SlideShare uma empresa Scribd logo
  1	
  
EXCELENTÍSSIMO	
  SENHOR	
  DOUTOR	
  JUIZ	
  DE	
  DIREITO	
  DA	
  	
  	
  	
  	
  	
  VARA	
  CRIMINAL	
  DA	
  
COMARCA	
  DO	
  RECIFE	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
QUEIXA-­‐CRIME	
  
	
  
	
  
	
  
NOELIA	
   LIMA	
   BRITO,	
   devidamente	
   qualificada	
   no	
   instrumento	
  
procuratório	
  anexo,	
  vem,	
  por	
  seu	
  patrono,	
  constituído	
  pelo	
  instrumento	
  de	
  mandato	
  
antes	
  referido,	
  perante	
  Vossa	
  Excelência,	
  apresentar	
  QUEIXA-­‐CRIME	
  contra	
  DANIEL	
  
FRANCISCO	
   WANDERLEY	
   DE	
   SEIQUEIRA	
   CAMPOS,	
   brasileiro,	
   casado,	
   digitador,	
  
residente	
  na	
  rua	
  Manoel	
  de	
  Almeida	
  Belo,	
  nº	
  85,	
  Bairro	
  Novo,	
  Olinda,	
  CEP	
  53.030-­‐
030,	
   telefone	
   8735-­‐6586	
   e	
   30115769,	
   portador	
   do	
   RG	
   nº	
   4.558.243	
   e	
   do	
   CPF	
   nº	
  
881.779.554-­‐20;	
   JAMESON	
   MAGALHÃES	
   DE	
   OLIVEIRA,	
   brasileiro,	
   solteiro,	
  
digitador,	
  residente	
  e	
  domiciliado	
  na	
  rua	
  Bernardo	
  de	
  Vasconcelos,	
  nº	
  78,	
  Ponto	
  de	
  
Parada,	
  Recife,	
  CEP	
  50.041-­‐400,	
  telefones	
  8459-­‐4600	
  e	
  3355-­‐2360,	
  portador	
  do	
  RG	
  
373.205	
   (SSP/PE)	
   e	
   do	
   CPF	
   832.802.194-­‐34;	
   MARIA	
   CAROLINA	
   TAVARES	
   DE	
  
ARAÚJO,	
  brasileira,	
  casada,	
  digitadora,	
  residente	
  na	
  Rua	
  Assaí,	
  nº	
  102,	
  Campina	
  do	
  
Barreto,	
   Recife,	
   Pernambuco,	
   CEP	
   52.121-­‐071,	
   telefone	
   8807-­‐8017,	
   portadora	
   do	
  
RG	
  nº	
  5.222.980	
  (SDS/PE)	
  e	
  do	
  CPF	
  nº	
  030.625.854-­‐19	
  e	
  contra	
  ROBERTA	
  SOUZA	
  DA	
  
CUNHA	
  MELO,	
  brasileira,	
  solteira,	
  digitadora,	
  residente	
  e	
  domiciliada	
  na	
  Rua	
  João	
  
Fontes,	
   nº	
   112-­‐C,	
   Imbiribeira,	
   Recife/Pe,	
   CEP	
   51.150-­‐050,	
   telefones	
   87234419	
   e	
  
34713521,	
  portadora	
  do	
  RG	
  4739961	
  (SSP/PE)	
  e	
  CPF	
  Nº	
  018.648.144-­‐62,	
  todos	
  	
  com	
  
endereço	
  profissional	
  na	
  Rua	
  do	
  Imperador	
  Pedro	
  II,	
  512,	
  Térreo,	
  Santo	
  Antônio	
  
(Procuradoria	
   da	
   Fazenda	
   Municipal	
   do	
   Recife),	
  pelas	
  razões	
  de	
  fato	
  e	
  de	
  direito	
  
que	
  ora	
  passa	
  a	
  expor:	
  
  2	
  
DA	
   COMPETÊNCIA	
   DA	
   VARA	
   CRIMINAL	
   PARA	
   PROCESSAMENTO	
   DA	
   PRESENTE	
  
QUEIXA-­‐CRIME	
  
Somadas,	
   as	
   penas	
   máximas	
   previstas	
   para	
   os	
   delitos	
   imputados	
  
aos	
  Querelados	
  são	
  superiores	
  a	
  02	
  (dois)	
  anos,	
  razão	
  pela	
  qual,	
  a	
  competência	
  para	
  
processamento	
  da	
  presente	
  Queixa-­‐Crime	
  é	
  da	
  Vara	
  Criminal.	
  
	
  	
  
Às	
  penas	
  dos	
  crimes	
  praticados	
  pelos	
  Querelados,	
  em	
  concurso	
  de	
  
agentes,	
  devem	
  ser	
  aumentadas	
  de	
  1/3	
  (um	
  terço),	
  uma	
  vez	
  que	
  os	
  delitos	
  foram	
  
cometidos	
  contra	
  funcionária	
  pública,	
  em	
  razão	
  de	
  suas	
  funções	
  e	
  na	
  presença	
  de	
  
várias	
  pessoas.	
  
	
  
DA	
   LEGITIMIDADE	
   DA	
   OFENDIDA	
   PARA	
   APRESENTAR	
   AÇÃO	
   PENAL	
   PRIVADA.	
  
SÚMULA	
  714,	
  STF.	
  
	
  
Em	
  se	
  tratando,	
  como	
  de	
  fato	
  se	
  trata,	
  de	
  crime	
  contra	
  a	
  honra	
  de	
  
servidor	
  público	
  no	
  exercício	
  de	
  suas	
  funções,	
  a	
  Súmula	
  714,	
  do	
  STF,	
  já	
  estabeleceu	
  
que	
  “é	
  concorrente	
  a	
  legitimidade	
  do	
  ofendido,	
  mediante	
  queixa,	
  e	
  do	
  Ministério	
  
Público,	
  condicionada	
  à	
  representação	
  do	
  ofendido,	
  para	
  a	
  ação	
  penal	
  por	
  crime	
  
contra	
  a	
  honra	
  de	
  servidor	
  público	
  em	
  razão	
  do	
  exercício	
  de	
  suas	
  funções”.	
  
	
  
A	
   ofendida,	
   portanto,	
   tem	
   legitimidade	
   para	
   oferecer	
   a	
   presente	
  
Queixa-­‐Crime.	
  Nesse	
  sentido:	
  
	
  
“RESP	
  533651	
  
Relator(a)	
  Ministro	
  PAULO	
  GALLOTTI	
  
Data	
  da	
  Publicação	
  23/10/2003	
  
Decisão	
  
RECURSO	
  ESPECIAL	
  Nº	
  533.651	
  -­‐	
  MG	
  (2003/0054100-­‐2)	
  
RELATOR	
  :	
  MINISTRO	
  PAULO	
  GALLOTTI	
  
RECORRENTE	
  :	
  EPAMINONDAS	
  FULGÊNCIO	
  NETO	
  
RECORRENTE	
  :	
  BERTOLDO	
  MATEUS	
  DE	
  OLIVEIRA	
  FILHO	
  
ADVOGADO	
  :	
  DÉCIO	
  FULGÊNCIO	
  ALVES	
  DA	
  CUNHA	
  
  3	
  
RECORRIDO	
  	
  :	
  PAULO	
  ROBERTO	
  MOREIRA	
  CANÇADO	
  
RECORRIDO	
  	
  :	
  GILVAN	
  ALVES	
  FRANCO	
  
ADVOGADO	
  :	
  ANTÔNIO	
  FRANCISCO	
  PATENTE	
  
DECISÃO:	
  
PENAL.	
   CRIME	
   CONTRA	
   A	
   HONRA	
   PRATICADO	
   CONTRA	
   FUNCIONÁRIO	
  
PÚBLICO	
   PROPTER	
   OFFICIUM.	
   LEGITIMIDADE	
   CONCORRENTE	
   DOS	
  
OFENDIDOS	
   E	
   DO	
   MINISTÉRIO	
   PÚBLICO.	
   VIOLAÇÃO	
   DE	
   DISPOSITIVO	
  
CONSTITUCIONAL.	
  IMPOSSIBILIDADE	
  DE	
  EXAME	
  EM	
  RECURSO	
  ESPECIAL.	
  
1.	
   É	
   impossível	
   o	
   exame	
   de	
   violação	
   a	
   dispositivos	
   constitucionais	
   em	
  
sede	
  de	
  recurso	
  especial,	
  mister	
  reservado	
  ao	
  Supremo	
  Tribunal	
  Federal	
  
pela	
  via	
  do	
  extraordinário.	
  	
  
2.	
  É	
  pacífico	
  o	
  entendimento	
  desta	
  Corte	
  no	
  sentido	
  de	
  que,	
  nos	
  crimes	
  
contra	
   a	
   honra	
   de	
   funcionário	
   público	
   propter	
   officium,	
   a	
   legitimidade	
  
para	
  o	
  ajuizamento	
  da	
  ação	
  penal	
  	
  é	
  tanto	
  do	
  ofendido,	
  em	
  ação	
  penal	
  
privada,	
   quanto	
   do	
   Ministério	
   Público,	
   em	
   ação	
   penal	
   pública	
  
condicionada.	
  
3.	
  Recurso	
  especial	
  parcialmente	
  provido.”	
  
	
  
DOS	
  FATOS	
  E	
  DO	
  DIREITO	
  A	
  ESTES	
  APLICÁVEL	
  
	
  
Os	
  Querelados,	
  no	
  último	
  dia	
  10	
  de	
  abril	
  de	
  2014,	
  com	
  o	
  intuito,	
  
único	
   e	
   exclusivo	
   de	
   desconstruírem	
   a	
   imagem	
   pública	
   da	
   Querelante,	
   mediante	
  
ataques	
  mesquinhos,	
  inverídicos	
  e	
  rasteiros	
  à	
  sua	
  honra,	
  em	
  concurso	
  de	
  pessoas,	
  
nos	
  moldes	
  previstos	
  pelo	
  artigo	
  29,	
  do	
  Código	
  Penal,	
  tiveram	
  a	
  ousadia	
  de	
  inventar	
  
todo	
  tipo	
  de	
  descalabros,	
  chegando	
  ao	
  cúmulo	
  do	
  absurdo	
  de	
  imputar,	
  à	
  Querelante,	
  
a	
  prática	
  de	
  crimes	
  contra	
  suas	
  próprias	
  honras	
  e	
  à	
  honra	
  de	
  terceiros,	
  com	
  o	
  que	
  se	
  
tem	
   por	
   consumadas	
   as	
   condutas	
   tipificadas	
   nos	
   arts.	
   138,	
   139	
   e	
   140,	
   do	
   Código	
  
Penal	
  Brasileiro.	
  
	
  
O	
   art.	
   138,	
   do	
   CP	
   dispõe:	
   “Caluniar	
   alguém,	
   imputando-­‐lhe	
  
falsamente	
  fato	
  definido	
  como	
  crime”.	
  	
  A	
  pena	
  é	
  de	
  detenção	
  de	
  6	
  (seis)	
  meses	
  a	
  2	
  
(dois)	
  anos.	
  O	
  §	
  1º	
  do	
  mesmo	
  artigo	
  ainda	
  dispõe	
  que	
  incorre	
  na	
  mesma	
  pena	
  aquele	
  
que	
  sabendo	
  falsa	
  a	
  imputação,	
  a	
  propala	
  ou	
  divulga.	
  Já	
  o	
  §	
  3º,	
  também	
  do	
  artigo	
  
  4	
  
138,	
   diz	
   que	
   para	
   o	
   crime	
   de	
   calúnia	
   é	
   admitida	
   a	
   exceção	
   da	
   verdade,	
   salvo	
   se	
  
constituindo	
  o	
  fato	
  imputado	
  crime	
  de	
  ação	
  privada,	
  o	
  ofendido	
  não	
  foi	
  condenado	
  
por	
  sentença	
  irrecorrível.	
  
	
  
Os	
   crimes	
   foram	
   praticados	
   durante	
   interrogatório	
   em	
   inquérito	
  
administrativo	
   forjado	
   pela	
   gestão	
   Geraldo	
   Júlio,	
   do	
   PSB,	
   portanto,	
   do	
   subalterno	
  
prefeito	
   secretário	
   do	
   presidenciável	
   Eduardo	
   Campos,	
   a	
   quem	
   a	
   Querelante	
   faz	
  
oposição	
   ferrenha,	
   corajosa	
   e	
   quase	
   solitária,	
   dentro	
   do	
   Estado	
   de	
   Pernambuco,	
  
conforme	
  prova	
  documental	
  ora	
  acostada.	
  
	
  
Não	
  é	
  a	
  primeira	
  vez	
  que	
  os	
  Querelados,	
  movidos	
  por	
  sentimentos	
  
menores,	
  aliaram-­‐se	
  para	
  atacar	
  a	
  honra	
  da	
  Querelante.	
  Em	
  2011,	
  os	
  Querelados	
  já	
  
demonstravam	
  seu	
  animus	
  caluniandi,	
  difamandi	
  e	
  injuriandi	
  contra	
  a	
  Querelante,	
  
quando	
   produziram	
   um	
   abaixo-­‐assinado	
   onde	
   faziam	
   acusações	
   com	
   uso	
   de	
  
expressões	
  de	
  baixíssimo	
  calão,	
  atribuindo-­‐as	
  à	
  Querelante	
  e	
  esta,	
  por	
  ser	
  pessoa	
  
cristã	
  e	
  de	
  sentimentos	
  elevados,	
  tendo	
  em	
  vista	
  pensar	
  que	
  os	
  Querelados	
  eram	
  
indivíduos	
  hipossuficientes,	
  chegou	
  a	
  relevar,	
  naquela	
  ocasião,	
  as	
  ofensas	
  que	
  lhe	
  
eram	
  assacadas.	
  
	
  
Malsatisfeitos,	
   porém,	
   ou	
   quiçá,	
   sentindo-­‐se	
   amparados	
   ou	
  
premiados	
  pela	
  impunidade,	
  ao	
  invés	
  de	
  se	
  mostrarem	
  gratos	
  pela	
  generosidade	
  da	
  
Querelante,	
   voltaram	
   a	
   ofendê-­‐la	
   com	
   o	
   propósito	
   repugnante	
   de	
   servir	
   à	
   atual	
  
gestão	
   da	
   qual	
   a	
   Querelante	
   é	
   crítica	
   e	
   contra	
   a	
   qual	
   já	
   apresentou,	
   inclusive	
  
denúncia	
  à	
  Polícia	
  Federal	
  por	
  fraudes	
  em	
  licitações,	
  acompanhada	
  de	
  pedidos	
  de	
  
investigação	
  de	
  ameaças	
  perpetradas	
  contra	
  si	
  e	
  contra	
  sua	
  genitora,	
  do	
  mesmo	
  
modo	
   que	
   se	
   prestaram	
   a	
   servir	
   à	
   anterior,	
   também	
   alvo	
   de	
   denúncias	
   de	
  
irregularidades	
  por	
  parte	
  da	
  Querelante	
  que	
  iam	
  desde	
  a	
  falsificação	
  de	
  assinaturas	
  
de	
   procuradores	
   e	
   comprovantes	
   de	
   quitação	
   de	
   débitos,	
   no	
   âmbito	
   da	
  
Procuradoria	
   da	
   Fazenda	
   Municipal	
   do	
   Recife,	
   até	
   desvios	
   de	
   finalidade	
   nas	
  
terceirizações	
  de	
  digitadores	
  na	
  mesma	
  Procuradoria,	
  passando	
  por	
  contratações	
  
de	
  estagiários	
  fantasmas,	
  tudo	
  conforme	
  documentação	
  em	
  anexo.	
  
	
  
  5	
  
Os	
  fatos	
  a	
  seguir	
  narrados	
  demonstrarão	
  cabalmente	
  o	
  verdadeiro	
  
conluio	
   formado	
   pelos	
   Querelados	
   no	
   sentido	
   de	
   desqualificarem	
   a	
   Querelante	
   e	
  
destruírem	
  sua	
  honra,	
  razão	
  pela	
  qual	
  devem	
  ser	
  severamente	
  punidos	
  nos	
  termos	
  
da	
   lei	
   penal	
   vigente,	
   para	
   que	
   finalmente	
   cessem	
   com	
   a	
   perseguição	
   que	
   vêm	
  
praticando	
   maldosa	
   e	
   desumanamente	
   contra	
   a	
   Querelante,	
   tão	
   somente	
   porque	
  
querem	
  prestar	
  serviço	
  aos	
  poderosos	
  de	
  ocasião.	
  	
  
	
  
Conforme	
   se	
   vê,	
   todos	
   os	
   Querelados,	
   apesar	
   de	
   serem	
  
terceirizados	
   e,	
   portanto,	
   nunca	
   terem	
   prestado	
   concurso	
   público,	
   mantém-­‐se	
  
vinculados	
  à	
  Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  Municipal,	
  quando	
  muitos	
  de	
  seus	
  colegas	
  já	
  
foram	
  desligados.	
  Alguns	
  já	
  passaram	
  por	
  gestões	
  do	
  PFL,	
  de	
  Roberto	
  Magalhães,	
  
hoje	
  DEM,	
  do	
  PT	
  de	
  João	
  Paulo,	
  do	
  PT	
  de	
  João	
  da	
  Costa,	
  que	
  rompeu	
  politicamente	
  
com	
  o	
  primeiro	
  e	
  agora	
  estão	
  inseridos	
  na	
  gestão	
  do	
  PSB,	
  de	
  Geraldo	
  Júlio,	
  o	
  que	
  só	
  
comprova	
  sua	
  disposição	
  para	
  servir	
  a	
  quem	
  estiver	
  no	
  comando,	
  mesmo	
  que	
  para	
  
isso	
  tenham	
  que	
  destruir	
  a	
  reputação	
  de	
  pessoas	
  honradas	
  como	
  a	
  Querelante.	
  
	
  
Em	
  seu	
  depoimento	
  de	
  fls.	
  137/140	
  do	
  Inquérito	
  Administrativo	
  nº	
  
2412/2013-­‐CCI,	
  a	
  Querelada	
  MARIA	
  CAROLINA	
  TAVARES	
  DE	
  ARAUJO,	
  em	
  ato	
  falho,	
  
após	
   difamar	
   ferozmente	
   a	
   Querelante,	
   deixou	
   escapar	
   a	
   seguinte	
   declaração:	
  
“quem	
   não	
   tem	
   medo	
   de	
   ser	
   demitido”,	
   ao	
   perceber	
   seu	
   ato	
   falho,	
   o	
   qual	
   a	
  
Querelante	
  fez	
  questão	
  que	
  fosse	
  consignado	
  no	
  Termo	
  de	
  Depoimento,	
  pela	
  CCI	
  
(doc.	
  anexo),	
  a	
  Querelada	
  tentou	
  fazer	
  crer	
  que	
  o	
  medo	
  da	
  demissão	
  seria	
  causado	
  
pela	
   Querelante,	
   chegando	
   a	
   afirmar	
   no	
   mesmo	
   depoimento	
   que	
   esse	
   medo	
   lhe	
  
teria	
  sido	
  incutido	
  pela	
  procuradora	
  Juliana	
  Santa	
  Cruz,	
  que,	
  segundo	
  a	
  Querelada,	
  
MARIA	
  CAROLINA	
  TAVARES	
  DE	
  ARAUJO,	
  era	
  uma	
  espécie	
  de	
  protetora	
  sua:	
  “Que	
  
Dra.	
  Juliana	
  Santa	
  Cruz	
  ainda	
  disse	
  a	
  ela	
  depoente	
  que	
  ela	
  tivera	
  sorte,	
  pois	
  havia	
  
interferido	
  no	
  sentido	
  dela	
  depoente	
  permanecer	
  como	
  prestadora	
  de	
  serviços	
  na	
  
procuradoria,	
  vez	
  que	
  a	
  investigada	
  iria	
  demiti-­‐la.”	
  
	
  
Causa	
  espécie	
  à	
  Querelante	
  que	
  a	
  procuradora	
  Juliana	
  Santa	
  Cruz	
  
tenha	
  feito	
  tal	
  declaração	
  à	
  Querelada,	
  uma	
  vez	
  que	
  como	
  restou	
  comprovado	
  pelo	
  
depoimento	
  prestado	
  pelo	
  então	
  secretário	
  de	
  Assuntos	
  Jurídicos	
  à	
  mesma	
  CCI,	
  Dr.	
  
  6	
  
Cláudio	
   Ferreira,	
   a	
   Querelante	
   jamais	
   teve	
   poderes	
   para	
   demitir	
   ninguém,	
   sendo	
  
essa	
  atribuição	
  exclusiva	
  do	
  Secretário,	
  razão	
  pela	
  qual	
  e	
  tendo	
  em	
  vista	
  o	
  histórico	
  
de	
  inverdades	
  produzidas	
  pelos	
  Querelantes	
  em	
  seus	
  depoimentos,	
  não	
  é	
  factível	
  
pensar	
   que	
   fora	
   a	
   procuradora	
   Juliana	
   Santa	
   Cruz	
   quem	
   estivesse	
   a	
   disseminar	
  
inverdades	
   entre	
   os	
   prestadores	
   de	
   serviços,	
   entre	
   estes,	
   a	
   própria	
   Querelada,	
  
MARIA	
   CAROLINA	
   TAVARES	
   DE	
   ARAUJO,	
   pois	
   referida	
   procuradora,	
   obviamente,	
  
tinha	
  conhecimento	
  do	
  que	
  restou	
  confirmado	
  pelo	
  ex-­‐secretário	
  Cláudio	
  Ferreira,	
  
em	
   seu	
   depoimento.	
   A	
   documentação	
   acostada	
   também	
   comprova	
   que	
   a	
  
competência	
  para	
  contratar	
  ou	
  dispensar	
  terceirizados	
  é	
  exclusiva	
  do	
  Secretário	
  de	
  
Assuntos	
  Jurídicos	
  e,	
  jamais,	
  de	
  qualquer	
  procurador,	
  mesmo	
  do	
  procurador-­‐chefe,	
  
como,	
   aliás,	
   é	
   de	
   conhecimento	
   público	
   e	
   notório	
   na	
   Procuradoria	
   do	
   Município,	
  
onde	
   não	
   é	
   raro	
   ocorrerem	
   apadrinhamentos,	
   daí	
   porque,	
   conforme	
   restou	
  
demonstrado	
  em	
  vários	
  depoimentos	
  prestados	
  à	
  CCI,	
  por	
  procuradores,	
  inclusive,	
  a	
  
ora	
  Querelante	
  sempre	
  defendeu	
  a	
  criação	
  de	
  cargos	
  efetivos	
  para	
  o	
  corpo	
  auxiliar	
  
das	
  Procuradorias	
  e	
  a	
  realização	
  de	
  concurso	
  público	
  para	
  provê-­‐los,	
  o	
  que	
  é	
  bem	
  
diferente	
   de	
   chamar	
   terceirizados	
   de	
   “vagabundos”,	
   “barrigas	
   de	
   lombrigas”,	
  
“ladrões”	
  e	
  “menos	
  dispostos	
  do	
  que	
  seu	
  cachorro”.	
  	
  
	
  
O	
   fato	
   dos	
   Querelados	
   terem	
   seus	
   Interesses	
   de	
   alguma	
   forma	
  
contrariados	
  ou	
  ameaçados	
  pela	
  postura	
  em	
  defesa	
  da	
  legalidade	
  e	
  da	
  moralidade	
  
administrativas	
   não	
   justifica	
   o	
   cometimento	
   dos	
   crimes	
   contra	
   a	
   honra	
   da	
  
Querelante,	
   devendo	
   ser	
   restabelecida	
   a	
   ordem	
   jurídica	
   que	
   tem	
   sido	
  
sistematicamente	
  violada	
  pelos	
  prefalados	
  ofensores.	
  
	
  
Às	
  fls.	
  125,	
  do	
  Inquérito	
  administrativo	
  nº	
  2412/2013	
  (doc.	
  anexo),	
  
a	
   Querelada	
   ROBERTA	
   SOUZA	
   DA	
   CUNHA	
   MELO	
   afirmou	
   categoricamente	
   “que	
  
ouviu	
  em	
  outras	
  oportunidades	
  a	
  investigada	
  dizer	
  que	
  os	
  prestadores	
  de	
  serviço	
  
estavam	
   roubando	
   ou	
   recebendo	
   vantagens;	
   que	
   em	
   determinado	
   dia,	
   por	
  
exemplo,	
   atendia	
   contribuinte	
   no	
   2º	
   andar	
   da	
   Procuradoria	
   e	
   aquilo	
   chamava	
   a	
  
atenção	
   da	
   investigada,	
   vez	
   que	
   o	
   atendimento	
   era	
   no	
   térreo,	
   ao	
   público,	
  
chegando	
   a	
   proibir	
   e	
   nessas	
   oportunidades	
   era	
   que	
   ela	
   assacava	
   acusações	
  
referidas,	
   no	
   sentido	
   de	
   que	
   os	
   prestadores	
   de	
   serviços	
   estariam	
   roubando	
   ou	
  
  7	
  
recebendo	
  vantagens	
  para	
  tanto;	
  que	
  a	
  investigada	
  costumava	
  dizer	
  em	
  ambientes	
  
públicos	
  que	
  os	
  prestadores	
  de	
  serviços	
  ‘eram	
  vagabundos	
  e	
  não	
  queriam	
  nada’”	
  
(grifamos)	
  
	
  
Em	
   outro	
   trecho	
   de	
   seu	
   depoimento	
   prestado	
   na	
   qualidade	
   de	
  
informante,	
   à	
   Comissão	
   de	
   Inquérito	
   da	
   Prefeitura	
   do	
   Recife,	
   no	
   último	
   dia	
  
10/04/2014,	
  portanto,	
  sem	
  prestar	
  compromisso,	
  podendo	
  mentir	
  à	
  vontade,	
  o	
  que	
  
não	
  lhe	
  dá,	
  porém,	
  imunidade	
  para	
  cometer	
  crimes	
  contra	
  a	
  honra	
  de	
  quem	
  quer	
  
que	
  seja,	
  o	
  que	
  inclui	
  a	
  honra,	
  por	
  óbvio,	
  da	
  ora	
  Querelante,	
  a	
  Querelada	
  ROBERTA	
  
SOUZA	
  DA	
  CUNHA	
  MELO	
  vai	
  mais	
  além,	
  chegando	
  a	
  afirmar	
  “que	
  ‘ouviu	
  falar’	
  que	
  o	
  
prestador	
  de	
  serviços	
  Carlos,	
  conhecido	
  pela	
  alcunha	
  de	
  Carlão	
  se	
  sentiu	
  atingido	
  
por	
   comentários	
   feitos	
   por	
   parte	
   da	
   investigada	
   no	
   sentido	
   de	
   que	
   o	
   mesmo	
  
participava	
   de	
   falcatruas	
   e	
   se	
   sentindo	
   lesado	
   foi	
   questionar	
   a	
   investigada	
  
diretamente,	
  esta	
  lhe	
  disse	
  que	
  não	
  tinha	
  lhe	
  dirigido	
  qualquer	
  acusação	
  e	
  que	
  por	
  
esse	
  motivo	
  se	
  sentiu	
  confortável,	
  por	
  entender	
  que	
  a	
  acusada	
  se	
  retratara;	
  que	
  
não	
  sabe	
  informar	
  se	
  o	
  prestador	
  de	
  serviço	
  Carlão	
  além	
  de	
  advogado	
  é	
  professor	
  
de	
   cursinho	
   de	
   direito;	
   que	
   não	
   tem	
   conhecimento	
   de	
   que	
   o	
   prestador	
   Carlão	
  
tenha	
   registrado	
   alguma	
   ocorrência	
   contra	
   ela	
   investigada,	
   ou	
   ação	
   por	
   danos	
  
morais.”	
  
	
  
A	
   conduta	
   da	
   Querelada	
   ROBERTA	
   SOUZA	
   DA	
   CUNHA	
   MELO	
   se	
  
adequa	
  perfeitamente	
  ao	
  tipo	
  penal	
  previsto	
  no	
  precitado	
  art.	
  138	
  do	
  CP,	
  uma	
  vez	
  
que	
   por	
   diversas	
   oportunidades,	
   em	
   seu	
   depoimento	
   como	
   informante,	
   imputou	
  
falsamente	
   à	
   Querelante	
   à	
   prática	
   dos	
   crimes	
   de	
   calúnia,	
   difamação	
   e	
   injúria,	
   ao	
  
afirmar	
  categoricamente	
  que	
  a	
  Querelante	
  acusara	
  a	
  ela	
  e	
  a	
  terceiros	
  de	
  praticarem	
  
roubos	
  (art.	
  157,	
  CP)	
  e	
  de	
  solicitarem	
  vantagens	
  indevidas	
  (corrupção	
  passiva,	
  art.	
  
317,	
   CP)	
   a	
   contribuintes,	
   de	
   “vagabundos”	
   e	
   além	
   das	
   rasteiras	
   expressões	
  
“vagabundinha”	
  e	
  “barrigas	
  e	
  lombrigas”.	
  	
  
	
  
O	
  crime	
  de	
  calúnia	
  foi	
  praticado,	
  inclusive,	
  na	
  forma	
  prevista	
  no	
  §	
  
1º	
   do	
   mesmo	
   artigo,	
   uma	
   vez	
   que	
   apesar	
   de	
   ciente	
   de	
   que	
   a	
   Querelante	
   negara,	
  
segundo	
   a	
   suposta	
   vítima	
   “Carlão”,	
   tê-­‐lo	
   caluniado,	
   a	
   ponto	
   deste,	
   mesmo	
   sendo	
  
  8	
  
advogado	
  e	
  professor	
  de	
  cursinhos	
  de	
  direito,	
  jamais	
  ter	
  movido	
  qualquer	
  ação	
  ou	
  
queixa-­‐crime,	
   ou	
   mesmo	
   pedido	
   de	
   danos	
   morais	
   em	
   ação	
   trabalhista	
   em	
  
decorrência	
  do	
  contrato	
  de	
  prestação	
  de	
  serviços	
  junto	
  à	
  Procuradoria,	
  ainda	
  assim,	
  
a	
  Querelada	
  fez	
  questão	
  de	
  propagar	
  a	
  mentirosa	
  acusação.	
  
	
  
Conforme	
  disposto	
  no	
  art.	
  29,	
  do	
  CP,	
  “Quem,	
  de	
  qualquer	
  modo,	
  
concorre	
   para	
   o	
   crime	
   incide	
   nas	
   penas	
   a	
   este	
   cominadas,	
   na	
   medida	
   de	
   sua	
  
culpabilidade”.	
  	
  
	
  
A	
   leitura	
   do	
   conjunto	
   dos	
   depoimentos	
   deixa	
   claro	
   que	
   houve	
  
prévio	
   ajuste	
   entre	
   os	
   Querelados	
   para	
   que	
   seus	
   depoimentos	
   produzissem	
   o	
  
resultado	
   criminoso	
   contra	
   a	
   honra	
   da	
   Querelante,	
   sendo	
   de	
   fácil	
   percepção	
   as	
  
remissões	
  que	
  uns	
  faziam	
  aos	
  outros	
  numa	
  total	
  e	
  evidente	
  cumplicidade.	
  
	
  
Em	
   dado	
   momento	
   de	
   seu	
   depoimento,	
   a	
   Querelada	
   MARIA	
  
CAROLINA	
   TAVARES	
   DE	
   ARAÚJO,	
   prestado	
   no	
   dia	
   10/04/2014,	
   afirma	
   “que	
  
presenciou	
  a	
  investigada	
  chamando	
  os	
  prestadores	
  de	
  serviços	
  ‘de	
  vagabundos’	
  e	
  
que	
   ‘seu	
   cachorro	
   era	
   mais	
   disposto	
   do	
   que	
   os	
   prestadores	
   de	
   serviços.’”	
  
Afirmações	
   vagas,	
   sem	
   provas,	
   como	
   as	
   dos	
   demais	
   co-­‐autores	
   o	
   que	
   por	
   si	
   já	
  
demonstra	
   seu	
   animus	
   caluniandi,	
   uma	
   vez	
   que	
   sendo	
   ela	
   uma	
   das	
   prestadoras,	
  
portanto,	
  ofendida,	
  em	
  tese,	
  pelas	
  supostas	
  agressões	
  verbais,	
  jamais	
  ingressou	
  com	
  
queixa-­‐crime	
   ou	
   mesmo	
   com	
   denúncia	
   ao	
   Ministério	
   Público	
   do	
   Trabalho	
   ou	
   ao	
  
sindicato	
  de	
  sua	
  categoria,	
  que,	
  após	
  a	
  data	
  em	
  que	
  os	
  fatos	
  pela	
  Querelada	
  teriam	
  
ocorrido,	
  firmaram	
  Termo	
  de	
  Ajustamento	
  de	
  Conduta	
  com	
  o	
  Município	
  do	
  Recife	
  e	
  
a	
  empresa	
  terceirizada	
  empregadora	
  da	
  Querelada	
  e	
  demais	
  co-­‐autores,	
  sem	
  que	
  
em	
  nenhum	
  momento	
  fosse	
  estabelecida	
  qualquer	
  cláusula	
  a	
  respeito	
  de	
  reparação	
  
de	
  danos	
  morais.	
  
	
  
Por	
   outro	
   lado,	
   a	
   Querelada	
   MARIA	
   CAROLINA	
   TAVARES	
   DE	
  
ARAÚJO,	
   confessa	
   que	
   “não	
   requereu	
   danos	
   morais	
   ao	
   ingressar	
   com	
   a	
  
mencionada	
   reclamação	
   trabalhista	
   contra	
   a	
   Capitá	
   (sic),	
   que	
   não	
   fez	
   qualquer	
  
denúncia	
  contra	
  a	
  investigada	
  perante	
  outros	
  órgãos,	
  salvo	
  o	
  ora	
  em	
  apuração.”	
  	
  
  9	
  
Estranhamente,	
   passados	
   mais	
   de	
   três	
   anos	
   da	
   data	
   em	
   que	
   os	
  
Querelados	
  afirmam	
  caluniosamente	
  que	
  a	
  Querelante	
  teria	
  cometido	
  crimes	
  contra	
  
suas	
   honras	
   e	
   a	
   de	
   seus	
   colegas	
   (estes,	
   em	
   geral,	
   sequer	
   identificados)	
   e	
   após	
  
diversas	
  oportunidades	
  passadas	
  diante	
  de	
  autoridades	
  isentas	
  em	
  que	
  poderiam	
  ter	
  
requerido	
  reparação,	
  deixaram	
  precluir	
  seu	
  suposto	
  direito	
  para	
  virem	
  agora	
  atacar	
  
a	
   honra	
   da	
   Querelante	
   com	
   suas	
   infâmias.	
   Qual	
   o	
   propósito	
   perseguido	
   pelos	
  
Querelados	
   se	
   não	
   o	
   de	
   destruir	
   a	
   reputação	
   da	
   Querelante?	
   Isso,	
   pela	
   simples	
  
observação	
  do	
  modus	
  operandi	
  dos	
  caluniadores,	
  fica	
  bem	
  evidente.	
  
	
  
Em	
  seu	
  depoimento,	
  às	
  fls.	
  128/131,	
  do	
  inquérito	
  administrativo	
  nº	
  
2412/2013-­‐CCI,	
   por	
   exemplo,	
   o	
   Querelado	
   DANIEL	
   FRANCISCO	
   WANDERLEY	
   DE	
  
SIQUEIRA	
  CAMPOS	
  afirma	
  que	
  “em	
  determinado	
  dia	
  a	
  investigada	
  abriu	
  a	
  porta	
  da	
  
sala	
  onde	
  ele	
  depoente	
  estava,	
  e	
  jogando	
  dois	
  papeis	
  sobre	
  a	
  mesa,	
  indagou	
  quem	
  
eram	
   aquelas	
   pessoas,	
   tendo	
   ele	
   depoente	
   esclarecido	
   que	
   se	
   tratava	
   (sic)	
   de	
  
Henrique	
   e	
   Tiago,	
   os	
   quais	
   faziam	
   entrega	
   de	
   documentos	
   externos;	
   que	
   ela	
  
investigada	
  procurou	
  saber	
  onde	
  eles	
  estavam,	
  tendo	
  ele	
  depoente	
  informado	
  que	
  
já	
  haviam	
  saído	
  para	
  realizar	
  entregas.	
  Que	
  a	
  investigada	
  chamou	
  os	
  mesmos	
  de	
  
vagabundos	
   defronte	
   de	
   todas	
   as	
   pessoas	
   que	
   estavam	
   ali	
   presentes;	
   que	
   essas	
  
pessoas	
   eram	
   contribuintes,	
   prestadores	
   de	
   serviços	
   e	
   funcionários	
   do	
   quadro	
  
desta	
  Prefeitura”.	
  
	
  
Por	
  sua	
  vez,	
  o	
  Querelado	
  JAMESON	
  MAGALHÃES	
  DE	
  OLIVEIRA,	
  em	
  
seu	
  depoimento	
  de	
  fls.	
  132/134,	
  prestado	
  no	
  mesmo	
  dia	
  10/04/2014,	
  afirma	
  “que	
  
presenciou	
   em	
   determinada	
   oportunidade,	
   a	
   investigada	
   procurar	
   por	
   alguns	
  
motoboys	
   e	
   não	
   estando	
   presentes	
   disse	
   que	
   ‘iria	
   demitir	
   aqueles	
   vagabundos’;	
  
que	
   a	
   investigada	
   não	
   procurou	
   identificar	
   quem	
   seriam	
   estes	
   motoboys;	
   que	
   a	
  
investigada	
  nunca	
  tratou	
  ele	
  depoente	
  de	
  forma	
  que	
  não	
  fosse	
  urbana”.	
  
	
  
Em	
  outro	
  ponto	
  de	
  seu	
  depoimento,	
  ainda	
  o	
  Querelando	
  JAMESON	
  
MAGALHÃES	
  DE	
  OLIVEIRA	
  afirma	
  que	
  quanto	
  ao	
  abaixo-­‐assinado	
  escrito	
  em	
  2011	
  
onde	
   ele	
   reconhece	
   sua	
   assinatura	
   se	
   dizendo	
   “testemunha”	
   de	
   atos	
   ofensivos	
  
contra	
   prestadores	
   que	
   teriam	
   sido	
   praticados	
   pela	
   Querelante,	
   naquela	
  
  10	
  
oportunidade,	
   apenas	
   “leu	
   de	
   forma	
   superficial”	
   e	
   que	
   “escutou	
   nos	
   corredores	
  
alguns	
   prestadores	
   de	
   serviço	
   comentarem	
   que	
   a	
   investigada	
   havia	
   gritado	
   com	
  
eles	
  ou	
  chamado	
  de	
  vagabundos;	
  que	
  não	
  se	
  recorda	
  no	
  momento	
  o	
  nome	
  desses	
  
prestadores	
   que	
   fizeram	
   os	
   aludidos	
   comentários,	
   que	
   não	
   sabe	
   informar	
   quem	
  
redigiu	
  ou	
  digitou	
  o	
  documento	
  constante	
  destes	
  autos	
  objeto	
  da	
  denúncia,	
  bem	
  
como,	
   não	
   se	
   recorda	
   quem	
   tenha	
   levado	
   o	
   referido	
   documento	
   para	
   colher	
   a	
  
assinatura	
  dele	
  depoente.”	
  
	
  
Sobre	
  os	
  terceirizados	
  que	
  teriam	
  sido	
  atacados	
  em	
  sua	
  honra	
  pela	
  
Querelada,	
  os	
  “motoboys”	
  a	
  que	
  se	
  refere	
  o	
  Querelado	
  JAMESON	
  MAGALHÃES	
  DE	
  
OLIVEIRA	
   em	
   seu	
   depoimento	
   difamatório	
   e	
   mentiroso	
   prestado	
   no	
   último	
   dia	
  
10/04/2014,	
   este	
   ainda	
   afirma	
   “que	
   não	
   sabe	
   informar	
   quantos	
   motoboys	
  
trabalhavam	
  na	
  Procuradoria	
  Fiscal,	
  pois	
  prestavam	
  serviços	
  para	
  outros	
  setores”	
  e	
  
“que	
  assinou	
  os	
  ab	
  (sic)	
  abaixo-­‐assinados	
  em	
  face	
  dos	
  fatos	
  já	
  mencionados	
  por	
  ele	
  
depoente,	
  com	
  relação	
  aos	
  motoboys	
  e	
  conversas	
  de	
  corredores”.	
  
	
  
A	
   trama	
   urdida	
   pelos	
   difamadores	
   é	
   tão	
   atrapalhada	
   que	
   para	
  
inventarem	
   mais	
   mentiras	
   contra	
   a	
   Querelante,	
   envolvem	
   personagens	
   fictícias,	
  
como	
   os	
   tais	
   “motoboys”.	
   Ocorre	
   que	
   sequer	
   existia	
   contrato	
   de	
   prestação	
   de	
  
serviços	
  entre	
  a	
  secretaria	
  de	
  Assuntos	
  Jurídicos	
  e	
  empresas	
  de	
  serviços	
  de	
  entregas	
  
de	
  documentos	
  durante	
  o	
  período	
  em	
  que	
  a	
  Querelante	
  esteve	
  na	
  chefia	
  daquele	
  
órgão.	
   Além	
   disso,	
   todos	
   os	
   documentos	
   da	
   Procuradoria	
   da	
   Fazenda	
   Municipal	
  
eram	
   entregues	
   por	
   servidores	
   administrativos	
   do	
   próprio	
   quadro,	
   dois	
   contínuos	
  
que,	
   inclusive	
   recebiam	
   vale-­‐transporte	
   para	
   fazerem	
   suas	
   locomoções	
   ou	
   eram	
  
levados	
  por	
  veículos	
  locados	
  pela	
  Secretária	
  e	
  postos	
  à	
  disposição	
  da	
  Procuradoria.	
  	
  
Já	
  as	
  cartas	
  de	
  cobrança	
  eram	
  entregues	
  por	
  “estafetas”	
  fornecidos	
  pela	
  Secretearia	
  
de	
   Finanças.	
   Se	
   havia	
   “motoboy”	
   prestando	
   algum	
   serviço	
   de	
   entrega	
   de	
  
documentos	
  para	
  a	
  Procuradoria,	
  foram	
  contratados	
  por	
  quem?	
  Estavam	
  a	
  serviço	
  
de	
  quem?	
  Cumpriam	
  ordens	
  dadas	
  por	
  quem?	
  Que	
  tipo	
  de	
  documentos	
  entregavam	
  
e	
   para	
   quem?	
   Quem	
   autorizou	
   tal	
   serviço	
   clandestino	
   por	
   parte	
   desses	
  
terceirizados?	
  	
  
	
  
  11	
  
Desde	
  outubro	
  de	
  2007,	
  quando	
  venceu	
  o	
  contrato	
  nº	
  227/2005,	
  
não	
   há	
   mais	
   serviço	
   de	
   “motoboys”	
   à	
   disposição	
   da	
   Procuradoria	
   da	
   Fazenda	
   do	
  
Recife.	
  Nova	
  licitação	
  foi	
  tentada,	
  mas	
  restou	
  deserta,	
  inclusive	
  tendo	
  em	
  vista	
  ação	
  
judicial	
  movida	
  pela	
  Empresa	
  Brasileira	
  de	
  Correios	
  e	
  Telégrafos	
  alegando	
  que	
  esse	
  
tipo	
   de	
   contrato	
   feria	
   o	
   monopólio	
   da	
   estatal.	
   Assim,	
   acaso	
   alguém	
   estivesse	
  
patrocinando	
   tal	
   prática	
   estaria	
   incorrendo	
   em	
   gravíssima	
   ilegalidade	
   e	
   em	
  
descumprimento	
  de	
  ordem	
  judicial:	
  
	
  
	
  
A	
   Justiça	
   Federal	
   não	
   admite	
   que	
   a	
   Prefeitura	
   se	
   utilize	
   de	
  
terceirizados	
   para	
   entregar	
   documentos,	
   autorizando,	
   tão	
   somente,	
   que	
   essa	
  
entrega	
  seja	
  feita	
  por	
  servidores	
  da	
  própria	
  Municipalidade,	
  senão	
  vejamos:	
  
	
  	
  
ADMINISTRATIVO.	
  ENTREGA	
  DE	
  CARNÊS	
  DE	
  IPTU	
  POR	
  
SERVIDORES	
  DA	
  PREFEITURA.	
  QUEBRA	
  DO	
  MONOPÓLIO	
  DOS	
  CORREIOS.	
  
INEXISTÊNCIA.	
   I.	
   Agravo	
   de	
   instrumento	
   interposto	
   contra	
   decisão	
   que	
  
determinou	
   que	
   a	
   Prefeitura	
   Municipal	
   do	
   Recife	
   se	
   abstivesse	
   de	
  
entregar	
  os	
  carnês	
  de	
  IPTU	
  sem	
  a	
  intermediação	
  da	
  Empresa	
  Brasileira	
  de	
  
Correios	
  e	
  Telégrafos.	
  II.	
  Não	
  há	
  afronta	
  ao	
  monopólio	
  da	
  EBCT,	
  quando	
  a	
  
Prefeitura	
  pretende	
  fazer	
  a	
  entrega	
  dos	
  carnês	
  de	
  IPTU	
  através	
  de	
  seus	
  
próprios	
  servidores.	
  A	
  administração,	
  dentro	
  do	
  poder	
  discricionário	
  que	
  
  12	
  
lhe	
   é	
   conferido,	
   pode	
   optar	
   por	
   executar	
   o	
   serviço	
   de	
   entrega	
   de	
   seus	
  
próprios	
   documentos.	
   III.	
   Esta	
   Turma	
   fixou	
   entendimento	
   de	
   que	
   o	
  
monopólio	
  da	
  EBCT	
  seria	
  restrito	
  à	
  entrega	
  de	
  cartas,	
  não	
  se	
  aplicando	
  a	
  
outras	
  espécies	
  de	
  documento.	
  Precedente:	
  AGTR	
  59735	
  (Rel.	
  Desemb.	
  
Federal	
   Marcelo	
   Navarro,	
   4ª	
   Turma,	
   TRF	
   5ª	
   Região,	
   DJ	
   14/09/2005,	
   p.	
  
1133).	
   IV.	
   Agravo	
   de	
   instrumento	
   provido.	
   Agravo	
   inominado	
  
prejudicado.	
  
	
  (TRF-­‐5	
   -­‐	
   AGTR:	
   67782	
   PE	
   2006.05.00.016041-­‐0,	
  
Relator:	
   Desembargadora	
   Federal	
   Margarida	
   Cantarelli,	
   Data	
   de	
  
Julgamento:	
   11/07/2006,	
   Quarta	
   Turma,	
   Data	
   de	
   Publicação:	
   Fonte:	
  
Diário	
  da	
  Justiça	
  -­‐	
  Data:	
  02/08/2006	
  -­‐	
  Página:	
  710	
  -­‐	
  Nº:	
  147	
  -­‐	
  Ano:	
  2006)	
  
	
  
Quanto	
   mais	
   falam,	
   mais	
   os	
   difamadores	
   se	
   enrolam	
   em	
   suas	
  
próprias	
  mentiras.	
  
	
  
É	
  importante	
  destacar	
  que	
  a	
  referência	
  ao	
  documento	
  de	
  2011	
  é	
  
apenas	
   para	
   demonstrar	
   o	
   grau	
   de	
   irresponsabilidade	
   dos	
   Querelados	
   e	
   seu	
   total	
  
descaso	
   com	
   a	
   honra	
   alheia,	
   vez	
   que	
   todos,	
   sem	
   exceção,	
   embora	
   reconhecendo	
  
terem	
  assinado	
  o	
  sobredito	
  documento,	
  dizem	
  não	
  saber	
  quem	
  o	
  concebeu,	
  quem	
  o	
  
redigiu,	
  quem	
  colheu	
  suas	
  assinaturas	
  e,	
  o	
  que	
  é	
  mais	
  grave,	
  confessam	
  ter	
  mentido	
  
acintosamente	
  ao	
  assinarem	
  as	
  acusações	
  ali	
  lançadas	
  contra	
  a	
  ora	
  Querelante,	
  das	
  
quais	
  sequer	
  foram	
  testemunhas	
  e	
  que	
  não	
  passavam	
  de	
  fofocas	
  e	
  maledicências	
  de	
  
pessoas	
  que	
  nem	
  ao	
  menos	
  sabem	
  ou	
  querem	
  declinar	
  quem	
  seriam,	
  estas	
  sim,	
  de	
  
índole	
  perversa	
  e	
  criminosa	
  por	
  espalharem	
  boatos	
  e	
  difamações	
  numa	
  atitude	
  que	
  
beira	
   o	
   terrorismo,	
   se	
   é	
   que	
   tais	
   pessoas	
   de	
   fato	
   existem.	
   Se	
   mentiram	
   em	
  
documento	
   escrito	
   e	
   assinado,	
   quando	
   expressamente	
   afirmaram	
   ter	
  
“testemunhado”	
   o	
   que	
   agora	
   dizem	
   não	
   passar	
   de	
   “fofocas	
   ouvidas	
   em	
  
corredores”,	
   com	
   a	
   intenção	
   única	
   e	
   exclusiva	
   de	
   prejudicar	
   a	
   ora	
   Querelante	
   e	
  
agradar	
  a	
  quem	
  lhes	
  garante	
  alguma	
  vantagem,	
  nem	
  que	
  seja	
  a	
  manutenção	
  de	
  seus	
  
empregos	
  sem	
  concurso,	
  por	
  que	
  não	
  o	
  fariam	
  agora	
  e	
  por	
  que	
  não	
  o	
  farão	
  amanhã	
  
se	
  não	
  forem	
  tolhidos	
  de	
  imediato,	
  em	
  mais	
  essa	
  sua	
  investida	
  contra	
  a	
  honra	
  e	
  a	
  
reputação	
  da	
  Querelante?	
  	
  
  13	
  
As	
  condutas	
  dos	
  Querelados	
  JAMESON	
  MAGALHÃES	
  DE	
  OLIVEIRA	
  
e	
  DANIEL	
  FRANCISCO	
  WANDERLEY	
  DE	
  SIQUEIRA	
  CAMPOS	
  também	
  se	
  enquadram	
  
perfeitamente	
  do	
  tipo	
  do	
  artigo	
  138,	
  do	
  CP,	
  ao	
  imputarem	
  à	
  Querelante	
  a	
  prática	
  
dos	
  crimes	
  de	
  difamação	
  e	
  injúria	
  contra	
  os	
  terceirizados	
  por	
  eles	
  mencionados	
  e	
  
identificados	
  pelo	
  primeiro	
  como	
  “motoboys”	
  e,	
  pelo	
  segundo,	
  como	
  “Henrique	
  e	
  
Thiago”.	
  
	
  
Agrava	
  a	
  situação	
  dos	
  Querelados	
  o	
  fato	
  de	
  não	
  poderem	
  sequer	
  
lançar	
  mão	
  da	
  chamada	
  Exceção	
  da	
  Verdade,	
  prevista	
  no	
  §	
  3º,	
  também	
  do	
  artigo	
  
138,	
  vez	
  que	
  os	
  crimes	
  que	
  imputam	
  à	
  Querelante	
  são	
  de	
  ação	
  privada.	
  
	
  
Em	
   seu	
   depoimento	
   prestado	
   no	
   dia	
   10/04/2014,	
   a	
   Querelada	
  
ROBERTA	
  SOUZA	
  DA	
  CUNHA	
  MELO	
  chega	
  a	
  acusar	
  a	
  procuradora	
  Juliana	
  Santa	
  Cruz	
  
pela	
  prática	
  do	
  crime	
  de	
  condescendência	
  criminosa,	
  já	
  que	
  afirma	
  ter	
  se	
  reportado,	
  
reclamando	
   do	
   suposto	
   comportamento	
   inapropriado	
   da	
   Querelante,	
   sem	
   que	
  
aquela	
   procuradora	
   tomasse	
   nenhuma	
   providência.	
   Vejamos:	
   “que	
   já	
   chegou	
   ela	
  
depoente	
  a	
  fazer	
  reclamação	
  à	
  Procuradora	
  Juliana	
  que	
  estava	
  substituindo	
  ou	
  na	
  
sala	
  da	
  investigada,	
  acerca	
  do	
  comportamento	
  desta”.	
  Em	
  outro	
  trecho	
  reafirma:	
  
“que	
  sua	
  única	
  denúncia	
  pessoal,	
  além	
  da	
  reportada	
  nestes	
  autos,	
  se	
  deu	
  perante	
  a	
  
Procuradora	
  Juliana,	
  consoante	
  acima	
  já	
  aludido;	
  que	
  não	
  fez	
  qualquer	
  reclamação	
  
perante	
   o	
   Ministério	
   Público	
   do	
   Trabalho;	
   que	
   também	
   não	
   fez	
   denúncia	
   ao	
  
Sindicato	
  da	
  Procuradoria	
  (sic);	
  que	
  não	
  sabe	
  informar	
  se	
  na	
  época	
  dos	
  fatos	
  ora	
  
em	
   apuração	
   e	
   dito	
   nesta	
   oitiva	
   se	
   ela	
   depoente	
   era	
   empregada	
   na	
   Empresa	
  
Prestadora	
   de	
   Serviços	
   CAPITA(sic)	
   ou	
   SERVINAC;	
   que	
   somente	
   intentou	
  
reclamação	
  trabalhista	
  nesse	
  período	
  que	
  presta	
  serviços	
  a	
  esta	
  edilidade,	
  diante	
  
da	
   Empresa	
   SERVINAC;	
   que	
   não	
   pediu	
   danos	
   morais	
   em	
   sua	
   RT;	
   que	
   quando	
  
ingressou	
  com	
  a	
  referida	
  reclamação	
  trabalhista	
  a	
  investigada	
  já	
  havia	
  sido	
  a	
  sua	
  
chefe	
  na	
  Procuradoria”.	
  
	
  
Daí	
  já	
  se	
  percebe	
  o	
  padrão	
  comportamental	
  dos	
  Querelados	
  que	
  se	
  
mostram	
   contumazes	
   no	
   sentido	
   de	
   atacar	
   a	
   honra	
   das	
   pessoas,	
   sem	
   nenhuma	
  
responsabilidade.	
  De	
  se	
  destacar,	
  também,	
  que	
  embora	
  tenham	
  reconhecido	
  suas	
  
  14	
  
assinaturas	
  no	
  documento	
  difamatório	
  destinado	
  à	
  procuradora	
  Juliana	
  Santa	
  Cruz,	
  
que	
   naquela	
   data,	
   ou	
   seja,	
   em	
   29	
   de	
   abril	
   de	
   2011,	
   era	
   a	
   procuradora-­‐chefe	
   da	
  
Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  Municipal	
  do	
  Recife,	
  documento	
  este	
  que	
  repousa	
  às	
  fls.	
  
03/06,	
  do	
  Inquérito	
  administrativo	
  nº	
  2412/2013-­‐CCI	
  (cópia	
  anexa),	
  sendo,	
  inclusive,	
  
a	
  assinatura	
  da	
  Querelada	
  ROBERTA	
  SOUZA	
  DA	
  CUNHA	
  MELO,	
  a	
  que	
  tem	
  a	
  “honra”	
  
de	
   inaugurar	
   as	
   ofensas	
   proferidas	
   desmesuradamente	
   contra	
   a	
   reputação	
   da	
  
Querelante,	
  onde	
  se	
  lê,	
  expressamente,	
  a	
  acusação	
  ou	
  melhor	
  seria	
  dizer,	
  a	
  fofoca	
  
difamatória	
   onde	
   todos	
   afirmam	
   que	
   “Fomos	
   testemunhas	
   de	
   críticas	
   e	
  
comentários	
   maldosos	
   por	
   parte	
   da	
   Procuradora	
   já	
   citada,	
   referentes	
   a	
   pessoas	
  
hierarquicamente	
   superiores	
   a	
   ela,	
   inclusive	
   o	
   nosso	
   Secretário	
   de	
   Assuntos	
  
Jurídicos,	
   o	
   Chefe	
   da	
   Procuradoria	
   Judicial	
   e	
   a	
   Vossa	
   Senhoria”,	
   em	
   seus	
  
depoimentos	
  confessam	
  suas	
  mentiras,	
  a	
  exemplo	
  do	
  que	
  foi	
  revelado	
  às	
  fls.	
  126,	
  
dos	
  autos	
  do	
  já	
  referido	
  inquérito,	
  ocorrido	
  em	
  10	
  de	
  abril	
  do	
  corrente	
  ano,	
  	
  quando	
  
a	
  Querelada	
  ROBERTA	
  SOUZA	
  DA	
  CUNHA	
  MELO	
  que	
  afirmara,	
  repita-­‐se,	
  por	
  escrito,	
  
ter	
   “testemunhado”	
   a	
   Querelante	
   fazer	
   “críticas	
   e	
   comentários	
   maldosos	
   contra	
  
superiores	
  hierárquicos”,	
  agora	
  diz	
  que	
  “não	
  presenciou	
  a	
  investigada	
  fazer	
  alusões	
  
que	
  destratassem	
  as	
  pessoas	
  do	
  então	
  Secretário	
  Cláudio	
  Ferreira,	
  Juliana	
  Santa	
  
Cruz	
  ou	
  Renato	
  Deác	
  (sic)”.	
  
	
  
Percebe-­‐se,	
  assim,	
  que	
  os	
  Querelados	
  não	
  têm	
  compromisso	
  com	
  a	
  
verdade,	
  carecendo,	
  portanto,	
  de	
  qualquer	
  credibilidade,	
  pois	
  inventam	
  e	
  mudam	
  
suas	
  versões	
  ao	
  sabor	
  de	
  suas	
  conveniências	
  e	
  segundo	
  interesses	
  inconfessáveis	
  de	
  
quem	
  por	
  ventura	
  os	
  esteja	
  orientando.	
  
	
  
Naquele	
   momento	
   em	
   que	
   lhes	
   interessava	
   agradar	
   o	
   chefe	
   de	
  
ocasião,	
   conceberam,	
   produziram,	
   e	
   colocaram	
   em	
   execução	
   um	
   plano	
   ardiloso,	
  
sórdido,	
  para	
  atacar	
  a	
  honra	
  e	
  desmoralizar	
  a	
  Querelante	
  e,	
  para	
  tanto,	
  associaram-­‐
se	
  entre	
  si	
  para	
  produzir	
  o	
  tal	
  documento	
  difamatório.	
  Agora,	
  retomam	
  a	
  formação	
  
criminosa	
  para,	
  novamente,	
  cometerem	
  crimes	
  contra	
  a	
  honra	
  da	
  Querelante	
  que	
  
errou,	
  sim,	
  mas	
  foi	
  em	
  não	
  tê-­‐los	
  processado	
  já	
  nas	
  primeiras	
  ofensas	
  ocorridas	
  em	
  
2011.	
  
	
  
  15	
  
Resta	
  claro	
  que	
  os	
  mentores	
  de	
  toda	
  a	
  farsa	
  foram	
  os	
  Querelados,	
  
que	
  até	
  parecem	
  escolhidos	
  a	
  dedo	
  pelo	
  presidente	
  da	
  Comissão	
  de	
  Inquérito	
  ou	
  por	
  
quem	
  forjou	
  o	
  procedimento	
  administrativo	
  seródio,	
  porque	
  instaurado	
  quando	
  já	
  
prescrita	
   a	
   pretensão	
   punitiva	
   estatal,	
   conforme	
   bem	
   lembrou	
   o	
   ex-­‐secretário	
  
Cláudio	
  Ferreira	
  em	
  seu	
  depoimento,	
  com	
  o	
  que	
  se	
  tem	
  por	
  evidenciada	
  a	
  tramoia	
  
com	
  o	
  escopo	
  exclusivo	
  de	
  causar	
  novo	
  gravame	
  contra	
  a	
  honra	
  da	
  Querelante.	
  	
  
	
  
Causa	
  espécie	
  o	
  fato	
  de	
  que	
  uma	
  das	
  depoentes,	
  do	
  dia	
  10	
  de	
  abril	
  
de	
  2014,	
  NAYAMMA	
  ALEXANDRINA	
  PEREIRA	
  DE	
  FRANÇA	
  revelou	
  que	
  a	
  assinatura	
  
que	
  aparecia	
  como	
  sua,	
  no	
  documento	
  difamatório	
  datado	
  de	
  29	
  de	
  abril	
  de	
  2011	
  
era	
   FALSA,	
   o	
   que	
   por	
   si	
   só	
   já	
   demonstra	
   o	
   nível	
   ético	
   daqueles	
   que	
   tramaram	
   e	
  
confeccionaram	
   o	
   tal	
   documento	
   (doc.	
   anexo),	
   uma	
   gente	
   misteriosa	
   que	
   os	
  
irresponsáveis	
  que	
  assinaram	
  a	
  lista	
  referendando	
  mentiras	
  que	
  depois	
  assumiram	
  
como	
  tal,	
  sequer	
  têm	
  a	
  dignidade	
  de	
  revelar	
  quem	
  sejam.	
  Causa	
  maior	
  estranheza,	
  
ainda,	
  que	
  após	
  essa	
  revelação	
  tenha	
  o	
  presidente	
  da	
  CCI	
  ignorado	
  a	
  falsidade	
  do	
  
documento	
   que	
   dera	
   ensejo	
   à	
   instauração	
   do	
   PAD,	
   preferindo	
   seguir	
   colhendo	
  
depoimentos	
   caluniosos	
   e	
   agravando	
   os	
   danos	
   morais	
   já	
   devidos	
   pela	
  
Municipalidade	
  e	
  seus	
  agentes	
  à	
  ora	
  	
  Querelante.	
  
	
  
Assim	
  como	
  também	
  continuam	
  convenientemente	
  desaparecidos,	
  
cabos	
  eleitorais,	
  Mario	
  José	
  do	
  Nascimento	
  e	
  Deyvson	
  Felix	
  Barbosa,	
  que	
  são	
  tão	
  
íntimos	
  do	
  prefeito	
  Geraldo	
   Julio,	
   do	
   PSB,	
  que	
  protocolaram	
  diretamente	
  em	
  seu	
  
gabinete,	
  uma	
  cópia	
  do	
  mencionado	
  documento	
  de	
  2011,	
  que	
  agora	
  se	
  sabe	
  conter	
  
até	
   assinaturas	
   falsificadas,	
   em	
   vez	
   de	
   o	
   fazerem,	
   como	
   qualquer	
   cidadão,	
   no	
  
Protocolo	
  Geral,	
  do	
  edifício-­‐sede	
  da	
  Prefeitura	
  do	
  Recife	
  (docs.	
  Anexos),	
  documento	
  
este	
   que	
   deu	
   origem	
   à	
   instauração	
   do	
   precitado	
   PAD,	
   dando	
   ensejo	
   para	
   que	
   os	
  
Querelados	
   pudessem	
   despejar	
   seu	
   manancial	
   pútrido	
   de	
   calúnias,	
   difamações	
   e	
  
injúrias	
  contra	
  a	
  Querelante.1
	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
1	
  	
   Contra	
   ambos	
   será	
   protocolada	
   representação	
   para	
   a	
   Promotoria	
   Criminal	
   por	
  denunciação	
  
caluniosa,	
  nos	
  termos	
  do	
  art.	
  339.	
  CP.	
  
2	
  A	
   Querelante	
   protocolará	
   representação	
   ao	
   Ministério	
   Público	
   denunciando	
   toda	
   a	
   tramoia	
  
urdida	
  para	
  forjar	
  inquéritos	
  contra	
  si,	
  para	
  coibi-­‐la	
  de	
  denunciar	
  irregularidades	
  encontradas	
  no	
  
âmbito	
  da	
  Secretaria	
  de	
  Assuntos	
  Jurídicos	
  do	
  Recife,	
  da	
  Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  Municipal	
  e	
  de	
  
  16	
  
Cometem,	
  ainda,	
  os	
  Querelados,	
  os	
  crimes	
  de	
  Difamação	
  (art.	
  139,	
  
CP),	
  para	
  o	
  qual	
  está	
  prevista	
  a	
  pena	
  de	
  3	
  meses	
  a	
  um	
  ano	
  e	
  multa	
  e	
  Injúria	
  (Art.	
  
140,	
  CP),	
  cuja	
  pena	
  é	
  de	
  um	
  a	
  seis	
  meses	
  ou	
  multa.	
  
	
  
Tem-­‐se	
   por	
   consumado	
   o	
   crime	
   de	
   Difamação	
   quando	
   o	
   agente	
  
imputa	
   a	
   outrem,	
   fato	
   ofensivo	
   a	
   sua	
   reputação.	
   Na	
   Difamação,	
   o	
   bem	
   jurídico	
  
atingido	
  é	
  a	
  honra	
  objetiva,	
  ou	
  seja,	
  o	
  conceito	
  de	
  que	
  o	
  sujeito	
  passivo	
  desfruta	
  no	
  
meio	
   social.	
   Em	
   seu	
   depoimento	
   prestado	
   no	
   dia	
   10	
   de	
   abril	
   de	
   2014,	
   como	
  
informante,	
   a	
   Querelada	
   ROBERTA	
   SOUZA	
   DE	
   CUNHA	
   MELO	
   afirmou	
   que	
   a	
  
Querelante	
   teria	
   declarado,	
   em	
   2011,	
   que	
   “os	
   prestadores	
   de	
   serviços	
   eram	
  
preguiçosos	
   que	
   o	
   seu	
   cachorro	
   era	
   mais	
   disposto	
   de	
   que	
   os	
   prestadores	
   de	
  
serviços,	
  que	
  eram	
  barriga	
  de	
  lombriga;	
  vagabundos	
  e	
  que	
  não	
  queriam	
  trabalhar”.	
  
	
  
Já	
  em	
  outro	
  trecho,	
  a	
  mesma	
  Querelada	
  atribui	
  à	
  Querelante	
  ter	
  
chamado	
   uma	
   terceira	
   pessoa,	
   que	
   sequer	
   foi	
   capaz	
   de	
   identificar,	
   de	
   “a	
   outra	
  
vagabundinha”.	
  
	
  
Segundo	
   a	
   Querelada,	
   ROBERTA	
   SOUZA	
   DE	
   CUNHA	
   MELO,	
   a	
  
Querelante	
   também	
   teria	
   o	
   costume	
   de	
   “dizer	
   em	
   ambientes	
   públicos	
   que	
   os	
  
prestadores	
  de	
  serviços	
  ‘eram	
  vagabundos	
  e	
  não	
  queriam	
  nada’”.	
  
	
  
A	
  Querelante	
  além	
  de	
  procuradora	
  judicial	
  do	
  Município	
  do	
  Recife	
  
é	
  uma	
  figura	
  pública	
  de	
  bastante	
  projeção	
  no	
  meio	
  político	
  e	
  social	
  do	
  Estado	
  de	
  
Pernambuco,	
   com	
   destaque,	
   ainda,	
   a	
   nível	
   nacional,	
   em	
   alguns	
   seguimentos	
   dos	
  
meios	
  de	
  comunicação	
  e	
  movimentos	
  sociais.	
  
	
  
Como	
  procuradora-­‐chefe	
  da	
  Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  Municipal	
  do	
  
Recife,	
   da	
   qual	
   esteve	
   à	
   frente	
   apenas	
   por	
   11	
   meses,	
   teve	
   destacada	
   atuação,	
  
devendo	
   ser	
   mencionado	
   seu	
   pioneirismo	
   na	
   idealização	
   e	
   realização	
   do	
   primeiro	
  
Mutirão	
   de	
   Conciliação	
   dos	
   Executivos	
   Fiscais	
   Municipais,	
   realizado	
   no	
   Estado	
   de	
  
Pernambuco,	
  em	
  cooperação	
  com	
  o	
  Tribunal	
  de	
  Justiça	
  e	
  que	
  ganhou	
  destaque	
  nas	
  
  17	
  
primeiras	
   páginas	
   de	
   todos	
   os	
   jornais	
   do	
   Estado,	
   no	
   CNJ,	
   Consultor	
   Jurídico	
   e	
   em	
  
vários	
  sites	
  especializados.	
  	
  
	
  
Como	
   procuradora	
   judicial	
   concursada	
   do	
   Município	
   do	
   Recife,	
   a	
  
Querelante	
  tem	
  nada	
  menos	
  que	
  17	
  longos	
  anos	
  de	
  serviços	
  prestados	
  com	
  extrema	
  
dedicação	
   ao	
   interesse	
   público,	
   sem	
   jamais	
   ter	
   registrado	
   qualquer	
   fato	
   que	
  
desabonasse	
  sua	
  conduta	
  funcional,	
  muito	
  pelo	
  contrário,	
  sendo	
  conhecida	
  por	
  sua	
  
reputação	
  ilibada	
  e	
  atuação	
  independente,	
  razão	
  pela	
  qual	
  jamais	
  compactuou,	
  nem	
  
compactuará	
   com	
   quaisquer	
   desvios	
   de	
   conduta	
   praticados	
   em	
   detrimento	
   do	
  
interesse	
  público,	
  sejam	
  quais	
  forem	
  as	
  formas	
  de	
  chantagens	
  e	
  perseguições	
  que	
  
forem	
  utilizadas	
  para	
  intimidá-­‐la.	
  	
  
	
  
Várias	
   foram	
   as	
   denúncias	
   de	
   irregularidades	
   que	
   a	
   Querelante	
  
levou	
  ao	
  conhecimento	
  das	
  autoridades	
  competentes,	
  sem	
  jamais	
  se	
  quedar	
  inerte	
  
diante	
  da	
  tentação	
  da	
  prevaricação,	
  tão	
  sedutora	
  para	
  muitos	
  e	
  não	
  resta	
  dúvidas	
  de	
  
que	
  por	
  essa	
  razão	
  sempre	
  foi	
  alvo	
  de	
  perseguições	
  e	
  aleivosias,	
  sendo,	
  porém,	
  uma	
  
das	
  mais	
  abjetas,	
  a	
  que	
  ora	
  urge	
  combater	
  por	
  meio	
  da	
  presente	
  Queixa-­‐Crime.	
  
	
  
Só	
   no	
   âmbito	
   da	
   Procuradoria	
   da	
   Fazenda	
   Municipal,	
   onde	
   os	
  
Querelados	
   trabalham,	
   foram	
   da	
   Querelante	
   as	
   denúncias	
   levadas	
   às	
   autoridades	
  
competentes,	
  pedindo	
  providências	
  na	
  apuração	
  e	
  correção	
  de	
  desvios	
  de	
  função,	
  
como	
  os	
  praticados	
  por	
  uma	
  prima	
  da	
  Querelada	
  MARIA	
   CAROLINA	
   TAVARES	
   DE	
  
ARAUJO	
   (cujo	
   parentesco	
   foi	
   por	
   esta	
   declinado	
   em	
   seu	
   depoimento	
   à	
   CCI),	
  
juntamente	
   com	
   a	
   servidora	
   que	
   chefiava	
   o	
   Setor	
   de	
   Controle	
   de	
   Processos	
   da	
  
Procuradoria,	
  	
  a	
  quem,	
  aliás,	
  atribui-­‐se	
  a	
  coleta	
  de	
  assinaturas	
  do	
  abaixo-­‐assinado:2
	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
2	
  A	
   Querelante	
   protocolará	
   representação	
   ao	
   Ministério	
   Público	
   denunciando	
   toda	
   a	
   tramoia	
  
urdida	
  para	
  forjar	
  inquéritos	
  contra	
  si,	
  para	
  coibi-­‐la	
  de	
  denunciar	
  irregularidades	
  encontradas	
  no	
  
âmbito	
  da	
  Secretaria	
  de	
  Assuntos	
  Jurídicos	
  do	
  Recife,	
  da	
  Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  Municipal	
  e	
  de	
  
outros	
  órgãos	
  do	
  Município,	
  inclusive	
  com	
  ameaças	
  já	
  encaminhadas	
  à	
  Polícia	
  Federal.	
  	
  
  18	
  
	
  
	
  
Na	
  denúncia,	
  fartamente	
  documentada,	
  restou	
  comprovado	
  que	
  a	
  
prima	
  da	
  Querelada,	
  apesar	
  de	
  ser	
  apenas	
  terceirizada,	
  exercia	
  de	
  fato	
  a	
  Chefia	
  do	
  
Setor	
  de	
  Controle	
  de	
  Processos,	
  enquanto	
  a	
  servidora	
  apenas	
  recebia	
  a	
  gratificação	
  
da	
  função.	
  A	
  ilegalidade	
  só	
  cessou	
  após	
  chegar	
  ao	
  conhecimento	
  do	
  Secretário	
  de	
  
Assuntos	
   Jurídicos,	
   mas	
   nenhum	
   inquérito	
   foi	
   instaurado	
   por	
   este,	
   para	
   apurar	
  
responsabilidades.	
  
	
  
Foi	
   também	
   por	
   denúncia	
   da	
   Querelante	
   que	
   foi	
   instaurado	
  
Inquérito	
  Policial	
  na	
  Delegacia	
  de	
  Crimes	
  contra	
  a	
  Ordem	
  Tributária	
  para	
  investigar	
  
falsificações	
   de	
   assinaturas	
   de	
   um	
   procurador,	
   de	
   petições	
   e	
   comprovantes	
   de	
  
quitações	
   de	
   mais	
   de	
   três	
   milhões	
   de	
   débitos	
   em	
   execuções	
   fiscais,	
   falsificações	
  
referentes	
  a	
  documentos	
  gerados	
  por	
  setores	
  da	
  Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  e	
  cujas	
  
execuções	
  fiscais	
  permaneceram	
  inexplicavelmente	
  guardadas	
  dentro	
  do	
  armário	
  do	
  
gabinete	
   do	
   chefia	
   da	
   Procuradoria,	
   até	
   que	
   esta	
   foi	
   assumida	
   pela	
   Querelante,	
  
conforme	
  comprova	
  a	
  notitia	
  criminis	
  que	
  deu	
  origem	
  ao	
  referido	
  Inquérito	
  Policial.	
  
O	
   descaso	
   com	
   que	
   o	
   caso	
   foi	
   tratado	
   já	
   gera	
   prejuízos	
   ao	
   Erário,	
   inclusive	
   com	
  
decretações	
  de	
  prescrição	
  em	
  favor	
  dos	
  beneficiários	
  das	
  faslsificações:	
  
  19	
  
	
  
2ª	
  Vara	
  dos	
  Executivos	
  Fiscais	
  Municipais	
  da	
  Capital	
  
Processo	
  nº	
  001.1996.110038-­‐0	
  
NPU	
  0110038-­‐73.1996.8.17.0001	
  
Execução	
  Fiscal	
  
Exeqüente:	
  Prefeitura	
  da	
  Cidade	
  do	
  Recife	
  
Executada:	
  Centro	
  Hospitalar	
  Casa	
  Forte	
  Ltda	
  
DESPACHO	
  
Antes	
  de	
  apreciar	
  o	
  pedido	
  feito	
  pela	
  Fazenda	
  Municipal	
  de	
  extinção	
  da	
  
Execução	
   fiscal	
   referida,	
   com	
   fundamento	
   nos	
   artigos	
   794,	
   I	
   e	
   795	
   do	
  
Código	
   de	
   Processo	
   Civil	
   combinados	
   com	
   o	
   artigo	
   156,	
   I,	
   do	
   Código	
  
Tributário	
  Nacional	
  (fls.04),	
  por	
  cautela,	
  será	
  útil,	
  principalmente	
  para	
  a	
  
Exeqüente	
   ter	
   conhecimento	
   da	
   situação	
   jurídica	
   duvidosa	
   quanto	
   ao	
  
pagamento	
  da	
  dívida	
  exeqüenda	
  pela	
  Executada	
  -­‐	
  CENTRO	
  HOSPITALAR	
  
CASA	
  FORTE	
  LTDA.	
  
Tendo	
  chegado	
  ao	
  meu	
  conhecimento,	
  através	
  do	
  exame	
  das	
  questões	
  
suscitadas	
   pelo	
   Município	
   do	
   Recife	
   nos	
   Embargos	
   de	
   Declaração	
   com	
  
Efeitos	
  Infringentes	
  em	
  face	
  da	
  sentença	
  de	
  fls.07	
  proferida	
  nos	
  autos	
  da	
  
Execução	
   Fiscal	
   nº	
   001.2001.043014-­‐9,	
   que	
   este	
   Juízo	
   extinguiu	
   o	
   feito	
  
executivo	
   em	
   razão	
   de	
   pretenso	
   pagamento,	
   anunciado	
   nos	
   autos	
   por	
  
meio	
  de	
  petitório	
  e	
  documento	
  de	
  quitação	
  que,	
  entretanto,	
  não	
  foram	
  
confeccionados/emitidos	
   pela	
   Procuradoria	
   da	
   Fazenda	
   Municipal	
   nem	
  
por	
   outro	
   órgão	
   da	
   Administração	
   Municipal.	
   Em	
   outras	
   palavras,	
   o	
  
petitório	
  e	
  o	
  documento	
  em	
  comento	
  foram,	
  ao	
  que	
  tudo	
  indica,	
  objeto	
  
de	
   falsidade	
   e	
   que,	
   ainda,	
   suscita	
   a	
   dúvida	
   quanto	
   a	
   assinatura	
   dele	
  
constante,	
  como	
  do	
  douto	
  Procurador	
  Municipal,	
  Humberto	
  Cabral	
  Vieira	
  
de	
  Melo,	
  não	
  condiz	
  com	
  a	
  sua	
  firma	
  original,	
  somando-­‐se	
  a	
  isso	
  o	
  fato	
  de	
  
que	
  o	
  número	
  de	
  sua	
  matrícula	
  não	
  é	
  o	
  grafado	
  na	
  peça	
  em	
  comento,	
  
fatos	
   que,	
   a	
   propósito,	
   refletem	
   nestes	
   autos	
   de	
   Execução	
   Fiscal	
   nº	
  
0011996.110038-­‐0,	
   movida	
   contra	
   a	
   mesma	
   parte	
   Executada	
  -­‐	
   CENTRO	
  
HOSPITALAR	
   CASA	
   FORTE	
   LTDA	
   e	
   nos	
   demais	
   feitos	
   em	
   que	
   o	
   aludido	
  
Procurador	
   Judicial	
   supostamente	
   subscreveu	
   petição	
   de	
   extinção	
   da	
  
execução	
   pelo	
   pagamento	
   do	
   débito,	
   tais	
   como:	
   Execução	
   Fiscal	
   nº	
  
001.1999.688152-­‐3	
   -­‐	
   Execução	
   Fiscal	
   nº	
   001.2005.196786-­‐4	
   e	
   outras,	
  
  20	
  
conforme	
  pesquisa	
  realizada	
  no	
  JUDWIN/Guia	
  de	
  Remessa/Origem:	
  196	
  -­‐	
  
Protocolo	
   Geral	
   do	
   Fórum	
   do	
   Recife/progefacil,	
   onde	
   consta	
   o	
   registro	
  
das	
  outras	
  petições	
  (tendo	
  como	
  parte	
  Executada	
  -­‐	
  CENTRO	
  HOSPITALAR	
  
CASA	
   FORTE	
   LTDA),	
   DETERMINO	
   VISTA	
   DOS	
   AUTOS	
   a	
   fim	
   de	
   que	
   a	
  
FAZENDA	
  MUNICIPAL	
  se	
  manifeste	
  acerca	
  da	
  autenticidade	
  da	
  petição	
  de	
  
fls.04,	
  ratificando	
  o	
  pedido	
  nela	
  contido	
  de	
  extinção	
  da	
  Execução	
  Fiscal	
  
referida,	
  com	
  fundamento	
  nos	
  artigos	
  794,	
  I	
  e	
  795	
  do	
  Código	
  de	
  Processo	
  
Civil	
  combinados	
  com	
  o	
  artigo	
  156,	
  I,	
  do	
  Código	
  Tributário	
  Nacional,	
  no	
  
prazo	
  de	
  05	
  (cinco)	
  dias.	
  
Após,	
  voltem-­‐me	
  os	
  autos	
  conclusos.	
  
Junte-­‐se	
  cópia	
  da	
  pesquisa	
  realizada	
  por	
  este	
  Juízo.	
  
Intime-­‐se,	
  observando-­‐se	
  o	
  que	
  determina	
  o	
  art.	
  25	
  e	
  seu	
  parágrafo	
  único	
  
da	
  Lei	
  nº	
  6.830/80.	
  
Recife,	
  14	
  de	
  setembro	
  de	
  2011.	
  
JOSÉ	
  SEVERINO	
  BARBOSA	
  
JUIZ	
  DE	
  DIREITO	
  
	
  
Foi	
  durante	
  a	
  rápida	
  chefia	
  de	
  apenas	
  11	
  meses	
  da	
  Querelante,	
  que	
  
a	
  verdadeira	
  “linha	
  de	
  montagem”	
  de	
  reconhecimento	
  de	
  prescrições	
  que	
  existia	
  no	
  
Núcleo	
   Estratégico	
   de	
   Reconhecimento	
   de	
   Prescrição	
   e	
   do	
   Atendimento	
   ao	
  
Contribuinte,	
  que	
  fora	
  criada	
  pela	
  chefia	
  anterior,	
  foi	
  extinta.	
  	
  
	
  
Assim	
   como	
   foi	
   por	
   “culpa”	
   da	
   Querelante	
   que	
   um	
   verdadeiro	
  
esquema	
   de	
   contratação	
   de	
   estagiários	
   “fantasmas”,	
   iniciado	
   também	
   na	
   gestão	
  
anterior	
  a	
  sua,	
  foi	
  desbaratado,	
  conforme	
  comprova	
  o	
  Ofício	
  em	
  anexo,	
  informado	
  
ao	
  então	
  Secretário	
  de	
  Assuntos	
  Jurídicos,	
  que	
  após	
  recadastramento,	
  nada	
  menos	
  
que	
  15	
  estagiários	
  contratados	
  pela	
  SAJ,	
  para	
  a	
  Procuradoria	
  da	
  Fazenda	
  Municipal,	
  
eram	
  “fantasmas”.	
  E,	
  assim,	
  a	
  Querelante	
  foi	
  se	
  tornando	
  odiada,	
  persona	
  non	
  grata,	
  
por	
   aqueles	
   que	
   só	
   veem	
   seus	
   interesses	
   mesquinhos,	
   sempre	
   em	
   detrimento	
   do	
  
interesse	
   público.	
   Daí	
   porque	
   o	
   zelo	
   pela	
   coisa	
   pública	
   precisa	
   ser	
   desmoralizado	
  
para	
  ser	
  confundido	
  com	
  “assédio	
  moral”	
  e	
  outras	
  barbaridades	
  da	
  mesma	
  ordem.	
  	
  
	
  
  21	
  
	
  
	
  
É	
   claro	
   que	
   há	
   pessoas	
   poderosas	
   por	
   trás	
   desses	
   ataques	
   feitos	
  
pelos	
  Querelados	
  à	
  honra	
  da	
  Querelante,	
  pessoas	
  ainda	
  não	
  identificadas,	
  mas	
  que	
  
não	
  demorarão	
  a	
  ser	
  desmascaradas,	
  tão	
  logo	
  a	
  Polícia	
  Federal	
  revele	
  os	
  nomes	
  dos	
  
responsáveis	
  pelas	
  ameaças	
  feitas	
  à	
  Querelante	
  e	
  a	
  sua	
  genitora,	
  ameaças	
  essas	
  que	
  
utilizam,	
   justamente,	
   sua	
   condição	
   de	
   pertencer	
   à	
   “procuradoria	
   da	
   pcr”	
   é	
  
expressamente	
  mencionada	
  pelos	
  “fakes”	
  que	
  fizeram	
  as	
  ameaças,	
  como	
  fator	
  que	
  
seria	
  usado	
  para	
  prejudicá-­‐la	
  acaso	
  desagradasse	
  o	
  ex-­‐governador	
  Eduardo	
  Campos	
  
e	
  o	
  prefeito	
  Geraldo	
  Júlio:	
  
	
  
  22	
  
Mas	
  a	
  notoriedade	
  da	
  Querelante	
  não	
  está	
  na	
  sua	
  atuação	
  como	
  
procuradora	
   e	
   sim	
   como	
   ativista	
   nos	
   movimentos	
   sociais	
   e	
   como	
   comentarista	
  
política	
  nas	
  Mídias	
  e	
  Redes	
  Sociais	
  e	
  em	
  debates	
  que	
  participa	
  com	
  frequência,	
  em	
  
vários	
  meios	
  de	
  comunicação	
  e	
  acadêmicos,	
  inclusive	
  universidades,	
  para	
  os	
  quais	
  é	
  
convidada:	
  
	
  
	
  
  23	
  
	
  
Para	
   se	
   ter	
   uma	
   ideia,	
   somente	
   nos	
   meses	
   de	
   março	
   e	
   abril,	
   a	
  
Querelante	
   participou	
   de	
   vários	
   debates	
   com	
   jovens	
   estudantes	
   universitários,	
   a	
  
convite	
  destes,	
  sobre	
  temas	
  os	
  mais	
  variados,	
  desde	
  a	
  Reforma	
  Política,	
  passando	
  
pela	
  Conjuntura	
  Eleitoral.	
  Deu	
  entrevistas	
  sobre	
  a	
  participação	
  feminina	
  na	
  política,	
  
para	
  estudantes	
  de	
  Jornalismo,	
  da	
  UNICAP,	
  tendo	
  participado	
  ainda	
  de	
  debates	
  com	
  
alunos	
  de	
  Ciências	
  Sociais,	
  História	
  e	
  Pedagogia,	
  no	
  Centro	
  de	
  Educação	
  da	
  UFPE,	
  
onde,	
  juntamente	
  com	
  o	
  Comitê	
  Popular	
  da	
  Copa	
  e	
  os	
  movimentos	
  sociais,	
  foram	
  
discutidos	
  os	
  impactos	
  sociais	
  da	
  Copa	
  do	
  Mundo	
  sobre	
  as	
  populações	
  vítimas	
  do	
  
higienismo	
   social,	
   uma	
   vez	
   que	
   a	
   Querelante	
   atua,	
   ativamente,	
   como	
   advogada	
  
voluntária	
   dos	
   movimentos	
   sociais,	
   notadamente	
   dos	
   jovens	
   que	
   participam	
   dos	
  
protestos	
  pelo	
  Passe	
  Livre	
  e	
  contra	
  a	
  Repressão	
  Policial:	
  
	
  
	
  
	
  
A	
  Querelante	
  também	
  é	
  articulista	
  semanal	
  de	
  um	
  dos	
  Blogs	
  mais	
  
conceituados	
  do	
  Estado	
  e,	
  sem	
  dúvida,	
  o	
  Blog	
  mais	
  acessado	
  do	
  Norte/Nordeste,	
  o	
  
Blog	
  de	
  Jamildo,	
  hospedado	
  no	
  Portal	
  NE10,	
  do	
  UOL	
  e	
  vários	
  de	
  seus	
  artigos,	
  em	
  
defesa	
  dos	
  Direitos	
  Humanos	
  e	
  contendo	
  análises	
  da	
  conjuntura	
  social	
  e	
  política,	
  são	
  
frequentemente	
  compartilhados	
  por	
  milhares	
  de	
  leitores	
  em	
  todo	
  o	
  país	
  e	
  até	
  no	
  
exterior,	
  além	
  de	
  serem	
  reproduzidos	
  por	
  jornais	
  e	
  blogs	
  nacionais,	
  como	
  o	
  Blog	
  do	
  
  24	
  
jornalista	
   Luis	
   Nassif	
   e	
   pelo	
   site	
   “Combate	
   ao	
   Racismo	
   Ambiental”.	
   Entrevistas	
  
sobre	
  movimentos	
  sociais	
  com	
  a	
  Querelante	
  já	
  foram	
  reproduzidas	
  por	
  Portais	
  da	
  
Inglaterra	
   e	
   feitas	
   por	
   jornalistas	
   estrangeiros.	
   A	
   repercussão	
   das	
   opiniões	
   e	
   do	
  
ativismo	
  social	
  e	
  político	
  da	
  Querelante,	
  já	
  lhe	
  rendeu	
  um	
  Perfil,	
  de	
  3	
  páginas,	
  para	
  o	
  
importante	
   e	
   conceituado	
   Caderno	
   “Aurora”,	
   do	
   Diário	
   de	
   Pernambuco	
  
(http://aurora.diariodepernambuco.com.br/2013/09/que-­‐venha-­‐o-­‐proximo-­‐embate/).	
  	
  
	
  
Todas	
  essas	
  citações	
  não	
  têm	
  por	
  escopo	
  fazer	
  qualquer	
  apologia	
  à	
  
pessoa	
  da	
  Querelante,	
  mas	
  demonstrar	
  o	
  grau	
  máximo	
  a	
  que	
  chega	
  a	
  difamação	
  que	
  
os	
   Querelados	
   estão	
   perpetrando	
   contra	
   a	
   honra	
   da	
   Querelada,	
   dado	
   o	
   nível	
   de	
  
projeção	
  política	
  e	
  social	
  que	
  esta	
  detém	
  junto	
  à	
  comunidade.	
  	
  
	
  
Não	
  bastasse	
  isso,	
  o	
  próprio	
  Blog	
  pessoal	
  da	
  Querelante,	
  já	
  chegou	
  
a	
  ter	
  28	
  mil	
  acessos	
  em	
  uma	
  só	
  postagem,	
  enquanto	
  outra	
  dessas	
  postagens	
  levou	
  o	
  
Ministério	
  Público	
  a	
  instaurar	
  investigação	
  criminal	
  contra	
  o	
  ex-­‐governador	
  Eduardo	
  
Campos	
   e	
   o	
   prefeito	
   de	
   Ipojuca,	
   do	
   PSDB,	
   Carlos	
   Santana,	
   bem	
   como	
   contra	
   a	
  
secretária	
  de	
  educação	
  desse	
  município	
  (doc.	
  anexo).	
  A	
  Querelante	
  recebe	
  inúmeros	
  
convites	
   para	
   produção	
   de	
   artigos	
   para	
   vários	
   Blogs	
   que,	
   infelizmente,	
   não	
   tem	
  
condições	
  de	
  atender,	
  dada	
  a	
  exiguidade	
  de	
  seu	
  tempo.	
  Isso	
  demonstra	
  a	
  enorme	
  
credibilidade	
   que	
   detém	
   junto	
   à	
   opinião	
   pública,	
   conquistada	
   após	
   anos	
   de	
  
incansável	
   labor	
   em	
   defesa	
   dos	
   menos	
   favorecidos,	
   do	
   interesse	
   	
   público	
   e	
   da	
  
moralidade	
  administrativa.	
  
	
  
Dentre	
   os	
   artigos	
   de	
   maior	
   destaque	
   já	
   produzidos	
   pela	
  
Querelante,	
   publicados	
   pelo	
   Blog	
   de	
   Jamildo	
   e	
   amplamente	
   compartilhados	
   e	
  
republicados	
  por	
  outros	
  blogs	
  e	
  sites,	
  merecem	
  destaque	
  os	
  seguintes,	
  dos	
  quais	
  se	
  
extrai	
   alguns	
   trechos,	
   apenas	
   a	
   título	
   ilustrativo,	
   de	
   modo	
   a	
   demonstrar	
   como	
   as	
  
difamações	
  proferidas	
  nos	
  depoimentos	
  prestados	
  pelos	
  Querelados,	
  contra	
  a	
  honra	
  
da	
   Querelante,	
   são	
   ofensivos	
   e	
   destinados,	
   deliberadamente,	
   a	
   destruir-­‐lhe	
   a	
  
reputação:	
  
	
  
  25	
  
http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/02/18/estado-­‐de-­‐direito-­‐ou-­‐estado-­‐
de-­‐barbarie/	
  
	
  
“O	
   mês	
   de	
   fevereiro	
   de	
   2014	
   ficará	
   marcado	
   em	
   nossas	
  
memórias	
  pela	
  banalização	
  do	
  mal.	
  Foi	
  em	
  fevereiro	
  de	
  2014	
  que	
  vimos,	
  em	
  uma	
  
espécie	
  de	
  sequência	
  bizarra,	
  a	
  que	
  ponto	
  chegou	
  a	
  barbárie	
  de	
  uma	
  sociedade	
  
que	
  se	
  pretende	
  moderna	
  e	
  civilizada.	
  
Enquanto	
  jovens	
  são	
  despidos	
  e	
  amarrados	
  a	
  postes,	
  pelo	
  
pescoço,	
   por	
   pretensos	
   e	
   pretenciosos	
   “justiceiros”	
   e	
   crianças	
   são	
   espancadas	
  
por	
  seguranças	
  de	
  lojas	
  pela	
  simples	
  suspeita	
  trazida,	
  seja	
  pela	
  cor	
  de	
  suas	
  peles,	
  
seja	
  por	
  sua	
  condição	
  social,	
  de	
  serem	
  bandidos,	
  vemos	
  um	
  Congresso	
  dominado	
  
por	
  Renans,	
  Collors,	
  Sarneys,	
  Bolsonaros,	
  Eduardos	
  Cunha,	
  em	
  polvorosa,	
  para	
  
aprovar	
  uma	
  Lei	
  Antiterrorismo,	
  cuja	
  finalidade	
  é,	
  tão	
  somente,	
  criminalizar	
  os	
  
movimentos	
  sociais,	
  aproveitando-­‐se,	
  oportunisticamente,	
  da	
  morte	
  trágica	
  de	
  
um	
   pai	
   de	
   família,	
   durante	
   um	
   protesto,	
   ao	
   mesmo	
   tempo	
   que	
   fazem	
   vista	
  
grossa	
  para	
  tantas	
  outras	
  mortes	
  das	
  vítimas	
  do	
  terrorismo	
  de	
  Estado,	
  que	
  eles	
  
mesmos	
  patrocinam.	
  
Nos	
   presídios	
   e	
   nos	
   centros	
   de	
   reeducação	
   de	
   menores,	
  
persistem	
  os	
  assassinatos	
  com	
  requintes	
  de	
  crueldade,	
  torturas,	
  decaptações,	
  o	
  
abominável,	
   o	
   impensável.	
   E	
   tudo	
   sob	
   a	
   tutela	
   e	
   vigilância	
   complacente	
   do	
  
Estado.	
  
O	
   que	
   nos	
   resta,	
   alguns	
   hão	
   de	
   pensar,	
   é	
   o	
   recesso	
   dos	
  
nossos	
  lares.	
  A	
  tranquilidade	
  da	
  vida	
  em	
  família.	
  Mas	
  não,	
  ledo	
  engano,	
  pois	
  nem	
  
ali	
   há	
   paz	
   para	
   milhares	
   de	
   crianças	
   e	
   mulheres,	
   vítimas	
   da	
   violência,	
   aliás,	
  
principalmente	
  ali,	
  não	
  há	
  paz	
  para	
  esses	
  milhares	
  de	
  crianças	
  e	
  mulheres,	
  já	
  que	
  
é	
  justamente	
  na	
  intimidade	
  da	
  vida	
  doméstica	
  que	
  a	
  violência	
  se	
  mostra	
  mais	
  
presente	
  e	
  perversa.	
  
(…)	
  
O	
  machismo,	
  porém,	
  não	
  é	
  um	
  fenômeno	
  patológico,	
  a	
  ser	
  
tratado	
  por	
  psiquiatras	
  e	
  terapeutas.	
  Antes	
  fosse.	
  Assim	
  como	
  a	
  homofobia,	
  que	
  
é	
   uma	
   das	
   facetas	
   do	
   próprio	
   machismo	
   e	
   o	
   racismo,	
   o	
   machismo	
   é	
   um	
  
fenômeno	
   social,	
   de	
   classe,	
   de	
   dominação	
   e	
   como	
   tal	
   tem	
   que	
   ser	
   tratado	
   e	
  
combatido	
   mediante	
   políticas	
   públicas	
   efetivas	
   porque	
   traz	
   consequências	
  
gravíssimas	
  que	
  as	
  páginas	
  policiais	
  não	
  permitem	
  aos	
  governos	
  esconder.	
  
Para	
   se	
   ter	
   uma	
   rápida	
   noção	
   do	
   quanto	
   é	
   grave	
   e	
  
acentuado	
   o	
   machismo	
   em	
   nossa	
   sociedade,	
   levantamento	
   feito	
   pelo	
   IPEA,	
  
somente	
  na	
  última	
  década,	
  concluiu	
  que,	
  no	
  Brasil,	
  uma	
  mulher	
  é	
  morta	
  a	
  cada	
  
uma	
  hora	
  e	
  meia,	
  por	
  causa	
  do	
  machismo.	
  Foram	
  cerca	
  de	
  50	
  mil	
  feminicídios,	
  
  26	
  
entre	
  2001	
  e	
  2011,	
  ou	
  seja,	
  algo	
  em	
  torno	
  de	
  5.000	
  mulheres	
  assassinadas	
  por	
  
ano,	
   pelo	
   simples	
   fato	
   de	
   serem	
   mulheres.	
   470,	
   por	
   mês	
   e	
   15,	
   por	
   dia,	
  
exclusivamente	
   por	
   causa	
   do	
   machismo.	
   Em	
   pelo	
   menos	
   um	
   terço	
   desses	
  
homicídios,	
  o	
  local	
  onde	
  se	
  deu	
  a	
  morte	
  foi	
  no	
  próprio	
  domicílio	
  da	
  vítima,	
  o	
  que	
  
demonstra	
  que	
  o	
  lar	
  é	
  um	
  lugar	
  extremamente	
  perigoso	
  para	
  muitas	
  mulheres.”	
  
	
  
http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/02/11/negros-­‐e-­‐pobres-­‐ja-­‐nascem-­‐
em-­‐perigo/	
  
“Mas	
   os	
   problemas	
   de	
   Eduardo	
   Campos	
   com	
   os	
   Direitos	
  
Humanos	
  não	
  param	
  por	
  aí.	
  Já	
  não	
  é	
  novidade	
  que	
  Pernambuco	
  foi	
  denunciado,	
  
em	
  seu	
  governo,	
  a	
  organismos	
  internacionais	
  de	
  defesa	
  dos	
  Direitos	
  Humanos,	
  
em	
  razão	
  das	
  péssimas	
  condições	
  da	
  FUNASE	
  (que	
  a	
  propaganda	
  do	
  candidato	
  
Eduardo	
  Campos	
  tem	
  chamado	
  de	
  FEBEM),	
  onde	
  menores	
  são	
  decapitados	
  em	
  
rebeliões	
  e	
  do	
  presídio	
  Aníbal	
  Bruno,	
  considerado	
  o	
  pior	
  da	
  América	
  Latina,	
  pior	
  
até	
  que	
  o	
  presídio	
  de	
  Pedrinhas,	
  no	
  Maranhão.	
  
Mas	
   o	
   descaso	
   do	
   governador	
   Eduardo	
   com	
   os	
   Direitos	
  
Humanos,	
   também	
   se	
   volta	
   contra	
   vítimas	
   e	
   testemunhas	
   ameaçadas,	
   senão	
  
vejamos	
   a	
   quantas	
   anda	
   o	
   PPCAAM,	
   Programa	
   de	
   Proteção	
   a	
   Crianças	
   e	
  
Adolescentes	
  Ameaçados	
  de	
  Morte.	
  
O	
  PPCAAM	
  é	
  um	
  programa	
  federal	
  criado	
  em	
  2003	
  e	
  posto	
  
em	
   execução	
   a	
   partir	
   de	
   2007,	
   em	
   parceria	
   com	
   os	
   governos	
   estaduais	
   e	
  
organizações	
   não	
   governamentais.	
   Tem	
   por	
   finalidade	
   a	
   redução	
   das	
  
mortalidade	
   infanto-­‐juvenil,	
   mediante	
   a	
   proteção	
   de	
   crianças	
   e	
   adolescentes	
  
ameaçados	
  de	
  morte,	
  dando	
  especial	
  ênfase	
  à	
  proteção	
  integral	
  e	
  à	
  convivência	
  
familiar.”	
  
	
  
http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2013/11/19/novo-­‐recife-­‐ou-­‐estado-­‐novo/	
  
“Algumas	
  medidas	
  capitaneadas	
  pelo	
  secretário	
  João	
  Braga,	
  
a	
  mando	
  do	
  prefeito	
  Geraldo	
  Julio	
  (PSB),	
  têm	
  causado	
  desgastes	
  a	
  sua	
  gestão	
  
junto	
  aos	
  movimentos	
  sociais	
  e	
  aos	
  defensores	
  dos	
  direitos	
  humanos,	
  mas,	
  por	
  
outro	
   lado,	
   têm	
   agradado	
   em	
   cheio	
   àqueles	
   que	
   sonham,	
   há	
   tempos,	
   com	
   a	
  
implantação	
  de	
  uma	
  política	
  higienista	
  na	
  cidade.	
  
São	
  remoções	
  de	
  camelôs,	
  de	
  feirantes,	
  enfim,	
  moradores	
  e	
  
população	
  de	
  baixa	
  renda	
  que	
  não	
  se	
  enquadrem	
  no	
  seu	
  modelo	
  moderno	
  de	
  
cidade,	
  no	
  qual	
  se	
  encaixam,	
  à	
  perfeição,	
  Torres	
  e	
  arranha-­‐céus	
  autorizados	
  a	
  
subir	
  no	
  centro	
  da	
  cidade,	
  com	
  a	
  alteração	
  gritante	
  das	
  feições	
  originais	
  desses	
  
cenários,	
   até	
   então	
   caríssimos	
   ao	
   patrimônio	
   histórico	
   e	
   cultural	
   da	
   capital	
  
pernambucana	
  e	
  que	
  desta	
  sempre	
  foram	
  referência	
  internacional.	
  
  27	
  
O	
  processo	
  de	
  gentrificação,	
  portanto,	
  tem	
  contado	
  com	
  a	
  
total	
  cumplicidade	
  da	
  gestão	
  Geraldo	
  Júlio,	
  a	
  ponto	
  de	
  referido	
  processo	
  parecer	
  
mesmo	
  ser	
  o	
  mote,	
  a	
  diretriz	
  da	
  sua	
  política	
  de	
  urbanismo,	
  a	
  cada	
  dia	
  com	
  mais	
  
feições	
  higienistas.	
  
(…)	
  
Mas	
  quem	
  pensar	
  que	
  o	
  higienismo	
  é	
  coisa	
  de	
  Geraldo	
  Júlio	
  
engana-­‐se	
   mais	
   ainda.	
   Ele	
   também	
   cumpre	
   ordens,	
   assim	
   como	
   Agamenon	
  
cumpria	
  ordens	
  de	
  Getúlio.	
  Para	
  se	
  ter	
  uma	
  ideia	
  do	
  caráter	
  higienista	
  do	
  projeto	
  
de	
  poder	
  de	
  Eduardo	
  Campos	
  não	
  precisamos	
  ir	
  muito	
  longe.	
  Basta	
  lembrarmos	
  
da	
  extinção	
  do	
  sagrado	
  direito	
  de	
  nascer,	
  decretado	
  por	
  Eduardo,	
  em	
  Fernando	
  
de	
  Noronha.	
  Lá,	
  em	
  Noronha,	
  gente	
  não	
  pode	
  nascer.	
  Só	
  o	
  que	
  pode	
  nascer	
  é	
  
empreendimento	
  turístico	
  para	
  desfrute	
  e	
  lucro	
  de	
  empresários.	
  
Nem	
   maternidade	
   funciona	
   em	
   Noronha.	
   Se	
   houver	
   uma	
  
emergência	
  dessa	
  natureza,	
  a	
  paciente	
  tem	
  que	
  ser	
  deslocada	
  para	
  o	
  continente	
  
correndo	
  todos	
  os	
  riscos,	
  pois	
  o	
  Estado	
  não	
  pode,	
  ele	
  mesmo,	
  correr	
  o	
  risco	
  de	
  
que	
   mais	
   ninguém	
   nasça	
   do	
   paraíso	
   de	
   Fernando	
   de	
   Noronha	
   e	
   adquira	
   os	
  
direitos	
  de	
  nativo	
  do	
  lugar.”	
  
	
  
http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/page/1/?s=noelia+brito+inserçao	
  
“No	
  último	
  fim	
  de	
  semana	
  estive	
  em	
  Natal	
  e	
  lá	
  conheci	
  a	
  
presidente	
  da	
  APAE	
  de	
  Caicó,	
  a	
  professora	
  aposentada,	
  Gildete	
  Medeiros	
  que	
  me	
  
falou	
   sobre	
   o	
   valoroso	
   trabalho	
   dessa	
   instituição	
   como	
   fomentadora	
   e	
  
responsável	
  direta	
  pela	
  inclusão	
  das	
  pessoas	
  com	
  deficiências	
  na	
  sociedade.	
  A	
  
APAE	
   –	
   Associação	
   de	
   Pais	
   e	
   Amigos	
   dos	
   Excepcionais	
   surgiu	
   em	
   1954	
   com	
   a	
  
missão	
  de	
  promover	
  a	
  atenção	
  integral	
  às	
  pessoas	
  com	
  deficiência	
  intelectual	
  ou	
  
múltipla.	
  Hoje,	
  nada	
  menos	
  que	
  2	
  mil	
  municípios	
  brasileiros	
  contam	
  com	
  uma	
  
unidade	
  da	
  APAE.	
  
Dentre	
   as	
   várias	
   conquistas	
   do	
   movimento	
   apaeano,	
   uma	
  
das	
   mais	
   importantes,	
   segundo	
   os	
   que	
   fazem	
   parte	
   do	
   movimento,	
   foi	
   a	
  
obrigatoriedade	
  de	
  realização	
  do	
  Teste	
  do	
  Pezinho,	
  pelo	
  qual	
  se	
  faz	
  um	
  exame	
  
laboratorial,	
  chamado	
  também	
  de	
  triagem	
  neonatal,	
  que	
  detecta	
  precocemente	
  
doenças	
  metabólicas,	
  genéticas	
  e	
  infecciosas,	
  que	
  poderão	
  causar	
  alterações	
  no	
  
desenvolvimento	
  neuropsicomotor	
  do	
  bebê.	
  
Essa	
   não	
   é	
   uma	
   conquista	
   a	
   ser	
   desprezada	
   num	
   país	
   em	
  
que	
   segundo	
   o	
   Censo	
   do	
   IBGE,	
   ainda	
   em	
   2000,	
   tinha	
   uma	
   população	
   de	
  
aproximadamente	
   24,5	
   milhões	
   de	
   pessoas	
   com	
   deficiência,	
   8,3%	
   das	
   quais,	
  
diagnosticadas	
  com	
  algum	
  tipo	
  de	
  deficiência	
  mental.	
  
  28	
  
A	
  partir	
  dessa	
  conversa	
  com	
  a	
  professora	
  Gildete,	
  recordei	
  
das	
  várias	
  denúncias	
  que	
  já	
  haviam	
  me	
  chegado	
  dando	
  conta	
  das	
  agruras	
  por	
  
que	
  passam	
  os	
  alunos	
  com	
  necessidades	
  especiais	
  e	
  seus	
  responsáveis,	
  quando	
  
procuram	
  a	
  tão	
  sonhada	
  –	
  e	
  propalada	
  –	
  inserção	
  na	
  rede	
  regular	
  de	
  ensino.	
  
Não	
   foi	
   à	
   toda,	
   portanto,	
   que	
   o	
   Estatuto	
   da	
   Criança	
   e	
   do	
  
Adolescente	
   e	
   a	
   Lei	
   de	
   Diretrizes	
   e	
   Bases	
   da	
   Educação	
   previram	
   a	
  
obrigatoriedade	
  da	
  inclusão	
  das	
  crianças	
  com	
  necessidades	
  especiais	
  no	
  sistema	
  
regular	
  de	
  ensino,	
  pois	
  isso	
  foi	
  fruto	
  de	
  longos	
  anos	
  de	
  luta	
  daqueles	
  que,	
  assim	
  
como	
   o	
   movimento	
   apaeano,	
   estiveram	
   na	
   vanguarda	
   das	
   reivindicações	
   pelo	
  
reconhecimento	
   dos	
   direitos	
   das	
   pessoas	
   com	
   necessidades	
   especiais	
   se	
  
integraram	
  à	
  sociedade	
  de	
  onde	
  jamais	
  deveriam	
  ter	
  sido	
  alijadas.”	
  
	
  
http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/01/28/judiciario-­‐que-­‐exclui-­‐esta-­‐
muito-­‐longe-­‐de-­‐ser-­‐moderno-­‐e-­‐mais-­‐distante-­‐ainda-­‐do-­‐povo/	
  
“O	
  Brasil,	
  como	
  signatário	
  da	
  Convenção	
  sobre	
  os	
  Direitos	
  
das	
   Pessoas	
   com	
   Deficiências,	
   a	
   chamada	
   Convenção	
   de	
   Nova	
   Iorque,	
   deve	
  
respeito	
  aos	
  princípios	
  ali	
  insculpidos	
  porque	
  têm	
  a	
  força	
  de	
  normas	
  de	
  natureza	
  
constitucional.	
  
Dentre	
  os	
  princípios	
  a	
  que	
  o	
  Brasil	
  se	
  tornou	
  co-­‐obrigado,	
  
ao	
  subscrever	
  a	
  Convenção	
  que	
  trata	
  dos	
  Direitos	
  das	
  Pessoas	
  com	
  Deficiência,	
  
entendidas	
   estas	
   como	
   as	
   que	
   “te?m	
   impedimentos	
   de	
   natureza	
   fi?sica,	
  
intelectual	
  ou	
  sensorial,	
  os	
  quais,	
  em	
  interac?a?o	
  com	
  diversas	
  barreiras,	
  podem	
  
obstruir	
  sua	
  participac?a?o	
  plena	
  e	
  efetiva	
  na	
  sociedade	
  com	
  as	
  demais	
  pessoas”	
  
(art.	
   1º,	
   Convenção),	
   destacam-­‐se	
   o	
   “respeito	
   pela	
   dignidade	
   inerente,	
  
independe?ncia	
  da	
  pessoa,	
  inclusive	
  a	
  liberdade	
  de	
  fazer	
  as	
  pro?prias	
  escolhas,	
  e	
  
autonomia	
   individual”,	
   bem	
   como	
   a	
   “igualdade	
   de	
   oportunidades”	
   e	
   a	
  
“acessibilidade”.	
  
Dito	
   isso,	
   causa	
   espécie	
   que	
   parta	
   justamente	
   do	
   Poder	
  
Judiciário	
   uma	
   das	
   principais	
   iniciativas	
   descumpridoras	
   dessa	
   conquista	
   tão	
  
arduamente	
  buscada	
  pelos	
  que	
  militam	
  em	
  prol	
  da	
  causa	
  ora	
  em	
  destaque.	
  É	
  
que	
  a	
  pretexto	
  de	
  modernizar	
  o	
  sistema	
  de	
  acompanhamento	
  e	
  administração	
  
de	
  processos,	
  o	
  Poder	
  Judiciário	
  findou	
  por	
  criar	
  um	
  processo	
  judicial	
  altamente	
  
exclusivo,	
   com	
   o	
   chamado	
   Processo	
   Judicial	
   Eletrônico,	
   o	
   PJe,	
   que	
   alija	
   os	
  
profissionais	
   do	
   direito	
   com	
   deficiência	
   visual	
   de	
   sua	
   utilização,	
   tornando-­‐os	
  
totalmente	
   dependentes	
   de	
   uma	
   terceira	
   pessoa	
   para	
   que	
   possam	
   utilizar	
   o	
  
sistema,	
  descumprindo	
  acintosamente	
  o	
  que	
  vem	
  determinado	
  pela	
  Convenção	
  
em	
  tela.”	
  
	
  
  29	
  
	
  
http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/02/04/doutora-­‐deborah-­‐prates-­‐um-­‐
balsamo-­‐a-­‐perfumar-­‐nossas-­‐batalhas-­‐por-­‐vezes-­‐inglorias/	
  
“Em	
   nosso	
   artigo	
   da	
   semana	
   passada,	
   denunciamos	
   o	
  
descaso	
   com	
   que	
   o	
   Poder	
   Judiciário	
   brasileiro	
   vinha	
   tratando	
   a	
   situação	
   das	
  
partes	
   e	
   profissionais	
   com	
   deficiências	
   que	
   necessitam	
   utilizar	
   o	
   sistema	
  
processual	
  eletrônico	
  para	
  ter	
  pleno	
  acesso	
  à	
  Justiça,	
  o	
  que,	
  em	
  si,	
  já	
  configurava	
  
flagrante	
   descumprimento	
   das	
   normas	
   constitucionais	
   vigentes,	
   desde	
   que	
   o	
  
Brasil	
  se	
  tornou	
  signatário	
  da	
  Convenção	
  de	
  Nova	
  Iorque.	
  
A	
   inconstitucionalidade	
   e	
   o	
   desrespeito	
   com	
   o	
   direito	
   das	
  
pessoas	
   deficientes,	
   em	
   especial	
   aquelas	
   com	
   deficiência	
   visual,	
   foram	
  
referendados	
   por	
   uma	
   decisão	
   do	
   Ministro	
   Joaquim	
   Barbosa,	
   na	
   condição	
   de	
  
presidente	
  do	
  Supremo	
  Tribunal	
  Federal	
  e	
  do	
  Conselho	
  Nacional	
  de	
  Justiça.	
  
Em	
  nossos	
  artigos	
  anteriores	
  –	
  vale	
  lembrar	
  que	
  em	
  nosso	
  
primeiro	
  artigo	
  sobre	
  o	
  tema,	
  quando	
  falamos	
  do	
  papel	
  das	
  APAEs	
  e	
  tratamos	
  do	
  
descaso	
   dos	
   governos	
   estaduais	
   e	
   municipais	
   em	
   aparelhar	
   escolas	
   e	
   treinar	
  
educadores	
  para	
  lidar	
  com	
  os	
  alunos	
  com	
  necessidades	
  especiais	
  -­‐,	
  trouxemos	
  
dados	
  ainda	
  do	
  Censo	
  de	
  2000,	
  para	
  demonstrar	
  a	
  dimensão	
  da	
  exclusão	
  que	
  o	
  
descumprimento,	
   seja	
   pelo	
   Poder	
   Judiciário,	
   seja	
   pelo	
   Poder	
   Executivo,	
   das	
  
políticas	
  inclusivas,	
  causava	
  ao	
  nosso	
  povo.	
  
(…)	
  
Felizmente,	
  durante	
  as	
  férias	
  do	
  presidente	
  do	
  STF,	
  coube	
  
ao	
  vice-­‐presidente,	
  Ricardo	
  Lewandowiski	
  despachar	
  o	
  mandado	
  de	
  segurança	
  
MS	
   32.751,	
   impetrado	
   pela	
   advogada	
   fluminense,	
   onde	
   o	
   vice-­‐presidente	
   do	
  
Supremo,	
   no	
   exercício	
   da	
   presidência	
   reconheceu	
   o	
   descaminho	
   por	
   onde	
  
enveredara	
   o	
   STF,	
   ao	
   cercear	
   o	
   direito	
   da	
   advogada	
   ao	
   livre	
   exercício	
   da	
  
profissão,	
  concedendo	
  liminar	
  no	
  sentido	
  de	
  lhe	
  permitir	
  peticionar	
  em	
  papel:	
  
“Conforme	
   narrado	
   na	
   inicial	
   deste	
   writ,	
   o	
   processo	
   judicial	
   eletrônico	
   é	
  
totalmente	
  inacessível	
  às	
  pessoas	
  com	
  deficiência	
  visual,	
  pois	
  não	
  foi	
  elaborado	
  
com	
  base	
  nas	
  normas	
  internacionais	
  de	
  acessibilidade	
  web.	
  
Dessa	
  forma,	
  continuar	
  a	
  exigir	
  das	
  pessoas	
  portadoras	
  de	
  
necessidades	
   especiais	
   que	
   busquem	
   auxílio	
   de	
   terceiros	
   para	
   continuar	
   a	
  
exercer	
   a	
   profissão	
   de	
   advogado	
   afronta,	
   à	
   primeira	
   vista,	
   um	
   dos	
   principais	
  
fundamentos	
  da	
  Constituição	
  de	
  1988,	
  qual	
  seja,	
  a	
  dignidade	
  da	
  pessoa	
  humana	
  
(art.	
  1º,	
  III,	
  da	
  CF).	
  
(…)	
  
A	
  quem	
  iremos	
  responsabilizar?	
  O	
  que	
  mais	
  de	
  descaso	
  em	
  
termos	
  de	
  descumprimento	
  de	
  direitos	
  fundamentais	
  encontraremos	
  dentro	
  do	
  
  30	
  
próprio	
  Poder	
  Judiciário	
  e	
  que	
  continuarão	
  ocultos	
  por	
  não	
  encontrarem	
  pessoas	
  
como	
   a	
   advogada	
   Deborah	
   Prates	
   para	
   se	
   insurgirem	
   contra	
   eles?	
   Que	
   o	
  
exemplo	
  de	
  Deborah	
  nos	
  inspire	
  e	
  nos	
  anime	
  a	
  seguir	
  adiante	
  como	
  um	
  bálsamo	
  
a	
  perfumar	
  nossas	
  batalhas	
  muitas	
  vezes	
  tão	
  inglórias.	
  Salve,	
  salve,	
  Dra.	
  Deborah	
  
Prates!”	
  
	
  
Buscando-­‐se	
   nos	
   jornais	
   de	
   nosso	
   Estado,	
   incontáveis	
   serão	
   as	
  
matérias	
  trazendo	
  o	
  nome	
  da	
  Querelante	
  como	
  defensora	
  voluntária	
  de	
  estudantes	
  
e	
  trabalhadores	
  contra	
  a	
  opressão	
  e	
  a	
  repressão.	
  Na	
  página	
  pessoal	
  no	
  Facebook	
  da	
  
Querelante	
  são	
  inúmeros	
  os	
  comentários	
  de	
  admiração	
  e	
  respeito	
  de	
  pessoas	
  que	
  
acompanham	
   o	
   trabalho	
   combativo	
   da	
   Querelante,	
   sempre	
   na	
   defesa	
   dos	
   menos	
  
favorecidos	
   e	
   do	
   povo	
   de	
   nosso	
   Estado,	
   contra	
   as	
   perseguições	
   dos	
   poderosos,	
   a	
  
ponto	
   de	
   alguns	
   citarem	
   a	
   Querelante	
   como	
   exemplo	
   para	
   suas	
   próprias	
   vidas	
   e	
  
condutas.	
  São	
  jovens	
  estudantes	
  universitários,	
  secundaristas,	
  pessoas	
  já	
  adultas	
  e	
  
de	
  todas	
  as	
  profissões	
  e	
  classes	
  sociais	
  que	
  já	
  tiveram	
  oportunidade	
  de	
  manifestar	
  
publicamente	
  seu	
  respeito	
  e	
  admiração	
  pela	
  conduta	
  escorreita	
  da	
  Querelante.	
  	
  
	
  
Resta	
   evidenciado,	
   portanto,	
   que	
   os	
   ataques	
   mesquinhos	
   e	
  
desprovidos	
  de	
  qualquer	
  fundamento	
  ou	
  veracidade	
  que	
  os	
  Querelados	
  desferiram	
  
contra	
  a	
  Querelante,	
  no	
  dia	
  10	
  de	
  abril	
  do	
  corrente	
  ano,	
  nada	
  mais	
  são	
  que	
  crimes	
  
contra	
   sua	
   honra,	
   difamações	
   sórdidas,	
   destinadas	
   a	
   desmoralizá-­‐la	
   perante	
   a	
  
opinião	
   pública,	
   visando	
   destruir	
   a	
   imagem	
   que	
   ergueu	
   com	
   muito	
   esforço	
   e	
  
dignidade,	
  que,	
  repita-­‐se,	
  tem	
  servido	
  de	
  inspiração	
  para	
  jovens	
  e	
  adultos	
  de	
  todas	
  
as	
  classes	
  sociais,	
  hoje	
  tão	
  carentes	
  de	
  pessoas	
  íntegras	
  em	
  quem	
  possam	
  confiar	
  e	
  
se	
  espelhar.	
  O	
  desserviço	
  que	
  os	
  Querelados	
  prestam	
  não	
  é	
  só	
  à	
  Querelante,	
  mas	
  a	
  
todos	
   que	
   admiram	
   e	
   precisam	
   de	
   seu	
   trabalho	
   por	
   sentirem-­‐se	
   por	
   este	
  
representados.	
  Eis	
  alguns	
  exemplos:	
  
	
  
	
  
  31	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
  32	
  
	
  
http://andradetalis.wordpress.com/2014/04/10/noelia-­‐brito-­‐no-­‐caminho-­‐certo/	
  
  33	
  
	
  
	
  
  34	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
  35	
  
	
  
  36	
  
	
  
	
  
	
  
  37	
  
	
  
	
  
Conforme	
   se	
   percebe	
   pelos	
   comentários	
   expressados	
   por	
   um	
  
número	
   significativo	
   de	
   cidadãos	
   e	
   cidadãs	
   que	
   acompanham	
   a	
   trajetória	
   e	
   o	
  
trabalho	
  da	
  Querelante,	
  muitos,	
  inclusive,	
  seus	
  admiradores,	
  os	
  ataques	
  a	
  sua	
  honra	
  
que	
  têm	
  sido	
  desferidos	
  pelos	
  Querelados	
  não	
  podem	
  mais	
  seguir	
  impunes,	
  razão	
  
pela	
   qual	
   a	
   presente	
   Queixa-­‐Crime	
   se	
   mostra	
   inadiável	
   e	
   inevitável.	
   Ademais,	
   o	
  
número	
  de	
  acessos	
  e	
  compartilhamentos,	
  comentários	
  e	
  “curtidas”	
  nas	
  postagens	
  
feitas	
  pela	
  Querelante	
  em	
  seu	
  perfil	
  pessoal	
  no	
  Facebook,	
  deixam	
  claro	
  o	
  porquê	
  da	
  
vontade	
  de	
  seus	
  detratores	
  em	
  difamá-­‐la,	
  desqualificá-­‐la	
  e	
  desmoralizá-­‐la	
  a	
  qualquer	
  
custo,	
   posto	
   que	
   não	
   convém	
   aos	
   interesses	
   inconfessáveis	
   dos	
   coronéis	
   que	
  
mandam	
   em	
   Pernambuco	
   e	
   na	
   Prefeitura	
   do	
   Recife,	
   que	
   a	
   Querelante	
   seja	
   uma	
  
formadora	
  de	
  opinião	
  com	
  tamanha	
  repercussão	
  e	
  influência	
  nas	
  Redes	
  Sociais,	
  a	
  
ponto	
  de	
  que	
  uma	
  única	
  postagem	
  sua,	
  criticando	
  atos	
  desses	
  “coronéis”	
  modernos,	
  
possa	
   chegar	
   a	
   ter	
   milhares	
   de	
   compartilhamentos	
   e	
   ainda	
   instigue	
   acalorados	
  
debates,	
  sem	
  a	
  censura	
  e	
  o	
  cabresto	
  desses	
  donatários,	
  que	
  tratam	
  o	
  povo	
  como	
  
serviçais	
  e	
  o	
  Estado	
  como	
  se	
  fosse	
  sua	
  capitania	
  hereditária.	
  Os	
  cidadãos	
  e	
  cidadãs	
  
livre	
   pensantes	
   transformaram	
   o	
   perfil	
   da	
   Querelante,	
   no	
   Facebook,	
   numa	
  
verdadeira	
  Ágora	
  virtual,	
  conforme	
  se	
  vê	
  nos	
  exemplos	
  adiante:	
  
	
  
  38	
  
  39	
  
	
  
  40	
  
	
  
  41	
  
	
  
  42	
  
  43	
  
	
  
  44	
  
	
  
  45	
  
	
  
	
  
Os	
   Querelados	
   também	
   injuriaram	
   a	
   Querelante,	
   praticando	
   a	
  
conduta	
  típica	
  prevista	
  no	
  artigo	
  140,	
  do	
  CP,	
  ao	
  acusarem	
  a	
  Querelante	
  de	
  praticar	
  
ofensas,	
  inclusive	
  de	
  baixíssimo	
  nível,	
  contra	
  seus	
  semelhantes,	
  independentemente	
  
Queixa crime roberta_souza_carolina_tavares

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
Jamildo Melo
 
Petição de habilitação em processo
Petição de habilitação em processoPetição de habilitação em processo
Petição de habilitação em processo
Anderson Favacho
 
Derecho Probatorio en Venezuela
Derecho Probatorio en VenezuelaDerecho Probatorio en Venezuela
Derecho Probatorio en Venezuela
franklyn Gutierrez martinez
 
Declaração encerramento de conta
Declaração encerramento de contaDeclaração encerramento de conta
Declaração encerramento de conta
Robson Pereira
 
Recursos no processo civil
Recursos no processo civilRecursos no processo civil
Recursos no processo civil
Ramires Martins
 
Parecer crédito tributário - revisão de lançamento
Parecer   crédito tributário - revisão de lançamentoParecer   crédito tributário - revisão de lançamento
Parecer crédito tributário - revisão de lançamento
Eliton Meneses
 
Minuta declaração de dívida.versão 2
Minuta declaração de dívida.versão 2Minuta declaração de dívida.versão 2
Minuta declaração de dívida.versão 2
Vitor Antunes
 
Reclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipada
Reclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipadaReclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipada
Reclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipada
Consultor JRSantana
 
Modelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesaoModelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesao
carlosneder
 
Modelo Escrito Judicial de Apercibimiento
Modelo Escrito Judicial de ApercibimientoModelo Escrito Judicial de Apercibimiento
Modelo Escrito Judicial de Apercibimiento
Corporación Hiram Servicios Legales
 
Pedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao ModeloPedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao Modelo
guest3bbab5
 
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Dinarte Mariz
 
La Reincorporación en la Administración Pública caso Huatuco Huatuco
La Reincorporación en la Administración Pública  caso Huatuco HuatucoLa Reincorporación en la Administración Pública  caso Huatuco Huatuco
La Reincorporación en la Administración Pública caso Huatuco Huatuco
JOSE LUIS JARA BAUTISTA
 
7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc
7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc
7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc
Consultor JRSantana
 
Demanda de ReposicióN Contencioso Admnistrativa
Demanda de ReposicióN Contencioso AdmnistrativaDemanda de ReposicióN Contencioso Admnistrativa
Demanda de ReposicióN Contencioso Admnistrativa
Yulemix Pacheco Zapata
 
Modelo de declaração de hipossuficiência
Modelo de declaração de hipossuficiênciaModelo de declaração de hipossuficiência
Modelo de declaração de hipossuficiência
simone Moraes
 
Defesa mpt abaixo_assinado2
Defesa mpt abaixo_assinado2Defesa mpt abaixo_assinado2
Defesa mpt abaixo_assinado2
Noelia Brito
 
2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...
2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...
2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...
Consultor JRSantana
 
4 escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY
4  escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY4  escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY
4 escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY
yacambugrupo
 
Quadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilQuadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civil
Tom Di Brito
 

Mais procurados (20)

Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
 
Petição de habilitação em processo
Petição de habilitação em processoPetição de habilitação em processo
Petição de habilitação em processo
 
Derecho Probatorio en Venezuela
Derecho Probatorio en VenezuelaDerecho Probatorio en Venezuela
Derecho Probatorio en Venezuela
 
Declaração encerramento de conta
Declaração encerramento de contaDeclaração encerramento de conta
Declaração encerramento de conta
 
Recursos no processo civil
Recursos no processo civilRecursos no processo civil
Recursos no processo civil
 
Parecer crédito tributário - revisão de lançamento
Parecer   crédito tributário - revisão de lançamentoParecer   crédito tributário - revisão de lançamento
Parecer crédito tributário - revisão de lançamento
 
Minuta declaração de dívida.versão 2
Minuta declaração de dívida.versão 2Minuta declaração de dívida.versão 2
Minuta declaração de dívida.versão 2
 
Reclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipada
Reclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipadaReclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipada
Reclamação trabalhista, indenizatória e tutela antecipada
 
Modelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesaoModelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesao
 
Modelo Escrito Judicial de Apercibimiento
Modelo Escrito Judicial de ApercibimientoModelo Escrito Judicial de Apercibimiento
Modelo Escrito Judicial de Apercibimiento
 
Pedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao ModeloPedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao Modelo
 
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
 
La Reincorporación en la Administración Pública caso Huatuco Huatuco
La Reincorporación en la Administración Pública  caso Huatuco HuatucoLa Reincorporación en la Administración Pública  caso Huatuco Huatuco
La Reincorporación en la Administración Pública caso Huatuco Huatuco
 
7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc
7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc
7-Contrarrazões de RECURSO EXTRAORRDINARIO - STF.doc
 
Demanda de ReposicióN Contencioso Admnistrativa
Demanda de ReposicióN Contencioso AdmnistrativaDemanda de ReposicióN Contencioso Admnistrativa
Demanda de ReposicióN Contencioso Admnistrativa
 
Modelo de declaração de hipossuficiência
Modelo de declaração de hipossuficiênciaModelo de declaração de hipossuficiência
Modelo de declaração de hipossuficiência
 
Defesa mpt abaixo_assinado2
Defesa mpt abaixo_assinado2Defesa mpt abaixo_assinado2
Defesa mpt abaixo_assinado2
 
2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...
2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...
2053 - PRÁTICA JURÍDICA II - MODELO EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - ILEGITIMIDAD...
 
4 escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY
4  escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY4  escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY
4 escrito demanda de nulidad de acta de asamblea -E Benitez UNY
 
Quadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilQuadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civil
 

Destaque

Queixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - media
Queixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - mediaQueixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - media
Queixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - media
Rui Nascimento
 
Queixa crime fátima travassos
Queixa crime fátima travassosQueixa crime fátima travassos
Queixa crime fátima travassosjuarezxyz
 
Queixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_Dubeux
Queixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_DubeuxQueixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_Dubeux
Queixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_Dubeux
Noelia Brito
 
Dpp I AÇÃO penal uri 2013.2
Dpp I AÇÃO penal  uri 2013.2Dpp I AÇÃO penal  uri 2013.2
Dpp I AÇÃO penal uri 2013.2
Giovani L Giovani
 
Queixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana Madureira
Queixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana MadureiraQueixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana Madureira
Queixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana Madureira
Rui Nascimento
 
A retratação no direito penal
A retratação no direito penalA retratação no direito penal
A retratação no direito penal
Yara Souto Maior
 
oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)
oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)
oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)
Franck Lenzi
 
Queixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - Media
Queixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - MediaQueixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - Media
Queixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - Media
Rui Nascimento
 
Queixa crime
Queixa crimeQueixa crime
Queixa crime
masterraif
 
Ação de injúria
Ação de injúriaAção de injúria
Ação de injúria
noticiadacaserna
 
Queixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066L
Queixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066LQueixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066L
Queixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066L
Rui Nascimento
 
Alegações Finais
Alegações FinaisAlegações Finais
Alegações Finais
Pedro Schaffa
 
Teses de-defesa-do-advogado-criminalista
Teses de-defesa-do-advogado-criminalistaTeses de-defesa-do-advogado-criminalista
Teses de-defesa-do-advogado-criminalista
Ricardo Oliveira
 
DPP - Aula10 - Denúncia e Queixa
DPP - Aula10 - Denúncia e QueixaDPP - Aula10 - Denúncia e Queixa
DPP - Aula10 - Denúncia e Queixa
direitoturmamanha
 
Alegações Finais - Penal
Alegações Finais - PenalAlegações Finais - Penal
Alegações Finais - Penal
Consultor JRSantana
 
Elaborando um artigo cientifico
Elaborando um artigo cientificoElaborando um artigo cientifico
3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv
portustfs
 
Livro guia11
Livro guia11Livro guia11
Livro guia11
pr_afsalbergaria
 
Livro gui
Livro guiLivro gui
Livro gui
c.susaninha
 
Peticao inicial
Peticao inicialPeticao inicial
Peticao inicial
Vinícius Cerqueira
 

Destaque (20)

Queixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - media
Queixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - mediaQueixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - media
Queixa crime contra Vanessa da Purificação Fernandes - media
 
Queixa crime fátima travassos
Queixa crime fátima travassosQueixa crime fátima travassos
Queixa crime fátima travassos
 
Queixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_Dubeux
Queixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_DubeuxQueixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_Dubeux
Queixa crime defesa_virginia_pimentel_Moura_Dubeux
 
Dpp I AÇÃO penal uri 2013.2
Dpp I AÇÃO penal  uri 2013.2Dpp I AÇÃO penal  uri 2013.2
Dpp I AÇÃO penal uri 2013.2
 
Queixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana Madureira
Queixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana MadureiraQueixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana Madureira
Queixa-Crime apresentada à OA contra advogada Liliana Madureira
 
A retratação no direito penal
A retratação no direito penalA retratação no direito penal
A retratação no direito penal
 
oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)
oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)
oab segunda fase modelos peças do ofendido (1)
 
Queixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - Media
Queixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - MediaQueixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - Media
Queixa crime contra MP Peniche - Calado Lopes - Media
 
Queixa crime
Queixa crimeQueixa crime
Queixa crime
 
Ação de injúria
Ação de injúriaAção de injúria
Ação de injúria
 
Queixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066L
Queixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066LQueixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066L
Queixa nº3 contra advogada Margarida Taveira, 4066L
 
Alegações Finais
Alegações FinaisAlegações Finais
Alegações Finais
 
Teses de-defesa-do-advogado-criminalista
Teses de-defesa-do-advogado-criminalistaTeses de-defesa-do-advogado-criminalista
Teses de-defesa-do-advogado-criminalista
 
DPP - Aula10 - Denúncia e Queixa
DPP - Aula10 - Denúncia e QueixaDPP - Aula10 - Denúncia e Queixa
DPP - Aula10 - Denúncia e Queixa
 
Alegações Finais - Penal
Alegações Finais - PenalAlegações Finais - Penal
Alegações Finais - Penal
 
Elaborando um artigo cientifico
Elaborando um artigo cientificoElaborando um artigo cientifico
Elaborando um artigo cientifico
 
3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv3 e 4 aula.ppv
3 e 4 aula.ppv
 
Livro guia11
Livro guia11Livro guia11
Livro guia11
 
Livro gui
Livro guiLivro gui
Livro gui
 
Peticao inicial
Peticao inicialPeticao inicial
Peticao inicial
 

Semelhante a Queixa crime roberta_souza_carolina_tavares

A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
Jamildo Melo
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
febiris841
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
febiris841
 
20111005 acp policial civil extorsão boa viagem
20111005 acp policial civil extorsão boa viagem20111005 acp policial civil extorsão boa viagem
20111005 acp policial civil extorsão boa viagem
Charles Lima
 
Ex-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeia
Ex-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeiaEx-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeia
Ex-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeia
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Wanderleia 2
Wanderleia 2Wanderleia 2
Wanderleia 2
Jornal Tudorondonia
 
Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.
allaymer
 
20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO
20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO
20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO
chlima
 
TJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresa
TJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresaTJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresa
TJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresa
Leandro César
 
Resumo de pratica simulada penal iii
Resumo de pratica simulada penal  iiiResumo de pratica simulada penal  iii
Resumo de pratica simulada penal iii
Walter Marinho
 
Associacao
AssociacaoAssociacao
1173- DEFESA PREVIA - 5
1173- DEFESA PREVIA - 51173- DEFESA PREVIA - 5
1173- DEFESA PREVIA - 5
Consultor JRSantana
 
2014. 5. apelação joão
2014. 5. apelação   joão2014. 5. apelação   joão
2014. 5. apelação joão
Kamila Pereira
 
BLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho Teixeira
BLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho TeixeiraBLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho Teixeira
BLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho Teixeira
guest0739d3c
 
Sentença parc.
Sentença parc.Sentença parc.
Espelho_pecas_para_brincar
Espelho_pecas_para_brincarEspelho_pecas_para_brincar
Espelho_pecas_para_brincar
Lucas Goes
 
Sentença indenização
Sentença indenizaçãoSentença indenização
Sentença indenização
Jamildo Melo
 
Notícia-crime ao PGJ
Notícia-crime ao PGJ Notícia-crime ao PGJ
Notícia-crime ao PGJ
ComunicaoPT
 
Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula
Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula
Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula
Aquiles Lins
 
Valter 02
Valter 02Valter 02

Semelhante a Queixa crime roberta_souza_carolina_tavares (20)

A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
 
20111005 acp policial civil extorsão boa viagem
20111005 acp policial civil extorsão boa viagem20111005 acp policial civil extorsão boa viagem
20111005 acp policial civil extorsão boa viagem
 
Ex-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeia
Ex-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeiaEx-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeia
Ex-deputada Ana da Oito e irmã são condenadas a cinco anos de cadeia
 
Wanderleia 2
Wanderleia 2Wanderleia 2
Wanderleia 2
 
Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.Apelação cível. responsabilidade civil.
Apelação cível. responsabilidade civil.
 
20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO
20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO
20090325 AçãO Policial Civil ConcussãO
 
TJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresa
TJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresaTJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresa
TJ-Rondônia mantém condenação de sindicalista que achacou empresa
 
Resumo de pratica simulada penal iii
Resumo de pratica simulada penal  iiiResumo de pratica simulada penal  iii
Resumo de pratica simulada penal iii
 
Associacao
AssociacaoAssociacao
Associacao
 
1173- DEFESA PREVIA - 5
1173- DEFESA PREVIA - 51173- DEFESA PREVIA - 5
1173- DEFESA PREVIA - 5
 
2014. 5. apelação joão
2014. 5. apelação   joão2014. 5. apelação   joão
2014. 5. apelação joão
 
BLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho Teixeira
BLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho TeixeiraBLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho Teixeira
BLOG DE JAMILDO - Prisão de Neguinho Teixeira
 
Sentença parc.
Sentença parc.Sentença parc.
Sentença parc.
 
Espelho_pecas_para_brincar
Espelho_pecas_para_brincarEspelho_pecas_para_brincar
Espelho_pecas_para_brincar
 
Sentença indenização
Sentença indenizaçãoSentença indenização
Sentença indenização
 
Notícia-crime ao PGJ
Notícia-crime ao PGJ Notícia-crime ao PGJ
Notícia-crime ao PGJ
 
Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula
Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula
Notícia-crime - ameaça contra ex-presidente Lula
 
Valter 02
Valter 02Valter 02
Valter 02
 

Mais de Noelia Brito

Anulatoria chesf
Anulatoria chesfAnulatoria chesf
Anulatoria chesf
Noelia Brito
 
Ata age 19.01.2018 CHESF
Ata age 19.01.2018 CHESFAta age 19.01.2018 CHESF
Ata age 19.01.2018 CHESF
Noelia Brito
 
Denuncia merenda escolar SIMPERE
Denuncia merenda escolar SIMPEREDenuncia merenda escolar SIMPERE
Denuncia merenda escolar SIMPERE
Noelia Brito
 
DECISÃO PRISÃO DO LULA
DECISÃO PRISÃO DO LULADECISÃO PRISÃO DO LULA
DECISÃO PRISÃO DO LULA
Noelia Brito
 
Mais vida ii.pdf
Mais vida ii.pdfMais vida ii.pdf
Mais vida ii.pdf
Noelia Brito
 
Mais vida -_i.pdf
Mais vida -_i.pdfMais vida -_i.pdf
Mais vida -_i.pdf
Noelia Brito
 
Pag 8
Pag 8Pag 8
Pag7
Pag7Pag7
Pag 6
Pag 6Pag 6
Pag 5
Pag 5Pag 5
Pag 4
Pag 4Pag 4
Pag 3
Pag 3Pag 3
Pag 2
Pag 2Pag 2
Pag 1
Pag 1Pag 1
Liminar Dissolução do MDB de Pernambuco
Liminar Dissolução do MDB de PernambucoLiminar Dissolução do MDB de Pernambuco
Liminar Dissolução do MDB de Pernambuco
Noelia Brito
 
Mapa casa farinha
Mapa casa farinhaMapa casa farinha
Mapa casa farinha
Noelia Brito
 
Voto dirceu rodolfo slm
Voto dirceu rodolfo slmVoto dirceu rodolfo slm
Voto dirceu rodolfo slm
Noelia Brito
 
AÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PE
AÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PEAÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PE
AÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PE
Noelia Brito
 
Resposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial Arcoverde
Resposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial ArcoverdeResposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial Arcoverde
Resposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial Arcoverde
Noelia Brito
 
Sentença operação construtor
Sentença operação construtorSentença operação construtor
Sentença operação construtor
Noelia Brito
 

Mais de Noelia Brito (20)

Anulatoria chesf
Anulatoria chesfAnulatoria chesf
Anulatoria chesf
 
Ata age 19.01.2018 CHESF
Ata age 19.01.2018 CHESFAta age 19.01.2018 CHESF
Ata age 19.01.2018 CHESF
 
Denuncia merenda escolar SIMPERE
Denuncia merenda escolar SIMPEREDenuncia merenda escolar SIMPERE
Denuncia merenda escolar SIMPERE
 
DECISÃO PRISÃO DO LULA
DECISÃO PRISÃO DO LULADECISÃO PRISÃO DO LULA
DECISÃO PRISÃO DO LULA
 
Mais vida ii.pdf
Mais vida ii.pdfMais vida ii.pdf
Mais vida ii.pdf
 
Mais vida -_i.pdf
Mais vida -_i.pdfMais vida -_i.pdf
Mais vida -_i.pdf
 
Pag 8
Pag 8Pag 8
Pag 8
 
Pag7
Pag7Pag7
Pag7
 
Pag 6
Pag 6Pag 6
Pag 6
 
Pag 5
Pag 5Pag 5
Pag 5
 
Pag 4
Pag 4Pag 4
Pag 4
 
Pag 3
Pag 3Pag 3
Pag 3
 
Pag 2
Pag 2Pag 2
Pag 2
 
Pag 1
Pag 1Pag 1
Pag 1
 
Liminar Dissolução do MDB de Pernambuco
Liminar Dissolução do MDB de PernambucoLiminar Dissolução do MDB de Pernambuco
Liminar Dissolução do MDB de Pernambuco
 
Mapa casa farinha
Mapa casa farinhaMapa casa farinha
Mapa casa farinha
 
Voto dirceu rodolfo slm
Voto dirceu rodolfo slmVoto dirceu rodolfo slm
Voto dirceu rodolfo slm
 
AÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PE
AÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PEAÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PE
AÇÃO DE IMPROBIDADE CONTRATOS LIXO EX-PREFEITO DE BONITO/PE
 
Resposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial Arcoverde
Resposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial ArcoverdeResposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial Arcoverde
Resposta do IPHAN ao blog noelia brito sobre Memorial Arcoverde
 
Sentença operação construtor
Sentença operação construtorSentença operação construtor
Sentença operação construtor
 

Queixa crime roberta_souza_carolina_tavares

  • 1.   1   EXCELENTÍSSIMO  SENHOR  DOUTOR  JUIZ  DE  DIREITO  DA            VARA  CRIMINAL  DA   COMARCA  DO  RECIFE               QUEIXA-­‐CRIME         NOELIA   LIMA   BRITO,   devidamente   qualificada   no   instrumento   procuratório  anexo,  vem,  por  seu  patrono,  constituído  pelo  instrumento  de  mandato   antes  referido,  perante  Vossa  Excelência,  apresentar  QUEIXA-­‐CRIME  contra  DANIEL   FRANCISCO   WANDERLEY   DE   SEIQUEIRA   CAMPOS,   brasileiro,   casado,   digitador,   residente  na  rua  Manoel  de  Almeida  Belo,  nº  85,  Bairro  Novo,  Olinda,  CEP  53.030-­‐ 030,   telefone   8735-­‐6586   e   30115769,   portador   do   RG   nº   4.558.243   e   do   CPF   nº   881.779.554-­‐20;   JAMESON   MAGALHÃES   DE   OLIVEIRA,   brasileiro,   solteiro,   digitador,  residente  e  domiciliado  na  rua  Bernardo  de  Vasconcelos,  nº  78,  Ponto  de   Parada,  Recife,  CEP  50.041-­‐400,  telefones  8459-­‐4600  e  3355-­‐2360,  portador  do  RG   373.205   (SSP/PE)   e   do   CPF   832.802.194-­‐34;   MARIA   CAROLINA   TAVARES   DE   ARAÚJO,  brasileira,  casada,  digitadora,  residente  na  Rua  Assaí,  nº  102,  Campina  do   Barreto,   Recife,   Pernambuco,   CEP   52.121-­‐071,   telefone   8807-­‐8017,   portadora   do   RG  nº  5.222.980  (SDS/PE)  e  do  CPF  nº  030.625.854-­‐19  e  contra  ROBERTA  SOUZA  DA   CUNHA  MELO,  brasileira,  solteira,  digitadora,  residente  e  domiciliada  na  Rua  João   Fontes,   nº   112-­‐C,   Imbiribeira,   Recife/Pe,   CEP   51.150-­‐050,   telefones   87234419   e   34713521,  portadora  do  RG  4739961  (SSP/PE)  e  CPF  Nº  018.648.144-­‐62,  todos    com   endereço  profissional  na  Rua  do  Imperador  Pedro  II,  512,  Térreo,  Santo  Antônio   (Procuradoria   da   Fazenda   Municipal   do   Recife),  pelas  razões  de  fato  e  de  direito   que  ora  passa  a  expor:  
  • 2.   2   DA   COMPETÊNCIA   DA   VARA   CRIMINAL   PARA   PROCESSAMENTO   DA   PRESENTE   QUEIXA-­‐CRIME   Somadas,   as   penas   máximas   previstas   para   os   delitos   imputados   aos  Querelados  são  superiores  a  02  (dois)  anos,  razão  pela  qual,  a  competência  para   processamento  da  presente  Queixa-­‐Crime  é  da  Vara  Criminal.       Às  penas  dos  crimes  praticados  pelos  Querelados,  em  concurso  de   agentes,  devem  ser  aumentadas  de  1/3  (um  terço),  uma  vez  que  os  delitos  foram   cometidos  contra  funcionária  pública,  em  razão  de  suas  funções  e  na  presença  de   várias  pessoas.     DA   LEGITIMIDADE   DA   OFENDIDA   PARA   APRESENTAR   AÇÃO   PENAL   PRIVADA.   SÚMULA  714,  STF.     Em  se  tratando,  como  de  fato  se  trata,  de  crime  contra  a  honra  de   servidor  público  no  exercício  de  suas  funções,  a  Súmula  714,  do  STF,  já  estabeleceu   que  “é  concorrente  a  legitimidade  do  ofendido,  mediante  queixa,  e  do  Ministério   Público,  condicionada  à  representação  do  ofendido,  para  a  ação  penal  por  crime   contra  a  honra  de  servidor  público  em  razão  do  exercício  de  suas  funções”.     A   ofendida,   portanto,   tem   legitimidade   para   oferecer   a   presente   Queixa-­‐Crime.  Nesse  sentido:     “RESP  533651   Relator(a)  Ministro  PAULO  GALLOTTI   Data  da  Publicação  23/10/2003   Decisão   RECURSO  ESPECIAL  Nº  533.651  -­‐  MG  (2003/0054100-­‐2)   RELATOR  :  MINISTRO  PAULO  GALLOTTI   RECORRENTE  :  EPAMINONDAS  FULGÊNCIO  NETO   RECORRENTE  :  BERTOLDO  MATEUS  DE  OLIVEIRA  FILHO   ADVOGADO  :  DÉCIO  FULGÊNCIO  ALVES  DA  CUNHA  
  • 3.   3   RECORRIDO    :  PAULO  ROBERTO  MOREIRA  CANÇADO   RECORRIDO    :  GILVAN  ALVES  FRANCO   ADVOGADO  :  ANTÔNIO  FRANCISCO  PATENTE   DECISÃO:   PENAL.   CRIME   CONTRA   A   HONRA   PRATICADO   CONTRA   FUNCIONÁRIO   PÚBLICO   PROPTER   OFFICIUM.   LEGITIMIDADE   CONCORRENTE   DOS   OFENDIDOS   E   DO   MINISTÉRIO   PÚBLICO.   VIOLAÇÃO   DE   DISPOSITIVO   CONSTITUCIONAL.  IMPOSSIBILIDADE  DE  EXAME  EM  RECURSO  ESPECIAL.   1.   É   impossível   o   exame   de   violação   a   dispositivos   constitucionais   em   sede  de  recurso  especial,  mister  reservado  ao  Supremo  Tribunal  Federal   pela  via  do  extraordinário.     2.  É  pacífico  o  entendimento  desta  Corte  no  sentido  de  que,  nos  crimes   contra   a   honra   de   funcionário   público   propter   officium,   a   legitimidade   para  o  ajuizamento  da  ação  penal    é  tanto  do  ofendido,  em  ação  penal   privada,   quanto   do   Ministério   Público,   em   ação   penal   pública   condicionada.   3.  Recurso  especial  parcialmente  provido.”     DOS  FATOS  E  DO  DIREITO  A  ESTES  APLICÁVEL     Os  Querelados,  no  último  dia  10  de  abril  de  2014,  com  o  intuito,   único   e   exclusivo   de   desconstruírem   a   imagem   pública   da   Querelante,   mediante   ataques  mesquinhos,  inverídicos  e  rasteiros  à  sua  honra,  em  concurso  de  pessoas,   nos  moldes  previstos  pelo  artigo  29,  do  Código  Penal,  tiveram  a  ousadia  de  inventar   todo  tipo  de  descalabros,  chegando  ao  cúmulo  do  absurdo  de  imputar,  à  Querelante,   a  prática  de  crimes  contra  suas  próprias  honras  e  à  honra  de  terceiros,  com  o  que  se   tem   por   consumadas   as   condutas   tipificadas   nos   arts.   138,   139   e   140,   do   Código   Penal  Brasileiro.     O   art.   138,   do   CP   dispõe:   “Caluniar   alguém,   imputando-­‐lhe   falsamente  fato  definido  como  crime”.    A  pena  é  de  detenção  de  6  (seis)  meses  a  2   (dois)  anos.  O  §  1º  do  mesmo  artigo  ainda  dispõe  que  incorre  na  mesma  pena  aquele   que  sabendo  falsa  a  imputação,  a  propala  ou  divulga.  Já  o  §  3º,  também  do  artigo  
  • 4.   4   138,   diz   que   para   o   crime   de   calúnia   é   admitida   a   exceção   da   verdade,   salvo   se   constituindo  o  fato  imputado  crime  de  ação  privada,  o  ofendido  não  foi  condenado   por  sentença  irrecorrível.     Os   crimes   foram   praticados   durante   interrogatório   em   inquérito   administrativo   forjado   pela   gestão   Geraldo   Júlio,   do   PSB,   portanto,   do   subalterno   prefeito   secretário   do   presidenciável   Eduardo   Campos,   a   quem   a   Querelante   faz   oposição   ferrenha,   corajosa   e   quase   solitária,   dentro   do   Estado   de   Pernambuco,   conforme  prova  documental  ora  acostada.     Não  é  a  primeira  vez  que  os  Querelados,  movidos  por  sentimentos   menores,  aliaram-­‐se  para  atacar  a  honra  da  Querelante.  Em  2011,  os  Querelados  já   demonstravam  seu  animus  caluniandi,  difamandi  e  injuriandi  contra  a  Querelante,   quando   produziram   um   abaixo-­‐assinado   onde   faziam   acusações   com   uso   de   expressões  de  baixíssimo  calão,  atribuindo-­‐as  à  Querelante  e  esta,  por  ser  pessoa   cristã  e  de  sentimentos  elevados,  tendo  em  vista  pensar  que  os  Querelados  eram   indivíduos  hipossuficientes,  chegou  a  relevar,  naquela  ocasião,  as  ofensas  que  lhe   eram  assacadas.     Malsatisfeitos,   porém,   ou   quiçá,   sentindo-­‐se   amparados   ou   premiados  pela  impunidade,  ao  invés  de  se  mostrarem  gratos  pela  generosidade  da   Querelante,   voltaram   a   ofendê-­‐la   com   o   propósito   repugnante   de   servir   à   atual   gestão   da   qual   a   Querelante   é   crítica   e   contra   a   qual   já   apresentou,   inclusive   denúncia  à  Polícia  Federal  por  fraudes  em  licitações,  acompanhada  de  pedidos  de   investigação  de  ameaças  perpetradas  contra  si  e  contra  sua  genitora,  do  mesmo   modo   que   se   prestaram   a   servir   à   anterior,   também   alvo   de   denúncias   de   irregularidades  por  parte  da  Querelante  que  iam  desde  a  falsificação  de  assinaturas   de   procuradores   e   comprovantes   de   quitação   de   débitos,   no   âmbito   da   Procuradoria   da   Fazenda   Municipal   do   Recife,   até   desvios   de   finalidade   nas   terceirizações  de  digitadores  na  mesma  Procuradoria,  passando  por  contratações   de  estagiários  fantasmas,  tudo  conforme  documentação  em  anexo.    
  • 5.   5   Os  fatos  a  seguir  narrados  demonstrarão  cabalmente  o  verdadeiro   conluio   formado   pelos   Querelados   no   sentido   de   desqualificarem   a   Querelante   e   destruírem  sua  honra,  razão  pela  qual  devem  ser  severamente  punidos  nos  termos   da   lei   penal   vigente,   para   que   finalmente   cessem   com   a   perseguição   que   vêm   praticando   maldosa   e   desumanamente   contra   a   Querelante,   tão   somente   porque   querem  prestar  serviço  aos  poderosos  de  ocasião.       Conforme   se   vê,   todos   os   Querelados,   apesar   de   serem   terceirizados   e,   portanto,   nunca   terem   prestado   concurso   público,   mantém-­‐se   vinculados  à  Procuradoria  da  Fazenda  Municipal,  quando  muitos  de  seus  colegas  já   foram  desligados.  Alguns  já  passaram  por  gestões  do  PFL,  de  Roberto  Magalhães,   hoje  DEM,  do  PT  de  João  Paulo,  do  PT  de  João  da  Costa,  que  rompeu  politicamente   com  o  primeiro  e  agora  estão  inseridos  na  gestão  do  PSB,  de  Geraldo  Júlio,  o  que  só   comprova  sua  disposição  para  servir  a  quem  estiver  no  comando,  mesmo  que  para   isso  tenham  que  destruir  a  reputação  de  pessoas  honradas  como  a  Querelante.     Em  seu  depoimento  de  fls.  137/140  do  Inquérito  Administrativo  nº   2412/2013-­‐CCI,  a  Querelada  MARIA  CAROLINA  TAVARES  DE  ARAUJO,  em  ato  falho,   após   difamar   ferozmente   a   Querelante,   deixou   escapar   a   seguinte   declaração:   “quem   não   tem   medo   de   ser   demitido”,   ao   perceber   seu   ato   falho,   o   qual   a   Querelante  fez  questão  que  fosse  consignado  no  Termo  de  Depoimento,  pela  CCI   (doc.  anexo),  a  Querelada  tentou  fazer  crer  que  o  medo  da  demissão  seria  causado   pela   Querelante,   chegando   a   afirmar   no   mesmo   depoimento   que   esse   medo   lhe   teria  sido  incutido  pela  procuradora  Juliana  Santa  Cruz,  que,  segundo  a  Querelada,   MARIA  CAROLINA  TAVARES  DE  ARAUJO,  era  uma  espécie  de  protetora  sua:  “Que   Dra.  Juliana  Santa  Cruz  ainda  disse  a  ela  depoente  que  ela  tivera  sorte,  pois  havia   interferido  no  sentido  dela  depoente  permanecer  como  prestadora  de  serviços  na   procuradoria,  vez  que  a  investigada  iria  demiti-­‐la.”     Causa  espécie  à  Querelante  que  a  procuradora  Juliana  Santa  Cruz   tenha  feito  tal  declaração  à  Querelada,  uma  vez  que  como  restou  comprovado  pelo   depoimento  prestado  pelo  então  secretário  de  Assuntos  Jurídicos  à  mesma  CCI,  Dr.  
  • 6.   6   Cláudio   Ferreira,   a   Querelante   jamais   teve   poderes   para   demitir   ninguém,   sendo   essa  atribuição  exclusiva  do  Secretário,  razão  pela  qual  e  tendo  em  vista  o  histórico   de  inverdades  produzidas  pelos  Querelantes  em  seus  depoimentos,  não  é  factível   pensar   que   fora   a   procuradora   Juliana   Santa   Cruz   quem   estivesse   a   disseminar   inverdades   entre   os   prestadores   de   serviços,   entre   estes,   a   própria   Querelada,   MARIA   CAROLINA   TAVARES   DE   ARAUJO,   pois   referida   procuradora,   obviamente,   tinha  conhecimento  do  que  restou  confirmado  pelo  ex-­‐secretário  Cláudio  Ferreira,   em   seu   depoimento.   A   documentação   acostada   também   comprova   que   a   competência  para  contratar  ou  dispensar  terceirizados  é  exclusiva  do  Secretário  de   Assuntos  Jurídicos  e,  jamais,  de  qualquer  procurador,  mesmo  do  procurador-­‐chefe,   como,   aliás,   é   de   conhecimento   público   e   notório   na   Procuradoria   do   Município,   onde   não   é   raro   ocorrerem   apadrinhamentos,   daí   porque,   conforme   restou   demonstrado  em  vários  depoimentos  prestados  à  CCI,  por  procuradores,  inclusive,  a   ora  Querelante  sempre  defendeu  a  criação  de  cargos  efetivos  para  o  corpo  auxiliar   das  Procuradorias  e  a  realização  de  concurso  público  para  provê-­‐los,  o  que  é  bem   diferente   de   chamar   terceirizados   de   “vagabundos”,   “barrigas   de   lombrigas”,   “ladrões”  e  “menos  dispostos  do  que  seu  cachorro”.       O   fato   dos   Querelados   terem   seus   Interesses   de   alguma   forma   contrariados  ou  ameaçados  pela  postura  em  defesa  da  legalidade  e  da  moralidade   administrativas   não   justifica   o   cometimento   dos   crimes   contra   a   honra   da   Querelante,   devendo   ser   restabelecida   a   ordem   jurídica   que   tem   sido   sistematicamente  violada  pelos  prefalados  ofensores.     Às  fls.  125,  do  Inquérito  administrativo  nº  2412/2013  (doc.  anexo),   a   Querelada   ROBERTA   SOUZA   DA   CUNHA   MELO   afirmou   categoricamente   “que   ouviu  em  outras  oportunidades  a  investigada  dizer  que  os  prestadores  de  serviço   estavam   roubando   ou   recebendo   vantagens;   que   em   determinado   dia,   por   exemplo,   atendia   contribuinte   no   2º   andar   da   Procuradoria   e   aquilo   chamava   a   atenção   da   investigada,   vez   que   o   atendimento   era   no   térreo,   ao   público,   chegando   a   proibir   e   nessas   oportunidades   era   que   ela   assacava   acusações   referidas,   no   sentido   de   que   os   prestadores   de   serviços   estariam   roubando   ou  
  • 7.   7   recebendo  vantagens  para  tanto;  que  a  investigada  costumava  dizer  em  ambientes   públicos  que  os  prestadores  de  serviços  ‘eram  vagabundos  e  não  queriam  nada’”   (grifamos)     Em   outro   trecho   de   seu   depoimento   prestado   na   qualidade   de   informante,   à   Comissão   de   Inquérito   da   Prefeitura   do   Recife,   no   último   dia   10/04/2014,  portanto,  sem  prestar  compromisso,  podendo  mentir  à  vontade,  o  que   não  lhe  dá,  porém,  imunidade  para  cometer  crimes  contra  a  honra  de  quem  quer   que  seja,  o  que  inclui  a  honra,  por  óbvio,  da  ora  Querelante,  a  Querelada  ROBERTA   SOUZA  DA  CUNHA  MELO  vai  mais  além,  chegando  a  afirmar  “que  ‘ouviu  falar’  que  o   prestador  de  serviços  Carlos,  conhecido  pela  alcunha  de  Carlão  se  sentiu  atingido   por   comentários   feitos   por   parte   da   investigada   no   sentido   de   que   o   mesmo   participava   de   falcatruas   e   se   sentindo   lesado   foi   questionar   a   investigada   diretamente,  esta  lhe  disse  que  não  tinha  lhe  dirigido  qualquer  acusação  e  que  por   esse  motivo  se  sentiu  confortável,  por  entender  que  a  acusada  se  retratara;  que   não  sabe  informar  se  o  prestador  de  serviço  Carlão  além  de  advogado  é  professor   de   cursinho   de   direito;   que   não   tem   conhecimento   de   que   o   prestador   Carlão   tenha   registrado   alguma   ocorrência   contra   ela   investigada,   ou   ação   por   danos   morais.”     A   conduta   da   Querelada   ROBERTA   SOUZA   DA   CUNHA   MELO   se   adequa  perfeitamente  ao  tipo  penal  previsto  no  precitado  art.  138  do  CP,  uma  vez   que   por   diversas   oportunidades,   em   seu   depoimento   como   informante,   imputou   falsamente   à   Querelante   à   prática   dos   crimes   de   calúnia,   difamação   e   injúria,   ao   afirmar  categoricamente  que  a  Querelante  acusara  a  ela  e  a  terceiros  de  praticarem   roubos  (art.  157,  CP)  e  de  solicitarem  vantagens  indevidas  (corrupção  passiva,  art.   317,   CP)   a   contribuintes,   de   “vagabundos”   e   além   das   rasteiras   expressões   “vagabundinha”  e  “barrigas  e  lombrigas”.       O  crime  de  calúnia  foi  praticado,  inclusive,  na  forma  prevista  no  §   1º   do   mesmo   artigo,   uma   vez   que   apesar   de   ciente   de   que   a   Querelante   negara,   segundo   a   suposta   vítima   “Carlão”,   tê-­‐lo   caluniado,   a   ponto   deste,   mesmo   sendo  
  • 8.   8   advogado  e  professor  de  cursinhos  de  direito,  jamais  ter  movido  qualquer  ação  ou   queixa-­‐crime,   ou   mesmo   pedido   de   danos   morais   em   ação   trabalhista   em   decorrência  do  contrato  de  prestação  de  serviços  junto  à  Procuradoria,  ainda  assim,   a  Querelada  fez  questão  de  propagar  a  mentirosa  acusação.     Conforme  disposto  no  art.  29,  do  CP,  “Quem,  de  qualquer  modo,   concorre   para   o   crime   incide   nas   penas   a   este   cominadas,   na   medida   de   sua   culpabilidade”.       A   leitura   do   conjunto   dos   depoimentos   deixa   claro   que   houve   prévio   ajuste   entre   os   Querelados   para   que   seus   depoimentos   produzissem   o   resultado   criminoso   contra   a   honra   da   Querelante,   sendo   de   fácil   percepção   as   remissões  que  uns  faziam  aos  outros  numa  total  e  evidente  cumplicidade.     Em   dado   momento   de   seu   depoimento,   a   Querelada   MARIA   CAROLINA   TAVARES   DE   ARAÚJO,   prestado   no   dia   10/04/2014,   afirma   “que   presenciou  a  investigada  chamando  os  prestadores  de  serviços  ‘de  vagabundos’  e   que   ‘seu   cachorro   era   mais   disposto   do   que   os   prestadores   de   serviços.’”   Afirmações   vagas,   sem   provas,   como   as   dos   demais   co-­‐autores   o   que   por   si   já   demonstra   seu   animus   caluniandi,   uma   vez   que   sendo   ela   uma   das   prestadoras,   portanto,  ofendida,  em  tese,  pelas  supostas  agressões  verbais,  jamais  ingressou  com   queixa-­‐crime   ou   mesmo   com   denúncia   ao   Ministério   Público   do   Trabalho   ou   ao   sindicato  de  sua  categoria,  que,  após  a  data  em  que  os  fatos  pela  Querelada  teriam   ocorrido,  firmaram  Termo  de  Ajustamento  de  Conduta  com  o  Município  do  Recife  e   a  empresa  terceirizada  empregadora  da  Querelada  e  demais  co-­‐autores,  sem  que   em  nenhum  momento  fosse  estabelecida  qualquer  cláusula  a  respeito  de  reparação   de  danos  morais.     Por   outro   lado,   a   Querelada   MARIA   CAROLINA   TAVARES   DE   ARAÚJO,   confessa   que   “não   requereu   danos   morais   ao   ingressar   com   a   mencionada   reclamação   trabalhista   contra   a   Capitá   (sic),   que   não   fez   qualquer   denúncia  contra  a  investigada  perante  outros  órgãos,  salvo  o  ora  em  apuração.”    
  • 9.   9   Estranhamente,   passados   mais   de   três   anos   da   data   em   que   os   Querelados  afirmam  caluniosamente  que  a  Querelante  teria  cometido  crimes  contra   suas   honras   e   a   de   seus   colegas   (estes,   em   geral,   sequer   identificados)   e   após   diversas  oportunidades  passadas  diante  de  autoridades  isentas  em  que  poderiam  ter   requerido  reparação,  deixaram  precluir  seu  suposto  direito  para  virem  agora  atacar   a   honra   da   Querelante   com   suas   infâmias.   Qual   o   propósito   perseguido   pelos   Querelados   se   não   o   de   destruir   a   reputação   da   Querelante?   Isso,   pela   simples   observação  do  modus  operandi  dos  caluniadores,  fica  bem  evidente.     Em  seu  depoimento,  às  fls.  128/131,  do  inquérito  administrativo  nº   2412/2013-­‐CCI,   por   exemplo,   o   Querelado   DANIEL   FRANCISCO   WANDERLEY   DE   SIQUEIRA  CAMPOS  afirma  que  “em  determinado  dia  a  investigada  abriu  a  porta  da   sala  onde  ele  depoente  estava,  e  jogando  dois  papeis  sobre  a  mesa,  indagou  quem   eram   aquelas   pessoas,   tendo   ele   depoente   esclarecido   que   se   tratava   (sic)   de   Henrique   e   Tiago,   os   quais   faziam   entrega   de   documentos   externos;   que   ela   investigada  procurou  saber  onde  eles  estavam,  tendo  ele  depoente  informado  que   já  haviam  saído  para  realizar  entregas.  Que  a  investigada  chamou  os  mesmos  de   vagabundos   defronte   de   todas   as   pessoas   que   estavam   ali   presentes;   que   essas   pessoas   eram   contribuintes,   prestadores   de   serviços   e   funcionários   do   quadro   desta  Prefeitura”.     Por  sua  vez,  o  Querelado  JAMESON  MAGALHÃES  DE  OLIVEIRA,  em   seu  depoimento  de  fls.  132/134,  prestado  no  mesmo  dia  10/04/2014,  afirma  “que   presenciou   em   determinada   oportunidade,   a   investigada   procurar   por   alguns   motoboys   e   não   estando   presentes   disse   que   ‘iria   demitir   aqueles   vagabundos’;   que   a   investigada   não   procurou   identificar   quem   seriam   estes   motoboys;   que   a   investigada  nunca  tratou  ele  depoente  de  forma  que  não  fosse  urbana”.     Em  outro  ponto  de  seu  depoimento,  ainda  o  Querelando  JAMESON   MAGALHÃES  DE  OLIVEIRA  afirma  que  quanto  ao  abaixo-­‐assinado  escrito  em  2011   onde   ele   reconhece   sua   assinatura   se   dizendo   “testemunha”   de   atos   ofensivos   contra   prestadores   que   teriam   sido   praticados   pela   Querelante,   naquela  
  • 10.   10   oportunidade,   apenas   “leu   de   forma   superficial”   e   que   “escutou   nos   corredores   alguns   prestadores   de   serviço   comentarem   que   a   investigada   havia   gritado   com   eles  ou  chamado  de  vagabundos;  que  não  se  recorda  no  momento  o  nome  desses   prestadores   que   fizeram   os   aludidos   comentários,   que   não   sabe   informar   quem   redigiu  ou  digitou  o  documento  constante  destes  autos  objeto  da  denúncia,  bem   como,   não   se   recorda   quem   tenha   levado   o   referido   documento   para   colher   a   assinatura  dele  depoente.”     Sobre  os  terceirizados  que  teriam  sido  atacados  em  sua  honra  pela   Querelada,  os  “motoboys”  a  que  se  refere  o  Querelado  JAMESON  MAGALHÃES  DE   OLIVEIRA   em   seu   depoimento   difamatório   e   mentiroso   prestado   no   último   dia   10/04/2014,   este   ainda   afirma   “que   não   sabe   informar   quantos   motoboys   trabalhavam  na  Procuradoria  Fiscal,  pois  prestavam  serviços  para  outros  setores”  e   “que  assinou  os  ab  (sic)  abaixo-­‐assinados  em  face  dos  fatos  já  mencionados  por  ele   depoente,  com  relação  aos  motoboys  e  conversas  de  corredores”.     A   trama   urdida   pelos   difamadores   é   tão   atrapalhada   que   para   inventarem   mais   mentiras   contra   a   Querelante,   envolvem   personagens   fictícias,   como   os   tais   “motoboys”.   Ocorre   que   sequer   existia   contrato   de   prestação   de   serviços  entre  a  secretaria  de  Assuntos  Jurídicos  e  empresas  de  serviços  de  entregas   de  documentos  durante  o  período  em  que  a  Querelante  esteve  na  chefia  daquele   órgão.   Além   disso,   todos   os   documentos   da   Procuradoria   da   Fazenda   Municipal   eram   entregues   por   servidores   administrativos   do   próprio   quadro,   dois   contínuos   que,   inclusive   recebiam   vale-­‐transporte   para   fazerem   suas   locomoções   ou   eram   levados  por  veículos  locados  pela  Secretária  e  postos  à  disposição  da  Procuradoria.     Já  as  cartas  de  cobrança  eram  entregues  por  “estafetas”  fornecidos  pela  Secretearia   de   Finanças.   Se   havia   “motoboy”   prestando   algum   serviço   de   entrega   de   documentos  para  a  Procuradoria,  foram  contratados  por  quem?  Estavam  a  serviço   de  quem?  Cumpriam  ordens  dadas  por  quem?  Que  tipo  de  documentos  entregavam   e   para   quem?   Quem   autorizou   tal   serviço   clandestino   por   parte   desses   terceirizados?      
  • 11.   11   Desde  outubro  de  2007,  quando  venceu  o  contrato  nº  227/2005,   não   há   mais   serviço   de   “motoboys”   à   disposição   da   Procuradoria   da   Fazenda   do   Recife.  Nova  licitação  foi  tentada,  mas  restou  deserta,  inclusive  tendo  em  vista  ação   judicial  movida  pela  Empresa  Brasileira  de  Correios  e  Telégrafos  alegando  que  esse   tipo   de   contrato   feria   o   monopólio   da   estatal.   Assim,   acaso   alguém   estivesse   patrocinando   tal   prática   estaria   incorrendo   em   gravíssima   ilegalidade   e   em   descumprimento  de  ordem  judicial:       A   Justiça   Federal   não   admite   que   a   Prefeitura   se   utilize   de   terceirizados   para   entregar   documentos,   autorizando,   tão   somente,   que   essa   entrega  seja  feita  por  servidores  da  própria  Municipalidade,  senão  vejamos:       ADMINISTRATIVO.  ENTREGA  DE  CARNÊS  DE  IPTU  POR   SERVIDORES  DA  PREFEITURA.  QUEBRA  DO  MONOPÓLIO  DOS  CORREIOS.   INEXISTÊNCIA.   I.   Agravo   de   instrumento   interposto   contra   decisão   que   determinou   que   a   Prefeitura   Municipal   do   Recife   se   abstivesse   de   entregar  os  carnês  de  IPTU  sem  a  intermediação  da  Empresa  Brasileira  de   Correios  e  Telégrafos.  II.  Não  há  afronta  ao  monopólio  da  EBCT,  quando  a   Prefeitura  pretende  fazer  a  entrega  dos  carnês  de  IPTU  através  de  seus   próprios  servidores.  A  administração,  dentro  do  poder  discricionário  que  
  • 12.   12   lhe   é   conferido,   pode   optar   por   executar   o   serviço   de   entrega   de   seus   próprios   documentos.   III.   Esta   Turma   fixou   entendimento   de   que   o   monopólio  da  EBCT  seria  restrito  à  entrega  de  cartas,  não  se  aplicando  a   outras  espécies  de  documento.  Precedente:  AGTR  59735  (Rel.  Desemb.   Federal   Marcelo   Navarro,   4ª   Turma,   TRF   5ª   Região,   DJ   14/09/2005,   p.   1133).   IV.   Agravo   de   instrumento   provido.   Agravo   inominado   prejudicado.    (TRF-­‐5   -­‐   AGTR:   67782   PE   2006.05.00.016041-­‐0,   Relator:   Desembargadora   Federal   Margarida   Cantarelli,   Data   de   Julgamento:   11/07/2006,   Quarta   Turma,   Data   de   Publicação:   Fonte:   Diário  da  Justiça  -­‐  Data:  02/08/2006  -­‐  Página:  710  -­‐  Nº:  147  -­‐  Ano:  2006)     Quanto   mais   falam,   mais   os   difamadores   se   enrolam   em   suas   próprias  mentiras.     É  importante  destacar  que  a  referência  ao  documento  de  2011  é   apenas   para   demonstrar   o   grau   de   irresponsabilidade   dos   Querelados   e   seu   total   descaso   com   a   honra   alheia,   vez   que   todos,   sem   exceção,   embora   reconhecendo   terem  assinado  o  sobredito  documento,  dizem  não  saber  quem  o  concebeu,  quem  o   redigiu,  quem  colheu  suas  assinaturas  e,  o  que  é  mais  grave,  confessam  ter  mentido   acintosamente  ao  assinarem  as  acusações  ali  lançadas  contra  a  ora  Querelante,  das   quais  sequer  foram  testemunhas  e  que  não  passavam  de  fofocas  e  maledicências  de   pessoas  que  nem  ao  menos  sabem  ou  querem  declinar  quem  seriam,  estas  sim,  de   índole  perversa  e  criminosa  por  espalharem  boatos  e  difamações  numa  atitude  que   beira   o   terrorismo,   se   é   que   tais   pessoas   de   fato   existem.   Se   mentiram   em   documento   escrito   e   assinado,   quando   expressamente   afirmaram   ter   “testemunhado”   o   que   agora   dizem   não   passar   de   “fofocas   ouvidas   em   corredores”,   com   a   intenção   única   e   exclusiva   de   prejudicar   a   ora   Querelante   e   agradar  a  quem  lhes  garante  alguma  vantagem,  nem  que  seja  a  manutenção  de  seus   empregos  sem  concurso,  por  que  não  o  fariam  agora  e  por  que  não  o  farão  amanhã   se  não  forem  tolhidos  de  imediato,  em  mais  essa  sua  investida  contra  a  honra  e  a   reputação  da  Querelante?    
  • 13.   13   As  condutas  dos  Querelados  JAMESON  MAGALHÃES  DE  OLIVEIRA   e  DANIEL  FRANCISCO  WANDERLEY  DE  SIQUEIRA  CAMPOS  também  se  enquadram   perfeitamente  do  tipo  do  artigo  138,  do  CP,  ao  imputarem  à  Querelante  a  prática   dos  crimes  de  difamação  e  injúria  contra  os  terceirizados  por  eles  mencionados  e   identificados  pelo  primeiro  como  “motoboys”  e,  pelo  segundo,  como  “Henrique  e   Thiago”.     Agrava  a  situação  dos  Querelados  o  fato  de  não  poderem  sequer   lançar  mão  da  chamada  Exceção  da  Verdade,  prevista  no  §  3º,  também  do  artigo   138,  vez  que  os  crimes  que  imputam  à  Querelante  são  de  ação  privada.     Em   seu   depoimento   prestado   no   dia   10/04/2014,   a   Querelada   ROBERTA  SOUZA  DA  CUNHA  MELO  chega  a  acusar  a  procuradora  Juliana  Santa  Cruz   pela  prática  do  crime  de  condescendência  criminosa,  já  que  afirma  ter  se  reportado,   reclamando   do   suposto   comportamento   inapropriado   da   Querelante,   sem   que   aquela   procuradora   tomasse   nenhuma   providência.   Vejamos:   “que   já   chegou   ela   depoente  a  fazer  reclamação  à  Procuradora  Juliana  que  estava  substituindo  ou  na   sala  da  investigada,  acerca  do  comportamento  desta”.  Em  outro  trecho  reafirma:   “que  sua  única  denúncia  pessoal,  além  da  reportada  nestes  autos,  se  deu  perante  a   Procuradora  Juliana,  consoante  acima  já  aludido;  que  não  fez  qualquer  reclamação   perante   o   Ministério   Público   do   Trabalho;   que   também   não   fez   denúncia   ao   Sindicato  da  Procuradoria  (sic);  que  não  sabe  informar  se  na  época  dos  fatos  ora   em   apuração   e   dito   nesta   oitiva   se   ela   depoente   era   empregada   na   Empresa   Prestadora   de   Serviços   CAPITA(sic)   ou   SERVINAC;   que   somente   intentou   reclamação  trabalhista  nesse  período  que  presta  serviços  a  esta  edilidade,  diante   da   Empresa   SERVINAC;   que   não   pediu   danos   morais   em   sua   RT;   que   quando   ingressou  com  a  referida  reclamação  trabalhista  a  investigada  já  havia  sido  a  sua   chefe  na  Procuradoria”.     Daí  já  se  percebe  o  padrão  comportamental  dos  Querelados  que  se   mostram   contumazes   no   sentido   de   atacar   a   honra   das   pessoas,   sem   nenhuma   responsabilidade.  De  se  destacar,  também,  que  embora  tenham  reconhecido  suas  
  • 14.   14   assinaturas  no  documento  difamatório  destinado  à  procuradora  Juliana  Santa  Cruz,   que   naquela   data,   ou   seja,   em   29   de   abril   de   2011,   era   a   procuradora-­‐chefe   da   Procuradoria  da  Fazenda  Municipal  do  Recife,  documento  este  que  repousa  às  fls.   03/06,  do  Inquérito  administrativo  nº  2412/2013-­‐CCI  (cópia  anexa),  sendo,  inclusive,   a  assinatura  da  Querelada  ROBERTA  SOUZA  DA  CUNHA  MELO,  a  que  tem  a  “honra”   de   inaugurar   as   ofensas   proferidas   desmesuradamente   contra   a   reputação   da   Querelante,  onde  se  lê,  expressamente,  a  acusação  ou  melhor  seria  dizer,  a  fofoca   difamatória   onde   todos   afirmam   que   “Fomos   testemunhas   de   críticas   e   comentários   maldosos   por   parte   da   Procuradora   já   citada,   referentes   a   pessoas   hierarquicamente   superiores   a   ela,   inclusive   o   nosso   Secretário   de   Assuntos   Jurídicos,   o   Chefe   da   Procuradoria   Judicial   e   a   Vossa   Senhoria”,   em   seus   depoimentos  confessam  suas  mentiras,  a  exemplo  do  que  foi  revelado  às  fls.  126,   dos  autos  do  já  referido  inquérito,  ocorrido  em  10  de  abril  do  corrente  ano,    quando   a  Querelada  ROBERTA  SOUZA  DA  CUNHA  MELO  que  afirmara,  repita-­‐se,  por  escrito,   ter   “testemunhado”   a   Querelante   fazer   “críticas   e   comentários   maldosos   contra   superiores  hierárquicos”,  agora  diz  que  “não  presenciou  a  investigada  fazer  alusões   que  destratassem  as  pessoas  do  então  Secretário  Cláudio  Ferreira,  Juliana  Santa   Cruz  ou  Renato  Deác  (sic)”.     Percebe-­‐se,  assim,  que  os  Querelados  não  têm  compromisso  com  a   verdade,  carecendo,  portanto,  de  qualquer  credibilidade,  pois  inventam  e  mudam   suas  versões  ao  sabor  de  suas  conveniências  e  segundo  interesses  inconfessáveis  de   quem  por  ventura  os  esteja  orientando.     Naquele   momento   em   que   lhes   interessava   agradar   o   chefe   de   ocasião,   conceberam,   produziram,   e   colocaram   em   execução   um   plano   ardiloso,   sórdido,  para  atacar  a  honra  e  desmoralizar  a  Querelante  e,  para  tanto,  associaram-­‐ se  entre  si  para  produzir  o  tal  documento  difamatório.  Agora,  retomam  a  formação   criminosa  para,  novamente,  cometerem  crimes  contra  a  honra  da  Querelante  que   errou,  sim,  mas  foi  em  não  tê-­‐los  processado  já  nas  primeiras  ofensas  ocorridas  em   2011.    
  • 15.   15   Resta  claro  que  os  mentores  de  toda  a  farsa  foram  os  Querelados,   que  até  parecem  escolhidos  a  dedo  pelo  presidente  da  Comissão  de  Inquérito  ou  por   quem  forjou  o  procedimento  administrativo  seródio,  porque  instaurado  quando  já   prescrita   a   pretensão   punitiva   estatal,   conforme   bem   lembrou   o   ex-­‐secretário   Cláudio  Ferreira  em  seu  depoimento,  com  o  que  se  tem  por  evidenciada  a  tramoia   com  o  escopo  exclusivo  de  causar  novo  gravame  contra  a  honra  da  Querelante.       Causa  espécie  o  fato  de  que  uma  das  depoentes,  do  dia  10  de  abril   de  2014,  NAYAMMA  ALEXANDRINA  PEREIRA  DE  FRANÇA  revelou  que  a  assinatura   que  aparecia  como  sua,  no  documento  difamatório  datado  de  29  de  abril  de  2011   era   FALSA,   o   que   por   si   só   já   demonstra   o   nível   ético   daqueles   que   tramaram   e   confeccionaram   o   tal   documento   (doc.   anexo),   uma   gente   misteriosa   que   os   irresponsáveis  que  assinaram  a  lista  referendando  mentiras  que  depois  assumiram   como  tal,  sequer  têm  a  dignidade  de  revelar  quem  sejam.  Causa  maior  estranheza,   ainda,  que  após  essa  revelação  tenha  o  presidente  da  CCI  ignorado  a  falsidade  do   documento   que   dera   ensejo   à   instauração   do   PAD,   preferindo   seguir   colhendo   depoimentos   caluniosos   e   agravando   os   danos   morais   já   devidos   pela   Municipalidade  e  seus  agentes  à  ora    Querelante.     Assim  como  também  continuam  convenientemente  desaparecidos,   cabos  eleitorais,  Mario  José  do  Nascimento  e  Deyvson  Felix  Barbosa,  que  são  tão   íntimos  do  prefeito  Geraldo   Julio,   do   PSB,  que  protocolaram  diretamente  em  seu   gabinete,  uma  cópia  do  mencionado  documento  de  2011,  que  agora  se  sabe  conter   até   assinaturas   falsificadas,   em   vez   de   o   fazerem,   como   qualquer   cidadão,   no   Protocolo  Geral,  do  edifício-­‐sede  da  Prefeitura  do  Recife  (docs.  Anexos),  documento   este   que   deu   origem   à   instauração   do   precitado   PAD,   dando   ensejo   para   que   os   Querelados   pudessem   despejar   seu   manancial   pútrido   de   calúnias,   difamações   e   injúrias  contra  a  Querelante.1                                                                                                                     1     Contra   ambos   será   protocolada   representação   para   a   Promotoria   Criminal   por  denunciação   caluniosa,  nos  termos  do  art.  339.  CP.   2  A   Querelante   protocolará   representação   ao   Ministério   Público   denunciando   toda   a   tramoia   urdida  para  forjar  inquéritos  contra  si,  para  coibi-­‐la  de  denunciar  irregularidades  encontradas  no   âmbito  da  Secretaria  de  Assuntos  Jurídicos  do  Recife,  da  Procuradoria  da  Fazenda  Municipal  e  de  
  • 16.   16   Cometem,  ainda,  os  Querelados,  os  crimes  de  Difamação  (art.  139,   CP),  para  o  qual  está  prevista  a  pena  de  3  meses  a  um  ano  e  multa  e  Injúria  (Art.   140,  CP),  cuja  pena  é  de  um  a  seis  meses  ou  multa.     Tem-­‐se   por   consumado   o   crime   de   Difamação   quando   o   agente   imputa   a   outrem,   fato   ofensivo   a   sua   reputação.   Na   Difamação,   o   bem   jurídico   atingido  é  a  honra  objetiva,  ou  seja,  o  conceito  de  que  o  sujeito  passivo  desfruta  no   meio   social.   Em   seu   depoimento   prestado   no   dia   10   de   abril   de   2014,   como   informante,   a   Querelada   ROBERTA   SOUZA   DE   CUNHA   MELO   afirmou   que   a   Querelante   teria   declarado,   em   2011,   que   “os   prestadores   de   serviços   eram   preguiçosos   que   o   seu   cachorro   era   mais   disposto   de   que   os   prestadores   de   serviços,  que  eram  barriga  de  lombriga;  vagabundos  e  que  não  queriam  trabalhar”.     Já  em  outro  trecho,  a  mesma  Querelada  atribui  à  Querelante  ter   chamado   uma   terceira   pessoa,   que   sequer   foi   capaz   de   identificar,   de   “a   outra   vagabundinha”.     Segundo   a   Querelada,   ROBERTA   SOUZA   DE   CUNHA   MELO,   a   Querelante   também   teria   o   costume   de   “dizer   em   ambientes   públicos   que   os   prestadores  de  serviços  ‘eram  vagabundos  e  não  queriam  nada’”.     A  Querelante  além  de  procuradora  judicial  do  Município  do  Recife   é  uma  figura  pública  de  bastante  projeção  no  meio  político  e  social  do  Estado  de   Pernambuco,   com   destaque,   ainda,   a   nível   nacional,   em   alguns   seguimentos   dos   meios  de  comunicação  e  movimentos  sociais.     Como  procuradora-­‐chefe  da  Procuradoria  da  Fazenda  Municipal  do   Recife,   da   qual   esteve   à   frente   apenas   por   11   meses,   teve   destacada   atuação,   devendo   ser   mencionado   seu   pioneirismo   na   idealização   e   realização   do   primeiro   Mutirão   de   Conciliação   dos   Executivos   Fiscais   Municipais,   realizado   no   Estado   de   Pernambuco,  em  cooperação  com  o  Tribunal  de  Justiça  e  que  ganhou  destaque  nas  
  • 17.   17   primeiras   páginas   de   todos   os   jornais   do   Estado,   no   CNJ,   Consultor   Jurídico   e   em   vários  sites  especializados.       Como   procuradora   judicial   concursada   do   Município   do   Recife,   a   Querelante  tem  nada  menos  que  17  longos  anos  de  serviços  prestados  com  extrema   dedicação   ao   interesse   público,   sem   jamais   ter   registrado   qualquer   fato   que   desabonasse  sua  conduta  funcional,  muito  pelo  contrário,  sendo  conhecida  por  sua   reputação  ilibada  e  atuação  independente,  razão  pela  qual  jamais  compactuou,  nem   compactuará   com   quaisquer   desvios   de   conduta   praticados   em   detrimento   do   interesse  público,  sejam  quais  forem  as  formas  de  chantagens  e  perseguições  que   forem  utilizadas  para  intimidá-­‐la.       Várias   foram   as   denúncias   de   irregularidades   que   a   Querelante   levou  ao  conhecimento  das  autoridades  competentes,  sem  jamais  se  quedar  inerte   diante  da  tentação  da  prevaricação,  tão  sedutora  para  muitos  e  não  resta  dúvidas  de   que  por  essa  razão  sempre  foi  alvo  de  perseguições  e  aleivosias,  sendo,  porém,  uma   das  mais  abjetas,  a  que  ora  urge  combater  por  meio  da  presente  Queixa-­‐Crime.     Só   no   âmbito   da   Procuradoria   da   Fazenda   Municipal,   onde   os   Querelados   trabalham,   foram   da   Querelante   as   denúncias   levadas   às   autoridades   competentes,  pedindo  providências  na  apuração  e  correção  de  desvios  de  função,   como  os  praticados  por  uma  prima  da  Querelada  MARIA   CAROLINA   TAVARES   DE   ARAUJO   (cujo   parentesco   foi   por   esta   declinado   em   seu   depoimento   à   CCI),   juntamente   com   a   servidora   que   chefiava   o   Setor   de   Controle   de   Processos   da   Procuradoria,    a  quem,  aliás,  atribui-­‐se  a  coleta  de  assinaturas  do  abaixo-­‐assinado:2                                                                                                                     2  A   Querelante   protocolará   representação   ao   Ministério   Público   denunciando   toda   a   tramoia   urdida  para  forjar  inquéritos  contra  si,  para  coibi-­‐la  de  denunciar  irregularidades  encontradas  no   âmbito  da  Secretaria  de  Assuntos  Jurídicos  do  Recife,  da  Procuradoria  da  Fazenda  Municipal  e  de   outros  órgãos  do  Município,  inclusive  com  ameaças  já  encaminhadas  à  Polícia  Federal.    
  • 18.   18       Na  denúncia,  fartamente  documentada,  restou  comprovado  que  a   prima  da  Querelada,  apesar  de  ser  apenas  terceirizada,  exercia  de  fato  a  Chefia  do   Setor  de  Controle  de  Processos,  enquanto  a  servidora  apenas  recebia  a  gratificação   da  função.  A  ilegalidade  só  cessou  após  chegar  ao  conhecimento  do  Secretário  de   Assuntos   Jurídicos,   mas   nenhum   inquérito   foi   instaurado   por   este,   para   apurar   responsabilidades.     Foi   também   por   denúncia   da   Querelante   que   foi   instaurado   Inquérito  Policial  na  Delegacia  de  Crimes  contra  a  Ordem  Tributária  para  investigar   falsificações   de   assinaturas   de   um   procurador,   de   petições   e   comprovantes   de   quitações   de   mais   de   três   milhões   de   débitos   em   execuções   fiscais,   falsificações   referentes  a  documentos  gerados  por  setores  da  Procuradoria  da  Fazenda  e  cujas   execuções  fiscais  permaneceram  inexplicavelmente  guardadas  dentro  do  armário  do   gabinete   do   chefia   da   Procuradoria,   até   que   esta   foi   assumida   pela   Querelante,   conforme  comprova  a  notitia  criminis  que  deu  origem  ao  referido  Inquérito  Policial.   O   descaso   com   que   o   caso   foi   tratado   já   gera   prejuízos   ao   Erário,   inclusive   com   decretações  de  prescrição  em  favor  dos  beneficiários  das  faslsificações:  
  • 19.   19     2ª  Vara  dos  Executivos  Fiscais  Municipais  da  Capital   Processo  nº  001.1996.110038-­‐0   NPU  0110038-­‐73.1996.8.17.0001   Execução  Fiscal   Exeqüente:  Prefeitura  da  Cidade  do  Recife   Executada:  Centro  Hospitalar  Casa  Forte  Ltda   DESPACHO   Antes  de  apreciar  o  pedido  feito  pela  Fazenda  Municipal  de  extinção  da   Execução   fiscal   referida,   com   fundamento   nos   artigos   794,   I   e   795   do   Código   de   Processo   Civil   combinados   com   o   artigo   156,   I,   do   Código   Tributário  Nacional  (fls.04),  por  cautela,  será  útil,  principalmente  para  a   Exeqüente   ter   conhecimento   da   situação   jurídica   duvidosa   quanto   ao   pagamento  da  dívida  exeqüenda  pela  Executada  -­‐  CENTRO  HOSPITALAR   CASA  FORTE  LTDA.   Tendo  chegado  ao  meu  conhecimento,  através  do  exame  das  questões   suscitadas   pelo   Município   do   Recife   nos   Embargos   de   Declaração   com   Efeitos  Infringentes  em  face  da  sentença  de  fls.07  proferida  nos  autos  da   Execução   Fiscal   nº   001.2001.043014-­‐9,   que   este   Juízo   extinguiu   o   feito   executivo   em   razão   de   pretenso   pagamento,   anunciado   nos   autos   por   meio  de  petitório  e  documento  de  quitação  que,  entretanto,  não  foram   confeccionados/emitidos   pela   Procuradoria   da   Fazenda   Municipal   nem   por   outro   órgão   da   Administração   Municipal.   Em   outras   palavras,   o   petitório  e  o  documento  em  comento  foram,  ao  que  tudo  indica,  objeto   de   falsidade   e   que,   ainda,   suscita   a   dúvida   quanto   a   assinatura   dele   constante,  como  do  douto  Procurador  Municipal,  Humberto  Cabral  Vieira   de  Melo,  não  condiz  com  a  sua  firma  original,  somando-­‐se  a  isso  o  fato  de   que  o  número  de  sua  matrícula  não  é  o  grafado  na  peça  em  comento,   fatos   que,   a   propósito,   refletem   nestes   autos   de   Execução   Fiscal   nº   0011996.110038-­‐0,   movida   contra   a   mesma   parte   Executada  -­‐   CENTRO   HOSPITALAR   CASA   FORTE   LTDA   e   nos   demais   feitos   em   que   o   aludido   Procurador   Judicial   supostamente   subscreveu   petição   de   extinção   da   execução   pelo   pagamento   do   débito,   tais   como:   Execução   Fiscal   nº   001.1999.688152-­‐3   -­‐   Execução   Fiscal   nº   001.2005.196786-­‐4   e   outras,  
  • 20.   20   conforme  pesquisa  realizada  no  JUDWIN/Guia  de  Remessa/Origem:  196  -­‐   Protocolo   Geral   do   Fórum   do   Recife/progefacil,   onde   consta   o   registro   das  outras  petições  (tendo  como  parte  Executada  -­‐  CENTRO  HOSPITALAR   CASA   FORTE   LTDA),   DETERMINO   VISTA   DOS   AUTOS   a   fim   de   que   a   FAZENDA  MUNICIPAL  se  manifeste  acerca  da  autenticidade  da  petição  de   fls.04,  ratificando  o  pedido  nela  contido  de  extinção  da  Execução  Fiscal   referida,  com  fundamento  nos  artigos  794,  I  e  795  do  Código  de  Processo   Civil  combinados  com  o  artigo  156,  I,  do  Código  Tributário  Nacional,  no   prazo  de  05  (cinco)  dias.   Após,  voltem-­‐me  os  autos  conclusos.   Junte-­‐se  cópia  da  pesquisa  realizada  por  este  Juízo.   Intime-­‐se,  observando-­‐se  o  que  determina  o  art.  25  e  seu  parágrafo  único   da  Lei  nº  6.830/80.   Recife,  14  de  setembro  de  2011.   JOSÉ  SEVERINO  BARBOSA   JUIZ  DE  DIREITO     Foi  durante  a  rápida  chefia  de  apenas  11  meses  da  Querelante,  que   a  verdadeira  “linha  de  montagem”  de  reconhecimento  de  prescrições  que  existia  no   Núcleo   Estratégico   de   Reconhecimento   de   Prescrição   e   do   Atendimento   ao   Contribuinte,  que  fora  criada  pela  chefia  anterior,  foi  extinta.       Assim   como   foi   por   “culpa”   da   Querelante   que   um   verdadeiro   esquema   de   contratação   de   estagiários   “fantasmas”,   iniciado   também   na   gestão   anterior  a  sua,  foi  desbaratado,  conforme  comprova  o  Ofício  em  anexo,  informado   ao  então  Secretário  de  Assuntos  Jurídicos,  que  após  recadastramento,  nada  menos   que  15  estagiários  contratados  pela  SAJ,  para  a  Procuradoria  da  Fazenda  Municipal,   eram  “fantasmas”.  E,  assim,  a  Querelante  foi  se  tornando  odiada,  persona  non  grata,   por   aqueles   que   só   veem   seus   interesses   mesquinhos,   sempre   em   detrimento   do   interesse   público.   Daí   porque   o   zelo   pela   coisa   pública   precisa   ser   desmoralizado   para  ser  confundido  com  “assédio  moral”  e  outras  barbaridades  da  mesma  ordem.      
  • 21.   21       É   claro   que   há   pessoas   poderosas   por   trás   desses   ataques   feitos   pelos  Querelados  à  honra  da  Querelante,  pessoas  ainda  não  identificadas,  mas  que   não  demorarão  a  ser  desmascaradas,  tão  logo  a  Polícia  Federal  revele  os  nomes  dos   responsáveis  pelas  ameaças  feitas  à  Querelante  e  a  sua  genitora,  ameaças  essas  que   utilizam,   justamente,   sua   condição   de   pertencer   à   “procuradoria   da   pcr”   é   expressamente  mencionada  pelos  “fakes”  que  fizeram  as  ameaças,  como  fator  que   seria  usado  para  prejudicá-­‐la  acaso  desagradasse  o  ex-­‐governador  Eduardo  Campos   e  o  prefeito  Geraldo  Júlio:    
  • 22.   22   Mas  a  notoriedade  da  Querelante  não  está  na  sua  atuação  como   procuradora   e   sim   como   ativista   nos   movimentos   sociais   e   como   comentarista   política  nas  Mídias  e  Redes  Sociais  e  em  debates  que  participa  com  frequência,  em   vários  meios  de  comunicação  e  acadêmicos,  inclusive  universidades,  para  os  quais  é   convidada:      
  • 23.   23     Para   se   ter   uma   ideia,   somente   nos   meses   de   março   e   abril,   a   Querelante   participou   de   vários   debates   com   jovens   estudantes   universitários,   a   convite  destes,  sobre  temas  os  mais  variados,  desde  a  Reforma  Política,  passando   pela  Conjuntura  Eleitoral.  Deu  entrevistas  sobre  a  participação  feminina  na  política,   para  estudantes  de  Jornalismo,  da  UNICAP,  tendo  participado  ainda  de  debates  com   alunos  de  Ciências  Sociais,  História  e  Pedagogia,  no  Centro  de  Educação  da  UFPE,   onde,  juntamente  com  o  Comitê  Popular  da  Copa  e  os  movimentos  sociais,  foram   discutidos  os  impactos  sociais  da  Copa  do  Mundo  sobre  as  populações  vítimas  do   higienismo   social,   uma   vez   que   a   Querelante   atua,   ativamente,   como   advogada   voluntária   dos   movimentos   sociais,   notadamente   dos   jovens   que   participam   dos   protestos  pelo  Passe  Livre  e  contra  a  Repressão  Policial:         A  Querelante  também  é  articulista  semanal  de  um  dos  Blogs  mais   conceituados  do  Estado  e,  sem  dúvida,  o  Blog  mais  acessado  do  Norte/Nordeste,  o   Blog  de  Jamildo,  hospedado  no  Portal  NE10,  do  UOL  e  vários  de  seus  artigos,  em   defesa  dos  Direitos  Humanos  e  contendo  análises  da  conjuntura  social  e  política,  são   frequentemente  compartilhados  por  milhares  de  leitores  em  todo  o  país  e  até  no   exterior,  além  de  serem  reproduzidos  por  jornais  e  blogs  nacionais,  como  o  Blog  do  
  • 24.   24   jornalista   Luis   Nassif   e   pelo   site   “Combate   ao   Racismo   Ambiental”.   Entrevistas   sobre  movimentos  sociais  com  a  Querelante  já  foram  reproduzidas  por  Portais  da   Inglaterra   e   feitas   por   jornalistas   estrangeiros.   A   repercussão   das   opiniões   e   do   ativismo  social  e  político  da  Querelante,  já  lhe  rendeu  um  Perfil,  de  3  páginas,  para  o   importante   e   conceituado   Caderno   “Aurora”,   do   Diário   de   Pernambuco   (http://aurora.diariodepernambuco.com.br/2013/09/que-­‐venha-­‐o-­‐proximo-­‐embate/).       Todas  essas  citações  não  têm  por  escopo  fazer  qualquer  apologia  à   pessoa  da  Querelante,  mas  demonstrar  o  grau  máximo  a  que  chega  a  difamação  que   os   Querelados   estão   perpetrando   contra   a   honra   da   Querelada,   dado   o   nível   de   projeção  política  e  social  que  esta  detém  junto  à  comunidade.       Não  bastasse  isso,  o  próprio  Blog  pessoal  da  Querelante,  já  chegou   a  ter  28  mil  acessos  em  uma  só  postagem,  enquanto  outra  dessas  postagens  levou  o   Ministério  Público  a  instaurar  investigação  criminal  contra  o  ex-­‐governador  Eduardo   Campos   e   o   prefeito   de   Ipojuca,   do   PSDB,   Carlos   Santana,   bem   como   contra   a   secretária  de  educação  desse  município  (doc.  anexo).  A  Querelante  recebe  inúmeros   convites   para   produção   de   artigos   para   vários   Blogs   que,   infelizmente,   não   tem   condições  de  atender,  dada  a  exiguidade  de  seu  tempo.  Isso  demonstra  a  enorme   credibilidade   que   detém   junto   à   opinião   pública,   conquistada   após   anos   de   incansável   labor   em   defesa   dos   menos   favorecidos,   do   interesse     público   e   da   moralidade  administrativa.     Dentre   os   artigos   de   maior   destaque   já   produzidos   pela   Querelante,   publicados   pelo   Blog   de   Jamildo   e   amplamente   compartilhados   e   republicados  por  outros  blogs  e  sites,  merecem  destaque  os  seguintes,  dos  quais  se   extrai   alguns   trechos,   apenas   a   título   ilustrativo,   de   modo   a   demonstrar   como   as   difamações  proferidas  nos  depoimentos  prestados  pelos  Querelados,  contra  a  honra   da   Querelante,   são   ofensivos   e   destinados,   deliberadamente,   a   destruir-­‐lhe   a   reputação:    
  • 25.   25   http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/02/18/estado-­‐de-­‐direito-­‐ou-­‐estado-­‐ de-­‐barbarie/     “O   mês   de   fevereiro   de   2014   ficará   marcado   em   nossas   memórias  pela  banalização  do  mal.  Foi  em  fevereiro  de  2014  que  vimos,  em  uma   espécie  de  sequência  bizarra,  a  que  ponto  chegou  a  barbárie  de  uma  sociedade   que  se  pretende  moderna  e  civilizada.   Enquanto  jovens  são  despidos  e  amarrados  a  postes,  pelo   pescoço,   por   pretensos   e   pretenciosos   “justiceiros”   e   crianças   são   espancadas   por  seguranças  de  lojas  pela  simples  suspeita  trazida,  seja  pela  cor  de  suas  peles,   seja  por  sua  condição  social,  de  serem  bandidos,  vemos  um  Congresso  dominado   por  Renans,  Collors,  Sarneys,  Bolsonaros,  Eduardos  Cunha,  em  polvorosa,  para   aprovar  uma  Lei  Antiterrorismo,  cuja  finalidade  é,  tão  somente,  criminalizar  os   movimentos  sociais,  aproveitando-­‐se,  oportunisticamente,  da  morte  trágica  de   um   pai   de   família,   durante   um   protesto,   ao   mesmo   tempo   que   fazem   vista   grossa  para  tantas  outras  mortes  das  vítimas  do  terrorismo  de  Estado,  que  eles   mesmos  patrocinam.   Nos   presídios   e   nos   centros   de   reeducação   de   menores,   persistem  os  assassinatos  com  requintes  de  crueldade,  torturas,  decaptações,  o   abominável,   o   impensável.   E   tudo   sob   a   tutela   e   vigilância   complacente   do   Estado.   O   que   nos   resta,   alguns   hão   de   pensar,   é   o   recesso   dos   nossos  lares.  A  tranquilidade  da  vida  em  família.  Mas  não,  ledo  engano,  pois  nem   ali   há   paz   para   milhares   de   crianças   e   mulheres,   vítimas   da   violência,   aliás,   principalmente  ali,  não  há  paz  para  esses  milhares  de  crianças  e  mulheres,  já  que   é  justamente  na  intimidade  da  vida  doméstica  que  a  violência  se  mostra  mais   presente  e  perversa.   (…)   O  machismo,  porém,  não  é  um  fenômeno  patológico,  a  ser   tratado  por  psiquiatras  e  terapeutas.  Antes  fosse.  Assim  como  a  homofobia,  que   é   uma   das   facetas   do   próprio   machismo   e   o   racismo,   o   machismo   é   um   fenômeno   social,   de   classe,   de   dominação   e   como   tal   tem   que   ser   tratado   e   combatido   mediante   políticas   públicas   efetivas   porque   traz   consequências   gravíssimas  que  as  páginas  policiais  não  permitem  aos  governos  esconder.   Para   se   ter   uma   rápida   noção   do   quanto   é   grave   e   acentuado   o   machismo   em   nossa   sociedade,   levantamento   feito   pelo   IPEA,   somente  na  última  década,  concluiu  que,  no  Brasil,  uma  mulher  é  morta  a  cada   uma  hora  e  meia,  por  causa  do  machismo.  Foram  cerca  de  50  mil  feminicídios,  
  • 26.   26   entre  2001  e  2011,  ou  seja,  algo  em  torno  de  5.000  mulheres  assassinadas  por   ano,   pelo   simples   fato   de   serem   mulheres.   470,   por   mês   e   15,   por   dia,   exclusivamente   por   causa   do   machismo.   Em   pelo   menos   um   terço   desses   homicídios,  o  local  onde  se  deu  a  morte  foi  no  próprio  domicílio  da  vítima,  o  que   demonstra  que  o  lar  é  um  lugar  extremamente  perigoso  para  muitas  mulheres.”     http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/02/11/negros-­‐e-­‐pobres-­‐ja-­‐nascem-­‐ em-­‐perigo/   “Mas   os   problemas   de   Eduardo   Campos   com   os   Direitos   Humanos  não  param  por  aí.  Já  não  é  novidade  que  Pernambuco  foi  denunciado,   em  seu  governo,  a  organismos  internacionais  de  defesa  dos  Direitos  Humanos,   em  razão  das  péssimas  condições  da  FUNASE  (que  a  propaganda  do  candidato   Eduardo  Campos  tem  chamado  de  FEBEM),  onde  menores  são  decapitados  em   rebeliões  e  do  presídio  Aníbal  Bruno,  considerado  o  pior  da  América  Latina,  pior   até  que  o  presídio  de  Pedrinhas,  no  Maranhão.   Mas   o   descaso   do   governador   Eduardo   com   os   Direitos   Humanos,   também   se   volta   contra   vítimas   e   testemunhas   ameaçadas,   senão   vejamos   a   quantas   anda   o   PPCAAM,   Programa   de   Proteção   a   Crianças   e   Adolescentes  Ameaçados  de  Morte.   O  PPCAAM  é  um  programa  federal  criado  em  2003  e  posto   em   execução   a   partir   de   2007,   em   parceria   com   os   governos   estaduais   e   organizações   não   governamentais.   Tem   por   finalidade   a   redução   das   mortalidade   infanto-­‐juvenil,   mediante   a   proteção   de   crianças   e   adolescentes   ameaçados  de  morte,  dando  especial  ênfase  à  proteção  integral  e  à  convivência   familiar.”     http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2013/11/19/novo-­‐recife-­‐ou-­‐estado-­‐novo/   “Algumas  medidas  capitaneadas  pelo  secretário  João  Braga,   a  mando  do  prefeito  Geraldo  Julio  (PSB),  têm  causado  desgastes  a  sua  gestão   junto  aos  movimentos  sociais  e  aos  defensores  dos  direitos  humanos,  mas,  por   outro   lado,   têm   agradado   em   cheio   àqueles   que   sonham,   há   tempos,   com   a   implantação  de  uma  política  higienista  na  cidade.   São  remoções  de  camelôs,  de  feirantes,  enfim,  moradores  e   população  de  baixa  renda  que  não  se  enquadrem  no  seu  modelo  moderno  de   cidade,  no  qual  se  encaixam,  à  perfeição,  Torres  e  arranha-­‐céus  autorizados  a   subir  no  centro  da  cidade,  com  a  alteração  gritante  das  feições  originais  desses   cenários,   até   então   caríssimos   ao   patrimônio   histórico   e   cultural   da   capital   pernambucana  e  que  desta  sempre  foram  referência  internacional.  
  • 27.   27   O  processo  de  gentrificação,  portanto,  tem  contado  com  a   total  cumplicidade  da  gestão  Geraldo  Júlio,  a  ponto  de  referido  processo  parecer   mesmo  ser  o  mote,  a  diretriz  da  sua  política  de  urbanismo,  a  cada  dia  com  mais   feições  higienistas.   (…)   Mas  quem  pensar  que  o  higienismo  é  coisa  de  Geraldo  Júlio   engana-­‐se   mais   ainda.   Ele   também   cumpre   ordens,   assim   como   Agamenon   cumpria  ordens  de  Getúlio.  Para  se  ter  uma  ideia  do  caráter  higienista  do  projeto   de  poder  de  Eduardo  Campos  não  precisamos  ir  muito  longe.  Basta  lembrarmos   da  extinção  do  sagrado  direito  de  nascer,  decretado  por  Eduardo,  em  Fernando   de  Noronha.  Lá,  em  Noronha,  gente  não  pode  nascer.  Só  o  que  pode  nascer  é   empreendimento  turístico  para  desfrute  e  lucro  de  empresários.   Nem   maternidade   funciona   em   Noronha.   Se   houver   uma   emergência  dessa  natureza,  a  paciente  tem  que  ser  deslocada  para  o  continente   correndo  todos  os  riscos,  pois  o  Estado  não  pode,  ele  mesmo,  correr  o  risco  de   que   mais   ninguém   nasça   do   paraíso   de   Fernando   de   Noronha   e   adquira   os   direitos  de  nativo  do  lugar.”     http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/page/1/?s=noelia+brito+inserçao   “No  último  fim  de  semana  estive  em  Natal  e  lá  conheci  a   presidente  da  APAE  de  Caicó,  a  professora  aposentada,  Gildete  Medeiros  que  me   falou   sobre   o   valoroso   trabalho   dessa   instituição   como   fomentadora   e   responsável  direta  pela  inclusão  das  pessoas  com  deficiências  na  sociedade.  A   APAE   –   Associação   de   Pais   e   Amigos   dos   Excepcionais   surgiu   em   1954   com   a   missão  de  promover  a  atenção  integral  às  pessoas  com  deficiência  intelectual  ou   múltipla.  Hoje,  nada  menos  que  2  mil  municípios  brasileiros  contam  com  uma   unidade  da  APAE.   Dentre   as   várias   conquistas   do   movimento   apaeano,   uma   das   mais   importantes,   segundo   os   que   fazem   parte   do   movimento,   foi   a   obrigatoriedade  de  realização  do  Teste  do  Pezinho,  pelo  qual  se  faz  um  exame   laboratorial,  chamado  também  de  triagem  neonatal,  que  detecta  precocemente   doenças  metabólicas,  genéticas  e  infecciosas,  que  poderão  causar  alterações  no   desenvolvimento  neuropsicomotor  do  bebê.   Essa   não   é   uma   conquista   a   ser   desprezada   num   país   em   que   segundo   o   Censo   do   IBGE,   ainda   em   2000,   tinha   uma   população   de   aproximadamente   24,5   milhões   de   pessoas   com   deficiência,   8,3%   das   quais,   diagnosticadas  com  algum  tipo  de  deficiência  mental.  
  • 28.   28   A  partir  dessa  conversa  com  a  professora  Gildete,  recordei   das  várias  denúncias  que  já  haviam  me  chegado  dando  conta  das  agruras  por   que  passam  os  alunos  com  necessidades  especiais  e  seus  responsáveis,  quando   procuram  a  tão  sonhada  –  e  propalada  –  inserção  na  rede  regular  de  ensino.   Não   foi   à   toda,   portanto,   que   o   Estatuto   da   Criança   e   do   Adolescente   e   a   Lei   de   Diretrizes   e   Bases   da   Educação   previram   a   obrigatoriedade  da  inclusão  das  crianças  com  necessidades  especiais  no  sistema   regular  de  ensino,  pois  isso  foi  fruto  de  longos  anos  de  luta  daqueles  que,  assim   como   o   movimento   apaeano,   estiveram   na   vanguarda   das   reivindicações   pelo   reconhecimento   dos   direitos   das   pessoas   com   necessidades   especiais   se   integraram  à  sociedade  de  onde  jamais  deveriam  ter  sido  alijadas.”     http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/01/28/judiciario-­‐que-­‐exclui-­‐esta-­‐ muito-­‐longe-­‐de-­‐ser-­‐moderno-­‐e-­‐mais-­‐distante-­‐ainda-­‐do-­‐povo/   “O  Brasil,  como  signatário  da  Convenção  sobre  os  Direitos   das   Pessoas   com   Deficiências,   a   chamada   Convenção   de   Nova   Iorque,   deve   respeito  aos  princípios  ali  insculpidos  porque  têm  a  força  de  normas  de  natureza   constitucional.   Dentre  os  princípios  a  que  o  Brasil  se  tornou  co-­‐obrigado,   ao  subscrever  a  Convenção  que  trata  dos  Direitos  das  Pessoas  com  Deficiência,   entendidas   estas   como   as   que   “te?m   impedimentos   de   natureza   fi?sica,   intelectual  ou  sensorial,  os  quais,  em  interac?a?o  com  diversas  barreiras,  podem   obstruir  sua  participac?a?o  plena  e  efetiva  na  sociedade  com  as  demais  pessoas”   (art.   1º,   Convenção),   destacam-­‐se   o   “respeito   pela   dignidade   inerente,   independe?ncia  da  pessoa,  inclusive  a  liberdade  de  fazer  as  pro?prias  escolhas,  e   autonomia   individual”,   bem   como   a   “igualdade   de   oportunidades”   e   a   “acessibilidade”.   Dito   isso,   causa   espécie   que   parta   justamente   do   Poder   Judiciário   uma   das   principais   iniciativas   descumpridoras   dessa   conquista   tão   arduamente  buscada  pelos  que  militam  em  prol  da  causa  ora  em  destaque.  É   que  a  pretexto  de  modernizar  o  sistema  de  acompanhamento  e  administração   de  processos,  o  Poder  Judiciário  findou  por  criar  um  processo  judicial  altamente   exclusivo,   com   o   chamado   Processo   Judicial   Eletrônico,   o   PJe,   que   alija   os   profissionais   do   direito   com   deficiência   visual   de   sua   utilização,   tornando-­‐os   totalmente   dependentes   de   uma   terceira   pessoa   para   que   possam   utilizar   o   sistema,  descumprindo  acintosamente  o  que  vem  determinado  pela  Convenção   em  tela.”    
  • 29.   29     http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/02/04/doutora-­‐deborah-­‐prates-­‐um-­‐ balsamo-­‐a-­‐perfumar-­‐nossas-­‐batalhas-­‐por-­‐vezes-­‐inglorias/   “Em   nosso   artigo   da   semana   passada,   denunciamos   o   descaso   com   que   o   Poder   Judiciário   brasileiro   vinha   tratando   a   situação   das   partes   e   profissionais   com   deficiências   que   necessitam   utilizar   o   sistema   processual  eletrônico  para  ter  pleno  acesso  à  Justiça,  o  que,  em  si,  já  configurava   flagrante   descumprimento   das   normas   constitucionais   vigentes,   desde   que   o   Brasil  se  tornou  signatário  da  Convenção  de  Nova  Iorque.   A   inconstitucionalidade   e   o   desrespeito   com   o   direito   das   pessoas   deficientes,   em   especial   aquelas   com   deficiência   visual,   foram   referendados   por   uma   decisão   do   Ministro   Joaquim   Barbosa,   na   condição   de   presidente  do  Supremo  Tribunal  Federal  e  do  Conselho  Nacional  de  Justiça.   Em  nossos  artigos  anteriores  –  vale  lembrar  que  em  nosso   primeiro  artigo  sobre  o  tema,  quando  falamos  do  papel  das  APAEs  e  tratamos  do   descaso   dos   governos   estaduais   e   municipais   em   aparelhar   escolas   e   treinar   educadores  para  lidar  com  os  alunos  com  necessidades  especiais  -­‐,  trouxemos   dados  ainda  do  Censo  de  2000,  para  demonstrar  a  dimensão  da  exclusão  que  o   descumprimento,   seja   pelo   Poder   Judiciário,   seja   pelo   Poder   Executivo,   das   políticas  inclusivas,  causava  ao  nosso  povo.   (…)   Felizmente,  durante  as  férias  do  presidente  do  STF,  coube   ao  vice-­‐presidente,  Ricardo  Lewandowiski  despachar  o  mandado  de  segurança   MS   32.751,   impetrado   pela   advogada   fluminense,   onde   o   vice-­‐presidente   do   Supremo,   no   exercício   da   presidência   reconheceu   o   descaminho   por   onde   enveredara   o   STF,   ao   cercear   o   direito   da   advogada   ao   livre   exercício   da   profissão,  concedendo  liminar  no  sentido  de  lhe  permitir  peticionar  em  papel:   “Conforme   narrado   na   inicial   deste   writ,   o   processo   judicial   eletrônico   é   totalmente  inacessível  às  pessoas  com  deficiência  visual,  pois  não  foi  elaborado   com  base  nas  normas  internacionais  de  acessibilidade  web.   Dessa  forma,  continuar  a  exigir  das  pessoas  portadoras  de   necessidades   especiais   que   busquem   auxílio   de   terceiros   para   continuar   a   exercer   a   profissão   de   advogado   afronta,   à   primeira   vista,   um   dos   principais   fundamentos  da  Constituição  de  1988,  qual  seja,  a  dignidade  da  pessoa  humana   (art.  1º,  III,  da  CF).   (…)   A  quem  iremos  responsabilizar?  O  que  mais  de  descaso  em   termos  de  descumprimento  de  direitos  fundamentais  encontraremos  dentro  do  
  • 30.   30   próprio  Poder  Judiciário  e  que  continuarão  ocultos  por  não  encontrarem  pessoas   como   a   advogada   Deborah   Prates   para   se   insurgirem   contra   eles?   Que   o   exemplo  de  Deborah  nos  inspire  e  nos  anime  a  seguir  adiante  como  um  bálsamo   a  perfumar  nossas  batalhas  muitas  vezes  tão  inglórias.  Salve,  salve,  Dra.  Deborah   Prates!”     Buscando-­‐se   nos   jornais   de   nosso   Estado,   incontáveis   serão   as   matérias  trazendo  o  nome  da  Querelante  como  defensora  voluntária  de  estudantes   e  trabalhadores  contra  a  opressão  e  a  repressão.  Na  página  pessoal  no  Facebook  da   Querelante  são  inúmeros  os  comentários  de  admiração  e  respeito  de  pessoas  que   acompanham   o   trabalho   combativo   da   Querelante,   sempre   na   defesa   dos   menos   favorecidos   e   do   povo   de   nosso   Estado,   contra   as   perseguições   dos   poderosos,   a   ponto   de   alguns   citarem   a   Querelante   como   exemplo   para   suas   próprias   vidas   e   condutas.  São  jovens  estudantes  universitários,  secundaristas,  pessoas  já  adultas  e   de  todas  as  profissões  e  classes  sociais  que  já  tiveram  oportunidade  de  manifestar   publicamente  seu  respeito  e  admiração  pela  conduta  escorreita  da  Querelante.       Resta   evidenciado,   portanto,   que   os   ataques   mesquinhos   e   desprovidos  de  qualquer  fundamento  ou  veracidade  que  os  Querelados  desferiram   contra  a  Querelante,  no  dia  10  de  abril  do  corrente  ano,  nada  mais  são  que  crimes   contra   sua   honra,   difamações   sórdidas,   destinadas   a   desmoralizá-­‐la   perante   a   opinião   pública,   visando   destruir   a   imagem   que   ergueu   com   muito   esforço   e   dignidade,  que,  repita-­‐se,  tem  servido  de  inspiração  para  jovens  e  adultos  de  todas   as  classes  sociais,  hoje  tão  carentes  de  pessoas  íntegras  em  quem  possam  confiar  e   se  espelhar.  O  desserviço  que  os  Querelados  prestam  não  é  só  à  Querelante,  mas  a   todos   que   admiram   e   precisam   de   seu   trabalho   por   sentirem-­‐se   por   este   representados.  Eis  alguns  exemplos:      
  • 31.   31              
  • 32.   32     http://andradetalis.wordpress.com/2014/04/10/noelia-­‐brito-­‐no-­‐caminho-­‐certo/  
  • 33.   33      
  • 34.   34          
  • 35.   35    
  • 36.   36        
  • 37.   37       Conforme   se   percebe   pelos   comentários   expressados   por   um   número   significativo   de   cidadãos   e   cidadãs   que   acompanham   a   trajetória   e   o   trabalho  da  Querelante,  muitos,  inclusive,  seus  admiradores,  os  ataques  a  sua  honra   que  têm  sido  desferidos  pelos  Querelados  não  podem  mais  seguir  impunes,  razão   pela   qual   a   presente   Queixa-­‐Crime   se   mostra   inadiável   e   inevitável.   Ademais,   o   número  de  acessos  e  compartilhamentos,  comentários  e  “curtidas”  nas  postagens   feitas  pela  Querelante  em  seu  perfil  pessoal  no  Facebook,  deixam  claro  o  porquê  da   vontade  de  seus  detratores  em  difamá-­‐la,  desqualificá-­‐la  e  desmoralizá-­‐la  a  qualquer   custo,   posto   que   não   convém   aos   interesses   inconfessáveis   dos   coronéis   que   mandam   em   Pernambuco   e   na   Prefeitura   do   Recife,   que   a   Querelante   seja   uma   formadora  de  opinião  com  tamanha  repercussão  e  influência  nas  Redes  Sociais,  a   ponto  de  que  uma  única  postagem  sua,  criticando  atos  desses  “coronéis”  modernos,   possa   chegar   a   ter   milhares   de   compartilhamentos   e   ainda   instigue   acalorados   debates,  sem  a  censura  e  o  cabresto  desses  donatários,  que  tratam  o  povo  como   serviçais  e  o  Estado  como  se  fosse  sua  capitania  hereditária.  Os  cidadãos  e  cidadãs   livre   pensantes   transformaram   o   perfil   da   Querelante,   no   Facebook,   numa   verdadeira  Ágora  virtual,  conforme  se  vê  nos  exemplos  adiante:    
  • 39.   39    
  • 40.   40    
  • 41.   41    
  • 43.   43    
  • 44.   44    
  • 45.   45       Os   Querelados   também   injuriaram   a   Querelante,   praticando   a   conduta  típica  prevista  no  artigo  140,  do  CP,  ao  acusarem  a  Querelante  de  praticar   ofensas,  inclusive  de  baixíssimo  nível,  contra  seus  semelhantes,  independentemente