CH2 — CH2 — CH3
3.3 - QUANTO AOS TIPOS DE LIGAÇÕES
a) CADEIA SATURADA: quando só existem ligações simples entre os
átomos de carbono.
b) CADEIA INSATURADA: quando, além das ligações simples, aparecem
ligações duplas ou triplas.
4.4 - QUANTO À NATUREZA DOS ÁTOMOS
a) CADEIA HOMOGÊNEA: quando, na cadeia, só existem átomos de
carbono.
b) CADEIA HETEROGÊNEA: quando, na cadeia, além dos átomos de
carbono, existem outros átomos (heteroátomos).
4.5- QUANTO À PRESENÇA DO BENZENO
a) CADEIA AROMÁTICA: Possui anel benzênico.
b) CADEIA NÃO-AROMÁTICA OU ALICÍCLICA: Não possui anel benzênico.
Obs.: compostos mistos.
3- CLASSIFICAÇÃO DAS CADEIAS CARBÔNICAS
 substâncias que possuem anel benzênico na sua estrutura.
 Por esse motivo o anel benzênico também é chamado de anel
aromático.
Os compostos aromáticos se subdividem em:
a) compostos aromáticos mononucleares ou mononucleados: quando
contém um único anel benzênico.
b) compostos aromáticos polinucleares ou polinucleados: quando
contém vários anéis benzênicos; eles se subdividem em:
 polinucleares isolados, quando não possuem átomos de carbono em
comum.
 polinucleares condensados, quando os anéis possuem átomos de
carbono em comum.
C
C
C
C
C
C
H
H H
H H
H
ou ou
4 - BENZENO E COMPOSTOS AROMÁTICOS
revelam a estrutura, isto é, a arrumação ou disposição dos
átomos dentro das moléculas.
FÓRMULA CONDENSADA
FÓRMULA BASTÃO OU TRAÇOS
C C C
H
H
H C
H
H C
H
C
H
HH H
H
H
H
H HC
HH
H
C
CH3C
CH3
CH3
CH2 CH
CH3
CH3
5 - FÓRMULA ESTRUTURAL
CARBONO PRIMÁRIO
CARBONO SECUNDÁRIO
CARBONO TERCIÁRIO
CARBONO QUATERNÁRIO
6- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO NUMA CADEIA
a) CARBONO PRIMÁRIO: quando está ligado apenas a 1 outro
átomo de carbono (ou nenhum);
b) CARBONO SECUNDÁRIO: quando está ligado a 2 outros
átomos de carbono;
6- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO NUMA CADEIA
c) CARBONO TERCIÁRIO: quando está ligado a 3 átomos de
carbono;
d) CARBONO QUATERNÁRIO: quando está ligado a 4 outros
átomos de carbono.
6- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO NUMA CADEIA
hibridação ângulo
entre os
híbridos
ligação geometria no de H
ligado ao
carbono
sp3 109o28’ 4 simples ou 2  tetraédrica 4
sp2 120o 1 dupla e 2 simples ou 3  e 1  Trigonal
plana
3
sp 180o 1 tripla e 1 simples ou 2  e 2  Linear 2
sp 180o 2 duplas ou 2  e 2  Linear 2
6- AS LIGAÇÕES DO CARBONO NOS COMPOSTOS ORGÂNICOS
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
Marcos França
 
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo AulasQuímica Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
Gabriel Lencione
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
José Vitor Alves
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Carlos Priante
 
Aula 6 aromaticidade
Aula 6   aromaticidadeAula 6   aromaticidade
Aula 6 aromaticidade
Gustavo Silveira
 
Aula eletrolise
Aula  eletroliseAula  eletrolise
Aula eletrolise
Adrianne Mendonça
 
Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1
Abraão Matos
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
Paulo Filho
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
Augusto Sérgio Costa Souza
 
Química Inorganica
Química InorganicaQuímica Inorganica
Química Inorganica
Silenezé Souza
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Kamila Passos
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Aula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbonoAula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbono
Escola Pública/Particular
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Nomenclatura dos hidrocarbonetos.
Nomenclatura dos hidrocarbonetos.Nomenclatura dos hidrocarbonetos.
Nomenclatura dos hidrocarbonetos.
Lara Lídia
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
Ricardo Stefani
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 
Massa atômica e massa molecular
Massa atômica e massa molecularMassa atômica e massa molecular
Massa atômica e massa molecular
vargastania
 

Mais procurados (20)

CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
 
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo AulasQuímica Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
 
Aula 6 aromaticidade
Aula 6   aromaticidadeAula 6   aromaticidade
Aula 6 aromaticidade
 
Aula eletrolise
Aula  eletroliseAula  eletrolise
Aula eletrolise
 
Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Química Inorganica
Química InorganicaQuímica Inorganica
Química Inorganica
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Aula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbonoAula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbono
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Nomenclatura dos hidrocarbonetos.
Nomenclatura dos hidrocarbonetos.Nomenclatura dos hidrocarbonetos.
Nomenclatura dos hidrocarbonetos.
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Massa atômica e massa molecular
Massa atômica e massa molecularMassa atômica e massa molecular
Massa atômica e massa molecular
 

Semelhante a Química Orgânica 1 - ENEM 2014

QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNicaQuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
Profª Cristiana Passinato
 
Aula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.pptAula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.ppt
MauricelioFreitas2
 
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLESQUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
Carlos Santos
 
Resumo introdução à química orgânica
Resumo   introdução à química orgânicaResumo   introdução à química orgânica
Resumo introdução à química orgânica
Profª Alda Ernestina
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Leimcpf
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Hidrocarbonetos 3a2
Hidrocarbonetos   3a2Hidrocarbonetos   3a2
Hidrocarbonetos 3a2
EEB Francisco Mazzola
 
Quimica vol3
Quimica vol3Quimica vol3
Quimica vol3
Blaunier Matheus
 
Introdução à Química Orgânica
Introdução à Química OrgânicaIntrodução à Química Orgânica
Introdução à Química Orgânica
Matheus Almeida David
 
Introdução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdf
Introdução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdfIntrodução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdf
Introdução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdf
WallyssonDouglas2
 
TIC
TICTIC
TIC
jogreg
 
Tarefa semana 01
Tarefa semana 01Tarefa semana 01
Tarefa semana 01
Eliana Araujo
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
Quimica
QuimicaQuimica
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
Paulo Frederico Manuel
 

Semelhante a Química Orgânica 1 - ENEM 2014 (20)

QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNicaQuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
 
Aula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.pptAula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.ppt
 
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLESQUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
 
Resumo introdução à química orgânica
Resumo   introdução à química orgânicaResumo   introdução à química orgânica
Resumo introdução à química orgânica
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Hidrocarbonetos 3a2
Hidrocarbonetos   3a2Hidrocarbonetos   3a2
Hidrocarbonetos 3a2
 
Quimica vol3
Quimica vol3Quimica vol3
Quimica vol3
 
Introdução à Química Orgânica
Introdução à Química OrgânicaIntrodução à Química Orgânica
Introdução à Química Orgânica
 
Introdução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdf
Introdução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdfIntrodução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdf
Introdução a Química Organica e Conceitos do Carbono.pdf
 
TIC
TICTIC
TIC
 
Tarefa semana 01
Tarefa semana 01Tarefa semana 01
Tarefa semana 01
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 
Quimica
QuimicaQuimica
Quimica
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 
Manual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parteManual de química 3ª parte
Manual de química 3ª parte
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 

Química Orgânica 1 - ENEM 2014

  • 2. Os compostos e as reações orgânicas são utilizados pelo homem há muito tempo. O homem pré-histórico já queimava a madeira (combustão orgânica). Antes de Cristo, a Humanidade já produzia bebidas alcoólicas, vinagre, corantes etc. Os alquimistas do século XVI, procurando o “elixir da longa vida”, obtiveram muitos extratos vegetais. A partir dessa época, as técnicas de extrair, isto é, retirar compostos já prontos de vegetais e animais sendo aperfeiçoadas; por exemplo, do limão extraiu-se o ácido cítrico (C6H8O7); das gorduras animais extraiu-se a glicerina (C3H8O3); e assim por diante. Histórico
  • 3. 1777 Bergman - definiu a Química Orgânica como sendo a química dos compostos existentes nos organismos vivos, vegetais e animais, enquanto a Química Inorgânica ou Mineral seria a química dos compostos existentes no reino mineral. Nessa mesma época, Lavoisier conseguiu analisar vários compostos orgânicos e constato-u que todos continham o elemento químico carbono.  Química Orgânica é a parte da Química que estuda os compostos do carbono.  1807 Berzelius - lançou a ideia de que somente os seres vivos possuiriam uma força vital capaz de produzir os compostos orgânicos; em outras palavras, criava-se a ideia de as substâncias orgânicas jamais poderiam ser sintetizadas (artificialmente num laboratório ou numa indústria). Histórico
  • 4.  1828 Wöhler - efetuou a reação mostrada abaixo, pela qual, a partir de um composto mineral (cianato de amônio), chegava-se a um composto orgânico, a uréia, existe na urina dos animais; começava assim a queda da Teoria da Força Vital.  Nos anos seguintes, muitas outras substâncias orgânicas foram sintetizadas (acetileno, metanol, ácido acético etc.), de modo que já na metade do século XIX os químicos começaram a -acreditar na possibilidade de sintetizar qualquer substância química.  No entanto, até hoje, certas sínteses são extremamente difíceis; por exemplo, a clorofila (C55H72MgN4O5) existente nos vegetais só foi preparada artificialmente, em 1960, por Woodward, fato que lhe valeu o Prêmio Nobel de Química de 1965. NH4OCN Cianato de amônio Calor O C NH2 NH2 Uréia Histórico
  • 5. Atualmente, a Humanidade dispõe de: COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS: Cujas fontes principais são os combustíveis fosseis:  Petróleo;  Carvão mineral;  Gás natural, produtos agrícolas etc. COMPOSTOS ORGÂNICOS SINTÉTICOS: Produzidos artificialmente pelas indústrias químicas:  Plásticos;  Fibras têxteis;  Medicamentos;  Corantes;  Inseticidas etc.  Desde fins do século XIX até hoje, a Química Orgânica teve uma evolução muito grande. Isso pode ser comprovado, por exemplo, pelo número de compostos orgânicos conhecidos (quer extraídos da natureza, quer sintetizados pelo homem):  em 1880, eram conhecidos cerca de 12.000 compostos; atualmente, cerca de 15.000.000 de compostos. Histórico
  • 6. Com seu desenvolvimento, a Química Orgânica acabou se subdividindo e dando origem a mais um ramo da ciência — a Bioquímica —, que estuda as substâncias mais intimamente ligadas à vida dos vegetais e animais, como, por exemplo, os alimentos, as vitaminas, os hormônios, os ácidos nucléicos (existentes no núcleo das células vivas) etc. E da Bioquímica surgiram outros ramos da Ciência e da Tecnologia, como, por exemplo, a Biologia Molecular e a Biotecnologia. Essas divisões e subdivisões que ocorrem na Ciência são normais no desenvolvimento do conhecimento humano. Histórico
  • 8.  O átomo de carbono apresenta certas particularidades que o tornam bem diferente de todos os demais elementos químicos. 2.1- O CARBONO É TETRAVALENTE  Tendo quatro elétrons em sua última camada eletrônica, o carbono os compartilha com quatro elétrons de outros átomos, para que se complete o octeto, atingindo-se a configuração estável. Formam- se, desse modo, 4 LIGAÇÕES COVALENTES. 2.2- O CARBONO FORMA LIGAÇÕES MÚLTIPLAS  No exemplo CH4, vemos que o carbono pode formar uma única ligação - ligação simples. Entretanto, um átomo de carbono pode estabelecer duas ou três ligações com um segundo átomo, formando, respectivamente, uma ligação dupla ou uma ligação tripla. 2- CARACTERÍSTICAS DO ÁTOMO DE CARBONO
  • 9. 2.3 - O CARBONO LIGA-SE A VÁRIAS CLASSES DE ELEMENTOS QUÍMICOS Não sendo nem eletropositivo, nem eletronegativo, o carbono pode ligar-se ora a elementos eletropositivos, ora a elementos eletronegativos. 2.4 - O CARBONO FORMA CADEIAS  O carbono tem uma capacidade extraordinária de ligar-se a outros átomos de carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio.  formando encadeamentos ou cadeias curtas ou longas e com as mais variadas disposições.  Existem elementos químicos que conseguem formar encadeamentos, como, por exemplo, o enxofre, o fósforo, etc. 2- CARACTERÍSTICAS DO ÁTOMO DE CARBONO
  • 10. 2.4 - O CARBONO FORMA CADEIAS  A capacidade de formar cadeias juntamente com as características anteriormente descritas (tetravalência, formação de ligações simples, duplas e triplas e ligação com elementos eletropositivos ou elementos eletronegativos) explicam a razão de o carbono ser capaz de formar em número enorme de compostos orgânicos. 2- CARACTERÍSTICAS DO ÁTOMO DE CARBONO
  • 11. 3.1- QUANTO AO FECHAMENTO DA CADEIA a) CADEIA ABERTA (ACÍCLICA OU ALIFÁTICA): quando o encadeamento dos átomos não sofre nenhum fechamento. b) CADEIA FECHADA OU CÍCLICA: quando há um fechamento na cadeia, formando-se um ciclo, núcleo ou anel. 3 - TIPOS DE CADEIAS CARBÔNICAS
  • 12. 3.2- QUANTO À DISPOSIÇÃO DOS ÁTOMOS a) CADEIA NORMAL: quando o encadeamento segue uma seqüência única. b) CADEIA RAMIFICADA: quando, na cadeia, surgem ramos ou ramificações. 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS CADEIAS CARBÔNICAS CH3 — CH2 — CH3 CH3 — CH2 — CH2 — CH2 — CH3
  • 13. 3.3 - QUANTO AOS TIPOS DE LIGAÇÕES a) CADEIA SATURADA: quando só existem ligações simples entre os átomos de carbono. b) CADEIA INSATURADA: quando, além das ligações simples, aparecem ligações duplas ou triplas. 4.4 - QUANTO À NATUREZA DOS ÁTOMOS a) CADEIA HOMOGÊNEA: quando, na cadeia, só existem átomos de carbono. b) CADEIA HETEROGÊNEA: quando, na cadeia, além dos átomos de carbono, existem outros átomos (heteroátomos). 4.5- QUANTO À PRESENÇA DO BENZENO a) CADEIA AROMÁTICA: Possui anel benzênico. b) CADEIA NÃO-AROMÁTICA OU ALICÍCLICA: Não possui anel benzênico. Obs.: compostos mistos. 3- CLASSIFICAÇÃO DAS CADEIAS CARBÔNICAS
  • 14.  substâncias que possuem anel benzênico na sua estrutura.  Por esse motivo o anel benzênico também é chamado de anel aromático. Os compostos aromáticos se subdividem em: a) compostos aromáticos mononucleares ou mononucleados: quando contém um único anel benzênico. b) compostos aromáticos polinucleares ou polinucleados: quando contém vários anéis benzênicos; eles se subdividem em:  polinucleares isolados, quando não possuem átomos de carbono em comum.  polinucleares condensados, quando os anéis possuem átomos de carbono em comum. C C C C C C H H H H H H ou ou 4 - BENZENO E COMPOSTOS AROMÁTICOS
  • 15. revelam a estrutura, isto é, a arrumação ou disposição dos átomos dentro das moléculas. FÓRMULA CONDENSADA FÓRMULA BASTÃO OU TRAÇOS C C C H H H C H H C H C H HH H H H H H HC HH H C CH3C CH3 CH3 CH2 CH CH3 CH3 5 - FÓRMULA ESTRUTURAL
  • 16. CARBONO PRIMÁRIO CARBONO SECUNDÁRIO CARBONO TERCIÁRIO CARBONO QUATERNÁRIO 6- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO NUMA CADEIA
  • 17. a) CARBONO PRIMÁRIO: quando está ligado apenas a 1 outro átomo de carbono (ou nenhum); b) CARBONO SECUNDÁRIO: quando está ligado a 2 outros átomos de carbono; 6- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO NUMA CADEIA
  • 18. c) CARBONO TERCIÁRIO: quando está ligado a 3 átomos de carbono; d) CARBONO QUATERNÁRIO: quando está ligado a 4 outros átomos de carbono. 6- CLASSIFICAÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO NUMA CADEIA
  • 19. hibridação ângulo entre os híbridos ligação geometria no de H ligado ao carbono sp3 109o28’ 4 simples ou 2  tetraédrica 4 sp2 120o 1 dupla e 2 simples ou 3  e 1  Trigonal plana 3 sp 180o 1 tripla e 1 simples ou 2  e 2  Linear 2 sp 180o 2 duplas ou 2  e 2  Linear 2 6- AS LIGAÇÕES DO CARBONO NOS COMPOSTOS ORGÂNICOS